ESTADO E ECONOMIA: O INTERVENCIONISMO ESTATAL NO ATUAL CENÁRIO JURÍDICO-ECONOMICO BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO E ECONOMIA: O INTERVENCIONISMO ESTATAL NO ATUAL CENÁRIO JURÍDICO-ECONOMICO BRASILEIRO"

Transcrição

1 ESTADO E ECONOMIA: O INTERVENCIONISMO ESTATAL NO ATUAL CENÁRIO JURÍDICO-ECONOMICO BRASILEIRO Thiago Degelo Vinha * Sumário: 1. Introdução; 2. Evolução do Pensamento Econômico em Face da Intervenção Estatal na Atividade Econômica; 3. o Estado e a Economia; 4. A Intervenção Estatal no Domínio Econômico; 5. Os Princípios Constitucionais da Ordem Econômica; 6. Modalidades de Intervenção Estatal no Domínio Econômico; 7. Considerações Finais; Bibliografia. RESUMO O Estado Democrático de Direito em que se fundamenta o atual Estado brasileiro foi construído em 1988 sob a forte influência do Estado Social, embora já estivesse sofrendo pressões das políticas neoliberais desenvolvidas nos anos 80. Como principal característica do Estado Social, encontra-se sua intervenção nas atividades econômicas, de forma a regular a economia em busca de se alcançar a justiça social. Para tanto, a Constituição Federal traz os princípios informadores das atividades econômicas, inseridos no seu art. 170, os quais deverão ser respeitados para que se possibilite à economia cumprir com sua função sócioeconômica. Para que o Estado possa intervir no domínio econômico, é mister analisar as suas formas de intervenção direta e indireta, nos moldes do Texto Constitucional, possibilitando a exata compreensão do instituto da Intervenção do Estado no Domínio Econômico. Palavras-Chave: Estado, Economia, Intervenção. 1. Introdução A cada dia que se inicia, os fenômenos econômicos ocorrem de uma forma cada vez mais intensa na sociedade globalizada do século XXI, os quais, cada vez mais, demandam * Mestrando do Curso de Mestrado em Direito dos Empreendimentos Econômicos da UNIMAR Universidade de Marília SP. Advogado. Bacharel em Direito pela UEL. Especialista em Direito Empresarial (Tributário) pela PUC/Londrina. Professor da Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos-SP.

2 uma investigação aprofundada acerca da função do Estado no controle das práticas econômicas, como forma de se implementar suas políticas destinadas ao bem-estar da sociedade. Dessa forma, compete tecer algumas considerações acerca da evolução do pensamento econômico em relação à atividade intervencionista do Estado, analisando as escolas clássicas, neoclássicas bem como a do bem-estar social, de forma a se verificar o intervencionismo estatal ao longo do último século, bem como quais são as perspectivas para esse novo milênio que se inicia. Posteriormente, far-se-á um estudo acerca da inter-relação entre o Estado e a economia, bem como da necessidade da intervenção estatal nas atividades econômicas, de forma a se preservar os objetivos previstos no texto constitucional. Analisar-se-á ainda, os princípios referentes à atividade econômica, bem como as modalidades de intervenção, procurando fundamentar suas possibilidades, além de delimitar seus campos de atuação, sempre no objetivo de se buscar os princípios previstos no texto constitucional. 2. Evolução do Pensamento Econômico em Face da Intervenção Estatal na Atividade Econômica Para se compreender a intervenção do Estado no domínio econômico, faz-se necessário analisar a evolução do pensamento econômico ao longo do último século, partindo do liberalismo clássico do início do século XX, até o processo de globalização implementado pelas políticas neoliberais que atualmente exercem grande influência no cenário políticoeconômico da atualidade.

3 A doutrina econômica Clássica, ou escola liberal, iniciada no século XVIII com a revolução industrial, encontra em Adam Smith 1 o seu maior expoente, através do livro a Riqueza das Nações e perdurou com suas ideologias até a quebra da bolsa de valores de Nova Iorque, em Após a queda do Absolutismo com a revolução Francesa em 1789 e o surgimento do capitalismo 2, a revolução industrial impulsionou o liberalismo clássico, o qual tinha como principal premissa a não intervenção estatal na economia, na medida em que esta deveria ser guiada pelas leis de mercado. A função do Estado era meramente de permitir que a economia não sofresse nenhuma interferência, pois ela se auto-regularia. Smith restringe rigorosamente as atividades do estado à manutenção da defesa comum, ao provimento da justiça e à realização das obras públicas necessárias 3, ou seja, competiria ao Estado tão somente possibilitar o desenvolvimento das idéias capitalistas, através do livre mercado. Com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque em 1929 provocada pelo grande pessimismo que assolou o mercado de ações e a grande depressão que se instaurou por todo mundo capitalista, o Estado passou a intervir nas relações econômicas, como forma de fomentar a economia. Passa-se então de um livre mercado, independente da intervenção estatal, para uma política intervencionista, na qual o Estado é tido como o principal responsável pela movimentação da economia. Esse intervencionismo encontra em Keynes os principais ideais para retirar o mundo capitalista da depressão, na medida em que cabia ao Estado controlar a moeda e o crédito, aplicar uma política tributária baixa e de gerir uma previdência social, além de realizar grandes obras públicas 4, no intuito de se possibilitar à sociedade os meios necessários para se adquirir rendimentos e movimentar a economia. Temse, portanto, o Estado como grande idealizador e realizador das políticas econômicas e 1 HEILBRONER, Robert L. A História do Pensamento Econômico. São Paulo: Nova Cultural, p HUBERMAN, Leo. História da Riqueza do Homem. 21. ed. rev. Rio de Janeiro: Guanabara, p GALBRAITH, John kenneth. O pensamento Econômico em Perspectiva: Uma História Crítica. São Paulo: Pioneira, p HUGON, Paul. História das Doutrinas Econômicas. 14. ed. São Paulo: Altas, p. 412.

