GUIA DO ESTABELECIMENTO Segurança Sanitária CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES SOBRE ESTE GUIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DO ESTABELECIMENTO Segurança Sanitária CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES SOBRE ESTE GUIA"

Transcrição

1 CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES SOBRE ESTE GUIA A elaboração deste guia é fruto da solicitação de diversos Estabelecimentos que necessitam contar com fornecedores de produtos e serviços para as suas demandas operacionais. Assim, baseada em experiências pontuais e satisfatórias de alguns Clientes, a NUTHS disponibiliza a você os telefones de contato de algumas empresas e profissionais que têm se mostrado eficientes no que se propõem. Todavia, não temos interesses comerciais, bem como, não nos responsabilizamos pela satisfação, cumprimento de prazos, negociações ou quaisquer outros aspectos advindos da contratação dos mesmos. Com o objetivo de auxiliar na organização dos documentos de cunho sanitário que são necessários para manter a regularidade junto aos órgãos reguladores, bem como no encaminhamento dos mesmos nos processos de requisição de registros, licenças e alvarás, informamos nesta publicação alguns passos para o processo de protocolo junto aos entes públicos pertinentes. Como mencionado, não nos responsabilizamos por eventuais mudanças nos procedimentos requeridos pelas referidas instituições, haja vista que novos procedimentos e requisitos são exigidos continuamente, sem prévio aviso. GUIA NUTHS (sumário rápido) Sobre a NUTHS (pág. 2) Atuação da NUTHS (págs. 3 a 10) Informações sobre Documentos Legais (págs. 11 a 25) Órgãos Públicos (págs. 26 a 29) Dicas de Fornecedores (págs. 30 a 42) Este Guia foi elaborado com páginas no formato A5. Ideal para a impressão com a configuração de 2 páginas por folha A4, no formato paisagem. Para informações atualizadas, entre em contato conosco: nuths.com.br NUTHS Muito mais saúde para o seu Estabelecimento! Página 1 de 43

2 A NUTHS A NUTHS, pioneira e líder no segmento de assessoria em Segurança Sanitária, ao longo dos seus mais de 15 anos de atuação, tem contribuído com a sociedade na conscientização, implantação e manutenção dos aspectos normativos e das boas práticas voltados aos processos produtivos dos Estabelecimentos envolvidos na prestação dos mais diversos serviços que impactam na saúde da população. Partindo de uma proposta de acompanhamento integral, contribuímos com o meio empresarial e com suas equipes na adoção de elevados padrões de qualidade e melhoria contínua em suas atividades diárias, agregando valor e diferenciais que colaboram no sucesso dos empreendimentos. Hoje, o Cliente NUTHS é considerado pelo mercado como uma empresa mais consciente e que se esforça em melhor atender os consumidores e capacitar continuamente os seus recursos humanos. Isso é fruto do compromisso dos empresários e de seus quadros funcionais, bem como de um trabalho árduo e incansável da Equipe NUTHS de Consultoras graduadas, que reúne profissionais maduras, com formação acadêmica nas áreas de concentração do nosso segmento. Sentimo-nos recompensados por ver os resultados de todos esses esforços que envolvem primordialmente os cuidados com as pessoas nas ações, produtos, serviços, ambientes e eventos que envolvem número considerável de variáveis agressoras ou não agressoras à integridade humana que precisam ser devidamente controladas, mas que, com o foco adequado, garantem satisfação e experiências de consumo de elevado padrão. A nossa proposta é disponibilizar esses conceitos e esse trabalho conjunto à sua empresa, com a certeza de que essa parceria é importante a todos nós que queremos um mercado mais maduro e consciente do papel que desempenha junto à sociedade. Da mesma forma, queremos ensejar Estabelecimentos com melhor retorno sobre os investimentos e que estejam focados na fidelização dos consumidores e em ambientes mais propícios à segurança sanitária e ao bem estar de todos. Página 2 de 43

3 NOSSA ATUAÇÃO: SEGMENTOS ALIMENTÍCIOS Para as empresas voltadas à prestação de serviços alimentícios, colocamos à disposição a nossa larga experiência na assessoria técnica e operacional que envolve as seguintes atividades: 1. Levantamento da realidade sanitária do Estabelecimento, com a indicação de eventuais ações preventivas e corretivas imediatas. 2. Elaboração dos documentos técnicos-normativos relativos às atividades fins do Estabelecimento, atendendo os requisitos sanitários, alimentares e ambientais (Vigilância Sanitária, SEUMA e DECON/PROCON), dentre eles: Manual de Boas Práticas de Fabricação de Alimentos. Procedimentos Operacionais Padronizados (POP) com as planilhas de controle das atividades, incluindo o atendimento às normas sobre Veículos de Transporte de Alimentos do Estabelecimento. Ficha de Caracterização das Atividades dos Estabelecimento para a Requisição da Licença Ambiental. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS). Dispensa de Obrigatoriedade de Registro de Produtos Alimentícios. Fichas Técnicas de Produtos Alimentícios. Cálculo das Informações Nutricionais dos Alimentos, dentre outros. 3. Capacitação in loco da Equipe Operacional. 4. Acompanhamento Sanitário Continuado por meio de visitas técnicas periódicas ao Estabelecimento visando a implantação, manutenção e a melhoria contínua da operação e dos resultados, incluindo as seguintes áreas foco, dentre outras: Treinamento e Educação Continuada dos Trabalhadores. Checagem da conformidade e validade dos documentos e laudos sanitários. Análise contínua das áreas físicas, layouts e estado de conservação envolvidos na recepção e estocagem de matérias primas. pré-preparo, preparo, armazenamento e distribuição dos alimentos nos expositores e demais áreas do salão de atendimento. Orientação e checagem dos produtos advindos dos fornecedores no que se refere à embalagem das matérias primas, análise de rótulos e acondicionamento. Página 3 de 43

4 Orientação e checagem quanto aos procedimentos de manipulação, dentre eles: descongelamento, dessalgue, resfriamento e higienização (lavagem e desinfecção) dos vegetais. Orientações e checagem dos parâmetros de potabilidade da água. Orientação e acompanhamento quanto às medidas preventivas do controle integrado de pragas. Orientação e checagem do fluxo dos resíduos (reciclados e orgânicos). Auditoria técnica ao fornecedor de alimentos visando analisar a conformidade das matérias primas e produtos a serem adquiridos pelo Estabelecimento. Adequação de cardápios às normas do DECON e à Lei Estadual nº , de 20 de dezembro de 2011, que dispõe sobre a obrigatoriedade das informações em cardápio e cartazes do valor calórico dos alimentos e das refeições oferecidas ao consumidor. Implantação das boas práticas nutricionais buscando a redução da utilização de ingredientes que, em excesso, prejudiquem à saúde da população. Avaliação e consulta nutricional no Consultório NUTHS. Disponibilização das placas normativas obrigatórias para a orientação de procedimentos sanitários e das planilhas de controle exigidas pela VISA. SEGMENTOS EM FOCO Bares Barracas de Praia Brigaderias Buffets Cafeterias Casas de Show Churrascarias Confeitarias Creperias Dèlicatessens Fast Foods Food Trucks Galeterias Lanchonetes Lojas Dw Conveniências Mercadinhos Padarias Pastelarias Pizzarias Quiosques Restaurantes Sanduicherias Self-Services Sorveterias (não indústria) Sushi Bars Tapiocarias Temakerias Página 4 de 43

5 NOSSA ATUAÇÃO: SEGMENTOS DE SAÚDE, ESPORTE E ESTÉTICA Para as empresas voltadas à prestação de serviços nas áreas em referência, colocamos à disposição a nossa larga experiência na assessoria técnica e operacional que envolve as seguintes atividades com o foco na biossegurança: 1. Levantamento da realidade sanitária do Estabelecimento, com a indicação de eventuais ações preventivas e corretivas imediatas. 2. Elaboração dos documentos técnicos-normativos relativos às atividades fins do Estabelecimento, atendendo os requisitos sanitários e ambientais (Vigilância Sanitária, SEUMA e DECON/PROCON), dentre eles: Manual de Boas Práticas (caso disponha de refeitório/lanchonete). Procedimentos Operacionais Padronizados (POP) com as planilhas de controle das atividades. Ficha de Caracterização das Atividades dos Estabelecimento para a Requisição da Licença Ambiental. Plano de Gerenciamento de Resíduos dos Serviços de Saúde (PGRSS). 3. Capacitação in loco da Equipe Operacional. 4. Acompanhamento Sanitário Continuado por meio de visitas técnicas periódicas ao Estabelecimento visando a implantação, manutenção e a melhoria contínua da operação e dos resultados, incluindo as seguintes áreas foco, dentre outras: Treinamento e educação continuada dos colaboradores por área de atuação. Checagem dos exames (médicos e laboratoriais) e cartão de vacinação dos Trabalhadores, quando pertinente. Orientação e checagem da higiene e do estado das instalações físicas. Orientação e checagem da conservação, higienização, manutenção e segurança dos mobiliários, aparelhos e equipamentos fixos e auxiliares. Acompanhamento in loco do processamento dos equipamentos e utensílios: método, tempo, temperatura de exposição e acondicionamento. Página 5 de 43

6 Orientação e checagem da higiene e conservação de colchões, macas, divãs, revestimentos dos equipamentos e material de apoio. Análise contínua das áreas de recepção, estocagem, fracionamento, armazenamento de produtos envolvidos no atendimento aos consumidores e trabalhadores. Orientação e checagem dos produtos advindos dos fornecedores no que se refere à embalagem das matérias primas, análise de rótulos e acondicionamento. Orientação e checagem da limpeza, desinfecção e esterilização de artigos. Orientação e checagem relativo ao controle da higienização dos reservatórios da água e da sua potabilidade. Orientação e acompanhamento quanto às medidas preventivas do controle integrado de pragas. Orientação e checagem do fluxo e manejo dos resíduos (reciclados, biológicos, químicos e pérfurocortantes). Avaliação e consulta nutricional no Consultório NUTHS. Disponibilização de Lista de Fornecedores de equipamentos, utensílios, pisos, materiais de limpeza, fardamentos, EPIs, EPCs, exames e laudos técnicos com o objetivo de otimizar o tempo de procura de itens necessários à conformidade sanitária. Disponibilização das placas normativas obrigatórias para a orientação de procedimentos sanitários e das planilhas de controle exigidas pela VISA. SEGMENTOS EM FOCO Clínicas de Estética Clínicas de Tatuagem Clínicas e Consultórios Médicos Clínicas Odontológicas Clínicas Veterinárias Lavanderias Pet Shops Salões de Beleza Página 6 de 43

7 NOSSA ATUAÇÃO: SERVIÇOS NUTRICIONAIS Além dos serviços de elaboração de documentos e do acompanhamento sanitário continuado, disponibilizamos para nichos específicos, como escolas, creches, faculdades, refeitórios industriais, concessionárias de automóveis, empresas de transportes coletivos e supermercados, a implementação e manutenção de programas direcionados à Alimentação Saudável, que têm o propósito de conscientizar e reeducar a população quanto a hábitos alimentares que assegurem mais longevidade, qualidade de vida, prevenção de doenças crônicas e bem estar. PÚBLICO ALVO: CRIANÇAS/ADOLESCENTES Educação nutricional continuada com o apoio de visitas técnicas de nutricionistas às escolas, creches e instituições com abordagem lúdica, dinâmica, interativa e funcional dos alimentos. Implantação do Serviço de Nutrição nas escolas, compreendendo o dimensionamento e o layout dos espaços físicos, seleção dos mobiliários, equipamentos e utensílios, elaboração de fichas e registros de controle de avaliações nutricionais. Elaboração de cardápios adequados às necessidades e características do público alvo. Elaboração de informativos aos pais. Reuniões de sensibilização com os pais. Orientação e acompanhamento da produção das refeições previstas no cardápio. Avaliação e consulta nutricional no Consultório NUTHS. PÚBLICO ALVO: ADULTOS Palestras de sensibilização sobre os cuidados alimentares relativos à prevenção de doenças crônicas, como: obesidade, hipertensão e diabetes. Avaliação e consulta nutricionais. Elaboração de cardápios balanceados, lights, hipossódicos, hipolipídicos. Oficinas com receitas saudáveis. Orientação e acompanhamento da produção das refeições previstas no cardápio. Avaliação e consulta nutricional no Consultório NUTHS. Página 7 de 43

8 SEGMENTOS EM FOCO Associações Berçários Colônias de Férias Creches Empresas Escolas Hospitais Organizações Não-Governamentais (ONG) Poder Público Sindicatos NOSSA ATUAÇÃO: SEGMENTOS CORPORATIVOS Para redes empresariais próprias ou o mercado de franquias, empreendimentos de médio e grande portes, nacionais e multinacionais, a NUTHS oferece serviços voltados à segurança sanitária e ao atendimento dos requisitos exigidos pelas empresas matrizes e/ou franqueadoras que estabelecem parâmetros de qualidade específicos além daqueles já exigidos pelos órgãos reguladores municipais. Adicionalmente aos serviços de elaboração de documentos normativos e do acompanhamento sanitário, orientamos e checamos procedimentos especiais voltados à produção de alimentos, bem como aos cuidados estruturais e de manutenção dos padrões advindos dos protocolos de auditorias externas de franqueadores ou similares. Com os diversos pontos de vista e análise de uma equipe experiente e multidisciplinar, a NUTHS está habituada a orientar e checar ambientes de alta circulação de pessoas e de produção em larga escala, colaborando no amadurecimento de atributos como a previsibilidade e a conformidade contínua dos mais diversos requisitos eleitos como prioritários para empreendimentos de operações complexas. Disponibilização de Lista de Fornecedores de equipamentos, utensílios, pisos, materiais de limpeza, fardamentos, EPIs, EPCs, exames e laudos técnicos com o objetivo de otimizar o tempo de procura de itens necessários à conformidade sanitária. Disponibilização das placas normativas obrigatórias para a orientação de procedimentos sanitários e das planilhas de controle exigidas pela VISA. SEGMENTOS EM FOCO Aeroportos Clubes Distribuidoras (setor alimentício) Empresas de Refeições Coletivas Fornecedores de Alimentos para Eventos Hotéis Indústrias (setor alimentício) Rodoviárias Shopping Centers Supermercados Página 8 de 43

9 NOSSA ATUAÇÃO: CONSULTORIAS ESPECIAIS Consultoria especializada que tem por base os nossos quinze anos de vivências nos mais diversos tipos e portes de negócios. Envolve o desenvolvimento ou o reposicionamento de estratégias comerciais e de marketing, no seu conjunto de variáveis controláveis que influenciam a forma como os consumidores respondem ao mercado, colaborando no que pode ser feito no sentido de influenciar a procura pelos produtos e serviços comercializados, visando alcançar o nível desejado de vendas e a satisfação dos consumidores. CONSULTORIA ESPECIAL DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS NEGÓCIOS OU EM EXPANSÃO Análise de viabilidade técnica, alimentar (cardápio) e nutricional (objetivo, composição e valores calóricos). Suporte técnico-estrutural visando otimizar o layout e o fluxo do processo produtivo do Estabelecimento, com vistas à maximização dos resultados e à minimização dos riscos, custos e desperdícios. Suporte no recrutamento da equipe de operações. Suporte na seleção dos fornecedores do setor alimentício. Suporte na seleção de mobiliário, equipamentos e utensílios de produção e distribuição. Suporte na seleção dos materiais estruturais, como pisos, tetos, paredes, ralos, luminárias, área de resíduos. CONSULTORIA ESPECIAL DE POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO DE NEGÓCIOS Análise e orientações quanto ao alinhamento dos perfis dos empreendedores, equipe e do público alvo pretendido. Identificação das melhorias potenciais ao negócio em curso, de acordo com as características do segmento de mercado. Orientação sobre práticas exitosas e não exitosas no segmento de mercado. Orientações sobre a composição e o equilíbrio de variáveis do mercado alvo, como: produtos, preços, forma de produção, disposição, atendimento e distribuição, cultura alimentar dos diversos públicos, localização e outros componentes. Página 9 de 43

10 Escolha e formas de abordagem da linha de produtos vendidos: alimentação saudável, funcional, nutritiva, performance, convivência com doenças crônicas e etc. SEGMENTOS EM FOCO Bares Barracas de Praia Brigaderias Buffets Cafeterias Casas de Show Churrascarias Confeitarias Creperias Dèlicatessens Fast Foods Food Trucks Galeterias Lanchonetes Lojas de Conveniências Mercadinhos Padarias Pastelarias Pizzarias Quiosques Restaurantes Sanduicherias Self-Services Sorveterias (não indústria) Sushi Bars Tapiocarias Temakerias Página 10 de 43

11 INFORMAÇÕES SOBRE DOCUMENTAÇÕES LEGAIS ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO O Alvará de Funcionamento é o documento que licencia todos os Estabelecimentos, independente de porte ou atividade, quanto à localização e ao funcionamento de suas atividades. Ele tem validade definitiva e somente deverá ser solicitado um novo quando da mudança de determinadas características das atividades do Estabelecimento. Para a obtenção desse documento, deve-se procurar a Secretaria Regional SER responsável pelo local onde o Estabelecimento se encontra, munido da seguinte documentação: 1º Passo Requerer o Alvará de Funcionamento junto a SER. Requerimento encontrado na SER, disponibilizado no ato do atendimento. Comprovante de pagamento da Taxa de Expediente baseada no tamanho da área do Estabelecimento constante no IPTU, emitido por meio do site da SEFIN ou pela própria SER. Certidão Negativa de Débitos de IPTU, emitida no site da SEFIN. Cópia do Cartão do CNPJ. Cópia do Contrato Social e do último aditivo. Cópia do Contrato de Locação, quando pertinente. Cópia do Registro Sanitário (poderá ser dada entrada no requerimento do Registro Sanitário conjuntamente com o Alvará de Funcionamento, todavia o Alvará só será expedido mediante a apresentação do Registro Sanitário). No caso de utilização de equipamentos sonoros, deverá ser apresentada a autorização da SEUMA para esse fim. Para Estabelecimentos que executem atividades potencialmente poluidoras do meio ambiente, deverá ser apresentada a Licença Ambiental emitida pela SEUMA. Certificado de Conformidade do Corpo de Bombeiros. Procuração ou autorização com firma reconhecida para o caso de outra pessoa, que não o representante legal, encaminhar o processo junto a SER. Página 11 de 43

12 2º Passo Receber a fiscalização da SER 3º Passo Verificação da Conformidade do Estabelecimento Será emitido um relatório pelo fiscal para o setor de posturas para análise. Caso o Estabelecimento não se encontre em conformidade com os requisitos, serão encaminhadas as devidas solicitações de regularização. 4º Passo Pagamento das Taxas Definitivas REGISTRO SANITÁRIO SEGMENTOS ALIMENTÍCIOS O Registro Sanitário ou a Licença Sanitária é o documento que formaliza o controle sanitário dos Estabelecimentos. Ele(a) atesta a regularidade das condições sanitárias mínimas necessárias à segurança da saúde da população consumidora dos produtos, serviços e instalações do fornecedor, bem como dos seus trabalhadores. Com validade de 1 (um) ano, deve ser renovado(a), respeitando-se o prazo mínimo para a sua requisição: Estabelecimentos cujas atividades são consideradas de baixo risco sanitário: 30 (trinta) dias antes do término da vigência. Estabelecimentos cujas atividades são consideradas de alto risco sanitário: 90 (noventa) dias antes do término da vigência. Especialmente para as empresas do setor alimentício, orientamos os passos para a obtenção desse documento importante à regularidade das suas atividades e funcionamento. Assim, dever-se-á procurar a Secretaria Regional SER responsável pelo local onde o Estabelecimento se encontra, munido da seguinte documentação: 1º Passo Requerer o Registro Sanitário junto a SER. Requerimento encontrado na SER, disponibilizado no ato do atendimento. Comprovante de pagamento da Taxa de Registro Sanitário, emitido por meio do site da SEFIN ou pela própria SER. Certidão Negativa de Débitos de IPTU, emitida no site da SEFIN. Cópia do Cartão do CNPJ. Cópia do Contrato Social e do último aditivo. Contrato de Locação, quando pertinente. Página 12 de 43

13 Para o caso de renovação, cópia do Alvará de Funcionamento e Registro Sanitário anteriores. Manual de Boas Práticas, para Estabelecimentos onde ocorra manipulação de alimentos. Procedimentos Operacionais Padronizados (POP), conforme as atividades executadas no Estabelecimento. Procuração ou autorização com firma reconhecida para o caso de outra pessoa, que não o representante legal, encaminhar o processo junto a SER. 2º Passo Receber a visita da Fiscalização da Vigilância Sanitária. Esclarecemos que o Representante Legal deverá estar atento para que essa visita se dê antes do prazo de vencimento do Registro Sanitário atual, ou antes do funcionamento do novo empreendimento, posto que caso ocorram fiscalizações de outros órgãos, como o DECON/PROCON, o Estabelecimento poderá ser penalizado, inclusive com a interdição. Quando de uma eventual fiscalização desses órgãos, apenas a apresentação do protocolo do requerimento do Registro Sanitário não é suficiente para evitarem-se penalizações. 3º Passo Verificação da Conformidade com as Normas Sanitárias Caso o Estabelecimento fiscalizado encontre-se em conformidade com as normas sanitárias, será emitido o Termo de Vistoria. Caso o Estabelecimento não se encontre em conformidade com as normas sanitárias vigentes, será emitido um termo de notificação ou intimação, com as devidas solicitações de regularização. 4º Passo Retirada do Registro Sanitário Satisfeitos os itens anteriores, de posse do Contrato Social da empresa, o Representante Legal deverá comparecer à SER para receber o Registro Sanitário. Página 13 de 43

14 CERTIFICADO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A seguir, trazemos ao seu conhecimento informações importantes para a promoção da regularidade documental junto ao Corpo de Bombeiros e aos Órgãos de Vigilância Sanitária que têm solicitado o cumprimento dos seguintes requisitos: Todos os Estabelecimentos Comerciais e Industriais, e mesmo residenciais, são passíveis de fiscalização visando atestar a segurança contra incêndios e pânico. PARA AS EDIFICAÇÕES COM ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA MAIOR QUE 750,00 M² E/OU MAIS DO QUE 02 (DOIS) PAVIMENTOS E EDIFICAÇÕES PARA REUNIÃO DE PÚBLICO COM POPULAÇÃO SUPERIOR A 100 (CEM) PESSOAS. Para a SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DE CONFORMIDADE: 1. Cartão do CNPJ. 2. Notas fiscais de compra ou recarga dos extintores (original / 2ª via / cópia autenticada). 3. Certidão negativa da prefeitura ou IPTU (área construída / edificada e área do terreno). 4. Projeto Contra Incêndio Aprovado pelo CBMCE (Plantas, Memoriais, Certificado de Aprovação e comprovante de pagamento da Taxa). 5. Ficha de Assessor Técnico (áreas acima de 750m² exceto as residenciais multifamiliares). 6. GLP: Laudo do Teste de Estanqueidade - validade: 05 (cinco) anos. 7. SPDA: Laudo do Teste de Resistividade - validade: 05 (cinco) anos. Para a RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE CONFORMIDADE: 1. Cartão do CNPJ. 2. Notas fiscais de compra ou recarga dos extintores (original / 2ª via / cópia autenticada). 3. Certidão negativa da Prefeitura ou IPTU (área construída / edificada e área do terreno). 4. Ficha de Assessor Técnico (áreas acima de 750m² exceto as residenciais multifamiliares). 5. Certificado de Conformidade anterior. Página 14 de 43

15 6. Certificado de Aprovação de Projetos - Para edificações com aprovação a partir de maio/ Projeto Contra Incêndio Aprovado pelo CBMCE (Plantas, Memoriais, Certificado de Aprovação e comprovante de pagamento da Taxa) - Para edificações com aprovação anterior a maio/ GLP: Laudo do Teste de Estanqueidade (somente necessário na 6ª Renovação e posterior a essa nos intervalos de 05 em 05 anos) 9. SPDA: Laudo do Teste de Resistividade (somente necessário na 6ª Renovação e posterior a essa nos intervalos de 05 em 05 anos) EDIFICAÇÕES COM ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA INFERIOR A 750,00M² E/OU ATÉ 02 PAVIMENTOS VISTORIA DE HABITE-SE OU RENOVAÇÃO DE CERTIFICADO DE CONFORMIDADE Processo Simplificado (Edificações e áreas de risco com área construída de até 750m² e/ou até 2 pavimentos) 1. Formulário de segurança para projeto contra incêndio e pânico simplificado 2. Cópia do cartão do CNPJ 3. Notas fiscais de compra ou recarga dos extintores (original / 2ª via / cópia autenticada). 4. Certidão negativa da Prefeitura ou IPTU (deve constar a área do terreno e área total construída / edificada). Observações Importantes: Se já existir projeto aprovado pelo Corpo de Bombeiros, apresentar as plantas constando o carimbo da aprovação acompanhadas do respectivo Certificado de Aprovação de Projeto. Se for indústria ou área acima de 750m² (exceto Residencial Privativa Unifamiliar e Residenciail Privativa Multifamiliar), encaminhar a Ficha de Assessor Técnico (Site (www.bombeiros.ce.gov.br) --> Downloads--> Diversos). Se tiver Central de GLP e para-raios, encaminhar os Laudos dos Testes de Estanqueidade e de Resistividade (somente exigidos na primeira aprovação e a cada 05 anos). Página 15 de 43

16 O pedido de vistoria deverá ser presencial, na sede da CAT, situada na Rua Liberato Barroso, 1400, onde será fornecido um protocolo de acompanhamento da solicitação. O Corpo de Bombeiros não atende pedidos de vistoria por telefone ou , pois o registro depende da apresentação dos documentos relacionados acima. O prazo para a realização da vistoria é de 30 dias corridos conforme estabelece NT-01/2008. Caso a vistoria seja reprovada, o interessado deverá proceder a novo pedido de vistoria, quando do atendimento das pendências, data em que será inicializado o novo prazo apresentando na data do novo pedido com o Formulário Padrão preenchido. As notas fiscais de recarga e/ou manutenção de extintores deverão ser emitidas por empresas que possuam a conformidade do INMETRO publicada no link Somente serão aceitos extintores fabricados por empresas que possuam a conformidade do INMETRO publicada no link A entrega de documentos será feita mediante a apresentação do protocolo de entrada. Caso ocorra o extravio do protocolo de entrada, o interessado deverá oficiar ao coordenador da CAT, anexando cópia do boletim de ocorrências do extravio. Edificação com área total construída de até 750,00 m² e com até 02 pavimentos é isenta de Projeto Contra Incêndio, excluindo-se as edificações de Reunião de Público cuja lotação ultrapasse 100 pessoas. Esse projeto foi substituído, nesses casos pelo PROCESSO SIMPLIFICADO, consistindo em formulário preenchido e os demais documentos listados neste informativo. Edificações com Escadas Pressurizadas devem apresentar o Laudo do Teste de Pressurização emitido pela empresa instaladora no ato do pedido do Habite-se ou em sua data de renovação. A validade desse Laudo é de 12 meses. Página 16 de 43

17 LICENCIAMENTO AMBIENTAL (Licença de Operação) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Todo Estabelecimento onde se exerçam atividades potenciais degradadoras do meio ambiente e utilizadoras de recursos ambientais necessitam obter o Licenciamento Ambiental junto à SEUMA, e dependendo do caso, à SEMACE e/ou outros órgãos pertinentes. Para dar-se entrada no processo de Licenciamento Ambiental na SEUMA, são necessários os seguintes documentos: A. Requerimento por meio do Formulário Nº 14 Licenciamento Ambiental, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da empresa. B. Planta de localização (croquis) do empreendimento requerida no verso do referido formulário. C. Cópia simples RG e CPF, se pessoa física. D. Comprovante do CNPJ. E. Contrato social com último aditivo. F. RG e CPF, do representante legal da empresa cópia comum. G. Certidão Negativa do IPTU (atualizado) adquirido na SEFIN ou na Internet através do site Essa certidão deverá ser a do terreno onde será implantado o empreendimento. H. Comprovante de pagamento da taxa de licenciamento ambiental (Documento Único de Arrecadação Municipal - DAM). Caso o requerente seja uma Micro Empresa (ME) ou Micro Empreendedor Individual (MEI), será isento da Taxa. I. O Cliente deve contratar diretamente um Jornal de grande circulação (O Povo, Diário do Nordeste ou Estado) e encaminhar à SEUMA a folha original completa com a publicação do requerimento da licença, conforme modelo abaixo. Modelo de Publicação em Periódico Local NOME DA EMPRESA SIGLA Torna público que requereu à SEUMA a Licença de Operação para (TIPO DE ATIVIDADE) Localizada na (ENDEREÇO), Município de Fortaleza, Estado do Ceará. Página 17 de 43

18 J. Cópia do Registro Sanitário ou protocolo de entrada no processo. K. Certificado do Corpo de Bombeiros ou protocolo. L. Cópia da última fatura da CAGECE. M. Ficha de Caracterização das Atividades preenchida e assinada pelo responsável. mesmo para solicitação de isenção da Licença Ambiental. (Documento elaborado pela NUTHS) N. Plano de Gerenciamento de Resíduos ou Declaração do responsável pela empresa informando que não gera acima de 50kg/dia ou 100 litros/dia de resíduos. É obrigatório apresentar Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS, independentemente da quantidade de resíduos gerada, dentre outras exceções previstas na Lei Nº8.408/1999 e Nº12.305/2010 O. Procuração reconhecida firma ou autorização da empresa para tramitação de processos nessa secretaria através de terceiros. OBS 1: Outros documentos poderão ser solicitados pelos analistas da SEUMA durante a análise do processo de Licença de Operação, de acordo com as especificidades de cada empreendimento, como: 1. Cadastro Técnico Federal emitido pelo IBAMA para atividades incluídas nos ANEXOS I e/ou II da Instrução Normativa 97/ Documento de Origem Florestal emitido pelo IBAMA. 3. Cadastro Técnico Estadual de Consumidor de matéria prima emitido pela SEMACE. 4. Outorga do direito de uso da água emitido pela COGERH, quando houver captação de água através de poço. 5. Laudo técnico, ART e Certificado do NR 13 do responsável técnico pela operação da caldeira. 6. Memorial de cálculo Hidrossanitário quando possuir fossa. 7. Licença de Publicidade e Propaganda ou protocolo de entrada no processo, caso possua engenho de publicidade (placas, letreiros entre outros). 8. Caso possua Estação de Tratamento de Esgoto ETE, consultar o check list de Licença de Operação de ETE. 9. Autorização Especial de Utilização Sonora AEUS, caso utilize equipamentos sonoros. Página 18 de 43

19 IMPORTANTE: Para a elaboração do PGRS ou do PGRSS pela NUTHS, se faz necessário que o Estabelecimento providencie, antecipadamente, os documentos abaixo relacionados que deverão ser apresentados à Consultora NUTHS no ato da visita para o levantamento dos dados sobre a geração, armazenamento, transporte e destino de resíduos. O Plano somente pode ser elaborado por técnicos cadastrados e autorizados pela SEUMA, que, também, exige a implantação do que está previsto no mesmo na rotina do Estabelecimento e a geração de relatórios periódicos obrigatórios para a sua manutenção perante o órgão. Para a renovação da Licença de Operação, anexar a cópia da licença anterior. Para a renovação da Licença de Instalação, anexar cópia da Licença Prévia. Documentos necessários que o Cliente disponibilize para a elaboração do PGRS/PGRSS pela NUTHS: Termo de Responsabilidade (modelo SEUMA) com a assinatura do Representante Legal do Estabelecimento. Cópia do contrato da empresa coletora dos resíduos gerados pelo Estabelecimento (caso seja gerado mais de 50 Kg ou 100 L. de resíduos por dia). Cópia da licença ambiental da empresa coletora de resíduos. (caso seja gerado mais de 50 Kg ou 100 L. de resíduos por dia). Cópia da licença ambiental do aterro sanitário no qual serão depositados os resíduos. (caso seja gerado mais de 50 Kg ou 100 L. de resíduos por dia). Caso haja a geração de resíduos que envolva óleo alimentício, faz-se necessário anexar a declaração do coletor identificando o local de destino do mesmo. Caso haja a geração de material para a reciclagem, anexar a declaração do coletor identificando o local de destino do mesmo. Documento onde conste a real área construída. Obs.: As declarações solicitadas nos itens acima devem conter as seguintes informações: Página 19 de 43

20 A quantidade de material coletado (óleo ou demais tipos de resíduo). A frequência das coletas. O destino dos resíduos coletados. Documentos adicionais necessários para o Estabelecimento dar entrada no PGRS/PGRSS elaborado pela NUTHS na SEUMA: CD gravado com o PGRS/PGRSS elaborado pela NUTHS, caso o Estabelecimento gere mais de 50 quilogramas ou 100 litros de resíduos por dia. (item fornecido pela NUTHS). Duas vias impressas do PGRS/PGRSS elaborado pela NUTHS (item fornecido pela NUTHS). Cópia do Cadastro Técnico do elaborador do PGRS/PGRSS junto à SEUMA. (documento fornecido pela NUTHS). Procuração com firma reconhecida para a tramitação do processo nessa Secretaria por meio de terceiros. Cópia do Registro Sanitário ou protocolo de entrada no processo de requerimento. Cópia do Alvará de Funcionamento ou protocolo de entrada no processo de requerimento. ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) ou Declaração do Conselho de Classe ratificando a aptidão do elaborador do PGRS/PGRSS. (documento fornecido pela NUTHS, no caso de contratação da mesma). A SEUMA informa que outros documentos podem ser solicitados pelos analistas durante o Processo de Aprovação do Licenciamento Ambiental/PGRS/PGRSS. INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS: 1. A contratação dos serviços de coleta, transporte, transbordo, tratamento ou destinação final de resíduos sólidos, ou de disposição final de rejeitos, não isenta as pessoas físicas ou jurídicas da responsabilidade por danos que vierem a ser provocados pelo gerenciamento inadequado dos respectivos resíduos ou rejeitos (Art. 27, 1º, da Lei Federal Nº /2010). 2. A contratação de empresas transportadoras não credenciadas pela Prefeitura Municipal de Fortaleza é infração ao disposto no art. 17, inciso Página 20 de 43

LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO SOBRE PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NA ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DAS POLÍTICAS, AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE

LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO SOBRE PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NA ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DAS POLÍTICAS, AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO SOBRE PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NA ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DAS POLÍTICAS, AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE EIXO/ TEMA: Eixo II Controle Social: acesso, qualidade, intersetorialidade,

Leia mais

21% 669.300. de Fortaleza. da população POTENCIAL DO RÁDIO AM OUVINTES. escuta a Rádio AM UM TOTAL DE

21% 669.300. de Fortaleza. da população POTENCIAL DO RÁDIO AM OUVINTES. escuta a Rádio AM UM TOTAL DE POTENCIAL DO RÁDIO AM 21% da população de Fortaleza escuta a Rádio AM UM TOTAL DE 669.300 OUVINTES Fonte: Ibope Easy Media março a maio/15 Alcance Máximo. 05-24h POTENCIAL DAS EMISSORAS DO RÁDIO AM A Rádio

Leia mais

PROGRAMA ADOÇÃO DE PRAÇAS E ÁREAS VERDES

PROGRAMA ADOÇÃO DE PRAÇAS E ÁREAS VERDES PROGRAMA ADOÇÃO DE PRAÇAS E ÁREAS VERDES A cidade contemporânea é a cidade onde a sociedade e o poder público agem para o bem viver em comunidade. As praças e parques são espaços públicos e a sociedade

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

92% de Fortaleza. da população POTENCIAL DO RÁDIO FM 2.927.763. escuta Rádio FM OUVINTES UM TOTAL DE

92% de Fortaleza. da população POTENCIAL DO RÁDIO FM 2.927.763. escuta Rádio FM OUVINTES UM TOTAL DE POTENCIAL DO RÁDIO FM 92% da população de Fortaleza escuta Rádio FM UM TOTAL DE 2.927.763 OUVINTES FONTE: IBOPE EASY MEDIA MARÇO A MAIO/15 ALCANCE MÁXIMO. 05-24H POTENCIAL DAS EMISSORAS DO RÁDIO FM VELOCIDADE

Leia mais

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO a) Requerimento através do Formulário N o 14 Licenciamento Ambiental, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da empresa; no mesmo formulário informar

Leia mais

Atualizada.: 20/08/2013 BAIXA COMPLEXIDADE

Atualizada.: 20/08/2013 BAIXA COMPLEXIDADE BAIXA COMPLEXIDADE Atualizada.: 20/08/2013 OUTROS ANEXO 1 B Depósito de produtos não relacionados à saúde; Estação rodoviária; veículo de transporte coletivo interestadual com banheiro (ônibus); Academias

Leia mais

A INTERSETORIALIDADE APLICADA À GESTÃO DE RESÍDUOS DO SETOR ALIMENTÍCIO DE FORTALEZA

A INTERSETORIALIDADE APLICADA À GESTÃO DE RESÍDUOS DO SETOR ALIMENTÍCIO DE FORTALEZA A INTERSETORIALIDADE APLICADA À GESTÃO DE RESÍDUOS DO SETOR ALIMENTÍCIO DE FORTALEZA Ivna Barreto Costa Cidrão GERENTE DA CÉLULA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PONTOS TURÍSTICOS DE FORTALEZA SECRETARIA REGIONAL

Leia mais

CHECK LIST PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

CHECK LIST PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CHECK LIST PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS a) Requerimento através do Formulário N o 01, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da empresa; b) Declaração de Destino de Resíduos

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

ESTABELECIMENTO ENDEREÇO VALOR 1 ALEXANDRE PINTO VASCONCELOS ME RUA BARÃO DO RIO BRANCO, 1149 CENTRO R$ 333,90 2 ÂNCORA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

ESTABELECIMENTO ENDEREÇO VALOR 1 ALEXANDRE PINTO VASCONCELOS ME RUA BARÃO DO RIO BRANCO, 1149 CENTRO R$ 333,90 2 ÂNCORA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS ESTABELECIMENTO ENDEREÇO VALOR 1 ALEXANDRE PINTO VASCONCELOS ME RUA BARÃO DO RIO BRANCO, 1149 CENTRO 2 ÂNCORA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS PADRE ANCHIETA, N 581, BAIRRO MONTE CASTELO 3 ÂNCORA DISTRIBUIDORA

Leia mais

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA BAIXA COMPLEXIDADE COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA OUTROS ANEXO 1 B Depósito de produtos não relacionados à saúde; Estação rodoviária; veículo de transporte coletivo interestadual com banheiro (ônibus);

Leia mais

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL A pessoa jurídica de direito privado, abaixo identificada,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE RAZÃO SOCIAL: HOSPITAL DE CLINICAS DE NITEROI LTDA UNIDADE: HOSPITAL ENDEREÇO: RUA LA SALLE, 12 BAIRRO: CENTRO MUNICÍPIO: NITEROI PROCESSO: E-07/204.019/05 1. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Dados sobre a população na arquidiocese de fortaleza (Fonte IBGE)

Dados sobre a população na arquidiocese de fortaleza (Fonte IBGE) Dados sobre a população na arquidiocese de fortaleza (Fonte IBGE) POPULAÇÃO DOS BAIRROS DE FORTALEZA REGIÃO EPISCOPAL METROPOLITANA SÃO JOSÉ BAIRRO IDADE TOTAL Alagadiço 1.421 2.048 4.949 4.651 1.111 325

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

Atualizada.: 20/04/2012 COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL BAIXA COMPLEXIDADE

Atualizada.: 20/04/2012 COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL BAIXA COMPLEXIDADE BAIXA COMPLEXIDADE OUTROS ANEXO 1 B Depósito de produtos não relacionados à saúde; Estação rodoviária; veículo de transporte coletivo interestadual com banheiro (ônibus); Academias para práticas de esportes;

Leia mais

ALVARÁ SANITÁRIO. 1 Fonte: adaptado da SUVISA/RN

ALVARÁ SANITÁRIO. 1 Fonte: adaptado da SUVISA/RN ALVARÁ SANITÁRIO 1) Definição Alvará Sanitário é o documento emitido pela Autoridade Sanitária após análises das condições higiênico-sanitárias de estabelecimentos, veículos e/ou equipamentos que desenvolvam

Leia mais

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS Este roteiro só se aplica aos estabelecimentos não obrigados a aprovação de projeto arquitetônico na Vigilância Sanitária

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

PORTARIA SMS Nº 136 DE 18/05/2015 D.O.M. DE 26/05/2015

PORTARIA SMS Nº 136 DE 18/05/2015 D.O.M. DE 26/05/2015 PORTARIA SMS Nº 136 DE 18/05/2015 D.O.M. DE 26/05/2015 SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE FORTALEZA, no uso de suas atribuições legais e de acordo com os artigos 2º e 24 da Lei Nº 4.950 de 30/11/1977, artigo

Leia mais

RENOVAÇÃO GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

RENOVAÇÃO GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ESTABELECIMENTOS DESTINADOS À PRODUÇÃO, FABRICO, PREPARO, BENEFICIAMENTO, MANIPULAÇÃO, ACONDICIONAMENTO, TRANSPORTE, DEPÓSITO, VENDA OU CONSUMO DE ALIMENTOS (BARES, LANCHONETES, RESTAURANTES, PADARIAS

Leia mais

6º ENCONTRO NACIONAL DO CB27. Fortaleza PROGRAMA RECICLANDO ATITUDES

6º ENCONTRO NACIONAL DO CB27. Fortaleza PROGRAMA RECICLANDO ATITUDES Fortaleza PROGRAMA RECICLANDO ATITUDES Natal, Julho de 2015 I INDICADORES SÓCIOECONÔMICOS DO MUNICÍPIO: População: 2.452.185 hab. Área: 314,930 km 2 Orçamento (2013/2014) : 6,4 bilhões PIB: 42 bilhões

Leia mais

JANEIRO/2012 ANO 18 Nº 183

JANEIRO/2012 ANO 18 Nº 183 JANEIRO/ ANO 8 Nº 8 PRESIDENTE DA FIEC ROBERTO PROENÇA DE MACÊDO Superintendente do IEL/CE VERA ILKA MEIRELES SALES Coordenadora MARGARET LINS TEIXEIRA GOMES Técnica Responsável ANA GLAUCIA PERES OLIVEIRA

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Comercialização de Produtos Agroquímicos

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PARA EMISSÃO DE ALVARÁ SANITÁRIO

LISTA DE DOCUMENTOS PARA EMISSÃO DE ALVARÁ SANITÁRIO LISTA DE DOCUMENTOS PARA EMISSÃO DE ALVARÁ SANITÁRIO I - ABERTURA DE EMPRESA: EMPRESA DE PESSOA JURÍDICA 1- CÓPIA DE DOCUMENTOS DOS SÓCIOS (RG E CPF); 2- CÓPIA DO ENDERECO COMERCIAL; 3- VISTORIA DO CORPO

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços Para execução dos serviços o contratado deve enviar a documentação abaixo conforme a atividade que será desenvolvida. Para outras atividades que não constam na lista, o contratado deve enviar os documentos

Leia mais

ACADEMIA/ESCOLAS ESPORTIVA/CLUBES E SIMILARES

ACADEMIA/ESCOLAS ESPORTIVA/CLUBES E SIMILARES ACADEMIA/ESCOLAS ESPORTIVA/CLUBES E SIMILARES 2. Cópia de alvará de funcionamento 3. Declaração do número de alunos (praticantes de atividade física) 4. Relação dos recursos humanos e atividades respectivas

Leia mais

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO Razão Social: RESTAURANTE E PIZZARIA MGM RIO CLARO LTDA Ramo de Atividade: Restaurantes e Similares CPF/CNPJ:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008

PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008 Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde-COPROM Núcleo de Vigilância Sanitária PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008 PLANO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas propostas de instrução normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva e colaboradores dezembro de 2006 INDICE 1. Contexto 3 2. Situação

Leia mais

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO 1-A: BAIXA COMPLEXIDADE 1 - ALIMENTOS COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Açougues, comércio de frios,comércios de pescados; Depósitos de alimentos, bombonièries, cafés, depósitos de bebidas, depósitos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 25 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA REQUERIMENTO DAS LICENÇAS

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

EQUIPAMENTOS SER I - LOTAÇÃO PSB/CRAS VAGAS ENDEREÇO FONE

EQUIPAMENTOS SER I - LOTAÇÃO PSB/CRAS VAGAS ENDEREÇO FONE EQUIPAMENTOS SER I - LOTAÇÃO CREAS MONTE CASTELO 3 (TRÊS VAGAS) EQUIPAMENTOS SER II - LOTAÇÃO CRAS MUCURIPE 3 (TRÊS VAGAS) Rua Professor Luis Costa, nº 142, Vicente Pizon. 3452-7348 CRAS SERVILUZ 4 (quatro

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

FORMULÁRIO RELATÓRIO DE DESEMPENHO TÉCNICO NA PESSOA JURÍDICA. Razão Social: Endereço: (Rua/Av, n ) Bairro Cidade Estado CEP

FORMULÁRIO RELATÓRIO DE DESEMPENHO TÉCNICO NA PESSOA JURÍDICA. Razão Social: Endereço: (Rua/Av, n ) Bairro Cidade Estado CEP CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS 6ª REGIÃO PE-AL-PB-RN-CE-PI-MA SEDE DO CRN-6 RUA BULHÕES MARQUES, 19 SL. 803 - BOA VISTA - RECIFE/PE - CEP 50060-050 - FONES: (81) 3222-2495/ 3222-1458 / 3421-8382 FAX:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 ESTRUTURA FÍSICA Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos Definir local para sala de utilidades por andar Evitar o contato dos

Leia mais

Vigilância Sanitária

Vigilância Sanitária Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Vigilância Ambiental Vigilância Sanitária Setor de Produtos e Estabelecimentos de Interesse da Saúde SPEIS Comércio atacadista e varejista de alimentos de

Leia mais

EDITAL PARA VENDA INFORMAL NOS EVENTOS CULTURAIS DE MARANGUAPE V FESTIVAL NACIONAL DE HUMOR

EDITAL PARA VENDA INFORMAL NOS EVENTOS CULTURAIS DE MARANGUAPE V FESTIVAL NACIONAL DE HUMOR EDITAL PARA VENDA INFORMAL NOS EVENTOS CULTURAIS DE MARANGUAPE A Presidenta da Fundação Viva Maranguape de Turismo, Esporte e Cultura - FITEC, Isla Márcia Vidal de Assis Abreu, no uso de suas atribuições

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL SIT Nº ÍTEM 1 FASE I (LICENÇA PRÉVIA LP) Requerimento (formulário de solicitação) devidamente

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização LO N : 0001/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

EXIGÊNCIAS MÍNIMAS VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA TODOS ESTABELECIMENTOS INSTALAÇÃO INDEPENDENTE DA MORADIA EDIFICAÇÃO DE ALVENARIA ANEXO 8 (COM TELEFONE DO CONTRIBUINTE) LAUDO DESINSETIZAÇÃO/DESRATIZAÇÃO/LIMPEZA

Leia mais

Cartilha ALVARÁ L OCALIZAÇÃO E F UNCIONAMENTO

Cartilha ALVARÁ L OCALIZAÇÃO E F UNCIONAMENTO Cartilha ALVARÁ L OCALIZAÇÃO E F UNCIONAMENTO I NTRODUÇÃO Caro empreendedor, elaboramos esta cartilha com o objetivo de auxiliá-lo na abertura de novas empresas, licenciamentos e renovações de alvarás.

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras Registro http://servicos.ibama.gov.br/ctf/modulos/certificadoregistro/certificado... 1 de 1 25/09/2013 09:16 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo - SEPROTUR Agencia Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal

Leia mais

FLUXOGRAMAS DE PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DE ALVARÁS DE FUNCIONAMENTO

FLUXOGRAMAS DE PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DE ALVARÁS DE FUNCIONAMENTO FLUXOGRAMAS DE PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DE ALVARÁS DE FUNCIONAMENTO FOZ DO IGUAÇU PR 2008 INSTRUÇÕES PARA USO DESTE MATERIAL Este material foi elaborado para facilitar o acesso às exigências tributárias

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO EQA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO EQA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO EQA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS RODRIGO MIZUKAWA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO OTIMIZE

Leia mais

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO Razão Social: JESSICA APARECIDA NAGALINE LOURENÇO ME Ramo de Atividade: Açougue CPF/CNPJ: 16.579.958/0001-19 Endereço:

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 LEI N 4.158, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE FEIRAS ITINERANTES E CONTÉM OUTRAS DISPOSIÇÕES.

Leia mais

FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV)

FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV) FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV) FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL A pessoa jurídica de direito privado, abaixo

Leia mais

A Coordenadoria de Vigilância Sanitária de Rio Claro, COMUNICA que:

A Coordenadoria de Vigilância Sanitária de Rio Claro, COMUNICA que: A Coordenadoria de Vigilância Sanitária de Rio Claro, COMUNICA que: Razão Social: Distribuidora Individual de Alimentos Ramo de Atividade: Supermercado CPF/CNPj: 07.841.492/0001-97 Endereço: Av 01, nº

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Lanns Alves de Almeida Filho Secretário de Agricultura e Meio Ambiente

LICENÇA AMBIENTAL. Lanns Alves de Almeida Filho Secretário de Agricultura e Meio Ambiente LICENÇA AMBIENTAL Licença Ambiental Simplificada nº 26/2015 Processo nº. 9481/2015 O Secretário de Agricultura e Meio Ambiente no exercício de sua competência definida pelo Decreto Municipal nº 10.076

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Drogarias Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM

OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM Informações para Solicitação de Licenciamento Ambiental de OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM no Âmbito do Município de Charqueadas (5.220,00 Oficina Mecânica / 3.421,00 Posto de Lavagem de Veículos)

Leia mais

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 OBJETIVO Estabelecer as regras e procedimentos para concessão de viabilidade técnica, aprovação de projetos e acompanhamento

Leia mais

LICENCIAMENTO MATADOUROS

LICENCIAMENTO MATADOUROS LICENÇA PRÉVIA (LP): LICENCIAMENTO MATADOUROS 1. Requerimento; 2. Publicações no diário oficial e jornal de grande circulação; 3. Comprovante de pagamento da taxa de licenciamento; 4. Cadastro do empreendimento

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011.

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS JI-PARANÁ Rua Rio Amazonas, 151 Bairro Jardim dos Migrantes 76900-730 Ji-Paraná RO EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. EDITAL PARA SELEÇÃO

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Todos os empreendimentos da área da construção civil, em operação ou a serem implantados, geradores de qualquer

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ, no uso das suas atribuições legais, conforme Lei Orgânica Municipal, e;

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ, no uso das suas atribuições legais, conforme Lei Orgânica Municipal, e; DECRETO Nº 769 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009 SÚMULA: Regulamenta a gestão dos resíduos orgânicos e rejeitos de responsabilidade pública e privada no Município de Londrina e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5415 / 2011-DL Processo n.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 Padarias, Confeitarias e Pastelarias)

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 Padarias, Confeitarias e Pastelarias) PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 ) 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome ou Razão Social: CNPJ: CPF: CGC/TE: Endereço (Rua/Av.) : nº: Bairro: CEP: Município: Telefone: Celular: e-mail: Contato

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais