PRÁTICAS DE COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO NO INSTITUTO DE PESQUISAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS (IPAT)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICAS DE COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO NO INSTITUTO DE PESQUISAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS (IPAT)"

Transcrição

1 ISSN PRÁTICAS DE COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO NO INSTITUTO DE PESQUISAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS (IPAT) Roseli Jenoveva Neto (UNESC) Afonso Valau de Lima Junior (UNESC) Gregório Varvakis (UFSC) Neri dos Santos (UFSC) Resumo Na sociedade contemporânea, o conhecimento transformou-se no principal fator de produção. A principal característica dessa nova sociedade é a direção para a produção de valor, passando do capital, da terra e da mão de obra para a informaçãoo e o conhecimento. Os elementos condutores e facilitadores da Gestão do Conhecimento (GC) são: pessoas, processos, tecnologia e liderança. Neste contexto o objetivo deste trabalho foi descrever como ocorrem as práticas de compartilhamento de conhecimento no Instituto de Pesquisas Ambientais e Tecnológicas (IPAT). A metodologia quanto aos fins pode ser caracterizada como descritiva e quanto aos meios de investigação foi bibliográfica e de campo. Para a elaboração do questionário foi utilizado como referência o Manual de Métodos e Ferramentas compilado e aprovado pela Ásian Productivity Organization (APO). Como resultado da pesquisa destaca-se que a tecnologia propicia uma plataforma para a retenção do conhecimento organizacional, mas muito mais do que pelas tecnologias, o compartilhamento do conhecimento é viabilizado pela motivação, relacionamento e confiança entre as pessoas bem como pelo papel da liderança. O termo Gestão do Conhecimento Organizacional não é muito conhecido pelo setor, no entanto utilizam técnicas e ferramentas que podem ser classificadas como práticas de compartilhamento e gestão do conhecimento. Palavras-chaves: Gestão do Conhecimento organizacional. Compartilhamento do Conhecimento. Métodos e ferramentas APO

2 1. INTRODUÇÃO A presença do conhecimento acompanha a trajetória da história humana. No livro A riqueza e a pobreza nas nações, David Landes, descreve que, nos últimos 600 anos, é a sociedade baseada no conhecimento que explica porque alguns países ficaram mais ricos. O conhecimento constitui o eixo estruturante do desempenho das organizações e da sociedade contemporânea. Difundem-se expressões sociedade do conhecimento, economia baseada no conhecimento, redes de conhecimento, trabalhadores do conhecimento (TERRA, 2000). A principal característica dessa nova sociedade é a direção para a produção de valor, passando do capital, da terra e da mão-de-obra para a informação e o conhecimento. Esse conjunto de mudanças indica que o compartilhamento das informações no sentido de transformá-la em conhecimento é um desafio para as organizações. Em alguns aspectos o conhecimento é o oposto do capital, porque o conhecimento cresce quando compartilhado, enquanto que o conhecimento não utilizado se deteriora (SANTOS, 2005). O conceito de dado, informação e conhecimento, conforme Davenport e Prusak (1998) é que dado são observações sobre alguma coisa ou realidade, facilmente estruturada, facilmente obtida por máquinas, freqüentemente quantificado e facilmente transferível. As informações são os dados dotados de relevância e propósito. Requer unidade de análise, necessita de consenso em relação ao significado e necessita da interferência humana. Já o conhecimento são informações valiosas, resultado da mente humana. Inclui reflexão, síntese, contexto. De difícil estruturação, de difícil captura em máquinas, freqüentemente tácito e de difícil transferência. Para Bhatt, (2000), em geral, dados são considerados fatos novos, a informação é tida como um conjunto organizado de dados, e o conhecimento é percebido como uma informação com sentido. De acordo com o Comitè Europèen de Normalisation (2008), a Gestão do Conhecimento (GC) consiste, essencialmente, em facilitar os processos de criação de compartilhamento e de utilização dos conhecimentos. Não se trata de implantar um novo departamento e nem mesmo um novo sistema de informatização de gestão, mas de introduzir mudanças nos métodos de trabalho. É a gestão das atividades e processos que promovem o conhecimento para o aumento da competitividade por meio do melhor uso deste e da criação de fontes de conhecimento individuais e coletivas. A GC é um processo que trata da 2

3 conversão do conhecimento por meio de ações relacionadas à criação, codificação e disseminação deste conhecimento, a fim de assegurar a sustentabilidade da organização. Segundo Richard Crawford (1994) citado por Santos (2005), o conhecimento apresenta quatro características: a) o conhecimento é difundível; b) o conhecimento é substituível; c) o conhecimento é transportável e; d) o conhecimento é compartilhável. Diante deste contexto este trabalho tem como objetivo verificar as formas de compartilhamento de conhecimento praticadas pelo Instituto de Pesquisas Ambientais (PAT) da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC.) 2. A GESTÃO E O COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO Na literatura existem diversas definições para Gestão do Conhecimento (GC) ou Knowledge Management (KM), mas em geral é conhecido como um processo articulado, contínuo e intencional de criação ou geração, codificação, disseminação ou compartilhamento e apropriação ou incorporação do conhecimento. Existem várias formas de abordar a GC e cada organização pode definir a sua. De acordo com Terra (2000) uma das características mais fundamentais do conhecimento é o fato de ser altamente reutilizável, ou seja, quanto mais utilizado e difundido, maior o seu valor. Nonaka e Takeuchi (1977) tratam o conhecimento a partir de duas dimensões de análise: epistemológica e ontológica (fig.1). Na dimensão epistemológica trata-se do conhecimento tácito e explícito. O conhecimento explícito pode ser formalizado e transmitido por processos formais entre os indivíduos, já o tácito é o conhecimento pessoal incorporado e difícil de ser transmitido. Na dimensão ontológica, o conhecimento tácito dos indivíduos constitui a base do conhecimento organizacional, pois uma organização não pode criar conhecimento sozinha. O conhecimento tácito mobilizado é ampliado organizacionalmente através dos quatro modos de conversão do conhecimento e cristalizado em níveis ontológicos superiores (p.82). 3

4 Figura 1: Espiral do Conhecimento Fonte: Santos e Varvakis (2010). Adaptado de Nonaka e Takeuchi (1997). Conforme Nonaka e Takeuchi (1997) o compartilhamento do conhecimento numa organização é o processo de socialização destes nos diferentes níveis da dimensão ontológica (do individual para o grupo e deste para a organização). Assim, a criação do conhecimento organizacional é um processo em forma de espiral, que inicia no nível individual, vai se ampliando e interagindo entre os setores na organização e com o ambiente externo. Os autores referem-se à transferência de conhecimento quando se referem à dimensão ontológica do conhecimento organizacional. Para eles o conhecimento tácito é ampliado na organização por meio dos quatro modos de conversão do conhecimento, cujo processo denominou de espiral do conhecimento (fig.1). Santos e Varvakis (2010) adaptam a espiral do conhecimento de Nonaka e Takeuchi, acrescentando a noção de competência. Para Polanyi (1998), citado por Magnani (2004) o termo transferência não é exatamente apropriado, porque o conhecimento não pode ser manipulado como um objeto, o recebedor reconstrói sua versão do conhecimento recebido do fornecedor, e muito do conhecimento de um especialista é tácito. Por esta razão, os chamados métodos de aquisição de conhecimento não podem esperar capturar tudo que um especialista sabe. Sistemas para capturar conhecimento de especialistas devem ser abertos para que se possam adicionar conhecimentos que surgem no contexto da realização do trabalho. Sendo assim a expressão transferência de conhecimento vem sendo substituída por compartilhamento de conhecimento. 4

5 O conhecimento individual é traduzido em conhecimento organizacional por meio do fluxo do conhecimento tácito para explícito. Baseados, então, na premissa de que o conhecimento é criado a partir de vários processos de conversão entre conhecimento tácito e explícito, os autores concluem sobre a existência de quatro modos de conversão de conhecimento: Socialização, Externalização, Combinação e Internalização (fig.2) Figura 2: Quatro modos de conversão do conhecimento (tácito-explícito) Fonte: adaptado de NONAKA & TAKEUCHI (1977) Em sua obra, os autores enfatizam a importância do contexto de capacitação para o compartilhamento do conhecimento. O contexto capacitante de acordo com os autores combina espaço físico (ambientes físicos adequados), espaço virtual ( , intranet), e espaço mental (experiências e idéias compartilhadas). Wilson, Goodman e Cronim (2007) sugerem uma estrutura baseada nos processos básicos de aprendizagem em nível de grupo, quais sejam: compartilhamento, armazenamento e recuperação. a) Compartilhamento - como o processo no qual novo conhecimento, rotinas e comportamentos são disseminados entre os membros do grupo. Com o processo de entendimento ou compreensão e aprendizagem o conhecimento passa a fazer parte do grupo e não de parte dos indivíduos. 5

6 b) Armazenamento - é o processo que define como o conhecimento que foi aprendido pelo grupo deve ser armazenado e retido em repositórios de memória ou armazenados em locais de uso compartilhado. Existem os repositórios tácitos e explícitos. c) Recuperação - ocorre quando os membros do grupo podem encontrar e acessar o conhecimento armazenado. Os três processos são importantes, mas o compartilhamento é o núcleo mais importante, pois é quando desencadeia a aprendizagem. Aprendizagem individual é a base para o desenvolvimento de capacidades, mas a aprendizagem do grupo e da organização, por meio do compartilhamento e colaboração de conhecimentos, tem uma maior repercussão no sucesso organizacional. Os elementos condutores e facilitadores da GC são: pessoas, processos, tecnologia e liderança. a) Pessoas: O indivíduo é o elemento criador do conhecimento, o grupo é o elemento síntese e a organização é o elemento ampliador do conhecimento. De acordo com As pessoas desempenham um papel importante nos processos chave de GC, sobretudo de criação, compartilhamento e aplicação de conhecimento. As pessoas são geradoras e usuárias, criam e formam o capital intelectual da organização. São os repositórios de conhecimento tácito. O valor adicionado pelas pessoas contexto, experiência e interpretação que transforma os dados e informações em conhecimento. O sucesso de grande parte dos projetos de GC depende da vontade das pessoas em compartilhar conhecimentos. b) Processos: Os processos referem-se a um fluxo de ocorrências que descrevem como os eventos funcionam na organização. São sequencias de etapas sociais e tecnológicas, e na medida em que são projetados de forma eficaz contribuem para a melhoria da produtividade, qualidade, lucratividade e crescimento da organização. Devem ser avaliados periodicamente, incorporando novos conhecimentos e melhores práticas. O conhecimento está presente em todos os processos e se bem desenhado pode garantir um efetivo fluxo de conhecimentos. c) Tecnologia: As tecnologias possibilitam acelerar os processos de GC, fornecendo técnicas e ferramentas eficazes que auxiliam na criação, armazenamento, compartilhamento e aplicação do conhecimento. Auxiliam na explicitação do conhecimento por meio de diversas ferramentas. Em caso de conhecimento tácito, a tecnologia facilita a colaboração on line e off line, levando a uma melhor comunicação e compartilhamento, tanto em nível formal como informal, permitindo a participação ao longo do tempo e à distância no processo de criação, compartilhamento e na retenção do conhecimento organizacional. 6

7 Conforme Bhatt (2000), em geral as organizações podem usar tecnologias ou podem ter uma abordagem informal na gestão do conhecimento. Mas para sustentar uma vantagem competitiva em longo prazo, uma firma precisa criar um ajuste entre seus sistemas sociais e tecnológicos. As tecnologias podem ser usadas para aumentar a eficiência das pessoas e aumentar também o fluxo de informação dentro da organização, enquanto os sistemas sociais tais como comunidades de práticas melhoram interpretações, trazendo múltiplas visões da informação. c) Liderança: A liderança gerencia e conduz as iniciativas de GC na organização. O envolvimento e apoio de uma liderança estratégica são fundamentais para o êxito de iniciativas de GC na organização. Portanto é vital o envolvimento da liderança desde o início. A liderança é necessária para construir o contexto apropriado para que diferentes processos de conhecimento possam ser desenvolvidos com sucesso. Por consequência, gestores de conhecimento devem tomar cuidado com o papel do facilitador, promovendo independência de trabalho, bem como a experimentação que é necessária para estimular a criatividade (DAVENPORT e PRUSAK, 1998). De acordo com Kozminsk e Kociatkiewicz (2009), os líderes devem facilitar o desenvolvimento da GC, promovendo a colaboração e participação entre empregados em relação o compartilhamento, transferência e aplicação do conhecimento. Outros elementos podem ser utilizados como suporte no sentido de facilitar o desenvolvimento dos processos de GC e cada organização irá avaliar as suas ações. Algumas organizações podem acreditar que enfatizando um ou outro elemento condutor podem gerir conhecimento. Entretanto, segundo Bhatt, (2000) o foco exclusivo em pessoas, tecnologias, processo ou liderança não permitem uma firma sustentar suas vantagens competitivas. É mais que isso, é com a interação entre estes que permitem a uma organização gerir seu conhecimento efetivamente. Os sistemas sociais e tecnológicos são igualmente importantes na gestão do conhecimento. Criando um ambiente do tipo aprender fazendo, uma organização pode sustentar suas vantagens competitivas. A conversão entre dado e informação é eficientemente manipulada por meio das tecnologias de informação, mas somente a TI é um substituto fraco para converter informação em conhecimento. A conversão entre informação e conhecimento acontece por meio das pessoas. A tecnologia da informação utilizada na GC, segundo Davenport e Prusak (1998), é aquela que não apenas capta e distribui o conhecimento estruturado, mas também viabiliza a transferência de conhecimento tácito entre as pessoas. 7

8 Como exemplo pode-se citar um dos meios de suporte ao processo de compartilhamento de conhecimento, o manual aprovado pela Asian Productivity Organization (APO), especificamente as ferramentas não tecnológicas e tecnológicas de apoio a GC. 3. TÉCNICAS E FERRAMENTAS Manual A.P.O Em agosto de 2009, em Cingapura, uma equipe de especialistas e profissionais envolvidos em Knowledge Management (KM) de todo o mundo, incluindo o EUA, Reino Unido, Japão, Singapura, e da Secretaria APO compilou e publicou em 2010, Knowledge Management Tools and Techniques Manual, com a aprovação da Asian Productivity Organization (APO). O objetivo foi fornecer ferramentas práticas para auxiliar os implementadores de GC, gestores de pequenas e médias empresas e outros usuários. De acordo com esta publicação, representa as técnicas e ferramentas efetivadas com maior sucesso pelas organizações em todo o mundo, dentro de suas iniciativas de implementação de GC. O grupo usou a tecnologia Wiki livre durante a produção do referido manual. O mesmo pode ser acessado no O processo KM preocupa-se com cinco etapas fundamentais: 1. Identificação do conhecimento 2. Criação do conhecimento 3. Armazenamento do conhecimento 4. Compartilhamento do conhecimento 5. Aplicação do conhecimento As técnicas e ferramentas listadas nos quadros 1 e 2 não se encontram em ordem de importância ou hierarquia, estão listados como Não Tecnológicas e Tecnológicas. Quadro n.1: Ferramentas não tecnológicas Descrição das Ferramentas Não Tecnológicas a) Comunidades de Prática: são grupos informais e interdisciplinares de pessoas i) After Action Review: é uma técnica para avaliar e capturar as lições 8

9 unidas em torno de um interesse comum. As comunidades são auto-organizadas de modo a permitir a colaboração de pessoas internas ou externas ao grupo; propiciam o veículo e o contexto para facilitar a transferência de melhores práticas e o acesso a especialistas, bem como a reutilização de modelos, de conhecimentos e das lições aprendidas. b) Mentoring: é uma relação de trabalho entre um membro mais experiente e um iniciante com uma agenda designada à troca de experiência e aprendizado. O mentor aconselha, oferece coaching nas atividades e promove o plano de carreira do mentorado. c) Narrativas: é usada quando uma pessoa que possui um conhecimento interessante conta estórias de sua experiência para outras pessoas que desejam adquirir novo conhecimento. Através deste método simples, se bem realizado, é possível compartilhar conhecimentos bastante aprofundados ao invés de apenas informações. d) Mapeamento do Conhecimento: é um processo pelo qual o grupo pode identificar e categorizar seus ativos de conhecimento (pessoas, processos e tecnologia), localizando-os e organizando-os que maneira que possam ser disponibilizadas para consulta. Consiste na construção de um mapa para localizar a informação necessária e apontar onde encontrar cada tipo de conhecimento no grupo, dentre documentos, pessoas e bancos de dados. e) Brainstorming: é uma atividade que consiste em reunir um grupo de pessoas para gerar idéias inovadoras. O processo é dividido em 2 etapas: Divergente e convergente. Na primeira etapa não há julgamentos sobre as idéias; e na segunda etapa as mesmas idéias são analisadas com critérios de viabilidade. f) Ambiente de trabalho (físico) colaborativo: trata-se de um espaço físico que possibilite interações entre os membros do grupo e proporcione um aprendidas após o término de algum projeto. Permite aos membros do grupo saberem o que aconteceu, o porquê aconteceu e como manter os pontos fortes e melhorar os pontos fracos. Uma AAR normalmente ocorre ao final de um projeto formal, diferentemente das Learning Reviews (próxima prática) que podem ocorrer várias vezes durante o mesmo projeto. j) Learning reviews: é uma técnica utilizada em equipes de projetos para auxiliar a aprendizagem coletiva e individual durante o processo de trabalho. Normalmente é conduzida após reuniões, projetos ou eventos em geral. Um evento pode ser, por exemplo, uma reunião de planejamento. k) Socialização: consiste em iniciativas, eventos, que favoreçam a socialização entre os indivíduos e conseqüentemente a conversão de conhecimento "tácito-tácito". Por exemplo: confraternizações. l) Reuniões: são reuniões periódicas, com a finalidade de discutir temas de trabalho, administrativos, resultados de pesquisas, etc. m) Literature review clubs: é uma forma de indivíduos discutirem as literaturas mais relevantes às linhas de pesquisa do grupo. Podem ser estruturados como clubes de leitura a partir de subgrupos do grupo como um topo. É um excelente modo de analisar pesquisas recentes com uma visão crítica. n) KM maturity model: instrumento que ajuda o grupo a diagnosticar seu progresso relativo na implementação de GC em um nível mais aprofundado. Pode ser descrito como uma coleção estruturada de elementos que descrevem os diferentes níveis de maturidade da GC no grupo. Neste sentido, pode ser visto como um modelo para apoiar e manter a gestão do conhecimento de forma contínua. 9

10 ambiente de trabalho favorável ao compartilhamento e a criação de conhecimento. g) Knowledge cafés: é uma maneira de se obter discussões em grupo, para refletir, desenvolver e compartilhar quaisquer pensamentos e ideias que surgem de um jeito não confrontacional. Um KCafe evita qualquer julgamento e normalmente leva a um maior desenvolvimento e compartilhamento que o normal. h) Learning and Idea capture: é a captura do aprendizado e idéias que vão surgindo, de forma coletiva e sistemática. As idéias devem ser capturadas no mesmo momento em que são criadas, usando algum tipo de ferramenta de auxílio (ex.: notepad, camera, voice rec, google Knols, etc. Fonte: Manual A.P.O. o) Melhores práticas: refere-se à identificação e à difusão...continuaçã de melhores práticas, que podem o Continua... ser definidas como um procedimento validado para a realização de uma tarefa ou solução de um problema. Inclui o contexto no qual pode ser aplicado. São documentadas por meio de bancos de dados, manuais ou diretrizes. p) Processo de nivelamento: refere-se ao processo de selecionar uma bibliografia básica para a leitura e discussões, a fim de nivelar o conhecimento de novos integrantes do grupo com o conhecimento mínimo necessário para todos. q) Manual de Qualidade: é um guia de procedimentos das atividades desenvolvidas pelo grupo, com a descrição detalhada de como realizar uma tarefa e a definição de quem serão os responsáveis, principalmente pelas tarefas que têm um fluxo periódico. 10

11 Quadro n.2: Ferramentas Tecnológicas a) Expertise locator: é uma ferramenta de TI que facilita o uso (e/ou compartilhamento) eficiente e efetivo do conhecimento existente conectando as pessoas que precisam de um conhecimento particular às pessoas que detém esse conhecimento. b) Sistema de Gestão de documentos: é um repositório de arquivos que permite a manutenção das informações contidas em documentos do grupo. Exige uma boa categorização e/ou taxonomia e metadados e serve para procura e localização da informação certa no momento certo. c) Portal do conhecimento: é um espaço web de integração de sistemas corporativos, com segurança e privacidade dos dados; pode constituir-se em um verdadeiro ambiente de trabalho e repositório de conhecimento para o grupo e seus colaboradores, e também como plataforma para comunidades de prática, redes de conhecimento e melhores práticas. Nos estágios mais avançados, permite customização e personalização da interface para cada um dos usuários. d) Bases do conhecimento (wikis): são bases de dados ou conhecimento acumulados sobre um determinado assunto. Podem ser estruturadas, por exemplo, a partir de wikis (ferramenta colaborativa, tipo wikipedia) para explicitação / externalização de conhecimentos, por meio da construção colaborativa do conhecimento por membros do grupo. As bases de conhecimento são úteis para manter os conhecimentos explícitos críticos para um grupo (ou organização). Descrição das Ferramentas Tecnológicas e) Blogs: é uma forma bem simples de "journal style" website que contém uma lista de entradas, normalmente na ordem cronológica inversa. Possibilita inserir informações sobre acontecimentos (notícias) do grupo e permite que membros internos e externos façam comentários sobre as informações postadas. f) Ambiente de trabalho (virtual) colaborativo: trata-se de um espaço virtual que possibilita que membros do grupo (e externos) trabalhem juntos, independente de onde estejam localizados. Envolve a combinação de ferramentas de compartilhamento de documentos, edição colaborativa, videoconferência, etc. Por exemplo: Dropbox, Web20/comunidades. g) Redes Sociais: são redes sociais (entre os membros do grupo ou então do NGS com externos) para potencializar o compartilhamento do conhecimento no grupo. Podem-se utilizar redes sociais já existentes, e seus respectivos grupos de discussão, ou criar novos grupos ou outras ferramentas de redes sociais. h) Building knowledges clusters: Knowledge Cluster é um termo dado a um grupo que cria, inova e dissemina novos conhecimentos (como resultado de estar conectado). Em outras palavras, diferentes indivíduos, grupos e organizações podem se conectar, virtualmente, para se comunicarem melhor, colaborar, aprender e compartilhar conhecimento através do cluster. i) Vídeo sharing: é a habilidade de publicar conteúdos em vídeo na web, mesmo que apenas para um público específico ou então ao mundo inteiro. Fonte: Manual A.P.O. 11

12 3. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS Para a classificação da pesquisa, toma-se como base a taxionomia apresentada por Vergara (2009), que a qualifica em relação a dois aspectos: quanto aos fins e quanto aos meios de investigação. Quanto aos fins a pesquisa pode ser caracterizada como descritiva e quanto aos meios de investigação foi bibliográfica e de campo. A coleta de dados se deu por meio de entrevista com o gestor e questionário direcionado aos técnicos do setor. As questões foram elaboradas tendo como referencia o manual da A.P.O. O instrumento contou com 28 questões fechadas dividido em ferramentas não tecnológicas e tecnológicas e uma questão aberta. Realizou-se uma reunião com o setor explicitando o objetivo da pesquisa, a leitura e os esclarecimentos de cada uma das questões. Posteriormente foram disponibilizados e respondidos pelo ambiente web, por meio da ferramenta Google docs. Foram enviados 14 questionários e 09 retornaram. 4. RESULTADOS DA PESQUISA E CONSIDERAÇÕES Com base nas ferramentas, contidas no manual (quadros n.1 e n.2), foi realizada a pesquisa no Instituto de Pesquisas Ambientais Tecnológicas (IPAT). O Instituto que faz parte da estrutura do Parque científico e tecnológico (Iparque) da UNESC (Universidade do Extremo Sul Catarinense) e é voltado para a criação de soluções para a área ambiental. O IPAT congrega diversas especialidades com a missão de interagir com a comunidade por meio da prestação de serviços de excelência e da proposição de soluções nas áreas ambiental e tecnológica, apoiando atividades de ensino e pesquisas de graduação, especialização, mestrado e doutorado, além de atividades de extensão com projetos que beneficiam as comunidades local e regional. A Instituição busca em seus ideais a melhor qualidade de vida das pessoas, contribuindo na construção de um ambiente equilibrado e que possibilite desenvolvimento humano e tecnológico. O IPAT desenvolve importantes trabalhos nas áreas Ambiental, Arqueológica, de Cartografia e Geoprocessamento. Os gráficos n.1 e 2 apresentam o resultado da pesquisa referente às práticas de GC por tipo de ferramenta (Não tecnológica e Tecnológica). Os respondentes deveriam considerar se a ferramenta era praticada (amplamente ou iniciativas isoladas) e se eram relevantes ou não. 12

13 Gráfico n.1: Ferramentas Não Tecnológicas VIII CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO Comunidades de Prática Mentoring Narrativas Mapeamento do conhecimento Brainstorming Ambiente de trabalho (físico) colaborativo Taxonomia Knowledge Cafes 44,44% 55,56% 66,67% Learning and idea capture 33,33% 55,56% Peer Assist After Action Review (após a revisão da ação) 77,78% Learning reviews Socialização Reuniões Literature Review Clubs KM maturity model 22,22% 22,22% 33,33% Melhores práticas 55,56% 77,78% Processo de nivelamento 66,67% Manual de qualidade 33,33% PRATICADO Fonte: resultado da pesquisa Gráfico n.2: Ferramentas Tecnológicas RELEVÂNCIA Expertise locator (localizador de experiências) 77,78% Sistema de gestão de documentos 77,78% Portal do conhecimento Bases do conhecimento (Wikis, etc) 33,33% 33,33% 77,78% 77,78% Blogs Ambiente de trabalho (virtual) colaborativo 0,00% 0,00% 66,67% 77,78% Redes sociais 33,33% 66,67% Building Knowledge clusters 0,00% 22,22% Video Sharing 0,00% PRATICADO RELEVÂNCIA 44,44% 13

14 Fonte: resultado da pesquisa Estudos realizados em outras organizações mostram que as pessoas preferem manter contato com outros colegas a fim de localizar, recuperar e fazer uso do conhecimento, como também evidenciou ser a estratégia mais utilizada nesta pesquisa. Dialogar com outras pessoas é uma atividade importante relacionada com a aprendizagem e a troca de conhecimento tácito-tácito é muito praticada, na medida em que este tipo de conhecimento nem sempre consegue ser explicitado, nem registrado em qualquer tipo de documento. Embora não se utilize o termo Gestão do Conhecimento, o setor utiliza-se de práticas de compartilhamento de conhecimentos, ou de informações em muitos casos. Há predominância da conversão do tipo socialização (tácito-tácito) e o clima de confiança mútua contribui para isto. O desafio, neste caso, é encontrar maneiras de incorporar técnicas e ferramentas para incorporar a GC no processo, pois um dos problemas das organizações de pesquisa é que nem sempre conseguem registrar adequadamente o conhecimento gerado e difundi-lo interna e externamente. É possível afirmar que nem sempre a GC requer ferramentas sofisticadas, a partir de um arquivo bem organizado é possível armazenar, recuperar e compartilhar conhecimentos. As ferramentas não tecnológicas, realizadas de maneira informal ou tácita, na interação entre as pessoas e o grupo, podem propiciar o compartilhamento de conhecimentos e informações. No IPAT, a GC passa a ter uma função central, pois a importância do capital intelectual em relação a outros ativos é muito relevante, pois o conhecimento é criado a partir da iniciativa dos indivíduos e das interações que ocorrem no grupo. A organização aprende por intermédio dos indivíduos que aprendem. O tipo de liderança e dos esforços de gestão apoia ou dificulta o avanço de projetos, assim como a cultura, confiança e o clima organizacional. Nesta pesquisa o tipo de liderança apoia e propicia a confiança e um clima organizacional favorável ao compartilhamento de conhecimentos. Dentre essas ponderações fica a convicção de que os resultados deste estudo poderão contribuir para o aprimoramento das práticas de compartilhamento do conhecimento e do processo de troca de informações. Acredita-se que exista uma conexão efetiva entre compartilhamento e a gestão dos projetos do setor. Quanto mais cedo forem operacionalizados os processos de GC, mais otimizados serão os resultados em termos de aprendizagem e inovação. 14

15 A confiança entre o grupo e a pouca rotatividade de pessoal do instituto pesquisado favorecem o compartilhamento do conhecimento, pois mais do que pelas tecnologias e ferramentas, é pelo relacionamento e solicitude entre os indivíduos que ocorre o compartilhamento. Sem minimizar a importância dos demais processos, considera-se que o compartilhamento e fundamental para a gestão, pois proporciona a multiplicação e agrega valor para a organização. REFERÊNCIAS BHATT, G.D. Knowledge Management in Organizations: Examining Interaction between Technologies, Techniques and People. Disponível COMITÈ EUROPÈEN DE NORMALISATION. European Guide to Good practice in knowledge management, acessado em dez/2011. DALKIR, K., Knowledge Management in Theory and Practice. Elsevier Butterworth Heinemann: Burlington, DAVENPORT, T., PRUSAK, L. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, KOZMINSKI, D.J. and KOCIATKIEWICZ, J. (Eds.), Handbook of Research on Knowledge- Intensive Organizations. Chapter XI. Information Science Reference Ed., Hershey, New York, MAGNANI, M. Identificação de fatores críticos de sucesso para a formulação de estratégias que minimizem a perda de competência organizacional de um centro de P&D agropecuário. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, NONAKA, I.; TACKEUCHI, H. Criação do Conhecimento na Empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 19ª. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, SANTOS, N. Gestão do conhecimento organizacional. EGC/CTC/UFSC. Florianópolis, SC, SANTOS, N.; VARVAKIS, G. Aula 1: fundamentos conceituais. Disciplina de Fundamentos de Gestão do Conhecimento. Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento. PPEGC - UFSC, STEWART. T.A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de janeiro: Campus, TERRA, J.C.C. Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio Editora,

16 VERGARA, S.C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, YOUNG, Ronald (Ed.) Knowledge Management Tools and Techniques Manual. Published by the Asian Productivity Organization, Tokyo, WILSON, J.M; GOODMAN, P.S; CONIM, M.A. Group learning. Academy of Management Review, v. 32, n.4, p ,

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LINHA DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM COMÉRCIO EXTERIOR EMANUELA DAMACENO JUSTINO

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LINHA DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM COMÉRCIO EXTERIOR EMANUELA DAMACENO JUSTINO 9 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LINHA DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM COMÉRCIO EXTERIOR EMANUELA DAMACENO JUSTINO COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO: ESTUDO NO SENAC CRICIÚMA/SC

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade 02/07/2006 Dr. José Cláudio C. Terra Slide 1 Era do Conhecimento Linha de Montagem Linha de Montagem? Slide 2 Era do

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

www.fernando.parreiras.nom.br

www.fernando.parreiras.nom.br Análise comparativa de processos de desenvolvimento de software à luz da gestão do conhecimento: um estudo de caso de empresas mineiras Fernando Silva Parreiras Gilzirene Simone Oliveira Contexto A engenharia

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Dado Informação Conhecimento Sistemas de Informação DADO O DADO consiste

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado do Ceará GESTÃO DO CONHECIMENTO ARNOUDO ALVES, MsC ETICE Empresa de Tecnologia da Informação do Estado / SEPLAG DAE Departamento de Arquitetura e Engenharia

Leia mais

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO EM PROJETOS DE INOVAÇÃO COM FOCO NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA NO CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA. Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa Gerência de Pesquisa e Pós-graduação Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção Ponta Grossa 2008 SISTEMA

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA Maria de Fátima Soares Ribeiro Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Gestão Empresarial para a Indústria Química GETIQ pela Escola de Química da

Leia mais

Programa de Gestão do Conhecimento: O conhecimento em nossas mãos.

Programa de Gestão do Conhecimento: O conhecimento em nossas mãos. Programa de Gestão do Conhecimento: O conhecimento em nossas mãos. Natal, 2014 2 Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte Gerência de Desenvolvimento Humano Unidade de Administração e Desenvolvimento

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior Resumo: Diante da sociedade do conhecimento na qual vive, torna-se

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a.

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Banco de Dados para BI: José Roberto Escodeiro 10/10/2011 1. Linha do Tempo 2. Era do Conhecimento Índice 3. Ativos Tangíveis e intangíveis

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Tecnologia da Informação, Gestão da Informação, gestão do conhecimento, ferramentas computacionais.

PALAVRAS-CHAVE: Tecnologia da Informação, Gestão da Informação, gestão do conhecimento, ferramentas computacionais. A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO À GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO DO PRC PROGRAMA DE REPASSE DO CONHECIMENTO NO SETOR ELÉTRICO GIUVANIA TEREZINHA LEHMKUHL

Leia mais

Gestão do conhecimento nos sistemas de educação a distância: técnicas e ferramentas para melhorar o processo de produção. Florianópolis 05/2010

Gestão do conhecimento nos sistemas de educação a distância: técnicas e ferramentas para melhorar o processo de produção. Florianópolis 05/2010 Gestão do conhecimento nos sistemas de educação a distância: técnicas e ferramentas para melhorar o processo de produção Florianópolis 05/2010 Giovana Schuelter - doutoranda Universidade Federal de Santa

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software

A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software Maria Angela Coser (CEFETES) macoser@cefetes.br Helio Gomes de Carvalho (UTFPr) helio@cefetpr.br João Luiz Kovaleski (UTFPr) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO GOVERNO DE MINAS GERAIS

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO GOVERNO DE MINAS GERAIS METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO GOVERNO DE MINAS GERAIS Setembro de 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 ESPECIFICAÇÃO METODOLÓGICA... 5 2.1 - DIAGNOSTICAR... 5 2.1.1 - Realizar

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NA FERROVIA Cristiane Budziak

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NA FERROVIA Cristiane Budziak A GESTÃO DO CONHECIMENTO NA FERROVIA Cristiane Budziak AGENDA 1. Introdução 2. Problema 3. Objetivos 4. Fundamentação Teórica 5. Metodologia e Plano de Trabalho 6. Resultados 7. Considerações finais 1.

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Universidade de Brasília Faculdade d de Ciência i da Informação Prof a Lillian Alvares ESPIRAL DO CONHECIMENTO: NONAKA E TAKEUCHI, 1997 Obra referencial cujos objetivos são: Construir

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL HEITOR J PEREIRA. Professor da FIA Fundação Instituto de Administração. Ex-Presidente da SBGC Soc. Bras. Gestão do Conhecimento Revolução Agrícola

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

Titulo A gestão do conhecimento organizacional e sua relação com a vantagem competitiva

Titulo A gestão do conhecimento organizacional e sua relação com a vantagem competitiva Titulo A gestão do conhecimento organizacional e sua relação com a vantagem competitiva Autor Icléia Silva y Rejane Spitz Introdução Uma das ações mais relevantes da administração estratégica é a visão

Leia mais

Aspectos da engenharia de software que influenciam em uma estratégia de GC

Aspectos da engenharia de software que influenciam em uma estratégia de GC Anderson Yanzer Aspectos da engenharia de software que influenciam em uma estratégia de GC Dimensões da GC Como pensar GC no processo de desenvolvimento de SW Conhecimento Tácito x Explícito Ágil x Tradicional

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br

Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br GESTÃO DO CONHECIMENTO Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br 1 AGENDA METODOLOGIA PPS SOCIEDADE DO CONHECIMENTO CULTURA MODELOS DE GESTÃO PRÁTICAS 2 CONCEITUANDO GESTÃO DO

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

ALINHANDO A GESTÃO DO CONHECIMENTO COM A ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: FUNDAMENTOS PARA A GESTÃO DA MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO DA ITAIPU BINACIONAL

ALINHANDO A GESTÃO DO CONHECIMENTO COM A ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: FUNDAMENTOS PARA A GESTÃO DA MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO DA ITAIPU BINACIONAL ALINHANDO A GESTÃO DO CONHECIMENTO COM A ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: FUNDAMENTOS PARA A GESTÃO DA MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO DA ITAIPU BINACIONAL Miguel Augusto Zydan Soria, Edson Pinheiro de Lima, Jaime

Leia mais

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Hirotaka Takeuchi: professor e reitor da Universidade de Hitotsubashi. Já lecionou em Harvard. Ikujiro Nonaka: professor na Universidade de Hitotsubashi. Autor

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

Tecnologia da informação sob a perspectiva da CiênCia da informação e da. Gestão do ConheCimento

Tecnologia da informação sob a perspectiva da CiênCia da informação e da. Gestão do ConheCimento Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Disciplina: Gestão do Conhecimento Prof.:Lillian Alvares Tecnologia da informação

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório

Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório Queli Terezinha Schmitz (TUPER, UDESC, UTFPR) queli@sbs.udesc.br Hélio Gomes de Carvalho

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

Práticas de Gestão do Conhecimento presentes em um programa de sugestão empresarial

Práticas de Gestão do Conhecimento presentes em um programa de sugestão empresarial Práticas de Gestão do Conhecimento presentes em um programa de sugestão empresarial Rosângela defátima Stankowitz Penteado - (UTFPR) zanza2007@gmail.com Hélio Gomes de Carvalho - (UTFPR) helio@utfpr.edu.br

Leia mais

Inteligência Competitiva II

Inteligência Competitiva II Inteligência Competitiva II P R O F A L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Contexto de Surgimento Tomada de

Leia mais

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL Graduanda: Juliana Camargo Souza Macedo Orientadora: Iris Abdallah Motivos para escolha do tema: A disciplina

Leia mais

Implantando Comunidadesde Prática

Implantando Comunidadesde Prática Implantando Comunidadesde Prática SUCESU 11 de Novembrode 2008 Cristiano Rocha, Milestone O mundomudou 80 s 2008 80 s 2008 O quedefine, hoje, a riquezadas organizações? surge uma economia baseada no conhecimento

Leia mais

Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira?

Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira? Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira? 1 Objetivos do Módulo Situar a GC no contexto das iniciativas de Eficiência, Qualidade e Efetividade Social na Administração Pública Brasileira

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

Ferramenta para Gestão de Conteúdo e Apoio à Gestão do Conhecimento e ao Sistema da Qualidade na Embrapa

Ferramenta para Gestão de Conteúdo e Apoio à Gestão do Conhecimento e ao Sistema da Qualidade na Embrapa Ferramenta para Gestão de Conteúdo e Apoio à Gestão do Conhecimento e ao Sistema da Qualidade na Embrapa Ana Mirtes Maciel Fouro 1 Resumo A ISO 9000 exige, dentre outras atividades, que uma empresa prepare

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Coleção UAB UFSCar Sistemas de Informação Wanda Aparecida Machado Hoffmann Gestão do Conhecimento aprender e compartilhar Gestão do Conhecimento aprender e compartilhar Reitor Targino de Araújo Filho Vice-Reitor

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Avaliação de elementos da Gestão do Conhecimento em uma empresa prestadora de serviço: caso CASSI

Avaliação de elementos da Gestão do Conhecimento em uma empresa prestadora de serviço: caso CASSI Avaliação de elementos da Gestão do Conhecimento em uma empresa prestadora de serviço: caso CASSI Maria Letícia Sousa Correia Lima (Escola Politécnica-USP) leticia.lima@poli.usp.br Leandro Beinichis (CASSI)

Leia mais

1. O QUE ANTECEDEU O LIVRO?

1. O QUE ANTECEDEU O LIVRO? Brasília, 11 de abril de 2012 I. ANTECEDENTES 1. O QUE ANTECEDEU O LIVRO? 2002 Início dos estudos sobre Gestão do Conhecimento 2003 2007. Estudos e pesquisas realizados no Ipea: 2004. Governo que aprende:

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTE 31 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO -

Leia mais

THE ROLE OF INFORMATION TECHNOLOGY TO SUPPORT KNOWLEDGE MANAGEMENT ENGINEERING

THE ROLE OF INFORMATION TECHNOLOGY TO SUPPORT KNOWLEDGE MANAGEMENT ENGINEERING O PAPEL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO À ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO Giuvania Terezinha Lehmkuhl Carla Rosana Veiga Gregório Jean Varvakis Rado Resumo: Estamos vivendo na Era do Conhecimento,

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

Ferramentas de gestão de conhecimento: Um levantamento em empresas de tecnologia

Ferramentas de gestão de conhecimento: Um levantamento em empresas de tecnologia IX WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 15 e 16 de outubro de 2014 Estratégias Globais e Sistemas Produtivos Brasileiros ISSN: 2175-1897 Ferramentas de gestão de conhecimento:

Leia mais

O SERPRO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO: UMA LIÇÃO A SER APRENDIDA VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013

O SERPRO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO: UMA LIÇÃO A SER APRENDIDA VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013 VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013 O SERPRO MELHORES PRÁTICAS LIÇÕES APRENDIDAS PRÓXIMOS PASSOS... O SERPRO ORGANOGRAMA A EMPRESA ESTRUTURA LINHAS DE NEGÓCIO CLIENTES E SERVIÇOS -Política de Propriedade

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Espiral do conhecimento em frameworks de gestão do conhecimento: o caso de duas organizações em Portugal

Espiral do conhecimento em frameworks de gestão do conhecimento: o caso de duas organizações em Portugal Espiral do conhecimento em frameworks de gestão do conhecimento: o caso de duas organizações em Portugal Mírian Oliveira Doutora em Administração. Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Tópicos da aula GESTÃO DA INFORMAÇÃO GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL TOMADA DE DECISÃO ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Informações Ondas de transformação da humanidade Revolução Agrícola

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Retenção do Conhecimento Vantagem Competitiva nos SI Introdução As organizações têm demonstrado uma crescente demanda por informações

Leia mais

Mentoring Comunidades de Prática (CoP)

Mentoring Comunidades de Prática (CoP) Gestão do Conhecimento e Cultura Organizacional Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez Mentoring Comunidades de Prática (CoP) ACME Transmissora de Energia Elétrica Agosto/2012 Alan Buchi Fabio Silva Luiz

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

A empresa enquanto inteligência coletiva: O desafio de gerir o conhecimento.

A empresa enquanto inteligência coletiva: O desafio de gerir o conhecimento. A empresa enquanto inteligência coletiva: O desafio de gerir o conhecimento. Carolina de Fátima Marques Maia Jaime Pires Galvão Neto Resumo A tecnologia apresenta uma alta velocidade em suas mudanças e

Leia mais

PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO PROF.: HEITOR JOSÉ PEREIRA

PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO PROF.: HEITOR JOSÉ PEREIRA PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO PROF.: HEITOR JOSÉ PEREIRA Doutor em Administração EAESP/ FGV (1995); Professor da FIA Fundação Instituto de Administração Presidente da Sociedade Brasileira de Gestão

Leia mais

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL Marilene Lobo Abreu Barbosa 21 de outubro de 2013 Arquivos, bibliotecas e museus Foram os primeiros sistemas de informação e, inicialmente,

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Embraer

Gestão do Conhecimento. Embraer Gestão do Conhecimento Embraer Conteúdo Cenário Embraer Princípios que orientaram a implantação de GC Programa GC Embraer Lições aprendidas Programa de Excelência Empresarial Embraer Estratégia traçada

Leia mais

XXVIII ENCONTRO NACIONAL

XXVIII ENCONTRO NACIONAL OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM COMO AUXÍLIO À GESTÃO DO CONHECIMENTO EM ORGANIZAÇÕES QUE ESTABELECEM RELACIONAMENTOS INTERORGANIZACIONAIS HORIZONTAIS: ESTABELECENDO RELAÇÕES ENTRE OS CONSTRUTOS Vania de Fátima

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Gestão do Conhecimento nas Instituições Educacionais

Gestão do Conhecimento nas Instituições Educacionais Gestão do Conhecimento nas Instituições Educacionais Sylvia Helena Resende Simão sylviasimao@yahoo.com.br Centro Universitário UNA Belo Horizinte - MG Abstract: This article presents a methodology Make

Leia mais

Considerações analíticas das relações entre gestão do conhecimento, inovações tecnológicas e organizacionais.

Considerações analíticas das relações entre gestão do conhecimento, inovações tecnológicas e organizacionais. Considerações analíticas das relações entre gestão do conhecimento, inovações tecnológicas e organizacionais. Nivalde J. Castro e Fernando L. Goldman Furnas Centrais Elétricas S.A. Palavras chave: conhecimento,

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Ana Cláudia Freire Gerente de Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento. Ana Cláudia Freire Gerente de Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Ana Cláudia Freire Gerente de Gestão do Conhecimento Objetivos da Apresentação Analisar as interfaces críticas da CVRD/Cadeia de Valor e a relação com KM; Apresentar os capitais

Leia mais

PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO PROCESSO ORGANIZACIONAL: O CONTEXTO DA GESTÃO PÚBLICA PROF. HEITOR JOSÉ PEREIRA ( Doutor em Administração EAESP/ FGV - Presidente da SBGC Gestão 2005-2007 ) Revolução

Leia mais

A transformação do conhecimento em vantagem competitiva

A transformação do conhecimento em vantagem competitiva A transformação do conhecimento em vantagem competitiva Balduir Carletto (CEFET/PR) bcarletto@uol.com.br Dr. Antonio Carlos de Francisco (CEFET/PR) acfrancisco@pg.cefetpr.br Dr. Hélio Gomes de Carvalho

Leia mais