MBA GESTÃO EMPREENDEDORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA GESTÃO EMPREENDEDORA"

Transcrição

1 COLEÇÃO MBA GESTÃO EMPREENDEDORA EDUCAÇÃO ESTRATÉGIA Autor Saulo Barroso Rocha Organização Sandra R. H. Mariano MÓDULO GESTÃO

2

3 Módulo Gestão Estratégia Autor Saulo Barroso Rocha Organização Sandra R. H. Mariano SESI/UFF Realização: Parceria técnica: Apoio:

4 Copyright 2012, SESI / Universidade Federal Fluminense R672e Rocha, Saulo Barroso Estratégia / Saulo Barroso Rocha. Organização se Sandra R. H. Mariano. Rio de Janeiro: SESI : UFF, p. - (Coleção Gestão Empreendedora Educação, 16) ISBN Estratégia. 2. Gestão empreendedora. I. Título. II. Série. CDD Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida, transmitida e gravada, por qualquer meio eletrônico, mecânico, por fotocópia e outros, sem a prévia autorização, por escrito, do SESI / Universidade Federal Fluminense. A 4 Mãos Comunicação e Design Ltda. Projeto Gráfico Flavia da Matta Design Capa Saulo Barroso Rocha Elaboração de conteúdo Cristine Costa Barreto Coordenação de Design Instrucional Tereza Queiroz Coordenação Editorial Tereza Queiroz Copidesque/revisão de provas Katy Araujo Diagramação Sergio Luiz Nunes de Queiroz Ilustração Marcelo Oliveira Design instrucional ii

5 Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira Presidente Diretoria Geral Augusto Cesar Franco de Alencar Diretor SESI/DR - Rio de Janeiro Maria Lucia Paulino Telles Diretora Superintendente Diretoria de Educação Andrea Marinho de Souza Franco Diretora Gerência de Educação Básica Hozana Cavalcante Meirelles Gerente Elizabete Otero Mendes Maia Coordenadora Claudia do Canto Wilkoszynski Analista SESI - Serviço Social da Indústria - Departamento Regional do Rio de Janeiro Confederação Nacional da Indústria CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Educação e Tecnologia Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Serviço Social da indústria SESI Conselho Nacional Jair Menegueli Presidente SESI Departamento Nacional Robson Braga de Andrade Diretor Renato Caporali Cordeiro Diretor Superintendente SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO NACIONAL UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Roberto de Souza Salles Reitor Sidney Luiz de Matos Mello Vice-reitor Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e inovação ProPPi Antonio Claudio Lucas da Nóbrega Pró-reitor Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e turismo Fernando Augusto Lagoeiro de Oliveira Diretor Curso de MBA Gestão Empreendedora Sandra Regina Holanda Mariano Coordenadora Esther Hermes Lück Vice-coordenadora Vera Regina Ramos Pinto Assistente de Coordenação Fundação Euclides da Cunha de Apoio institucional à Universidade Federal Fluminense Miriam Assunção de Souza Lepsch Presidente iii

6

7 Apresentação da Coleção MBA Gestão Empreendedora Educação A Coleção MBA Gestão Empreendedora Educação é composta por 15 volumes que abordam conteúdos das áreas de empreendedorismo, gestão e educação e se constituem no material didático de apoio às disciplinas do curso MBA Gestão Empreendedora Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF). A criação desse curso foi uma proposta do Sistema FIRJAN (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), que reúne as redes educacionais de ensino básico e profissional do Serviço Social da Indústria (SESI) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), para a melhoria da qualidade da educação básica, que encontrou na Universidade Federal Fluminense (UFF) as condições ideais para desenvolvimento conjunto do projeto. FIRJAN e UFF compartilham a visão de que a melhoria da gestão das escolas públicas poderia contribuir de forma significativa para a elevação da qualidade da educação brasileira, resultando em uma melhor aprendizagem dos alunos contribuindo para uma sociedade com mais oportunidades, inclusiva e justa. Nos volumes desta Coleção, os professores do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Empreendedorismo da UFF abordaram os constructos centrais das áreas de administração, empreendedorismo e educação de forma contextualizada, levando em consideração a realidade da escola brasileira. A proposta do curso buscou inovar também na metodologia utilizada, adotando um formato semipresencial, em que cada disciplina foi apoiada por este material didático, desenvolvido especialmente para os profissionais envolvidos com a gestão escolar. Para isso os professores foram treinados em uma metodologia própria, que envolveu a realização de visitas técnicas às escolas, treinamento e acompanhamento da produção dos volumes que integram esta obra por desenhistas instrucionais, revisores gramaticais, diagramadores e editores. Esperamos que, ao final do curso e da leitura dos volumes desta coleção, as ideias defendidas por Darcy Ribeiro, que apregoava a ação e a mudança na sociedade pela realização ou, como ele gostava de dizer, pelo fazimento, contribuam para transformar a escola brasileira um local de desenvolvimento da cidadania e do conhecimento, conduzido pelas mãos de líderes pedagógicos e administrativos que o MBA Gestão Empreendedora-Educação se propõe a formar. Andrea Marinho de Souza Franco Diretora de Educação Sistema FIRJAN Sandra Regina Holanda Mariano Coordenadora do MBA Gestão Empreendedora Universidade Federal Fluminense (UFF) v

8

9 Apresentação da Disciplina Os autores que deram origem ao Planejamento Estratégico já demarcavam, no início dos anos de 1970, que o termo Planejamento Estratégico era um plano e não representava ação ou execução, mas, sim, uma forma de vislumbrar cenários futuros e preparar-se para incertezas trazidas por estes cenários. A etapa de planejamento definirá os objetivos a serem alcançados, como serão alcançados, com quais recursos, em quanto tempo, como serão monitorados e mensurados. Um planejamento deficiente, ou seja, um planejamento que não contemple todas essas etapas trará uma execução e consequentes resultados insatisfatórios. Entretanto, a execução é essencial para o sucesso, pois representa um processo contínuo de ações ou atividades encadeadas que determinarão o bom desempenho de uma organização. É no dia a dia que as decisões serão tomadas frente aos desafios de um gestor escolar. Por esta razão, este livro focaliza a estratégia na prática. A estratégia é encarada como algo que as pessoas fazem no seu dia a dia. Certamente, existem diversas fontes de livros que tratam do mesmo assunto. Ao final de cada aula citamos algumas que podem ser utilizadas para estudos aprofundados sobre o tema. Você observará que todas as aulas trazem algum instrumento gerencial que pode ser utilizado na sua gestão escolar, com ou sem adaptações ao contexto da sua escola. Todas as aulas deste livro seguem uma sequência que se inicia com a elaboração do propósito da sua organização até a fase de avaliação dos resultados. Além dos instrumentos normalmente utilizados para o planejamento e execução da estratégia, abordou-se a influência da cultura e da estrutura organizacional para o êxito na implantação de Planos de Ações Estratégicos. Finalizamos nossa disciplina com a aula que trata do monitoramento e avaliação de resultados da sua estratégia, apresentando os aspectos fundamentais do monitoramento que contribuem para a estratégia praticada em sua escola. Bom estudo! Saulo Barroso Rocha vii

10

11 Sumário Estratégia Aula 1: Estratégia uma aproximação ao tema 1 Aula 2: Idealizando a estratégia: a análise do ambiente externo 19 Aula 3: A análise de ambiente interno 31 Aula 4: Cultura organizacional e estratégia 45 Aula 5: Estratégia e sua formulação o que podemos oferecer? 57 Aula 6: O Plano Estratégico 71 Aula 7: A implantação da estratégia 83 Aula 8: Monitoramento e avaliação de resultados 95 ix

12

13 Aula 1 Estratégia uma aproximação ao tema Aula 1 Estratégia uma aproximação ao tema Meta Apresentar os conceitos e contextualizar a estratégia nas organizações contemporâneas. Objetivos Ao final desta aula, o aluno deverá ser capaz de: 1. Descrever diferentes abordagens para o termo estratégia; 2. Reconhecer os diferentes níveis e etapas do planejamento e execução da estratégia; 3. Descrever a missão, a visão e os valores de sua escola; 4. Conceituar estratégia. Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF,

14 2 Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF, 2012.

15 Aula 1 Estratégia uma aproximação ao tema Planejamento e Execução: a imprescindível integração O grande desafio para o gestor está na imprescindível integração entre planejamento e execução diante de metas a cumprir e de um cotidiano nem sempre favorável a mudanças. São muitas as dúvidas que podem surgir e variados os caminhos que se pode tomar. A resposta pode estar em algo mais próximo do que se imagina, mas é preciso saber identificar a melhor forma de realizar um projeto. Para iniciarmos nossa aula, vejamos uma parábola que toca diretamente em nosso assunto. Ela será nosso ponto de partida. Um granjeiro tivera o planejamento do seu negócio realizado por importantes consultores conhecedores das técnicas de planejamento estratégico. Após muitas dificuldades para alcançar as metas planejadas, ele pediu a um sábio que o ajudasse a melhorar a sua granja, que tinha baixo rendimento. O sábio escreveu algo em um pedaço de papel e colocou em uma caixa, a qual fechou e entregou ao granjeiro, dizendo: - Leva esta caixa por todos os lados de sua granja, três vezes ao dia, durante um ano. Assim fez o granjeiro. Pela manhã, ao ir ao campo segurando a caixa, encontrou um empregado dormindo, quando deveria estar trabalhando. Acordou-o e chamou sua atenção. Ao meio dia, quando foi ao estábulo, encontrou o gado sujo e os cavalos sem alimento. E, à noite, indo à cozinha com a caixa, deu-se conta de que o cozinheiro estava desperdiçando os gêneros. A partir daí, todos os dias, ao percorrer sua granja, de um lado para outro, com seu amuleto, encontrava coisas que deveriam ser corrigidas. Ao final do ano, voltou a encontrar o sábio e disse-lhe: - Deixe esta caixa comigo por mais um ano. Minha granja melhorou o rendimento desde que estou com o amuleto. O sábio riu e, abrindo a caixa, disse-lhe: - Podes ter este amuleto pelo resto da sua vida. No papel estava escrito a seguinte frase: Kriss Szkurlatowski Se queres que as coisas melhorem, deves acompanhá-las constantemente. Faakhir Rizvi O acompanhamento das diversas etapas do trabalho nos permite ter uma visão clara da realidade e do andamento da nossa organização, tanto no caso da granja com problemas como em qualquer organização. A caixa sugerida serviu como uma ferramenta para se chegar ao objetivo de descobrir o que estava errado e consertar. O granjeiro, assim como qualquer gestor, sentiu a necessidade de consultar um sábio (ou poderia ser um especialista na área de estratégia). Essa situação nos mostra por que nos últimos 40 anos a literatura sobre estratégia foi contemplada com uma enorme variedade de livros, com relevantes modelos e técnicas de formulação e planejamento Estratégicos. Invariavelmente, observamos a aplicação destas ferramentas de planejamento em organizações por meio da contratação de consultorias ou da utilização pelos próprios profissionais destas organizações. Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF,

16 Multimídia SAFÁRI DE ESTRATÉGIA UM ROTEIRO PELA SELVA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Diferentes pensadores da administração discutiram e escreveram sobre experiências em estratégia e, a partir do aprimoramento contínuo da ciência administrativa, consolidaram-se algumas escolas de estratégia. O livro dos autores Henry Mintzberg, Bruce Ahlstrand e Joseph Lrampel apresenta dez principais escolas de planejamento estratégico, cada uma com suas características, modelos básicos e processos para construir uma boa estratégia. Na prática do dia a dia, observam-se a utilização de técnicas oriundas de diferentes escolas de estratégia. Por esta razão, este livro será importante para a nossa disciplina, pois trará algumas técnicas e processos mais investigados e utilizados pelas organizações brasileiras. No entanto, ao longo dos anos de trabalho, se você perguntar para um gestor o que é mais difícil e requer maior esforço: planejar a estratégia ou fazer a estratégia funcionar no dia a dia,certamente ele responderá que as duas etapas são importantes, porém fazer a estratégia acontecer dentro da empresa requer do gestor um esforço maior do que planejar esta mesma estratégia. Esforço este de: gestão de pessoas, relacionamento interpessoal, negociação, comunicação, liderança, gestão de processos, gestão financeira do orçamento atrelado ao seu planejamento, dentre outras ações. Nesse sentido, devemos sempre começar com o planejamento de uma estratégia para em seguida nos preocuparmos com todas as questões relacionadas com a execução deste planejamento. Por exemplo, durante semanas, um competente diretor trabalhou com afinco no planejamento estratégico da sua organização. O planejamento Planejar tinha sido muito bem idealizado, tendo como resultado um documento contendo projetos e atividades a serem realizadas nos 24 meses seguintes. Porém, durante a execução das atividades planejadas, poucos resultados eram atingidos conforme previsto no planejamento estratégico. Ao realizar um diagnóstico inicial, este diretor identificou uma série de dificuldades, Agir como: falta de comprometimento, resistência a mudanças, necessidade de capacitação técnica para a execução de algumas tarefas, comunicação interna e externa inadequadas e a falta de suporte da alta administração para a execução da estratégia. Dora Mitsonia 4 Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF, 2012.

17 Aula 1 Estratégia uma aproximação ao tema Este exemplo nos mostra a diferença entre planejamento estratégico e execução da estratégia, ambos conceitos importantes em todas as organizações. A etapa de planejamento definirá os objetivos a serem alcançados, como serão alcançados, com quais recursos, em quanto tempo, como serão monitorados e mensurados. Um planejamento deficiente, ou seja, um planejamento que não contemple todas essas etapas, trará uma execução e consequentes resultados insatisfatórios. Entretanto, a execução é essencial para o sucesso, pois representa um processo contínuo de ações ou atividades encadeadas que determinarão o bom desempenho de uma organização. É no dia a dia que as decisões serão tomadas frente aos desafios de um gestor escolar. Atenção MATEMATICAMENTE FALANDO Matematicamente falando podemos dizer que: Estratégia = Planejamento Estratégico + Execução. Embora muitos ainda acreditem que o Planejamento Estratégico é a Estratégia propriamente dita, o que devemos ter em mente aqui é que o termo Planejamento Estratégico é subconjunto de Estratégia, ou seja, ele está contido nesta. O que este livro traz é uma visão moderna e mais ampla da estratégia. Esta visão que tem sido discutida e aplicada em organizações nos últimos 20 anos. Os autores que deram origem ao Planejamento Estratégico já demarcavam no início dos anos de 1970 que o termo Planejamento Estratégico era um plano e não representava ação ou execução, mas sim uma forma de vislumbrar cenários futuros e tornar-se preparado para incertezas trazidas por estes cenários. A estratégia nas organizações Tradicionalmente, a estratégia tem sido tratada apenas como uma propriedade das organizações: uma organização tem uma estratégia de algum tipo para atender a determinada demanda. Cada vez mais, no entanto, a estratégia é encarada também como uma prática: a estratégia é algo que as pessoas fazem 1. Este reconhecimento da estratégia como uma prática aponta em duas direções. Por um lado, somos convidados a imergir nas organizações e nos envolvermos com a atividade das pessoas (gestores, supervisores, coordenadores, especialistas etc.) responsáveis pela execução da estratégia em todos os seus detalhes 2. Nesta situação, tipicamente, a estratégia é uma forma exigente de trabalho que os gestores devem dominar no seu dia a dia. Por outro lado, somos confrontados com a agregação de toda esta atividade em um fenômeno maior que tem um efeito importante e intenso sobre a sociedade em geral 3. Figura 1.1: Ao elaborar o planejamento estratégico, reflita a respeito da execução do que foi planejado em todos os seus aspectos. 1 (P. ex., Hambrick, 2004; Jarzabkowski, 2004.) 2 (Johnson et al, 2003; Samra-Fredericks, 2003.). 3 (Ghemawat, 2002; Clark, 2004.) Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF,

18 Figura 1.2: O planejamento foi excelente, mas imagine se um destes pilotos não dominasse a execução do plano! Aqui, a estratégia é no sentido de uma indústria ou de um setor da sociedade, como, por exemplo, a estratégia do setor automobilístico, a estratégia das indústrias farmacêuticas ou a estratégia de um sindicato, cujos membros em negócios, consultorias e demais atores externos produzem coletivamente estratégias e práticas que ajudam a moldar as organizações privadas ou públicas de determinado setor. A nova direção oferecida pela perspectiva prática da estratégia é uma preocupação para a eficácia dos gestores e, consequentemente, para as organizações. Certamente, estes profissionais precisam saber as técnicas de formulação e análise de planejamento, mas os estrategistas deste nível atuam em outro domínio de habilidades e conhecimentos: o domínio da prática 4. Por esta razão, este livro focaliza a estratégia na prática, ou seja, os elementos comuns entre Paul Fiddian três temas fundamentais da estratégia: práticas estratégicas, práxis e praticantes (Figura 1.3), onde a primeira trata dos aspectos cognitivos, procedurais e motivacionais, dentre outros, relacionados com a cultura organizacional; a práxis cuida do planejamento tradicionalmente observado e os praticantes são os responsáveis pela execução da estratégia. Portanto, você encontrará, neste curso, uma visão integrada da estratégia, observando aspectos do planejamento e dos desafios para executá-lo na sua escola, do ponto de vista de uma ciência social aplicada: a administração. Fonte: Adaptado de Jarzabkowski et al. (2007) Figura 1.3: Diferentes elementos no planejamento e execução de uma estratégia. 4 (Whittington, 1996, 2006.) 6 Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF, 2012.

19 Aula 1 Estratégia uma aproximação ao tema Distintas abordagens para o conceito de estratégia O conceito de estratégia pode ser encontrado e entendido de diferentes formas. Esta variedade de formas para compreender o conceito está diretamente relacionada ao contexto e cultura organizacional da organização ou mesmo ao segmento da sociedade civil onde esta se encontra. Importante ressaltar que não há julgamento sobre as diferentes abordagens; devemos apenas compreendê-las para nos situarmos quando encontrarmos estas situações, talvez na nossa própria organização. Vejamos, a seguir, as formas mais comuns de compreensão deste conceito. Estratégia como um plano: a estratégia, aqui, é compreendida como um plano de ações com atividades construídas de maneira consciente, objetiva e intencional; normalmente, um plano para solucionar determinada situação. A estratégia pode ser como um plano e pode surgir, por exemplo, para a obtenção de recursos de um determinado edital de fomento à escola. Neste caso, você poderia tentar responder à pergunta: qual a estratégia da sua escola para concorrer a esses recursos com outras escolas? Estratégia como um padrão: a estratégia pode se tornar um comportamento fruto de fatos e eventos ocorridos no passado. O que ocorreu ontem é o que condiciona o hoje. A maior parte do fluxo de ações dentro da organização está condicionada a um modo particular de realizá-las. Os gestores destas organizações vivem seu dia a dia cultivando no presente o que obteve êxito no passado. Por exemplo, quais as estratégias que nós utilizamos no deslocamento para o trabalho? Você pode decidir pegar o metrô, trem ou ônibus? Pode pensar em alternar estes meios de transporte em dois ou três dias da semana? Na estratégia como padrão o seu comportamento hesitoso ao testar as opções possíveis e desejadas será adotado como o seu padrão de comportamento futuro até uma nova configuração surgir no seu ambiente. Por exemplo, você usará a estratégia como um padrão se a forma como o refeitório da sua escola é utilizado (como horários e cardápios, entre outros itens) segue um padrão baseado em fatos passados. Entretanto, você já deve ter observado, no seu cotidiano, que, mesmo seguindo um padrão que se mostrou eficaz, nem sempre a estratégia acontece como planejada. Os gestores e sua equipe se reúnem, definem a estratégia e suas respectivas ações e, por algum motivo, novas situações surgem e forçam a adaptação das estratégias deliberadas anteriormente. Os motivos para estas novas situações e consequente dificuldade de implantar a estratégia deliberada podem surgir no ambiente externo (por exemplo, uma nova legislação) ou no ambiente interno (por exemplo, a necessidade de maior prazo para ações devido à insuficiência de recursos antes previstos). Nestes casos, as organizações necessitam rever sua estratégia, adaptálas ao novo contexto ou até mesmo abandonar algumas ações e elaborar uma estratégia emergente, resultado de novas condições que afetam o seu desempenho. Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF,

20 Observe esta dinâmica na Figura 1.4: Estratégia Pretendida Estratégia deliberada Estratégia realizada Estratégia não realizada Estratégia emergente Figura 1.4: Estratégia deliberada e Estratégia emergente. Fonte: Adaptado de Mintzberg (2004). Imagine um pequeno barco que precisa navegar de Santos até Salvador, margeando a costa brasileira. O comandante planeja a viagem, estuda o percurso, as condições climáticas, a direção do vento e os mapas de navegação. Tudo isso baseado em fatos e ocorrências do passado e na experiência de outros navegadores. Porém, ao longo do percurso, o serviço meteorológico informa que ventos fortes se aproximam e irão atingir o barco de frente. O comandante, ao receber esta informação (nova situação emergente), reúne-se com a equipe para traçar uma nova estratégia de navegação, pois a estratégia pretendida e deliberada no início da viagem não era mais adequada para chegar a Salvador no mesmo prazo. Ao realizar essa revisão da estratégia, a equipe chegou à conclusão de que o menor prejuízo para o objetivo pretendido seria chegar a Salvador com um dia de atraso e que, para isso, seria necessário navegar em zigue-zague. Kriss Szkurlatowski Rodolfo Belloli Essas estratégias emergentes, independentemente da forma como surgem, podem se tornar novos comportamentos da organização. Ou seja, podem gerar uma nova estratégia padrão. É como passar por um labirinto: é preciso traçar um novo caminho que, uma vez conhecido, pode servir como guia para outros passarem. Hidden 8 Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF, 2012.

21 Aula 1 Estratégia uma aproximação ao tema Diferentes níveis e etapas da elaboração da estratégia Embora a dinâmica do processo de elaboração da estratégia venha mudando em algumas organizações contemporâneas onde a elaboração e a execução da estratégia é uma atividade de toda a equipe, a maioria das organizações delimita esse processo de construção em diferentes níveis hierárquicos onde a estratégia é planejada e executada. Esses níveis variam de acordo com quem participa da elaboração e implantação da estratégia e de que aspectos estão sendo analisados na construção. As organizações podem ser divididas em três níveis: estratégico ou corporativo, tático ou negócios e operacional, de acordo com o tipo de trabalho que é desenvolvido em cada nível. Ao elaborarmos uma estratégia, precisamos pensar de que forma esses três níveis irão interagir para que a estratégia pretendida possa ser alcançada. Figura 1.5: Três níveis de organizacionais e estratégia. Fonte: Adaptado de Bateman e Snell (1998). O nível estratégico compreende os altos cargos da organização, responsáveis pela definição da missão, visão, valores e dos objetivos estratégicos da organização. Neste nível ocorrem as decisões que indicam o caminho de longo prazo da organização. O nível tático é utilizado para traduzir o propósito e os objetivos estratégicos determinados no nível estratégico em planos, objetivos e atividades mais específicas, a serem realizados pelo nível operacional da organização. No nível operacional observamos a estratégia em ação, muitas das vezes em conjunto com gestores localizados no nível tático. Na maioria das vezes, verificam-se neste nível os relacionamentos com os usuários, clientes ou consumidores daquela organização. Pode ser aqui a origem dos problemas que se transformarão em dificuldades que precisarão de estratégias emergentes para solucioná-las. Portanto, a integração entre os níveis tático e operacional é fundamental para o êxito da estratégia elaborada no nível estratégico. A partir do que foi exposto até aqui, devemos analisar as etapas gerais para elaboração da estratégia, pois compreender os diferentes níveis hierárquicos da organização e como estes se relacionam com a estratégia é importante. Estudaremos todas essas etapas dessa interação ao longo deste curso, mas vamos introduzi-la de uma forma geral para você observar o caminho que percorreremos. A Figura 1.6 nos permite visualizar estas etapas. Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF,

22 Figura 1.6: Etapas de uma estratégia de uma organização. A primeira etapa da elaboração da estratégia é identificar as condições atuais, externas e internas da organização. A análise do ambiente externo e interno tem como objetivo avaliar os recursos disponíveis dentro da organização. Na análise do ambiente externo, podemos identificar fatores sociais, culturais ou tecnológicos que afetam a organização, por exemplo. Na análise de ambiente interno respondemos a perguntas como: que tipo de habilidades e conhecimentos minha equipe possui? De quais recursos de infraestrutura a escola pode dispor? A equipe está motivada para os desafios adiante? Os processos de gestão escolar necessitam ser remodelados? Qual o orçamento anual disponível para a escola? Na etapa seguinte, formulação estratégica, é onde ocorre a definição do propósito da organização e dos objetivos estratégicos a serem alcançados no longo prazo. De uma forma geral, a definição dos objetivos estratégicos será consequência da análise do ambiente externo. Mas você também pode encontrar organizações que definem primeiro seu propósito e objetivos para então realizarem a etapa de análise. Esta inversão de etapas dependerá da natureza e do tipo de organização. Um objetivo estratégico dentro de uma escola pode ser, por exemplo, reduzir a taxa de distorção idade-série. Já a implantação da estratégia decorre da definição dos objetivos estratégicos pretendidos e deliberados e seus respectivos planos de ação, planos que podem ser traduzidos em projetos e atividades a serem executados no nível tático e operacional. Por fim, monitoramento e avaliação, que constituem o acompanhamento mensal, semestral e anual normalmente realizado pelas organizações para avaliar o grau de atingimento dos objetivos estratégicos pretendidos. O monitoramento é realizado levando-se em consideração indicadores definidos durante a fase de planejamento da estratégia. Estes indicadores podem ser mensurados mensalmente, semestralmente e/ou anualmente, dependendo do objetivo estratégico definido. O indicador de taxa de distorção idade-série seria verificado anualmente, por exemplo. Agora que já vimos alguns aspectos relevantes e as etapas para o entendimento da estratégia, vamos adotar um conceito de estratégia para a disciplina e estudar como construir o propósito da sua organização (missão, visão e valores). Este propósito acompanhará sua organização ao longo do planejamento e execução da estratégia. 10 Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF, 2012.

23 Aula 1 Estratégia uma aproximação ao tema Estratégia: conceitos essenciais Tente pesquisar, por meio de alguma ferramenta de busca na internet (por exemplo, Google e Yahoo), as palavras-chave: estratégia, definição. É muito provável que você receba como resultado um número superior a 8 milhões de páginas que fazem referência a estes dois termos. Certamente, deste total, milhares tratam da mesma definição. Mas, se pudéssemos olhar cada uma destas páginas, observaríamos pequenas diferenças em alguns conceitos e definições para estratégia. No entanto, todas apontam como sendo algo de longo prazo da organização, com metas a serem alcançadas de acordo com determinado curso de ação planejado para a organização. Stephen Henderson Atenção O QUE É ESTRATÉGIA? Svilen Milev Estratégia é a direção de longo prazo de uma organização 5. Neste curso, abordamos a definição de Estratégia como a direção de longo prazo de uma organização pelo enfoque nos aspectos importantes para a integração entre o planejamento e a execução da estratégia. Vejamos: Direção: toda organização precisa planejar um caminho a ser percorrido, saber onde deseja chegar e qual direção seguir para atingir seus objetivos. Longo prazo: a estratégia deve ser por um período amplo no tempo (5 ou 10 anos) ou ainda por encerramentos de fases importantes para a sua organização. Por exemplo, no caso de uma escola, uma estratégia que incorpore o tempo necessário para o encerramento do primeiro ciclo do ensino fundamental. Organização: a estratégia incorpora pessoas que compõem a organização e que serão as responsáveis pela direção desta organização no longo prazo, ou seja, pessoas com pensamentos diversos que precisarão de orientação e acompanhamento para guiá-las na execução do plano estratégico. Ademais, existem as pessoas externas à organização que também podem influenciar a execução de seu plano estratégico, normalmente instâncias superiores de decisão, patrocinadores de ações planejadas e/ ou parte da sociedade civil diretamente interessada nos resultados da sua organização. Atenção PROPÓSITO DA ORGANIZAÇÃO O propósito de uma organização é composto por sua visão, missão e valores; pode ser descrito como a união dos elementos que apontam aquilo que a organização deseja alcançar no longo prazo. Raphael Pinto 5 Johnson, G., Whittington, R., Scholes, K. Exploring Strategy Text & Cases. Ninth Edition. Prentice Hall, Rocha,S. Estratégia. Rio de Janeiro: SESI/UFF,

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Implantação e operação de um Escritório Corporativo de Projetos do Tribunal Superior Eleitoral com foco nas Eleições 2010

Implantação e operação de um Escritório Corporativo de Projetos do Tribunal Superior Eleitoral com foco nas Eleições 2010 Órgão: Tribunal Superior Eleitoral TSE Unidade: Escritório Corporativo de Projetos e-mail: ecp@tse.gov.br Implantação e operação de um Escritório Corporativo de Projetos do Tribunal Superior Eleitoral

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Thais Peixoto de Medeiros(1); Estephany Calado(2); Gisele Gregório Araújo(2); Márcio André Veras Machado (3); Francisco Roberto Guimarães Júnior(4) Centro

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS Alberto Wajzenberg Gerente de Desenvolvimento Organizacional alberto.wajzenberg@eletrobras.com Brasilia 7 de novembro de 2013 GESTÃO DE PROCESSOS

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

TURMAS ABERTAS BELO HORIZONTE

TURMAS ABERTAS BELO HORIZONTE TURMAS ABERTAS BELO HORIZONTE Apresentação A Academia de Lideranças tem foco prático no desenvolvimento das competências essenciais dos líderes de pessoas, processos e metas. As competências técnicas e

Leia mais

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Mestrado em Contábeis e Administração MÓDULO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL AULA 2 Prof. Dr. Júlio A. F. dos Reis DIVISÃO DO MÓDULO PARA ATENDER AOS OBJETIVOS. Epistemologia, contexto e conceito de estratégia

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO Manual do participante Autoria: Renato Fonseca de Andrade Responsáveis pela atualização: Consultores da Unidade de Orientação Empresarial

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia?

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? www.pwc.com.br Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? Alinhamento de Performance Alinhamento do desempenho organizacional Conectando a estratégia à execução A necessidade de alinhar pessoas,

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 1 O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 2 INTRODUÇÃO O FATOR HUMANO E OS FATORES QUE IMPACTAM PROCESSOS EM PROJETOS DE TI Mudança de paradigma: humano é o ponto central fator humano Processos Normas Normas

Leia mais

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE.

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. A TRÍADE Missão MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. MISSÃO ORGANIZACIONAL Assim como O REGISTRO DE NASCIMENTO nos identifica

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos Metodologia de Ensino 1. Aula em três tempos: Pré-aula (no portal acadêmico), Aula presencial (em sala de aula)

Leia mais

Módulo: Gestão de Pessoas

Módulo: Gestão de Pessoas O Sistema FIRJAN, por meio do Instituto Euvaldo Lodi (IEL-RJ), apresenta o Programa de Capacitação Empresarial Inovando na Gestão. O objetivo é atualizar e capacitar os empresários e dirigentes empresariais

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociedade da informação 30 h Módulo II Teoria das organizações 30 h Módulo III Redes sociais

Leia mais

ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS

ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS 135 ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS Curso: PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS Objetivo: Capacitar profissionais para atuarem no segmento de Logística de Eventos,

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: DE MAIRIPORÃ Código: 271 Município: MAIRIPORÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE Qualificação:

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Projeto para a disciplina Sistemas de Informação Gerencial Curso: MBA em Gestão e Negócios UNIMEP Elaborada por: Profº. Ms Flávio Ibelli Callegari

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Apresentar

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

GESTÃO DE RISCO NO CONFINAMENTO

GESTÃO DE RISCO NO CONFINAMENTO GESTÃO DE RISCO NO CONFINAMENTO Avaliação e redução do nível de incertezas O Workshop Gestão de Risco foi desenvolvido para atender às necessidades de inclusão da gestão de risco e análise de indicadores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO 2013/1. Disciplina: Estratégia Empresarial 6º. Período Professor: FREDERICO VIDIGAL

ADMINISTRAÇÃO 2013/1. Disciplina: Estratégia Empresarial 6º. Período Professor: FREDERICO VIDIGAL ADMINISTRAÇÃO 2013/1 Disciplina: Estratégia Empresarial 6º. Período Professor: FREDERICO VIDIGAL Período: 1º. Semestre / 2013 Objetivos da disciplina: Desenvolver a capacidade dos alunos no sentido da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado Qual é a fundamentação teórica que sua empresa usa na hora de estabelecer o planejamento estratégico? Você sabe? Eis aqui um boa pergunta para ver a estratégia

Leia mais

Gestão Estratégica e Administrativa

Gestão Estratégica e Administrativa Gestão Estratégica e Administrativa Transformando idéias em resultados Prof. Dr Nério Amboni amboni30@yahoo.com.br O gestor frente a dinamicidade do ambiente PROBLEMAS CRÔNICOS Problema 01: nada de

Leia mais

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia.

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia. Avaliação de Desempenho- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Alinhamento do desempenho humano ao organizacional Veremos agora o alinhamento do desempenho humano ao organizacional. Segundo Souza (2005),

Leia mais