CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO"

Transcrição

1 Versão final MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNOESC CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado dos cursos de licenciatura mantidos pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc) é regido pelo Regulamento para os Estágios Curriculares dos Cursos de Graduação e Seqüenciais da Unoesc e por este Manual. Parágrafo único. O Estágio Curricular Supervisionado dos cursos de licenciatura compreende atividades de docência e gestão educacional. Art. 2º O Estágio Curricular Supervisionado dos cursos de licenciatura será realizado a partir da quinta fase de cada curso, compreendendo 27 (vinte e sete) créditos, com carga horária correspondente a 405 (quatrocentas e cinco) horas, assim distribuídos: fase. I - 4 (quatro) créditos, correspondendo a 60 (sessenta) horas, na quinta fase; II - 6 (seis) créditos, correspondendo a 90 (noventa) horas, na sexta fase; III- 8 (oito) créditos, correspondendo a 120 (cento e vinte) horas, na sétima fase; e IV- 9 (nove) créditos, correspondendo a 135 (cento e trinta e cinco) horas, na oitava Art. 3º A investigação constitui instrumento precípuo para o planejamento, a execução e a avaliação das ações desenvolvidas no Estágio Curricular Supervisionado. Art. 4º O Estágio Curricular Supervisionado deverá considerar os estudos de investigação realizados pelos acadêmicos nos componentes curriculares de Prática e Investigação Educativa. CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 5º O Estágio Curricular Supervisionado dos cursos de licenciatura mantidos pela Unoesc tem por objetivos: I - formar educadores que assumam técnica e politicamente atividades de docência e de gestão no seu campo de atuação; II - formar educadores que conduzam as atividades inerentes à sua função com ética e compromisso político efetivo; III - promover condições para o planejamento, a execução e a avaliação de ações pedagógicas, tendo como eixo norteador as bases epistemológicas do projeto pedagógico do respectivo curso;

2 IV - promover a sistematização do conhecimento, com base na análise das relações entre a realidade investigada e o referencial teórico discutido e apreendido no curso; e V - desenvolver competências profissionais para as atividades de docência, de gestão e de investigação educativa. CAPÍTULO III DO CAMPO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 6º Constituem campo de Estágio Curricular Supervisionado dos cursos de licenciatura os espaços escolares que ofereçam uma ou mais etapas da educação básica (educação infantil, ensino fundamental e ensino médio), de acordo com a área específica de atuação do futuro profissional. Parágrafo único. Os campi da Unoesc poderão definir pela realização do Estágio Curricular Supervisionado em espaços escolares conveniados com a Universidade. CAPÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO SEÇÃO I DAS CONDIÇÕES GERAIS DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 7º A realização do Estágio Curricular Supervisionado, obrigatória a todos os acadêmicos dos cursos de licenciatura, deverá ocorrer, preferencialmente, de forma individual. Parágrafo único. A realização do Estágio Curricular Supervisionado não individual depende de decisão do respectivo Colegiado de Curso. Art. 8º O Estágio Curricular Supervisionado, desenvolvido nas quatro fases finais dos cursos de licenciatura, compreenderá, basicamente, as seguintes etapas: I diagnóstico e problematização do cotidiano da instituição em que se realizará a intervenção, considerando os tempos e os espaços escolares; II observação, descrição e análise das atividades de docência e de gestão; III observação, descrição e análise do perfil dos estudantes e das relações entre professor/aluno e aluno/aluno que se estabelecem em sala de aula; IV construção do projeto de intervenção, em consonância com os conteúdos e objetivos da escola em que se realizará a intervenção, com o detalhamento da ação didáticopedagógica em planos de aula;

3 V intervenção docente em sala de aula; VI construção do relatório de estágio; VII socialização dos resultados; e VIII entrega de relatório final. Art. 9º Em conformidade às diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, o acadêmico que comprovar o exercício de atividades docentes profissionais regulares correspondentes à formação no curso de licenciatura poderá obter redução de até 50 % (cinqüenta por cento) das horas destinadas à prática docente no Estágio Curricular Supervisionado. 1º A redução de parte de sua carga horária não desobriga o acadêmico de participar das atividades de orientação, planejamento, discussão e avaliação de cada uma das etapas correspondentes ao Estágio Curricular Supervisionado. 2º Para requerer redução de parte da carga horária do estágio supervisionado, o acadêmico deverá comprovar experiência docente de, no mínimo, 5 (cinco) anos na área específica de formação do curso. 3º A experiência docente a que se refere o parágrafo anterior deverá estar compreendida entre os 8 (oito) anos anteriores à data de matrícula no primeiro componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado do respectivo curso. Art. 10. Os projetos e os relatórios de Estágio Curricular Supervisionado deverão ser apresentados em conformidade às especificações homologadas pelo respectivo Colegiado de Curso. SEÇÃO II DAS CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Subseção I Do Curso de Artes Visuais Art. 11. No quinto semestre do curso de Artes Visuais, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Artes Visuais I, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio em escola definida pela instituição; II construir a primeira e a segunda partes do projeto de intervenção, a ser aplicado no ensino fundamental e no ensino médio, compreendendo, respectivamente: Primeira parte: diagnóstico e problematização acerca dos processos de ensino e aprendizagem e de gestão escolar; e

4 Segunda parte: referencial teórico, seguido de uma reflexão sobre procedimentos metodológicos do ensino de Artes Visuais. Supervisionado, no mínimo 20 (vinte) horas serão destinadas à observação do cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio, em escola definida pela instituição. Art. 12 No sexto semestre do curso de Artes Visuais, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Artes Visuais II, o acadêmico deverá: I construir a terceira parte do projeto de intervenção docente para o ensino fundamental e médio, a ser desenvolvido através de oficinas. II desenvolver, sob a forma de docência, o projeto de intervenção; III organizar o relatório referente à etapa de intervenção nos ensinos fundamental e médio e socializar os resultados em seminário. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à realização das oficinas nos ensinos fundamental e médio. Art. 13 No sétimo semestre do curso de Artes Visuais, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Artes Visuais III, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano das classes do ensino fundamental, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a quarta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino fundamental, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III desenvolver, sob a forma de docência no ensino fundamental, o projeto de intervenção; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino fundamental e socializar os resultados em seminário. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino fundamental e, 4 (quatro) horas, no mínimo, à participação em atividades de gestão escolar. Art. 14. No oitavo semestre do curso de Artes Visuais, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Artes Visuais IV, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano das classes do ensino médio, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II desenvolver, sob a forma de docência no ensino médio, o projeto de intervenção, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio;

5 III organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino médio e socializar os resultados em seminário. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino médio. Art. 15. Ao final do oitavo semestre do curso de Artes Visuais, o acadêmico deverá elaborar o Relatório Final do Estágio Curricular Supervisionado, referentemente às intervenções pedagógicas realizadas nos ensinos fundamental e médio, apresentando uma monografia que deverá ser encaminhada, em meio magnético (no formato pdf), via protocolo, à Coordenação do Curso. Subseção II Do Curso de Artes Cênicas Art. 16. No quinto semestre do curso de Artes Cênicas, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Artes Cênicas I, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio em escola definida pela instituição; II construir a primeira e a segunda partes do projeto de intervenção a ser aplicado no ensino fundamental e no ensino médio, compreendendo, respectivamente: Primeira parte: diagnóstico e problematização acerca dos processos de ensino e aprendizagem e de gestão escolar; e Segunda parte: referencial teórico seguido de uma reflexão sobre procedimentos metodológicos do ensino de Artes Cênicas. Supervisionado, no mínimo 20 (vinte) horas serão destinadas à observação do cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio, em escola definida pela instituição. Art. 17 No sexto semestre do curso de Artes Cênicas, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Artes Cênicas II, o acadêmico deverá: I construir a terceira parte do projeto de intervenção docente para o ensino fundamental e médio, a ser desenvolvido através de oficinas. II desenvolver, sob a forma de docência, o projeto de intervenção; III organizar o relatório referente à etapa de intervenção nos ensinos fundamental e médio e socializar os resultados em seminário. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à realização das oficinas nos ensinos fundamental e médio.

6 Art. 18 No sétimo semestre do curso de Artes Cênicas, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Artes Cênicas III, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano das classes do ensino fundamental, na escola onde o estágio de docência será desenvolvido, a qual será definida pela instituição; II construir a quarta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino fundamental, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III desenvolver, sob a forma de docência no ensino fundamental, o projeto de intervenção; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino fundamental e socializar os resultados em seminário. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino fundamental e 4 (quatro) horas, no mínimo, à participação em atividades de gestão escolar. Art. 19. No oitavo semestre do curso de Artes Cênicas, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Artes Cênicas IV, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino médio, na escola onde o estágio de docência será desenvolvido, a qual será definida pela instituição; II construir a quinta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino médio, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III - desenvolver, sob a forma de docência no ensino médio, o projeto de intervenção; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino médio e socializar os resultados em seminário. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino médio. Art. 20. Ao final do oitavo semestre do curso de Artes Cênicas, o acadêmico deverá elaborar o Relatório Final do Estágio Curricular Supervisionado, referente às intervenções pedagógicas realizadas nos ensinos fundamental e médio, apresentando uma monografia, que deverá ser encaminhada, em meio magnético (no formato pdf), via protocolo, à Coordenação do Curso. Subseção III Do Curso de Geografia Art. 21. No quinto semestre do curso de Geografia, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Geografia I, o acadêmico deverá:

7 I observar o cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio em escola definida pela instituição; II construir a primeira parte do projeto de intervenção no ensino fundamental e no ensino médio, compreendendo diagnóstico e problematização acerca dos processos de ensino e aprendizagem e de gestão escolar. Supervisionado, no mínimo 20 (vinte) horas serão destinadas à observação do cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio, em escola definida pela instituição. Art. 22. No sexto semestre do curso de Geografia, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Geografia II, o acadêmico deverá: I construir a segunda parte do projeto de intervenção nos ensinos fundamental e médio, compreendendo a construção do referencial teórico e a apresentação de uma reflexão sobre procedimentos metodológicos para o ensino da Geografia; II apresentar e qualificar o projeto de intervenção nos ensinos fundamental e médio em seminário de socialização; Parágrafo único. Em face das necessidades de aprofundamento da observação já realizada, o acadêmico poderá retornar ao campo de estágio para a construção da segunda etapa do projeto de intervenção. Art. 23 No sétimo semestre do curso de Geografia, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Geografia III, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a terceira parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino de docência no ensino fundamental, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino fundamental; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino fundamental. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino fundamental e 4 (quatro) horas, no mínimo, à participação em atividades de gestão escolar. Art. 24 No oitavo semestre do curso de Geografia, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Geografia IV, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino médio, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido;

8 II construir a quarta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração de planos de ensino para a docência no ensino médio, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino médio; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino médio; Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino médio. Art. 25. Ao final do oitavo semestre do curso de Geografia, o acadêmico deverá elaborar o Relatório Final do Estágio Curricular Supervisionado, referente às intervenções pedagógicas realizadas nos ensinos fundamental e médio, apresentando-o em seminário de socialização e encaminhando-o em meio magnético (no formato pdf), via protocolo, à Coordenação do Curso. Subseção IV Do Curso de História Art. 26. No quinto semestre do curso de História, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em História I, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio em escola definida pela instituição; II construir a primeira parte do projeto de intervenção a ser aplicado no ensino fundamental e no ensino médio, compreendendo diagnóstico e problematização acerca dos processos de ensino e aprendizagem e de gestão escolar; Supervisionado, no mínimo 20 (vinte) horas serão destinadas à observação do cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio em escola definida pela instituição. Art. 27. No sexto semestre do curso de História, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em História II, o acadêmico deverá: I construir a segunda parte do projeto de intervenção nos ensinos fundamental e médio, que compreende a construção do referencial teórico e a apresentação de uma reflexão sobre procedimentos metodológicos para o ensino da História; II apresentar e qualificar o projeto de intervenção nos ensinos fundamental e médio em seminário de socialização; Parágrafo único. Em face das necessidades de aprofundamento da observação já realizada, o acadêmico poderá retornar ao campo de estágio para a construção da segunda etapa do projeto de intervenção.

9 Art. 28. No sétimo semestre do curso de História, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em História III, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a terceira parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino fundamental, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino fundamental; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino fundamental. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino fundamental e 4 (quatro) horas, no mínimo, à participação em atividades de gestão escolar. Art. 29. No oitavo semestre do curso de História, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em História IV, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino médio, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a quarta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino médio, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino médio; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino médio; Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino médio. Art. 30. Ao final do oitavo semestre do curso de História, o acadêmico deverá elaborar o Relatório Final do Estágio Curricular Supervisionado, referente às intervenções pedagógicas realizadas nos ensinos fundamental e médio, apresentando-o em seminário de socialização e encaminhando-o em meio magnético (no formato pdf), via protocolo, à Coordenação do Curso. Subseção V Do Curso de Letras Art. 31. No quinto semestre do curso de Letras, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Letras, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio em escola definida pela instituição;

10 II construir a primeira e a segunda partes do projeto de intervenção a ser aplicado no ensino fundamental e no ensino médio, compreendendo, respectivamente: Primeira parte: diagnóstico e problematização acerca dos processos de ensino e aprendizagem e da gestão escolar; e Segunda parte: referencial teórico seguido de uma reflexão sobre procedimentos metodológicos do ensino da Língua Portuguesa, Literatura e Língua Estrangeira. III apresentar e qualificar o projeto de intervenção nos ensinos fundamental e médio em seminário de socialização; Supervisionado, no mínimo 20 (vinte) horas serão destinadas à observação do cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio, em escola definida pela instituição. Art. 32. No sexto semestre do curso de Letras, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Língua Portuguesa no Ensino Fundamental, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a terceira parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino fundamental, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino fundamental; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino fundamental. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino fundamental e 4 (quatro) horas, no mínimo, à participação em atividades de gestão escolar. Art. 33. No sétimo semestre do curso de Letras, nos componentes curriculares de Estágio Curricular Supervisionado em Língua Inglesa no Ensino Fundamental, da linha de formação Português/Inglês e Respectivas Literaturas, ou de Estágio Curricular Supervisionado em Língua Espanhola no Ensino Fundamental, da linha de formação Português/Espanhol e Respectivas Literaturas, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a quarta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino fundamental, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino fundamental;

11 IV organizar relatório referente à etapa de intervenção em Língua Portuguesa e Língua Estrangeira no ensino fundamental; V apresentar, em seminário de socialização, o relatório de intervenção no ensino fundamental de que trata o inciso anterior. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino fundamental. Art. 34. No oitavo semestre do curso de Letras, o estágio curricular supervisionado compreende os componentes curriculares de Estágio Curricular Supervisionado em Língua Inglesa no Ensino Médio, da linha de formação Português/Inglês e Respectivas Literaturas, ou de Estágio Curricular Supervisionado em Língua Espanhola no Ensino Médio, da linha de formação Português/Espanhol e Respectivas Literaturas, e de Estágio Curricular Supervisionado em Língua Portuguesa e Literatura da Língua Portuguesa no Ensino Médio.+ 1º No Estágio Curricular Supervisionado em Língua Inglesa no Ensino Médio, da linha de formação Português/Inglês e Respectivas Literaturas, ou de Estágio Curricular Supervisionado em Língua Espanhola no Ensino Médio, da linha de formação Português/Espanhol e Respectivas Literaturas, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino médio, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a quinta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino médio, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino médio, com carga horária de, no mínimo 10 (dez) horas; 2º No Estágio Curricular Supervisionado em Língua Portuguesa e Literatura da Língua Portuguesa no Ensino Médio, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino médio, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a sexta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino médio, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino médio, com carga horária de, no mínimo, 10 (dez) horas. IV elaborar Relatório Final do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Letras, referente a todas as intervenções pedagógicas realizadas nos ensinos fundamental e médio, em Língua Portuguesa e Língua Espanhola e Respectivas Literaturas ou Língua Inglesa e Respectivas Literaturas, encaminhando-o em meio magnético (no formato pdf), via protocolo, à Coordenação do Curso.

12 Subseção VI Do Curso de Matemática Art. 35. No quinto semestre do curso de Matemática, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Matemática I, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio em escola definida pela instituição; II construir a primeira e a segunda partes do projeto de intervenção a ser aplicado no ensino fundamental e no ensino médio, compreendendo, respectivamente: Primeira parte: diagnóstico e problematização acerca dos processos de ensino e aprendizagem e de gestão escolar; e Segunda parte: referencial teórico seguido de uma reflexão sobre procedimentos metodológicos do ensino da Matemática. III apresentar e qualificar o projeto de intervenção nos ensinos fundamental e médio em seminário de socialização; Supervisionado, no mínimo 20 (vinte) horas serão destinadas à observação do cotidiano do ensino fundamental e do ensino médio em escola definida pela instituição. Art. 36. No sexto semestre do curso de Matemática, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Matemática II, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino fundamental, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a terceira parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino fundamental, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino fundamental; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino fundamental. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino fundamental e 4 (quatro) horas, no mínimo, na participação em atividades de gestão escolar. Art. 37. No sétimo semestre do curso de Matemática, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Matemática III, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano do ensino médio, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido;

13 II construir a quarta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino médio, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino médio; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção no ensino médio. Supervisionado, no mínimo 10 (dez) horas serão destinadas à docência no ensino médio. Art. 38. No oitavo semestre do curso de Matemática, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Matemática IV, o acadêmico deverá elaborar o Relatório Final do Estágio Curricular Supervisionado referente às intervenções pedagógicas realizadas nos ensinos fundamental e médio, apresentando-o em seminário de socialização e encaminhando-o em meio magnético (no formato pdf), via protocolo, à Coordenação do Curso. Subseção VII Do Curso de Pedagogia Art. 39. No quinto semestre do curso de Pedagogia, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Pedagogia I, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano da educação infantil, dos anos iniciais do ensino fundamental e do ensino médio, na modalidade normal, em escola definida pela instituição; II construir a primeira e a segunda partes do projeto de intervenção a ser aplicado em classes da educação infantil, dos anos iniciais do ensino fundamental e do ensino médio, na modalidade normal, compreendendo, respectivamente: Primeira parte: diagnóstico e problematização acerca dos processos de ensino e aprendizagem e de gestão escolar; e Segunda parte: referencial teórico, seguido de uma reflexão sobre procedimentos metodológicos do processo de intervenção. III apresentar e qualificar o projeto de intervenção na educação infantil, nos ensinos fundamental e médio, em seminário de socialização; Supervisionado, no mínimo 20 (vinte) horas serão destinadas à observação do cotidiano da educação infantil, dos anos iniciais do ensino fundamental e do ensino médio, na modalidade normal. Art. 40. No sexto semestre do curso de Pedagogia, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Educação Infantil, o acadêmico deverá:

14 I observar o cotidiano da educação infantil, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a terceira parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência na educação infantil, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes de educação infantil; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção na educação infantil. 1º Da carga horária prevista para essa etapa do Estágio Curricular Supervisionado, no mínimo 20 (vinte) horas serão destinadas à docência na educação infantil. 2º A critério do Colegiado do Curso, a realização de seminário para qualificação do projeto de intervenção na educação infantil poderá constituir atividade da presente etapa do estágio curricular supervisionado. Art. 41. No sétimo semestre do curso de Pedagogia, no componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado em Anos Iniciais do Ensino Fundamental, o acadêmico deverá: I observar o cotidiano dos anos iniciais do ensino fundamental, na escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a quarta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência nos anos iniciais do ensino fundamental, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência nos anos iniciais do ensino fundamental; IV organizar o relatório referente à etapa de intervenção nos anos iniciais do ensino fundamental. 1º Da carga horária prevista para essa etapa do Estágio Curricular Supervisionado, no mínimo 20 (vinte) horas serão destinadas à docência nos anos iniciais do ensino fundamental e 4 (quatro) horas, no mínimo, à participação em atividades de gestão escolar. 2º A critério do Colegiado do Curso, a realização de seminário para qualificação do projeto de intervenção nos anos iniciais do ensino fundamental poderá constituir atividade da presente etapa do estágio curricular supervisionado. Art. 42. No oitavo semestre do curso de Pedagogia, o estágio curricular supervisionado compreende os componentes curriculares de Estágio Curricular Supervisionado em Matérias Pedagógicas do Ensino Médio e de Estágio Curricular Supervisionado em Pedagogia II. 1º No Estágio Curricular Supervisionado em Matérias Pedagógicas do Ensino Médio, o acadêmico deverá:

15 I observar o cotidiano do ensino médio, na modalidade normal, nas disciplinas pedagógicas, em escola definida pela instituição onde o estágio de docência será desenvolvido; II construir a quinta parte do projeto de intervenção, que compreende a elaboração dos planos de ensino para a docência no ensino médio, na modalidade normal, respeitando o projeto pedagógico da escola campo de estágio; III realizar a docência em classes do ensino médio, na modalidade normal, em matérias pedagógicas, com carga horária de, no mínimo, 10 (dez) horas. 2º No Estágio Curricular Supervisionado em Pedagogia II, o acadêmico deverá elaborar o Relatório Final do Estágio Curricular Supervisionado, referente às intervenções pedagógicas realizadas na educação infantil, nos anos iniciais do ensino fundamental e no ensino médio, modalidade normal, apresentando-o em seminário de socialização e encaminhando-o em meio magnético (no formato pdf), via protocolo, à Coordenação do Curso. CAPÍTULO V DA ESTRUTURA DE TRABALHO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NO ÂMBITO DOS CURSOS Art. 43. As atividades de planejamento, execução e avaliação do Estágio Curricular Supervisionado serão desempenhadas pelo coordenador de estágio, pelo professor titular do componente curricular, pelos professores orientadores e pelo supervisor externo. SEÇÃO I DO COORDENADOR DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 44. A coordenação do Estágio Curricular Supervisionado poderá ser exercida pelo coordenador do curso, pelo professor do componente curricular de estágio ou por professor indicado pelo coordenador e aprovado pelo Colegiado do Curso. Art.45. São atribuições do coordenador do Estágio Curricular Supervisionado: I definir, em conjunto com o Colegiado do Curso, encaminhamentos complementares de estágio para o curso; II definir, em conjunto com o corpo de professores orientadores de estágio, os campos de estágio. III promover a articulação entre a instituição formadora e as escolas campo de estágio, nos termos estabelecidos em convênios; IV encaminhar oficialmente os acadêmicos aos respectivos campos de estágio; V fornecer informações necessárias aos professores orientadores e aos supervisores externos;

16 VI convocar e coordenar, sempre que necessário, as reuniões com professores orientadores e supervisores de estágio; VII apresentar informações quanto ao andamento dos estágios, aos diversos órgãos da administração acadêmica da Unoesc; e VIII acompanhar e supervisionar todas as etapas do Estágio Curricular Supervisionado, observando o que dispõe este Manual e demais normas aplicáveis. SEÇÃO II DO PROFESSOR DO COMPONENTE CURRICULAR DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 46. O professor do componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado será definido em conformidade aos critérios de credenciamento docente da Unoesc. Art. 47. São atribuições do professor do componente curricular: I coordenar as atividades didáticas referentes ao componente curricular, bem como promover articulações com os professores regentes das classes campo de estágio; II fornecer informações à coordenação do Estágio Curricular Supervisionado quanto ao andamento das atividades de estágio e o desempenho dos acadêmicos; III assessorar os acadêmicos na elaboração dos projetos e relatórios de estágio; IV avaliar, em conjunto com a coordenação de estágio, as diversas etapas do Estágio Curricular Supervisionado do curso; V participar das atividades programadas pelo coordenador de estágio; VI acompanhar o trabalho dos professores orientadores; e VII acompanhar os acadêmicos no campo de estágio. SEÇÃO III DOS PROFESSORES ORIENTADORES DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 48. Os professores orientadores do Estágio Curricular Supervisionado serão indicados pela coordenação de estágio, entre os professores que tenham formação na área e experiência na educação. Art. 49. Aos professores orientadores será destinada carga horária compatível ao desenvolvimento dessa atividade. Art. 50. São atribuições dos professores orientadores:

17 I orientar e acompanhar o acadêmico nas diversas etapas de realização do Estágio Curricular Supervisionado; II avaliar o processo do estágio dos acadêmicos sob sua orientação; III fornecer informações ao professor da disciplina de Estágio Curricular Supervisionado, quanto ao andamento e desempenho das atividades dos estagiários; e IV participar das atividades programadas pelo coordenador de estágio. SEÇÃO IV DOS SUPERVISORES EXTERNOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 51. Os supervisores externos do Estágio Curricular Supervisionado serão indicados pelos campos de estágio, dentre os profissionais com formação na área do curso. Art. 52. São atribuições dos supervisores externos: I apresentar o campo ao acadêmico estagiário; II facilitar seu acesso à documentação da instituição; III orientar e acompanhar a execução das atividades de estágio; IV informar ao professor do componente curricular de Estágio Curricular Supervisionado ou ao coordenador do estágio quanto ao andamento das atividades e o desempenho do acadêmico; e V avaliar o desempenho dos estagiários. CAPITULO VI DAS OBRIGAÇÕES DO ESTAGIÁRIO Art. 53. São obrigações do acadêmico estagiário: I entrar em contato com a entidade-campo na qual serão desenvolvidas as atividades de estágio, munido de carta de apresentação e termo de compromisso; II participar de reuniões e atividades de orientação para as quais for convocado; III cumprir todas as atividades previstas para o processo de estágio, de acordo com o projeto pedagógico do curso e o que dispõe este Manual; IV respeitar os horários e normas estabelecidos na entidade-campo, bem como seus profissionais e alunos; V manter a ética no desenvolvimento do processo de estágio;

18 VI cumprir as exigências do campo de estágio e as normas da Unoesc relativas ao Estágio Curricular Supervisionado. CAPÍTULO VII DA AVALIAÇÃO NO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO SEÇÃO I DAS CONDIÇÕES GERAIS DA AVALIAÇÃO NO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 54. A avaliação do acadêmico estagiário será realizada pelo professor do componente curricular de estágio, pelo professor orientador e, no que se refere às práticas de docência e de gestão, também pelo supervisor externo de estágio. Art. 55. Para a aprovação em cada um dos componentes curriculares de Estágio Curricular Supervisionado, o acadêmico deverá atingir média final igual ou superior a 7,0 (sete) e freqüência de, no mínimo, 75% (setenta e cinco por cento). Parágrafo único. No que se refere às práticas de docência e de gestão, o acadêmico deverá, obrigatoriamente, cumprir freqüência de 100% da carga horária devida. Art. 56. Os critérios e as formas de avaliação do acadêmico estagiário, nas diversas etapas do Estágio Curricular Supervisionado, serão propostos pelos respectivos professores dos componentes curriculares para homologação do Colegiado de Curso. Parágrafo único. Após a homologação, os critérios e as formas de avaliação constarão nos respectivos planos de ensino dos componentes curriculares do Estágio Curricular Supervisionado. CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art. 57. Os casos omissos neste Manual serão decididos pelo respectivo Colegiado de Curso. Art. 58. Este Manual de Procedimentos para o Estágio Curricular Supervisionado dos cursos de licenciatura entra em vigor após a sua aprovação pelas instâncias deliberativas da Unoesc. Joaçaba (SC), 10 de junho de 2008.

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

RESOLUÇÃO CGRAD 020/08, DE 16 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO CGRAD 020/08, DE 16 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO CGRAD 020/08, DE 16 DE JULHO DE 2008 Aprova o Regulamento Geral dos Estágios Curriculares dos Cursos de Graduação do CEFET-MG A PRESIDENTE DO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE)

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) Núcleo de Apoio à Prática Profissional das Licenciaturas CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Atualizado em 17 jun 2016 5º. PERÍODO 4º. PERÍODO

Leia mais

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio Anexo 03 Normas para a realização de Estágio REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil do Setor de Tecnologia

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Bragança Paulista, 30 de maio de 2016. Profa. Márcia Aparecida Antônio Presidente

R E S O L U Ç Ã O. Bragança Paulista, 30 de maio de 2016. Profa. Márcia Aparecida Antônio Presidente RESOLUÇÃO CONSEACC/BP 16/2016 APROVA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CAMPUS BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Escritório de Assistência Jurídica EAJ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Escritório de Assistência Jurídica EAJ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Escritório de Assistência Jurídica EAJ Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica (Escritório de Assistência Jurídica EAJ).

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento de Monitoria para os cursos de graduação das Faculdades Integradas Sévigné.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento de Monitoria para os cursos de graduação das Faculdades Integradas Sévigné. RESOLUÇÃO CSA 08/2009 APROVA O REGULAMENTO DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DAS. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 6º, II, do

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Justificativa. Considerando a necessidade da organização, coordenação e implementação de uma melhor qualidade no processo ensino e aprendizagem se faz necessário o trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PEDAGOGIA, LICENCIATURA. Resolução CP n. 01 Aparecida de Goiânia, 28 de janeiro de 2015.

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PEDAGOGIA, LICENCIATURA. Resolução CP n. 01 Aparecida de Goiânia, 28 de janeiro de 2015. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PEDAGOGIA, LICENCIATURA Resolução CP n. 01 Aparecida de Goiânia, 28 de janeiro de 2015. Homologa adequações no Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Anexo 2 Normas de Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação

Anexo 2 Normas de Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação Anexo 2 Normas de Estágio Curricular do Aprova as Normas de Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação, em conformidade com a Lei de Estágio - Lei Federal Nº 11.788 de 25 de setembro de

Leia mais

Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina.

Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art.1º - Observando o disposto no Artigo 08º da Resolução

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCIONAL GUAXUPÉ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Regulamento das Atividades Complementares

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCIONAL GUAXUPÉ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Regulamento das Atividades Complementares CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCIONAL GUAXUPÉ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento das s Complementares Capítulo 1 Diretrizes Preliminares Art. 1º As atividades complementares, constantes nas Diretrizes

Leia mais

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE MARECHAL RONDON REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ENFERMAGEM São Manuel 2016 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DA FMR As Atividades Complementares, conforme

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO N 020 /01 Aprova a criação do Curso de Especialização em Direito do Consumidor O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui o artigo 11, parágrafo

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Faculdade de Física Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO Os Estágios Curriculares Obrigatórios do Curso de Ciências Biológicas- Licenciatura e Bacharelado, visam à capacitação

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Zoologia

Programa de Pós-Graduação em Zoologia Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Zoologia Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Zoologia (PPGZoo), vinculado à Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO RESOLUÇÃO N.o 2628, DE 08 DE SETEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação das Atividades Complementares nos currículos dos Cursos de Graduação da UNIRIO. o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, em

Leia mais

RESOLUÇÃO N 59/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 59/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 59/2009/CONEPE Aprova as Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

PORTARIA Nº 078-R, DE 28 DE JUNHO DE 2016. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe foi conferida pela Lei Nº. 3.

PORTARIA Nº 078-R, DE 28 DE JUNHO DE 2016. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe foi conferida pela Lei Nº. 3. PORTARIA Nº 078-R, DE 28 DE JUNHO DE 2016. Dispõe sobre o Calendário Escolar/2º semestre letivo 2016 do ensino fundamental e médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos, nas unidades escolares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM FILOSOFIA PREÂMBULO Este Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL Anexo à Resolução Nº 26 de 21 de junho de 2013. REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL CAPÍTULO I - DO CONCEITO, FINALIDADES E OBJETIVOS CAPÍTULO II - DAS ÁREAS, CAMPOS E ATIVIDADES

Leia mais

REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO

REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO PORTO ALEGRE 2014 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM INSTITUIÇÕES

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS

ESTATUTO SOCIAL DO FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS ESTATUTO SOCIAL DO FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E COMPOSIÇÃO Artigo 1º - O FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DO CRACK E OUTRAS

Leia mais

EDITAL Nº 001 / 2008

EDITAL Nº 001 / 2008 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS EDITAL Nº 001 / 2008 A comunica aos interessados que estão abertas as inscrições para seleção simplificada de candidatos(as) para preencher cadastro reserva para contratação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - Atendendo a Resolução CNE/CES 10 de 16 de dezembro de 2004, e ao Projeto Pedagógigo do Curso de Ciências Contábeis o

Leia mais

Norma para Trabalho de Conclusão de Curso em. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

Norma para Trabalho de Conclusão de Curso em. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Norma para Trabalho de Conclusão de Curso em Engenharia Elétrica Robótica e Automação Industrial CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 Art. 2 A presente norma tem como objetivo regulamentar a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESCOLA DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESCOLA DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESCOLA DE MATEMÁTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA O presente

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Osasco 2013 Apresentação O presente instrumento regulamenta o exercício e a validação dos Estágios Supervisionados Curriculares e

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1 - O Estágio Supervisionado,

Leia mais

Art. 6 As atividades descritas no artigo anterior compreendem quatro grupos descritos a seguir e têm a pontuação descrita na tabela em anexo:

Art. 6 As atividades descritas no artigo anterior compreendem quatro grupos descritos a seguir e têm a pontuação descrita na tabela em anexo: ANEXO IV REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º As Atividades Complementares do Curso de Arquitetura e Urbanismo, como parte integrante do currículo, constituem atividades extraclasse, desenvolvidas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE TURISMO E HOTELARIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO NITERÓI 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

E D I T A L. I. estiver regularmente matriculado nas Faculdades Integradas Sévigné;

E D I T A L. I. estiver regularmente matriculado nas Faculdades Integradas Sévigné; EDITAL SA N.º 06/2009 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE INSCRIÇÃO PARA A AVALIAÇÃO DE SUFICIÊNCIA E O EXAME DE PROFICIÊNCIA DAS FACULDADES INTEGRADAS SÉVIGNÉ. O Secretário Acadêmico das Faculdades Integradas

Leia mais

Normas Gerais do Estagio Supervisionado/Projeto Orientado

Normas Gerais do Estagio Supervisionado/Projeto Orientado Ministério da Educação Universidade Federal de Lavras UFLA Colegiado do Curso de Zootecnia Normas Gerais do Estagio Supervisionado/Projeto Orientado DOS OBJETIVOS Art. 1 o. O Projeto Orientado ou Estágio

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prática Programa de Residência Profissionalizante Atualização Graduação Sim Não Sim Concluída Carga horária mínima Definida

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ZOOTECNIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (FZEA/USP) Aprovado na 190ª reunião da C.G de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 69 DE 21 DE JUNHO DE 2012. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº. 32/2012

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UTFPR CÂMPUS CUITIBA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UTFPR CÂMPUS CUITIBA Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal Do Paraná Campus Curitiba Departamento Acadêmico de Física Curso de Licenciatura em Física REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR 1 CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 A Coordenação do Curso de Engenharia de Produção da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 032 /98 Autoriza a reformulação do Curso de Especialização em Jornalismo Cultural - Pós-Graduação lato sensu. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

CURSO: BIOMEDICINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANÁLISES CLINICAS REGIMENTO

CURSO: BIOMEDICINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANÁLISES CLINICAS REGIMENTO CURSO: BIOMEDICINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANÁLISES CLINICAS REGIMENTO Curitiba, 2009. FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL CURSO: BIOMEDICINA REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANÁLISES CLINICAS CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 181 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 181 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 181 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº76/2011

Leia mais

Estágio Supervisionado Educação Especial. Roteiro para a Elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado: Desenvolvimento.

Estágio Supervisionado Educação Especial. Roteiro para a Elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado: Desenvolvimento. Estágio Supervisionado Educação Especial Teleaula 3 Profa. Me. Cristina Rolim Chyczy Bruno tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Roteiro para a Elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado: Desenvolvimento

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2013

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2013 COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2013 Institui as normas e as atividades aprovadas para o aproveitamento de carga horária para compor Atividades Complementares

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS E PADRÕES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS E PADRÕES ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS E PADRÕES SÃO PAULO 2016 Pg 1/5 Este conjunto de normas e procedimentos tem por objetivo normalizar as Atividades Complementares como componente curricular dos cursos de

Leia mais

EDITAL N 002/2015 CURSO DE BIOLOGIA (EaD) SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO

EDITAL N 002/2015 CURSO DE BIOLOGIA (EaD) SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CÂMPUS DE PORTO NACIONAL CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA (EaD) Rua 03, Quadra 17, s/nº, Jardim dos Ipês 77500-000 Porto Nacional/TO (63) 2112-2216 www.uft.edu.br coordbioead@uft.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/032/2009. Dispõe sobre o Trabalho de Conclusão de Curso - TCC e dá outras providências O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB),

Leia mais

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO O curso de Engenharia de Produção da Escola Superior de Tecnologia e Educação de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1. IDENTIFICAÇÃO DO DOCENTE DOCENTE: NICOLLE MARRA IVANOSKI SIAPE: 2213521 REGIME DE TRABALHO: ( X ) Dedicação Exclusiva ( X ) 40 h ( ) 20 h CONTRATO: ( X ) EFETIVO ( ) TEMPORÁRIO

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DE COMPLEMENTARES O presente documento destina-se a reger as normas para registro acadêmico das atividades complementares dos Cursos de Graduação em Comunicação

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 Aprova o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso de Administração da Faculdade de Tecnologia La Salle Estrela. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE), face

Leia mais

Regimento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina.

Regimento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. Regimento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. CAPÍTULO I Das disposições iniciais Art.1º - Observando o disposto no Artigo 9º da

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA O artigo 8º da RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 do CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR institui que o projeto pedagógico

Leia mais

AACCs (Atividades Acadêmico-Científico Culturais) Bacharelado em Artes Cênicas (BAC)

AACCs (Atividades Acadêmico-Científico Culturais) Bacharelado em Artes Cênicas (BAC) Atualizado em 01/04 AACCs (Atividades Acadêmico-Científico Culturais) Bacharelado em Artes Cênicas (BAC) Regulamento 1. O estudante do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas Habilitação em Interpretação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores METODOLOGIA CIENTÍFICA Redes de Computadores Metodologia e Introdução à Pesquisa AULA Inaugural AGENDA EMENTA OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA COMPETÊNCIAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

Leia mais

EDITAL PARA POSTO DE TRABALHO PROFESSOR COORDENADOR

EDITAL PARA POSTO DE TRABALHO PROFESSOR COORDENADOR EDITAL PARA POSTO DE TRABALHO PROFESSOR COORDENADOR A Diretora da Escola Estadual Azevedo Júnior, em Santos, no uso de suas atribuições legais, com fundamento na Resolução SE 75 de 30/12/2014, alterada

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO CONCHAS, SP F146m Faculdade de Conchas Manual de Atividades Complementares- FACON, 2010. 12 p.; il. 1. Manual. 2. Atividades Complementares. I. Título CDD:

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO FUNDAMENTAL CICLO I

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO FUNDAMENTAL CICLO I SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Diretoria de Ensino Região Santos ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR GALDINO MOREIRA Rua Maria Alzira da Conceição, nº 426 Vila Rã Enseada CEP 11443-290 Guarujá SP FONE (13) 3351-9339

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO 01/2016 O Conselho do Programa de Pós-Graduação em Comunicação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA JUSTIFICATIVA O ato de planejar faz parte da história do ser humano, pois o desejo de transformar sonhos em realidade objetiva é uma preocupação marcante de toda pessoa.

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Institui as normas para a realização do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e as condições de aproveitamento, para

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CNEC/IESA MATRIZ 2016 CAPÍTULO I OBJETO DE REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CNEC/IESA MATRIZ 2016 CAPÍTULO I OBJETO DE REGULAMENTAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CNEC/IESA MATRIZ 2016 CAPÍTULO I OBJETO DE REGULAMENTAÇÃO Art. 1º O presente conjunto de normas tem por finalidade formalizar

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO 3 - CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO E RENOVAÇÃO

ORDEM DE SERVIÇO 3 - CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO E RENOVAÇÃO OS-006 /SR-1/2013 01/05 1 - FINALIDADE A presente Ordem de Serviço tem como finalidade modificar a OS-006-/SR-1/08 e regulamentar a operacionalização do Programa de Estágio Interno Complementar. 2 - OBJETIVO

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E REFORMULAÇÃO CURRICULAR

ENSINO SUPERIOR E REFORMULAÇÃO CURRICULAR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DIRETORIA DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR COORDENADOR

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR COORDENADOR EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR COORDENADOR A Diretora da Escola Estadual Professor SILVIA JORGE POLLASTRINI, em Itanhaém, com fundamento na Resolução SE 75 de 30/12/2014, torna público

Leia mais

Em 23/2/2005, o Senhor Secretário de Educação Básica do Ministério da Educação,

Em 23/2/2005, o Senhor Secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/10/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogando disposições contrárias. Bragança Paulista, 16 de dezembro de 2010.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogando disposições contrárias. Bragança Paulista, 16 de dezembro de 2010. RESOLUÇÃO CONSEPE 62/2010 ALTERA O REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA, CAMPUS BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 - O Curso de Doutorado em Ciência do Sistema Terrestre do INPE tem como objetivo a formação de recursos

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Faculdade de Arquitetura Colegiado de Graduação

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Faculdade de Arquitetura Colegiado de Graduação Serviço Público Federal RESOLUÇÃO N 01/2012 REGULAMENTA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES De acordo com as Diretrizes Curriculares explicitadas na Resolução 06/06 as Atividades Complementares passam a fazer

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/08 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 015/08 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 015/08 CONSUNI APROVA O REGULAMENTO QUE NORMATIZA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DO DIREITO DA FIB

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DO DIREITO DA FIB REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DO DIREITO DA FIB A Diretora da Faculdade de Direito das Faculdades Integradas Brasileiras - FIB, nos termos do artigo 12, inciso XXIII do Regimento Geral

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA ÁREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reitoria 2012

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CÂMPUS MACAPÁ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CÂMPUS MACAPÁ RESOLUÇÃO Nº 004 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a regulamentação das normas para realização do Conselho de Classe no âmbito do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amapá Câmpus

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA 2012 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL... 4 4. ATRIBUIÇÕES... 4 5. LOCAIS DE ESTÁGIO E AGENTES DE INTEGRAÇÃO...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 02/2013-CMCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 02/2013-CMCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 02/2013-CMCA Regulamenta a atividade acadêmica específica de Trabalho de Conclusão

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÂO CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÂO CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO - DAGA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Telefone: (41) 3360-4360 Fax: (41) 3360-4360 REGULAMENTO DE

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO DE VIVÊNCIA I, II E III

REGULAMENTO ESTÁGIO DE VIVÊNCIA I, II E III REGULAMENTO ESTÁGIO DE VIVÊNCIA I, II E III I Da Caracterização Art.1 o O Estágio Curricular de Vivência do curso de fisioterapia, a seguir referenciado simplesmente como Estágio de Vivência, das Faculdades

Leia mais

Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal de Goiás

Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal de Goiás Apresentação Prezados Professores e Acadêmicos Com o objetivo de consolidar a política de estágio da Universidade Federal de Goiás, a Pró-Reitoria de Graduação, por meio da Coordenação de s, realizou reuniões

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE FILOSOFIA DA USJT CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE FILOSOFIA DA USJT CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE FILOSOFIA DA USJT CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este Regulamento estabelece as normas para o cumprimento da carga horária mínima

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 153/2004

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 153/2004 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 153/2004 Aprova o Programa de Financiamento da Pesquisa Docente na UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS RESOLUÇÃO Nº 003 DE 13 DE AGOSTO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação do Regimento do NDE do curso superior de Tecnologia em Design de Interiores do Instituto Federal Minas Gerais câmpus Santa Luzia. O PRESIDENTE

Leia mais

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ESTUDOS HUMANÍSTICOS Licenciatura em Psicologia Ramo Clínica/Plano pré-bolonha REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR EM PSICOLOGIA CLÍNICA (Documento aprovado em reunião do dia

Leia mais

ANEXO F - DURAÇÃO E CARGA HORÁRIA DOS CURSOS DE LICENCIATURA

ANEXO F - DURAÇÃO E CARGA HORÁRIA DOS CURSOS DE LICENCIATURA ANEXO F - DURAÇÃO E CARGA HORÁRIA DOS CURSOS DE LICENCIATURA 67 68 ANEXO G NORMATIZAÇÃO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES ICED/UFOPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS Art. 1º. O Programa de Iniciação Científica tem como princípios: a) possibilitar os contatos iniciais

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ARTES VISUAIS BACHARELADO HABILITAÇÕES: ARTES PLÁSTICAS/DESIGN GRÁFICO/DESIGN DE INTERIORES

NORMATIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ARTES VISUAIS BACHARELADO HABILITAÇÕES: ARTES PLÁSTICAS/DESIGN GRÁFICO/DESIGN DE INTERIORES NORMATIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ARTES VISUAIS BACHARELADO HABILITAÇÕES: ARTES PLÁSTICAS/DESIGN GRÁFICO/DESIGN DE INTERIORES CAPÍTULO I O PROJETO Art. 1o- Ao final do curso, o aluno

Leia mais

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO Frutal/MG 2014 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO. Licenciatura em Física

REGULAMENTO DE ESTÁGIO. Licenciatura em Física REGULAMENTO DE ESTÁGIO Licenciatura em Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL CATALÃO UNIDADE ACADÊMICA ESPECIAL FÍSICA E QUÍMICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA REGULAMENTO GERAL

Leia mais

EDITAL INTERNO FAP Nº 001/2015 DISPÕE SOBRE A INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA ESTÁGIO PROFISSIONALIZANTE EM PSICOLOGIA/FAP

EDITAL INTERNO FAP Nº 001/2015 DISPÕE SOBRE A INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA ESTÁGIO PROFISSIONALIZANTE EM PSICOLOGIA/FAP EDITAL INTERNO FAP Nº 001/2015 DISPÕE SOBRE A INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA ESTÁGIO PROFISSIONALIZANTE EM PSICOLOGIA/FAP A Diretora Geral da Faculdade de Pimenta Bueno no uso de suas atribuições

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA - RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA - RS 11-12-1934 FARROUPILHA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA - RS COMISSÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RESOLUÇÃO nº 03 de 17 de Maio de 2007. Orienta a elaboração de Regimentos Escolares para Escolas de

Leia mais

I 02 (dois) representantes do Poder Público Municipal, sendo:

I 02 (dois) representantes do Poder Público Municipal, sendo: LEI MUNICIPAL Nº 1.022, DE 03 DE MAIO DE 2016. Dispõe sobre o Conselho Municipal da Cidade do Município de Tabaporã /MT e dá outras providências. Art. 1º O Conselho Municipal da Cidade de Tabaporã/MT é

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA - CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA - CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA - CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1 O Regulamento de Estagio do Curso de Engenharia Mecânica da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PPG QUALISAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PPG QUALISAÚDE EDITAL Nº 001/2016 do Mestrado Profissional Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde (PPG QualiSaúde) de 07 de junho de 2016 para Credenciamento de Docentes A Coordenação do Programa de Pós-Graduação Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 031/2011, DE 05 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 031/2011, DE 05 DE AGOSTO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DA ESCOLA PAULISTA DE ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DA ESCOLA PAULISTA DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DA ESCOLA PAULISTA DE ENFERMAGEM Capítulo I - Da Natureza Art.1º. A é um órgão consultivo e deliberativo, vinculada à Congregação da Escola Paulista de Enfermagem

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Eventos FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

1 O Seminário do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil da UTFPR, Campus Pato Branco

1 O Seminário do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil da UTFPR, Campus Pato Branco 15 e 16 de setembro de 2016 1. Introdução O programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil realizará entre 15 e 16 de setembro de 2016 o 1 o Seminário do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da.

Leia mais