Participação em Feiras Comerciais como Ação Promocional dos Expositores 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Participação em Feiras Comerciais como Ação Promocional dos Expositores 1"

Transcrição

1 Participação em Feiras Comerciais como Ação Promocional dos Expositores 1 Igor SENGER 2 Fernando PANNO 3 Carine Maria SENGER 4 Renato Sponchiado 5 Elias Furini 6 Universidade Federal de Santa Maria, Campus Frederico Westphalen, RS RESUMO O crescimento apresentado pelo mercado de feiras no cenário nacional tem despertado para a realização de estudos cada vez mais avançados neste segmento. A presente pesquisa apresenta como objetivo principal verificar que tipo de decisão predomina quando uma empresa resolve participar de uma exposição direcionada ao consumidor final e quais os motivos que fazem com que elas frequentem tal evento. Para tanto utilizou-se uma abordagem quantitativa de cunho descritivo. A coleta de dados compreendeu a aplicação de um questionário estruturado junto a 149 expositores da Expofred Identificou-se que a decisão de participação na feira é voluntária e que os motivos que as levam a tomar essa decisão são o aproveitamento desta ocasião para manter contato direto com clientes atuais e potenciais e a efetuação de vendas. PALAVRAS-CHAVE: Ações Promocionais; Feiras; Expositores; Comunicação INTRODUÇÃO O crescimento apresentado pelo mercado de feiras no cenário nacional tem despertado para a realização de estudos cada vez mais avançados neste segmento. A organização deste tipo de evento tem caráter cada vez mais profissional e estratégico. 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho Estudos de Ações Promocionais do IV SIPECOM - Seminário Internacional de Pesquisa em Comunicação 2 Orientador do trabalho. Professor do Curso de Sistemas de Informação da UFSM/CESNORS, 3 Co-orientador do trabalho. Professor do Curso de Agronomia da UFSM/CESNORS, 4 Professora do Curso de Contabilidade da FECEA/PR, 5 Acadêmico do Curso de Administração da UFSM/CESNORS, 6 Acadêmico do Curso de Administração da UFSM/CESNORS, 1

2 Gerir este processo demanda, organização, planejamento e a adoção de atrações não só para o público consumidor como para as empresas que estão expondo seus produtos e divulgando sua marca. As esferas comunicativas e promocionais de eventos como feiras de negócio e entretenimento devem partir para esse pressuposto, de tirar proveito dessa necessidade demonstrada pelo consumidor, de resgatar momentos de convivência, além de apontamentos comerciais, inovadores, tecnológicos. As novidades tecnológicas e comerciais apresentadas em eventos públicos, instiga o consumidor e movimenta o mercado, e essa realidade deve ser considerada também. O ser humano é movido por sua curiosidade e quando é surpreendido apresenta reações instintivas. Essas reações podem ser influenciadas por ações estratégicas das organizações participantes. Nesse sentido, o presente estudo objetiva principalmente verificar que tipo de decisão predomina quando uma empresa resolve participar de uma exposição direcionada ao consumidor final e quais os motivos que fazem com que elas frequentem tal evento, além identificar o grau de participação das empresas em feiras. REFERENCIAL TEÓRICO Visando atender os objetivos da pesquisa, tornou-se necessário resgatar os principais marcos teóricos acerca de marketing e o processo de comunicação, bem como as ações promocionais e as feiras comerciais. Marketing e o Processo de Comunicação Se observadas as propagandas, ações promocionais e as demais campanhas de marketing desenvolvidas pelas organizações, pode-se verificar o quanto um cliente é disputado, as estratégias de comunicação segmentada estão ganhando espaço perante a comunicação em massa. Desta forma, a área de marketing dentro de uma organização tem ganhado relevância devido elencar maneiras eficientes para chamar a atenção dos consumidores e efetivando o processo de compra. 2

3 Neste contexto, a definição do público-alvo tornou-se tarefa essencial no gerenciamento do marketing, bem como na comunicação. Assim que a empresa define e seleciona um público alvo e direciona sua estratégia de posicionamento para satisfazer esse segmento, é necessário planejar o composto de marketing, ou mix de marketing, que Churchill e Peter (2000, p. 20) definem este como sendo uma combinação de ferramentas estratégicas usadas para criar valor para os clientes e alcançar os objetivos da organização. Segundo Kotler e Armstrong (2007, p. 42) o mix de marketing é o conjunto de ferramentas de marketing táticas e controláveis que a empresa combina para produzir a resposta que deseja no mercado-alvo. É tudo aquilo que a empresa pode realizar para influenciar a demanda de seu produto ou serviço. Esta combinação de ferramentas é popularmente conhecida como os 4 P s do marketing, ou seja, Produto, Preço, Ponto-devenda e Promoção. Analisando-se os quatro P s é possível definir a abrangência de cada um deles e sua influência dentro da organização, e também avaliar as ferramentas que estão sendo utilizadas e tudo que poderá ser realizado em termos de estratégias de atuação para desenvolver um diferencial competitivo. Dessa forma, os autores Kotler e Keller (2006) definem cada um dos quatro P s, onde: o produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para satisfazer uma necessidade ou um desejo, ou seja, podem ser comercializados em forma de bens físicos, serviços, experiências, eventos, pessoas, lugares, propriedades, organizações, informações e ideias. O preço é o único elemento do composto de marketing que produz receita, os demais produzem custo, pois os autores definem como a quantidade de dinheiro que os consumidores devem pagar para obter o produto ou serviço. O pontode-venda envolve as atividades que a empresa realiza para disponibilizar e tornar acessível o produto ou serviço aos consumidores-alvos. E a promoção são as atividades desenvolvidas com o objetivo de comunicar, informar, lembrar os consumidores direta ou indiretamente sobre os produtos que comercializam. Devido a promoção ser um dos temas principais deste estudo, o mesmo será abordado com mais atenção na sequencia do artigo. 3

4 A ascensão tecnológica, novos mercados, novas alternativas de consumo tem transformado a realidade comercial e acarretado mudanças consideráveis nas ações e nas estratégias de relacionamento e comunicação das organizações inseridas neste contexto. A comunicação, além de uma importante ferramenta de endomarketing, temse mostrado uma fonte de vantagem competitiva para as organizações, uma vez que o acesso do mercado às informações está cada vez mais dinâmico e estas são ingredientes indispensáveis nas estratégias promocionais destas. Através desse processo de comunicação, o emissor precisa saber que público deseja atingir e que reação pretende gerar, devendo, portanto, codificar a mensagem para que o receptor, através da decodificação, possa ter a sua total compreensão. Ele deve também transmitir a mensagem por meios eficazes que alcancem o público-alvo e desenvolver canais de feedback para monitorar as respostas. O ruído deve ser também controlado, pois interfere em algumas etapas do processo de comunicação. Dentre os modelos de comunicação, pode-se citar o AIDA (Atenção, Interesse, Desejo e Ação) (LAS CASAS, 2006; CHURCHILL E PETER, 2000; BOONE E KURTZ, 2009). De acordo com esse modelo, os profissionais de marketing precisam criar uma comunicação que rompa a desordem criada por todas as outras mensagens, de forma que o público-alvo ao menos preste atenção a ela. Em seguida a comunicação visa gerar interesse na organização e em seus produtos e marcas. Em geral, isso significa informar os receptores da mensagem sobre como a empresa ou seus produtos podem propiciar valor para eles. Se as informações sobre benefícios forem apresentadas com sucesso, os receptores podem desenvolver o desejo pelos produtos descritos. A ação é a que mais afeta diretamente a organização e a mais difícil de atingir. Os compradores potenciais podem resistir a comprar mesmo se concordarem que estarão melhores com o produto ou serviço. Ações Promocionais e as Feiras Comerciais Para Kotler e Armstrong (2004, p. 363), o mix de comunicação de marketing, também denominado de mix de promoção, consiste em uma composição de 4

5 instrumentos de comunicação como propaganda, venda pessoal, promoções de venda, relações públicas e marketing direto que ela utiliza com o propósito de atingir seus objetivos de marketing. Através da promoção é possível transmitir uma imagem positiva da organização e produto, fazendo com que o consumidor, ao ver o produto, deseje adquiri-lo. No atual cenário mercadológico, a promoção de vendas tem ocupado, cada vez mais, um lugar de destaque frente às ações de comunicação e marketing. Muitas organizações estão migrando sua verba de propaganda, mídia de massa, para ações de promoção de vendas. Torna-se uma alternativa pontual para melhorar os números de vendas e é também uma forma de envolver o consumidor, gerando relacionamento com a marca e produto, fidelizando o cliente. Para Shimp (2002, p. 404), promoção refere-se a qualquer incentivo usado por um fabricante para induzir o comércio (atacadista e varejista) e/ou os consumidores a comprar uma marca ou para incentivar a equipe de vendas a vendê-la de forma agressiva. Assim, percebe-se que promoções sempre envolvem incentivos que são adicionados aos benefícios básicos que um comprador recebe ao adquirir um produto. O incentivo muda o preço ou valor percebido de uma marca, mas apenas temporariamente. Para Yanaze (2007) a promoção de vendas deve não apenas buscar e ter objetivos de vendas em curto prazo, mas também gerar valor suficiente da marca para o consumidor, fazendo com que ele seja arauto defensor e consumidor da empresa e produto. Em muitos casos, a promoção de vendas influencia as pessoas na compra de produtos que não haviam planejado. As promoções de vendas geram resultados mais rápidos e mais simplificados que a propaganda, onde que a promoção dificilmente vai ter usuários fiéis enquanto que a propaganda é capaz de aumentar a fidelidade á marca. Segundo Kotler (1998), a promoção inclui ferramentas para promoção de consumo: amostras, cupons, reembolso, descontos, brindes, prêmios, displays de pontode-venda, demonstrações, dentre outras; promoções de comércio: descontos, concessões de propaganda, bonificações de exposição e amostras grátis etc.; e para equipe de vendas: feiras comerciais e convenções, concursos para vendedores e propaganda dirigida. Essas ferramentas são utilizadas pela maioria das grandes organizações. 5

6 O Guinn et al (2008, p. 9) destacam que quando as empresas combinam concursos, um website, patrocínio de eventos e displays no ponto-de-venda com propaganda, isso cria uma promoção integrada da marca. As empresas devem adaptar suas técnicas de promoção de vendas a diferentes mercados, suas mensagens podem lembrar aos consumidores que eles têm um problema que o produto pode resolver e que ele emprega um valor maior do que os produtos concorrentes. As promoções de vendas não influenciam os compradores à longo prazo, mas atrai principalmente consumidores que fazem compras imediatas, com preços baixos, e apreciam diferentes marcas e valores agregados, com isso, vai gerar pouca participação de mercado. Uma empresa ao usar promoção de vendas deve definir os objetivos, o planejamento, como organizar, testar, implementar e avaliar os resultados que alcançará. No que se refere as feiras, considerada uma das ferramentas de ação promocional, existem três tipologias principais identificadas na literatura: a primeira tipologia classifica as feiras por tipo de público, a qual abrange as feiras de negócios que são freqüentadas essencialmente por empresas, e as exposições que são abertas ao público em geral mediante pagamento de ingresso; a segunda tipologia considera a cobertura geográfica que pode ser nacional ou internacional, e a cobertura de mercado, sendo que existem feiras de um único segmento e feiras mais abrangentes; e a terceira tipologia das feiras considera o tipo de transação, a qual subdivide-se em: de revenda, onde os compradores compram os produtos para revenda; para consumo empresarial, onde as empresas compram produtos que elas próprias irão consumir; e de varejo, onde o comprador é o consumidor final (SILVA, 2008). As feiras são considerados eventos em que diversos produtos relacionados de muitos fabricantes são expostos e demonstrados a representantes corporativos e também para o público consumidor. A participação em uma feira deve ser devidamente coordenada pela empresa participante e pode ser uma parte importante do plano promocional para o mercado empresarial. As feiras também são relevantes para as pequenas empresas, que em alguns casos não tem condições de custear propagandas e dispões de uma equipe de vendas insuficiente para atingir a todos os seus consumidores 6

7 potenciais, sendo que em uma feira podem ser feitos mais contatos do que seria possível por intermédio de telemarketing (O GUINN et al, 2008). O mercado de feiras e eventos continua em crescimento acelerado. Em se tratando exclusivamente do segmento de feiras, nos últimos 12 anos o mercado quase que quadruplicou de tamanho, com um crescimento de mais de 300%, consolidando-se como os principais encontros de negócios para milhares de grandes, pequenas e microempresas dos mais diferentes segmentos econômicos. Em termos comerciais e práticos, as feiras proporcionam condições de negociação imediata dos produtos e serviços expostos bem como a possibilidade de criar um intercâmbio comercial permanente. Além disso, o ambiente das feiras possibilita a realização de vários contatos com as mais diversas categorias de visitantes como compradores em potencial, clientes, vendedores de outros produtos, potenciais fornecedores (Feiras do Brasil, 2011). Para Kotler (2005), as empresas que participam desses eventos esperam diversos benefícios, entre eles gerar novos negócios, manter contatos com clientes e informá-los por meio de publicações, vídeos e outros materiais audiovisuais. Um bom conjunto de comunicação implica uma série de esforços. Percebe-se a necessidade de adoção de estratégias focadas nos objetivos organizacionais, de curto e longo prazo. Toda comunicação promocional exige conhecimento do público alvo, suas expectativas e necessidades, otimizando recursos, com o propósito de atender de maneira mais eficiente e eficaz os objetivos organizacionais. METODOLOGIA Este estudo enquadra-se em uma categoria metodológica denominada descritiva. A pesquisa descritiva pode ser empregada quando o pesquisador procura descobrir, com a precisão possível, a frequência com que um fenômeno ocorre, sua relação e conexão com outros, sua natureza e características, correlacionando fatos ou fenômenos sem manipulá-los (Triviños, 1987; Gil, 1999; Vieira, 2002; Malhotra, 2001; Cervo & Bervian, 1996). 7

8 Malhotra (2001) defende que a pesquisa descritiva é um tipo de pesquisa conclusiva, que procura explicar a natureza e a especificidade dos fenômenos organizacionais e sociais. Para este autor, este tipo de investigação científica permite a) descrever as características de grupos relevantes; b) estimar a porcentagem de unidades numa população específica que exibe um determinado comportamento; c) determinar as percepções de características de produtos; d) determinar o grau até o qual as variáveis de marketing estão associadas; e) fazer previsões específicas. A realização do levantamento de dados desta pesquisa ocorreu através de um Survey (Malhotra, 2006), sendo o instrumento adaptado do modelo desenvolvido por Hamam (2006). Para alcançar os objetivos propostos, o questionário foi estruturado com 19 questões. Antes de sua aplicação, realizou-se um pré-teste com 12 voluntários para identificar limitações e/ou distorções nas questões. A partir disso, foi possível fazer os ajustes necessários, esclarecer algumas perguntas e alternativas de respostas, aprimorando assim, o questionário desenvolvido. A coleta de dados foi efetuada no dia 06 de Setembro de 2010 por 2 pesquisadores devidamente identificados com crachá, que abordavam um representante da empresa no respectivo estande, explicavam os objetivos da pesquisa, entregavam um questionário e solicitavam a colaboração para responder às perguntas e no dia seguinte retornavam para buscar o questionário. Os questionários foram entregues para todos os expositores da feira, perfazendo um total de 205 empresas, sendo que retornaram 149 respondidos, correspondendo a uma taxa de retorno de 72,68%. A amostragem foi considerada não-probabilística por conveniência (Malhotra, 2006) e os dados foram tabulados utilizando o software SPSS. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Contextualização da Feira Estudada: A Expofred 2010 A Exposição-Feira Comercial, Industrial, Serviços, Agronegócio, Cultura e do Conhecimento de Frederico Westphalen, Expofred de 2010, realizada de 03 a 07 de 8

9 setembro de 2010, marcou os 50 anos de promoções de feiras no município de Frederico Westphalen/RS e foi a 16ª edição do evento que incentiva o setor produtivo do município e da região. A feira teve seu princípio em 1960 com a realização da 1ª Exposição Agropecuária e Industrial, tendo a participação apenas de empresários locais. Em sua segunda edição a feira já alcançou uma abrangência regional. Em 1969, com o advento da cultura da soja, a feira passou a se chamar Feira Municipal da Soja (Femuja) e, paralelamente, aconteceu a 3ª Feira Regional Agropecuária e Industrial. No ano de 1973, o nome da exposição foi alterado para 1ª Feira Regional da Soja (Fersoja). A primeira feira com o nome Expofred aconteceu de 29 e 30 de maio de 1976, em um ginásio de esportes da cidade. Em 1979, o prefeito em exercício destinou 208 m² para a instalação do futuro parque de exposições do município. O objetivo era que a feira refletisse, a cada dois anos, os avanços das indústrias, no aperfeiçoamento das linhas de produção já existentes ou no desenvolvimento de novos empreendimentos. Esses avanços decorrentes de esforços públicos das lideranças empresariais locais contribuíram para que a Expofred de 1990 alcançasse êxito, reunindo expositores de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. De 27 de abril a 1º de maio de 2007, ocorreu a 15ª Expofred, com investimento do poder público de R$ 200 mil para melhorar a infraestrutura do parque. Ao longo desses 50 anos de realização, a Expofred contribui para divulgar a potencialidade empresarial na área de serviços, comércio, indústria e agropecuária regional. A edição do ano de 2010 foi realizada no período de 03 a 07 de setembro pela prefeitura municipal em parceria com Associação Comercial e Industrial do município e recebeu nos 05 dias de feira cerca de 120 mil pessoas, movimentando, aproximadamente, 15 milhões de reais em negócios. A feira reuniu em torno de 250 expositores da indústria, comércio, serviços e agropecuária no Parque de Exposições Monsenhor Vitor Batistella, os quais puderam mostrar, demonstrar e divulgar seus produtos. Também fizeram parte da programação atividades de lazer e entretenimento como o parque de diversões, apresentações artísticas e culturais, shows de renome 9

10 nacional, palestras técnicas na área do agronegócio, desfile de carros antigos, que contribuíram para o divertimento e atração do público. Perfil dos Expositores da Feira Com o intuito de conhecer melhor os expositores da 16ª edição da feira de exposições de Frederico Westphalen, o presente estudo constrói um breve perfil deste público, abordando aspectos como ramo de atividade, tempo de existência da empresa, número de funcionários e localização. Também foi feito um levantamento acerca da participação das empresas respondentes em outras feiras e na Expofred, considerando, também, a frequência com que estes participam. Analisando o ramo de atividade das empresas participantes da feira, constatouse que a 39,1% são varejistas, 22,5% são indústrias,outros 13,8% são identificados com artesãos, seguidos dos prestadores de serviços e das empresas do agronegócio, ambos com 12,3%. Quanto ao tempo de existência das empresas, 31,9% relatou ter mais de 15 anos, em seguida, com 30,5% apareceram as empresas com até 5 anos de existência. Quanto ao porte das empresas, seguindo a classificação empresarial do SEBRAE (1999) de acordo com o número de funcionários, identificou-se das indústrias presentes na feira, 17,88% são consideradas micro indústrias e 4,88% indústrias de pequeno porte. Por sua vez, no segmento das empresas prestadoras de serviços e comércio em geral, verificou-se que 38, 21% são microempresas enquanto que 13% são empresas de pequeno porte. Destaca-se que 4,06% das empresas expositoras são classificadas como médias empresas. Verifica-se assim que a Expofred tem como público expositor principalmente micro e pequenas empresas, mas isso não significa que grandes marcas não participam do evento, pois muitas destas são representadas pelos seus franqueados, concessionários, distribuidores autorizados, etc.. Outro fator que merece ser comentado é o fato de micro e pequenas empresas perceberem a importância das ações promocionais possibilitadas pelas feiras, o que pode ser comprovado pelo número de expositores deste porte presentes no evento. No que tange as unidades federativas de origem das empresas, percebe-se que 93,6% são do estado do Rio Grande 10

11 do Sul e destes 60,3% são do município de Frederico Westphalen. Outros 5,7% pertencem ao estado de Santa Cataria e 0,7% ao estado do Paraná. Verifica-se assim a abrangência regional da feira estudada. Percepção dos Expositores referente à sua Participação em Férias Comercias Além de identificar o perfil dos expositores da feira, o estudo permitiu ainda identificar alguns hábitos das empresas com relação a este tipo de evento. Das empresas pesquisadas, constatou-se que 49,7% costumam participar sempre deste tipo de ação promocional. Por outro lado, 16,8% relataram que esta foi a primeira vez que participaram de uma feira para apresentar sua empresa e seus produtos. Quando indagados sobre há quanto tempo a empresa participa de feiras, identificou-se que 22,3% tem esta prática há mais de 15 anos, outros 32,6% de 6 a 10 anos. Outra informação relevante diz respeito ao número de feiras de negócios e feiras ao consumidor final que as empresas pesquisadas participaram nos últimos dois anos. Quanto as feiras de negócios, 33,56% relataram ter promovido sua empresa em até 10 feiras nos últimos vinte quatro meses e 2% manifestaram ter participado de mais de 40 eventos deste tipo. Com relação as feiras ao consumidor final, 24,16% declarou ter participado de até 10 feiras no referido período e 10,74% das empresas manifestou ter realizado ações promocionais em 11 a 30 feiras nos últimos dois anos. Estes dados demonstram como as empresas consideram importante sua presença neste tipo de atividade mercadológica. Ao ser analisado o efeito que os veículos de comunicação tem na divulgação da feira perante os expositores, verificou-se que 44,97% das empresas entrevistadas obtiveram conhecimento do evento com os organizadores da feira. Em seguida destacaram-se o rádio e os jornais, com 29,53% e 22,82% respectivamente. A indicação de amigos foi um ponto salientado por 20,13% dos expositores. Adesivos no carros, website, folheto promocional, carro de som e divulgação em televisão, apresentaram pouco efeito na divulgação do evento para as empresas. Percebe-se assim, que o contato 11

12 direto entre a comissão organizadora do evento é essencial para a divulgação e efetivação da presença das empresas nas feiras comerciais. O presente estudo objetivou ainda identificar o tipo de decisão que é considerada pelas empresas para participar destas ações promocionais. Com a pesquisa foi possível identificar que 69,7% das empresas consideram sua decisão de participação em uma feira como voluntário, ou seja, opcional, decidida por vontade própria da empresa; outros 28,9% a consideram como Obrigatória, na medida em que a empresa não poderia ficar de fora deste tipo/porte de evento; e 1,4% consideram que sua decisão como Forçada, contra vontade, considerando que a empresa não tinha condições financeiras de participar naquele momento. No que tange aos motivos pelos quais as empresas participam de feiras como estratégia de ação promocional, pode-se verificar que para 63,1% das empresas pesquisadas o principal motivo para as empresas participarem de uma feira é expor sua marca nestes eventos para aproveitar a oportunidade para manter contato direto com clientes atuais e potenciais reunidos por ocasião da feira. O segundo motivo destacado por 59,4% das empresas é a efetuação de vendas durante o evento, enquanto que desenvolver um cadastro de possíveis compradores que visitaram as dependências da empresa durante a feira é objetivo de 44,3% dos expositores, destacando-se assim como terceiro motivo para participar da feira. por sua vez, o lançamento de novos produtos e serviços aparece como sendo a quarta razão para uma empresa utilizar ações promocionais em feiras. CONCLUSÕES A presente pesquisa objetivou, principalmente, verificar quais os principais motivos que levam as empresas a participar de uma feira de negócios e entretenimento como estratégia de ação promocional em relação à Exposição-Feira Comercial, Industrial, Serviços, Agronegócio, Cultura e do Conhecimento de Frederico Westphalen, a Expofred, uma feira de negócios e entretenimento realizada no interior do estado do Rio Grande do Sul. 12

13 Dentre os principais resultados obtidos, pode-se considerar o perfil das empresas expositoras bem como o comportamento delas em relação às feiras. A maioria das empresas pesquisadas são varejistas, com mais de 15 anos exercendo suas atividades. As empresas participantes da Expofred são predominantemente no estado do Rio Grande do Sul. Quanto ao comportamento das empresas relacionado às feiras, verificou-se que a maioria delas costuma realizar este tipo de ação promocional através da participação em feiras, tanto feiras de negócios como feiras direcionadas ao consumidor final. Os meios de comunicação que atingem as empresas basicamente são, primeiramente, o contato direto dos organizadores do evento, e em seguida rádio e jornal. A pesquisa permitiu identificar que a decisão de participação na feira por parte das empresas é voluntária e que os motivos que as levam a tomar essa decisão são, em primeiro lugar o aproveitamento desta ocasião para manter contato direto com clientes atuais e potenciais, e em segundo plano a efetuação de vendas. Desta forma, com a abrangência dos números expressos nesta pesquisa, podese considerar que a mesma atingiu os objetivos propostos. A veracidade das informações e a amostra estudada credenciam o estudo como uma opção a ser considerada na organização das próximas edições da Expofred, além de servir de subsídio para organizadores de outras feiras, com características similares, pensarem seus eventos com mais critérios. Sugere-se para trabalhos futuros, a realização de uma pesquisa que procure identificar as estratégias promocionais utilizadas pelas empresas expositoras durante a realização de uma feira e quais os objetivos e resultados alcançados com cada uma delas. REFERÊNCIAS BOONE, L. E.; KURTZ, D. L. Marketing Contemporâneo. 12. ed., São Paulo: Cengage Learning, CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Makron Books,

14 CHURCHILL, G. A.; PETER, J. P. Marketing: criando valor para os clientes. 1. ed. São Paulo: Saraiva, GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas, HAMAM, R. Entretenimento em feiras comerciais sob a ótica da hospitalidade: a Erótika Fair. Dissertação (Mestrado em Hospitalidade) Universidade Anhembi Morumbi: São Paulo, KOTLER, P. Administração de Marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 5. ed., São Paulo: Atlas, KOTLER, P. Marketing Essencial: conceitos, estratégias e casos. São Paulo: Prentice Hall, KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing. 12. ed., São Paulo: Pearson Prentice Hall, KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing. 9. ed., Rio de Janeiro, Pearson Prentice Hall, KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de Marketing. 12. ed., São Paulo: Pearson Prentice Hall, LAS CASAS, A. L. Marketing: conceitos, exercícios, casos. 7. ed. São Paulo: Atlas, MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, O GUINN, T. ALLEN, C. SEMENIK, R. Propaganda e Promoção Integrada da Marca. São Paulo: Cengage Learning, SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) Critérios e conceitos para classificação de empresas Disponível em: Acessado em: 23/08/2011. SHIMP, T. A. Propaganda e promoção: aspectos complementares da comunicação integrada de marketing. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman, SILVA, P. R. G. D. Avaliação do Desempenho de Feiras B2B e B2C na Perspectiva do Expositor: proposição e teste de um modelo multidimensional Rio de Janeiro Agosto de Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,

15 TRIVIÑOS, A. A. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, VIEIRA, V. A. As tipologias, variações e características da pesquisa de marketing. Revista da FAE. Curitiba, v.5, n.1, p.61-70, jan./abr YANAZE, M. H. Gestão de Marketing e Comunicação: Avanços e Aplicações. São Paulo: Saraiva,

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO PELO PÚBLICO-ALVO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO

UTILIZAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO PELO PÚBLICO-ALVO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO UTILIZAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO PELO PÚBLICO-ALVO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO Luciana Glaeser luciana.glaeser@yahoo.com.br UNIFRA Élio Sérgio Denardin eliodenardin@hotmail.com

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL Victor Nassar 1 O advento da internet e o consequente aumento da participação do consumidor nos websites, representou uma transformação

Leia mais

Marketing Institucional: Uma comparação das estratégias da divulgação do vestibular

Marketing Institucional: Uma comparação das estratégias da divulgação do vestibular Marketing Institucional: Uma comparação das estratégias da divulgação do vestibular Resumo Para as instituições de ensino superior que buscam a permanência no mercado competitivo, a prática do marketing

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Relatório - Plano de Ensino

Relatório - Plano de Ensino Página: 1/6 Disciplina: CCA0321 - PROJETO EXPERIMENTAL - PROMO. DE VENDAS E MERCHA. DESCRIÇÃO DO PLANO DE ENSINO PROJETO EXPERIMENTAL - PROMOÇÃO DE VENDAS E MERCHANDISING PERFIL DO DOCENTE Graduado em

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Como Atrair Clientes

Como Atrair Clientes COMO ATRAIR CLIENTES QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos sãos? Onde estão? Como fazer para falar com eles? DEFINIÇÃO SEGMENTO DE MERCADO Significa um grupo de consumidores com necessidades

Leia mais

Estratégias Promocionais O Caso da X Corretora De Seguros 1

Estratégias Promocionais O Caso da X Corretora De Seguros 1 Estratégias Promocionais O Caso da X Corretora De Seguros 1 Priscila Pereira Florentino SILVA 2 Victor Vinicius BIAZON 3 Centro Universitário Cesumar, PR Resumo O uso de estratégias é fundamental para

Leia mais

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING César Augusto de Albuquerque ARAÚJO (1) (1) Instituto Federal do Maranhão (IFMA/Campus-Buriticupu), Rua Dep.Gastão Vieira, 1000-Vila Mansueto; Buriticupu-MA;

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Tema Nº 7 Gestão Comercial

Tema Nº 7 Gestão Comercial Tema Nº 7 Gestão Comercial Habilidades a Desenvolver: Identificar as diferenças entre marketing e vendas. Definir as ações de marketing a serem adotadas pela empresa. Estruturar os procedimentos comerciais

Leia mais

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Alexandra Cardoso da Rosa Bittencourt 1 ; Rogério

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing Plano de Marketing Para traçar o plano de marketing do plano de negócios, deve-se atentar à estratégia que será seguida pela empresa. A estratégia pode ser definida

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

Palestra Como atrair, conquistar e manter clientes

Palestra Como atrair, conquistar e manter clientes Palestra Como atrair, conquistar e manter clientes O passo a passo da fidelização de clientes Carga horária: 2 horas Conteúdo: A estratégia ACM. A escada da lealdade. Como atrair, conquistar e manter clientes.

Leia mais

O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio

O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Planeje suas vendas O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias Palestras SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem empresarial EAD Na Medida Cursos SEI E muito

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MARKETING

ETEC TAKASHI MORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MARKETING ETEC TAKASHI MORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MARKETING PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 ETEC TAKASORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS INDICE

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

PLANO DE MARKETING: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO NA EMPRESA PAULA MODAS ESPERANÇA -PB.

PLANO DE MARKETING: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO NA EMPRESA PAULA MODAS ESPERANÇA -PB. PLANO DE MARKETING: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO NA EMPRESA PAULA MODAS ESPERANÇA -PB. Monailza de Sousa Oliveira monailza@hotmail.com UEPB Nara Cristina da Silva Costa naracristina.sc@hotmail.com UEPB Suzane

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: Esse estudo tem como objetivo mostrar a importância da promoção

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral 1) Estratégias de produtos e serviços. 2) Estratégias de preços. 3) Estratégias de promoção e vendas. 1) Estratégias de produtos

Leia mais

Questões abordadas no capítulo

Questões abordadas no capítulo AULA 12 Marketing Questões abordadas no capítulo Qual é a função da comunicação de marketing? Como funciona a comunicação de marketing? Quais são as principais etapas do desenvolvimento de uma comunicação

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição BP COMO VENDER A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição PRODUTOS EDUCACIONAIS MULTIVERSO Avenida Batel, 1750 Batel CEP 80420-090 Curitiba/PR Fone: (41) 4062-5554 Editor:

Leia mais

Ferramentas de Comunicação

Ferramentas de Comunicação Professora: Luciana Moura 1 Ferramentas de Comunicação Assessoria de Imprensa Boletim Informativo Bonificação Brinde Broadside Calhau Call Center Catálogo Clipping Concurso Convenção Divulga as atividades

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Estratégias de Comunicação Ferramentas Utilizadas para Comunicação de Marketing

Estratégias de Comunicação Ferramentas Utilizadas para Comunicação de Marketing Estratégias de Comunicação Ferramentas Utilizadas para Comunicação de Marketing Profa. Waléria Macaciel Comunicação de marketing É o meio pelo qual as empresas buscam informar, persuadir e lembrar os consumidores,

Leia mais

APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ RESUMO

APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ RESUMO APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ Pedro Henrique Coelho de Farias - FAFIJAN Marilei Kroll - FAFIJAN Geise Barbosa Correa - FAFIJAN José Antonio

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença?

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença? MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS Qual a diferença? Marketing promocional É uma ferramenta que se utiliza de várias outras para promover a promoção de vendas. Por exemplo: Marketing promocional

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 O SESI/SENAI - PR, torna pública a RETIFICAÇÃO referente ao Edital de CREDENCIAMENTO N.º 502/2009, conforme segue: Fica Incluído no ANEXO III - ÁREAS

Leia mais

Os trabalhos devem necessariamente ter sido executados por empresas ou profissionais que trabalhem no País.

Os trabalhos devem necessariamente ter sido executados por empresas ou profissionais que trabalhem no País. FESTIVAL BRASILEIRO DE PUBLICIDADE DIAS 26 E 27 DE MARÇO DE 2014 HOTEL SOFITEL RIO CATEGORIA PROMO/LIVE Poderão participar Agências de Marketing Promocional/Live Marketing e Agências de Comunicação que

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

Os cursos oferecidos, em sua estrutura, apresentam objetivos e público-alvo especificados abaixo:

Os cursos oferecidos, em sua estrutura, apresentam objetivos e público-alvo especificados abaixo: Janela do Cliente-Aluno nos Cursos de Pós-Graduação Susana Taulé Piñol * Resumo Entender para atender o consumidor é a base para qualquer estratégia de marketing. Este artigo utiliza a ferramenta Janela

Leia mais

Política de doação de Mídia Social

Política de doação de Mídia Social Política de doação de Mídia Social 1.Objetivo A presente política tem como objetivo definir critérios institucionais para cada modalidade de parceria em Mídia Social estabelecida pela Rede Gazeta e adotada

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 1 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Administração

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: Marketing Aplicado aos Negócios Código: Série: 3ª Série Obrigatória ( x ) Optativa ( ) CH Teórica: CH Prática: CH Total: 80 horas Período Letivo: 2015 Obs: Objetivo Geral: Apresentar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Capítulo 7. As Informações e o Processo de Tomada de Decisão do Gestor Público

Capítulo 7. As Informações e o Processo de Tomada de Decisão do Gestor Público Capítulo 7 As Informações e o Processo de Tomada de Decisão do Gestor Público Pós Graduação Gestão Pública Administração de Marketing Conteúdo - Capítulo 7 Imagem e conhecimento do mercado: A imagem da

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER RESUMO

VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER RESUMO 146 VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER Carolina Guimarães de Souza Eliane Vargas de Campos RESUMO O presente artigo tem como objetivo conhecer o processo de Vendas Diretas, suas principais características

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos PESQUISA INÉDITA DO CREMESP 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos 80% dos médicos recebem visitas de representantes da indústria de medicamentos Estudo

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING: FERRAMENTA INDISPENSÁVEL PARA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

PESQUISA DE MARKETING: FERRAMENTA INDISPENSÁVEL PARA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES PESQUISA DE MARKETING: FERRAMENTA INDISPENSÁVEL PARA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Daniele Schneider 1 Débora Wuttke 2 Heinrich Führ 3 Ivanete Schneider 4 RESUMO Este artigo aborda a importância do uso da pesquisa

Leia mais

SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS

SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS OUTUBRO/2013 FECOMERCIO/TO Hugo de Carvalho Presidente Anselmo da Silva Moraes Vice Presidente Silmara Lustosa Ribeiro Superintendente INSTITUTO FECOMÉRCIO/TO Hugo de

Leia mais

Americanas.com x Lojas Americanas 1

Americanas.com x Lojas Americanas 1 Americanas.com x Lojas Americanas 1 Rayra Costa da SILVA 2 Gabriela Lima RIBEIRO 3 Hugo Osvaldo ACOSTA REINALDO 4 Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE RESUMO Mesmo que no site Americanas.com haja

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS CATEGORIA:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO. Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br

COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO. Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br A COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA...... deve ser elaborada a partir do quadro sociocultural do consumidor alvo COMUNICAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing Prof. Edmundo W. Lobassi O único objetivo da propaganda é vender, não há nenhuma outra justificativa que mereça ser mencionada. (Young & Rublican) Satisfazer a necessidade do consumidor. (David Ogilvy)...

Leia mais

Programas de Suporte a Força de Vendas

Programas de Suporte a Força de Vendas Prof. Edmundo W. Lobassi Hoje, abordaremos o tema Programas de suporte à força de vendas. Na aula passada, vimos os programas de incentivo como forma de aumentar a venda qualitativa (mix de produtos) e

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

LUIZ HENRIQUE SCHIRMER 20800803 ESTRATÉGIA DE MARKETING UM ESTUDO SOBRE A AGÊNCIA DE PUBLICIDADE FORFAN

LUIZ HENRIQUE SCHIRMER 20800803 ESTRATÉGIA DE MARKETING UM ESTUDO SOBRE A AGÊNCIA DE PUBLICIDADE FORFAN Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas FATECS LUIZ HENRIQUE SCHIRMER 20800803 ESTRATÉGIA DE MARKETING UM ESTUDO SOBRE A AGÊNCIA DE PUBLICIDADE FORFAN

Leia mais

Programa Beleza Empreendedora Ciclo 2015

Programa Beleza Empreendedora Ciclo 2015 Programa Beleza Empreendedora Ciclo 2015 Proposta de Patrocínio Apresentação A ação denominada de Jornada Beleza Empreendedora, reuniu e aproximou representantes comerciais, distribuidores, lojistas, profissionais

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ELETRÔNICO

PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ELETRÔNICO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ELETRÔNICO Este formulário é o canal exclusivo para o envio dos projetos concorrentes ao Edital de Patrocínio do Banco do Nordeste para 2015. Seu correto preenchimento é imprescindível

Leia mais