O MERCADO HOSPITALAR DE FRANCA, SUAS POSSIBILIDADES E SEUS LIMITES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MERCADO HOSPITALAR DE FRANCA, SUAS POSSIBILIDADES E SEUS LIMITES"

Transcrição

1 89 O MERCADO HOSPITALAR DE FRANCA, SUAS POSSIBILIDADES E SEUS LIMITES Andresa de Moura dos Santos (Uni-FACEF) Ludymilla Borges Rodrigues (Uni-FACEF) Profª Drª Nara Lúcia Facioli (Uni-FACEF) INTRODUÇÃO A hotelaria hospitalar atualmente conceitua-se como um segmento hoteleiro que visa suprir as necessidades dos clientes que buscam assistência especial para alguma enfermidade, com o sistema de hospitalidade, que em conjunto com o tratamento médico hospitalar torna a estada do cliente satisfatória, com um diferencial de tratamento aos pacientes, proporcionando instalações aconchegantes e com produtos e serviços que se assemelham a de hotéis. (BORBA, 2004) A administração hospitalar traz em suas primícias não somente um sistema básico de saúde, mais um planejamento hospitalar extenso, com o intuito de alavancar a organização a um nível de qualidade expressivo, utilizando como ferramenta a hotelaria hospitalar dentro de empreendimentos que buscam um destaque perante seus concorrentes e a fidelização de seus clientes. Ainda segundo Borba, o conceito de fidelizar clientes é na realidade uma abordagem de qualidade do produto ou serviço, de forma a manter o cliente satisfeito e fiel ao produto ou serviço. Fiel à marca, fiel ao plano de saúde, fiel à cooperativa médica, fiel ao hospital e fiel ao médico. A implantação do departamento de hotelaria hospitalar tem como método sugestivo a melhora da passagem do cliente pela empresa de saúde e implica em serviços diferenciados que qualificam o prestador e os setores envolvidos dentro da empresa. Dada a importância do assunto nos tempos atuais, onde a hospitalidade é parte integrante do desenvolvimento da hotelaria hospitalar, o presente estudo

2 90 pretende, além de apresentar este tema e seus serviços, salientando o seu desenvolvimento e benefícios para os estabelecimentos de saúde e seus colaboradores, seja interno ou externo, com o objetivo de cativar os clientes, estudar a implantação da hotelaria hospitalar do Hospital Regional de Franca, SP e o comportamento dos hospitais da cidade frente a este tema, uma vez que a concorrência entre eles é grande. BREVE HISTÓRICO Desde a antiguidade, os hospitais têm a função de acolher e cuidar dos doentes, oferecendo hospedagem, alimentação e cuidados com a saúde. Os primeiros indícios desse fato devem-se ao budismo: [...] em ordem cronológica, vários autores indicam a existência de hospitais anexos aos mosteiros budistas, em 543 a. C. no Ceilão; entre os anos 437 e 137 a. C. e 18 instituições fundadas pelo rei Asoka [...] (LISBOA, 2006, p.8). Ainda conforme Lisboa, com o início do cristianismo surge uma nova visão a respeito dos hospitais e uma humanização para com os menos favorecidos, ou seja, com órfãos, idosos, enfermos e viúvas, fazendo aparecer entidades eclesiásticas para dar uma assistência a essas pessoas, assim como para viajantes peregrinos. Após a expansão do cristianismo, já no ano de 369, em Capadócia, São Basílio construiu um dos primeiros e principais nosocomium, que era um lugar para abrigar doentes junto ao convento, com várias edificações, como escolas técnicas, de manufaturas e residências para diáconos. No início do século XIII, surge um movimento para subtrair esse papel da igreja. Um dos fatos que contribuíram para isso foi o Concílio de Le Mans, em 1247, que determinou que qualquer prática de medicina envolvendo pequena cirurgia deveria ser feita pelos cirurgiões barbeiros. A riqueza das cidades européias fez com que as autoridades municipais não só intervessem como assumissem o papel de zelar pelos hospitais e pela saúde dos cidadãos, porém o clero não abandonou totalmente as atividades entre os séculos XIII à XVI; e até hoje percebemos a presença da igreja dentro das organizações de

3 91 saúde, pois muitos hospitais têm as visitas religiosas, de acordo com a crença e religião do enfermo. Para alguns autores, as transformações pelas quais os hospitais passaram, no decorrer dos séculos, foi influência do clero e isto se deve a quatro fatores que colaboraram com essas mudanças: introdução da medicina profissional em sua área; redefinição de seu perfil institucional; especificação de suas atribuições terapêuticas e aproveitamento de recursos disponíveis. A partir do momento que as tarefas do hospital são retiradas da igreja e passa ao médico é ele quem organiza o espaço e a refeição para que tudo seja visto como cura, utilizando métodos terapêuticos. Outra definição, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) é que: Hospital é parte integrante de uma organização médica e social cuja missão consiste em proporcionar à população uma assistência médicosanitária completa, tanto curativa como preventiva, e cujos serviços externos irradiam até o âmbito familiar, o hospital é também um centro de formação de pessoal da saúde e de investigação biológica e psicosocial. (SAÚDE, 2009) <http://www.saude.ms.gov.br/controle/showfile.php?id=199 43>, acesso em 10/05/2009). Uma outra linha de estabelecimento de saúde são as Santas Casas de Misericórdia, que surgiram na época do renascimento e espalharam-se por todo o mundo. Segundo Cherubin (2002), a denominação misericórdia era atribuída às instituições que se inspiraram na Fundação de Florença, na Itália, uma iniciativa de D.João II, rei de Portugal, que designou a construção do Hospital de Todos os Santos em Lisboa. No Brasil, os primeiros hospitais a serem fundados foram as Santa Casas de Misericórdia, sendo que e a pioneira foi a Santa Casa de Misericórdia de Santos, fundada no ano de Tratando-se de legislação nacional, o órgão que cuida das leis e diretrizes no âmbito da saúde é o Ministério da Saúde, ligado a duas autarquias: a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e a ANS (Agência Nacional de Saúde) (SAÚDE, 2009).

4 92 O Ministério da Saúde foi instituído em 1953 pela Lei nº desdobrando-se em dois ministérios, pois antes, a educação ficava a cargo desse órgão também. Sua finalidade, no início, era manter as mesmas características do DNS (Departamento Nacional de Saúde), cujo objetivo era controlar doenças como a febre amarela e a malária. No entanto, o ministério executava a parte legal, pois o controle das doenças ficava a cargo de outros departamentos, isto é, a fiscalização era feita por outros setores. HOTELARIA HOSPITALAR Todos os hospitais, independente de serem públicos ou privados, devem enviar uma série de arquivos de pacientes e mesmo informações administrativas para que as autarquias do governo possam estar a par de tudo que acontece na organização de saúde, sendo que e a omissão dessas informações pode gerar até multas, o que não garante que o atendimento prestado ao usuário seja adequado do ponto de vista da qualidade. Cumpre ressaltar que, além da questão da humanidade e de direito do cidadão, para os hospitais privados o paciente é também um cliente essencial para a existência do mesmo, inclusive do ponto de vista econômico. Sob este aspecto, a satisfação do cliente com o serviço oferecido, ainda que diante de uma situação desagradável de enfermidade, é crucial para a fidelização do mesmo enquanto cliente. Cada vez mais vem se tornando difícil captar e manter clientes, portanto a hotelaria hospital é um meio para conseguir tal feito ou facilitar a escolha do paciente, fazendo com que este opte por este ou aquele hospital. Segundo Castelli (2005), a necessidade de acolhida é universal, pois todos os homens necessitam um dos outros. Diante deste contexto, a hotelaria hospitalar surge como ferramenta para satisfazer o cliente dentro de um ambiente de fragilidade física e emocional decorrentes de enfermidades. Durante o período de internação, o indivíduo fica privado da sua vida cotidiana e com esta nova forma de administrar, o ambiente hospitalar torna-se menos frio e impessoal. As cores do quarto podem ser alteradas, trazendo tonalidades mais

5 93 alegres, mobílias sutis, cardápio diferenciado para o paciente que possui dieta livre, jornais, revistas, capitão porteiro para acompanhar o cliente e levar a bagagem até a unidade de internação, camareiras, hall de entrada diferenciado lembrando mesmo um hotel, uma entrada de internação diferente da entrada do pronto socorro, dentre outros diferenciais, mas sem esquecer do tratamento. Sobre o atendimento na recepção, Godoi (2004, p.109) aponta: A recepção é a porta de entrada do hospital e também seu cartão de visitas. É geralmente o primeiro local onde o cliente recebe uma atenção pormenorizada e atendimento pessoal individualizado, no que tange a cobertura de internação, funcionamento de processos internos, de autorização de procedimentos médicos, clínicos ou cirúrgicos. Costuma ser também o último a causar impressão no paciente ao providenciar a alta hospitalar e acertos de conta pelo caixa. Segundo Borba (2004, p.74), ambiência é tentar fazer da organização de saúde um ambiente agradável, na medida do possível, com cores alegres nas paredes, ambientes decorados, aconchegantes, limpos e com iluminação adequada. Contudo, vai se tornando cada vez mais difícil captar e manter clientes, sendo assim, a hotelaria hospital é um meio para atingir tal objetivo ou facilitar na escolha do cliente, fazendo com que opte por este ou aquele hospital. OS HOSPITAIS DA CIDADE DE FRANCA De acordo com o senso de 2008, a cidade de Franca, SP, tem habitantes, os quais são disputados por dois hospitais particulares de médio porte e por um ambulatório particular, que não possui estrutura predial para internação, mas tem convênio próprio e conta com todas as especialidades para atender seus conveniados que, se precisarem de internação, são encaminhados para a Santa Casa de Misericórdia de Franca (FRANCA, 2009). Ainda que a cidade conte com essas duas organizações de saúde, também fazem parte do mercado hospitalar de Franca o Hospital do Coração, o Hospital do Câncer e o Hospital Alan Kardec. O Hospital e Maternidade São Joaquim Unimed, é uma organização de saúde privada que implantou a hotelaria hospitalar em 2006 e desde então vem

6 94 apresentando resultados positivos, de acordo com entrevista cedida pela gerente de hotelaria hospitalar da organização (LOREN, 2009). Neste hospital, os pacientes são tratados como clientes e são tratados de uma maneira especial. A organização trata cada paciente de maneira individualizada e toda a equipe fica pronta para atender a cada solicitação do mesmo e até mesmo esclarecer dúvidas ou auxiliar também seus familiares. Outro diferencial é o enxoval, cada setor tem uma cor diferenciada e uma etiqueta indicando qual é seu local de origem. Além de uniformizar os andares, é uma maneira de medir a vida útil da roupa de cama de cada local. Os cardápios dos pacientes são diferenciados, quebrando o paradigma de que comida de hospital é sem sabor e ruim. O SND (Serviço de Nutrição e Dietética) deste hospital trabalha em parceria com a copa e cozinha, sendo a nutricionista que indica o caminho a seguir no acompanhamento diário das refeições de cada paciente. Um paciente com dieta livre pode escolher as opções do menu ou sugerir algo de sua preferência, inclusive a sobremesa. Todo aniversário de pacientes internados é comemorado com bolo, que é levado ao quarto. Há dois anos, o Hospital São Joaquim contratou o administrador Marcelo Assad Boeger para dar um curso para todos os seus colaboradores, promovendo a hotelaria hospitalar e indicando as metas a serem seguidas. Também são desenvolvidos eventos internos e externos para divulgar a hotelaria hospitalar da organização. Além disso, conta com o serviço de SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente), que é feito por uma assistente social, com o objetivo de auxiliar as famílias que estão com entes queridos em estado terminal, ouvir sugestões, reclamações e buscar soluções. O hospital quando recebe um paciente, é de forma diferenciada, oferecendo como cartão de boas vindas uma flor no quarto. Enfim, o Hospital e Maternidade São Joaquim Unimed adotou este novo método de administração, a hotelaria hospitalar, com o objetivo de melhorar a estada de seus pacientes e promover o marketing da empresa.

7 95 O Hospital Regional de Franca foi fundado há 41 anos e é administrado por um grupo de seis conselheiros e o presidente, além do diretor administrativo. A empresa conta com leitos UTI Néo, UTI adulto, centro cirúrgico, maternidade, pediatria, CDI (centro de diagnóstico por imagem), berçário e ambulatório (HOSPITAL REGIONAL DE FRANCA, 2009). Na década de 80 foi inaugurada a operadora de planos de saúde do próprio hospital, isto é, a organização tem seu próprio plano de saúde, com cerca de conveniados. Além disso, dispõe de um serviço de fidelização que consiste em visitar empresas que já são conveniadas e buscar novos clientes. De acordo com Borba (2004, p.205): o conceito de fidelizar clientes é na realidade uma abordagem de qualidade do produto ou serviço, de forma a manter o cliente satisfeito e fiel ao produto ou serviço, fiel à marca, fiel ao plano de saúde, fiel à cooperativa médica, fiel ao hospital, fiel ao médico e essencialmente fiel a nós. O plano de saúde do Hospital Regional de Franca mantém convênios com laboratórios e com a Abrange, um sistema de saúde que possibilita ao usuário ser atendido em qualquer hospital particular do país, nos casos de urgência e emergência. Mantém também parcerias com o Hospital do Coração em Franca e Hospital São Francisco em Ribeirão Preto, além de ter soluções de diagnóstico por imagem mais eficientes no próprio Hospital Regional de Franca. Quando necessário, fornece transporte terrestre e aéreo para os pacientes. O hospital oferece aos clientes internados o serviço de copa 24 horas, com opção de cardápio à la carte para os que possuem dieta livre. Também tem o trabalho dos doutores da alegria, que é feito pelo grupo Andarilhos da Luz. Em datas comemorativas como aniversários e festas juninas, o menu é diferenciado. Contudo, a organização ainda dispõe de um serviço de ouvidoria para auxiliar clientes e acompanhantes, seja para solucionar algum problema, ou para buscar algum material hospitalar a ser utilizado fora do hospital, tais como: cadeira de rodas, muletas e camas, pois, muitas vezes, o acompanhante necessita de algo nesse sentido e não tem conhecimento onde conseguir.

8 96 A empresa conta com o apoio de uma psicóloga contratada, para assistir os pacientes internados e acompanhantes que estão passando por momentos difíceis, e mesmo ouvir e ajudar os colaboradores. A missão da empresa é proporcionar um atendimento humano aos seus clientes e utilizar cada vez mais as melhores tecnologias para auxiliar nos tratamentos, como foi o caso do tomógrafo helicoidal que o hospital adquiriu, a fim de facilitar o diagnóstico por imagem. A Fundação Espirita Allan Kardec é um hospital psiquiátrico que atende clientes particulares e pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde). Para cada um desses pacientes existe um serviço diferenciado, de acordo com entrevista feita pela assistente social da organização no ato da internação. Os clientes internados no setor particular têm no café da manhã como opção de alimentação: suco de frutas, achocolatado, leite, frutas, frios e bolachas, entre outras opções de escolha. Os pacientes do SUS, mantidos pelo estado, têm um café da manhã básico, ou seja, pão, manteiga, café e leite. A lavanderia do hospital é própria e lava as roupas usadas pelos pacientes, o enxoval de cama e banho e o uniforme dos funcionários, que é cedido pela própria instituição. A limpeza é feita pelas próprias funcionárias, que também trocam as roupas de cama e organizam os quartos. Os apartamentos particulares comportam de 2 a 3 leitos simples, enquanto que os do estado têm 8 leitos. Estes últimos não permitem acompanhantes e as visitas são realizadas a partir do 7º dia de internação, sendo que o único evento que tem na organização é a oficina de artesanato. A Santa Casa de Misericórdia de Franca foi fundada em 1897 por um grupo de beneméritos, mas começou suas atividades formalmente no ano de 1901 e em 1935 tornou-se uma fundação (SANTA CASA DE FRANCA, 2009). Ligados a Santa Casa de Misericórdia estão os Hospitais do Coração e Câncer, nos quais a organização é mantenedora.

9 97 O complexo, Santa Casa de Franca, Hospital do Câncer e Hospital do Coração totalizam 304 leitos, atendendo em média a internações e realizando 600 cirurgias mensais. Presta serviços a 22 municípios e oferece um atendimento humano para todos os que procuram estes hospitais. Além disso, o hospital oferece UTI-Neo, UTI adulto e pediatria, esta última com uma brinquedoteca anexa, que é um local para desenvolver a recreação, a fim de promover um tratamento humanizado. Esta organização de saúde dispõe de um projeto de humanização envolvendo todos os colaboradores, desde a recepção até os médicos, promovendo o acolhimento do cliente e de seus familiares e contando também com o apoio dos doutores da alegria. O SND, é composto por duas nutricionistas, 27 copeiras, 30 cozinheiros, 5 lactaristas, 3 estoquistas e um supervisor operacional. Os pacientes com dieta livre têm a opção de cardápio, mas a alimentação é cuidadosamente supervisionada pela nutricionista, que auxilia no balanceamento das refeições também após o período de alta, colaborando para que os mesmos continuem se alimentando adequadamente. A ortopedia é um outro setor do hospital em que toda sexta-feira é decorado para receber as crianças que farão o teste do pezinho. Os próprios colaboradores se encarregam de deixar o ambiente mais alegre e humano. Portanto, o mercado hospitalar de Franca tem boas empresas e cada qual com sua peculiaridade. O complexo da Santa Casa de Misericórdia, que envolve os hospitais do Câncer e do Coração, busca cada vez mais tornar o ambiente mais leve e agradável. Já o Hospital e Maternidade São Joaquim Unimed possui a hotelaria hospitalar implantada e desenvolvida, buscando novos clientes e mantendo os antigos. O Hospital Regional de Franca não tem a hotelaria hospitalar implantada e o Hospital Allan Kardec, devido a sua característica organizacional, não vislumbra essa possibilidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS

10 98 Os hospitais da cidade de Franca têm muito a ofercer aos clientes da cidade e região, porém foram detectados problemas organizacionais tais como a falta de capacitação de funcionários e a falta de interesse por parte de algumas organizações no seu desenvolvimento, fatos que influenciarão na aplicabilidade da hotelaria hospitalar, isto é, para que um projeto nesse sentido se desenvolva, todos os funcionários, médicos, colaboradores e diretoria devem estar envolvidos. Além disso, como sugestão, deixamos algumas alternativas, como por exemplo, minimizar o desconforto da internação decorando os apartamentos com uma mobília mais acolhedora, treinando os funcionários objetivando a hospitalidade dentro da organização, desenvolvendo o lazer e a recreação de forma a entreter os pacientes, por exemplo, com oficinas diversas, como pintura, trabalhos manuais, leitura, música, entre outras atividades. Também podem fomentar o trabalho voluntariado, o que ajudaria muito nessas atividades. Enfim, o mercado está muito competitivo e a cada dia surge mais um plano de saúde e hospitais ligados a eles. Portanto, cabe a cada organização maximizar os resultados da hotelaria hospitalar e fazer com que o paciente se sinta um hóspede, sem esquecer que o foco principal é o cuidado com a saúde. Notas: (1) Alunas do 7º semestre do Curso de Turismo e Hotelaria do Uni-Facef (Centro Universitário de Franca). (2) Professora Dra. do Curso de Turismo e Hotelaria do Uni-Facef. REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS BORBA, Valdir Ribeiro. Marketing de relacionamento para organizações de saúde. São Paulo: Atlas, BORBA, Valdir Ribeiro; LISBOA, Teresinha Covas. Teoria geral de administração hospitalar: estrutura e evolução do processo de gestão hospitalar. Rio de Janeiro: Qualitymark, CHERUBIN, Niversindo Antônio. Administração hospitalar: fundamentos. São Paulo: Loyola, 2002.

11 99 CASTELLI, Geraldo. Hospitalidade na perspectiva da gastronomia e hotelaria. São Paulo: Saraiva, DAVIES, Carlos Alberto. Manual de hospedagem: simplificando ações na hotaleria. Caxias do Sul: EDUCS, GODOI, Adolfo Felix. Hotelaria hospitalar e humanização no atendimento em hospitais. São Paulo: Ícone, ROSEN, George. Da polícia médica à medicina social: ensaios sobre a história da assistência médica. Rio de Janeiro: Graal, ANS Agência Nacional de Saúde. Ministério da Saúde. Sobre a ANS. Brasília, p. Disponível em: Acessado em 10 abril ANVISA Agência nacional de Vigilância Sanitária. Ministério da Saúde.. Sobre a ANVISA. Brasília, p. Disponível em: Acessado em 10 abril ESPMT Escola de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul. Sobre hospital. Mato Grosso do Sul, p. Disponível em : Acessado em 10 abril FRANCA. Dados sobre a cidade. Franca, p. Disponível em: Acessado em 10 abril HOSPITAL REGIONAL DE FRANCA. História da instituição. Franca, p. Disponível em: Acessado em 10 abril SANTA CASA DE FRANCA. Sobre a instituição. Franca, p Disponível em: <http://www.santacasadefranca.com.br/fccmf>, Acesso em 10 de abril de SAÚDE. Ministério da Saúde. Sobre o ministério. Brasília, p. Disponível em: Acessado em 10 abril 2009.

Humanização no Atendimento

Humanização no Atendimento 1ª Jornada de Hotelaria Hospitalar Humanização no Atendimento Outubro de 2014 Juliana Hissamura Se pudéssemos ver o coração dos outros e entender os desafios que cada um enfrenta, acredito que nós trataríamos

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ. Área: TURISMO

A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ. Área: TURISMO A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ Área: TURISMO SOUZA Janaína Terezinha de MASCARENHAS, Rubia Gisele Tramontin Resumo A atividade turística está ligada

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Rua Visconde de Paranaguá, nº 24 Campus Saúde CEP: 96.200-190 Bairro Centro Rio Grande Rio Grande do Sul/RS Brasil Acesso

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM HOTELARIA HOSPITALAR Unidade Dias e Horários

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Definição Atribuições Organograma da Hotelaria Hospitalar Diretor de Hotelaria Hospitalar (descrição de cargo) Ouvidoria ou Ombudsman Código de Ética do

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Merielle Barbosa Lobo Pró-Saúde Hospital Materno Infantil Tia Dedé Tocantins Brasil merielle.hmitd@prosaude.org.br A ORIGEM DA ATIVIDADE HOTELEIRA O hotel

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA A - Empresa Com um terreno de 1.000.000 m² e 354.000 m² de área construída, o Centro Comercial Leste Aricanduva surgiu em 1991 com a inauguração do primeiro shopping center

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Nutrição e Gastronomia Tendências e Inovações para a Alimentação Saudável. Andréa Luiza Jorge

Nutrição e Gastronomia Tendências e Inovações para a Alimentação Saudável. Andréa Luiza Jorge Nutrição e Gastronomia Tendências e Inovações para a Alimentação Saudável Andréa Luiza Jorge Introdução Nenhum alimento que entra em nossas bocas é neutro. A historicidade da sensibilidade gastronômica

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Humanização HIAE - Planetree. Junho 2013

Humanização HIAE - Planetree. Junho 2013 Humanização HIAE - Planetree Junho 2013 PLANETREE EINSTEIN O Hospital, em função dos programas que já tem e de seu compromisso com o cuidado centrado nos pacientes, firmou parceria com o Planetree pois

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 042, DE 11 DE MAIO DE 2011 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 297ª Reunião Ordinária, realizada em 11 de maio de 2011, e considerando

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO Tel.: (11) 4414-6000 - Ramal: 6420 (11) 4414-6072 Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h Seja bem-vindo ao nosso

Leia mais

Professor Doutor, chefe da seção de hotelaria hospitalar HRPG departamento de turismo, rubiatin@uepg.br. 2

Professor Doutor, chefe da seção de hotelaria hospitalar HRPG departamento de turismo, rubiatin@uepg.br. 2 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A HOTELARIA HOSPITALAR E O

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

Tabela de Vendas. Adesão. Volta Redonda

Tabela de Vendas. Adesão. Volta Redonda Tabela de Vendas Adesão Volta Redonda Validade: Janeiro/2016 Volta Redonda PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia (com Coparticipação) Planos com Abrangência Local

Leia mais

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO Dr. Antonio Carlos Forte SANTA CASA DE SÃO PAULO Complexo hospitalar formado por dez unidades de assistência a

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Registro de reuniões setoriais Setor: Serviço Social Unidade Dom Bosco Data: 29.05.2009

Leia mais

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO Profª Omara Machado Araujo de Oliveira Nutricionista (UFF) Mestre em Saúde Coletiva (UFF) Pós-Graduada em Nutrição Clínica ( UFF) ATRIBUIÇÕES LEGAIS E ESPECÍFICAS DO

Leia mais

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos.

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos. saída; Meios de Hospedagem Os meios de hospedagem oferecerão ao hóspede, no mínimo: I- Alojamento, para uso temporário do hóspede, em unidades habitacionais(uh) específicas a essa finalidade; II - serviços

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Entendendo o significado da palavra Cliente UNIP. Prof. Lucio G. Chaves 1

Entendendo o significado da palavra Cliente UNIP. Prof. Lucio G. Chaves 1 Entendendo o significado da palavra Cliente UNIP Prof. Lucio G. Chaves 1 Introdução - ARC Pano de fundo: organizações, clientes e comportamentos preocupação cada vez maior no mundo dos negócios. Principalmente

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 3. CURSO DE NUTRIÇÃO Área de atuação De acordo com a RESOLUÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM HOTELARIA HOSPITALAR - CURITIBA Unidade

Leia mais

REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO

REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO Esta Carta de Compromisso expressa o propósito de seus signatários anfitriões cariocas e os agentes profissionais que os representam de oferecer hospedagem

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

PROGRAMAS/ EVENTOS / PROJETOS/ AÇÕES DO HOSPITAL

PROGRAMAS/ EVENTOS / PROJETOS/ AÇÕES DO HOSPITAL PROGRAMAS/ EVENTOS / PROJETOS/ AÇÕES DO HOSPITAL A AEBES/Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves HEJSN, promove anualmente eventos relacionados às datas comemorativas: aniversário do hospital, páscoa,

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

V Encontro dos Aprimorandos do Estado de São Paulo. O SUS no Estado de São Paulo: Contexto Atual

V Encontro dos Aprimorandos do Estado de São Paulo. O SUS no Estado de São Paulo: Contexto Atual V Encontro dos Aprimorandos do Estado de São Paulo O SUS no Estado de São Paulo: Contexto Atual Abril de 2011 Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (2005) Gestão Plena do SUS no município recente

Leia mais

Carta de Apresentação. Tudo o que você precisa saber sobre nós!

Carta de Apresentação. Tudo o que você precisa saber sobre nós! Carta de Apresentação Tudo o que você precisa saber sobre nós! 1 Sobre nós Fundada desde 2006, o Grupo Reviza adquiriu ao longo de todos esses anos, uma vasta experiência na área de prestação de serviços

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

GESTÃO DE CONTRATOS DE FORNECIMENTO DE ALIMENTAÇÃO EM HOSPITAL MUNICIPAL IRACI COTA BONELLI

GESTÃO DE CONTRATOS DE FORNECIMENTO DE ALIMENTAÇÃO EM HOSPITAL MUNICIPAL IRACI COTA BONELLI GESTÃO DE CONTRATOS DE FORNECIMENTO DE ALIMENTAÇÃO EM HOSPITAL MUNICIPAL IRACI COTA BONELLI Hospital Municipal Maternidade Escola de Vila Nova Cachoeirinha Dr. Mário de Moraes Altenfelder Silva (HMEC)

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR 2 ÍNDICE 1.APRESENTAÇÃO:...3 1.1 Introdução...3 1.2 Missão...3 1.3 Negócio...3 1.4 Visão...3 1.5 Princípios...3 1.6 Objetivos...3 1.7 Compromissos Éticos do P.S.D.C. de Caxias do Sul...4

Leia mais

Guia. do beneficiário. Aqui você encontra informações sobre seu plano.

Guia. do beneficiário. Aqui você encontra informações sobre seu plano. Guia do beneficiário Aqui você encontra informações sobre seu plano. BEM VINDO À UNIMED SETE LAGOAS! A partir de agora você e sua família podem contar com uma operadora do maior sistema cooperativista de

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO HOSPITAL E DA HOSPITALIZAÇÃO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J )

A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO HOSPITAL E DA HOSPITALIZAÇÃO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J ) A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO HOSPITAL E DA HOSPITALIZAÇÃO MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J ) A palavra hospital origina-se do latim hospitalis, que significa "ser

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem THAÍLA TANCCINI Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares Porto Alegre 2011 2 THAÍLA TANCCINI Relatório de

Leia mais

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira Artigo 16 Como montar uma Cafeteira O consumo de café é um hábito entre os brasileiros, seja em casa, no trabalho ou na rua. Esse hábito vem crescendo e se modificando também. O interesse pelos cafés finos

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

Guia de Orientação ao Paciente

Guia de Orientação ao Paciente Guia de Orientação ao Paciente Esse guia foi desenvolvido especialmente para melhor atendê-lo durante a permanência no HSR. Aqui encontrará informações sobre nosso funcionamento, serviços e práticas que

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

PORTO DIAS. Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens

PORTO DIAS. Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens H O S P I TA L & Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens 1 Telefones Úteis (HPD) Call Center 9999 Nutrição 3106 (Bloco A) / 9652(Bloco D) Recepção

Leia mais

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde O Escritório de Projetos de Humanização do ICESP desenvolveu esta cartilha para orientar os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) sobre

Leia mais

Produtos Unimed Grande Florianópolis

Produtos Unimed Grande Florianópolis Produtos Unimed Grande Florianópolis A Unimed é o plano de saúde que oferece os melhores médicos do Brasil. Vamos além para que sua saúde seja plena e de qualidade. Para nós, o importante é ver você bem

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO N 004/14 32ª REUNIÃO DE DIRETORIA GERIR/HUGO

RELATÓRIO EXECUTIVO N 004/14 32ª REUNIÃO DE DIRETORIA GERIR/HUGO RELATÓRIO EXECUTIVO N 004/14 32ª REUNIÃO DE DIRETORIA GERIR/HUGO Data: 04/02/2014 Horário: 10h Presentes: Ciro Ricardo Pires de Castro (Diretor Geral - HUGO), Sr. Thulio Lorentz (Diretor Administrativo

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES Prezado usuário Esta cartilha foi desenvolvida na perspectiva de orientá-lo sobre as rotinas das clínicas de internação

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I e II Orientações aos Alunos Julho de 2010 NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Supervisionado I e II são disciplinas integrantes

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

REQUERIMENTO N de de outubro de 2009 (Do Sr. Dr. Talmir)

REQUERIMENTO N de de outubro de 2009 (Do Sr. Dr. Talmir) REQUERIMENTO N de de outubro de 2009 (Do Sr. Dr. Talmir) Requer o envio de indicação ao Exmo. Sr. Ministro de Estado da Saúde. Senhor Presidente Nos termos do art. 113, inciso I e 1º, do Regimento Interno

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES MARIÁ BARBALHO NARDI Orientadora: Prof.ª Drª Isabel Cristina Echer

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO I SOLICITAÇÃO DE: INSCRIÇÃO REGISTRO CADASTRO ATUALIZAÇÃO DE DADOS: (a cargo do CRM) II 1 Razão Social IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE 2 Designação de Fantasia / Nome Usual 3 Endereço 4 Município

Leia mais

AS COMPETÊNCIAS NECESSÁRIAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E HOTELARIA

AS COMPETÊNCIAS NECESSÁRIAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E HOTELARIA INTRODUÇÃO A mobilidade de doentes para cuidados médicos tem sido prática comum desde há séculos, embora limitada pelas distâncias geográficas. No Século XX verificou-se um grande progresso da medicina

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Gestão de Pessoas 2011

Gestão de Pessoas 2011 Gestão de Pessoas 2010 marca nova fase na área de Gestão de Pessoas. Em 2010, a área de Gestão de Pessoas concluiu a implantação do sistema de gestão do departamento, iniciado durante o Programa de Modernização,

Leia mais

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO OUTONOS DA VIDA Instituição sem fins lucrativos, candidata a IPSS da área da Saúde com interacção com a Segurança

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS Renata Pinto Dutra Ferreira Especialista Administração de Sistemas de Informação Instituto Presidente Tancredo de Almeida

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Unidade Integrada de Saúde Mental U I S M 1 ENDEREÇO: MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA UNIDADE INTEGRADA DE SAÚDE MENTAL

Leia mais

TURISMO DE SAÚDE E POSSIBILIDADES DE IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE HOTELARIA EM UM HOSPITAL DE REDE PÚBLICA:

TURISMO DE SAÚDE E POSSIBILIDADES DE IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE HOTELARIA EM UM HOSPITAL DE REDE PÚBLICA: TURISMO DE SAÚDE E POSSIBILIDADES DE IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE HOTELARIA EM UM HOSPITAL DE REDE PÚBLICA: estudo preliminar do Hospital Casa de Saúde na cidade de Santa Maria/RS. Ticiane Schuster Peres

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Capítulo I Funcionamento O Sistema consiste em um acordo estabelecido entre as Operadoras de Plano de Saúde associadas à Abramge pelo qual se obrigam a prestar atendimento de urgência e emergência aos

Leia mais

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação TITULAÇÃO: Bacharel em Hotelaria CARGA HORÁRIA: 3.104 horas DURAÇÃO: 2 anos DIFERENCIAL 2 ANOS A Castelli ESH propõe-se a ofertar o Curso de Graduação em Hotelaria,

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DADOS DA ORGANIZAÇÃO: Nome: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB, mantenedora da Casa Lar do Cego Idoso Endereço: Rua Braille

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Luciana Nascimento Martins

CURRICULUM VITAE. Luciana Nascimento Martins CURRICULUM VITAE Luciana Nascimento Martins CURRICULUM VITAE DADOS PESSOAIS Nome: LUCIANA NASCIMENTO MARTINS Idade: 25 anos Data de nascimento: 27 de maio de 1980 Naturalidade: Caxias do Sul, Rio Grande

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Gabinete de Promoção do Voluntariado Diretora Luísa Godinho EVOLUÇÃO HISTÓRICA VOLUNTARIADO na SCML 1498 Fundação Compromisso assumido por 100 homens bons 1998 Publicação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ O contexto Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio Libanês (2005) Assistencialismo Hospital Municipal Infantil Menino Jesus (2005) Responsabilidade

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2488/2015 ASSUNTO: CONVÊNIO DETERMINA FIM DE INTERNAÇÃO DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO SEM CONDIÇÕES DE ALTA PARECERISTA: CONS. DR. MARCO ANTONIO S. M. RIBEIRO BESSA EMENTA: Prazo de Internação de

Leia mais