INSTRUMENTO DE REGISTO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUMENTO DE REGISTO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO"

Transcrição

1 INSTRUMENTO DE REGISTO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Educação Especial Nome do(a) avaliado(a): Categoria Profissional: Departamento Curricular: Anos Escolares: 27/28 e 28/29 Escalão: 27/28 28/29 Grupos/alunos: Escola(s): Grupos/alunos: Escola(s): Nome do(a) Coord. de Dep: Nome do(a) avaliador(a): Observações finais do(a) Avaliado(a): Assinatura: Data: Observações finais do(a) Avaliador(a): Assinatura: Data: 1

2 ESCALA A UTILIZAR DESCRIÇÃO Os aspectos fundamentais da competência não são demonstrados. Para atingir o nível adequado necessita, em elevado grau, de formação em aspectos básicos, treino prático e acompanhamento. Os aspectos fundamentais da competência são demonstrados de modo inconsistente. Para atingir o nível adequado necessita de formação em aspectos básicos, treino prático e acompanhamento. O docente corresponde, em termos globais às exigências da competência. Genericamente, os indicadores da competência são demonstrados, com algumas excepções em alguns aspectos secundários. Necessita de treino prático e acompanhamento complementares. O docente corresponde, sem excepção, aos indicadores da competência e apresenta, ainda que ocasionalmente, práticas inovadoras. PONTUAÇÃO NÍVEL INSUFICIENTE REGULAR BOM MUITO BOM O docente corresponde, sem excepção, aos indicadores da competência e apresenta sempre práticas inovadoras. 5 EXCELENTE!" # $% & '!()& Instruções de Preenchimento: A planificação da aula a ser observada deverá ser entregue ao avaliador até 2 dias úteis antes da aula, de modo a permitir um encontro prévio avaliado/avaliador 2

3 Método Fontes DA/D PAP PAP PAP A Preparação e organização das actividades lectivas Adequação dos Programas Educativos Individuais às necessidades de cada aluno, tendo em conta os princípios da inclusão, em trabalho conjunto com os docentes de turma/disciplina e encarregados de educação. A.1 A.2 Elabora o Programa Educativo individual (PEI) em colaboração com o docente/director de turma, encarregado de educação e/ou outros Adequa as orientações programáticas fixadas no PEI às necessidades específicas dos alunos Usa estratégias adequadas e promove actividades variadas de acordo com as necessidades específicas dos alunos Elabora adequadamente os materiais de apoio às actividades, diversificando recursos e procedimentos, em função das necessidades específicas dos alunos Ano Escolar 27/28 Ano Escolar 28/29 Adequação das estratégias de ensino e aprendizagem às necessidades de cada aluno e às aprendizagens adquiridas. PA-PAP PAP A.3 Ponderação dos progressos de cada aluno na planificação das actividades lectivas Define estratégias e promove actividades que facilitam a interligação de conceitos com o quotidiano dos alunos Sistematiza procedimentos e tarefas de rotina proporcionando aos alunos várias experiências de aprendizagem em função das competências definidas no PEI Participação na elaboração do Plano Individual de Transição DA/D Elabora o Plano Individual de Transição (PIT) em colaboração com o docente/director de turma, encarregado de educação e/ou outros PA-PAP Adequa recursos, materiais e procedimentos às necessidades específicas dos alunos A.4 3

4 Método Fontes B Realização das actividades lectivas Cumprimento dos objectivos definidos no PEI (áreas curriculares específicas e conteúdos dos currículos específicos individuais que lecciona). Cumpre as orientações programáticas fixadas para os seus alunos, propiciando de forma adequada aquisição das competências definidas no PEI B.1 Apresenta as actividades sem erros no conteúdo científico-pedagógico Explica com clareza os conteúdos do seu domínio científico Adequa ou modifica as actividades programáticas às necessidades específicas dos alunos Procura abordagens para ajudar o desenvolvimento cognitivo, afectivo e social dos alunos Adequação dos materiais utilizados ao nível de funcionalidade de cada aluno, ao seu nível etário e ao estilo de aprendizagem B.2 Utiliza uma variedade de recursos adequados ao desenvolvimento das competências estabelecidas no PEI Explora adequadamente os diferentes recursos que utiliza Adequação das estratégias e actividades desenvolvidas às medidas e objectivos educativos definidos no PEI. Diversifica as estratégias de acordo com as necessidades específicas B.3 dos alunos Estimula a aplicação das competências adquiridas no quotidiano Promove a autonomia dos alunos solicitando e orientando a realização de tarefas Utilização de métodos de ensino adequados às estratégias de aprendizagem de cada aluno em situação de grupo OD OA Utiliza com correcção e promove uma utilização correcta da língua portuguesa. Usa metodologias facilitadoras das aprendizagens dos alunos Promove a auto-estima dos alunos com reforços positivos B.4 Ano Escolar 27/28 Ano Escolar 28/29 4

5 Método C Relação pedagógica com os alunos Promoção de um clima favorável à aprendizagem, ao bem-estar e desenvolvimento afectivo, emocional e social dos alunos. C.1 Reforça condutas positivas, mediante o premiar do êxito e do esforço OD OA Conduz as actividades de modo agradável (entusiasmo, calma e afectividade). Promove e encoraja o diálogo entre os alunos C.2 Cria um ambiente de aula previsível Sistematiza procedimentos e tarefas de rotina para comprometer os alunos em várias experiências de aprendizagem, em função das competências definidas no seu PEI Promoção da participação activa dos alunos na construção e prática de regras de convivência, fomentando a vivência de práticas de colaboração, no âmbito da formação para a cidadania democrática. C.3 Define, em colaboração com os alunos regras e condutas Fomenta e reforça comportamentos responsáveis Previne e corrige comportamentos desajustados OD Fontes OA C.4 Criação de um ambiente de trabalho favorável à convivência, ao respeito pelos outros e pelas diferenças individuais. Disponibilidade para atender, ouvir e apoiar os seus alunos. Cria um ambiente favorável ao apoio a prestar aos alunos, mesmo perante situações problemáticas Presta uma atenção individualizada aos alunos Ano Escolar 27/28 Ano Escolar 28/29 5

6 Método Fontes PAP-DA/D-F DA/D D D.1 Adequa os instrumentos de avaliação ao nível de desenvolvimento e às necessidades específicas dos alunos referenciados Elabora conjuntamente com os diversos intervenientes no processo de avaliação o relatório técnico-pedagógico resultante dos dados recolhidos Ano Escolar 27/28 Avaliação das aprendizagens dos alunos Realização das avaliações pedagógicas especializadas sempre que solicitadas pelos professores/educadores do ensino regular ou outros. Realização da avaliação diagnóstica das aprendizagens e competências dos alunos. Ano Escolar 28/29 PAP-DA/D-F Adequa os instrumentos de avaliação ao nível de desenvolvimento e às necessidades específicas dos alunos, em conformidade com o PEI DA/D-F Utiliza uma variedade de recursos/instrumentos adequados à avaliação DA/D-RO-F PAP-DA/D-F DA/D DA/D-RA DA/D-F D.2 D.3 D.4 Avaliação do trabalho realizado com vista ao ajustamento permanente do processo de ensino/aprendizagem. Modifica os processos de avaliação para corresponder às necessidades específicas de cada aluno Utiliza adequadamente os processos de avaliação das aprendizagens definidos no PEI Utiliza a comunicação contínua para manter os pais/encarregados de educação informados acerca do desenvolvimento do PEI Trabalha cooperativamente com os docentes do ensino regular e os demais intervenientes no processo educativo Promoção, no final de cada período, da intervenção dos alunos na sua auto-avaliação. Integra a auto-avaliação dos alunos, como estratégia reguladora do desenvolvimento das competências estipuladas no PEI 6

7 Método E Planifica calendarizando o trabalho de avaliação E.1 Organiza o trabalho através de um suporte digital, dossiê, Utiliza registos que privilegiam a avaliação dos processos formativos Promove competências de investigação e de práticas colaborativas E.2 Constrói instrumentos de verificação de formas de trabalho colaborativo Evidencia estratégias de auto e co-avaliação Diferenciação na valorização do desempenho dos docentes avaliados Constrói com os avaliados um conjunto de critérios diferenciadores Os critérios assentam na prática pedagógica (planos, materiais, trabalhos, avaliação dos alunos, ) Fontes E.3 Avaliação do Desempenho dos Docentes Planeamento e organização do trabalho de avaliação do desempenho dos docentes Rigor e equidade de avaliação do desempenho dos docentes Os critérios assentam na intervenção na escola (interacção/participação nas estruturas de orientação educativa, nos órgãos de gestão, ) Ano Escolar 27/28 Ano Escolar 28/29 Os critérios assentam na reflexão profissional (porta-fólio, aulas observadas/leccionadas, actividades dinamizadas, leituras, formação, reflexão crítica, ) Organização de dispositivos de supervisão/acompanhamento das actividades lectivas dos docentes avaliados E.4 Utiliza mecanismos reveladores do envolvimento avaliador/avaliado com vista ao trabalho colaborativa e à reformulação/melhoria do percurso profissional Estimula práticas de reflexão sobre a articulação dos diversos documentos reguladores do agrupamento (RI, PE, PCA, PAA, PCT/PCG) 7

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Introdução O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escola Gaia Nascente para o quadriénio 2015 2019 tem como objetivo a consolidação e/ou mudança de algumas práticas.

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Este documento contempla as linhas gerais de orientação, para uniformização

Leia mais

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto O regime de qualificação para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário encontra o seu enquadramento jurídico estabelecido no artigo

Leia mais

Encontros Regionais de Educação

Encontros Regionais de Educação Encontros Regionais de Educação Princípios e regulamentação da avaliação Ensino básico Abril de 2016 Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril (terceira alteração ao Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Leia mais

REGIMENTO DA TUTORIA

REGIMENTO DA TUTORIA REGIMENTO DA TUTORIA O Decreto-lei n.º 75/2008 de 22 de Abril enquadra no seu artigo 44 a figura do professor tutor, remetendo para o Regulamento Interno dos Estabelecimentos de Ensino a definição de outras

Leia mais

PERCURSO DA ESCOLA INCLUSIVA

PERCURSO DA ESCOLA INCLUSIVA PERCURSO DA ESCOLA INCLUSIVA Formadora: Patrícia Almeida SÉCULO XX Evolução de atitudes e práticas face à diferença: 1. Início do século: Período dos esquecidos e escondidos. 2. Anos 50 e 60: Período de

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO LOURENÇO VALONGO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO A avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certificador das diversas aquisições realizadas pelo aluno ao longo

Leia mais

ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA

ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO ORGANOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ARTICULAÇÃO PARA O TRIÉNIO 2010-13 MARÇO 2013 ORGANOGRAMA DE DESENV. DA ARTICULAÇÃO 2010-2013 ARTICULAÇÃO 2010/11 2011/12 2012/13

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. [Agrupamento de escolas de Padrão da Légua] [2014/15]

PLANO DE MELHORIA. [Agrupamento de escolas de Padrão da Légua] [2014/15] PLANO DE MELHORIA [Agrupamento de escolas de Padrão da Légua] [2014/15] 1. INTRODUÇÃO Embora seja já vasto o campo de indagação que sustenta este projeto, a sua dimensão principal é, inquestionavelmente,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS PLANO DE MELHORIA ANO LETIVO 2015/2016

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS PLANO DE MELHORIA ANO LETIVO 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS PLANO DE MELHORIA ANO LETIVO 2015/ 7 Plano de Melhoria 2015/ INDÍCE 1. - Introdução 3 2. - Contextualização 4 3. Áreas e Ações de Melhoria 6 4. - Conclusão 10

Leia mais

Plano de melhoria (2013/14)

Plano de melhoria (2013/14) Plano de melhoria (2013/14) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel A ação, os resultados e o impacto da biblioteca escolar na prestação de serviços, no desenvolvimento

Leia mais

Gabinete da Ministra DESPACHO

Gabinete da Ministra DESPACHO DESPACHO Apesar da relevância e influência de muitos outros factores, a qualidade de ensino é o aspecto mais importante do desenvolvimento e da aprendizagem dos alunos na escola. Por esse motivo, é fundamental

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino e da aprendizagem, que orienta o percurso escolar dos alunos e certifica as aprendizagens

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Licenciatura Habilitação: Aluno(a): ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO Curso - Habilitação: Nome do(a) Aluno(a): Orientador de Estágio: ESTÁGIO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. 1. Avaliação. 2. Intervenientes:

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. 1. Avaliação. 2. Intervenientes: CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1. Avaliação A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas

Leia mais

Proposta de Intervenção Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Proposta de Intervenção Formação Pedagógica Inicial de Formadores Proposta de Intervenção Formação Pedagógica Inicial de Formadores Mafalda Sales Gomes Objetivos gerais Reconhecer uma unidade de formação; Compreender a necessidade de reflectir e analisar de forma contínua

Leia mais

D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014

D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014 D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014 Os critérios específicos presentes neste documento constituem uma base

Leia mais

1ª Reunião de trabalho 6º Anos. Encontro com Professores Coordenadores DERMGC

1ª Reunião de trabalho 6º Anos. Encontro com Professores Coordenadores DERMGC 1ª Reunião de trabalho 6º Anos Encontro com Professores Coordenadores DERMGC LEITURA INICIAL Cuecas I. Antônio Prata PAUTA OBJETIVOS: Apresentar a caracterização dos alunos do ciclo intermediário e refletir

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DE NOVA ODESSA Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO De acordo com o estipulado no Decreto-Lei nº139/2012 de 5 de julho e do Despacho Normativo nº14/2011, estabelecem-se os seguintes Critérios Gerais de Avaliação, que passarão

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃOE Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo)

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo) Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira (1º ciclo) Departamento de Línguas Estrangeiras Ano Letivo 2015/2016 1 Considerações Gerais 1. Pretende-se que a

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD. JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição):

PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD. JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição): PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição): - Objetivos da Instituição; - Programas da Instituição (citar, indicar em que fase estão

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOMÍNIOS CRITÉRIOS INDICADORES INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Eficácia na aquisição e aplicação

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2014/2015 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

EDITAL PARA POSTO DE TRABALHO PROFESSOR COORDENADOR

EDITAL PARA POSTO DE TRABALHO PROFESSOR COORDENADOR EDITAL PARA POSTO DE TRABALHO PROFESSOR COORDENADOR A Diretora da Escola Estadual Azevedo Júnior, em Santos, no uso de suas atribuições legais, com fundamento na Resolução SE 75 de 30/12/2014, alterada

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE)

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) Núcleo de Apoio à Prática Profissional das Licenciaturas CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Atualizado em 17 jun 2016 5º. PERÍODO 4º. PERÍODO

Leia mais

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ESTUDOS HUMANÍSTICOS Licenciatura em Psicologia Ramo Clínica/Plano pré-bolonha REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR EM PSICOLOGIA CLÍNICA (Documento aprovado em reunião do dia

Leia mais

INSTRUMENTO DE AUTO-AVALIAÇÃO

INSTRUMENTO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE AUTO-AVALIAÇÃO 1 2 CADASTRO DA ESCOLA 1. Identificação da Escola 2. Níveis e modalidades de ensino oferecidas PRÊMIO NACIONAL DE REFERÊNCIA EM GESTÃO ESCOLAR 2003 INSTRUMENTO DE AUTO -AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Justificativa. Considerando a necessidade da organização, coordenação e implementação de uma melhor qualidade no processo ensino e aprendizagem se faz necessário o trabalho

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO. - Formação Pedagógica Inicial De Formadores B-learning. (Curso homologado pelo IEFP / Acesso ao CCP)

PROGRAMA DO CURSO. - Formação Pedagógica Inicial De Formadores B-learning. (Curso homologado pelo IEFP / Acesso ao CCP) PROGRAMA DO CURSO - Formação Pedagógica Inicial De Formadores B-learning (Curso homologado pelo IEFP / Acesso ao CCP) Em parceria com: Índice 1. Destinatários Pág. 3 2. Objectivo Geral Pág. 3 3. Objectivo

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Licenciatura em Desporto Ciclo: 1º Ramo: Ano: 2º Designação: Atividades de Academia I Créditos: 5 Departamento: Ciências e Tecnologias Tipo: Área científica: Ciências

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO FUNDAMENTAL CICLO I

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO FUNDAMENTAL CICLO I SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Diretoria de Ensino Região Santos ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR GALDINO MOREIRA Rua Maria Alzira da Conceição, nº 426 Vila Rã Enseada CEP 11443-290 Guarujá SP FONE (13) 3351-9339

Leia mais

PERFIS DE FORMAÇÃO NA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DE PROFESSORES

PERFIS DE FORMAÇÃO NA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DE PROFESSORES 1 PERFIS DE FORMAÇÃO NA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DE PROFESSORES [Aprovado pelo Despacho Conjunto nº 198/99, de 15 de Fevereiro] Despacho conjunto nº 198/99 O regime jurídico da formação especializada de

Leia mais

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica _ Assistência Técnica CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1ª 2008.05.15 5 Pág. 1 de 5 Objectivo Assegurar as condições adequadas para a gestão, acompanhamento, avaliação, monitorização

Leia mais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais NAPE Núcleo de Apoio PsicoEducativo Divisão de Assuntos Sociais Missão A missão do NAPE centra-se no combate ao insucesso e abandono escolar com intervenção dirigida preferencialmente aos alunos do pré-escolar

Leia mais

Ensino Básico. Decreto-Lei nº 43/2003 de 27 de Outubro

Ensino Básico. Decreto-Lei nº 43/2003 de 27 de Outubro Sistema de avaliação Ensino Básico Decreto-Lei nº 43/2003 de 27 de Outubro Decreto-Lei nº 43/2003 de 27 de Outubro A Lei de Bases do Sistema Educativo Lei nº 103/III/90, de 29 de Dezembro, determina que

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (Aprovado em Conselho Pedagógico de 17.fevereiro.2012) (Revisto em Conselho Pedagógico de 06.novembro.2012) (Retificação das ponderações finais de período em Conselho Pedagógico

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR J.I. MAJOR DAVID NETO EJ.I. FOJO ANO LETIVO 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1 1- INTRODUÇÃO A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Helena Vieira Cruz INTRODUÇÃO Os ganhos decorrentes das experiências vividas pelas crianças em creches e pré-escolas dependem diretamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO 2013/2014

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO 2013/2014 Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo de Avaliação do Desempenho do biénio 2013/2014 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alijó

Agrupamento de Escolas de Alijó Agrupamento de Escolas de Alijó CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO I. ENQUADRAMENTO LEGAL A avaliação das aprendizagens dos alunos do Ensino Secundário, do Ensino Básico e do ensino Pré-escolar é regulada pelos

Leia mais

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR COORDENADOR

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR COORDENADOR EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR COORDENADOR A Diretora da Escola Estadual Professor SILVIA JORGE POLLASTRINI, em Itanhaém, com fundamento na Resolução SE 75 de 30/12/2014, torna público

Leia mais

Resultados da Avaliação externa

Resultados da Avaliação externa PLANO DE MELHORIA 1 Introdução No seguimento do processo de Avaliação Externa realizada nesta unidade orgânica, apresenta-se o Plano de Melhoria que integra as áreas identificadas na referida avaliação

Leia mais

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão Plano de Promoção e Proteção dos Direitos da Criança do Concelho de Marvão 1 Índice Introdução I. Fundamentação A - Estratégias 1 Estudo e análise da realidade concelhia. 2 Promoção dos Direitos da Criança...

Leia mais

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE FORMADORES/AS Projecto Preâmbulo Considerando que o Regime Jurídico de Formação Contínua de Professores/as (RJFCP), aprovado

Leia mais

Framework de Desenvolvimento Pedagógico da Organização Escolar

Framework de Desenvolvimento Pedagógico da Organização Escolar Framework de Desenvolvimento Pedagógico da Organização Escolar Miguel Domingos mdomingos@anotherstep.pt www.anotherstep.pt Como trabalhamos na sala de aula? O que é que podemos fazer melhor? Framework

Leia mais

Plano de Curso Não Regulamentado - Metodologia SENAI de Educação Profissional

Plano de Curso Não Regulamentado - Metodologia SENAI de Educação Profissional PERFIL PROFISSIONAL/IDENTIFICAÇÃO DA OCUPAÇÃO: Ocupação: OPERADOR DE COMPUTADOR CBO: 3172-05 Educação Formação Inicial e Continuada Carga Horária Profissional: Qualificação Profissional Mínima: 160 h Nível

Leia mais

Planificação. A planificação não é um processo direccionado mas cíclico. Sucessão de tentativas e erros

Planificação. A planificação não é um processo direccionado mas cíclico. Sucessão de tentativas e erros Planificação Planificação A planificação não é um processo direccionado mas cíclico Sucessão de tentativas e erros Planificação Tipos de planos Longo prazo ano lectivo Médio prazo período ou unidade Curto

Leia mais

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO prática social NÃO-ESCOLAR - fábrica - igreja - mídia - partido político - ONGs -

Leia mais

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA Serviço de Auditoria Interna Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA Introdução O presente Plano

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP)

REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) Lisboa outubro 2013 REGULAMENTO ESPECIFICO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) Faz parte integrante dos Cursos Profissionais a realização de

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE Planificação Anual - 2015-2016 Ensino Básico 9º Ano 2º Ano - Atividade Vocacional FOTOGRAFIA DIGITAL MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS Conteúdos Procedimentos

Leia mais

Regimento do Grupo de Recrutamento 400 - História

Regimento do Grupo de Recrutamento 400 - História Regimento do Grupo de Recrutamento 400 - História CAPÍTULO I - COMPETÊNCIAS DO GRUPO DE RECRUTAMENTO Art 1º 1. GRUPOS DE RECRUTAMENTO 1.1 Os docentes organizam-se em conselhos de Grupos de Recrutamento

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular Estágio (L4325) 5. Área Científica

Leia mais

1º Ciclo. Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a):

1º Ciclo. Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a): 1º Ciclo Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a): Áreas não disciplinares (b): Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas Físico-motoras Área de projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

CENTRO DE COMPETÊNCIA DE CIÊNCIAS SOCIAIS (CCCS) Departamento de Ciências da Educação

CENTRO DE COMPETÊNCIA DE CIÊNCIAS SOCIAIS (CCCS) Departamento de Ciências da Educação CENTRO DE COMPETÊNCIA DE CIÊNCIAS SOCIAIS (CCCS) Departamento de Ciências da Educação Licenciatura em Ciências de Educação Menor em Educação Social Menor em Educação Sénior 3º Ano Ano lectivo 2010/2011

Leia mais

Portfolio: um instrumento de avaliação

Portfolio: um instrumento de avaliação Maria de Lurdes Gonçalves Escola Secundária/3 Dr.ª Maria Cândida Mira Portfolio: um instrumento de avaliação 18º Congresso APPI 30 de Abril de 2004 Portfolio Colecção organizada e planeada de trabalhos

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Artigo 1º Âmbito e Definição 1 - A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo)

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) A INTERDISCIPLINARIDADE DOS SIG NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) SUMÁRIO 1-Os SIG no ensino 1.1-Vantagens dos SIG no ensino e a formação dos professores

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL Prof. Joaquim Carlos Pinho (Universidade de Aveiro) Prof. Lucia Lima (Universidade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS CAMINHA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015 / 2016 1 Índice I- INTRODUÇÃO.. 3 II- ASPETOS FUNDAMENTAIS DA AVALIAÇÃO. 4 1. PRINCÍPIOS GERAIS.. 4 2. ENQUADRAMENTO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015-16

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015-16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015-16 Critérios de : Disciplina de Instrumento Departamento de Sopros, Canto e Percussão Critérios Gerais Critérios Específicos Instrumentos Indicadores de reflexo no domínio dos

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2009/2010 1 CURSO DO ENSINO REGULAR DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO: 9.º DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONRAÇÃO Rentabilizar as Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Critérios de Avaliação Pré-Escolar 2015.2016

Critérios de Avaliação Pré-Escolar 2015.2016 Critérios de Avaliação Pré-Escolar 2015.2016 Procedimentos e Práticas Organizativas e Pedagógicas da Avaliação na Educação Pré-escolar Nota introdutória Por muito que a avaliação seja um processo complexo,

Leia mais

Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e. saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto

Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e. saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto I Descrição do Projecto Introdução Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto como meio que as rodeia. Cabe à escola valorizar,

Leia mais

Apresentação da disciplina

Apresentação da disciplina FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Apresentação da disciplina (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto,

Leia mais

PROJECTO DE DECRETO - LEI DE ALTERAÇÂO DO ECD. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º xx/2011 de x de Outubro

PROJECTO DE DECRETO - LEI DE ALTERAÇÂO DO ECD. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º xx/2011 de x de Outubro PROJECTO DE DECRETO - LEI DE ALTERAÇÂO DO ECD MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º xx/2011 de x de Outubro Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio. Assim:

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES

NORMAS REGULAMENTARES ENQUADRAMENTO À Escola é hoje exigida uma organização curricular centrada em territórios educativos, que assenta num equilíbrio entre a identidade dos projetos e a valorização dos diversos intervenientes

Leia mais

Direção. CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Art.º 39.º do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho TÉCNICOS ESPECIALIZADOS CONTRATAÇÃO DE UM PSICÓLOGO (A)

Direção. CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Art.º 39.º do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho TÉCNICOS ESPECIALIZADOS CONTRATAÇÃO DE UM PSICÓLOGO (A) Direção CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Art.º 39.º do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho TÉCNICOS ESPECIALIZADOS CONTRATAÇÃO DE UM PSICÓLOGO (A) Nos termos e para os efeitos previstos nos números 1 a e 11

Leia mais

Avaliação da aprendizagem

Avaliação da aprendizagem Delarim Martins Gomes Avaliação da aprendizagem delarim@hotmail.com aval iaç ão Introdução verificação que objetiva determinar a competência, o progresso etc. de um profissional, aluno etc. (HOUAISS) Estabelecer

Leia mais

ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR

ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR 1º PERÍODO Lamego, 14 de janeiro de 2013 INTRODUÇÃO Para uma eficaz monitorização das competências esperadas para cada criança, no final

Leia mais

GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9

GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9 GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9 SALVADOR - BAHIA - BRASIL 2009 CONCURSO PARA ESCOLHA DO MELHOR PROJETO

Leia mais

COLÉGIO de SÃO MIGUEL - FÁTIMA

COLÉGIO de SÃO MIGUEL - FÁTIMA COLÉGIO de SÃO MIGUEL - FÁTIMA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo 2012/2013 ( ) Não me prendas as mãos não faças delas instrumento dócil de inspirações que ainda não vivi Deixa-me arriscar o molde talvez

Leia mais

Centro Novas Oportunidades da Escola Secundária de Santa Maria Sintra

Centro Novas Oportunidades da Escola Secundária de Santa Maria Sintra Sabia que Nunca é tarde para aprender? Aprende ao longo da vida e em diversos contextos? O que aprende fora da escola também é válido para a obtenção de uma qualificação? Num Centro Novas Oportunidades

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Desenho 2 Área Científica: Desenho Ciclo de Estudos: 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS: 6 Tempo de Trabalho: Horas de Contacto:

Leia mais

Regimento do Grupo de Recrutamento 520 Biologia Geologia

Regimento do Grupo de Recrutamento 520 Biologia Geologia Regimento do Grupo de Recrutamento 520 Biologia Geologia 1- OBJECTO O presente regimento está conforme a legislação em vigor e o Regulamento Interno da Escola Secundária José Afonso, Loures, e tem como

Leia mais

PROGRAMA DA FORMAÇÃO EU E OS OUTROS

PROGRAMA DA FORMAÇÃO EU E OS OUTROS PROGRAMA DA FORMAÇÃO EU E OS OUTROS FUNDAMENTAÇÃO As orientações do ME para o Programa de Promoção e Educação para a Saúde em Meio Escolar requerem do professor o domínio de áreas tão díspares quanto o

Leia mais

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT A Learning Factory tem actualmente como parceiros: 1. Plano curricular (módulos e carga horária) Formação Inicial (4 módulos) Learning Factory Workshop Estágio

Leia mais

Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 2011/2012 Formação Cívica 3º Ciclo Previsão do número de aulas disponíveis (45 minutos)

Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 2011/2012 Formação Cívica 3º Ciclo Previsão do número de aulas disponíveis (45 minutos) Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 20/202 Formação Cívica 3º Ciclo Previsão do número de aulas disponíveis (45 minutos) Início das aulas...5-09-20 Fim do Primeiro Período...6-2-20 Número de aulas do º

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24) MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24) 2011 9º Ano de Escolaridade 1. INTRODUÇÃO O exame desta disciplina

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 Aprova o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso de Administração da Faculdade de Tecnologia La Salle Estrela. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE), face

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Ensino Técnico Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

PROGRAMA de EDUCAÇÃO ESPECIAL

PROGRAMA de EDUCAÇÃO ESPECIAL . PROGRAMA DE EDUCAÇÃO Elaborado pelo NEE ESPECIAL 2012-2013 PROGRAMA de EDUCAÇÃO ESPECIAL 1- ORIENTAÇÕES GLOBAIS: O presente documento destina-se a fazer cumprir o disposto no Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE: Paulo Reis pmjreis@gmail.com

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE: Paulo Reis pmjreis@gmail.com AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE: Paulo Reis pmjreis@gmail.com 2013-2014 1. Quadro normativo da avaliação do desempenho docente: Documento que consagra a Projeto orientação educativa da escola/ educativo

Leia mais

Possibilidades da EAD na formação continuada de professores centrada no protagonismo docente. Janeiro, 2014

Possibilidades da EAD na formação continuada de professores centrada no protagonismo docente. Janeiro, 2014 Possibilidades da EAD na formação continuada de professores centrada no protagonismo docente Janeiro, 2014 Questão Central Que possibilidades a EAD fornece para o aperfeiçoamento das ações de formação

Leia mais

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Versão final MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNOESC CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 2014 / 2015. PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 2014 / 2015. PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos Disciplina: PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos - Responsabilidade: (6%) assiduidade/pontualidade (2%) material (2%) organização do caderno diário (2%) - Comportamento: (5%) cumpre as regras estabelecidas - Empenho/Participação:

Leia mais

RELATÓRIO DA FORMAÇÃO

RELATÓRIO DA FORMAÇÃO RELATÓRIO DA FORMAÇÃO Matemática e aplicações em geogebra - Ensino e aprendizagem com TIC OFICINA DE FORMAÇÃO / 2015 Formador: Alexandre Trocado CENTRO DE FORMAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA (Sindicato Nacional

Leia mais

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando a improvisação e a rotina. Explicitar princípios, diretrizes

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. O que são os Parâmetros Curriculares Nacionais? (A) Um documento com leis educacionais. (B) Um livro didático para ser aplicado em sala. (C) Um referencial para

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO Com este questionário pretende-se recolher informações acerca das concepções e práticas de autonomia e de formação (contínua) presentes nesta escola. Este instrumento metodológico

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena. Malveira. Carta de Missão

Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena. Malveira. Carta de Missão Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena Malveira Carta de Missão A Carta de Missão do Diretor do Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena, fundamenta-se nos princípios da Missão do

Leia mais

ANEXO D. Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões

ANEXO D. Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões ANEXO D Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões Tema Auto-avaliação numa escola secundária Objectivos gerais Recolher informação relevante que contribua para caracterizar a implementação

Leia mais

Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS. - Leitura de textos

Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS. - Leitura de textos Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDOS Teste diagnóstico Atividades recuperação Unidade starter: revisão de identificação pessoal, alfabeto, países

Leia mais

Necessidades Especiais de Educação. O Psicólogo do CRI em Contexto Escolar

Necessidades Especiais de Educação. O Psicólogo do CRI em Contexto Escolar Ficha Técnica Título Necessidades Especiais de Educação Editor DGE Direção-Geral da Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos Autoria CRPG - Centro de Reabilitação Profissional

Leia mais

Extensão na EaD: desafios e potencialidades

Extensão na EaD: desafios e potencialidades Extensão na EaD: desafios e potencialidades MARIA CRISTINA SCHWEITZER VEIT ASSISTENTE DE EXTENSÃO UNISULVIRTUAL ROSILÉIA ROSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CERTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL ELETIVA DE EXTENSÃO Meta

Leia mais