Tratamento e Seguimento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratamento e Seguimento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho"

Transcrição

1 FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Tratamento e Seguimento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR E PÓS-DOUTOR EM OFTALMOLOGIA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO PROROP INVESTIGATIVE GROUP - UFRGS / UNIFESP / BRASIL

2 CRYO-ROP ROP (1988): 3862 RN c/ PN 1250 g ROP requiring treatment usually occurs around weeks PCA PICO EVOLUTIVO ROP LIMIAR 37ª semana IPC 36ª 38ª COMEÇO Após o nascimento prematuro Semanas de vida IPC = IG + semanas de vida FINAL Após a 42ª semana IPC

3 TRATAMENTO A PARTIR DE 1988 (CRYO-ROP) ROP) DOENÇA LIMIAR - IPC entre 37 e 38 semanas Nível de gravidade da ROP no qual o risco para um resultado anatômico e funcional desfavorável alcança 50%. ESTADIAMENTO ROP 3 ZONAS I ou II (cinco horas contíguas ou oito horas totais e doença plus) MAPA ORIGINAL DO CRYO-ROP 1988 RETINA VASCULARIZADA RETINA PERIFÉRICA AVASCULAR Cryotherapy for Retinopathy of Prematurity Cooperative Group. Multicenter trial of cryotherapy for retinopathy of prematurity:preliminary results. Arch Ophthalmol 1988;106:471-9.

4 FOTOCOAGULAÇÃO TRANSPUPILAR Doença Limiar Zona II - Diodo Laser 810 nm Dr. Ann Ells movie

5 PROGNÓSTICO DO TRATAMENTO (CRYO-ROP) ROP) EXCELENTE NOS ESTADIAMENTOS ROP 1 e 2 APÓS REGRESSÃO NATURAL ANATOMICAMENTE BOM NA MAIOR PARTE DOS CASOS TRATADOS EM ROP LIMIAR EM ZONAS II E III RESULTADOS FUNCIONAIS APÓS TRATAMENTO BAIXA AV, MIOPIA, AMBLIOPIA E ESTRABISMO MORBIDADE MAIS GRAVE - CEGUEIRA MESMO APÓS TRATAMENTO Cryotherapy for Retinopathy of Prematurity Cooperative Group. Multicenter trial of cryotherapy for retinopathy of prematurity: ophthalmological outcomes at 10 years. Arch Ophthalmol 2001;119:

6 NOVAS INDICAÇÕES (ET-ROP 2003) DOENÇA PRÉ - LIMIAR - IPC entre 36 e 37 semanas ROP pré-limiar tipo 1 Doença pré-limiar de alto risco (resultado desfavorável > 15%) Zona I - Qualquer estadiamento com doença plus Zona I - ROP 3 sem doença plus Zona II - ROP 2 ou 3 com doença plus ROP pré-limiar tipo 2 Doença pré-limiar de baixo risco (resultado desfavorável < 15%) Zona I - ROP 1 or 2 sem doença plus Zona II - ROP 3 sem doença plus Early Treatment for Retinopathy of Prematurity Cooperative Group. Revised Indications for the Treatment of Retinopathy of Prematurity. Arch Ophthalmol 2003;212:

7 TRATAMENTO ATUAL DA ROP ZONAS II e III LASER DIODO TRANSPUPILAR AO REDOR DE 700 / 1000 IMPACTOS / OLHO NA RETINA AVASCULAR DOIS OLHOS TRATADOS NO MESMO ATO SEDAÇÃO NA UTIN PREFERENCIALMENTE ROP PRÉ-LIMIAR do tipo 1: LASER MENOS DENSO ROP LIMIAR: LASER MAIS DENSO

8 TRATAMENTO ATUAL DA ROP ZONAS II e III DEPOIS DO TRATAMENTO MONITORAR A DOENÇA PLUS Doença Plus - Dilatação, tortuosidade e engurgitamento vascular A-V da periferia ao pólo posterior, rigidez pupilar.

9 DOENÇA PLUS SIGNIFICA PROGRESSÃO DA ROP Se a tortuosidade vascular persistir por mais de 14/21 dias do tratamento inicial uma progressão da doença pode ser esperada. Observar os sinais de evolução desfavorável no vítreo e na retina. CONSIDERAR A POSSIBILIDADE DE UM RE-TRATAMENTO PELO LASER ORGANIZAÇÃO DO VÍTREO NA CRISTA HEMORRAGIAS NO VÍTREO OU RETINA

10 NECESSIDADE DE RETRATAMENTO COM O LASER Ocorre ao redor de 15% dos casos. NOVOS IMPACTOS POR ENTRE AS CICATRIZES DO TRATAMENTO INICIAL

11 DISCUSSÕES ATUAIS NA FOTOCOAGULAÇÃO DA ROP FOTOCOAGULAÇÃO MAIS DENSA ACIMA DE IMPACTOS / OLHO X PERCENTUAL DE RE-TRATAMENTOS MENOR X MAIORES COMPLICAÇÕES DO TRATAMENTO MENOS DENSO FIBROSE MAIS DENSO QUEIMADURAS ÍRIS, CÓRNEA, CATARATA FOTOCOAGULAÇÃO ACIDENTAL DA MÁCULA

12 CONTROVÉRSIAS EM RELAÇÃO AO MELHOR MOMENTO PARA O TRATAMENTO ROP PL TIPO 1 em ZONA I - TRATAMENTO PRECOCE MOSTRA MELHORES RESULTADOS ROP PL TIPO 1 em ZONA II - PARA CADA BEBÊ CUJO TRATAMENTO FOI NECESSÁRIO FORAM REALIZADOS 10 TRATAMENTOS DESNECESSÁRIOS CONSIDERANDO A IPC NO MOMENTO DO TRATAMENTO ENTRE A 35ª - 36ª IPC OS RISCOS CARDIO-RESPIRATÓRIOS SÃO SEMPRE MUITO ALTOS A INDICAÇÃO PARA UM TRATAMENTO MUITO PRECOCE PELO ET-ROP FICARIA DUVIDOSA E QUESTIONÁVEL Averbuch E. The evidence supporting the ET-ROP for ype 1 ROP needs further evaluation. Arch Ophthalmol 2010;128(4):

13 TRATAMENTO DA ROP EM ZONA I ROP EM ZONA I (10% dos casos que necessitam tratamento) CRYO-ROP: 78% tem desfechos desfavoráveis com o laser 40% dos tratados apresentaram AV< 20/200 aos 15 anos de idade ET-ROP: 55% de desfecho não favorável MESMO APÓS O TRATAMENTO PELO LASER PODE HAVER PROGRESSÃO DA ROP E CEGUEIRA

14 USO DE MEDICAÇÕES ANTI-VEGF EM ROP NOS CASOS DE DOENÇAS GRAVES AFETANDO A ZONA I 6 dias após anti-vegf Antes anti-vegf 6 meses após anti-vegf

15 A TRANSFERÊNCIA DE UM BEBÊ PARA OUTRA INSTITUIÇÃO PIORA O PROGNÓSTICO Ikeda H, Kuriyama S. Risk factors for retinopathy of prematurity requiring photocoagulation. Jpn J Ophthalmol 2004;48: Fortes Filho JB, Eckert GU, Procianoy RS. Postconceptional age at treatment in inborn and in transferred for treatment for ROP. Arq Bras Oftalmol 2011; 74(4):

16 PACIENTES NASCIDOS HCPA PN IG ROP no tratamento ROP Zona IPC no tratamento Resultado do tratamento ROP 3 + II 36 Regressão ROP 3 + II 36 Regressão 2X laser ROP 3 + II 36 Regressão ROP 3 + II 36 Regressão ROP 3 + II 36 Regressão ROP 3 + II 37 Regressão ROP 3 + II 37 Regressão ROP 3 + II 36 Regressão ROP 3 + II 34 Regressão ROP 3 + II 39 Regressão ROP 3 + II 41 Regressão ROP 3 + II 38 Regressão ROP 3 + II 37 Regressão ROP 3 + II 37 Regressão ROP 3 + II 39 Regressão ROP 3 + II 40 Regressão 2X laser ROP 3 + II 38 ROP 4A ROP 3 + II 37 Regressão ROP 3 + II 40 Regressão 2X laser ROP 3 + II 40 Regressão ROP 3 + II 40 Regressão ROP 3 + II 40 Regressão ROP 3 + II 41 Regressão Média 918,3 28,3 37 DP 231,7 2,3 2,0 Mínimo Máximo % retratamentos com o laser PACIENTES TRANSFERIDOS PARA TRATAMENTO 2X laser Avastin PN IG ROP no tratamento ROP Zona IPC no tratamento Resultado do tratamento RAP I 39 ROP 4B FIBROSE ROP 3 + II 39 Regressão ROP 3 + II 38 ET OD DRAGG MAC OE ROP 3 + II 38 Regressão ROP 3 + II 39 Regressão 2X laser S BuckleAO ROP 3 + II 40 ROP 4B AO 2X laser S BuckleAO 29 ROP 3 + II 39 ROP 4A AO 2X laser ROP 4A II 39 ROP 4B DRAGG ROP 3 + II 38 Regressão ROP 3 + II 42 Regressão ROP 3 + II 40 Regressão ROP 3 + II 40 Regressão Média 866,3 27,9 39,3 DP 141,1 2,3 1,1 Mínimo Máximo % retratamentos com o laser + 1X Avastin AO 2X Scleral Buckle AO NASCIDOS HCPA - IPC 37 semanas TRANSFERIDOS - IPC 39,3 semanas (P<0,001) Fortes Filho JB, Eckert GU, Procianoy RS. Postconceptional age at treatment in inborn and in transferred for treatment for ROP. Arq Bras Oftalmol 2011; 74(4):

17 LASER: ENTRE A 36ª E A 38ª SEMANA DE IPC ANTI-VEGF: ENTRE A 35ª E A 36ª SEMANA DE IPC

18 PROROP Website disponibiliza muitas informações sobre a ROP João Borges Fortes Filho Universidade Federal do Rio Grande do Sul Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Avastin em ROP: BEAT-ROP e a possibilidade de recidiva tardia da neovascularização. João Borges Fortes Filho

Avastin em ROP: BEAT-ROP e a possibilidade de recidiva tardia da neovascularização. João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Avastin em ROP: BEAT-ROP e a possibilidade de recidiva tardia da neovascularização João Borges Fortes

Leia mais

CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE. João Borges Fortes Filho

CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE. João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR E PÓS-DOUTOR EM OFTALMOLOGIA

Leia mais

Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho

Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR E

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA Departamento de Neonatologia. CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA Departamento de Neonatologia. CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA Departamento de Neonatologia CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica Prevenção de Cegueira Infantil causada por Retinopatia

Leia mais

CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE. João Borges Fortes Filho

CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE. João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR E PÓS-DOUTOR EM OFTALMOLOGIA

Leia mais

PREVENÇÃO DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: João Borges Fortes Filho

PREVENÇÃO DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE PREVENÇÃO DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: A VISÃO DO OFTALMOLOGISTA João Borges Fortes Filho MESTRE,

Leia mais

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado?

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 7: ROP O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? ser Q Quando uando o o exame

Leia mais

PREVALÊNCIA DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NO CENTRO DE NEONATOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

PREVALÊNCIA DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NO CENTRO DE NEONATOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Artigo Revista Original HCPA PREVALÊNCIA DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NO CENTRO DE NEONATOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE PREVALENCE OF RETINOPATHY OF PREMATURITY AT THE DIVISION OF NEONATOLOGY

Leia mais

Perfil clínico e epidemiológico de recém-natos prematuros com muito baixo peso no Rio de Janeiro: estudo de 152 pacientes

Perfil clínico e epidemiológico de recém-natos prematuros com muito baixo peso no Rio de Janeiro: estudo de 152 pacientes ARTIGO ORIGINAL 389 Perfil clínico e epidemiológico de recém-natos prematuros com muito baixo peso no Rio de Janeiro: estudo de 152 pacientes Clinic and epidemiologic profile of preterm infants with very

Leia mais

Departamento de Oftalmologia da A

Departamento de Oftalmologia da A Departamento de Oftalmologia da A CBHPM: 3.03.12.12-4 Página 51 Porte 10C, 1 aux, Porte anestésico 5 50 mil crianças cegas no mundo Se não ttar doença limiar: 50% evolui anatomica e funcionalmente mal

Leia mais

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006 Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS Retinopatia da Prematuridade 2006 BULBO OCULAR Retinopatia da Prematuridade Doença vaso proliferativa multifatorial Uma das

Leia mais

BAIXO GANHO PONDERAL COMO PREDITOR DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE

BAIXO GANHO PONDERAL COMO PREDITOR DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE João Borges Fortes Filho BAIXO GANHO PONDERAL COMO PREDITOR DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina, para a obtenção do título

Leia mais

CRIAÇÃO DE UM ESCORE PREDITOR DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE EM PRÉ-TERMOS DE MUITO BAIXO PESO

CRIAÇÃO DE UM ESCORE PREDITOR DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE EM PRÉ-TERMOS DE MUITO BAIXO PESO FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE - BRASIL CRIAÇÃO DE UM ESCORE PREDITOR DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE EM PRÉ-TERMOS DE MUITO BAIXO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808. Monografia. Lucas Lobo Guimarães

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808. Monografia. Lucas Lobo Guimarães I UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808 Monografia Evolução do tratamento da retinopatia da prematuridade e o uso de inibidores do fator de crescimento

Leia mais

Retinopatia da prematuridade

Retinopatia da prematuridade 246 ARTIGO DE REVISÃO Retinopatia da prematuridade Retinopathy of prematurity João Borges Fortes Filho 1 RESUMO Este artigo aborda aspectos atuais da Retinopatia da Prematuridade, entidade clínica responsável

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia de órbita

Imagem da Semana: Tomografia de órbita Imagem da Semana: Tomografia de órbita Figura: Tomografia computadorizada contrastada de crânio. Enunciado Criança do sexo masculino, 2 anos, natural de Parauapebas (PA), apresentava reflexo branco em

Leia mais

Prevalência da retinopatia da prematuridade em recém-nascidos de muito baixo peso

Prevalência da retinopatia da prematuridade em recém-nascidos de muito baixo peso 0021-7557/97/73-06/377 Jornal de Pediatria Copyright 1997 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 73, Nº6, 1997 377 ARTIGO ORIGINAL Prevalência da retinopatia da prematuridade em

Leia mais

Problemas oftalmológicos mais freqüentes e desenvolvimento visual do pré-termo extremo

Problemas oftalmológicos mais freqüentes e desenvolvimento visual do pré-termo extremo 0021-7557/05/81-01-Supl/S95 Jornal de Pediatria Copyright 2005 by Sociedade Brasileira de Pediatria ARTIGO DE REVISÃO Problemas oftalmológicos mais freqüentes e desenvolvimento visual do pré-termo extremo

Leia mais

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o inciso X do artigo 204 do Regimento Interno,

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

DEGUSTAÇÃO REVENDO A RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: PREVALÊNCIA EM NOSSO MEIO E ABORDAGEM TERAPÊUTICA ATUAL INTRODUÇÃO

DEGUSTAÇÃO REVENDO A RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: PREVALÊNCIA EM NOSSO MEIO E ABORDAGEM TERAPÊUTICA ATUAL INTRODUÇÃO REVENDO A RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: PREVALÊNCIA EM NOSSO MEIO E ABORDAGEM TERAPÊUTICA ATUAL 27 PRORN Ciclo 11 Volume 4 INTRODUÇÃO ALINE PIOVEZAN ENTRINGER ANDREA ZIN A retinopatia da prematuridade

Leia mais

Profa Clea Rodrigues Leone Área Técnica Saúde da Criança e do Adolescente CODEPPS-SMS CRESCIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE MUITO BAIXO PESO

Profa Clea Rodrigues Leone Área Técnica Saúde da Criança e do Adolescente CODEPPS-SMS CRESCIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE MUITO BAIXO PESO Profa Clea Rodrigues Leone Área Técnica Saúde da Criança e do Adolescente CODEPPS-SMS CRESCIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE MUITO BAIXO PESO CRESCIMENTO RN - PT Padrão variável I.G. e P. nascimento Meio ambiente

Leia mais

Programas de Rastreio. Olho Diabético

Programas de Rastreio. Olho Diabético Programas de Rastreio Olho Diabético Acompanhamento mais de perto e tratamento da retinopatia diabética Closer monitoring and treatment for diabetic retinopathy Informação importante sobre os cuidados

Leia mais

Dr. Evandro Luís Rosa CRM-SC 5957

Dr. Evandro Luís Rosa CRM-SC 5957 Dr. Evandro Luís Rosa CRM-SC 5957 Graduado em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina 1992. Especializado em Oftalmologia no Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem. Oftalmologista pelo Conselho

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2 Nota Técnica 94/2013 Data: 15/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Dr. José Hélio da Silva 4ª Vara Cível da Comarca de PousoAlegre - MG Processo número:0103076-29.2013 TEMA:

Leia mais

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas EVITANDO ACIDENTES Como evitar acidentes com os olhos Quando se trata de acidentes com os olhos, o melhor remédio é a prevenção, pois algumas lesões podem causar desde a perda da qualidade da visão até

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ NATASHA TATIANA VIEIRA ISKOROSTENSKI MURTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ NATASHA TATIANA VIEIRA ISKOROSTENSKI MURTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ NATASHA TATIANA VIEIRA ISKOROSTENSKI MURTA PREVALÊNCIA DE RETINOPATIA DA PREMATURIDADE E FATORES DE RISCO ASSOCIADOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

Retinopatia da Prematuridade

Retinopatia da Prematuridade Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Sociedade Brasileira de Pediatria Elaboração Final: 4 de julho de 2011 Participantes: Zin A, Uno F, Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo, Sociedade Brasileira

Leia mais

Prevenção da cegueira por Retinopatia da Prematuridade em hospital da rede privada em Porto Alegre

Prevenção da cegueira por Retinopatia da Prematuridade em hospital da rede privada em Porto Alegre Prevenção da cegueira por Retinopatia da Prematuridade em hospital da rede privada em Porto Alegre João Borges Fortes Filho * RESUMO Objetivo: Avaliar a necessidade e a eficiência da fotocoagulação por

Leia mais

Dissertação de Mestrado

Dissertação de Mestrado Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE TATIANA VIEIRA DE BRITO MARQUEZ ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O BEVACIZUMABE INTRAVITREO E A FOTOCOAGULAÇÃO

Leia mais

Proposta de diretrizes brasileiras do exame e tratamento de retinopatia da prematuridade (ROP)

Proposta de diretrizes brasileiras do exame e tratamento de retinopatia da prematuridade (ROP) ATUALIZAÇÃO CONTINUADA Proposta de diretrizes brasileiras do exame e tratamento de retinopatia da prematuridade (ROP) Brazilian guidelines proposal for screening and treatment of retinopathy of prematurity

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO OFTALMOLOGISTA. Qual substância é utilizada no tratamento antirreflexo das lentes oftálmicas orgânicas?

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO OFTALMOLOGISTA. Qual substância é utilizada no tratamento antirreflexo das lentes oftálmicas orgânicas? 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO OFTALMOLOGISTA QUESTÃO 21 Qual substância é utilizada no tratamento antirreflexo das lentes oftálmicas orgânicas? a) fluoreto de magnésio. b) poliuretano. c)

Leia mais

Posição viciosa de cabeça por astigmatismo mal corrigido: relato de caso

Posição viciosa de cabeça por astigmatismo mal corrigido: relato de caso RELATOS DE CASOS Posição viciosa de cabeça por astigmatismo mal corrigido: relato de caso Abnormal head position caused by incorrect prescription for astigmatism: case report Flávia Augusta Attié de Castro

Leia mais

3. RESULTADOS DA REVISÃO DE LITERATURA

3. RESULTADOS DA REVISÃO DE LITERATURA Nota Técnica 111/2014 Data: 12/06/2014 Solicitante: Drª. Mônika Alessandra Machado Gomes Alves Juíza de Direito do Juizado Especial de Unaí Nº Processo: 0042547-55.2014 Medicamento Material Procedimento

Leia mais

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Willian Augusto de Melo 1 ; Francislaine Men Castellini

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOSQUISE HEREDITÁRIA RELACIONADA AO CROMOSSOMA X

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOSQUISE HEREDITÁRIA RELACIONADA AO CROMOSSOMA X NT 116 2014 Solicitante: Dr. Leonardo Guimarães Moreira Juizado Especial da Comarca de Guanhães/MG Data: 08/06/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0280.14.002411-6 TEMA:

Leia mais

TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação

TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação 8 Teste do Olhinho TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação Quando estava grávida, descobri que, logo ao nascer, de preferência na maternidade, todo bebê deve fazer um exame

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a edema macular secundário a oclusão da veia retiniana (OVR) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

Estado Refrativo em Crianças com Retinopatia da Prematuridade Tratada com Laser e/ou Bevacizumab

Estado Refrativo em Crianças com Retinopatia da Prematuridade Tratada com Laser e/ou Bevacizumab Oftalmologia - Vol. 40: pp.127-131 Artigo Original Estado Refrativo em Crianças com Retinopatia da Prematuridade Tratada com Laser e/ou Bevacizumab Mário Ramalho 1, Fernando Vaz 2, Cristina Santos 1, Inês

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

Perfil demográfico dos pacientes atendidos na Campanha de Catarata da Santa Casa de Porto Alegre

Perfil demográfico dos pacientes atendidos na Campanha de Catarata da Santa Casa de Porto Alegre ARTIGO ORIGINAL 89 Perfil demográfico dos pacientes atendidos na Campanha de Catarata da Santa Casa de Porto Alegre Demographic profile of patients assisted on Cataract Campaign in Santa Casa de Porto

Leia mais

Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico

Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico Síndrome Acta Oftalmológica de Múltiplas 13; Manchas 27-32, 2003 Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico 27 Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico

Leia mais

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Fundo de Olho e Retinopatia Diabética Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Exame de Fundo de Olho Importância - Patologias nervo óptico, coróide e retina Doenças oculares e

Leia mais

Prevalência de ambliopia e capacidade preditiva da triagem ocular para o exame oftalmológico em pré-escolares

Prevalência de ambliopia e capacidade preditiva da triagem ocular para o exame oftalmológico em pré-escolares Prevalência de ambliopia e capacidade preditiva da triagem ocular para o exame oftalmológico em pré-escolares Ana Letícia de Souza Godoi; Bruna Suelen Raymundo Luz; Cristina Sousa Araújo; João Paulo Issamu

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O cérebro do bebé prematuro é particularmente frágil. Uma das complicações que pode ocorrer é a hemorragia. Felizmente esta hemorragia ocorre, não no tecido nervoso

Leia mais

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Nelson Gouveia Depto. de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo EVIDÊNCIAS DE EFEITOS DA POLUIÇÃO

Leia mais

Prevalência e fatores de risco para a retinopatia da prematuridade: estudo com 450 pré-termos de muito baixo peso

Prevalência e fatores de risco para a retinopatia da prematuridade: estudo com 450 pré-termos de muito baixo peso 22 ARTIGO ORIGINAL Prevalência e fatores de risco para a retinopatia da prematuridade: estudo com 450 pré-termos de muito baixo peso Prevalence and risk factors for retinopathy of prematurity: study with

Leia mais

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética Conselhos Directivos das Administrações Regionais

Leia mais

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO)

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) 17/04/2015 NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) SOLICITANTE : Juiz Paulo Roberto Maia Ferreira 1ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

AUTORES: ¹ Gabriel Aguiar Carvalho, ² Luiz Fernando Rossilho de Figueiredo Filho,³ Bruno Busch Cameschi, ⁴ Lucas Boreli Bovo

AUTORES: ¹ Gabriel Aguiar Carvalho, ² Luiz Fernando Rossilho de Figueiredo Filho,³ Bruno Busch Cameschi, ⁴ Lucas Boreli Bovo NÚMERO: 21 TÍTULO: Síndrome de Horner na Infância após cirurgia de tumor no Mediastino Relato de caso / Horner s Síndrome in Childhood Neuroblastoma in post mediastinum - Case Report AUTORES: ¹ Gabriel

Leia mais

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Alexandre Chater Taleb Universidade Federal de Goiás Especialização do C taleb@uol.com.br de Especialização Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Portaria

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a Degenerescência Macular relacionada com a Idade (DMI) neovascular (húmida) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis Este caderno

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 49 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Oftalmologia Causas de baixa visão e cegueira em crianças Departamento de Medicina do Sono

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

DR. EVANDRO LUÍS ROSA CRM-SC 5957 RQE 2245

DR. EVANDRO LUÍS ROSA CRM-SC 5957 RQE 2245 DR. EVANDRO LUÍS ROSA CRM-SC 5957 RQE 2245 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduado em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina 1992. Especializado em Oftalmologia no Hospital de Olhos Sadalla Amin

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 6.806 DE 2010 (Apenso Projeto de Lei Nº 6.909/2010)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 6.806 DE 2010 (Apenso Projeto de Lei Nº 6.909/2010) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 6.806 DE 2010 (Apenso Projeto de Lei Nº 6.909/2010) Cria o Programa Nacional de Combate à Retinoblastoma e aos Tumores Embrionários e dá outras

Leia mais

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Oftalmologia - Vol. 38: pp.7- Artigo Original Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Mónica Franco, Cristina Pereira, Luisa Colaço, Raquel Seldon 2, Ana Vide Escada 2, Gabriela Varandas 3, Maria

Leia mais

Evisceração: análise de 126 procedimentos realizados no setor de plástica ocular do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre entre 1988 e 2002

Evisceração: análise de 126 procedimentos realizados no setor de plástica ocular do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre entre 1988 e 2002 ARTIGO ORIGINAL 257 Evisceração: análise de 126 procedimentos realizados no setor de plástica ocular do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre entre 1988 e 2002 Evisceration: retrospective analysis of

Leia mais

Rastreio oftalmológico infantil dos 0 aos 6 meses

Rastreio oftalmológico infantil dos 0 aos 6 meses Rastreio oftalmológico infantil dos 0 aos 6 meses Recomendações da Secção de Pediatria do Ambulatório da SPP (Aprovadas pela Sociedade Portuguesa de Oftalmologia) Autores Fátima Pinto Assistente Graduada

Leia mais

Autor : Dr André Hamada medico assistente do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal

Autor : Dr André Hamada medico assistente do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal TUMORES INTRA OCULARES Autor : Dr André Hamada medico assistente do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal Melanoma maligno de coróide Composto de células epitelióides e fusiformes A e B 1: 1 milhão USA

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Introdução Revisão de Literatura

Introdução Revisão de Literatura PROMOÇÃO DA SAÚDE OCULAR NA ESCOLA: CONTRIBUIÇÕES DOS ACADÊMICOS E PARA OS ACADÊMICOS DE CURSOS DA SAÚDE BAIOTTO, Cléia Rosani 1 ; FREIBERGER, Caroline 2 ; LINCK, Isaura Luiza Donati 3 Resumo A detecção

Leia mais

10 //talento SONHO NA CABEÇA E UM PINCEL NAS MÃOS 11 //veja você UM CASO DE CONQUISTA E SUPERAÇÃO

10 //talento SONHO NA CABEÇA E UM PINCEL NAS MÃOS 11 //veja você UM CASO DE CONQUISTA E SUPERAÇÃO Informativo do Instituto da Visão // Ano II // Nº 14 // Setembro/Outubro 2011 www.institutodavisao.com 10 //talento SONHO NA CABEÇA E UM PINCEL NAS MÃOS 11 //veja você UM CASO DE CONQUISTA E SUPERAÇÃO

Leia mais

Análise da Prevalência e Epidemiologia da Catarata na População Atendida no Centro de Referência em Oftalmologia da Universidade Federal De Goiás

Análise da Prevalência e Epidemiologia da Catarata na População Atendida no Centro de Referência em Oftalmologia da Universidade Federal De Goiás Análise da Prevalência e Epidemiologia da Catarata na População Atendida no Centro de Referência em Oftalmologia da Universidade Federal De Goiás Lais Leão Oliveira 1, Marcos Pereira de Ávila 2, David

Leia mais

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita NOTA TÉCNICA 148/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito - Comarca de Itamarandiba - MG. Processo número: 0325 14 001739-4 Data: 22/07/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA

OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA EMBRIOGÊNESE DO APARELHO OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA ÓPTICA Profa. Dra. MARIA ANGÉLICA SPADELLA Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Cronologia do Desenvolvimento: Início do desenvolvimento:

Leia mais

Doenças sistémicas e implicações para a visão

Doenças sistémicas e implicações para a visão Doenças sistémicas e implicações para a visão O papel do Optometrista é cada vez mais de importante, tanto na detecção de anomalias como no acompanhamento das previamente detectadas por médico. Muitas

Leia mais

ADAPTADOR EM RELEVO. Todas as afirmações corretas estão em: A - I - II - III B - I - II - IV C - II - III - V D - III - IV E - IV - V

ADAPTADOR EM RELEVO. Todas as afirmações corretas estão em: A - I - II - III B - I - II - IV C - II - III - V D - III - IV E - IV - V ADAPTADOR EM RELEVO 16. A avaliação das funções visuais tem como objetivo o diagnóstico do tipo de defeito óptico do paciente, a predição do uso do auxílio óptico e sua magnificação, a avaliação da visão

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA NOTA TÉCNICA 207/2013 Solicitante Juíza MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA Processo número: 166.13.001954-9 (0019549-92.2013.8.13.0166) Data: 29/10/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações para a utilização de anticorpos anti fator de crescimento do endotélio vascular

Leia mais

Arquivos Catarinenses de Medicina

Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina ISSN (impresso) 0004-2773 ISSN (online) 1806-4280 ARTIGO ORIGINAL Incidência de Retinopatia da Prematuridade no Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa

Leia mais

O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm?

O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm? O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm? Gustavo Rêgo Coêlho! Professor Adjunto do Departamento de Cirurgia! Serviço de Cirurgia I e Transplante de Fígado! Hospital Universitário Walter Cantídio!

Leia mais

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida Tornando a visão uma prioridade de saúde Enxergue bem durante toda a sua vida A visão de todos nós pode mudar com a idade Algumas alterações na visão podem dificultar a realização de tarefas diárias. Estas

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

PARECER CFM nº 33/15 INTERESSADO: Sr. M.A.G. Dupla sutura corneana para correção de hipermetropia pósceratotomia

PARECER CFM nº 33/15 INTERESSADO: Sr. M.A.G. Dupla sutura corneana para correção de hipermetropia pósceratotomia PARECER CFM nº 33/15 INTERESSADO: Sr. M.A.G. ASSUNTO: Dupla sutura corneana para correção de hipermetropia pósceratotomia radial RELATOR: Cons. José Fernando Vinagre EMENTA: A aplicação de sutura corneana

Leia mais

FRESHCLEAR ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de fenilefrina 0,12% álcool polivinílico 1,4%

FRESHCLEAR ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de fenilefrina 0,12% álcool polivinílico 1,4% FRESHCLEAR ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de fenilefrina 0,12% álcool polivinílico 1,4% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE MEDICINA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE MEDICINA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE MEDICINA Retinopatia da Prematuridade: uma análise de sua prevalência na América Latina Juliana Zimmermann Carrion Canoas, novembro de

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Relatório de Estágio Suspeita de Retinopatia Diabética Adaptação de LC Multifocais Excesso de Convergência Jacinta Marisa de Jesus Almeida Relatório de

Leia mais

Plenária Temática. O fechamento de Maternidades e Unidades de Terapia Intensiva Neonatais no Estado de São Paulo

Plenária Temática. O fechamento de Maternidades e Unidades de Terapia Intensiva Neonatais no Estado de São Paulo Plenária Temática O fechamento de Maternidades e Unidades de Terapia Intensiva Neonatais no Estado de São Paulo Dr. Mário Roberto Hirschheimer Presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo SPSP Coordenador

Leia mais

RETINOPATIA DA PREMATURIDADE

RETINOPATIA DA PREMATURIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO MATERNO-INFANTIL FELIPE OLIVEIRA NUNES RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NITERÓI 2002 FELIPE OLIVEIRA NUNES RETINOPATIA

Leia mais

Como fazer um Parecer

Como fazer um Parecer Como fazer um Parecer Técnico-Científico PTC? Fernanda Laranjeira Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL XX CONGRESSO BRASILEIRO DE FÍSICA MÉDICA SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM MEDICINA OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica SOLICITANTE Dra. Denise Canêdo Pinto Juíza de Direito da Segunda Vara Cível da Comarca de Ponte Nova

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 060/2012

PROJETO DE LEI Nº 060/2012 PROJETO DE LEI Nº 060/2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade da realização do exame para diagnóstico da retinopatia da prematuridade, TESTE DO OLHINHO, nos recém-nascidos, antes da alta hospitalar, em Hospitais

Leia mais

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294 DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294 FORMAÇÃO Graduação em Medicina: Escola Paulista de Medicina (1976-1981). Residência Médica em Oftalmologia: Escola Paulista de Medicina (1982-1983). Título de Especialista:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 251/2013

RESPOSTA RÁPIDA 251/2013 RESPOSTA RÁPIDA 251/2013 SOLICITANTE Dr Napoleão da Silva Chaves Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre/MG NÚMERO DO PROCESSO 0067592-16.2014.8.13.0525 DATA 08/05/2014 Prezados, Conforme Termo de

Leia mais

LENTES DE CONTACTO EM IDADE PEDIÁTRICA

LENTES DE CONTACTO EM IDADE PEDIÁTRICA LENTES DE CONTACTO EM IDADE PEDIÁTRICA Serviço de Oftalmologia do Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca,EPE Director do Serviço: Dr. António Melo Coordenadora Contactologia: Dr.ª Cristina Vendrell Mafalda

Leia mais

VISÃO: MITOS E VERDADES

VISÃO: MITOS E VERDADES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira VISÃO: MITOS E VERDADES Quem usa óculos enxerga pior à noite? Os míopes enxergam menos à noite, mesmo

Leia mais

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 Ementa: Realização do exame de fundo de olho por Enfermeiro. 1. Do fato Enfermeira solicita parecer sobre a competência do Enfermeiro para

Leia mais