UMA METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO IMPACTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO IMPACTO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA UMA METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO IMPACTO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EMERGENTES NAS EMPRESAS ELIZABET MARIA SPOHR DE MEDEIROS CAMPINA GRANDE, ABRIL DE 2002.

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA ELIZABET MARIA SPOHR DE MEDEIROS UMA METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO IMPACTO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EMERGENTES NAS EMPRESAS Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Informática da Universidade Federal da Paraíba, em cumprimento às exigências parciais para a obtenção do grau de Mestre. ORIENTADOR: JACQUES PHILIPPE SAUVÉ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINHA DE PESQUISA: REDES DE COMPUTADORES E SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

3 AGRADECIMENTOS Agradecimentos Três momentos especialmente difíceis foram identificados durante este tempo de mestrado: A decisão de fazer o mestrado, mudando toda a rotina de trabalho e da família; O dia a dia, distante da família; A escrita do trabalho de dissertação, requerendo silêncio e concentração, numa casa com duas crianças pequenas. Em cada um destes momentos o fator decisivo para encará-los e superar suas dificuldades veio do apoio, amizade e carinho recebidos de pessoas muito especiais para mim. Aproveito este espaço para lembrar de todas elas e agradecê-las. Quando inventei de fazer o mestrado, recebi grande incentivo de 4 pessoas às quais quero gritar os meus mais sinceros, grandes e profundos agradecimentos: Deus, que me deu apoio espiritual indicando os caminhos menos tortuosos; meu marido Ivan, que me deu apoio emocional e de retaguarda cuidando da casa e das crianças para que eu pudesse estudar em Campina Grande; e meus pais Norberto e Irene, que sempre acreditaram em mim e sempre confiaram na minha capacidade de terminar o que começava. As pessoas que me deram suporte operacional, emocional, residencial, irão ser sempre lembradas e, neste momento, quero expressar a gratidão que vou sentir eternamente: OBRIGADA: Ana Lúcia, Jacques, D. Graça, Ivan, Papai e Mamãe e minhas vizinhas: Helena, Jaqueline, Vera e D.Mita. Apesar de muito pequenas, e conhecendo suas limitações, duas pessoinhas me ajudaram muito a não desistir quando as dificuldades apareciam: minhas filhas Isabelle e Nathália. Lembro-me de um dia, quando muito cansada para pegar o ônibus João Pessoa-Campina Grande disse para Isabelle estar sem coragem para ir assistir aula. Ela fez uma careta e I

4 AGRADECIMENTOS gesticulou como se estivesse arrancando algo do peito e disse: Toma mamãe, pega a minha coragem e vai... Durante o tempo de trabalho conheci três pessoas que me ensinaram (de novo) o que era amizade, quero agradecer a elas e dizer que amizade não acaba com a distância nem a falta de convivência. Raquel, Fabiana e Ladjane: Amizade é para sempre! Acho muito importante o papel de todos os que cruzaram o meu caminho, pois de um jeito ou de outro aprendi pequenas e grandes coisas com eles. Gostaria de mencionar alguns nomes aqui: Jean, Juliana, Fabiana, Mariane, Klívia, Álvaro, Sheila, Adriana, Ronaldo, Keka, D.Valdemira e D. Lourdes, Frei Ricardo, Judith, Maira, Aila, Rodrigo, Benitz, Giovanni, Eliane, Glaucimar, D.Inês, Vera, Zeneide, Oriel, Prof. Raimundo, Prof. Mirabeau, Marcus Sampaio, Peter e Berto. Por fim, gostaria de agradecer a duas pessoas de uma forma muito especial: meu orientador, Prof. Jacques, por todo o seu carisma, psicologia, profissionalismo e atenção dedicados a minha pessoa durante este tempo de mestrado. E à Aninha, por sua constância, coragem, força, amizade e beleza interior que me ensinaram a ser uma pessoa melhor. Obrigada minha Nossa Senhora da Guia por ter me mantido no caminho, me sustentado nas horas difíceis, me iluminado, me guiado e nunca ter me faltado, Amém. II

5 RESUMO Resumo Apesar de estarmos vivenciando a globalização e a descoberta de grandes inovações tecnológicas, um pensamento errôneo ainda domina a mente dos executivos nas organizações brasileiras: Se uma tecnologia é emergente basta aguardar até que ela fique madura para então adotá-la, se for necessário. Sabe-se que o sucesso de uma empresa depende de vários fatores e que a adoção de novas tecnologias é apenas um deles. Todavia, vemos cada vez mais histórias de Tecnologias da Informação (TIs) que acabaram afetando produtos e serviços, redefinindo negócios e mercados, roubando clientes e fornecedores, alavancando algumas empresas e fechando outras tantas. Desta forma, torna-se imperativo que exista uma metodologia clara sobre como avaliar o impacto de TIs em cada organização para que elas possam ser pró-ativas na identificação das tecnologias emergentes que possam vir a afetá-las. Este trabalho tem como principal objetivo conceituar, esclarecer e despertar o interesse das empresas sobre a importância da Avaliação do Impacto de Tecnologias da Informação Emergentes, além disso, esta pesquisa propõe uma metodologia para o Processo de Avaliação e um modelo que sugere como implementá-lo. O resultado final deste trabalho será apresentado no formato de um livro didático construído a partir da investigação de metodologias de análise tradicionais, consulta à opinião de profissionais de TI e pesquisa exploratória realizada em livros e na internet. III

6 ABSTRACT Abstract Although living in the midst of globalization and embracing technological innovation, many executives are plagued with an erroneous thought: they believe that emerging technologies are to be adopted only when they mature, and that one can wait until then before adopting them. It is known that organization success is based on various different factors and the adoption of new technologies is only one of them. Nevertheless, we commonly hear stories about Information Technology (IT) affecting products and services, redefining businesses and markets, stealing clients and suppliers, leveraging some organizations while closing others. For this reason it is useful to have a methodology to assess the impacts of IT in organizations; this process must be clear enough that the organizations may pro-actively identify which emerging technologies can affect them. The main goal of this document is to evaluate, elucidate Emerging Information Technologies and to awaken the organizations to a sense of the importance of Assessing the Impact of Emerging Information Technologies; furthermore we introduce a Process to perform this Assessment and suggest a Model to implement it. The final result is presented in the form of a didactic book. IIII

7 ÍNDICE GERAL Índice Geral AGRADECIMENTOS... i RESUMO... iii ÍNDICE GERAL... iv ÍNDICE DE FIGURAS... ix ÍNDICE DE TABELAS... xi ÍNDICE DE FÓRMULAS... xiii Seção I : INTRODUÇÃO... 1 Capítulo 1 Contextualização Identificação do Problema Principal e Motivação Relevância do Tema Objetivos do Trabalho Organização do Trabalho Considerações Importantes... 8 Seção II : O QUE É TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E O QUE SÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EMERGENTES? Capítulo 2 As Tecnologias da Informação Emergentes A Importância da Informação O que é TI? Por que a TI é importante para as empresas? O que é Internet-Time? O que são TIEs? Casos para Análise O custo da falta de ação: O Caso Clássico da Enciclopédia Britannica O custo da ação duvidosa: Caso Bradesco A compensação da ação acertada: O Caso do Magazine Luiza Resumo / Conclusão IV

8 ÍNDICE GERAL Seção III : POR QUE ANALISAR TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EMERGENTES? Capítulo 3 Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação para os Negócios O que é Gestão de Negócios? Gestão Estratégica de Negócios Quebrando Barreiras de Negócios com a TI Por que Transpor as Barreiras de Negócios é Importante? Exemplo de Quebra da Barreira de Tempo Exemplos de Quebra da Barreira Geográfica Exemplo de Quebra da Barreira de Custos Exemplo de Quebra da Barreira Estrutural Qual o Papel da TI nas Empresas? Alinhamento Estratégico da TI com os Negócios da Empresa União de Objetivos com Finalidades Estratégicas Usando a TI para Melhorar os Processos de Negócios das Empresas Usando a TI para Reestruturar os Processos de Negócios de uma Empresa Quais são as Forças Competitivas que agem sobre uma Empresa? Quais são os Objetivos Estratégicos de uma Empresa? Como a TI pode ser Usada para Implementar Estratégias Competitivas? Dicas para Estabelecer e Manter um Posicionamento Estratégico Diferenciado Cadeia de Valor e TI Resumo / Conclusão Capítulo 4 Análise dos Riscos e Fatores de Sucesso de Tecnologias da Informação Emergentes Problemas com Relação à Adoção de TIEs O Difícil Alinhamento de Objetivos Atitudes Perigosas Face às TIEs Maiores Obstáculos na Adoção de TIEs Fatores que Auxiliam a Empresa a Manter o Sucesso Estratégico Fatores Externos Fatores de Fundação ou Organizacionais Ações e Estratégias de Gestão Qual o Papel do Governo? Exemplo da Influência do Governo: O Bug do BC Os Bancos As Empresas Padronização Resumo / Conclusão Capítulo 5 O Analista de Negócios Como surgiu o Profissional: Analista de Negócios? De Analista de Sistemas para Analista de Negócios O Papel do Analista de Negócios O Perfil do Analista de Negócios Características Inatas e de Comportamento do Analista de Negócios Características de Negócios do Analista de Negócios Características Técnicas do Analista de Negócios Critérios de Avaliação do Analista de Negócios Resumo / Conclusão V

9 ÍNDICE GERAL Seção IV : COMO AVALIAR O IMPACTO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EMERGENTES? Capítulo 6 Planejamento Estratégico de TI Para Conhecer as Necessidades Reais das Empresas Planejamento Estratégico de TI Objetivo do Planejamento Estratégico de TI Processo de Planejamento Estratégico de TI Resumo / Conclusão Capítulo 7 Qual o Perfil da Empresa que Precisa Avaliar Tecnologias da Informação Emergentes? Classificação do Tipo de Empresa Empresas Investidoras em Tecnologias da Informação Emergentes Empresas Seguidoras de Tecnologias da Informação Emergentes Empresas Avessas a Tecnologias da Informação Emergentes Fatores Responsáveis pela Definição do Perfil de uma Empresa Qual é o Perfil de sua Empresa? Análise dos resultados: Resumo / Conclusão Capítulo 8 Avaliando o Impacto de Tecnologias da Informação Emergentes nas Empresas Onde se encaixa a Avaliação de TIEs no Processo de Planejamento Estratégico de TI? Definição das Fases de Criação do Processo de Avaliação do Impacto de TIEs nas Empresas Estudando o Processo de Avaliação de Tecnologias de [Doering, 2000] Adaptando o Processo de [Doering, 2000] para Avaliar TIEs Principais Problemas Encontrados O Processo de Avaliação do Impacto de TIEs nas Empresas Percepção de Oportunidades Levantamento de Riscos Fontes de Risco Organizacional Fontes de Risco do Mercado Fontes de Riscos Tecnológicos Avaliação do Impacto da TIE na Empresa Análise de ROI Decisão Resumo / Conclusão Capítulo 9 Análise de Cenários O que é Cenário e o que é Análise de Cenários? Como a Análise de Cenários pode Ajudar a Avaliar TIEs? Como Construir a Análise de Cenários? Estudo de caso: Identificação do Problema Passos da Análise de Cenários Aplicação da Análise de Cenários no Caso dos Jornais Americanos Identificação de Aspectos Organizacionais e de Pessoas Envolvidas Identificação de Forças, Tendências e Incertezas Avaliação dos Cenários Soluções e Estratégias Possíveis VI

10 ÍNDICE GERAL Aplicação das Estratégias e Resultados Obtidos O Módulo de Percepção de Oportunidades Resumo / Conclusão Capítulo 10 Modelo para Avaliação do Impacto de TIEs nas Empresas Consultor de TIEs Introdução Apresentação do Modelo Consultor de TIEs Definição dos Componentes do Modelo Consultor de TIEs Módulo de Fatos Módulo de Parâmetros Módulo de Procedimentos Módulo de Resultados Definição das Entradas do Modelo Consultor de TIEs Definição do Conjunto de Fatos Fatos sobre a Empresa FE Fatos sobre a Tecnologia de Informação Emergente FTIE Fatos sobre o Mercado/Governo FM Fatos sobre o Impacto do Emprego da TI Emergente na Empresa FI Parâmetros Parâmetros sobre a Empresa PE Parâmetros sobre a Tecnologia da Informação Emergente - PTIE Parâmetros sobre o Mercado/Governo PM Definição das Saídas do Modelo Consultor de TIEs Resultados sobre Estratégia - RE Resultados sobre Risco - RR Resultados sobre Custo RC Resultados sobre ROI - RROI Definição dos Procedimentos usados no Modelo Consultor de TIEs Procedimentos para o Levantamento de Riscos Procedimentos para Análise de ROI Procedimentos para Cálculo dos Custos Procedimentos para Cálculo do Payback e Cálculo do VAL Procedimentos para Avaliação do Impacto e Decisão Resumo / Conclusão Capítulo 11 Procedimentos Utilizados no Modelo Consultor de TIEs Matriz de Decisão Como foi escolhida a Metodologia para Avaliação das Matrizes de Decisão? Método Scoring para Tomada de Decisões Como foi feita a Adaptação do Método Scoring para as Matrizes de Decisão? Observação sobre a Metodologia de Cálculo Adotada Como foram montadas as Matrizes de Decisão? Como são avaliadas as Matrizes de Decisão? Procedimento para Identificação de Benefícios Estratégicos Procedimento para Identificação de Prejuízos Procedimento para Identificação de Oportunidades e/ou Ameaças Procedimento para Decisão sobre a TIE Resumo / Conclusão Capítulo 12 Como Avaliar o Valor Agregado de TIEs? O que é ROI? O Valor Agregado da TI VII

11 ÍNDICE GERAL Por que Avaliar o Valor Agregado da TI? Formas de Análise do Valor Agregado da TI Formas Tradicionais de Análise do Valor Agregado da TI Formas Novas de Análise do Valor Agregado da TI Análise de Opções Reais Quando é Preciso Medir/Avaliar o VATI? Técnicas e Ferramentas Existentes para Avaliar o Valor Agregado da TI AIE (Applied Information Economics) - Economia da Informação Aplicada Balanced Scorecard Customer Index EVA (Economic Value Added) - Agregação de Valor Econômico EVS (Economic Value Sourced)- Fonte de Valor Econômico Gestão de Carteira (Portfolio Management) ROV (Real Options Valuation) - Avaliação de Opções Reais Ferramentas para Calcular o VATI Total Impact of Innovation-Ti Genius System ROInow Resumo / Conclusão Seção V : ATA DE CONCLUSÃO Capítulo 13 Conclusões Conclusão Geral sobre o Processo de Mestrado Conclusão sobre o Trabalho Realizado Atendimento aos Objetivos Propostos Identificação de Trabalhos Futuros Seção VI : APÊNDICES Apêndice I Análise da Viabilidade Financeira de um Investimento em TI/TIE AI.1 - Estudo de Caso para Cálculo do ROI AI Pressupostos para o Estudo de Caso AI Variáveis Necessárias aos Cálculos AI.2 - O Método do Payback Time AI Como Calcular o Payback Time Médio? AI Encontrando os Valores das Variáveis AI Cálculo do Payback Time Médio AI Como Calcular o Payback Time Efetivo? AI Cálculo do Payback Time Efetivo AI Conclusão sobre o Método do Payback Time AI.3 - O Método do Valor Atual Líquido AI Como Calcular o Valor Atual Líquido? AI Conclusão sobre o Método do Valor Atual Líquido AI.4 - Método do Internal Rate of Return AI Como Calcular o Internal Return Rate AI Conclusão sobre o Método do Internal Rate of Return Seção VII : BIBLIOGRAFIA VIII

12 ÍNDICE DE FIGURAS Índice de Figuras Figura 2.1 Surgimento de Tecnologias Emergentes Figura 3.1 Identificação do Tipo de Gestão de uma Empresa Figura 3.2 Framework para Alinhamento de Estratégias, Processos e TI Figura 3.3 Quebrando as Barreiras de Negócios com a TI Figura 3.4 Uso da TI para Quebrar Barreiras de Negócios Figura 3.5 A Expansão dos Papéis que a TI pode exercer dentro de uma Empresa Figura 3.6 Engrenagens da Máquina Empresa Figura 3.7 Melhoria dos Processos de Negócios com a TI Figura 3.8 Exemplos de como a TI pode ajudar na Reestruturação dos Processos de Negócios de uma Empresa Figura 3.9 Forças Competitivas que movem as Empresas Figura 3.10 Motivos que as Empresas têm para se Planejar de Forma Estratégica Figura 3.11 Objetivos Estratégicos das Empresas vs. Uso da TI para Implementá-los.. 41 Figura 3.12 Aplicação de Sistemas de Informação Estratégicos Figura 4.1 Maiores Obstáculos à Implantação de TIEs Figura 4.2 Fatores de Sucesso de TI Estratégica Figura 4.3 Os Fatores que Fazem o Sucesso Brilhar e a Nuvem dos Fatores Externos que Pode Escondê-los Figura 5.1 Capacidades Necessárias ao Analista de Negócios Figura 7.1 Classificação das Empresas no Ciclo de Vida das TIEs Figura 7.2 Classificação das Empresas em Relação a sua Postura diante de TIEs Figura 7.3 Construção da Nova Visão da Empresa Figura 8.1 Componentes do Processo de Avaliação de TIEs e do Processo de Planejamento Estratégico de TI Figura 8.2 Processo de Avaliação de Tecnologias Figura 8.3 Processo de Avaliação de Tecnologias da Informação Emergentes Figura 8.4 Processo de Avaliação do Impacto de Tecnologias da Informação Emergentes nas Empresas Figura 9.1 Dilema dos Jornais Americanos com o Advento da Internet Figura 9.2 Classificação das Forças em Tendências e Incertezas Figura 9.3 Matriz de Cenários para as Incertezas I1 e I Figura 9.4 Modelo de Percepção de Oportunidades Figura 10.1 Modelo para Tomada de Decisões sobre TIEs IX

13 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 10.2 Gráfico Tridimensional dos Fatores de Riscos Figura 12.1 TI x Negócios da Empresa Figura 12.2 Tríade Usada para Demonstrar o Retorno de um Investimento Figura AI.1 Exemplos de Palmtops: O Primeiro com Interface a Caneta e o Outro com Interface a Teclado X

14 ÍNDICE DE TABELAS Índice de Tabelas Tabela 8.1 Análise dos Fatores de Risco Organizacional Tabela 8.2 Análise dos Fatores de Risco Mercadológico Tabela 8.3 Análise dos Fatores de Risco Tecnológico Tabela 8.4 Análise do Impacto da TIE na Empresa Tabela 9.1 Lista de Incertezas Tabela 9.2 Lista de Tendências Tabela 9.3 Gabarito de Cenários Tabela 9.4 Resumo de Narrativas sobre os Cenários Tabela 10.1 Conjunto de Questionamentos (Fatos) sobre a Empresa Tabela 10.2 Conjunto de Questionamentos (Fatos) sobre a Tecnologia da Informação Emergente Tabela 10.3 Conjunto de Questionamentos (Fatos) sobre o Mercado/Governo Tabela 10.4 Conjunto de Questionamentos (Fatos) sobre o Impacto da TIE na Empresa 141 Tabela 10.5 Conjunto de Parâmetros sobre a Empresa Tabela 10.6 Conjunto de Parâmetros sobre a Tecnologia da Informação Emergente Tabela 10.7 Conjunto de Parâmetros sobre o Mercado Tabela 10.8 Conjunto de Resultados sobre Estratégias Tabela 10.9 Conjunto de Resultados sobre Riscos Tabela Conjunto de Resultados sobre Custos Tabela Conjunto de Resultados sobre ROI Tabela Conjunto de Procedimentos para Cálculo dos Resultados sobre Riscos Tabela Conjunto de Procedimentos para Cálculo dos Resultados sobre Custos Tabela Conjunto de Procedimentos para Cálculo dos Resultados sobre ROI Tabela Conjunto de Procedimentos para Cálculo dos Resultados sobre Estratégia 153 Tabela 11.1 Tomada de Decisões utilizando o Método Scoring Tabela 11.2 Tomada de Decisões utilizando Matriz de Decisão Tabela 11.3 Matriz de Decisão sobre Benefícios Estratégicos Tabela 11.4 Matriz de Decisão sobre Prejuízos Tabela 11.5 Matriz de Decisão sobre Oportunidade e/ou Ameaça Tabela 11.6 Matriz de Decisão sobre TIEs Tabela 11.6 Tabela para Formulação dos Resultados das Alternativas de Decisão sobre a TIE Tabela AI.1 Valor Presente nas Entradas de Caixa XI

15 ÍNDICE DE TABELAS Tabela AI.2 Valor Presente nas Entradas de Caixa Tabela AI.3 Cálculo do Tempo para Recuperação do Capital Tabela AI.4 Valor Presente nas Entradas de Caixa Tabela AI.5 Aplicação do Fator Temporário na Tabela de Fator de Valor Atual de uma Anuidade XII

16 ÍNDICE DE FÓRMULAS Índice de Fórmulas Fórmula 12.1 Cálculo do Retorno do Investimento na Compra de um Equipamento Fórmula AI.1 Fator de Valor Atual de um Pagamento Único Fórmula AI.2 Fator de Valor Atual de uma Série de Pagamentos (ou de uma Anuidade). 207 XIII

17 SEÇÃO I : INTRODUÇÃO Introdução Ao final desta seção o leitor terá uma idéia da motivação que nos levou a abordar o assunto de avaliar o Impacto de Tecnologias da Informação Emergentes nas Empresas. O encaminhamento das idéias sobre a análise de Tecnologias da Informação emergentes, o problema principal detectado, a relevância e a organização do trabalho, são alguns dos assuntos do Capítulo 1. Sabe-se que o sucesso de uma empresa depende de vários fatores (estratégia de marketing, financiamentos, investimentos externos, clientes importantes, etc) e que a adoção de novas tecnologias é apenas mais um destes fatores. Mas, a partir deste trabalho, queremos mostrar que: A Tecnologia da Informação pode ser fator decisivo para o sucesso (ou fracasso) de uma empresa; A análise de Tecnologias da Informação Emergentes pode significar para as empresas: Ameaça Potencialmente Alta ou Retorno de Investimento Potencialmente Alto. Por estes motivos Tecnologias da Informação Emergentes devem ser constantemente monitoradas e analisadas pelas empresas. 1

18 CAPÍTULO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Capítulo 1 Contextualização Pensamento Errado: Afinal de contas, se a tecnologia é emergente para que analisá-la? Basta aguardar até que ela esteja madura e disponível o suficiente, e então implantá-la na empresa, se for necessário. A globalização trouxe para dentro das empresas problemas cujas soluções não são tão simples como parecem. As empresas hoje precisam ser pró-ativas na identificação de tecnologias que podem vir a afetar os seus negócios. Caso contrário, elas podem descobrir (às vezes tarde demais) que estas tecnologias acabaram redefinindo seu negócio, roubando seus clientes e fornecedores, e que elas não conseguem nem mais competir com seus produtos e/ou serviços, no seu próprio mercado [Dayton, 1997]. Pode parecer exagero, mas basta observar o caso clássico da Encyclopaedia Britannica, abordado no Capítulo 2, para se ter a real dimensão destes problemas. Identificar e analisar o Impacto de Tecnologias da Informação Emergentes deve ser um processo contínuo nas empresas. Mas nem todas as empresas possuem o perfil necessário para implantação deste processo. Descobrir quem deve analisar Tecnologias da Informação Emergentes e quais as etapas deste processo de análise faz parte do escopo deste trabalho Identificação do Problema Principal e Motivação O assunto: Avaliação de Tecnologias da Informação Emergentes tem estado muito em voga. Encontramos diversas referências a programas de cursos de MBA, várias consultorias afirmando prestar este tipo de serviço, pouquíssimos livros a respeito do tema e duas grandes interrogações: Como é o processo de Avaliação de Tecnologias da Informação Emergentes? Que tipo de empresa deve avaliar o Impacto de Tecnologias da Informação Emergentes? 2

19 SEÇÃO I : INTRODUÇÃO Após estudos e a preparação de uma Monografia sobre o assunto [Spohr, 2001], foi possível verificar que: apesar de muito se falar sobre o assunto, poucas são as abordagens que esclarecem, para as empresas, os pontos chaves que devem ser analisados. A decisão sobre a implantação de alguma Tecnologia da Informação Emergente e suas consequências, parece estar nas mãos de consultorias ou da sorte! O livro de [Dayton, 1997] dedica dois capítulos (2 e 6) para falar sobre os aspectos que devem ser analisados pela empresa ao se avaliar Tecnologias da Informação Emergentes e seu impacto. Porem, o livro não fornece uma rota para a tomada de decisão baseada em medidas tornando difícil para a empresa decidir se deve ou não adotar uma determinada Tecnologia da Informação Emergente. Além disso, o livro não define exatamente uma metodologia para os aspectos analisados, limitando-se apenas a formular perguntas que devem ser respondidas levando em consideração a empresa e a Tecnologia da Informação Emergente que se quer avaliar. Não foram mostrados conclusões, nem critérios, nada além de "dicas" sobre questões que devem ser consideradas. A contribuição mais recente sobre o tema "Tecnologias Emergentes" foi o livro da Wharton University, com o título Wharton on Managing Emerging Technologies [Day, 2000]. Elaborado por uma equipe do Programa de Pesquisa de Gestão de Tecnologias Emergentes da Wharton University, o livro aborda o tema do ponto de vista do produtor de Tecnologias Emergentes, e não do usuário, ou seja, sua análise de gestão de Tecnologias Emergentes é feita para as empresas que pretendem investir no desenvolvimento e na produção destas tecnologias, e não para as empresas que querem saber se devem adquirir as Tecnologias Emergentes para melhorar seus negócios. Apesar disso, muitas das idéias, conceitos e abordagens podem ser aproveitadas (com bom senso), refocadas e alteradas para refletir a realidade deste outro foco sobre tecnologias emergentes. Pesquisando na Internet o tema "Impacto de Tecnologias Emergentes" (suas derivações e similaridades), foram encontradas diversas referências a cursos e serviços de consultoria de empresas. Os cursos, em sua grande maioria, fazem parte de programas de MBA (Master of Business Administration) de diversas universidades. Poucas ainda são as iniciativas que partem da área de Tecnologia da Informação no sentido de contribuir para esta análise, talvez porque a própria Tecnologia da Informação seja um tema novo ainda sendo desenvolvido e construído. 3

20 CAPÍTULO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Na literatura não encontramos nenhum livro que analise o Impacto de Tecnologias da Informação Emergentes nas empresas e que defina uma metodologia com métricas e critérios organizados sobre a forma de realizar esta análise. Os papers encontrados tratam o assunto com pouca profundidade, relacionando-o com o processo de alinhamento entre a Tecnologia da Informação e os negócios da empresa Relevância do Tema Neste cenário onde os conceitos de mercado, economia, produção, indústria, comércio, etc., estão mudando, a única coisa certa é que a Tecnologia da Informação é peça fundamental nesta mudança, e por que não dizer até que a Tecnologia da Informação é o pivô central desta revolução toda... Veja o quadro abaixo: Segundo uma pesquisa da George Washington University sobre Tecnologias Emergentes [Halal, 1997]: "... A revolução na Tecnologia da Informação está ampliando nossa habilidade de criar e compartilhar os conhecimentos técnicos. O resultado disso é que a Tecnologia da Informação tornou-se o fator primordial proporcionando um rápido e extraordinário desenvolvimento técnico, acelerando desta forma os avanços em todos os outro campos". Ao colocarmos a TI como pivô, estamos assumindo que nós (desta área) sabemos o que está acontecendo. Assumindo isso, temos a obrigação de ajudar aos que estão no meio desta revolução a se adaptar e se orientar, de forma que todos possam tirar proveito das novas tecnologias e das tecnologias emergentes de forma clara, organizada e racional. A importância de resolver o problema descrito no item anterior é preencher um espaço de dúvidas e questionamentos empresariais, esclarecendo pontos importantes sobre seus investimentos em Tecnologia da Informação. Uma vez conhecedoras do processo de análise de Tecnologias da Informação Emergentes, as empresas podem se sentir mais seguras sobre a melhor forma de agir diante de tantas mudanças e inovações Objetivos do Trabalho Observando este trabalho por uma lente macro, podemos dizer que são três os objetivos que ele pretende alcançar: 4

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Planejamento de 2011.1 ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Disciplina 7oPe/PRD8026 Informaçõs Gerenciais Integradas Professor Alessandro Martins Mês/Semana Conteúdos Trabalhados Estratégias e Recursos Textos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010

6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010 6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010 Tel. 55 11 3862 1421 Pesquisa revela: fatores culturais afetam a eficácia dos cursos de inglês online por Paulo P. Sanchez* A BIRD Gestão Estratégica

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI na Prática

Gerenciamento de Serviços de TI na Prática Gerenciamento de Serviços de TI na Prática Uma abordagem com base na ITIL Inclui ISO/IEC 20.000 e IT Flex Ivan Luizio Magalhães Walfrido Brito Pinheiro Novatec Sumário Agradecimentos... 19 Sobre os autores...

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I Prof. Hugo Souza Voltando alguns [vários] anos atrás, teremos uma breve revisão sobre a história e a contextualização do

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Nos últimos anos, muitas empresas tiveram contato com o Lean e se impressionaram com os ganhos que poderiam obter. Tratava-se de uma nova abordagem de negócios, e que

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Gerenciamento de TI. Paulo César Rodrigues

Gerenciamento de TI. Paulo César Rodrigues Gerenciamento de TI Paulo César Rodrigues *Analista de Sistemas; *Tutor do curso de graduação em Tecnologia em Sistemas de Computação (UFF/Cederj); * Professor do curso Técnico em Informática da Prefeitura

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Sicredi Aprimora Monitoramento de Data Center Com o CA DCIM

Sicredi Aprimora Monitoramento de Data Center Com o CA DCIM CUSTOMER SUCCESS STORY SETEMBRO 2013 Sicredi Aprimora Monitoramento de Data Center Com o CA DCIM CUSTOMER LOGO HERE EMPRESA O Sicredi é um dos maiores sistemas de crédito cooperativo do Brasil. Presente

Leia mais

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 A maior Ambição do Homem é querer Colher aquilo que Não Semeou. Hebert Schiavelli (Empreendedor) Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Renato Luiz Della Volpe

Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001. Examinador do PNQ em 1997,

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Moneyball, e a maneira como se contratam jogadores no Brasil

Moneyball, e a maneira como se contratam jogadores no Brasil Moneyball, e a maneira como se contratam jogadores no Brasil Autor Economista, Especialista em Gestão e Marketing do Esporte e Pesquisa de Mercado. Twitter: @fernandopluri PLURI Consultoria Sport Business,

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Governança de TI GTI como Ativo Estratégico GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Um Ativo Estratégico Para pensar: Os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos pelo mesmo nível

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

MARKETING PARA FAZENDAS

MARKETING PARA FAZENDAS DICAS PRÁTICAS DE MARKETING PARA FAZENDAS Sobre o Porteira Digital O Porteira Digital foi criado com objetivo de fornecer soluções práticas de Marketing para o produtor rural que deseja fazer de seu negócio

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA OS NEGÓCIOS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA OS NEGÓCIOS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA OS NEGÓCIOS O QUE É GESTÃO DE NEGÓCIOS? Existem, pelo menos, duas formas de administrar ou gerir os negócios de uma empresa: a forma tradicional

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

like a Boss mandic Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem.

like a Boss mandic Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem. BOX like a Boss Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem. mandic CLOUD SOLUTIONS Mais e mais empresas buscam soluções para dar suporte

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais