MANUAL DE PROCEDIMENTOS E AÇÕES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (MERENDA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PROCEDIMENTOS E AÇÕES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (MERENDA)"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Estad da Educaçã Diretria de Ensin - Regiã de Piracicaba Centr de Administraçã e Finanças Rua Jã Sampai, 666 Bairr Sã Dimas Piracicaba CEP Fne: MANUAL DE PROCEDIMENTOS E AÇÕES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (MERENDA) Piracicaba, 2015

2 Sumári Página 1. AVALIAÇÕES Avaliaçã Mensal da Merenda Avaliaçã ds Aluns CONTROLE DOS COMENSAIS EQUIPAMENTO E UTENSÍLIOS Equipaments Balcã térmic Utensílis PROGRAMAS Prgrama Sirva-se Mais Educaçã SOLICITAÇÕES PARA MERENDA Cntat de Merenda ds Municípis Slicitaçã e Alteraçã de Merenda Prblemas e reclamações DIETA ESPECIAL COLETA DE AMOSTRAS VISITAS TÉCNICAS HIGIENIZAÇÃO E SANITIZAÇÃO OBRAS /ESTRUTURA DA COZINHA NUTRIINFORMATIVO

3 1. AVALIAÇÕES 1.1. Avaliaçã Mensal da Merenda A avaliaçã da alimentaçã esclar (merenda) visa cntribuir para acmpanhament d serviç prestad, bem cm auxiliar na identificaçã de prblemas estruturais da czinha esclar. As avaliações devem ser entregues na Diretria de Ensin n primeir dia útil d mês subsequente a serviç realizad, as cuidads de Aline u Maurici, u enviadas (digitalizadas e cm assinatura) para O instrument para avaliar sfreu alterações desde a sua primeira versã, send reestruturada para an de 2015, cnfrme anex 01. Critéris da Avaliaçã A avaliaçã fi dividida em sete critéris, send eles: Alimentaçã esclar Cardápi Mensal avaliar a cmpsiçã e a frequência ds gêners alimentícis. Qualidade das refeições avaliar s aspects sensriais ds aliments, send eles: gustativ, lfativ e visual. Qualidade ds gêners Alimentícis (aliments in natura) avaliar a qualidade ds prduts antes de sfrerem manipulaçã, inclusive carnes e hrtifrutis. Quantidade das refeições servidas avaliar se a merenda slicitada está de acrd cm a demanda da escla e se prcinament está crret. Armazenament ds gêners alimentícis verificar a dispsiçã ds aliments armazenads nas prateleiras, refrigeradres e cngeladres. 3

4 Equipaments Dispnibilidade ds equipaments verificar a presença de equipaments e se a quantidade está de acrd cm a demanda da escla. Qualidade ds equipaments verificar estad de cnservaçã e cndições de us. Higiene ds equipaments verificar a limpeza. Abasteciment de gás - verificar as cndições d equipament e se está suficiente. Utensílis Dispnibilidade ds utensílis verificar a presença de utensílis e se a quantidade está de acrd cm a demanda da escla. Qualidade ds utensílis verificar estad de cnservaçã e cndições de us. Higiene ds utensílis verificar a limpeza. Armazenament ds utensílis - verificar as cndições de armazenament ds utensílis. Prduts de limpeza Dispnibilidade ds prduts de limpeza verificar us e se a quantidade está de acrd cm a demanda da escla. Qualidade ds prduts de limpeza verificar a qualidade d material de limpeza. Armazenament ds prduts de limpeza - verificar as cndições de armazenament ds prduts, send que estes devem ser separads ds gêners alimentícis. Czinha/Estque Estrutura da czinha avaliar a estrutura da czinha, incluind piss, paredes, tets, encanaments, eletricidade e se a espaç físic atende a demanda da escla. 4

5 Organizaçã da czinha Verificar se a czinha está rganizada (livre de bjets estranhs, em desus u fcs de cntaminaçã). Limpeza da Czinha - verificar se ambiente geral apresenta-se limp. Estrutura d estque avaliar a estrutura d estque, incluind piss, paredes, tets, prateleiras, eletricidade entre utrs. Organizaçã d estque - verificar se estque está rganizad, que inclui : aliments nã incidam sbre chã, separads pr gêners, cm data de validade visível, respeitar sempre primeir que vence/primeir que sai, entre utrs. Para aliments refrigerads devese dar atençã à temperatura das geladeiras e cngeladres e seu cndicinament. Limpeza d estque verificar se estque apresenta-se limp. Serviçs Funcináris avaliar a assiduidade, cmprmetiment e atendiment as aluns. Higiene pessal verificar ausência de adrns, unhas aparadas e sem esmalte, us de tuca para prteçã ds cabels, lavagem das mãs, ausência de feriments nas mãs entre utrs. Unifrme e EPIs verificar se s unifrmes estã cmplets e suas as cndições de us. Os Equipaments de Prteçã Individual (EPIs) englbam: sapats fechads antiderrapantes, luvas de brracha para a lavagem ds utensílis e luvas térmicas, que diminuem s riscs de acidentes de trabalh. Qualidade ds serviçs avaliar s serviçs prestads pela empresa terceirizada em tdas as suas etapas de prduçã até prdut final. Cndições higiênicas n transprte de aliments (Ht Bx) verificar as cndições de us e higiene ds ht bx. Os itens descrits acima sã classificads cm ótim (100 pnts), bm (75 pnts), regular (50 pnts), ruim (25 pnts) e péssim (0 pnts). A pntuaçã de cada critéri é btida pela relaçã entre a qualidade avaliada de cada item e d ttal de itens avaliads. A pntuaçã final cnsiste na média btida entre s sete critéris. 5

6 1.2. Avaliaçã ds Aluns A avaliaçã da alimentaçã esclar realizada cm s aluns visa cntribuir para cnheciment da aceitaçã da merenda, assim cm s reais mtivs da adesã e a qualidade d serviç prestad. As avaliações englbam a avaliaçã geral e a avaliaçã realizada pr escala hedônica, pr preparaçã, ambas cm peridicidade de seis meses. Na avaliaçã geral (anex 2) s aluns respnderã perguntas referentes à merenda esclar, frequência de cnsum, que mais gsta, que mens gsta, que acha da alimentaçã ferecida na escla, assim cm perguntas sbre us da cantina e de aliments trazids de casa. A avaliaçã realizada pr escala hedônica será feita esclhend dias específics de uma preparaçã. Após cnsum da merenda teste é realizad. A escala é preenchida de acrd cm a preparaçã, na qual s aluns classificam cm detestei, nã gstei, indiferente, gstei e adrei, além d que mais gstu e mens gstu. 2. CONTROLE DOS COMENSAIS O Departament de Alimentaçã e Assistência a Alun (DAAA) através d Centr de Supervisã e Cntrle d Prgrama de Alimentaçã Esclar (CEPAE) determinu, através de cmunicad 23/2014, que fssem realizadas mensalmente cntrle de cmensais. Dessa maneira, a direçã esclar deverá entregar td mês a Planilha de Cmensais (anex 3) as Cuidads de Aline u Maurici na Diretria de Ensin u digitalizada e assinada pela direçã e enviada para n primeir dia útil d mês subsequente a levantament realizad. Segue abaix as datas previstas para entrega da planilha ds cmensais durante s meses de 2015: Fevereir 02/03 Març 01/04 Abril 04/05 Mai 01/06 Junh 01/07 Agst 01/09 Setembr 01/10 6

7 Outubr 03/11 Nvembr 01/12 Dezembr 04/01/ EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS 3.1 Equipaments Os equipaments necessáris para as czinhas esclares sã: fgã, refrigeradr, cngeladr, liquidificadr industrial e picadr de legumes. Abaix, as tabelas detalham a quantidade de equipaments pr númer de salas das esclas. Tabela 01 - Quantidade necessária de refrigeradres e cngeladres para a alimentaçã esclar Ensin Nº de Salas Refrigeradr 02 prtas (cap. Mín. 540 L) Refrigeradr 04 prtas (Cap. Mín 1000 L) Refrigeradr Cmbinad Frst Free (Cap. Mín. 260 a 320 L) Cngeladr Hrizntal "freezer" (250 a 360l) EF I EF II EF II + EM EM 4 a 7 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 8 a 11 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 12 a 15 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 4 a 7 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 8 a 11 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 12 a 15 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 4 a 7 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 8 a 11 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 12 a 15 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 4 a 7 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 8 a 11 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade 12 a 15 1 cnfrme "prjet" cnfrme necessidade * Cnfrme "prjet" cnfrme necessidade e prjets da pasta. * Cnfrme necessidade - se refere a czinhas que sejam preparadas as refeições, prtant haverá estque de perecíveis cngelads. 7

8 Tabela 02 - Quantidade necessária de fgã, frn e kit gás para a alimentaçã esclar Ensin EF I EF II EF II + EM EM Nº de Salas Fgã Industrial 4 bcas cm frn Fgã Industrial 6 bcas cm frn Frn Kit Gás cm 4 u 6 cilindrs 4 a 7 1 cnfrme "prjet" 1 8 a 11 1 cnfrme "prjet" 1 12 a 15 1 cnfrme "prjet" 1 4 a 7 1 cnfrme "prjet" 1 8 a 11 1 cnfrme "prjet" 1 12 a 15 1 cnfrme "prjet" 1 4 a 7 1 cnfrme "prjet" 1 8 a 11 1 cnfrme "prjet" 1 12 a 15 1 cnfrme "prjet" 1 4 a 7 1 cnfrme "prjet" 1 8 a 11 1 cnfrme "prjet" 1 12 a 15 1 cnfrme "prjet" 1 Tabela 03 - Quantidade necessária de carr auxiliar, liquidificadr, picadr de legumes e batedeira para a alimentaçã esclar. Ensin EF I EF II EF II + EM EM Nº de Salas Carr Auxiliar (2 api) Liquidificadr Industrial (8 litrs) Picadr de Legumes Batedeira 4 a cnfrme "prjet" 8 a cnfrme "prjet" 12 a cnfrme "prjet" 4 a cnfrme "prjet" 8 a cnfrme "prjet" 12 a cnfrme "prjet" 4 a cnfrme "prjet" 8 a cnfrme "prjet" 12 a cnfrme "prjet" 4 a cnfrme "prjet" 8 a cnfrme "prjet" 12 a cnfrme "prjet" Além de verificar a quantidade de equipaments, é necessári acmpanhar a sua manutençã, seu estad de cnservaçã e funcinament. Em se tratand de inservíveis, dar a baixa patrimnial. 8

9 Os pedids de equipaments deverã ser realizads pr mei de fíci e entregues n NAD, as cuidads de Lisângela, uma cópia d fíci deverá ser entregue as cuidads de Aline u Mauríci u via para Balcã Térmic O us d balcã térmic crre em algumas esclas, send elas de ensin integral u regular, ns mdels fix u móvel. Este equipament demanda cuidads de manutençã e de higienizaçã. Segue abaix alguns cuidads para us d balcã térmic. Cuidads Diáris: Nunca ligar equipament sem antes supri-l cm água; Regular termstat entre 80 e 90 C, deixand a água aquecer pr 1h antes de clcar as cubas; Trcar a água diariamente; A limpeza deve ser feita cm balcã térmic desligad, inclusive da tmada; Utilizar smente detergente u sabã neutr, além de espnja macia; Nunca utilizar bjets pntiaguds e espnjas de aç. Imprtante ressaltar que temperaturas inferires a 74 C pdem prvcar a multiplicaçã micrbiana. Manutençã: A Escla deve slicitar cnsert d equipament diretamente à Diretria Reginal de Ensin, em cass que balcã nã esteja em funcinament. Para iss, a unidade esclar deverá apresentar três rçaments cm prestadres de serviç lcal. Manutenções preventivas u repsiçã de peças que nã impeçam funcinament d balcã deverã ser realizadas cm verba própria da escla. Remanejament: A gestã da unidade esclar respnsável pel balcã deverá infrmar a Diretria de Ensin (Aline u Mauríci) sbre qualquer mudança de endereç u remanejament d balcã. O atestad de remanejament encntra-se n anex 04. 9

10 Especificaçã elétrica para instalaçã d Balcã Térmic Tmada elétrica exclusiva para us d balcã térmic; Mdel cm 02 (duas) resistências de 2200 KW cada; 220 vlts. Expsiçã de Aliments Os aliments expsts para cnsum imediat devem estar prtegids cntra peiras, insets e utras pragas urbanas, e cntra cntaminantes riunds ds cnsumidres, tais cm gtículas de saliva e fis de cabel, e também, distantes de saneantes, prduts de higiene e demais prduts tóxics. Os aliments expsts para cnsum imediat devem bedecer as critéris de temps x temperaturas, apresentads na tabela a seguir. Os aliments que nã bservarem esses critéris devem ser desprezads. Tip de preparaçã Aliments quentes Aliments fris Temperatura em ºC Temp de expsiçã em (n centr gemétric)* hras Mínima de 60 Máxim 6 Abaix de 60 Máxim 1 Até 10 Máxim 4 Entre 10 e 21 Máxim 2 Para garantir que aliment fique a 60ºC, a temperatura d termstat d balcã deverá estar n mínim a 80ºC. A água d balcã térmic deve ser trcada diariamente e mantida a temperatura de itenta a nventa graus Celsius. Esta temperatura deve ser aferida durante temp de distribuiçã Utensílis Os utensílis necessáris na czinha esclar incluem: talheres, prats, canecas, bacias, balde, caçarlas, caldeirã, escrredr de prat, escrredr de macarrã, cncha, escumadeiras, panelas, facas, frigideiras, jarra graduada, lixeira, luva de silicne, tuca de prteçã para cabels, tábuas de carne entre utrs. 10

11 As tabelas abaix cnstam s equipaments necessáris para a merenda de acrd cm mair númer de matriculads pr períd. Tabela 01 - Quantidade de utensílis de acrd cm númer de aluns matriculads pr períd Nº de Aluns na U.E./Turn Base para cálcul Abridr de Latas Dméstic Assadeira Grande 7,5 L Assadeira Média Avental de Frente Bacia Média 22 L Bacia Pequena 14 L Balde 28 L Tabela 02 - Quantidade de utensílis de acrd cm númer de aluns matriculads pr períd Nº de Aluns na U.E./Turn Base para cálcul Caçarla 17 L Caçarla 20 L Caçarla 41 L Caldeirã 18 L Caldeirã 38l Caneca Plástica Canecã u Fervedr

12 Tabela 03 - Quantidade de utensílis de acrd cm númer de aluns matriculads pr períd Nº de Aluns na U.E./Turn Base para cálcul Clher Pliamida Grande Clher Pliamida Pequena Cncha Grande Escrredr de Macarrã Grande Escrredr de Macarrã Pequen Escrredr Industrial (18 prats) Tabela 04 - Quantidade de utensílis de acrd cm númer de aluns matriculads pr períd Nº de Aluns na U.E./Turn Base para cálcul Escumadeira Grande Escumadeira Pequena Faca de crte 6" Faca de Crte 9" Faca de Pã 8" Frigideira Industrial Jarra Graduada 3 L

13 Tabela 05 - Quantidade de utensílis de acrd cm númer de aluns matriculads pr períd Nº de Aluns na U.E./Turn Base para cálcul Kit Clher Kit Garf Kit Faca Lixeira cm Tampa Luva de Silicne Luva Térmica Pá de Caldeirã Tabela 06 - Quantidade de utensílis de acrd cm númer de aluns matriculads pr períd Nº de Aluns na U.E./Turn Base para cálcul Panela de Pressã 12 L Panela de Pressã 20 L Pan de Prat Peneira Grande Prat de Vidr Tábua de Crte Tigela Plástica Tuca para Cabel Além de verificar a quantidade ds utensílis, é necessári acmpanhar a sua manutençã e seu estad de cnservaçã. Os pedids de utensílis deverã ser realizads pr mei de fíci e entregues n NAD, as cuidads de Lisângela, uma cópia d fíci deverá ser entregue as cuidads de Aline u Mauríci u via para 13

14 4. PROGRAMAS 4.1. Prgrama Sirva-se O prgrama de alimentaçã esclar Sirva-se insere-se n camp das plíticas públicas que visam desenvlviment de práticas saudáveis de vida, de segurança alimentar e nutricinal. Nesse cntext, a utilizaçã d balcã térmic visa prprcinar a educaçã nutricinal e cnsequente frmaçã de hábits alimentares saudáveis as aluns, além de, paralelamente, cntribuir cm desenvlviment de cnduta relativa à ba cidadania, tais cm: manter-se em fila; servir-se autnmamente, avaliarem suas próprias necessidades, evitar desperdícis e respeitar as nrmas lcais. Cm relaçã à segurança alimentar balcã térmic mantêm aquecidas as refeições na temperatura ideal, que evita cntaminaçã micrbiana. Objetivs Gerais: Trnar a alimentaçã servida as aluns mais atrativa. Educar alun sb s aspects higiênics, nutricinais, de cidadania e scializaçã. Objetivs Específics: Reduzir risc de cntaminaçã pr micrrganisms, uma vez que a temperatura d balcã deverá ser mantida n nível de segurança (acima de 80º C). Educar s aluns quant à imprtância da alimentaçã balanceada. Cnscientizar alun e educá-l a evitar desperdíci de aliments. Orientar s aluns quant à pstura e respeit a próxim n mment da refeiçã. Prpiciar desempenh de utras atividades pel preparadr de merenda n mment da distribuiçã, vist que mesm nã necessitará servir as refeições as aluns. Adesã a Prgrama A unidade esclar que manifestar interesse em aderir a Prgrama Sirva-se deverá entrar em cntat cm a Diretria de Ensin (Aline/Mauríci), slicitand s dcuments necessáris para a adesã. 14

15 Respnsabilidades Abaix, segue mdel da planilha cm as respnsabilidades da unidade esclar. A. Respnsabilidade da Unidade Esclar Prvidências Prévias 1 Lcal definid e rganizad Tdas as cndições deste item fram cumpridas? Sim Nã Praz previst para cnclusã 2 Instalaçã elétrica cncluída, em cnfrmidade cm as especificações da FDE. 3 Plan para Aplicaçã de Atividade Extracurricular Preparaçã de aluns para garantir sucess na utilizaçã d balcã, pr mei de atividade lud pedagógica, que abrde s seguintes temas: - A imprtância da higiene n cntext scial (Exempl: lavar as mãs, prender s cabels; nã falar próxim as aliments; nã debruçar crp sbre a cuba;dbrar mangas de blusas, se necessári). - Nções de cidadania e respeit a próxim Exempl: disciplinar-se em fila; servir-se smente d aliment necessári, nã empurrar u fazer brincadeiras que atrapalhem, atrasem utrs. Clegas u pssam causar acidentes. Praz Previst para entrega d Plan de açã a DAAA/CEPAE 60 DIAS - Auxíli na rganizaçã d ambiente (Exempl: nde e cm devlver prat talheres e bandejas após as refeições; jgar lix n cest). Praz para aplicaçã: até 15 dias antes d us d balcã. 4 Manter expsiçã de banner n refeitóri e distribuir flders d Prgrama Sirva-se 5 Emitir relatóri semestral padrnizad para DAAA-CEPAE. Para preenchê-l será necessári acmpanhar alguns dads diariamente, tais cm: indicadr de desperdíci, temperatura d termstat, dentre utrs. Será distribuíd em breve. Anualmente, em junh e dezembr Para et.sp.gv.br 15

16 B. Respnsabilidade d DAAA CEPAE. Prvidências Prévias 1 Capacitaçã sbre us e cnservaçã d balcã térmic, direcinad a(a): Diretr(a) e Vice-Diretr(a), Supervisr(a), Crdenadr(a) Pedagógic e Preparadres de Merenda. 2 Entrega de 1 balcã térmic e 1 carrinh para transprte de cuba n endereç mencinad. 3 Visita técnica para verificaçã geral d us d balcã térmic, pels aluns e pels preparadres de Merenda. Praz Previst Agendament de data n recebiment d term de Adesã. CEQUI 60 dias após inici d us d balcã térmic Prgrama Mais Educaçã O Prgrama Mais Educaçã é uma estratégia d gvern federal para a prmçã da educaçã integral em jrnada ampliada n Brasil. A jrnada esclar terá duraçã de sete hras diárias na escla para desenvlviment de atividades de acmpanhament pedagógic, experimentaçã e investigaçã científica, culturas, artes, esprte, lazer, digital entre utrs. Devid a temp de permanência n ambiente esclar, faz- se necessári as esclas estaduais que aderirem a prgrama, atender as refeições ds aluns, de acrd cm Prgrama Nacinal de Alimentaçã Esclar (PNAE). Para atender a alimentaçã ds esclares durante desenvlviment d prgrama, a equipe gestra da escla deverá enviar a relaçã d númer de aluns inscrits e hrári das refeições, cnfrme rientações passadas pels supervisres de ensin. A escla deverá rganizar-se para distribuir a merenda as aluns inscrits n prgrama. 5. SOLICITAÇÃO DE MERENDA 5.1. Cntat da Merenda ds Municípis Piracicaba: (19) u (19) s: e Saltinh: (19)

17 Águas de Sã Pedr: (19) s: Sã Pedr: (19) Santa Maria da Serra: (19) Charqueada: (19) Slicitaçã e Alteraçã de Merenda (Cntat Imediat): Para slicitar a diminuiçã d prepar da merenda, n dia, devid a baixa frequência ds aluns, e utr mtiv, u aument/cmplement d prepar da merenda, n dia, devid a quantidade insuficiente da merenda/utr mtiv, entrar em cntat diretamente cm municípi pr telefne. (Avis cm 24hrs): Para slicitar cancelament u alterações na quantidade da merenda, devid a feriads, recesss u utrs events e atividades, cm cnheciment prévi, entrar em cntat cm municípi através de , cm cpia para 5.3. Prblemas e Reclamações (Cntat Imediat): Prblemas emergenciais de qualquer natureza que envlva assunts cm: falta e atras de merendeira, substituiçã de merendeira, merendeiras sem identificaçã e /u unifrmizaçã, atras u entrega indevida da refeiçã deverá entrar em cntat telefônic cm municípi. (Nã emergenciais): prblemas u reclamações nã discriminads n item anterir deverã ser encaminhads para a Diretria de Ensin de Piracicaba através d u pr fici. Observaçã: municípis cm merenda terceirizada, s prblemas de qualquer rdem nã devem ser tratads diretamente cm s respnsáveis pela empresa prestadra de serviç. 17

18 6. DIETA ESPECIAL O atendiment nutricinal na alimentaçã esclar visa prmver hábits alimentares saudáveis, zelar pela preservaçã, prmçã e recuperaçã da saúde. Neste cas deve-se dar atençã as aluns cm restrições e alterações n plan alimentar, send cass de denças célicas, intlerância a lactse, alergias alimentares, diabetes mellitus, hipertensã, dislipidemias, alteraçã na glândula tireide, entre utras. A Lei federal nº /14 determina que as esclas públicas fereçam merenda esclar para aluns cm restrições alimentares e para aqueles que precisam de uma refeiçã especial. Send assim, a Secretaria da Educaçã d Estad de Sã Paul, através d Departament de Alimentaçã e Assistência a Alun determinu prcediments para atender esclares cm esta necessidade. Segue abaix a descriçã para a inclusã ds aluns cm restrições alimentares: A escla deve primeiramente identificar s aluns e slicitar as pais laud médic e /u nutricinal juntamente cm preenchiment da Ficha de Saúde (anex 05). Obs: O laud médic e nutricinal deverá cnstar a patlgia, sua descriçã, tip de dieta e s aliments que devem ser excluíds da alimentaçã d esclar. A escla deverá encaminhar a Ficha de Saúde e Atestad médic/ nutricinal para a Diretria de Ensin de Piracicaba, as cuidads da nutricinista, que fará s prcediments adequads. 7. COLETA DE AMOSTRAS O Departament de Alimentaçã e Assistência a Alun (DAAA) através d Centr de Supervisã e Cntrle d Prgrama de Alimentaçã Esclar (CEPAE) determinu, através de cmunicad 26/2014, que esclas brigatriamente realizem a cleta de amstras de aliments. A cleta de amstra tem pr bjetiv esclarecer crrências de surts de txinfecções alimentares. Prtant esta deve ser realizada diariamente, abrangend tds s aliments ferecids na merenda esclar. As esclas estaduais ds municípis que nã pssuem terceirizaçã (Sã Pedr, Águas de Sã Pedr, Santa Maria da Serra, Saltinh e Charqueada) deverã 18

19 adquirir, pr verba própria, sac plástic para amstra de aliments (medida 12 x 30 u 15 x 35) e deverã rientar s clabradres cnfrme metdlgia abaix: 1. Identificar s sacs de amstra cm infrmações: nme da escla, nme d aliment, data da cleta, hrári e nme d respnsável pela cleta. 2. Realizar a higienizaçã das mãs. 3. Crtar a extremidade superir ds sacs cm tesura u faca esterilizada; 4. Abrir a embalagem u sac sem sprá-l e sem tcá-l internamente. 5. Cletar a amstra de aliment (mínim de 100 gramas), preferencialmente cm mesm utensíli utilizada para distribuir. 6. Retirar ar e fechar a embalagem cm um nó firme e de frma que a identificaçã ds dads nã seja prejudicada. 7. Temperatura e temp da guarda de amstras Aliments líquids devem ser guardads em geladeira (Maxim 4ºC); Aliments sólids devem ser guardads em freezer até n máxim pr -18ºC. AS AMOSTRAS DEVEM SER ARMAZENADAS POR 72 HORAS (3 DIAS) E DEPOIS DEVERÃO SER DESCARTADAS. As esclas ds municípis que pssuem terceirizaçã deverã acmpanhar se vem send realizada a cleta de amstra. 8. VISITAS TÉCNICAS As vistas técnicas serã realizadas pela nutricinista da Diretria de Ensin de Piracicaba, que irá acmpanhar cardápi, verificar a aceitaçã, a preparaçã e suas etapas de qualidade, verificar as cnfrmidades d serviç em tdas as etapas de prduçã e analisar a parte estrutural da czinha. Tdas as nã cnfrmidades da estrutura física da czinha serã repassadas a equipe gestra da escla. Já a parte de mã de bra, cardápis, aceitaçã em geral será repassada a municípi, cm a finalidade de aprimrar serviç de alimentaçã esclar. 19

20 9. HIGIENIZAÇÃO E SANITIZAÇÃO A Secretaria da Educaçã d Estad de Sã Paul (SEE) slicita que a desratizaçã, desintetizaçã, limpeza da caixa de água e limpeza ds filtrs de água, seja realizad a cada seis meses, preferencialmente durante recess esclar. Para realizaçã ds serviçs acima, a equipe gestra da unidade esclar deverá cntratar empresa especializada em serviçs de sanitizaçã e que atenda as especificações da Agencia Nacinal de Vigilância Sanitária (ANVISA). Após a realizaçã d serviç, a equipe gestra deverá slicitar um cmprvante que descreva s prcediments adtads, s prduts químics utilizads e a data de validade d serviç. O certificad deverá ser guardad na escla, cm uma cópia na czinha e utra encaminhada para a Diretria de Ensin n u entregue as cuidads de Aline u Mauríci. 10. OBRAS / ESTRUTURA DA COZINHA O Departament de Alimentaçã e Assistência a Alun (DAAA) através d Centr de Supervisã e Cntrle d Prgrama de Alimentaçã Esclar (CEPAE) determinu prcediments para adequaçã da estrutura e instalações para a czinha e estque. Seguem abaix s serviçs necessáris: Instalaçã u manutençã de tela de malha fina em tdas as janelas e frestas da czinha e/u despensa a fim de impedir a entrada de vetres (insets e redres). Instalaçã u manutençã de tela de malha fina ns exaustres a fim de impedir a entrada de vetres (insets e redres), cas a escla s pssua. Instalaçã u manutençã da tela de malha fina em balcã de distribuiçã, cas huver na escla, u manter mesm fechad quand nã estiver send feita a distribuiçã, a fim de impedir a entrada de vetres (insets e redres). Instalaçã u manutençã da brracha vedante na parte inferir das prtas e demais entradas (ex. prta de enrlar, basculantes e utrs) que dã acess a czinha e/u despensa, cm a finalidade de impedir acess de insets e redres. Instalaçã u manutençã de rals cm dispsitiv de fechament, a fim de evitar a cntaminaçã n ambiente de trabalh. 20

21 Instalaçã u manutençã de fechament autmátic (mla u similar) de tdas as prtas da czinha e/u despensa, a fim de evitar acess de insets. Instalaçã u manutençã de prteções nas luminárias da czinha e/u despensa, a fim de evitar explsões e quedas acidentais das lâmpadas. Manutençã das lâmpadas queimadas e/u cm defeit na czinha e despensa, para evitar acidentes de trabalh. Instalaçã u manutençã de lixeiras cm pedal, a fim de evitar cntat das preparadras cm a tampa das lixeiras. Verificar se pis da czinha e/u despensa está adequad (impermeável, resistente, lavável, antiderrapante e íntegr, sem trincas, vazament e infiltrações) e em bm estad de cnservaçã. Verificar se s azulejs, paredes u tet da czinha e/u despensa estã em bm estad de cnservaçã (ausentes de rachaduras, buracs, umidade, trincas u a falta de azulejs). Verificar se a czinha e/u despensa pssui ventilaçã adequada e ausente de ventiladres. Verificar se as pias da czinha encntram-se adequadas (ausentes de rachaduras, vazaments, acumul de água u pssua vazã insuficiente); Verificar se s encanaments da czinha estã adequads (ausentes de vazaments). Verificar se as instalações elétricas da czinha e/u despensa estã adequadas (ausentes de fiaçã expsta u fis slts de canaletas). Verificar se a rede de gás encntra-se adequada (ausente de vazament), instalada externamente a czinha e pssui mangueira de malha de aç. Verificar se s prduts estcads sã armazenads em despensa própria. Verificar se as prateleiras e estrads da despensa estã adequads (cnstituídas de material lis e impermeável, ausente de dans físics: ferrugem, umidade, rachadura, falta de azulejs, buracs), a fim de evitar acess de insets e redres, acidentes de trabalh e cntaminaçã ds gêners. As indicações elencadas acima deverã ser custeadas cm recurss existes na escla. As eventuais intervenções que exijam serviçs de engenharia deverã ser encaminhadas a Núcle de Obras e Manutençã (NOM), através de fici cm ft, para a abertura de Pedid de Intervençã (PI) junt a FDE. 21

22 11. JORNAL NUTRIINFORMATIVO O Departament de Alimentaçã e Assistência a Alun (DAAA), bimestralmente, elabra um jrnal denminad Nutriinfrmativ. O jrnal será enviad pr rede e deverá ser divulgad nas esclas, fixand-s nas salas de aulas, próxim a czinha u mural. 22

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP

REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP REGRAS PARA USO DE RECURSOS PROAP/CAP I - AJUDA DE CUSTO A ALUNOS DE DOUTORADO DA CAP, PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS INTERNACIONAIS FORA DO PAÍS Eligibilidade Aluns de dutrad da CAP que preencham,

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS DISCIPLINA: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS DISCIPLINA: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS DISCIPLINA: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM As Práticas Educativas serã realizadas em hráris pré-determinads n períd

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais

INFORMATIVO. Assunto: Informações sobre o Programa Banda Larga nas Escolas, listagem de previsão de instalação do 2 o trimestre de 2010.

INFORMATIVO. Assunto: Informações sobre o Programa Banda Larga nas Escolas, listagem de previsão de instalação do 2 o trimestre de 2010. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Esplanada ds Ministéris, Blc L, Ed. Sede, 1º andar, Sala 119 Asa Nrte Brasília/DF - CEP: 70047-900 INFORMATIVO Brasília, 02 de març de 2010. Assunt:

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 8835-40 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: (47) 32-6000

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções Kit Estrgnfe ABN-AB-ABK-ABL METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

Regulamento interno. Constituição da equipa pedagógica: Em Campo, Animação Turística Unipessoal, Lda. Entidade Promotora e Organizadora:

Regulamento interno. Constituição da equipa pedagógica: Em Campo, Animação Turística Unipessoal, Lda. Entidade Promotora e Organizadora: Regulament intern A Em Camp pera cm a marca MyCamp e é uma entidade que prmve e rganiza prgramas para crianças, nmeadamente camps de férias, estadias e circuits temátics. Realizams atividades destinadas

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE, CULTURA E LAZER DEPARTAMENTO DE ESPORTE E LAZER

PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE, CULTURA E LAZER DEPARTAMENTO DE ESPORTE E LAZER PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE, CULTURA E LAZER DEPARTAMENTO DE ESPORTE E LAZER CAMPEONATO MUNICIPAL ESTUDANTIL DE FUTEBOL DE CAMPO BOM DE BOLA, BOM NA ESCOLA. 2008

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL REGULAMENTO BIBLIOTECA FACULDADE IPEL Regulament Bibliteca FACULDADE IPEL Pus Alegre/MG 2014 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESTE REGULAMENTO TEM POR OBJETIVO ESTABELECER NORMAS REFERENTES AO FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

OF. CIRCULAR GS Nº 01/2012 Assunto: PRIMEIRO DIA DE AULA - ANO LETIVO 2012 São Paulo, 23 de janeiro de 2012.

OF. CIRCULAR GS Nº 01/2012 Assunto: PRIMEIRO DIA DE AULA - ANO LETIVO 2012 São Paulo, 23 de janeiro de 2012. Praça da República, 53 - Centr SP SP CEP: 01045-903 Fne (11) 3218-2000 OF. CIRCULAR GS Nº 01/2012 Assunt: PRIMEIRO DIA DE AULA - ANO LETIVO 2012 Sã Paul, 23 de janeir de 2012. Senhres(as) Dirigentes e

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926.

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926. O PREÇO ALIADO À QUALIDADE O PREÇO ALIADO À QUALIDADE Manual de Instruções Liquidificadr Industrial de ALTO RENDIMENTO O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr:

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 00 Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 01 TERMOS DE USO DO ECOSELO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DESTE DOCUMENTO: Irineu Antni Brrasca Presidente d CETEC

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões Artig 13 Cm mntar um Lava Jat para Caminhões O lava jat para caminhões tem cm diferencial atender veículs grandes e mercad específic, pis já está estabelecid nich de mercad. O sucess para este empreendiment

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL 1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL A 1 Crrida Nturna Unimed Cascavel é uma nva prpsta de lazer, diversã, prmçã da saúde e da qualidade de vida ds mradres de Cascavel e Regiã. O event é cmpst pr crrida,

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Para a sua Casa Para a sua Casa A Shamah sabe a dificuldade que s clientes têm em arrumar uma empresa de cnfiança para slucinar a manutençã da sua casa, sabems a dificuldade de hráris que nsss clientes

Leia mais

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO O cadastrament, previst ns editais de Vestibular da UFCG, é um mecanism para garantir a timizaçã das chamadas ds candidats para a matrícula. Esse é um mecanism imprtantíssim

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

INFLUENZA A H1N1 PREVENÇÃO E PRECAUÇÃO

INFLUENZA A H1N1 PREVENÇÃO E PRECAUÇÃO Universidade de Caxias d Sul Cmitê de Prevençã da Gripe INFLUENZA A H1N1 PREVENÇÃO E PRECAUÇÃO Orientações para aluns, prfessres e funcináris. Caxias d Sul, 14 de agst de 2009. INFLUENZA A H1N1 - PREVENÇÃO

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centr de Referência: Universidade Federal d Ri Grande d Nrte Edital para Seleçã de Preceptres de internat, estágis e residência em saúde. EDITAL 01/2015 A Universidade Federal d Ri Grande d Nrte, pr mei

Leia mais

Instruções para as apresentações científicas

Instruções para as apresentações científicas Instruções para as apresentações científicas As apresentações pderã ser realizadas na frma de PÔSTER u ORAL, dentr das especialidades dntlógicas: Ciências Básicas, Estmatlgia/Radilgia/Patlgia, Cirurgia,

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

REGULAMENTO 2015 BOLSA DE ESTUDO PARA COREIA DO SUL DENTRO DO MARCO DE COOPERAÇÃO ENTRE AS CIDADES DE SÃO PAULO E SEUL

REGULAMENTO 2015 BOLSA DE ESTUDO PARA COREIA DO SUL DENTRO DO MARCO DE COOPERAÇÃO ENTRE AS CIDADES DE SÃO PAULO E SEUL REGULAMENTO 2015 BOLSA DE ESTUDO PARA COREIA DO SUL DENTRO DO MARCO DE COOPERAÇÃO ENTRE AS CIDADES DE SÃO PAULO E SEUL SECRETARIA MUNICIPAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E FEDERATIVAS DA PREFEITURA DE SÃO

Leia mais