AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO, MORFOMETRIA INTESTINAL E QUALIDADE DE CARNE DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS SUPLEMENTADAS COM EXTRATO DE ALGAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO, MORFOMETRIA INTESTINAL E QUALIDADE DE CARNE DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS SUPLEMENTADAS COM EXTRATO DE ALGAS."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA ANDIARA GONÇALVES TENÓRIO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO, MORFOMETRIA INTESTINAL E QUALIDADE DE CARNE DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS SUPLEMENTADAS COM EXTRATO DE ALGAS. DISSERTAÇÃO DOIS VIZINHOS 2015

2 ANDIARA GONÇALVES TENÓRIO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO, MORFOMETRIA INTESTINAL E QUALIDADE DE CARNE DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS SUPLEMENTADAS COM EXTRATO DE ALGAS. Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Zootecnia, do programa de Pós-Graduação em Zootecnia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Área de concentração: Produção e nutrição animal. Orientador: Prof. Dr. Sabrina Endo Takahashi Co - orientador: Prof. Dr. Cleusa Inês Weber Co - orientador: Prof. Dr. Patrícia Rossi DOIS VIZINHOS 2015

3 T312a Tenório, Andiara Gonçalves. Avaliação de desempenho, morfometria intestinal e qualidade de carne de frangos de corte alimentados com dietas suplementadas com extrato de algas Dois Vizinhos: [s.n], f.:il. Orientadora: Sabrina Endo Takahashi. Co-orientadora: Cleuza Inês Weber Co-orientadora: Patrícia Rossi Dissertação (Mestrado) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Zootecnia. Dois Vizinhos, Inclui bibliografia 1.Frango de corte 2.Nutrição animal 3.Carne-qualidade I.Takahashi, Sabrina Endo, orient. II.Weber, Cleuza Inês, coorient. III.Rossi, Patrícia,co-orient. IV.Universidade Tecnológica Federal do Paraná Dois Vizinhos.V.Título. CDD: Ficha catalográfica elaborada por Rosana Oliveira da Silva CRB:9/1745

4 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Dois Vizinhos Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Zootecnia TERMO DE APROVAÇÃO Título da Dissertação n 042 Desempenho, morfometria intestinal e qualidade de carne de frangos de corte alimentados com dietas suplementadas com extrato de algas Andiara Gonçalves Tenório Dissertação apresentada às oito horas e trinta minutos do dia doze de março de dois mil e quinze, como requisito parcial para obtenção do título de MESTRE EM ZOOTECNIA, Linha de Pesquisa Produção e Nutrição Animal, Programa de Pós-Graduação em Zootecnia (Área de Concentração: Produção animal), Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Dois Vizinhos. A candidata foi arguida pela Banca Examinadora composta pelos professores abaixo assinados. Após deliberação, a Banca Examinadora considerou o trabalho Banca examinadora: Cleusa Inês Weber UTFPR-FB Patrícia Franchi de Freitas UTFPR-DV Edgar de Souza Vismara UTFPR-DV Marcel Manente e Boiago UDESC - CCO *A Folha de Aprovação Graduação em Zootecnia. Prof. Dr. Ricardo Yuji Sado Coordenador do PPGZO assinada encontra-se na Coordenação do Programa de Pós-

5 Dedico a minha mãe Maria da Luz Duarte, pelo amor incondicional e educação que me proporcionou.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus que pela sua grande misericórdia, por não nos abandonar e porque és um Deus clemente e misericordioso (Neemias 9:31). Ao meu marido Marcos Mincov Tenório que me auxiliou de diversas formas e principalmente teve paciência nos momentos de cansaço e estresse. A minha família que mesmo distante me incentivou e aceitaram se privar de minha presença por diversas vezes. Agradeço também a família postiça que Deus me deu. Tio Silvino, Tia Helena, Micheli e Jean Marcelo de Paris pela amizade, carinho, paciência e acolhimento no momento em que mais precisei durante esse processo. Aos professores doutores: Cleusa Inês Weber, Patrícia Rossi, Sabrina Endo Takahashi, Edgar de Souza Vismara e Patrícia Franchi Freitas. As três primeiras especialmente pelas orientações, e a todos pelos conselhos, correções, paciência e ensinamentos durante a realização das análises. Aos alunos de graduação em zootecnia Cátia, Daiane, Denise,Fabrício, Josieli Priscila, Letícia, Lucas, Miguel, Rafael e Tiane, pelo o auxilio no desenvolvimento do experimento. Em especial agradeço aos alunos Abílio, Cleison, Débora, por toda dedicação e ensinamentos passado durante o experimento. A toda equipe de colegas da Central de laboratório da UTFPR- Francisco Beltrão: Magali, João, Ronaldo e Poliani. A empresa Carminati pela doação dos pintainhos. CAPES pela bolsa concedida neste último ano. Enfim, a todos os que por algum motivo contribuíram para a realização desta pesquisa.

7 Talvez não tenha conseguido fazer o melhor, mas lutei para que o melhor fosse feito. Não sou o que deveria ser, mas Graças a Deus, não sou o que era antes. (Martin Luther King)

8 RESUMO TENÓRIO, Andiara Gonçalves. Avaliação de desempenho, morfometria intestinal e qualidade de carne de frangos de corte alimentados com dietas suplementadas com extrato de algas f. Dissertação. Programa de Pós Graduação em Zootecnia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, A grande demanda da produção de derivados de origem avícola faz com que a cadeia produtiva busque por aditivos e suplementos capazes promover melhora do crescimento, produtividade, da qualidade do produto, e rentabilidade deste setor. Desta forma, o objetivo deste trabalho é avaliar a inserção de extrato de algas (EA) on top em frangos de corte fêmeas da linhagem Cobb, submetidos a diferentes níveis(0,3%;0,6%;0,9%;1,2%). Foram verificadas semanalmente durante o experimento as variáveis de desempenho zootécnico, sendo elas o peso vivo (PV), peso médio (PM), ganho de peso (GP), consumo de ração (CR) e conversão alimentar (CA) das aves. Aos sete e aos trinta e cinco dias foram realizadas coletas de intestino para a medição da vilosidade intestinal. Aos vinte oito dias, quatro aves de cada tratamento foram abatidas para a avaliação do rendimento da carcaça, perda de peso por gotejamento (PPG), perda de peso por cozimento (PPC), determinação da coloração do músculo Pectoralis major, determinação do ph, textura, composição química (umidade, cinza, lipídios, proteínas), oxidação lipídica (realizada após 120 dias de armazenamento). As variáveis respostas obtidas foram submetidas à análise estatística utilizando modelo linear generalizado (GLM) e o critério de informação de Akaike (AIC). Os resultados apresentaram efeito de tratamento no peso médio em todas as semanas do experimento. Na primeira semana (1-7 dias) verificou-se que o consumo de ração aumentou conforme a inclusão do extrato. Ainda aos 7 dias observou-se efeito de tratamento no desenvolvimento do diâmetro de cripta no jejuno. O diâmetro do vilo da região do íleo, também apresentou efeitos de tratamentos. Os resultados obtidos aos 28 dias mostraram que a inserção de extrato de algas no nível de 1,2 % diminuiu a deposição de gordura abdominal. Constatou-se que no nível de 1,2% o rendimento de pernas foi mais elevado. No entanto, conforme há um aumento do nível de extratos de algas, maior é a força de cisalhamento para o rompimento das fibras do músculo Pectoralis major. A inserção de alga, com os níveis utilizados, ainda diminui a absorção de água pelo músculo Pectoralis major. Para as demais variáveis analisadas não foram observadas efeito de tratamento. Concluiu-se que a inserção de extrato de algas afeta em alguns aspectos beneficamente: rendimento de pernas; deposição de gordura abdominal; PPC e melhora o desenvolvimento da região de cripta do duodeno e do jejuno. No entanto, pode prejudicar aspectos como textura, ou ainda não interferirem: consumo de ração e conversão alimentar. Palavras chaves: Frango de corte. Extrato de Algas. Qualidade da carne de frango.

9 Abstract TENÓRIO, Andiara Gonçalves. Performance evaluation, intestinal morphometry and meat quality of broiler chicken fed diets supplemented with algae extract f. Dissertação. Programa de Pós Graduação em Zootecnia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, The great production s demand of derived from poultry makes the productive chain seek additives and supplements that are able to promote improvement in growth, productivity, product quality and profitability of this sector. Therefore, this work aims to evaluate the insertion of algae extract on top (AE) in female broilers of Cobb lineage submitted with five levels (0%, 0,3%; 0,6%; 0,9%; 1,2%). During this experiment, the zootechnical performance variables have been weekly verified, as being the living weight (LW), middleweight (MW), weight gain (WG), ration consumption (RC) and food conversion (FC) of the poultry. On the seventh and on the thirty-fifth day, it has been collected the intestine for the measurement of intestinal villus. On the twenty-eighth day, four poultry of each treatment were slaughtered for the evaluation of the carcass yield, weight loss by drip (WLD), weight loss by baking (WLB), determination of the Pectoralis major muscle coloring, determination of the ph, texture, chemical composition (humidity, ash, lipids, proteins), lipid oxidation (carried after 120 days of storage). The dataobtained have been submitted to the statistic analysis using Generalized Linear Model (GLM) and the Information Criteria of Akaike (ICA). The results have shown a significant difference on the middleweight on all the weeks of the experiment. On the first week (1-7 days), it has been verified that the ration consumption increased with the extract inclusion. Still on the seventh day, it has been observed a significant difference between the treatments on the crypt diameter development in the duodenum and jejunum segments. The diameter of the villus from the ileum region has also showed a significant difference. The results obtained on the twenty eitght day have showed that the insertion of algae extract on the 1,2% level has decreased the abdominal fat deposition. It has been found that on the 1,2% level the yield of the thigh was higher. However, according to the growth of the algae extract level, higher is the shearing force to the fiber rupture of the Pectoralis Major muscle. The insertion of algae, with the used levels, still decreases the water absorption by the PectoralisMajor muscle. On the other variables analysed have not been observed significant differences. It has been concluded that the insertion of algae extract beneficially affects some aspects, like: thigh yield, abdominal fat deposition, WLB and it improves the development of the duodenun and jejunum crypt region. However, it can damage aspects like texture and not interfere in the ration consumption and food conversion. The results show that it is possible to identify that the usage of algae extract on the broiler diet helps the possible application of this product on the industrial chain. Keywords: Broiler. Algae Extract. Chicken Meat Quality.

10 LISTA DE FIGURA Figura 1- Fígado, coração e moela coletados para pesagem e íleo, jejuno e duodeno seccionados para realização da morfometria Figura 2- Medições realizadas nas análises de morfometria intestinal Figura 3- Peito e pernas de aves, alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, utilizadas para a pesagem na análise de rendimento Figura 4 Peitos das aves, alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, durante a análise de perda de peso por gotejamento... 55

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1-Funções lineares do peso médio de todos os períodos de realização do experimento períodos (1-7dias, 8-14dias, 15-21dias, 22-28dias, 29-35dias) Gráfico 2- Funções lineares do ganho de peso e consumo de ração, no período de 8-14dias Gráfico 3- Função linear do diâmetro de cripta do jejuno, no período de 1-7dias Gráfico 4- Função linear do diâmetro de vilo do íleo, no período de 1-7dias Gráfico 5- Função quadrática do diâmetro de cripta e peso de fígado aos 35 dias Gráfico 6- Função linear do rendimento de coxa (%) e de deposição de gordura abdominal (%) de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, avaliadas aos 28 dias Gráfico 7- Função linear da perda de peso por cozimento(g), textura (kgf)de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, avaliadas aos 28 dias... 63

12 LISTA DE TABELAS Tabela 1- Composição percentual da dieta experimental Tabela 2 - Media geral e avaliação dos modelos matemáticos das repetições por tratamento e período das variáveis de desempenho zootécnico (consumo de ração, ganho de peso, conversão alimentar, peso médio) de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de algas ontop. Variáveis analisadas semanalmente e no período total do experimento Tabela 3 Avaliação dos modelos matemáticos da morfometria intestinal deaves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de algas on top Tabela 4 Media geral das repetições por tratamento e período do comprimento intestinal e peso dos órgãos de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de algas on top. Avaliação dos modelos matemáticos do peso de órgão (coração, fígado e moela) e medida do intestino de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga Tabela 5- Composição percentual da dieta experimental Tabela 6- Média da composição química do músculo Pectoralis major de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, avaliadas aos 28 dias, onde: T1= ração basal a base de milho e soja, sem EA; T2= ração basal + 0,3% EA; T3=ração basal + 0,6% EA ;T4= ração basal + 0,9% EA; T5=ração basal + 1,2% EA Tabela 7- Rendimento de carcaça, peito, pernas e deposição de gordura, de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de algas avaliadas aos28 dias Tabela 8-Aspectos físicos da avaliação do músculo Pectoralis major perda de peso por cozimento (PPC), perda de peso por gotejamento (PPG), ph, textura, cor L*, a*,b*e oxidação lipídica de aves alimentadas com dietas suplementadas com extrato de algas avaliadas aos 28dias

13 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABPA Associação brasileira de proteína animal AIC Critério de informação de Akaike. CA Conversão alimentar das aves. CR Consumo de ração das aves. DHA Ácido docosa-hexaenóico GA Gordura abdominal GP Ganho de peso da ave das aves. EA Extrato de algas PC Peso de carcaça PI Peso inicial. PPC Perda de peso por cozimento. PPG Perda de peso por gotejamento. PV Peso vivo da ave. P48 Peso após 48 horas RC Rendimento de carcaça T1 Tratamento um, controle, ração basal a base de milho e soja. T2 Tratamento dois ração basal a base de milho e soja com a inclusãoon topde 0,3% de extrato de alga. T3 Tratamento trêsração basal a base de milho e soja com a inclusãoon topde 0,6% de extrato de alga. T4 Tratamento quatro ração basal a base de milho e soja com a inclusãoon topde 0,9% de extrato de alga. T5 Tratamento cinco ração basal a base de milho e soja com a inclusãoontopde1,2% de extrato de alga. TBARS Thiobarbituricacidreactivesubstances UTFPR Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

14 SUMÁRIO CAPÍTULO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS INTRODUÇÃO HIPÓTESE DA PESQUISA OBJETIVOS E METAS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SITUAÇÃO ATUAL DA AVICULTURA DE CORTE ALGAS QUALIDADE DA CARNE EFEITO DO USO DE ALGAS NA DIETA DE ANIMAIS REFERÊNCIAS CAPÍTULO 2- AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ZOOTÉCNICO E MORFOMETRIA INTESTINAL DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE EXTRATO DE ALGAS INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO MATERIAL E MÉTODOS DESEMPENHO ZOOTÉCNICO MORFOMETRIA INTESTINAL E MENSURAÇÃO DO PESO DE ALGUNS ÓRGÃOS ANÁLISE ESTATÍSTICA RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS CAPITULO 3 - AVALIAÇÃO DE RENDIMENTO E QUALIDADE DA CARNE DE FRANGOS DE CORTE SUPLEMENTADOS COM EXTRATO DE ALGA INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO MATERIAIS E MÉTODOS AVALIAÇÕES REALIZADAS RENDIMENTO DE CARCAÇA E PARTES PERDA DE PESO POR GOTEJAMENTO DETERMINAÇÃO DE PH DETERMINAÇÃO DA COLORAÇÃO DO MÚSCULO Pectoralis major... 56

15 2.6 PERDA DE PESO POR COZIMENTO TEXTURA UMIDADE CINZAS LIPÍDIOS PROTEÍNAS OXIDAÇÃO LIPÍDICA ANÁLISE ESTATÍSTICA RESULTADOS E DISCUSSÕES CONCLUSÃO REFERÊNCIAS CONSIDERAÇÕES FINAIS APÊNDICE A ANEXO A... 74

16 CAPÍTULO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1. INTRODUÇÃO A produção de carne de frango no Brasil apresenta expansão ano após ano, e esta está relacionada com a qualidade do produto final. Logo, pesquisas que abordam a melhoria da qualidade de carne são de extrema importância para a manutenção deste crescimento. Diversos fatores como: nutrição; idade; sexo; transporte; manejo; temperatura ambiente; métodos de apanhar as aves na granja; tempo de jejum; transporte; tecnologia de abate; tempo e temperatura de resfriamento; reconhecidamente, afetam a qualidade da carcaça e da carne de aves (MENDES e KOMIYAMA, 2011). Visando a melhora destas características, produtores de aves utilizam-se de recursos como a aplicação de aditivos na alimentação das aves. A aplicação de aditivos como os mananoligossacarídeos (ALBINO et al.,2006; FLEMMING,2005), os frutoligossacarídeos (DIONIZIO,2001; XU et al.,2003), enzimas(barbosa et al.,2012), ácidos orgânicos(da ROCHA et al., 2010), óleos essenciais (PICKLER; SANTIN e DA SILVA,2011), óleos funcionais (OLIVEIRA, 2012), e os probióticos são alternativas aos antibióticos (SANTOS et al., 2002). Também se pode citar pesquisas com extratos de vegetais (RIZZO et al., 2010) sendo inseridos como aditivos alternativos. Estudos relatam que extratos vegetais podem possuir diversos efeitos, tais como efeito antimicrobiano (MITSCH et al., 2004; SANTURIO et al., 2007), antioxidante (RACANICCI et al., 2008) e digestivo (MELLOR, 2000) capazes de melhorar o desempenho animal. Assim, análises sobre tais aditivos alternativas precisam ser realizadas para comprovação de seu sucesso. A alimentação das aves representa aproximadamente 70% do custo de produção. Buscar alternativas para reduzir os custos de produção, sem prejudicar o desempenho zootécnico é um grande desafio. A utilização de algas pode ser uma alternativa viável, se produzida em larga escala, pois tem alto valor nutritivo comparado a outros alimentos alternativos, além de não apresentar fator antinutricional. 13

17 2. HIPÓTESE DA PESQUISA A adição de aditivos alternativos na dieta de frangos é aplicada muitas vezes na busca por substitutos de antibióticos (FUKAYAMA et al., 2004), ou ainda para melhorar aspectos como rendimento da carcaça e absorção de nutrientes no trato gastrointestinal dos animais (SANTOS et al., 2005). As algas são de grande importância aos seres vivos aeróbicos, devido à produção de oxigênio (fotossíntese). Além disso, possuem aplicação na nutrição humana e animal, indústria de alimentos, fertilização do solo e outras áreas (SOUSA et al., 2008). A melhora da cor da carne e ovos, principais atributos na escolha do produto pelos consumidores (CARVALHO et al., 2006), podem ser alcançados com a suplementação de extrato de algas na alimentação das aves, uma vez que as algas são organismos ricos em carotenóides, além de contribuir para melhorar outros índices produtivos e a saúde do consumidor final. 14

18 3. OBJETIVOS E METAS 3.1 OBJETIVO GERAL Avaliar o desempenho, morfometria intestinal e qualidade de carne de frangos de corte alimentados com dietas suplementadas com extrato de algas on top. 3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Avaliar o desempenho zootécnico; Analisar a morfometria intestinal; Verificar a qualidade da carne do peito. 15

19 4. REVISÃOBIBLIOGRÁFICA 4.1 SITUAÇÃO ATUAL DA AVICULTURA DE CORTE Sendo considerada uma atividade produtiva altamente desenvolvida, a avicultura de corte brasileira está entre as maiores do mundo, juntamente com os Estados Unidos e China. Técnicas de melhoramento genético das aves, associada a técnicas de criação vem resultando em melhorias na produtividade das aves, na conversão alimentar e nas taxas de sobrevivência (ZIEBERT et al., 2012). De acordo com o relatório anual da Associação brasileira de proteína animal (ABPA, 2014), o Brasil foi o maior exportador mundial de carne de frango do mundo em 2013, sendo a região sul de maior concentração de produção. AABPA ainda relata que em 2013, o consumo per capita da carne de frango no país chegou a 41,80 quilos/habitante. O Brasil exportou aproximadamente 3,918milhões toneladas em 2013, sendo o Paraná o estado responsável por 29,35%, dos abates realizados no país. De acordo com a AVISITE (2014), até o mês de julho de 2014 o Brasil já havia produzido 1,70.8 milhões toneladas de carne de frango. Moreira et al. (2003) relata que critérios como a avaliação da qualidade da carcaça, rendimento de carcaça, produção de carne de peito e de pernas são fatores de suma importância dentro da cadeia produtiva de frangos de corte. A busca pela melhoria nestes aspectos é constante, sendo levados em conta desde o momento da produção dos animais. Para tanto, o uso de aditivos que visam acrescer a disponibilidade de proteína, redução de gordura, melhora na cor e na textura da carne é de grande importância (MOREIRA et al., 2003).Segundo Godoi et al. (2008) os aditivos empregados na produção animal possuem objetivos como: melhorar a saúde do trato gastrintestinal; aumentar as taxas de crescimento, eficiência alimentar e dejetos. A melhoria destes fatores reflete diretamente na qualidade do produto e consequentementena sua aceitação pelo consumidor. 4.2ALGAS As algas são organismos aquáticos existentes há 3,5 bilhões de anos (CABRAL, 2012), autotróficas, podem ser procariontes (cianobactérias) ou 16

20 eucariontes (algas verdadeiras) (VIEIRA, 2013). Segundo Carvalho e Roque (2000) as algas podem ser divididas em 11 grupos seguindo algumas características, tais como: morfológicas; citológicas; químicas; ou ainda de acordo com a substância de reserva das paredes celulares; presença ou não de flagelos; combinação e presença de pigmentos fotossensibilizantes; ciclo de vida; ausência de membrana no retículo endoplasmático; tipo e complexidade de ciclo de vida; entre outras. As algas de acordo com Vasconcelos e Gonçalves, (2014) também podem ser classificadas em macroalgas e microalgas. Existem espécies de microalgas quesão organismos heterotróficos, os quais necessitam de substâncias orgânicas fornecidas pelo ambiente para obtenção de energia (HAKIM, 2013).As microalgas apresentam uma alta taxa de crescimento, proporcionando uma produção de biomassa em intervalos de curto prazo. De acordo como Pulz e Gross (2004), sua produtividade é superior a qualquer sistema agrícola conhecido. As algas são consideradas fonte de proteínas; carboidratos; fibras; minerais e vitaminas como riboflavina; niacina; ácido pantatênico e fólico. No entanto a biodisponibilidade destes nutrientes depende da espécie e de suas composições químicas (FUJIMOTO e KANEDA, 1980). Pereira et al. (2012) cita os carboidratos, proteínas e lipídios como os principais componentes da biomassa de microalgas. Existem cerca de221 espécies de algas no mundo, que podem ser utilizadas de diversas formas. Destas, cerca de 145 espécies (66%) são utilizadas para alimentação (ZEMKE e OHNO, 1999). A produção de algas em alta escala teve início em 1960 no Japão com a cultura Chorella sp., desde então o interesse comercial da produção desta cultura vem aumentando, devido seu alto valor nutricional e comercial (VIEIRA, 2013). Atualmente os maiores produtores, consumidores e cultivadores de algas no mundo são Japão e China. No entanto, nas últimas décadas algumas empresas processadoras de algas incentivaram o desenvolvimento desta cultura em outros países como Filipinas, Namíbia, Indonésia, Tanzânia, Caribe, Chile, Venezuela, Cuba e Brasil, visando à produção de ágar e carragena para indústria alimentícia (CABRAL et. al., 2011; BOSTOCK et. al. 2010) No continente sul americano Chile é considerado o principal produtor de algas e derivados, já no Brasil tem-se pesquisado sobre o cultivo de diversas 17

21 espécies e a exploração de algas na costa Brasileira já possui um importante papel econômico (DOS SANTOS, GOMES, 2006). A aplicação de microalgas como enriquecimento nutricional para os animais é utilizada em diversos casos, principalmente em substituição ao óleo de peixe, uma vez que suas composições são semelhantes e sua aplicação torna-se mais vantajosa pelo seu cultivo ser sob condições controladas e estéreis (GANUZA et al., 2008). Hakim (2013) cita que as microalgas pertencentes ao gênero Schizochytrium sp.são consideradas uma alternativa para substituição de óleos de peixes pois seu crescimento é rápido e seu conteúdo de ácido docosahexaenoico (DHA) pode chegar até 48,95% do total de gordura. Diversas pesquisas apontam que as algas unicelulares, tais como Schizochytrium sp. entre outras são fontes promissoras de ácidos graxos essenciais e já estão sendo comercializadas como produto seco ou em formato de óleos (LI MENGHE et al., 2009). Há também algas ricas em pigmentos (carotenóides) com atividade provitamina A, B e C; e são fontes de compostos com atividades biológicas que podem ser utilizados como alimentos funcionais (ZHANG et al., 2004; DHARGALKAR e VERLECAR, 2009, MENGHE et al., 2009). De acordo com Boschini (2011), as algas possuem diversas substâncias antioxidantes naturais uma vez que estas sempre são submetidas a concentrações de O 2 e CO 2 e variações de intensidade de luz. Deste modo, a sobrevivência das algas depende de uma resposta eficiente ao estresse oxidativo. Ao adicionar algas em ração de poedeiras Herber e Van Elswyk (1998), constataram que a inserção de microalgas marinhas é útil para aumentar a presença de acido graxo alfa linolênico, mantendo a sua aceitação pelos consumidores do produto de ovo resultante.cortinas et al. (2004), afirma que a inclusão de diferente fontes de ácidos graxos na dieta de frangos interfere diretamente na proporção de ácidos graxos presentes na carne. 4.3 QUALIDADE DA CARNE Os principais atributos da qualidade da carne de aves são as propriedades funcionais. E sensórias (o sabor, aparência, suculência, textura) e ausência de 18

22 contaminação biológica e química. Dentre esses, a textura e a aparência podem ser citadas como os parâmetros principais, pois influenciam o consumidor na decisão de compra (FLETCHER, 2002). Além de seguros, isentos de contaminações microbiológicas e físicoquímicas (OLIVO; SHIMOKOMAKI, 2001), a busca por alimentos funcionais também é um fator de grande importância no momento da escolha do consumidor(de ALMEIDA,2013). Sendo assim, a cadeia produtiva do frango de corte busca oferecer cada vez mais produtos com estas características. A composição da carne de aves está intimamente relacionada com a dieta dos animais, a manipulação da composição de ácidos graxos na dieta dos frangos pode afetar diretamente na composição da gordura abdominal e do músculo Pectoralis major (SCAIFE et al.1994; HRDINKA et al., 1996). Suplementos para nutrição animal ricos em antioxidantes são de alto interesse, uma vez que pode prolongar a vida útil do produto final, diminuindo a formação de radicais livres. Um dos principais fatores que podem ocasionar a perda de qualidade de produtos cárneos é a oxidação lipídica. A oxidação pode afetar diretamente a coloração, valor nutritivo e textura da carne. Como a carne de frango possui uma composição rica em ácidos graxos, está mais propensa a sofrer processos oxidativos. Pesquisas são realizadas para prevenir e/ou minimizar o efeito da oxidação (BRITO, 2012). Pode-se afirmar ainda, que a qualidade da carne de aves tem relação direta com as propriedades físicas, químicas, morfológicas, microbiológicas, nutricionais e aspectos sensoriais. Nos aspectos físicos e químicos os fatores como cor, ph, textura, capacidade de absorção de água entre outras, são fatores que dependem diretamente dos substratos primários (umidade, gordura e proteína) (SOUZA, 2006). Fatores como, maximizar a disposição de proteína e reduzir o conteúdo de gordura, podem ser melhorados com o uso de aditivos na suplementação animal. Os efeitos positivos proporcionados por estes estão associados à presença dos princípios ativos. Estudos sobre a composição química e o mecanismo de ação das algas são de interesse para o desenvolvimento de novos aditivos, isto porque as algas apresentam alto valor nutricional por serem fontes de proteínas, carboidratos, fibras, minerais e vitaminas e apresentam baixo teor de gordura. Também são excelentes fontes de antioxidantes (riboflavina, niacina) ácidos pantotênico, ácido 19

23 fólico e minerais (DHARGALKAR e VERLECAR, 2009; CABRAL, 2012; ZANINI et al., 2002). 4.4 EFEITO DO USO DE ALGAS NA DIETA DE ANIMAIS A utilização de algas como complemento alimentar em animais vem sendo estudada em diversas espécies, em muitos casos a sua inclusão apresenta resultados satisfatórios. Em bovinos de corte, Melo et al. (2004),afirmam que farinha de algas calcárias promovem um aumento de ganho de peso dos animais, corroborando com os resultados de Souza (2002)que afirmam que tal ganho de peso tem relação com a melhora da digestibilidade aparente da proteína bruta, sendo este fator também confirmado por Orsine et al. (1989). Em suínos, O'Doherty et al. (2010), relatam que a dieta com isolado da alga Laminaria digitata, melhora o desempenho de crescimento e a saúde do intestino. Já em peixes,garcia et al.(2012) constatou que tilápias suplementadas com algas apresentam melhora nos parâmetros de ganho de peso, explica ainda que isto se deve aos polissacarídeos não amiláceos presentes nas algas. A presença destes constituintes auxilia na manutenção das vilosidades intestinais melhorando, portanto a absorção de nutrientes. Em codornas de postura, Melo(2006),afirma que a utilização de farinha de algas marinhas melhora o desempenho, o aumento no peso de gema e melhora a qualidade da casca de ovos por possuir altos teores de cálcio. Ross e Warren (1990),relata que a adição de alga (spirulina) é uma ótima opção de fonte de proteína, apresentando taxas de crescimento e eficiência alimentar satisfatórias. Os benefícios da utilização de algas na dieta de animais estão associados à capacidade de melhora no funcionamento do sistema digestório dos animais. O sistema digestório das aves (cavidade oral, esôfago, papo, proventrículo, moela, intestino delgado, cecos, cólon e cloaca) é responsável pela apreensão, digestão, absorção e eliminação do alimento (GAVA, 2012). A absorção dos nutrientes é a função primordial do intestino delgado (duodeno, jejuno e íleo). Parte da digestão ocorre na superfície das vilosidades. O número e tamanho dos vilos dependem do número de células que o compõem, quanto maior o número de células, maior o 20

24 tamanho do vilo, consequentemente maior a área de absorção de nutrientes (BOARO M., 2009). Yamauchie Isshiki, (1991) afirmam que quanto mais velha a ave maior e o tamanho de suas vilosidades. Já Ambrozini et al., (2005) constatarão uma relação do peso das aves aos 7 dias e aos 35 dias de idade. Quanto maior o peso aos sete dias, proporcional é o aumento de peso aos 35 dias. Fato esse que mostra a importância do estudo da morfologia intestinal de frangos de corte na primeira semana de vida. Melo et al. (2004) e Turner et al. (2002) ressaltam que o uso de algas A. nodosum apresenta um grande potencial produtivo, além de atuar melhorando a resistência imunológica de animais como suínos, aves, caprinos e bovinos. O uso de extratos vegetais inseridos na nutrição de animais como um promotor de crescimento é justificado pelos diversos benefícios de origem orgânica das algas. Os nutrientes contidos na farinha de algas marinhas possuem fácil absorção pelo organismo animal e suprem eficazmente deficiências nutricionais. Além disto, o alto teor protéico, o elevado conteúdo de fibras e ainda o grande número de minerais destacam a importância do uso como suplemento de rações para diversos animais (COSTA NETO et al. 2010). 21

25 REFERÊNCIAS ABPA (Associação brasileira de proteína animal) - Estatística Disponível em: <http://www.ubabef.com.br/estatisticas/frango/consumo_per_capita>. Acesso em: 22 jul ALBINO, Luiz Fernando Teixeira et al. Uso de prebióticos à base de mananoligossacarídeo em rações para frangos de corte. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 35, n. 3, p , AMBROZINNI, BJERRUM, L., PERDERSEN, A.B., ENGBERG, R.M. The influence of whole wheat feeding on Salmonella infection and gut flora composition in broilers. Avian Diseases, 49: AVISITE. União Brasileira de Avicultura. Consumo de carne de frango Disponível em: <http://www.avisite.com.br/noticias>. Acesso em: 21 jun BOARO, Márcia. Morfofisiologia do trato intestinal. In: CONFERENCIA FACTA DE CIENCIA E TECNOLOGIA AVICOLAS BARBOSA, Nei André Arruda ; SAKOMURA, Nilva Kazue; BONATO, Melina Aparecida; HAUSCHILD, Luciano; OVIEDO-RONDON, Edgar. Enzimas exógenas em dietas de frangos de corte: desempenho; Exogenous enzymes in broilers fed diets: performance. Ciência Rural, v. 42, n. 8, p , BRITO, Poliana de Paula. Avaliação de características de qualidade e propriedades funcionais da carne mecanicamente separada de frango tratada com diferentes taxas de dose de radiação ionizante e uso de antioxidantes f.Tese (Doutorado em Biotecnologia). Universidade de São Paulo. BOSCHINI, Carolina. Antioxidantes na dieta de frangos de corte. 2011, 75f. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) Universidade Federal de Pelotas, Pelotas BOSTOCK, John et al. Aquaculture: global status and trends. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, v. 365, n. 1554, p , CABRAL, Ingridy Simone Ribeiro.Extrato de algas marinhas como agentes antioxidantes e antimicrobianos e seus efeitos na qualidade de Mincedde tilápia (Oreochromisniloticus) f. Tese (Doutorado em Química na Agricultura e no Ambiente)- Centro de energia Nuclear na Agricultura, Universidade de são Paulo, Piracicaba,

26 CARVALHO, Luciana Retz; ROQUE, Nidia F. Fenóis halogenados e/ou sulfatados de macroalgas marinhas. Quimica Nova, v. 23, n. 6, p. 757, CARVALHO, Paulo Reis de et al. Influência da adição de fontes marinhas de carotenoides à dieta de galinhas poedeiras na pigmentação da gema do ovo. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 43, n. 5, p , CORTINAS, L., VILLAVERDE, C., GALOBART, J., BAUCELLS, M. D., CODONY, R., & BARROETA, A. C. (2004).Fatty acid content in chicken thigh and breast as affected by dietary polyunsaturation level. Poultry science, 83(7), COSTA NETO, João Moreira; TEIXEIRA, Raquel Graça; SÁ, Marcelo Jorge Cavalcanti de; LIMA, Alessandra Estrela1; JACINTO-ARAGÃO, Glauber Sergio; TEIXEIRA, Marcelo Weinstein; MARTINS FILHO, Emanoel Ferreira; Farinha de algas marinhas ( Lithothamniumcalcareum ) como suplemento mineral na cicatrização óssea de autoenxerto cortical em cães. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, v. 11, n. 1, DOS SANTOS, Wagner Amador; GOMES, Eli Anatraversim. IMPORTÂNCIA ECONÔMICA DOS COSTÕES ROCHOSOS ECONOMIC IMPORTANCE OF ROCKY COAST. Saúde & Ambiente em Revista, Duque de Caxias, v.1, n.2, p.51-59, jul-dez 2006 DA ROCHA, André Pazos; ABREU, Ricardo Duarte; DA COSTA, Maria do Carmo M. Marques; OLIVEIRA, Gabriel Jorge Carneiro; ALBINATI, Ricardo Castelo Branco; DA PAZ, Arilson Santos; QUEIROZ, LailaneGoes de. Prebióticos, ácidos orgânicos e probióticos em rações para frangos de corte. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, v. 11, n. 3, DE ALMEIDA, Juliana Nunes, DOS SANTOS, GleiceRocha ; BETETO, Flávia Maria, Medeiros, Lara Gonçalves,OBA, Alexandre; SHIMOKOMAKI, Massami; SOARES, Adriana Lourenço.Suplementação de selênio quelatado na ração e qualidade da carne de frango. Semina: Ciências Agrárias, v. 33, n. 6, p , DHARGALKAR, V. K.; VERLECAR, X. N. Southern Ocean seaweeds: A resource for exploration in food and drugs. Aquaculture, v. 287, n. 3, p , 2009 DIONIZIO, M. A. Prebióticos como promotores de crescimento para frangos de corte p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras,

27 FLEMMING, José Sidney. Utilização de leveduras, probióticos e mananoligossacarídeos (MOS) na alimentação de frangos de corte F. Tese(Doutorado em Tecnologia em Alimentos). Universidade Federal do Paraná FLETCHER,D.L Poultry meat quality. World s Poultry Science Journal.v.58,n.2, p ,2002 FUKAYAMA, Ellen Hatsum;BERTECHINI,Antonio Gilberto; GERALDO, Adriano; KATO, Reinaldo Kanji; MURGAS, Luis David Solis. Extrato de orégano como aditivo em rações de frangos de corte Revista.Brasileira de zootecnia. 2005, vol.34, n.6, suppl., pp FUJIMOTO, K.; KANEDA, T. Screening test for antioxigenic compounds from marine algae and fraction from Eiseniabicyclisand Undariapinnatifida.Bull Japan Society Science Fisheries, v.46, p , GANUZA, E. ;T. Benítez-Santana; E. Atalah; O. Vega-Orellana, ;R. Ganga; M.S. Izquierdo. Crypthecodiniumcohnii and Schizochytrium sp. as potential substitutes to fisheries-derived oils from seabream (Sparusaurata) microdiets. Aquicultura, v 277, n. 1, p , GARCIA, Fabiana; ABIMORAD, Eduardo Gianini; SCHALCH, Sérgio Henrique Canelo; ONAKA,Eduardo Mokoto FONSECA, Fernando Stopato da.. Desempenho produtivo de tilápias alimentadas com suplemento alimentar à base de algas. Bioikos, v. 23, n. 2, GAVA, Marta Silva. Metodologia de morfometria intestinal em frango de corte f. Dissertação (Mestrado em Ciência Veterinária), Universidade Federal, GODOI, Mauro Jarbas de Souza,; ALBINO, Luiz Fernando Teixeira; ROSTAGNO,Horacio Santiago; GOMES, Paulo Cezar; BARRETO, Sergio Luiz de Toledo; JUNIOR, José Geraldo de Vargas. Utilização de aditivos em rações formuladas com milho normal e de baixa qualidade para frangos de corte. Revista Brasileira de Zootecnia, 2008, vol.37, n.6, pp HAKIM, Arif Rahman.The potential of heterotrophic microalgae (Schizochytrium sp.) as a source of dha. SQUALEN, v. 7, n. 1, p ,

28 HERBER-McNeill, SM; VAN ELSWYK, ME Dietary algas marinhas mantém ovo aceitação pelos consumidores, reforçando simultaneamente a gema de cor. Ciência Avícola, v. 77, n. 3, p , HRDINKA, C.; ZOLLITSCH, W.; KNAUS, W. et al. Effects of dietary fatty acids pattern on melting point and composition of adipose tissues and intramuscular fat of broiler carcasses. Poultry Science Journal, v.75, p , o 1996., p , MELO,P.C., C.A.R. Franco e A.R. Franco Uso de farinha de algas marinhas (Lithothamnium sp) na suplementação mineral de bovinos de corte. Disponível em: <www.calmarmineracao. com.br> MELO, Thiago Vasconcelos. Utilização de farinha de algas marinhas (Lithothamnium calcareum) e de fosfato monoamônio em rações para codornas japonesas em postura criadas sob condições de calor f. Tese (Mestre em produção animal) Universidade Estadual do Norte Fluminense MELO, T.V., P.P. Mendonça, A.M.A. Moura, C.T. Lombardi, R.A. Ferreira e V.L.H. Nery Solubilidad in vitro de algunasfuentes de cálcio utilizadas em alimentacion animal. Archivos Zootecnia,vol. 55, num 211,setembro, 2006, pp , Universidade de Córdoba, España. MELLOR, Sarah. Alternatives to antibiotic. Pig Progress, v.16, p.18-21, MENDES, Ariel Antonio; KOMIYAMA, Claudia Marie. Estratégias de manejo de frangos de corte visando qualidade de carcaça e carne. Revista Brasileira de Zootecnia, v.40, p , MITSCH, P.; ZITTERL-EGLSEER, K.; KOHLER, B.The effect of two different blends of essential oil components on the proliferation of Clostridium perfringens in the intestines of broiler chickens. Poultry Science, v.83, p , MOREIRA, Joerley; MENDES Ariel Antônio; GARCIA Edivaldo Antônio; OLIVEIRA Ricardo Pinto de; GARCIA Rodrigo Garófallo ; ALMEIDA Ibiara Correia Lima. Avaliação de desempenho, rendimento de carcaça e qualidade da carne do peito em frangos de linhagens de conformação versus convencionais. Revista Brasileira de Zootecnia. 2003, vol.32, n.6, suppl.1, pp LI,HMenghe; Edwin H. Robinson; Craig S. Tucker; Bruce B. Manning; Lester Khoo.. Effects of dried algae Schizochytrium sp., a rich source of docosahexaenoic acid, 25

29 on growth, fatty acid composition, and sensory quality of channel catfish Ictaluruspunctatus Aquaculture, v. 292, n. 3, p , OLIVEIRA, Janaína de Paula de. Avaliação de Óleos Essenciais, extratos Vegetais e Óleos funcionais los dietas de frango de corte. 2012, 67f. Tese (Mestre em Fisiologia) Universidade Estadual do Paraná, OLIVO, Rubison.; SUSTOS, Adriana Lourenço; IDA, Elza. Iouko.; SHIMOKOMAKI, Massami. Dietary vitamin E inhibits poultry PSE and improves meat functional properties. JournalofFoodBiochemistry, Trumbull, v. 25, n. 4, p , 2001 ORSINE, GeisaFleury ; COSTA, Celso de Paula; OLIVEIRABenir; RODRIGUES, Deborah Gonçalves e Oliveira,CLIZEIDE R. Efeito da fonte de cálcio (calcário vslithothamniumcalcareum) na digestibilidade aparente do feno de capim BrachiariadecumbensStach cv. BASILISKI. Pesquisa Agropecuária Tropical (PAT), v.19: O'DOHERTY,J.V.;DILLON, S. ;S. FIGAT, ; CALLAN, J.J. ; SWEENEY T..The effects of lactose inclusion and seaweed extract derived from Laminaria spp. on performance, digestibility of diet components and microbial populations in newly weaned pigs. Animal Feed Science and Technology, 157 (3 4) (2010), pp PEREIRA, Claudio MP ;Hobuss,Cristiane B. ; Maciel,Juliana Villela ; Ferreira, Lizângela R. ; Pino, Francisco B. Del ; Mesko, Márcia F.; Lopes, Eduardo Jacob; Neto, Pio Colepicolo. Biodiesel derivedfrommicroalgae: advancesand perspectives. Química Nova, v. 35, n. 10, p , PICKLER, Larissa; SANTIN, Elizabeth; DA SILVA, Ana Vitória Fischer. Alternativas aos antibioticos para equilibrar a microbiota gastrointestinal de frangos. Archives of Veterinary Science, v. 16, n. 3, PULZ, Otto.; GROSS, Wolfgang. Valuable products from biotechnology microalgae.applied Microbiology Biotechnology, v.65, n.6, p , LU-JING, Ren, GUAN-NAN Sun, XIAO-JUN Ji, XUE-CHAO Hu, He Huang.Compositional shift in lipid fractions during lipid accumulation and turnover in Schizochytrium sp. Bioresource technology, v. 157, p ,

30 RACANICCI, Aline.M.C.; DANIELSEN, Bente; SKIBSTED, Leif.H. Mate (Ilex paraguariensis) as a source of water extractable antioxidant for use in chicken meat. European Food Research Technology, v.227, p , RIZZO, P.V.; MENTEN, J.F.M.; RACANICCI, A.M.C. et al. Extratos vegetais em dietas para frangos de corte. Revista Brasileira de Zootecnia, v.39, p , ROSS, Ernest; Dominy, WARREN. O valor nutricional do desidratada, algas verdeazuladas (plantensisspirulina) para aves. Poultry Science, v. 69, n.5, p , SANTOS, Éder Clementino; TEIXEIRA, Antônio Soares; FREITAS, Rilke Tadeu Fonseca; Rodrigues, Paulo Borges; DIAS, Eustáquio Souza; MURGAS, Luis David Solis.Uso de aditivos promotores de crescimento sobre o desempenho, características de carcaça e bactérias totais do intestino de frangos de corte. Ciência Agrotec. 2005, vol.29, n.1, pp SANTOS, E. C. et al. Efeitos dos aditivos beneficiadores de crescimento sobre bactérias totais, ph intestinal e ph das rações de frangos de corte. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, v SANTURIO, Janio Morais.; SANTURIO, Deise Flores; POZZATTI, Patrícia.; MORAES,Cristiane; FRANCHIN,Paulo Rogério, ALVES Sydney Hartz. Atividade antimicrobiana dos óleos essenciais de orégano, tomilho e canela frente asorovares de Salmonella entérica de origem avícola. Ciência Rural, v.37, n.3, p , SCAIFE, J.R.; MOYO, J.; GALBRAITH, H. et al. Effect o different dietary supplemental fats and oils on the tissue fatty acid composition and growth of female broilers. British poultryscience, v. 35, n. 1, p , SOUSA, Márcia Barbosa et al. α-, β-caroteno e α-tocoferol em algas marinhas in natura. Ciência Tecnologia Alimentos, v. 28, n. 4, p , SOUZA, H. B. A. Parâmetros físicos e sensoriais utilizados para Avaliação dequalidade da carne de frango. In: V Seminário Internacional de Aves e Suínos AveSui, 2006 Avicultura. Florianópolis: Disponível em: <www.cnpsa.embrapa.br/down.php?tipo=publicacoes&cod_publicacao=793> Acesso em: 16 de setembro de SOUZA, E.F Relatório sobre experimento com o uso de farinha de algas marinhas na suplementação mineral de bovinos de corte. Disponível em: 27

31 com.br/conteudo/experimentos_lc300_ suplementacao_bovinos.pdf. Acesso em 15/ 07/2014. SUN, Lina et al. Differential effects of nutrient limitations on biochemical constituents and docosahexaenoic acid production of Schizochytrium sp. Bioresource technology, v. 159, p , TURNER, J.L.; DRITZ, S.S.; HIGGINS, S.S.; MINTON, J.E. Effects of Ascphyllumnodosum extract on growth performance and immune function of young pigs challenged with Salmonella typhimurium. Journalof Animal Science, v.80, p , VASCONCELOS, Bárbara Monique de Freitas; GONÇALVES, Alex Augusto. Macroalgas e seus usos alternativas para as indústrias brasileiras. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 8, n. 5, p , VIEIRA, Tamires de Queiroz. Uso de resíduo as Líquidos no cultivo de microalgas com potencial para produção de biocombustíveis. Campina Grande, UEPB, 2013,61 p. (Monografia para graduação em engenharia sanitária ambiental) XU, Z. R.; HU, C. H.; XIA, M. S. X. et al. Effects of dietary fructooligosaccharide on digestive enzyme activities, intestinal microflora and morphology of male broilers. Poultry Science, v. 82, p , ZANINI, SURAMA FREITAS et al. Composição da carcaça de frangos de corte submetidos a dieta com farinha de algas. REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA VILA VELHA (ES), v. 3, n. 1, JANEIRO/JULHO DE 2002, v. 3, n. 1, p. 46, ZEMKE-White, LINDSEY.W.,OHNO, Masao., World seaweed utilization: an end of century summery. Jorurnal of Applied. Phycology. 11, ZHANG,Quanbin;NING, Li ; LIU, Xiguang, ZHAO, Zengqin, Li,Zhien; Xu,Zuhong.The structure of a sulfated galactan from Porphyrahaitanensis and its in vivo antioxidant activity.carbohyd. Res.,339: , YAMAUCHI K.S.; ISSHIKI Y. Post-Hatching Development Changes in the Ultrastructure of the Duodenal Absortive Epithelial Cells in 1, 10 and 60-D-Old Chickens, With Special Reference to Mitocondria. Katagana University, Miki-Cho, Kagana-Ken, Japan; 1991; 761p. 28

32 ZIEBERT, R. A. SHIKIDA, PERY, F. A. (2012). Avicultura E Integração Em Santa Helena (Pr): Uma Abordagem A Partir Da Nova Economia Institucional. Disponível em: /12/05O284.pdf Acessado em: 06 de novembro

33 CAPÍTULO 2- AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ZOOTÉCNICO E MORFOMETRIA INTESTINAL DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE EXTRATO DE ALGAS Resumo: A grande demanda de produção de derivados de origem avícola faz com que a cadeia produtiva busque por aditivos e suplementos capazes promover crescimento, produtividade e rentabilidade deste setor. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a inclusão on top de cinco níveis de extrato de algas na dieta de frangos de corte (0%, 0,3%;0,6%;0,9%;1,2%), comparando-os. Para tanto foram avaliados semanalmente o peso vivo (PV), peso médio (PM), ganho de peso (GP), consumo de ração (CR) e conversão alimentar (CA) das aves. Aos sete e aos trinta e cinco dias foram coletados primeiro terço de cada parte do intestino para o estudo da morfometria intestinal.os resultados apresentou efeito de tratamento no peso médio em todas as semanas do experimento, à medida que cresceu o nível de inserção do extrato de algas, cresceu também o peso médio das aves. Na primeira semana (1-7dias) verificou-se que o consumo de ração apresentou efeito de tratamento, sendo uma função linear crescente, ou seja, conforme cresceu a inclusão on top de extrato de algas, cresceu também o consumo de ração das aves. Nesta fase também foi constatado a efeito de tratamento no desenvolvimento do diâmetro de cripta nos segmentos duodeno e jejuno, conforme é inserido extrato de algas na dieta, maiores as medidas destes segmentos. O diâmetro do vilo da região do íleo, também apresentou uma função linear crescente. O peso de fígado foi maior no nível de inserção de 0,9%. No sentido apresentado pelos resultados, é possível identificar que a aplicação de extrato de algas na dieta de frangos de corte é benéfica em algumas situações, o que favorece a possível aplicação deste produto na cadeia industrial. Palavras-chaves: Extrato de algas. Morfometriaintestinal. Frango de corte. 1. INTRODUÇÃO Sendo considerada uma atividade altamente desenvolvida, a avicultura de corte no Brasil vem se destacando no mercado internacional. Em 2013, o Brasil foi considerado o maior exportador de frango do mundo (UBABEF, 2013).Em 2014,de acordo com a AVISITE (2014), até o mês de novembro, o Brasil já havia produzido ,9 mil toneladas de carne de frango. Devido ao ciclo rápido de produção, e a demanda por produtos de origem avícola, abusca por aditivos capazes de promover o crescimento ou ainda melhorar a produtividade e rentabilidade deste setor é altamente significativa (SANTANA et al., 2011). Dessa forma, a inserção de extratos vegetais é considerada uma boa opção, visto que estes possuem efeitos antioxidante (RACANICCI et al., 2008), 30

34 antimicrobiano(mitsch et al., 2004, SANTURIO et al., 2007) e digestivo (KAMEL, 2000;MELLOR, 2000). Dentre osextratos vegetais háo extrato de algas, que já em sido aplicado como aditivo na inclusão de diversas espécies animais. Melo et al. (2004), Orsine et al (1989) afirmam que farinha de algas calcárias promove um aumento de ganho de peso em bovinos. Alvarenga et al. (2011) citam o uso de algas, como forma de substituir o milho ou o farelo de soja da base das rações comerciais., isso é possível, uma vez que algas do gênero Spirulina contém cerca de 60 a 70% de proteína. Em codornas de postura, Melo e Moura (2009) também observaram a melhora no desempenho, além do aumento no peso de gema e melhora da qualidade da casca dos ovos. Garcia et al.(2012), constataram em tilápias um aumento de ganho de peso dos animais, além de auxiliar na manutenção das vilosidades intestinais melhorando, a absorção de nutrientes. O'Doherty et al. (2010), constataram que a inserção de algas na dieta de suínos melhora o desempenho de crescimento e a saúde do intestino. Em frangos de corte, Pope et al (2002) e Melo et al (2006),observou um maior ganho de peso e melhora na conversão alimentar. Assim, este trabalho tem por objetivo avaliar a adição on top de diferentes níveis (0%,0,3%;0,6%;0,9%;1,2%) de extrato de algas na dieta de frangos de corte, verificando o desempenho e morfometria intestinal de frangos de corte alimentados com as dietas suplementadas com o extrato de algas. 2. MATERIAL E MÉTODOS O presente experimento foi aprovado pelo Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) da UTFPR, campus Dois Vizinhos, protocolo n , (Anexo- A). A pesquisa foi conduzida no aviário experimental da Universidade Tecnológica Federal do Paraná campus Dois Vizinhos localizado na latitude sul e longitude oeste,estando a uma altitude média de 509 metros, cujo clima é subtropical com chuvas bem distribuídas durante o ano, temperaturas médias anuais de 19ºC e tipo climático Cfa segundo classificação de Köppen (ALVARES et al. 2013). 31

35 Para a realização deste estudo utilizou-se um delineamento em blocos ao acaso, empregando-se 760 pintos de corte de um dia de idade, fêmeas da linhagem Cobb, alojados em aviário experimental dividido em box de 1,2m², forrado com maravalha. No início do experimento, os pintos foram pesados (peso médio 49g) e distribuídos em cinco tratamentos com oito repetições, onde foram criados até 35 dias de idade. A ração foi fornecida ad libitum em comedouro tubular e a água em bebedouro tipo nipple. A programação de luz foi realizada de acordo com especificações do manual da linhagem. Os tratamentos avaliados consistiram em níveis crescentes de extrato de algas (EA) adicionado on top à dieta das aves, ou seja, sem ocorrer reformulação das dietas, sendo utilizadas as seguintes adições de 0,3%; 0,6%; 0,9%;1,2% de extrato de algas. As rações experimentais foram formuladas de acordo com as recomendações descritas em Rostagno et al. (2011). O EA foi adicionado durante a mistura dos ingredientes (Tabela 1). 32

36 Tabela 1- Composição percentual da dieta experimental. Ingredientes kg 1-21dias dias Milho grão (7,5%) 52,44 58,19 Soja farelo 38 31,5 Óleo soja 4 5 Sal comum 0,2 0,2 Fosfato bicálcico 18 0,8 0,6 Dl-metionina 0,3 0,23 L-lisina 78 0,15 0,25 L-treonina 98 0,11 0,13 Suplemento vitamínico e mineral* 4 4 Extrato de algas 0 0 Total em kg Composição nutricional calculada Proteína Bruta, % 21,623 19,027 Cálcio, % 1,1299 1,0509 Fósforo Total, % 0,6941 0,6246 Fósforo Disponível, % 0,4582 0,4054 Sódio, % 0,2144 0,2142 Energia Met Ap., Kcal/kg 3003, ,1804 Lisina, % 1,2881 1,1201 Lisina Digestível, % 1,1696 1,0153 Metionina, % 0,6475 0,5472 Metionina, % 0,6384 0,5382 Met+ Cist, % 0,9087 0,7828 Triptofano, % 0,2476 0,2118 Treonina, % 0,8281 0,7594 *Níveis de garantia do suplemento vitamínico e mineral por Kg do produto: Ácido Fólico (mín) 7,5 mg, Ácido Pantotênico (mín) 100 mg, Bacitracina de Zinco mg, Biotina (mín) 0,5 mg, Cálcio (mín) 200 g, Cálcio (máx) 300 g/kg; Cobre (mín) 165 mg, Colina (mín) mg, Ferro (mín) mg, Fósforo (mín) 58 g, Flúor (máxi) 580 mg/kg; Iodo (mín) 33 mg, Manganês (mín) mg, Metionina (mín) 18,2 g, Niacina (mín) 300 mg, Selênio (mín) 5 mg, Sódio (mín) 37,1 g, Vitamina A (mín) UI, Vitamina B1 (mín) 10 mg, Vitamina B12 (mín) 125 mcg, Vitamina B2 (mín) 50 mg, Vitamina B6 (mín) 15 mg, Vitamina D3 (mín) UI, Vitamina E (mín) 162,5 UI, Vitamina K3 (mín) 25 mg, Zinco (mín) mg. 2.1 DESEMPENHO ZOOTÉCNICO Para o desempenho zootécnico, as aves foram avaliadas aos 7, 14, 21, 28 e 35 dias de idade através do peso vivo, ganho de peso (GP), consumo de ração (CR) e conversão alimentar (CA),sendo que a CA foi calculada pela relação entre o ganho de peso e o consumo de ração. Utilizou-se como critério de correção o peso das aves mortas nas diferentes fases e no período total. 33

37 O consumo de ração foi calculado pela diferença entre a quantidade de ração fornecida e as sobras das rações experimentais, pesadas no início e no final de cada semana do experimento. Para determinação do ganho de peso, as aves foram pesadas no início e no final de cada semana do experimento. A partir dos dados de consumo de ração e ganho de peso, calculou-se a conversão alimentar dos animais nos períodos. 2.2 MORFOMETRIA INTESTINAL E MENSURAÇÃO DO PESO DE ALGUNS ÓRGÃOS Aos 7 e 35 dias de idade das aves foram realizadas coletas de intestino para verificar morfometria intestinal e mensurar o peso do coração, moela e fígado. Em cada coleta foi utilizada uma ave por repetição, de acordo com o peso médio da repetição. As aves foram abatidas por desarticulação cervical e necropsiadas para a realização da medição do intestino, coleta dos órgãos para pesagem (coração, fígado e moela) e coleta de aproximadamente 3 cm de comprimento do primeiro terço de cada um dos segmentos (duodeno, jejuno e íleo) de cada ave (Figura 1). Figura 1- Fígado, coração e moela coletados para pesagem e íleo, jejuno e duodenoseccionados para realização da morfometria. Legenda: 1-fígado, 2-coração, 3- moela,a- íleo sendo seccionado para limpeza; B- jejuno seccionado e limpo;.c- duodeno seccionado e limpo. 34

38 Após a coleta, os fragmentos dos segmentos de intestino foram lavados com solução salina a 0,9% e submergidos em líquido fixador de Alfac (85mL de álcool 80%, 15mL de formaldeído(37-40%) e 5 ml de ácido acético glacial) por 16 horas. Em seguida foram desidratados em uma série crescente de álcoois (30 minutos em álcool 80%, 30 minutos em álcool 95%, 60 minutos em álcool 100%), tratados em Toluol e incluídos em parafina conforme o descrito por Ribeiro et. al. (2012). Os blocos foram cortados em micrótomo na espessura de 5µm. Os cortes histológicos foram corados com Hematoxilina e Eosina (HE) (Beçak e Paulete, 1976). Com o auxílio de um fotomicroscópio de luz acoplado em um computador com um sistema de análise de imagens (UTHSCSA ImageTool. Version 3.0) foram medidos em 10 vilos distintos: a altura e largura de vilosidade, região e diâmetro de cripta e espessura da muscular da mucosa (Figura 2) (GAVA, 2012). Figura 2- Medições realizadas nas análises de morfometria intestinal Legenda :A -altura de vilo, B- largura do vilo, C-região de cripta, D- diâmetro de cripta e E espessura da muscular da mucosa. 2.3 ANÁLISE ESTATÍSTICA Os dados obtidos foram submetidos à análise estatística realizada por meio do modelo linear generalizado com função de distribuição Gamma e função de 35

39 ligação inversa. Em cada variável analisada considerou-se os seguintes modelos matemáticos: (1) (2) Onde e é a observação na unidade experimental que recebeu o tratamento,, no bloco ; é a media geral; é o efeito de bloco ; é o efeito de tratamento e é o erro na unidade experimental observada.. A equação 1 descreve a variável pela média geral mais um efeito de bloco, enquanto que a equação 2 descreve a variável pela média geral, um efeito de bloco e um efeito de tratamento. Estes modelos foram avaliados utilizando o Critério de informação Akaika (AIC) (Burnham e Anderson, 2002). (3) Onde N é o número de dados, SS é soma dos quadrados e K é o número de parâmetros de um modelo (MOTULSKY e CHRISTOPOULOS, 2003). Segundo este critério o modelo mais adequado para descrever os dados é aquele que apresenta o menor valor de AIC. Para dois modelos concorrentes diferenças de AIC menores que dois não são consideradas significativas (BURNHAM e ANDERSON, 2002 e MOTULSKY e CHRISTOPOULOS, 2003). Neste trabalho, caso o valor de AIC indique o modelo 2 como o mais adequado, pode-se concluir que há efeito de tratamento na variável estudada. No caso da presença de efeito de tratamento foi ajustada uma equação para descrever o comportamento da variável em função dos níveis de extrato de algas. Equações lineares quadráticas e cubicas foram consideradas e a seleção da mais adequadas se deutambém através do AIC. Estas equações forma graficadas para melhor observação do comportamento da variável estudada em resposta ao aumentodos nível do extrato de algas. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados do desempenho zootécnico mostram que em todos os períodos avaliados, o peso médio apresentou efeito de tratamentos(tabela 2).Estes 36

40 resultados são corroborados por Alves Filho et al., (2011), que suplementaram alevinos de tilápia do Nilo com farinha da macro algas Ascophyllumnodosu, Este efeito pode ser relacionado à composição do extrato, uma vez que este éconsiderado: fonte de proteínas; carboidratos; fibras; minerais; vitaminas; riboflavina; niacina; ácido pantatênico e fólico; sendo rico em compostos biologicamente ativos, como os compostos polissacarídeos sulfurados (ARCHER et al., 2007).Já Menghe et al. (2009) em seu experimento com Bagre americano (Ictaluruspunctatus ), verificou que animais alimentados com a adição de 1,0% de algas secas (Schizochytrium sp.) apresentaram um maior ganho de peso quando comparados aos animais alimentados com ração basal (sem algas). 37

41 Tabela 2 - Media geral e avaliação dos modelos matemáticos das repetições por tratamento e período das variáveis de desempenho zootécnico (consumo de ração, ganho de peso, conversão alimentar, peso médio) de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de algas on top. Variáveis analisadas semanalmente e no período total do experimento. Consumo de Ração Diário médio (g) Ganho de Peso Diário médio (g) Conversão Alimentar Peso Médio(g) * 17,44 12,23 1, ,3 13,21 1, ,6 12,77 1, ,41 12,6 1,, ,06 13,14 1, ,98-0,024-1,26 2,43* Consumo de Ração Diário médio (g) Ganho de Peso Diário médio (g) Conversão Alimentar Peso Médio(g) * 46,47 27,82 1, ,29 29,77 1, ,74 29,92 1, ,6 30,58 1,, ,56 30,9 1, ,01* 6,52* 0,57 4,95* Consumo de Ração Diário médio (g) Ganho de Peso Diário médio (g) Conversão Alimentar Peso Médio(g) * 74,65 46,23 1, , , ,94 48,27 1, ,53 49,26 1,, ,01 48,66 1, ,99 0,95-0,45 4,74* Período22 28 dias Consumo de Ração Diário médio (g) 111,03 110,4 107,43 116,83 111,97-0,96 Ganho de Peso Diário médio (g) Conversão Alimentar Peso Médio(g) * 65,03 1,73 1,11 65,2 1,73 1,12 58,77 1,85 1,1 68,26 1,,73 1,,18 65,21 1,76 1,15-1,91-1,96 2,77* Consumo de Ração Diário médio (g) 127,46 129,83 130,9 132,42 133,17-0,32 Ganho de Peso Diário médio (g) Conversão Alimentar Peso Médio(g) * 63,19 2,03 1,57 74,03 1,8 1,63 75,45 1,78 1,63 72,94 1,,84 1,7 74,56 1,82 1,68 0,63-0,28 5,13* Consumo de Ração Diário médio (g) Ganho de Peso Diário médio (g) Conversão Alimentar Peso Médio(g) * *Possui efeito de tratamento 70,33 40,67 1,73 1,57 71,5 42,95 1,66 1,63 70,2 42,69 1,65 1,63 72,36 44,44 1,,63 1,7 71,64 44,35 1,62 1,68 1,99-0,92-1,18-1,24 Assumindo distribuição gamma, a qual foi avaliada utilizando a função de ligação inverse. Para cada modelo: Modelo 1( ) e o modelo 2 ( ) os respectivos valores de AIC e a diferença entre eles, onde Período 1 7 dias T1 T2 T3 T4 T5 AIC Período 8 14 dias Período15 21 dias Período dias Acumulado 1-35 dias e AIC= AIC M1- AIC M2. 38

42 Nos gráficos1e 2, observou-se que estas diferenças são expressas em uma função linear crescente,ou seja a medida que cresce o nível de inserção do extrato de algas há um aumento no peso médio das aves. Gráfico 1-Funções lineares do peso médio de todos os períodos de realização do experimento períodos (1-7dias, 8-14dias, 15-21dias, 22-28dias, 29-35dias) De acordo com Stringhini et al. (2003), o peso médio das aves e o consumo de ração têm relação direta ao peso inicial das aves. Sendo que as aves que apresentam peso inicial maior, apresenta maior é o consumo de ração durante sua vida. Verificou-se que o consumo de ração apresentou diferença apenas na segunda semana. Esta diferença ainda apresenta uma função linear crescente. Conforme cresce a inclusão on top de extrato de algas, cresce também o consumo de ração das aves,contrariando alguns trabalhos que incluíram farinha de algas (Lithothamnium calcareum) e apresentou maior ganho de peso e melhora na conversão alimentar(pope et al.,2002; ALGAREA, 1997). 39

43 Gráfico 2- Funções lineares do ganho de peso e consumo de ração, no período de 8-14dias. A análise morfológica dos intestinos das aves (Tabela 3) mostra que a inserção de extrato de algas interferiu no desenvolvimento intestinal dos animais na primeira semana vida. Observou-se efeito de tratamento no desenvolvimento do diâmetro de cripta nos segmentos duodeno e jejuno. 40

44 Tabela 3 Avaliação dos modelos matemáticos da morfometria intestinal de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de algas on top. T1 T2 T3 T4 T5 AIC 7 dias 35 dias 7 dias 35 dias 7 dias 35 dias Altura de vilo (µm) Diâmetro do vilo (µm) Região de cripta (µm) Diâmetro de cripta (µ µm)* 336,23 39,51 98,08 17,03 386,83 38,58 113,64 17,1 375,05 39,25 119,64 16,59 327,17 42,43 102,26 16, ,64 38,67 96,5 34,16-1,74-1,97-1,82 7,14* Muscular da mucosa (µm) 8,95 8,84 8,68 8,288 11,27 0,21 Altura de vilo (µm) Diâmetro do vilo (µm) Região de cripta (µm) Diâmetro de cripta (µ µm) 444,35 45,16 114,43 12,91 548,63 45,72 127,43 12,07 476,09 55,77 110,68 13,27 500,56 48,3 111,55 14,59 479,1 41,54 94,95 14,13-1,45-1,95-0,75-0,15 Muscular da mucosa (µm) 9,79 10,68 9,16 9,68 9,54-1,69 Altura de vilo (µm) Diâmetro do vilo (µm) Região de cripta (µm) Diâmetro de cripta (µ µm)* 203,84 29,22 86,39 15,9 202,47 29,07 78,93 15,1 237,03 30,13 79,07 14,35 211,46 31,19 78,888 14,73 224,17 29,58 79,67 12,72-0,07-1,65-1,51 4,02* Muscular da mucosa (µm) 7,69 8,85 10,19 8, ,46 Altura de vilo (µm) Diâmetro do vilo (µm) Região de cripta (µm) Diâmetro de cripta (µ µm) 365,46 36,37 89,43 13,22 387, , ,33 35,05 80,94 12,99 380,91 35,444 85,31 11,67 365,97 30,11 83,08 12,05-1,99-0,8-1,58-0,76 Muscular da mucosa (µm) 11,11 11,14 10,01 9,67 9,52 0,06 Altura de vilo (µm) Diâmetro do vilo (µm)* Região de cripta (µm) Diâmetro de cripta (µ µm) Muscular da mucosa (µm) 194,82 26,45 78,76 13,58 8,66 210,44 27,61 83,07 14,43 9,92 222,8 30,26 78,34 13,81 8,17 204,73 30,888 64,222 14,28 8, ,82 31,06 86,23 15,02 7,89-1,96 2,47* -1,99-0,87-0,34 Altura de vilo (µm) Diâmetro do vilo (µm) Região de cripta (µm) Diâmetro de cripta (µ µm) 280,14 32,28 66,93 13,92 330,31 41,22 75,34 13,56 338,5 32,97 82,95 11,76 314,2 32,5 77,86 13,02 291,9 33,73 69,94 11,87-1,98-1,36-1,7 0,21 Muscular da mucosa (µm) 10,64 12,78 11,68 12,5 9,45-1,43 *Possui efeito de tratamento Legenda :µm- Micrometros Assumindo distribuição gamma, Modelo 1( a diferença entre eles, onde Duodeno Jejuno Íleo a qual foi avaliada utilizando a função de ligação inverse. Para cada modelo: ) e o modelo 2 ( ) os respectivos valores de AIC e e AIC= AIC M1- AIC M2. 41

45 O desenvolvimento intestinal das aves não é semelhante em seus diferentes segmentos. O duodeno apresenta desenvolvimento mais precoce que o jejuno e o íleo (UNI et al.,1999). Na primeira semana de experimento, conforme se aumentou o nível de extrato de algas na ração das aves, menor foi o diâmetro de cripta do jejuno (Gráfico3). Gráfico 3- Função linear do diâmetro de cripta do jejuno, no período de 1-7dias. Marchini et al., (2011) afirmaram que o aumento na profundidade da cripta é observado em todos segmentos do intestino delgado, sendo que no duodeno e jejuno este aumento é estabilizado até o 14º dia de idade da ave. As criptas intestinais abrem-se entre a base do vilo e a muscular da mucosa, são ductos tortuosos e claustros. Estas possuem três tipos de células com funções diferentes, enterócitos que tem envolvimento direto com a regulação imune, transporte, absorção e digestão de nutrientes, células caliciformes que secretam uma camada protetora de muco e as células enteroendócrinas responsáveis pela liberação dos hormônios da digestão(gava, 2012). O aumento no número e tamanho das criptas possui relação direta com a proliferação de enterócitos (células responsáveis pela absorção de nutrientes). A presença destas células é de grande importância, uma vez que o epitélio do intestino delgado é renovado com a propagação destas células da cripta para as vilosidades. 42

46 Esta proliferação celular é responsável pela melhor absorção de nutrientes (SIMON &GORDON,1995; GEYRA et al., 2001;IJI et al., 2001). Apesar da alteração no desenvolvimento de cripta do duodeno, não foi observada efeito de tratamento no ganho de peso e na conversão alimentar das aves na fase de 1 a 7 dias de idade. Isto porque parte da energia ingerida pelas aves é destinada à manutenção da mucosa, quanto maior a produção de células epiteliais, maior é o gasto energético e, portanto, menor a energia líquida destinada à produção (MAIORKA et al., 2002).Portanto de certa forma um diâmetro de cripta menor poderia ser considerado benéfico às aves, quando se deseja aumento no ganho de peso. Figueiredo et al.(2003)incluíram farelo de canola nas rações de frango no período inicial,estes constataram um aumento na profundidade de cripta sem afetar os parâmetros de altura de vilo e ganho de peso. A mucosa do intestino delgado vai se tornando mais delicada do duodeno para o íleo, desta forma as vilosidades diminuem e as criptas tornam-se mais curtas (DUKES,2006). Através das análises realizadas, também observou-se (Gráfico 4) que conforme é acrescido o nível de inserção de extrato de algas maior o diâmetro do vilo da região do íleo. Conforme se aumenta o diâmetro das vilosidades maior é a superfície absortiva intestinal (FURLAN et al., 2004). Gráfico 4- Função linear do diâmetro de vilo do íleo, no período de 1-7dias. 43

47 O conhecimentoo do peso de orgãos na fase inicial do frangos, serve como um fator para verificação do desenvolvimento da ave (STRINGHINI et al.,2003). Verificou-se que, o peso de orgão na primeira semana das aves que foram submetidas ao tratamento, não apresentou efeito de tratamento, quando comparado o peso do orgão das aves do tratamento controle (Tabela 4). Tabela 4 Media geral das repetições por tratamento e período do comprimento intestinal e peso dos órgãos de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de algas on top. Avaliação dos modelos matemáticos do peso de órgão (coração, fígado e moela) e medida do intestino de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga. 7 DIAS Comprimento do Intestino (cm) 73, ,88 72,62 77,07 70,07 1,0111 Peso da Moela (g.) Peso do fígado (g.) Peso do coração (g.) 9,7625 5,75 1, ,43 6,16 1,45 9,7 5,42 1,43 35 DIAS 10,28 5,68 1,52 9,82 5,55 1,51-1,987-1,598-1,522 Comprimento do Intestino (cm) Peso da Moela (g.) Peso do fígado (g.)* Peso do coração (g.) *Possui efeito de tratamento Legenda :cm. - Centímetros 151,5 48,16 32,55 6,8 152,25 43,21 33,58 7,2 153,25 45,53 39,18 7,63 166,57 43,04 38,08 7,3 153,25 42,69 38,05 7,28-1,25 0,73 8,11* -1,11 Assumindo distribuição gamma, a qual foi avaliada utilizando a função de ligação inverse. Para cada modelo: Modelo 1( ) e o modelo 2 ( ) os respectivos valores de AIC e a diferença entre eles, onde T1 T2 T3 T4 e AIC= AIC M1- AIC M2. T5 AIC No entanto, aos 35 dias pode-se verificar que o peso do fígado das aves que receberam tratamento apresentaram pesos diferentes (Grafico 5). O nível de inserção de 0,9% de extrato de alga forma observadas com os fígados mais pesados. Já no nível de adição de 1,2 % o peso dos fígados diminuiu quando comparados com os suplementados com 0,9%. 44

48 Gráfico 5- Função quadrática do diâmetro de cripta e peso de fígado aos 35 dias 4. CONCLUSÃO A adição on top de extrato de algas na dieta de frango de corte melhora o desenvolvimento da região de cripta do duodeno e do jejuno. Nos aspectos relacionados ao desempenho da ave, as inserções de extrato de algas nos níveis testados não interferiram significativamente no consumo de ração e conversão alimentar, aspectos que, quando minimizados,são de grande interesse para a cadeia produtiva. REFERÊNCIAS AVISITE. União Brasileira de Avicultura. Consumo de carne de frango Disponível em: <http://www.avisite.com.br/noticias>. Acesso em: 21 jun ', ' ', 'Avisite (2014)', '(AVISITE, 2014)', '', 13, '', ' ' ARCHER, G.S.; FRIEND, T.H.;CALDWELL, D.; AMEISS, K.;KRAWCZEL, P.D. Effect of the seaweed Ascophyllumnodosum on lambs during forced walking and transport. Journalof Animal Science, v.85, p ,

49 ALGAREA Mineração Ltda., SUMINAL, Mimeo, Rio de Janeiro. 4p. ALVARES, Clayton Alcarde; STAPE Jose Luiz; SENTELHAS, Paulo Cesar; GONÇALVES, Jose Leonardo de Moraes e SPAROVEK Gerd. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p , ALVES FILHO, Francisco Messias; SANTOS, Lilian Dena dos; SILVA, Lilian Carolina; BOMBARDELLI, Rosa da Robie ; MEURER, Allan Fábio. Alga marrom (" Ascophyllumnodosum") para alevinos de tilápia do Nilo. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, v. 12, n. 4, BEÇAK, W. & J. Paulete de Técnicas de citologia e histologia. Livros Técnicos e Científicos Editora SA, Rio de Janeiro, p.230. BURNHAM KP & ANDERSON D.R.Model selection and multimodel inference: a practical information-theoretic approach. Springer, New York. 488p DUKES,G.E. Digestão aviária in: TRAMPEL,D.M; DUKE,G.E. Fisiologia dos animais domésticos, 10.Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, cap.23,p FIGUEIREDO, Denise Fontana, Murakami, Alice Eiko; Pereira, Marli Aparecida dos Santos; Furlan, Antonio Claudio; Toral, Fábio Luiz Buranelo. Desempenho e morfometria da mucosa de duodeno de frangos de corte alimentados com farelo de canola, durante o período inicial. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 32, n. 6, p , FURLAN, Renato Luis; MACARI, Marcos; LUQUETTI, Brenda Carla. Como avaliar os efeitos do uso de prebióticos, probióticos e flora de exclusão competitiva. Simpósio Técnico de Incubação, Matrizes de Corte e Nutrição, v. 5, p. 6-28, GARCIA, Fabiana; Abimorad, Eduardo Gianini; Schalch, Sérgio Henrique Canelo; Onaka, Eduardo Mokoto; Fonseca, Fernando Stopato. Desempenho produtivo de tilápias alimentadas com suplemento alimentar à base de algas. Bioikos, v. 23, n. 2, GAVA, Marta Silva. Metodologia de morfometra intestinal em frango de corte f. Dissertação (Mestrado em Ciência Veterinária), Universidade Federal,

50 GEYRA, A.; UNI, Z.; SKLAN, D. Enterocyte dynamics and mucosal development in the posthatch chick. Poultry Science, v. 80, n. 6, p , IJI, P. A.; SAKI, A.; TIVEY, R. Body and intestinal growth of broiler chicks on a comercial starter diet.i.intestinal weight and mucosal development. British Poultry Science, v. 42, n. 4, p , O'DOHERTY J.V., S. Dillon, S. Figat, J.J. Callan, T. Sweeney.The effects of lactose inclusion and seaweed extract derived from Laminaria spp. on performance, digestibility of diet components and microbial populations in newly weaned pigs. Animal Feed Science and Technology, 157 (3 4) (2010), pp KAMEL C. A novel look at a classic approach of plant extracts. Feed Mix- The International Journal on Feed, Nutrition and Technology 2000; 9(6):19-24 MENGHE H.; ROBINSON, Edwin H.; CRAIG S. Trucker; MANNING B. Bruce; KHOO Lester.Effects of dried algae Schizochytrium sp., a rich source of docosahexaenoic acid, on growth, fatty acid composition, and sensory quality of channel catfish Ictaluruspunctatus. Aquaculture, v. 292, n. 3, p , MAIORKA, A; BOLELI, I. C.; MACARI, M. Desenvolvimento e reparo da mucosa intestinal. In: Fisiologia aviária aplicada a frangos de corte. Campinas: FACTA, Fundação Apinco de Ciências e Tecnologia Avícolas, cap. 8, p MARCHINI, C. F. P.; SILVA, P. L.; NASCIMENTO, M. R. B. M., BELETTI, M. E.; SILVA, N. M.; GUIMARÃES, E. C. Body weight, intestinal morphometry and cell proliferation of broiler chickens submitted to cyclic heat stress. International Journal of Poultry Science, v.10, n.6, p , MELLOR, Sarah. Alternatives to antibiotic. PigProgress, v.16, p.18-21, MELO, T.V., P.P. MENDONÇA, A.M.A. MOURA, C.T. LOMBARDi, R.A. FERREIRA e V.L.H. NERY Solubilidad in vitro de algunasfuentes de cálcio utilizadas em alimentacion animal. Archivos de Zootecnia,., 55: MELO, T. V.; MOURA, A. M. A. Utilização da farinha de algas calcáreas na alimentação animal. Archivos de Zootecnia, v. 58, p , MITSCH, P.; ZITTERL-EGLSEER, K.; KOHLER, B. ;Gabler.C; LOSA,R.; Zimpernik,I. The effect of two different blends of essential oil components on the proliferation of 47

51 Clostridium perfringens in the intestines of broiler chickens. Poultry Science, v.83, p , MOTULSKY, Harvey; CHRISTOPOULOS, Arthur. Fitting models to biological data using linear and nonlinear regression: a practical guide to curve fitting. Oxford University Press, ORSINE, Geisa Fleury; COSTA, Celso de Paula; OLIVEIRA, Benir;RODRIGUES, Deborah Gonçalvese OLIVEIRA, Clizeide Efeito da fonte de cálcio (calcário vslithothamniumcalcareum) na digestibilidade aparente do feno de capim Brachiariadecumbens Stach cv. Basiliski. In:Anais Escola Agronomica e Veterinária, 19: Pope, H.R., C.M. Owens, L.C. Cavitt, J.L. Emmert e S.J. Taylor Efficacy of marigro in supporting growth, carcass yield and meat quality of broilers. In: 91st Annual Meeting Abstracts, Poscal p. 25. RACANICCI, Aline.M.C.; DANIELSEN, Bente; SKIBSTED, Leif.H. Mate (Ilex paraguariensis) as a source of water extractable antioxidant for use in chicken meat. EuropeanFoodResearch Technology, v.227, p , RIBEIRO, Ciro Alberto de Oliveira; GRÖTZNER, Sonia Regina; FILHO, Herculano Salviano dos Reis. Técnicas e Métodos para Utilização Prática em Microscopia.Editora Santos, 420pag, n 1, ROSTAGNO, Horacio Santiago; ALBINO, Luiz Fernando Teixeira; Juarez Lopes DONZELE; GOMES, Paulo Cezar; OLIVEIRA, Rita Flávia; LOPES, Darci Clementino; FERREIRA, Aloizio Soares; BARRETO, Sergio Luiz de Toledo; EUCLIDES, Ricardo Frederico. Tabelas brasileiras para aves e suínos: composição de alimentos e exigências nutricionais. 2.ed. Viçosa, MG: UFV, Departamento de Zootecnia, p. SANTURIO, J.M.; SANTURIO, D.F.; POZZATTI, P. et al. Atividade antimicrobiana dos óleos essenciais de orégano, tomilho e canela frente a sorovares de Salmonella entérica de origem avícola. Ciência Rural, v.37, n.3, p , SANTANA, Eliete Souza; MENDES, Fernanda Rodrigues; BARNABÉ, Ana Caroline de Souza; OLIVEIRA, Fábio Henrique; ANDRADE, Maria Auxiliadora. Uso de produtos alternativos aos antimicrobianos na avicultura. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v. 7, n. 13, p , MILLER, Matthew.R.; NICHOLS, Peter.D.; CARTER,Chris.G. Replacement of fish oil with thraustochytrid Schizochytrium sp. L. oil in Atlantic salmon parr (Salmosalar L) 48

52 diets Comparative Biochemistry and Physiology., Part A, 148 (2007), pp SIMON, Theodore C.; GORDON, Jeffrey I. Intestinal epithelial cell differentiation: new insights from mice, flies and nematodes. Currentopinion in genetics&development, v. 5, n. 5, p , STRINGHINI, José Henrique;RESENDE, Aletéiadi; CAFÉ Marcos Barcellos; LEANDRO, Nadja Susana Mogyca; ANDRADE, Maria Auxiliadora. Efeito do peso inicial dos pintos e do período da dieta pré-inicial sobre o desempenho de frangos de corte. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 32, n. 2, p , UBABEF; ASSOCIAÇÃO BARSILEIRA DE PROTEINA ANIMAL, União Brasileira de Avicultura. Avicultura Brasileira- Estatística Disponível em: <www.ubabef.com.br/estatisticas/frango/consumo_per_capita>. Acesso em: 22 jul ', ' ', 'Associação Barsileira de Proteína Animal (2012). UNI, Z.; NOY, Y.; SKLAN, D. Posthatch development of small intestinal function in the poult.poultry SCIENCE, v.78, p ,

53 CAPITULO 3-AVALIAÇÃO DE RENDIMENTO E QUALIDADE DA CARNE DE FRANGOS DE CORTE SUPLEMENTADOS COM EXTRATO DE ALGA Resumo:Buscar aditivos que melhorem a produção das aves e a qualidade do produto final é um importante fator dentro da cadeia avícola. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a carne de frangos de corte fêmeas da linhagem Cobb, criados até a 28 dias de idade, alimentadas com dietas suplementadas com extrato de algas em diferentes níveis (0%, 0,3%;0,6%;0,9%;1,2%). Foram avaliados orendimento da carcaça, perda de peso por gotejamento (PPG), perda de peso por cozimento (PPC), determinação da coloração do músculo Pectoralis major, determinação do ph, textura, composição química (umidade, cinza, lipídios, proteínas), oxidação lipídica (120 dias de armazenamento). As variáveis respostas obtidas foram submetidas à análise estatística utilizando modelo linear generalizado e o critério de informação de Akaike (AIC). Os resultados obtidos mostraram que a inserção on top de extrato de algas no nível de 1,2 % diminuiu a deposição de gordura abdominal quando comprado com o tratamento controle. Também observou que no nível de 1,2% o rendimento de pernas foi mais elevado. No entanto conforme o aumento do nível de extratos de algas maior é a força de cisalhamento para o rompimento das fibras do músculo Pectoralis major. A inserção on top de alga, com os níveis utilizados, também diminui a absorção de água pelo músculo Pectoralis major. Para as demais variáveis analisadas não observamos efeito de tratamento. Conclui-se que a inserção de extrato de algas afeta em alguns aspectos beneficamente (rendimento de pernas, deposição de gordura abdominal e PPC), no entanto pode prejudicar aspectos como textura. Palavras-chaves: Extrato de algas, qualidade de carne, 1. INTRODUÇÃO A avicultura de corte no Brasil é uma área em constante evolução visando alcançar melhores índices de produção. Alguns fatores como nutrição,idade, sexo, transporte, manejo, temperatura ambiente, métodos de apanha das aves na granja, tempo de jejum, tecnologia de abate (como tempo e temperatura de resfriamento), reconhecidamente, afetam a qualidade da carcaça (MENDES e KOMIYAMA, 2011;FLETCHER,D.L. 2002). Na produção avícola, o principal objetivo é a obtenção de alta produtividade, aliada à qualidade dos produtos finais (LODDI et al., 2000). Com relação à produtividade, o rendimento de carcaça é um fator que afeta diretamente a rentabilidade (MENDES et al. 2001). O rendimento e composição de carcaça são fatores influenciados diretamente pela nutrição, genótipo, condições ambientais e sexo. A nutrição afeta diretamente no desempenho das aves, para tanto as 50

54 necessidades nutricionais e consequentemente a composição nutricional das rações são estabelecidas. Além disso, são adotados programas de alimentação com objetivo de utilização mais eficiente dos nutrientes (OVIEDO-RONDÓN e WALDROUP, 2002; CARRASCO, S.; BELLOF, G.; SCHMIDT, E,2014). Emmans (1987) afirma que, conforme ocorrem mudanças genéticas nas linhagens de frangos de corte, tornam-se necessárias pesquisas para realizar correções nos planos nutricionais, visando melhorias no desempenho e rendimento do animal. Ingredientes que visam maximizar a deposição de proteínas e a reduzir a deposição de gorduras têm sido buscados. Visando a melhoria das características citadas, os produtores de aves utilizam recursos como a aplicação de aditivos. Os aditivos empregados na produção animal servem para melhorar os índices de desempenho, eficiência alimentar e sobrevivência; poupar energia e reduzir as cargas patogênicas (GODOI, 2008).Maximizar a disposição de proteína e reduzir o conteúdo de gordura, também são fatores que podem ser melhorados com a adição de aditivos. Atualmente a aplicação de aditivos como os mananoligossacarídeos, os frutoligossacarídeos, o ácido fumárico e os probióticos são utilizados como alternativas aos antibióticos (SANTOS et al., 2002). No entanto há pesquisas inserindo derivados de vegetais como aditivos alternativos, visto que estes possuem diversos efeitos, tais como efeito antimicrobiano (MITSCHet al., 2004; SANTURIO et al., 2007), antioxidante (RACANICCI et al., 2008) e digestivo (MELLOR, 2000), capazes de melhorar o desempenho animal. Assim, pesquisas sobre tais aditivos alternativos são importantes para comprovação de seu sucesso. Os efeitos positivos proporcionados pelos aditivos derivados de vegetais estão associados aos princípios ativos presentes em todas as partes das plantas. Há estudos sobre a composição e o mecanismo das ações que envolvem as atividades biológicas e a composição química das algas, e pode-se observar que este é um organismo interessante para o desenvolvimento de novos produtos (CABRAL, 2011).Sendo considerado como vegetais aquáticos sem vascularização, ou seja, vivem aderidas a um substrato, são autotróficas. As algas podem ser divididas em três grandes grupos: algas verdes (Chlorophyta), algas vermelhas (Rhodophyta) e algas pardas (Phaeophyta)(MCHUGH, 2003; MENDEZ, 2002; VIDOTTI e ROLLEMBERG, 2004). 51

55 De modo geral as algas podem fornecer benefícios, pois são fontes de proteína, carboidratos, fibras, minerais e vitaminas. Além disso, as algas são ricas em pigmentos (carotenóides) com atividade provitamina A, B e C; e são fontes de compostos com atividades biológicas que podem ser utilizadas como alimentos funcionais. No entanto a biodisponibilidade destes nutrientes depende da espécie e de sua composição química. As algas apresentam um elevado teor de ácidos graxos insaturados essenciais ao metabolismo. Algumas espécies são: importantes fontes de cálcio; ricas em iodo (mineral que atua no metabolismo de lipídios), cálcio e fósforo (CABRAL et al., 2011; ZHANG et al., 2004; DHARGALKAR e VERLECAR, 2009; PATARRA, 2008; VASCONCELOS E GONÇALVES, 2014). Assim, este trabalho tem por objetivo avaliar a adição on top de diferentes níveis (0%,0,3%;0,6%;0,9%;1,2%) de extrato de algas na dieta de frangos de corte, verificando a qualidade de carne. 2. MATERIAIS E MÉTODOS O presente experimento foi aprovado pelo Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) da UTFPR, campus Dois Vizinhos, protocolo n , (Anexo- A). A pesquisa foi conduzida no aviário experimental da Universidade Tecnológica Federal do Paraná campus Dois Vizinhos localizado na latitude sul e longitude oestea uma altitude média de 509 metros, cujo o clima é subtropical com chuvas bem distribuídas durante o ano, temperaturas médias anuais de 19ºC e tipo climático Cfa segundo classificação de Köppen (ALVARES et al., 2013). No presente estudo foi utilizado delineamento em blocos ao acaso, empregando-se 760 pintos de corte de um dia de idade, fêmeas da linhagem Cobb, alojados em aviário experimental dividido em boxes de 1,2m² cada, forrados com maravalha. No início do experimento, os pintainhos foram pesados (peso médio 49g) e distribuídos em cinco tratamentos com oito repetições, onde foram criados até 28 dias de idade. A ração foi fornecida ad libitumem comedouro tubular e a água em bebedouro tipo nipple. O programa de luz foi realizado de acordo com especificações do manual da linhagem. 52

56 Os tratamentos avaliados consistiram em níveis crescentes de extrato de algas (EA) adicionado on top à dieta das aves, ou seja, sem ocorrer reformulação das dietas, sendo utilizadas as seguintes adições de 0,3%; 0,6%; 0,9%; 1,2% de extrato de algas. As rações experimentais foram formuladas de acordo com as recomendações descritas em Rostagno et al. (2011). O EA foi adicionado durante a mistura dos ingredientes (Tabela 5). Tabela 5- Composição percentual da dieta experimental. Ingredientes kg 1-21dias dias Milho grão (7,5%) 52,44 58,19 Soja farelo 38 31,5 Óleo soja 4 5 Sal comum 0,2 0,2 Fosfato bicálcico 18 0,8 0,6 Dl-metionina 0,3 0,23 L-lisina 78 0,15 0,25 L-treonina 98 0,11 0,13 Suplemento vitamínico e mineral* 4 4 Extrato de algas 0 0 Total em kg Composição nutricional calculada Proteína Bruta, % 21,623 19,027 Cálcio, % 1,1299 1,0509 Fósforo Total, % 0,6941 0,6246 Fósforo Disponível, % 0,4582 0,4054 Sódio, % 0,2144 0,2142 Energia Met Ap., Kcal/kg 3003, ,1804 Lisina, % 1,2881 1,1201 Lisina Digestível, % 1,1696 1,0153 Metionina, % 0,6475 0,5472 Metionina, % 0,6384 0,5382 Met+ Cist, % 0,9087 0,7828 Triptofano, % 0,2476 0,2118 Treonina, % 0,8281 0,7594 *Níveis de garantia do suplemento vitamínico e mineral por Kg do produto: Ácido Fólico (mín) 7,5 mg, Ácido Pantotênico (mín) 100 mg, Bacitracina de Zinco mg, Biotina (mín) 0,5 mg, Cálcio (mín) 200 g, Cálcio (máx) 300 g/kg; Cobre (mín) 165 mg, Colina (mín) mg, Ferro (mín) mg, Fósforo (mín) 58 g, Flúor (máxi) 580 mg/kg; Iodo (mín) 33 mg, Manganês (mín) mg, Metionina (mín) 18,2 g, Niacina (mín) 300 mg, Selênio (mín) 5 mg, Sódio (mín) 37,1 g, Vitamina A (mín) UI, Vitamina B1 (mín) 10 mg, Vitamina B12 (mín) 125 mcg, Vitamina B2 (mín) 50 mg, Vitamina B6 (mín) 15 mg, Vitamina D3 (mín) UI, Vitamina E (mín) 162,5 UI, Vitamina K3 (mín) 25 mg, Zinco (mín) mg. 53

57 2.1 AVALIAÇÕES REALIZADAS No vigésimo oitavo dia de experimento foram retiradas três aves por unidade experimental, com o peso de acordo com o peso médio da repetição, perfazendo um total de 24 aves por tratamento e 120 aves no total. As aves foram pesadas individualmente e identificadas, permanecendo em jejum por 6 horas. O abate ocorreu no setor de agroindústria da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) campus Dois Vizinhos, seguindo legislação oficial (BRASIL, 1998). A gordura abdominal foi retirada em volta da cloaca, moela e proventrículo. As carcaças foram pesadas quentes, e então resfriadas e após resfriamento pesadas novamente. As amostras foram mantidas sob refrigeração a temperatura de 4ºC. As analises de rendimento de carcaça, rendimento de pernas, rendimento de peito, percentagem de gordura abdominal, perda de água por gotejamento foram realizadas no setor de agroindústria UTFPR Campus Dois Vizinhos. As análises ph (24 horas), cor, perda de peso por cozimento, textura, composição química (umidade, cinzas, proteínas, lipídeos) e oxidação lipídica foram realizadas nos laboratórios UTFPR - Campus Francisco Beltrão. 2.2 RENDIMENTO DE CARCAÇA E PARTES A avaliação do rendimento da carcaça foi determinada pela relação entre o peso da carcaça eviscerada (sem pés, pescoço e cabeça) e o peso das aves no momento do abate. O resultado numérico foi obtido com a aplicação da seguinte fórmula: PV= Peso Vivo. PC x 100 P, Onde: RC= rendimento de carcaça, PC=peso de carcaça, Em seguida realizou-se a retirada do peito e das pernas, para a avaliação do rendimento destes cortes e para avaliação da percentagem de gordura abdominal (GA), utilizou-se então a seguinte relação x 100 abdominal, PC = Peso de carcaça(loddi et al., 2000)(Figura 3). PC, onde: GA = Gordura 54

58 Figura3-Peito e pernas de aves, alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, utilizadas para a pesagem na análise de rendimento. 2.3 PERDA DE PESO POR GOTEJAMENTO Para avaliação de perda de peso por gotejamento (PPG) utilizou-se filés inteiros do músculo Pectoralis major que foi pesado e suspenso por um gancho de aço inoxidável em uma câmara refrigerada a 4ºC. Para evitar perdas para o meio externo os peitos foram embalados em rede e saco plástico (Figura 4). Após 48 horas, as amostras foram pesadas para realização do cálculo segundo equação PI.Onde PPG = perda de peso por gotejamento, P48 = Peso após 48 horas, PI = Peso inicial. Figura4 Peitos das aves, alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, durante a análise de perda de peso por gotejamento Legenda: a- peito suspendido por um gancho de aço inoxidável embalado em saco plástico, b- Amostras no interior da câmera refrigerada a 4ºC 55

59 2.4 DETERMINAÇÃO DE PH A determinação do ph foi realizada 24 horas post mortem, para tanto pesouse 10 g da amostra do músculo Pectoralis major, este foi triturado em 100 ml de água destilada. Enfim realizou-se a Determinação do ph, com o aparelho previamente calibrado (ITAL, 2008). 2.5 DETERMINAÇÃO DA COLORAÇÃO DO MÚSCULO Pectoralis major A determinação da coloração foi realizada com o colorímetro portátil (Minolta-CR-410), com iluminante D65. Os valores L*, a* e b* foram expressos conforme o sistema de cor CIELAB. As leituras foram realizadas em seis pontos distintos na face interna da posição cranial do músculo Pectoralis major esquerdo (OLIVO et al., 2001). Para a análise estatística utilizou-se a média de seis leituras realizadas por ave em seguida a média das duas aves de cada unidade experimental. 2.6 PERDA DE PESO POR COZIMENTO A determinação da perda de peso por cozimento foi realizada de acordo com Cason, Lyon e Papa (1997). Para tanto foram utilizados os filés inteiros do Pectoralis major, pesados em balança semi-analítica, em seguida embalada e selada em sacos plásticos. As amostras foram cozidas em banho-maria até a temperatura interna dos filés atingirem 70ºC. Após o cozimento, as amostras foram resfriadas até a temperatura interna atingir entre 25 e 30 C. Os resultados foram expressos em percentagem de perda, determinada pela diferença de peso antes e após o cozimento. 2.7 TEXTURA A maciez foi verificada pela força de cisalhamento, como descrito por De Lima Almeida (2002), utilizando os filés cozidos da análise de perda de peso por cozimento no equipamento texturômetro TA.XT Plus calibrado para a velocidade de corte de 2 mm/s e velocidade de retorno de 5 mm/s, apresentando resultado em quilograma-força (kgf) o qual corresponderá à força máxima necessária para se 56

60 cortar as amostras de músculos. As amostras foram cortadas em dimensões de 1cm x 1cm x 1cm, seguindo a orientação das fibras musculares. 2.8 UMIDADE Para determinação do teor de umidade adotou-se a metodologia descrita pelo Instituto Adolfo Lutz (2008). Em triplicata, pesou-se 9 g de cada amostra em uma cápsula de porcelana, previamente tarada, e aquecida a 105ºC durante 7 horas. Para obtenção da percentagem de umidade aplicou-se os valores das pesagens obtidas na seguinte fórmula:u (%) 100 N, onde U= umidade, N = umidade (perda de massa em g) e P = amostra em gramas. P 2.9 CINZAS Para determinação do teor de cinzas adotou-se a metodologia descrita pelo Instituto Adolfo Lutz (2008). Utilizando as amostras secadas para a determinação do teor de umidade, estas foram aquecidas em mufla a 550 C, por 6 horas. Para obtenção da porcentagem de cinzas aplicou-se os valores das pesagens obtidas na seguinte fórmula:c (% 100 N, onde C(%) cinzas, N = cinzas (em gramas) e P = P amostra (em gramas) LIPÍDIOS Para determinação de lipídios adaptou-se a metodologia descrita pelo Instituto Adolfo Lutz (2008), utilizando a extração direta em Soxhlet. Para tanto pesou-se 5 g da amostra em cartucho de papel filtro e, sob aquecimento em chapa elétrica e realizou-se a extração por 6 horas. Para obtenção do resultado utilizou-se a seguinte fórmula 100 N onde L= lipídios,n = lipídios (em gramas) e P = P amostra (em gramas) PROTEÍNAS Para determinação de proteína utilizou-se a metodologia de Micro Kjeldhahl descrita por Tedesco et al. (1995). Em triplicata pesou-se 6g de amostra de peito, a 57

61 que foi digerida em ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) e mistura catalítica (sulfato de sódio, sulfato de cobre penta hidratado e selênio), em seguida destilada com Hidroxido de sódio (Na OH) para serem tituladas com H 2 SO 4, até atingir a coloração rosa. Para obtenção da porcentagem de proteínas aplicou-se os valores das pesagens obtidas na seguinte formula 0, Onde V = Diferença entreh 2 SO 4 enaoh, F= PA Fator de conversão de nitrogênio total em proteína. (6,25), PA= Peso da amostra OXIDAÇÃO LIPÍDICA A oxidação lipídica foi realizada seguindo a metodologia citada por Tarladgis e Dugan (1964), e determinou a formação de ácido tiobarbitúrico (TBA) e malonaldeído por espectrofotometria. Para a quantificação em duplicata foram utilizados 10g de peito de frango mantido sob refrigeração (-18 C) por 120 dias. As amostras foram submetidas à hidrólise com ácido clorídrico 4N. O destilado obtido foi submetido a uma reação com TBA e leitura em espectrofotômetro a 530nm ANÁLISE ESTATÍSTICA Os dados obtidos foram submetidos à análise estatística realizada por meio do modelo linear generalizado. As variáveis continuas foram estudadas através da função de distribuição Gamma com função de ligação inversa. No caso das variáveis discretas foi considerada a função de distribuição beta com função de ligação logit. Em cada variável analisada considerou-se os seguintes modelos matemáticos: (1) (2) Onde e é a observação na unidade experimental que recebeu o tratamento,, no bloco ; é a media geral; é o efeito de bloco ; é o efeito de tratamento e é o erro na unidade experimental observada.. A equação 1 descreve a variável pela média geral mais um efeito de bloco, enquanto que a equação 2 descreve a variável pela média geral, um efeito de bloco e um efeito de tratamento. Estes modelos foram avaliados utilizando o Critério de informação Akaika (AIC) (Burnham e Anderson, 2002). 58

62 (3) Onde N é o número de dados, SS é soma dos quadrados e K é o número de parâmetros de um modelo (MOTULSKY e CHRISTOPOULOS, 2003). Segundo este critério o modelo mais adequado para descrever os dados é aquele que apresenta o menor valor de AIC. Para dois modelos concorrentes diferenças de AIC menores que dois não são consideradas significativas (BURNHAM e ANDERSON, 2002 e MOTULSKY e CHRISTOPOULOS, 2003). Neste trabalho, caso o valor de AIC indique o modelo 2 como o mais adequado, pode-se concluir que há efeito de tratamento na variável estudada. No caso da presença de efeito de tratamento foi ajustada uma equação para descrever o comportamento da variável em função dos níveis de extrato de algas. Equações lineares quadráticas e cúbicas foram consideradas e a seleção da mais adequadas se deu também através do AIC. Estas equações forma graficadas para melhor observação do comportamento da variável estudada em resposta ao aumento dos nível do extrato de algas. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES A partir das análises de composição química (extrato etéreo, proteína bruta e umidade) foi verificado que os tratamentos não apresentaram efeito de tratamento conforme apresentado na Tabela 6. No entanto, pode-se afirmar que todos os tratamentos apresentaram teores de umidade, proteína, cinzas e extrato etéreo de acordo com o recomendado pela Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura (2010). Teores diferentes do recomenda do acarretam modificações em fatores que afetam a qualidade e aceitação do produto como a cor, o sabor e a textura da carne (CANHOS e DIAS, 1983). Li Mengheet al. (2009) em seu experimento com Bagre-americano (Ictaluruspunctatus ), verificou que os peixes alimentados com a adição de algas secas (Schizochytrium sp.), quando comparados aos peixes alimentados com a ração basal, não apresentaram efeito de tratamento na composição proteica, lipídica e concentrações de umidade. 59

63 Tabela 6- Média da composição química do músculo Pectoralis major de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, avaliadas aos 28 dias, onde: T1= ração basal a base de milho e soja, sem EA; T2= ração basal + 0,3% EA; T3=ração basal + 0,6% EA ;T4= ração basal + 0,9% EA; T5=ração basal + 1,2% EA. Variável analisada Cinzas (%) Lipídios (%) Umidade (%) Proteína (%) T1 1,41 0,29 74,18 14,09 T2 1,38 0,56 74,73 14,09 T3 1,48 0,32 73,93 13,94 T4 1,28 0,39 74, 96 13, 69 T5 1,36 0,39 74,58 14,12 AIC 1,76-1,03-1,99-1,53 *Possui efeito de tratamento. Assumindo distribuição beta, a qual foi avaliada utilizando a função de ligação logit. Para cada modelo: Modelo 1( ) e o modelo 2 ( ) os respectivos valores de AIC e a diferença entre eles, onde Para realização deste experimento, optou-se em utilizar aves fêmeas por possuírem grande quantidade de adipócitos, consequentemente maior deposição de gordura. Segundo Murakami (2010), as carcaças produzidas por fêmeas apresentam 2,5% de gordura a mais que as produzidas por machos. Cahaner (1988),relata que a deposição de gordura abdominal. A Tabela 7apresenta que os resultados do rendimento de carcaça, de peito, pernas e deposição de extrato de algas. Pode efeito significativo no rendimento de pernas e na deposição resultados corroboram com Zanini et al. (2002), que demonstrou a influência da utilização de farinha de aves. A adição de extrato de algas na ração resultou em menor o peso relativo de gordura abdominal. Possivelmente a composição do extrato al.(1994), e AIC= AIC M1- AIC M2. corporal possui correlação com o conteúdo de gordura gordura em aves alimentadas com dietas adicionadas de se verificar que a adição de extrato de algas apresentou algas na deposição de gordura abdominal na carcaça de afirmou que as vitaminas e minerais, são essenciais cofatores enzimáticos, capazes de influenciar na síntese e degradação de proteína, reduzindo, desta forma, a energia disponível para deposição de gordura na carcaça. de gordura. Estes de algas, rica em minerais resultou em menor deposição de gordura abdominal em aves. Macari et Tabela 7- Rendimento de carcaça, peito, pernas e deposição de gordura, de aves alimentadas com dietas adicionadas de extrato de algas avaliadas aos28 dias. Variável analisada T1 T2 T3 T4 T5 AIC Rendimento de Carcaça (%) Rendimento de Coxa(%)* Rendimento de peito(%) 68,40 12,11 29,00 66,60 67,71 67,70 68,07-1,91 12,75 14,25 14,67 14,21 2,67* 29,46 26,57 27,80 31,05-1,82 Deposição de gordura abdominal(%)* 2,53 2,26 2,26 2,30 2,09 2,98* 60

64 *Possui efeito de tratamento Assumindo distribuição beta para todas as variáveis, as quais foram avaliadas utilizando a função de ligação logit. Para cada modelo: modelo 1( ) e modelo 2 ( ) os respectivos valores de AIC e a diferença entre eles, onde e AIC= AIC M1- AIC M2. Na Tabela 7 pode-se verificar que o extrato de alga não afetou o rendimento de carcaça e de peito. O crescimento do músculo do peito é uma consequência do alto rendimento da carcaça, estes valores apresentam relação direta com a concentração de aminoácidos essenciais da dieta da ave adulta (OLIVEIRA, 2013). Os resultados obtidos estão de acordo com AZIZ et al. (2001) e BABIDIS et al. (2002),que observaram que a adição de alimentos de origem vegetal não afetam significativamente o rendimento de carcaça. Foram observados efeito de tratamento no rendimento de pernas, com o aumento na porcentagem de extrato de alga inserido na ração, houve aumento de peso relativo das coxas, conforme apresentado no Gráfico 6. Estes valores de peso relativo são similares aos apresentados por Vieites et al (2014). Oliveira et al. (2002) que avaliou o rendimento de coxa em aves da mesma linhagem, embora submetidas à diferentes densidades (14 aves/m², 16 aves/m² e 18aves/m²), obtiveram resultadoss semelhantes aos encontrados neste trabalho. Gráfico 6- Função linear do rendimento de coxa (%) e de deposição de gordura abdominal (%) de avesalimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, avaliadas aos 28 dias 61

65 Verificou-se que a absorção de água das carcaças analisadas neste estudo foi menor que citados por demais autores, e também constatou-se que a inserção de alga, com os níveis utilizados (Tabela 8), diminui a absorção de água pelo músculo Pectoralis major, conforme Gráfico 1. A literatura relata que os valores de perda de peso por cozimento de peito de frango de corte podem variar entre 21,66% e 29,03% (Bressan,1998; Mendes et al., 2001). No entanto a carne de peito das fêmeas sofreu maior perda de peso por cozimento quando comparada a carne dos machos (ALMEIDA et al. 2002). Tabela 8-Aspectos físicos da avaliação do músculo Pectoralis major perda de peso por cozimento (PPC), perda de peso por gotejamento (PPG), ph, textura, cor L*, a*,b*e oxidação lipídica de aves alimentadas com dietas suplementadas com extrato de algas avaliadas aos 28dias. Variável analisada T1 T2 T3 T4 T5 AIC ph 6,17 6,19 6,15 6,17 6,16-1,85 Perda de peso por cozimento 16,06 15,37 14,54 13,82 14,14 7,91* Perda de Peso por Gotejamento 5,85 5,29 5,43 5,23 5,58-1,72 Textura 3,59 3,89 3,58 4,15 4,72 8,58* Cor L* 45,83 45,72 44,99 45,98 46,35 1,55 Cor a* 4,80 4,77 4,50 4,64 4,83 1,99 Cor b* 3,53 3,58 3,47 3,65 4,05 1,29 Oxidação 0,42 0,34 0,37 0,34 0,35 1,53 *Possui efeito de tratamento. Para cada variável, aplicou-se a distribuição e a função de ligação mais adequada, utilizando os seguintes modelos: modelo 1 ( ) e o modelo 2 ( ) os respectivos valores de AIC e a diferença entre eles, onde e AIC= AIC M1- AIC M2. Pode-se afirmar ainda que a introdução do extrato de algas na ração das aves, não apresentou efeito de tratamento na PPG. A PPG está relacionada com a perda de líquido do tecido muscular, isto pode interferir na qualidade do produto, uma vez que modifica a suculência e aparência do mesmo (OLIVEIRA, 2012). O phpost-mortem não apresentou diferença estatística entre os tratamentos. Após o abate, o músculo mantém capacidade de contrair e relaxar devido à presença das reservas de glicogênio muscular. Neste período o glicogênio é convertido em ácido lático, reduzindo o ph para aproximadamente 5,8, quando este se estabiliza (SOUZA, 2006). Quanto à oxidação lipídica da carne, não houve efeito de tratamento nos valores de TBARS (thio barbituric acid reactive substances). Brito (2012) afirma a 62

66 possibilidade de que extrato de algas pode apresentar ação antioxidante e consequentemente prevenir a oxidação lipídica. Possivelmente, os níveis avaliados não foram suficientes para tal efeito. Gráfico 7- Função linear da perda de peso por cozimento(g), textura (kgf)de avesalimentadas com dietas adicionadas de extrato de alga, avaliadas aos 28 dias Com relação à textura, verificou-se que a inserção de extrato de algas apresentou efeito de tratamento conforme apresentado no Gráfico 7. A avaliação da força de cisalhamento sofreu um efeito linear crescente, portanto o aumento da porcentagem de extrato de alga resultou em maior força para o rompimento das fibras musculares. A força de cisalhamento tem relação direta com perda de água por cozimento, pois carnes que apresentam maior perda de água por cozimento resultam em maior força necessária para o rompimento das fibras musculares (Brossiet al., 2009, Offer e Knight, 1988; Anadón, 2002). Com relação aos dados de cor, não apresentou entre os tratamentos para os parâmetros de teor de vermelho (a*), teor de amarelo (b*) e luminosidade (L*). A cor está diretamente relacionada com a aparência do produto, refletindo na sua aceitação. 63

67 4. CONCLUSÃO Conclui-se que a inserção on top de extrato de algas diminui deposição de gordura abdominal e aumenta o rendimento de pernas. Também foi constatado que a inserção do extrato de algas na dieta dos frangos, resulta na produção de carne mais rígida. 64

68 REFERÊNCIAS ANADÓN, H. L. S. Biological, nutritional and processing factors affecting breast meat quality of broilers Tese (Doctor of Philosophy in Animal and Poultry Sciences) Faculty of Virginia Polytechnic Institute and State University, Blacksburg ALVARES, Clayton Alcarde; STAPE Jose Luiz; SENTELHAS, Paulo Cesar; GONÇALVES, Jose Leonardo de Moraes e SPAROVEK Gerd. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p , AZIZ, M. A., Z. H. KHANDAKER, M. M. ISLAM. Effect of replacing protein from fish meal with soybean on the performance of broiler chicken. Indian J. Anim. Nutr., New Delhi, 18, 23-28, BABIDIS, V.; FLOROU-PANERI, P.; KUFIDIS, D.; CHRISTAKI, E.; SPAIS, A. B.; VASSILPOULOS, V. The use of corn gluten meal instead of herring and meat meal in broiler diets and its effect on performance, carcass fatty acids composition and other carcass characteristics. Arch. Geflüg. 66, , BRITO, Poliana de Paula. Avaliação de características de qualidade e propriedades funcionais da carne mecanicamente separada de frango tratada com diferentes taxas de dose de radiação ionizante e uso de antioxidantes Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo BROSSI,Camila; CASTILLO, Carmen Josefina Contreras-; AMAZONAS, Erik de Almeida; MENTEN, José Fernando Machado. Estresse térmico durante o pré-abate em frangos de corte. Ciência Rural, v. 39, n. 4, p , BRESSAN, C. Efeito dos fatores pré-abate sobre a qualidade dos peitos de frango. Campinas: Universidade de Campinas, p. Tese (Doutorado em Tecnologia de Alimentos) - Universidade de Campinas, BURNHAM KP & ANDERSON D.R.Model selection and multimodel inference: a practical information-theoretic approach. Springer, New York. 488p CABRAL, Ingridy Simone ribeiro; SHIRAHIGUE, LigianneDin; ARRUDA, Lia Ferraz de; CARPES, Solange; OETTERER, Terezinha Marília. Produtos naturais de algas marinhas e seu potencial antioxidante e antimicrobiano. Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, v. 29, n. 2,

69 CAHANER, A Experimental divergent selection on abdominal fat in broilersfemale and male type lines and their crosses. In: Ed. B. Leclercq and C. C. Whitehead). Leanness in Domestic Birds: Genetic, Metabolic and Hormonal Aspects. Butterworthsand INRA, London and Paris. CANHOS, D. A. L.; DIAS, E. L. Tecnologia de carne bovina e produtos derivados. Campinas: FTPT [sd], CARVALHO,Paulo Reis de; Pita,MARIA Carolina Gonçalves; NETO, Eduardo Piber- ; MIRANDOLA Regina MiekoSakata; JÚNIOR,Cássio Xavier de Mendonça. Influência da adição de fontes marinhas de carotenóides à dieta de galinhas poedeiras na pigmentação da gema do ovo. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 43, n. 5, p , CARRASCO, S.; BELLOF, G.; SCHMIDT, E. Nutrients deposition and energy utilization in slow-growing broilers fed with organic diets containing graded nutrient concentration. Livestock Science, v. 161, p , CASON, J. A.; LYON, C. E.; PAPA, C. M. Effect of muscle opposition during rigor on development of broiler breast meat tenderness. Poultry Science, v. 76, p , 1997 DE LIMA ALMEIDA, Ibiara Correia; MENDES, Ariel Antonio ; OLIVEIRA, Edson Gonçalves de; Garcia, Rodrigo Garófallo; Garcia, Edivaldo Antonio. Efeito de Dois Níveis de Lisina e do Sexo sobre o Rendimento e Qualidade da Carne de Peito de Frangos de Corte. RevistaBrasileira de Zootecnia 2002, vol.31, n.4, pp ISSN DHARGALKAR, V. K.; VERLECAR, X. N. Southern Ocean seaweeds: A resource for exploration in food and drugs. Aquaculture, v. 287, n. 3, p , 2009 EMMANS, G. C. Growth, body composition and feed intake. World's Poultry Science Journal, v. 43, n. 03, p , FLETCHER,D.L Poultry meat quality. World s Poultry Science Journal.v.58,n.2, p ,2002 GODOI, Mauro Jarbas de Souza; ALBINO, Luiz Fernando Teixeira; ROSTAGNO, Horacio Santiago; GOMES, Paulo Cezar;BARRETO, Sergio Luiz de Toledo; VARGAS Junior, José Geraldo.Utilização de aditivos em rações formuladas com 66

70 milho normal e de baixa qualidade para frangos de corte.revista Brasileira de Zootecnia, HAKIM, ArifRahman.The potential of heterotrophic microalgae (Schizochytrium sp.) as a source of dha. SQUALEN, Bulletin of Marine and Fisheries Postharvest and Biotechnology, v. 7, n. 1, p , HARDER, Marcia Nalesso Costa ; SPADA, Fernanda Papa; SAVINO,Vicente José Maria, DOMINGOS, Antonio Augusto; CORRER, MARTINS, Edival Edmilson. Coloração de cortes cozidos de frangos alimentados com urucum. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 30, p , INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v. 1:Métodos químicos e físicos para análise de alimentos, 3. ed.são Paulo: IMESP, p. 27. LI,HMenghe; Edwin H. Robinson; Craig S. Tucker; Bruce B. Manning; Lester Khoo.. Effects of dried algae Schizochytrium sp., a rich source of docosahexaenoic acid, on growth, fatty acid composition, and sensory quality of channel catfish Ictaluruspunctatus Aquaculture, v. 292, n. 3, p , LODDI,Maria Marta; GONZALES, Elisabeth; TAKITA,TâniaSayuri ; MENDES,Ariel; ROÇA,Antônio Roberto de Oliveira. Uso de probiótico e antibiótico sobre o desempenho, o rendimento ea qualidade de carcaça de frangos de corte.revista Brasileira de Zootecnia, v. 29, n. 4, p , LONGO, Flavio Alves; SAKOMURA, NilvaKazue; RABELLO, Carlos Boa-Viagem; FIGUEIREDO, Adriana Nogueira; FERNANDES João Batista Kochenborger. Exigências energéticas para mantença e para o crescimento de frangos de corte. Revista Brasileira de Zootecnia, v.35, n.1, p , MACARI, M.; FURLAN, R.L.; GONZALES, E. Fisiologia aviária aplicada a frangos de corte. Jaboticabal: FUNEP/UNESP, p. MCHUGH, D.J. A guide to the seaweed industry. Rome: Food and Agriculture Organization of The United Nations, FAO Fisheries Technical Paper 441, 111 p.,2003. MENDES, A. A., MOREIRA, J., GARCIA, R. G., NAAS, I. A., ROÇA, R. O., IWAMURA, M., e ALMEIDA, I. G. L. (2001). Avaliação do rendimento e qualidade da 67

71 carne de peito em frangos de corte criados com diferentes densidades e níveis de energia na dieta. Revista Brasileira de Ciência Avícolas, v. 3, p. 38, MENDES, Ariel Antonio; KOMIYAMA, Claudia Marie. Estratégias de manejo de frangos de corte visando qualidade de carcaça e carne. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 40, p , MENDES, Ariel Antonio; OLIVEIRA, Edson Gonçalves de; GARCIA,RodrigoGarófallo; GARCIA, Edivaldo Antonio. Efeito de Dois Níveis de Lisina e do Sexo sobre o Rendimento e Qualidade da Carne de Peito de Frangos de Corte.Revista Brasileira de Zootecnia, v. 31, n. 4, p , MENDEZ, L. T. Guia de Biodiversidad: Macrofaunas y Algas Marinas. CREA, v.1, nº MELLOR, Sarah. Alternatives to antibiotic. Pig Progress, v.16, p.18-21, MITSCH, P.; ZITTERL-EGLSEER, K.; KOHLER, B. et al. The effect of two different blends of essential oil components on the proliferation of Clostridium perfringens in the intestines of broiler chickens. Poultry Science, v.83, p , MOTULSKY, Harvey; CHRISTOPOULOS, Arthur. Fitting models to biological data using linear and nonlinear regression: a practical guide to curve fitting. Oxford University Press, MURAKAMI, KarlineTikaeTani; PINTO, Marcos Franke; PONSANO, Elisa Helena Giglio e GARCIA NETO, Manoel. Desempenho produtivo e qualidade da carne de frangos alimentados com ração contendo óleo de linhaça. Pesquisaagropecuaria. Brasileira 2010, vol.45, n.4, pp OFFER, G.; KNIGHT, P.The structural basis of water-holding in meat. Part 1: general principles and water uptake in meat processing. In: LAWRIE, R. A. Developments in meat science. London: Elsevier, p OLIVEIRA, MC de; CARVALHO, ISABEL DIAS. Rendimento e lesões em carcaça de frangos de corte criados em diferentes camas e densidades populacionais. Ciência e Agrotecnologia, v. 26, n. 5, p , OLIVEIRA, T. F. B. Efeito de diferentes níveis e fontes de selênio no desempenho e características de carcaça de frangos de corte p. 68

72 Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, OLIVEIRA, Jeferson Eder Ferreira de. Planos nutricionais para frangos de corte com rações suplementadas com fitase e elaboradas utilizando o conceito de proteína ideal p. Tese (Doutorado em Zootecnia)- Universidade Federal de Lavra, 2011 OLIVO, R., Soares, A.L, Ida, E. I. &Shimokomaki, M. (2001), DietaryVitamin E inhibitspoultry PSE and improves meatfunctionalproperties. Journal Food Biochemistry. 25, OVIEDO-RONDÓN, E. O.; WALDROUP, P. W. Models to estimate amino acid requirements for broiler chickens: a review. InternationalJournalofPoultry Science, v. 1, n. 5, p , PATARRA, Ana Rita Ferreira. Pesquisa de Ácidos Gordos em macroalgas marinhas do litoral dos Açores. 2008, 63p. Dissertação (Mestrado em Ciência do Mar). Universidade do Porto, Portal do município de dois vizinhos. Geologia. Disponível em <http://doisvizinhos.pr.gov.br/sobre-o-municipio/dados-gerais/>. Acessoem: 02 dez QUANT, Anthony D., "Evaluating the effects of maternal and progeny dietary supplementation of selenium yeast and vitamin e on the performance of broiler-breeder hens and performance and meat quality of progeny" (2012). Tese (Ciências de Animal e de alimentos). University of Kentucky RACANICCI, Aline.M.C.; DANIELSEN, Bente; SKIBSTED, Leif.H. Mate (Ilex paraguariensis) as a source of water extractable antioxidant for use in chicken meat. EuropeanFoodResearch Technology, v.227, p , ROSTAGNO, Horacio Santiago; ALBINO, Luiz Fernando Teixeira; Juarez Lopes DONZELE; GOMES, Paulo Cezar; OLIVEIRA, Rita Flávia; LOPES, Darci Clementino; FERREIRA, Aloizio Soares; BARRETO, Sergio Luiz de Toledo; EUCLIDES, Ricardo Frederico. Tabelas brasileiras para aves e suínos: composição de alimentos e exigências nutricionais. 2.ed. Viçosa, MG: UFV, Departamento de Zootecnia, p. 69

73 SANTOS, E. C., TEIXIERA, A. S., & DIAS, E. S. (2002). Efeitos dos aditivos beneficiadores de crescimento sobre bactérias totais, ph intestinal e ph das rações de frangos de corte. Reunião anual da sociedade brasileira de zootecnia, 39. SANTURIO, Janio Morais; SANTURIO, Deise Flores; POZZATTI, Patrícia; MORAES Cristiane Moraes; FRANCHIN, Paulo Rogério; ALVES, Sydney Hartz. Atividade antimicrobiana dos óleos essenciais de orégano, tomilho e canela frente asorovares de Salmonella entérica de origem avícola. Ciência Rural, v.37, n.3, p , SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2010 Publicada no Diário Oficial da União de 7 de dezembro de 2010 Seção 1 SOUZA, HBA de. Parâmetros físicos e sensoriais utilizados para avaliação de qualidade da carne de frango. Seminário Internacional de Aves e Suínos, v. 5, SOUZA-SOARES, LEONOR ALMEIDA; SIEWERDT, FRANK. Aves e ovos.pelotas: Editora da Universidade UFPEL, TARLADGIS, Basil G.; PEARSON, A. M.; JUN, L. R. Chemistry of the 2 thiobarbituric acid test for determination of oxidative rancidity in foods. II. formation of the TBA-malonaldehy de complex without acido-heat treatment. Journal of the Science of Food and Agriculture, v. 15, n. 9, p , TEDESCO, M.J.; GIANELLO, C.; BISSANI, C.A.; BOHNEN, H. & VOLKWEISS, S.J. Análises de solo, plantas e outros materiais. Porto Alegre: Departamento de Solos Universidade Federal do Rio Grande do Sul, p. (Boletim Técnico, 5). VASCONCELOS, Bárbara Monique de Freitas; GONÇALVES, Alex Augusto. Macroalgas e seus usos alternativas para as indústrias brasileiras. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 8, n. 5, p , VIDOTTI, Eliane Cristina e ROLLEMBERG, Maria do Carmo E. Algas: da economia nos ambientes aquáticos à biorremediação e a química analítica. Química nova, 27(1): VIEITES, Flávio Medeiros ;NALON,Flávio Medeiros Vieites, Rodrigo Pereira;SANTOS, Andreza LuziA;BRANCO, Patricia Azevedo Castelo; SOUZA, Christiane Silva;NUNES, Ricardo Vianna; CALDERANO, Arele Arlindo; ARRUDA, 70

74 Nelson Vital Monteiro de. Desempenho, rendimento de carcaça e cortes nobres de frangos de corte alimentados com rações suplementadas com Solanumglaucophyllum. Semina: Ciências Agrárias, v. 35, n. 3, p , ZANINI, SURAMA FREITAS et al. Composição da carcaça de frangos de corte submetidos a dieta com farinha de algas. REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA VILA VELHA (ES), v. 3, n. 1, JANEIRO/JULHO DE 2002, v. 3, n. 1, p. 46, ZHANG,Quanbin;NING, Li ; LIU, Xiguang, ZHAO, Zengqin, Li,Zhien; Xu,Zuhong.The structure of a sulfated galactan from Porphyrahaitanensis and its in vivo antioxidant activity.carbohyd. Res.,339: ,

75 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho analisou a possibilidade de inserção on top de extratos de algas na alimentação de frangos de corte objetivando analisar o desempenho, morfometria e rendimento, qualidade química e física, de carcaças de frangos da linhagem Cobb, submetidos à inserção de extrato de algas em cinco níveis de 1 a 28 dias de idade. O presente trabalho permite concluir que a inserção on top de extrato de algas na dieta de frango de corte pode ser vantajosa de acordo com alguns dos aspectos analisados, mas por outro lado, mostrou que tal adição pode não apresentar diferenças significativas em aspectos muitas vezes esperados pelos consumidores. A inserção de extrato de algas on top na dieta de frango de corte melhora o desenvolvimento da região de cripta do duodeno e do jejuno. Este melhor desenvolvimento ocasiona uma maior produção de células capazes de absorver nutriente, e causa um aumento na utilização de energia. Estudos futuros devem se atentar neste fato, priorizando a análise de ingestão e consumo energético das aves. Nos aspectos relacionados ao desempenho da ave, as inserções de alga nos níveis testados não interferiram significativamente no consumo de ração e conversão alimentar, aspetos que quando minimizados são de grande interesse a cadeia produtiva. Futuramente sugestiona-se aumentar os níveis de extrato de algas e paralelamente realizar um estudo econômico a fim de verificar a viabilidade deste produto. Quando o intuito é a diminuição da deposição de gordura abdominal, este trabalho observou que a inserção de 1,2% do extrato de algas influenciou diretamente na quantidade de gordura abdominal, ainda vale ressaltar o aumento no rendimento de pernas. Quanto à qualidade do produto final constata-se que a inserção de algas enrijeceu a carne com o aumentodos níveis de extrato de algas. Tal efeito possui relação direta com a perda de peso por cozimento, pois observa-se que na ausência de água nos filés, maior é a força necessária para o rompimento das fibras musculares. 72

76 APÊNDICE A Linhas de comando utilizadas para realização das análises 73

77 MinistériodaEducação UNIVERSIDADETECNOLÓGICAFEDERALDO PARANÁ CâmpusDoisVizinhos ANEXO A PROJETODEPESQUISA/AULAPRÁTICA Título: Área Temática: Pesquisador/Professor: Instituição: Versão: Utilização de extrato de algas na dieta de frangos de corte Produção e Nutrição de Aves Sabrina Endo Takahashi Andiara Gonçalves Tenório Universidade Tecnológica Federaldo Paraná Câmpus Dois Vizinhos 002-apósapresentaçãoderesoluçãodependências PARECERCONSUBSTANCIADO DACEUA Protocolonº Título:Utilização de extrato de algas na dieta de frangos de corte Pesquisador/Professor: Sabrina Endo Takahashi Andiara Gonçalves Tenório Área temática: Produção e Nutrição de Aves Instituição: Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Dois Vizinhos Financiamento: Não mencionado Apresentação doprojeto: AtualmenteoBrasilseencontraentreostrêsprincipaisexportadoreseprodutoresdecarnedefrangodomundo. Devido asua importância comercial, pesquisas que visam a melhora produtiva desta cultura auxiliam o desenvolvimento tecnológico. O objetivo deste projeto será utilizar o extrato de algas como aditivo na dieta de frangos de corte, analisando os benefícios obtidos. Para tanto será realizado um experimento em delineado em blocos ao acaso, com 5 tratamentos e8repetições (T1:ração basal a base de milho e soja, sem extrato 74

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI.

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Diego

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo Elvania Maria da Silva Costa 1, Agustinho Valente de Figueirêdo

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1.

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Karina

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

Peso do Filhote. 1Kg 2Kg 3 a 5Kg 5 a 7Kg 7 a 10Kg 10 a 14 Kg 14 a 18 Kg 18 a 22Kg. 432 a 556g. 288 a 371g. 371 a 484g

Peso do Filhote. 1Kg 2Kg 3 a 5Kg 5 a 7Kg 7 a 10Kg 10 a 14 Kg 14 a 18 Kg 18 a 22Kg. 432 a 556g. 288 a 371g. 371 a 484g Puppy: Carne, Espinafre & Batata Doce Filhote de cães com até 1 ano de idade Alimento rico em proteína, para um crescimento saudável Alta palatabilidade Alta digestibilidade: proteínas de alta qualidade

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FARELO DE MACARRÃO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE DE LINHAGEM CAIPIRA

UTILIZAÇÃO DE FARELO DE MACARRÃO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE DE LINHAGEM CAIPIRA UTILIZAÇÃO DE FARELO DE MACARRÃO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE DE LINHAGEM CAIPIRA João Paulo Silva Paes 1, Henrique Jorge de Freitas 2, Marcelo Bastos Cordeiro 3 1. Graduando do Curso de Medicina

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Puppy Small Bites. PVP 2010 15kg 70.00 3kg 22.50. 3 6 Cinza total

Puppy Small Bites. PVP 2010 15kg 70.00 3kg 22.50. 3 6 Cinza total 15kg 70.00 3kg 22.50 Puppy Small Bites Alimentos completos e balanceados para as raças pequenas, cachorros, gestating e aleitamento cadelas. Cibau Puppy Small Bites é um alimento completo para o cultivo

Leia mais

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES Metodologias aplicadas na avaliação de problemas locomotores em frangos de corte e poedeiras têm uma importância cada vez maior dentro da cadeia produtiva.

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Níveis de Energia Metabolizável e Relação Lisina Digestível por Caloria em Rações para Suínos Machos Castrados em Terminação

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica 140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica SIGNOR, Arcângelo Augusto. UEM, angelo_signor@gmail.com; CORRÊIA, Arlindo

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009.

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. Avaliação de alterações na coloração e qualidade da gema de ovos em função do tempo e forma de

Leia mais

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829)

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) UNIVERSIDADE DO AMAZONAS Faculdade de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) André Lima Gandra Dissertação

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV.

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MARANDU Vilela, L.A.F.³; Portugal, A.F.²*; Carballal, M.R¹; Ribeiro, D.O.³,

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

USO DE ANTIBIÓTICOS EM AVES DE PRODUÇÃO

USO DE ANTIBIÓTICOS EM AVES DE PRODUÇÃO USO DE ANTIBIÓTICOS EM AVES DE PRODUÇÃO LINZMEIER, Lissiane Geise BAZAN, Christovam Tabox ENDO, Rosilaine Mieko LINO, Ricardo Stranger MENINO, Bruno Branco PUGLIESE, Paulo SHAFRANSKI, Elcio SILVA, Ledzaine

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração

Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração Sebastião A. Borges et al. 89 Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração Sebastião Aparecido Borges (Doutor) Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

IMPACTO DE ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS NO CUSTO DE ARMAZENAGEM, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE DEJETOS DE SUÍNOS

IMPACTO DE ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS NO CUSTO DE ARMAZENAGEM, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE DEJETOS DE SUÍNOS IMPACTO DE ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS NO CUSTO DE ARMAZENAGEM, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE DEJETOS DE SUÍNOS Palhares, J.C.P.*; Miele, M.; Lima, G.J.M.M. de 1 Pesquisadores da Embrapa Suínos e Aves, Br

Leia mais

EFEITO RESIDUAL DA GENTAMICINA NOS TECIDOS DE FRANGOS DE CORTE APÓS A ADMINISTRAÇÃO IN OVO

EFEITO RESIDUAL DA GENTAMICINA NOS TECIDOS DE FRANGOS DE CORTE APÓS A ADMINISTRAÇÃO IN OVO 1 EFEITO RESIDUAL DA GENTAMICINA NOS TECIDOS DE FRANGOS DE CORTE APÓS A ADMINISTRAÇÃO IN OVO MAGENIS, G. B. 1 *, ARTONI, S. M. B. 2, BRAGAGLIA, G. N. 1, RIZZI, V. G. 1, ESMERINI, P. 1, TOMA, S. B. 1 1

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DE CONSERVAS

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DE CONSERVAS AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DE CONSERVAS Débora Pietrobon Facchi 1 ; Marcia Ines Brandão 1 ; Maryana Bauer 1 ; Orlando de Paris Junior 1 Morgana Suszek Gonçalves 2

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões Carolina Gonçalves Borges 1 ; Marco Antônio Pereira da Silva 1 ; Jakeline Fernandes Cabral

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA

9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA 9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA Autor(es) DÉBORA DA SILVA SOUZA Co-Autor(es) KENIA NARA DA SILVA Orientador(es)

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA JUSSIEDE SILVA SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA JUSSIEDE SILVA SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA JUSSIEDE SILVA SANTOS RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE BISCOITO: UMA ALTERNATIVA PARA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS RIO

Leia mais

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Qualidade e valor nutricional da carne de coelho Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Vila Real, 25 de Novembro de 2011 Proteínas Funções das proteínas. Aminoácidos; aminoácidos essenciais. Valor

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

RESUMOS COM RESULTADOS... 765 RESUMOS DE PROJETOS... 768 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 769

RESUMOS COM RESULTADOS... 765 RESUMOS DE PROJETOS... 768 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 769 764 RESUMOS COM RESULTADOS... 765 RESUMOS DE PROJETOS... 768 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 769 RESUMOS COM RESULTADOS 765 CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS EM DIFERENTES TIPOS DE

Leia mais

Características da Carne de Frango

Características da Carne de Frango Características da Carne de Frango Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com)

Leia mais

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY ISOLATED Proteína Isolada da Soja INTRODUÇÃO A soja é uma planta leguminosa que está na cadeia alimentar há 5 mil anos e tem sido parte essencial da dieta asiática há muitos

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

Mitos e Verdades Sobre o Consumo de Carne de Frango e Ovos

Mitos e Verdades Sobre o Consumo de Carne de Frango e Ovos Informativo Técnico N 03/Ano 03 março de 2012 Mitos e Verdades Sobre o Consumo de Carne de Frango e Ovos * Rita Dulac Domingues 1, Gustavo Nogueira Diehl 2 INTRODUÇÃO A avicultura tem se mostrado ser um

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

ÉRIKA BASTOS BUTTENMÜLLER VILAS BOAS

ÉRIKA BASTOS BUTTENMÜLLER VILAS BOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ UNIOESTE CAMPUS DE TOLEDO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AGRONEGÓCIO ÉRIKA BASTOS BUTTENMÜLLER VILAS BOAS

Leia mais

ARTIGO NÚMERO 180 PANORAMA DA COTURNICULTURA NO BRASIL

ARTIGO NÚMERO 180 PANORAMA DA COTURNICULTURA NO BRASIL ARTIGO NÚMERO 180 PANORAMA DA COTURNICULTURA NO BRASIL Silvana Marques Pastore 1, Will Pereira de Oliveira 2 & Jorge Cunha Lima Muniz 1 2-1- Estudante de pós-graduação em Zootecnia da Universidade Federal

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo.

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo. O que é? A chlorella é uma alga unicelular de água doce existente na Terra há milhões de anos. A sua estrutura genética manteve-se intacta ao longo do tempo resultando numa grande concentração e variedade

Leia mais

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Qualidade do milho para utilização na alimentação animal Luiz Carlos MACHADO 1, Daviane Martinele

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

TESTES DE PRODUTIVIDADE

TESTES DE PRODUTIVIDADE TESTES DE PRODUTIVIDADE INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS LTDA. PROBIÓTICO SISTEMA DIGESTIVO E FLORA DE RÚMEN Os ruminantes (bovinos, ovinos, caprinos e bubalinos) constituem um grupo de animais com

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=170>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Efeito da taurina sobre o desempenho de leitões na fase de creche Oliveira, E. F.¹,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO ANEXO II INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS CANDIDATOS AUTODECLARADOS NEGROS EDITAL 74 DE 03/12/2015 TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM ADUCAÇÃO INSCRICAO CAMPUS CARGO NOME 19941 CAMPUS PATROCÍNIO TÉCNICO EM ALEX DE SOUZA

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairo Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

14988 - Avaliação de Mudas de Moringa para doses do Biofertilizante Kombucha. Moringa seedlings evaluation according to Kombucha Biofertilizante doses

14988 - Avaliação de Mudas de Moringa para doses do Biofertilizante Kombucha. Moringa seedlings evaluation according to Kombucha Biofertilizante doses 14988 - Avaliação de Mudas de Moringa para doses do Biofertilizante Kombucha Moringa seedlings evaluation according to Kombucha Biofertilizante doses 1 Ranieri Ramadham Lino de Souza Moreira, 2 João Paulo

Leia mais

Características da Carne Bovina

Características da Carne Bovina Características da Carne Bovina Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superio Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superio Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14286394 ALBANO LUIS ANDRADE PEREIRA Não colocado 14388714 ANA BEATRIZ MARTINS MACHADO Colocada em 3133 9104 14371141 ANA CATARINA MOREIRA LEAL Colocada em 7003 14319342 ANA CATARINA SOUSA RIBEIRO Colocada

Leia mais

Introdução a avicultura

Introdução a avicultura Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Introdução a avicultura Profª. Valdirene Zabot AVICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO Introdução Início do

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo José Maria de OLIVEIRA Júnior 1 ; Gian Nascimento 2 ; Rafael Mendonça de Carvalho ² ; Wanderson Bahia Paulineli²;

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais Informações Técnicas SHAKEASY Bases Prontas para Shakes Funcionais INTRODUÇÃO SHAKEASY representa uma nova geração de shakes funcionais. Um completo e diferenciado substituto parcial de refeições que permite

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

CURSO DE ZOOTECNIA CARACTERIZAÇÃO DOS DOCENTES 1º.

CURSO DE ZOOTECNIA CARACTERIZAÇÃO DOS DOCENTES 1º. 1º. Período Introdução ao Cálculo 60 Luciana Alvarenga Santos Graduação em Engenharia Civil, Mestrado em Estruturas de Concreto. Química Geral 60 Nayara Penoni Graduação em Química e Mestrado em Agroquímica.

Leia mais

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 ARTIGO NU MERO 187 EFEITOS DA DENSIDADE DE ALOJAMENTO SOBRE A PRODUÇA O DE FRANGOS DE CORTE Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 1 Aluna do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS O Programa de Alimentação para quinos Guabi é composto de produtos que atendem a todas as classes de equinos, desde seu nascimento

Leia mais

RESUMO. Campus Bambuí. Rod. Bambuí/Medeiros Km 5. CEP: 38900-000. Bambuí- MG. 2 Professor Orientador (IFMG).

RESUMO. Campus Bambuí. Rod. Bambuí/Medeiros Km 5. CEP: 38900-000. Bambuí- MG. 2 Professor Orientador (IFMG). Desenvolvimento e aceitação de empanados de frango enriquecidos com fibra de Jéssica Reis PEDROSA 1 ; Clélia Cristina Almeida da SILVA 1 ; Rômulo Leal da SILVA 1 ; Fernanda Araújo SILVA 1 ; Antônio Divino

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO J. R. G. de Paiva 1 ; L. F. de Figueredo 2 ; T. H. da Silva 3 ; R. Andrade 4 ; J. G. R. dos Santos 4 RESUMO: O manejo

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Soro de leite integral na alimentação dos suínos Teresinha Marisa Bertol 1 Jonas Irineu dos Santos

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Energia metabolizável de alimentos na formulação de ração para frangos de corte

Energia metabolizável de alimentos na formulação de ração para frangos de corte Energia metabolizável e formulação de ração para frangos de corte 107 Energia metabolizável de alimentos na formulação de ração para frangos de corte Ednardo Rodrigues Freitas (1), Nilva Kazue Sakomura

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

Óleo coco líquido. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil

Óleo coco líquido. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil Óleo coco líquido Nome científico: Cocus nucifera Com ação antioxidante, colabora na diminuição da produção de radicais livres devido a presença da vitamina E. Considerado termogênico, ou seja, capaz de

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

ALGAS COMESTÍVEIS: COMPARAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE ESPÉCIES DE GRACILARIA (G. CORNEA E G. DOMINGENSIS) DE OCORRÊNCIAS NO LITORAL NORDESTINO

ALGAS COMESTÍVEIS: COMPARAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE ESPÉCIES DE GRACILARIA (G. CORNEA E G. DOMINGENSIS) DE OCORRÊNCIAS NO LITORAL NORDESTINO ALGAS COMESTÍVEIS: COMPARAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE ESPÉCIES DE GRACILARIA (G. CORNEA E G. DOMINGENSIS) DE OCORRÊNCIAS NO LITORAL NORDESTINO Clara Mariana Barros CALADO 1, Vanusia Cavalcanti FRANÇA PIRES 2

Leia mais

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do farelo de soja por suínos Ferdinando N. Almeida e Hans H. Stein Department of Animal Sciences, University of Illinois, EUA

Leia mais

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose Informações Técnicas INULINA Fibra alimentar CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose INTRODUÇÃO A inulina é um nutriente funcional ou nutracêutico, composto por frutose, encontrado

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA CRIAÇÃO DE CODORNAS E QUALIDADES NUTRICIONAIS DO OVO E CARNE DE CODORNA. Vera Maria Barbosa de Moraes & Joji Ariki

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA CRIAÇÃO DE CODORNAS E QUALIDADES NUTRICIONAIS DO OVO E CARNE DE CODORNA. Vera Maria Barbosa de Moraes & Joji Ariki IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA CRIAÇÃO DE CODORNAS E QUALIDADES NUTRICIONAIS DO OVO E CARNE DE CODORNA Vera Maria Barbosa de Moraes & Joji Ariki Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciencias Agrarias

Leia mais

A raspa de mandioca como sucedâneo dos farelos de trigo na alimentação de pintos

A raspa de mandioca como sucedâneo dos farelos de trigo na alimentação de pintos A raspa de mandioca como sucedâneo dos farelos de trigo na alimentação de pintos PROF. ALCIDES DI PARAVICINI TORRES Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" Universidade de S. Paulo Piracicaba

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 CASSANEGO, Daniela Buzatti 2 ; MATTANNA, Paula 2 ; GUSSO, Ana Paula 2 ;

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS EM CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO 1

NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS EM CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO 1 NÍVEIS DE RESÍDUO INDUSTRIAL DE FÉCULA DA MANDIOCA 243 NÍVEIS DE RESÍDUO INDUSTRIAL DE FÉCULA DA MANDIOCA NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS EM CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO 1 TERESINHA MARISA BERTOL 2 e GUSTAVO JULIO

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais