Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL"

Transcrição

1 CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS RELATIVAS AO EXERCÍCIO SOCIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO CIRCULANTE , ,62 CIRCULANTE , ,68 Caixa e Equivalentes de Caixa , ,49 Obrigações Trabalhistas e Encargos , ,05 Bancos Conta Movimento , ,26 Encargos Sociais a Pagar , ,05 Bancos Conta Arrecadação , ,66 Bancos Aplicações Financeiras , ,94 Disponível para Aplicação Vinculada , ,63 Créditos de Curto Prazo , ,05 Obrigações de Curto Prazo , ,04 Créditos do Exercício , ,55 Obrigações Fiscais de Curto Prazo , ,06 Créditos de Exercícios Anteriores 3.249, ,28 Depósitos Consignáveis , ,87 Parcelamento de Débitos de Curto Prazo , ,72 Fornecedores , ,11 (-) Provisão para Perdas de Créditos de Curto Prazo ( ,21) ( ,50) Demais Créditos de Curto Prazo , ,72 Demais Obrigações de Curto Prazo , ,11 Adiantamentos a Pessoal , ,08 Contas a Pagar 18, ,00 Adiantamentos a Pessoal com Vinculação Orçamentária , ,70 Transferências Legais 8.794, ,88 Tributos e Contribuições a Recuperar , ,97 Outras Obrigações , ,23 Créditos por Danos ao Patrimônio , ,05 Depósitos Restituíveis e Valores Vinculados , ,02 Provisões de Curto Prazo , ,44 Créditos Diversos , ,90 Provisões Trabalhistas , ,89 Estoques , ,36 Provisão para Riscos Trabalhistas e Cíveis , ,23 Almoxarifado , ,36 Provisão de Cota-Parte , ,32 Variações Patrimoniais Diminutivas ,00 Seguros a Apropriar ,00 Valores de Terceiros e/ou Restituíveis 3.570, ,04 NÃO CIRCULANTE , ,49 Cauções 3.570, ,04 Ativo Realizável a Longo Prazo , ,23 Créditos Realizáveis a Longo Prazo , ,51 Parcelamento de Débitos 4.627,36 705,44 Créditos de Exercícios Anteriores não Executados , ,71 PATRIMÔNIO LÍQUIDO , ,43 Divida Ativa Executada , ,84 Patrimônio Social , ,43 (-) Provisão para Perdas de Créditos de Longo Prazo ( ,50) ( ,48) Ajustes de Exercícios Anteriores , ,89 Depósitos Realizáveis a Longo Prazo , ,72 Resultados Acumulados , ,54 Processos Trabalhistas , ,72 Resultado do Exercício ,12 ( ,51) Empréstimo Compulsório - - Resultado de Exercícios Anteriores , ,05 Investimentos Imobilizado e Intangível , ,26 Bens Móveis , ,62 (-) Depreciação Acumulada ( ,59) ( ,40) Bens Imóveis , ,48 (-) Depreciação Acumulada ( ,44) ( ,44) TOTAL DO ATIVO , ,11 TOTAL DO PASSIVO , ,11 ATIVO FINANCEIRO , ,21 PASSIVO FINANCEIRO , ,13 ATIVO PERMANENTE , ,90 PASSIVO PERMANENTE , ,55 SALDO PATRIMONIAL , ,43 TOTAL , ,11 TOTAL , ,11

2 CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS RELATIVAS AO EXERCÍCIO SOCIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 Valores expressos em reais BALANÇO ORÇAMENTÁRIO PATRIMONIAL RECEITAS PREVISTA REALIZADA DESPESAS PREVISTA REALIZADA RECEITAS CORRENTES , ,78 DESPESAS CORRENTES , ,06 CONTRIBUIÇÕES , ,99 Pessoal e Encargos , ,40 Anuidades , ,99 Remuneração de Pessoal , ,14 Exploração de Serviços , ,42 Encargos Patronais , ,65 Financeiras , ,38 Benefícios a Pessoal , ,61 Juros de Mora , ,81 Benefícios Assistenciais , ,71 Atualização Monetária , ,99 Uso de Bens e Serviços , ,37 Multas e Encargos , ,05 Material de Consumo , ,00 Remuneração de Depósitos Bancários e Aplic. Financ , ,53 Serviços , ,37 Transferências , ,34 Financeiras , ,14 Outras Receitas Correntes , ,65 Serviços Bancários , ,14 Multas , ,27 Tributárias e Contributivas , ,02 Indenizações e Restituições 3.000,00 - Tributos , ,85 Receitas não Identificadas , ,38 Contribuições , ,17 RECEITA DE CAPITAL - - Outras Despesas Correntes , ,42 Alienação de Bens - - Alienação de Bens Móveis - - DESPESAS DE CAPITAL , ,00 Alienação de Bens Imóveis - - Obras, Instalações e Reformas , ,09 SUPERÁVIT FINANCEIRO ,00 - Equipamentos e Material Permanente , ,91 TOTAL DA RECEITA , ,78 TOTAL DA DESPESA , ,06 SUPERÁVIT ,72

3 CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS RELATIVAS AO EXERCÍCIO SOCIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 Valores expressos em reais DEMONSTRAÇÃO BALANÇO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAL PATRIMONIAIS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS Contribuições , ,99 Pessoal e Encargos , ,60 Exploração de Bens e Serviços , ,53 Remuneração a Pessoal , ,17 Financeiras , ,89 Encargos Patronais , ,69 Juros e Encargos Sobre Empréstimos - - Benefícios a Pessoal , ,74 Juros e Encargos Sobre Anuidades e Multa , ,76 Benefícios Assistenciais , ,70 Remuneração de Dep. Bancários e Aplicação , ,13 Uso de Bens e Serviços , ,11 Transferências , ,69 Material de Consumo , ,74 Subvenções , ,69 Serviços , ,01 Valorização e Ganhos com Ativos 3.088, ,71 Depreciação e Amortização , ,36 Ganhos com Alienação - - Financeiras , ,74 Atualização Monetária Veículos 3.088, ,71 Serviços Bancários , ,32 Outras Variações Patrimoniais Aumentativas , ,36 Descontos Concedidos , ,42 Multas por Ausência às Eleições ,54 296,09 Tributarias e Contributivas , ,28 Multas de Infrações , ,73 Tributos , ,19 Indenizações e Restituições ,41 Contribuições Cota Parte , ,48 Incorporação de Bens , ,72 Contribuições Fides , ,61 Reversão de Provisões e Ajustes de Provisões , ,98 Desvalorização e Perda de Ativos , ,18 Demais Variações Aumentativas , ,43 Perdas com Alienação - - Perdas Involuntárias 1.540, ,91 Ajuste de Perdas de Créditos , ,27 Outras Variações Patrimoniais Diminutiva , ,07 Desincorporarão de Bens ,19 - Indenizações e Restituições , ,54 Demais Variações Diminutivas , ,53 TOTAL DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS , ,17 TOTAL DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS , ,68 RESULTADO PATRIMONIAL DO EXERCÍCIO ,12 ( ,51) VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUALITATIVAS INCORPORAÇÃO DE ATIVOS DESINCORPORAÇÃO DE ATIVOS Obras, Instalações e Reformas , ,26 Alienação de Bens Móveis - - Equipamentos e Materiais Permanentes , ,76 Alienação de Bens Imóveis - - TOTAL DA INCORPORAÇÃO DE ATIVOS , ,02 TOTAL DA DESINCORPORAÇÃO DE ATIVOS - -

4 CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS RELATIVAS AO EXERCÍCIO SOCIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL FINANCEIRO INGRESSOS DISPÊNDIOS RECEITA ORÇAMENTÁRIA , ,57 DESPESA ORÇAMENTÁRIA , ,11 Receitas Correntes , ,57 Despesas Correntes , ,09 Receitas de Capital - - Despesas de Capital , ,02 RECEBIMENTOS EXTRA-ORÇAMENTÁRIOS , ,83 PAGAMENTOS EXTRA-ORÇAMENTÁRIOS , ,83 Adiantamentos Concedidos a Pessoal , ,57 Adiantamentos Concedidos a Pessoal , ,03 Tributos e Contribuições a Recuperar , ,05 Tributos e Contribuições a Recuperar , ,73 Conselho Federal de Contabilidade - Cota Parte , ,87 Conselho Federal de Contabilidade - Cota Parte , ,75 Conselho Federal de Contabilidade - Despesa Bancária ,18 Conselho Federal de Contabilidade - Despesa Bancária , ,98 Cheques Devolvidos - 393,00 Cheques Devolvidos - 393,00 Pagamento sem Respaldo Orçamentário , ,13 Pagamento sem Respaldo Orçamentário , ,13 Diversos Responsáveis , ,85 Diversos Responsáveis , ,65 Depósitos Restituíveis e Valores Vinculados - - Depósitos Restituíveis e Valores Vinculados 6.000, ,81 Outros Créditos e Valores de Curto Prazo a Receber - - Outros Créditos e Valores de Curto Prazo a Receber - - Variações Patrimoniais Diminutivas Pagas , ,75 Variações Patrimoniais Diminutivas Pagas , ,75 Processos Trabalhistas ,32 Processos Trabalhistas - - Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias , ,85 Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias , ,01 Pessoal a Pagar , ,48 Pessoal a Pagar , ,48 Encargos Sociais a Pagar , ,37 Encargos Sociais a Pagar , ,53 Obrigações Fiscais de Curto Prazo , ,34 Obrigações Fiscais de Curto Prazo , ,56 Depósitos Consignáveis , ,22 Depósitos Consignáveis , ,87 Fornecedores , ,33 Fornecedores , ,58 Contas a Pagar 86, ,51 Contas a Pagar , ,02 Transferências Legais , ,62 Transferências Legais , ,38 Cota Parte , ,01 Cota Parte , ,01 FIDES , ,61 FIDES , ,37 Depósitos de Diversas Origens , ,59 Depósitos de Diversas Origens , ,34 Provisões Trabalhistas , ,75 Provisões Trabalhistas , ,57 Provisões de Férias , ,16 Provisões de Férias , ,98 Provisões de 13º Salário , ,59 Provisões de 13º Salário , ,59 Valores de Terceiros 234,05 825,15 Valores de Terceiros ,43 Inscrição de Restos a Pagar , ,80 Inscrição de Restos a Pagar ,97 DISPONÍVEL DO EXERCÍCIO ANTERIOR , ,03 DISPONÍVEL PARA O EXERCÍCIO SEGUINTE , ,49 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA , ,03 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA , ,49 Bancos Conta Movimento , ,50 Bancos Conta Movimento , ,26 Bancos Conta Arrecadação , ,21 Bancos Conta Arrecadação , ,66 Bancos Aplicação Financeira , ,29 Bancos Aplicação Financeira , ,94 Disponível para Aplicação Vinculada , ,03 Disponível para Aplicação Vinculada , ,63 TOTAL , ,43 TOTAL , ,43

5 1. CONTEXTO OPERACIONAL O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO, vinculado ao Conselho Federal de Contabilidade, criado pelo Decreto - Lei nº de 27 de Maio de 1946, alterado pela Lei 12249/10, é uma Autarquia Federal da Administração Indireta, dotada de personalidade jurídica e forma federativa, que tem como finalidade registrar os profissionais da contabilidade e escritórios contábeis, fiscalizar o exercício profissional dos técnicos em contabilidade e contadores, e manter a educação continuada por meio de palestras e seminários, proporcionando à sociedade bons serviços profissionais, executados em obediência aos princípios éticos e técnicos da profissão. Tem sua estrutura, organização e funcionamento estabelecidos pela Resolução CFC nº. 1370/2011, alterada pelas Resoluções n.º 1430 e 1459 de 2013, que trata do Regulamento Geral dos Conselhos, tem sua constituição, sede e foro regulamentados no seu Regimento Interno aprovado pela Resolução CRC SP nº. 1093/ DIRETRIZES CONTÁBEIS 2.1 Apresentação das Demonstrações Contábeis As Demonstrações Contábeis são de responsabilidade de sua Administração. Foram organizadas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil, elaboradas em conformidade com a Lei n.º 4.320/64, em observância às Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBCASP) e sua nova harmonização internacional; aos Princípios Contábeis geralmente aceitos; a Resolução CFC n.º 1161/09, que aprovou o Manual de Contabilidade do Sistema CFC/CRCs; as interpretações e orientações emitidas pelo CFC e as Instruções de Trabalho da Câmara de Controle Interno do CFC. 2.2 Práticas Contábeis Ativo Circulante NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 As principais práticas contábeis utilizadas na preparação das demonstrações contábeis estão definidas a seguir. a) Disponibilidades As disponibilidades são mensuradas e estão demonstradas pelo valor original na data do Balanço Patrimonial. As aplicações financeiras de liquidez imediata são mensuradas e estão demonstradas pelo valor original, atualizado até a data do Balanço Patrimonial. As aplicações em Certificados de Depósitos Bancários - CDB Flex e Cadernetas de Poupança foram efetuadas junto à Caixa Econômica Federal. As contas do grupo Bancos Conta Vinculada registram valores com destinação específica como o fundo para contingencias trabalhistas e os investimentos em Educação Profissional. O fundo para contingencias trabalhistas recebeu até dezembro de 2014 aportes anuais de R$ ,00 conforme ficou estabelecido quando da criação, acrescido da atualização monetária. b) Créditos a Receber Os Créditos a Receber se referem a valores de anuidades, multas de infrações e eleições que se encontram em aberto até o exercício de 2014 acrescidos de atualização monetária, multa e juros, em cobrança Administrativa e Dívida Ativa. Créditos de Curto Prazo Apresentam os saldos a receber referentes a valores de anuidades, multas de infrações e eleições, acrescidos de atualização monetária, multa e juros, em cobrança Administrativa. As atualizações dos créditos e os ajustes nas contas de provisões são contabilizados em contra partida com as contas de variações. Créditos do Exercício Anuidades , ,27 Multas por Ausência às Eleições ,60 - Multas por Infrações , ,98 Juros de Mora, Atualização Monetária e Multas , ,30 Total , ,55 Créditos de Exercícios Anteriores Anuidades 2.747, ,34 Multas por Infrações ,00 Juros de Mora, Atualização Monetária e Multas 502, ,94 Total 3.249, ,28 Parcelamento de Débitos em Curto Prazo Anuidades , ,69 Multas por Ausência às Eleições ,10 - Multas por Infrações , ,17 Juros de Mora, Atualização Monetária e Multas , ,86 Total , ,72

6 Perda Estimada com Créditos de Liquidação Duvidosa Ajuste de Perdas de Créditos ( , 21) ( ,50) Total ( ,21) ( ,50) A estimativa da perda com créditos de liquidação duvidosa sobre os créditos de curto prazo é calculada considerando-se o histórico de recebimento dos créditos apenas do exercício anterior. O percentual apurado é subtraído do total a receber dos créditos do exercício atual, apurando assim a previsão do que não será recebido; c) Estoques Compreende o somatório dos itens adquiridos pelo CRCSP, com o objetivo de utilização própria no curso normal de suas atividades operacionais e administrativas, composto principalmente de materiais de expediente, materiais para manutenção de bens móveis e imóveis, materiais de higiene, limpeza e conservação, e outros. Os materiais em almoxarifado estão avaliados pelo custo médio de aquisição, não superando o preço corrente de mercado. Almoxarifado Materiais de Consumo , ,36 Total , , Ativo Não Circulante a) Créditos Realizáveis a Longo Prazo São apresentados os saldos a receber referentes a valores de anuidades, multas por infrações e eleições, acrescidos de atualização monetária, multa e juros, inscritos em Dívida Ativa, subdivididos em Não Executados e Executados. As atualizações dos créditos e os ajustes nas contas de provisões são contabilizados em contra partida com as contas de Variações para posterior apuração do resultado do exercício. Parcelamento de Débitos Anuidades - 120,16 Multas por Infrações 4.099,54 463,14 Juros de Mora, Atualização Monetária e Multas 527,82 122,14 Total 4.627,36 705,44 Créditos de Exercícios Anteriores não Executados Anuidades , ,39 Multas por Ausência as Eleições , ,33 Multas por Infrações , ,61 Juros de Mora, Atualização Monetária e Multas , ,38 Total , ,71 Dívida Ativa Executada Anuidades , ,16 Multas por Ausência às Eleições , ,22 Multas por Infrações , ,04 Juros de Mora, Atualização Monetária e Multas , ,42 Total , ,84 Perda Estimada com Créditos de Liquidação Duvidosa Ajuste de Perdas de Créditos ( ,50) ( ,48) Total ( ,50) ( ,48) A estimativa da perda com créditos de liquidação duvidosa sobre os créditos de longo prazo é calculada considerando-se o histórico de recebimento de cada crédito de exercícios anteriores nos últimos 5 (cinco) anos. O percentual apurado é subtraído do total a receber desses mesmos créditos no exercício atual, apurando assim a estimativa do que não será recebido. b) Transações entre partes relacionadas Cota parte , ,61 Fides , ,61 A Cota parte refere-se a 20% da receita bruta que é repassada ao Conselho Federal de Contabilidade, excetuando as Receitas Diversas, a Remuneração de Aplicações Financeiras, as Subvenções e as Receitas por Alienação de Bens (Receita de Capital), de acordo com o Decreto-Lei nº 9.295/46. O Fides Fundo de Integração de Desenvolvimento da Profissão Contábil refere-se a 1% da receita de anuidades, deduzindo-se a Cota Parte sobre a mesma, que é repassado ao Conselho Federal de Contabilidade de acordo com a Resolução CFC nº 968/03.

7 c) Imobilizado Os bens móveis e imóveis estão demonstrados ao custo de aquisição acrescidos da reavaliação conforme laudos elaborados pela Empresa UNISIS ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL LTDA. aplicada a partir de 01/01/2012 atendendo a NBC T SP 16.9 e 10. Os Bens Móveis e Imóveis estão segurados nas seguintes modalidades: Responsabilidade Civil, Roubo, Incêndio, em quantia considerada suficiente no caso de eventual sinistro. Bens Móveis Móveis e Utensílios de Escritório , ,24 Máquinas e Equipamentos , ,48 Instalações , ,16 Utensílios de Copa e Cozinha , ,69 Equipamentos de Processamento de Dados , ,41 Sistemas de Processamento de Dados , ,75 Biblioteca , ,41 Obras de Arte , ,00 Outros Bens Patrimoniais , ,48 Total , ,62 Depreciação ( ,59) ( ,40) Bens Imóveis Sede , ,48 Terreno , ,00 Total , ,48 Depreciação ( ,44) ( ,44) d) Depreciação Os bens móveis adquiridos a partir de 01/01/2012 estão sendo depreciados com base na Instrução de Trabalho do CFC nº 004/2012, conforme a seguir: Móveis e Utensílios de Escritório, Máquinas e Equipamentos, Instalações, Utensílios de Copa e Cozinha, tempo de vida útil de 10 anos; Equipamentos Processamento de Dados tempo de vida útil de 5 anos, resultando nos saldos demonstrados no quadro aposto no item anterior. Os métodos utilizados são passiveis de mudanças, de acordo com o desgaste mensurado no período Passivo Circulante Representado por valores a pagar decorrentes de obrigações trabalhistas, de contratação junto a fornecedores pela aquisição de materiais e/ou serviços, originários de empenhos processados e não pagos até 31/12/2014; de obrigações fiscais de curto prazo e impostos e contribuições retidos de colaboradores e terceiros. As apropriações estão de acordo com a legislação vigente e alinhado a Instrução de Trabalho nº 008/2013 do CFC. a) Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias As obrigações são mensuradas pelo valor original Encargos Sociais a Pagar INSS - Instituto Nacional Seg. Social , ,98 FGTS - Fundo de Garantia por Tempo de Serviço , ,98 PASEP/PIS Caixa Econômica Federal , ,09 Total , ,05 b) Obrigações de Curto Prazo Obrigações Fiscais de Curto Prazo IRRF a recolher 1.979, ,74 ISS a recolher 9.402, ,89 IRRF/COFINS/CSLL/PIS a recolher 315, ,19 INSS a recolher , ,24 Total , ,06

8 Depósitos Consignáveis INSS , ,69 IRRF , ,33 Empréstimo Consignado , ,80 Outros , ,05 Total , ,87 Fornecedores Produtos e Serviços , ,11 Total , ,11 c) Contas a Pagar Depósitos de Diversas Origens Bradesco S/A 1.139, ,77 Caixa Econômica Federal - 37,76 CEF - Execuções Fiscais , ,08 Banco do Brasil , ,51 Santander 3.076,10 532,11 Total , ,23 Nessas contas são registrados os depósitos sem identificação, ficam pendentes até o final do exercício subsequente e os que não são identificados nesse período são transferidos para receita não identificada. d) Provisões de Curto Prazo São registrados os valores lançados a título de provisões para férias. Provisão de Férias A provisão para férias é constituída mensalmente, em atendimento ao regime de competência, com base nos saldos de férias adquiridas e proporcionais dos funcionários do CRCSP, acrescidas dos respectivos encargos, como demonstrado: Provisões Trabalhistas Férias , ,84 Encargos sobre Férias (INSS/FGTS/PIS) , ,05 Total , ,89 e) Provisões para Riscos Trabalhistas e Cíveis O Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo é parte em processos judiciais de naturezas trabalhistas e cíveis, decorrentes do curso de suas atividades. Na constituição das provisões judiciais, o Conselho leva em conta o posicionamento dos assessores jurídicos. Em atenção ao regime de competência, foi constituída a provisão com base na expectativa de desfecho de processos judiciais de natureza trabalhista e cível, impetrados na justiça até 31 de dezembro de 2014 em montantes suficientes para cobertura de eventuais perdas. Processos Trabalhistas São ações ajuizadas por ex-funcionários visando obter indenizações, que estão com classificação PROVÁVEL de perda. Em 2011 foi criado o fundo para provisões trabalhistas visando atender ao processo do ex-funcionário Paulo de Oliveira (espólio), esse fundo recebe aportes anuais no valor de R$ ,00 e atualizações monetárias. Provisão para Riscos Trabalhistas Processos Trabalhistas , ,78 Total , ,78 Processos Cíveis São ações ajuizadas por profissionais e escritórios contábeis visando obter indenizações por danos materiais/morais. Provisão para Riscos Cíveis Processos Cíveis , ,45 Total , ,45 f) Passivos Contingentes O Conselho possui ações trabalhistas que estão em processo de analise e que até o momento não foi possível avaliar a classificação bem como o seu montante. O Conselho possui ainda um processo cível, no montante de R$ 1.826,25 com classificação POSSÍVEL de perda. Ressalta-se que, os processos contingentes avaliados como de risco de perda POSSÍVEL não são reconhecidos contabilmente.

9 g) Restos a Pagar São despesas empenhadas, liquidadas e não pagas até o dia 31 de dezembro, pois se referem a encargos incorridos no próprio exercício, em consonância com o princípio da competência, totalizando R$ ,45. h) Provisão da Cota Parte do CFC Passou a ser reconhecida em 2012, é calculada em 1/5 do total dos créditos a receber, deduzindo-se as Provisões para Perda Estimada com Créditos de Liquidação Duvidosa. Em 2014 essa provisão foi sendo ajustada com base nas inclusões e baixas dos créditos a receber, totalizando de R$ , Apuração do Resultado a) Resultado Patrimonial O resultado patrimonial no valor de R$ ,12, foi apurado com base no regime de competência da receita e das despesas, escrituradas no subsistema patrimonial, atendendo à NBC T SP 16.5, a Resolução CFC nº /2007 item 16.1, a Resolução CFC nº. 1367/2011. Demonstração das Variações Patrimoniais Variações Aumentativas , ,17 Variações Diminutivas ( ,77) ( ,68) Resultado Patrimonial do Exercício ,12 ( ,51) A principal causa da redução do déficit patrimonial de 2013 se deve a finalização das obras de ampliação da sede ocorrida no final de b) Resultado Orçamentário O orçamento do CRCSP para o exercício de 2014 foi aprovado por meio da Resolução CRC SP n.º 1.155/2013, de 31 de outubro de 2013, publicada no DOU em 23 de dezembro de 2013, e alterações de acordo com a legislação vigente. Nele, estão contabilizados os valores das receitas arrecadadas e as despesas liquidadas, conforme disciplina o regime orçamentário, conforme a Lei 4.320/64. As receitas correntes estão representadas por anuidades (receita de contribuições), emolumentos recebidos com inscrições, expedição de carteiras e certidões, publicidade (receitas de exploração de serviços), atualização monetária, multa e juros sobre os créditos e rendimentos de aplicações financeiras (receitas financeiras), multa de eleições e por infrações (outras receitas). As receitas de capital estão representadas pela alienação de bens do imobilizado. As despesas correntes estão representadas por pessoal e encargos, benefícios assistenciais, uso de bens e serviços, financeiras tributárias e contributivas (tributos, cota parte do CFC e FIDES). As despesas de capital estão representadas por obras de ampliação do imóvel e aquisição de bens do imobilizado. Resultado Orçamentário Receitas Correntes Contribuições , ,65 Exploração de Serviços , ,10 Financeiras , ,07 Transferências , ,69 Multas , ,95 Indenizações e Restituições ,41 Receitas não Identificada , , , ,57 Despesas Correntes Pessoal e Encargos , ,92 Benefícios Assistenciais , ,70 Uso de Bens e Serviços , ,71 Financeiras , ,32 Tributárias e Contributivas , ,41 Outras Despesas Correntes , ,03 Despesas de Capital Obras e Instalações , ,26 Equipamentos e Materiais Permanentes , , , ,11 Déficit ,54 Superávit ,72

10 c) Resultado Financeiro O Resultado financeiro é representado pela diferença entre o ativo financeiro e o passivo financeiro, apurado em conformidade com a Lei n.º4.320/64, alinhado as orientações do Controle Interno do CFC. No Exercício de 2014 o superávit financeiro acumulado ficou em R$ , Patrimônio Liquido O patrimônio Líquido do CRCSP está constituído de recursos próprios, sofrendo variações em decorrência de superávits ou déficits apurados anualmente, até 31/12/2014 assim constituído: Patrimônio Líquido Patrimônio Social , ,43 Ajustes de Exercícios Anteriores , ,89 Resultado do Exercício ,12 ( ,51) Resultados Acumulados de Exercício Anteriores , ,05 O saldo da conta de Ajuste de Exercícios Anteriores é composto da seguinte forma: Saldo em 31/12/2013 Transferência do saldo para resultado de exercícios anteriores Acerto referente a salário maternidade sobre 13º registrado na despesa em 2013 Acerto referente a ISS apropriado a maior sobre nf 6889 AMC Informática em dezembro de 2013 Receita sobre vale refeição paga em dezembro/2013 descontado na folha de janeiro de 2014 Exclusão de títulos de fornecedores apropriados indevidamente em dezembro de 2013 Reversão da estimativa do acordo do serviço de locação dos equipamentos de informática Reversão das provisões de perdas de créditos de curto e longo prazo apropriada em excesso no ano anterior Complemento da provisão do CFC em função da apropriação a maior sobre a perda de créditos de curto e longo prazo Saldo em 31/12/ ,89 ( ,89) (2.175,53) 0,01 (22.980,90) (26.368,51) , ,32 ( ,08) ,32 A alta no valor da conta de Ajustes de Exercícios Anteriores se deve na sua maioria ao acerto das provisões de perdas dos créditos de curto e longo prazo ocorrida por uma falha no sistema de informática que estava desconsiderando uma parcela de pagantes. HOMOLOGAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis encerradas em 31/12/2014 e a prestação de contas do exercício de 2014 foram aprovadas pelo Colendo Plenário do CRCSP conforme Deliberação CRC SP nº. 07/2015 de 02/03/2015, e enviadas ao CFC para homologação São Paulo 31 de dezembro de 2014 CLAUDIO AVELINO MAC-KNIGHT FILIPPI WILSON ROBERTO PEDRO Presidente Chefe do Depto. de Contabilidade e Patrimônio CT CRC 1SP /O-0

11 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES À Diretoria do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo CRC - SP São Paulo SP Examinamos as demonstrações financeiras do CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO, referente ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014, que compreendem o balanço patrimonial, financeiro, orçamentário e as respectivas demonstrações das variações patrimoniais e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras A administração do CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelo auditor e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras do CRC-SP para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos do CRC-SP. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial, financeira e orçamentária do CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO em 31 de dezembrode 2014, o desempenhode suas operaçõese os seus fluxosde caixapara o exercíciofindonaquela data, de acordocom as práticascontábeisadotadas no Brasil. São Paulo, 13 de fevereiro de HUGO FRANCISCO SACHO CRC 1SP /O-1 SACHO AUDITORES INDEPENDENTES CRC 2SP /O-8 HOMOLOGAÇÃO DO CFC CÂMARA DE CONTROLE INTERNO DELIBERAÇÃO Nº. 038/2015 PROCESSO Nº.: 2015/ INTERESSADO: CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO ASSUNTO: PRESTAÇÃO DE CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2014 DELIBERA: Aprovar a Prestação de Contas do exercício de 2014 do Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo, concluindo pela Regularidade da Gestão, conforme decisão da Câmara de Controle Interno RELATOR: TC Vivaldo Barbosa Araújo Filho ATA CCI Nº.: 273 Brasilia-DF, 17 de junho de 2015 Contadora LUCILENE FLORÊNCIO VIANA Vice-presidente de Controle Interno HOMOLOGAÇÃO: Descisão aprovada pelo Egrégio Plenário do CFC. ATA Nº.: 1007 Contador JOSÉ MARTONIO ALVES COELHO Presidente

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2012.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2012. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 16.611.913,16 1.144.680,78 1.255.841,25 16.500.752,69 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 6.840.495,36 666.073,17 734.945,16 6.771.623,37 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.134.620,90 384.925,39

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 CONTEÚDO

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Exercício Atual 1.566.424,19

Leia mais

Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL

Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL CNPJ 63.002.141/0001-63 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS RELATIVAS AO EXERCÍCIO SOCIAL ENCERRADO EM 31/12/2016 Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2016 2015 PASSIVO 2016 2015 CIRCULANTE 42.727.858,25

Leia mais

Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis

Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2015. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES AUDITORES INDEPENDENTES S/C SÃO PAULO - RUA MADRE CABRINI, 99 VILA MARIANA SP CEP: 04020-000 FONE (0xx11) 5574-5252 - FAX: 5574-5578 E-mail: binah@sti.com.br C.N.P.J.M.F. 47.174.537/0001-31 CRC 2SP 009.597/O-8

Leia mais

ESPORTE CLUBE VITORIA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM

ESPORTE CLUBE VITORIA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM ESPORTE CLUBE VITORIA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E DE 2014 ESPORTE CLUBE VITÓRIA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E DE 2014 CONTEÚDO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL. Valores expressos em reais

BALANÇO PATRIMONIAL. Valores expressos em reais CNPJ 63.002.141/0001-63 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS RELATIVAS AO EXERCÍCIO SOCIAL ENCERRADO EM 31/12/2015 Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2015 2014 PASSIVO 2015 2014 CIRCULANTE 31.627.816,31

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 188.517,84D 249.103,95 163.587,81 274.033,98D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 22.816,55D

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 274.420,11D 306.106,05 284.589,88 295.936,28D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 108.718,82D

Leia mais

Esporte Clube XV de Novembro de Jaú Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores independentes

Esporte Clube XV de Novembro de Jaú Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 2 Balanço patrimonial 4 Demonstração

Leia mais

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011 Folha: 1 2 SISTEMA FINANCEIRO 1.906.387,90D 1.675.420,32 1.499.489,71 2.082.318,51D 2.1 ATIVO FINANCEIRO 2.510.142,26D 661.967,14 609.867,96 2.562.241,44D 2.1.1 DISPONÍVEL 2.505.864,48D 659.552,76 609.805,77

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração SECULUS CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A Endereço: Rua Paraíba, n.º 330 11º Andar Belo Horizonte - MG CNPJ: 04.787.807/0001-77 Relatório da Administração Senhores acionistas, Cumprindo determinação

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

Demonstrações Financeiras Instituto Odeon - Filial

Demonstrações Financeiras Instituto Odeon - Filial Demonstrações Financeiras Instituto Odeon - Filial 31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014 Índice

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$ RELATÓRIO DA DIRETORIA Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, apraz-nos apresentar para a devida apreciação o Balanço Patrimonial e Demonstrativos Financeiros, relativo ao exercício findo

Leia mais

TCE-RS Ciências Contábeis

TCE-RS Ciências Contábeis TCE-RS Ciências Contábeis Pessoal, vou comentar as questões da prova da área contábil. 46. Considere as seguintes informações extraídas de demonstrativos contábeis do primeiro semestre de 2014 de determinada

Leia mais

ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS

ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS CÒDIGO SISTEMA DE CONTA ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS CONTA 1.0.0.0.0.00.00 ATIVO 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1.0.0.00.00 DISPONÍVEL

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto

Serviço Autônomo de Água e Esgoto 1.0.0.0.0.00.00 Ativo 47.847.241,97 2.918.524,45 2.359.963,02 48.442.859,64 1.1.0.0.0.00.00 Ativo Circulante 4.019.462,20 917.703,39 820.794,61 4.116.370,98 1.1.1.0.0.00.00 Disponível 3.018.543,61 497.836,30

Leia mais

CRO/PE Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco CNPJ: 11.735.263/0001-65

CRO/PE Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco CNPJ: 11.735.263/0001-65 Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco CNPJ: 11.735.263/0001-65 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 4.424.204,80D 1.347.894,06 1.155.995,02 4.616.103,84D 1.1 - ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

Brasnorte Transmissora de Energia S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Brasnorte Transmissora de Energia S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Conteúdo Relatório dos auditores independentes 3-4 Demonstrativo das mutações do

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

Demonstrações Financeiras Fundo de Investimento Imobiliário CR2 Laranjeiras. 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Demonstrações Financeiras Fundo de Investimento Imobiliário CR2 Laranjeiras. 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Demonstrações Financeiras Fundo de Investimento Imobiliário CR2 Laranjeiras Índice Relatório dos auditores independentes 3 Demonstrações contábeis 5 Notas explicativas da Administração às demonstrações

Leia mais

CRO/PE Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco CNPJ: 11.735.263/0001-65

CRO/PE Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco CNPJ: 11.735.263/0001-65 Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco CNPJ: 11.735.263/0001-65 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 4.616.103,84D 823.206,08 747.448,36 4.691.861,56D 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 3.851.305,39D

Leia mais

CRO/RJ. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Odontologia CNPJ: 33.947.102/0001-78. Página:1/5. Abono Pecuniário de Férias (10 dias)

CRO/RJ. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Odontologia CNPJ: 33.947.102/0001-78. Página:1/5. Abono Pecuniário de Férias (10 dias) Conselho Regional de Odontologia CNPJ: 33.947.102/0001-78 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 14.622.545,78 505.442,23 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESA CORRENTE 14.569.359,98 14.065.734,75 14.065.734,75

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2016 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2016 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2016 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da Lei n 4.324/64

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001 1 ATIVO 1.01 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 DISPONIBILIDADES 1.01.01.01 CAIXA GERAL 1.01.01.01.01 Caixa Matriz 1.01.01.01.02 Caixa Filiais 1.01.01.02 DEPÓSITOS BANCÁRIOS - NO PAÍS 1.01.01.02.01 Bancos Conta

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ELABORADAS EM 31 DE DEZEMBRO (em milhares de reais)

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ELABORADAS EM 31 DE DEZEMBRO (em milhares de reais) CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ELABORADAS EM 31 DE DEZEMBRO (em milhares de reais) BALANÇO PATRIMONIAL BALANÇO FINANCEIRO R E C E I T A 2004 2003 ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

ORÇAMENTO PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA

ORÇAMENTO PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA EXERCÍCIO DO ESTADO 2016 ORÇA PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA 5.2 ORÇA APROVADO 5.892.000,00 5.2.1 PREVISÃO DA RECEITA 5.892.000,00 5.2.1.1 PREVISÃO INICIAL DA RECEITA 5.892.000,00

Leia mais

Ref: Resposta ao Ofício n ₒ 155-2014

Ref: Resposta ao Ofício n ₒ 155-2014 À BM&F Bovespa S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros Gerência de Acompanhamento de Emissores At: Sr. Nelson Barroso Ortega Cc: Comissão de Valores Mobiliários At: Sr. Jorge Luís da Rocha Andrade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Balancete Unidade Gestora

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Balancete Unidade Gestora Balancete 1 ATIVO 12.779.116,51 D 96.339.184,48 D 89.099.911,87 C 49.339.893,30 D 49.924.653,41 C 145.679.077,78 D 139.024.565,28 C 19.433.629,01 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.645.992,11 D 96.309.100,61 D 89.099.911,87

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 11

Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 11 Página 1 de 11 Criado pela Lei nº 047 de 10 de Setembro de 2013. ED. Nº 482/2015 ANO I I I PARAÍSO DAS ÁGUAS MS, QUARTA-FEIRA, 02 DE DEZEMBRO DE 2015 PODER EXECUTIVO MUNICIPAL Prefeito Municipal Ivan da

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas:

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas: RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: De acordo com as disposições legais e estatutárias, vimos apresentar-lhes o Balanço Patrimonial, a Demonstração de Resultados, a Demonstração das Mutações

Leia mais

Anexo 14 - Balanço Patrimonial

Anexo 14 - Balanço Patrimonial Página 1 de 5 CIRCULANTE 9.919.946,74 CIRCULANTE 30.835,00 Caixa e Equivalente de Caixa 93.278,58 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a pagar a Curto Créditos a Curto Empréstimos e

Leia mais

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Laudo de avaliação do acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia

Laudo de avaliação do acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia Laudo de avaliação do acervo líquido formado por determinados ativos e passivos Companhia Brasiliana de Energia Condomínio São Luiz Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830 Torre I - 8º Andar - Itaim

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 Altera, inclui e exclui itens das NBCs T 16.1, 16.2, 16.4, 16.5, 16.6, 16.10 e 16.11 que tratam das Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas aplicadas ao Setor Público. O

Leia mais

Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda. Laudo de avaliação a valor contábil do Patrimônio Líquido em 31 de março de 2014

Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda. Laudo de avaliação a valor contábil do Patrimônio Líquido em 31 de março de 2014 Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda. Laudo de avaliação a valor contábil do Patrimônio Líquido em 31 de março de 2014 KPMG Auditores Independentes Av. Borges de Medeiros, 2.233-8º andar

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Rodobens (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Rodobens (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Rodobens Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares reais

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A CREDICOAMO CRÉDITO RURAL COOPERATIVA é uma cooperativa de crédito rural singular e sua sede está localizada no município de Campo Mourão/PR, à Rua Fioravante João Ferri,

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC), localizado na SAS Quadra 05 Lote 03 Bloco J Ed. CFC - Brasília/DF,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08. Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08. Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de reais) BANDEPREV - BANDEPE PREVIDÊNCIA SOCIAL NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Bandeprev

Leia mais

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV QUESTÃO 01 PROVA ESPECÍFICA São fins da Contabilidade I - Assegurar o controle do patrimônio. II - Fornecer informações sobre a composição e as variações patrimoniais. III - Fornecer informações sobre

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores

Leia mais

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 1.0 EVENTOS DE ABERTURA 1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA D 111XXXXXXXX CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA F 2 ou 8 D 7211XXXXXXX CONTROLE DA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS

Leia mais

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Conceito: - Conjunto de ingressos e desembolsos de numerários ao longo do período - Representação dinâmica da situação financeira

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Contabilidade Conceito Para Ribeiro (2005), a contabilidade é uma ciência social que tem por objeto o patrimônio das entidades econômico-administrativas.

Leia mais

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 8º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13 CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA...................................... 13 1.1 Características......................................... 15 1.2 Princípios contabilísticos..................................

Leia mais

CPFL LESTE PAULISTA NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE

CPFL LESTE PAULISTA NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE CPFL LESTE PAULISTA NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em milhares de reais, exceto quando indicado

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Av. Queiroz Filho, 1700 6 andar - 608 Sunny Tower Torre D 05319-000 - São Paulo SP Brasil Tel: (11) 3862-1844 Fax: (11) 3873-7342 s gs @sgs aud ito re s.c om.b r www.sg sa ud ito res.co m.b r RELATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 PREPARADOS PARA VENCER RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 RT 007/2015 Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Judô 31 de dezembro de 2014 Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA EDSON MORORÓ MOURA

INSTITUTO DE TECNOLOGIA EDSON MORORÓ MOURA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E PERÍODO DE 28 DE JANEIRO (DATA DE INÍCIO DAS OPERAÇÕES DA ENTIDADE) A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Demonstrações Contábeis Exercício Findo

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

ESTRUTURA DO DEBATE PRINCIPAIS MUDANÇAS DESSE PROCESSO. Introdução. Visão do controle acerca dos novos conceitos e procedimentos contábeis

ESTRUTURA DO DEBATE PRINCIPAIS MUDANÇAS DESSE PROCESSO. Introdução. Visão do controle acerca dos novos conceitos e procedimentos contábeis PATRIMÔNIO, CONTABILIDADE, FUNÇÃO E RESPONSABILIDADE DE CONTADOR JORNADA TÉCNICA Ronaldo Ribeiro de Oliveira Auditor Público Externo Secretário-Chefe da Consultoria Técnica ESTRUTURA DO DEBATE Introdução

Leia mais

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2007 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 30 de

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hotel Maxinvest (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hotel Maxinvest (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 10 134 Rendimentos a distribuir 701 457 Aplicações financeiras de renda fixa 1.449

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS 1- Contexto Operacional 2 Apresentação e Elaboração das Demonstrações Contábeis 3 Principais Práticas Contábeis

NOTAS EXPLICATIVAS 1- Contexto Operacional 2 Apresentação e Elaboração das Demonstrações Contábeis 3 Principais Práticas Contábeis NOTAS EXPLICATIVAS 1- Contexto Operacional O Conselho Regional de Contabilidade do Paraná, localizado a rua Xv de Novembro nº 2987 Curitiba PR, criado pelo Decreto-Lei n 9295/46 e alterado pela Lei n 12.249/10,

Leia mais

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS 1 de 5 31/01/2015 15:34 REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Até 31.12.2007, a Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8º, admitia a possibilidade de

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 1.648. DEPARTAMENTO DE NORMAS DO MERCADO DE CAPITAIS Gustavo Jorge Laboissière Loyola CHEFE

CARTA CIRCULAR Nº 1.648. DEPARTAMENTO DE NORMAS DO MERCADO DE CAPITAIS Gustavo Jorge Laboissière Loyola CHEFE CARTA CIRCULAR Nº 1.648 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.234, de 19/11/1991. Comunicamos às instituições vinculadas à Área do Mercado de Capitais que, tendo em vista o disposto na alínea

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Orçamento Público Carga Horária:50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da disciplina:

Leia mais

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84.

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84. Folha: 1 1 ATIVO 8.691.994.154,02D 1.342.304.403,87 1.179.704.682,09 8.854.593.875,80D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 3.466.459.417,09D 1.235.880.022,69 1.139.597.863,30 3.562.741.576,48D 1.1.1 Disponível 1.048.640,92D

Leia mais

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Brasília, Dezembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Baseado nas Normas Internacionais de Contabilidade IFRS,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 A escrituração contábil e a emissão de relatórios,

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL Emissão: 24/03/16 14:24 Balancete. Folha: 1 Período: 01/01/16 a 31/01/16. Saldo Anterior.

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL Emissão: 24/03/16 14:24 Balancete. Folha: 1 Período: 01/01/16 a 31/01/16. Saldo Anterior. Folha: 1 Débitos Créditos Atual A T I V O ATIVO CIRCULANTE DISPONIVEL Caixa 6.445,20 56.739,37 60.742,77 2.441,80 ** total de DISPONIVEL 6.445,20 56.739,37 60.742,77 2.441,80 BANCOS CONTA MOVIMENTO Banco

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul - SINTRAJUFE RS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul - SINTRAJUFE RS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul - SINTRAJUFE RS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 e Relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP

Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade Paulo Henrique Feijó 2009 Principais Pontos Orientações

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

GT Contábil Outubro/2012. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF

GT Contábil Outubro/2012. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF GT ontábil utubro/2012 oordenação Geral de Normas de ontabilidade Aplicadas à Federação STN/NF Última Atualização: outubro/2012 2 NVÊNIS NVÊNIS ISAS 23 -Receita de Transação sem ontraprestação (Tributos

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da Lei n 4.324/64

Leia mais

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP Estrutura da Lei 4.320/1964 TítuloI DaLeidoOrçamento(Artigo2ºao21) TítuloII DaPropostaOrçamentária(Artigo22ao31) TítuloIII DaElaboraçãodaLeidoOrçamento(Artigo32ao33) TítuloIV

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECIONAL DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECIONAL DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECIONAL DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1 ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECIONAL DE SÃO PAULO Demonstrações contábeis

Leia mais

MODELO DE PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS DE GRANDE PORTE

MODELO DE PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS DE GRANDE PORTE MODELO DE PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS DE GRANDE PORTE Balancete Analítico Trimestral Trimestre Nome da Empresa: Logradouro: Número: Município: Telefone: E-Mail: CNPJ Obs.: prencher somente os campos

Leia mais

ABCD. LFG Business, Edições e Participações Ltda. Laudo de avaliação a valor contábil

ABCD. LFG Business, Edições e Participações Ltda. Laudo de avaliação a valor contábil LFG Business, Edições e Participações Ltda. Laudo de avaliação a valor contábil KPMG Auditores Independentes R. Dr. Renato Paes de Barros, 33 04530-904 - São Paulo, SP - Brasil Caixa Postal 2467 01060-970

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS O Governo do Tocantins, nos termos do inciso VII, do artigo 40 da Constituição Estadual, por intermédio do Excelentíssimo

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 1.1.1.1.1.01.00 CAIXA D S P F NIS B NENC S N S 1.1.1.1.1.02.00 CONTA ÚNICA D S P F NIS B NENC S N S

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 1.1.1.1.1.01.00 CAIXA D S P F NIS B NENC S N S 1.1.1.1.1.02.00 CONTA ÚNICA D S P F NIS B NENC S N S NAT. 1.0.0.0.0.00.00 ATIVO N 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO CIRCULANTE N 1.1.1.0.0.00.00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA N 1.1.1.1.0.00.00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL N 1.1.1.1.1.00.00 CAIXA E

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis AFMF/LA/VA/TMS/GGA 3278/13 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA 5 REGIÃO - BA, SE Sistema de Contabilidade Relatório de Controle de Projetos 2004 - OBRIGAÇÕES LEGAIS

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA 5 REGIÃO - BA, SE Sistema de Contabilidade Relatório de Controle de Projetos 2004 - OBRIGAÇÕES LEGAIS 8 2004 - OBRIGAÇÕES LEGAIS s Garantir qualidade e confiabilidade nos processos e nos procedimentos do Sistema CFB/CRB Em cumprimento à legislação, os ordenadores de despesa são responsáveis pelo recolhimento

Leia mais