Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências"

Transcrição

1 Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências O programa do curso sobre a qualidade no desenvolvimento de competências irá analisar os desafios associados com a definição, acompanhamento e manutenção da qualidade em sistemas, programas e instituições de EFTP e de desenvolvimento de competências. Dentro de um âmbito tão amplo, o programa irá analisar a forma como a qualidade é definida, por que razão a qualidade é importante nos sistemas de competências e que estratégias podem ser implementadas para assegurar e, em última instância, melhorar a qualidade. O programa irá igualmente considerar vários indicadores usados para medir a qualidade a nível do sistema e das instituições, e irá rever os principais elementos das disposições institucionais e de governança usadas no monitoramento e controlo da qualidade. O programa irá analisar exemplos de países desenvolvidos e em desenvolvimento e irá fornecer panoramas detalhados de vários sistemas nacionais. O programa contará com os conhecimentos individuais dos participantes que têm uma vasta experiência em matéria de garantia de qualidade em vários países do mundo.

2 Curso Temático Intensivo 2 - Orientação Profissional Existe atualmente uma procura crescente para maior acesso à orientação profissional. Tal resulta do facto de que muitos países enfrentam desafios relacionados com disparidades, reais ou apercebidas, entre a oferta e a procura no mercado de trabalho e em termos de prestação de apoio adequado ao emprego para os trabalhadores confrontados com mudanças a meio do seu percurso profissional. Este curso temático intensivo oferece a oportunidade de analisar as abordagens atuais em termos de orientação profissional, assim como o potencial papel das instituições de ensino e dos serviços públicos de emprego e as ligações existentes entre eles. Através de uma combinação de breves apresentações técnicas, trabalho e discussão interativa em grupo, serão ponderadas as seguintes questões: ajudar o indivíduo a desenvolver competências para que possa fazer escolhas de carreira mediadas por ele próprio, implicações ao nível das políticas, vários modelos de prestação de apoio, e a importância de uma informação sólida sobre o mercado de trabalho e o emprego. No final do curso, os participantes terão adquirido uma maior compreensão sobre: O que entendemos por Orientação Profissional? Por que é importante? O novo paradigma de Orientação Profissional Elementos fundamentais da Orientação Profissional A relação entre Orientação Profissional e a Formação e Educação Técnica e Profissional (EFTP) O papel dos Serviços Públicos de Emprego (SPE) na Orientação Profissional / aconselhamento Como a orientação profissional contribui para a aprendizagem ao longo da vida Os modelos de prestação de serviços de apoio para o aconselhamento profissional através de SPE na gestão da transição para o trabalho Este curso irá igualmente analisar as implicações a nível das políticas, relacionadas com a prestação de serviços de Orientação Profissional, traduzidas em termos práticos através de um pequeno exercício em grupo.

3 Curso Temático Intensivo 3 - Competências para a economia rural O objetivo deste curso é analisar as características do emprego e da aquisição de competências no contexto rural, assim como os constrangimentos ao desenvolvimento de competências e do emprego rural, e a forma de os ultrapassar. O curso representa igualmente uma oportunidade para os participantes e os facilitadores partilharem boas práticas em termos de apoio ao desenvolvimento de competências e do trabalho digno nas comunidades rurais, contribuindo igualmente para uma maior geração de rendimentos e para o uso de práticas de desenvolvimento sustentáveis a nível ambiental. Este curso irá examinar os desafios e as oportunidades de promoção das competências das populações rurais, de modo a melhorar o seu acesso ao emprego e a rendimentos mais elevados. A qualidade da formação atualmente disponível para as populações rurais é, muitas vezes, inadequada. As raparigas e as mulheres das zonas rurais enfrentam desafios particulares em termos de acesso à educação e à formação: ausência de qualificação dos professores e formadores, desatualização do equipamento e da tecnologia, desadequação dos métodos de ensino relativamente aos contextos rurais. A formação levada a cabo fora do sistema formal de formação é frequentemente a fonte de formação mais importante em termos de aquisição de competências. As populações rurais enfrentam grandes desafios para conseguirem obter formação que seja relevante para as condições da economia local. Este curso irá debruçar-se sobre como levar formação de qualidade junto das comunidades rurais, procurando ajudá-las a sair de uma agricultura de subsistência em direção a atividades, ligadas ou não ao trabalho agrícola, que geram rendimentos mais elevados. No início deste curso será realizada uma análise dos desafios enfrentados pelas comunidades rurais na procura de emprego remunerado e dos constrangimentos relacionados com a aprendizagem das competências. Após esta análise, será efetuado um trabalho de grupo interativo para avaliar estes desafios e constrangimentos. O programa da OIT Formação para o Empoderamento Económico Rural (Training for Rural Economic Empowerment TREE) será apresentado e discutido como um método para promover a aprendizagem das competências nas comunidades rurais e para estabelecer a ligação entre esta formação e as cadeias de valor rurais, de forma a alcançar um emprego mais produtivo. A experiência da AFD em matéria de competências para a economia rural será destacada através de diferentes tipos de estudos sobre países.

4 Curso Temático Intensivo 4 Experiências na conceção e implementação dos Sistemas Nacionais de Qualificações Nas últimas décadas, os responsáveis pela área da Educação e Formação Técnica e Profissional (EFTP) e do emprego em cada país assinalaram questões muito semelhantes relativas a: Inadequação entre a oferta e a demanda de competências; Melhoria da coordenação entre os vários subsistemas de formação; Como assegurar mecanismos de aprendizagem ao longo da vida; ou Mobilidade dos cidadãos, trabalhadores e estudantes para além das fronteiras nacionais. Estas questões ou desafios foram apresentados de forma recorrente nas reflexões feitas pelas autoridades públicas, trabalhadores sociais e meios de comunicação. Cada país procurou dar a melhor resposta possível partindo dos seus recursos, das suas possibilidades, do seu contexto de desenvolvimento e estratégias específicas. A criação programada ou espontânea de um Sistema Nacional de Qualificações deu resposta a uma grande parte destes desafios, transcendendo as respostas tradicionais para os subsistemas de EFTP. No curso temático intensivo, tentaremos analisar, com base na experiência prática de diferentes países e regiões, a conceção e construção de um sistema nacional de qualificações em resposta às questões e aos desafios mencionados anteriormente. Iremos analisar os processos conduzidos para identificar as melhores práticas que podem ajudar atores e implementadores de sistemas de EFTP e de emprego a melhorar as respostas aos seus desafios, recorrendo a uma abordagem prática e a um espírito de crítica e análise construtivas.

5 Curso Temático Intensivo 5 Desenvolvimento de Competências para o empreendedorismo O principal objetivo deste curso é apoiar a criação de emprego para os jovens, apoiando o desenvolvimento de competências para o empreendedorismo jovem. Após a conclusão deste curso, os participantes serão capazes de explicar melhor as razões pelas quais o empreendedorismo jovem deve ser tido em consideração enquanto componente dos programas de emprego jovem, e descrever as principais opções políticas para a conceção das componentes em termos de competências no âmbito dos programas de apoio ao empreendedorismo jovem. O curso irá debruçar-se sobre como integrar competências para o empreendedorismo jovem num Programa de Emprego Jovem. Há um reconhecimento crescente da parte dos governos de que, em muitos países, os empregos para os jovens são escassos e que o empreendedorismo jovem se revela uma estratégia importante para a integração de mulheres e homens jovens nos mercados de trabalho. No entanto, o empreendedorismo jovem tem suas próprias dimensões específicas quando comparado ao empreendedorismo em geral. Devido à limitação de recursos, à pouca experiência de vida e de trabalho, entre outros desafios, as mulheres e os homens jovens enfrentam mais barreiras na implementação de empresas start-up do que os empreendedores mais velhos. Este ano, o curso sobre empreendedorismo jovem irá abordar alguns dos diferentes desafios enfrentados por jovens mulheres e homens empreendedores e olhar para a importância de desenvolver competências relevantes para o empreendedorismo jovem. O curso irá também olhar para o papel da educação para o empreendedorismo na criação da próxima geração de jovens empreendedores, recorrendo ao pacote da OIT Know About Business e a exemplos da sua implementação em curso em vários países. Serão feitos esforços junto dos governos e do setor privado no sentido de apoiar o empreendedorismo jovem através de uma combinação de serviços de formação, aconselhamento, coaching e mentoring. Este curso contará com uma série de métodos, incluindo apresentações, estudos de caso, exercícios em grupo e outras metodologias participativas.

6 Curso Temático Intensivo 6 - Gestão de instituições de formação Introdução: O papel fundamental desempenhado pelas instituições de formação no processo de desenvolvimento da economia e dos indivíduos exige que os responsáveis pela implementação da formação procurem constantemente identificar os desafios consideráveis existentes. Gerir uma instituição de formação não se limita unicamente à gestão diária das tarefas correntes; implica ter de se confrontar, mais do que qualquer outra instituição educacional, com as tendências gerais que caracterizam a formação de adultos no país, e implica também dominar um conjunto de elementos que estão em permanente reação entre si, para fazer face às constantes mudanças internas e externas e adaptar-se a elas. Os diretores e dirigentes responsáveis por estas instituições devem conciliar estes problemas contraditórios: - Satisfazer as necessidades e expectativas dos ambientes económicos e políticos; - Satisfazer as exigências crescentes do público; - Adaptar as propostas e os conteúdos de formação às exigências locais; - Obter recursos financeiros para atender a todas essas expectativas. Será também necessário ter em consideração que as instituições de formação profissional dão o seu contributo em função: - do nível dos seus alunos; - das suas qualificações, que dependem consideravelmente do conteúdo dos programas de formação; - da capacidade dos quadros da instituição de formação, dos quais depende a qualidade dos programas. Os principais eixos: Uma abordagem concreta dos problemas enfrentados pelos dirigentes da instituição, em particular no que diz respeito: - aos desafios da formação e os seus impactos; - às respostas práticas para assegurar o desenvolvimento das estruturas e das pessoas; - os desafios de autonomia dos centros e o seu financiamento. As ferramentas a serem implementadas para fazer face às necessidades e às mudanças e, em particular, os instrumentos de avaliação para: - monitorizar as atividades de gestão e formação; - monitorizar a qualidade e eficiência; - a inovação, enquanto fonte de desenvolvimento e de progresso em direção ao futuro. Objetivo do curso: - Desenvolver reflexões sobre questões estruturantes; - Ter um feedback das experiências sobre realizações locais; - Analisar as boas práticas. O curso de formação visa primeiramente contribuir para o enriquecimento da reflexão sobre questões relacionadas com a formação e, mais especificamente, sobre questões

7 relativas à forma como a formação é realizada e, sobretudo, enquanto forma de reforçar as competências do pessoal envolvido na gestão das instituições de formação. Conteúdo de base: - Educação e formação: alguns objetivos - Rentabilidade interna e externa de uma instituição de formação profissional e adaptabilidade da formação profissional às necessidades do mercado de trabalho - Importância da política pública - Melhoria da gestão dos centros de formação - Identificação e resolução de problemas relevantes - Tornar os sistemas de formação bem-sucedidos - Reforçar a eficiência dos sistemas de formação Módulos de formação: - Desafios internos e externos dos centros de formação - Planeamento: antecipar a mudança - Organizar as estruturas de formação - Gestão dos recursos humanos - Monitoramento e avaliação dos desempenhos - Qualidade e melhoria contínua nos centros de formação

8 Curso Temático Intensivo 7 - Formação com base nas competências e Formação com base nos processos de trabalho O objetivo do Curso Temático Intensivo 7 é oferecer formação relevante para as necessidades do mercado de trabalho, sendo que a participação dos empregadores no desenvolvimento de conteúdos de formação é extremamente importante. A apresentação sobre formação baseada nas competências incidirá sobre os fatores que influenciam as metas curriculares nacionais de Educação e Formação Técnica e Profissional (EFTP) em termos de políticas nacionais de EFTP, das decisões tomadas sobre o planeamento da formação, da recolha e análise de dados relacionados com a formação, da recolha e análise de dados relacionados com a comunidade (informações sobre o mercado de trabalho), da participação das partes interessadas, das parcerias a nível do comércio e indústria e da definição dos conteúdos dos curricula usando o processo DACUM. A discussão irá envolver exercícios sobre o desenvolvimento de conteúdos para cursos de formação usando o processo DACUM, através da análise de deveres e de tarefas. A apresentação sobre formação baseada na atividade profissional incidirá sobre o desenvolvimento de sistemas de aprendizagem de qualidade através do desenvolvimento sistemático de ferramentas de formação baseada na atividade profissional. O grupo de trabalho irá incluir exercícios sobre o desenvolvimento de conteúdos de formação para promover aprendizagens de qualidade, utilizando ferramentas de análise ligadas à atividade profissional e empresarial num exemplo prático relativo a uma situação de aprendizagem em marketing.

9 Curso Temático Intensivo 8 - Monitoramento e avaliação da formação O principal objetivo deste curso é apreender as principais questões e metodologias para a elaboração de um mecanismo de avaliação de resultados, impactos e efeitos dos mecanismos de formação. Em segundo lugar, procura-se esclarecer um conjunto de conceitos e definições para torná-los operacionais dentro de um coletivo de trabalho. No final deste curso, os participantes serão capazes de: 1. Identificar os desafios de um mecanismo de avaliação. 2. Identificar as partes interessadas. 3. Identificar os atores da avaliação. 4. Situar a avaliação dentro do ciclo de um projeto. 5. Definir a função de avaliação no âmbito da cadeia de criação de valor. 6. Conceber as suas linhas gerais e organizar as suas fases de implementação. 7. Seguir as metodologias mais adequadas à situação. Matriz das metodologias: Domínios 4 níveis de avaliação O formando A ação O mecanis mo A política de formação Documentos Provas e testes 1 Porquê avaliar, com que consequências? Por observação 2 Quem será avaliado? e medida 3 Qual a concertação? Por resultado* 4 Quem será o avaliador? Por efeito* 5 Quando e como? (nomeadamente 6 Com que metodologia: quantitativa, qualitativa, o desempenho) participativa ou diretiva, por simulação ou em situação real, Por impacto* aferida ou não Lições aprendidas * Sobre a pessoa, o trabalho, a empresa, a comunidade, a sociedade O curso irá abordar: As questões relativas à avaliação e aos seus atores As fases e os tempos de avaliação As técnicas e metodologias As ligações com os mecanismos de qualidade e os modelos de monitorização e avaliação A medição dos resultados, efeitos e impactos A apreciação da eficiência e da eficácia.

10 Curso Temático Intensivo 9 Promover sistemas de aprendizagem dual de qualidade Depois de um período de interesse decrescente em relação aos sistemas de aprendizagem a nível internacional, a crise agravada mundial do emprego jovem trouxe a aprendizagem de volta à agenda política. Reconhece-se que os países com sistemas de aprendizagem bem implementados tendem a gerir melhor as transições dos jovens da escola para o trabalho, e apresentam rácios mais baixos da taxa de desemprego jovem e da taxa de desemprego adulto. No entanto, a "exportação" dos sistemas de aprendizagem para os países em desenvolvimento não foi, em muitos casos, bemsucedida e, assim, as dúvidas sobre a possibilidade de transferência dos sistemas de aprendizagem de sucesso persistem na comunidade internacional que se dedica ao desenvolvimento de competências. Por essa razão, serão apresentados, discutidos e postos em prática neste curso os elementos-chave para a conceção de aprendizagem de qualidade, de modo que, no final do curso, os participantes terão um conjunto de ferramentas práticas que poderão usar posteriormente. O Curso Temático Intensivo 9, de dois dias, sobre a promoção de sistemas de aprendizagem de qualidade irá fornecer definições, possibilitar discussões, apresentar estudos de caso e envolver os participantes em dramatizações e exercícios sobre como desenhar sistemas de aprendizagem de qualidade através do diálogo social, como dar sugestões para uma clara divisão de papéis e responsabilidades para os diferentes atores, como financiar sistemas de aprendizagem e como estabelecer um quadro jurídico para a aprendizagem de qualidade. Tal será feito com base na Recomendação 195 da OIT, no Relatório V da CIT: Competências para a melhoria da produtividade, o crescimento do emprego e o desenvolvimento, e na Estratégia de Formação do G20 para uma força de trabalho qualificada para um crescimento forte, sustentável e equilibrado, elaborada pela OIT.

11 Curso Temático Intensivo 10 - Financiamento da formação O financiamento da educação e formação técnico-profissional é de capital intensivo; como tal, na maioria dos países em desenvolvimento, o financiamento tem sido em grande medida da responsabilidade do governo, com o recurso a acordos de financiamento partilhado realizados com outras partes interessadas a um custo mínimo. Enquanto o custo com a provisão de uma educação e formação de qualidade continua a aumentar, a alocação orçamental em alguns países tem vindo a diminuir devido a outras prioridades concorrentes. O Curso Temático Intensivo, de dois dias, sobre financiamento da formação envolverá discussão, estudos de caso e exercícios sobre quem deve pagar a formação nos respetivos países de origem dos participantes, as fontes únicas e múltiplas de financiamento, as suas vantagens e desvantagens, a prestação de contas relativamente aos fundos, a gestão e a governança, e as implicações políticas de financiar a formação em conformidade com a Recomendação 195 e o Relatório V: Competências para a melhoria da produtividade, o crescimento do emprego e o desenvolvimento, ambos da OIT.

12 Curso Temático Intensivo 11 - Antecipação das necessidades de formação O principal objetivo deste Curso Temático Intensivo de dois dias é ajudar os participantes a compreender a importância central de identificar as necessidades atuais e futuras em matéria de competências e os desequilíbrios do mercado de trabalho num quadro político mais abrangente, bem como a adquirir conhecimentos básicos sobre como abordar esta temática. Após a conclusão do curso, os participantes terão uma boa compreensão dos fatores de mudança que produzem impacto na procura em termos de competências, e irão perceber por que razão ocorrem desequilíbrios no mercado de trabalho e quais são as suas consequências (o Porquê?). O curso irá ajudar a compreender os marcos fundamentais, as perguntas, os objetivos, os beneficiários e grupos-alvo relativamente à antecipação das necessidades de competências para o mercado de trabalho (O quê? e Quem?). Os participantes irão adquirir conhecimentos sobre métodos quantitativos e qualitativos, e sobre as ferramentas da OIT que podem ser usadas na antecipação das necessidades de competências e a sua adequação entre a oferta e a procura no mercado de trabalho (o Como?). O sistema de identificação precoce das necessidades de competências será tratado num contexto mais amplo de recolha de informações sobre o mercado de trabalho, e os quadros institucionais relacionados. Os participantes serão incentivados a refletir sobre a situação nos seus próprios países e a discuti-la com os outros participantes. O curso abordará: as principais questões conceptuais relativas à antecipação das necessidades de competências para o mercado de trabalho e como parte das estratégias nacionais e/ou setoriais; métodos de antecipação das necessidades de competências a nível nacional, subnacional e setorial, uso de informações sobre o mercado de trabalho para a antecipação e adequação das competências; abordagens institucionais propícias à antecipação e adequação das competências, incluindo as abordagens setoriais. O curso contará com uma variedade de métodos, incluindo apresentações, exemplos de países, estudos de caso, ferramentas de partilha, trabalho em grupo e outras metodologias participativas.

13 Curso Temático Intensivo 12 - Governança e coordenação no desenvolvimento de competências O desenvolvimento de competências é fundamental, tanto para as pessoas como para a economia. No entanto, ele apenas funcionará de forma eficiente se o sistema de competências for gerido de forma adequada. Este curso interessante, moderado pelo mesmo tutor nos últimos 4 anos, vai ajudar todos os decisores políticos e profissionais que desejem assegurar uma abordagem coerente e articulada relativa às competências, de forma a garantir melhores resultados para as pessoas e para a economia. O curso irá conjugar apresentações, discussões e ações de aprendizagem. Irá fornecer materiais, ideias, estudos de caso, referências e discussões novas e úteis. O curso começará por explicar a necessidade e os benefícios de adotar uma abordagem estratégica e integrada para a agenda de desenvolvimento de competências, chamando a atenção para as várias abordagens seguidas por organizações internacionais como a OIT, a Fundação Europeia para a Formação (FEF), o Banco Mundial e a OCDE. O curso irá propor um quadro/agenda para fazer o sistema de competências funcionar melhor e estabelecer a forma como a governança a nível da Educação e Formação Técnica e Profissional pode ser melhorada. Esta parte do curso inclui uma apresentação, uma discussão em grupo e um exercício de grupo. O curso irá depois passar em revista o processo de elaboração de políticas e o modo como a coordenação pode ser melhorada indo além dos silos políticos. O curso analisará tanto a Organização como as Ferramentas que podem promover uma coordenação mais eficaz. Após a realização de uma apresentação, haverá um exercício de grupo partindo das experiências dos países presentes na sala. A parte final do curso analisará primeiro a necessidade de melhorar a implementação e a adequação do desenvolvimento de competências no terreno, aos níveis setoriais e locais, e o que é necessário fazer para promover melhorias neste âmbito. O curso prosseguirá com uma reflexão sobre como o trabalho de parceria pode melhorar a governança das competências. Um exercício final de grupo tentará identificar o top 3 de cada participante em termos de conclusões do curso (o que aprenderam) e o que cada participante pretende fazer de diferente quando regressar ao seu país para ajudar a melhorar o desenvolvimento de competências.

14 Curso Temático Intensivo 13 - Sair da informalidade? Desenvolvimento de competências e reconhecimento da aprendizagem anterior (RAA) O objetivo deste curso é analisar as características da aquisição e reconhecimento de competências na economia informal, e como este processo pode ser melhorado de forma a promover empregos melhores. O curso será também uma oportunidade para os participantes e os facilitadores partilharem boas práticas relativamente ao apoio ao desenvolvimento de competências e ao trabalho digno na economia informal, ao reconhecimento de aprendizagem não formal e informal, bem como à saída da informalidade. No início do curso serão analisadas as características e a "importância" da economia informal, os desafios enfrentados por mulheres e homens na aquisição de melhores competências, e a questão de saber se o desenvolvimento de competências pode facilitar a transição para a formalização. Após esta análise será realizado um trabalho interativo em grupo para examinar estas questões. A metodologia da OIT sobre a Atualização da Aprendizagem Informal e as lições aprendidas com a implementação desta metodologia serão apresentadas e discutidas. Os participantes irão partilhar as suas experiências nacionais e discutir como a metodologia da OIT poderá ser adaptada ao contexto dos seus respetivos países. Por último, serão discutidas as metodologias de "Reconhecimento da Aprendizagem Anterior (RAA)" e os desafios que os países enfrentam na sua implementação. Em conjunto com os participantes, serão igualmente identificadas abordagens práticas para o RAA. Os participantes são convidados a trazer informação sobre políticas e programas nacionais relacionados com o desenvolvimento e reconhecimento de competências para a economia informal, incluindo políticas e programas destinadas à aprendizagem informal e ao RAA. A metodologia do curso será baseada no envolvimento ativo dos participantes e na partilha das suas experiências, recorrendo a uma variedade de métodos, incluindo apresentações, estudos de caso, exercícios em grupo e outras metodologias participativas.

15 Curso Temático Intensivo 14 - Parcerias público-privadas (PPP) e desenvolvimento de competências O principal objetivo deste curso temático intensivo é compreender os princípios e as oportunidades das PPP relacionadas com o desenvolvimento de competências. Após a conclusão deste curso, os participantes serão capazes de melhor: definir e delimitar as Parcerias Público-Privadas (PPP) no ambiente de EFTP, compreender como as Parcerias Público-Privadas contribuem para o desenvolvimento de competências, ver as PPP como uma Abordagem Baseada em Competências, conhecer os diferentes tipos de Parcerias Público-Privadas, de acordo com o modelo e contexto de EFTP: Quadro legal e institucional das PPP, Custo e financiamento: partindo da perspetiva das partes interessadas (setores público e privado, empresas, PTF). O curso irá abordar: Contexto ou antecedentes de PPP de sucesso em países em desenvolvimento Abordagem setorial Papel do setor privado e o papel da administração Riscos de gestão das PPP Estatuto legal possível para a concretização de estruturas de PPP Base do modelo económico das PPP no ambiente de EFTP Questões e Opções do: Mecanismo de PPP da AFD e o seu processo de implementação Mecanismo de PPP do BMZ e o seu processo de implementação Mecanismos de PPP da ONUDI e o seu processo de implementação orientados para o desenvolvimento de competências industriais (projetos LKDF)

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

Avaliação final: Desenvolvimento Empresarial das Mulheres e Igualdade do Género na África Austral

Avaliação final: Desenvolvimento Empresarial das Mulheres e Igualdade do Género na África Austral Avaliação final: Desenvolvimento Empresarial das Mulheres e Igualdade do Género na África Austral Factos rápidos Países: Lesoto, Malawi, Moçambique, África do Sul Avaliação final Modo de avaliação: Independente

Leia mais

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013 NA PAC PÓS 2013 Pedro M.S.Raposo Ribeiro SEMINÁRIO Lisboa, Auditório da CAP 26 Junho 2013 COM O APOIO DE: GÉNESE E OBJETIVOS DO ESTUDO 2 ENQUADRAMENTO O recurso à utilização de Instrumentos Financeiros

Leia mais

A PLATAFORMA PORTUGUESA PARA OS DIREITOS DAS MULHERES E A RELAÇÃO COM AS ORGANIZAÇÕES MEMBRO REFLEXÕES E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO - 06/12/2014

A PLATAFORMA PORTUGUESA PARA OS DIREITOS DAS MULHERES E A RELAÇÃO COM AS ORGANIZAÇÕES MEMBRO REFLEXÕES E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO - 06/12/2014 Construção/clarificação da IDENTIDADE DA PPDM Planeamento conjunto e definição de uma afirmação e defesa dos direitos das mulheres/humanos o Promoção da literacia sobre instrumentos internacionais dos

Leia mais

Plano Geral de Formação

Plano Geral de Formação Plano Geral de Formação 2 0 1 6 A Católica Business Schools Alliance é constituída por: Índice Mensagem de boas vindas Católica Business Schools Alliance 10 razões para nos escolher MBA Atlântico Oficina

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

ARTIGO: Gestão de recursos humanos, desenvolvimento profissional e coaching Uma perspetiva integrada

ARTIGO: Gestão de recursos humanos, desenvolvimento profissional e coaching Uma perspetiva integrada ARTIGO: Gestão de recursos humanos, desenvolvimento profissional e coaching Uma perspetiva integrada Os desafios colocados aos gestores de recursos humanos 1. A gestão de recursos humanos e o coaching

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes COMISSÃO EUROPEIA NOTA INFORMATIVA Estrasburgo/Bruxelas, 19 de novembro de 2013 «Erasmus+» - Perguntas mais frequentes (ver também IP/13/1110) O que é o «Erasmus+»? O «Erasmus+» é o novo programa da União

Leia mais

Agenda Nacional de Trabalho Decente

Agenda Nacional de Trabalho Decente Agenda Nacional de Trabalho Decente Brasília, 2006 Sumário Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais A. Antecedentes...5 B. Prioridades...9 B.1. Prioridade 1: Gerar mais

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Promoting Adult Learning. Promovendo a Educação de Adultos. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Promoting Adult Learning. Promovendo a Educação de Adultos. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português Promoting Adult Learning Summary in Portuguese Promovendo a Educação de Adultos Sumário em Português Sumário Executivo Este livro é uma continuação de Além da Retórica: Políticas e Práticas da Educação

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

Belém/PA, 28 de novembro de 2015.

Belém/PA, 28 de novembro de 2015. CARTA DE BELÉM Reuniram-se em Belém, Conselheiros de Educação de 24 Unidades da Federação, formando a plenária do Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação, que ocorreu no período de 25 a 28 de

Leia mais

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Contexto Os objetivos do Milénio para o desenvolvimento (OMD) tiveram como

Leia mais

O QREN e a Coesão Social em Portugal

O QREN e a Coesão Social em Portugal 8 de janeiro de 213 O QREN e a Coesão Social em Portugal 1. A coesão social no âmbito do QREN A coesão social constitui uma das cinco prioridades estratégicas do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

SISTEMA DE APRENDIZAGEM EM PORTUGAL

SISTEMA DE APRENDIZAGEM EM PORTUGAL SISTEMA DE APRENDIZAGEM EM PORTUGAL Workshop de Formação Marta Pinto MentorTec Escola de Comércio do Porto, 17 março 2015 O Sistema Dual na Alemanha e Áustria O fenómeno do desemprego jovem Cerca de um

Leia mais

i9social Social Innovation Management Sobre

i9social Social Innovation Management Sobre i9social Social Innovation Management A inovação social é uma solução inovadora para um problema social, que é mais eficaz, eficiente e sustentável do que as soluções existentes, e a qual incrementa a

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.8.2015 COM(2015) 408 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Projeto de Relatório Conjunto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Propostas Educação Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

Abordagens comuns do empreendedorismo:

Abordagens comuns do empreendedorismo: Abordagens comuns do empreendedorismo: principalmente do ponto de vista económico, administrativo, organizacional, sociológico, observando as partes da realidade, em detrimento do ponto de vista psicológico,

Leia mais

PNAFE E A MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. I Introdução. O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997.

PNAFE E A MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. I Introdução. O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997. I Introdução O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997. 1 II O PNAFE e o processo de descentralização fiscal no Brasil: II.1 Descentralização Fiscal no Brasil Características

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública Coordenação Acadêmica: Prof. Luiz Antonio Rodrigues Dias DEIXE O MBA QUE É REFERÊNCIA FALAR POR VOCÊ. OBJETIVO: O MBA em

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão da Cultura e da Educação 14.4.2015 2015/2006(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a promoção do empreendedorismo jovem através da educação e da formação (2015/2006(INI))

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR Aprovado, por maioria com alterações, na Assembleia Geral Extraordinária de 12 de dezembro de 2014, após aprovação pelo Conselho Diretivo a 1

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 REDE RURAL NACIONAL

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 REDE RURAL NACIONAL Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 REDE RURAL NACIONAL Rede Rural Nacional 1. Procedimento e Cronograma A RRN foi criada em Portugal pelo Decreto-Lei n.º 66/2009, de 20 de Março.

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR Nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO CONS NEAD 024/2013 Consultoria por produto FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151/2004; Portaria MRE Nº 717/2006 e Portaria MDA

Leia mais

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais com Prof. Lucas Henrique da Luz Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 O que

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA

PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA SA11757 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA Antecedentes/Introdução: 1. Em 2004,

Leia mais

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior G estão escolar: não há diretor de qualquer instituição de ensino que não esteja às voltas com esta questão, hoje. Um cenário

Leia mais

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 PROGRAMA VISEU RURAL Valorizar os produtos da terra Melhorar a vida das nossas aldeias documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 CONSELHO ESTRATÉGICO DE VISEU Apresentação. O mundo rural

Leia mais

Garantia da Qualidade no Desenvolvimento de Competências 2015 Sessão 2

Garantia da Qualidade no Desenvolvimento de Competências 2015 Sessão 2 Garantia da Qualidade no Desenvolvimento de Competências 2015 Sessão 2 Paul Comyn, PhD Especialista Sénior em Formação Profissional e Desenvolvimento de Competências Equipa de Trabalho Digno da OIT para

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis

UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis CONSTATAÇÕES 1.5 mil milhões de pessoas vivem em Estados frágeis ou afetados por conflitos. Cerca de 70% dos Estados em situação de fragilidade passaram

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

Timor-leste. parcerias internacionais Rede Bibliotecas Escolares

Timor-leste. parcerias internacionais Rede Bibliotecas Escolares Timor-leste parcerias internacionais Rede Bibliotecas Escolares Ler para aprender Lee atu aprende Em abril de 2010, a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) lançou, em articulação com o Plano Nacional de

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

TRABALHO. Sumário EMBARGO TENDÊNCIAS. Não publicar ou distribuir antes de Segunda-feira 7 de Março de 2016 às 17:00 GMT (18:00 CET)

TRABALHO. Sumário EMBARGO TENDÊNCIAS. Não publicar ou distribuir antes de Segunda-feira 7 de Março de 2016 às 17:00 GMT (18:00 CET) Sumário EMBARGO Não publicar ou distribuir antes de Segunda-feira 7 de Março de 216 às 17: GMT (18: CET) Organização Internacional do Trabalho MULHERES NO TRABALHO TENDÊNCIAS 216 Mulheres no trabalho Tendências

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Competitividade da Construção

Competitividade da Construção Competitividade da Construção 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. O SETOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL 3. COMPETITIVIDADE 3.1. Definições de competitividade 3.2. Competitividade nacional 3.3. Competitividade sectorial

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

Desenvolvimento Integral na Primeira Infância

Desenvolvimento Integral na Primeira Infância apresentam Desenvolvimento Integral na Primeira Infância Agenda de ações para a região da América Latina Resultados da Oficina Construindo uma Agenda Regional para o Desenvolvimento na Primeira Infância,

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 1 Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 Relatório 2014 ACEGIS Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social 8 de março de 2014 Dia Internacional

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio ACP-EU/101.516/B/13 18.08.2013 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a cooperação Sul-Sul e a cooperação

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

Estratégia de Institucionalização da Avaliação Institucional na UFBA. Eixo I Criação de estratégias e metodologias para o trabalho da CPA

Estratégia de Institucionalização da Avaliação Institucional na UFBA. Eixo I Criação de estratégias e metodologias para o trabalho da CPA Estratégia de Institucionalização da Avaliação Institucional na UFBA Universidade Federal da Bahia (UFBA) Eixo I Criação de estratégias e metodologias para o trabalho da CPA Antonio Virgilio Bastos Bittencourt

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

QUALIDADE DOS CUIDADOS E DA EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

QUALIDADE DOS CUIDADOS E DA EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA DIRECÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DEPARTAMENTO TEMÁTICO B: POLÍTICAS ESTRUTURAIS E DE COESÃO CULTURA E EDUCAÇÃO QUALIDADE DOS CUIDADOS E DA EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ESTUDO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg)

Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg) Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg) (aprovada pelos participantes na Conferência Européia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994)

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável para Todos

Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável para Todos Nota explicativa CEDEAO - Workshop sobre Gênero e Energia para Validação da Política da CEDEAO para a Integração do Género no acesso à energia Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável

Leia mais

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00)

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/0371(COD) 7.6.2012 ALTERAÇÕES 35-98 Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) sobre a proposta de regulamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS DADOS DA ORGANIZAÇÃO PROPONENTE Razão Social CNPJ Endereço Completo Inscrição Telefone Email Representante Legal

Leia mais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Novos PO detêm um valor global de quase 12,2 mil M de financiamento comunitário Alerta de Cliente Dezembro de 2014 Temas/Assuntos: Numa cerimónia realizada

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PROFESSOR(A)/ AGENTE DE COOPERAÇÃO PORTUGUÊS/ FRANCÊS

TERMOS DE REFERÊNCIA PROFESSOR(A)/ AGENTE DE COOPERAÇÃO PORTUGUÊS/ FRANCÊS TERMOS DE REFERÊNCIA PROFESSOR(A)/ AGENTE DE COOPERAÇÃO PORTUGUÊS/ FRANCÊS 1. INFORMAÇÕES DE BASE... 2 1.1. País beneficiário... 2 1.2. Entidade Adjudicante... 2 1.3. Informações úteis sobre o país...

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 O Diagnóstico Social e a Agenda 21 Local de Montemor-o- Novo identifica problemas/necessidades, oportunidades e principais fatores críticos ao desenvolvimento do

Leia mais

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 Plano de Melhoria Biénio 2013/2015 Agrupamento de Escolas de Clara

Leia mais

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda Pós-Graduações A formação ao longo da vida é hoje uma necessidade indiscutível que constitui uma oportunidade a não perder por parte da instituição. A aposta nas pós-graduações deve ser incrementada, e

Leia mais

DESCRITOR DA PRÁTICA Sistema de Reconhecimento e Referenciação de Processos de Qualificação e de Profissionais para Entidades da Economia Social

DESCRITOR DA PRÁTICA Sistema de Reconhecimento e Referenciação de Processos de Qualificação e de Profissionais para Entidades da Economia Social ANEXO 1 - DESCRITOR DA PRÁTICA PRÁTICA para Reconhecimento e/ou referenciação Quer? Reconhecer Referenciar X É da Rede Animar? Sim Não X Entidade Responsável pela Prática: Pessoa de Contato na Entidade:

Leia mais

Linhas de Ação Estratégica para a Saúde Mental e Bem-estar da União Europeia

Linhas de Ação Estratégica para a Saúde Mental e Bem-estar da União Europeia Linhas de Ação Estratégica para a Saúde Mental e Bem-estar da União Europeia EU JOINT ACTION ON MENTAL HEALTH AND WELLBEING 2016 Co-funded by the European Union Linhas de Ação Estratégica para a Saúde

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT A análise do quadro jurídico para a ratificação da Convenção 102 da OIT por Cabo Verde, inscreve-se no quadro geral da cooperação técnica prestada

Leia mais

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA O estudo a ser entregue deverá avaliar a viabilidade do projeto de PPP proposto segundo a ótica de todos os fornecedores de capital

Leia mais

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME»)

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME») PT 8.3.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 69/71 ANEXO I Dimensões e códigos para as categorias de intervenção dos Fundos (1) no âmbito do objetivo de Investimento no Crescimento e no Emprego e da

Leia mais

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Maria de Lurdes Rodrigues Em matéria de educação, em quase todo o mundo, foram definidas regras que consagram o objetivo de proporcionar a todas as crianças

Leia mais

Fatores Determinantes para o Crescimento do Emprego de Jovens CREJOV

Fatores Determinantes para o Crescimento do Emprego de Jovens CREJOV Fatores Determinantes para o Crescimento do Emprego de Jovens CREJOV THINK TANK 30 de abril de 2013 POAT/FSE: Gerir, Conhecer e Intervir Situação População 15-24 anos- Taxas Dezembro2012 NEETs 18,6 Abando.E.P

Leia mais

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Nós, os delegados tripartidos de 47 Estados Africanos membros da Organização Internacional do Trabalho ao Segundo

Leia mais

Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental. Nota Conceitual

Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental. Nota Conceitual Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental Nota Conceitual 1. Introdução A apátrida não e um fenómeno recente. Ele é tão antigo quanto o conceito de nacionalidade. A apatrídia constitui

Leia mais

Recomendações Encontro Nacional de Juventude 2015

Recomendações Encontro Nacional de Juventude 2015 Recomendações Encontro Nacional de Juventude 2015 O Conselho Nacional de Juventude (CNJ) organizou, de 30 de outubro a 1 de novembro de 2015, em Cascais, na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, o

Leia mais