Petróleo no Brasil e no Mundo e Situação atual da Petrobras Armando Guedes Coelho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Petróleo no Brasil e no Mundo e Situação atual da Petrobras Armando Guedes Coelho"

Transcrição

1 Petróleo no Brasil e no Mundo e Situação atual da Petrobras Armando Guedes Coelho Membro do Conselho de Administração do IBP Presidente do Conselho Empresarial de Energia da FIRJAN

2 Panorama Mundial

3 Século XXI Diversificação das Fontes de Energia % Biomassa (lenha) ESTAMOS AQUI Carvão Nuclear Hidro Petróleo Gás natural Biomassa moderna Solar 10 Outros Fonte: Nakícenovic, Grübler e MaConald

4 Oferta de Energia 2013 Brasil Mundo Renováveis Hidroeletricidade 6% 37% Energia Nuclear 1% Carvão 1% Gás;8% Petróleo 47% Hidroeletricidade 7% Energia Nuclear 4% Carvão 31% Renováveis 2% Gás 24% Petróleo 33% 235,6 milhões de toneladas de óleo equivalente ,9 milhões de toneladas de óleo equivalente Fonte: BP Statistical World Energy 2014

5 Petróleo Reserva, Produção e Consumo 2013 Reservas Provadas País 10 9 barris Venezuela 298,3 Arábia Saudita 265,9 Canadá 174,3 Irã 157,0 Iraque 150,0 Kuwait 101,5 Emirados Árabes 97,8 Rússia 93,0 Líbia 48,5 EUA 44,2 Nigéria 37,1 Cazaquistão 30,0 Catar 25,1 China 18,1 Brasil 15,6 Angola 12,7 País Produção 10 3 bpd Arábia Saudita Rússia EUA China 4180 Canadá 3948 Irã 3558 Emirados Árabes 3646 Iraque 3141 Kuwait 3126 México 2875 Venezuela 2623 Nigéria 2322 Brasil 2114 Catar 1995 Noruega 1837 Angola 1801 País Consumo 10 3 bpd EUA China Japão 4551 Índia 3727 Rússia 3313 Arábia Saudita 3075 Brasil 2973 Coréia do Sul 2460 Canadá 2385 Alemanha 2382 México 2020 Irã 2002 África * 1911 Oriente Médio** 1683 França 1683 Indonésia 1623 OBS: Considerando a produção atual, os Estados Unidos terão petróleo por mais uns 12 anos *Excluindo Argélia, Egito e África do Sul. **Excluindo Irã, Israel, Kuwait, Catar, Arábia Saudita e Emirados Árabes. Fonte: BP Statistical World Energy 2014

6 O Brasil no Ranking de Reservas Considerando as estimativas de reservas do pré-sal Reservas atuais Pré-Sal Reservas futuras 18,0 bilhões de boe 14ª maior reserva + = 27,5 a 38,5 9ª maior reserva 56,5 bilhões de boe 18,0 provadas 11,5 descobertas pré-sal 10,0 Libra 5,0 cessão onerosa 12,0 exced. cessão onerosa

7 * Não considera as reservas de shale gas dos EUA - Perspectivas de shale gas dos EUA: milhões m 3. Fonte: BP Statistical World Energy Gás Reserva, Produção e Consumo 2013 Reservas Provadas* País m 3 Irã 33,8 Rússia 31,3 Catar 24,7 Turcomenistão 17,5 EUA 9,3 Arábia Saudita 8,2 Emirados Árabes 6,1 Venezuela 5,6 Nigéria 5,1 Argélia 4,5 Austrália 3,7 Iraque 3,6 China 3,3 Indonésia 2,9 Noruega 2,0 Egito 1,8 Produção País 10 9 m 3 EUA 687,6 Rússia 604,8 Irã 166,6 Catar 158,5 Canadá 154,8 China 117,1 Noruega 108,7 Arábia Saudita 103,0 Argélia 78,6 Indonésia 70,4 Malásia 69,1 Turcomenistão 62,3 México 56,6 Egito 56,1 Emirados Árabes 56,0 Usbesquistão 52,2 Consumo País 10 9 m 3 EUA 737,2 Rússia 413,5 Irã 162,2 China 161,6 Japão 116,9 Canadá 103,5 Arábia Saudita 103,0 Alemanha 83,6 México 82,7 Reino Unido 73,1 Emirados Árabes 68,3 Itália 64,2 Coréia do Sul 52,5 Tailândia 52,2 Índia 51,4 Egito 51,4