4 sociais, implementando uma grande nacionalização da economia, através da constituição de monopólios estatais, possibilitando as condições para a recuperação da economia. Forma-se então, o Estado do Bem-Estar Social (Welfare State), onde o Estado seria o grande gerenciador da atividade econômica, praticando políticas sociais, voltadas ao bemestar dos cidadãos, através da interferência nas atividades econômicas, na medida em que oferta uma vasta gama de direitos sociais, como forma de garantir a economia capitalista no Hemisfério Ocidental, em face do avanço do socialismo soviético e sua economia planificada praticada no hemisfério Oriental. As décadas de 50 e 60 foram primorosas para o capitalismo baseado no Welfare State, levando HEILBRONER a afirmar que Keynes fora o arquiteto do Capitalismo Viável 5. Ao mesmo tempo, começa a ganhar força a teoria neoliberal, iniciada na década de 40 com Hayek, procurando combater a política intervencionista do Bem-Estar Social 6. Para a escola neoclássica, o Estado deveria ser um Estado mínimo em relação aos direitos sociais e trabalhistas e um Estado passivo em relação aos lucros dos capitalistas e a lei de mercado 7. Dessa forma, surge como resposta ao implemento do Estado Social, de forma a combatê-lo e possibilitar que o capitalismo pudesse se desenvolver sem as amarras do estado intervencionista. Entretanto, o Estado do Bem-Estar Social entrou em recessão na década de 70, após as crises do petróleo 8. Por conseguinte, os neoliberais, passaram a encontrar o terreno necessário para a implantação de suas idéias, principalmente para combater a grande inflação 5 HEILBRONER, Robert L. A História do Pensamento Econômico. São Paulo: Nova Cultural, p ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In Pós-Neoliberalismo: As políticas Sociais e o Estado Democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p DALLEGRAVE NETO, José Affonso. O Estado Neoliberal e seu Impacto Sócio-Jurídico. In Globalização, Neoliberalismo e Direitos Sociais. Rio de Janeiro: Destaque, 1997 p ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In Pós-Neoliberalismo: As políticas Sociais e o Estado Democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 10.

5 que assolava as economias capitalistas, encontrando seus principais executores os governos Reagan nos Estados Unidos e Thatcher na Inglaterra, bem como com o processo de globalização iniciado pelas empresas multinacionais dos países do Hemisfério Norte 9, incrementado principalmente pela modernização tecnológica dos meios de produção e telecomunicação. Com a queda do muro de Berlin e a derrocada do Estado Soviético, o neoliberalismo lançou-se de forma intensiva pelas economias mundiais, na medida em que seu principal oponente, o Estado intervencionista do Bem-Estar Social, perdeu forças, na medida em que a Europa Oriental deixou de lhe ofertar supedâneos para a manutenção de seu modelo estatal, embora ainda possua resquícios na Europa. Dessarte, o liberalismo vem crescendo a cada dia, tentando se infiltrar nas políticas econômico-sociais dos governos, através da desestatização da economia, pelos processos de privatização e concessão ou permissão de serviços públicos, bem como da supressão dos direitos trabalhistas pelo processo de flexibilização 10, como forma de retirar o Estado do dirigismo econômico, outorgando-o apenas o controle indireto dessas atividades, através da regulação. No Brasil, durante a década de 80 e a abertura política, a Constituição Brasileira foi outorgada em 05 de outubro de 1988, trazendo uma vasta gama de princípios do Estado Social em consonância com princípios capitalistas neoliberais, denotando a característica social da década de 80 e a forte influência neoliberal que estava se fortalecendo no mesmo período, possibilitando ao Estado desenvolver tanto políticas sociais, quanto neoliberais, de acordo com a ideologia do governo sedimentado no poder pela democracia popular. Entretanto, 9 GUERRA, Sidney. Soberania e Globalização: O Fim do Estado Nação? In GUERRA, Sidney e SILVA, Roberto L. Soberania: Antigos e Novos Paradigmas. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, p DALLEGRAVE NETO, José Affonso. O Estado Neoliberal e seu Impacto Sócio-Jurídico. In Globalização, Neoliberalismo e Direitos Sociais. Rio de Janeiro: Destaque, p

6 cumpre observar que, embora não Constituição seja híbrida, não é possível suprimir os princípios sociais esculpidos no texto Constitucional, em nome de política de sobrevivência em uma economia globalizada, como bem afirma GRAU A substituição do modelo de economia de bem-estar consagrado na Constituição de 1988 por outro, neoliberal, não poderá ser efetivada sem a prévia alteração dos preceitos contidos nos seus arts. 1º, 3º e 170. Em outros termos: essa substituição não pode ser operada sub-repticiamente, como se nossos governantes pretendessem ocultar o seu comprometimento com a ideologia neoliberal. 11 Visto a evolução dos pensamentos econômicos acerca da intervenção estatal, passase a analisar a intervenção do Estado Brasileiro nas atividades econômicas, nos moldes do texto Constitucional. 3. O Estado e a Economia Com a promulgação da Constituição Federal de 1988, o Estado Brasileiro retornou aos ditames da democracia, tendo como fundamento maior o princípio da dignidade da pessoa humana e como principal objetivo, a realização da justiça social. Para que a dignidade humana fosse respeitada e a justiça social alcançada, o Texto Constitucional trouxe uma série de princípios informadores das condutas dos governantes que, a partir de sua promulgação, voltaram a ser eleitos pelo povo. Esses princípios constitucionais trazem consigo uma grande carga valorativa dos ideais de diversas doutrinas, adotando ideais sociais e liberais, conforme afirmado anteriormente. 11 GRAU, Eros Roberto. A Ordem econômica na Constituição Federal de ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, p. 37.

7 Para que a justiça social seja alcançada, o Estado necessita do auxílio da economia, na medida em que é a ciência econômica quem desenvolve os estudos acerca dos fatos econômicos capazes de gerar a riqueza necessária para o desenvolvimento da sociedade, seja através de políticas públicas desenvolvidas pelo estado, seja através da própria iniciativa privada. É a economia, portanto, que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem (escolhem) empregar os recursos produtivos escassos na produção de bens e serviços, de modo a distribui-los entre as várias pessoas e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as necessidades humanas 12. A economia, dessa forma, é uma ciência que estuda os fatos econômicos como eles acontecem e como devem ser empregados para a realização da distribuição das riquezas entre os indivíduos da sociedade. É uma ciência explicativa. Parte do fato econômico e tenta explica-lo nos moldes dos princípios econômicos. Por outro lado, o Direito, como instrumento regulador das condutas sociais, como ciência deontológica do mundo do dever-ser, analisa o fato econômico sob um aspecto normativo, regulando-o, na tentativa de se promover a justiça social. Essa inter-relação entre o Direito e a Economia auxilia o Estado na persecução de seus objetivos, possibilitando aos cidadãos viverem com dignidade, nos moldes do princípio da dignidade da pessoa humana e da justiça social. Tem-se, desse modo, uma ordem econômica, baseada no conjunto de princípios explicativos da realidade econômica, ao lado de uma ordem jurídica, composta pelo conjunto de normas de conduta e que, ao se relacionarem, formalizam-se na ordem jurídicoeconômica VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de e GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de Economia. São Paulo: Saraiva, p SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras Linhas de Direito Econômico. 5. ed. São Paulo: LTR, p

8 Embora a ordem econômica seja destinada ao conjunto de princípios que regem os fatos do mundo do ser econômico, a Constituição Federal, em seu capítulo VII, estabelece os parâmetros para a regulação da ordem econômica, constituindo-se em uma ordem jurídicoeconômica, na medida em que toma os fatos do mundo do ser e lhes aplica uma regra de conduta, transpassando-o para o mundo do dever-ser 14. Destarte, observa-se a inclusão de normas versando sobre as atividades econômicas no Texto Constitucional, o que tem levado muitos autores a denomina-la de Constituição Econômica 15, na medida em que traz os princípios jurídicos fundamentais da organização económica de determinada comunidade política. 16 Desse modo, pode-se afirmar que a Constituição Federal, ao trazer princípios da ordem jurídica para regular a ordem econômica, denota o caráter interventivo do Estado na economia, rompendo com as amarras do Liberalismo puro e adotando o seu caráter de Estado Social, o que se passa a expor. 4. A Intervenção Estatal no Domínio Econômico Conforme já analisado, o Estado brasileiro erigido em 05 de outubro de 1988 adotou princípios sociais, mesclados com princípios neoliberais, possibilitando aos governantes uma grande discricionariedade em relação à política desenvolvida. Nada obstante a forte influência neoliberal acometida no cenário interno e externo nas últimas duas décadas, o Estado Social brasileiro precisa ser respeitado e protegido, mesmo em uma economia capitalista neoliberal. 14 GRAU, Eros Roberto. A Ordem econômica na Constituição Federal de ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, p Cf. FONSECA, João Bosco Leopoldino da. Direito Econômico. 5. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, p. 51; GRAU, Eros Roberto. A Ordem econômica na Constituição Federal de ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, p VAZ, Manoel Afonso. Direito Económico. 4. ed. rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editora, p. 121.

