2. Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens Importação em Andamento Material de Consumo... 4

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens... 4. 2.2. Importação em Andamento Material de Consumo... 4"

Transcrição

1 SUMÁRIO 1. Objetivo Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens Material de Consumo Importação em Andamento Material de Consumo Obras e Instalações Bens de Uso Comum Estudos e Projetos, Instalação de Elevadores, Instalação Aparelho de Ar Condicionado Central, Almoxarifado de Obras, Bens Especiais (Inversão), Materiais Incorporáveis aos Imóveis, Perfuração Poços Artesianos Equipamento e Material Permanente Importação em Andamento Equipamento e Material Permanente Aquisição de Imóveis Edificações Fazendas Terrenos Incorporação de Restos a Pagar Não Processados a Liquidar Procedimentos específicos para BENS IMÓVEIS na Administração Direta do Poder Executivo Transferência de Valor de Bem Imóvel Incorporado Automaticamente nas Unidades Orçamentárias e Unidades Gestoras 0000, quando são adquiridos pelos Órgãos da Administração Direta do Poder Executivo... 9 Página 1 de 69

2 3.2. Incorporação do Bem Imóvel recebido em Doação Registro da Reavaliação de Bem Imóvel Registro de Depreciação de Bem Imóvel Registro de Baixa de Bem Imóvel Baixa por Doação Baixa por Perda: Baixa por Venda Procedimentos específicos para BENS IMÓVEIS na Administração Indireta do Poder Executivo Incorporação de Bem Imóvel recebido em Doação Registro da Reavaliação de Bem Imóvel Registro de Depreciação de Bem Imóvel Registro de Baixa de Bem Imóvel Baixa por Doação Baixa por Perda Baixa por Venda Procedimentos específicos para BENS IMÓVEIS nos Outros Poderes Incorporação de Bem Imóvel recebido em Doação Registro da Reavaliação de Bem Imóvel Registro de Depreciação de Bem Imóvel Registro de Baixa de Bem Imóvel Baixa por Doação Baixa por Perda Página 2 de 69

3 Baixa por Venda Procedimentos para registro de OBRAS EM ANDAMENTO concluídas na Administração Direta do Poder Executivo Saldos migrados do SICOF Registro das Obras em Andamento Procedimentos para registro de OBRAS EM ANDAMENTO concluídas na Administração Indireta do Poder Executivo Procedimentos para registro de OBRAS EM ANDAMENTO concluídas nos Outros Poderes Procedimentos para registros contábeis não automáticos Diversos BENS MÓVEIS EM ALMOXARIFADO Incorporação de Bens Recebidos em Doação Recebimento de Bem Importado Saída do Almoxarifado para Uso Saída por Doação ou Perda Procedimentos para registros não automáticos BENS MÓVEIS Incorporação por doação ou reaproveitamento Registro da Depreciação de Bem Móvel Registro de Baixa de Bem Móvel Baixa por Doação Baixa por Venda Página 3 de 69

4 1. Objetivo Estabelecer procedimentos para contabilização dos bens de consumo e de bens permanentes no Poder Executivo e nos Outros Poderes. 2. Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens O registro contábil de incorporação de bens de consumo e permanentes é realizado automaticamente no Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças FIPLAN, por meio da Autorização de Documento Hábil ou do Registro do Passivo por Competência, nas contas contábeis apropriadas, de acordo com as seguintes especificações: 2.1. Material de Consumo A incorporação será de forma automática na conta Material de Consumo da Unidade Gestora Executora, quando ocorrer a Autorização do Documento Hábil ADH. Para as despesas inscritas em Restos a Pagar Não Processados em Liquidação, a incorporação também será na forma estabelecida acima Importação em Andamento Material de Consumo A incorporação será de forma automática na conta Importação em Andamento Material de Consumo da Unidade Gestora Executora, quando ocorrer a Autorização do Documento Hábil ADH. Página 4 de 69

5 Para as despesas inscritas itas em Restos a Pagar Não Processados em Liquidação, a incorporação também será na forma estabelecida acima Obras e Instalações Bens de Uso Comum A incorporação será de forma automática quando ocorrer o Reconhecimento do Passivo por Competência RPC, com a seguinte movimentação: Na Unidade Gestora Executora: incorpora e baixa ao mesmo tempo na conta Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado, registrando a respectiva incorporação na mesma conta na Unidade Gestora Centralizadora. Na Unidade Gestora Centralizadora: no momento da liquidação, é efetuada a baixa automática na conta Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado, registrando a respectiva incorporação na conta Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação. No caso de descentralização de crédito externa, e provisão entre Unidades Orçamentárias, a incorporação será na Unidade Gestora Centralizadora da Unidade Orçamentária detentora do Orçamento. Para as despesas inscritas em Restos a Pagar Não Processados em Liquidação, a incorporação também será na forma estabelecida acima Estudos e Projetos, Instalação de Elevadores, Instalação Aparelho de Ar Condicionado Central, Almoxarifado de Obras, Bens Especiais (Inversão), Materiais Incorporáveis aos Imóveis, Perfuração Poços Artesianos. Página 5 de 69

6 A incorporação será de forma automática quando ocorrer o Reconhecimento do Passivo por Competência RPC, com a seguinte movimentação: Na Unidade Gestora Executora: incorpora e baixa ao mesmo tempo na conta Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado, registrando a respectiva incorporação na mesma conta na Unidade Gestora Centralizadora. Na Unidade Gestora Centralizadora: no momento da liquidação, idação, é efetuada a baixa automática na conta Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado, registrando a respectiva incorporação na conta Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação. No caso de descentralização entralização de crédito externa e provisão entre Unidades Orçamentárias, a incorporação será na Unidade Gestora Centralizadora da Unidade Orçamentária detentora do Orçamento. Para as despesas inscritas em Restos a Pagar Não Processados em Liquidação, a incorporação também será na forma estabelecida acima Equipamento e Material Permanente A incorporação será de forma automática quando ocorrer a Autorização do Documento Hábil ADH, com a seguinte movimentação: Na Unidade Gestora Executora incorpora e baixa ao mesmo tempo na conta Diversos Bens Móveis em Almoxarifado, registrando a respectiva incorporação na mesma conta na Unidade Gestora Centralizadora. Para as despesas inscritas em Restos a Pagar Não Processados em Liquidação, a incorporação também será na forma estabelecida acima. Página 6 de 69

7 2.5. Importação em Andamento Equipamento e Material Permanente A incorporação será de forma automática quando ocorrer a Autorização do Documento Hábil ADH, com a seguinte movimentação: Na Unidade Gestora Executora: incorpora e baixa ao mesmo tempo na conta Importação em Andamento, registrando a respectiva incorporação na mesma conta na Unidade Gestora Centralizadora. Para as despesas inscritas em Restos a Pagar Não Processados em Liquidação, a incorporação também será na forma estabelecida acima Aquisição de Imóveis Edificações A incorporação será de forma automática quando ocorrer a Autorização do Documento Hábil ADH, com a seguinte movimentação: Na Unidade Gestora Executora: incorpora e baixa ao mesmo tempo na conta Edificações, registrando a respectiva incorporação na mesma conta na Unidade Gestora Centralizadora. Para as despesas inscritas em Restos a Pagar Não Processados em Liquidação, a incorporação também será na forma estabelecida acima Fazendas A incorporação será de forma automática quando ocorre a Autorização do Documento Hábil ADH, com a seguinte movimentação: Página 7 de 69

8 Na Unidade Gestora Executora: incorpora e baixa ao mesmo tempo na conta Fazendas, registrando a respectiva incorporação na mesma conta na Unidade Gestora Centralizadora. Para as despesas inscritas em Restos a Pagar Não Processados em Liquidação, a incorporação também será na forma estabelecida acima Terrenos A incorporação será de forma automática quando ocorrer a Autorização do Documento Hábil ADH, com a seguinte movimentação: Na Unidade Gestora Executora: incorpora e baixa ao mesmo tempo na conta Terrenos, registrando a respectiva incorporação na mesma conta na Unidade Gestora Centralizadora. Para as despesas inscritas em Restos a Pagar Não Processados em Liquidação, a incorporação também será na forma estabelecida acima Incorporação de Restos a Pagar Não Processados a Liquidar Os Restos a Pagar Não Processados a Liquidar da despesa que está sujeita a Registro do Documento Hábil - RDH terão a inclusão automática no exercício subseqüente ao de sua inscrição, no momento da Autorização do Documento Hábil ADH. 3. Procedimentos específicos para BENS IMÓVEIS na Administração Direta do Poder Executivo O controle patrimonial dos Bens Imóveis dos órgãos da Administração Direta no Poder Executivo Estadual é efetuado pela Diretoria de Patrimônio da Secretaria da Administração do Estado da Bahia SAEB, por meio do Sistema de Controle de Bens Imóveis SIMOV. Página 8 de 69

9 Os registros contábeis relativos aos Bens Imóveis dos Órgãos da Administração Direta do Poder Executivo são efetuados na Unidade Orçamentária Diretoria Geral da Secretaria da Administração. Para registro contábil dos eventos referentes aos bens imóveis pertencentes aos órgãos da Administração Direta do Poder Executivo Estadual devem ser observados os procedimentos a seguir descritos: 3.1. Transferência de Valor de Bem Imóvel Incorporado Automaticamente nas Unidades Orçamentárias e Unidades Gestoras 0000, quando são adquiridos pelos Órgãos da Administração Direta do Poder Executivo O valor referente à aquisição de imóvel incorporado automaticamente nas Unidades Gestoras 0000, das Unidades Orçamentárias dos Órgãos da Administração Direta do Poder Executivo deve ser transferido para a SAEB e incorporado na Unidade Gestora 0000 da Unidade de Orçamentária Diretoria Geral da Secretaria da Administração. O órgão da Administração Direta do Poder Executivo, ao efetuar a transferência do valor do Imóvel deve informar à Diretoria de Patrimônio da SAEB. De acordo com o tipo do Bem Imóvel, o Órgão da Administração Direta do Poder Executivo, para efetuar a transferência deve utilizar os seguintes fatos extra-caixa para efetuar a baixa do valor do bem na Unidade Gestora 0000 da sua orçamentária e a incorporação do valor na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária 09101: NLA Transferência de Bens Imóveis para a SAEB Edificações Na UG 0000 da Unidade Orçamentária que está transferindo o valor: D Transferências Concedidas de Bens Imóveis C Edificações Na UG 0000 da Unidade Orçamentária 09101: D Edificações C Transferência Recebidas de Bens Imóveis Página 9 de 69

10 NLA Transferência de Bens Imóveis para a SAEB Fazendas Na UG 0000 da Unidade Orçamentária que está transferindo o valor: D Transferências Concedidas de Bens Imóveis C Fazendas Na UG 0000 da Unidade Orçamentária 09101: D Fazendas C Transferência Recebidas de Bens Imóveis NLA Transferência de Bens Imóveis Terrenos Na UG 0000 da Unidade Orçamentária que está transferindo o valor: D Transferências Concedidas de Bens Imóveis C Terrenos Na UG 0000 da Unidade Orçamentária 09101: D Terrenos C Transferência Recebidas de Bens Imóveis 3.2. Incorporação do Bem Imóvel recebido em Doação No recebimento do Bem Imóvel por doação o registro contábil da incorporação do bem deve ser efetuado pela Diretoria de Patrimônio na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária Devem ser utilizados os seguintes fatos extra-caixa: NLA Recebimento de Bens Imóveis por Doação Edificações D Edificações C Edificações Página 10 de 69

11 NLA Recebimento de Bens Imóveis por Doação Fazendas D Fazendas C Fazendas Recebimento de Bens Imóveis por Doação Terrenos D Terrenos C Terrenos 3.3. Registro da Reavaliação de Bem Imóvel O registro do valor correspondente à diferença entre o valor escriturado e o reavaliado deve ser efetuado pela Diretoria de Patrimônio na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária De acordo com o tipo do Bem Imóvel a Diretoria de Patrimônio deve utilizar para o registro da reavaliação os seguintes fatos extra-caixa: NLA Reavaliação de Bens Imóveis Edificações D Edificações C Reavaliação de Imóveis NLA Reavaliação ação de Bens Imóveis Fazendas D Fazendas C Reavaliação de Imóveis NLA Reavaliação de Bens Imóveis Terrenos D Terrenos C Reavaliação de Imóveis NLA Reavaliação de Bens Imóveis - Barragem D Barragem C Reavaliação de Imóveis NLA Reavaliação de Bens Imóveis - Adutora D Adutora Página 11 de 69

12 C Reavaliação de Imóveis 3.4. Registro de Depreciação de Bem Imóvel O registro da depreciação dos bens imóveis deve ser efetuado pela Diretoria de Patrimônio na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária De acordo com o tipo do Bem Imóvel a Diretoria de Patrimônio deve utilizar para o registro da depreciação os seguintes fatos extras-caixas: NLA Depreciação Edificações D Edificações C Edificações NLA Depreciação Barragens D Barragens C Barragens NLA Depreciação Adutoras D Adutoras C Adutoras NLA Depreciação Fazendas D Fazendas C Fazendas 3.5. Registro de Baixa de Bem Imóvel O registro de baixa de Bem Imóvel deve ser efetuado pela Diretoria de Patrimônio na Unidade Gestora Centralizadora 0000 da Unidade Orçamentária Baixa por Doação Baixa da Depreciação Acumulada do Bem: Página 12 de 69

13 De acordo com o tipo do Bem Imóvel a Diretoria de Patrimônio deve utilizar para o registro da baixa da depreciação acumulada do bem imóvel doado os seguintes fatos extra-caixa: NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel Fazendas D Fazendas C Fazendas Baixa do Bem: De acordo com o tipo do Bem Imóvel a Diretoria de Patrimônio deve utilizar para o registro da baixa do bem os fatos extra-caixa a seguir. Ressalta-se se que para edificações e fazendas será baixado o valor residual, uma vez que se referem a bens sujeitos à depreciação. No caso dos terrenos será o valor total por se tratar de bem que não está sujeito à depreciação. NLA Baixa do Bem Imóvel por Doação - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa a do Bem Imóvel por Doação Fazendas D Fazendas C Fazendas NLA Baixa do Bem Imóvel por Doação Terrenos D Terrenos C Terrenos Página 13 de 69

14 Baixa por Perda: Baixa da Depreciação Acumulada do Bem Baixado: De acordo com o tipo do Bem Imóvel a Diretoria de Patrimônio deve utilizar para o registro da baixa da depreciação acumulada do bem imóvel baixado por perda os seguintes fatos extra-caixa: NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel Fazendas D Fazendas C Fazendas Baixa do Bem: De acordo com o tipo do Bem Imóvel a Diretoria de Patrimônio deve utilizar para o registro da baixa do bem baixado por perda os fatos extra-caixa a seguir. Ressalta-se se que para edificações e fazendas será baixado o valor residual, uma vez que se referem a bens sujeitos à depreciação. No caso dos terrenos será o valor total por se tratar de bem que não está sujeito à depreciação. NLA Baixa do Bem Imóvel por Perdas - Edificações D Perdas Involuntárias com Imobilizado Consolidação C Edificações NLA Baixa do Bem Imóvel por Perdas Fazendas D Perdas Involuntárias com Imobilizado Consolidação C Fazendas NLA Baixa do Bem Imóvel por Perdas Terrenos D Perdas Involuntárias com Imobilizado Consolidação Página 14 de 69

15 C Terrenos Baixa por Venda Na venda de Bens Imóveis da Administração Direta do Poder Executivo a Diretoria de Patrimônio da Secretaria da Administração do Estado deve efetuar os seguintes procedimentos: a) Após realizar o leilão e apurar o resultado do mesmo, registrar o Ativo por Competência, pelo valor da venda, na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária Para o registro acessar Documentos Outros Documentos Reconhecimento do Ativo Por Competência (RAC) Incluir. Será disponibilizada tela para incluir o Reconhecimento do Ativo por Competência onde deverá ser informado: Tipo de Documento: Venda de Serviço, Produto ou Bem. Natureza da Receita: Informar o código de receita orçamentária de alienação de Bens Imóveis. Mês de Competência: Informar o mês do recolhimento Ano de Competência: Informar o ano do recolhimento Valor: Informar o valor da alienação Histórico: Fornecer informações sobre a alienação Data do Documento: Informar a data em que o RAC está sendo incluído. Após o preenchimento, incluir os dados confirmando as informações na tela seguinte gerando um número de documento para o RAC, registrando na Unidade Gestora 0000 da UO 09101, no valor da receita de alienação por meio do seguinte lançamento: D Valores a Receber de Clientes C (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar (a receita de alienação fica registrada nesta conta) Página 15 de 69

16 b) Recolher, por meio de DAE Não Tributário, o valor da Receita de Alienação no Banco 001, Agência , Conta Corrente Bancária Conta de Arrecadação de DAE Não Tributário, Código do Tributo 8017 Alienação de Bens Imóveis. A receita de alienação recolhida será automaticamente registrada na Diretoria do Tesouro, gerando o Registro de Receita Integrada (RSS) que baixa o valor da alienação da conta Valores a Receber de Clientes, na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária 09101, com o seguinte lançamento: UO UG 0000 D Movimento de Fundo a Crédito Correspondência de Créditos Saldos Não Financeiros C Valores a Receber de Clientes UO UG 0000 D Conta Arrecadação Banco do Brasil S/A C Movimento de Fundos a Débito Correspondência de débitos Saldos Não Financeiros. Ressalta-se se que esse lançamento de baixa na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária somente se refere à conta Valores a Receber de Clientes. O valor da receita de alienação fica registrado na conta (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar, conforme informado no item 6.1 descrito acima. c) Baixar, de acordo com o tipo do Bem Imóvel, o valor da depreciação acumulada do bem vendido com os seguintes fatos extra-caixa: NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel Fazendas D Fazendas C Fazendas Página 16 de 69

17 d) Após a baixa da depreciação, verificar o valor residual do bem imóvel (valor histórico depreciação acumulada) que está registrado na conta do bem. Esse valor deve ser comparado com o da receita de alienação do bem para verificar se o mesmo foi alienado por valor igual, superior ou inferior ao saldo do bem. De acordo com o resultado da comparação entre o valor do saldo residual e de alienação do bem os registros de baixa serão os seguintes: Sendo o valor da alienação igual ao valor residual do bem Baixar o valor residual da conta específica do bem imóvel e também da (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar, finalizando a baixa do bem. De acordo com o tipo do bem imóvel alienado os fatos extra-caixa para efetuar a baixa são os seguintes: NLA Baixa do Bem Alienação de Edifícios D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Edifícios NLA Baixa do Bem Alienação de Armazéns e Silos D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Armazéns e Silos Sendo o valor da alienação superior ao valor residual do bem Baixado o valor da depreciação acumulada do bem, e na comparação entre o valor residual e de alienação for constatado que o da alienação é superior ao valor residual deve ser efetuado o seguinte procedimento: Baixar o valor residual da conta específica do bem imóvel debitando a conta (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar. De acordo com o tipo do bem imóvel alienado os fatos extra-caixa para efetuar a baixa são os seguintes: Página 17 de 69

18 Baixa do Bem Alienação de Armazéns e Silos D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Armazéns e Silos Baixa do Bem Alienação de Edifícios D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Edifícios Baixa do Bem Alienação de Salas e Escritórios D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Salas e Escritórios Registrar a diferença entre o valor da alienação e o residual com o fato extra-caixa Registro do Ganho com Alienação de Imobilizado, que debita a conta (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar a crédito da Ganhos com Alienação de Imobilizado Consolidação. Sendo o valor da alienação inferior ao valor residual do bem Baixado o valor da depreciação acumulada do bem, e na comparação entre o valor residual e de alienação for constatado que o da alienação é inferior ao valor residual deve ser efetuado o seguinte procedimento: Baixar o valor residual da conta específica do bem imóvel debitando a conta (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar. De acordo com o tipo do bem imóvel alienado os fatos extra-caixa para efetuar a baixa são os seguintes: Baixa do Bem Alienação de Edifícios D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Edifícios Baixa do Bem Alienação de Armazéns e Silos D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Armazéns e Silos Página 18 de 69

19 Registrar a diferença entre o valor da alienação e o residual com o fato extra-caixa Registro da Perda Com Alienação de Imobilizado, debitando a conta Perdas com Alienação de Imobilizado Consolidação a crédito da (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar. 4. Procedimentos específicos para BENS IMÓVEIS na Administração Indireta do Poder Executivo 4.1. Incorporação de Bem Imóvel recebido em Doação No recebimento de Bem Imóvel por doação o registro contábil da incorporação do bem deve ser efetuado na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária do Órgão da Administração Indireta. De acordo com o tipo do Bem Imóvel, o Órgão da Administração Indireta deve utilizar os seguintes fatos extra-caixa: NLA Recebimento de Bens Imóveis por Doação - Edificaçõesicações D Edificações C Edificações NLA Recebimento de Bens Imóveis por Doação Fazendas D Fazendas C Fazendas NLA Recebimento de Bens Imóveis por Doação - Terrenos D Terrenos C Terrenos 4.2. Registro da Reavaliação de Bem Imóvel Página 19 de 69

20 O registro do valor correspondente à diferença entre o valor escriturado e o reavaliado deve ser efetuado pelo Órgão da Administração Indireta do Poder Executivo ao qual o imóvel pertence. O lançamento será na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária do Órgão da Administração Indireta. De acordo com o tipo do Bem Imóvel, utilizar para o registro os seguintes fatos extra-caixa: NLA Reavaliação de Bens Imóveis Edificações D Edificações C Reavaliação de Imóveis NLA Reavaliação de Bens Imóveis Fazendas D Fazendas C Reavaliação de Imóveis NLA Reavaliação de Bens Imóveis Terrenos D Terrenos C Reavaliação de Imóveis 4.3. Registro de Depreciação de Bem Imóvel O registro da depreciação do bem imóvel deve ser efetuado pelo Órgão da Administração Indireta do Poder Executivo ao qual o imóvel pertence, na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária do Órgão. De acordo com o tipo do Bem Imóvel, utilizar para o registro os seguintes fatos extra-caixa: NLA Depreciação Edificações D Edificações C Edificações NLA Depreciação Fazendas D Fazendas C Fazendas Página 20 de 69

21 4.4. Registro de Baixa de Bem Imóvel O registro da baixa do bem imóvel deve ser efetuado pelo Órgão da Administração Indireta do Poder Executivo ao qual o imóvel pertence, na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária do Órgão Baixa por Doação Baixa da Depreciação Acumulada do Bem De acordo com o tipo do Bem Imóvel, utilizar para o registro da baixa da depreciação acumulada os seguintes fatos extra-caixa: NLA Baixa de Depreciação Acumulada do Bem Imóvel - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel Fazendas D Fazendas C Fazendas Baixa do Bem De acordo com o tipo do Bem Imóvel, deve-se utilizar, para o registro da baixa do bem, os seguintes fatos extra-caixa. Ressalta-se se que para edificações e fazendas será baixado o valor residual uma vez que se referem a bens sujeitos à depreciação. Em relação a terrenos será o valor total por se tratar de bem não sujeito à depreciação. NLA Baixa do Bem Imóvel por Doação - Edificações D Edificações Página 21 de 69

22 C Edificações NLA Baixa do Bem Imóvel por Doação Fazendas D Fazendas C Fazendas NLA Baixa do Bem Imóvel por Doação Terrenos D Terrenos C Terrenos Baixa por Perda Baixa da Depreciação Acumulada do Bem De acordo com o tipo do Bem Imóvel, utilizar para o registro da baixa da depreciação acumulada os seguintes fatos extra-caixa: NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel Fazendas D Fazendas C Fazendas Baixa do Bem De acordo com o tipo do Bem Imóvel, deve-se utilizar, para o registro da baixa do bem, os fatos extra-caixa a seguir. Ressalta-se se que para edificações e fazendas será baixado o valor residual uma vez que se referem a bens sujeitos à depreciação. Em relação a terrenos será o valor total por se tratar de bem não sujeito à depreciação. Página 22 de 69

23 NLA Baixa do Bem Imóvel por Perdas - Edificações D Perdas Involuntárias com Imobilizado Consolidação C Edificações NLA Baixa do Bem Imóvel por Perdas Fazendas D Perdas Involuntárias com Imobilizado Consolidação C Fazendas NLA Baixa do Bem Imóvel por Perdas Terrenos D Perdas Involuntárias com Imobilizado Consolidação C Terrenos Baixa por Venda Na venda de Bens Imóveis da Administração Indireta do Poder Executivo, devem ser observados os seguintes procedimentos: A) Após realizar o leilão e apurar o resultado do mesmo, o Órgão da Administração Indireta deve registrar o Ativo por Competência, pelo valor da venda, na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária. Para o registro acessar Documentos Outros Documentos Reconhecimento do Ativo por Competência (RAC) Incluir. Será disponibilizada tela para incluir o Reconhecimento do Ativo por Competência onde deverá ser informado: Tipo de Documento: Venda de Serviço, Produto ou Bem. Natureza da Receita: Informar o código de receita orçamentária de alienação de Bens Imóveis. Mês de Competência: Informar o mês do recolhimento Ano de Competência: Informar o ano do recolhimento Valor: Informar o valor da alienação Página 23 de 69

24 Histórico: Fornecer informações sobre a alienação Data do Documento: Data em que o RAC está sendo incluído Após o preenchimento, incluir os dados confirmando as informações na tela seguinte gerando um número de documento para o RAC, registrando na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária, o valor da receita de alienação, com o seguinte lançamento: D Valores a Receber de Clientes C (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar (a receita de alienação fica registrada nesta conta) B) Depositar o valor da alienação na sua Conta de Arrecadação. C) Após a confirmação do ingresso da receita na Conta de Arrecadação, efetuar o Registro da Receita Orçamentária RDR, gerando o seguinte lançamento: D BB.00 Conta Arrecadação C Valores a Receber de Clientes D) Baixar, de acordo com o tipo do Bem Imóvel, o valor da depreciação acumulada do bem com os fatos extra-caixa: NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel Fazendas D Fazendas C Fazendas E) Após a baixa da depreciação, verificar o valor residual do bem imóvel (valor histórico depreciação acumulada) que fica registrado na conta do bem. Página 24 de 69

25 Esse valor deve ser comparado com o da receita de alienação do bem para verificar se o mesmo foi alienado por valor igual, superior ou inferior ao saldo do bem. De acordo com o resultado da comparação entre o valor do saldo residual e de alienação do bem, os registros de baixa serão os seguintes: Sendo o valor da receita de alienação igual ao valor residual do bem Baixar, com os fatos extra-caixa abaixo, o valor residual da conta específica do bem imóvel e também da (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar, finalizando a baixa do bem. NLA Baixa do Bem Alienação de Terrenos D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Terrenos NLA Baixa do Bem Alienação de Edificações D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Edificações NLA Baixa do Bem Alienação de Fazendas D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Fazendas Sendo o valor da receita de alienação superior ao valor residual do bem Baixado o valor da depreciação acumulada do bem, e na comparação entre o valor residual e de alienação for constatado que o da alienação é superior ao valor residual deve ser efetuado o seguinte procedimento: Baixar, com os fatos extra-caixa abaixo, o valor residual da conta específica do bem imóvel e também da conta (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar. NLA Baixa do Bem Alienação de Terrenos D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar Página 25 de 69

26 C Terrenos NLA Baixa do Bem Alienação de Edificações D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Edificações NLA Baixa do Bem Alienação de Fazendas D (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Fazendas Registrar a diferença entre o valor da alienação e o residual com o fato extra-caixa Registro do Ganho com Alienação de Imobilizado Bens Imóveis. D (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Ganhos com Alienação de Imobilizado Consolidação. Sendo o valor da receita de alienação inferior ao valor residual do bem Baixado o valor da depreciação acumulada do bem, e na comparação entre o valor residual e de alienação for constatado que o da alienação é inferior ao valor residual deve ser efetuado o seguinte procedimento: Baixar, com os fatos extra-caixa abaixo, o valor residual da conta específica do bem imóvel e também da conta (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar Baixa do Bem Alienação de Terrenos D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Terrenos Baixa do Bem Alienação de Edificações D (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Edificações Baixa do Bem Alienação de Fazendas D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Fazendas Página 26 de 69

27 Registrar a diferença entre o valor da alienação e o residual com o fato extra-caixa Registro da Perda Com Alienação de Imobilizado Bens Imóveis. D Perdas com Alienação de Imobilizado Consolidação a C (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar. 5. Procedimentos específicos para BENS IMÓVEIS nos Outros Poderes 5.1. Incorporação de Bem Imóvel recebido em Doação No recebimento de Bem Imóvel por doação o registro contábil da incorporação do bem deve ser efetuado na Unidade 0000 da Unidade Orçamentária. De acordo com o tipo do Bem Imóvel, para incorporação utilizar os seguintes fatos extracaixa: NLA Recebimento de Bens Imóveis por Doação - Edificações D Edificações C Edificações NLA Recebimento de Bens Imóveis por Doação Fazendas D Fazendas C Fazendas NLA Recebimento de Bens Imóveis por Doação - Terrenos D Terrenos C Terrenos Página 27 de 69

28 5.2. Registro da Reavaliação de Bem Imóvel O registro do valor correspondente à diferença entre o valor escriturado e o reavaliado deve ser efetuado, na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária. De acordo com o tipo do Bem Imóvel, utilizar para o registro os seguintes fatos extra-caixa: NLA Reavaliação de Bens Imóveis Edificações D Edificações C Reavaliação de Imóveis NLA Reavaliação de Bens Imóveis Fazendas D Glebas e Fazendas C Reavaliação de Imóveis NLA Reavaliação de Bens Imóveis Terrenos D Terrenos C Reavaliação de Imóveis 5.3. Registro de Depreciação de Bem Imóvel O registro da depreciação do bem imóvel deve ser efetuado na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária. De acordo com o tipo do Bem, Imóvel utilizar os seguintes fatos extra-caixa: Depreciação Edificações D Edificações C Edificações Depreciação Fazendas D Fazendas C Fazendas 5.4. Registro de Baixa de Bem Imóvel Página 28 de 69

29 O registro da baixa do bem imóvel deve ser efetuado, na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária Baixa por Doação Baixa da Depreciação Acumulada do Bem De acordo com o tipo do Bem Imóvel, utilizar para o registro da baixa os seguintes fatos extra-caixa: NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel Fazendas D Fazendas C Fazendas Baixa do Valor do Bem De acordo com o tipo do Bem Imóvel, deve-se utilizar, para o registro da baixa do bem, os fatos extra-caixa a seguir. Ressalta-se se que para edificações e fazendas será baixado o valor residual uma vez que se referem a bens sujeitos à depreciação. Em relação a terrenos será o valor total por se tratar de bem não sujeito à depreciação. NLA Baixa do Bem Imóvel por Doação - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa do Bem Imóvel por Doação Fazendas D Fazendas C Fazendas NLA Baixa do Bem Imóvel por Doação Terrenos Página 29 de 69

30 D Terrenos C Terrenos Baixa por Perda Baixa da Depreciação Acumulada do Bem De acordo com o tipo do Bem Imóvel, utilizar para o registro os seguintes fatos extra-caixa: NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel Fazendas D Fazendas C Fazendas Baixa do Bem De acordo com o tipo do Bem Imóvel, deve-se utilizar, para o registro da baixa do bem, os seguintes fatos extra-caixa. Ressalta-se se que para edificações e fazendas será baixado o valor residual uma vez que se referem a bens sujeitos à depreciação. Em relação a terrenos será o valor total por se tratar de bem não sujeito à depreciação. NLA Baixa do Bem Imóvel por Perdas - Edificações D Perdas Involuntárias com Imobilizado Consolidação C Edificações NLA Baixa do Bem Imóvel por Perdas Fazendas D Perdas Involuntárias com Imobilizado Consolidação Página 30 de 69

31 C Fazendas NLA Baixa do Bem Imóvel por Perdas Terrenos D Perdas Involuntárias com Imobilizado Consolidação C Terrenos Baixa por Venda Na venda de Bens Imóveis devem ser observados os seguintes procedimentos: A) Após realizar o leilão e apurar o resultado do mesmo, registrar o Ativo por Competência, pelo valor da venda, na Unidade 0000 da Unidade Orçamentária. Para o registro acessar Documentos Outros Documentos Reconhecimento do Ativo por Competência (RAC) Incluir. Será disponibilizada tela para incluir o Reconhecimento do Ativo por Competência onde deverá ser informado: Tipo de Documento: Venda de Serviço, Produto ou Bem. Natureza da Receita: Informar o código de receita orçamentária de alienação de Bens Imóveis. Mês de Competência: Informar o mês do recolhimento Ano de Competência: Informar o ano do recolhimento Valor: Informar o valor da alienação Histórico: Fornecer informações sobre a alienação Data do Documento: Data em que o RAC está sendo incluído Após o preenchimento, incluir os dados confirmando as informações na tela seguinte, gerando um número de documento para o RAC, registrando na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária, o valor da receita de alienação, com o seguinte lançamento: D Valores a Receber de Clientes C (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar (a receita de alienação fica registrada nesta conta) Página 31 de 69

32 B) Depositar o valor da alienação na Conta de Arrecadação. C) Após a confirmação do ingresso da receita na Conta de Arrecadação, efetuar o Registro da Receita Orçamentária RDR, gerando o seguinte lançamento: D BB.00 Conta Arrecadação C Valores a Receber de Clientes D) Baixar, de acordo com o tipo do Bem Imóvel, o valor da depreciação acumulada com os fatos extra-caixa: NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel - Edificações D Edificações C Edificações NLA Baixa Depreciação Acumulada do Bem Imóvel Fazendas D Fazendas C Fazendas E) Após a baixa da depreciação, verificar o valor residual do bem imóvel (valor histórico depreciação acumulada) que fica registrado na conta do bem. Esse valor deve ser comparado com o da receita de alienação do bem para verificar se o mesmo foi alienado por valor igual, superior ou inferior ao saldo do bem. De acordo com o resultado da comparação entre o valor do saldo residual e de alienação do bem, os registros de baixa serão os seguintes: Sendo o valor da receita de alienação igual ao valor residual do bem Página 32 de 69

33 Baixar, com os fatos extra-caixa a seguir, o valor residual da conta específica do bem imóvel e também da (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar, finalizando a baixa do bem. NLA Baixa do Bem Alienação de Terrenos D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Terrenos NLA Baixa do Bem Alienação de Edificações D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Edificações NLA Baixa do Bem Alienação de Fazendas D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Fazendas Sendo o valor da receita de alienação superior ao valor residual do bem Baixado o valor da depreciação acumulada do bem, e na comparação entre o valor residual e de alienação for constatado que o da alienação é superior ao valor residual deve ser efetuado o seguinte procedimento: Baixar, com os fatos extra-caixa a seguir, o valor residual da conta específica do bem imóvel e também da conta (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar. NLA Baixa do Bem Alienação de Terrenos D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Terrenos NLA Baixa do Bem Alienação de Edificações D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Edificações Página 33 de 69

34 NLA Baixa do Bem Alienação de Fazendas D (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Fazendas Registrar a diferença entre o valor da alienação e o residual com o fato extra-caixa Registro do Ganho com Alienação de Imobilizado Bens Imóveis. D (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar a crédito da C Ganhos com Alienação de Imobilizado Consolidação. Sendo o valor da receita de alienação inferior ao valor residual do bem Baixado o valor da depreciação acumulada do bem, e na comparação entre o valor residual e de alienação for constatado que o da alienação é inferior ao valor residual deve ser efetuado o seguinte procedimento: Baixar, com os fatos extra-caixa a seguir, o valor residual da conta específica do bem imóvel e também da conta (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar. NLA Baixa do Bem Alienação de Terrenos D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Terrenos NLA Baixa do Bem Alienação de Edificações D (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Edificações NLA Baixa do Bem Alienação de Fazendas D (-) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar C Fazendas Registrar a diferença entre o valor da alienação e o residual com o fato extra-caixa Registro da Perda Com Alienação de Imobilizado Bens Imóveis. Página 34 de 69

35 D Perdas com Alienação de Imobilizado Consolidação C (- ) Bens Imóveis Alienados a Desincorporar. 6. Procedimentos para registro de OBRAS EM ANDAMENTO concluídas na Administração Direta do Poder Executivo 6.1. Controle automático no FIPLAN No Poder Executivo Estadual, o controle patrimonial dos Bens Imóveis dos Órgãos da Administração Direta é efetuado pela Diretoria de Patrimônio da SAEB, por meio do Sistema de Controle de Bens Imóveis SIMOV. Os registros contábeis relativos aos Bens Imóveis dos Órgãos da Administração Direta do Poder Executivo são efetuados na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária Diretoria Geral da Secretaria da Administração. No momento do Reconhecimento do Passivo por Competência - RPC, os valores são incorporados na UG executora na conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado. O Fiplan irá baixar automaticamente esses valores, incorporando na UG Centralizadora (UG 0000). No momento da Liquidação - LIQ, é identificada a referência da licitação, e os valores são transferidos para a conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação, sendo o controle do conta corrente por licitação Saldos migrados do SICOF Caso a Unidade tenha valores migrados do SICOF, que estão com conta corrente origem SICOF, tais valores deverão ser transferidos para a conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação, sendo o controle do conta corrente por licitação, por meio de Nota de Lançamento Contábil - NLC, sob a supervisão da GECOR, sendo obrigatório a identificação da referência da licitação. Para identificar a referência da licitação, a unidade deverá extrair o Balancete do SICOF de 2012 a partir do código da conta contábil. Se a referência da licitação não for identificada no SICOF, os valores registrados no FIPLAN devem permanecer na conta que migrou do SICOF até a incorporação definitiva como bens imóveis ou outra necessidade de baixa. Durante a incorporação, a unidade deverá avaliar se os valores estão na conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação ou na conta migrada do SICOF. Página 35 de 69

36 No caso de ter ocorrido a transferência da conta do SICOF para a conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado,, a unidade deverá rever os lançamentos para estorná-los, se possível, ou transferir para a conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação, se identificada a referência da licitação ou transferir para a conta origem SICOF Registro das Obras em Andamento Para efetuar os registros contábeis de obras em andamento concluídas pelos órgãos da Administração Direta do Poder Executivo devem ser observados os procedimentos a seguir. Quando a Obra for concluída, o valor relativo ao bem construído deve ser registrado na conta de Bem Imóvel específica, na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária Deve ser efetuada a baixa do valor da obra que foi incorporada automaticamente na conta Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação, nas Unidades Gestoras 0000 da Unidades Orçamentárias dos Órgãos da Administração Direta do Poder Executivo. O Órgão da Administração Direta do Poder Executivo ao efetuar a baixa, em sua Unidade Gestora Centralizadora, deve informar à Diretoria de Patrimônio da Secretaria de Administração da Bahia. De acordo com o tipo do Bem Imóvel, o Órgão da Administração Direta do Poder Executivo, ao efetuar a baixa deve utilizar os fatos extra-caixa a seguir que efetuam a baixa do valor na Unidade Gestora 0000 da sua Orçamentária, e incorpora o valor na Unidade Gestora 0000 da Unidade Orçamentária NLA Obra em Andamento Concluída Transferência para SAEB - Edificações Na UG 0000 da Unidade Orçamentária D Transferência Concedidas de Obras em Andamento C Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação Na UG 0000 da Unidade Orçamentária D Edificação C Transferência Recebidas de Obras em Andamento NLA Obra em Andamento Concluída Transferência para SAEB - Barragem Página 36 de 69

37 Na UG 0000 da Unidade Orçamentária D Transferência Concedidas de Obras em Andamento C Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação Na UG 0000 da Unidade Orçamentária D Barragem C Transferência Recebidas de Obras em Andamento NLA Obra em Andamento Concluída Transferência para SAEB - Adutora Na UG 0000 da Unidade Orçamentária D Transferência Concedidas de Obras em Andamento C Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação Na UG 0000 da Unidade Orçamentária D Adutora C Transferência Recebidas de Obras em Andamento 7. Procedimentos para registro de OBRAS EM ANDAMENTO concluídas na Administração Indireta do Poder Executivo 7.1. Controle automático no FIPLAN No momento do Reconhecimento do Passivo por Competência - RPC, os valores são incorporados na UG executora na conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado. O Fiplan irá baixar automaticamente esses valores, incorporando na UG Centralizadora (UG 0000). No momento da Liquidação - LIQ, é identificada a referência da licitação, e os valores são transferidos para a conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação, sendo o controle do conta corrente por licitação. Página 37 de 69

38 7.2. Saldos migrados do SICOF Caso a Unidade tenha valores migrados do SICOF, que estão com conta corrente origem SICOF, tais valores deverão ser transferidos para a conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação, sendo o controle do conta corrente por licitação, por meio de Nota de Lançamento Contábil - NLC, sob a supervisão da GECOR, sendo obrigatório a identificação da referência da licitação. Para identificar a referência da licitação, a unidade deverá extrair o Balancete do SICOF de 2012 a partir do código da conta contábil. Se a referência da licitação não for identificada no SICOF, os valores registrados no FIPLAN devem permanecer na conta que migrou do SICOF até a incorporação definitiva como bens imóveis ou outra necessidade de baixa. Durante a incorporação, a unidade deverá avaliar se os valores estão na conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação ou na conta migrada do SICOF. No caso de ter ocorrido a transferência da conta do SICOF para a conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado,, a unidade deverá rever os lançamentos para estorná-los, se possível, ou transferir para a conta Obras em Andamento - Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação, se identificada a referência da licitação ou transferir para a conta origem SICOF Registro das Obras em Andamento Quando a Obra for concluída, o valor relativo ao bem construído deve ser registrado na conta específica de bem Imóvel. Na Unidade Gestora 0000 deve-se efetuar a baixa do valor da obra que foi incorporado automaticamente na conta Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação, incorporando na conta de bem imóvel. Para efetuar a baixa, na conta de obra em andamento, do valor da obra concluída, e incorporar na conta de bem imóvel, utilizar os fatos extra-caixa a seguir: NLA Incorporação na Conta Específica de Obras em Andamento Concluídas Edificações D Edificações C Obras em Andamento Bens Operacionais do Estado Controle por Licitação Página 38 de 69

Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia Execução da Despesa

Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia Execução da Despesa 1. Objetivo... 2 2. Procedimentos da DEPAT... 2 2.1 Valor líquido da Folha de pessoal e das consignações e encargos com vencimentos até o último dia útil do mês... 2 2.2 Valor das consignações e dos encargos

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Brasília-DF Janeiro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Processo CFC n.º 2012/000008

Leia mais

Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia

Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia 1. Sumário 1. OBJETIVO... 1 2. PROCEDIMENTOS PARA AJUSTE DE ATIVO - BANCO NA MESMA UG... 1 3. PROCEDIMENTOS PARA AJUSTE DE ATIVO - BANCO - UG DIFERENTES... 3 4. ANEXO I - CONTAS CONTÁBEIS BANCÁRIAS IMPORTADAS

Leia mais

GUIA DE CAPACITAÇÃO REGISTRO DE RECEITA ORÇAMENTÁRIA - RDR

GUIA DE CAPACITAÇÃO REGISTRO DE RECEITA ORÇAMENTÁRIA - RDR GUIA DE CAPACITAÇÃO REGISTRO DE RECEITA ORÇAMENTÁRIA - RDR Registro de Receita Orçamentária (RDR) - SUMÁRIO - 1. CONCEITOS...3 2. Registro de Receita Integrada RDR...6 2.1. DESCRIÇÃO...6 2.2. FLUXO DO

Leia mais

Treinamento Setor Público

Treinamento Setor Público Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Treinamento Setor Público Abril/2015 Conteúdo Princípio da competência, créditos tributários

Leia mais

Objetivo da apresentação

Objetivo da apresentação Objetivo da apresentação Apresentar o processo geral da execução da despesa. Apresentar as funcionalidades dos documentos hábeis: 1. Registro do Passivo por Competência (RPC) 2. Registro de Documento Hábil

Leia mais

Guia de Capacitação Liberador de Rotinas Automáticas

Guia de Capacitação Liberador de Rotinas Automáticas Guia de Capacitação Liberador de Rotinas Automáticas Versão 01 Setembro 2014 MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: GESTÃO LIBERADOR DE ROTINAS AUTOMÁTICAS COLABORADORES DO MATERIAL: GENIVIEVE

Leia mais

Questões de CASP para ANAC IGEPP 2016 Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli. Tópico 4

Questões de CASP para ANAC IGEPP 2016 Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli. Tópico 4 Tópico 4 1. (ESAF/CVM/2001/Analista/Adaptada) Para a Contabilidade Pública, variação patrimonial decorre de alteração de valor de qualquer elemento integrante do patrimônio público. Dito isso, não se pode

Leia mais

Os precatórios que estão registrados no curto prazo devem ser transferidos para Longo Prazo conforme segue:

Os precatórios que estão registrados no curto prazo devem ser transferidos para Longo Prazo conforme segue: CONTABILIZAÇÃO DE PRECATÓRIOS - EC62/2009 CONTABILIZAÇÃO DOS PRECATÓRIOS NOS MUNICÍPIOS 1 Reclassificação para contas contábeis específicas dos valores transferidos para o exercício, relativos ao Regime

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

DECRETO Nº DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 (Publicado no Diário Oficial de 31/10/2014

DECRETO Nº DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 (Publicado no Diário Oficial de 31/10/2014 DECRETO Nº 15.633 DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 (Publicado no Diário Oficial de 31/10/2014 Dispõe sobre os procedimentos para extinção da Secretaria Estadual para Assuntos da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014,

Leia mais

Projeto FIPLAN-BA Sistema Integrado de Planejamento e Finanças do Estado da Bahia. Assunto PAGAMENTO DE RESTOS A PAGAR - 2013 - ETAPAS 3 e 4

Projeto FIPLAN-BA Sistema Integrado de Planejamento e Finanças do Estado da Bahia. Assunto PAGAMENTO DE RESTOS A PAGAR - 2013 - ETAPAS 3 e 4 FIPLAN-BA Conteúdo 1. Âmbito de Aplicação... 2 2. Objetivo... 2 3. Etapas... 2 4. Condições Necessárias para Etapa 3... 3 5. Resumo de ações de adequação dos saldos e pagamento dos RP a serem realizadas

Leia mais

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado.

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado. CONTABILIDADE BÁSICA I 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE IV VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1) A seguir estão mencionadas as transações da Empresa Petrópolis Ltda., organizada em 1º de dezembro de 2015: 01

Leia mais

Exercícios - Soluções

Exercícios - Soluções Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exercícios - Soluções EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 Exercício 1 - Resposta Ativo imobilizado até a conclusão da obra (manutenção da atividade O

Leia mais

Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária

Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária Nota Técnica n 009/2011/GECON (Revoga o Roteiro de Contabilização n. 002/2008/GECON) Vitória, 08 de dezembro de 2011. Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária A presente Nota Técnica

Leia mais

Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio.

Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio. Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio. O FIPLAN e a nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Plano de Contas Aplicado

Leia mais

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade Resultado Primário e Resultado Nominal Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Ementa Programa do Módulo 4 - RREO Resultado Primário e Nominal CH: 04 h Conteúdo: 1. Necessidades

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL Coordenação-Geral de Contabilidade Paulo Henrique Feijó Legislação: Exigência de apuração de custos Lei nº 4.320/1964 Art. 99. Os serviços públicos industriais,

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN Guia de Capacitação Cancelar Restos a Pagar - CRP Versão 1.0 Outubro 2014 GUIA DE CAPACITAÇÃO CANCELAR RESTOS A PAGAR - CRP MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: LIQUIDAÇÃO (LIQ) INSTRUTORA:

Leia mais

FIP Balancete Mensal de Verificação

FIP Balancete Mensal de Verificação 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO 1.005.472,68 D 1.160.936,76 1.191.738,90 974.670,54 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 325.323,28 D 1.160.936,76 1.191.738,90 294.521,14 D 1.1.1.0.0.00.00.00 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT Orientação Técnica 0002/2015 UNIDADE ORÇAMENTÁRIA: TODAS AS UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS INTERESSADO: C/ CÓPIA: ASSUNTO: SECRETÁRIOS DE ESTADO E PRESIDENTES DE AUTARQUIAS,FUNDAÇÕES, EMPRESAS E DEMAIS ENTIDADES

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL A cada fechamento mensal, para a conferência dos saldos contábeis das contas (principalmente as da execução orçamentária e financeira), podem

Leia mais

Entendendo a Contabilidade Orçamentária Aplicada ao Setor Público

Entendendo a Contabilidade Orçamentária Aplicada ao Setor Público Paulo Henrique Feijó Jorge Pinto de Carvalho Júnior Carlos Eduardo Ribeiro Entendendo a Contabilidade Orçamentária Aplicada ao Setor Público Brasília - 2015 Editora ~estão Pública SUMÁRIO Prefácio Apresentação

Leia mais

Objetivo: Demonstrar como devemos proceder para inserir os valores das contas do PCASP de Ativo, Passivo, Variação Patrimonial Diminutiva, Variação

Objetivo: Demonstrar como devemos proceder para inserir os valores das contas do PCASP de Ativo, Passivo, Variação Patrimonial Diminutiva, Variação Objetivo: Demonstrar como devemos proceder para inserir os valores das contas do PCASP de Ativo, Passivo, Variação Patrimonial Diminutiva, Variação Patrimonial Aumentativa de órgãos que não utilizam o

Leia mais

Em atendimento à Audiência Pública supra citada, vimos pela presente apresentar nossas considerações sobre a minuta disponibilizada.

Em atendimento à Audiência Pública supra citada, vimos pela presente apresentar nossas considerações sobre a minuta disponibilizada. Curitiba, 15 de janeiro de 2008 Sr. José Augusto da Silva Superintendente de Mediação Administrativa Setorial Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL SGAN - Quadra 603 - Módulo I 70830-030 Brasília

Leia mais

Título: Como realizar a configuração da integração contábil de uma empresa com Atividade Imobiliária Custo Incorrido?

Título: Como realizar a configuração da integração contábil de uma empresa com Atividade Imobiliária Custo Incorrido? Título: Como realizar a configuração da integração contábil de uma empresa com Atividade Imobiliária Custo Incorrido? Os dados a seguir foram elaborados para demonstrar uma rotina de lançamentos contábeis,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue:

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Questionamento 1: Tomando como base a definição de que os Conselhos o Federal e os Regionais foram criados por

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

Poder Executivo Caderno II

Poder Executivo Caderno II . Ano XVII, Edição 3858 - R$ 1,00 Poder Executivo Caderno II BALANÇOS GABINETE DO VICE-PREFEITO Administração Financeira Integrada a. Quadro Principal Dados até Dezembro de 2015 Unidade Gestora: 120101

Leia mais

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00 SEMANA 10 - Despesa Pública: Dispêndios orçamentários (Despesa orçamentária) e Extra- Orçamentários; 01. (ESTILO-ESAF/2012) Os dispêndios públicos podem ser de natureza orçamentária ou extraorçamentária.

Leia mais

LIVRO: MANUAL DE CONTABILIDADE PÚBLICA UM ENFOQUE NA CONTABILIDADE MUNICIPAL. VALMOR SLOMS KI, 2ª ED. 2009, ED. ATLAS, SP.

LIVRO: MANUAL DE CONTABILIDADE PÚBLICA UM ENFOQUE NA CONTABILIDADE MUNICIPAL. VALMOR SLOMS KI, 2ª ED. 2009, ED. ATLAS, SP. Com base no Balanço Patrimonial encerrado em 31 de dezembro de 2010 e na Lei de Orçamento Anual (LOA) para o exercício financeiro de 2011, efetue os registros contábeis e apure os Balanços Orçamentário,

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021200 - FACILIDADE PARA UTILIZAÇÃO DO SIAFI (DICAS) ASSUNTO 021216 - PROCEDIMENTO PARA INCLUSÃO DE FOLHA

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR CADERNO DE PROVA CONTADOR Nº. DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 03 de junho de 2012. N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória FUCAMP Fundação Carmelitana Mário Palmério INTRODUÇÃO FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso: Ciências Contábeis Disciplina Contabilidade Introdutória Ano Letivo: Semestre: 2016 1º A história

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura 1 de 6 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Interno da Prefeitura de Salvador,

Leia mais

QUADROS CONSTANTE DA Relação de Documentos Integrantes das Contas de Governo dos Municípios 2015 / TCE-RJ

QUADROS CONSTANTE DA Relação de Documentos Integrantes das Contas de Governo dos Municípios 2015 / TCE-RJ QUADROS CONSTANTE DA Relação de Documentos Integrantes das Contas de Governo dos Municípios 2015 / TCE-RJ INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE ACORDO COM RELATÓRIOS EXTRAÍDOS DOS SISTEMAS SAPITUR DESPESAS

Leia mais

ANO XXVI ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2015

ANO XXVI ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2015 ANO XXVI - 2015-5ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2015 ASSUNTOS CONTÁBEIS AQUISIÇÃO DE BENS PARA O ATIVO IMOBILIZADO - CRÉDITO DO ICMS... Pág. 680 SIMPLES NACIONAL AGENDAMENTO DA OPÇÃO

Leia mais

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 16/06/2010 O Brasil a Caminho dos Padrões Internacionais

Leia mais

Objetivo: Demonstrar como realizar os lançamentos de ajuste das contas que representam as contas de Ativo Circulante, que representam o Almoxarifado

Objetivo: Demonstrar como realizar os lançamentos de ajuste das contas que representam as contas de Ativo Circulante, que representam o Almoxarifado Solução em Gestão Municipal Solução em Gestão Municipal Solução em Gestão Municipal Objetivo: Demonstrar como realizar os lançamentos de ajuste das contas que representam as contas de Ativo Circulante,

Leia mais

DÚVIDAS E RESPOSTAS Treinamento Financeiro Projeto PLUG

DÚVIDAS E RESPOSTAS Treinamento Financeiro Projeto PLUG DÚVIDAS E RESPOSTAS Treinamento Financeiro Projeto PLUG DÚVIDAS MÓDULO FINANCEIRO 1. O cadastro dos fornecedores deverá ser preenchido em todos os módulos? O cadastro de fornecedores deverá ser preenchido

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público. Prof. Giovanni Pacelli 1 de 5

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público. Prof. Giovanni Pacelli 1 de 5 1. Ativo 2. Passivo 1.1. Ativo Circulante 2.1. Passivo Circulante Bancos/Caixa (F) Créditos a receber (P) Dívida Ativa Estoques (P) almoxarifado Adiantamentos concedidos a pessoal e terceiros (P) Suprimento

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17 Exercício Nº 17 1 Elaboração do Balanço Patrimonial de em moeda de ATIVO Valores Históricos Valores ajustados Quant. de Valores na moeda de Ativo circulante 350.000 105.132,3249 416.324 Caixa 80.000 80.000

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Avaliação de Estoques CPC 16 Caracterização do Estoque Estoques são ativos: a)mantidos para venda no curso normal dos negócios; b)em processo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CNPJ: 46.068.425/0001-33

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CNPJ: 46.068.425/0001-33 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 31/12/2014 As Notas Explicativas apresentadas foram elaboradas com o objetivo de apresentar informações relevantes, evidenciando de forma analítica a situação

Leia mais

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada.

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada. Página2 Cadastro de Categorias O cadastro de categoria é utilizado dentro do gestor para o controle financeiro da empresa, por ela é possível saber a origem e a aplicação dos recursos, como por exemplo,

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

SIPAC Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos MÓDULO ORÇAMENTO

SIPAC Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos MÓDULO ORÇAMENTO SIPAC Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos MÓDULO ORÇAMENTO Módulo Orçamento Objetivo: Integrar as atividades de administração com a execução orçamentária. Possibilita Realizar operações

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Departamento de Tecnologia da Informação

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Departamento de Tecnologia da Informação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Departamento de Tecnologia da Informação MANUAL SUAP (MÓDULO ALMOXARIFADO) Manual de utilização do módulo Almoxarifado do Sistema Unificado

Leia mais

Drawback. 1. O que é o regime de drawback?

Drawback. 1. O que é o regime de drawback? Drawback 1. O que é o regime de drawback? O drawback é um regime aduaneiro especial que consiste na suspensão, isenção ou restituição dos tributos incidentes nos produtos utilizados no processo produtivo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPUÃ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPUÃ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPUÃ ESTADO DO PARANÁ Notas Explicativas Das Demonstrações Contábeis Exercício financeiro de 2016 As Demonstrações Contábeis do Município de Arapuã foram elaboradas de acordo

Leia mais

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA... 1 3. PROCEDIMENTOS E CONTABILIZAÇÃO NO FIPLAN... 3 3.1 REGISTROS CONTÁBEIS DA DÍVIDA ATIVA... 5 3.1.1 REGISTRO DA INSCRIÇÃO DO CRÉDITO EM DÍVIDA

Leia mais

Inscrição de RP Não Processados a Liquidar/liquidação

Inscrição de RP Não Processados a Liquidar/liquidação Inscrição de RP Não Processados a Liquidar/liquidação 1) Indicação pelo Ordenador, do servidor que fará a criação e o registro da RN (Relação de Empenhos) no SIAFI; A inscrição dos empenhos dependerá do

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2017 2016 Passivo e patrimônio líquido 2017 2016 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 50.383 78.050 Fornecedores 22.725 23.096 Contas

Leia mais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.431 27.730 Fornecedores

Leia mais

Regulamento básico: finanças e controladoria

Regulamento básico: finanças e controladoria Regulamento básico: finanças e controladoria Diretoria de Administração e Planejamento Abril de 2002 Este regulamento estabelece as diretrizes a serem adotadas pela RNP na gestão de seus recursos financeiros,

Leia mais

Ativo circulante ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa em moeda nacional

Ativo circulante ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa em moeda nacional Página : 1 / 5 1.1 1.1.1 1.1.1.1 1.1.1.1.1.01.00 1.1.1.1.1.02.00 1.1.2 1.1.2.1 1.1.2.3 1.1.3 1.1.3.8 1.1.5 1.1.5.6 ATIVO Ativo circulante 2.947.936,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa 2.947.936,80 0,00

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF Equações Contábeis

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF Equações Contábeis Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF 1º GTCON 2015 Equações Contábeis MAI/2015 Agenda 1 Contexto 2 3 Objetivos e Tipos de

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

UNIDADE GESTORA ( UG )

UNIDADE GESTORA ( UG ) UNIDADE GESTORA ( UG ) Apostila - Estornar Atendimento Help Desk - Credor Liberar Empenho para Servidor Público Documentos Hábeis (DHA) - Desmembrar Liberar/Suspender/Ativar Pedido de Adiantamento (PAD)

Leia mais

5. Relações Interfinanceiras e Interdependências. 1. Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. 2. Créditos Vinculados/Obrigações Vinculadas

5. Relações Interfinanceiras e Interdependências. 1. Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. 2. Créditos Vinculados/Obrigações Vinculadas TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DOS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 5 Relações Interfinanceiras e Interdependências 1 Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis 1- Compensação de

Leia mais

Manual de Lançamentos Contábeis: Sinistro de bens do Ativo Imobilizado

Manual de Lançamentos Contábeis: Sinistro de bens do Ativo Imobilizado Manual de Lançamentos Contábeis: Sinistro de bens do Ativo Imobilizado Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos como deve ser feito a contabilização do recebimento da indenização de seguro,

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre saldos iniciais.

Bem-vindo ao tópico sobre saldos iniciais. Bem-vindo ao tópico sobre saldos iniciais. 1 Nesse tópico, você aprenderá as várias opções para inserir saldos iniciais dos parceiros de negócios, estoque e contas contábeis. Você também aprenderá como

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO DO SIMULADO.

1. APRESENTAÇÃO DO SIMULADO. 1. APRESENTAÇÃO DO SIMULADO. Sejam bem-vindos, meus amigos! Somos os professores Julio Cardozo, Gabriel Rabelo e Luciano Rosa e lecionamos as disciplinas de Contabilidade Geral, Avançada, de Custos e Análise

Leia mais

SINDICATO DOS SERVIDORES DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SINDICATO DOS SERVIDORES DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO BALANÇO PATRIMONIAL - 2016 (EM REAIS) ATIVO Caixa e Equivalente de Caixa 98.592,32 MENSALIDADES A RECEBER Mensalidade Social Ativos 4.106,43 Mensalidade Social Inativos 1.937,76 ATIVO NÃO IMOBILIZADO Móveis

Leia mais

Cordilheira Escrita Fiscal 2.122a

Cordilheira Escrita Fiscal 2.122a LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA SUMÁRIO 1. Objetivo... 1 2. Motivação e Justificativa... 1 3. Procedimentos e Contabilização no FIPLAN... 2 3.1 Inscrição Do Crédito Em Dívida Ativa Na Unidade Competente... 2 3.2 Atualização Monetária,

Leia mais

Função e Funcionamento das principais contas

Função e Funcionamento das principais contas 2017/09/22 13:54 1/15 e das principais contas e das principais contas 1.1.1.1 CAIXA Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa. Debita-se pelo recebimento

Leia mais

Inventário Anual do Almoxarifado. Chefia do Departamento de Administração. Setor de Patrimônio. Setor de Patrimônio. Setor de Patrimônio

Inventário Anual do Almoxarifado. Chefia do Departamento de Administração. Setor de Patrimônio. Setor de Patrimônio. Setor de Patrimônio Inventário Anual do Almoxarifado Atividade Descrição Responsável Prazo Instrumentos de apoio 1 Solicitar ao Diretor-Geral a constituição de comissão especial para realizar o inventário anual, por amostragem,

Leia mais

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Exercício 3.1 A seguir estão relacionadas as operações realizadas pela sociedade de prestação de serviços Remendão S/A, em janeiro/x2

Leia mais

Manual de Ativo Imobilizado

Manual de Ativo Imobilizado Manual de Ativo Imobilizado Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo de

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13 Exercício Nº 13 1 Exercício Nº 13 - Contabilidade em nível geral de preços Elaboração do Balanço Patrimonial de em ATIVO na Ativo circulante 150.000 78.341,9444 164.518 Caixa 20.000 20.000 10.000,0000

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA "De Olho no Ponto"

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA De Olho no Ponto REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA "De Olho no Ponto" 1º. Registro nº. 1.372.079, de 21 de setembro de 2012 5º Oficial de Registro

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU Rua Bulcão Viana, 90, Centro Florianópolis Santa Catarina Fone: (48) 3221-3764 Fax: (48) 3221-3730 Home-page: www.tce.sc.gov.br

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

Balancete Analítico GOVERNO DE ESTADO DO AMAZONAS. Administração Financeira Integrada

Balancete Analítico GOVERNO DE ESTADO DO AMAZONAS. Administração Financeira Integrada 100000000 - Ativo 157.123.471,49 757.532.824,27 212.013.058,18 702.643.237,58 D 110000000 - Ativo Circulante 37.605.161,54 60.284.824,22 49.434.231,84 48.455.753,92 D 111000000 - Disponivel 37.237.502,93

Leia mais

ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE APAS VALE DO RIBEIRA

ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE APAS VALE DO RIBEIRA ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - APAS -VALE DO RIBEIRA Registro - SP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - APAS -

Leia mais

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017:

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017: CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA: QUESTÕES DE REVISÃO 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS,

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 181 INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 O, no uso das atribuições que lhe confere o inciso XII do Art. 78 da Constituição Estadual, bem como o inciso

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN Guia de Capacitação Liquidação da Despesa Parte 2 Versão 6.0 Maio 2015 MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: LIQUIDAÇÃO (LIQ) INSTRUTORA: MAIARA BARROZO COLABORADORES DO MATERIAL: GENIVIEVE

Leia mais

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. 31 de dezembro de 2003 e Índice

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. 31 de dezembro de 2003 e Índice INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Parecer dos Auditores Independentes...1 Demonstrações Financeiras Auditadas Balanços Patrimoniais...2 Demonstrações

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 A T I V O 2013 2012 P A S S I V O 2013 2012 ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE DISPONIBILIDADES 138.306,74 147.777,56 Caixa 387,34 201,39 OBRIGAÇÕES

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e Bancos 207 Fornecedores 34.860 Aplicações Financeiras 4.887 Provisão Férias e Encargos

Leia mais

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ /

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM: ( Valores em Reais) ATIVO CIRCULANTE 17.802.769,62 10.829.348,39 DISPONIBILIDADE 7.703.537,60 3.824.493,65 Caixa e Bancos 436.727,86 548.337,85 Aplicações Financeiras 7.266.809,74

Leia mais

CRITÉRIOS DE RATEIO E DISTRIBUIÇÃO DE CUSTOS

CRITÉRIOS DE RATEIO E DISTRIBUIÇÃO DE CUSTOS CRITÉRIOS DE RATEIO E DISTRIBUIÇÃO DE CUSTOS René Gomes Dutra Resumo: Rateio é uma divisão proporcional por uma base que tenha dados conhecidos em cada uma das funções em que se deseja apurar custos. Tal

Leia mais

Cheque Recebimentos com múltiplos cheques

Cheque Recebimentos com múltiplos cheques Conteúdo 1Introdução 2Comentários - Relatórios Fixos 3Natureza da Receita Produto 4Cheque 5Cancelamento de NFe 6O.S. no orçamento 7Devolução 8SNGPC Introdução Este artigo tem como objetivo tirar dúvidas

Leia mais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de 2012 NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais Parte I - Registro do Orçamento 1. Previsão da Receita Orçamentária O Orçamento para o exercício

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan FACULDADE EVANGÉLICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL TURMA: 3º, 4º e 5º PERÍODOS BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan Considere os fatos contábeis

Leia mais