Planejamento Da Rede Logística Do Projeto Computadores Para Inclusão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Da Rede Logística Do Projeto Computadores Para Inclusão"

Transcrição

1 Planejamento Da Rede Logística Do Projeto Computadores Para Inclusão Camille Ayume de Melo Kamimura Universidade Federal de São Carlos, Campus Sorocaba Rodovia João Leme dos Santos, Km SP-264, Itinga CEP Sorocaba, SP - Brasil Eli Angela Vitor Toso Universidade Federal de São Carlos, Campus Sorocaba Rodovia João Leme dos Santos, Km SP-264, Itinga CEP Sorocaba, SP - Brasil RESUMO O objetivo deste estudo consiste na avaliação de modelos de programação matemática no apoio a tomada de decisão da configuração da rede logística reversa do programa do governo federal denominado Computadores para Inclusão. Baseado no modelo proposto por Oliveira (2014), elaborou-se um plano de experimentos computacionais envolvendo a variação de parâmetros, tendo como principal foco a avaliação do modelo como ferramenta de apoio ao processo decisório de configuração da rede do projeto considerando diferentes cenários. Os resultados indicam que o modelo possibilita a avaliação dos limites orçamentários de instalação de novas unidades de centros de recondicionamento de computadores (CRCs) para atender as necessidades do projeto em relação aos Telecentros nucleadores e em relação a outras demandas do projeto. Ademais, os resultados do modelo ressaltam a necessidade de inclusão de outros aspectos na modelagem para considerar a questão da equidade em relação ao nível de atendimento da demanda em diferentes locais. PALAVARAS CHAVE: Logística Reversa; Recondicionamento de Computadores; Inclusão Digital, Área principal: L&T Logística e Transportes. ABSTRACT The objective of this study consists in assessing how mathematical programming models can be used to support decisions of configuration of reverse logistics network of the federal government program called Computadores para Inclusão. Based on models proposed by Oliveira (2014), it was elaborated a plan of computational experiments involving the variation of parameters, which the main focus is the evaluation of how the model can aid in the decisionmaking process of project network configuration for different scenarios. The results indicate that the model enables the evaluation of the budgetary limits for the installation of new units of Computer Reconditioning Centers (CRCs) in order to attend the needs of the project in relation to the Nucleator Telecenters and to other demands of the project. Furthermore, the results of the model emphasizes the need to include other aspects in modeling to consider the issue of equity in relation to the demand level of service at different locations. KEYWORDS: Reverse Logistics; Computers Reconditioning; Digital Inclusion. Main area: L&T - Logistics and Transport.

2 1. Introdução O fenômeno da obsolescência programada tem sido uma estratégia ainda bastante aplicada atualmente. Ela envolve a decisão de fabricar e distribuir um bem de consumo com certo período de vida, de forma que depois desse período, o produto se torne não funcional, obrigando o consumidor a comprar o mesmo produto ou ainda uma nova geração do mesmo. Como principal consequência, há o aumento do volume de resíduos. Especificamente para os resíduos eletroeletrônicos (REEE), aos quais os avanços tecnológicos são constantes, seu volume cresce exponencialmente. Dados da United Nations Environment Programme (UNEP) em 2009 relatam que a geração lixo eletrônico está crescendo cerca de 40 milhões de toneladas por ano em escala global. Dessa forma, a preocupação com o descarte correto desse tipo de resíduo vem ganhando atenção tanto por parte governamental, quanto pela parte empresarial. Em 2010, foi regulamentada a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), cujo maior impacto para o gerenciamento de resíduos sólidos está no fato dela estabelecer a responsabilidade compartilhada na destinação final de vários tipos de resíduos, incluindo nestes, os REEE. Uma das maneiras de estruturar o manejo desses resíduos é através do estudo da rede de logística reversa, sendo esta uma ferramenta que viabiliza a coleta e a restauração dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, ou disposição final ambientalmente apropriada (BRASIL, 2010). De acordo com a legislação brasileira, os sistemas de logística reversa são implementados e operacionalizados por meio de acordos setoriais, através de regulamentos expedidos pelo Poder Público; ou por termos de compromisso. No caso dos resíduos de equipamentos eletroeletrônicos, o edital para a elaboração do Acordo Setorial ficou sobre a responsabilidade do Ministério do Meio Ambiente (Edital 1/2013-Chamada para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos e seus Componentes), sendo este proposto em junho de 2013 e atualmente se encontra na fase de negociação (OLIVEIRA e TOSO, 2014). Nesse sentido, torna-se ainda mais importante o projeto Computadores para Inclusão (Projeto CI). Executado a partir de 2005 no âmbito da política de Inclusão Digital do Governo Federal, a proposta do projeto é de fornecer equipamentos de informática usados, estes recuperados em Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs), para Telecentros comunitários, escolas públicas, bibliotecas e outros projetos de inclusão digital, propiciando assim o aumento do acesso às tecnologias de informação e comunicação para a comunidade em situação de vulnerabilidade social (MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, 2011). O propósito deste trabalho é estudar a configuração da rede de logística do Projeto Computadores Para Inclusão (Projeto CI), esta, embasada no problema de mestrado de Oliveira (2014), mais especificamente em seu modelo denominado Modelo Capacitado de Locação- Alocação Multiperíodo com Fluxo de Retorno Direcionado (MCLAM-FRD). Suas principais decisões giram em torno da localização de Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs) e da alocação de Telecentros Comunitários à CRCs. Os Telecentros considerados no modelo são ditos Nucleadores, pois eles suprem a demanda de outros Telecentros, além de fazer a intermediação de materiais para com os CRCs. Segundo a autora, muitos dos parâmetros foram baseados em estimativas, uma vez que há dificuldade em encontrar os dados e, dessa forma, estão sujeitos a incertezas. Além disso, o próprio contexto da configuração da rede, na qual a lei que rege o manejo dos resíduos sólidos ainda está em fase de implantação e está em constante modificação sugere que ainda há de esperar para se obter dados que realmente possam trazer mais subsídios para decisões em relação ao Projeto CI. Apesar de existirem dados com mais exatidão, como por exemplo, os orçamentos para a instalação de novos CRCs para a manutenção do programa, para o modelo inicial, os valores reais resultam em infactibilidade do modelo, ou seja, indicam que o limite orçamentário é insuficiente para atender a demanda dos Telecentros Nucleadores. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é, a partir dos modelos propostos por Oliveira (2014), realizar experimentos computacionais para a avaliação dos impactos das alterações dos parâmetros nos resultados gerados tendo como base a construção de cenários alternativos para a

3 rede e para o problema, propiciando assim, a avaliação de como o modelo de programação matemática pode ser utilizado para apoiar as decisões de configuração da rede de logística reversa do Projeto CI para diferentes cenários. Algumas modificações foram feitas no modelo matemático inicial, de modo que a função objetivo considere apenas as penalizações referentes às taxas de redirecionamento dos fluxos. Além disso, neste trabalho consideramos que a restrição de atendimento da demanda dos Telecentros pode ser violada, de modo que, mesmo com um orçamento abaixo do necessário, o modelo seja factível. O intuito é avaliar novos insights, como por exemplo, aonde não atender a demanda, se os Telecentros não atendidos estão centralizados ou descentralizados na rede, ou mesmo se é possível incluir considerações acerca da equidade do atendimento. 2.Descrição do Problema O Projeto Computadores para Inclusão (Projeto CI) foi criado em 2004 e executado a partir de 2005 pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (SLTI/MP), no contexto da política de Inclusão Digital do Governo Federal (MINISTERIO DAS COMUNICAÇÕES, 2011). As principais metas para este programa envolvem a configuração de uma rede nacional de recondicionamento de computadores, a qual resulta em benefícios tanto para a inclusão digital, quanto para a redução dos impactos ambientais causados pelo descarte inadequado de equipamentos de informática. Para operacionalização do projeto, o Governo Federal apoiou a implantação e funcionamento dos chamados Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs). Os CRCs constituem-se em espaços estruturados para realizar, em larga escala, a recepção, triagem, recuperação e destinação de equipamentos de informática usados, descartados por órgãos públicos, empresas privadas e pela comunidade. O material recuperado é doado a Telecentros, escolas públicas, bibliotecas e outros projetos de inclusão digital sem fins lucrativos. Além disso, os CRCs oferecem a jovens em situação de vulnerabilidade social oportunidades de formação profissionalizante, ao disponibilizar oficinas, cursos, treinamentos e outras atividades formativas com foco no recondicionamento e manutenção de computadores. Segundo dados do Ministério das Comunicações (2011), até o mês de setembro de 2011, foram instalados 7 CRCs, localizados em Porto Alegre/RS, Guarulhos/SP, Gama/DF, Belo Horizonte/MG, Recife/PE, Lauro de Freitas/BA e Belém/PA. Ademais, mais de 59 mil computadores foram recebidos da comunidade e de órgãos públicos e privados, auxiliando 873 projetos de inclusão digital no total, que receberam equipamentos de informática recondicionados. O modelo proposto neste estudo é embasado no modelo denominado Modelo Capacitado de Locação-Alocação Multiperíodo com Fluxo de Retorno Direcionado (MCLAM-FRD), proposto por Oliveira (2014). Na modelagem, as principais decisões giram em torno de: (i) quais Telecentros enviam equipamentos descartados para quais CRCs; (ii) quais CRCs enviam equipamentos recondicionados para quais Telecentros; (iii) quais CRCs enviam equipamentos para quais empresas de descarte; (iv) quais os melhores locais para a instalação de novos CRCs. No trabalho da autora, o panorama do programa consistia em cerca de 2000 Telecentros espalhados pelo Brasil, sendo que 80 deles, chamados Telecentros Nucleadores, são considerados principais e são responsáveis por suprir a demanda dos demais Telecentros, além de fazer a intermediação de materiais com os CRCs. No MCLAM-FRD, os Telecentros Nucleadores tem restrições acerca da quantidade de material que pode comportar, havendo assim, uma quantidade mínima e máxima. A mínima é aquela necessária para que os Telecentros possam operar ao longo do horizonte de planejamento, ao passo que a quantidade máxima não deve exceder a capacidade das instalações (OLIVEIRA e TOSO, 2014). Para o problema inicial, ao considerar a demanda dos outros Telecentros vinculados ao nucleador, não é possível encontrar uma solução factível. Isto porque o orçamento disponível é insuficiente para atender toda a demanda (OLIVEIRA, 2014). Desta forma, uma das premissas para este estudo consiste em permitir a violação da demanda mínima a ser atendida. O funcionamento da rede está esquematizado na figura 1. Convém destacar que o fluxo de

4 materiais entre Telecentros e CRCs envolvem os equipamentos danificados provenientes da comunidade mais o material que se deteriora nos Telecentros. Particularmente neste trabalho, as seguintes premissas são consideradas: A restrição acerca da quantidade mínima nos Telecentros pode ser violada, acarretando, no entanto, em uma penalização em forma de custos; Os períodos são considerados para o projeto já em andamento, isto é, não há um período inicial de ajuste, onde o número de máquinas nos Telecentros é nulo; O objetivo é minimizar os custos referentes às penalidades por não processamento, por não atendimento da demanda dos Telecentros e pelo não envio de material aos Telecentros. Diferente do modelo original que minimiza também os custos de abertura e manutenção do programa. A opção de retirar estes custos da função objetivo deve-se ao fato destes já estarem limitados por um orçamento. Figura 1 Representação da rede usada na modelagem. Fonte: Oliveira(2014). 3.Modelo Matemático Para a formulação matemática do problema descrito anteriormente, considere os conjuntos I para os Telecentros, J para Locais Candidatos a CRCs, K para Empresas de Destinação e T para os Períodos, indexados por i, j, k e t, respectivamente. Os seguintes parâmetros e variáveis são utilizados: Parâmetros o t Orçamento para a manutenção do programa no período t w t Orçamento para a abertura de CRCs no período t S Porcentagem de material não recuperado (pós-processamento) que deve ser encaminhado para as empresas recicladoras γ Custo unitário de transporte de material β Penalidade por não processamento de material α Penalidade de não retorno de material para os Telecentros ε Penalidade pela demanda não atendida nos Telecentros f j Custo fixo para a abertura do CRC j h Taxa de deterioraçao de equipamentos dos Telecentros a it Quantidade de material que o Telecentro i recebe da comunidade no período t b j Capacidade de processamento do CRC j c ij Distância do Telecentro i para o CRC j

5 e ji Distância do CRC j para o Telecentro i g jk Distância do CRC j para a Empresa recicladora k Gov Quantidade de material enviado pelo governo para os CRCs abertos Q min Quantidade mínima de computadores que um Telecentro comporta Q max Quantidade máxima de computadores que um Telecentro comporta CR Capacidade de recebimento de um CRC Variáveis x ijt Quantidade de material do Telecentro i que é encaminhado ao CRC j no período t y jkt Quantidade de material do CRC j que é encaminhado à Empresa recicladora k no período t n jit Quantidade de material do CRC j encaminhado ao Telecentro i no período t qp jt Quantidade de material processado no CRC j no período t qn jt Quantidade de material não processado no CRC j no período t m jt Quantidade de material processado no CRC j no período t que não será encaminhado aos Telecentros δ it Demanda não atendida no Telecentro i para o período t v it Quantidade de computadores em um Telecentro i no período t 1, se o CRC j é aberto no período t p jt = { 0, caso contrário 1, se o CRC j está aberto no período t z jt = { 0, caso contrário Min β qn jt + α m jt + ε δ it j J t T j J t T i I t T (1) x ijt = a it + (h. v it 1 ), i I, t T (2) j J qp jt + qn jt = x ijt + Gov. z jt, j J, t T (3) i I x ijt CR. z jt,, j J (4) i I n jit + m jt = (1 S)(qp jt ), j J, t T (5) i I y jkt = s. qp jt + qn jt, j J, t T (6) k K qp jt b jt. z jt,, j J, t T (7) p jt 1, j J (8) t T p jt z jt z jt 1, j J, t T (9) z jt z jt 1, j J, t T (10) v it = Q min, i I, t = 1 (11) v it = v it 1 + n ijt (h. v i,t 1 ), i I, t T (12) j J v it + δ i Q min, i I, t T (13) v it Q max, i I, t T (14) p jt f j w t, t T (15) j J

6 ( c ij x ijt + g jk y jkt + e ji n ijt ) γ o t, t T (16) i I j J j J k K i I j J x ijt, y jkt, qp jt, qn jt, m jt, v it, n ijt, δ i 0 ; z jt, p jt Β J T (17) A função objetivo (1) envolve os custos referentes às penalizações e pode ser dividida em três partes. O primeiro termo busca minimizar a quantidade de material não processado. O segundo minimiza a quantidade de material que será enviado para doação. Esta penalização é importante para viabilizar os resultados, pois não existem custos de transporte dos CRCs para os postos de doação, uma vez que quem recebe o material se responsabiliza pelo transporte. Por fim, o terceiro termo visa minimizar a quantidade de material referente à demanda não atendida dos telecentros. Os parâmetros de penalização β, α e ε são representados como um custo, entretanto, também podem ser usados como pesos referentes aos objetivos internos, possibilitando, por exemplo, uma proposta baseada em programação de metas. O conjunto de restrições apresentados em (2) garantem o balanceamento do fluxo de materiais em cada Telecentro ao longo de todo o horizonte de planejamento. Dessa forma, a quantidade total de material enviada de um Telecentro para os CRCs corresponde à quantidade recebida da comunidade mais o material que se deteriora naquele período. As restrições (3) determina que, para cada CRC, em um período t, a quantidade de material processado somado à quantidade de material não processado deve ser igual à soma do que é recebido dos Telecentros mais a quantidade de material enviada pelo governo, este último, só incluso caso o CRC esteja aberto. As restrições (4) complementam a anterior, uma vez que os Telecentros só enviarão material aos CRCs que estejam abertos. Além disso, essa restrição garante que o valor de x ijt não seja maior do que a capacidade de recebimento do CRC. As restrições (5) asseguram que a porcentagem de material processado que foi efetivamente recuperada seja enviado ou para os Telecentros ou para doação. Já as restrições (6) impõem que o material processado não recuperado, somado ao material não processado, deve ser encaminhado às empresas de descarte final. A restrição apresentada em (7) certifica que somente um CRC aberto possa processar material, sendo que a quantidade processada deve respeitar a capacidade de processamento do respectivo CRC. As restrições (7), (8) e (9) dizem respeito a abertura de novos CRCs. A primeira impede que um CRC possa ser aberto mais de uma vez. A segunda constitui-se de uma relação entre variáveis e a terceira garante que uma vez aberta a instalação, ela assim permaneça até o fim do horizonte de planejamento. As restrições (11), (12), (13) e (14) dizem respeito à quantidade de computadores no Telecentro. A primeira define a quantidade de material presente nos Telecentros para o primeiro período. A segunda constitui-se numa restrição de balanceamento de estoque, ao qual a quantidade de computadores presentes em cada Telecentro no período t deve corresponder à quantidade de material que retorna dos CRCs, somado à quantidade disponível no período anterior menos a quantidade de material que se deteriorou. A terceira constitui-se de uma restrição de capacidade, em que deve haver uma quantidade mínima de material em cada Telecentro. No entanto, esta restrição pode ser violada através da variável δ i, sob o custo de uma penalização, esta incluída na FO. A restrição (14) impõe uma quantidade máxima de material que um Telecentro pode comportar. As restrições (15) e (16) colocam um limite orçamentário para o programa, tanto em relação à abertura de CRCs, quanto em relação à manutenção do programa, particularmente considerado apenas a partir dos custos de transporte. Por fim, a restrição (17) define o domínio para todas as variáveis. 4. Resultados e Discussão Para o estudo computacional, considerou-se o horizonte de planejamento de 12 meses. Os dados inseridos na modelagem foram retirados de Oliveira (2014). Os pontos da rede consistem em 80 Telecentros Nucleadores, 80 potenciais locais para CRCs localizados nos mesmos pontos

7 dos Telecentros e 19 empresas, todas localizadas no estado de São Paulo, para o descarte adequado de material. As capacidades dos CRCs de processamento são de 1800 kg de material para todos. Os dados referentes aos parâmetros escalares estão contidos na tabela 1. Tabela 1 Valores dos parâmetros escalares. Parâmetro Valor S 30% γ R$ 1,28 β R$ 20 mil α R$ 10 mil ε R$ 15 mil Gov 250 Kg Q min 250 Kg Q max 750 Kg CR 5400 Kg Os valores de porcentagem de material não recuperado (pós-processamento) encaminhado para as empresas recicladoras (S), do custo unitário de transporte de material (γ) e da capacidade de recebimento de um CRC (CR) foram retirados da dissertação de Oliveira (2014). Os dados de capacidade mínima e máxima dos Telecentros foram estipulados com base nos manuais do programa Telecentros Comunitários (BRASIL, 2013) que afirmam que o número mínimo de máquinas a ser enviadas em um Telecentro é de 10 computadores (kit Telecentro). Analisando também o mapa da Rede Telecentro, constatou-se que o maior número de equipamentos de informática encontrado foi de 30. Dimensionando para o peso médio de um computador do tipo desktop (aproximadamente 25 kg) (AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL, 2013), estimou-se os valores para Q min e Q max. O modelo foi implementado utilizando linguagem de modelagem algébrica GAMS, versão e resolvido através do solver CPLEX. Delimitou-se um limite de tempo de 3 horas para a execução do modelo. Para o cenário inicial, foi encontrada uma solução de R$ 4,46 bilhões com um gap relativo de 0,23%. O resultado prevê a abertura de 35 CRCs, com um custo de abertura de R$ 11 milhões. A abertura dos CRCs teve sua localização mais concentrada na região Sudeste, com 15 CRCs abertos ao todo nessa região, sendo 8 deles somente em São Paulo e 4 em Minas Gerais. A segunda região brasileira com maior número de CRCs instalados foi a Nordeste (9 CRCs), seguida pela região Norte (4 CRCs), Sul (3 CRCs) e por último, a região Centro-Oeste, com 2 CRCs instalados. O modelo sugere a abertura dos Centros em lugares mais centrais de cada região brasileira, sendo que então algumas capitais não foram contempladas com a abertura de um CRC. Por exemplo, para os estados da região Norte, os fluxos de materiais foram enviados para os centros localizados em Rondônia Pará. Ou seja, alguns pontos centrais nas regiões cartográficas receberam equipamentos provenientes dos Telecentros não só de seu estado, como também de estados adjacentes. A figura 2 apresenta os resultados dos fluxos acumulados em todo o horizonte de planejamento. Em uma análise macro do problema, pode-se notar que a maior parte do volume de material é encaminhada à doação, o que é justificável, já que a penalidade pelo não processamento (β), tem maior peso nos custos totais, o que faz com que o modelo busque fazer uso máximo da capacidade de processamento dos CRCs, para então redirecionar o fluxo entre os Telecentros e a doação. Como a penalização pelo não atendimento da demanda é superior à de pelo não envio de material aos Telecentros, porém não maior do que os custos de tranporte envolvidos no envio de material aos Telecentros, a tomada de decisão envolve a priori atender a demanda dos telecentros, para só então enviar para a doação. Para Telecentros localizados no mesmo ponto do CRC, o resultado do modelo propõe o atendimento não só da sua demanda mínima como também se atinge o limite de capacidade.

8 Figura 2 Fluxos de materiais em escala macroscópica. Ao longo do horizonte de planejamento, a capacidade de todos os CRCs foram em sua maioria totalmente utilizadas, sendo que o valor mínimo alcançado foi de 70,56%. O uso intenso dessa capacidade de processamento pode ser explicado pelo fato de que todo o orçamento destinado para a manutenção do programa foi consumido. Toda a demanda foi atendida, no entanto, o valor inicialmente utilizado corresponde à quantidade de material necessária para o funcionamento de um único Telecentro, isto é, a demanda foi subestimada e ainda assim, houve o consumo de todo o orçamento destinado à manutenção do programa. Em relação ao direcionamento dos fluxos, pode-se afirmar que a penalização pelo não processamento de materiais (β) é a mais impactante, uma vez que só depois do processamento é que se pode encaminhar equipamentos aos Telecentros ou à doação, além do fato de que o não processamento implica na incorreta destinação deste material, no qual pode acontecer uma situação em que computadores em bom estado seriam enviados para descarte. De modo a obter uma melhor perpecção de como as penalidades influenciam nas decisões do modelo, elaborou-se um plano de experimentos para variação de parâmetros. Outros testes realizados envolvem o aumento gradativo do valor da demanda mínima, de modo a alcançar o valor estimado real e dessa forma, avaliar o impacto do aumento do fluxo resultante. 4.1 Testes envolvendo a variação dos parâmetros de penalização Teste1: alterações na penalização pelo não retorno de materiais aos Telecentros (α) No cenário original, uma vez que o valor da penalidade por não processamento (β) tem maior peso na função objetivo, observou-se que na solução gerada, as decisões sugerem usar a capacidade de processamento dos CRCs conforme a disponibilidade do orçamento de abertura, e dentre os equipamentos processados, atendeu-se a demanda mínima de Telecentros muito distantes, ao passo que nas localidades próximas (em geral as mesmas dos CRCs), enviou-se equipamentos o suficiente para atender inclusive a demanda máxima. O restante é então enviado para a doação. Em uma visão macro, o volume de material enviado à doação foi cerca de 4 vezes maior do que o enviado para os Telecentros. Nesse sentido, este teste tem como principal finalidade avaliar o impacto da penalidade de não envio de material aos Telecentros na quantidade de demanda atendida, bem como na demanda não atendida, realizando variações na escala de -50%, 100% e 300%. Como resultado, a quantidade enviada aos Telecentros (n jit ), mantém-se praticamente a mesma ao longo de todas as variações. Os dados envolvendo a relação entre a variação desta penalidade com a quantidade de demanda não atendida, bem como com a quantidade de material não processado pode ser vista no gráfico 1.

9 Quantidade de material (Kg) Impactos da penalidade alfa no fluxo de descarte e de doação , , , ,00 0, Doação Não processado Descartado α Gráfico 1 - Impacto da variação da penalidade alfa em relação ao trade-off descarte/doação. Os resultados mostraram que nos nos cenários em que α β, não houve grandes variações em termos de ordem de grandeza para os fluxos de descarte e doação. Uma vez que o orçamento restringe o número de CRCs a serem abertos, e portanto, a capacidade geral de recondicionamento de computadores, a decisão gira em torno de processar o máximo possível para enviar para a doação, uma vez que o envio tanto para o descarte, quanto para os Telecentros envolve também custos adicionais de transporte, além do fato de que a diferença entre as penalizações não são grandes o suficiente para compensar uma mudança na decisão. Apesar disso, para o último cenário, tem-se que α > β > ε, relação esta que se mostrou diretamente relacionada à intensidade dos fluxos de materiais. Neste caso, a solução girou em torno de uma decisão na qual é melhor não processar do que enviar para doação. É de se esperar que valores para α entre o valor de β (R$20 mil) e o atingido com a variação em 300% (R$40 mil) incorra em um aumento gradativo do balanço entre os parâmetros m (quantidade de material enviado para a doação) e y (quantidade de material enviado às empresas recicladoras). Em suma, a variação da penalização pelo não envio de material aos Telecentros (α) faz o balanço principalmente entre os parâmetros de equipamentos de informática enviados às empresas recicladores versus para doação. Sua variação não afetou o atendimento da demanda mínima dos Telecentros, levando em conta o valor subestimado. Além disso, pode-se afirmar que o valor estipulado inicialmente para este parâmetro parece adequado para aos propósitos do problema real Teste2: alterações na penalidade por não processamento de materiais (β) Um ponto de vista para a análise dos fluxos de materiais pode ser vista em termos de material processado e não processado. Do material processado, uma parcela não consegue ser recuperada e, junto com o material não processado, é enviado para as empresas recicladoras. O restante do material é dividido entre uma quantidade para os Telecentros e outra para a doação. Pode-se afirmar então que a taxa de processamento é muito relevante para a análise de como o modelo se comporta. Esta é dependente da capacidade de processamento, que, por sua vez, é limitado pela quantidade de Telecentros, ou seja, é limitada pelo orçamento de abertura. O conjunto de testes envolvidos nesta seção corresponde à variação da penalidade por não processamento de materiais (β) em -88%, -75%, e -50%. Diferente do teste anterior, as variações do balanço entre o que é encaminhado para a doação versus o que é encaminhado para o descarte ficou bem evidente, podendo ser melhor avaliada no gráfico 2. De forma geral, pequenas alterações na penalização de não processamento não interferem nos resultados dos fluxos. Novamente, a quantidade de computadores enviados aos Telecentros varia pouco.

10 Quantidade de material (Kg) Impactos da penalidade beta no fluxo de descarte e de doação Doação Não processado Descartado Gráfico 2 - Impacto da variação da penalidade beta em relação ao trade-off descarte/doação. Para os dois primeiros cenários, como a penalização por não processamento deixa de ser a prioridade, o parâmetro de capacidade de processamento, dependentes da quantidade de CRCs abertas, perde também sua relevância. Para estes dois cenários, foram abertos somente 19 CRCs, sendo aberto, no mínimo, dois centros por região brasileira. Do total de equipamentos enviados, cerca de 93% foi enviado diretamente para as empresas recicladoras. Sendo assim, a relação estabelecida inicialmente para este parâmetro é adequada à proposta do problema Teste3: alterações na penalidade pelo não atendimento da demanda (ε) Para este último teste, foram realizadas alterações na penalização pelo não atendimento da demanda (ε) da ordem de -75%, -25% e, 100%. Uma vez que, para o cenário original, houve o total atendimento da demanda, esperava-se que, mesmo para um valor de penalização menor, esta demanda continuasse a ser atendida. Isto porque já existem custos de transpote inerentes ao fluxo de retorno de materiais. Além disso, levando em conta as outras penalizações, tem-se que uma delas busca impedir que equipamentos em condições de reuso sejam enviados para descarte final; ao passo que a outra busca reduzir a quantidade de equipamentos enviadas à doação, de modo que se envie ao menos à quantidade mínima para o funcionamento dos Telecentros. Ou seja, estas duas penalizações direcionam parte do fluxo de materiais aos Telecentros De fato, neste resultado houve pouca variação no valor da função objetivo, em termos de ordem de grandeza. Apesar de haver mensuração para demanda não atendida, o que ocorreu de fato foi um direcionamento dos Telecentros a serem atendidos, sendo este direcionamento dependente do grau de centralização ou isolamento da facilidade. Realizou-se também um teste alterando o valor de ε para zero, cujo resultado envolveu o não atendimento da demanda em apenas 3160 Kg, sendo esta quantidade bem distribuída entre os CRCs ao longo dos períodos. No entanto, ao duplicar o valor da demanda mínima dos Telecentros, Q mi,, para 500, este valor passou a ser de 40455,28 Kg. Assim, apesar da penalização ε não ter sido impactante para um cenário de menor demanda, ao qual o projeto tem estrutura para efetuar a manutenção do programa, ela é necessária para impedir que todo o material processado seja enviado a doação em cenários de maior número de Telecentros a serem atendidos. Mediante estes resultados, pode-se destacar que em nenhum dos testes houve variação da quantidade de equipamentos enviados aos Telecentros, bem como da parcela da demanda não atendida. Os principais balanços se restringiram aos fluxos de materiais enviados à doação e ao descarte. As possibilidades para os Telecentros receberem equipamentos recondicionados foram quatro: (i) ele está muito bem localizado e teve a sua capacidade máxima exigida; (ii) ele está bem localizado e recebe material além da sua demanda mínima, em uma posição média em relação à sua capacidade máxima e mínima; (iii) ele está localizado razoavelmente bem, recebendo o suficiente para atender o mínimo exigido pelo documento propositivo do projeto CI; e (iv) o Telecentro se encontra em uma posição isolada dos demais Telecentros e CRCs e não recebe nenhum equipamento. Uma vez que a proposta do Projeto CI envolve conceitos como a β

11 inclusão digital, tem-se que os resultados levantados pelo modelo não seriam adequados num ponto de vista mais realista, uma vez que não há igualdade de condições para o acesso digital. Estes resultados levantam uma discussão acerca da aplicação dos princípios de equidade, que consistem na distribuição igualitária dos recursos existentes para todas as áreas de demanda. Estes princípios são levantados principalmente para o setor público (MCALLISTER, 1976). 4.2 Variação na demanda real Os experimentos anteriores consideraram a demanda mínima como sendo a quantidade de equipamentos necessária para a manutenção de um único Telecentro. Uma vez que a premissa para o modelo é que são considerados 80 Telecentros Nucleadores, a demanda mínima deve corresponder à demanda do Nucleador mais a dos Telecentros que ele nuclea. Como a designação de quais telecentros são atendidos por quais Telecentros Nucleadores não foi encontrada, para estimar o real valor de Q min, utilizou-se de uma média aritmética simples: os 2000 Telecentros foram igualmente divididos para os 80 Telecentros Nucleadores, e então considerou-se a demanda como sendo a quantidade de equipamentos necessárias para cada telecentro funcionar, incluindo a do nucleador. Como resultado, obteve-se uma estimativa de 6500 Kg de material necessária por Telecentro. O mesmo raciocínio também foi utilizado para estimar a quantidade de material máxima que um Telecentro pode suportar, resultando em 19500Kg. A priori, foram feitos testes variando gradativamente a demanda de 250 Kg para 500 Kg, sendo este aumento de 20% por vez. Foi considerado o mesmo orçamento inicial utilizado no cenário original. Os resultados podem ser visualizados no gráfico 3. Custo (R$) 2,50E+08 Impactos da demanda nos custos 2,00E+08 1,50E+08 1,00E+08 5,00E+07 0,00E Custo x Custo y Custo n Demanda (Kg) Gráfico 3 Variação dos custos de transporte conforme variação na demanda. O custo x corresponde ao custo de transporte entre os Telecentros e os CRCs, ao passo que o custo n corresponde aos custos de transporte de retorno de materiais dos CRCs para os Telecentros. Por fim, o custo y está relacionado ao envio de materiais dos CRCs para as empresas recicladoras. Uma vez que o orçamento de manutenção é o mesmo para todos os tecstes, para um aumento da demanda, recorre-se ao orçamento de abertura que havia sobrado no cenário original. Dessa forma, o número de CRCs abertos foram aumentando gradativamente, de 35 até 39. Assim, custo de envio referente à variável x, que corresponde à quantidade de material enviado dos Telecentros aos CRCs, foi sendo diluído, tendo seu custo reduzido em até 17,47%. No entanto, uma vez que a quantidade de material que deve retornar aos Telecentros é maior, e também há mais Telecentros com materiais a enviar para as empresas recicladoras, é de se esperar que o custo de transporte inerente a esse fluxo também aumente. Para estes testes, tem-se que, ao dobrar o valor da demanda mínima para 500, houve um aumento dos custos referentes ao fluxo de retorno de equipamentos recondicionados aos Telecentros de 129%, isto é mais do que dobrou os custos.houve também uma redução da quantidade de material enviada para a doação, em 18%. A partir dessa variação dos custos somente dobrando-se a demanda de um telecentro, isto é, ao invés de atender 80 Telecentros, atende-se 160, pode-se afirmar que, para se atender a

12 demanda dos 2080 Telecentros, considerados nas premissas da modelagem, o orçamento necessário para a manutenção do programa seria exorbitante. De fato, se levar em conta que o governo está arcando com os custos não só de realizar o descarte correto dos resíduos, como também de manter todos os Telecentros em funcionamento durante todo o horizonte de planejamento, é de se esperar que os resultados sejam inviáveis. 5. Conclusões Diante da instabilidade e das dificuldades na obtenção de dados, o estudo deste modelo limitou-se a análise de como o modelo apresentado pode ser útil no auxílio à tomada de decisão para o programa Computadores para Inclusão. Os resultados indicaram que é possível satisfazer mais do que apenas a demanda mínima dos Telecentros, de acordo com uma boa base orçamentária, e mais ainda, ressalta a importância de uma boa mensuração para as penalidades na análise da tomada de decisão. Para todos os testes realizados, pode-se ressaltar que, apesar de haver uma parcela de demanda não atendida, esta corresponde apenas para os Telecentros muitos distantes dos CRCs. Enquanto isso, os Telecentros mais centralizados em relação aos CRCs tiveram não só sua demanda mínima atendida, como também receberam material a mais, algumas até mesmo recebendo a sua capacidade máxima. No entanto, as decisões realizadas em relação ao atendimento da demanda dos Telecentros rmostraram-se inadequadas do ponto de vista prático, uma vez que, para lugares muito distantes dos CRCs, basicamente não se atende nenhuma porcentagem da demanda. Como, em geral, os pontos mais distantes do Brasil correspondem aqueles em que mais seria interessante aplicar políticas de inclusão digital, pode-se afirmar que uma extensão para o modelo deve considerar a capilaridade dos fluxos de materiais e mais ainda, buscar garantir primeiro atender a demanda mínima de todos os Telecentros para só então realizar decisões de ampliar a quantidade de equipamentos neles. Dessa forma, uma proposta de melhoria envolve estudar técnicas para incluir princípios de equidade para o modelo. Referências Agência Brasileira De Desenvolvimento Industrial. (2013). Logística Reversa de Equipamentos Eletroeletrônicos: análise de viabilidade técnica e econômica. Brasil. (2011). Ministério das Comunicações. Secretaria de Inclusão Digital. Projeto computadores para inclusão: documento propositivo. Brasília, 28p. Brasil.. (2013). Ministério das Comunicações. Orientações para a montagem dos kits nos telecentros apoiados pelo programa. Brasil. (2010). Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de Regulamenta a Lei no , de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Diário Oficial, Brasília, DF, 23 dez Seção 1, edição extra, p McAllister, D. M. (1976). Equity and Efficiency in Public Facility Location. Geographical Analysis, Vol. 8. Oliveira, M.G.S.(2014) Modelos para configuração da rede logística do programa Computadores para Inclusão f. Dissertação. Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba. Oliveira, M. G. S., Toso, E. A. V. (2013). Planejamento Da Rede De Logística Reversa Pós Consumo De Equipamentos De Informática. In: SIMPÒSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL, 45., 2013, Natal. Anais... Natal:2013. p Unep - United Nations Environment Programme & United Nations University. Recycling. (2009).

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Dezembro/2010 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática - Indicadores

Leia mais

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Fevereiro/2011 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática -

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública MODELO CAPACITADO DE LOCAÇÃO ALOCAÇÃO MULTIPERÍODO COM FLUXO DE RETORNO DIRECIONADO PARA CONFIGURAÇÃO DE REDE LOGÍSTICA Maritha Gomes Silva de Oliveira Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais OS ACORDOS SETORIAIS E A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA: Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais X Seminário Nacional de Resíduos Sólidos Associação Brasileira de Engenharia

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Contexto e Desafios Criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Em ago.2010 o Presidente Lula sancionou a Lei 12.305 que estabelece

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA DE INCLUSÃO DIGITAL AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA COMPUTADORES PARA INCLUSÃO A União, por intermédio da Secretaria de Inclusão

Leia mais

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos DISCLAIMER: O conteúdo apresentado neste documento encontra-se em construção pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com o Grupo de Trabalho Temático Resíduos de Equipamentos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Tratamento de materiais explantáveis: polêmica do descarte de resíduos. Luiz Carlos da Fonseca e Silva

Tratamento de materiais explantáveis: polêmica do descarte de resíduos. Luiz Carlos da Fonseca e Silva Tratamento de materiais explantáveis: polêmica do descarte de resíduos Luiz Carlos da Fonseca e Silva RDC ANVISA 306/04 8 - GRUPO A4 8.1 - Kits de linhas arteriais... recipientes e materiais resultantes

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Aplicação Digestão Anaeróbia descentralizada e em pequena escala Luis Felipe Colturato Diretor Executivo Global Methane Initiative Agriculture,

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Ministério das Comunicações. Secretaria de Inclusão Digital

Ministério das Comunicações. Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Secretaria de Inclusão Digital Computadores para a Inclusão Os Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs) são parte do projeto Computadores para Inclusão, que promove

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONCESSÃO ADMINISTRATIVA PARA DESENVOLVIMENTO, IMPLANTAÇÃO, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E GERENCIAMENTO DA SOLUÇÃO GRP DO MUNICÍPIO

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO A COMBINAÇÃO DA DINÂMICA DE SISTEMAS E A ANÁLISE ESTATÍSTICA MELHORA O PROCESSO DE DECISÃO EM SISTEMAS LOGISTICOS FECHADOS

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança da Informação (Gerenciamento de Acesso a Sistemas de Informação) Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, junho de

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

Aula 03 - Modelagem em PPLIM

Aula 03 - Modelagem em PPLIM Thiago A. O. 1 1 Universidade Federal de Ouro Preto 1 Componentos do modelo 2 3 4 5 6 Componentes de uma modelagem matemática Elementos; Conjuntos; Parâmetros; Variáveis; Objetivo; Restições; Elementos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS)

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) A Logística Reversa tem sido motivo de muitas manifestações seja na mídia em geral, seja nas empresas, academias e do publico em geral

Leia mais

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade 1 IDENTIFICAÇÃO: PROJETO DE EXTENSÃO 1.1 Título da Atividade: Coleta do Lixo Eletrônico 1.1.1 Meios de Divulgação: Mídia local, redes sociais,

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Nelson R. Bugalho Vice-Presidente da CETESB Promotor de Justiça do Meio Ambiente e Urbanismo Mestre em Direito Penal Supraindividual

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Custos no Serviço Público. Brasília DF 18 DE SETEMBRO DE 2014

Custos no Serviço Público. Brasília DF 18 DE SETEMBRO DE 2014 Custos no Serviço Público Brasília DF 18 DE SETEMBRO DE 2014 1 Objetivos do Gestor BUSCA CONSTANTE Eficiência no uso dos recursos públicos Eficácia no atingimento das metas (quantidade e qualidade) Efetividade

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Três caminhos para melhores processos decisórios: O que você deve saber Agora Sumário executivo

Três caminhos para melhores processos decisórios: O que você deve saber Agora Sumário executivo Três caminhos para melhores processos decisórios: O que você deve saber Agora Technology Evaluation Centers Três caminhos para melhores processos decisórios: O que você deve saber Agora Todos os dias,

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº 12.305, de

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Gestão de Pessoas e Projetos. Introdução. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br

Gestão de Pessoas e Projetos. Introdução. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br Gestão de Pessoas e Projetos Introdução Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br GRUPOS DE TRABALHO No primeiro dia de aula serão formados os grupos de trabalho, com máximo de 5 integrantes. Estes

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Preparado por Cassius Marcellus de Freitas Rodrigues Versão: 1.1 Renata Rossi de Oliveira Aprovado por 17/09/12 Nome do Projeto:

Leia mais

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira XXIII SEMINÁRIO INTERNACIONAL DO CILEA Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira Nelson Machado Camboriu, julho 2011 Ambiente e Desafios Democratização e ampliação da participação social

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Conselho Regional de Química IV Região~- São Paulo, 23/09/2014 Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Eng Flávio de Miranda Ribeiro Assistente Executivo da Vice-Presidência da

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Barbara Almeida Souza (Centro Universitário Senac SP) Graduanda de Engenharia Ambiental. basouza2@gmail.com Maurício

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Tema: A importância da Lei e os prazos José Valverde Machado Filho 28.04.2014 Apresentação Eventos e Mídias; Indicadores: geração, coleta e destinação;

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

SUSTENTABILIDADE: Melhor qualidade de vida na RMBH e COLAR METROPOLITANA de Belo Horizonte/MG.

SUSTENTABILIDADE: Melhor qualidade de vida na RMBH e COLAR METROPOLITANA de Belo Horizonte/MG. SUSTENTABILIDADE: Melhor qualidade de vida na RMBH e COLAR METROPOLITANA de Belo Horizonte/MG. Fevereiro 2013 Associação dos Catadores de Papel Papelão e Material Reaproveitável ASMARE INTRODUÇÃO SUSTENTABILIDADE:

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS Construção de Galpões de Triagem

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva

Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Projeto CI Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Recife, 28 de outubro de 2012 Sumário 1. Motivação... 4 2. Introdução:

Leia mais

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Proposta de Parceria BRASÍLIA, JUNHO DE 2011. Nome do Projeto Segurança e Manutenção

Leia mais

SindusCon-SP opina sobre mudanças do Plano Nacional de Resíduos Sólidos em audiência pública

SindusCon-SP opina sobre mudanças do Plano Nacional de Resíduos Sólidos em audiência pública Resíduos: atualizada Resolução do Conama A Resolução 307/2002 do Conama, que estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção, foi alterada pela Resolução Conama

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS REALIZAÇÃO: O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS O Município é estratégico na gestão dos resíduos sólidos. As atividades geradoras e de gestão de resíduos se desenvolvem no âmbito local.

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

Parecer Técnico nº 08/2014

Parecer Técnico nº 08/2014 Parecer Técnico nº 08/2014 INTERESSADO: ASSUNTO: ABRANGÊNCIA: Setor Industrial de Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Paraná Plano de Logística Reversa Estadual PROTOCOLO: 13.352.187-9

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais