Planejamento Da Rede Logística Do Projeto Computadores Para Inclusão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Da Rede Logística Do Projeto Computadores Para Inclusão"

Transcrição

1 Planejamento Da Rede Logística Do Projeto Computadores Para Inclusão Camille Ayume de Melo Kamimura Universidade Federal de São Carlos, Campus Sorocaba Rodovia João Leme dos Santos, Km SP-264, Itinga CEP Sorocaba, SP - Brasil Eli Angela Vitor Toso Universidade Federal de São Carlos, Campus Sorocaba Rodovia João Leme dos Santos, Km SP-264, Itinga CEP Sorocaba, SP - Brasil RESUMO O objetivo deste estudo consiste na avaliação de modelos de programação matemática no apoio a tomada de decisão da configuração da rede logística reversa do programa do governo federal denominado Computadores para Inclusão. Baseado no modelo proposto por Oliveira (2014), elaborou-se um plano de experimentos computacionais envolvendo a variação de parâmetros, tendo como principal foco a avaliação do modelo como ferramenta de apoio ao processo decisório de configuração da rede do projeto considerando diferentes cenários. Os resultados indicam que o modelo possibilita a avaliação dos limites orçamentários de instalação de novas unidades de centros de recondicionamento de computadores (CRCs) para atender as necessidades do projeto em relação aos Telecentros nucleadores e em relação a outras demandas do projeto. Ademais, os resultados do modelo ressaltam a necessidade de inclusão de outros aspectos na modelagem para considerar a questão da equidade em relação ao nível de atendimento da demanda em diferentes locais. PALAVARAS CHAVE: Logística Reversa; Recondicionamento de Computadores; Inclusão Digital, Área principal: L&T Logística e Transportes. ABSTRACT The objective of this study consists in assessing how mathematical programming models can be used to support decisions of configuration of reverse logistics network of the federal government program called Computadores para Inclusão. Based on models proposed by Oliveira (2014), it was elaborated a plan of computational experiments involving the variation of parameters, which the main focus is the evaluation of how the model can aid in the decisionmaking process of project network configuration for different scenarios. The results indicate that the model enables the evaluation of the budgetary limits for the installation of new units of Computer Reconditioning Centers (CRCs) in order to attend the needs of the project in relation to the Nucleator Telecenters and to other demands of the project. Furthermore, the results of the model emphasizes the need to include other aspects in modeling to consider the issue of equity in relation to the demand level of service at different locations. KEYWORDS: Reverse Logistics; Computers Reconditioning; Digital Inclusion. Main area: L&T - Logistics and Transport.

2 1. Introdução O fenômeno da obsolescência programada tem sido uma estratégia ainda bastante aplicada atualmente. Ela envolve a decisão de fabricar e distribuir um bem de consumo com certo período de vida, de forma que depois desse período, o produto se torne não funcional, obrigando o consumidor a comprar o mesmo produto ou ainda uma nova geração do mesmo. Como principal consequência, há o aumento do volume de resíduos. Especificamente para os resíduos eletroeletrônicos (REEE), aos quais os avanços tecnológicos são constantes, seu volume cresce exponencialmente. Dados da United Nations Environment Programme (UNEP) em 2009 relatam que a geração lixo eletrônico está crescendo cerca de 40 milhões de toneladas por ano em escala global. Dessa forma, a preocupação com o descarte correto desse tipo de resíduo vem ganhando atenção tanto por parte governamental, quanto pela parte empresarial. Em 2010, foi regulamentada a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), cujo maior impacto para o gerenciamento de resíduos sólidos está no fato dela estabelecer a responsabilidade compartilhada na destinação final de vários tipos de resíduos, incluindo nestes, os REEE. Uma das maneiras de estruturar o manejo desses resíduos é através do estudo da rede de logística reversa, sendo esta uma ferramenta que viabiliza a coleta e a restauração dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, ou disposição final ambientalmente apropriada (BRASIL, 2010). De acordo com a legislação brasileira, os sistemas de logística reversa são implementados e operacionalizados por meio de acordos setoriais, através de regulamentos expedidos pelo Poder Público; ou por termos de compromisso. No caso dos resíduos de equipamentos eletroeletrônicos, o edital para a elaboração do Acordo Setorial ficou sobre a responsabilidade do Ministério do Meio Ambiente (Edital 1/2013-Chamada para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos e seus Componentes), sendo este proposto em junho de 2013 e atualmente se encontra na fase de negociação (OLIVEIRA e TOSO, 2014). Nesse sentido, torna-se ainda mais importante o projeto Computadores para Inclusão (Projeto CI). Executado a partir de 2005 no âmbito da política de Inclusão Digital do Governo Federal, a proposta do projeto é de fornecer equipamentos de informática usados, estes recuperados em Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs), para Telecentros comunitários, escolas públicas, bibliotecas e outros projetos de inclusão digital, propiciando assim o aumento do acesso às tecnologias de informação e comunicação para a comunidade em situação de vulnerabilidade social (MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, 2011). O propósito deste trabalho é estudar a configuração da rede de logística do Projeto Computadores Para Inclusão (Projeto CI), esta, embasada no problema de mestrado de Oliveira (2014), mais especificamente em seu modelo denominado Modelo Capacitado de Locação- Alocação Multiperíodo com Fluxo de Retorno Direcionado (MCLAM-FRD). Suas principais decisões giram em torno da localização de Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs) e da alocação de Telecentros Comunitários à CRCs. Os Telecentros considerados no modelo são ditos Nucleadores, pois eles suprem a demanda de outros Telecentros, além de fazer a intermediação de materiais para com os CRCs. Segundo a autora, muitos dos parâmetros foram baseados em estimativas, uma vez que há dificuldade em encontrar os dados e, dessa forma, estão sujeitos a incertezas. Além disso, o próprio contexto da configuração da rede, na qual a lei que rege o manejo dos resíduos sólidos ainda está em fase de implantação e está em constante modificação sugere que ainda há de esperar para se obter dados que realmente possam trazer mais subsídios para decisões em relação ao Projeto CI. Apesar de existirem dados com mais exatidão, como por exemplo, os orçamentos para a instalação de novos CRCs para a manutenção do programa, para o modelo inicial, os valores reais resultam em infactibilidade do modelo, ou seja, indicam que o limite orçamentário é insuficiente para atender a demanda dos Telecentros Nucleadores. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é, a partir dos modelos propostos por Oliveira (2014), realizar experimentos computacionais para a avaliação dos impactos das alterações dos parâmetros nos resultados gerados tendo como base a construção de cenários alternativos para a

3 rede e para o problema, propiciando assim, a avaliação de como o modelo de programação matemática pode ser utilizado para apoiar as decisões de configuração da rede de logística reversa do Projeto CI para diferentes cenários. Algumas modificações foram feitas no modelo matemático inicial, de modo que a função objetivo considere apenas as penalizações referentes às taxas de redirecionamento dos fluxos. Além disso, neste trabalho consideramos que a restrição de atendimento da demanda dos Telecentros pode ser violada, de modo que, mesmo com um orçamento abaixo do necessário, o modelo seja factível. O intuito é avaliar novos insights, como por exemplo, aonde não atender a demanda, se os Telecentros não atendidos estão centralizados ou descentralizados na rede, ou mesmo se é possível incluir considerações acerca da equidade do atendimento. 2.Descrição do Problema O Projeto Computadores para Inclusão (Projeto CI) foi criado em 2004 e executado a partir de 2005 pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (SLTI/MP), no contexto da política de Inclusão Digital do Governo Federal (MINISTERIO DAS COMUNICAÇÕES, 2011). As principais metas para este programa envolvem a configuração de uma rede nacional de recondicionamento de computadores, a qual resulta em benefícios tanto para a inclusão digital, quanto para a redução dos impactos ambientais causados pelo descarte inadequado de equipamentos de informática. Para operacionalização do projeto, o Governo Federal apoiou a implantação e funcionamento dos chamados Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs). Os CRCs constituem-se em espaços estruturados para realizar, em larga escala, a recepção, triagem, recuperação e destinação de equipamentos de informática usados, descartados por órgãos públicos, empresas privadas e pela comunidade. O material recuperado é doado a Telecentros, escolas públicas, bibliotecas e outros projetos de inclusão digital sem fins lucrativos. Além disso, os CRCs oferecem a jovens em situação de vulnerabilidade social oportunidades de formação profissionalizante, ao disponibilizar oficinas, cursos, treinamentos e outras atividades formativas com foco no recondicionamento e manutenção de computadores. Segundo dados do Ministério das Comunicações (2011), até o mês de setembro de 2011, foram instalados 7 CRCs, localizados em Porto Alegre/RS, Guarulhos/SP, Gama/DF, Belo Horizonte/MG, Recife/PE, Lauro de Freitas/BA e Belém/PA. Ademais, mais de 59 mil computadores foram recebidos da comunidade e de órgãos públicos e privados, auxiliando 873 projetos de inclusão digital no total, que receberam equipamentos de informática recondicionados. O modelo proposto neste estudo é embasado no modelo denominado Modelo Capacitado de Locação-Alocação Multiperíodo com Fluxo de Retorno Direcionado (MCLAM-FRD), proposto por Oliveira (2014). Na modelagem, as principais decisões giram em torno de: (i) quais Telecentros enviam equipamentos descartados para quais CRCs; (ii) quais CRCs enviam equipamentos recondicionados para quais Telecentros; (iii) quais CRCs enviam equipamentos para quais empresas de descarte; (iv) quais os melhores locais para a instalação de novos CRCs. No trabalho da autora, o panorama do programa consistia em cerca de 2000 Telecentros espalhados pelo Brasil, sendo que 80 deles, chamados Telecentros Nucleadores, são considerados principais e são responsáveis por suprir a demanda dos demais Telecentros, além de fazer a intermediação de materiais com os CRCs. No MCLAM-FRD, os Telecentros Nucleadores tem restrições acerca da quantidade de material que pode comportar, havendo assim, uma quantidade mínima e máxima. A mínima é aquela necessária para que os Telecentros possam operar ao longo do horizonte de planejamento, ao passo que a quantidade máxima não deve exceder a capacidade das instalações (OLIVEIRA e TOSO, 2014). Para o problema inicial, ao considerar a demanda dos outros Telecentros vinculados ao nucleador, não é possível encontrar uma solução factível. Isto porque o orçamento disponível é insuficiente para atender toda a demanda (OLIVEIRA, 2014). Desta forma, uma das premissas para este estudo consiste em permitir a violação da demanda mínima a ser atendida. O funcionamento da rede está esquematizado na figura 1. Convém destacar que o fluxo de

4 materiais entre Telecentros e CRCs envolvem os equipamentos danificados provenientes da comunidade mais o material que se deteriora nos Telecentros. Particularmente neste trabalho, as seguintes premissas são consideradas: A restrição acerca da quantidade mínima nos Telecentros pode ser violada, acarretando, no entanto, em uma penalização em forma de custos; Os períodos são considerados para o projeto já em andamento, isto é, não há um período inicial de ajuste, onde o número de máquinas nos Telecentros é nulo; O objetivo é minimizar os custos referentes às penalidades por não processamento, por não atendimento da demanda dos Telecentros e pelo não envio de material aos Telecentros. Diferente do modelo original que minimiza também os custos de abertura e manutenção do programa. A opção de retirar estes custos da função objetivo deve-se ao fato destes já estarem limitados por um orçamento. Figura 1 Representação da rede usada na modelagem. Fonte: Oliveira(2014). 3.Modelo Matemático Para a formulação matemática do problema descrito anteriormente, considere os conjuntos I para os Telecentros, J para Locais Candidatos a CRCs, K para Empresas de Destinação e T para os Períodos, indexados por i, j, k e t, respectivamente. Os seguintes parâmetros e variáveis são utilizados: Parâmetros o t Orçamento para a manutenção do programa no período t w t Orçamento para a abertura de CRCs no período t S Porcentagem de material não recuperado (pós-processamento) que deve ser encaminhado para as empresas recicladoras γ Custo unitário de transporte de material β Penalidade por não processamento de material α Penalidade de não retorno de material para os Telecentros ε Penalidade pela demanda não atendida nos Telecentros f j Custo fixo para a abertura do CRC j h Taxa de deterioraçao de equipamentos dos Telecentros a it Quantidade de material que o Telecentro i recebe da comunidade no período t b j Capacidade de processamento do CRC j c ij Distância do Telecentro i para o CRC j

5 e ji Distância do CRC j para o Telecentro i g jk Distância do CRC j para a Empresa recicladora k Gov Quantidade de material enviado pelo governo para os CRCs abertos Q min Quantidade mínima de computadores que um Telecentro comporta Q max Quantidade máxima de computadores que um Telecentro comporta CR Capacidade de recebimento de um CRC Variáveis x ijt Quantidade de material do Telecentro i que é encaminhado ao CRC j no período t y jkt Quantidade de material do CRC j que é encaminhado à Empresa recicladora k no período t n jit Quantidade de material do CRC j encaminhado ao Telecentro i no período t qp jt Quantidade de material processado no CRC j no período t qn jt Quantidade de material não processado no CRC j no período t m jt Quantidade de material processado no CRC j no período t que não será encaminhado aos Telecentros δ it Demanda não atendida no Telecentro i para o período t v it Quantidade de computadores em um Telecentro i no período t 1, se o CRC j é aberto no período t p jt = { 0, caso contrário 1, se o CRC j está aberto no período t z jt = { 0, caso contrário Min β qn jt + α m jt + ε δ it j J t T j J t T i I t T (1) x ijt = a it + (h. v it 1 ), i I, t T (2) j J qp jt + qn jt = x ijt + Gov. z jt, j J, t T (3) i I x ijt CR. z jt,, j J (4) i I n jit + m jt = (1 S)(qp jt ), j J, t T (5) i I y jkt = s. qp jt + qn jt, j J, t T (6) k K qp jt b jt. z jt,, j J, t T (7) p jt 1, j J (8) t T p jt z jt z jt 1, j J, t T (9) z jt z jt 1, j J, t T (10) v it = Q min, i I, t = 1 (11) v it = v it 1 + n ijt (h. v i,t 1 ), i I, t T (12) j J v it + δ i Q min, i I, t T (13) v it Q max, i I, t T (14) p jt f j w t, t T (15) j J

6 ( c ij x ijt + g jk y jkt + e ji n ijt ) γ o t, t T (16) i I j J j J k K i I j J x ijt, y jkt, qp jt, qn jt, m jt, v it, n ijt, δ i 0 ; z jt, p jt Β J T (17) A função objetivo (1) envolve os custos referentes às penalizações e pode ser dividida em três partes. O primeiro termo busca minimizar a quantidade de material não processado. O segundo minimiza a quantidade de material que será enviado para doação. Esta penalização é importante para viabilizar os resultados, pois não existem custos de transporte dos CRCs para os postos de doação, uma vez que quem recebe o material se responsabiliza pelo transporte. Por fim, o terceiro termo visa minimizar a quantidade de material referente à demanda não atendida dos telecentros. Os parâmetros de penalização β, α e ε são representados como um custo, entretanto, também podem ser usados como pesos referentes aos objetivos internos, possibilitando, por exemplo, uma proposta baseada em programação de metas. O conjunto de restrições apresentados em (2) garantem o balanceamento do fluxo de materiais em cada Telecentro ao longo de todo o horizonte de planejamento. Dessa forma, a quantidade total de material enviada de um Telecentro para os CRCs corresponde à quantidade recebida da comunidade mais o material que se deteriora naquele período. As restrições (3) determina que, para cada CRC, em um período t, a quantidade de material processado somado à quantidade de material não processado deve ser igual à soma do que é recebido dos Telecentros mais a quantidade de material enviada pelo governo, este último, só incluso caso o CRC esteja aberto. As restrições (4) complementam a anterior, uma vez que os Telecentros só enviarão material aos CRCs que estejam abertos. Além disso, essa restrição garante que o valor de x ijt não seja maior do que a capacidade de recebimento do CRC. As restrições (5) asseguram que a porcentagem de material processado que foi efetivamente recuperada seja enviado ou para os Telecentros ou para doação. Já as restrições (6) impõem que o material processado não recuperado, somado ao material não processado, deve ser encaminhado às empresas de descarte final. A restrição apresentada em (7) certifica que somente um CRC aberto possa processar material, sendo que a quantidade processada deve respeitar a capacidade de processamento do respectivo CRC. As restrições (7), (8) e (9) dizem respeito a abertura de novos CRCs. A primeira impede que um CRC possa ser aberto mais de uma vez. A segunda constitui-se de uma relação entre variáveis e a terceira garante que uma vez aberta a instalação, ela assim permaneça até o fim do horizonte de planejamento. As restrições (11), (12), (13) e (14) dizem respeito à quantidade de computadores no Telecentro. A primeira define a quantidade de material presente nos Telecentros para o primeiro período. A segunda constitui-se numa restrição de balanceamento de estoque, ao qual a quantidade de computadores presentes em cada Telecentro no período t deve corresponder à quantidade de material que retorna dos CRCs, somado à quantidade disponível no período anterior menos a quantidade de material que se deteriorou. A terceira constitui-se de uma restrição de capacidade, em que deve haver uma quantidade mínima de material em cada Telecentro. No entanto, esta restrição pode ser violada através da variável δ i, sob o custo de uma penalização, esta incluída na FO. A restrição (14) impõe uma quantidade máxima de material que um Telecentro pode comportar. As restrições (15) e (16) colocam um limite orçamentário para o programa, tanto em relação à abertura de CRCs, quanto em relação à manutenção do programa, particularmente considerado apenas a partir dos custos de transporte. Por fim, a restrição (17) define o domínio para todas as variáveis. 4. Resultados e Discussão Para o estudo computacional, considerou-se o horizonte de planejamento de 12 meses. Os dados inseridos na modelagem foram retirados de Oliveira (2014). Os pontos da rede consistem em 80 Telecentros Nucleadores, 80 potenciais locais para CRCs localizados nos mesmos pontos

7 dos Telecentros e 19 empresas, todas localizadas no estado de São Paulo, para o descarte adequado de material. As capacidades dos CRCs de processamento são de 1800 kg de material para todos. Os dados referentes aos parâmetros escalares estão contidos na tabela 1. Tabela 1 Valores dos parâmetros escalares. Parâmetro Valor S 30% γ R$ 1,28 β R$ 20 mil α R$ 10 mil ε R$ 15 mil Gov 250 Kg Q min 250 Kg Q max 750 Kg CR 5400 Kg Os valores de porcentagem de material não recuperado (pós-processamento) encaminhado para as empresas recicladoras (S), do custo unitário de transporte de material (γ) e da capacidade de recebimento de um CRC (CR) foram retirados da dissertação de Oliveira (2014). Os dados de capacidade mínima e máxima dos Telecentros foram estipulados com base nos manuais do programa Telecentros Comunitários (BRASIL, 2013) que afirmam que o número mínimo de máquinas a ser enviadas em um Telecentro é de 10 computadores (kit Telecentro). Analisando também o mapa da Rede Telecentro, constatou-se que o maior número de equipamentos de informática encontrado foi de 30. Dimensionando para o peso médio de um computador do tipo desktop (aproximadamente 25 kg) (AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL, 2013), estimou-se os valores para Q min e Q max. O modelo foi implementado utilizando linguagem de modelagem algébrica GAMS, versão e resolvido através do solver CPLEX. Delimitou-se um limite de tempo de 3 horas para a execução do modelo. Para o cenário inicial, foi encontrada uma solução de R$ 4,46 bilhões com um gap relativo de 0,23%. O resultado prevê a abertura de 35 CRCs, com um custo de abertura de R$ 11 milhões. A abertura dos CRCs teve sua localização mais concentrada na região Sudeste, com 15 CRCs abertos ao todo nessa região, sendo 8 deles somente em São Paulo e 4 em Minas Gerais. A segunda região brasileira com maior número de CRCs instalados foi a Nordeste (9 CRCs), seguida pela região Norte (4 CRCs), Sul (3 CRCs) e por último, a região Centro-Oeste, com 2 CRCs instalados. O modelo sugere a abertura dos Centros em lugares mais centrais de cada região brasileira, sendo que então algumas capitais não foram contempladas com a abertura de um CRC. Por exemplo, para os estados da região Norte, os fluxos de materiais foram enviados para os centros localizados em Rondônia Pará. Ou seja, alguns pontos centrais nas regiões cartográficas receberam equipamentos provenientes dos Telecentros não só de seu estado, como também de estados adjacentes. A figura 2 apresenta os resultados dos fluxos acumulados em todo o horizonte de planejamento. Em uma análise macro do problema, pode-se notar que a maior parte do volume de material é encaminhada à doação, o que é justificável, já que a penalidade pelo não processamento (β), tem maior peso nos custos totais, o que faz com que o modelo busque fazer uso máximo da capacidade de processamento dos CRCs, para então redirecionar o fluxo entre os Telecentros e a doação. Como a penalização pelo não atendimento da demanda é superior à de pelo não envio de material aos Telecentros, porém não maior do que os custos de tranporte envolvidos no envio de material aos Telecentros, a tomada de decisão envolve a priori atender a demanda dos telecentros, para só então enviar para a doação. Para Telecentros localizados no mesmo ponto do CRC, o resultado do modelo propõe o atendimento não só da sua demanda mínima como também se atinge o limite de capacidade.

8 Figura 2 Fluxos de materiais em escala macroscópica. Ao longo do horizonte de planejamento, a capacidade de todos os CRCs foram em sua maioria totalmente utilizadas, sendo que o valor mínimo alcançado foi de 70,56%. O uso intenso dessa capacidade de processamento pode ser explicado pelo fato de que todo o orçamento destinado para a manutenção do programa foi consumido. Toda a demanda foi atendida, no entanto, o valor inicialmente utilizado corresponde à quantidade de material necessária para o funcionamento de um único Telecentro, isto é, a demanda foi subestimada e ainda assim, houve o consumo de todo o orçamento destinado à manutenção do programa. Em relação ao direcionamento dos fluxos, pode-se afirmar que a penalização pelo não processamento de materiais (β) é a mais impactante, uma vez que só depois do processamento é que se pode encaminhar equipamentos aos Telecentros ou à doação, além do fato de que o não processamento implica na incorreta destinação deste material, no qual pode acontecer uma situação em que computadores em bom estado seriam enviados para descarte. De modo a obter uma melhor perpecção de como as penalidades influenciam nas decisões do modelo, elaborou-se um plano de experimentos para variação de parâmetros. Outros testes realizados envolvem o aumento gradativo do valor da demanda mínima, de modo a alcançar o valor estimado real e dessa forma, avaliar o impacto do aumento do fluxo resultante. 4.1 Testes envolvendo a variação dos parâmetros de penalização Teste1: alterações na penalização pelo não retorno de materiais aos Telecentros (α) No cenário original, uma vez que o valor da penalidade por não processamento (β) tem maior peso na função objetivo, observou-se que na solução gerada, as decisões sugerem usar a capacidade de processamento dos CRCs conforme a disponibilidade do orçamento de abertura, e dentre os equipamentos processados, atendeu-se a demanda mínima de Telecentros muito distantes, ao passo que nas localidades próximas (em geral as mesmas dos CRCs), enviou-se equipamentos o suficiente para atender inclusive a demanda máxima. O restante é então enviado para a doação. Em uma visão macro, o volume de material enviado à doação foi cerca de 4 vezes maior do que o enviado para os Telecentros. Nesse sentido, este teste tem como principal finalidade avaliar o impacto da penalidade de não envio de material aos Telecentros na quantidade de demanda atendida, bem como na demanda não atendida, realizando variações na escala de -50%, 100% e 300%. Como resultado, a quantidade enviada aos Telecentros (n jit ), mantém-se praticamente a mesma ao longo de todas as variações. Os dados envolvendo a relação entre a variação desta penalidade com a quantidade de demanda não atendida, bem como com a quantidade de material não processado pode ser vista no gráfico 1.

9 Quantidade de material (Kg) Impactos da penalidade alfa no fluxo de descarte e de doação , , , ,00 0, Doação Não processado Descartado α Gráfico 1 - Impacto da variação da penalidade alfa em relação ao trade-off descarte/doação. Os resultados mostraram que nos nos cenários em que α β, não houve grandes variações em termos de ordem de grandeza para os fluxos de descarte e doação. Uma vez que o orçamento restringe o número de CRCs a serem abertos, e portanto, a capacidade geral de recondicionamento de computadores, a decisão gira em torno de processar o máximo possível para enviar para a doação, uma vez que o envio tanto para o descarte, quanto para os Telecentros envolve também custos adicionais de transporte, além do fato de que a diferença entre as penalizações não são grandes o suficiente para compensar uma mudança na decisão. Apesar disso, para o último cenário, tem-se que α > β > ε, relação esta que se mostrou diretamente relacionada à intensidade dos fluxos de materiais. Neste caso, a solução girou em torno de uma decisão na qual é melhor não processar do que enviar para doação. É de se esperar que valores para α entre o valor de β (R$20 mil) e o atingido com a variação em 300% (R$40 mil) incorra em um aumento gradativo do balanço entre os parâmetros m (quantidade de material enviado para a doação) e y (quantidade de material enviado às empresas recicladoras). Em suma, a variação da penalização pelo não envio de material aos Telecentros (α) faz o balanço principalmente entre os parâmetros de equipamentos de informática enviados às empresas recicladores versus para doação. Sua variação não afetou o atendimento da demanda mínima dos Telecentros, levando em conta o valor subestimado. Além disso, pode-se afirmar que o valor estipulado inicialmente para este parâmetro parece adequado para aos propósitos do problema real Teste2: alterações na penalidade por não processamento de materiais (β) Um ponto de vista para a análise dos fluxos de materiais pode ser vista em termos de material processado e não processado. Do material processado, uma parcela não consegue ser recuperada e, junto com o material não processado, é enviado para as empresas recicladoras. O restante do material é dividido entre uma quantidade para os Telecentros e outra para a doação. Pode-se afirmar então que a taxa de processamento é muito relevante para a análise de como o modelo se comporta. Esta é dependente da capacidade de processamento, que, por sua vez, é limitado pela quantidade de Telecentros, ou seja, é limitada pelo orçamento de abertura. O conjunto de testes envolvidos nesta seção corresponde à variação da penalidade por não processamento de materiais (β) em -88%, -75%, e -50%. Diferente do teste anterior, as variações do balanço entre o que é encaminhado para a doação versus o que é encaminhado para o descarte ficou bem evidente, podendo ser melhor avaliada no gráfico 2. De forma geral, pequenas alterações na penalização de não processamento não interferem nos resultados dos fluxos. Novamente, a quantidade de computadores enviados aos Telecentros varia pouco.

10 Quantidade de material (Kg) Impactos da penalidade beta no fluxo de descarte e de doação Doação Não processado Descartado Gráfico 2 - Impacto da variação da penalidade beta em relação ao trade-off descarte/doação. Para os dois primeiros cenários, como a penalização por não processamento deixa de ser a prioridade, o parâmetro de capacidade de processamento, dependentes da quantidade de CRCs abertas, perde também sua relevância. Para estes dois cenários, foram abertos somente 19 CRCs, sendo aberto, no mínimo, dois centros por região brasileira. Do total de equipamentos enviados, cerca de 93% foi enviado diretamente para as empresas recicladoras. Sendo assim, a relação estabelecida inicialmente para este parâmetro é adequada à proposta do problema Teste3: alterações na penalidade pelo não atendimento da demanda (ε) Para este último teste, foram realizadas alterações na penalização pelo não atendimento da demanda (ε) da ordem de -75%, -25% e, 100%. Uma vez que, para o cenário original, houve o total atendimento da demanda, esperava-se que, mesmo para um valor de penalização menor, esta demanda continuasse a ser atendida. Isto porque já existem custos de transpote inerentes ao fluxo de retorno de materiais. Além disso, levando em conta as outras penalizações, tem-se que uma delas busca impedir que equipamentos em condições de reuso sejam enviados para descarte final; ao passo que a outra busca reduzir a quantidade de equipamentos enviadas à doação, de modo que se envie ao menos à quantidade mínima para o funcionamento dos Telecentros. Ou seja, estas duas penalizações direcionam parte do fluxo de materiais aos Telecentros De fato, neste resultado houve pouca variação no valor da função objetivo, em termos de ordem de grandeza. Apesar de haver mensuração para demanda não atendida, o que ocorreu de fato foi um direcionamento dos Telecentros a serem atendidos, sendo este direcionamento dependente do grau de centralização ou isolamento da facilidade. Realizou-se também um teste alterando o valor de ε para zero, cujo resultado envolveu o não atendimento da demanda em apenas 3160 Kg, sendo esta quantidade bem distribuída entre os CRCs ao longo dos períodos. No entanto, ao duplicar o valor da demanda mínima dos Telecentros, Q mi,, para 500, este valor passou a ser de 40455,28 Kg. Assim, apesar da penalização ε não ter sido impactante para um cenário de menor demanda, ao qual o projeto tem estrutura para efetuar a manutenção do programa, ela é necessária para impedir que todo o material processado seja enviado a doação em cenários de maior número de Telecentros a serem atendidos. Mediante estes resultados, pode-se destacar que em nenhum dos testes houve variação da quantidade de equipamentos enviados aos Telecentros, bem como da parcela da demanda não atendida. Os principais balanços se restringiram aos fluxos de materiais enviados à doação e ao descarte. As possibilidades para os Telecentros receberem equipamentos recondicionados foram quatro: (i) ele está muito bem localizado e teve a sua capacidade máxima exigida; (ii) ele está bem localizado e recebe material além da sua demanda mínima, em uma posição média em relação à sua capacidade máxima e mínima; (iii) ele está localizado razoavelmente bem, recebendo o suficiente para atender o mínimo exigido pelo documento propositivo do projeto CI; e (iv) o Telecentro se encontra em uma posição isolada dos demais Telecentros e CRCs e não recebe nenhum equipamento. Uma vez que a proposta do Projeto CI envolve conceitos como a β

11 inclusão digital, tem-se que os resultados levantados pelo modelo não seriam adequados num ponto de vista mais realista, uma vez que não há igualdade de condições para o acesso digital. Estes resultados levantam uma discussão acerca da aplicação dos princípios de equidade, que consistem na distribuição igualitária dos recursos existentes para todas as áreas de demanda. Estes princípios são levantados principalmente para o setor público (MCALLISTER, 1976). 4.2 Variação na demanda real Os experimentos anteriores consideraram a demanda mínima como sendo a quantidade de equipamentos necessária para a manutenção de um único Telecentro. Uma vez que a premissa para o modelo é que são considerados 80 Telecentros Nucleadores, a demanda mínima deve corresponder à demanda do Nucleador mais a dos Telecentros que ele nuclea. Como a designação de quais telecentros são atendidos por quais Telecentros Nucleadores não foi encontrada, para estimar o real valor de Q min, utilizou-se de uma média aritmética simples: os 2000 Telecentros foram igualmente divididos para os 80 Telecentros Nucleadores, e então considerou-se a demanda como sendo a quantidade de equipamentos necessárias para cada telecentro funcionar, incluindo a do nucleador. Como resultado, obteve-se uma estimativa de 6500 Kg de material necessária por Telecentro. O mesmo raciocínio também foi utilizado para estimar a quantidade de material máxima que um Telecentro pode suportar, resultando em 19500Kg. A priori, foram feitos testes variando gradativamente a demanda de 250 Kg para 500 Kg, sendo este aumento de 20% por vez. Foi considerado o mesmo orçamento inicial utilizado no cenário original. Os resultados podem ser visualizados no gráfico 3. Custo (R$) 2,50E+08 Impactos da demanda nos custos 2,00E+08 1,50E+08 1,00E+08 5,00E+07 0,00E Custo x Custo y Custo n Demanda (Kg) Gráfico 3 Variação dos custos de transporte conforme variação na demanda. O custo x corresponde ao custo de transporte entre os Telecentros e os CRCs, ao passo que o custo n corresponde aos custos de transporte de retorno de materiais dos CRCs para os Telecentros. Por fim, o custo y está relacionado ao envio de materiais dos CRCs para as empresas recicladoras. Uma vez que o orçamento de manutenção é o mesmo para todos os tecstes, para um aumento da demanda, recorre-se ao orçamento de abertura que havia sobrado no cenário original. Dessa forma, o número de CRCs abertos foram aumentando gradativamente, de 35 até 39. Assim, custo de envio referente à variável x, que corresponde à quantidade de material enviado dos Telecentros aos CRCs, foi sendo diluído, tendo seu custo reduzido em até 17,47%. No entanto, uma vez que a quantidade de material que deve retornar aos Telecentros é maior, e também há mais Telecentros com materiais a enviar para as empresas recicladoras, é de se esperar que o custo de transporte inerente a esse fluxo também aumente. Para estes testes, tem-se que, ao dobrar o valor da demanda mínima para 500, houve um aumento dos custos referentes ao fluxo de retorno de equipamentos recondicionados aos Telecentros de 129%, isto é mais do que dobrou os custos.houve também uma redução da quantidade de material enviada para a doação, em 18%. A partir dessa variação dos custos somente dobrando-se a demanda de um telecentro, isto é, ao invés de atender 80 Telecentros, atende-se 160, pode-se afirmar que, para se atender a

12 demanda dos 2080 Telecentros, considerados nas premissas da modelagem, o orçamento necessário para a manutenção do programa seria exorbitante. De fato, se levar em conta que o governo está arcando com os custos não só de realizar o descarte correto dos resíduos, como também de manter todos os Telecentros em funcionamento durante todo o horizonte de planejamento, é de se esperar que os resultados sejam inviáveis. 5. Conclusões Diante da instabilidade e das dificuldades na obtenção de dados, o estudo deste modelo limitou-se a análise de como o modelo apresentado pode ser útil no auxílio à tomada de decisão para o programa Computadores para Inclusão. Os resultados indicaram que é possível satisfazer mais do que apenas a demanda mínima dos Telecentros, de acordo com uma boa base orçamentária, e mais ainda, ressalta a importância de uma boa mensuração para as penalidades na análise da tomada de decisão. Para todos os testes realizados, pode-se ressaltar que, apesar de haver uma parcela de demanda não atendida, esta corresponde apenas para os Telecentros muitos distantes dos CRCs. Enquanto isso, os Telecentros mais centralizados em relação aos CRCs tiveram não só sua demanda mínima atendida, como também receberam material a mais, algumas até mesmo recebendo a sua capacidade máxima. No entanto, as decisões realizadas em relação ao atendimento da demanda dos Telecentros rmostraram-se inadequadas do ponto de vista prático, uma vez que, para lugares muito distantes dos CRCs, basicamente não se atende nenhuma porcentagem da demanda. Como, em geral, os pontos mais distantes do Brasil correspondem aqueles em que mais seria interessante aplicar políticas de inclusão digital, pode-se afirmar que uma extensão para o modelo deve considerar a capilaridade dos fluxos de materiais e mais ainda, buscar garantir primeiro atender a demanda mínima de todos os Telecentros para só então realizar decisões de ampliar a quantidade de equipamentos neles. Dessa forma, uma proposta de melhoria envolve estudar técnicas para incluir princípios de equidade para o modelo. Referências Agência Brasileira De Desenvolvimento Industrial. (2013). Logística Reversa de Equipamentos Eletroeletrônicos: análise de viabilidade técnica e econômica. Brasil. (2011). Ministério das Comunicações. Secretaria de Inclusão Digital. Projeto computadores para inclusão: documento propositivo. Brasília, 28p. Brasil.. (2013). Ministério das Comunicações. Orientações para a montagem dos kits nos telecentros apoiados pelo programa. Brasil. (2010). Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de Regulamenta a Lei no , de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Diário Oficial, Brasília, DF, 23 dez Seção 1, edição extra, p McAllister, D. M. (1976). Equity and Efficiency in Public Facility Location. Geographical Analysis, Vol. 8. Oliveira, M.G.S.(2014) Modelos para configuração da rede logística do programa Computadores para Inclusão f. Dissertação. Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba. Oliveira, M. G. S., Toso, E. A. V. (2013). Planejamento Da Rede De Logística Reversa Pós Consumo De Equipamentos De Informática. In: SIMPÒSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL, 45., 2013, Natal. Anais... Natal:2013. p Unep - United Nations Environment Programme & United Nations University. Recycling. (2009).

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Dezembro/2010 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática - Indicadores

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública MODELO CAPACITADO DE LOCAÇÃO ALOCAÇÃO MULTIPERÍODO COM FLUXO DE RETORNO DIRECIONADO PARA CONFIGURAÇÃO DE REDE LOGÍSTICA Maritha Gomes Silva de Oliveira Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Fevereiro/2011 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática -

Leia mais

Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva

Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Projeto CI Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Recife, 28 de outubro de 2012 Sumário 1. Motivação... 4 2. Introdução:

Leia mais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais OS ACORDOS SETORIAIS E A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA: Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais X Seminário Nacional de Resíduos Sólidos Associação Brasileira de Engenharia

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Ministério das Comunicações. Secretaria de Inclusão Digital

Ministério das Comunicações. Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Secretaria de Inclusão Digital Computadores para a Inclusão Os Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs) são parte do projeto Computadores para Inclusão, que promove

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos DISCLAIMER: O conteúdo apresentado neste documento encontra-se em construção pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com o Grupo de Trabalho Temático Resíduos de Equipamentos

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Regionalização da Saúde do Estado do Paraná: Uma nova proposta utilizando o algoritmo Branch-and-Price.

Regionalização da Saúde do Estado do Paraná: Uma nova proposta utilizando o algoritmo Branch-and-Price. Regionalização da Saúde do Estado do Paraná: Uma nova proposta utilizando o algoritmo Branch-and-Price. Cassius Tadeu Scarpin UFPR Programa de Pós-Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia 81531-990,

Leia mais

Congresso TIC Verde 2ª. Edição 12 e 13 de Agosto de 2009

Congresso TIC Verde 2ª. Edição 12 e 13 de Agosto de 2009 Congresso TIC Verde 2ª. Edição 12 e 13 de Agosto de 2009 SUSTENTABILIDADE E SOCIEDADE Painel de debates: Quais os atores e papéis no cenário da TIC Verde? Instituto de Engenharia Fundado em 1916, o Instituto

Leia mais

AMBIENTE DE SOFTWARE PARA ELABORAÇÃO E GERENCIAMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E INTEIRA

AMBIENTE DE SOFTWARE PARA ELABORAÇÃO E GERENCIAMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E INTEIRA AMBIENTE DE SOFTWARE PARA ELABORAÇÃO E GERENCIAMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E INTEIRA Fernando Lourenço Pinho Costa Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação

Leia mais

PESQUISA SOBRE AS PRÁTICAS DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL

PESQUISA SOBRE AS PRÁTICAS DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL PESQUISA SOBRE AS PRÁTICAS DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL Recife, abril 2011. APRESENTAÇÃO O presente relatório é o resultado da pesquisa sobre as práticas das empresas do Porto Digital, previsto no Contrato

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

RESÍDUOS ELETRÔNICOS: PROJETO PILOTO PARA O DESCARTE CORRETO

RESÍDUOS ELETRÔNICOS: PROJETO PILOTO PARA O DESCARTE CORRETO 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X) TECNOLOGIA RESÍDUOS ELETRÔNICOS: PROJETO

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Contexto e Desafios Criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Em ago.2010 o Presidente Lula sancionou a Lei 12.305 que estabelece

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Aplicação Digestão Anaeróbia descentralizada e em pequena escala Luis Felipe Colturato Diretor Executivo Global Methane Initiative Agriculture,

Leia mais

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Plano de Projeto Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 07/04/2010 1.0 Criação da primeira versão do Plano

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

ESTUDO CITAR-FUNDACE

ESTUDO CITAR-FUNDACE ESTUDO CITAR-FUNDACE VIABILIDADE ECONÔMICA DA CONSTRUÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS: VANTAGENS DE MODELOS COM CONSÓRCIOS MUNICIPAIS, SUBSÍDIOS FEDERAIS E OPERAÇÃO PÚBLICA OU PRIVADA Pesquisadores

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE T.I.

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE T.I. A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE T.I. Melina Gatti Duque Faculdade do Litoral Sul Paulista (1) Rua Eurico Gaspar Dutra, 836 Canto do Forte CEP 11700-330 Praia Grande/SP melinagatti@yahoo.com.br

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

Planejamento do sequenciamento de caminhões em um ambiente de produção sob encomenda

Planejamento do sequenciamento de caminhões em um ambiente de produção sob encomenda Sara Solange Parga Carneiro Planejamento do sequenciamento de caminhões em um ambiente de produção sob encomenda Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

Aula 03 - Modelagem em PPLIM

Aula 03 - Modelagem em PPLIM Thiago A. O. 1 1 Universidade Federal de Ouro Preto 1 Componentos do modelo 2 3 4 5 6 Componentes de uma modelagem matemática Elementos; Conjuntos; Parâmetros; Variáveis; Objetivo; Restições; Elementos

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Modelos Matemáticos para Tratamento de Grooming em Redes de Fibra Óptica

Modelos Matemáticos para Tratamento de Grooming em Redes de Fibra Óptica Modelos Matemáticos para Tratamento de Grooming em Redes de Fibra Óptica Rangel Silva Oliveira 1, Geraldo Robson Mateus 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais {rangel,mateus}@dcc.ufmg.br

Leia mais

ANÁLISE DO ESTÁGIO DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM BACIAS DE ESPECIAL INTERESSE

ANÁLISE DO ESTÁGIO DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM BACIAS DE ESPECIAL INTERESSE ANÁLISE DO ESTÁGIO DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM BACIAS DE ESPECIAL INTERESSE Andrade, L. A. Z. 1 de & Teixeira, A. L. de F. 2 * & Brasil, M. A. 3 Dubois, G. S. J. 4 & Ayrimoraes Soares, S. R. 5 Resumo

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A responsabilidade do setor público frente à geração de resíduos sólidos

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A responsabilidade do setor público frente à geração de resíduos sólidos POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A responsabilidade do setor público frente à geração de resíduos sólidos Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano SRHU/MMA Brasília, 27 de agosto de 2014.

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE RECICLAGEM NA ÁREA DA INFORMÁTICA UMA DISCUSSÃO SOBRE O LIXO ELETRÔNICO NO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR. Mostra

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X) TECNOLOGIA GESTÃO SUSTENTÁVEL

Leia mais

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001.

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. Vania Elisabete Schneider (1)(*) : Departamento de Ciências Exatas e da Natureza (DCEN/CARVI).

Leia mais

BPC - ORÇAMENTO. Sistema. Objetivo SAP BW SAP BO SAP BPC SAP DASHBOARDS. Descrição do Produto Implanta BPC Orçamento

BPC - ORÇAMENTO. Sistema. Objetivo SAP BW SAP BO SAP BPC SAP DASHBOARDS. Descrição do Produto Implanta BPC Orçamento Sistema SAP BW SAP BO SAP BPC SAP DASHBOARDS Objetivo Descrição do Produto Implanta BPC Orçamento SUMÁRIO 1. DESCRIÇÃO DO P RODUTO...2 2. SISTEMAS...3 3. ARQUITETURA...3 4. FLUXO DA INFORMAÇÃ O...4 5.

Leia mais

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO 09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO Maria Lucimar Maranhão Lima (1) Engenheira Química pela UFC. Especialista em Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrado ao

Leia mais

Rio de Janeiro, 24 de setembro de 2014.

Rio de Janeiro, 24 de setembro de 2014. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Seminário INMETRO Caminhos da Sustentabilidade I Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano SRHU/MMA zilda.veloso@mma.gov.br Rio de Janeiro, 24 de setembro

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

PROJETO. Lixo Eletrônico

PROJETO. Lixo Eletrônico CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Pró-reitora de Graduação e-mail: prograd@unifeb.edu.com PROJETO Lixo Eletrônico JUNHO/2015 Nome do projeto: Lixo Eletrônico (Reciclagem, reaproveitamento

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos Prof. Ana Cristina Trevelin Conceitos Simulação Jogos de Empresa

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e Sua Regulamentação

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e Sua Regulamentação Palestra APHILAV A Política Nacional de Resíduos Sólidos e Sua Regulamentação Tiago José Pereira Neto Eng. Ambiental e de Seg. do Trabalho 20 de junho de 2012 Jornal do Comércio 05/01/2012 Jornal do Comércio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PLANILHA ELETRÔNICA NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO

UTILIZAÇÃO DE PLANILHA ELETRÔNICA NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-755-37-4 UTILIZAÇÃO DE PLANILHA ELETRÔNICA NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA DE INCLUSÃO DIGITAL AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA COMPUTADORES PARA INCLUSÃO A União, por intermédio da Secretaria de Inclusão

Leia mais

IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5. Guia do Cúram Deductions

IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5. Guia do Cúram Deductions IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5 Guia do Cúram Deductions Nota Antes de usar essas informações e o produto suportado por elas, leia as informações em Avisos na página 21 Revisado: Março

Leia mais

INTEGRATED SOLID WASTE MANAGEMENT PLAN: A CASE STUDY OF THE CHALLENGES OF MUNICIPALITIES OF PCJ WATERSHED, SÃO PAULO, BRAZIL IN YOUR DEVELOPMENT

INTEGRATED SOLID WASTE MANAGEMENT PLAN: A CASE STUDY OF THE CHALLENGES OF MUNICIPALITIES OF PCJ WATERSHED, SÃO PAULO, BRAZIL IN YOUR DEVELOPMENT PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE OS DESAFIOS DOS MUNICÍPIOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO PCJ, SÃO PAULO, BRASIL NA SUA ELABORAÇÃO Adriana Maria Nolasco 1 (amnolasc@usp.br),

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE CLRB PAULO ROBERTO LEITE clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br http://meusite.mackenzie.br/leitepr MISSÃO DO CLRB Oferecer ganhos de competitividade empresarial através da Logística Reversa. SERVIÇOS OFERECIDOS

Leia mais

MODELOS DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS EM SAÚDE - QUIMIOTERAPIA NO CÂNCER DE MAMA

MODELOS DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS EM SAÚDE - QUIMIOTERAPIA NO CÂNCER DE MAMA MODELOS DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS EM SAÚDE - QUIMIOTERAPIA NO CÂNCER DE MAMA R. M. Gênova 1, R. T. Almeida 1, M. I. Gadelha 2 1 Programa de Engenharia Biomédica do Instituto Alberto Luis Coimbra (COPPE),

Leia mais

Emendas Parlamentares ao Orçamento 2016

Emendas Parlamentares ao Orçamento 2016 Cartilha para Emendas Parlamentares ao Orçamento 2016 Ministério das Comunicações Secretaria de Inclusão Digital 2015 Ministério das Comunicações 2 Ministério das Comunicações Ministro das Comunicações

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Setembro de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo,

Leia mais

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade 1 IDENTIFICAÇÃO: PROJETO DE EXTENSÃO 1.1 Título da Atividade: Coleta do Lixo Eletrônico 1.1.1 Meios de Divulgação: Mídia local, redes sociais,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Conselho Regional de Química IV Região~- São Paulo, 23/09/2014 Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Eng Flávio de Miranda Ribeiro Assistente Executivo da Vice-Presidência da

Leia mais

(Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2013.)

(Disponível em: <http://www.vagalume.com.br/engenheiros-do-hawaii/3-do-plural.html>. Acesso em: 10 out. 2013.) GEOGRFI 1 Leia o texto a seguir. Corrida contra o relógio silicone contra a gravidade dedo no gatilho, velocidade quem mente antes diz a verdade satisfação garantida obsolescência programada eles ganham

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS PO-10/2013 Unidade Responsável: PMO Ponto Focal OBJETIVO: Essas diretrizes visam ajudar a equipe e consultores do Funbio a responder às questões

Leia mais

Modelo para Análise de Custos no Desenvolvimento de Sistemas

Modelo para Análise de Custos no Desenvolvimento de Sistemas Modelo para Análise de Custos no Desenvolvimento de Sistemas Cilene Araújo da Cruz Moro Mestre em Ciências em Engenharia de Produção, Área de Gerência da Produção (UNIFEI) e doutorando em Computação Aplicada

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO José Carlos Franco de Abreu Neto Quantificação do Risco de Crédito: Uma abordagem utilizando o modelo estrutural de Merton Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD RESUMO Thereza P. P. Padilha Fabiano Fagundes Conceição Previero Laboratório de Solos

Leia mais

A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística.

A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística. Layout: Silvio Bacheta A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística. São Paulo, SP - Março 2012 Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Divisão

Leia mais

Polo de Valoração - Crateús

Polo de Valoração - Crateús Polo de Valoração - Crateús 1998, nasce um sonho... Xingu - Expedição Trilha Brasil No ano 2000, com apoio dos primeiros patrocinadores, a Expedição Trilha Brasil percorreu 25 mil km em 14 estados das

Leia mais

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária Dados Estatísticos Guarulhos Região metropolitana Estado de São Paulo de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil Tem extensão territorial de 320 km², sendo composta por 47 Bairros

Leia mais

Projeto Computadores para Inclusão

Projeto Computadores para Inclusão Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Projeto Computadores para Inclusão Novembro/2007 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Contexto... 4 2. Diagnóstico...

Leia mais

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS Prof. Gilberto Porto Recursos Materiais Prova: CESPE - 2013 - MPU - Técnico AdministraMvo Na figura, a curva ABC representa uma situação

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

ESTUDO SOBRE A LOCALIZAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE NA CIDADE DE SOROCABA

ESTUDO SOBRE A LOCALIZAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE NA CIDADE DE SOROCABA ESTUDO SOBRE A LOCALIZAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE NA CIDADE DE SOROCABA Gustavo Falconi Filippi (UFSCar) g.filippi@uol.com.br Marina Rodrigues Campagner (UFSCar) campmarina@hotmail.com Barbara Moralles

Leia mais

Pesquisa Operacional Programação em Redes

Pesquisa Operacional Programação em Redes Pesquisa Operacional Programação em Redes Profa. Alessandra Martins Coelho outubro/2013 Modelagem em redes: Facilitar a visualização e a compreensão das características do sistema Problema de programação

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Histórico, desdobramentos e cenário atual

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Histórico, desdobramentos e cenário atual POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Histórico, desdobramentos e cenário atual Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano SRHU/MMA ABRAMPA E ABIVIDRO São Paulo, 31 de julho de 2014. I- CONSIDERAÇÕES

Leia mais