8 Desafio da Oferta Global das Fontes de Energia (mm bpd) Adição Requerida de Capacidade (bpd) 2020: MM bpd 2030: MM bpd Fonte: IEA World Energy Outlook 2010 / EIA International Energy Outlook 2010

9 Média do Preço do Óleo Cru Projeção preço (2012 dólares por barril) Fonte: EIA, The Annual Energy Outlook, 2014

10 Preços de Henry Hub e Brent 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 Henry Hub Natural Gas Brent Crude Oil Novo ambiente de preços a partir de 2005

11 Mudança Geopolítica EUA Oriente Médio China, Índia e Japão Autonomia de produção: Shale Gas e Tight Oil Conflitos étnicos na Libia, Iraque, Irã, Arábia Saudita... Busca de novas fronteiras (Atlântico Sul, Costa Brasileira, Costa do Oeste da África e Margem Equatorial) Grande oportunidade para o Brasil se posicionar no contexto do mundo do petróleo Insegurança / instabilidade direcionando investimentos das empresas do setor petróleo (onde atuar???)

12 Projeção da Capacidade de Refino no Brasil (mm bpd)

13 Previsão de Demanda do Mercado de Derivados de Petróleo no Brasil* 3,3 12% 5% 2,2 9% 5% 9% 9% 22% 4% 2,4 11% 7% 11% 7% 19% 3% 6% 9% 9% 17% 41% 41% 44% Diesel Gasolina GLP Nafta QAV Óleo Combustível Demais Derivados *milhão bpd Fonte: Petrobras

14 Mudança no Perfil de Demanda Brasil Fonte: Petrobras

15 Gás Natural

16 Produção de Gás Natural (trilhões pés cúbico*) *1 ft 3 = 0,03 m 3 Fonte: EIA Annual Energy Outlook 2014

17 Produção de Gás Natural trillion cubic feet Fonte: EIA Annual Energy Outlook 2013

18 Conclusões O gás como combustível veicular, principalmente para veículos pesados, criaria uma alternativa muito interessante para substituição de combustíveis convencionais (gasolina e óleo diesel). Redução de emissões nos grandes centros urbanos; Redução da dependência externa de óleo diesel e gasolina A questão do gás no Brasil carece de decisões fundamentais para o desenvolvimento do setor. É prioritário que seja estabelecida pelo Governo uma política nacional de preços para que o gás se torne competitivo (seja como combustível veicular ou gerador de energia térmica, seja como matéria prima para a indústria química)

19 Conclusões No horizonte de 20 a 30 anos, o petróleo e o gás representarão 50% da participação na matriz energética mundial. Para melhorar as condições de uso e do meio ambiente em relação a energia, deve-se: 1. Investir em eficiência: combustíveis fósseis (petróleo e gás), combustíveis renováveis e veículos movidos a energia elétrica. Vale lembrar que tanto nos motores do Ciclo Otto, quanto nos motores do Ciclo Diesel, o aproveitamento termodinâmico não ultrapassa 33% da energia gasta, sendo este aproveitamento substancialmente maior para o carro elétrico. Então, a conjugação do carro elétrico com flexibilidade de usos de energia fóssil ou fontes alternativas, faria todo sentido; 2. Fabricar veículos eficientes e menores;

20 Conclusões 3. Investir em transporte de massa, principalmente nos grandes centros; 4. Promover o aculturamento da população mundial: redução no uso de veículos próprios, e mais veículos coletivos; 5. Aumentar a metragem de ciclovias nos grandes centros; No caso específico do Brasil, é importante aumentar a utilização de outros modais de transporte além das rodovias (dutovias, marítimo, hidrovias e ferrovias). Como conclusão final, os fatores determinantes serão: mudança de cultura, inovação, aumento de eficiência e uso de múltiplas fontes energéticas em veículos leves e/ou pesados.

21 Shale Gas e Shale Oil

22 Fatores de Sucesso para o Gás Não Convencional nos EUA Acesso a áreas de exploração Regulação Leve Estrutura da Indústria de Gás Conhecimento Geológico Aceitação Social Mercado Financeiro Sofisticado Acesso ao Mercado Fonte: IE/UFRJ (Edmar Almeida)

23 Produção de Petróleo e Gás Natural nos EUA, a partir de Recursos não Convencionais Produção de tight oil (mm bpd) ft 3 = 0,19 barris de óleo equivalente Fonte: EIA, Outlook for U.S. shale oil and gas 2014 Produção de shale gas (bilhões ft 3 por dia )

24 Projeção da Produção de Gás Natural nos EUA até 2040 Trilhões de pés cúbicos Bilhões de pés cúbicos por dia Fonte: EIA, Annual Energy Outlook 2014 Early release

25 Potencial de Exportação de Gás Natural pelos EUA Trilhões de pés cúbicos por ano Bilhões de pés cúbicos por dia Fonte: EIA, Annual Energy Outlook 2014 Early release

26 Maiores Reservas Provadas de Shale no Mundo Shale oil País Bilhões barris Rússia 75 EUA* 58 China 32 Argentina 27 Líbia 26 Venezuela 13 México 13 Paquistão 9 Canadá 9 Indonésia 8 Total mundial 345 País Shale gas Trilhões pés cúbicos China Argentina 802 Argélia 707 EUA* 665 Canadá 573 México 545 Austrália 437 África do Sul 390 Rússia 285 Brasil 245 Total mundial ft 3 = 0,19 barris de óleo equivalente * A ARI estima uma reserva de 48 bilhões de barris de shale oil, e de trilhões de pés cúbicos para o shale gas. Fonte: EIA, Annual Energy Outlook 2014 Early release

27 Pré-Sal

28 Evolução Tectônica do Planeta

29 Evolução Tectônica do Planeta

30 Evolução Tectônica do Planeta

31 Evolução Tectônica do Planeta

32 Evolução Tectônica do Planeta

33 Evolução Tectônica do Planeta

34 Evolução Tectônica do Planeta

35 Evolução Tectônica do Planeta

36 Evolução Tectônica do Planeta óleo óleo 0 m Nível do Mar 1000 m 2000 m 3000 m 4000 m 5000 m 6000 m Acumulação Pós-Sal Água Pós-Sal Janela de Sal Sal (Camada Impermeável) Pré-Sal Rochas Lacustres (Geradoras de Petróleo) Sem Escala Acumulação Pré-Sal Fonte: Petrobras

37 Ocorrência Potencial do Pré-Sal Área do Pré-sal brasileiro Áreas Excedentes da Cessão Onerosa (bilhão de boe) Búzios 6,5-10,0 Entorno de Iara 2,5-4,0 Florim 0,3-0,5 Tabela: Resolução CNPE nº 1, 24/06/2014 Nordeste de Tupi 0,5-0,7

38 1ª rodada Pré-Sal (out/2013) Área de Libra Consórcio / Participação: CNPC: 10% / CNOOC: 10% / Shell: 20% / Total: 20% / Petrobras: 40% Reserva de 8 a 12 bilhões de barris

39 O Nosso Grande Desafio no Pré-Sal Como tornar disponível essa grande descoberta?

40 Equacionamento Regulatório Royalties Parcela de recursos destinada ao Governo Regime de Concessão Regime de Partilha 10% Percentual Royalties 15% Percentual Royalties

41 Equacionamento Financeiro Para os próximos 10 anos, considerando investimentos de US$ 10 a 20 por cada novo barril de petróleo a ser produzido, e um adicional de reservas em uma faixa de 18,8 a 36 bilhões de barris (em função do pré-sal), estima-se uma demanda de investimentos em torno de US$ bilhões. É pouco provável que o Brasil tenha condições de aportar todo este montante, sendo necessária a captação de recursos externos. Apenas para a área de Libra, estamos falando de investimentos da ordem de U$S bilhões.

42 Equacionamento Tecnológico A tecnologia atual permite segurança na atividade de exploração do Pré-sal Desafios a superar Menor custo Maior segurança

43 Parque Tecnológico do Rio Localizado na Cidade Universitária da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na ilha do Fundão; 350 mil m 2, destinados a abrigar empresas de setores intensivos em conhecimento, com prioridade para as áreas de energia, meio ambiente e tecnologia da informação. Parceria Universidade-Empresa: aplicação das pesquisas nas inovações empresariais; postos de trabalho para profissionais altamente qualificados; definição de necessidades do mercado de trabalho; oportunidade de estágios e primeiro emprego aos alunos; melhoria de qualidade de vida local, com compromisso de responsabilidade social

44 Parque Tecnológico do Rio Pela legislação vigente, as empresas são obrigadas a alocar 1% do valor faturado em P&D, nos campos de alta produtividade. Considerando uma produção da ordem de 3 milhões bpd no pré-sal nos próximos 10 anos, tem-se investimentos na ordem de US$ 3 milhões/dia, considerando o preço de US$ 30 o barril de óleo, o que daria mais de US$ 320 milhões/ano. No entanto, considerando a mudança da legislação, que prevê a distribuição destes valores pelo país inteiro, haverá um decréscimo substancial na parcela alocada ao parque tecnológico e, consequentemente, muitas empresas ali instaladas poderão abandonar seus projetos. O IBP, a FIRJAN e o Governo do Estado do Rio estão se mobilizando, a fim de propor uma melhor solução para este assunto. Vale lembrar que o principio básico é a concentração e não a diversificação.

45 Parque Tecnológico do Rio Outras companhias com planos de desenvolvimento de centros tecnológicos no Brasil: Cameron, IBM, Technip, Weatherford e Wellstream.

46 Equacionamento Recursos Humanos e Serviços Autorizações concedidas a estrangeiros por nível de escolaridade

47 Equacionamento Logístico Distância de 300 km da costa; Grande demanda de transporte aéreo (helicópteros) e marítimo; Necessidade de controle eficiente dos riscos operacionais e ambientais; Plano de contingência eficiente e com respostas rápidas; Necessidade de plataformas automáticas; Pensa-se em construir ilhas artificiais entre a costa e as plataformas.

48 Expectativa de Produção no Brasil Pós- Sal, Pré-Sal e Cessão Onerosa Petrobras 2.0 mbpd 2.4 mbpd 3.0 mbpd * O campo de Libra poderá entrar em operação entre 2019/ Modelo de Partilha de Produção

49 Investimentos Petrobras em Exploração e Produção Fonte: PETROBRAS - Plano Estratégico 2030 e PNG , de 26 de fevereiro de 2014

50 Conclusões O pré-sal é um projeto estratégico, de longa duração (20 a 25 anos) e sua sustentabilidade estará irreversivelmente associada a nossa capacidade de criar um ambiente de atratividade de investimentos (internos e externos), fundamentado em regras (políticas) simples e claras e sustentabilidade duradoura (marco regulatório). O desenvolvimento do pré-sal é de altíssimo interesse nacional e mundial (principalmente considerando a mudança geopolítica no mundo atual) e, bem executado, pode colocar o Brasil em uma posição ímpar e invejável no contexto mundial (baixa população, grande produtor de alimentos e gigante produtor de energia). Isso significa que o Brasil não tem apenas oportunidades para empresas de O&G, mas também oportunidades para os fornecedores, principalmente para aqueles que estão dispostos a estabelecer-se no Brasil. Não podemos falhar nesse objetivo!

51 Mensagem Final Período Mundo Excesso de população (9.5 bilhões de pessoas); Escassez de energia; Escassez de grãos. Brasil Baixa população (230 milhões de pessoas - menor que a população dos EUA); Grande produção de energia; Grande produção de grãos. O que significa dizer que o Brasil, nesta ocasião, terá um grande potencial.

52 Obrigado

A IMPORTÂNCIA DA CAMADA PRÉ-SAL NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA CAMADA PRÉ-SAL NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA CAMADA PRÉ-SAL NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL SEMINÁRIO PRÉ-SAL E A NOVA LEI DO PETRÓLEO - DESAFIOS E POSSIBILIDADES Mauricio T. Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL Mundo e Brasil Pré-sal e desenvolvimento nacional. Guilherme Estrella, geólogo

PETRÓLEO E GÁS NATURAL Mundo e Brasil Pré-sal e desenvolvimento nacional. Guilherme Estrella, geólogo PETRÓLEO E GÁS NATURAL Mundo e Brasil Pré-sal e desenvolvimento nacional Guilherme Estrella, geólogo Crescimento da população mundial CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA IEA-WEO-2012: 1,3 BILHÕES DE PESSOAS SEM

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Novo Marco Regulatório. Pré-sal e áreas estratégicas

Novo Marco Regulatório. Pré-sal e áreas estratégicas Novo Marco Regulatório Pré-sal e áreas estratégicas 1 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-SAL PARA O BRASIL E BRASILEIROS 2 O QUE É O PRÉ-SAL Grandes reservatórios de petróleo e gás natural Situados entre 5.000 e 7.000

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ

ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ CONSIDERAÇÕ ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ ÇÃO O DE PETRÓLEO E GÁS G S NATURAL Ivan Simões Filho Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás G s e Biocombustíveis - IBP Seminário

Leia mais

APRESENTAÇÃO NA FUP MUDANÇAS NO MARCO REGULATÓRIO DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL

APRESENTAÇÃO NA FUP MUDANÇAS NO MARCO REGULATÓRIO DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL APRESENTAÇÃO NA FUP MUDANÇAS NO MARCO REGULATÓRIO DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL Henrique Jäger (Subseção da FUP) Cloviomar Cararine (Subseção do SINDIPETRO-NF) Técnicos do DIEESE Rio de Janeiro, 25

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia

Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia José Eduardo Sequeira Nunes Chefe do Gabinete da Presidência Lisboa, 29 de outubro de 2013 Operador integrado de energia focado na exploração e produção Subida do

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

Ciências Militares no Século XXI: Situação atual e desafio futuros

Ciências Militares no Século XXI: Situação atual e desafio futuros Ciências Militares no Século XXI: Situação atual e desafio futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Petróleo Renata Nascimento Szczerbacki Petrobras Estratégia Corporativa Junho de 20151 Versão 25/02/2014

Leia mais

Capitalização da Petrobras. Aspectos do Mercado Internacional e Impactos sobre a Economia Brasileira

Capitalização da Petrobras. Aspectos do Mercado Internacional e Impactos sobre a Economia Brasileira Capitalização da Petrobras Aspectos do Mercado Internacional e Impactos sobre a Economia Brasileira Ernani Teixeira Torres Filho Professor do Instituto de Economia da UFRJ e Superintendente da Área de

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM Balança comercial de produtos químicos 1991 a 2011* US$ bilhões Déficit cresceu de forma explosiva:

Leia mais

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados)

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) Anexo 4: Demanda de Eletricidade 1 Anexo 4 - de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) O Conceito de Energia Equivalente As fontes energéticas classificadas

Leia mais

O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo

O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo Sylvie D Apote, Sócia-Diretora, 7mo. CONGRESO INTERNACIONAL BOLIVIA GAS & ENERGÍA 2014 Santa Cruz de la Sierra, 20-21 Agosto 2014 AGENDA O

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Geopolítica energética: o papel da América Latina Introdução ao debate

Geopolítica energética: o papel da América Latina Introdução ao debate Geopolítica energética: o papel da América Latina Introdução ao debate Organização Co-organização Contexto global Cenário de baixo preço e pressão por eficiência - Manutenção da oferta da OPEP em níveis

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões

Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões Nota à Imprensa 25 de fevereiro de 2011 Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões O lucro líquido aumentou 17% em relação a 2009 e EBITDA atingiu de R$ 60 bilhões

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PETRÓLEO E DERIVADOS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PETRÓLEO E DERIVADOS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PETRÓLEO E DERIVADOS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Em latim, óleo de pedra: petro=pedra + oleum=óleo; O petróleo é uma substância oleosa, inflamável,

Leia mais

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Leonardo Lopes Bhering leonardo.bhering@embrapa.br In: 5º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Guarapari ES, 13

Leia mais

Exploração de Petróleo e Gás em águas profundas e áreas de fronteira

Exploração de Petróleo e Gás em águas profundas e áreas de fronteira Exploração de Petróleo e Gás em águas profundas e áreas de fronteira Manuel Ferreira De Oliveira 9 de julho de 2014 Operador integrado de energia focado na exploração e produção Maior desafio do século

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Tendências do Petróleo e Gás na América Latina: Desafios. Waldyr Martins Barroso Diretor

Tendências do Petróleo e Gás na América Latina: Desafios. Waldyr Martins Barroso Diretor Tendências do Petróleo e Gás na América Latina: Desafios Waldyr Martins Barroso Diretor Rio de Janeiro, 12 de novembro de 2015 Sumário Alterações nas Variáveis da Indústria de Petróleo e Gás América Latina

Leia mais

O Pré-sal: oportunidades para o Brasil

O Pré-sal: oportunidades para o Brasil Simpósio de Geologia do Sudeste O Pré-sal: oportunidades para o Brasil Ricardo Latgé Milward de Azevedo Petrobras DE&P Estância de São Pedro, 17 de outubro de 2009 Informações A apresentação pode conter

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SOUSA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos FEVEREIRO/2010 Francisco José Rocha de Sousa 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS NATURAIS A palavra recurso significa algo a que se possa recorrer para a obtenção de alguma coisa,

Leia mais

Única dos Petroleiros

Única dos Petroleiros FUP Federação Única dos Petroleiros Filiada à DESAFIOS DO BRASIL APÓS AS DESCOBERTAS DO PRÉ-SAL www.fup.org.br www.presal.org.br 1 DIEESE - FUP O Que é o Pré Sal Extensão, Localização e Desafios da Descoberta

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

ISSN 1983-5884 ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

ISSN 1983-5884 ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ISSN 1983-5884 ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS 2013 ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS 2013 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dilma

Leia mais

ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA ARROZ

ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA ARROZ ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA INTERNACIONAL DO ARROZ PANORAMA DO MERCADO MUNDIAL DE ARROZ PRINCIPAIS PRODUTORES (em milhões de toneladas) Região 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Var % (14*/13)

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Planejamento e Racionalidade

MATRIZ ENERGÉTICA SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Planejamento e Racionalidade MATRIZ ENERGÉTICA SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Planejamento e Racionalidade Instituto de Engenharia Miracyr Assis Marcato Panorama energético mundial Em 2010 o mundo, com 6,8 bilhões de habitantes e 150

Leia mais

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Biodiesel BIODIESEL no Brasil Jatropha Lei nº 11.097 / 2005 - Introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira

Leia mais

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO 1 2 _ 22.000 COLABORADORES _ 70.000 KM DE DUTOS (18 DOS QUAIS CRUZAM A CORDILHEIRA DOS ANDES) _ 450 PLANTAS DE PROCESSAMENTO DE

Leia mais

Estrutura de Refino: até quando o Brasil importará derivados de petróleo?

Estrutura de Refino: até quando o Brasil importará derivados de petróleo? Estrutura de Refino: até quando o Brasil importará derivados de petróleo? 14º Encontro Internacional de Energia Carlos Alberto Lopes 06/08/2013 Gas Energy Quem Somos A GAS ENERGY S.A. é uma empresa brasileira

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO Objetivo COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO O objetivo do trabalho é o de propor soluções técnicas e de logística, viáveis para a continuidade do fornecimento de gás natural à população,

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS 2014 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRO DE MINAS E ENERGIA Edison Lobão AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Inteligência Tecnológica na Petrobras

Inteligência Tecnológica na Petrobras Inteligência Tecnológica na Petrobras Maio/2012 CENPES/GTEC/EST Informações Institucionais Sistema Tecnológico Petrobras Processos de Gestão da Tecnologia Monitoração e Prospecção Tecnológica Informações

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO MUDANDO DE MUNDO GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO José Manuel Félix Ribeiro 10 de Janeiro de 2012 Programa das Conferências 1O

Leia mais

ISSN 1983-5884 ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

ISSN 1983-5884 ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ISSN 1983-5884 ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS 2015 ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS 2015 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dilma

Leia mais

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 Nota à Imprensa 8 de agosto de 2014 Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 O lucro bruto no 1º semestre de 2014 foi de R$ 38,5 bilhões, 2% superior ao 1º semestre

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

O futuro do xisto nos Estados Unidos

O futuro do xisto nos Estados Unidos O futuro do xisto nos Estados Unidos Exploração do xisto nos Estados Unidos transforma matriz energética do país A INTL FCStone Inc. é uma empresa listada na Fortune 500 que fornece aos clientes pelo mundo

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo, 26 de maio de 2011 SOBRE A UNICA Maior organização representativa

Leia mais

A Expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural da Comgas

A Expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural da Comgas A Expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural da Comgas Marcelo Menicucci Esteves Diretor de Suprimentos e Projetos de Energia São Paulo - 11/11/2004 Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 MISSÃO Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados

Leia mais

Geopolítica do Petróleo:

Geopolítica do Petróleo: Seminário Energia e Geopolítica: Os impactos da segurança energética nas relações internacionais Geopolítica do Petróleo: uma Década de Transformações Helder Queiroz Pinto Junior Diretor ANP CEBRI Rio

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O&G NÃO- CONVENCIONAL NO BRASIL

PERSPECTIVAS PARA O&G NÃO- CONVENCIONAL NO BRASIL PERSPECTIVAS PARA O&G NÃO- CONVENCIONAL NO BRASIL Lauro Doniseti Bogniotti Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural depg@mme.gov.br OLADE Montevidéu, 25/07/2012 SUMÁRIO

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ CAMPUS 2014 Brésil Internacional Agenda PetróleoeGásNaturalnoBrasileRiodeJaneiro Situação da Indústria Naval Sistema FIRJAN: Soluções para Indústria de P&G

Leia mais

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara PETRÓLEO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara CONCEITO E ORIGEM Petróleo: do latim petrus (pedra) + oleum (óleo) = óleo de pedra É uma substância de origem orgânica, oleosa, inflamável, geralmente menos densa

Leia mais

Conjuntura Internacional do Petróleo

Conjuntura Internacional do Petróleo Conjuntura Internacional do Petróleo AEPET V.7 - abri/2009 Associação dos Engenheiros da Petrobrás. Fernando Siqueira presidente AEPET Rio de Janeiro (21)2533-1110 Fax: (21)2533-2134 aepet@aepet.org.br

Leia mais

Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009

Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009 Nota à Imprensa 11 de maio de 2009 Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009 O preço médio do barril do petróleo tipo Brent caiu 55%, passando de US$ 97 no 1º trimestre de 2008

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE ÁLCOOL NO JAPÃO 1. Definição da Categoria do Produto A categoria enquadra-se no Grupo 22 da

Leia mais

Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País

Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País Os desafios geológicos: qual o tamanho da riqueza que temos em mãos? José Alberto Bucheb Universidade Petrobras 4 de junho de 2014 Gestor: RH/UP

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL

PETRÓLEO E GÁS NATURAL PANORAMA DOS MERCADOS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL E NO MUNDO* Ivan Magalhães Júnior** * Novembro de 2004. ** Engenheiro da Área de Planejamento do BNDES. PETRÓLEO E GÁS NATURAL Resumo O objetivo

Leia mais

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação André Tosi Furtado Departamento de Política Científica e Tecnológica Instituto de Geociências UNICAMP VIII Congresso Brasileiro de Planejamento Energético

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 PRODUTOS MERCADO DE CIMENTO NO BRASIL - 2012 26 mil toneladas EXPORTADO (0,05%) 53% Paraguai 34% Bolívia 68,8 MILHÕES DE TONELADAS

Leia mais

1. Informações Institucionais

1. Informações Institucionais 1. Informações Institucionais Nossa Empresa Líder mundial em eventos de negócios e consumo, a Reed Exhibitions atua na criação de contatos, conteúdo e comunidades com o poder de transformar negócios Números

Leia mais

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870 Toshiba Corporation 1. Principais Características Matriz: Toshiba Corporation Localização: Minato-Ku, Tóquio, Japão Ano de fundação: 1875 Internet: www.toshiba.co.jp Faturamento (2000): US$ 47.950 mi Empregados

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

Brasil sustentável. Desafios do mercado de energia

Brasil sustentável. Desafios do mercado de energia Brasil sustentável Desafios do mercado de energia A A BRASIL SUSTENTÁVEL DESAFIOS DO MERCADO DE ENERGIA Índice Apresentação 3 Fator essencial no desenho do futuro 4 Conceitos fundamentais 7 Contexto mundial

Leia mais

Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis I S S N 1 9 8 3-5 8 8 4 2009 Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis 2009 Presidente da República

Leia mais

Perspectivas sobre o Futuro do Pré-Sal

Perspectivas sobre o Futuro do Pré-Sal PRÉ-SAL PETRÓLEO S. A. - PPSA Perspectivas sobre o Futuro do Pré-Sal Oswaldo A. Pedrosa Jr. AmCham Brasil e Brazil-US Business Council Rio de Janeiro, RJ 28 de agosto de 2015 POTENCIAL PETROLÍFERO DO BRASIL

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Agenda 1 2 3 4 5 Panorama sobre eficiência energética Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Políticas brasileiras de eficiência energética Eficiência energética na

Leia mais

PERSPECTIVAS DO CENÁRIO GEOPOLÍTICO DE ENERGIA E OS IMPACTOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL

PERSPECTIVAS DO CENÁRIO GEOPOLÍTICO DE ENERGIA E OS IMPACTOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL ISSN 1984-9354 PERSPECTIVAS DO CENÁRIO GEOPOLÍTICO DE ENERGIA E OS IMPACTOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL Eduardo Costa (Universidade Federal Fluminense) Resumo: O incremento das fontes renováveis

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

Petróleo. Porque têm os preços do petróleo subido tanto nestes últimos anos?

Petróleo. Porque têm os preços do petróleo subido tanto nestes últimos anos? Petróleo Porque têm os preços do petróleo subido tanto nestes últimos anos? O tempo em que se podia contar com um petróleo barato está mesmo chegar ao fim. O aumento brutal do preço do petróleo, que passou

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Francisco Edilson Maia Presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos CNA Presidente da Câmara Setorial e Temática de Ovinos e

Leia mais

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO!

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! 14º Encontro de Energia FIESP Matriz Segura e Competitiva Luis Henrique Guimarães São Paulo, 5 de agosto de 2013 1 AGENDA Princípios que norteiam a apresentação O que é Preço

Leia mais

Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009

Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009 Teleconferência / Webcast DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 2 o trimestre de 2009 (Legislação Societária) Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009 Reservatório

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais