34 Especial. 56 Lifestyle Viagem Hawaii Restaurante Zina food & wine Automóvel Hyundai ix35 Artes Montra. Editorial 02.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "34 Especial. 56 Lifestyle Viagem Hawaii Restaurante Zina food & wine Automóvel Hyundai ix35 Artes Montra. Editorial 02."

Transcrição

1

2

3 ÍNDICE Editorial 02 Primeira Opinião 04 Ana Sofia Portela Zoom RH 06 Ver e Vencer Serafim Gonçalves Múltiplos Olhares/ Formação Novas apostas da Egor Pós-graduação «Gestão de Pessoas», da EGP-UPBS Evento «European Coaching Conference», da ICF Dicas para Investir na formação Tendências Empresas e redes sociais Dupla Expressão 12 Manuela Cruz Artur Fernandes Entrevista de Capa 14 Paulo Barreto Crónica RH e Novas Tecnologias 20 Desafios e oportunidades, por David Pinheiro Responsabilidade Social 22 Optimus Crónica Relações Laborais 26 A presunção de laboralidade no Código do Trabalho, por Inês Arruda Em Foco 28 Outplacement 32 Crónica Formação Medir o impacto dos planos de desenvolvimento, por Carlos Sezões 34 Especial Outsourcing Crónica Saúde e Segurança no Trabalho Ginástica laboral, por Paula Amador Espaço RH Em Síntese O Treinador e a Política Jorge Araújo Livros Coaching Sérgio Guerreiro Opinião Luís Bento/ Sites Inovação Fernando Sousa Legislação Visto de Fora Denize Athayde Dutra (Brasil)/ Manuel González Oubel (Espanha) As Minhas Escolhas Jorge Macias Nobre 56 Lifestyle Viagem Hawaii Restaurante Zina food & wine Automóvel Hyundai ix35 Artes Montra 64 Crónica Woman 1

4 EDITORIAL Nº20 Agosto 10 Director António Manuel Venda , 12 anos de Google Editora Executiva Ana Leonor Martins, , Redacção Irina Pedro, Mário Sul de Andrade Colaboradores Artur Fernandes, Carlos Antunes, Denize Athayde Dutra, Humberto Silva, Jorge Araújo, Luís Bento, Manuel González Oubel, Manuela Cruz, Mário Ceitil (nesta edição) Ana Sofia Portela, Carlos Sezões, David Pinheiro, Fernando Sousa, Inês Arruda, Paula Adrião, Paula Amador, Pedro Lucas, Pedro Mota, Ricardo José Martins, Tânia Prezas, Vítor Lourenço Projecto Gráfico e Paginação Design e Forma, Fotografia Fernando Piçarra Fotolia, João Andrés Tânia Prezas e Vítor Gordo Syncview Directora Comercial e de Marketing Sónia Maia, , Assinaturas Impressão Peres SocTip, SA E.N. 10, KM 108, Samora Correia Distribuição VASP, MLP Media Logistics Park Quinta do Grajal Venda Seca Agualva Cacém Nº de Registo na ERC: Nº de Depósito Legal: /08 Tiragem: exemplares Periodicidade: Mensal Propriedade e Edição Just Media, Lda Rua de São José, Nº 149/159, 1º Dto Lisboa Tel Nenhuma parte desta publicação, incluindo textos e fotografias, pode ser reproduzida, por quaisquer meios, sem prévia autorização da Just Media. JA António Manuel Venda Director O universo fascinante da Google é o grande destaque desta edição de Agosto. Uma empresa que começou há 12 anos nos Estados Unidos, numa garagem onde dois estudantes da Universidade de Stanford deram asas aos seus espíritos visionários e começaram o projecto que se tornaria num fenómeno verdadeiramente global. A história é conhecida, mas mesmo assim muito há para descobrir no universo que começou com o famoso motor de pesquisa o Google, no masculino, o que até causa alguma estranheza quando depois, ao falarmos da empresa, usamos o feminino e dizemos «a Google». Pelo menos comigo aconteceu, ao editar a entrevista do líder deste projecto no nosso país. Paulo Barreto, 42 anos, é o country manager da Google Portugal desde Março de Apaixonado pela Google, resolveu contactar a empresa e perguntar por que é que não abriam um escritório em Portugal. Os contactos prolongaram-se por quase dois anos. Conforme ele próprio explica «Portugal não está no radar da Google. Ainda hoje Portugal não conta, somos um mercado ridículo de 10 milhões de pessoas para seis biliões do mundo inteiro. Mas em Madrid precisavam de uma pessoa que começasse a olhar para o mercado português e resolveram contratar-me. Eu concorri a 12 entrevistas, em Espanha, França e Inglaterra, e oito meses depois comecei a trabalhar na Google, em Madrid, para o escritório português. Já lá vão cinco anos. A certa altura resolveu-se que Portugal tinha uma dimensão que justificava abrir um escritório e aí tive de me candidatar à posição de country manager, que felizmente ganhei.» Mas nem só da Google é feita esta edição. Um especial sobre outsourcing (com duas partes, uma sobre recursos humanos e outra sobre serviços), o outplacement e a sua utilização nas empresas ou o projecto da Optimus na responsabilidade social são outros trabalhos em destaque. Com as secções habituais e com o prometido regresso de Jorge Araújo, que durante alguns meses assinou na «human» o espaço de reflexão «O Treinador na Empresa»; é a vez agora de «O Treinador e a Política», a explorar temas bem adequados aos tempos que vamos vivendo. Uma nota ainda, muito triste. Faleceu o jurista Albino Mendes Baptista, de quem neste percurso de quase dois anos o projecto «human» sempre teve um apoio incondicional. Partiu muito novo e com tanto ainda para dar a uma área onde era uma figura muito respeitada. E com tanto para dar à própria vida. Um dos colaboradores da «human», Luís Bento, lembra-o na sua crónica habitual, onde lembra também Miguel Pinheiro, um profissional de recursos humanos, bastante jovem, que perdeu a vida num acidente em Moçambique, onde exercia a sua actividade. 2

5 PUB

6 PRIMEIRA OPINIÃO A sua marca Palmon Ana Sofia Portela, Managing Partner da Palmon Search & Assessment Vivemos num mundo em que as marcas são tão importantes e estão de tal forma presentes que (quase) não damos por elas. Elas são fundamentais na construção da nossa realidade e guiam-nos como referenciais. Mas qual a importância da «marca» que cada um tem ou deixa na organização onde está? É possível cada um de nós ter, de facto, algo que nos distingue dos outros? Sim, é possível. O cérebro humano continua a ser um verdadeiro mistério da ciência, mas no início da década de 1990 foram feitas descobertas importantes acerca de uma determinada zona cerebral, à qual o neuropsicólogo norte-americano Michael Persinger e o neurologista indiano Vilayanur Ramachandran (Universidade da Califórnia) chamaram competências como o bom-humor, o poder de mobilização, a empatia, o feedback construtivo e a celebração, entre outras. Voltando às mais recentes descobertas, o «ponto de Deus» foi transformado num novo quociente de inteligência: a inteligência espiritual, ou QEs (Quociente Espiritual) ou QS ( spiritual quocient ). Segundo a filósofa norte-americana Dana Zohar (Universidade de Harvard), é a inteligência que nos leva a criar situações novas, a perceber a necessidade de mudar de rumo, a necessidade de investir mais num projecto ou a coragem para, apesar do conflito de interesses, manter o rumo face aos valores da organização. Enquanto o QI resolve problemas primordialmente de lógica e o QE nos ajuda a avaliar as situações e a reagir a elas de forma No meio empresarial, o Quociente Espiritual (QEs) leva-nos a ser menos individualistas, a procurar o interesse e o bem-estar de todos atingindo objectivos, e é a base de sustentação das empresas. «ponto de Deus» ou «módulo de Deus». Esta é a área que todos accionamos quando procuramos o sentido das nossas vidas. Percorrendo a evolução dos estudos e as principais teorias de avaliação de pessoas e profissionais, encontramos no início do século XX, em 1905, através do psicólogo francês Alfred Binet e fruto de anos de estudo, um processo de avaliação do Quociente de Inteligência (QI). Hoje em dia a avaliação deste tipo de competências, em contexto de selecção ou assessment, dá-nos indicadores sobre a forma como nos relacionamos com as tarefas-chave da nossa função (poder de síntese, inovação e criatividade, organização, resolução de problemas, entre outros), isto é, a forma como somos competentes tecnicamente para darmos resposta e sermos eficazes a atingir os resultados esperados. Mais tarde, na década de 1980, o neurocientista norte-americano Daniel Goleman popularizou a inteligência emocional, afirmando que a nossa estrutura não é a razão (QI) mas sim a emoção (QE Quociente Emocional). A inteligência emocional é a competência de mobilizar a energia, gerada pelas emoções, de forma positiva para nós e para os outros. A este nível avaliamos adequada e levando em conta os nossos sentimentos e os dos outros, o QEs dá-nos a capacidade para fazer perguntas fundamentais sobre o significado da vida e experimentar, simultaneamente, a conexão entre cada um de nós e a nossa família, os nossos colegas e o mundo em que vivemos. No meio empresarial, o QEs leva-nos a ser menos individualistas, a procurar o interesse e o bem-estar de todos atingindo objectivos, e é a base de sustentação das empresas. A boa utilização das competências do QEs em contexto de trabalho (e muito especialmente em pessoas com responsabilidades de liderança) tem implicações directas na relação entre colegas, com os clientes, na forma como os resultados são vistos, no desenvolvimento de uma cultura de crescimento e bem-estar, tendo em conta os valores e a estratégia da empresa. Estamos a falar das pessoas que agora, mais do que nunca, são pilares essenciais de cada equipa pela forma como mantêm o rumo com elevadíssimos padrões de exigência, que estão aliadas a uma constante procura de envolvimento e desenvolvimento das outras. Nunca conheceu (ou não conhece) ninguém assim na sua empresa? 4

7 PUB

8 ZOOM RH VER E VENCER Serafim Gonçalves Um homem de desafios Texto: Ana Leonor Martins Quando em 2007 foi iniciado o projecto do Grupo LeYa, Serafim Gonçalves era director de recursos humanos na Texto Editores, onde estava desde Janeiro de «Tínhamos feito um grande trabalho de reestruturação dos recursos humanos, incluindo a aquisição e a implementação de um novo software de gestão que iria permitir uma acção mais globalizante, eficaz e adaptada aos novos desafios que se impunham. Com o início da LeYa conta o agora director de recursos humanos do grupo, demonstrámos as nossas capacidades e que estávamos preparados para arrancar com o projecto de construção de um grupo editorial inovador e ambicioso. O projecto implicava começar tudo novamente do zero, em termos de estrutura organizativa de recursos humanos, mas tínhamos conhecimentos, meios técnicos e pessoal motivado à altura do desafio», sublinha. Serafim Gonçalves recorda que «as pessoas que se foram juntando ao Grupo LeYa ajudaram a que ganhasse ânimo, pois pela natureza do sector editorial são esclarecidas e bem informadas, logo estimulam a criatividade para se fazer mais e melhor». Vítor Gordo Antes de ingressar no ramo editorial, Serafim Gonçalves estava na área petrolífera. Começou por integrar a Cepsa Portuguesa, como técnico de recursos humanos (1999), passando quatro anos depois a ser responsável de recursos humanos da Propel Produtos de Petróleo (a empresa de retalho da marca). Lembra que «foi uma experiência incrível», onde se iniciou como profissional de recursos humanos e onde teve «a sorte de encontrar pessoas que sabem o verdadeiro significado do que é trabalho em equipa em prol de objectivos concretos». Os últimos anos no sector do retalho acrescenta «foram muito exigentes, dada a dimensão que a rede de lojas ganhou em tão curto espaço de tempo», sendo que «ajudar a construir isso foi gratificante e motivador». Como agora recorda, «fazíamos o máximo com recursos mínimos». Mas entretanto surgiu o convite para integrar a Texto Editores. «Não fazia a mínima ideia do que era o sector editorial, mas gostei do desafio que 6

9 ZOOM RH MÚLTIPLOS OLHARES Acha que a União Europeia (UE) corre riscos de desagregação? me lançaram, pois poderia criar de raiz em vez de seguir directivas corporativas. Tinha que aceitar», enfatiza. «Transformar a gestão de recursos humanos de uma empresa em algo com que eu me identificasse era um desafio que tinha que enfrentar.» E porque é «um homem de desafios», não pôde deixar de estar envolvido na criação do Grupo LeYa, «que tinha a ambição de se tornar no maior grupo editorial do país». Como assegura, «o sector é apaixonante, pelo que não tive o mínimo receio de avançar; sabia que estava preparado para o que aí vinha». Serafim Gonçalves recorda que «as pessoas que se foram juntando ao Grupo LeYa ajudaram a que ganhasse ânimo, pois pela natureza do sector editorial são esclarecidas e bem informadas, logo estimulam a criatividade para se fazer mais e melhor», diz. «Continuamos todos os dias com tarefas muito ambiciosas e construímos uma equipa forte e coesa.» No entanto, Serafim Gonçalves admite que gerir os recursos humanos de um grupo que integra diversas editoras «é um constante desafio na procura de soluções que tornem as pessoas mais felizes», até porque acredita que é o facto de terem «os melhores e mais dedicados profissionais» que está na base do sucesso da LeYa. «Pessoas que encaram os seus desafios de forma honesta e séria; pessoas que acreditam nos projectos que lhes entregam e que os transformam em sucesso. As empresas são as pessoas que nelas vivem e trabalham. São o seu activo mais valioso», reitera. Em relação ao grupo, Serafim Gonçalves considera que foi «pioneiro na mudança», acrescentando: «Atrás de nós outros vieram e todos temos a ganhar com este movimento. Quer os profissionais que trabalham e vivem da edição e da produção de conteúdos, quer o consumidor final que vai ter mais variedade, melhor qualidade e vai ser alvo de uma atenção a que não estava habituado.» E termina com a convicção de que o mercado editorial, «se trabalhado com mais profissionalismo e com produtos que realmente vão ao encontro das necessidades do público, sem esquecer a responsabilidade cultural e social que quem está neste sector tem que obrigatoriamente respeitar, será um mercado promissor e apetecível, e cada vez com mais clientes». FP Carlos Perdigão, Advogado da LCA Abalada Matos, Lorena de Sèves, Cunhal Sendim & Ass. «A crise da UE, para além dos aspectos de natureza conjuntural, é uma crise de crescimento e de afirmação. O ataque especulativo ao euro e o definhamento das economias dos países mais vulneráveis da moeda única vieram relançar a questão do governo da União, parecendo dar razão aos que há muito defendem uma solução de tipo federalista para reformar a zona euro e relançar a economia à escala europeia. É caso para perguntar em que medida estarão os principais estados europeus, em especial a Alemanha e a França, disponíveis para abdicar de mais uma importante parcela da sua soberania e da sua influência. O prolongamento da crise actual comprometerá certamente o poderio económico e o papel da UE na cena internacional. Mas daí à desagregação ainda vai uma distância não negligenciável.» GMS Sara Rodrigues, Senior Manager e Responsável pela área de Human Capital da GMS «No contexto actual insurgem-se algumas vozes contra o projecto europeu, invocando a avaliação dos ganhos que alguns países tiveram com a adesão à UE. Aponta-se principalmente razões económicas e de soberania para justificar uma eventual desagregação. E as pessoas? Com a criação do espaço europeu adquiriram o direito de circular livremente entre os estados-membros, podendo estudar, trabalhar e viver no país onde as suas necessidades pessoais e de desenvolvimento profissional melhor sejam satisfeitas. Embora alguns considerem que esse poderá ser um activo desprezível, para muitos europeus (principalmente os da geração Erasmus) esse é um direito adquirido que lhes abriu novas oportunidades e de que não estarão dispostos a abdicar, podendo mesmo ser um argumento decisivo num cenário de desagregação.» Maria Augusta Vieira Partner da Ideias & Desafios FP «Não é um problema recente, e casos como o da Grécia vieram acentuar o risco. Se por um lado há necessidade de criar uma Europa coesa, por outro (problemas de liquidez acentuados por incentivos ao consumo, a crise que se depois se instalou ) os países europeus têm dividas externas elevadas. A questão de uma única moeda faz com os países da zona euro percam a capacidade de efectuar desvalorizações cambiais competitivas. No entanto, unidos podemos ajudar-nos mutuamente. Provavelmente os critérios de estabilidade devem ser mais rigorosos, podendo existir penalizações para os não cumpridores. As medidas de austeridade terão de ser bem validadas e deve ser promovido mais diálogo para que todos se sintam empenhados na resolução do problema comum. Os países cumpridores e com situações financeiras melhores podem e devem ajudar, mas também com o exemplo.» 7

10 FORMAÇÃO Novas apostas da Egor Texto: MSA O ano de 2010 marca a entrada de uma nova equipa de direcção para a área de Formação da Egor. Liderada por Rosa Silva, a área tem agora como objectivos, segundo José Vaz Quintino, director comercial e de marketing da instituição, «não apenas manter a qualidade de serviço a que o mercado já se habitou mas reforçar a aposta na criatividade e na inovação em termos de oferta formativa, alargar no mercado interno o leque dos serviços à formação inter-empresas e implementar um projecto de internacionalização». Sobre esta última aposta, é a própria Rosa Silva que assinala que «a Egor já está representada em Angola, através de uma parceria com a Prime Consulting», sendo que o mercado africano, para já Angola, «vai permitir consolidar uma posição no mercado nacional, alcançada ao longo de 24 anos mas que até agora se tinha traduzido em intervenções episódicas no âmbito internacional». A responsável frisa que «avançar neste sentido só é possível porque existe uma equipa sénior, responsável, multidisciplinar e muito orientada para o negócio». A área de Formação integra-se na Egor «tal como as outras seis áreas de negócio Recrutamento e Selecção, Trabalho Temporário, Outsourcing, Incentivos Motivacionais, Consultoria e Coaching», explica José Vaz Quintino», realçando que esta integração «permite oferecer aos clientes um conjunto de serviços diversificados que posicionam a Egor no segmento de Sobre o mercado de formação, José Vaz Quintino faz notar «que os clientes são cada vez mais exigentes», enquanto Rosa Silva fala em «transformações profundas» e «actores que surgem a cada segundo». pessoas e negócios como um grupo multidisciplinar e que responde aos clientes através do desenvolvimento de projectos integrados e sinergias das diferentes áreas». Ou seja, «é possível haver um cliente que desenvolve com a Egor um projecto de outsourcing e cuja formação é desenvolvida com know-how especializado da equipa da Formação, ou um outro que pretenda implementar um sistema de avaliação de desempenho desenvolvido pela Egor e que tem a possibilidade de na sequência das avaliações dos colaboradores identificar necessidades de formação, coaching ou recrutamento e obter uma resposta integrada e soluções adequadas à sua realidade». Rosa Silva, na mesma linha de raciocínio, diz que Vítor Gordo «toda a intervenção da Egor é complementar», referindo ainda: «Somos possivelmente o único parceiro que poderá oferecer aos clientes soluções que abracem todas as áreas de Recursos Humanos com uma grande vantagem nos dias que correm, o facto de sermos uma empresa com 100% de capital português.» Sobre o mercado de formação no nosso país, Rosa Silva fala em «transformações profundas» e «actores que surgem a cada segundo, universidades que viram o número de alunos reduzir-se drasticamente nos últimos anos e tiveram de encontrar alternativas, consultores que após alguns projectos decidem arriscar a constituição de uma empresa», ou seja, «um sem número de exemplos que permitem constatar que são poucas as empresas nesta área que apresentam credenciais». Para Rosa Silva, o que diferencia a Egor «é sobretudo um know-how baseado na experiência adquirida ao longo de mais de duas décadas, a aposta constante na formação das equipas e um grande alinhamento das intervenções com os clientes», sendo que isso «permitiu estabelecer relações duradouras de verdadeira parceria». José Vaz Quintino, por sua vez, faz notar que «actualmente existe um leque muito alargado de empresas que actuam nesta área, num mercado em que os clientes são cada vez mais exigentes e mostram sinais de cansaço resultantes de experiências de formação cujos resultados no dia-a-dia são pouco visíveis». E salienta que «a aposta da Egor nos métodos activos de formação e na criação de soluções ajustadas caso a caso tiveram como contrapartida não apenas a fidelização de clientes mas também uma facilidade mimética muito grande de identificação com os objectivos, a cultura e os valores de qualquer tipo de organização.» 8

11 PÓS-GRADUAÇÃO «Gestão de Pessoas», da EGP-UPBS Texto: MSA A primeira edição da pós-graduação em «Gestão de Pessoas» da Escola de Gestão do Porto/ University of Porto Business School (EGP-UPBS) terminou em Julho, sendo o balanço «francamente positivo», nas palavras da coordenadora, Teresa Proença, que além de professora na instituição lecciona também na Faculdade de Economia da Universidade do Porto. Doutorada em «Ciências Empresariais», com especialidade em «Gestão de Recursos Humanos» pela Universidade Católica, e com experiência no meio empresarial, Teresa Proença refere: «Na pós- -graduação reflectimos sobre as temáticas mais actuais no domínio da gestão de pessoas, de modo aplicado e em contextos reais. Os estudantes desenvolveram projectos em empresas em gestão de competências, políticas retributivas e acolhimento. Foi ainda desenvolvido um projecto de planeamento estratégico de recursos humanos numa start-up inovadora. Desenvolveu-se um potencial enorme de conhecimento, que acabou por emergir entre os estudantes, os professores e as empresas envolvidas. Os participantes melhoraram competências de empregabilidade e abraçaram novos desafios profissionais.» O facto de o grupo de alunos ter sido muito heterogéneo revelou-se, segundo a responsável, «um ponto forte» da iniciativa. «Além de directores de recursos humanos, tivemos pessoas que ocupam cargos de topo, directores- -gerais, comerciais, de qualidade, bem como técnicos de gestão de recursos humanos, profissionais de psicologia, das tecnologias da informação, entre outras áreas. E tanto o sector industrial como o dos serviços estiveram bem EGP Para Teresa Proença, a aposta na área da gestão das pessoas para uma pós-graduação da EGP-UPBS é justificada pela sua «reconhecida importância estratégica nas organizações». representados. Esta diversidade enriqueceu os debates e as reflexões, bem como as propostas e as soluções apontadas para os problemas e projectos analisados.» A aposta na área da gestão das pessoas é justificada por Teresa Proença pela sua «reconhecida importância estratégica nas organizações». Como refere, «justificava-se que a EGP-UPBS, enquanto escola de negócios de referência, acrescentasse este programa à sua oferta». Além disso, «a gestão dos recursos humanos nas empresas portuguesas ainda assume um cariz pouco estratégico, pela reduzida formação de grande parte dos gestores, o que é um argumento para o crescimento da formação na área, e as competências para uma formação neste domínio na Universidade do Porto, nomeadamente na EGP-UPBS e na Faculdade de Economia, são vastas». De referir que os melhores alunos da pós-graduação foram distinguidos pela Select/ Randstad com uma visita à sede do Grupo Randstad, em Amesterdão. É um exemplo do envolvimento de empresas, com a preocupação de aproximação ao mercado. «Esta ligação contou com a colaboração da Select/ Randstad e de profissionais de recursos humanos no desenho do curso, pela sugestão de conteúdos disciplinares e na participação como formadores em disciplinas e seminários», refere Teresa Proença. «Os seminários, por exemplo, trazem pessoas com carreiras muito interessantes, que mostram as suas experiências. A ligação ao mercado é também conseguida com os eventos da EGP-UPBS, que envolvem empresas parceiras e outras escolas da Universidade do Porto.» 9

12 ZOOM RH DICAS PARA Investir em formação EVENTO «European Coaching Conference», da ICF Recolha: MSA Texto: MSA Quando se trata de investir em formação, Paula Tomás, managing director da PTC Paula Tomás Consultores, destaca seis ideias-chave. Na sua opinião, são o melhor guia para rentabilizar os investimentos nesta área. *** Envolver os actores do processo de desenvolvimento/ aprendizagem «A formação deve fazer parte de um processo de desenvolvimento global e planeado. As chefias directas devem ser envolvidas na definição dos resultados a atingir com a formação, bem como ser chamadas a intervir na avaliação do impacto desta nos resultados.» Construção de percursos formativos personalizados em função do perfil individual «Realização de diagnóstico para assegurar a identificação das necessidades específicas e a transferabilidade dos conteúdos. Preparação do design pedagógico de acordo com o diagnóstico, elaboração de um plano de mudança para cada participante com base na identificação de indicadores de medida da transferência das aquisições.» Promover projectos integrados de formação e modalidades de formação-acção «Diminuir o tempo de formação em sala. Criar módulos de oficinas práticas. Intercalar os momentos de formação em sala com outros de implementação no terreno, onde serão registadas as dificuldades, com observação do formador ou não, e depois trabalhadas em sala até serem validadas no terreno.» Reinventar a engenharia pedagógica e os métodos activos «Desenvolver intervenções formativas orientadas para a obtenção de resultados. A utilização das novas tecnologias ( power-point ) a par da banalização da profissão de formador fomentaram o recurso ao método expositivo. Para garantir a eficácia há que recolocar no centro do processo formativo o participante e a apropriação do saber através da descoberta e da experimentação.» Organizações centradas na gestão e na avaliação do capital de conhecimentos «Os objectivos de desenvolvimento de competências e o processo formativo devem estar intimamente ligados aos mecanismos organizacionais de gestão do conhecimento e de reconhecimento do mérito. A avaliação e a gestão do desempenho deverão incorporar os resultados obtidos com a formação.» Maior exigência de qualidade e experiência dos formadores «Privilegiar a formação ministrada por formadores experientes, sobretudo na área pedagógica. O design pedagógico, a metodologia escolhida e a qualidade e a competência técnica do formador são determinantes para a avaliação positiva do impacto comportamental.» YouUp Realizou-se em Paris, de 17 a 19 de Junho, a edição de 2010 da «European Coaching Conference» (http:// da ICF Internacional Coach Federation. João Alberto Catalão e Ana Teresa Penim, administradores da YouUp The Coaching Company e autores do livro «Ferramentas de Coaching», estiveram entre os participantes e deixaram à «human» as suas impressões do evento. João Alberto Catalão confessa que adora participar nas conferências da ICF e que este ano se sentiu «feliz por ter integrado a maior comitiva de sempre de coaches portugueses». Na sua opinião, «o coaching em Portugal saiu claramente fortalecido» com a participação. «Estes eventos são um espaço privilegiado de aprendizagem e partilha. Depois, reforçam a motivação para continuar a desenvolver a actividade de coach. Sentimo-nos integrados numa organização constituída por profissionais de todo o mundo, imbuídos de um espírito de verdadeira comunidade global. Participei, recebi e partilhei ideias e reflexões sobre aquela que é considerada a mais poderosa ferramenta da actualidade em desenvolvimento pessoal e profissional.» Já Ana Teresa Penim destaca a intervenção de Denis Marquet, um filósofo, escritor e terapeuta, sobre o «vazio criador». «Gostamos de evoluir, desde que fiquemos intactos esta afirmação toca-me particularmente enquanto coach comprometida com a missão de estimular o outro a sair do seu esquema repetitivo, para que consiga entrar na dinâmica de liberdade criativa de novas possibilidades. O vazio criativo permite que nos adaptemos ao único, diz Marquet. O coach, refere também, precisa de se libertar daquilo que sabe, daquilo que tem e dos seus modos de fazer, il faut se contenter d être.» Outros destaques de Ana Teresa Penim: «O empenho da organização para que a conferência incorporasse uma dimensão de co-criação protagonizada pelos participantes e o facto de ter constatado que já tenho laços estreitos de cumplicidade com um grupo de coaches excepcionais a nível global, desde a China ao Estados Unidos, os quais encontro nas várias conferências da ICF.» Nota: a «Conferência Mundial ICF 10» terá lugar no Texas (Estados Unidos), no próximo mês de Outubro. João Alberto Catalão faz parte do Comité de Organização deste evento, durante o qual vão decorrer as comemorações oficiais dos 15 anos da ICF. 10

13 ZOOM RH TENDÊNCIAS As empresas e as redes sociais Texto: MSA As redes sociais globais tornaram-se uma ferramenta de negócio convencional, sendo que 40% das empresas as utiliza com sucesso para cativar novos negócios. São dados de um relatório encomendado pela Regus, uma empresa global que fornece soluções para escritórios. De assinalar que em Portugal a percentagem chega apenas a 31%, ou seja, mais de dois terços das empresas ainda não utilizam as redes sociais para desenvolver os negócios. Segundo o relatório, o facto de mais de um quarto das empresas a nível mundial (27%) alocar uma percentagem do orçamento de marketing para actividades de redes sociais é «revelador da confiança que estão a depositar nas redes sociais enquanto forma de negócio». Em Portu- Mais de dois terços das empresas portuguesas ainda não utilizam as redes sociais para desenvolver os respectivos negócios. gal, apenas 20% das empresas o faz. De referir que no nosso país 51% dos inquiridos usa as redes sociais para comunicar com os seus contactos; e 49% declarou que a maior vantagem das redes sociais é a possibilidade de gestão e comunicação com grupos de clientes, enquanto 58% declarou usar as redes sociais para encontrar informação relevante de negócio, em comparação com a média global de 54%. Ainda em Portugal, 49% dos inquiridos (44% globalmente) declarou ter ficado impressionado com as animações audiovisuais no perfil de uma empresa. Portugal regista também 29% de cépticos relativamente às redes sociais, um valor inferior à média (34%). 11

14 DUPLA EXPRESSÃO Paulo Marques Manuela Cruz Administradora da Célula 2000 Conta-se numa história que numa floresta viviam três leões. Um dia, um macaco, representante eleito dos animais súbditos, fez uma reunião com todos na floresta com o objectivo de escolher de entre os três leões a qual deviam prestar homenagem e chamar rei. Uma decisão através de duelos ou da força estava fora de questão, uma vez que eram todos amigos. Então tiveram uma ideia: encontrar um desafio a que os três teriam de se submeter e do qual resultaria a coroação do mais forte. Para o macaco, a solução encontrada estava na Montanha Difícil, que cada um dos leões teria de escalar. O que atin- muito perto deles, e quando eles regressavam fracassados ao vale escutei o que cada um disse à montanha. Todos ouviam. A águia continuou: O primeiro leão disse «Montanha, você venceu-me!». O segundo leão disse «Montanha, você venceu-me!» Já o terceiro leão disse mais do que isso: «Montanha, você venceu-me, por enquanto! Mas você, Montanha, já atingiu o seu tamanho final, e eu ainda estou a crescer!» Depois completou: A diferença é que o terceiro leão teve uma atitude de vencedor diante da derrota, e quem pensa assim é maior do que o seu problema: é rei de si mesmo «Você venceu-me, por enquanto! Mas você, Montanha, já atingiu o seu tamanho final, e eu ainda estou a crescer!» Foi o que disse o terceiro leão. A força que vence montanhas gisse o pico primeiro seria consagrado rei dos reis. A Montanha Difícil era a mais alta de entre todas as que existiam naquela imensa floresta. O desafio foi aceite e no dia combinado milhares de animais cercaram a montanha para assistirem à grande escalada. O primeiro leão tentou, mas não conseguiu; foi derrotado. O segundo tentou, e também não conseguiu; foi derrotado. O terceiro tentou, e não conseguiu; como os outros, foi derrotado. Os animais estavam curiosos e impacientes. Afinal, qual dos três seria o rei, uma vez que tinham sido derrotados? Foi nesse momento que uma águia idosa e com grande sabedoria pediu a palavra. E disse: Eu sei quem deve ser o rei. Todos os animais ficaram em silêncio, numa grande expectativa. A senhora sabe!... Mas como? acabou um deles por perguntar à águia. É simples respondeu ela. Enquanto os leões tentavam subir, eu voava e está preparado para ser rei dos outros. Daí a pouco, os animais da floresta aplaudiram entusiasticamente o terceiro leão, que foi coroado rei dos reis. *** Em suma, não importa o tamanho dos problemas ou das dificuldades que nos surgem na vida. As dificuldades, pelo menos na maior parte das vezes, já atingiram o seu auge, já estão no nível máximo mas nós não. Nós ainda estamos a crescer. Nós somos maiores do que a junção de todas as dificuldades. Cada dificuldade ou montanha tem um determinado tamanho e cada um de nós ainda não chegou ao limite do seu potencial de crescimento. O importante é não desistir de continuar a tentar. Permitam-me o uso do inglês. Li isto algures: «It s your attitude and not your aptitude that determines your altitude.» De facto, não podemos mudar o mundo, mas podemos mudar a forma como o encaramos. Nestas férias, pense nisto e tenha uma atitude positiva. 12

15 DUPLA EXPRESSÃO Por força do princípio da igualdade, na vertente negativa os mais ricos pagam mais impostos, os menos favorecidos têm pensões e subsídios que os demais não têm, os jovens têm crédito bonificado, enquanto os demais não têm... O velho princípio jurídico da igualdade tem uma dupla vertente. Obriga a lei a tratar de modo igual o que é igual, mas também de modo desigual o que é desigual. Por força do princípio da igualdade, na vertente negativa os mais ricos pagam mais impostos, os menos favorecidos têm pensões e subsídios que os demais não têm, os jovens têm crédito bonificado, enquanto os demais não têm, entre outras situações. A noção cultural/ antropológica/ jurídica do casamento tem a ver com a singularidade da relação jurídica: não é a junção de duas pessoas para uma actividade lucrativa (contrato de sociedade), não lucrativa (associação, fundação) mas uma união entre duas pessoas com vista a uma comunhão de vida (união tendencialmente perpétua, estável e constituindo a célula base da vida do ser humano em sociedade). É uma união espiritual e carnal, envolvendo sentimentos e afectos, e relações patrimoniais e pessoais. Onde encontrarmos formas de união entre pessoas com vista a esta plena comunhão de vida é, ou pode ser, no casamento. A procriação não é fim nem pressuposto do casamento. Se o fosse os impotentes não poderiam casar, como existiria uma idade a partir da qual, por incapacidade para procriar, não haveria capacidade para tal. E sempre (desde o Direito Romano) estas pessoas tiveram capacidade núbil. Daí que possa aceitar, em tese, haver casamento entre duas pessoas do mesmo sexo. Problemas: I. Se onde duas pessoas do mesmo sexo, que têm um projecto de vida em comum, o direito deve permitir o casamento, também onde sociologicamente existem projectos de vida em comum, nos mesmos termos, por razões de igualdade, deve haver casamento./ Um muçulmano, a quem a sharia garante o direito a ter duas mulheres (ou cinco), tem como centro da sua vida familiar as duas mulheres, de quem tem filhos, e com quem vive em plena comunhão de vida, estabelecendo uma hierarquia entre as suas mulheres e outras regras aceites nas sociedades poligâmicas./ Se ele tiver nacionalidade portuguesa, a lei deve amputar-lhe este seu direito à realização pessoal e à felicidade, através da imposição de só poder casar (face à lei civil) apenas com uma delas? E a outra ser (face à lei) uma mera amante?/ Quando, justamente, segundo os seus costumes, ambas têm um papel relevante na vida familiar e ambas co-existem como mães dos filhos e mulhe- res daquele marido?/ Se a lei pode reconhecer o direito ao casamento de pessoas do mesmo sexo, por igualdade de razão pode, e deve, reconhecer direito ao casamento aos cidadãos muçulmanos ou zulus nos termos em que eles culturalmente o entendem./ A lei, hoje, ao alargar a noção legal de casamento a pessoas do mesmo sexo, alterando o requisito de diferenciação sexual por questões culturais de século XXI, terá, por uma questão de coerência, de alterar o outro requisito (da exclusividade que impõe o casamento monogâmico), pelas mesmas razões culturais do século XXI, isto é, que o casamento perca também este requisito da exclusividade./ É gravíssimo do ponto de vista da igualdade (por violação do princípio da igualdade jurídica) trazer o estatuto do casamento conjunto de direitos e deveres pessoais e patrimoniais que decorrem do estado de casado para os gays (por exemplo) e não fazer o mesmo com os muçulmanos./ Se um membro do casal gay morre, o sobrevivo deve ser tratado legalmente como viúvo, com os direitos inerentes, como herança e outros./ Se um muçulmano morre, recusa-se a uma das suas mulheres os direitos inerentes de viúva, como direito à herança, etc, apenas por ser a segunda mulher? Que até é a mais recente II. Existe um casamento curioso: o casamento in articulo mortis (artigo do Código Civil). No leito da morte permite-se o casamento, bem sabendo que o nubente vai morrer. A ideia é «lavar» o tempo em que existiu concubinato sem casamento, permitindo que morra no estado de casado (o que historicamente permitiu as maiores barbaridades, como quando o pároco, a troco de uma quantia para a paróquia, atestava que o sim do casamento tinha sido proferido, perante si, mas o cadáver já se encontrava frio...)./ Este casamento é a antítese da vida em comum, pois justamente é celebrado por causa da morte que vai ocorrer./ Se assim é, não há razão nenhuma para que, neste caso, não possa haver casamento com uma irmã... Sem que haja qualquer risco de eugenia. III. Como a noção de casamento ficou reduzida à união carnal-espiritual e plena comunhão de vida, haverá que ampliar isto a outras formas de vida em comum próprias do século XXI./ Será aceitável uma plena comunhão de vida com uma ovelha? Pois se em certos países europeus, elas podem herdar Por vezes, iniciamos caminhos sem ter a certeza de aonde eles nos levam ou podem levar. Princípio da igualdade jurídica PG Artur Fernandes Advogado e Consultor de Recursos Humanos 13

16 ENTREVISTA DE CAPA 14

17 ENTREVISTA DE CAPA Paulo Barreto Google, um universo fascinante Começou numa garagem, em 1998, pelas mãos de dois estudantes da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, e muito rapidamente se tornou numa das maiores empresas tecnológicas do mundo. A Google é hoje muito mais do que o conhecido motor de pesquisa e, apesar de todos os seus produtos serem gratuitos para o utilizador, é um negócio que rende biliões de euros. Está presente em Portugal há cerca de três anos e o country manager, Paulo Barreto, explica em que consiste a actividade da empresa no nosso país e no mundo. Texto: Ana Leonor Martins Fotos: Vítor Gordo Syncview Toda a gente conhece a marca Google, mas se calhar poucos saberão em que consiste a sua presença no nosso país. O que é a Google em Portugal? A Google em Portugal tem duas áreas distintas. Por um lado, uma área de marketing que tem como principal vocação a actualização e a tradução dos produtos Google para português de Portugal. Começámos pelo motor de pesquisa, depois fizemos o Gmail, o Picasa, depois o Blogger, o Google Maps Este último foi um projecto que contou com a colaboração de várias entidades portuguesas. Quando há o lançamento de novos produtos em português, existe sempre essa preocupação. Depois temos uma área comercial, que faz angariação de publicidade para os nossos produtos e que constitui a maioria da equipa de cá. Temos também uma equipa que faz apoio remoto aos clientes, que está centralizada em Dublin. Há uma terceira área da Google, que não existe em Portugal, que é a de engenharia, provavelmente a maior área da empresa, já que trabalhamos com tecnologia. É a área de desenvolvimento de produto e está espalhada por todo o mundo. Desde quando é estão em Portugal? A actividade da Google Portugal começou a partir de Espanha, há mais ou menos cinco anos. Em Portugal estamos há cerca de três. Mas parte da nossa equipa do marketing e de vendas está em Madrid e em Dublin. O facto de o escritório em Portugal ter começado a partir de Espanha tem a ver com algum receio de que o mercado português não fosse interessante? Não. As pessoas às vezes esquecem-se de que a Google tem 11/ 12 anos. Uma empresa começa aos poucos. Começámos em Espanha porque é um dos maiores mercados europeus. Foi uma questão de prioridades; primeiro abriu-se os escritórios dos países grandes. Depois, a partir de Espanha, começámos a trabalhar o mercado português e achámos que valia a pena ter um escritório local. E o que é que o mercado português pode oferecer à Google? Portugal é um país com um mercado muito pequeno, mas a Google acredita que os utilizadores portugueses têm direito a ter os seus produtos traduzidos para português. Mas também existe um mercado publicitário que é bastante atraente e achámos que valia a pena ter uma estrutura própria para o trabalhar. O mercado português deve rondar os mil milhões de euros. É cerca de 10 vezes mais pequeno do que o mercado espanhol. Para dar uma ideia de quão pequenino é, basta dizer que a Google em Inglaterra factura quase o triplo do mercado total de publicidade em Portugal. Há-de ser sempre um mercado pequeno, que corresponde à dimensão do país, mas é uma aposta. A Google tinha como objectivo ter um escritório em todos os países porque acha que é a melhor forma de servir os utilizadores, com equipas locais. Actualmente, que estrutura tem a Google a nível internacional? Estou um bocado perdido em relação ao número de es- «O grande sucesso da Google está relacionado com a sua filosofia de estar focado no utilizador. Todos os produtos são gratuitos. O nosso lema é focus on the user and all else will follow. Desenvolvemos produtos de que o utilizador gosta e arranjamos forma de os rentabilizar, através da publicidade.» 15

18 ENTREVISTA DE CAPA critórios que temos, e em relação ao número de pessoas é política da Google não revelar. Mas existem dois escritórios muito grandes, um em Mountain View, na Califórnia, que é a sede, e outro em Nova Iorque. Depois há uma grande estrutura em Dublin, onde estão os serviços partilhados, de apoio aos vários países. A sede europeia é em Inglaterra. A nível global está dividida em quatro grandes regiões: Américas, North and Central Europe, Asia and Pacific e depois há a SEEMEA South and Eastern Europe, Middle East and Africa, uma região gigante, onde Portugal se integra. Num projecto global como este, faz sentido falar de uma gestão para um país? Aproveitando a escala, e sendo uma empresa global, eu diria que a maioria das funções da empresa estão centralizadas. Nós aqui não temos área de recursos humanos, que está em Paris, nem área de contabilidade e de cobranças, cujo trabalho é feito a partir de Dublin, por exemplo. Não facturamos nem cobramos; aliás, eu nunca vi uma factura. Concentramo-nos exclusivamente nas vendas e na tradução de conteúdos, mas sempre integrados com as outras equipas. Isso é muito positivo, porque nos permite concentrar na nossa actividade core. O resto é feito por alguém que eu nem sei quem é. E como é que é feita a ligação entre os diversos escritórios? Na Google é tudo muito apoiado em sistemas. A maior parte da nossa facturação é feita on-line, é tudo integrado. Todos os anos tenho que rever os aumentos das pessoas e é tudo feito através de uma ferramenta on-line. Há um determinado budget para alocar ao país e, tendo em conta as avaliações, a remuneração e o nível do empregado, o próprio sistema dá-me uma sugestão e eu apenas tenho que fazer alguns ajustes. É o mesmo sistema para o mundo inteiro. Depois há as vídeo-conferências, os s, o instant messaging, etc. Em que é que se concentra a sua função enquanto responsável da Google em Portugal? Primeiro, na coordenação e na definição de objectivos da equipa; em segundo lugar, e é aquilo que é mais difícil e também mais importante, a motivação da equipa. Uma equipa de vendas tem que estar sempre motivada e cabe-me a mim essa tarefa. Como é que é feita essa motivação? Estando permanentemente a falar com as pessoas. Acredito que é a maior motivação que se pode dar. Temos que estar perto, ouvir as pessoas e perguntar sempre a opinião antes de tomar qualquer decisão. Faço isso por princípio. Depois, a própria Google tem uma série de ferramentas pensadas para a motivação, como por exemplo as TGIF («Thanks God It s Friday») que é uma festa ao fim do dia de sexta-feira, comida grátis no escritório, encontros de vendas semestrais, o financiamento de parte do ginásio, uma mesa de matraquilhos e uma cadeira de massagens. Não conseguimos ter aquilo que os «Concorri a 12 entrevistas, em Espanha, França e Inglaterra, e oito meses depois comecei a trabalhar na Google, em Madrid, para o escritório português. Já lá vão cinco anos. A certa altura resolveu-se que Portugal tinha uma dimensão que justificava abrir um escritório e aí tive de me candidatar à posição de country manager, que felizmente ganhei.» 16

19 ENTREVISTA DE CAPA grandes escritórios da Google têm, até porque não estamos naquilo que é um escritório típico da empresa, não temos dimensão para ter uma piscina ou um ginásio, por exemplo. A maior parte das pessoas deve ter essa imagem, dos vídeos que estão no YouTube, em que se vê escorregas e postes de bombeiros no meio do escritório, mesas de snooker, salas de reuniões completamente atípicas Sim, Mountain View tem dentistas, creche, campos de volley, salas de massagens, mas nós aqui não conseguimos ter isso. É o mesmo espírito, mas à nossa dimensão. Essa particularidade terá mais a ver com o espírito e com postura do que propriamente com o facto de terem ou não terem piscina Sim. Somos informais e somos uma organização muito flat, há poucos níveis hierárquicos. As pessoas interagem todas e isso é motivante. Tenho fotografias do número um do mundo a dançar com as colaboradoras da Google Portugal. Isso é salutar. A Google é uma empresa muito apetecível para trabalhar e calculo que recebam muitas candidaturas por dia. O que é que a torna tão fascinante? Recebo todos os dias dois/ três currículos e quando abrimos candidaturas são 100 ou 200. Acho que o mais fascinante é ser uma empresa que pode fazer mudanças no mundo. O que fazemos transforma a forma como as pessoas vivem. A missão da Google é organizar e tornar disponível toda a informação do mundo. E as pessoas adoram os nossos produtos, o motor de pesquisa é fantástico, o Gmail oferece espaço quase ilimitado, o Google Books tem como missão digitalizar todos os livros do mundo e torná-los acessíveis a todas as pessoas, o Google News agrega todas as notícias de todos os jornais do mundo E temos uma cultura muito própria. É quase inexplicável. Eu adoro a Google e não consigo explicar por quê, porque no fundo é um motor de busca. Mas terá a ver com a visão e a missão ambiciosa, com o estar em todo o mundo e com o ter produtos fascinantes. Que perfis procuram e que características privilegiam no processo de recrutamento? O processo de candidatura é muito exigente e pode demorar vários meses. Na Google procuramos pessoas que tenham três ou quatro características que são importantes. Em primeiro lugar, ter um currículo académico de excelência, que seja de uma boa universidade e que tenha ficado nos melhores alunos. A segunda é ter experiência internacional, ou que tenha vivido em vários países ou saiba várias línguas. Também valorizamos que a pessoa tenha um feito pessoal, fora do trabalho, de relevo. Por exemplo, o country manager da Finlândia foi medalha de prata de patinagem artística e o número um de Inglaterra foi atleta olímpico de remo. Finalmente, tem que ser uma pessoa googly, ou seja, porreira. Geralmente, quando estamos a fazer a avaliação definimos isso respondendo à pergunta se gostávamos de passar uma semana de férias apenas com aquela pessoa. Se temos duvidas, eliminamos. Por isso, quando quero contratar uma pessoa demora meses. Tem que passar várias entrevistas. Para contratar alguém para a equipa de Portugal, há muitas pessoas a participar no processo de decisão? Aqui há quatro ou cinco entrevistas e uma ou duas que são feitas por alguém fora de Portugal. Depois é criado um pacote de candidatura e esse processo vai a um comité europeu, passa para um comité nos Estados Unidos e por fim vai ao fundador da empresa, ao Larry Page, que vê a descrição dos candidatos que passaram todas as outras fases. Já aconteceu recusar pessoas, mas é uma percentagem reduzida. E é fácil encontrar em Portugal pessoas com as características que referiu? Não, é dificílimo. E não exigimos que reúna todas as características. Mas quando alguém tem dúvidas o candidato é imediatamente eliminado. Também procuramos pessoas com experiência on-line e na área para a qual vai ser feita a contratação. A última pessoa que contratámos entrou em Abril e tínhamos começado o processo em Outubro do ano anterior. E os talentos portugueses podem aspirar a trabalhar na Google a nível global? Temos programas que permitem às pessoas rodar entre os diferentes escritórios, mas há uma série de condições. Primeiro, tem que ser aprovado pelo manager, tem que ter tido boas avaliações e depois candidatar-se e ser aceite. Que ensinamentos podem as empresas portuguesas tirar da «filosofia» da Google, de liberdade e da exigência máxima, diria eu, que se tornou um extraordinário e quase sem paralelo caso de sucesso? Acha que esta filosofia e exemplo de novas formas de criar e produzir podia ajudar a aumentar a produtividade das empresas portuguesas? Claramente. Continuo a ver verdadeiras aberrações em empresas portuguesas, como obrigar a tratar por senhor doutor, e depois os senhores doutores estão sempre em reunião, nunca se consegue falar com eles. Temos casos de portugueses que trabalhavam nas vendas a partir de Dublin e desistiram do mercado português e foram para o espanhol por causa disso. Esta filosofia é negativa. Mas não é a informalidade que faz o sucesso da Google. Temos um produto fantástico. E somos muito exigentes, até porque a pressão é enorme. Temos avaliações permanentes e objectivos muito agressivos. Como é que é gerida essa pressão? Temos objectivos trimestrais e são sempre elevados. Mas apesar da crise estamos a crescer 30%. Para vocês a crise até deve funcionar como uma Paulo Barreto, 42 anos, é o country manager da Google Portugal desde Março de Ao longo da sua carreira desempenhou diversos cargos de direcção. Foi director da Divisão Internet e Novos Negócios da Media Capital Multimédia, assessor do presidente do Sporting Clube de Portugal e consultor na BCG Boston Consulting Group e na Gemini Consulting. Possui formação pela Universidade Católica Portuguesa e um MBA pelo MIT Massachusetts Institute of Technology, Sloan Scholl of Management. 17

20 ENTREVISTA DE CAPA Essencialmente não conhecem o produto, não sabem como funciona e pensam que é caro. Não têm noção de que o Google pode transformar os negócios. Posso parecer suspeito, mas se não fosse assim não tinha o sucesso que tem. A Google vende mais de 20 biliões por ano. E tudo se vai fazer cada vez mais on-line. Neste momento, cerca de 45% da população portuguesa está na Internet. Dentro de 10 anos vai ser 60 ou 70% e daqui a 20 anos não haverá ninguém que não esteja na Internet, por isso a tendência é para crescer. oportunidade, com as empresas a apostarem em novas formas de comunicação com o mercado, e mais baratas A nossa publicidade tem a particularidade não só de ser barata mas sobretudo de ser muito eficiente. Não há espaço para desperdício. É uma publicidade muito direccionada e virada para os resultados; chega exactamente a quem está à procura daquele produto ou serviço. E paga- -se não se as pessoas procurarem, mas só se entrarem no site. O Google é uma forma de gerar negócio. Comunicamos com as pessoas que mostraram interesse e predisposição para comprar. O directório das Páginas Amarelas viveu disso durante muito tempo e foi super-rentável. Aqui passa-se um bocadinho o mesmo, mas adaptado aos tempos modernos. E a taxa de sucesso para os clientes deve ser elevada Tenho casos de amigos com pequenas empresas que começaram a utilizar o Google e tiveram que aumentar a equipa porque deixaram de ter capacidade de resposta. Em Portugal ainda há muitas empresas que não sabem utilizar o Google, mas pode efectivamente fazer explodir negócios. E podemos ajudar a aumentar as exportações. As empresas portuguesas têm tudo a ganhar em publicitar os seus produtos fora de Portugal. É só a publicidade que viabiliza este negócio, a nível global? A publicidade representa 99%. O grande sucesso da Google está relacionado com a sua filosofia de estar focada no utilizador. Todos os produtos são gratuitos. O nosso lema é focus on the user and all else will follow. Desenvolvemos produtos de que o utilizador gosta e arranjamos forma de os rentabilizar, através da publicidade. Mas há produtos, como o Google Earth, por exemplo, que não têm publicidade. Essa é que é a fórmula de sucesso. E mesmo a publicidade não é intrusiva. Já nos quiseram comprar a homepage do Google, mas não vendemos porque o utilizador gosta de ter um interface limpo. A publicidade que aparece está relacionada com o que se pesquisa. E não se pode comprar os resultados do motor de pesquisa. Os primeiros lugares estão relacionados com a relevância. É isso que nos garante audiência. O Google é muito mais do que um motor de busca, aquilo a que mais facilmente o associamos. O que era o Google quando foi criado e o que é agora? O Google começou numa garagem em 1998, com dois estudantes universitários da Universidade de Stanford, e tornou-se muito rapidamente numa das maiores empresas tecnológicas do mundo. Penso que somos a terceira ou quarta, a seguir à Microsoft, à Apple e eventualmente à IBM. Começou por ser só um motor de pesquisa e durante dois anos praticamente não teve receitas, porque a filosofia era criar um motor de pesquisa para as pessoas usarem gratuitamente. Depois foi lançado o Google Adwords e a partir daí começou a expandir para vários produtos. Como tem sido a adesão das empresas portuguesas? Todos os trimestres há milhares de empresas novas a começar a utilizar o Google. Mas se admitir que temos 300 mil pequenas e médias empresas (PME) em Portugal, e diria que a maioria delas podia ser nossa cliente, ainda temos muita margem para crescer. Há um trabalho de educação do mercado que ainda é preciso fazer. A percentagem de empresas que aderiram à nossa plataforma de publicidade, o Adwords, comparando com outros países, ainda é pequena. Estou convencido de que podemos multiplicar a base de clientes por 10, à vontade. Acha que a mentalidade dos empresários em Portugal ainda é muito conservadora? Como é que um projecto de dois estudantes universitários se transformou num negócio multibilionário, com uma das mais poderosas marcas do mercado? Acho que foi o facto de se ter focado no utilizador. O modelo de negócio até era vender a tecnologia de pesquisa, e chegaram a contactar o Yahoo. Depois tiveram uma atitude muito inteligente, que foi contratar um chief executive officer (CEO). Eles eram engenheiros e informáticos, visionários em termos de tecnologia, mas precisavam de alguém com visão de negócio que lhes desse apoio. A contratação do Eric Schmidt foi muito importante, e ele ainda hoje é o nosso CEO. A partir daí, com o crescimento natural da Internet e com o crescimento das receitas de publicidade, a Google cresceu de zero para 20 biliões. Foi 18

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco :!:!: em foco Conceito O2 Sinta uma lufada de ar fresco Executive Coaching Através do processo de Executive Coaching a Conceito O2 realiza um acompanhamento personalizado dos seus Clientes com objectivo

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Recursos Humanos em Portugal

Recursos Humanos em Portugal O Maior Salão Profissional de Recursos Humanos em Portugal 9.ª Edição 17e 18 de Março de 2010 Centro de Congressos do Estoril www.ife.pt OS DECISORES SÃO UMA PRESENÇA GARANTIDA + 2000 profissionais de

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Securitas Parceiro da Universidade Fernando Pessoa

Securitas Parceiro da Universidade Fernando Pessoa Securitas Parceiro da Universidade Fernando Pessoa A Securitas é o parceiro de Segurança da Universidade Fernando Pessoa (UFP), no Porto. Uma colaboração que se tem vindo a cimentar ao longo dos 14 anos

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Teolinda Portela Directora da Forino

Teolinda Portela Directora da Forino PROJECTO FSE: FORTIC (Associação para a Escola de Novas Tecnologias FORINO) APOIO FSE ATRAVÉS DA: Iniciativa Comunitária EQUAL Capacitar pessoas Capacitar pessoas com problemas motores para a vida activa,

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

Brochura GrowUpServices

Brochura GrowUpServices Brochura GrowUpServices 1. O QUE FAZEMOS 1. Quem Somos 03-12-2015 3 1. Quem Somos A GROWUPSERVICES é uma marca da GROWUPIDEAS e que actua na área da consultoria de negócios. Entre os seus sócios acumulam-se

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Serviços. Conquistar. quando identificou a oportunidade de negócio que constituía a Internet enquanto meio para agilizar

Serviços. Conquistar. quando identificou a oportunidade de negócio que constituía a Internet enquanto meio para agilizar Serviços Conquistar um lugar à mesa nas reservas on-line Até há bem pouco tempo Portugal não contava com um serviço especializado para reservar mesas em restaurantes através da Internet. Este ano ganhou

Leia mais

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde (No Âmbito das Comemorações dos 10 Anos da Assinatura do Acordo de Cooperação Cambial) SESSÃO DE ABERTURA Intervenção

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012 Human Resources Human Resources Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012, realizados pela Michael Page. O objectivo dos nossos Estudos de Remuneração

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

Pós-Graduação Leadership & Management. 3ª Edição

Pós-Graduação Leadership & Management. 3ª Edição Pós-Graduação Leadership & Management 3ª Edição 2010/2011 Leadership & Management Direcção Científica Prof. Doutor José Verissimo Doutora Teresa Passos A Direcção Executiva é partilhada entre o IDEFE e

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José Correspondente especial Vanessa Amaro www.usj.edu.mo Formar talentos para contribuir para o sucesso das indústrias criativas em Macau Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade das Indústrias Criativas

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos.

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Formada por uma Equipa de Consultores com uma consolidada e diversificada experiência, quer na área

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

AGUIRRE NEWMAN Liderança baseada na inteligência emocional

AGUIRRE NEWMAN Liderança baseada na inteligência emocional Pág: 42 empresas de excelência para trabalhar em portugal Área: 19,00 x 26,00 cm² Corte: 1 de 6 AGUIRRE NEWMAN Liderança baseada na inteligência emocional Texto: Ana Leonor Martins Foto: Vítor Gordo A«A

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz Cegoc Moçambique Formação e Consultoria em Capital Humano O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE cegoc.co.mz O maior grupo europeu de formação profissional agora em Moçambique

Leia mais

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2015. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2015. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2015 Healthcare Human Resources & Life Sciences Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt Human Resources Estudo de Remuneração 2015 Apresentamos-lhe os Estudos

Leia mais

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Michael Page lança Barómetro de TI 90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Lisboa, 21 de Julho de 2015 A Michael Page, empresa líder em recrutamento de quadros médios e superiores,

Leia mais

Entrevista com FTM Holding. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso. Francisco Tavares Machado. Presidente

Entrevista com FTM Holding. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso. Francisco Tavares Machado. Presidente Entrevista com FTM Holding Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso Francisco Tavares Machado Presidente Quality Media Press quais os principais sectores de actividade do Grupo FTM? R. O Grupo

Leia mais

Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique, Exmos. Senhores Membros dos Corpos Directivos da Ordem dos Advogados de Moçambique,

Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique, Exmos. Senhores Membros dos Corpos Directivos da Ordem dos Advogados de Moçambique, Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique, Exmos. Senhores Membros dos Corpos Directivos da Ordem dos Advogados de Moçambique, Caros Convidados, Caros Colegas, Permitam-me que comece

Leia mais

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M." João Vieira Pinto

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M. João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Pdg. 76 Por M." João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Afirma-se como lhe Marketing School e ambiciona ser a referência do ensino nesta área. Por isso, ejá a partir do próximo ano,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Artigo de Opinião da coach Ana Teresa Penim

Artigo de Opinião da coach Ana Teresa Penim Ana Teresa Penim Executive Coach Guerra? Qual guerra? Apesar de estar um sol radioso, naquele dia o Luis entrou na sala onde fazíamos as sessões de coaching com ar derrotado e mortiço. Nem o meu sorriso,

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou

A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou Pág: 12 Área: 18,37 x 22,86 cm² Corte: 1 de 5 Entrevista ALEXANDRA PEREIRA Directora da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou

Leia mais

Procura de Excelência

Procura de Excelência www.mba.deg.uac.pt Procura de Excelência MASTER IN BUSINESS ADMINISTRATION Mestrado em Gestão (MBA) Secretariado Departamento de Economia e Gestão Rua da Mãe de Deus Apartado 1422 E-mail: mba@uac.pt Tel:

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4 APRENDA A SER INOVADOR PARA FICAR À FRENTE DA CONCORRÊNCIA QUAIS OS PASSOS NECESSÁRIOS PARA PLANEAR E REALIZAR UMA CONFERÊNCIA ONLINE DE SUCESSO! COMO DAR AULAS NUMA SALA DE AULA VIRTUAL! CONTEÚDOS Como

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS POWER-RH Gestão estratégica a de mudança organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS PARA EMPRESAS - A Power-rh Somos peritos em gestão estratégica de mudança organizacional e desenvolvimento humano.

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

Portugal está quase lá ENTREVISTA

Portugal está quase lá ENTREVISTA Pág: 12 Área: 19,00 x 26,00 cm² Corte: 1 de 6 ENTREVISTA DeF Portugal está quase lá Não somos os melhores na produtividade, na riqueza, na organização empresarial, na capacidade de confiarmos uns nos outros,

Leia mais

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO)

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) 25.5.2011 PT Jornal Oficial da União Europeia C 155 A/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) ANÚNCIO DE CONCURSO GERAL EPSO/AD/215/11 Administradores no

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

OFERTA FORMATIVA 2014/2015. Especial Administração Pública. 1ª Empresa Acreditada em Formação Profissional em Cabo Verde

OFERTA FORMATIVA 2014/2015. Especial Administração Pública. 1ª Empresa Acreditada em Formação Profissional em Cabo Verde OFERTA FORMATIVA 2014/2015 Especial Administração Pública 1ª Empresa Acreditada em Formação Profissional em Cabo Verde www. leaderconsulting.info Maputo, Moçambique. Cidade da Praia, Cabo Verde OFERTA

Leia mais

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA Empresas INOVAÇÃO PRODUTOS DIMENSÃO MERCADO PRODUÇÃO MARKETING GESTÃO LIDERANÇA FINANCIAMENTO RH COMPETÊNCIAS Empreendedorismo VISÃO ESTRUTURADA

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 INDICE 04 O que é o Outsourcing? 09 Como o implementá-lo na sua empresa 11 Vantagens e desvantagens 13 Conclusão

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Os Prémios RH são o reconhecimento público do mérito dos profissionais da Gestão de Recursos Humanos que se distinguem nas suas várias dimensões. É crescente o prestígio

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E Quem somos? Quem somos? O que fazemos? O que nos distingue? Onde estamos? 2 Quem somos? APRESENTAÇÃO A Talent Search foi

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2013. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2013. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2013 Healthcare Human Resources & Life Sciences Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt Human Resources Estudo de Remuneração 2013 Apresentamos-lhe os Estudos

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Guia das Funções Mais Procuradas Page Personnel 2015 Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Lisboa, 16 de Junho de 2015 - A Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5 As Redes Sociais e as Vendas www.clubedasvendas.com 1 CDV (Clube das Vendas) Podíamos abordar um pouco a questão do recrutamento, pois há muitos ouvintes

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Secretariado Executivo 2014

Secretariado Executivo 2014 Ciclo de CONFERENCES AT BREAKFAST Secretariado Executivo 2014 01, 02 e 03 de Dezembro. Lisboa Novos Desafios e Estratégias Comunicação Assertiva, PNL, Influência - RP e Branding- Novas Tecnologias- Gestão

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323 Portugal tem futuro! Liderar com responsabilidade Introdução: A ACEGE em parceria com a CIP e o IAPMEI está a desenvolver o programa Liderar com Responsabilidade, que quer potenciar a acção dos líderes

Leia mais

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas -

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas - Vários estudos provam que a Gestão de Recursos Humanos é a área mais problemática nas organizações e a que consome grande parte do tempo do empresário. Por outro lado, a área da inovação e do Marketing

Leia mais

Tendências de Mercado

Tendências de Mercado Tendências de Mercado Maior exigência no recrutamento de profissionais Globalização crescente do mercado e multiplicidade de stakeholders Internacionalização das empresas / Mobilidade Internacional Alteração

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Apresentação das Iniciativas e.escola e.professor e.oportunidades Escola Secundária Eça de Queiroz,

Leia mais

COACHING EXECUTIVO. YouUp 2008. Para mais informações contacte-nos através do nº. 213 162 650 ou envie um email para: info@youup.

COACHING EXECUTIVO. YouUp 2008. Para mais informações contacte-nos através do nº. 213 162 650 ou envie um email para: info@youup. COACHING EXECUTIVO Os espanhóis têm uma máxima de que gosto muito: falem de mim nem que seja mal, o importante é que falem. O Coaching está na moda! Vários artigos sobre o tema estão a ser publicados em

Leia mais

ENS e EJNS em Portugal encruzilhadas de vida

ENS e EJNS em Portugal encruzilhadas de vida ENS e EJNS em Portugal encruzilhadas de vida Nós e as EJNS testemunho pessoal Somos a Isabel e o Paulo, casámos no dia 30 de Maio de 1992, temos duas filhas, a Patrícia com 18 anos e a Inês com 16 anos,

Leia mais

Consultoria Sistémica

Consultoria Sistémica Cecílio Fernández Regojo Empresário, Consultor e Formador em diversas empresas e organizações nacionais e internacionais cregojo@talentmanager.pt Consultoria Sistémica O método das Constelações Organizacionais

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS Exmo. Senhor Presidente do Grupo Caixa Geral de Depósitos, Engº Fernando Faria de Oliveira Exmo. Senhor Presidente do IAPMEI e da InovCapital, Dr. Luís Filipe

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização.

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização. Coaching Executivo Os espanhóis têm uma máxima de que gosto muito: falem de mim nem que seja mal, o importante é que falem. O Coaching está na moda! Vários artigos sobre o tema estão a ser publicados em

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA OBJETIVOS: promover competências pessoais específicas; disponibilizar ferramentas práticas de gestão de competências pessoais e profissionais;

Leia mais