IVA Regime de Caixa. IVA Regime de Caixa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IVA Regime de Caixa. IVA Regime de Caixa"

Transcrição

1 1

2 Cnteúd 1. Intrduçã Enquadrament legal Regime IVA de Caixa (Decret-Lei 71/2013) Entidades que pdem ptar pel regime (a que se refere artig 1º) Operações abrangidas (a que se refere artig 1º) Exigibilidade d impst (a que se refere artig 2º) Deduçã d impst (a que se refere artig 3º) Opçã pel regime (a que se refere artig 4º) Requisits ds dcuments de suprte (a que se refere artig 6º) Regist das perações abrangidas pel regime (a que se refere artig 7º) Implementaçã n ERP eticadata Cnfiguraçã da empresa Cnfiguraçã ds tips de dcuments Tip de dcument de vendas Tip de dcument de Cmpras Tip de dcument de liquidações (Recebiments e Pagaments) Emissã de dcuments Dcuments de Vendas Dcuments de Vendas Regularizaçã de adiantament Dcuments de Cmpras Dcuments de Liquidações Mapa d IVA Regist das perações na cntabilidade Desdbrament d plan de cntas Desdbrament das cntas da entidade Desdbrament das cntas de IVA Desdbrament das cntas na classe Cnfigurações de descarga para a cntabilidade Aspects gerais Dcument Factura (Venda) Dcument Nta de Crédit (Venda)

3 4.2.4 Dcument Nta de Crédit Regularizaçã adiantament (Venda) Dcument Factura (Cmpra) Dcument Nta de Crédit (Cmpra) Dcument Nta de Crédit Regularizaçã adiantament (Cmpra) Dcument liquidaçã (Recib) Dcument liquidaçã efectiva negativa (Recib negativ) Dcument liquidaçã (Pagament) Dcument liquidaçã efectiva negativa (Pagament negativ) Preenchiment da Declaraçã Periódica d IVA IVA liquidad Camps 1, 3 e 5 (base de incidência) IVA liquidad Camps 2, 4 e 6 (impst) IVA Dedutível Camps 20, 21, 22, 23 e 24 (impst) Cnfiguraçã d Apurament d IVA Outras cnfigurações a ajustar Cnfiguraçã IES Declaraçã Anual Plan de Cntas Ajuste as Reprts persnalizads Dcuments elabrads em Crystal reprts (.rpt) Dcuments elabrads em Reprting Services (.rdl) Licenciament Legislaçã

4 1. Intrduçã O Decret-Lei nº 71/2013, de 30 de Mai, aprvu regime de cntabilidade de caixa em sede de Impst sbre Valr Acrescentad, e alteru respectiv códig d IVA. Esta medida prprcinará as sujeits passivs, que aderirem a este regime, a exigibilidade d IVA devid nas perações activas efectuadas apenas n mment d recebiment d seu pagament pels clientes; e a deduçã d impst suprtad nas aquisições de bens e serviçs destinadas à actividade daquelas entidades, n mment d respectiv pagament as seus frnecedres. O presente diplma tem entrada em vigr prevista para 1 de Outubr de O ERP eticadata já pssuía um mecanism que permitia respsta à anterir exigibilidade de caixa, a que se referem s decrets-lei nºs 204/97, 418/99 e Lei 15/2009, agra revgads. Nã bstante, mesm teve de ser alterad em virtude das especificidades d nv diplma. Cm efeit, presente dcument tem pr bjectiv efectuar enquadrament legal cm uma descriçã sumária das alterações legais e fiscais, cnsideradas relevantes, assim cm uma descriçã funcinal das nvas pções dispnibilizadas n ERP V12 eticadata. 4

5 2. Enquadrament legal 2.1 Regime IVA de Caixa (Decret-Lei 71/2013) Abaix é feita uma breve referência as pnts cnsiderads mais relevantes d presente diplma Entidades que pdem ptar pel regime (a que se refere artig 1º) Sujeits passivs de IVA, que n an civil anterir nã tenham atingid um vlume de negócis, para efeits de IVA, superir a ,00 Eur. Nã exerçam exclusivamente uma actividade prevista n artig 9º d CIVA (actividades isentas d impst). Nã estejam abrangidas pel regime de isençã previst n artig 53º d CIVA Nã estejam abrangidas pel regime ds pequens retalhistas previst n artig 60º d CIVA. Estejam registads para efeits de IVA há, pel mens, 12 meses. Tenham a sua situaçã tributária regularizada e sem quaisquer brigações declarativas em falta Operações abrangidas (a que se refere artig 1º) O presente regime aplica-se a tdas as transmissões de bens e prestações de serviçs efectuadas pels sujeits passivs que reúnam as cndições referidas n pnt anterir, cm excepçã das seguintes perações: Transmissões efectuadas a nã sujeits passivs de IVA (Cnsumidr final) Imprtaçã, exprtaçã e actividades cnexas Transmissões e aquisições intracmunitárias de bens e perações assimiladas Prestações intracmunitárias de serviçs Operações em que destinatári seja devedr d impst Situações em que s sujeits passivs tenham relações especiais, ns terms ds nºs 10 e 12 d artig 16º d CIVA Exigibilidade d impst (a que se refere artig 2º) O impst relativ às perações abrangidas pel presente regime é exigível n mment d recebiment ttal u parcial d preç, pel mntante recebid. O impst é também exigível quand recebiment ttal u parcial preceda mment da realizaçã das perações tributáveis (Adiantament de clientes). O impst nas facturas emitidas, em que nã crreu recebiment ttal u parcial, é exigível: N 12º mês psterir à data de emissã das facturas N períd seguinte à cmunicaçã da cessaçã da inscriçã neste regime N períd crrespndente à cmunicaçã de cessaçã de actividade 5

6 2.1.4 Deduçã d impst (a que se refere artig 3º) Os sujeits passivs enquadrads n presente regime apenas pdem deduzir impst que incide sbre tdas as transmissões de bens u as prestações de serviçs, desde que tenham na sua psse factura-recib u recib cmprvativ d pagament, emitid de acrd cm s requisits prevists n artig 6º d presente regime. O impst é também dedutível quand pagament ttal u parcial preceda mment da transmissã ds bens u da prestaçã de serviçs que lhes frem efectuadas. O impst nas facturas lançadas, em que nã crreu pagament ttal u parcial, é dedutível: N 12º mês psterir à data de emissã das factura N períd seguinte à cmunicaçã da cessaçã da inscriçã neste regime N períd crrespndente à cmunicaçã de cessaçã de actividade Opçã pel regime (a que se refere artig 4º) Os sujeits passivs que reúnam as cndições para ptar pr este regime, pdem exercer essa pçã mediante cmunicaçã à Autridade Tributária e Aduaneira (AT), pr via electrónica, n Prtal das Finanças: Até 30 de Setembr, para que tenha efeits já a partir de 1 de Outubr de 2013 Até 31 de Outubr de cada an, cm efeits a partir de Janeir d an seguinte Os sujeits passivs que exerçam a pçã prevista n pnt anterir sã brigads a permanecer n regime de IVA de caixa durante um períd de, pel mens, dis ans civis cnsecutivs. Cumprid períd referid n pnt anterir, s sujeits passivs que pretendam vltar a regime geral (às regras gerais de exigibilidade), deverã cmunicar essa pçã à AT, pr via electrónica, n Prtal das Finanças, send que prduzirá efeits n períd de impst seguinte a da sua cmunicaçã Requisits ds dcuments de suprte (a que se refere artig 6º) As facturas, incluind as facturas simplificadas, relativas às perações abrangidas pel regime de caixa, devem ter uma série especial e cnter a mençã «IVA - regime de caixa». N mment d pagament, ttal u parcial, das facturas referidas n pnt anterir, bem cm nas situações de adiantaments, é brigatória a emissã de recib, pels mntantes recebids. O recib emitid pr sujeits passivs enquadrads n regime de IVA de caixa, u emitid a estes sujeits passivs, quand estes slicitem, deve ser datad, numerad sequencialmente e cnter s seguintes elements: 6

7 O mntante líquid de impst A taxa u taxas de IVA aplicáveis e mntante d impst liquidad Númer de identificaçã fiscal d emitente Númer de identificaçã fiscal d adquirente; O númer e série da factura a que respeita pagament; A mençã «IVA - regime de caixa». A data da emissã d recib deve cincidir cm a d pagament, prcessand-se em duplicad, send riginal destinad a adquirente e a cópia para arquiv d emissr. Os recibs elabrads n âmbit d pnt anterir, devem ser emitids e cmunicads ns terms prevists para emissã e cmunicaçã de facturas, cm as devidas adaptações (requerend cm suprte para cmunicaçã frmat de ficheir SAF-T PT, Prtaria 274/2013, de 21 de Agst). Os sujeits passivs enquadrads d regime de Caixa, que após 12º mês nã tenham recebid ttal u parcialmente mntante da factura, terã de emitir um dcument rectificativ de factura ns terms d númer 6 d artig 36º d códig d IVA, mencinand que regime de caixa deixu de ser aplicável àquela peraçã Regist das perações abrangidas pel regime (a que se refere artig 7º) Para efeits da aplicaçã d dispst nº 3 d artig 44º d CIVA, regist das perações na cntabilidade, abrangidas pel presente regime, devem ser registadas separadamente de frma a evidenciar: O valr das transmissões de bens e das prestações de serviçs abrangids pel presente regime, líquidas de impst. O mntante e data ds recebiments O valr d impst respeitante às perações mencinadas n pnt anterir, cm relevaçã distinta d mntante ainda nã exigível. Além diss, essas mesmas perações devem, ainda, ser registadas de md a que permita: O cálcul d impst devid em cada períd respeitante as mntantes recebids; O cálcul d impst devid, ns terms d n.º 3 d artig 2.º, respeitante às facturas ainda nã pagas após 12º mês seguinte à data da sua emissã. A aquisiçã de bens e serviçs efectuadas pr sujeits passivs abrangids pel regime de caixa, devem ser registadas, pr estes, de frma a evidenciar ainda mntante e data ds pagaments efectuads relativamente a cada aquisiçã. A infrmaçã que cnsta nesta secçã, nã dispensa a cnsulta d respectiv diplma legal. 7

8 3. Implementaçã n ERP eticadata Esta secçã pretende exemplificar a sluçã precnizada pela eticadata, para dar respsta a esta alteraçã fiscal. Salvaguardand as devidas distâncias regime de IVA de caixa é semelhante a que já existia n ERP eticadata IVA exigível na liquidaçã, pel que fram aprveitadas algumas das suas características, embra nv prcess acabe pr ter utra abrangência e cmplexidade. O utilizadr pderá basear a sua cnfiguraçã, na infrmaçã aqui dispnibilizada, embra deva ter presente que, apesar de se basear em infrmaçã legal vinculativa e de utras fntes credíveis, será apenas uma sugestã, nã pdend, pr iss, ser entendida cm vinculativa, pis em última análise cmpetirá à empresa, em funçã d seu mdel de rganizaçã, prcurar a sluçã que melhr se adeqúe, bviamente, dentr d âmbit da sluçã dispnibilizada n ERP eticadata. 3.1 Cnfiguraçã da empresa As empresas que aderirem a regime de IVA de caixa, deverã activar a funcinalidade na ediçã de empresas. Essa indicaçã é frnecida pr exercíci. O utilizadr pderá ser alertad para fact d exercíci já ter mviments e que esses nã serã afectads pel Regime de Caixa. De ntar que apesar de ter esta funcinalidade activa, utilizadr pderá emitir dcuments dentr e fra d regime de IVA de caixa. O cntrári é que nã será pssível. 8

9 3.2 Cnfiguraçã ds tips de dcuments Para que pssa ser cumprid requisit legal de ter séries separadas para a emissã destes dcuments, n ERP eticadata, uma vez que tip de dcument é um ds elements que cncrre para essa mesma série, bastará que utilizadr pssua dcuments distints (de cmpras, vendas u liquidações), para respnder a esse requisit. Assim, para que sejam emitids dcuments de vendas u de cmpras n âmbit d regime de caixa, é necessári que cexista a indicaçã simultaneamente na empresa e ns tips de dcuments. N cas ds tips de dcuments de liquidaçã, nmeadamente ds recebiments, efectuads pr entidades que nã estejam n regime de caixa, bastará a indicaçã n dcument para que pssa emitir dcument ns terms desse regime Tip de dcument de vendas O perfil de um dcument factura n regime de IVA de caixa assemelha-se a de um dcument de IVA em regime nrmal, diferind apenas na necessidade de indicar vist IVA de caixa, cm ilustra a imagem abaix. De ntar que apenas é pssível cnfigurar cm IVA de Caixa, s dcuments que afectem cnta crrente, cm é requisit deste regime especial. N separadr Valres pr defeit deverá preencher camp Text IVA R. Caixa, cm a mençã IVA regime de caixa, que deverá ser criada na tabela ds mtivs de isençã. 9

10 3.2.2 Tip de dcument de Cmpras Tal cm n tip de dcument de vendas, perfil de um dcument factura de cmpra n regime de IVA de caixa assemelha-se a de um dcument de IVA em regime nrmal, diferind apenas na necessidade de indicar vist IVA de caixa, cm ilustra a imagem abaix. De ntar que apenas é pssível cnfigurar cm IVA de Caixa, s dcuments que afectem cnta crrente, cm é requisit deste regime especial. 10

11 3.2.3 Tip de dcument de liquidações (Recebiments e Pagaments) Ns tips de dcuments de liquidações surgem duas nvas checkbx s, de frma a pder distinguir s recibs emitids em regime de caixa, pr entidades que estã n regime de caixa, ds emitids pr entidades que nã estã em regime de caixa, para entidades que se encntram nesse regime; e pr últim, distinguir s recibs emitids sem requisits d IVA regime de caixa (cenári que já existia). Deste md, cas nã esteja seleccinad nenhum ds nvs camps, significa que recib será emitid ns mldes anterires, ist é, sem qualquer requisit relacinad cm IVA de Caixa. Quand assinalads terá seguinte significad: Calcula IVA Reg.Caixa Camp dispnível apenas se empresa estiver assinalada que está em regime de caixa (cnfigurável na ficha da empresa). Emissã para Entidades Reg.Caixa Dispnível apenas em empresas que nã estejam n Regime de Caixa (cnfigurável na ficha da empresa), send a sua emissã pssível apenas para s tips de entidades Clientes e Outrs Devedres. Estas checkbx s têm significad diferente para a empresa, uma vez que a primeira indica que s dcuments emitids terã cntrl a nível d IVA nesses dcuments, send que essa infrmaçã passará a cnstar n mapa de IVA. A segunda pçã, apenas emite dcument respeitand as exigências fiscais, send que para efeits de IVA este dcument nã terá qualquer valr para quem emite, uma vez que a liquidaçã deste impst crreu n mment da emissã das facturas. Pr iss, nã cnstarã ns mapas de IVA, nem deverã ser classificads cntabilisticamente cm enquadrament de regime de caixa, a cntrári da anterir. Nta: Uma vez que até a mment ainda residem dúvidas pr parte da AT (Autridade Tributária e Aduaneira), n enquadrament das liquidações diferidas e pr letra, estas pções para já nã suprtarã regime IVA de caixa. 11

12 3.3 Emissã de dcuments Nesta secçã descrevem-se s cmprtaments esperads na emissã de dcuments n regime de caixa, send que, para as restantes situações nã huve qualquer alteraçã Dcuments de Vendas Os dcuments facturas emitids em Regime IVA de Caixa devem ter uma série única e cnter a mençã IVA regime de caixa. O requisit da série única para s dcuments emitids neste regime fica cumprid cm a criaçã de tips de dcuments específics para efeit, evitand recurs a uma secçã diferente da secçã habitual. Apenas deverã ser emitids dcuments n âmbit deste regime, para titular as transmissões de bens e prestações de serviçs ns terms, nmeadamente d artig 1º d DL-71/2013, de 30/05, e que resumidamente se descrevem na secçã Enquadrament Legal, deste dcument. Os dcuments tipificads em regime de caixa surgirã cm camp Isençã d IVA preenchid cm a mençã definida n tip de dcument criad para efeit, cnfrme explicad nesse tópic. Estes mesms dcuments relevarã para efeits de IVA, apenas n mment d seu pagament. 12

13 Na gravaçã será verificada a qualidade da entidade, de md a evitar que inadvertidamente sejam emitids dcuments em âmbit de regime de caixa para entidades que nã sejam sujeits passivs de IVA (Cnsumidr final), send emitida a seguinte mensagem de validaçã. Esta mensagem surge cas as entidades (clientes) tenham na ficha a indicaçã de Cnsumidr final. O dcument emitid n nv regime passa a ter a referência. 13

14 3.3.2 Dcuments de Vendas Regularizaçã de adiantament Os dcuments factura emitids n regime IVA de Caixa, pdem ser cmpensads pr adiantament, havend pr iss, necessidade de regularizar IVA de caixa da factura, na parte d IVA que já fi liquidad pel adiantament. Uma vez que é necessári cumprir frmalmente requisits fiscais, e prque em terms cntabilístics as perações sã diferentes das nrmais, é necessári criar um dcument de regularizaçã (Nta de Crédit) específic para estas perações. A lista ds tips de dcuments é filtrada de acrd cm perfil d dcument factura (estar u nã n regime de IVA de caixa) a fim de evitar incerências nas perações inerentes a cada dcument. 14

15 Exempl da nta de crédit de regularizaçã d adiantament, em sede de IVA de caixa. 15

16 3.3.3 Dcuments de Cmpras Sb pnt de vista frmal nã existe qualquer requisit n regist de dcuments de cmpras em regime de caixa, pel que a indicaçã deste regime ns dcuments servirá para separar, ds restantes dcuments, s mntantes de incidência e de IVA, n mapa de IVA, bem cm das distintas perações cntabilísticas inerentes de cada regime. Os dcuments lançads cm este perfil relevarã para efeits de IVA, apenas n mment d seu pagament. Analgamente a prcess das vendas, dcument de cmpra em regime de caixa pderá ser cmpensad cm adiantaments, send também necessári criar um dcument de regularizaçã específic, nã pela exigência frmal d dcument, mas pel regist das perações cntabilísticas assciadas, que sã em parte diferentes ds cenáris nrmais. Para mais infrmações cnsulte pnt Dcuments Vendas Regularizaçã de Adiantaments. 16

17 3.3.4 Dcuments de Liquidações Na janela de liquidações passa a ser pssível a emissã de recibs pr cnta das facturas emitidas em regime de IVA de caixa. Tal cm as facturas, estes dcuments devem ter uma série única e cnter a mençã IVA regime de caixa. O requisit da série única para s dcuments emitids neste regime fica cumprid cm a criaçã de tips de dcuments específics para efeit, evitand recurs a uma secçã diferente da secçã habitual. Esses dcuments deverã cumprir s frmalisms a que se refere númer 3 d artig 6º d regime de IVA de caixa publicad pel DL 71/2013, de 30/05, cnfrme se refere neste dcument n pnt Requisits ds dcuments suprte, da secçã Enquadrament Legal. De realçar que estes dcuments, apesar ds frmalisms referids, nã estã sujeits à certificaçã, situaçã que permite alguma flexibilizaçã n que respeita a eventuais alterações após a sua gravaçã. Recrda-se ainda que s recibs de clientes pdem assumir duas identidades distintas: a de IVA de caixa - para entidades que estã em regime de IVA de caixa; e as da emissã pr entidades que nã estã em IVA de caixa para destinatáris que se encntram neste regime especial, send que para estes dis cass s dcuments serã tipificads de frma diferente. Mais infrmaçã cnsultar pnt Tips de dcuments de liquidações. Exempl de um recebiment em regime de IVA de Caixa. 17

18 O prcess está preparad para guardar pr taxas as bases de incidência bem cm s valres crrespndentes de impst, de frma a serem evidenciads n dcument emitid. N cas de liquidações de pendentes de frma parcial, será aplicada uma prprçã a cada incidência e valr de IVA. Btã Acert de valres (assinalad na imagem acima) - N cas de liquidações de clientes este btã permite apenas visualizar resum de IVA, n entant, se frem liquidações a frnecedres, também permite ajustar s valres a nível de incidências e valres de IVA, de frma análga à janela de Cmpras. De ntar que neste cas, ajuste apenas pderá ser feit desde que nã afecte valr ttal da liquidaçã. Está a ser feita uma validaçã de frma a assegurar que em recibs emitids em regime de caixa apenas pssam cnstar dcuments nesse regime, assim cm cntrári. Ist é, recibs emitids fra d âmbit d regime de caixa, apenas liquidarã dcuments que nã estejam nesse regime. Mensagem emitida a gravar dcument N cas da entidade nã estar em regime de caixa (nã estar cnfigurada para tal na ficha empresa) e necessitar de emitir dcuments em âmbit desse regime (pr slicitaçã d cliente), estes devem ter uma tipificaçã específica, cnfrme referid, e permitem a liquidaçã de dcuments factura sem que tenham sid emitids nessa qualidade. Validaçã ds dcuments ainda nã pags após 12º mês da data da sua emissã Nestes cass esses dcuments nã pderã ser liquidads em âmbit d regime de IVA de caixa, prque já nã se encntram em âmbit desse regime. 18

19 Cnfrme refere númer 6 d artig 6º d Regime de IVA de Caixa, s dcuments ainda nã liquidads após esse períd terã utr enquadrament frmal, já que requererá a emissã de um dcument rectificativ de factura ns terms ainda nã ttalmente clarificads pr parte das entidades cmpetentes, pel que se aguardam esclareciments adicinais sbre assunt. A resluçã desta situaçã nã tem qualquer premência, pis n limite apenas se aplicará 1 an após a entrada em vigr deste diplma (1/10/2014). N cas ds pagaments a frnecedres, prcess é semelhante, n que respeita às regras de regist e de apur de valres, embra nã existam quaisquer frmalisms ns dcuments eventualmente impresss, uma vez que dcument válid será emitid pel Frnecedr. 19

20 Exempl de um recib emitid em âmbit de regime de caixa. Além ds dcuments de liquidaçã já referids, é ainda pssível emitir em âmbit de IVA de caixa liquidações negativas, para cenáris de pagaments de ntas de crédit em regime de IVA de caixa. Recrda-se que para já nã é suprtad tratament de IVA de caixa nas liquidações diferidas e liquidações pr letras, pr ainda existirem dúvidas, pr parte da AT, n enquadrament destas perações neste regime. 20

21 3.4 Mapa d IVA Quer mapa de IVA de Vendas quer de Cmpras tiveram de ser ajustads de frma a cntemplar a liquidaçã u a deduçã d impst cm base ns dcuments de liquidaçã. Na imagem abaix surgem alguns exempls de dcuments emitids em sede de IVA de caixa, também utrs emitids n regime nrmal. Cm se pde verificar n cas (A), trata-se d regist da incidência de um dcument emitid em regime de caixa e cas (B) respectiv valr d impst, separad da cluna nrmal d IVA, de frma a identificar valr de cada uma das verbas para prceder a regist cntabilístic e/u a apur para a declaraçã periódica d IVA. O cas (C) representa IVA exigível na liquidaçã. O mesm mntante surge nas duas clunas, prque, de fact, esta infrmaçã representará a transferência d IVA da cnta d IVA ainda nã exigível (cluna IVA de caixa), para a cnta d IVA liquidad. De frma análga a mapa de IVA de Vendas, mapa de IVA das cmpras respeita s mesms critéris para apur ds valres em sede de IVA de caixa. 21

22 4. Regist das perações na cntabilidade O nv regime de IVA de Caixa vem intrduzir algumas alterações n regist das perações na cntabilidade, para dar respsta nmeadamente a artig 7º, descrit de frma sucinta neste dcument n pnt Regist das perações abrangidas pel regime. O utilizadr pderá basear a sua cnfiguraçã, na infrmaçã aqui dispnibilizada, embra deva ter presente que, apesar de se basear em infrmaçã legal e de utras fntes credíveis, será apenas uma sugestã, nã pdend, pr iss, ser entendida cm vinculativa, pis em última análise cmpetirá à empresa, em funçã d seu mdel de rganizaçã, prcurar a sluçã que melhr se adeqúe, bviamente, dentr d âmbit da sluçã dispnibilizada n ERP eticadata. De realçar ainda que as alterações apenas se aplicarã às entidades que ptarem pel nv regime de caixa, send que para s utrs cass nã existe qualquer alteraçã, devend permanecer a estrutura existente. 4.1 Desdbrament d plan de cntas A nssa sugestã para desdbrament d plan de cntas tem pr base a necessária adaptaçã d sistema infrmátic as requisits referids, nmeadamente nas evidências a gerar em âmbit de incidências e d própri impst ainda nã liquidad e nã deduzid, bem cm prprcinar suprte a preenchiment da Declaraçã Periódica d IVA Desdbrament das cntas da entidade N cas das transmissões e prestações de serviçs executads, a evidência da base de incidência e respectiv impst deverá ser pr cliente, sugerind-se a estrutura de cntas de acrd cm seguinte: 22

23 Cm se pde cnstatar, as cntas das entidades terã de ser subdividas, num primeir nível pr base de incidência e IVA, depis, pelas respectivas taxas de IVA, quand aplicável. Se actividade da empresa apenas se relacina cm transmissões de bens e prestações de serviçs que apenas use uma taxa de IVA, entã plan pderá simplificad num nível, cm se pderá ver na imagem a seguir. N cas ds frnecedres regist é mais simples uma vez que a lei nã exige cntrl da base de incidência e d impst dedutível pr entidade, pdend, pr iss, plan ser subdividid da seguinte frma: Desdbrament das cntas de IVA Segund a rientaçã da CNC (Cmissã de Nrmalizaçã Cntabilística) as cntas para suprtarem IVA de caixa devem ser criadas dentr da 243 IVA, de acrd cm seguinte: 23

24 Exempl d resultad d desdbrament sugerid para a cnta Exempl d resultad d desdbrament sugerid para a cnta

25 4.1.3 Desdbrament das cntas na classe 7 Uma vez que é necessári separar as perações geradas em regime nrmal das perações geradas em regime de IVA de Caixa, trna-se necessári desdbrar plan de cntas, nmeadamente a classe 7, de md a que se seja pssível apurar para a Declaraçã Periódica d IVA (camps 1, 3, e 5) a incidência d impst liquidad e, pr inerência, nã cnsiderar as perações efectuadas em regime de IVA de Caixa, que terã tratament específic a partir das cntas da entidade. 7 RENDIMENTOS 71 VENDAS 711 MERCADORIAS 7111 VENDAS NO TERRITORIO NACIONAL SUJEITAS A IVA TAXA REDUZIDA TAXA INTERMÉDIA TAXA NORMAL ISENTAS COM DIREITO A DEDUÇÃO OUTRAS VENDAS PREVISTAS AL. B) Nº1 ART. 20º CIVA SUCATAS (REG. ESPECIAL-INVERSÃO SP) SUJEITAS A IVA (REGIME DE CAIXA) TAXA REDUZIDA TAXA INTERMÉDIA TAXA NORMAL Nta: De frma a facilitar a cnfiguraçã de descarga para a cntabilidade sugere-se que a cnta para IVA de caixa tenha sempre mesm dígit (u dígits). Além diss, para determinada categria de prdut u serviç, esse dígit deve estar clcad na mesma psiçã d desdbrament d regime geral. N exempl frnecid, na imagem acima, tems a cnta para regime geral e a cnta para regime de IVA de Caixa, além diss, ambas as cntas têm dígit na 5ª psiçã. 4.2 Cnfigurações de descarga para a cntabilidade Nesta secçã pretende-se apresentar exempls de diverss cenáris de dcuments que pdem ser emitids n âmbit d regime de IVA de caixa. As cnfigurações prpstas estã cndizentes cm desdbrament d plan de cntas referid na secçã Aspects gerais As cnfigurações apenas pssuem a ligaçã essencial n âmbit d regime de caixa, pdend estas ser cmplementadas cm utrs valres de descarga, de acrd cm as necessidades da empresa. 25

26 Na grelha de cnfiguraçã de descarga para a cntabilidade, fi acrescida uma nva prpriedade de descarga, para indicar que a linha será mvimentada a negativ, cm se pderá verificar na imagem a seguir. Na janela de descarga para a cntabilidade surge a cluna Data IVA Caixa, que indica a data limite d dcument em IVA de caixa, infrmaçã necessária para apur ds valres de incidência e de IVA que deixam de estar neste regime Dcument Factura (Venda) Pela emissã da factura (a crédit) é necessári cnsiderar que em sede de IVA, valr d impst nã pderá ser mvimentad na cnta de IVA liquidad exigível, assim cm a base de incidência terá de ficar separada pr entidade. Cm se pde verificar, n que respeita a regist d cliente, existem 3 linhas de cnfiguraçã. A primeira e segunda linha registam valr líquid (base de incidência d impst), desta frma utilizadr reduz númer de linhas a cnfigurar, já que a alternativa passaria pr cnsiderar tds s valres que cncrrem para valr antes d impst (Valr líquid, Diverss valr liquid, acerts, etc ). A terceira linha regista valr d IVA na cnta d cliente A quarta linha regista a venda Desde que a empresa emita dcuments em regime geral e regime de IVA de Caixa, trna-se necessári alterar a cnfiguraçã típica, uma vez que estes dis regimes requerem mvimentaçã das cntas (base de incidência) separadas. Para mais infrmações cnsultar Desdbrament das cntas na classe 7. A letra C, indica que a cnta será reslvida pela categria, n entant, terá de ser cmplementada cm sufix 9T, de frma a distinguir regime da venda. Ou seja, na categria a cnta seria cnstruída de acrd cm a imagem a seguir: 26

27 Depis, cmplementada n dcument cm sufix 9T para regime de IVA de caixa (cncatenad ficará 711M9T). Para regime geral, dcument deverá ser cnfigurad de frma semelhante, mas nesse cas dcument deve ter cnfigurada a expressã C1T (cncatenad ficará 711M1T). A quinta linha prcede a regist na cnta d IVA nã exigível. O resultad esperad será seguinte: 27

28 4.2.3 Dcument Nta de Crédit (Venda) D mesm md que na factura, a nta crédit pderá ser emitida em âmbit de regime de caixa, send que para estes cass prpõe-se a cnfiguraçã a seguir apresentada. Tipicamente a linha da entidade neste dcument seria creditada, n entant, esta nã pderá ser gerada nesse sentid prque ficaria cm mesm sentid d dcument recib, que também mvimenta a cnta da entidade a crédit, que inviabilizaria cálcul da base de incidência crrespndente a IVA exigível, para a declaraçã periódica d IVA, uma vez que se recrre d mviment a crédit dessa cnta. Para mais infrmações cnsultar tópic Preenchiment da Declaraçã Periódica d IVA. Deste md, a linha lançada a débit cm indicaçã de negativ terá mesm efeit d mviment a crédit, cm a vantagem de nã cncrrer para a declaraçã periódica d IVA. As linhas 2, 3 e 4, crrespndem respectivamente a valr d IVA na entidade, regist da devluçã da venda e lançament d impst (a diminuir) na cnta respectiva de IVA de caixa. Nta: A cnstruçã da cnta de devluçã da venda, é cmpsta pela letra C que representa a categria, cmplementada cm um sufix, para separar as perações em IVA de caixa das restantes. Para mais infrmaçã cnsulte pnt anterir. Exempl de um mviment cntabilístic de uma nta de crédit emitida em regime de caixa. 28

29 4.2.4 Dcument Nta de Crédit Regularizaçã adiantament (Venda) O dcument de regularizaçã de adiantament de IVA de caixa, deve cnter uma classificaçã diferente d dcument de regularizaçã em regime nrmal, pis é necessári crrigir IVA de caixa da factura emitida, pel mntante entretant já pag através d adiantament. Cm efeit, IVA de caixa da factura registad, deverá crrespnder apenas a mntante de impst que resultar da diferença entre esses dis dcuments. Tal cm na nta de crédit (mencinada n tópic anterir), neste cas também é necessári classificar mntante relativ à base de incidência n sentid invers a habitual, mas cm sinal negativ, ist é, classificad a débit mas a negativ que equivale a mviment credr. Exempl de um mviment cntabilístic de uma nta de crédit de regularizaçã de adiantament. 29

30 4.2.5 Dcument Factura (Cmpra) Pel lançament da factura (a crédit) de frnecedr, é necessári cnsiderar que em sede de IVA, valr d impst nã pderá ser mvimentad na cnta de IVA Dedutível (Dispnível), mas na cnta de IVA Dedutível (Suspens), razã pela qual terã de ter classificaçã diferente de um dcument que está enquadrad n regime nrmal. N regist da cmpra regist para a entidade pde ser efectuada pel ttal, pis nã é necessári identificar as bases de incidência e mntante d impst separad. N cas da cnta de IVA, terá de crrespnder à de IVA Dedutível Suspens, já que a deduçã crrerá apenas n mment d pagament. A classificaçã d IVA pr categria apenas é pssível para um ds regimes. Partind d princípi que a entidade terá s dis regimes, a cnta de IVA na categria deverá crrespnder à d regime que terá mair us. O exempl frnecid assume, que regime nrmal prevalece a d IVA de Caixa, send a cnta classificada para IVA de existências, pel que, para Imbilizad e para Outrs bens e serviçs, terã de ser criads dcuments específics. N mviment de cmpra destaque apenas para mviment d IVA que fi lançad nas cntas de IVA suspens, uma vez que a sua dispnibilidade para deduçã crrerá apenas n mment d pagament. 30

31 4.2.6 Dcument Nta de Crédit (Cmpra) D mesm md que na factura, a nta crédit pderá ser lançada em âmbit de regime de caixa, send que para estes cass prpõe-se a cnfiguraçã a seguir apresentada. Tal cm dcument de cmpra regist para a entidade pde ser efectuada pel ttal, pis nã é necessári identificar as bases de incidência e mntante d impst em separad. N cas da cnta de IVA, terá de crrespnder à de IVA Dedutível Suspens. A classificaçã d IVA pr categria apenas é pssível para um ds regimes. Partind d princípi que a entidade terá s dis regimes, a cnta de IVA na categria deverá crrespnder à d regime que terá mair us. O exempl frnecid assume que regime nrmal prevalece a d IVA de Caixa, send a cnta classificada para IVA de existências, pel que, para Imbilizad e para Outrs bens e serviçs, terã de ser criads dcuments específics. O resultad é que se apresenta na imagem seguinte: Neste mviment destaque apenas para a cmpnente de IVA de caixa que será regularizad na respectiva cnta de IVA dedutível Suspens. 31

32 4.2.7 Dcument Nta de Crédit Regularizaçã adiantament (Cmpra) O dcument de regularizaçã de adiantament de IVA de Caixa, deve cnter uma classificaçã diferente d dcument de regularizaçã em regime nrmal, pis é necessári crrigir IVA de caixa da factura lançada, pel mntante entretant já pag pr adiantament a Frnecedr, uma vez que já crreu previamente deduçã d impst, e pr iss, IVA de caixa da factura registad, apenas deverá crrespnder a mntante de impst que resultar da diferença desses dis dcuments. Tal cm a nta de crédit de cmpra, regist para a entidade pde ser efectuad pel ttal, pis nã é necessári identificar as bases de incidência e mntante d impst em separad. N cas da cnta de IVA, terá de crrespnder à de IVA Dedutível Suspens. Exempl de um mviment cntabilístic de uma nta de crédit de regularizaçã de adiantament a frnecedr. Cm se pde verificar a cnta de IVA de Caixa Dedutível suspens será regularizada, de frma a abater a mntante de IVA de caixa da factura, pela parte d impst entretant já deduzid n mment d adiantament. 32

33 4.2.8 Dcument liquidaçã (Recib) Uma vez que é n mment da emissã d recib que IVA se trna exigível, é necessári que s mviments gerads para a cntabilidade, nã só gerem a evidência d impst, cm também da respectiva incidência. Na liquidaçã fi acrescid nv valr Incidência de impst para registar mviment de incidência d dcument na cnta da entidade. O valr Valr de I.V.A. passu a assumir cntext semelhante a d adiantament já que apura mntante d impst calculad n dcument. Este element permitirá regist na entidade, para cmpletar a saída da cnta crrente da entidade, assim cm tratament d IVA de caixa transferência da cnta de IVA de Caixa (IVA nã exigível para a cnta de IVA Liquidad exigível). Exempl de um mviment cntabilístic de uma liquidaçã de cliente (recib). 33

34 Neste mviment destaca-se regist referente à entidade, que fi divid pr incidência e impst, e ainda, cada um desses grups pr taxas de IVA. O valr da incidência mvimentad a crédit, será valr a relevar para efeits d preenchiment ds camps 1, 3, e 5 da Declaraçã Periódica d IVA. Destaque também para mviment d IVA, nde é feita a transferência d mntante d impst das cntas (IVA Nã exigível), para as cntas (IVA Liquidad Exigível) que darã suprte a preenchiment ds camps 2, 4 e 6 da mesma declaraçã. De ntar que desdbrament pr taxa de IVA das cntas da entidade, apenas se justifica em cenáris em que empresa pela sua actividade efectua transmissões u prestações de serviçs cm mais de uma taxa d impst Dcument liquidaçã efectiva negativa (Recib negativ) Uma vez que a aplicaçã suprta liquidações negativas, ist é, permite pagament as clientes de salds credres resultantes de ntas de crédit; quand estas sã emitidas em regime de caixa, terã também de efectuar tratament em âmbit deste regime. Tal cm n recib nrmal, é necessári mvimentar incidência e IVA na cnta da entidade, send primeir um nv valr acrescid à cnfiguraçã e segund passu a assumir significad igual a que já crria cm s adiantaments. 34

35 Exempl de um mviment cntabilístic de uma liquidaçã de cliente negativa (recib negativ). O princípi aplicad é semelhante a d recib de cliente, cm a diferença de se tratar de um mviment em sentid invers àquele dcument, que vai riginar uma situaçã de regularizaçã de impst a favr da empresa Dcument liquidaçã (Pagament) Uma vez que é n mment d lançament d pagament que IVA se trna dispnível para deduçã, é necessári que s mviments para a cntabilidade gerem a respectiva evidência d impst. N pagament, em sede de IVA de caixa, apenas é necessári ter em cnsideraçã a mvimentaçã d IVA que terá de ser transferid da cnta de IVA de Caixa (Suspens) para a crrespndente cnta de IVA Dedutível (Dispnível). Uma vez que IVA dedutível está separad em Existências, Imbilizad, e Outrs bens e serviçs, é necessári que para cada uma destas categrias exista um dcument diferente, prque actualmente nã existe na cnfiguraçã da descarga um element que permita fazer variar a descarga pr essas categrias. 35

36 Exempl de um mviment cntabilístic de uma liquidaçã a frnecedr (pagament). Cm se pde verificar, em âmbit de IVA de caixa, apenas se releva a transferência d impst da cnta (IVA dedutível suspens) para a cnta (IVA dedutível dispnível) Dcument liquidaçã efectiva negativa (Pagament negativ) Cm a aplicaçã suprta liquidações negativas, ist é, permite lançament de um recebiment de frnecedr resultante de v/ ntas de crédit. Quand estas sã lançadas em regime de IVA de caixa, terã também de efectuar tratament em âmbit deste regime. Tal cm n pagament nrmal, em sede de IVA de caixa, apenas é necessári ter em cnsideraçã a mvimentaçã d IVA, que terá de ser crrigid da cnta de IVA de Caixa (Suspens) para a cnta de IVA Regularizações. Cnsiderand que IVA dedutível está separad em Existências, Imbilizad, e Outrs bens e serviçs, é necessári que para cada uma destas categrias exista um dcument diferente, prque actualmente nã existe na cnfiguraçã da descarga um element que permita fazer variar a descarga pr essas categrias. 36

37 Exempl de um mviment cntabilístic de uma liquidaçã a frnecedr negativa (Pagament negativ). O princípi aplicad é semelhante a d pagament a frnecedr, cm a diferença de se tratar de um mviment em sentid invers àquele dcument, que vai riginar uma situaçã de regularizaçã de impst a favr d Estad. 37

38 4.3 Preenchiment da Declaraçã Periódica d IVA Devid à alteraçã verificada n plan de cntas, trna-se necessári ajustar as parametrizações de acrd cm desdbrament efectuad para cntas de incidência de IVA e d respectiv impst. As indicações abaix baseiam-se n plan base dispnibilizad pela eticadata, assim cm na sugestã que é prpsta neste dcument. Para saber mais infrmaçã acerca d desdbrament cnsultar a secçã 4.1 Desdbrament d plan de cntas IVA liquidad Camps 1, 3 e 5 (base de incidência) Além das cntas já existentes que apuram a incidência de impst n regime nrmal d IVA, devem ser acrescidas as cntas de incidência de tdas entidades envlvidas n regime de caixa, cm tip Valr Mv.Cré (Mviment a crédit). De ntar que as cntas criadas na classe 7 para IVA de caixa, nã pderã cnstar nestes camps, prque nã sã incidência de impst liquidad. Para mais infrmaçã cnsultar Desdbrament das Cntas na classe 7. Recnfiguraçã d Camp 1 (Taxa Reduzida) (Excert d cnteúd d camp). Recnfiguraçã d Camp 5 (Taxa Intermédia) (Excert d cnteúd d camp). 38

39 Recnfiguraçã d Camp 3 (Taxa Nrmal) (Excert d cnteúd d camp) IVA liquidad Camps 2, 4 e 6 (impst) Devid à reestruturaçã d plan de cntas na parte d IVA, trna-se necessári ajustar as cntas para cada um ds camps de acrd cm desdbrament efectuad. Para mais infrmaçã cnsultar Desdbrament das cntas de IVA. Recnfiguraçã d Camp 2 (Taxa Reduzida) Recnfiguraçã d Camp 6 (Taxa intermédia) Recnfiguraçã d Camp 4 (Taxa Nrmal) 39

40 4.3.3 IVA Dedutível Camps 20, 21, 22, 23 e 24 (impst) A reestruturaçã d plan de cntas na parte d IVA trna necessári ajuste das parametrizações ds camps referids e que respeitam a regist d IVA dedutível. Para mais infrmaçã cnsultar Desdbrament das cntas de IVA. Cnsiderand as alterações a plan de cntas, s camps deverã ser ajustads da seguinte frma: Recnfiguraçã d Camp 20 (Imbilizad) Recnfiguraçã d Camp 21 (Existências Taxa reduzida) Recnfiguraçã d Camp 23 (Existências Taxa intermédia) Recnfiguraçã d Camp 22 (Existências Taxa nrmal) Recnfiguraçã d Camp 24 (Outrs bens e serviçs) 40

41 4.4 Cnfiguraçã d Apurament d IVA Devid à alteraçã verificada n plan de cntas, que passu a incluir n radical 243 também IVA de Caixa, trna-se necessári alterar as parametrizações para que prcess de apurament d impst exclua tdas as cntas relacinadas cm IVA de Caixa, n cas, as cntas e Para mais infrmaçã cnsultar Desdbrament das cntas de IVA. A alteraçã passa pr substituir a cnta d IVA Dedutível 2432 pr (Dispnível) e cnta d IVA liquidad 2433 pr (Exigível), cnfrme é visível na imagem abaix. 41

42 4.5 Outras cnfigurações a ajustar Cnfiguraçã IES Declaraçã Anual A IES Declaraçã anual, nmeadamente anex A (camps 8013 e 8014) assim cm anex L, terã de ser revists n âmbit das alterações efectuadas a plan. Nã bstante, será previsível que este mdel declarativ pssa sfrer alterações, pel que a premência das alterações a este mdel seja baixa. Para mais infrmaçã cnsultar Desdbrament d plan de cntas Plan de Cntas Tdas as cntas de IVA assciadas às cntas que sã base de incidência terã de ser revistas, devid à sua reestruturaçã. Para mais infrmaçã cnsultar Desdbrament das cntas de IVA. 42

Introdução. Atualização da V12.60.00/56 para a V13.00.00. Documentos elaborados em Crystal reports (.rpt)

Introdução. Atualização da V12.60.00/56 para a V13.00.00. Documentos elaborados em Crystal reports (.rpt) 1 Cnteúd Intrduçã...3 Atualizaçã da V12.60.00/56 para a V13.00.00...3 Dcuments elabrads em Crystal reprts (.rpt)...3 Dcuments elabrads em Reprting Services (.rdl)...5 Atualizaçã da V12.60.00/48 para a

Leia mais

Actualização de reports personalidados 1

Actualização de reports personalidados 1 Actualizaçã de reprts persnalidads 1 Cnteúd Intrduçã...3 Atualizaçã da V13.00.03/27 para a V13.00.03/32 (Fiscalidade ambiental - verde)...3 Dcuments elabrads em Crystal reprts (.rpt)...3 Dcuments elabrads

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Alterações fiscais em vigor em 1 de Janeiro de 2013

Alterações fiscais em vigor em 1 de Janeiro de 2013 Alterações fiscais em vigr em 1 de Janeir de 2013 Alterações fiscais em vigr em 1 de Janeir de 2013 1 Cnteúd 1. Intrduçã...4 2. Breve referência às alterações mais relevantes e/u inseridas n âmbit d ERP

Leia mais

Alterações fiscais em vigor em 1 de Janeiro de 2013

Alterações fiscais em vigor em 1 de Janeiro de 2013 Alterações fiscais em vigr em 1 de Janeir de 2013 1 Cnteúd 1. Intrduçã...4 2. Breve referência às alterações mais relevantes e/u inseridas n âmbit d ERP eticatata...5 2.1 Decret-Lei 197/2012...5 2.2 Decret-Lei

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

SITAF - Manual de Utilizador

SITAF - Manual de Utilizador SITAF - Manual de Utilizadr Entrega de Peças Prcessuais Nvembr 2009 SITAF Sistema de Infrmaçã ds Tribunais Administrativs e Fiscais Manual de Utilizadr Entrega de Peças Prcessuais Apresentaçã O frmulári

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7)

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7) PAINT 1 (Windws7) O Paint é uma funcinalidade n Windws 7 que pde ser utilizada para criar desenhs numa área de desenh em branc u em imagens existentes. Muitas das ferramentas utilizadas n Paint estã lcalizadas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

NORMATIVA ADMINISTRATIVA

NORMATIVA ADMINISTRATIVA Assunt: DIRETRIZES PARA COMPRA E APROVEITAMENTO DE Data de Emissã: Data de Revisã: De: 18/12/2013 Assunts Estratégics Tdas as áreas d 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estabelecer regras e parâmetrs que

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas Prcessadr de Text Funcinalidades Avançadas ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 MODELOS...4 Criar Mdels...5 MODELO NORMAL...6 Alterar mdel Nrmal.dtm...7 IMPRESSÃO EM SÉRIE MAILINGS...7 Cartas e mensagens de crrei electrónic...8

Leia mais

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR Índice Intrduçã... 3 Aspect Gráfic... 4 Regist na aplicaçã... 5 Recuperaçã de Códigs de Acess... 6 Área Reservada... 8 Entrar na Área Reservada... 8 Editar Perfil... 9

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

1 Acesso ao SIIFSE. 1.1 Homepage do SIIFSE. SIIFSE - Manual do Utilizador QREN. O acesso ao Sistema é efectuado através do endereço siifse.igfse.pt.

1 Acesso ao SIIFSE. 1.1 Homepage do SIIFSE. SIIFSE - Manual do Utilizador QREN. O acesso ao Sistema é efectuado através do endereço siifse.igfse.pt. SIIFSE Manual d Utilizadr QREN Versã 1.0 21 de Dezembr de 2007 SIIFSE - Manual d Utilizadr QREN 1 Acess a SIIFSE 1.1 Hmepage d SIIFSE O acess a Sistema é efectuad através d endereç siifse.igfse.pt. Na

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão Manual de Operaçã WEB SisAmil - Gestã Credenciads Médics 1 Índice 1. Acess Gestã SisAmil...01 2. Autrizaçã a. Inclusã de Pedid...01 b. Alteraçã de Pedid...10 c. Cancelament de Pedid...11 d. Anexs d Pedid...12

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 8 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.2 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.2... 2 SEGURANÇA... 2 SAÚDE... 2 SAÚDE/AUDIOMETRIA...

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE WSDL (Fundos de Compensação do Trabalho)

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE WSDL (Fundos de Compensação do Trabalho) DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE WSDL (Funds de Cmpensaçã d Trabalh) Versã 1.1 16 de julh de 2015 1 Índice Índice... 2 INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVO... 4 SEGURANÇA... 5 DESCRIÇÃO DOS WEB SERVICE... 6 Serviç

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Instruções auxiliares de preenchimento

Instruções auxiliares de preenchimento Instruções auxiliares de preenchiment Preenchiment n-line: Utilize Adbe Acrbat Reader, versã 7.0.5 u superir, qual pde ser btid em http://www.adbe.cm; Seleccine a pçã Preenchiment e envi n-line ; Recmenda-se

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Sistema OnixNet / TrucksNet Contagem de Estoque pelas oficinas

Sistema OnixNet / TrucksNet Contagem de Estoque pelas oficinas Versã: 3.0.0.48 Empresa: TrucksCntrl Slicitante: Diretria Respnsável: Fernand Marques Frma de Slicitaçã: e-mail/reuniã Analista de Negóci: Fábi Matesc Desenvlvedr: Fabian Suza Data: 24/09/2012 Sistema

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

De acordo com os dados publicamente divulgados no novo IRS mais de 1 milhão de famílias com filhos beneficiam de uma redução do imposto a pagar.

De acordo com os dados publicamente divulgados no novo IRS mais de 1 milhão de famílias com filhos beneficiam de uma redução do imposto a pagar. A presente nta pretende ajudar as famílias a preparem a apresentaçã d seu IRS, cumprind as suas brigações fiscais aprpriadamente e rentabilizand as deduções previstas. N entender da APFN esta refrma cnstitui

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação Ministéri d Trabalh e Previdência Scial Secretaria de Plíticas de Previdência Scial Departament ds Regimes de Previdência n Serviç Públic Crdenaçã-Geral de Atuária Cntabilidade e Investiments Orientaçã

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO V2.04 S4 Página 1 de 14 INDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.04 DO SST...3 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.04...3 PRESTADOR...3 Relatóri de Metas...3 CLIENTE...4 Tela

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Instruções auxiliares de preenchimento

Instruções auxiliares de preenchimento Instruções auxiliares de preenchiment Preenchiment n-line: Utilize Adbe Acrbat Reader, versã 7.0.5 u superir, qual pde ser btid em http://www.adbe.cm; Seleccine a pçã Preenchiment e envi n-line ; Recmenda-se

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE Web Services (Fundos de Compensação do Trabalho)

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE Web Services (Fundos de Compensação do Trabalho) DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE Web Services (Funds de Cmpensaçã d Trabalh) Versã 1.0 21 de mai de 2015 1 Índice Índice... 2 INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVO... 4 SEGURANÇA... 5 DESCRIÇÃO DOS WEB SERVICE...

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1 Manual de cnfiguraçã de equipament Huawei G73 Huawei G73 Pagina 1 Índice 1. Breve intrduçã... 3 2. Guia rápid de utilizaçã...errr! Bkmark nt defined. 3. Serviçs e Funcinalidades suprtads...errr! Bkmark

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

01 ÁREA DA SEDE, ESTABELECIMENTO ESTÁVEL OU DOMICÍLIO 02 NIF (NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL) Prefixo ALTERAÇÕES

01 ÁREA DA SEDE, ESTABELECIMENTO ESTÁVEL OU DOMICÍLIO 02 NIF (NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL) Prefixo ALTERAÇÕES MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS 0 ÁREA DA SEDE, ESTABELECIMENTO ESTÁVEL OU DOMICÍLIO Cncelh: DECLARAÇÃO DE ALTERAÇÕES DE ACTIVIDADE IMPOSTO SOBRE O VALOR

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

FAÇA DA OBRIGATORIEDADE, UMA OPORTUNIDADE.

FAÇA DA OBRIGATORIEDADE, UMA OPORTUNIDADE. Alterações fiscais de 2013 Nva fase de cer ficaçã de s ware, brigatriedade de cmunicaçã de faturas e dcuments de transprte, e alterações n Códig d IVA entram em vigr em 2013. O nv an vai trazer grandes

Leia mais

Integração do POPH no SIIFSE POPH

Integração do POPH no SIIFSE POPH Integraçã d POPH n SIIFSE POPH Manual de Utilizadr Execuçã Financeira -12 de Junh de 2008 - Versã 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS...2 1.2. VISÃO GLOBAL DOS REQUISITOS FUNCIONAIS...2

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

CIRCULAR N/ REFª: 62/15 DATA: 13/07/2015

CIRCULAR N/ REFª: 62/15 DATA: 13/07/2015 CIRCULAR N/ REFª: 62/15 DATA: 13/07/2015 Assunt: Fund de Cmpensaçã d Trabalh e Fund de Garantia de Cmpensaçã d Trabalh Nva Platafrma de serviçs ds Funds de Cmpensaçã Exms. Senhres, Na sequência de anterires

Leia mais

SCPI 8.0 - Módulo Compras

SCPI 8.0 - Módulo Compras SCPI 8.0 - Módul Cmpras Guia d usuári Junh / 2014 Versã: 8.21.14.1396 script: 7116 Firilli Sc. Civil Ltda. Sftware Assistência e Cnsultria Municipal. Av. Marginal, 65 Distrit Industrial CEP 15.140-000

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17)

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17) Base de Dads 2013/2014 Trabalh prátic Versã 1.0 (2013-11-17) Embra a cmpnente prática da disciplina crrespnda a sete valres na nta final, individualmente cada alun pde ter uma classificaçã diferente. Nas

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais