INSTITUTO CIENTÍFICO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE MBA EXECUTIVO DE GESTÃO DE PESSOAS DIEL GOMES DA SILVA JUNIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO CIENTÍFICO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE MBA EXECUTIVO DE GESTÃO DE PESSOAS DIEL GOMES DA SILVA JUNIOR"

Transcrição

1 INSTITUTO CIENTÍFICO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE MBA EXECUTIVO DE GESTÃO DE PESSOAS DIEL GOMES DA SILVA JUNIOR ANÁLISE DOS ELEMENTOS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ENCONTRADOS NA FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE - FEPECS Brasília DF 2008

2 DIEL GOMES DA SILVA JUNIOR ANÁLISE DOS ELEMENTOS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ENCONTRADOS NA FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE - FEPECS Monografia apresentada ao Curso de MBA Executivo de Gestão de Pessoas do Instituto Científico de Ensino Superior e Pesquisa UNICESP como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista em Gestão de Pessoas. Orientadora: Profª. M.Sc.Margarida Flora Silva Gonçalves Brasília DF 2008

3 PROPRIEDADE INTELECTUAL CESSÃO DE DIREITOS DIEL GOMES DA SILVA JUNIOR ANÁLISE DOS ELEMENTOS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ENCONTRADOS NA FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE - FEPECS 2008: É concedida ao Instituto Científico de Ensino Superior e Pesquisa UNICESP, permissão para reproduzir cópias deste trabalho ou emprestar tais cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva-se outros direitos de publicação. Diel Gomes da Silva Junior EPTG QE 3 bloco B2 aptº 106 Lucio Costa, Guará - DF DIEL GOMES DA SILVA JUNIOR

4 ANÁLISE DOS ELEMENTOS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ENCONTRADOS NA FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE - FEPECS Banca Examinadora: Orientador: Profª. MSc. Margarida Flora Silva Gonçalves Unicesp Instituto Científico de Ensino Superior e Pesquisa Avaliador: Profª Dra. Anelise Pereira Sihler Unicesp Instituto Científico de Ensino Superior e Pesquisa BRASILIA, DF 2008

5 Dedico este trabalho à minha amada esposa e aos meus pais e irmãos igualmente queridos.

6 AGRADECIMENTOS Deus, que me deu forças extras imprescindíveis para a conclusão desta realização. A minha estimável orientadora, Margarida, que me deu parte daquilo que muito ama, seu conhecimento, e que passarei igualmente adiante durante a minha vida com o mesmo carinho recebido.

7 A mais rica biblioteca, quando desorganizada, não é tão proveitosa quanto uma bastante modesta, mas bem ordenada. Da mesma maneira, uma grande quantidade de conhecimentos, quando não foi elaborada por um pensamento próprio, tem muito menos valor do que uma quantidade bem mais limitada, que, no entanto, foi devidamente assimilada. Pois é apenas por meio da combinação ampla do que se sabe, por meio da comparação de cada verdade com todas as outras, que uma pessoa se apropria de seu próprio saber e o domina. Arthur Schopenhauer

8 RESUMO Junior, Diel Gomes da Silva. Análise dos elementos de gestão do conhecimento encontrados na Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde - FEPECS. Artigo (MBA Executivo em Gestão de Pessoas). Instituto Científico de Ensino Superior e Pesquisa - UNICESP. Professora Orientadora: Margarida Flora Silva Gonçalves. Setembro, O presente trabalho teve como objetivo verificar como a Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal poderia se beneficiar de ações na área de Gestão do Conhecimento (GC). Para tanto, foram levantadas as características do ambiente da SES/DF e da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (FEPECS), mais especificamente; os elementos de gestão do conhecimento; os entraves para implantação da GC no âmbito administrativo. Tais itens foram analisados à luz dos pensamentos de autores especialistas em GC, de acordo com o processo de criação, armazenamento, transferência e utilização do conhecimento. O método de abordagem escolhido foi o dialético, que permitiu a realização da pesquisa, pois sua orientação está para a análise de elementos escritos e não-escritos, assim como possibilitou ao pesquisador lançar seu olhar para o fenômeno e estudá-lo como um processo dentro de um contexto. Na análise do processo, verificou-se que os elementos concernentes à GC encontrados na FEPECS não possuem uma estrutura completa e que faltam ferramentas para uma gestão ideal. O conhecimento tácito é o que prevalece, pois não há repositório desenhado para captar tal conhecimento e transformá-lo em conhecimento explícito. A falta do repositório também dificulta a reutilização do conhecimento existente na SES/DF. A metodologia de transmissão do conhecimento carece de um modelo completo de avaliação. A contratação de uma consultoria para orientar o planejamento estratégico caracteriza uma forma de geração de conhecimento, o aluguel. Conclui-se que a aplicação de ações planejadas para a GC se faz ímpar para aproveitar o capital intelectual em todo o seu potencial, transformando o conhecimento tácito em ação e fonte de reutilização. Sugere-se a implantação da GC como modelo de melhoria contínua e permanente, com um corpo funcional próprio; a melhoria na comunicação interna; e o investimento na capacitação das chefias. PALAVRAS-CHAVE: gestão do conhecimento, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, FEPECS.

9 RESUMEN Junior, Diel Gomes da Silva. El análisis de los elementos de gestión del conocimiento encontrados em la Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde - FEPECS. Artículo (MBA Ejecutivo en Gestión de Personas). Instituto Científico de Ensino Superior e Pesquisa - UNICESP. Orientación de La Profesora: Margarida Flora Silva Gonçalves. Septiembre, El actual trabajo tuvo como objetivo verificar como la Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal podría beneficiarse de acciones en el área de la Gestión del Conocimiento GC. Por eso, hubieron sido presentadas las características del ambiente de la SES/DF e de la Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde FEPECS, en especial; los elementos de gestión del conocimiento; las dificultades para implantación de la GC en el ámbito administrativo. Tales fueron analizados de acuerdo con los pensamientos de los autores especialistas en GC, conforme el proceso de creación, almacenamiento, transferencia e utilización de conocimiento. El método de abordaje elegido ha sido el dialéctico, lo cual permitió la realización de la pesquisa, pues orientación está para la analice de elementos escritos e no escritos, bien como posibilitó al investigador echar su mirada hacia el fenómeno e estudiadlo como un proceso dentro de un contexto. En el analice del proceso, ha sido verificado que los elementos de GC vistos en la FEPECS no tienen una estructura completa i que quedan herramientas para una gestión ideal. El conocimiento tácito es lo que prevalece, pues no hay repositorio hecho para captar tal conocimiento e transformadlo en conocimiento explicito. La carencia del repositorio también dificulta la reutilización del conocimiento existente en la SES/DF. La mitología de transmisión del conocimiento hace falta de un modelo de evaluación. La contratación de una empresa de consultaría para orientar el planeamiento estratégico caracteriza una forma de generar el conocimiento, el alquiler. En conclusión, la aplicación de acciones planeadas para la GC se hace sin impar para mejor aprovechar el capital intelectual en todo su potencial, transformando el conocimiento tácito en acción y fuente de reutilización. Sugerid se la implantación de la GC como modelo de mejora continua y permanente, con un cuerpo funcional propio; la mejora en la comunicación interna; y la inversión en capacitación de los jefes. PALABRAS-CLAVE: gestión del conocimiento, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, FEPECS.

10 LISTA DE TABELAS TABELA 01 - Causas de atritos na transferência do conhecimento e suas possíveis soluções TABELA 02 - Comparação das duas abordagens para a administração do conhecimento 20

11 LISTA DE FIGURAS Figura 01 Modelo de gestão para resultados Figura 02 Mapa genérico de scorecard Figura 03 Modelo de painel de sala de situação: execução de projetos... 35

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS FHDF - Fundação Hospitalar do Distrito Federal. GDF - Governo do Distrito Federal. ISDF - Instituto de Saúde do Distrito Federal. CSDF Conselho de Saúde do Distrito Federal. FSDF Fundo de Saúde do Distrito Federal. FEPECS Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde. FHB Fundação Hemocentro de Brasília. SUPRAC Subsecretaria de Programação, Regulação, Avaliação e Controle. SAS Subsecretaria de Atenção à Saúde. SVS - Subsecretaria de Vigilância Sanitária. SUS Sistema Único de Saúde. NEPS - Núcleo de Educação Permanente em Saúde. CODEP Coordenação de Desenvolvimento de Pessoas. GC Gestão do Conhecimento. ESCS - Escola Superior de Ciências da Saúde. ETESB - Escola Técnica de Saúde de Brasília. CAO - Coordenação de Apoio Operacional. GM/MS Gabinete do Ministro do Ministério da Saúde.

13 GTIPE - Grupo de Trabalho de Implementação do Planejamento Estratégico. EUA Estados Unidos da América. OMC - Organização Mundial do Comércio. FMI - Fundo Monetário Internacional. EAD Ensino à Distância. ECT - Empresa de Correios e Telégrafos. DETRAN/AL Departamento de Trânsito de Alagoas. P&D Pesquisa e Desenvolvimento. Fedex Federal Express. IA Inteligência Artificial. MIT - Instituto Tecnológico de Massachusetts. CSIRO - Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation. CBR - Case-Based Reasoning. HP Hewlett-Packard. GE General Eletric. CV Comunidade Virtual. PNH Política Nacional de Humanização. MS Microsoft. DIVAL Diretoria de Vigilância Ambiental LACEN Laboratório Central. HBB Hospital de Base de Brasília.

14 HRS Hospital Regional de Sobradinho. HRAS Hospital Regional da Asa Sul. HRAN Hospital Regional da Asa Norte. HRT Hospital Regional de Taguatinga. HRC Hospital Regional da Ceilândia. CD-ROM Compact Disc of Read Only Memory. DVD Digital Versatile Disc. VHS Video Home System. SEPLAG Secretaria de Planejamento e Gestão. EGov Escola de Governo. PMTUAS - Programa de Modernização Tecnológica das Unidades Assistenciais de Saúde.

15 SUMÁRIO 2 INTRODUÇÃO Apresentação do trabalho Cenário Atual Situação problema Dados da situação Problema de Pesquisa Delimitação da Pesquisa Objetivos Geral Justificativa REFERENCIAL TEORICO Dados sobre a FEPECS Marco teórico Origens e Instrumentos do Conhecimento Tipologia do Conhecimento Gestão do Conhecimento: breve histórico Criação de conhecimento Armazenamento Transferência Conhecimento tácito e conhecimento explícito Conhecimento Tácito Caso de Sucesso na Administração Pública... 38

16 4 DESENVOLVIMENTO Metodologia Tipos de pesquisa Método de análise Análise dos dados coletados Dos elementos de criação do conhecimento Elementos de armazenamento Transferência de conhecimento A utilização do conhecimento Gestão do conhecimento na função administrativa Caso: planejamento estratégico e o conhecimento alugado Curso de agente de planejamento na modalidade Ensino à Distância EAD GTIPE e Publix CONCLUSÃO Quanto aos elementos ou fases da gestão do conhecimento aplicados pela FEPECS: Sobre os entraves que dificultam a implementação da gestão do conhecimento no âmbito administrativo REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 56

17 1 INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR Diel Gomes da Silva Junior Bacharel em Administração (UNEB/Distrito Federal); Especialista em Gestão e Consultoria de Conflitos nas Organizações de Saúde (Universitat de Barcelona/Espanha). Atuou como Gerente de telemarketing, de recuperação de crédito, de negócios pessoa física (UNIBANCO SA), ; Iniciou a carreira docente em 2004 ministrando bioestatística e informática aplicada a metodologia científica (UNIP/Distrito Federal), Atualmente, é servidor público da carreira de técnico de saúde, coordenando equipe administrativa e participa, como agente de planejamento estratégico (Secretaria de Estado de Saúde/DF), desde 2001; Ministra disciplinas da área da Administração para cursos de graduação e pós-graduação (UNICESP/Distrito Federal) CV Lattes:

18

19 19 2 INTRODUÇÃO 2.1 Apresentação do trabalho Em 17 de junho de foi criada por meio do Decreto , a Fundação Hospitalar do Distrito Federal FHDF e pelo Decreto Nº , de 31 de agosto de foi extinta, dando lugar à Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal SES/DF, que é o órgão do Governo do Distrito Federal (GDF) responsável pela gestão pública dos serviços sanitários e atuando de forma preventiva e resolutiva e, quando couber, em projetos de parceria com os outros órgãos do Governo. A SES/DF também incorporou as funções e o quadro de servidores do Instituto de Saúde do Distrito Federal (ISDF) extinto pelo Decreto Nº de 31 de agosto de Atualmente, a SES/DF se apresenta com o seguinte perfil estrutural: Órgãos vinculados: a) CSDF Conselho de Saúde do DF: atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde na instância correspondente. b) FSDF Fundo de Saúde do DF: é um instrumento de administração e suporte financeiro para as ações do Sistema Único de Saúde (SUS) do DF. c) FEPECS Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde: formular e implantar a formação e desenvolvimento de pessoas, a gestão do conhecimento, pesquisa e inovação tecnológica, conforme as políticas públicas de saúde, segundo sua missão. d) FHB Fundação Hemocentro de Brasília: responsável pela captação de doações de sangue, assim como da análise e sua distribuição. Órgãos subordinados: a) SUPRAC Subsecretaria de Programação, Regulação, Avaliação e Controle: administra as solicitações e marcações de consultas e exames feitas no DF; b) SAS Subsecretaria de Atenção à Saúde: desenvolve programas gerais ou específicos de saúde à população como: saúde do trabalhador, da infância do adulto, da mulher; de caráter permanente, temporário ou sazonal;

20 20 c) SVS - Subsecretaria de Vigilância Sanitária: focada na prevenção de doenças, epidemias e imunização da população, assim como de animais domésticos Cenário Atual A SES/DF vive a implementação do novo planejamento estratégico modelado pelo Governo do DF e sob a consultoria da Publix Instituto. Com uma missão e uma visão de futuro claras, traça objetivos e ações focados em resultados e busca o envolvimento de servidores concursados, da saúde e da administração: perfil de uma nova instituição em busca de novas soluções em gestão. Em 29 de janeiro de 2008, a SES/DF expôs a sua missão e visão de futuro, que contou, em cerimônia oficial, com a presença do Governador do Distrito Federal. Ficaram assim firmadas: a) Missão da Secretaria de Saúde Formular e adequar políticas de saúde, bem como planejar, coordenar e executar ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, inclusive os processos de formação de profissionais de saúde, segundo os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS), contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da população do Distrito Federal. b) Visão da Secretaria de Saúde Ser excelência e referência na atenção integral à saúde, apresentando os melhores indicadores de saúde do país. 2.2 Situação problema Dados da situação Na SES/DF existem focos desencontrados de tratamento do conhecimento. Oficialmente, a SES/DF mantém um Núcleo de Educação Permanente em Saúde (NEPS), em cada uma de suas unidades e, informalmente, existem alguns grupos de servidores que se organizam para tentar processar o conhecimento. Quanto aos NEPS, estes oferecem: a) Apoio para levantamento de necessidade de cursos específicos; b) Apoio na formalização do projeto do curso pretendido; c) Acompanhamento dos cursos autorizados e avaliação dos participantes ao final de cada curso;

21 21 d) Acompanhamento dos estagiários oriundos de instituições de nível técnico e superior; e) Acompanhamento dos treinandos em Serviços de Saúde. Os NEPS são subordinados à Coordenação de Desenvolvimento de Pessoas (CODEP) da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (FEPECS). Segundo a Coordenação da CODEP, não existe uma concentração de esforços voltados para a gestão do conhecimento além do foco no treinamento, nem há um banco de talentos. Existe na SES/DF um quadro de servidores da carreira administrativa de nível médio, que parece não receber a devida importância da Secretaria, quiçá por que não seja uma categoria que faça parte do principal negócio desse órgão de Governo e por isso não é fator estratégico de relevância. Seja como for, ficam à margem da oferta de cursos de treinamento e capacitação. Outrossim, por não haver, no Plano de Cargos e Salários, o cargo administrativo de nível superior, comumente conhecido por Analista Administrativo, a SES/DF poderia ficar descoberta de pessoal capacitado para executar atividades que exijam conhecimentos específicos de administração. Essa lacuna de conhecimento pode impedir que a SES/DF seja mais eficiente, por exemplo, na otimização de processos, na padronização de rotinas, no melhor atendimento ao público, na melhora dos sistemas de informações, na qualidade do serviço prestado etc. No entanto, mesmo não havendo o cargo de Analista Administrativo, existem técnicos administrativos com graduação em Administração: pessoas capacitadas para desempenhar atividades mais complexas na área administrativa. Em que pese existirem pessoas capacitadas, o surpreendente é o fato da SES/DF não utilizar seu capital intelectual administrativo de forma eficiente. Talvez por ser um órgão político, os movimentos das peças podem sofrer influências inapropriadas e comprometer o fluxo e o tratamento das informações, elemento-base para a construção do conhecimento organizacional. A SES/DF poderia se beneficiar se tivesse um plano para a gestão do conhecimento. Segundo Davenport e Prusak (1998), a gestão do conhecimento ocorre por meio de processos de criação, armazenamento, transferência e uso de conhecimentos na organização. Para Angeloni (2008, p. XVI-XVII), gestão do conhecimento é um conjunto de processos que acontecem por meio de aquisição, criação, armazenamento, compartilhamento, uso e

22 22 mensuração do conhecimento na organização. Stewart (1998, p. 98), ao citar um caso ocorrido com Edvinsson sobre a gestão do conhecimento relata que o capital humano é a fonte da inovação de uma empresa. Reconhecido o capital intelectual, as pessoas, como a base para a construção do conhecimento, basta encontrar a melhor forma de se aproveitar dessa vantagem competitiva. Por ser fonte recente de discussão entre os autores da administração, a gestão do conhecimento se vê aberta a várias teorias sobre o seu processo e confusões de significado, como vem acontecendo entre informação e conhecimento Problema de Pesquisa Considerado o exposto, questiona-se: como a SES/DF poderia se beneficiar de ações na área da Gestão do Conhecimento? Delimitação da Pesquisa Considerando as limitações de tempo e de outros recursos, a pesquisa se limitará à tratar o assunto no âmbito da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde, que é o órgão da SES/DF responsável pela formação e desenvolvimento de pessoas, da gestão do conhecimento e de pesquisa e inovação. 2.3 Objetivos Geral Verificar como a SES/DF poderia se beneficiar de ações na área de Gestão do Conhecimento Específicos a) expor o que os autores dizem sobre gestão do conhecimento; b) descrever qual(is) o(s) elemento(s) ou fase(s) da gestão do conhecimento que são aplicados pela FEPECS; c) verificar quais entraves dificultam a implementação da gestão do conhecimento no âmbito administrativo;

23 23 d) apresentar sugestões para que a SES/DF possa se beneficiar do uso da gestão do conhecimento. 2.4 Justificativa É notória a busca da excelência na gestão do fator humano nas empresas privadas e a dificuldade apresentada pelos órgãos públicos neste sentido. O presente trabalho apresenta uma contribuição para a área da Gestão do Conhecimento no tocante a sistematização de um processo eficiente, especificamente quanto ao uso do conhecimento existente nas organizações públicas. Quanto à SES/DF, o trabalho representa uma contribuição ao enfocar os servidores e seu papel como capital estratégico, revelando como esse corpo de profissionais pode representar um valor maior do que o esperado. Como exemplo pode-se citar a melhoria: nos processos, no estudo de layout, na tecnologia da informação, no atendimento ao público, no desenvolvimento de projetos, na capacitação, na alocação e otimização de recursos, na comunicação institucional, no compartilhamento do conhecimento explicito e estruturação do conhecimento implícito, na gestão integral de pessoas e em todos os serviços prestados etc.

24 24 3 REFERENCIAL TEORICO 3.1 Dados sobre a FEPECS A Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde é órgão vinculado à Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal e foi criada pela Lei Nº 2.676, de 12 de janeiro de De acordo com o Artigo 3º da mesma Lei, a Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde manterá: I - cursos regulares formadores para a educação técnica e profissional graduado e pósgraduado das ciências de saúde; II - programas de formação pedagógica, para profissionais de nível superior e técnicos dedicados à educação de profissionais de saúde; III - programas de educação permanente para os profissionais de saúde em todos os níveis do sistema de saúde; IV - programas de pesquisa nas unidades prestadoras de serviços de saúde e de base populacional. Pelo Artigo 2º do Decreto N , de 06 de fevereiro de 2.001, que aprova o seu estatuto, a Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde tem caráter científico, tecnológico e educacional, de formação profissional de nível básico, técnico, de graduação, pós-graduação e de pesquisa. Subordinadas à FEPECS estão a Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS), responsável pelos cursos de graduação em medicina, pós-graduação em residência médica, residência não-médica e gestão de instituições de saúde e pela pesquisa e comunicação científica. A Escola Técnica de Saúde de Brasília (ETESB) oferece cursos de nível técnico aos profissionais de todos os níveis de escolaridade. A Coordenação de Desenvolvimento de Pessoas coordena os estágios, assim como projetos de educação permanente para os servidores da SES/DF. A Coordenação de Apoio Operacional (CAO) disponibiliza o suporte necessário para o melhor funcionamento da FEPECS. Devido ao planejamento estratégico, por qual passa a SES/DF, a missão, a visão de futuro e o negócio da FEPECS foram declarados da seguinte forma:

25 25 a) missão: formular e implantar a formação e desenvolvimento de pessoas, a gestão do conhecimento, pesquisa e inovação tecnológica, conforme as políticas públicas de saúde ; b) visão de futuro: ser, até 2010, uma instituição de reconhecido grau de excelência em pesquisa, em gestão de conhecimento e educação permanente em saúde ; c) negócio: desenvolvimento de recursos humanos, pesquisa e tecnologia em saúde e suas políticas públicas em saúde. Pela Portaria nº 18, de 28 de junho de 2007, a Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal SES/DF implantou o Modelo de Gestão para Resultados do Governo do Distrito, instituído por meio do Decreto nº , de 06 de fevereiro de Também segue orientações das diretrizes do Pacto pela Saúde, instituído pela Portaria nº 399 GM/MS, de 22 de fevereiro de 2006 e das diretrizes do Sistema de Planejamento do Sistema Único de Saúde SUS, instituído pela Portaria GM/MS nº 3.085, de 1º de dezembro de Tal dispositivo cria o Grupo de Trabalho de Implementação do Planejamento Estratégico GTIPE e determina que cada Diretoria Regional de Saúde DRS forme seus GTIPE s para funcionar nos Hospitais Regionais e Unidades de Saúde do DF. 3.2 Marco teórico Origens e Instrumentos do Conhecimento O conhecimento tem origem a partir das sensações e estas, para Descartes, são geradas por fatores externos ao observador, que por sua vez as percebe pelo uso dos sentidos. Já Aristóteles acredita que o homem nasce vazio intelectualmente e só passa a obter conhecimento pelo uso dos sentidos. Platão partilhava das idéias de seu tutor, Sócrates, que acreditava que todos nasciam com um saber, mas que esse conhecimento permanecia no esquecimento até ser revelado mediante a interação com o mundo (VIEGAS, 2007, p ). Quanto aos instrumentos ou ferramentas do conhecimento, o autor explica que são o sentimento e a razão os responsáveis pela geração dos conceitos ou resultados das sensações percebidas pelo intelecto ou ainda, que as idéias são o resultado das sensações. Esses instrumentos foram fisiologicamente identificados e demarcados, sendo o lado direito do cérebro responsável pelas emoções, pela criatividade e o lado esquerdo pela razão, pela lógica (p ).

26 Tipologia do Conhecimento São cinco os tipos de conhecimentos: o ideológico, o religioso, o filosófico o científico e a percepção extra-sensorial (VIEGAS, 2007, p. 23). Esse autor informa que o conhecimento ideológico é não racional e assistemático, pois não surge de uma construção refletida da mente e lhe falta um padrão de relacionamento entre os elementos que o compõem. O conhecimento religioso nasce do lado direito do cérebro, é o sentimento em estado puro, pois a fé tem sua base nas emoções. Sua maior característica é a inexistência da dúvida, mesmo que suas afirmações não possam ser verificáveis. Já o conhecimento filosófico, busca uma resposta sobre a realidade refletida pelo sujeito que especula sobre ela, isto é, especula sobre a razão última, a razão do ser. No conhecimento científico a orientação está no ver para crê, nas demonstrações que saciam as dúvidas e o continuo duvidar, mas não a dúvida do cético, que considera que a verdade é intangível e incomunicável. Por fim, um tipo que se encontra fora do eixo razão e sentimento: a percepção extra-sensorial. Esta é reconhecida através de eventos paranormais, de insights, nos pressentimentos (p ) Gestão do Conhecimento: breve histórico Como visto anteriormente, o estudo do conhecimento não é novo, mas seu estudo dentro das organizações sim. Para melhor compreender a atualidade das empresas é necessário repassar brevemente um pedaço da História ocidental, mas exatamente a partir da Revolução Industrial. Na segunda metade do séc. XVIII, James Watt deu o ponta-pé para o que seria a transição da Idade Média para a Idade Moderna: a invenção da máquina à vapor e a então Revolução Industrial. Esta por sua vez, marca a produção em massa, os primeiros estudos em Administração, os estudos de Sociologia e Psicologia aplicados às relações humanas nas empresas etc (CHIAVENATO, 2000). As guerras mundiais também contribuíram fortemente na evolução tecnológica, principalmente na aviação e no controle da energia nuclear. Aliás, nunca se reuniu, até então, tantos cientistas para se trabalhar em um único projeto, o Projeto Manhattan. Projeto tal que

27 27 realizou uma seleção de pessoas para a criação, o armazenamento do conhecimento e sua trágica aplicação (ROBERTS, 2002). Após a última grande guerra, os EUA se levantaram como a nação líder, e capitalista. Surge a Guerra Fria. O combate de nervos, as ameaças nucleares e as guerras transnacionais marcaram 30 anos ( ) na Historia. Segundo Roberts (2002, p. 640), a ajuda americana viabilizou a recuperação da Europa como grande centro mundial de produção industrial e ainda as nações desejavam como nunca estabelecer instituições de cooperação para regularem a economia internacional. Tais organismos mundiais como a Organização Mundial do Comércio (OMC), o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), liderados pelo sonho americano, faziam bloqueios aos países declarados comunistas. Enquanto o bloco capitalista se desenvolvia a passos largos, acreditando no fim próximo dos comunistas logo após a Queda do Muro de Berlim, a China surpreendeu a todos, mostrando o seu poderio bélico e despontando como futuro império mundial (ROBERTS, 2002, p ). A Revolução Industrial mostrava-se cada vez mais forte. O homem do campo do inicio do século migrava continuamente para as cidades, em busca de trabalho nos centros industriais. De acordo com o mesmo autor (p. 641), nos EUA e na Europa a força de trabalho agrícola continuou a encolher, enquanto a produtividade por área aumentou, pois o trator havia chegado às fazendas. Ainda em Roberts (2002), ao mencionar a importância das comunicações afirma que a tecnologia da informação foi o carro-chefe na aceleração da indústria desde A velocidade com que o processo de produção vinha para satisfazer um mercado que crescia em tamanho e exigência qualitativa pediu das pessoas mais do que elas podiam produzir. O avanço intelectual nunca foi tão subitamente acelerado (p. 641). Inicialmente parecia que a informática seria o grande diferencial competitivo, mas aos poucos as empresas enxergaram, como será visto mais a frente, que são as pessoas o diferencial definitivo como construtores do conhecimento. Para Stewart (1998, p. 6), a Era do Conhecimento, do Capital intelectual, do Intangível Humano nas empresas como fator capaz de gerar diferença competitiva é recente e isso se deve ao roteiro histórico apresentado anteriormente e mais especialmente: a) à massificação dos instrumentos informatizados; b) à globalização;

28 28 c) ao aumento da concorrência; d) ao enxugamento da estrutura empresarial. Esses elementos se desenvolveram de forma interdependente, revelando o que também se pode chamar de Era da Informação. Isso altera a indústria tradicional baseada no trabalho físico para a economia do conhecimento e da comunicação (STEWART, 1998, p. 6) Elementos de Gestão do Conhecimento Atualmente, entre autores como Davenport e Prusak, Stewart, Carbone, Angeloni e Terra, encontram-se vários elementos comuns quanto ao entendimento da gestão do conhecimento nas organizações. Do mais amplo ao mais estrito, podem ser citados: as competências humanas; os conhecimentos, as atitudes e as habilidades pessoais; a criação, o registro, a transferência, a aplicação e a avaliação do conhecimento; a aprendizagem; o sistema de informação; a inovação e a vantagem competitiva. Corroborando a afirmação acima, Carbone (2006, p ) considera que a sustentação da vantagem competitiva depende de uma capacidade superior para identificar, construir e alavancar novas competências e que a vantagem competitiva é obtida, fundamentalmente, pela inovação. O autor relaciona os três insumos da competência: a) a habilidade, como capacidade da pessoa de instaurar conhecimento armazenado em sua memória e utilizá-los em uma ação ; b) a atitude do trabalhador, que determina a sua conduta em relação aos outros, ao trabalho ou a situações ; c) o conhecimento, que corresponde a informações que, ao serem reconhecidas e integradas pelo individuo em sua memória, causam impacto sobre seu julgamento ou comportamento. Quanto à criação do conhecimento nas empresas: Criar novos conhecimentos não é apenas uma questão de aprender com outros ou adquirir conhecimentos externos. Além disso, o conhecimento deve ser construído internamente na empresa, passando pela conversão do conhecimento tácito em conhecimento explícito, sobretudo pelo processo de compartilhamento de experiência que a levem a rever ou a recriar modelos mentais ou habilidades técnicas, com o uso de comunicações escritas ou orais (NONAKA e TAKEUCHI, apud Angeloni (Org), 2008, p. 52).

INSTITUTO CIENTÍFICO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE MBA EXECUTIVO DE GESTÃO DE PESSOAS DIEL GOMES DA SILVA JUNIOR

INSTITUTO CIENTÍFICO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE MBA EXECUTIVO DE GESTÃO DE PESSOAS DIEL GOMES DA SILVA JUNIOR INSTITUTO CIENTÍFICO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE MBA EXECUTIVO DE GESTÃO DE PESSOAS DIEL GOMES DA SILVA JUNIOR ANÁLISE DOS ELEMENTOS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ENCONTRADOS NA FUNDAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA Maria de Fátima Soares Ribeiro Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Gestão Empresarial para a Indústria Química GETIQ pela Escola de Química da

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gabriel Gavasso 1 Anderson R. Yanzer Cabral 2 Resumo: Gerenciar o conhecimento nas organizações tem se tornado um grande desafio, visto a grande importância

Leia mais

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval Brasília (DF), 26 de novembro de 2010 1 Propósito e Natureza Discussão dos grandes temas nacionais pertinentes ao conhecimento Papel de natureza social, desde 04/07/2008 está qualificada pelo Ministério

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A Faculdade Kennedy busca sempre melhorar a qualidade, oferecendo serviços informatizados e uma equipe de profissionais preparada para responder

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo e Marketing e

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Banco de Dados para BI: José Roberto Escodeiro 10/10/2011 1. Linha do Tempo 2. Era do Conhecimento Índice 3. Ativos Tangíveis e intangíveis

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial.

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Nos programas e cursos da Educação a Distância da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (EAD/ ENSP), a formação dos profissionais

Leia mais