Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT"

Transcrição

1 Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT

2 A Learning Factory tem actualmente como parceiros: 1. Plano curricular (módulos e carga horária) Formação Inicial (4 módulos) Learning Factory Workshop Estágio Integrador Lean Formação de desenvolvimento (4 módulos) Seminários II Projecto Lean Percurso 1 Quatro módulos de formação inicial a decorrer num período de 3 meses e 5 workshops na Learning Factory, no decorrer da Pós-Graduação. Um estágio de desenvolvimento dos conceitos Lean numa empresa, ao longo de 6 meses. Módulos Duração (h) Duração (dias) M1 Pensamento e Estratégia Lean M2 Análise de 16 4 M3 Melhoria Contínua de Produtos e M4 Liderança e Gestão da Mudança M9 Learning Factory Workshop M11 Estágio Integrador Lean 6 meses

3 Percurso 2, em alternativa ao estágio Quatro módulos de formação. Projecto Lean com a duração de 3 meses. Módulos Duração (h) Duração (dias) M1 Pensamento e Estratégia Lean M2 Análise de 16 4 M3 Melhoria Contínua de Produtos e M4 Liderança e Gestão da Mudança M5 Gestão dos Fluxos de Materiais M6 Lean Manufacturing M7 Lean Services 16 5 M8 Lean Accounting e Performance Management M9 Learning Factory Workshop M10 Projecto Lean 3 meses

4 O acesso aos percursos far-se-á da seguinte forma: O acesso ao percurso 1 far-se-á através da selecção dos formandos que manifestem interesse neste percurso. Os candidatos ao percurso 1 serão seleccionados pelos organizadores do curso e pelas empresas hospedeiras com o objectivo de obter os estagiários mais adequados às necessidades de cada empresa. Neste percurso, os formandos serão integrados em empresas hospedeiras durante o período de realização do projecto (6 meses). O acesso ao percurso 2 far-se-á por opção explícita do formando ou pela não selecção para o percurso Conteúdos Designação Pensamento e Estratégia Lean Análise de Melhoria Contínua Liderança e Gestão da Mudança Gestão dos Fluxos de Materiais Lean Manufacturing Descrição resumida do programa Introduzir os fundamentos e conceitos associados ao desenvolvimento do pensamento lean. A perspectiva cliente e valor. Os princípios e a cultura lean. Apresentar abordagens para definir estratégias com vista à disseminação do pensamento lean numa empresa industrial ou de serviços. Desenvolver competências e práticas orientadas para a existência de uma indústria limpa e sustentável. Familiarizar os formando com técnicas de mapeamento de processos e da cadeia de valor, aplicáveis aos sectores da indústria e dos serviços. Desenvolver competências na gestão e implementação de processos de melhoria contínua, alinhados com os objectivos estratégicos e de competitividade de uma empresa. Abordar processos com vista à inovação de produtos e processos. Introduzir técnicas para definição de requisitos e de satisfação do cliente. A partir dos conceitos de gestão e garantia da qualidade, desenvolver conhecimentos detalhados para redução da variabilidade. Desenvolver competências práticas na aplicação dos 6 Sigma. Introduzir o conceito de liderança, intervenção e gestão da mudança. Promover nos formandos uma compreensão crítica sobre a organização das equipas, sua gestão e avaliação de desempenho. Desenvolver uma cultura de colaboração e de cooperação necessárias para a criação de empresa lean. Desenvolver nos formandos uma capacidade crítica sobre os métodos de planeamento numa empresa lean. Fornecer uma compreensão sobre os sistemas de gestão de materiais, tendo em conta as filosofias push e pull. Desenvolver competências para a gestão das cadeias de fornecimento tendo uma visão suportada nos conceitos do pensamento lean. Demonstrar a utilização de sistemas de informação na implementação destes conceitos. Compreender e caracterizar o TPS (Toyota Production System), as suas ferramentas, soluções e a sua generalização para o lean manufacturing. Desenvolver nos formandos um sentido crítico sobre a melhoria do fluxo, mudança de setup, layout e TPM (Total Preventive Maintenance), uma vez que estas se relacionam com a necessidade de criar operações lean. Demonstrar a relevância da standartização e gestão visual.

5 Lean Services Lean Accounting Learning Factory Workshop Estágio Integrador Lean Projecto Lean Compreender a natureza das actividades e os padrões de procura ao nível dos serviços. Introduzir os princípios do pensamento lean e demonstrar a aplicação de ferramentas lean ao nível dos serviços. Desenvolver abordagens para a definição sistemas de modelação de custos e avaliação de desempenho que suportem as operações de uma empresa industrial ou de serviços. Implementar os conceitos de lean accounting e na avaliação de desempenho para suporte à estratégia da empresa lean e avaliação correcta do impacto da introdução de novos produtos /serviços e no desenvolvimento de processos de melhoria contínua. Realizar experiências e demonstrar conceitos no ambiente da learning factory (www.ceni.pt), promovendo o saber fazer e desenvolvendo competências para definição e implementação de um projecto lean. Desenvolvimento de conceitos Lean numa empresa. Desenvolvimento de um projecto Lean, aprofundando e aplicando os conhecimentos adquiridos.

Apresentação da disciplina

Apresentação da disciplina FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Apresentação da disciplina (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto,

Leia mais

Anexo A Estrutura de intervenção

Anexo A Estrutura de intervenção Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Formação COMPETÊNCIAS FORMAÇÃO PARA A PRODUTIVIDADE. Consultoria SERVIÇOS SOLUÇÕES À MEDIDA DE CADA CLIENTE PARA AUMENTO DE EFICIÊNCIA

Formação COMPETÊNCIAS FORMAÇÃO PARA A PRODUTIVIDADE. Consultoria SERVIÇOS SOLUÇÕES À MEDIDA DE CADA CLIENTE PARA AUMENTO DE EFICIÊNCIA OFERECEMOS SERVIÇOS DIFERENCIADOS, EM PARCERIA COM OS NOSSOS CLIENTES, DE FORMA A ULTRAPASSAR AS SUAS EXPECTATIVAS E A PRODUZIR RESULTADOS TRANSFORMATIVOS Ao unir o talento dos profissionais de todo o

Leia mais

Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação.

Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação. GESTÃO COMERCIAL Entidade Proponente: IEL/NR Minas Gerais e SEBRAE Minas Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação. OBJETIVOS Geral: Apresentar abordagens integradas

Leia mais

Proposta de Intervenção Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Proposta de Intervenção Formação Pedagógica Inicial de Formadores Proposta de Intervenção Formação Pedagógica Inicial de Formadores Mafalda Sales Gomes Objetivos gerais Reconhecer uma unidade de formação; Compreender a necessidade de reflectir e analisar de forma contínua

Leia mais

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Sub-título da Apresentação Data Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação

Leia mais

Capacitação em Monitoria e Avaliação Apresentação. Maputo, Moçambique 2008

Capacitação em Monitoria e Avaliação Apresentação. Maputo, Moçambique 2008 Capacitação em Monitoria e Avaliação Apresentação Maputo, Moçambique 2008 Objectivo Principal Criar e estabelecer capacidade técnica institucional em Monitoria e Avaliação Porque é importante uma capacidade

Leia mais

Modelo CMMI em Fábrica de Software

Modelo CMMI em Fábrica de Software Modelo CMMI em Fábrica de Software Carol Passos Gerente de Conhecimento - BRAXIS Março/2007 Assuntos Motivação Modelo CMMI Melhoria de Processo de Software Fábrica de Software Processo de Produção de Software

Leia mais

Perfis e competências profissionais

Perfis e competências profissionais Perfis e competências profissionais Roberto Henriques NOVA IMS Apresentação Institucional NOVA IMS INTRODUÇÃO A NOVA Information Management School (NOVA IMS) é a Escola de Gestão de Informação da. Este

Leia mais

Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Modelo de Excelência em Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Conceitos Fundamentais Os Fundamentos da Excelência em Gestão expressam conceitos que

Leia mais

A Função de Compliance na Banca Comercial

A Função de Compliance na Banca Comercial A Função de Compliance na Banca Comercial Objetivos Gerais: Este curso é dirigido a todos os profissionais que pretendam adquirir conhecimentos de Compliance na Banca Comercial Objetivos Específicos: No

Leia mais

KEY FACTORS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO IDI

KEY FACTORS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO IDI Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial Outubro de 2008 KEY FACTORS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO IDI José Nina de Andrade Índice 1. Adequabilidade do SGIDI à empresa 2. A implementação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DIRCEU FERNANDES BATISTA SÃO JOÃO DA BOA VISTA

Leia mais

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM UniãoMetropolitana deeducaçãoecultura Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação do projeto interdisciplinar

Leia mais

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão Plano de Promoção e Proteção dos Direitos da Criança do Concelho de Marvão 1 Índice Introdução I. Fundamentação A - Estratégias 1 Estudo e análise da realidade concelhia. 2 Promoção dos Direitos da Criança...

Leia mais

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica _ Assistência Técnica CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1ª 2008.05.15 5 Pág. 1 de 5 Objectivo Assegurar as condições adequadas para a gestão, acompanhamento, avaliação, monitorização

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Inovação e Sustentabilidade Gestão de Mercado Escolas Gestão de Negócios Manufatura e Supply Chain Gestão

Leia mais

Na definição da Política de Gestão de Recursos Humanos da OPWAY são factores determinantes:

Na definição da Política de Gestão de Recursos Humanos da OPWAY são factores determinantes: A Política de Gestão de Recursos Humanos é definida em relação directa com a Visão, Missão e Valores da OPWAY, no sentido de garantir a existência de um conjunto de procedimentos e ferramentas que contribuam

Leia mais

Sistema Integrado Moinhos

Sistema Integrado Moinhos Sistema Integrado Moinhos A experiência do Hospital Moinhos de Vento no desenvolvimento de um modelo de gestão integrado Sandra de Mattos Analista de Gestão e Desenvolvimento Organizacional Hospital Moinhos

Leia mais

ANEXO A - Estrutura de intervenção

ANEXO A - Estrutura de intervenção ANEXO A - Estrutura de intervenção As ações de formação-ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016-2018

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO iniciativa CENTROS DE EXCELÊNCIA :: iniciativa :: gestão :: financiamento ÍNDICE NOTAS EXPLICATIVAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PRÉ-PROJECTO 3 I - INFORMAÇÃO GERAL 5 1.

Leia mais

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento 28 de Novembro de 2006 Agenda Como surgiu Missão Objectivos Estrutura organizativa Principais linhas de

Leia mais

As Novas!!! Tecnologias da Informação na Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

As Novas!!! Tecnologias da Informação na Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade As Novas!!! Tecnologias da Informação na Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade IPT Instituto Politécnico de Tomar 20 de Novembro de 2008 Ana Sofia Ferreira - asferreira@ambidata.pt José Pedro

Leia mais

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo)

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) A INTERDISCIPLINARIDADE DOS SIG NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) SUMÁRIO 1-Os SIG no ensino 1.1-Vantagens dos SIG no ensino e a formação dos professores

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hora N.º ORDEM 4 N.º DE HORAS 36 Horas 43,2 Aulas PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Comércio 2011/2014 DISCIPLINA: Comunicar no Ponto de Venda

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Aula 8 Treinamento e Desenvolvimento Agenda 1 Seminário 2 Treinamento e Desenvolvimento 3 Desenvolvimento de Lideranças 1 Seminário 3 The Young and the Clueless Bunker, K. A.; Kram, K. E.; Ting, S. HBR,

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO PARA ENFERMEIROS CHEFES NA GUINÉ-BISSAU EIXO I. De 8 a 12 de Novembro

FORMAÇÃO EM GESTÃO PARA ENFERMEIROS CHEFES NA GUINÉ-BISSAU EIXO I. De 8 a 12 de Novembro FORMAÇÃO EM GESTÃO PARA ENFERMEIROS CHEFES NA GUINÉ-BISSAU EIXO I De 8 a 12 de Novembro Gestão Estratégica das Organizações de Saúde Conceitos Gerais Coordenação Global Dra. Maria Celeste Nicolau Horas

Leia mais

BIM Plano de Marketing Internacional

BIM Plano de Marketing Internacional Solução Plano de Marketing Internacional Quer Exportar Pergunte-nos Como? parceria de futuro ÍNDICE DA APRESENTAÇÃO 1 O QUE É O? 2 PARA QUE SERVE O? 3 QUAL A METODOLOGIA DO? 4 QUEM INTERVÉM NO? 5 QUANTO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PORTFÓLIO COMO INDUTORA DO FORTALECIMENTO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UMA EMPRESA DE SAÚDE SUPLEMENTAR.

A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PORTFÓLIO COMO INDUTORA DO FORTALECIMENTO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UMA EMPRESA DE SAÚDE SUPLEMENTAR. A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PORTFÓLIO COMO INDUTORA DO FORTALECIMENTO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UMA EMPRESA DE SAÚDE SUPLEMENTAR Francisco Tavares Contexto Fonte: relatório de Sustentabilidade 2015 Execução

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM LOGÍSTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM LOGÍSTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM LOGÍSTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4026 06/11/2013 Rev. 01 1. Dados Legais Parecer 472 de 24/11/2009. DECRETO No 2.929, de 21 de dezembro de 2009. Parecer 144 de 23-08-2011-

Leia mais

Procedimento de Gestão

Procedimento de Gestão Índice 1.0. Objectivo... 2 2.0. Campo de aplicação.. 2 3.0. Referências e definições......... 2 4.0. Responsabilidades. 3 5.0. Procedimento. 3 5.1. Auditorias ao Sistema da Qualidade. 3 5.1.1. Preparação.

Leia mais

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ESTUDOS HUMANÍSTICOS Licenciatura em Psicologia Ramo Clínica/Plano pré-bolonha REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR EM PSICOLOGIA CLÍNICA (Documento aprovado em reunião do dia

Leia mais

Gestão de desempenho com base em competências

Gestão de desempenho com base em competências Gestão de desempenho com base em competências Working Paper EXECUTIVE 2 de abril de 2008 Sergio Ricardo Goes Oliveira Gestão de desempenho com base em competências Working Paper Objetivo Este documento

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO COMERCIAL E DAS VENDAS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO COMERCIAL E DAS VENDAS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular GESTÃO COMERCIAL E DAS VENDAS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso MARKETING 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA DE PETRÓLEO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia de Petróleo da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnica nas áreas

Leia mais

PROCEDIMENTO INTERNO

PROCEDIMENTO INTERNO 1. Objectivo Regulamentar a actividade do Gabinete de Auditoria Interna do Centro Hospitalar Cova da Beira, EPE. 2. Aplicação Gabinete de Auditoria Interna do Centro Hospitalar Cova da Beira, EPE. 3. Definições

Leia mais

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA Serviço de Auditoria Interna Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA Introdução O presente Plano

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2009/2010 1 CURSO DO ENSINO REGULAR DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO: 9.º DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONRAÇÃO Rentabilizar as Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

FERRAMENTA PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE 11ª PRÊMIO BRASIL AMBIENTAL DA AMCHAM RIO - INOVAÇÃO

FERRAMENTA PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE 11ª PRÊMIO BRASIL AMBIENTAL DA AMCHAM RIO - INOVAÇÃO FERRAMENTA PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE 11ª PRÊMIO BRASIL AMBIENTAL DA AMCHAM RIO - INOVAÇÃO CONCREMAT 60 DE ATUAÇÃO ANOS NOSSA MISSÃO ASSUMIMOS DESAFIOS COM OUSADIA E COMPETÊNCIA, PROVENDO SOLUÇÕES INTEGRADAS

Leia mais

A metodologia de BSC aplicada à manutenção

A metodologia de BSC aplicada à manutenção A metodologia de BSC aplicada à manutenção Quando das minhas reflexões sobre indicadores de manutenção (1) dediquei umas linhas aos Quadro de Bordo propondo a metodologia de Balanced Scorecard concebida

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SELECÇÃO E ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SELECÇÃO E ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular SELECÇÃO E ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial

PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial A University of Southern California Divisão de Ciência Ocupacional e Terapia Ocupacional, juntamente com a Western Psychological Services

Leia mais

COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector DEFINITION OF LEARNING OUTCOMES

COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector DEFINITION OF LEARNING OUTCOMES COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector País: Instituição: Qualificação: Lituânia VMU (Vytautas Magnus University) Mobilizadores de inovação dentro das PME do metal : Objetivo de Aprendizagem:

Leia mais

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer Qualidade de Produto Maria Cláudia F. P. Emer Introdução Qualidade diretamente ligada ao produto final Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção Software Atividades

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO. - Formação Pedagógica Inicial De Formadores B-learning. (Curso homologado pelo IEFP / Acesso ao CCP)

PROGRAMA DO CURSO. - Formação Pedagógica Inicial De Formadores B-learning. (Curso homologado pelo IEFP / Acesso ao CCP) PROGRAMA DO CURSO - Formação Pedagógica Inicial De Formadores B-learning (Curso homologado pelo IEFP / Acesso ao CCP) Em parceria com: Índice 1. Destinatários Pág. 3 2. Objectivo Geral Pág. 3 3. Objectivo

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau2 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU II O Grau II corresponde ao primeiro nível de formação em que é concedido ao treinador desportivo

Leia mais

Certificação da Qualidade e da Inovação. Ana Oliveira Preto

Certificação da Qualidade e da Inovação. Ana Oliveira Preto Certificação da Qualidade e da Inovação Ana Oliveira Preto Tópicos Breve apresentação da APCER A norma ISO 9001 A norma NP 4457 Certificação Apresentação APCER A APCER posiciona-se como parceiro global

Leia mais

Novembro de 2011. O fazemos:

Novembro de 2011. O fazemos: Novembro de 2011 O fazemos: A nossa missão é por excelência acolher, atender, informar e orientar os clientes para a resolução dos seus problemas dentro ou fora da Autarquia. Pretendemos ser reconhecidos

Leia mais

ENQUADRAMENTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 15

ENQUADRAMENTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 15 ÍNDICE Apresentação 13 PRIMEIRA PARTE ENQUADRAMENTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 15 I. A Gestão dos Recursos Humanos: do Modelo Clássico ao Modelo Gestionário 1. Antecedentes

Leia mais

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Manual do Processo de Planejamento da UFSC 2010 Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Apresentação Este documento descreve o processo de planejamento que vem sendo implantado na Universidade Federal

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR Miguel Coutinho PROJECTO ADAPTAÇÃO efeitos impactos MITIGAÇÃO CLIMA Adaptação: um conceito darwinista Diversidade genética Adaptação: um conceito

Leia mais

ANEXO D. Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões

ANEXO D. Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões ANEXO D Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões Tema Auto-avaliação numa escola secundária Objectivos gerais Recolher informação relevante que contribua para caracterizar a implementação

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

A itsmf no mundo. www.itsmf.org. Única organização independente e reconhecida internacionalmente dedicada à Gestão de Serviços de TI

A itsmf no mundo. www.itsmf.org. Única organização independente e reconhecida internacionalmente dedicada à Gestão de Serviços de TI A itsmf no mundo Única organização independente e reconhecida internacionalmente dedicada à Gestão de Serviços de TI Sem fins lucrativos Representada em mais de 40 países, nos 5 continentes www.itsmf.org

Leia mais

PACTO DOS AUTARCAS, desafios e oportunidades O contexto Português A importância dos PAES no desenvolvimento regional

PACTO DOS AUTARCAS, desafios e oportunidades O contexto Português A importância dos PAES no desenvolvimento regional PACTO DOS AUTARCAS, desafios e oportunidades O contexto Português A importância dos PAES no desenvolvimento regional Joaquim José Borges Gouveia Universidade de Aveiro bgouveia@ua.pt 29 de novembro de

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL Prof. Joaquim Carlos Pinho (Universidade de Aveiro) Prof. Lucia Lima (Universidade

Leia mais

AHPTUS. PLANEIE O FUTURO DA SUA ORGANIZAÇÃO. AhptusAcademia de. Competências

AHPTUS. PLANEIE O FUTURO DA SUA ORGANIZAÇÃO. AhptusAcademia de. Competências AHPTUS. PLANEIE O FUTURO DA SUA ORGANIZAÇÃO. AhptusAcademia de Competências AHPTUS. PLANEIE O FUTURO DA SUA ORGANIZAÇÃO. AhptusAcademia de Competências AHPTUS AHPTUS. A SUA ORGANIZAÇÃO CRESCE CONNOSCO.

Leia mais

CRM: Mais que Tecnologia

CRM: Mais que Tecnologia Por Suelem Pinto* Administradora, Mestre em Gestão de Marketing pelo Instituto Português de Administração de Marketing de Lisboa, Especialista em Psicopedagogia pela FIP Faculdades Integradas de Patos.

Leia mais

O Desenvolvimento Local e a Abordagem EQUAL O PROVE Promover e Vender

O Desenvolvimento Local e a Abordagem EQUAL O PROVE Promover e Vender O Desenvolvimento Local e a Abordagem EQUAL O PROVE Promover e Vender Encontro Nacional Desenvolvimento Local em Portugal Lisboa 9 de Maio 2013 O PROVE e os seis princípios EQUAL Inovação Trabalho em Parceria

Leia mais

3 Administração de Materiais

3 Administração de Materiais 1 da Produção I Ementário do Curso de Fase: 5ª Carga Horária: 60h Créditos: 04 Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento

Leia mais

Termos de referência

Termos de referência REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério da planificação e desenvolvimento GABINETE DAS ZONAS ECONÓMICAS DE DESENVOLVIMENTO ACELERADO -GAZEDA Termos de referência elaboração da estratégia de comunicação e marketing

Leia mais

COMPROMISSO PARA A QUALIDADE

COMPROMISSO PARA A QUALIDADE COMPROMISSO PARA A QUALIDADE O presente documento corresponde à linha de orientação e ao compromisso do Conselho Nacional da Qualidade da (CNQ-OF) para com a Direcção Nacional da, na pessoa do Bastonário.

Leia mais

Curso de Atendimento em MNSRM: sistema digestivo no adulto (Parte I Pirose e Dispepsia) Referencial Pedagógico

Curso de Atendimento em MNSRM: sistema digestivo no adulto (Parte I Pirose e Dispepsia) Referencial Pedagógico Curso de Atendimento em MNSRM: sistema digestivo no adulto (Parte I Pirose e Dispepsia) Referencial Pedagógico 1. Objectivos/Competências Globais e Específicas Esta acção de formação visa desenvolver competências

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 1 09/08 Formação Acadêmica Tecnóloga em Mecânica - FATEC-Sorocaba; Pós-graduada/MBA

Leia mais

AGENDA EVENTOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES

AGENDA EVENTOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES AGENDA EVENTOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES NOVO PROCEDIMENTO DE NOTIFICAÇÃO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES: DL 118/2015 23 de março 2016 ALEGAÇÕES DE SAÚDE EM SUPLEMENTOS ALIMENTARES 20 abril RECONHECIMENTO MÚTUO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Versão 1.00. Referenciais de FORMAÇÃO. Padel. Menção de formação. Grau

Versão 1.00. Referenciais de FORMAÇÃO. Padel. Menção de formação. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Padel Menção de formação Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Padel Menção de formação Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DE NOVA ODESSA Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais

MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008. Propinas: 1250 /Ano

MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008. Propinas: 1250 /Ano MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008 Propinas: 1250 /Ano Nº clausus: 10 Mestrado em Ecologia Aplicada Nº mínimo para funcionamento: 7 no conjunto dos dois cursos (Mestrado e Pós-Graduação) Período de

Leia mais

Apoio aos profissionais brasileiros da qualidade para melhorar e aumentar eficiência e produtividade. Maximização dos esforços de melhoria contínua.

Apoio aos profissionais brasileiros da qualidade para melhorar e aumentar eficiência e produtividade. Maximização dos esforços de melhoria contínua. Apoio aos profissionais brasileiros da qualidade para melhorar e aumentar eficiência e produtividade. Maximização dos esforços de melhoria contínua. Baseado em Corpo de Conhecimentos específicos mundialmente

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI 11/05/011 INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI Prof. Carlos Faria (adaptação) 011 O CONCEITO DE TI A Tecnologia da Informação abrange todos os aspectos envolvidos no gerenciamento das informações de uma organização.

Leia mais

Anexo E. Questionário de Cultura Organizacional

Anexo E. Questionário de Cultura Organizacional Anexo E Questionário de Cultura Organizacional 156 Caracterização sumária do participante: Função: Departamento/Serviço: Idade: Sexo: M F Nível funcional: Direcção Chefia Intermédia Experiência profissional

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

Construindo Gestão Eficaz da Segurança de Alimentos. Workshop Food Safety Campinas Abril / 2014

Construindo Gestão Eficaz da Segurança de Alimentos. Workshop Food Safety Campinas Abril / 2014 Construindo Gestão Eficaz da Segurança de Alimentos Workshop Food Safety Campinas Abril / 2014 Momentos de Reflexão... PENSE NA SUA EMPRESA OU NEGÓCIO E REFLITA : Minha Empresa / Negócio possuí planos

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA INTRODUÇÃO A unidade curricular Trabalho Experimental em Biologia Marinha, adiante designada TEBM, é uma unidade

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2014 ECOSAÚDE, S. A.

PLANO DE FORMAÇÃO 2014 ECOSAÚDE, S. A. Segurança e Higiene no Trabalho para Representante do Empregador e Trabalhador Designado PLANO DE FORMAÇÃO 2014 ECOSAÚDE, S. A. Todos os cursos se destinam a realização para Grupos, em empresas. Condições

Leia mais

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas Qualidade de Produto Maria Cláudia F.P. Emer Introdução z Qualidade diretamente ligada ao produto final z Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção z Software

Leia mais

FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS:

FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS: FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS: Treinamento É o conjunto de métodos usados para transmitir aos funcionários novos e antigos as habilidades necessárias para o desempenho do trabalho. Referências: CHIAVENATO

Leia mais

Sistema de Informação IPS SIIPS

Sistema de Informação IPS SIIPS Sistema de Informação IPS SIIPS Relatório Abril 2008 Objectivos: Disponibilizar portais de interface com o público em cada unidade orgânica e um portal integrador ao nível dos serviços da presidência;

Leia mais

Google AdWords. Sobre o curso. Criatividade - Marketing Digital. Promoção: 10% Desconto

Google AdWords. Sobre o curso. Criatividade - Marketing Digital. Promoção: 10% Desconto Google AdWords Criatividade - Marketing Digital Promoção: 10% Desconto Localidade: Braga Data: 24 Oct 2016 Preço: 400 ( Os valores apresentados não incluem IVA. Oferta de IVA a particulares e estudantes.

Leia mais

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV Paulo César Cunha FGV Energia Há 70 anos a FGV nasceu com o objetivo de preparar pessoal qualificado para a administração pública e privada

Leia mais

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança Mestrado em: Animação Artística Unidade Curricular: Metodologia de Investigação em Artes 2007 / 2008 Carlos Morais Pré - requisitos Antes da

Leia mais

BONCRED LEASING S/A. - Arrendamento Mercantil MANUAL DE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA)

BONCRED LEASING S/A. - Arrendamento Mercantil MANUAL DE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) BONCRED LEASING S/A. - Arrendamento Mercantil MANUAL DE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) BONCRED LEASING S/A. ARRENDAMENTO MERCANTIL Manual de Política de Responsabilidade Socioambiental

Leia mais

e ao Introdução ao BPM Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira Slide XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas

e ao Introdução ao BPM Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira Slide XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas Introdução ao BPM e ao Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira 1. Conceitos básicos 1.1. Processos É um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas ou máquinas, as quais podem

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Gestão de Recursos Humanos

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Gestão de Recursos Humanos INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 5/11/2014 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 23/2/2015 Ficha de Unidade

Leia mais

Perturbações do Desenvolvimento

Perturbações do Desenvolvimento Curso Intensivo de verão Duração da Formação Destinatários 27,5 horas presenciais Estudantes e profissionais da área da saúde e da educação Local Auditório do CADIn Datas 4, 5, 6, 7 e 8 de julho 2016 (9h30m

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof. Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Organização dos Serviços Farmacêuticos

Organização dos Serviços Farmacêuticos Organização dos Serviços Farmacêuticos Uma vez planificados os S.F. deve partir-se para a organização do serviço que compreende Estruturar as diferentes secções Definir as funções de cada secção e estabelecer

Leia mais

Os Desafios das Organizações

Os Desafios das Organizações Excelência em Gestão ao alcance de todos CAMINHO PARA A QUALIDADE E COTITIVIDADE Os Desafios das Organizações Novas exigências dos mercados consumidores, Demandas da sociedade, Globalização, Aumento da

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade de Custos e de Gestão

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade de Custos e de Gestão INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

1. CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO MUNICIPAL PARA A IGUALDADE 2. PLANO DE ACÇÃO - ACTIVIDADES

1. CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO MUNICIPAL PARA A IGUALDADE 2. PLANO DE ACÇÃO - ACTIVIDADES PLANOS PARA A IGUALDADE ACTA Nº 1 CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO MUNICIPAL PARA A IGUALDADE 15 JULHO de 2011 ORDEM DE TRABALHOS 1. CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO MUNICIPAL PARA A IGUALDADE 2. PLANO DE ACÇÃO - ACTIVIDADES

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA. Licenciatura em Contabilidade e Gestão Pública

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA. Licenciatura em Contabilidade e Gestão Pública INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do conselho Técnico-Científico 8/5/2013 Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Contabilidade

Leia mais

Isabel Raposo INAG, I.P.

Isabel Raposo INAG, I.P. Isabel Raposo INAG, I.P. E se no futuro não tivermos água? O Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água (PNUEA) aprovado em 2005, pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 113/2005, de 30 de Junho,

Leia mais

F:\CPG\PLANO DIRETOR DE GESTÃO - PDG\Comunicação_PDG\Site\PDG_Doumento-Referência\Plano Diretor de Gestão_Fev-2008site.doc

F:\CPG\PLANO DIRETOR DE GESTÃO - PDG\Comunicação_PDG\Site\PDG_Doumento-Referência\Plano Diretor de Gestão_Fev-2008site.doc PLANO DIRETOR DE GESTÃO - PDG MAIO - 2007 F:\CPG\PLANO DIRETOR DE GESTÃO - PDG\Comunicação_PDG\Site\PDG_Doumento-Referência\Plano Diretor de Gestão_Fev-2008site.doc GOVERNADOR DO ESTADO Jaques Wagner SECRETÁRIO

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Pé Leve, Liliana Patrícia Monteiro Morada(s) Rua dos Pé Leves nº 46, Vale Mansos, 2100-049 Coruche (Portugal) Telefone(s) 243660191

Leia mais

Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET. Um compromisso e um desafio a enfrentar

Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET. Um compromisso e um desafio a enfrentar Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET Um compromisso e um desafio a enfrentar Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação

Leia mais