9 Para tanto, adota-se o princípio da economicidade, o qual, segundo SOUZA, (...) significa a medida do econômico segundo a linha de maior vantagem na busca da justiça 17, atuando, segundo o autor, como instrumento de interpretação e decisão para harmonizar dispositivos ideológicos originariamente passíveis de contradição, mas que, adotados e admitidos pelo legislador constituinte, passam a ter convivência indiscutível, sob pena de se resvalar para a admissão de inconstitucionalidade da própria Constituição. 18 Dessarte, o princípio da economicidade será o responsável pela harmonização dos ideais capitalistas com os anseios do Estado Social, de modo a possibilitar e desenvolver as políticas públicas necessárias para se alcançar a justiça social, justificando a intervenção do Estado no domínio econômico, nos moldes do Texto Constitucional. 5. Princípios Constitucionais da Ordem Econômica O estudo acerca dos princípios é tema por demais tormentoso para o direito e não é objeto do presente estudo tecer longas considerações acerca do seu significado, podendo-se afirmar que os princípios são transpirações dos valores pretendidos pela sociedade e que influenciam todo o direito, como pontos de equilíbrio e sustentação para todo o ordenamento jurídico, como bem leciona MELLO Princípio é mandamento nuclear de um sistema, verdadeiro alicerce deste, disposição fundamental que se irradia sobre diferentes normas compondolhes o espírito e servindo de critério para sua exata compreensão e inteligência exatamente por definir a lógica e a racionalidade do sistema normativo, no que lhe confere a tônica e lhe dá sentido harmônico SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras Linhas de Direito Econômico. 5. ed. São Paulo: LTR, p SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras Linhas de Direito Econômico. 5. ed. São Paulo: LTR, p MELLO, Celso Antonio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 12. ed., rev. e atual. São Paulo: Malheiros, p

10 Por serem alicerces do ordenamento, exercem forte influência nas políticas governamentais referentes às atividades econômicas e, conseqüentemente, sobre a intervenção federal, na medida em que esta não pode ser utilizada de forma indiscriminada pelo Estado. Ao se analisar o Capítulo VII da Constituição Federal, o art. 170 informa que a ordem econômica 20 tem como seu fundamento a valorização do trabalho humano e a livre iniciativa, princípios inseridos no art. 1º do Texto Constitucional e que se constituem em fundamentos do Estado brasileiro, tendo por fim assegurar uma existência digna, de acordo com o princípio da justiça social. Dessa forma, a Constituição estabelece a finalidade de toda atuação através de políticas econômicas, qual seja a de assegurar a todos a existência digna, conforme os ditames da justiça social 21. Isto é, as atividades econômicas desenvolvidas pela sociedade somente serão legítimas quando se respeitarem os princípios da dignidade da pessoa humana e da justiça social, sob pena de sofrerem a intervenção do Estado para regularizar o respeito a esses princípios. É a busca pelo bem-estar da sociedade, compreendido como o conjunto de condições sociais que permitem e favorecem nos seres humanos o desenvolvimento de sua pessoa. Será representado pela soma dos objetivos que constituem a qualidade de vida, como as condições de saúde, habitação, de educação, recreação, segurança social, alimentação, enfim, tudo o que contribui para a melhoria de vida do povo, para a realização das potencialidades da pessoa humana. 22 Embora os conceitos de dignidade da pessoa humana e justiça social sejam pragmáticos, a Constituição trouxe no mesmo art. 170 uma série de princípios que, uma vez respeitados, possibilitariam à sociedade viverem com dignidade e justiça social. 23 Conclui-se, 20 Ordem jurídico-econômica. 21 FONSECA, João Bosco Leopoldino da. Direito Econômico. 5. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, p SOUZA, Neomésio José de. Intervencionismo e Direito: Uma abordagem das repercussões. Rio de Janeiro: Aide, p Art A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos, existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: I - soberania nacional; II - propriedade privada; III - função social da propriedade; IV - livre concorrência; V -

11 portanto, que as atividades econômicas somente estarão conformes os princípios da existência digna e da justiça social, acaso preservem os princípios previstos no art. 170 do Texto Constitucional. Uma vez não sendo respeitados, compete ao Estado intervir na atividade econômica, de forma a restabelecer o status quo ante, possibilitando o cumprimento dos preceitos constitucionais. 6. Modalidades de Intervenção Estatal no Domínio Econômico Os princípios inseridos na Ordem econômica são os alicerces necessários para que a atividade econômica possa alcançar a dignidade da pessoa humana e possibilitar o bem-estar social. Uma vez desrespeitados pelos agentes econômicos, competirá ao Estado intervir na atividade econômica, para que o equilíbrio possa ser restabelecido. Neste caso, o Estado deverá se utilizar de alguns instrumentos previstos na Constituição, dentre eles: a intervenção direta na atividade econômica, nos moldes do art. 173, CF ou a intervenção indireta, nos moldes do art. 174, CF 24. A intervenção direta ocorre quando o próprio Estado assume o papel de agente produtivo 25, ou seja, quando o Estado atua como empresário. Através dessa modalidade de intervenção, o Estado passará a desenvolver as atividades econômicas que seriam da esfera do particular, de modo a restabelecer os princípios previstos no art. 170 da Constituição Federal. Trata-se da exploração estatal da atividade econômica, através das empresas públicas ou sociedades de economia mista, estando sujeito ao regime jurídico de direito privado, por atuar defesa do consumidor; VI - defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação; VII - redução das desigualdades regionais e sociais; VIII - busca do pleno emprego; IX - tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sua sede e administração no País. 24 Classificação proposta por MONCADA, Luis S. Cabral de. Direito Económico. 2. ed. rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editora, p MONCADA, Luis S. Cabral de. Direito Económico. 2. ed. rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editora, p. 36.

12 no setor destinado aos particulares 26. Além do desrespeito aos ditames do citado artigo, ainda se faz necessário a presença de outro requisito para essa modalidade de intervenção direta, qual seja, a imperatividade da segurança nacional ou relevante interesse coletivo, nos termos do art. 173 da Carta Constitucional. São exemplos da intervenção direta do Estado no domínio econômico a Caixa Econômica Federal, criada para financiar programas referentes à casa própria e o Banco do Brasil, destinado a fornecer crédito a baixo custo para os produtores rurais. Por outro lado, o Estado pode ainda intervir na atividade econômica de forma indireta, quando o Estado limita -se a condicionar, a partir de fora, a actividade económica privada, sem que o Estado assuma posição de sujeito económico ativo. É o caso da criação de infraestruturas, da polícia econômica e do fomento. 27 É através da intervenção indireta que o Estado, através do seu poder normativo, regulador, exercerá as funções de fiscalização (polícia econômica), incentivo (fomento) e planejamento (criação de infra-estruturas) da atividade econômica, de acordo com o art. 174 da Constituição Federal. A fiscalização se opera através do poder de polícia do Estado, coibindo a concorrência desleal (art. 173, 4º) através do Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE, bem como da criação de agências reguladoras para fiscalizar a prestação de serviços públicos concedidos ao setor privado. O fomento econômico consiste numa atividade administrativa de satisfação de necessidades de caráter público, protegendo ou promovendo actividades de sujeitos privados 26 SILVA, Américo Luís Martins. A Ordem Constitucional Econômica. Lumen Juris: Rio de Janeiro, p MONCADA, Luis S. Cabral de. Direito Económico. 2. ed. rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editora, p. 37.

13 ou outros que directa ou indirectamente as satisfaçam. 28 É o incentivo previsto no art. 174 da Constituição Federal e que poderá ser realizado por meio de incentivos fiscais, criação de contribuições de intervenção no domínio econômico (art. 149, CF) dentre outros. Por último, o planejamento. Influência da econômica planificada inerente ao regime socialista, este consiste no estudo e estabelecimento de diretrizes e metas que deverão orientar a ação governamental, através de um plano geral de governo, de programas globais, setoriais e regionais de duração plurianual, do orçamento-programa anual e da programação financeira de desembolso, que são seus instrumentos básicos 29. Desse modo, o planejamento é a previsão governamental de aplicação dos recursos públicos destinados a implementar suas políticas públicas, sendo determinante para o setor público e suas empresas públicas, sociedades de economia-mista, autarquias e fundações; e indicativo para o setor privado. Portanto, observa-se que o Estado possui uma série de instrumentos capazes de interferir na atividade econômica, de modo a possibilitar a efetividade dos princípios constitucionais previstos no art. 170, de modo a garantir à toda sociedade uma existência digna, nos moldes dos ideais da justiça social. 7. Considerações Finais Com a promulgação da Constituição Federal de 1988, implementou-se o Estado Social brasileiro, embora sedimentado nos ideais capitalistas com forte influência da doutrina neoliberal. Esse Estado Social se caracteriza pela forte concentração de poder e pela implementação de políticas públicas voltadas para a persecução dos objetivos estampados no 28 MONCADA, Luis S. Cabral de. Direito Económico. 2. ed. rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editora, p SILVA, Américo Luís Martins. A Ordem Constitucional Econômica. Lumen Juris: Rio de Janeiro, p. 135.

14 art. 3º da Constituição Federal. Para tanto, utiliza-se do seu poder de intervenção nas atividades econômicas, de modo a regular a economia, para que se alcance os ditames da dignidade da pessoa humana e da justiça social. Essa regulação está disciplinada no Título VII da Constituição Federal, trazendo no art. 170 os princípios inerentes à ordem econômica, os quais procuram ofertar meios para que a sociedade possa ter uma existência digna, conforme os ditames da justiça social. Agindo como verdadeiro guardião desses princípios, o Estado poderá intervir na atividade econômica de forma direta, atuando como empresário e se sujeitando às normas de direito privado, desde que necessário à segurança nacional ou haja relevante interesse coletivo. Poderá ainda, intervir de forma indireta, atuando como agente regulador das atividades econômicas, através da sua fiscalização, incentivo e planejamento. Por derradeiro, cumpre afirmar que a função primordial da intervenção estatal na ordem econômica, é possibilitar ao Estado controlar as atividades econômicas, de forma a implementar suas políticas públicas, necessárias ao desenvolvimento da sociedade brasileira, ofertando-lhe a possibilidade de viver com dignidade, de uma forma justa e solidária.

15 BIBLIOGRAFIA ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In Pós-Neoliberalismo: As políticas Sociais e o Estado Democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, DALLEGRAVE NETO, José Affonso. O Estado Neoliberal e seu Impacto Sócio-Jurídico. In Globalização, Neoliberalismo e Direitos Sociais. Rio de Janeiro: Destaque, FONSECA, João Bosco Leopoldino da. Direito Econômico. 5. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, GALBRAITH, John Kenneth. O Pensamento Econômico em Perspectiva: Uma História Crítica. São Paulo: Pioneira, GRAU, Eros Roberto. A Ordem Econômica na Constituição Federal de ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, GUERRA, Sidney. Soberania e Globalização: O Fim do Estado Nação? In GUERRA, Sidney e SILVA, Roberto L. Soberania: Antigos e Novos Paradigmas. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, HEILBRONER, Robert L. A História do Pensamento Econômico. São Paulo: Nova Cultural, HUBERMAN, Leo. História da Riqueza do Homem. 21. ed. rev. Rio de Janeiro: Guanabara, HUGON, Paul. História das Doutrinas Econômicas. 14. ed. São Paulo: Altas, MELLO, Celso Antonio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 12. ed., rev. e atual. São Paulo: Malheiros, MONCADA, Luis S. Cabral de. Direito Económico. 2. ed. rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editora, SILVA, Américo Luís Martins. A Ordem Constitucional Econômica. Lumen Juris: Rio de Janeiro, SOUZA, Neomésio José de. Intervencionismo e Direito: Uma abordagem das repercussões. Rio de Janeiro: Aide, SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras Linhas de Direito Econômico. 5 ed. São Paulo: LTR, VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de e GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de Economia. São Paulo: Saraiva, VAZ, Manoel Afonso. Direito Económico. 4 ed. rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editora, 1998.

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO DIREITO ECONÔMICO É O RAMO DO DIREITO QUE TEM POR OBJETO A JURIDICIZAÇÃO, OU SEJA, O TRATAMENTO

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Econômico PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Econômico PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Econômico Código: DIR - 567 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

Unidade: Introdução ao estudo do Direito. Unidade I: Financeiro e a Atividade Financeira do Estado

Unidade: Introdução ao estudo do Direito. Unidade I: Financeiro e a Atividade Financeira do Estado Unidade: Introdução ao estudo do Direito Unidade I: Financeiro e a Atividade Financeira do Estado 0 Unidade: Introdução ao estudo do Direito Financeiro e a Atividade Financeira do Estado. 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE Princípios da Administração Pública PRINCÍPIOS A palavra princípio significa início, começo, origem das coisas, verdades primeiras,

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Economia

Capítulo 1: Introdução à Economia 1 Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais Sistemas Econômicos Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção. Conceito de Custos de Oportunidade Análise

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Encontro do 1º Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública Núcleo Regional de São Paulo São Paulo-SP 23.10.09 Painel: LIMITES DA AUTONOMIA

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

Porto Alegre, 19 dezembro de 2014. POSITION PAPER

Porto Alegre, 19 dezembro de 2014. POSITION PAPER Porto Alegre, 19 dezembro de 2014. POSITION PAPER Com base na fundamentação acostada no Anexo a seguir, a Associação dos Provedores de Serviços e Informações da Internet - Internetsul, no uso de suas atribuições

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2UNIVERSALIDADE DE COBERTURA

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Economia Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares EMENTA PLANO DE ENSINO

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A intervenção estatal no domínio econômico: O atual papel do Estado na constitucionalidade democrática brasileira Mauro Pinheiro Alves Felipe Barros* *Advogado em Belo Horizonte

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo objetiva abordar as questões concernentes aos princípios constitucionais tributários, princípios estes previstos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vinculação do estudo do impacto ambiental Gabriela Mansur Soares Estudo Do Impacto Ambiental Vinculação Do Estudo Do Impacto Ambiental (Eia) O objetivo desse artigo é demonstrar

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO EM SECRETARIADO (MODALIDADE À DISTÂNCIA) CURSO GESTÃO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO

PROGRAMA DE GESTÃO EM SECRETARIADO (MODALIDADE À DISTÂNCIA) CURSO GESTÃO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO PROGRAMA DE GESTÃO EM SECRETARIADO (MODALIDADE À DISTÂNCIA) CURSO GESTÃO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO Autoria: Anilton Sodré 1. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Uma vez ingressante na Administração Pública (AP), o servidor

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL

PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL Severino Soares Agra Filho UFBA POLíTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Art 2º - A Política Nacional do Meio Ambiente tem

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

Palavras chave: Função Social; Propriedade; Meio Ambiente.

Palavras chave: Função Social; Propriedade; Meio Ambiente. 1 A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE EM BUSCA DA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL SILVA, Alexssandro Crivelli (G/FACINAN) 1 SONNI, Indianara Pavessi Pini (D/FACINAN) 2 RESUMO: O direito de propriedade vem sofrendo diversas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Constituição Federal e o meio ambiente Lucas Britto Tolomei A Constituição Federal de 1988 revelou a importância que a sociedade, Estado e os instrumentos jurídicos devem ter quando

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Efeitos Sócio-Econômicos dos Tributos e sua Utilização como Instrumento de Políticas Governamentais

Efeitos Sócio-Econômicos dos Tributos e sua Utilização como Instrumento de Políticas Governamentais Página 1 de 17 Derecho & Cambio Social Efeitos Sócio-Econômicos dos Tributos e sua Utilização como Instrumento de Políticas Governamentais Thiago Degelo Vinha (*) Maria de Fátima Ribeiro (**) Sumário:

Leia mais

Efeitos Sócio-Econômicos dos Tributos e sua Utilização como Instrumento de Políticas Governamentais

Efeitos Sócio-Econômicos dos Tributos e sua Utilização como Instrumento de Políticas Governamentais Efeitos Sócio-Econômicos dos Tributos e sua Utilização como Instrumento de Políticas Governamentais Thiago Degelo Vinha * Maria de Fátima Ribeiro ** Sumário: 1. Introdução 2. Política Tributária e a função

Leia mais

TÍTULO: A DEFICIÊNCIA DA INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE PRIVADA, O PROBLEMA REFLETIDO DIRETO NO MEIO AMBIENTE.

TÍTULO: A DEFICIÊNCIA DA INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE PRIVADA, O PROBLEMA REFLETIDO DIRETO NO MEIO AMBIENTE. TÍTULO: A DEFICIÊNCIA DA INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE PRIVADA, O PROBLEMA REFLETIDO DIRETO NO MEIO AMBIENTE. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA COMO ATITUDE POSITIVA ORIENTADA PELA LEI

A RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA COMO ATITUDE POSITIVA ORIENTADA PELA LEI A RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA COMO ATITUDE POSITIVA ORIENTADA PELA LEI SUMÁRIO: I Uma breve definição de responsabilidade social; II Responsabilidade Social não é Filantropia; III Responsabilidade

Leia mais

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR Luciana Santos Trindade Capelari Advogada trabalhista e empresarial, Especialista em Direito Processual, e em Direito

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

1. FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE: PREVISÃO CONSTITUCIONAL

1. FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE: PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1. FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE: PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1.1. A função social da propriedade. Alessandra Fernandes Hendler 1 social. O art. 5º, inciso XXIII da CF/1988 dispõe que a propriedade atenderá

Leia mais

Direito Econômico para concursos

Direito Econômico para concursos LEONARDO VIZEU FIGUEIREDO Procurador Federal. Lotado na Subprocuradoria Jurídica de Dívida Ativa da Comissão de Valores Mobiliários. Especialista em Direito Público pela UNESA/RJ. Especialista em Direito

Leia mais

O PRINCÍPIO DA CIDADANIA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

O PRINCÍPIO DA CIDADANIA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 O PRINCÍPIO DA CIDADANIA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TEZOTO, Edenise Leite 1 OLIVEIRA, Renata Domingues de 2 RESUMO No presente estudo objetivou-se ressaltar a importância do Princípio da Cidadania,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial;

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; 1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; A Nova Ordem Econômica Mundial insere-se no período do Capitalismo Financeiro e a doutrina econômica vigente é o Neoliberalismo. Essa Nova Ordem caracteriza-se

Leia mais

Aims and limitations of State intervention in the economy from the perspective of Brazilian Constitution of 1988

Aims and limitations of State intervention in the economy from the perspective of Brazilian Constitution of 1988 ISSN 2179-345X Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] Finalidades e limitações da intervenção do Estado na economia sob a ótica da Constituição da República de 1988 [I] Aims and limitations of

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 13 PERÍODO: 4 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO FINANCEIRO E ECÔNOMICO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA

Leia mais

RESUMO. Desenvolvimento Econômico. Meio Ambiente. Lei 12.462/2011. Preservação Ambiental.

RESUMO. Desenvolvimento Econômico. Meio Ambiente. Lei 12.462/2011. Preservação Ambiental. Princípio do Desenvolvimento Sustentável aplicado ao Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC: aspectos constitucionais ambientais da Lei nº 12.642/2011. DANIEL DE MORAIS MATOS Jornalista Profissional

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 TÍTULO DO TRABALHO A possibilidade de revisão dos contratos agrários sob o argumento de descumprimento da função social do contrato 2 AUTORES Andrea Tavares

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA CLOVIS BRASIL PEREIRA

CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA CLOVIS BRASIL PEREIRA CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA CLOVIS BRASIL PEREIRA SUMÁRIO: 1. O conceito de cidadania e sua evolução no Brasil - 2. Os direitos fundamentais e o exercício

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 ADAM SMITH e DAVID RICARDO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 Principais

Leia mais

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Direitos humanos: considerações gerais Camila Bressanelli * A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Análise contextual: Para o estudo dos direitos humanos

Leia mais

Texto de Discussão do Setor Elétrico n 1

Texto de Discussão do Setor Elétrico n 1 Texto de Discussão do Setor Elétrico n 1 Observações preliminares sobre a atuação do Estado no domínio econômico Luiz Gustavo Kaercher Loureiro Outubro 2007 Observações preliminares sobre a atuação do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Vera Lúcia Martins 1 Resumo: O trabalho apresenta, sinteticamente,

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA Por André Cordelli Alves Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Direito Civil pela PUC/SP e Doutorando em Direito Civil pela

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A função administrativa e o dever de precaução nos atos administrativos Thomaz Akimura * 1 O Direito Administrativo e o exercício do Poder Estatal O Direito Administrativo nasceu

Leia mais

AS DROGAS E A SOCIEDADE: O princípio da eficiência na aplicação das Leis de prevenção ao combate às drogas e a violência.

AS DROGAS E A SOCIEDADE: O princípio da eficiência na aplicação das Leis de prevenção ao combate às drogas e a violência. AS DROGAS E A SOCIEDADE: O princípio da eficiência na aplicação das Leis de prevenção ao combate às drogas e a violência. ANDERSON FERREIRA DE SOUZA UFGD CLAUDIO ROBERTO LONGATO UFGD LEONEL JULIO DA CUNHA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR AOS SERVIÇOS

Leia mais

RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL/ DPU Disciplina: Direito Previdenciário Profª: Flávia Cristina Data: 25.02.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA

RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL/ DPU Disciplina: Direito Previdenciário Profª: Flávia Cristina Data: 25.02.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL/ DPU Disciplina: Direito Previdenciário Profª: Flávia Cristina Data: 25.02.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Artigo Correlato 1.1 Repercussões da Lei nº

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL Como pode cair no enem Leia o trecho abaixo e responda: A propriedade do rei suas terras e seus tesouros se

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações São Paulo, 29 de dezembro de 2015. 1 INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de

Leia mais

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL Fernando Souza OLIVEIRA 1 Pedro Anderson da SILVA 2 RESUMO Princípio do Desenvolvimento Sustentável como um direito e garantia fundamental,

Leia mais

A INICIATIVA POPULAR LEGIFERANTE

A INICIATIVA POPULAR LEGIFERANTE A INICIATIVA POPULAR LEGIFERANTE Bruno Marco Zanetti 1 Resumo: O artigo tem como objetivo discorrer acerca da iniciativa popular legislativa, sua forma, seus requisitos, bem como as espécies normativas

Leia mais

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO Woille Aguiar Barbosa 1 1. RESUMO Neste trabalho, é apresentado um panorama das diversas concepções do constitucionalismo, através de um

Leia mais

O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Nelson Eduardo Ribeiro Machado 1 RESUMO: É cedido que o modelo atual de Estado frente ao princípio da eficiência está em franca evolução. Ocorre que o

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. Dados Iniciais. www.smaka.adv.br -> DOCÊNCIA empresarial@smaka.adv.br FUNDAMENTOS DO DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO

Leia mais

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação Maria Ivanúcia Lopes da Costa 1 Resumo: Com as privatizações chegando ao Brasil na década de 90, o Estado preparou-se

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA Assessoria Jurídica Legislativa

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA Assessoria Jurídica Legislativa PARECER AJL/CMT Nº 031/2015. Teresina (PI), 04 de março de 2015. Assunto: Projeto de Lei nº 029/2015 Autor: Vereadora Teresa Britto Ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade, no âmbito do Município de Teresina,

Leia mais

A NACIONALIDADE DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS

A NACIONALIDADE DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS 1 A NACIONALIDADE DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS Prof. Ms Carlo José Napolitano: Mestre em Direito ITE Bauru Prof. Do curso de Administração e Contabilidade Prof. Ms Robesval Ribeiro da Silva Mestre em organização

Leia mais

AS COOPERATIVAS Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio)

AS COOPERATIVAS Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) AS COOPERATIVAS Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) RESUMO As cooperativas surgiram há mais de um século, porém, sua importância perdura até os dias de hoje, através

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL: criação e mecanismos de participação cidadã

Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL: criação e mecanismos de participação cidadã XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL: criação e mecanismos de participação cidadã Roseli Coelho Fossari, Aragon Érico Dasso Junior (orientador) Centro Universitário

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

RUMO À ATUAÇÃO ATIVA E PARTICIPATIVA DO CONSUMIDOR

RUMO À ATUAÇÃO ATIVA E PARTICIPATIVA DO CONSUMIDOR 1 RUMO À ATUAÇÃO ATIVA E PARTICIPATIVA DO CONSUMIDOR Fausto Kozo Matsumoto Kosaka 1 Curso: Direito. Disciplina: Direito do Consumidor. Área de Pesquisa: Consumidores e clientes. Tema Geral: Incentivo ao

Leia mais

1001 Questões Comentadas Direito Econômico Multibancas Arthur S. Rodrigues. Ao amigo Santarelli

1001 Questões Comentadas Direito Econômico Multibancas Arthur S. Rodrigues. Ao amigo Santarelli Ao amigo Santarelli 2 Agradecimentos: Ao meu querido irmão Bernardo Rodrigues, pela digitação dos meus manuscritos. Ao amigo Pedro de Paula pela revisão atenciosa. Aos meus amigos e familiares, pela paciência

Leia mais