Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária"

Transcrição

1 Nota Técnica n 009/2011/GECON (Revoga o Roteiro de Contabilização n. 002/2008/GECON) Vitória, 08 de dezembro de Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária A presente Nota Técnica foi desenvolvida pela Gerência de Contabilidade da Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo visando orientar sobre os registros contábeis referentes aos Depósitos Caução, Seguros Garantia e Fianças Bancárias. A Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, em seu artigo 56 define as seguintes regras para exigência de prestação de garantia nas contratações de obras, serviços e compras: Art. 56. A critério da autoridade competente, em cada caso, e desde que prevista no instrumento nto convocatório, poderá ser exigida prestação de garantia nas contratações de obras, serviços e compras. 1o Caberá ao contratado optar por uma das seguintes modalidades de garantia: I caução em dinheiro ou em títulos da dívida pública, devendo estes ter sido emitidos sob a forma escritural, mediante registro em sistema centralizado de liquidação e de custódia autorizado pelo Banco Central do Brasil e avaliados pelos seus valores econômicos, conforme definido pelo Ministério da Fazenda; (Redação dada pela Lei nº , de 2004) II segurogarantia; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994) III fiança bancária. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de ) 2o A garantia a que se refere o caput deste artigo não excederá a cinco por cento do valor do contrato e terá seu valor atualizado nas mesmas condições daquele, ressalvado o previsto no parágrafo 3o deste artigo. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994) 3o Para obras, serviços e fornecimentos de grande vulto envolvendo alta complexidade técnica e riscos financeiros consideráveis, demonstrados através de parecer tecnicamente aprovado pela autoridade competente, o limite de garantia previsto no parágrafo anterior poderá ser elevado para até dez por cento do valor do contrato. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994) 4o A garantia prestada pelo contratado será liberada ou restituída após a execução do contrato e, quando em dinheiro, atualizada monetariamente. 5o Nos casos de contratos que importem na entrega de bens pela Administração, dos quais o contratado ficará depositário, ao valor da garantia deverá ser acrescido o valor desses bens. Av. Jerônimo Monteiro, 96, Ed. Aureliano Hoffmann, Centro, Vitória/ES CEP / Telefone: (27) / : 1

2 1. Contabilização do Depósito Caução 1.1 Recebimento da Caução: Recebimento da caução por meio de depósito em conta do tipo D. Nestes casos, o valor depositado será contabilizado por meio de nota de lançamento (NL) utilizando os seguintes eventos: Ano+ Na classificação do evento deverá ser informada a conta contábil referente ao Banco em que foi depositada a caução, da seguinte forma: se for Banestes usar a conta contábil Banestes Cauções, se for Banco do Brasil usar a conta Banco do Brasil Cauções ou se for Caixa Econômica Federal usar a conta CEF Cauções Recebimento da caução por meio de retenção de percentual sobre os pagamentos amentos efetuados ao fornecedor. Efetuado o pagamento ao fornecedor, já descontado o valor da caução, devese transferir o valor da caução para a conta do tipo D. Nestes casos, quando o evento utilizado exigir a informação da de Recursos, será informada a mesma de Recursos que foi utilizada para pagar o fornecedor. Portanto, para realização da transferência será adotado um dos seguintes procedimentos: a) Se o pagamento ao fornecedor foi efetuado por meio de CTU, deverá ser emitida programação de desembolso (PD) de CTU para a CTD onde ficará depositada a caução, tendo como favorecido a própria Unidade Gestora (UG). Para emissão da PD utilizar o evento abaixo: Domicílio Bancário Exige Após a execução da PD, deve ser emitida nota de lançamento (NL), tendo como favorecido o do Fornecedor, com os eventos a seguir: Av. Jerônimo Monteiro, 96, Ed. Aureliano Hoffmann, Centro, Vitória/ES CEP / Telefone: (27) / : 2

3 XXX Nº do Empenho Ano+ Domicílio Bancário 3XXXXXXXX YY Exige Exige Exige O evento 530XXX será o mesmo que foi utilizado para efetuar o pagamento da nota fiscal ao fornecedor/prestador de serviço. b) Se o pagamento ao fornecedor foi efetuado por meio de CTD, deverá ser emitida PD de CTD para a CTD onde ficará depositada a caução, tendo como favorecido a própria ria UG. Para emissão desta PD utilizar o evento a seguir: Domicílio Bancário Exige Após a execução da PD, deve ser emitida nota de lançamento (NL), tendo como favorecido o do Fornecedor, com os eventos abaixo: XXX Nº do Empenho Ano+ Domicílio Bancário 3XXXXXXXX YY Exige Exige Exige O evento 530XXX será o mesmo utilizado para efetuar o pagamento da nota fiscal ao fornecedor/prestador de serviço. 1.2 Apropriação dos rendimentos financeiros: Deverão ser apropriados mensalmente, por meio de nota de lançamento (NL), os rendimentos financeiros auferidos, utilizando os eventos a seguir: Ano+ Av. Jerônimo Monteiro, 96, Ed. Aureliano Hoffmann, Centro, Vitória/ES CEP / Telefone: (27) / : 3

4 1.3 Devolução da Caução: Quando não houver pendência que impeça a devolução da caução, o valor depositado ou retido, mais os rendimentos financeiros auferidos, serão devolvidos ao fornecedor/prestador de serviço. Para realização da devolução devem ser realizados os seguintes procedimentos: a) Emitir GR, por meio da transação >GR2, transferindo contabilmente o saldo da conta de Caução ( Y) para a conta Banco ( Y), utilizando o evento a seguir: Domicílio Bancário Exige b) Após a emissão da GR, prevista no item a, emitir NL para regularização da GR e transferência do passivo do longo para o curto prazo, utilizando os eventos abaixo: Número da GR Ano+ Exige c) Emitidas a GR e a NL, emitir e executar PD, utilizando o evento que segue: Ano Exige Obs.: Na emissão da PD usar no campo Domicílio Bancário Pagadora a conta tipo D referente à caução. 1.4 Conversão da caução em receita: Caso o valor da caução, mais os rendimentos financeiros auferidos, seja convertida em receita para o órgão, deverão ser observados os seguintes procedimentos para registro da receita: 1º Passo: Transferir contabilmente o saldo (principal mais rendimentos auferidos) da conta de Caução ( Y) para a conta Banco ( Y) emitindo GR, por meio da transação >GR2, com o evento a seguir: Domicílio Bancário Exige Av. Jerônimo Monteiro, 96, Ed. Aureliano Hoffmann, Centro, Vitória/ES CEP / Telefone: (27) / : 4

5 Após a emissão da GR, emitir NL para regularização da GR e transferência do passivo do longo para o curto prazo, utilizando os eventos abaixo: Número da GR Ano+ Exige 2º Passo: Transferir o recurso da CTD para a CTU, se a UG operar por meio da CTU, ou para outra CTD, se operar por meio de CTD. Portanto, poderão ocorrer as seguintes hipóteses: a) Se a UG operar por meio da CTU será necessário primeiro transferir o valor da CTD para a CTC da UG e depois transferir para a CTU, da seguinte forma: Emitir PD da CTD para CTC da própria UG com o seguinte evento: Exige Após a execução da PD, emitir OB Direta, por meio da transação >OB, da CTC para a CTU com os eventos abaixo: Exige Exige b) Se o UG operar por meio de CTD, o valor será transferido diretamente da CTD para a CTD da UG pela qual ela opere, conforme procedimentos abaixo: Emitir PD da CTD para CTD da própria UG, utilizando o seguinte evento: Domicílio Bancário Exige Após a execução da PD, emitir NL com o evento a seguir: Número da OB Exige Av. Jerônimo Monteiro, 96, Ed. Aureliano Hoffmann, Centro, Vitória/ES CEP / Telefone: (27) / : 5

6 3º Passo: Concluída uma das hipóteses previstas no 2º Passo, registrar a receita a classificar, por meio de NL. Para isso será realizado um dos seguintes procedimentos: Se a receita for classificada pela SEFAZ, emitir NL tendo como favorecido a UG , utilizando os eventos abaixo: Ano Exige Se a receita for classificada pelo próprio órgão, não sendo transferida para a UG , deveseventos a emitir NL tendo como favorecido a própria UG, com os seguir: Ano YYYYYY Exige Exige Na classificação da receita será utilizada a classificação OUTRAS INDENIZACOES quando tratarse de caução retida pelo órgão em virtude de infração às cláusulas contratuais. Porém, quando se tratar de receita referente à caução não reclamada, a classificação a ser utilizada será a OUTRAS RECEITAS. 2. Contabilização do Seguro Garantia Para registro do Seguro Garantia recebido, deverá ser emitida Nota de Lançamento com o evento : XXYY Para registro do término do período do SeguroGarantia, efetuar Nota de Lançamento com o evento : XXYY Av. Jerônimo Monteiro, 96, Ed. Aureliano Hoffmann, Centro, Vitória/ES CEP / Telefone: (27) / : 6

7 3. Contabilização da Fiança Bancária: Para registro de Cartas de Fianças recebidas, deverá ser emitida Nota de Lançamento com o evento : YY Para registro do término do período da Carta de Fiança, emitir Nota de Lançamento com o evento : YY Obs.: Esta Nota Técnica revoga do Roteiro de Contabilização nº 002/2008/GECON. À consideração superior. De acordo. Gilmar Hartwig Consultor do Executivo CRC nº ES015227/O 1 Disponibilizar esta Nota Técnica no sítio da Secretaria de Estado da Fazenda e dar ciência, por Comunica, aos órgãos e entidades do Estado. Bruno Pires Dias Consultor do Executivo Subgerente de Normas e Procedimentos Contábeis CRC nº ES015974/O 0 Histórico de Revisões Data Versão Descrição 08/12/2011 1ª Elaboração do documento Autor(es) Gilmar Hartwig Av. Jerônimo Monteiro, 96, Ed. Aureliano Hoffmann, Centro, Vitória/ES CEP / Telefone: (27) / : 7

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP Nota Técnica n 003/2012/GECON Vitória, 08 de Março de 2012. Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Leia mais

1.1 - Foram criadas, as contas abaixo, representativas dos recursos. extraorçamentários classificados em Depósitos de Diversas Origens e Credores -

1.1 - Foram criadas, as contas abaixo, representativas dos recursos. extraorçamentários classificados em Depósitos de Diversas Origens e Credores - Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis de registro no Sistema SIAFEM/RJ, dos recursos extraorçamentários, provenientes de Depósitos de Diversas Origens e Credores - Entidades e Agentes em

Leia mais

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00 SEMANA 10 - Despesa Pública: Dispêndios orçamentários (Despesa orçamentária) e Extra- Orçamentários; 01. (ESTILO-ESAF/2012) Os dispêndios públicos podem ser de natureza orçamentária ou extraorçamentária.

Leia mais

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP Nota Técnica n 003/2012/GECON Vitória, 08 de Março de 2012. Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Leia mais

Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação.

Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação. Nota Técnica n 010/2011/GECON Vitória, 28 de dezembro de 2011. Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação. Prezados (as) Senhores (as), A presente Nota Técnica foi desenvolvida

Leia mais

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas NOTA TÉCNICA n. 007/2009/GECON Vitória, 03 de julho de 2009. Alterados os itens 1 e 6 em 19 de agosto de 2009. Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas Prezados (as) Senhores (as),

Leia mais

Assunto: Contabilização dos Recursos Provenientes do Abono Salarial do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP).

Assunto: Contabilização dos Recursos Provenientes do Abono Salarial do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP). Nota Técnica n 005/2014/GECOG (Revoga a Nota Técnica nº 003/2007/GECON) Vitória, 05 de agosto de 2014. Assunto: Contabilização dos Recursos Provenientes do Abono Salarial do Programa de Formação do Patrimônio

Leia mais

5. Relações Interfinanceiras e Interdependências. 1. Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. 2. Créditos Vinculados/Obrigações Vinculadas

5. Relações Interfinanceiras e Interdependências. 1. Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. 2. Créditos Vinculados/Obrigações Vinculadas TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DOS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 5 Relações Interfinanceiras e Interdependências 1 Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis 1- Compensação de

Leia mais

Rotina de Contabilização

Rotina de Contabilização Trata a presente rotina dos procedimentos quanto ao registro dos recebimentos de recursos provenientes de locação ou cessão de uso de imóvel entre órgãos do estado, com particulares ou outros entes Públicos.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR:

LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR: 1 Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui o Sistema Financeiro de Conta Única do Poder Executivo no Município de Goiânia e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Assunto: Ordem Bancária de Transferências Voluntárias - OBTV

Assunto: Ordem Bancária de Transferências Voluntárias - OBTV Nota Técnica n 010/2014/GECOG (Revoga a Nota Técnica 005/2013) Vitória, 09 de outubro de 2014. Assunto: Ordem Bancária de Transferências Voluntárias - OBTV Prezados (as) Senhores (as), A presente Nota

Leia mais

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 Altera a legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, e dá outras providências. Faço saber que o presidente da República adotou a Medida Provisória

Leia mais

Para esse propósito manifesta os seguintes argumentos: É o parecer. À consideração superior.

Para esse propósito manifesta os seguintes argumentos: É o parecer. À consideração superior. ASSUNTO: requer Regime Especial para cumprimento de obrigação acessória- emissão de um único Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas-CTRC. CONCLUSÃO: na forma do parecer. A empresa acima qualificada

Leia mais

2. Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens... 4. 2.2. Importação em Andamento Material de Consumo... 4

2. Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens... 4. 2.2. Importação em Andamento Material de Consumo... 4 SUMÁRIO 1. Objetivo... 4 2. Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens... 4 2.1. Material de Consumo... 4 2.2. Importação em Andamento Material de Consumo... 4 2.3. Obras e Instalações... 5

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA À INSTRUÇÃO CVM Nº 489, DE 14 DE JANEIRO DE 2011

NOTA EXPLICATIVA À INSTRUÇÃO CVM Nº 489, DE 14 DE JANEIRO DE 2011 Ref: Instrução CVM Nº 489, DE 14 DE JANEIRO DE 2011, que dispõe sobre a elaboração e divulgação das Demonstrações Financeiras dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC e dos Fundos de Investimento

Leia mais

Em atendimento à Audiência Pública supra citada, vimos pela presente apresentar nossas considerações sobre a minuta disponibilizada.

Em atendimento à Audiência Pública supra citada, vimos pela presente apresentar nossas considerações sobre a minuta disponibilizada. Curitiba, 15 de janeiro de 2008 Sr. José Augusto da Silva Superintendente de Mediação Administrativa Setorial Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL SGAN - Quadra 603 - Módulo I 70830-030 Brasília

Leia mais

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO COTAÇÃO DE PREÇOS: Nº 352/2016/300 OBJETO: MATERIAIS P/ FILTRAÇÃO MILLIPORE VENCIMENTO: 18/05/2016 CONDIÇÕES GERAIS Condição de Pagamento: 30 DDL. Os pagamentos serão efetuados por meio de crédito em conta

Leia mais

SUMÁRIO. 3.1) Creditados em conta única 3.2) Creditados em conta D 3.3) Creditados em conta C. 4.1) Creditado em conta D: 4.2) Creditado em conta C:

SUMÁRIO. 3.1) Creditados em conta única 3.2) Creditados em conta D 3.3) Creditados em conta C. 4.1) Creditado em conta D: 4.2) Creditado em conta C: SUMÁRIO 1) TRANSFERÊNCIAS ENTRE CONTAS 1.1) Transferência para CTU a) Oriundos de conta C b) Oriundos de conta D 1.2) Transferência de conta D para conta D a) Da mesma UG b) Para outra UG 1.3) Transferência

Leia mais

3.1. Para execução dos SERVIÇOS objeto do presente CONTRATO, o CLIENTE deverá pagar à LIGHT o montante de R$ [XXXX] (xxxx por extenso xxxx).

3.1. Para execução dos SERVIÇOS objeto do presente CONTRATO, o CLIENTE deverá pagar à LIGHT o montante de R$ [XXXX] (xxxx por extenso xxxx). CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM, LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, DE UM LADO, E XXXXXXXXXXX, DE OUTRO LADO. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, com sede na Av. Marechal Floriano

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos Empréstimos e Financiamentos 1. Introdução São operações realizadas entre a empresa e instituições financeiras, visando tomar destas, recursos para investimentos (imobilizações) ou capital de giro, mediante

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial

Leia mais

Assunto: Fornecimento de Alimentação efetuado por Pessoa Jurídica com Fins Lucrativos a Órgãos e Entidades do Poder Público Estadual.

Assunto: Fornecimento de Alimentação efetuado por Pessoa Jurídica com Fins Lucrativos a Órgãos e Entidades do Poder Público Estadual. Nota Técnica n 008/2011/GECON Vitória, 18 de novembro de 2011. Assunto: Fornecimento de Alimentação efetuado por Pessoa Jurídica com Fins Lucrativos a Órgãos e Entidades do Poder Público Estadual. Prezados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 181 INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 O, no uso das atribuições que lhe confere o inciso XII do Art. 78 da Constituição Estadual, bem como o inciso

Leia mais

Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia Execução da Despesa

Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia Execução da Despesa 1. Objetivo... 2 2. Procedimentos da DEPAT... 2 2.1 Valor líquido da Folha de pessoal e das consignações e encargos com vencimentos até o último dia útil do mês... 2 2.2 Valor das consignações e dos encargos

Leia mais

1.1. Denomina-se chamada técnica o pedido de manutenção corretiva de um aparelho, equipamento etc.

1.1. Denomina-se chamada técnica o pedido de manutenção corretiva de um aparelho, equipamento etc. CARTA-CONTRATO Nº CC20090007 Ref.: Processo nº 005.368/08-1 À empresa VETON ELETROMEDICINA LTDA. CNPJ nº 03610664/0001-60 End.: QE 40, Conjunto D, Lote 37, Guará II, Brasília -DF CEP 71070-042 Telefax:

Leia mais

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 Estabelece normas gerais de consolidação das contas dos consórcios públicos a serem observadas na gestão

Leia mais

1. DO OBJETO: Aquisição de Capachos Personalizados com ENTREGA ÚNICA conforme especificação abaixo para utilização no Prédio Sede da SEFAZ.

1. DO OBJETO: Aquisição de Capachos Personalizados com ENTREGA ÚNICA conforme especificação abaixo para utilização no Prédio Sede da SEFAZ. Código de Classificação: 13.02.01.15 TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO: Aquisição de Capachos Personalizados com ENTREGA ÚNICA conforme especificação abaixo para utilização no Prédio Sede da SEFAZ. 2. DA

Leia mais

Prestação de Contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar

Prestação de Contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar Prestação de Contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar Orvalina Ornelas Nascimento Santos Coordenadora-Geral de Contabilidade e Acompanhamento de Prestação de Contas Prestação de Contas: Quem

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 059, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR N 059, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR N 059, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONTADORIA GERAL DO ESTADO SUPERINTENDÊNCIA DE NORMAS TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONTADORIA GERAL DO ESTADO SUPERINTENDÊNCIA DE NORMAS TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONTADORIA GERAL DO ESTADO SUPERINTENDÊNCIA DE NORMAS TÉCNICAS COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO DE NORMAS E ESTUDOS CONTÁBEIS - COPRON Rio de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre os procedimentos para a operacionalização do sistema de serviço de armazenamento, transporte, distribuição e seguro, com gestão

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO Artigo 1º - O FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS, doravante designado, abreviadamente,

Leia mais

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Capítulo I INTRODUÇÃO Dos Princípios Art.1º- Este regulamento estabelece normas para a aquisição e alienação de bens e para a contratação de obras e serviços

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php Page 1 of 5 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA CONSÓRCIO DE EMPRESAS Considerações Gerais 1. INTRODUÇÃO 2. PROIBIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DE CONSÓRCIOS 3. PERSONALIDADE JURÍDICA E RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPUÃ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPUÃ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPUÃ ESTADO DO PARANÁ Notas Explicativas Das Demonstrações Contábeis Exercício financeiro de 2016 As Demonstrações Contábeis do Município de Arapuã foram elaboradas de acordo

Leia mais

Os precatórios que estão registrados no curto prazo devem ser transferidos para Longo Prazo conforme segue:

Os precatórios que estão registrados no curto prazo devem ser transferidos para Longo Prazo conforme segue: CONTABILIZAÇÃO DE PRECATÓRIOS - EC62/2009 CONTABILIZAÇÃO DOS PRECATÓRIOS NOS MUNICÍPIOS 1 Reclassificação para contas contábeis específicas dos valores transferidos para o exercício, relativos ao Regime

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA GERÊNCIA DE CONTABILIDADE

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA GERÊNCIA DE CONTABILIDADE NOTA TÉCNICA n. 008/2009/GECON Vitória, 09 de junho de 2009. Incluído o item 12 em 04 de janeiro de 2010. Assunto: Contabilização de Bens Imóveis para Revenda Prezados (as) Senhores (as), O presente Procedimento

Leia mais

CONTA ÚNICA DO TESOURO ESTADUAL CUTE

CONTA ÚNICA DO TESOURO ESTADUAL CUTE CONTA ÚNICA DO TESOURO ESTADUAL CUTE D CUTE D Decreto nº 44.899 de 05 de agosto de 2014 Altera o decreto nº 22.939, de 30 de janeiro de 1997, que implanta o Sistema Integrado de Administração Financeira

Leia mais

Atualização Contabilidade Procedimentos específicos do SICAP-TO Pacote 336

Atualização Contabilidade Procedimentos específicos do SICAP-TO Pacote 336 Atualização Contabilidade Procedimentos específicos do SICAP-TO Pacote 336 Prezados Contadores, Em virtude de falhas detectadas em clientes durante o processamento, geração e analise dos dados no SICAP

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

Cartilha de Tributação 2016

Cartilha de Tributação 2016 Cartilha de Tributação 2016 Como funciona o Imposto de Renda incidente sobre Planos de Previdência Complementar *? * Na modalidade de Contribuição Definida ou Variável Conforme a legislação tributária

Leia mais

CNPJ: / Autorização do Bacen: /89 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

CNPJ: / Autorização do Bacen: /89 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTA 01 CONTEXTO OPERACIONAL A CREDICOAMO CRÉDITO RURAL COOPERATIVA é uma cooperativa de crédito rural singular e sua sede está localizada no município de Campo Mourão/PR, à Rua Fioravante João Ferri,

Leia mais

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ 08.960.563/0001-33 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB EMPRÉSTIMO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB EMPRÉSTIMO I - DADOS DA CÉDULA: Nº DA CÉDULA: VALOR: R$ DATA EMISSÃO: DATA VENCIMENTO: LOCAL DE EMISSÃO: BELO HORIZONTE - MG PREÂMBULO II - DADOS DO (S) EMITENTE (S): NOME: CPF/CNPJ: CARTEIRA DE IDENTIDADE: nº Orgão

Leia mais

MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A. Departamento de Clubes

MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A. Departamento de Clubes MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A Departamento de Clubes Versão 2.0 Junho/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 O que é um clube de investimento?... 3 1.2 Como criar um clube de

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2016

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2016 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A CREDICOAMO CRÉDITO RURAL COOPERATIVA é uma cooperativa de crédito rural singular e sua sede está localizada no município de Campo Mourão/PR, à Rua Fioravante João Ferri,

Leia mais

Princípio da competência O princípio da competência determina que todas as vendas, os custos e as despesas devem ser considerados na apuração do resultado da empresa no período em que ocorrerem, independentemente

Leia mais

ANO XXVI ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015

ANO XXVI ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 ASSUNTOS CONTÁBEIS IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - TRATAMENTO CONTÁBIL... Pág. 705 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA GANHOS

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT Orientação Técnica 0002/2015 UNIDADE ORÇAMENTÁRIA: TODAS AS UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS INTERESSADO: C/ CÓPIA: ASSUNTO: SECRETÁRIOS DE ESTADO E PRESIDENTES DE AUTARQUIAS,FUNDAÇÕES, EMPRESAS E DEMAIS ENTIDADES

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 DOU de 8.2.2011 Dispõe sobre a apuração e tributação de rendimentos recebidos acumuladamente de que trata o art. 12-A da Lei nº 7.713, de 22

Leia mais

TAG GR IV Fundo de Investimento Imobiliário - FII (Administrado pela Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários)

TAG GR IV Fundo de Investimento Imobiliário - FII (Administrado pela Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários) 1 Contexto operacional O TAG GR IV Fundo de Investimento Imobiliário - FII, cadastrado junto a Comissão de Valores Mobiliários sob o código (107-4) é um Fundo de Investimento Imobiliário, regido pelo seu

Leia mais

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 388, DE 31 DE MAIO DE 2007. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.543

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 388, DE 31 DE MAIO DE 2007. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.543 DECRETO ADMINISTRATIVO N. 388, DE 31 DE MAIO DE 2007. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.543 O Presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

Comércio Exterior: Interposição Fraudulenta e Regime Aduaneiro Especial de Drawback

Comércio Exterior: Interposição Fraudulenta e Regime Aduaneiro Especial de Drawback Comércio Exterior: Interposição Fraudulenta e Regime Aduaneiro Especial de Drawback Liziane Angelotti Meira AUDITORA FISCAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COSIT/DIVISÃO DE TRIBUTOS SOBRE O COMÉRCIO

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 10 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 9 Data 18 de março de 2013 Origem COCAJ ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA IRPF RENDIMENTOS COM EXIGIBILIDADE SUSPENSA.

Leia mais

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Parecer

Leia mais

Treinamento Setor Público

Treinamento Setor Público Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Treinamento Setor Público Abril/2015 Conteúdo Princípio da competência, créditos tributários

Leia mais

CNPJ nº 04.446.959/0001-06. Rua Dr. Lauro Pinto, 245 - Lagoa Nova - CEP 59064-250 - Natal/RN. TERMO DE CONTRATO nº /2009

CNPJ nº 04.446.959/0001-06. Rua Dr. Lauro Pinto, 245 - Lagoa Nova - CEP 59064-250 - Natal/RN. TERMO DE CONTRATO nº /2009 CNPJ nº 04.446.959/0001-06. Rua Dr. Lauro Pinto, 245 - Lagoa Nova - CEP 59064-250 - Natal/RN. TERMO DE CONTRATO nº /2009 Pelo presente instrumento particular de Contrato para Convênio Comercial, de um

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa Financeiro do Exercício Associação Rede Nacional de Ensino e Pesquisa- RNP

Demonstrativo do Fluxo de Caixa Financeiro do Exercício Associação Rede Nacional de Ensino e Pesquisa- RNP Demonstrativo do Fluxo de Caixa Financeiro do Exercício Associação Rede Nacional de Ensino e Pesquisa- RNP Findo em 31 de dezembro de 2011 Acompanhado do Relatório de Asseguração Limitada dos Auditores

Leia mais

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSITÊNCIA TÉCNICA ANO CIVIL 2015

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSITÊNCIA TÉCNICA ANO CIVIL 2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO 160933 Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Centro CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSITÊNCIA TÉCNICA ANO CIVIL 2015 Agrupamento

Leia mais

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado.

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado. CONTABILIDADE BÁSICA I 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE IV VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1) A seguir estão mencionadas as transações da Empresa Petrópolis Ltda., organizada em 1º de dezembro de 2015: 01

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 45.741, DE 01 DE JULHO DE 2008. (publicado no DOE nº 125, de 02 de julho de 2008) (Vide ao final retificação

Leia mais

ISS: Fiscalização de Bancos Comerciais II

ISS: Fiscalização de Bancos Comerciais II ISS: Fiscalização de Bancos Comerciais II Uma das maiores dificuldades da Fiscalização Tributária Municipal é a de fiscalizar as instituições financeiras, para fins de homologar os recolhimentos espontâneos

Leia mais

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021200 - FACILIDADE PARA UTILIZAÇÃO DO SIAFI (DICAS) ASSUNTO 021216 - PROCEDIMENTO PARA INCLUSÃO DE FOLHA

Leia mais

M O D E L O 12 CONTRATO DE LOCAÇÃO QUADRO RESUMO

M O D E L O 12 CONTRATO DE LOCAÇÃO QUADRO RESUMO M O D E L O 12 CONTRATO DE LOCAÇÃO QUADRO RESUMO LOCADOR: Nome, qualificação e endereço completo. LOCATÁRIO: Nome, qualificação e endereço completo IMÓVEL OBJETO DESTA LOCAÇÃO: Tipo (casa, apartamento,

Leia mais

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS - PROAF DIRETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DIRFIN CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

Leia mais

ANEXO II - Instrução Normativa nº 008/2009/GAB/CRE

ANEXO II - Instrução Normativa nº 008/2009/GAB/CRE ANEXO II - Instrução Normativa nº 008/200/GAB/CRE MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO DE ÁLCOOL CARBURANTE E DE BIODIESEL B100 COM DESTINO À ZFM E EM TRÂNSITO PELO ESTADO

Leia mais

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 121, DE 3 DE MAIO DE 2006. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.478

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 121, DE 3 DE MAIO DE 2006. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.478 DECRETO ADMINISTRATIVO N. 121, DE 3 DE MAIO DE 2006. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.478 O Presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

CLASSE 12: PLANOS DE SEGUROS DAS CONCESSIONÁRIAS DO STFC

CLASSE 12: PLANOS DE SEGUROS DAS CONCESSIONÁRIAS DO STFC TÍTULO DO DOCUMENTO Nº DO DOCUMENTO METODOLOGIA PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DAS OBRIGAÇÕES DAS SRF.MT. 012 PRESTADORAS DO SERVIÇO TELEFÔNICO VERSÃO VIGÊNCIA FIXO COMUTADO - STFC 1 17/04/2006 CLASSE

Leia mais

UFT 2013. Manual de Procedimentos Suprimento de Fundos

UFT 2013. Manual de Procedimentos Suprimento de Fundos UFT 2013 Manual de Procedimentos Suprimento de Fundos UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINSPRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS DIRETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS - CPE Conteúdo SUPRIMENTO DE FUNDOS...

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.105, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. ALTERA O REGULAMENTO DO ICMS, APROVADO PELO DECRETO Nº 35.245, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1991, PARA IMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES DOS PROTOCOLOS ICMS 107, DE 16 DE NOVEMBRO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER N 068/2006 21 de junho de 2006. ORIGEM: Consulta da Fiscalização

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ECRETO Nº 4.459, E 26 E JANEIRO E 2010. ALTERA O REGULAMENTO O ICMS, APROVAO PELO ECRETO Nº 35.245, E 26 E EZEMBRO E 1991, PARA IMPLEMENTAR AS ISPOSIÇÕES O CONVÊNIO ICMS Nº 84, E O AJUSTE SINIEF Nº 11,

Leia mais

Obrigações Estaduais de Alagoas - Agosto 2011

Obrigações Estaduais de Alagoas - Agosto 2011 Obrigações Estaduais de Alagoas - Agosto 2011 Dia: 02 ICMS-AL - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista -TRR As informações relativas

Leia mais

Arquivo atualizado dia 21/10/2013. Coordenação-Geral de Finanças. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento/SE. Coordenação de Contabilidade

Arquivo atualizado dia 21/10/2013. Coordenação-Geral de Finanças. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento/SE. Coordenação de Contabilidade 1 Arquivo atualizado dia 21/10/2013. 2 Sumário Equação 004: GRU classificar x limite saque 0190 988... 3 Equação 005: GRU- valores em trânsito x limite saque 0190 987... 4 Equação 017 OB S Canceladas...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF Título financeiro em dólar

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF Título financeiro em dólar IRRF 30/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Da Tributação na Fonte - RIR/99... 3 3.2. Ato Declaratório Interpretativo...

Leia mais

CONTADORIA GERAL DO ESTADO SUPERINTENDÊNCIA DE NORMAS TÉCNICAS Coordenação de Normas Técnicas ROTINA CONOR/SUNOT/CGE n 003/2014

CONTADORIA GERAL DO ESTADO SUPERINTENDÊNCIA DE NORMAS TÉCNICAS Coordenação de Normas Técnicas ROTINA CONOR/SUNOT/CGE n 003/2014 Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 003/2014 Rio de Janeiro, 02 de janeiro de 2014. Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis de registro no SIAFEM/RJ dos pagamentos executados no exercício e devolvidos

Leia mais

INFORME CONTÁBIL. Tesouro Estadual apresenta propostas ao Ministério da Fazenda. Tesouro participa de evento no Conselho Regional de Contabilidade

INFORME CONTÁBIL. Tesouro Estadual apresenta propostas ao Ministério da Fazenda. Tesouro participa de evento no Conselho Regional de Contabilidade Subsecretaria do Tesouro Estadual Gerência de Contabilidade Ano I - Edição n 03 INFORME CONTÁBIL Tesouro Estadual apresenta propostas ao Ministério da Fazenda Os Consultores do Tesouro Estadual da Secretaria

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTABILIDADE

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTABILIDADE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTABILIDADE CONTRATO DE GESTÃO IGAM/ABHA N 002/2009 = TERMO DE REFERÊNCIA = REPETIÇÃO DE PROCESSO PROCESSO SELETIVO 004-A/2012 ARAGUARI - MG ABRIL / 2012 1. INTRODUÇÃO 1.1.

Leia mais

Abertura de PROCESSO SELETIVO para aceitação de estagiários

Abertura de PROCESSO SELETIVO para aceitação de estagiários Abertura de PROCESSO SELETIVO para aceitação de estagiários O, Agente de Integração de estágio sem fins lucrativos, no uso de suas atribuições e considerando a da Lei de Estágio nº 11.788, que permite

Leia mais

FUNDAÇÃO TECHNOS. O presente para o seu futuro

FUNDAÇÃO TECHNOS. O presente para o seu futuro FUNDAÇÃO TECHNOS O presente para o seu futuro ASSUNTOS: - A Previdência no Brasil; - Organograma da Technos; - Vantagens para os funcionários; - Histórico de Rentabilidade; - Controle e Fiscalização; -

Leia mais

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores

Leia mais

Declaração de Serviços Tomados

Declaração de Serviços Tomados Declaração de Serviços Tomados O que é isto? O que isto faz? Por meio desta página, qualquer contribuinte pode realizar a declaração dos serviços tomados para gerar as guias de Retenção. Nesta página,

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores

Leia mais

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo 2014 Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento

Leia mais

RELAÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE COM AS TABELAS DE BD

RELAÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE COM AS TABELAS DE BD RELAÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE COM AS TABELAS DE BD Ponto de Controle Dados necessários Tabela Lógica de negócio 01. Remessa de Informações ao TC (RGF e RREO) 02. Publicação - Relatório Resumido de Execução

Leia mais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de 2012 NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais Parte I - Registro do Orçamento 1. Previsão da Receita Orçamentária O Orçamento para o exercício

Leia mais

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD 1 - OBJETIVO 1.1 Normatizar e disciplinar os critérios, normas e regras, a serem observados na concessão de empréstimos pessoais (mútuos financeiros)

Leia mais

Câmara Municipal de Morretes

Câmara Municipal de Morretes Câmara Municipal de Morretes, ESTADO DO PARANA CONTRATO Nº 004/2015 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE EOUIPAMENTO DE REPROGRAFIA, INCLUINDO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA E SUPRIMENTO DE MATERIAL DE CONSUMO, EXCETO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO

INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO MÓDULO CONFORMIDADES Pergentina Irene Fernandes Vasconcelos Coordenação de Controladoria e Suporte Tributário Departamento de Contabilidade

Leia mais

LEI Nº. 1.361/2010 14 de abril de 2010. Autoria: Poder Executivo Municipal

LEI Nº. 1.361/2010 14 de abril de 2010. Autoria: Poder Executivo Municipal LEI Nº. 1.361/2010 14 de abril de 2010. Autoria: Poder Executivo Municipal ALTERA DISPOSITIVOS NA LEI Nº.1.303, DE 08 DE JULHO DE 2009, QUE REGULAMENTA NO MUNICIPIO DE CAMPO NOVO DO PARECIS O TRATAMENTO

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Centro de Pesquisa Leônidas e Maria Deane. Módulo H Contabilidade. Diagnóstico do Módulo

Centro de Pesquisa Leônidas e Maria Deane. Módulo H Contabilidade. Diagnóstico do Módulo Centro de Pesquisa Leônidas e Maria Deane Módulo H Contabilidade. Diagnóstico do Módulo Grau de descentralização - Nenhum Estrutura Organizacional Quadro de Pessoal e Capacitação: 01 (um) servidor: André

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRA

OPERAÇÕES FINANCEIRA OPERAÇÕES FINANCEIRA (Cap 09) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Renê Coppe Pg. 1 APLICAÇÃO DE RECURSOS (ATIVOS): APLICAÇÕES FINANCEIRAS Renê

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 017 - Plano Oi Conta Compartilhada Requerimento de Homologação Nº 11228 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela Oi no Estado

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO

PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO PRESTAÇÃO ANUAL DE CONTAS Processo TCM nº 07970-14 Exercício Financeiro de 2013 Prefeitura Municipal de POÇÕES Gestor: Otto Wagner de Magalhães Relator Cons. Paolo Marconi PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO O Parecer

Leia mais

ICMS SÃO PAULO. Livro EXCELL.indd 44 10/04/14 17:11

ICMS SÃO PAULO. Livro EXCELL.indd 44 10/04/14 17:11 ICMS SÃO PAULO Livro EXCELL.indd 44 10/04/14 17:11 INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE CREDITOS DE ICMS - ESTADO DE SÃO PAULO DE FORMA ONEROSA contratante, CNPJ. Endereço, cidade, estado, na cidade

Leia mais