MESTRADO GESTÃO E ESTRATÉGIA INDUSTRIAL TRABALHO FINAL DE MESTRADO DISSERTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MESTRADO GESTÃO E ESTRATÉGIA INDUSTRIAL TRABALHO FINAL DE MESTRADO DISSERTAÇÃO"

Transcrição

1 MESTRADO GESTÃO E ESTRATÉGIA INDUSTRIAL TRABALHO FINAL DE MESTRADO DISSERTAÇÃO O Outsourcing Enquanto Ferramenta Estratégica: a perceção de funcionários do setor financeiro - Estudo exploratório POR KARINE PONTES CEPA JANEIRO 2015

2 MESTRADO EM GESTÃO E ESTRATÉGIA INDUSTRIAL TRABALHO FINAL DE MESTRADO DISSERTAÇÃO O Outsourcing Enquanto Ferramenta Estratégica: a perceção de funcionários do setor financeiro - Estudo exploratório POR KARINE PONTES CEPA ORIENTAÇÃO: PROFESSOR DR. LUÍS MOTA DE CASTRO JANEIRO 2015

3 RESUMO O Outsourcing tem sido um processo que tem tido grande impacto em termos de gestão empresarial, nomeadamente em termos de vantagem estratégica, e como forma de conseguir obter mão-de-obra e tecnologia especializada. Tendo em conta esta importante crescente deste processo, o presente Trabalho Final de Mestrado (TFM) pretende realizar um estudo de caso, exploratório, sobre a perceção dos funcionários do sector financeiro sobre o Outsourcing, e mais especificamente enquanto ferramenta estratégica para empresas no setor financeiro. Desta forma, a primeira parte deste TFM incide sobre a revisão da literatura da especialidade, num primeiro momento com incidência na caracterização, definição e evolução histórica do conceito de Outsourcing, para em seguida explorar as (des)vantagens, e potenciais riscos deste processo. Explicitamos igualmente, sobre o prisma teórico, as teorias de custos de transação e de Cross-selling, por considerarmos relevantes para a compreensão holística do fenómeno. Em termos metodológicos optamos por realizar um estudo de caso, de cariz exploratório, recorrendo a um questionário, aplicado a 30 indivíduos associados com o sistema financeiro (seja no setor bancário, seja no setor de seguros), sendo que os resultados foram tratados, com recurso ao software SPSS, sobre o ponto de vista da estatística descritiva, e inferencial. A parte final deste TFM é dedicada à descrição e análise dos resultados, assim como à conclusão, limitações encontradas e recomendações para intervenções e estudos futuros. Palavras-chave: Outsourcing; Implementação; Gestão Estratégica; Perceção do Setor Financeiro. I

4 ABSTRACT Outsourcing has been a process that has had a major impact in terms of business management, particularly in terms of strategic advantage, and as a way to achieve labor and specialized technology. Taking into account the growing importance of this process, the present Masters Final Work (MFW) intends to carry out an exploratory case study, concerning the perceptions of financial sector employees about Outsourcing, and more specifically, the usage of this process as a strategic tool for companies in the financial sector. In this way, the first part of this MFW focuses on the review of the literature of specialty, at first focusing on characterization, definition and historical evolution of the concept of Outsourcing, exploring also the (DIS) advantages, and potential risks of this process. We also present the theories of transaction costs and cross-selling, because we believe it relevant to the holistic understanding of the phenomenon. In the methodology, we chose to perform a case study of exploratory nature, using a questionnaire applied to 30 individuals associated with the financial system (either in the banking industry, or in the insurance industry), and the results were processed using the SPSS software, and making use of descriptive, and inferential, statistics. The final part of this MFW is devoted to the description and analysis of the results, as well as the conclusion, limitations encountered and recommendations for interventions and future studies. Keywords: Outsourcing; Implementation; Strategic Management; Financial Sector perception. II

5 ÍNDICE INDICE DE ANEXOS... 5 GLOSSÁRIO DE TERMOS E ABREVIATURAS INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Conceito de Outsourcing Evolução Histórica Classificação de Outsourcing Vantagens e desvantagens do processo de Outsourcing Vantagem para a Empresa Contratante Vantagens para a Empresa Fornecedora (subcontratada) Potenciais Riscos associados ao Processo de Outsourcing Fatores fundamentais para implementação de outsourcing Teoria dos Custos de Transação Questão dos SLA s e dos contratos Teoria de Cross-Selling METODOLOGIA Problemática inicial e metodologia de investigação adotada Objetivos do Estudo e Hipóteses Técnicas de recolha de informação Validade do Estudo APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE RESULTADOS Descrição da Amostra Descrição e Análise dos dados obtidos DISCUSSÃO DOS RESULTADOS, CONCLUSÃO, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Discussão dos Resultados e Conclusão... 35

6 5.2. Limitações do estudo Recomendações REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Anexo 1 Questionário Perceções sobre Outsourcing Anexo 2 Tabelas de análise... 46

7 INDICE DE ANEXOS Anexo 1 Questionário Perceções sobre Outsourcing Anexo 2 - Tabelas de análise...46 Tabela 1 Dados descritivos (Idade) Tabela 2 Dados descritivos (Habilitações Académicas) Tabela 3 Dados descritivos (Anos de Serviço) Tabela 4 Dados descritivos Questão Tabela 5 Dados descritivos Questão Tabela 6 Dados descritivos Questão Tabela 7 Dados descritivos Questão Tabela 8 Dados descritivos Questão Tabela 9 Dados descritivos Questão Tabela 10 Dados descritivos Questão Tabela 11 Dados descritivos Questão 8.48 Tabela 12 Dados descritivos Questão 9.49 Tabela 13 Dados descritivos Questão Tabela 14 Dados descritivos Questão Tabela 15 Correlações utilizando o teste de Spearman...50

8 GLOSSÁRIO DE TERMOS E ABREVIATURAS TFM - Trabalho Final de Mestrado Core business Atividade Principal da Empresa Peripherical Outsourcing- Outsourcing de Atividades Periféricas da Empresa Outsourcer Quem realiza o processo de Outsourcing.

9 AGRADECIMENTOS Aproveito este espaço para fazer os agradecimentos necessários, às pessoas que me apoiaram durante este trabalho: O meu tutor, Professor Dr. Luís Mota de Castro, pela colaboração prestada; a minha família, pela motivação constante; os meus colegas de trabalho, por compreenderem o meu elevado nível de stresse, os meus amigos, por se preocuparem; e por fim ao ISEG, sem esta instituição não me sentiria tao completa.

10 Capítulo 1 Introdução 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como principal objetivo realizar uma análise abrangente do processo de outsourcing, mais especificamente da utilização deste processo no sector financeiro, dando especial enfoque à perceção dos funcionários deste sector relativamente à eficácia/eficiência do processo enquanto ferramenta estratégica. Tendo em conta a complexidade deste processo, e também a dificuldade em conseguir claramente estabelecer limites quanto à sua definição, e estratégias de implementação, iremos em primeiro lugar explorar a definição do conceito de outsourcing, tentando desta forma estabelecer uma base teórica a partir da qual possamos analisar este fenómeno. Em seguida, iremos igualmente apresentar uma breve resenha da evolução histórica deste tipo de processo, tentando estabelecer alguma relação com a sua importância no sector financeiro, e também tornar clara a importância destes processos no sucesso deste sector. No capítulo da revisão de literatura, também se apresentarão as principais conceptualizações teóricas associadas com o outsourcing, mais especificamente as diversas dimensões pelas quais ele pode ser analisado, classificado e definido. Em seguida apresentar-se-ão as principais vantagens e desvantagens da implementação deste processo, tentado esclarecer as situações em que é mais vantajoso recorrer a este recurso, e aquelas em que essas vantagens não se apresentam tão claras, especificar-seão igualmente as vantagens que resultam para as empresas contratantes, e para as empresas contratadas, culminando com a exploração dos principais riscos associados a um processo de outsourcing. Serão também apresentadas as teorias de custo de transação, de cross-selling. Terminamos a revisão da literatura com a apresentação de uma série de passos fundamentais a ser tidos em conta quando pretendemos implementar, nas nossas empresas, um processo de outsourcing, tentando desta forma explicitar os fatores que concorrem para uma execução de sucesso. Na parte prática deste TFM, iremos realizar uma análise dos questionários realizados junto de funcionários do sistema financeiro e de seguros, tentando perceber a visão destes do processo, assim como de eventuais mais-valias da sua implementação no atual enquadramento económico. 8

11 Capítulo 2 Revisão da Literatura 2. REVISÃO DA LITERATURA 2.1. Conceito de Outsourcing Antes de iniciarmos a análise de outsourcing, é fundamental definirmos, de forma clara, o conceito. Assim, Ellram & Billington, (2001) definem outsourcing como transferência de atividades e processos anteriormente desenvolvidos internamente para um terceiro, a esta definição podemos adicionar a noção de transferência dos respetivos direitos de decisão para fornecedores exteriores (Greaver, 1999), ou seja, quando uma determinada empresa transfere para outra organização (fornecedora) a propriedade de um negócio, assim como toda a responsabilidade de decisão e produção associada a esse mesmo negócio podemos dizer que estamos perante um processo de outsourcing. Para uma correta, e extensa definição do conceito de outsourcing importa ainda referir os contributos de Lacity e Hirscheim (1993) que identificam que o outsourcing, na sua forma mais básica, pode ser entendido como a compra de um bem ou serviço que anteriormente era realizado internamente, e ainda de Kakabadse e Kakabadse (2000) para quem o outsourcing é uma forma predeterminada de obter externamente bens e serviços anteriormente produzidos internamente. Desta forma, podemos dizer que outsourcing é a compra continuada de produtos, ou serviços, a terceiros por meio de transações sistemáticas e repetitivas, recorrendo a parcerias de médio ou longo prazo entre clientes e fornecedores, existindo assim uma noção clara de continuidade na relação profissional (Fariñas e Martín-marcos, 2010; Rosés, 2009). Já Araújo (2001), e Brown e Wilson (2005), caracterizam outsourcing como a prática de transferir a responsabilidade de execução de determinada atividade, tarefa, ou serviços, para a área de responsabilidade de uma empresa terceira, tornandose este processo permanente, permitindo que a empresa que delega as responsabilidades se possa focar completamenta na sua actividade principal (core business). Apesar da prática do processo de outsourcing ter aumentado bastante nos últimos anos, não podemos dizer que exista um consenso claro quanto à definição do seu conceito, desta forma Gilley e Rasheed (2000) afirmam que o processo de outsourcing não pode ser definido como uma básica decisão de aquisição de bens ou serviços, visto que, de uma forma ou outra, todas as empresas necessitam de adquirir os bens necessários para a produção dos seus bens ou serviços. 9

12 Capítulo 2 Revisão da Literatura Desta forma, podemos afirmar que o processo de outsourcing pode ser considerado como um instrumento de gestão empresarial e industrial, que influencia a estrutura e estratégia organizacional, não sendo uma simples ferramenta de redução de custos (Varajão, 2001) Evolução Histórica Em termos históricos, o processo de contratualização de terceiros para realizar serviços, e produzir produtos que a empresa ou indivíduo principal não é capaz de fazer com eficiência ou eficácia, identifica-se com a especialização e remonta aos primórdios da atividade empresarial e comercial. Mais recentemente, com o aumento da competitividade dos mercados, e da crescente dificuldade das empresas em responder às necessidades de uma sociedade cada vez mais exigente em termos de qualidade, eficiência e rapidez surgem igualmente empresas que se especializaram em desenvolver serviços de apoio a outras empresas e países, surgindo assim o processo de outsourcing (Venturist, 2010), ou seja, a decisão de externalizar atividades. Recuando temporalmente, localizamos na revolução industrial europeia (séc. XIX) o início desta atividade enquanto relação entre duas ou mais empresas, neste período histórico houve uma grande necessidade de aceder a bens, que permitissem fornecer devidamente um tecido industrial e também sociedade em grande expansão. Desde esse período muitas empresas entregam a parceiros comerciais algumas funções específicas de produção da sua empresa, inicialmente serviços paralelos tais como a contabilidade, seguros, serviços jurídicos (Venturist, 2010). Se recuarmos umas décadas, aquando da implementação do outsourcing, este era por vezes conhecido e confundido como uma simples subcontratação de serviços a empresas terceiras, ou a parceiros de negócios. Tal como referido no parágrafo anterior, era essencialmente aplicado a atividades empresariais de baixo valor e pouco direcionadas para o core business da empresa (Santos, 1998). No entanto, o outsourcing teve um desenvolvimento mais acelerado quando a sua utilização passou a estar ligada a atividades na área dos sistemas de informação, comunicação e armazenamento de dados, principalmente nos anos noventa, como aumento exponencial das necessidades das empresas neste campo específico (Santos, 1998; Kobayashi-Hillary, 2005). Atualmente, o outsourcing deve ser considerado como uma parceria. Como já referido anteriormente, A utilização do outsourcing, iniciou-se principalmente nas TI e 10

13 Capítulo 2 Revisão da Literatura apesar do seu início difícil, existe agora a consciência que o sucesso da parceria resulta de uma negociação preliminar e minuciosa de todo o processo. Após a devida negociação, ambas as partes a conseguirão um consenso em temas importantes, tais como: a forma, o preço e o prazo do contrato da prestação do serviço. Segundo Moura (2006), até à década de setenta as atividades logísticas eram desempenhadas, no essencial, com os recursos internos das organizações, não havendo grande recurso à contratualização de terceiros para o desenvolvimento destas funções. A generalidade das empresas dispunha do know-how, das infraestruturas necessárias, das frotas de veículos, e de uma forma geral de todos os requisitos necessários para assegurar a operação da sua própria logística, sendo esse departamento uma área essencial na gestão estratégica da empresa, e ocupando uma fatia considerável do tempo do corpo de gestão, e também dos recursos financeiros. Devido, em grande parte, ao fato de a logística na maior parte dos casos não ser uma atividade core, as empresas iniciaram uma procura por formas de reduzir os custos logísticos, assistindo-se a uma procura cada vez mais acentuada do Outsourcing para o conseguirem, assim como um aumento progressivo da competitividade da empresa no mercado onde opera (Moura, 2006). A justificação económica para qualquer forma de outsourcing está, desta forma, intimamente relacionada com economias de escala mundial, associadas à especialização crescente dos objetos de negócio empresarial, e desta forma as empresas optam por especializar-se em exercício de serviços e produção, que estejam diretamente associadas a retornos económicos crescentes e progressivos. Segundo Hannon (2003), operadores logísticos especializados têm a capacidade de prestar serviços logísticos numa forma mais eficiente, rápida e económica, o que se torna um elemento muito vantajoso para as empresas contratantes Classificação de Outsourcing Quanto à classificação, o outsourcing pode ser analisado sobre diferentes prismas, dos quais podemos nomear o âmbito do processo de outsourcing, e dentro deste critério incluimos o outsourcing total quando o processo contempla a contratação a empresas externas de no mínimo 80% das funções da empresa contratante -, e outsourcing relativo quando temos o recurso de outsourcing para menos de 80% das funções da empresa contratante (Pizarro, 2010; Kariznoee, Afshani, & Salmani, 2013). 11

14 Capítulo 2 Revisão da Literatura Ainda no âmbito da classificação do processo de outsourcing, temos também a possibilidade de utilizar como critério a medição do nível de decisão, ou da intensidade da relação entre a empresa contratante, e a empresa prestadora de serviços externos. Desta forma, nesta dimensão podemos nomear o outsourcing operacional, tático, estratégico, e transformacional, sendo de referir que o grau de envolvimento entre as duas empresas envolvidas é progressivamente crescente. Podemos definir como outsourcing operacional quando a decisão de contratação de serviços externos tem como objetivo primordial preencher a necessidade, pontual, de execução total ou parcial de uma função específica na empresa contratante. Este recurso a serviços externos é resultado de planeamento a curto prazo, e a relação empresarial entre as duas empresas envolvidas é linear, existindo uma elevada fiscalização dos serviços a ser prestados pela empresa contratada, reduzindo desta forma o grau de liberdade, e o potencial deste de causar impacto na qualidade dos serviços prestados (Pizarro, 2010; Bensch, 2012). Relativamente ao outsourcing tático, este pode ser definido como o recurso a serviços externos para a colmatação de dificuldades específicas e estruturais da empresa contratante, sendo assim motivado pelas circunstâncias específicas da empresa. Tendo esta definição em mente, é compreensível que este tipo de outsourcing seja utilizado pelas empresas quando estas estão em processo de grandes reestruturações, tendo como grandes objetivos i) diminuição dos custos, ii) reduzir a necessidade de investimento estrutural, iii) aumentar a liquidez, e iv) reduzir os custos com os recursos humanos. Neste tipo de outsourcing um dos pontos essenciais, e definidores, é a contratualização, que deve ser muito específico e deverá existir fiscalização por parte da empresa contratante para que este seja cumprido dentro do contratualizado, assegurando desta forma o sucesso da relação empresarial, a redução do investimento e o aumento do tempo dedicado pela gestão ao core business (Pizarro, 2010; Bensch, 2012). Evolutivamente, o valor atribuído pelas empresas ao processo de outsourcing começa a ser progressivamente mais elevado, o que leva a que este tipo de decisões esteja associado a decisões de gestão estratégicas, o que nos leva ao próximo nível de definição do outsourcing outsourcing estratégico. Desta forma, os gestores perceberam que ao recorrerem ao processo de outsourcing, ao invés de perderem controlo sobre as funções da empresa, ganham sim uma maior disponibilidade para trabalhar no core business, e gerir os aspetos estratégicos de gestão empresarial. O 12

15 Capítulo 2 Revisão da Literatura objetivo deste tipo de outsourcing passa pela criação de relações a longo prazo entre as empresas envolvidas, criando assim a possibilidade das empresas trabalharem de forma integrada com parceiros regulares, permitindo assim trabalhar com um número mínimo de prestadores de serviços, garantindo assim um número elevado de qualidade no trabalho prestado. Desta forma, assistimos a uma evolução na perceção dos gestores, que passam a percecionar o outsourcing como uma oportunidade de estabelecimento de uma relação a longo prazo de parceiros de negócios, ao invés de uma simples relação de fornecimento de serviços, resultando numa relação de benefício mútuo (Pizarro, 2010). O último tipo de outsourcing o transformacional surge como a forma mais radical de envolvimento entre duas empresas contratante e contratada numa relação de outsourcing, resultando na utilização deste tipo de relação como uma ferramenta de redefinição de negócio, e das empresas envolvidas. Num mercado atual de constantes mudanças, exigências e redefinições, torna-se fundamental que as empresas sejam capazes de se reinventarem, e tornarem mais competitivas, desta forma o outsourcing aparece como uma das ferramentas mais fundamentais, e com um impacto mais efetivo, para atingir uma mudança em termos empresarias, que torne a empresa contratante mais competitiva e inovadora. Assim, estes fornecedores externos passam de uma posição em que eram encarados como meras ferramentas utilizadas pelas empresas contratantes para aumentar a sua eficiência, e se concentrarem nos seus core business, para passarem a ser encarados como atores com potencial de mudança, apresentando-se desta forma como aliados no objetivo do aumento de competitividade de mercado, apresentando objetivos e estratégias comuns e partilhadas com a empresa contratante (Brown & Wilson, 2005; Berson, 2001; Kariznoee, Afshani, & Salmani, 2013). Um outro critério passível de ser utilizado para a classificação do processo de outsourcing é tipo de atividades para as quais são contratualizados serviços externos. Assim, denominamos como core outsourcing quando a contratualização se dirige a atividades e serviços centrais e principais da empresa, e como peripherical outsourcing quando as atividades são periféricas, e como tal não centrais (Brown & Wilson, 2005). Uma outra possibilidade de distinguir o outsourcing prende-se com a designação pública e privada. Dito isto, quando estamos diante uma relação de outsourcing privado, os intervenientes na relação são entidade unicamente privadas. No caso do outsourcing público, pelo menos um dos intervenientes na relação pode ser definido como uma entidade pública. 13

16 Capítulo 2 Revisão da Literatura Por fim, podemos igualmente classificar o outsourcing através da prévia (in)existência da função contratualizada na empresa contratante. Logo, se a função nunca foi desempenhada internamente, designamos como outsourcing direto, se por outro lado existe esta função na empresa contratante e se trata de uma transferência para o exterior desta mesma função, então designamos como outsourcing com transferência de atividade (Brown & Wilson, 2005) Vantagens e desvantagens do processo de Outsourcing Quando falamos de outsourcing, e visto que estamos a falar de gestão, é inevitável abordarmos as vantagens e desvantagens associadas a este processo, e que estão na base da sua aplicabilidade. Assim, podemos referir, desde já, cinco grandes vantagens que fundamentam a escolha deste processo, desde logo i) a redução dos custos operacionais, ii) focar as atividades de gestão no core business, iii) acesso a recursos mais evoluídos tecnologicamente, iv) libertação de recursos internos para outros propósitos, e v) acesso a recursos não acessíveis internamente (Berson, 2001). Segundo (Antonucci, 1998), é possivel estipularmos dez grandes razões, que justificam a implementação do processo de outsourcing: i) a qualidade dos serviços; ii) a redução de custos; iii) a diminuição do volume de problemas que passa a ser tratado internamente pela organização; iv) o acesso ao conhecimento de novas tecnologias; v) a redução de gastos com formação; vi) a utilização de infraestrutura de nível mundial; vii) o acesso a recursos em abundância, com possibilidade de contingência; viii) o acesso a melhores recursos técnicos; iv) a garantia quanto ao nível dos serviços; x) a maior simplicidade na operação dia a dia. Além das razões apontadas acima, é ainda importante referir outros benefícios que concorrem igualmente para a valorização da implementação do processo de outsourcing, tais como a concentração de esforços, a maior capacidade de adaptação às mudanças, a agilização, a melhoria da qualidade do produto ou serviço, a redução custos, a libertação de espaço e a valorização pessoal Vantagem para a Empresa Contratante As vantagens para a empresa contratante são tendencialmente as mais claras, e as mais estudadas, apesar de existirem grandes vantagens de ambos os lados deste negócio, desta forma, neste subcapítulo iremos explorar, de forma mais pormenorizada, as razões que valorizam a implementação de um processo de outsourcing: 14

17 Capítulo 2 Revisão da Literatura 1 Concentrações de esforços 2 Maior capacidade de adaptação às mudanças 3 Agilização 4 Melhoria da qualidade do produto ou serviço 5 Redução de custos, libertação de espaço e valorização profissional Vantagens para a Empresa Fornecedora (subcontratada) As vantagens do processo de outsourcing não são unicamente para as empresas contratantes, as empresas subcontratadas têm igualmente vantagens decorrentes da sua participação no processo, desde logo i) a abertura de novos mercados, como consequência da contratualização de terceiros para a execução de serviços e produção de bens, por parte de empresas geralmente de maior porte; ii) a expansão dos negócios, por meio de contratos com novos clientes; iii) incremento do processo de desenvolvimento tecnológico, proporcionando maior especialização e garantindo um espaço confortável junto à concorrência, na batalha pela conquista dos melhores clientes; iv) desenvolvimento das condições para criação de parcerias, que proporciona vantagens na procura por recursos desejados, bem como na redução dos custos; v) maior especialização do setor, obtida por meio das parcerias estabelecidas e do desenvolvimento tecnológico; vi) controlo de qualidade assegurado pelas exigências da empresa contratante; vii) desenvolvimento das capacidades de gestão do empresário (Auguste, 2002). A longo prazo, os fornecedores geram ganhos não só de escala, mas também de capacitação codificando as inovações desenvolvidas ao atender a uma empresa contratante, para poder utilizá-las novamente em benefício de outras empresas contratantes futuras. Somente ganhos de escala e ganhos de capacitação podem possibilitar que os especialistas mantenham a vantagem em relação aos clientes. Concluindo, a utilização de um processo de outsourcing apresenta vantagens que se podem contabilizar em ambos os lados da contratualização, criando um sistema que produz um contexto favorável à criação de novos produtos e serviços, e mais especificamente de maior qualidade e eficiência, contribuindo para a competitividade, eficácia e eficiência das empresas envolvidas. 15

18 Capítulo 2 Revisão da Literatura Potenciais Riscos associados ao Processo de Outsourcing A subcontratação de empresas, para desempenho de um serviço ou produção de bens, pode ser vista como uma decisão de gestão delegando junto de um parceiro externo a responsabilidade e a autonomia, pela execução de atividades específicas até então realizadas internamente pela empresa contratante. Essa abordagem tem sofrido uma evolução nos últimos anos para um processo de outsourcing estratégico, para onde as empresas encaminham os bens ou serviços que não conseguem produzir internamente, garantindo uma importante vantagem competitiva para a empresa contratante, podendo esta solução adequar-se a qualquer cenário. No entanto esta visão do processo afigura-se como uma perspetiva arriscada num ambiente que, na atualidade, se tem transformado num cenário de grande competitividade e de constantes mudanças, exigindo uma grande capacidade de resiliência e de adaptação. É necessário que se refira que o outsourcing, utilizado como inovação pelas empresas contratantes, deve ser objeto de permanente análise no que respeita à relação custo/benefício, tendo em vista o cenário de mudanças rápidas e frequentes acima descritos. Com o passar dos anos, as perceções sobre o outsourcing foram-se tornando mais favoráveis, porém, esta prática não é desprovida de riscos e necessita de uma atenção cuidada. Para isso, os contratos elaborados com as empresas fornecedoras devem ser o mais transparentes possível, de modo a possibilitar o real cumprimento das condições negociadas. Quando as funções contratualizadas a terceiros são produzidas num local diferente do campus da empresa contratante, estas empresas enfrentam variados riscos, desde logo relacionados com a segurança. Por outro lado, quando as funções são desenvolvidas no próprio campus da empresa contratante, esta, pode controlar melhor e proteger melhor o acesso à informação, bem como aos equipamentos, serviços e produtos (McDougall, 2005; Feeny, Lacity, & Willcocks, 2005). Ainda segundo McDougall (2005), um outro risco com o qual as empresas devem ter atenção é o furto, devendo providenciar um controlo efetivo para que este não ocorra. Ou seja, a empresa contratada poderia usar a informação e tecnologia a que teve acesso para em seguida o aplicar num mercado diferente. Os custos associados a sistemas de proteção e segurança adivinham-se como sendo elevados, mas o custo a 16

19 Capítulo 2 Revisão da Literatura longo prazo da perda de um mercado para outra empresa rival pode apresenta-se como mais nociva (Tho, 2005; Earl, 1996; Lacity e Hirscheim, 1993; Earl, 1996). Apesar de o outsourcing ser uma solução cada vez mais adotada pelas empresas, existem uma série de riscos que não são despicientes. Iremos assim enumerar nove principais riscos associados ao processo de outsourcing (Earl, 1996): 1. Possibilidade de a empresa contratada se revelar mais ineficaz e ineficiente do que a empresa contratante; 2. A inexperiência do outsourcer; 3. Incerteza quanto à evolução do mercado onde a empresa transaciona o seu negócio; 4. Risco de surgirem, num futuro próximo, empresas contratadas mais eficientes e com maior diversidade de soluções, ultrapassando a nossa escolha; 5. Risco de surgirem melhores alternativas em relação ao desempenho das atividades; 6. Risco de a organização se encontrar numa situação fragilizada e sem competências internas para se adaptar à mudança, causando assim um desequilíbrio; 7. Perigo de a empresa contratada se transformar num novo ator, que dificulta a comunicação, gerando conflitos entre as várias partes envolvidas no negócio; 8. Eventual ocorrência de custos ocultos, não previstos no planeamento do outsourcing, culminando numa menor poupança; 9. Tendência em considerar o outsourcing como um fim e uma solução definitiva, em vez de um meio de concentração de recursos em áreas vitais, diminuindo a eficiência da empresa, e resultando num abaixamento da competitividade da empresa no mercado onde opera. Segundo Ross e Westerman (2004) existem quatro grandes riscos a ter em conta durante o processo de outsourcing: 1. O Risco Relacional: que pode ser subdividido em falta de inovação e aprendizagem organizacional. O outsourcing é muitas das vezes utilizado como substituto da inovação, o que na verdade pode traduzir-se na perda de contacto 17

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 INDICE 04 O que é o Outsourcing? 09 Como o implementá-lo na sua empresa 11 Vantagens e desvantagens 13 Conclusão

Leia mais

Curso Gestão do Outsourcing de TI

Curso Gestão do Outsourcing de TI Curso Gestão do Outsourcing de TI Segundo autores como Aalders, o Outsourcing é uma estratégia que consiste na contratação de fornecedores de serviços eficientes e especializados para tratar de algumas

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Os valores inseparáveis da profissão:

Os valores inseparáveis da profissão: Os valores inseparáveis da profissão: Ética e Qualidade da Auditoria Ética Óscar Figueiredo membro do conselho diretivo (Tradução livre da comunicação feita pelo Membro do Conselho Diretivo Óscar Figueiredo

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário

Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário O presente documento destina-se a dar um breve contributo do Centro de Estudos Económicos e Institucionais da

Leia mais

Riscos do Outsourcing

Riscos do Outsourcing Riscos do Outsourcing RISCOS FINANCEIROS Custos associados (processo de negociação) Custos não esperados RISCOS TECNOLÓGICOS Qualidade do serviço (degradação/má qualidade) Concorrência entre fornecedores

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil Junho 12 Consultoria Trading Serviços S ã o P a u l o - B u e n o s A i r e s - M e x i c o C i t y - W a s h i n g t o n - U n i t e d K i n g d o m - C o t e D ' A z u r Research for the Future Gestão

Leia mais

A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos

A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos Resumo A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos e utilizadores apresenta-se uma metodologia de concepção de cursos, que poderia ser utilizada pelos

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

O que é Estudo de Caso?

O que é Estudo de Caso? O que é Estudo de Caso? Segundo Araújo et al. (2008) o estudo de caso trata-se de uma abordagem metodológica de investigação especialmente adequada quando procuramos compreender, explorar ou descrever

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições Prefácio Dezoito anos passados da primeira obra do autor sobre a temática, e olhando o percurso a esta distância, não deixamos de nos surpreender pela evolução realizada no mundo empresarial e na sociedade.

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 Índice Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 População alvo...4 Unidade amostral...4 Dimensão da população...4 Metodologia...4 Caracterização da amostra...4

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

formação financiamento

formação financiamento INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «EMPREENDEDORISMO UMA SOLUÇÃO PARA A CRISE», A VISÃO DO EMPREENDEDORISMO EM PORTUGAL, NO CENTRO

Leia mais

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas!

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na OTIMIZAÇÃO DE COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

CCSQ. Relatório para o Gestor Funções de Contacto com o Cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 Setembro 2013. www.ceb.shl.com

CCSQ. Relatório para o Gestor Funções de Contacto com o Cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 Setembro 2013. www.ceb.shl.com CCSQ Relatório para o Gestor Funções de Contacto com o Cliente Nome Sample Candidate Data 23 Setembro 2013 www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este Relatório para o Gestor ajuda a compreender a adequação potencial

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Etiquetagem energética de janelas

Etiquetagem energética de janelas Etiquetagem energética de janelas Apresentação sumária Outubro 2012 Razões para um sistema de etiquetagem Ferramenta de comunicação de simples compreensão e suporte à decisão a tomar; Potencia a escolha

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

FRANQUEADO. Cartilha do. Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368

FRANQUEADO. Cartilha do. Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368 Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368 Av. das Américas, 4.200 - Bl. 08-B, Sala 104 Centro Empresarial Barra Shopping Barra da Tijuca, RJ (21) 2480-1911 Av. Paulista, 807 -

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

O Papel das Redes Sociais no Crescimento Empresarial

O Papel das Redes Sociais no Crescimento Empresarial Escola de Economia e Gestão Pedro Miguel Pinto Ribeiro O Papel das Redes Sociais no Crescimento Empresarial Dissertação de Mestrado Trabalho realizado sob orientação do Professor Doutor Vasco Eiriz Fevereiro

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juros

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Estudos de Mercado. Carlos Bessa

Estudos de Mercado. Carlos Bessa Estudos de Mercado Objetivo geral: No final da sessão os participantes devem ser capazes de implementar no terreno um estudo de mercado. 2 Conteúdos programáticos: Introdução ao tema Estudos de Mercada

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Tendências e Desenvolvimentos no Facility Management

Tendências e Desenvolvimentos no Facility Management Tendências e Desenvolvimentos no Facility Management Pelo Dr. Alexander Redlein og Reinhard Poglich Este trabalho aborda as futuras tendências e desenvolvimentos na área do Facility Management, com base

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação Instituto Superior de Gestão Bancária Curso Organização e Sistemas de Informação OUTSOURCING a case study Trabalho realizado por: João Martinho nº 3064 João Gouveia nº 3070 Sara Soares nº 3060 Cadeira

Leia mais

AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA

AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA --------------------------------------------------------------------------------------------- I Conceito de Empresa

Leia mais

PERSPETIVA APCER. www.apcergroup.com. André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt

PERSPETIVA APCER. www.apcergroup.com. André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt PERSPETIVA APCER André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt Tópicos Perspetiva APCER Avaliação Preliminar ISO DIS 9001:2014 Transição ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 - disposições IAF e APCER

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE 1. REFERÊNCIAS [1] - Bases Gerais para a Implementação de Sistemas de Gestão da Manutenção de Material Circulante, Instrução Técnica 5, INCFA

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo HR BPO Desafios nos próximos anos Agenda Enquadramento Serviços HR BPO Selecção de parceiros Implementação e operação do HR BPO Exemplo prático Meta4 Agenda Enquadramento

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais