BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AUDITORIA GERAL DO ESTADO BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

2 APLICAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS PROCEDIMENTOS PARA A EXECUÇÃO 01. Aplicar os recursos em estrita obediência ao plano de trabalho aprovado e na forma do cronograma de desembolso pactuado. 02. Aplicar os recursos financeiros, enquanto não utilizados, na instituição financeira da conta específica. 03. Submeter as aquisições com recursos de convênios: quando o convenente integrar a Administração Pública de qualquer esfera de governo, às disposições da Lei nº 8.666/93; quando o convenente for entidade privada, aos procedimentos análogos estabelecidos na Lei nº 8.666/93, quais sejam: comprovação de preços de mercado e observância aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. 04. Comprovar a compatibilidade dos preços praticados no mercado por meio de: tabelas referenciais, notas fiscais emitidas para objetos da mesma natureza, publicações técnicas, publicações na internet, registros em ata de preços, preços apurados em licitações, anúncios veiculados na mídia, dentre outros. 05. Exigir a emissão dos documentos fiscais, rigorosamente, dentro do prazo de vigência do convênio. 06. Exigir a emissão de documentos fiscais em nome da convenente, com a discriminação detalhada do objeto contratado, o número do convênio e a indicação do concedente. 07. Atestar a prestação dos serviços/aquisições e, declarar a entrega na forma e qualidade contratadas, no verso dos documentos fiscais. 08. Efetuar os pagamentos das aquisições de bens e de serviços tãosomente após a efetiva entrega do objeto contratado. 09. Efetuar os pagamentos devidos a pessoa física por meio de RPA, sempre que possível, exigindo a comprovação do recolhimento dos encargos devidos.

3 10. Condicionar os pagamentos devidos a pessoa jurídica à entrega de notas fiscais de fornecimento ou de serviço. 11. Efetuar os pagamentos por meio de ordem bancária ou cheque nominal, cujas cópias deverão compor a prestação de contas. 12. Solicitar o aditamento do convênio, quando houver necessidade de mudança de valor, do prazo de vigência ou para utilização dos recursos remanescentes do saldo do convênio ou de rendimento de aplicação financeira, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias. 13. Registrar a realização de cada etapa do objeto conveniado por meio de relatório fotográfico ou vídeo. EXECUÇÃO DO CONVÊNIO GESTÃO E FISCALIZAÇÃO PROCEDIMENTOS PARA A EXECUÇÃO E FISCALIZAÇÃO

4 01. Designar, formalmente, servidor responsável pelo acompanhamento e fiscalização da execução dos Convênios. 02. Conferir efetividade à fiscalização da execução dos convênios, mediante visita ao local da execução do objeto para comprovar o cumprimento das metas propostas no cronograma de execução do plano de trabalho. 03. Acompanhar a execução do objeto e o prazo de vigência do convênio com o objetivo de detectar a necessidade de alterações. 04. Providenciar o aditamento do convênio quando houver necessidade de mudança de valor, do prazo de vigência ou para utilização dos recursos remanescentes do saldo do convênio ou de rendimento de aplicação financeira. 05. Acompanhar o prazo para apresentação da prestação de contas, parcial ou final, e em caso de descumprimento oficiar ao convenente fixando prazo para o cumprimento dessa obrigação. 06. O Ordenador de Despesas suspenderá imediatamente a liberação de recursos financeiros caso o convenente deixe de apresentar, tempestivamente, a prestação de contas parcial ou verifique irregularidade na prestação de contas ou na execução do convênio. 07. Em caso de não atendimento do disposto no item 05 o ordenador de despesas deverá, de ofício, determinar a instauração de Tomada de Contas, nos termos do artigo 51 da Lei Complementar estadual nº 32, de 14 de janeiro de PRESTAÇÃO DE CONTAS DE CONVÊNIOS RESPONSABILIDADE DO CONVENENTE 01. O convenente deve apresentar a prestação de contas, instruída com os documentos relacionados no art. 31 da Portaria AGE/SEFAZ 01/2006, rigorosamente, até a data limite fixada.

5 02. Depositar os saldos remanescentes em conta indicada pelo concedente, inclusive as receitas de aplicações financeiras, quando do encerramento do convênio. 03. Anexar laudo técnico comprovando a instalação e pleno funcionamento dos equipamentos que exigem instalação prévia para a sua utilização. 04. Anexar todos os documentos relacionados na execução do convênio. RELATÓRIO PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS O Relatório de Cumprimento do Objeto descreve as ações programadas e executadas e os benefícios alcançados, ressaltando os dados qualitativos e quantitativos. As ações executadas devem estar de acordo com as programadas. Os benefícios alcançados devem guardar coerência com os objetivos do convênio. O relatório deverá ser minucioso e conter informações sobre: execução do objeto; alcance dos objetivos;

6 meta alcançada, população beneficiada e descrição do alcance social por meio de indicadores comparativos entre as situações anterior, durante e posterior à implantação do projeto; avaliação da qualidade dos serviços prestados; localização do projeto e montante de recursos aplicados; avaliação confrontando o projeto aprovado com o objeto executado; detalhamento das atividades que estão sendo realizadas no atendimento ao público-alvo. O Relatório de Execução Físico-Financeira relaciona cada meta, etapa e fase do convênio, fazendo um comparativo entre a quantidade programada e a executada, inclusive, indicando as receitas, as despesas e os rendimentos das aplicações financeiras, bem como o saldo da conta do convênio, se houver. Na Execução Física: as metas, etapas/fases, unidades de medida, quantidades e períodos de execução descritos devem estar de acordo com o previsto no Cronograma de Execução do Plano de Trabalho aprovado. Na Execução Financeira: as receitas devem estar de acordo com as ordens bancárias liberadas pelo CONCEDENTE, com a contrapartida utilizada e com as aplicações financeiras, demonstradas nos extratos bancários; as despesas devem estar de acordo com a Relação de Pagamentos Efetuados; as naturezas das despesas descritas devem estar de acordo com as do Plano de Trabalho e Plano de Aplicação aprovado; as Despesas de Capital são aquelas despesas que contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem, ou seja, investimento na compra de material/equipamento ou construção de uma obra que alteram o patrimônio;

7 as Despesas Correntes são todas as despesas que não contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem, ou seja, incluem gastos destinados à atividade de manutenção e/ou funcionamento da entidade; e o saldo descrito deve ser igual ao resultado da receita menos a despesa e ser demonstrado na conciliação bancária. A Relação de Pagamentos Efetuados enumera os pagamentos, em seqüência cronológica, relacionados às despesas realizadas na execução do convênio, pagas com os recursos da concedente, da contrapartida e dos resultados da aplicação financeira. Os recursos utilizados para os pagamentos devem ser identificados conforme a sua origem: concedente; contrapartida; e rendimentos de aplicação financeira. As fontes de receitas e a natureza das despesas dos pagamentos efetuados devem ter correlação com as descritas no Relatório de Execução Físico-Financeira. As licitações devem estar de acordo com as homologações/adjudicações ou dispensas apresentadas, devendo também ser considerados os nomes dos favorecidos, CNPJ/CPF e os valores pagos. A Relação de Bens Adquiridos, Produzidos ou Construídos registra os equipamentos e material permanente, ou seja, os bens móveis adquiridos ou produzidos e os bens imóveis construídos, conforme pactuado no convênio. O tipo, o número e a data dos documentos devem ser correspondentes com os da Relação de Pagamentos Efetuados. Os bens especificados devem ter correlação com os mencionados no Plano de Trabalho aprovado.

8 O Extrato da Conta Bancária específica do convênio espelha a movimentação dos recursos financeiros vinculados ao convênio. A movimentação financeira deve ser demonstrada a partir do crédito da ordem bancária até o último pagamento da última despesa do período considerado para a prestação de contas. Os recursos financeiros provenientes da concedente serão depositados na conta específica do convênio. O extrato deve espelhar todos os pagamentos constantes da Relação Pagamentos Efetuados. A conta específica do convênio destina-se também ao depósito da contrapartida. Os comprovantes de depósito/pagamento ao fornecedor/prestador de serviço, emitidos pelo banco conveniado para movimentação da conta específica, devem acompanhar o extrato da conta bancária, a fim de permitir identificar a conta corrente do beneficiário do pagamento. O Demonstrativo dos Rendimentos da Aplicação Financeira é o extrato bancário dos investimentos realizados no fundo de aplicação financeira de curto prazo ou operação de mercado aberto lastreada em título da dívida pública federal (curto prazo) e na caderneta de poupança de instituição financeira oficial (prazo igual ou superior a um mês). As aplicações financeiras devem ser demonstradas a partir do crédito da ordem bancária até o final do período considerado para a prestação de contas. Os valores do Demonstrativo dos Rendimentos da Aplicação Financeira devem corresponder com a Aplicação Financeira lançada no Relatório de Execução Físico-Financeira. O Comprovante de Recolhimento do Saldo demonstra a devolução ao concedente das receitas não aplicadas pelo convenente, incluídos os rendimentos da aplicação financeira, após deduzidas as despesas realizadas na execução do convênio.

9 DA ANÁLISE DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE CONVÊNIOS PROCEDIMENTOS PARA ANÁLISE DA PRESTAÇÃO DE CONTAS 01. Analisar a documentação decorrente das aquisições, quanto ao cumprimento dos procedimentos indicados para a execução do convênio. 02. Analisar os registros comprobatórios de realização física do objeto do convênio, produzidos pelo convenente e pelo concedente. 03. Emitir relatório financeiro e técnico (de cumprimento da execução do convênio), conclusivos quanto a correta aplicação dos recursos, o qual deve opinar pela regularidade da prestação de contas, pela adoção de medidas saneadoras, glosa e devolução de recursos ou instauração de Tomada de Contas. 04. O ordenador de despesas deve se manifestar nos autos, com base no relatório técnico e financeiro, aprovando a prestação de contas ou determinando a adoção de quaisquer das medidas indicadas no item 03.

10 SITUAÇÕES QUE ENSEJAM GLOSA E DEVOLUÇÃO DE RECURSOS ENSEJA GLOSA 01. Utilizar os recursos em objeto diverso do pactuado no convênio e no plano de trabalho. 02. Deixar de aplicar os recursos na instituição financeira, enquanto não utilizados, ou aplicar em desacordo com o estabelecido na Portaria. 03. Realizar despesas em data anterior ou posterior à vigência do convênio. 04. Efetuar pagamento de despesas com taxas bancárias, multa, juros ou correção monetária, inclusive referente a pagamento ou recolhimento fora do prazo. 05. Realizar despesas a título de taxa de administração, de gerência ou similar. 06. Apresentar documento fiscal não apropriado à comprovação da despesa. 07. Realizar saques em espécie dos recursos do convênio. 08. Realizar aquisições em desacordo com a Lei 8.666/93, quando o convenente integra a administração pública de qualquer esfera. 09. Deixar de adotar procedimentos análogos aos estabelecidos na Lei 8.666/93, quando o convenente for entidade privada. 10. Deixar de aplicar a contrapartida pactuada.

11 11. Deixar de apresentar o despacho adjudicatório e a homologação da licitação realizada ou justificativa para sua dispensa ou inexigibilidade, com o respectivo embasamento legal, quando o convenente pertencer a Administração Pública. 12. Deixar de apresentar a prestação de contas, parcial e final, nos prazos estabelecidos. TOMADA DE CONTAS PROCEDIMENTOS PARA TOMADA DE CONTAS 01. Instaurar tomada de contas, por determinação do ordenador de despesa, nos casos de: ausência de prestação de contas, não comprovação da aplicação de recursos, ocorrência de desvio de recursos ou práticas de ato ilegal, ilegítimo ou antieconômico. 02. Apurar os fatos, identificar os responsáveis e avaliar os danos causados ao erário, na tomada de contas. 03. Encaminhar ao Tribunal de Contas Estadual, ao final, o processo de tomada de contas.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016.

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. 1 Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. Formulários obrigatórios para Prestação de Contas PRESTAÇÃO DE CONTAS - PROJETOS INCENTIVADOS PELA DME E/OU SUAS SUBSIDIÁRIAS.

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TEXTO 2 PRESTAÇÃO DE CONTAS E SUAS ESPECIFICIDADES INTRODUÇÃO Tomando como base a definição do Tesouro Nacional que designa a Prestação Contas como: Demonstrativo organizado pelo próprio

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

1 Solicitante do Auxílio Orientador-Pesquisador 2- N.º do Projeto. 3 - Tipo de Despesa. Relação do Material de Consumo.

1 Solicitante do Auxílio Orientador-Pesquisador 2- N.º do Projeto. 3 - Tipo de Despesa. Relação do Material de Consumo. ANEXO D PRESTAÇÃO DE CONTAS ENCAMINHAMENTO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS IDENTIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO Solicitante do Auxílio Orientador-Pesquisador CPF Endereço completo Telefone CEP Cidade UF E-MAIL FAX Tema

Leia mais

ENCAMINHAMENTO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS IDENTIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA

ENCAMINHAMENTO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS IDENTIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA ANEXO VI PRESTAÇÃO DE CONTAS Proponente Endereço completo ENCAMINHAMENTO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS IDENTIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO CPF Telefone CEP Cidade UF E-mail Fax Tema do Projeto Período de utilização

Leia mais

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE Salvador, 21 e 22 de julho de 2010 CONVÊNIOS EQUIPE: Alessandro Chaves de Jesus Ana Lucia Alcântara Tanajura Cristiane Neves de Oliveira

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

Orientações básicas para a Prestaçã o de Contas de Convênios

Orientações básicas para a Prestaçã o de Contas de Convênios A elaboração da prestação de contas é sempre responsabilidade do gestor que está em exercício na data definida para sua apresentação, quer ele tenha assinado ou não o termo de convênio. Para a prestação

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS - PARCIAL OU FINAL

PRESTAÇÃO DE CONTAS - PARCIAL OU FINAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico Tel. : (061)214-8806 ou 225-3353

Leia mais

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. TERMOS DE COOPERAÇÃO. DO CONTROLE DA NECESSIDADE AO NECESSÁRIO CONTROLE. COFEN-COREN Lei nº. 5.905, de 12/07/1973. Art. 1º. São criados o Conselho

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRO

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRO INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO FÍSICO: refere-se ao indicador físico de qualificação e quantificação do produto de cada meta e etapa a executar e executada. 1. EXECUTOR:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Pró-Reitoria de Planejamento Coordenadoria de Projetos e Convênios

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Pró-Reitoria de Planejamento Coordenadoria de Projetos e Convênios MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Pró-Reitoria de Planejamento Coordenadoria de Projetos e Convênios CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE CONVÊNIOS Elaboração: José Joaquim

Leia mais

RELATÓRIO DA EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA

RELATÓRIO DA EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA PREENCHIMENTO DO ANEXO III RELATÓRIO DA EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA FÍSICO: refere-se ao indicador físico da qualificação e quantificação do produto de cada meta e etapa executada e a executar. Não fazer

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

CONVÊNIOS EXECUÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

CONVÊNIOS EXECUÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIOS EXECUÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS CONTA BANCÁRIA ESPECÍFICA O convenente deverá manter os recursos repassados na conta específica, somente sendo permitidos saques para pagamento das despesas relativas

Leia mais

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 1 FAPERGS Edital 16/2013 Orientações Básicas Execução Financeira dos Recursos de Subvenção Econômica FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 2 1. Regras Básicas Vedado alteração do objeto do Termo de Subvenção

Leia mais

Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal SIGEF. MÓDULO TRANSFERÊNCIAS (Convênio e Contrato de Apoio Financeiro)

Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal SIGEF. MÓDULO TRANSFERÊNCIAS (Convênio e Contrato de Apoio Financeiro) Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal SIGEF MÓDULO TRANSFERÊNCIAS (Convênio e Contrato de Apoio Financeiro) Diretoria de Auditoria Geral DIAG Gerência de Auditoria de Recursos Antecipados -

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Orientações para o Controle de Convênios Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Maio/2010 Devolução de recursos de

Leia mais

Como Executar e Prestar Contas de Convênios

Como Executar e Prestar Contas de Convênios Presidência da República Secretaria Especial de Políticas Para as Mulheres Subsecretaria de Planejamento Setor de Prestação de Contas Como Executar e Prestar Contas de Convênios Legislação Básica Constituição

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL GT - 8 O QUE É De acordo com o art. 3º da Instrução

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social

Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social O que é o FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social? O FNAS, instituído pela Lei nº. 8.742, de 7 de dezembro de 1993, tem por objetivo proporcionar

Leia mais

AUDITORIA EM I TREINAMENTO DE AUDITORIA EM CONVÊNIOS

AUDITORIA EM I TREINAMENTO DE AUDITORIA EM CONVÊNIOS I TREINAMENTO DE AUDITORIA EM CONVÊNIOS AUDITORIA EM CONVÊNIOS Ricardo Brito Borges Assessor Técnico de Controle Interno Controladoria Geral do Estado de Alagoas Superintendência de Controle Financeiro

Leia mais

CONVÊNIO N o 96, DE 19 DE OUTUBRO DE 2015. Convênio que entre si celebram o Município de Santa Maria e o Banco da Esperança - Ação Social.

CONVÊNIO N o 96, DE 19 DE OUTUBRO DE 2015. Convênio que entre si celebram o Município de Santa Maria e o Banco da Esperança - Ação Social. CONVÊNIO N o 96, DE 19 DE OUTUBRO DE 2015 Convênio que entre si celebram o Município de Santa Maria e o Banco da Esperança - Ação Social. O MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, com sede na cidade de Santa Maria,

Leia mais

Modelo de Prestação de Contas de Convênio com a SEPOF INSTRUÇÕES GERAIS

Modelo de Prestação de Contas de Convênio com a SEPOF INSTRUÇÕES GERAIS Modelo de Prestação de Contas de Convênio com a SEPOF INSTRUÇÕES GERAIS No momento da entrega da prestação de contas só será protocolado a prestação de contas que estiver completa com todos os itens obrigatórios

Leia mais

LEI Nº 2.437, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015.

LEI Nº 2.437, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015. LEI Nº 2.437, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015. Autoriza o Executivo Municipal a repassar recursos financeiros mediante convênio às APM'S - Associações de Pais e Mestres das Escolas e CEMEIS da Rede Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DO ESPORTE/Lei de Incentivo COAME-Coordenadoria de Acompanhamento e Monitoramento da Execução

MINISTÉRIO DO ESPORTE/Lei de Incentivo COAME-Coordenadoria de Acompanhamento e Monitoramento da Execução MINISTÉRIO DO ESPORTE/Lei de Incentivo COAME-Coordenadoria de Acompanhamento e Monitoramento da Execução PRESTAÇÃO DE CONTAS (v. 27 julho 09) 1) A Prestação de Contas deverá ser encaminhada por meio de

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A ABDI tem por objeto promover a execução de políticas de desenvolvimento industrial,

Leia mais

CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS I APRESENTAÇÃO Fundação Francisco e Clara de Assis A Fundação Francisco e Clara de Assis buscam trabalhar para o desenvolvimento dos programas e ações de combate à pobreza

Leia mais

AUXPPG MANUAL DO OUTORGADO

AUXPPG MANUAL DO OUTORGADO 3 1 Condições necessárias para a celebração do Termo de Outorga (TO) 1.1 O Programa Interno de Auxilio Financeiro aos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu (AUXPPG) da Universidade do Estado da Bahia

Leia mais

ANEXO I MINUTA DO CONVÊNIO

ANEXO I MINUTA DO CONVÊNIO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal da Casa Civil Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro Instituto Rio Patrimônio da Humanidade ANEXO I MINUTA

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO FÍSICO-FINANCEIRO

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO FÍSICO-FINANCEIRO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO FÍSICO-FINANCEIRO ANEXO II FORMULÁRIO A

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 12/2013 Brasília, 20 de março de 2013. Técnica/Jurídico TÍTULO: Orientações sobre gestão de convênios.

NOTA TÉCNICA Nº 12/2013 Brasília, 20 de março de 2013. Técnica/Jurídico TÍTULO: Orientações sobre gestão de convênios. NOTA TÉCNICA Nº 12/2013 Brasília, 20 de março de 2013. ÁREA: Técnica/Jurídico TÍTULO: Orientações sobre gestão de convênios. REFERÊNCIAS: Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL O QUE MUDA COM O NOVO MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL LEI N. 13.019/2014 REALIZAÇÃO INSTITUTO ATUAÇÃO ELABORAÇÃO Porf. Dr. FERNANDO BORGES MÂNICA DISTRIBUIÇÃO INSTITUTO GRPCom O QUE

Leia mais

Análise da Prestação de Contas apresentada pelo Convenente.

Análise da Prestação de Contas apresentada pelo Convenente. PARECER Nº.: 007/2012 PROCESSO: 59510.001420/2012-48 ASSUNTO: Análise da Prestação de Contas apresentada pelo Convenente. DATA: 09/07/2012. A - HISTÓRICO: A.1 - CONVENENTE: Instituto de Promoção do Desenvolvimento.

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de 2015, e dá outras providências. Art. 60 - Sem prejuízo das disposições contidas nos demais artigos,

Leia mais

Prezado (a) Responsável pelos programas de Bolsas,

Prezado (a) Responsável pelos programas de Bolsas, CAPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERÊNCIA DE ORÇAMENTO E FINANÇAS DCPC DIVISÃO DE CONTROLE E PRESTAÇÃO DE CONTAS Brasília,

Leia mais

LEI Nº 4.609, DE 17 DE JUNHO DE 2015

LEI Nº 4.609, DE 17 DE JUNHO DE 2015 LEI Nº 4.609, DE 17 DE JUNHO DE 2015 Autoriza conceder subvenção social a Associação dos Portadores de Deficiências da Escola Rocha Pombo. A Câmara Municipal de Pato Branco, Estado do Paraná, aprovou e

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 055/2014

C O N V Ê N I O Nº 055/2014 C O N V Ê N I O Nº 055/2014 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2005-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 010/2005-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 010/2005-CAD/UNICENTRO Celebra Termo de Convênio nº 019/2005 firmado entre a UNICENTRO e Fundação Araucária. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Alto Garças

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Alto Garças PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO II RELAÇÃO DE PAGAMENTOS Convênio nº: REC ITEM CREDOR CGC/CPF CH/OB DATA VALOR (R$ 1,00) Responsável pela Execução: INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO RELAÇÃO DE PAGAMENTOS Refere-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

CURSO: SICONV 1) NOÇÕES GERAIS, CREDENCIAMENTO, CADASTRAMENTO E PROGRAMAS DE CONVÊNIO

CURSO: SICONV 1) NOÇÕES GERAIS, CREDENCIAMENTO, CADASTRAMENTO E PROGRAMAS DE CONVÊNIO CURSO: SICONV TEMAS CENTRAIS 1) NOÇÕES GERAIS, CREDENCIAMENTO, CADASTRAMENTO E PROGRAMAS DE CONVÊNIO 2) PROPOSIÇÃO, AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS - CEDENTE, CELEBRAÇÃO DE UM CONVÊNIO E ALTERAÇÕES 3) EXECUÇÃO,

Leia mais

Fundo de Apoio à Cultura. Manual da Prestação de Contas 2014

Fundo de Apoio à Cultura. Manual da Prestação de Contas 2014 Fundo de Apoio à Cultura Manual da Prestação de Contas 2014 Secretaria de Cultura do DF Subsecretaria de Fomento Fundo de Apoio à Cultura Introdução Visando atender ao novo Decreto do FAC (34.785/2013),

Leia mais

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS INSTRUÇÕES PARA A EXECUÇÃO FINANCEIRA/PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS TRANSFERIDOS PELO MINISTÉRIO/ORGANISMOS INTERNACIONAL REFERENTE AOS CONTRATOS DE FINANCIAMENTO DE ATIVIDADES FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

Leia mais

ANEXO I OFÍCIO DE ENCAMINHAMENTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DO CONVÊNIO:

ANEXO I OFÍCIO DE ENCAMINHAMENTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DO CONVÊNIO: ANEXO I OFÍCIO DE ENCAMINHAMENTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DO CONVÊNIO: Ofício nº /2015 Uberaba/MG, de de 2015 Ilmo(a). Sr (a), Encaminho à V. Sa., documentação comprobatória da prestação de contas, composta

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL

EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL ANEXO II EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL (PARA CONVÊNIO OU INSTRUMENTOS CONGÊNERES) RELATÓRIO DE TCE Nº XX/2013 DADOS DO CONVÊNIO PROCESSO ORIGINAL 90000.000050/2009-99 INSTRUMENTO ORIGINAL

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 025/2014

C O N V Ê N I O Nº 025/2014 C O N V Ê N I O Nº 025/2014 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E A ESCOLA DE SAMBA BAMBAS DA ORGIA 006/2007-SEPLAN MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica de direito público, inscrito no CNPJ/MF sob o n 87.612.537/0001-90

Leia mais

2- TRANSFERÊNCIAS REALIZADAS ÀS INSTITUIÇÕES POR INTERMÉDIO DE CONVÊNIOS

2- TRANSFERÊNCIAS REALIZADAS ÀS INSTITUIÇÕES POR INTERMÉDIO DE CONVÊNIOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA INSTITUIÇÕES DE APLICAÇÃO DE RECURSOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE CONVÊNIOS FIRMADOS COM A SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E ESPORTES SEDESE. 1 - INTRODUÇÃO Este

Leia mais

EXECUÇÃO, ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONVÊNIOS SICONV. Gianna Lepre Perim. Curitiba - 2013

EXECUÇÃO, ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONVÊNIOS SICONV. Gianna Lepre Perim. Curitiba - 2013 EXECUÇÃO, ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE CONVÊNIOS SICONV Gianna Lepre Perim Curitiba - 2013 EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS Noções Gerais TÍTULO V CAPÍTULO I - PI 507/2011 LIBERAÇÃO E APLICAÇÃO DOS RECURSOS A

Leia mais

Seminário: Órgãos de Controle e a Nova Gestão Pública Municipal. Tema CONVÊNIOS. RAPHAEL MARINHO DANTAS Auditor Federal de Controle Externo

Seminário: Órgãos de Controle e a Nova Gestão Pública Municipal. Tema CONVÊNIOS. RAPHAEL MARINHO DANTAS Auditor Federal de Controle Externo Seminário: Órgãos de Controle e a Nova Gestão Pública Municipal Tema CONVÊNIOS Clique para editar o estilo do subtítulo mestre RAPHAEL MARINHO DANTAS Auditor Federal de Controle Externo Novembro de 2012

Leia mais

Fortalecimento. CONTRATOS DE REPASSE E SICONV da Gestão Pública: Operacionalização CAIXA Prestação de Contas

Fortalecimento. CONTRATOS DE REPASSE E SICONV da Gestão Pública: Operacionalização CAIXA Prestação de Contas Fortalecimento CONTRATOS DE REPASSE E SICONV da Gestão Pública: Operacionalização CAIXA Prestação de Contas Fases do Convênio Prestação de Contas Parcial Prestação de Contas Final Tomada de Contas Especial

Leia mais

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS Em conformidade às competências do CAU/BR previstas na Lei nº 12.378/2010 e em seu Regimento Geral, são apoiados projetos que contribuem para

Leia mais

Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União. Facilitador: Fernanda Lyra

Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União. Facilitador: Fernanda Lyra Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União Facilitador: Fernanda Lyra Horário da Aula: 28 de janeiro - Segunda - das 18h às 20h SICONV TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO

Leia mais

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do Processo : Nº630042009-00 Origem : Fundo Municipal de Saúde de Rio Maria Assunto: Prestação de Contas Anuais de Gestão exercício de 2009 Instrução: 6ªControladoria Ordenador: Edimilson Batista Alves Procuradoria:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ANUAL

RELATÓRIO TÉCNICO ANUAL ( L O G O M A R C A DO Ó R G Ã O C O N T R A T A N T E ) CONTRATO DE GESTÃO Nº / ORGANIZAÇAO SOCIAL: UNIDADE PUBLICIZADA: RELATÓRIO TÉCNICO ANUAL ANO Data da entrega do Relatório: / / Recebido por: Sumário

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

ANEXO II INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO RELAÇÃO DE PAGAMENTOS GPC 01

ANEXO II INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO RELAÇÃO DE PAGAMENTOS GPC 01 ANEXO II INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO RELAÇÃO DE PAGAMENTOS GPC 01 Refere-se ao registro de pagamento das despesas efetuadas na execução do projeto, à conta de recursos do Executor e/ou do Concedente, devendo

Leia mais

LEI Nº 3.829, DE 12 DE ABRIL DE 2012

LEI Nº 3.829, DE 12 DE ABRIL DE 2012 LEI Nº 3.829, DE 12 DE ABRIL DE 2012 Autoriza conceder Contribuição à Associação da Casa Familiar Rural de Pato Branco. A Câmara Municipal de Pato Branco, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 015/2015

C O N V Ê N I O Nº 015/2015 C O N V Ê N I O Nº 015/2015 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 145/2014

C O N V Ê N I O Nº 145/2014 C O N V Ê N I O Nº 145/2014 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 11.261, DE 16 DE JUNHO DE 2003. Estabelece normas para celebração de convênios e instrumentos similares por órgãos e entidades do Poder Executivo, e dá outras providências. Publicado no Diário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002,

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002, RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) 1014 Ementa: Estabelece manual de normas e procedimentos orçamentários, contábeis e financeiros, e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/14 I-DOS CONCEITOS 1- Para os fins desta Instrução Normativa, considera-se: 1.1 - Fiscalização: a observação sistemática e periódica da execução do contrato; 1.2 - Contrato Administrativo: o ajuste que

Leia mais

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 4.1.1 - FLUXOGRAMA ORÇAMENTO LEGISLAÇÃO. Planejamento e Orçamento PPA Audiência Pública Legislativo Apreciação Executivo - Sanção Audiência Pública LDO Legislativo -

Leia mais

Orientações sobre Adiantamento de Despesas de Pequeno Valor (Versão n.º 03, de 16/09//2013)

Orientações sobre Adiantamento de Despesas de Pequeno Valor (Versão n.º 03, de 16/09//2013) 1. Conceito Orientações sobre Adiantamento de Despesas de Pequeno Valor (Versão n.º 03, de 16/09//2013) 1.1 Adiantamento consiste na entrega de numerário a servidor, sempre precedida de empenho gravado

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário PORTARIA nº 080/2012 - SEED O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 0494/12, de 27 de fevereiro de 2012, com fundamento na Lei nº 1.230 de 29 de

Leia mais

FUNDO DE APOIO A CULTURA DA SOJA MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2009

FUNDO DE APOIO A CULTURA DA SOJA MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2009 INTRODUÇÃO FUNDO DE APOIO A CULTURA DA SOJA 1.1 - Recomenda-se a leitura deste manual antes de utilizar os recursos concedidos pelo FACS. O manual está disponível no site http://www.facsmt.com.br. 1.2

Leia mais

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO 01/06 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Definir normas para elaboração dos contratos de aquisição de materiais, prestação de serviços gerais e prestação de serviços e obras de engenharia. 1.2 Normatizar os procedimentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA DIRETORIA TÉCNICA CONVÊNIOS/CTAC APRESENTAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA DIRETORIA TÉCNICA CONVÊNIOS/CTAC APRESENTAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA DIRETORIA TÉCNICA CONVÊNIOS/CTAC APRESENTAÇÃO No cumprimento do papel que lhe cabe como gestor da política municipal de Assistência

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES Relatório Voto : REV - G.ICN - 00901/2011 PROCESSO TC/MS : 6107/2008 PROTOCOLO : 908430 ÓRGÃO : PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ALVORADA DO SUL ORDENADOR (A) DE : ARLEI SILVA BARBOSA DESPESAS CARGO DO ORDENADOR

Leia mais

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 #Estabelece procedimentos para registro, no SICONV, de informações referentes a Convênios com OBTV. O Coordenador da Administração Geral, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 1/6 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 2. OBJETIVOS 3. ABRANGÊNCIA E VIGÊNCIA

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROINFRA/IFCE -PRPI

FORMULÁRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROINFRA/IFCE -PRPI PRESTAÇÃO DE CONTAS FORMULÁRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROINFRA/IFCE -PRPI 1. A prestação de contas deve ser constituída dos seguintes documentos: a) Encaminhamento de Prestação de Contas Anexo I; b) Relação

Leia mais

Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL. Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs

Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL. Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs Objetivos: Apoiar a execução de projetos coletivos, de soluções coletivas e/ou que estejam disponíveis para um conjunto

Leia mais

E-mail Funtef-cp@utfpr.edu.br

E-mail Funtef-cp@utfpr.edu.br Anexo I Encaminhamento de Prestação de Contas Convênio nº 339/2012 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE/BENEFICIÁRIO Beneficiário: Fundação de Apoio à Educação, Pesquisa e Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Leia mais

FRBL FUNDO DE RECONSTITUIÇÃO DE BENS LESADOS

FRBL FUNDO DE RECONSTITUIÇÃO DE BENS LESADOS FRBL FUNDO DE RECONSTITUIÇÃO DE BENS LESADOS Orientações para Organizações da Sociedade Civil sem Fins Lucrativos (OSCs) Expediente Material produzido pelo ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS 1- A

INFORMAÇÕES GERAIS 1- A INFORMAÇÕES GERAIS - A prestação de contas financeira consiste na comprovação das despesas realizadas com os recursos do convênio, de forma que fique clara a pertinência das mesmas com a Relação de Itens

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

Manual Prático Para Prestação de Contas

Manual Prático Para Prestação de Contas Manual Prático Para Prestação de Contas INTRODUÇÃO O presente manual tem por finalidade orientar os gestores de projetos culturais sobre os seus deveres, instruir como realizar as despesas e prestar contas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Estabelece o regime jurídico das parcerias entre a Administração Pública e as entidades privadas sem fins lucrativos para a consecução de finalidades de interesse público.

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE DIRETORIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS DIPRO COORDENAÇÃO GERAL DO PROEP COOEP PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - PROEP

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV - 01

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV - 01 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV - 01 DISPÕE SOBRE O PROCEDIMENTO PARA A CELEBRAÇÃO, CONTROLE E PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIOS E CONGENERES CONCEDIDOS VERSÃO : 01 DATA: 05/01/2012 ATO APROVAÇÃO: Instrução Normativa

Leia mais

NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Anexo à Resolução nº 660/87 1 - APLICABILIDADE

NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Anexo à Resolução nº 660/87 1 - APLICABILIDADE NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Anexo à Resolução nº 660/87 1 - APLICABILIDADE As presentes Normas aplicam-se ao acompanhamento de beneficiário de colaboração financeira, objetivando manter o Sistema

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, FAÇO saber que o Poder Legislativo decreta

Leia mais

criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional.

criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional. criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional. conhecida popularmente por poupança Durante esses vários anos de existência

Leia mais

SICONV Sistema de Gestão de Convênios

SICONV Sistema de Gestão de Convênios SICONV Sistema de Gestão de Convênios EXECUÇÃO DO CONVENENTE FLUXO OPERACIONAL Publicação Celebração EXECUÇÃO Prestação de Contas Encerramento EXECUÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVENENTE REGISTRA CONTRA PARTIDA

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIO COM A SME

PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIO COM A SME PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIO COM A SME Entidades beneficiadas: As unidades educacionais das entidades conveniadas ao Sistema Municipal de Ensino de Campinas. Órgão responsável: Coordenadoria Setorial de

Leia mais