Número: / Unidade Examinada: Município de Muriaé/MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Número: 00190.023960/2012-08 Unidade Examinada: Município de Muriaé/MG"

Transcrição

1 Número: / Unidade Examinada: Município de Muriaé/MG

2 Relatório de Demandas Externas n / Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle desenvolvidas pela Controladoria-Geral da União (CGU) no Município de Muriaé/MG, cujos trabalhos foram realizados entre 08/04/2013 a 29/09/2013. Esclarecemos que os executores dos recursos federais foram previamente informados, por meio do Ofício n 21021/CGUMG/CGU-PR, de 15/07/2013, sobre os fatos relatados, tendo se manifestado em 02/08/2013, cabendo ao Ministério Supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. Foram analisados itens financiados com recursos repassados ao Município, no período compreendido entre 18/06/2009 a 08/04/2013, pelo Ministério da Integração Nacional, com o objetivo de verificar a aplicação de recursos federais envolvendo o Programa Resposta aos Desastres e Reconstrução. Principais Fatos Encontrados Ministério da Integração Nacional Programa: Resposta aos Desastres e Reconstrução Contratação irregular mediante utilização indevida de dispensa de licitação para execução de obras relativas ao Termo de Compromisso nº 077/2009. Contratação por dispensa para execução de obras do Convênio nº 002/2009 sem a caracterização de situação de emergência e sem a devida pesquisa de preços. Incompatibilidade do repasse de recursos com os objetivos do Programa Resposta aos Desastres e Reconstrução. Calçamento de ruas em localidade sem comprovação da ocorrência de danos e da situação emergencial. Ocorrência de superfaturamento por pagamentos de serviços executados a menor em serviços de calçamento poliédrico no âmbito do Termo de Compromisso nº 077/2009. Ocorrência de superfaturamento por pagamento de serviços executados a menor na execução de muros de contenção no âmbito do Termo de Compromisso nº 077/2009. Ocorrência de intervenções em áreas que, visualmente, não foram afetadas por enchentes/deslizamentos. Ocorrência de superfaturamento por pagamentos de serviços de calçamento poliédrico e meio fio executados a menor no âmbito do Convênio nº 002/2009. Principais Recomendações Este Relatório é destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, para a adoção de providências quanto às situações evidenciadas, especialmente, para a adoção de medidas preventivas e corretivas, visando à melhoria da execução dos Programas de Governo.

3 1 de 39 07/03/ :29 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE DEMANDAS EXTERNAS Número: /

4 2 de 39 07/03/ :29 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. DAS SITUAÇÕES VERIFICADAS 2.1 MINISTERIO DA INTEGRACAO NACIONAL Programa: Resposta aos Desastres e Reconstrução Ação: Restabelecimento da normalidade no cenário de desastres 3. OUTRAS AÇÕES 3.1 MINISTERIO DA INTEGRACAO NACIONAL Programa: Resposta aos Desastres e Reconstrução 4. CONCLUSÃO

5 de 39 07/03/ :29 1. INTRODUÇÃO 1.1 Este Relatório apresenta os resultados de ação de controle desenvolvida em função de situações presumidamente irregulares ocorridas no Município de Muriaé/MG, que deram origem ao Processo nº / O presente trabalho foi realizado no período de de 08/04/2013 a 29/09/2013, com verificações in loco entre 15/04/2013 e 19/04/2013. Foram analisados os itens financiados com recursos repassados ao município pelo Ministério da Integração Nacional, por força do Convênio nº 002/2009 (SICONV ), do Termo de Compromisso nº 77/2009 (SIAFI ) e do Termo de Compromisso nº 80/2012 (SIAFI ). 1.3 Em demanda encaminhada à CGU em 27/09/2010, a qual deu origem ao Processo nº / , foram apontadas possíveis irregularidades na contratação por dispensa da licitação com base no inciso IV do art. 24 da Lei nº 8.666/93 da empresa Urb-Topo Engenharia e Construções Ltda. para execução de obra relativa ao Termo de Compromisso nº 263/2010 firmado entre o município de Carlos Chagas e o Ministério da Integração Nacional. Adicionalmente, a Delegacia de Polícia Federal em Governador Valadares, mediante o Ofício nº 4477/2011, de 21/10/2011, solicitou a apuração de possíveis irregularidades ocorridas em repasses de recursos do Ministério da Integração Nacional aos municípios de Pavão/MG (Termos de Compromisso nº 272/ SIAFI e nº 078/2009 SIAFI ), Carlos Chagas/MG (Termo de Compromisso nº 263/ Siafi ) e Itaúna/MG (Termo de Compromisso nº 275/ SIAFI ) com o Ministério da Integração Nacional, envolvendo a contratação da referida empresa. Finalmente, a Procuradoria da República em Divinópolis também solicitou a realização de auditoria no município de Itaúna/MG relativa ao Termo de Compromisso nº 275/2010 firmado com o Ministério da Integração Nacional, que também contemplou a contratação direta da mesma empresa. 1.4 Tendo em vista que o Convênio nº 002/2009 (SICONV ) e o Termo de Compromisso 77/2009 (SIAFI ) envolveram a contratação da empresa Urb-Topo Engenharia e Construções Ltda. por dispensa da licitação, a CGU emitiu as Ordens de Serviço nº e com vistas a verificação do processo de contratação e a execução da obras previstas nos referidos termos de repasse de recursos ao município de Muriaé. Adicionalmente, foi emitida a Ordem de Serviço nº com vistas a verificação da execução do Termo de Compromisso nº 080/2012 (Siafi ), firmado entre o Ministério da Integração Nacional e o município de Muriaé. 1.5 Registra-se que a análise limitou-se à aplicação dos recursos financeiros federais repassados à Prefeitura Municipal de Muriaé/MG por meio do Termo de Compromisso nº 77/2009 (SIAFI ), Convênio nº 002/2009 (SICONV ) e Termo de Compromisso nº 080/2012 (Siafi ). 1.6 Para a execução do trabalho foram adotadas as seguintes ações: - exame inicial do teor dos fatos apontados na demanda; - avaliação da funcionalidade do empreendimento; - verificação acerca da legalidade das licitações, bem como da ocorrência de fraude e restrição à competitividade; - verificação acerca da existência de sobrepreço e superfaturamento na contratação e execução das obras; - análise do cumprimento das especificações técnicas dos projetos; - análise do cumprimento do cronograma de execução das obras; - análise da documentação comprobatória das despesas realizadas;

6 de 39 07/03/ :29 - inspeção física e conferência das medições na realização das obras. 1.7 Os trabalhos foram realizados em estrita observância às normas de fiscalização aplicáveis ao Serviço Público Federal. Nenhuma restrição foi imposta à realização dos exames. 1.8 Por meio do Ofício nº 21021/2013/CGUMG/CGU-PR, de 15/07/2013, foi encaminhado o documento Informativo para apresentação dos resultados preliminares deste trabalho de fiscalização à Prefeitura Municipal de Muriaé/MG. A manifestação da Unidade Examinada, recepcionada por meio do Ofício nº 127/2013, de 02/08/2013, através do qual a Prefeitura Municipal de Muriaé encaminhou o documento s/nº, de 02/08/2013, expedido pelo ex-prefeito municipal, foi inserida no presente Relatório. 1.9 Os resultados dos trabalhos realizados, estão apresentados a seguir: no item 2 do presente Relatório estão relatadas as informações relacionadas às situações apontadas na demanda original; no item 3 constam os achados decorrentes de outras ações desta Controladoria que não estavam contempladas na demanda. 2. DAS SITUAÇÕES VERIFICADAS A seguir apresentamos as constatações relacionadas às situações que foram examinadas, agrupadas por Programa/Ação, e vinculadas aos respectivos órgãos superiores. 2.1 MINISTERIO DA INTEGRACAO NACIONAL Programa: Resposta aos Desastres e Reconstrução Ação: Restabelecimento da normalidade no cenário de desastres Objeto Examinado: Defesa Civil - Ação Restabelecimento da normalidade no cenário de desastres Agente Executor Local: Montante de Recursos Financeiros Aplicados: / MURIAE PREFEITURA GABINETE PREFEITO R$ ,00 Ordem de Serviço: Forma de Transferência: Convênio Situação Verificada Análise da legalidade da contratação da empresa Urb-Topo Engenharia e Construções Ltda. (CNPJ nº / ) mediante dispensa da licitação com fulcro no art. 24, IV da Lei nº 8.666/93.

7 de 39 07/03/ :29 CONSTATAÇÃO Contratação irregular mediante utilização indevida de dispensa de licitação para execução de obras relativas ao Termo de Compromisso nº 00077/2009. a) Fato: Em decorrência do Decreto nº 3.657, de 07/05/2009, que declarou situação anormal, caracterizada como emergência em algumas áreas do município de Muriaé, o Ministério da Integração Nacional, por meio da Portaria nº 351, de 17/08/2009, aferiu a situação de emergência ao município, aprovou o Termo de Compromisso apresentado, autorizou o repasse de recursos financeiros no valor de R$ ,00, sem contrapartida, e estabeleceu que as ações necessárias ao restabelecimento da normalidade deveriam ser realizadas em estrita consonância com o Plano de Trabalho constante do Processo Administrativo nº / O Termo de Compromisso recebeu o nº 00077/2009 (Siafi ). O objeto do referido termo de compromisso contemplou calçamento, asfaltamento, reconstrução de rede de drenagem e construção de muro de contenção de concreto armado em área de desastre. A situação decretada ensejou, por parte da Prefeitura Municipal de Muriaé, a abertura do processo de Dispensa de Licitação nº 022/2009 com base no art. 24, IV da Lei 8666/93. Atendendo ao artigo 26 da mesma Lei no que se refere à razão da escolha do fornecedor e justificativa de preço, a Prefeitura apresentou propostas de três empresas, quais sejam: Construtora Marins Ltda. (CNPJ nº / ), Colymar Engenharia Ltda. (CNPJ nº / ) e Urb-Topo Engenharia e Construções Ltda. (CNPJ nº / ), que apresentaram respectivamente propostas nos valores de: R$ ,76, R$ ,91 e R$ ,00. Com a apuração dos valores globais apresentados a empresa Urb-Topo Engenharia e Construções Ltda. foi a escolhida para a execução da obra conforme Contrato nº 154/2009, assinado em 28/08/2009. A contratação foi efetivada por meio de dispensa de licitação, tendo como fundamento a Lei 8666/93, mais especificamente os seguintes dispositivos transcritos: Art. 24. É dispensável a licitação: IV - nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços que possam ser concluídas no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias consecutivos e ininterruptos, contados da ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos respectivos contratos;. Verifica-se que é dispensável a licitação para casos de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens. Observando a situação ocorrida no município, verifica-se que por mais que tenha sido necessária a intervenção ocorrida, torna-se importante a reflexão sobre o tempo decorrido entre a ocorrência do evento causador da emergência, declarada em maio de 2009, e a contratação da empresa para seus reparos em agosto de Salienta-se que a situação, que pudesse ocasionar prejuízo ou

8 de 39 07/03/ :29 comprometer a segurança de pessoas, obras serviços, equipamentos e outros bens, que determinasse a contratação por dispensa de licitação, não poderia aguardar tanto tempo. Salienta-se que a realização de um processo de licitação, na modalidade Concorrência, que demonstrasse ampla publicidade, com consequente participação de grande número de empresas interessadas em prestar os serviços, poderia ocasionar a escolha de proposta mais vantajosa para o município, além de atender ao princípio da transparência. Tendo em vista o tempo decorrido entre a ocorrência do desastre e a contratação, bem como os serviços executados no âmbito do Termo de Compromisso nº 00077/2009, conclui-se que a obra não era indispensável para eliminar ou atenuar riscos potenciais de danos iminentes e relevantes à incolumidade das pessoas, ou de graves prejuízos à economia local, ou eliminar obstáculos locais provocados pelo desastre (situações que caracterizam ações de respostas a desastres). Cumpre informar que as Construtora Marins Ltda. (CNPJ nº / ) e Urb-Topo Engenharia e Construções Ltda. (CNPJ nº / ), constituíra um consórcio, com razão social de Consórcio Urb Tpo-Marins, em 14/08/2008. Acrescenta-se a informação que em fiscalização realizada pela CGU no município de Carlos Chagas verificou-se que as empresas Construtora Marins Ltda. (CNPJ nº / ), Colymar Engenharia Ltda. (CNPJ nº / ) e Urb-Topo Engenharia e Construções Ltda. (CNPJ nº / ), também foram as empresas consultadas para a realização da dispensa de licitação nº 026/2010, que também tinha como fundamento a situação de emergência causada por chuvas. b) Manifestação da Unidade Examinada: Por meio do Ofício nº 127/2013, de 02/08/2013, a Prefeitura Municipal de Muriaé encaminhou o documento s/nº, de 02/08/2013, expedido pelo ex-prefeito municipal, o qual apresenta a seguinte manifestação: A fiscalização da CGU aponta que a contratação de empresa por dispensa de licitação teria sido indevida. O procedimento de dispensa de licitação é mais do que justificado, legal e operacionalmente. O Município de Muriaé declara situação de emergência em 07/05/2009 (DOC. 04). Esforços são realizados junto ao Ministério da Integração para o repasse de recursos, vez que o município não dispunha de recursos para fazer face às despesas para recuperação das inúmeras áreas atingidas pelas enchentes e fortes chuvas ocorridas. Conseguidos os recursos públicos federais indispensáveis para a execução das obras, esses somente foram autorizados em 17 de agosto de 2009, com previsão de transferência ao Município no período de 180 (cento e oitenta) dias contados daquela data, tal como comprovado pela Portaria n. 351/2009, e liberados em 24 de agosto de 2009, conforme Ofício /N.937 tr-mi/secex (DOC.04). Ou seja, até o mês de agosto de 2009, quando os recursos foram liberados, o Município se encontrava impossibilitado de assumir compromissos com obras para fazer frente à situação de emergência (ou seja, era inviável sequer iniciar qualquer tipo de procedimento licitatório); e em agosto de 2009 não apenas se encontrava em vigência o Decreto Municipal que reconhecia a situação de emergência, como a própria situação efetiva do Município era emergencial, situação esta que foi aferida e confirmada pelo próprio Ministério da Integração Nacional (vide art. 1º da Portaria nº 351/2009).

9 de 39 07/03/ :29 Quando os recursos finalmente foram liberados, em agosto de 2009, foi realizado o procedimento de dispensa de licitação, no qual se sagrou vencedora a empresa Urb Topo Engenharia Ltda. Além do fato de que Município de Muriaé ainda se encontrava em situação de emergência em agosto de 2009, o que tornava o procedimento de dispensa de licitação perfeitamente possível e legal, havia ainda a preocupação com a próxima estação chuvosa (que geralmente inicia-se em outubro) que estava prestes a chegar. Logo, o procedimento de dispensa de licitação foi feito no intuito de se dar celeridade ao início das obras necessárias para recompor a normalidade no Município. Importante, inclusive, esclarecer que o Convênio decorrente do termo de compromisso 77/2009 encontra-se com parecer financeiro favorável do Ministério da Integração Nacional, tendo em vista a correta aplicação dos recursos.(doc. 04) Quanto às demais considerações e conjecturas levantadas pela fiscalização em relação às empresa consultadas no processo, não tínhamos e não temos conhecimento dos fatos citados, portanto, NADA TEMOS A DECLARAR. c) Análise do Controle Interno: A justificativa apresentada não aborda aspecto importante do fato apontado e norteador do que a Lei 8666/93 estabelece como possibilidade de dispensar a licitação, qual seja: nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação emergencial ou calamitosa. O decorrer de 3 meses entre a decretação da situação de emergência e a contratação da empresa para a execução das obras, bem como os serviços executados por força do contrato celebrado com a URB Topo (calçamento, asfaltamento, reconstrução de rede de drenagem e construção de muros de contenção de concreto armado), especificamente neste caso, não condizem com a situação de emergência estabelecida pela Lei 8.666/93, conforme detalhado a seguir: a) Serviços de Calçamentos (poliédricos, bloquetes) e de asfaltamento (CBUQ): na sua maioria foram executados em locais os quais não se mostraram passíveis de riscos, embora constassem do AVADAN; na inspeção física, não foram detectadas evidências de que os serviços referiam-se a obras reconstrução propriamente ditos, indicando a realização de serviços de melhorias das vias, visto que, onde antes não havia calçamento, foi executado poliédricos e/ou sextavados e, nos logradouros onde anteriormente existiam poliédricos e/ou sextavados, foram executados asfaltamentos em CBUQ. b) Rede de drenagem pluvial nos bairros Cardoso de Melo e Dornelas: pela localização das ruas e pela existência de uma rede de esgoto mais antiga nos locais visitados, não foram detectadas evidências de obras de reconstrução de rede de drenagem e sim a execução de serviços de construção de uma rede complementar à anterior, de forma a absorver as enxurradas, comuns nesses locais. Adicionalmente, uma simples verificação na planilha de custos contratada, constata-se a ausência de item referente a remoção de material escavado, item essencial quando se trata de reconstruções. c) Muro na área atingida no Bairro do Porto: não houve desabamento de muro anterior. Essa construção foi necessária para se evitar novos desabamentos de prédio contíguo ao mesmo, ou seja, natureza de prevenção.

10 de 39 07/03/ :29 d) Muros de arrimo da Av. JK: apenas um dos muros foi reconstruído. Com relação ao outro, não há indícios de destruição de muro anterior. Esse último refere-se a obra de proteção contra erosão costeira, que é de natureza preventiva. Diante disso, as obras, objeto deste termo de compromisso, não guardam consonância com situações emergenciais, nem tratam de ações de reconstrução, à exceção de um dos muros da Av. JK. As obras executadas por força do TC nº 77/2009, na sua essência, são obras de melhorias ou de natureza preventiva, pois, nos locais onde as intervenções ocorreram, não havia indícios cenários de desastres anteriores, exceto, em um dos muros da Av. JK. Assim sendo, a equipe opina pela manutenção deste achado. Recomendação : 1 Recomenda-se ao Ministério da Integração Nacional que avalie se os danos eventualmente detectados neste relatório foram decorrentes da contratação emergencial indevida. Recomendação : 2 Recomenda-se ao Ministério da Integração Nacional que, nas futuras análises de prestações de contas, avalie a legalidade do processo de contratação emergencial. d) Conclusão sobre a situação verificada: No que se refere a contratação com fundamento no inciso IV da Lei 8666/93, verificou-se que a situação de emergência referenciada não condiz com a estabelecida no normativo, sendo irregular a contratação da empresa Urb-Topo Engenharia e Construções Ltda. (CNPJ nº / )". Objeto Examinado: Defesa Civil - Ação Restabelecimento da normalidade no cenário de desastres Agente Executor Local: Montante de Recursos Financeiros Aplicados: / MURIAE PREFEITURA GABINETE PREFEITO R$ ,00 Ordem de Serviço: Forma de Transferência: Convênio Situação Verificada Análise da legalidade da contratação da empresa Urb Topo Engenharia e Construções Ltda (CNPJ nº / ) mediante dispensa da licitação com fulcro no art. 24, IV da Lei nº 8.666/93.

11 de 39 07/03/ :29 CONSTATAÇÃO Contratação por dispensa para execução de obras do Convênio nº 002/2009 sem a caracterização de situação de emergência e sem a devida pesquisa de preços. a) Fato: A Prefeitura Municipal de Muriaé celebrou o Convênio nº 002/2009 (SICONV nº ), com o Ministério da Integração Nacional, por intermédio da Secretaria Nacional de Defesa Social SEDEC, tendo como objeto a recuperação e reconstrução de pavimentos. Para a consecução dos objetivos o valor do Convênio foi de R$ ,54, sendo R$ ,00 provenientes do Ministério e R$16.419,54 a título de contrapartida por parte do município. Para a realização das obras, objeto do Convênio, a Prefeitura contratou a empresa Urb Topo Engenharia e Construções Ltda (CNPJ nº / ) com base no art. 24, IV da Lei 8666/93. Entretanto, não consta da documentação apresentada a razão da escolha do fornecedor e a comprovação de realização de pesquisa de preço com a devida coleta de orçamentos, ferindo o disposto no art. 26. Em 13/07/2009, foi assinado o Contrato nº 130/2009, oriundo do processo de Dispensa nº 019/2009, entre a empresa e a Prefeitura, no exato valor dos recursos vinculados ao Convênio. Destaca-se que o inciso IV do art. 24 da Lei 8.666/93, estabelece: nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços que possam ser concluídas no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias consecutivos e ininterruptos, contados da ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos respectivos contratos. Destaca-se que a obra não era indispensável para eliminar ou atenuar riscos potenciais de danos iminentes e relevantes à incolumidade das pessoas, ou de graves prejuízos à economia local, ou eliminar obstáculos locais provocados pelo desastre. Na inspeção física das ruas contempladas verificou-se que, ainda que se tratasse de locais com necessidade de melhorias, a Prefeitura poderia ter realizado um processo licitatório que contemplasse ampla divulgação e apreciação de propostas que fossem mais vantajosas ao município, tendo em vista tratar-se de ruas nas quais já existia o calçamento do tipo poliédrico, sem caracterizar urgência de atendimento de situação que pudesse ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas. b) Manifestação da Unidade Examinada: Por meio do Ofício nº 117/2013, de 02/08/2013, a Prefeitura Municipal de Muriaé encaminhou o documento s/nº, de 02/08/2013, expedido pelo ex-prefeito municipal, o qual apresenta a seguinte manifestação: A fiscalização da CGU alega que a obra não era indispensável ou que a siutação de emergêrncia não estava caracterizada, o que não é verdade. O Município de Muriaé encontrava-se em situação de emergência, conforme Decreto 3.657, de 07 de maio de 2009 (DOC. 01), o que por si só legitima o procedimento de dispensa de licitação, previsto no art. 24, IV, da Lei 8.666/93.

12 10 de 39 07/03/ :29 Como se isso não bastasse, o AVADAN (DOC. 02) elenca os incontáveis prejuízos trazidos pelas chuvas, dentre eles os danos ao pavimento de inúmeras ruas, que foi parcialmente destruído em função do colapso das redes pluviais e de esgoto afetadas na época das enchentes e em decorrência de enxurradas de grande intensidade que atingiram a região. Não nos parece correto que a equipe de fiscalização possa, tanto tempo depois da ocorrência de tantos eventos danosos e depois de consertados os danos afirmar que não havia situação de emergência e que as obras não eram indispensáveis para eliminar ou atenuar riscos potenciais de danos iminentes e relevantes à incolumidade das pessoas, ou graves prejuízos à economia local ou eliminar obstáculos locais provocados pelo desastre. Ora, só quem vivenciou as chuvas e os incontáveis danos que elas trouxeram tem como saber o caos que a cidade e seu povo viveram. Os estragos, tanto a bens públicos, quanto a bens particulares, tiraram a população de sua rotina, trazendo prejuízos sociais e econômicos, o que pode ser facilmente verificados pelos AVADAN s (DOC. 02). Depois de tudo consertado, é muito fácil para a equipe de fiscalização dizer que não havia urgência, nem caos... Afinal, eles não estavam na cidade para presenciar todos os problemas que foram enfrentados, ao contrário das equipes de Defesa Civil, que estiveram na cidade e viram a real situação de emergência em que o Município se encontrava tendo, inclusive, ratificando essa situação e liberado recursos para reconstrução das áreas afetadas. A contratação por dispensa de licitação da empresa executora da obras foi feita dentro do que é exigido por lei, com coleta de preços e orçamentos balizados e aprovados dentro dos parâmetros exigidos pela SEDEC na época. c) Análise do Controle Interno: Na inspeção física das ruas contempladas verificou-se que, ainda que se tratasse de locais com necessidade de melhorias, a Prefeitura poderia ter realizado um processo licitatório que contemplasse ampla divulgação e apreciação de propostas que fossem mais vantajosas ao município, tendo em vista tratar-se de ruas nas quais já existia o calçamento do tipo poliédrico, sem caracterizar urgência de atendimento de situação que pudesse ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, como foi relatado anteriormente. A justificativa do ex-gestor traduz um cenário de caos, o que não foi possível verificar por meio de documentos. A constatação levantada pela equipe da CGU se refere ao meio utilizado para a contratação, no caso a dispensa de licitação. Não foi apontado que as obras eram desnecessárias e sim que a Prefeitura deveria ter realizado um processo licitatório que contemplasse ampla divulgação com apreciação de propostas que fossem mais vantajosas ao município. Ressalta-se que o relato da equipe da CGU menciona não haver na documentação apresentada a razão da escolha do fornecedor e a comprovação de realização de pesquisa de preço com a devida coleta de orçamentos. A despeito do ex-gestor informar que houve coleta de preços, não foi apresentada documentação comprobatória do procedimento. Recomendação : 1 Recomenda-se ao Ministério da Integração Nacional que avalie se os danos eventualmente detectados neste relatório foram decorrentes da contratação emergencial indevida.

13 1 de 39 07/03/ :29 Recomendação : 2 Recomenda-se ao Ministério da Integração Nacional que, nas futuras análises de prestações de contas, avalie a legalidade do processo de contratação emergencial. d) Conclusão sobre a situação verificada: A contratação sem a caracterização da situação de emergência, tal como preconiza o inciso IV do art. 24 da Lei 8.666/93, a falta de justificativa da escolha do fornecedor e a falta de comprovação de realização de pesquisa de preço, tornam irregular a contratação da empresaurb Topo Engenharia e Construções Ltda (CNPJ nº / ) mediante dispensa da licitação. 3. OUTRAS AÇÕES A seguir apresentamos constatações identificadas por ocasião dos trabalhos realizados, agrupadas por Programa/Ação, e vinculadas aos respectivos órgãos superiores, relativas a situações não mencionadas na demanda original: 3.1 MINISTERIO DA INTEGRACAO NACIONAL Programa: Resposta aos Desastres e Reconstrução Objeto Examinado: Defesa Civil - Ação Restabelecimento da normalidade no cenário de desastres Agente Executor Local: Montante de Recursos Financeiros Aplicados: R$ ,00 Ordem de Serviço: Forma de Transferência: / MURIAE PREFEITURA GABINETE PREFEITO Convênio CONSTATAÇÃO Incompatibilidade do repasse de recursos com os objetivos do Programa Resposta aos Desastres e Reconstrução. a) Fato: No que se refere ao repasse dos recursos referentes ao Programa Resposta aos Desastres e Reconstrução, verificou-se que as obras objeto do Termo de Compromisso nº 077/2009, que previa calçamento, asfaltamento, reconstrução de rede de drenagem e construção de muro de contenção, não se alinham com o objetivo preconizado na Lei nº /2008, de 14/08/2008 (LDO), qual seja: promover o socorro e a assistência às pessoas afetadas por desastres, o restabelecimento das atividades essenciais e a recuperação dos danos causados, especialmente nos casos de situação de emergência e estado de calamidade pública reconhecidos pelo Governo Federal. Em que pese a situação de emergência ter sido aferida pelo Ministério da Integração, constatou-se

14 2 de 39 07/03/ :29 que o objeto contratado não teve relevância suficiente para justificar a interferência financeira da União com recursos emergenciais, demonstrando incompatibilidade com as ações do programa As obras de calçamento, asfaltamento, reconstrução de rede de drenagem e construção de muro de contenção, que, apesar de trazerem benefícios no sentido de prevenção a danos por eventos naturais, não eram urgentes e necessárias para permitir o acesso ao ambiente social. Para tanto, somente seriam relevantes se o dano fosse de tal sorte que expusesse a risco a incolumidade das pessoas e prejuízos relevantes à economia local. Depreende-se que as ações adotadas pelo município alinham-se com as ações a serem atendidas pelo programa 1027, cujo objetivo é prevenir danos e prejuízos provocados por desastres naturais e antropogênicos. Destaca-se que as funcionais programáticas possuem objetivos específicos, que limitam as ações que podem ser custeadas com seus recursos. Por exemplo, a necessidade de implantação de uma rede de drenagem em determinado bairro não poderá ser custeada com recursos geridos pela Sedec sem que haja uma clara demonstração do vínculo desta ação com a prevenção de desastres naturais. Ainda, a recuperação de uma pavimentação danificada ao longo dos anos pela ausência de manutenção adequada também não se enquadra como ação de reconstrução. Para tanto, a forma de repasse de recursos deveria ser o Convênio, transferência voluntária. b) Manifestação da Unidade Examinada: Por meio do Ofício nº 117/2013, de 02/08/2013, a Prefeitura Municipal de Muriaé encaminhou o documento s/nº, de 02/08/2013, expedido pelo ex-prefeito municipal, o qual apresenta a seguinte manifestação: "Chega a ser absurda a afirmativa que as obras previstas no termo de compromisso 077/2009 não se alinham com o objetivo preconizado na lei /2008, de 14/08/2008 (LDO) se as mesmas foram aprovadas no plano de trabalho apresentado e aprovado pela SEDEC. As obras eram mais do que urgentes e necessárias, vez que os danos causados pelas chuvas trouxeram inúmeros prejuízos não só sociais, mas também econômicos, e trouxeram de volta a normalidade da cidade nos locais onde as mesmas foram executadas, conforme pode-se verificar nos AVADAN s (DOC. 02)." c) Análise do Controle Interno: A justificativa questiona o apontamento, destacando trecho isolado do que foi relatado, sem apresentar novos elementos que permitissem esclarecer a falha no enquadramento, pelo Ministério da Integração Nacional, do repasse de recursos no Programa Além do mais, a afirmativa de que as chuvas causaram danos prejuízos sociais e econômicos e que as obras trouxeram de volta a normalidade não condiz com a realidade apontada pela equipe da CGU/MG em sua inspeção in loco, visto que os serviços executados por força do contrato celebrado com a URB Topo (calçamento, asfaltamento, reconstrução de rede de drenagem e construção de muros de contenção de concreto armado), especificamente neste caso, não condizem, na maior parte das situações, com obras de reconstrução, conforme detalhado a seguir: a) Serviços de Calçamentos (poliédricos, bloquetes) e de asfaltamento (CBUQ): na sua maioria foram executados em locais os quais não se mostraram passíveis de riscos, embora constassem do AVADAN; na inspeção física, não foram detectadas evidências de que os serviços referiam-se a obras reconstrução propriamente ditos, indicando a realização de serviços de melhorias das vias, visto que, onde antes não havia calçamento, foi executado poliédricos e/ou sextavados, e, nos

15 3 de 39 07/03/ :29 logradouros onde anteriormente existiam poliédricos e/ou sextavados, foram executados asfaltamentos em CBUQ. b) Rede de drenagem pluvial nos bairros Cardoso de Melo e Dornelas: pela localização das ruas e pela existência de uma rede de esgoto mais antiga nos locais visitados, não foram detectadas evidências de obras de reconstrução de rede de drenagem e sim a execução de serviços de construção de uma rede complementar à anterior, de forma a absorver as enxurradas, comuns nesses locais. Adicionalmente, uma simples verificação na planilha de custos contratada, constata-se a ausência de item referente a remoção de material escavado, item essencial quando se trata de reconstruções. c) Muro na área atingida no Bairro do Porto: não houve desabamento de muro anterior. Essa construção foi necessária para se evitar novos desabamentos de prédio contíguo ao mesmo, ou seja, natureza de prevenção. d) Muros de arrimo da Av. JK: apenas um dos muros foi reconstruído. Com relação ao outro, não há indícios de destruição de muro anterior. Esse último refere-se a obra de proteção contra erosão costeira, que é de natureza preventiva. Diante disso, as obras, objeto deste termo de compromisso, não guardam consonância com ações de reconstrução, à exceção de um dos muros da Av. JK. As obras executadas por força do TC nº 77/2009, na sua essência, são obras de melhorias ou de natureza preventiva, pois, nos locais onde as intervenções ocorreram, não havia indícios de cenários de desastres anteriores, exceto, em um dos muros da Av. JK. Tal fato vem a corroborar o achado da equipe, de que este repasse de recursos não coaduna com os objetivos do Programa Resposta aos Desastres e Reconstrução, razão pela qual a equipe opina pela manutenção deste ponto. Recomendação : 1 Recomenda-se ao Ministério da Integração Nacional apurar responsabilidade pela análise do processo de liberação dos recursos em desacordo com o programa CONSTATAÇÃO Calçamento de ruas em localidade sem comprovação da ocorrência de danos e da situação emergencial. a) Fato: Em 28/08/2009, foi celebrado o Contrato nº 022/2009, entre a prefeitura Municipal de Muriaé/MG e a empresa Urb- Topo Engenharia e Construções Ltda. ( / ), no valor de R$ ,00, contrato este celebrado por força da Dispensa de Licitação nº 022/2009. O objeto desta contratação foi a execução de obras de dragagem, calçamento, asfaltamento, reconstrução de rede de drenagem pluvial, construção de muros de concreto armado e retirada de barreiras em áreas de desastres no Município de Muriaé/MG. Na planilha a seguir, são apresentados os itens referentes aos serviços de calçamento poliédrico e em bloquetes sextavados, planilha essa elaborada pela empresa contratada: Planilha I Itens referentes a serviços de calçamento

16 4 de 39 07/03/ :29 ( extraídos da planilha contratada) 3 RECUPERAÇÃO E RECONSTRUÇÃO DE PAVIMENTOS EM ÁREAS DEUnid. DESASTRE EM VÁRIAS RUAS CALÇAMENTO Quant. Preço Unitário Preço Total 3.1 CALÇAMENTO REGULARIZAÇÃO E COMPACTAÇÃO DO SUBLEITOm ,95 1, ,93 (VIAS) CALÇAMENTO EM POLIEDROS m ,95 16, ,96 SOBRE COLCHÃO DE AREIA MEIO FIO DE CONCRETO PRÉ MOLDADO COM REJUNTE, ml ARGAMASSA, CIMENTO E 9.248,30 30, ,91 AREIA TRAÇO 1: TRANSPORTE DE AREIA ( COBERTURA SOBRE CALÇAMENTO), EXCLUINDO m3xkm FORNECIMENTO DE ARREIA, 6.622,99 1, ,81 DENTRO DO PERÍMETRO URBANO DMT>5KM COLCHÃO DE AREIA C/ m ,95 4, ,64 ESPESSURA DE 5 CM SUBTOTAL , CALÇAMENTO BLOQUETES REGULARIZAÇÃO E COMPACTAÇÃO DO SUBLEITOm ,50 1, ,75 (VIAS) EXECUÇÃO DE CALÇAMENTO EM BLOQUETS ESPE= 8,0 CM, m ,50 FCK= 35 MPA, INCLUINDO 39, ,38

17 15 de 39 07/03/ :29 FORNECIMENTO DE TODOS OS MATERIAS MEIO FIO DE CONCRETO PRÉ MOLDADO COM REJUNTE, m ,00 ARGAMASSA, CIMENTO E AREIA TRAÇO 1:4 30, ,24 TOTAL ,37 TOTAL ITEM ,61 Nas planilhas a seguir, encontram-se os logradouros contemplados com calçamento: Planilha II Calçamento em Bloquetes Sextavados Bairro Logradouro Área Prevista (m2) Meio Fio Previsto(ml) Belisário Travessa Sr Dias 619,00 189,00 Belisário Rua Carlos Muniz da 368,00 180,00 Silva Belisário R São Vicente 3.181,50 822,00 Totais 4.168, ,00 Planilha III Calçamento Poliédrico Bairro Logradouro Área Prevista (m2) Meio Fio Previsto (ml)

18 6 de 39 07/03/ :29 São Fernando Acesso S. Fernando , ,30 Distrito Industrial Acesso Dist. Indust , ,00 Vale Verde R. São Bernardo 1.386,00 414,00 Totais , ,30 Entretanto, ao se verificar o Relatório de Avaliação de Danos AVADAN, que serviu de base para esta contratação por Dispensa de Licitação, constatou-se que a localidade de Belisário não se encontrava consignada neste documento, porém, esta mesma localidade foi objeto de intervenções com recursos deste termo de compromisso. Tal prática contraria os preceitos basilares do programa, os quais preveem a execução de obras tipicamente para ações de prevenção a desastres. A inspeção física ao local demonstrou que esta localidade, por possuir cota topográfica bem acima do nível dos rios que cortam o Município, encontra-se, em tese, fora das chamadas áreas em situação de risco de enchentes. Ademais, não foram detectadas encostas onde tenham ocorrido desmoronamentos. Conforme já mencionado em item específico deste relatório, vale salientar que, ainda que se tratasse de locais com necessidade de melhorias, a Prefeitura poderia ter realizado um processo licitatório que contemplasse ampla divulgação e apreciação de propostas que fossem mais vantajosas ao município, tendo em vista tratar-se de local onde não se caracterizou urgência de atendimento de situação que pudesse ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas. Os valores medidos e pagos referentes ao item 3.2 da Planilha I acima totalizaram R$ ,37. As fotos a seguir, ilustram a situação apontada pela equipe da CGU-R/MG: Foto 01-. Rua São Vicente, localidade Belisário, local Foto 02-. Outra visita da mesma Rua São Vicente, sem riscos de enchentes e deslizamentos. localidade Belisário, a mais extensa da localidade.

19 17 de 39 07/03/ :29 Foto 03-. Rua Carlos Muniz da Silva, localidade Foto 04-. O mesmo se aplica à última rua inspecionada Belisário, também com as mesmas características da Rua em Belisário, Travessa Sr. Dias São Vicente. b) Manifestação da Unidade Examinada: Por meio do Ofício nº 127/2013, de 02/08/2013, a Prefeitura Municipal de Muriaé encaminhou o documento s/nº, de 02/08/2013, expedido pelo ex-prefeito municipal, o qual apresenta a seguinte manifestação: "A fiscalização da CGU alega ter sido feito calçamento de ruas em localidade não afetada por chuvas e não contemplada no AVADAN. Vejamos que isso não condiz com a realidade. As ruas do distrito de Belisário foram severamente afetadas por enxurradas, provocadas pelas chuvas, que atingiram as redes de esgoto/drenagem que não eram dimensionadas para tal volume pluviométrico, levando ao rompimento das mesmas em diversos pontos e muitas vezes de forma contínua nas ruas, que obrigou a reconstrução do pavimento. Desta forma houve um colapso deste sistema de esgotamento/drenagem, fazendo-se necessária a reconstrução do pavimento, para retomada da normalidade na vida no distrito. Além disso, o distrito de Belisário consta do AVADN complementar, assim como o distrito industrial e o bairro Vale verde (DOC.02). Os AVADAN's possuem versões que vão sendo atualizadas conformer são feitos levantamentos mais precisos sobre a abrangência e impacto do desastre. Certamente, o fiscal levou em consideração uma versão defasada do AVADAN da época. (DOC. 02)." c) Análise do Controle Interno: Preliminarmente, cabe aqui informar que o AVADAN disponibilizado à equipe é o informado no texto, lavrado no dia da ocorrência, ou seja, em 17/12/2008. No anexo intitulado DOC.2, constam outros dois, um assinado em 29/12/2008, o qual também não contempla os supracitados bairros e, por fim, um terceiro AVADAN, desta feita assinado em 31/12/2008, contendo a referida localidade. Tal documento foi apresentado como sendo complementar pelo ex-gestor, porém o mesmo se afigurou como substitutivo aos demais, pois contempla alguns bairros em comum. Sobre a afirmativa de que a fiscalização da CGU-R/MG tenha considerado a versão defasada do AVADAN da época, cabe salientar que durante os trabalhos de campo as duas últimas versões do AVADAN não foram disponibilizadas à equipe. A despeito de a localidade de Belisário constar no Avadan assinado em 31/12/2008 e o ex-gestor informar que as ruas da referida localidade foram severamente afetadas devido ao rompimento das redes de esgoto e de drenagem, não foram apresentados registros fotográficos e/ou documentos

20 8 de 39 07/03/ :29 comprobatórios (tais como processo de contratação e despesas para a reconstrução de redes de drenagem e esgoto nas ruas objeto das intervenções) da ocorrência dos danos provocados por desastre. Cabe ressaltar que o Avadan descreve de forma genérica os danos decorrentes de rompimento de redes de esgoto/drenagem em diversas localidades, inclusive o distrito de Belisário, conforme a seguir: (...) Regiões como a de Belisário, Pirapanema, São Francisco, Vila Conceição, Vale Verde, Marambaia, Dornelas, Itamuri, Santa Terezinha, Inconfidência I e II, João XXIII, Aeroporto, São Joaquim, Santana, Cardoso de Melo, Dornelas, Joanópolis e Santo Antônio tiveram os seus pavimentos parcialmente ou totalmente destruídos em alguns pontos devido a fortes enxurradas e rompimento dos sistemas de água/esgoto e drenagem. Dessa forma, não ficou evidenciado que os logradouros da localidade de Belisário, objeto das intervenções do Termo de Compromisso nº 077/2009, foram afetados por desastre que demandassem a reconstrução completa das vias. Ressalta-se que, tendo em vista que na localidade em questão não se verificou situações de desmoronamento de encostas nem riscos eminentes ao deslocamento e à segurança das pessoas, as obras realizadas não evidenciaram a existência de situação emergencial no local das intervenções. Nesse sentido, a Prefeitura Municipal de Muriaé, no ato da tomada de decisões, poderia ter feito alguns reparos no pavimento antigo, nos pontos mais críticos e, posteriormente, deflagrado um processo licitatório para a reconstrução de todo o pavimento, dessa forma, contemplaria uma ampla divulgação e apreciação de propostas que fossem mais vantajosas ao município, sem prejuízos à segurança de pessoas. Diante disso, apesar da inclusão do supracitado distrito em AVADAN complementar, a equipe mantém o posicionamento no que se refere à realização de obras em locais sem caracterização de situação de risco e de emergência. Com relação ao fato de a localidade de Belisário constar na última versão do AVAVAN, a equipe acata a manifestação do ex-gestor. Recomendação : 2 Recomenda-se ao Ministério da Integração Nacional diligenciar o município de Muriaé a apresentar comprovação dos danos que ensejaram a realização das obras de calçamento no distrito de Belisário CONSTATAÇÃO Ocorrência de superfaturamento por pagamentos de serviços executados a menor em serviços de calçamento poliédrico no âmbito do Termo de Compromisso nº 077/2009. a) Fato: Em 28/08/2009, foi celebrado o Contrato nº 022/2009, entre a prefeitura Municipal de Muriaé/MG e a empresa Urb- Topo Engenharia e Construções Ltda. ( / ), no valor de R$ ,00, contrato este celebrado por força da Dispensa de Licitação nº 022/2009. O objeto desta contratação foi a execução de obras de dragagem, calçamento, asfaltamento, reconstrução de rede de drenagem pluvial, construção de muros de concreto armado e retirada de barreiras em áreas de desastres no Município de Muriaé/MG. Com relação ao calçamento de ruas, além do calçamento em bloquetes sextavados na localidade de Belisário, o contrato emergencial previa a execução de calçamento poliédrico nos seguintes bairros (com seus logradouros correspondentes): Planilha I

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000175/2012-24 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00210.001935/2012-80 Unidade Examinada: Município de Teófilo Otoni/MG

Número: 00210.001935/2012-80 Unidade Examinada: Município de Teófilo Otoni/MG Número: 00210.001935/2012-80 Unidade Examinada: Município de Teófilo Otoni/MG Relatório de Demandas Externas n 00210.001935/2012-80 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de

Leia mais

Número: 00225.000218/2013-52 Unidade Examinada: Município de Turmalina/SP.

Número: 00225.000218/2013-52 Unidade Examinada: Município de Turmalina/SP. Número: 00225.000218/2013-52 Unidade Examinada: Município de Turmalina/SP. Relatório de Demandas Externas n 00225.000218/2013-52 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA.

Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA. Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA. Relatório de Demandas Externas n 00205.000107/2010-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de

Leia mais

Número: 00225.000749/2012-64 Unidade Examinada: Município de Juquitiba/SP

Número: 00225.000749/2012-64 Unidade Examinada: Município de Juquitiba/SP Número: 00225.000749/2012-64 Unidade Examinada: Município de Juquitiba/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000749/2012-64 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000795/2012-63 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00190.023433/2010-23 Unidade examinada: Alto Paraíso de Goiás/GO

Número: 00190.023433/2010-23 Unidade examinada: Alto Paraíso de Goiás/GO Número: 00190.023433/2010-23 Unidade examinada: Alto Paraíso de Goiás/GO Relatório de Demandas Externas n 00190.023433/2010-23 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00215.000838/2011-49 Unidade Examinada: Prefeitura Municipal de São José do Egito-PE

Número: 00215.000838/2011-49 Unidade Examinada: Prefeitura Municipal de São José do Egito-PE Número: 00215.000838/2011-49 Unidade Examinada: Prefeitura Municipal de São José do Egito-PE Relatório de Demandas Externas n 00215.000838/2011-49 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados

Leia mais

Número: 00218.001447/2013-83 Unidade Examinada: Município de Quatis/RJ

Número: 00218.001447/2013-83 Unidade Examinada: Município de Quatis/RJ Número: 00218.001447/2013-83 Unidade Examinada: Município de Quatis/RJ Relatório de Demandas Externas n 00218.001447/2013-83 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00190.016079/2012-42 Unidade examinada: Vazante/MG

Número: 00190.016079/2012-42 Unidade examinada: Vazante/MG Número: 00190.016079/2012-42 Unidade examinada: Vazante/MG Relatório de Demandas Externas n 00190.016079/2012-42 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle desenvolvidas

Leia mais

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Número: 00190.010534/2012-04 Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010534/2012-04 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO A BASE DE LAJOTAS BAIRRO SANTA ANA - FORQUILHINHA SC MEMORIAL DESCRITIVO

PAVIMENTAÇÃO A BASE DE LAJOTAS BAIRRO SANTA ANA - FORQUILHINHA SC MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: LOCAL: PAVIMENTAÇÃO A BASE DE LAJOTAS RUA ELDORADO BAIRRO SANTA ANA - FORQUILHINHA SC MEMORIAL DESCRITIVO 1 OBJETIVO O presente memorial descritivo tem o objetivo de orientar os serviços e especificar

Leia mais

Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA.

Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA. Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA. Relatório de Demandas Externas n 00213.000058/2010-38 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.004342/ 2013-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE COLORADO ESTADO DO PARANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE COLORADO ESTADO DO PARANA DISPENSA Nº: DP 012/2013 ÓRGÃO SOLICITANTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO OBJETO: CONTRATAÇÃO EM CARACTER DE EMERGENCIA DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA SERVIÇOS DE TENTATIVA DE RECUPERAÇÃO DE DADOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO PRELIMINAR DE AUDITORIA 03/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO PRELIMINAR DE AUDITORIA 03/2013 RELATÓRIO PRELIMINAR DE AUDITORIA 03/2013 SUMÁRIO: 1. Apresentação... 01 2. Informações Gerais... 01 3. Resumo... 01 4. Dados das Amostras... 02 5. Resultados dos Trabalhos de Auditoria... 02 6. Conclusão...

Leia mais

Número: 00205.000272/2010-93 Unidade Examinada: Município de Aratuípe/BA

Número: 00205.000272/2010-93 Unidade Examinada: Município de Aratuípe/BA Número: 00205.000272/2010-93 Unidade Examinada: Município de Aratuípe/BA Relatório de Demandas Externas n 00205.000272/2010-93 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Relatório de Demandas Externas n 00220000037-2008-17 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. Inter.: PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. 1. PESQUISA: Os logradouros contemplados com a pavimentação asfáltica deverão ser objeto de análise

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: RN Nome do programa de trabalho: Recuperação e Melhoramento da Infra-estrutura Portuária - Terminal

Leia mais

Número: 00190.019840/2013-89 Unidade Examinada: Município de Boituva/SP.

Número: 00190.019840/2013-89 Unidade Examinada: Município de Boituva/SP. Número: 00190.019840/2013-89 Unidade Examinada: Município de Boituva/SP. Relatório de Demandas Externas n 00190.019840/2013-89 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00224.000951/2011-15 Unidade Examinada: Município de Pinhão/SE

Número: 00224.000951/2011-15 Unidade Examinada: Município de Pinhão/SE Número: 00224.000951/2011-15 Unidade Examinada: Município de Pinhão/SE Relatório de Demandas Externas n 00224.000951/2011-15 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS NO SICONV

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS NO SICONV CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS NO SICONV Gianna Lepre Perim Curitiba - 2013 SICONV VEDAÇÕES PI 507/2011 VEDAÇÕES Art. 10º É vedada a celebração de convênios e contratos de repasse: I - com órgãos e entidades

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA estado do rio grande do sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA COORDENADAS:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PROCESSO N 2009.BRO.TCE.13713/10 OFÍCIO N 2450/2012/SEC

PROCESSO N 2009.BRO.TCE.13713/10 OFÍCIO N 2450/2012/SEC EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ TCM TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS No.PROTOCOLO: 5064/12 PROCESSO:2009.BRO.TCE. 13713 / 10 JUSTIFICATIVA 2009

Leia mais

Número: 00210.002840/2011-01 Unidade Examinada: Município de Sabará/MG

Número: 00210.002840/2011-01 Unidade Examinada: Município de Sabará/MG Número: 00210.002840/2011-01 Unidade Examinada: Município de Sabará/MG Relatório de Demandas Externas n 00210.002840/2011-01 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e

Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e Capacitação CAPACITAR. Relatório de Demandas Externas

Leia mais

Número: 00205.000078/2011-99 Unidade Examinada: Município de Salvador/BA

Número: 00205.000078/2011-99 Unidade Examinada: Município de Salvador/BA Número: 00205.000078/2011-99 Unidade Examinada: Município de Salvador/BA Relatório de Demandas Externas n 00205.000078/2011-99 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AÇÃO DE CONTROLE FISCALIZAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AÇÃO DE CONTROLE FISCALIZAÇÃO https://app.cgu.gov.br/ativa/paginas/funcionalidades/relatoriosos/relato... 20/11/2015 08:36 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 8 12/02/2014 16:28 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Vigência (Vide Portaria Interministerial nº 507, de 2011) Dispõe

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 01356 MUNICIPIO DE PELOTAS - RS E02º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de

Leia mais

Número: 00201.000726/2012-90 Unidade Examinada: IBGE / RR

Número: 00201.000726/2012-90 Unidade Examinada: IBGE / RR Número: 00201.000726/2012-90 Unidade Examinada: IBGE / RR Relatório de Demandas Externas n 00221.000726/2012-90 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle desenvolvidas

Leia mais

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Relatório de Demandas Externas n 00213.000123/2010-25 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00190.001435/2011-42 Unidade Examinada: Município de Pindamonhagaba/SP.

Número: 00190.001435/2011-42 Unidade Examinada: Município de Pindamonhagaba/SP. Número: 00190.001435/2011-42 Unidade Examinada: Município de Pindamonhagaba/SP. Relatório de Demandas Externas n 00190.001435/2011-42 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2003 UF: SP Nome do programa de trabalho: Ampliação da Capacidade da SE Tijuco Preto (SP) - (3º Banco

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica PREFEITURA MUNICIPAL DE GALVÃO ESTADO DE SANTA CATARINA MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica Rua Manoel Lustosa Martins Julho 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Execução de pavimentação asfáltica sobre

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 6638/2005-9

Leia mais

Relatório de Auditoria Exercício de 2013

Relatório de Auditoria Exercício de 2013 Relatório de Auditoria Exercício de 2013 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Controladoria-Geral da União Banco Intern. para Reconstrução e Desenvolvimento BIRD Projeto 7632-BR Belo Horizonte/MG, 2015 PRESIDÊNCIA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AÇÃO DE CONTROLE FISCALIZAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AÇÃO DE CONTROLE FISCALIZAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AÇÃO DE CONTROLE FISCALIZAÇÃO NÚMERO DO RELATÓRIO : 201118445 FUNCIONAL-PROGRAMÁTICA : 20571134461040001

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA EXECUÇÃO DE PROGRAMA DE GOVERNO Nº 46 AÇÕES DA DEFESA CIVIL NO ESTADO DE MINAS

Leia mais

Síntese do Relatório da CGU

Síntese do Relatório da CGU Síntese do Relatório da CGU Trata o presente documento de síntese do Relatório nº 201406949, da Controladoria Geral da União CGU, que dispõe sobre os trabalhos de auditoria, realizados por amostragem nos

Leia mais

SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADOR CLÉSIO ANDRADE Manual para Prefeituras Celebrarem Convênios já Autorizados com a Caixa Econômica Federal SENADOR CLÉSIO ANDRADE Conteúdo INTRODUÇÃO... 3 CICLO DO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO... 4 CONTRAPARTIDA OBRIGATÓRIA...

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 07/ 2012 Página 1 de 5 SUMÁRIO EXECUTIVO

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 07/ 2012 Página 1 de 5 SUMÁRIO EXECUTIVO SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 07/ 2012 Página 1 de 5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA SUMÁRIO EXECUTIVO Documento: Relatório de Auditoria EBC nº

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO 1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC 003.757/2014-5 Fiscalização 88/2014 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Despacho de 27/1/2014 do Min. Valmir Campelo (TC 001.081/2014-4)

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA E ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DE LICITAÇÕES

SECRETARIA DA FAZENDA E ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DE LICITAÇÕES SECRETARIA DA FAZENDA E ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DE LICITAÇÕES Dispensa de Licitação 24/2014 1 JUSTIFICAÇÃO: Consoante se infere da justificativa apresentada pelo Diretor Presidente do SAMAE, necessária se

Leia mais

EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL

EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL ANEXO II EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL (PARA CONVÊNIO OU INSTRUMENTOS CONGÊNERES) RELATÓRIO DE TCE Nº XX/2013 DADOS DO CONVÊNIO PROCESSO ORIGINAL 90000.000050/2009-99 INSTRUMENTO ORIGINAL

Leia mais

MATRIZ DE PLANEJAMENTO CONTRATAÇÃO DIRETA

MATRIZ DE PLANEJAMENTO CONTRATAÇÃO DIRETA MATRIZ DE PLANEJAMENTO CONTRATAÇÃO DIRETA TC nº Fiscalis nº ÓRGÃO/ENTIDADE: Declarar o(s) nome(s) do(s) principais órgão(s)/entidade(s) fiscalizados(s). OBJETIVO: Enunciar de forma clara e resumida o objetivo

Leia mais

Relatório de Demandas Externas

Relatório de Demandas Externas Presidência da República Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno Relatório de Demandas Externas Número: 00217.000986/-96 Unidade Examinada: DELEGACIA DE POLICIA FEDERAL EM FOZ

Leia mais

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010346/2010-14 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROPONENTE: PREFEITURA PALMITINHO

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROPONENTE: PREFEITURA PALMITINHO OBRA: PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROPONENTE: PREFEITURA PALMITINHO MEMORIAL DESCRITIVO 1.0-OBJETO: O presente memorial tem por finalidade descrever as obras e serviços necessários para execução de Pavimentação

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE 1 ASSIST. AMBULAT. E HOSPITALAR ESPECIALIZADA 1.1 ATENÇÃO À SAÚDE DA POP NOS MUNICÍPIOS 1.1.1 ASSUNTO - PROGRAMAÇÃO DOS OBJETIVOS E METAS 1.1.1.1

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 8657/2007-0 Ano Orçamento: 2007 UF: PI Nome do PT: CONSTRUÇÃO DA BARRAGEM RANGEL REDENÇÃO DO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 71000.010766/2007-25

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Araripina PE OBRA: Construção de Pavimentação em Araripina LOTE III LOCAL: Rua Trav.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

Número: 00226.000354/2013-32 Unidade Examinada: Município de Porto Nacional/TO

Número: 00226.000354/2013-32 Unidade Examinada: Município de Porto Nacional/TO Número: 00226.000354/2013-32 Unidade Examinada: Município de Porto Nacional/TO Relatório de Demandas Externas n 00226.000354/2013-32 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados da ação de

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS 1. GERAL - O contrato contém todas as cláusulas essenciais e necessárias, define com precisão

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4096/2004-2 Ano Orçamento: 2003 UF: RJ Nome do PT: Funcionamento de Cursos de Graduação - No

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PROCESSO: 0007733-93.2015.4.02.5110 (2015.51.10.007733-0) AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: MUNICIPIO DE BELFORD ROXO Fls

Leia mais

Assunto: Representação relativa a irregularidades na execução de obras públicas

Assunto: Representação relativa a irregularidades na execução de obras públicas Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 246/95 - Plenário - Ata 23/95 Processo nº TC 400.080-94-0 Responsável: Juvêncio César da Fonseca Entidade: Prefeitura Municipal de Campo Grande - MS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 01365 MUNICIPIO DE NOVA CANAA PAULISTA - SP E02º Sorteio do Projeto de Fiscalização

Leia mais

Plano de Ações Articuladas PAR. Um breve Histórico

Plano de Ações Articuladas PAR. Um breve Histórico Plano de Ações Articuladas PAR Um breve Histórico Plano de Ações Articuladas PAR - PAR 2007-2010 DECRETO Nº 6.094, DE 24 DE ABRIL DE 2007 - Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE TANGUÁ/RJ 1. Trata o

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011 Projeto: FORTALECIMENTO DO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA - PEPB: OBRAS DE RECUPERAÇÃO E AQUISIÇÃO DE MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS Protocolo nº: 20110302174043107 Assunto:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015344/2011-94

Leia mais

Número: 00209.000506/2009-29 Unidade Examinada: Município de Alcântara/MA

Número: 00209.000506/2009-29 Unidade Examinada: Município de Alcântara/MA Número: 00209.000506/2009-29 Unidade Examinada: Município de Alcântara/MA Relatório de Demandas Externas n 00209.000506-2009-29 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00225.000215/2013-19 Unidade examinada: Araçatuba - SP

Número: 00225.000215/2013-19 Unidade examinada: Araçatuba - SP Número: 00225.000215/2013-19 Unidade examinada: Araçatuba - SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000215/2013-19 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle desenvolvidas

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 12/2013 Brasília, 20 de março de 2013. Técnica/Jurídico TÍTULO: Orientações sobre gestão de convênios.

NOTA TÉCNICA Nº 12/2013 Brasília, 20 de março de 2013. Técnica/Jurídico TÍTULO: Orientações sobre gestão de convênios. NOTA TÉCNICA Nº 12/2013 Brasília, 20 de março de 2013. ÁREA: Técnica/Jurídico TÍTULO: Orientações sobre gestão de convênios. REFERÊNCIAS: Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 00209000031/2007-17 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

EXECUÇÃO, ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONVÊNIOS SICONV. Gianna Lepre Perim. Curitiba - 2013

EXECUÇÃO, ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONVÊNIOS SICONV. Gianna Lepre Perim. Curitiba - 2013 EXECUÇÃO, ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONVÊNIOS SICONV Gianna Lepre Perim Curitiba - 2013 EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS Noções Gerais TÍTULO V CAPÍTULO I - PI 507/2011 LIBERAÇÃO E APLICAÇÃO DOS RECURSOS A

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 8 3/10/2012 13:55 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Vigência (Vide Portaria Interministerial nº 507, de 2011) Dispõe sobre

Leia mais

Fortalecimento. CONTRATOS DE REPASSE E SICONV da Gestão Pública: Operacionalização CAIXA Prestação de Contas

Fortalecimento. CONTRATOS DE REPASSE E SICONV da Gestão Pública: Operacionalização CAIXA Prestação de Contas Fortalecimento CONTRATOS DE REPASSE E SICONV da Gestão Pública: Operacionalização CAIXA Prestação de Contas Fases do Convênio Prestação de Contas Parcial Prestação de Contas Final Tomada de Contas Especial

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os "Editais devem especificar, de

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os Editais devem especificar, de 1)TITULO PRÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSO PARA CONTROLE DE CRONOGRAMA E ETAPA/FASE DE OBRAS DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO NACINAL DE SAÚDE (FUNASA) - SUPERINTENDENCIA REGIONAL DE MATO GROSSO 2)DESCRIÇÃO

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES Relatório Voto : REV - G.ICN - 00901/2011 PROCESSO TC/MS : 6107/2008 PROTOCOLO : 908430 ÓRGÃO : PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ALVORADA DO SUL ORDENADOR (A) DE : ARLEI SILVA BARBOSA DESPESAS CARGO DO ORDENADOR

Leia mais

NOTA JURÍDICA ESTADO DE MINAS GERAIS ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO

NOTA JURÍDICA ESTADO DE MINAS GERAIS ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO O Procurador-Chefe da Consultoria Jurídica, Dr. Sérgio Pessoa de Paula Castro proferiu na Nota Jurídica abaixo o seguinte Despacho: Aprovado em: 26/04/12 Procedência: Secretaria de Estado de Governo -

Leia mais

Número: 00218.001006/2012-09 Unidade Examinada: Universidade Federal Fluminense

Número: 00218.001006/2012-09 Unidade Examinada: Universidade Federal Fluminense Número: 00218.001006/2012-09 Unidade Examinada: Universidade Federal Fluminense Relatório de Demandas Externas n 00218.001006/2012-09 Sumário Executivo Este Relatório apresenta o resultado da ação de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

JUSTIFICATIVA PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº003/2015 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº001/2015

JUSTIFICATIVA PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº003/2015 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº001/2015 JUSTIFICATIVA PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº003/2015 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº001/2015 O B J E T O: Contratação de serviços para manutenção de servidor e firewalls Linux para servidores de aplicação, controle

Leia mais

PROGRAMAS DE AUDITORIA ÁREA: GESTÃO DE SUPRIMENTO DE BENS E SERVIÇOS

PROGRAMAS DE AUDITORIA ÁREA: GESTÃO DE SUPRIMENTO DE BENS E SERVIÇOS 1 PROGRAMAS DE AUDITORIA ÁREA: GESTÃO DE SUPRIMENTO DE BENS E SERVIÇOS Rio de Janeiro - RJ Setembro de 2009 2 JOAQUIM VIEIRA FERREIRA LEVY Secretário de Estado de Fazenda RENATO AUGUSTO ZAGALLO VILLELA

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - OBRA: CONSTRUÇÃO DE MURO ARRIMO - LOCAL: TERRENO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL - BARBALHA/CEARÁ. 1.0 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS - Este Relatório

Leia mais

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker Projeto para Pavimentação de Calçamento de Pedra Irregular da Rua Cândida Correa Becker dos Trechos Esquina Modesto Vargas até Manoel Schumacker MONTE CARLO SC Janeiro de 2014 Proprietário: PREFEITURA

Leia mais

DECRETA: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETA: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 10 do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967, nº art.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 532 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO

Leia mais

A Transferência de Recursos do OGU foi Simplificada. Conte com a parceria da CAIXA nos projetos do seu município.

A Transferência de Recursos do OGU foi Simplificada. Conte com a parceria da CAIXA nos projetos do seu município. A Transferência de Recursos do OGU foi Simplificada. Conte com a parceria da CAIXA nos projetos do seu município. As novas regras e o papel da CAIXA na transferência de recursos da União. A CAIXA na Transferência

Leia mais

Número: 201308752 Unidade examinada: Prefeitura Municipal de Presidente Prudente/SP

Número: 201308752 Unidade examinada: Prefeitura Municipal de Presidente Prudente/SP Número: 201308752 Unidade examinada: Prefeitura Municipal de Presidente Prudente/SP 1 de 15 02/01/2014 11:46 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão Mista do Orçamento Drenagem nas bacias dos córregos Canela e Borá São José do Rio Preto/SP

AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão Mista do Orçamento Drenagem nas bacias dos córregos Canela e Borá São José do Rio Preto/SP AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão Mista do Orçamento Drenagem nas bacias dos córregos Canela e Borá São José do Rio Preto/SP Brasília, 28 de novembro de 2012 Ministério das Cidades PAC DRENAGEM NAS BACIAS DOS

Leia mais

CPI das ONGs PLANO DE TRABALHO

CPI das ONGs PLANO DE TRABALHO CPI das ONGs PLANO DE TRABALHO Presidente: Senador Raimundo Colombo (DEM-SC) Vice-Presidente: Senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO) Relator: Senador Inácio Arruda (PC do B CE) Outubro de 2007 1 PLANO DE TRABALHO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 08280.007347/2008-51 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO Obra: pavimentação asfáltica Município: QUINZE DE NOVEMBRO 1 - INTRODUÇÃO Tem este por finalidade orientar e especificar a execução dos serviços e empregos dos materiais que farão parte

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA COMUNICAÇÃO INTERNA

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA COMUNICAÇÃO INTERNA COMUNICAÇÃO INTERNA Da: Secretaria Municipal Infra-Estrutura Para: Departamento de Contabilidade Com o presente, solicito de Vossa Senhoria os bons préstimos no sentido de nos fornecer informações quanto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais