ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009"

Transcrição

1 ASSIMETRIA DE INFORMAÇÕES NO MERCADO DE SEGUROS [SEGURO-SAÚDE & AUTOMÓVEIS] GIACOMO BALBINOTTO NETO ECONOMIA DA INFORMAÇÃO O que é um seguro? [cf. Arrow (1971, cap.5)] O seguro não é um bem material, embora ele possa ser, de um modo geral e usual, classificado como um serviço. Seu valor para o comprador é claramente diferente do tipo de satisfação que o consumidor deseja ter, por exemplo, de cuidados médicos ou transporte. 2 O que é um seguro? [cf. Arrow (1971, cap.5)] Para Arrow (1971,p.134), um seguro é um tipo de contrato no qual é feita uma troca por moeda hoje por moeda pagável ou reembolsável contigencialmente sobre a ocorrência de determinados eventos. 3 [UFRGS] 1

2 O que é um seguro? [cf. Arrow (1971, cap.5)] Se um indivíduo não gostar de ter incerteza sobre um determinado evento e se encontrar um outro indivíduo ou organização cujos custos de fazer face a esta incerteza sejam menores que as dele, então é possível que ocorra algum tipo de troca, na qual uma das partes assume o risco. Nós pagamos um prêmio e ambos estarão em melhor situação do que a inicial. 4 O que é um seguro? [cf. Arrow (1971, cap.5)] Segundo Arrow (1971), a possibilidade de transferir riscos, do seguro, em seu sentido mais amplo, permite aos indivíduos se engajarem em atividades de risco aos quais não o fariam de outro modo. A troca de riscos através da bolsa de valores, por exemplo, permite a um empresário se engajar em atividades produtivas, ao mesmo tempo que ele seja capaz de fazer face aos riscos de falência. 5 O que é um seguro? [cf. Arrow (1971, cap.5)] Se os riscos referentes a novos projetos de investimento e pesquisa não puderem ser transferidos ou deslocados, então é muito provável que nenhum projeto seja realizado. Contudo, se os riscos puderem ser diversificados e trocados, a sociedade como um todo irá estar numa situação melhor com o aumento na produção e com novos e melhores produtos. Exemplo: gastos com pesquisa e desenvolvimento 6 [UFRGS] 2

3 Características Inerentes ao Mercado de Saúde Demanda de serviços de saúde - a demanda é imprevisível e irregular, mas se intensifica quando a pessoa adoece. Ela também não é uniforme ao longo da vida. Comportamento esperado dos médicos -impossibilidade de teste antes do consumo. Incerteza acerca do produto - problema de assimetria de informação; além disso, muitas vezes os médicos são confrontados com a uma incerteza quanto ao diagnóstico. Condições de oferta: licenças médicas para trabalhar. Prática de preços: discriminação de preços. 7 Métodos para Lidar com o Problema dos Riscos em Saúde Métodos a) poupança - desloca consumo entre períodos; b) famílias & amigos - divisão de riscos entre pessoas conhecidas e próximas; c) caridade; d) mercado privado de contratos de seguro; e) seguro social. 8 Os Princípios do Seguro Saúde O valor do seguro decorre da imprevisibilidade dos gastos com saúde. Indivíduos avessos ao risco compram seguro. Indivíduos que não compram seguro: Podem recorrer a empréstimos (dificuldade, não existe sistema de crédito para doentes) Podem economizar para gastarem quando estiverem doentes, porém há doenças cujo tratamento é extremamente caro. Seguro saúde (expansão no século 20 cuidado hospitalar se tornou mais efetivo). 9 [UFRGS] 3

4 Economia da Informação Milgrom (1985) Pré-contratual contrato Pós-contratual Seleção adversa Sinalização Screening Moral Hazard Contratos Incentivos 10 As Seguradoras - As seguradoras vendem apólices que oferecem rendas se uma pessoa falecer, ficar incapacitada por doença ou se aposentar. As companhias de seguro residencial e contra acidentes se especializam em apólices que pagam pelos prejuízos incorridos em decorrência de acidentes, incêndio ou roubo. 11 As Seguradoras - As seguradoras, assim com os bancos, são intermediários financeiros com a função de transformar um tipo de ativo em outro para o público. - As seguradoras utilizam os prêmios pagos sobre as apólices de seguro para investir em ativos como títulos de dívida, ações etc, a fim de que a renda desses ativos seja usada para pagar indenizações de apólices. 12 [UFRGS] 4

5 As Seguradoras As seguradoras transformam os ativos títulos, ações em apólices de seguro que fornecem vários serviços (indenizações, planos de poupança etc). - Se o processo de transformação desses ativos for eficaz a seguradora obterá lucros, caso contrário obterá prejuízos. 13 Os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros (i) risco moral surge quando a existência de um seguro estimula a parte segurada a se arriscar, fazendo com que aumente a probabilidade de pagamento do seguro pela companhia de seguros. - Arrow (1963) - Spence & Zeckhauser (1971) - Ehrlich & Becker (1972) - Pauly (1974) - Shavel (1979) 14 Os Problemas de Moral hazard o Caso do Seguro Saúde Probably the most commom market failure discussed in health insurance economics is that relating to hidden information moral hazard, although many discussions do not distinguish it from the hidden action variety and refer to it as simple moral hazard. Willian Jack (1999, p.98) Principles of Health Economics for Developing Countries. World Bank 15 [UFRGS] 5

6 Os Problemas de Moral Hazard O Caso do Seguro Saúde Insurance markets are profoundly affected by asymmetric information... There is no doubt that these markets function very differently from the way they would if all parties had perfect information. Understading the problems that asymmetric information creates helps us see why certain pratices aimed at mitigating them have emerged. Browning & Zupan (1998, p.380) 16 Os Problemas de Moral Hazard O Caso do Seguro Saúde... Insurance reduces the incentive of individual pacient or physician to seek the most economical means of treatment. As a result, new institutions and regulations devenlop to overcome this moral hazard, as it has been termed institutions such as health maintenance organizations, managed care by insurance companies, and regulations such as those that govern Medicare expeditures. The standard paradigms of economics have been enriched to discuss problems such as this. The difficulties of quality evaluation and moral hazard are special cases of a more general phenomenon, diferences in information between two sides of a transaction. These diferences, though not confined to medical pratice, are specially important there, and have futher consequences beyond those already noted, as in the need of licensing physicians or the specially important role of nonprofit institutions. Kenneth J. Arrow (2004) 17 Os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros Exemplos de moral hazard no mercado de seguros: - os indivíduos tomam menos cuidado com a segurança de suas casas uma vez feito do seguro residencial contra roubo; -os motoristas t tendem a dirigir i i com menor prudência tendo em vista que seu veículo está coberto por um seguro; - os pessoas tomam menos cuidado com a sua saúde uma vez que tenham aderido a um plano de saúde; - os motoristas negligenciam os cuidados com a segurança de seus carros uma vez feito o seguro contra roubo. 18 [UFRGS] 6

7 As Perdas de Bem-Estar Devido ao Problema de Moral-Hazard no Mercado de Saúde D 1 D 2 A B p C p m 1 m 2 m m 3 m 4 m 19 As Perdas de Bem-Estar Devido ao Problema de Moral-Hazard no Mercado de Saúde No preço de equilíbrio p, em D 1, os consumidores escolhem comprar ou adquirir m 1 unidades de cuidados médicos e m 3 sob D 2. Com o seguro saúde, o preço que os consumidores fazem face é dados por C p e a quantidade demandada sobre para m 2 e m 4 respectivamente. 20 As Perdas de Bem-Estar devido ao Problema de Moral-Hazard no Mercado de Saúde As áreas A e B representam as perdas de bem-estar (welfare loss) os cuidados médicos extras é menos valorizados pelos consumidores do que seu custo. A perda de bem-estar é menor quanto menos elastica for a curva de demanda. 21 [UFRGS] 7

8 Os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros Implicações para a política governamental da existência de moral hazard no mercado de seguro saúde: 1) se o governo decidir introduzir um sistema de cuidados médicos universais, isto é, uma situação onde o governo assumiria o papel de segurador universal através da introdução de pagamentos compulsórios que seriam usados para financiar o sistema público de saúde para todos os indivíduos e sem pagamentos adicionais, temos que os problemas de moral hazard poderiam levar os indivíduos a ter menos cuidado com sua saúde do que teriam se eles tivessem que arcar com todos os custos de suas ações. Isto pode levar a um aumento nos custos com a saúde. 22 Os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 2) na presença de uma cobertura universal e um sistema público de saúde o governo poderia reduzir o problema de moral hazard e pagar pelo aumento nos custos com a saúde associados com determinadas práticas de risco, tais como elevados impostos sobre cigarros a fim de desencorajar esta atividade que aumenta o risco de doenças e financiar os gastos com doenças provocadas pelo cigarro por exemplo. 23 Os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 3) uma outra opção aberta para governo é desencorajar o uso abusivo do setor público de saúde através da introdução de deduções e co-pagamentos. Contudo, se os consumidores forem capazes de adquirirem planos de saúde privados para cobrir os co-pagamentos, então o problema de moral hazard permanece. Portanto, eliminar o problema de moral hazard e seus efeitos sobre o componente orçamentário torna-se muito difícil, especialmente onde existe o seguro privado junto com o sistema público de saúde e com cobertura universal. 24 [UFRGS] 8

9 Elasticidade dos Cuidados Médicos Experimento: Newhouse Elasticidade de: -0,2 Estimativas do Rand experimento: utilizadas pelos atuários nos cálculos de seguros. As taxas de cosseguros deveriam variar de acordo com o tipo de serviço - elasticidade da demanda é diferente para diferentes serviços médicos - comprovado empiricamente pelo rand experimento. Outras medidas: -0,14 a 1,5 25 Os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros (ii) seleção adversa surge quando as pessoas com maior probabilidade de receber grandes pagamentos de seguro são justamente aquelas que mais adquirem os seguros. A carteira de clientes fica concentrada com indivíduos que têm uma elevada probabilidade de utilizar o mesmo. 26 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Surge devido a heterogeneidade dos riscos que os indivíduos enfrentam ou fazem face, combinada com a assimetria de informação sobre estes riscos. A heterogenidade é causada por fatores os quais os indivíduos podem controlar e sobre aqueles que ele não têm controle. 27 [UFRGS] 9

10 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros A seguradora não pode observar os riscos reais de cada indivíduo e portanto, utiliza uma regra prática com relaçoa a características facilmente observáveis. Cada indivíduo deseja fazer-se passar por um de baixo risco a fim de obter um baixo prêmio de seguro. 28 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros O problema de seleção adversa significa, em outras palavras, que as perdas médias no grupo segurado serão maiores do que o valor esperado como um todo. Se o problema de seleção adversa for grave, a carteira de clientes da firma tenderá a ser composta por indivíduos que estejam doentes ou que sabem que ficaram num curto espaço de tempo e irão obter os benefícios do seguro. 29 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros - Quando temos um problema de seleção adversa no mercado de seguros, temos que os recursos necessários para prover o seguro, por exemplo, irão depender não somente de quanto o seguro é vendido, mas também das características não observadas dos compradores. A firma não pode verificar a factibilidade técnica de seus planos de produção sem conhecer o mix de características não observadas que seus clientes [os segurados] irão ter. 30 [UFRGS] 10

11 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Para que a empresa de seguros seja viável financeiramente, temos que ter que o preço [prêmio] terá que aumentar, podendo ocorrer o caso em que mesmo aqueles que mais achem que vale a pena realizar o seguro, não irão achar vantajosos compra-lo ao preço vigente e o mercado colapsa, mesmo existindo possibilidades de ganhos mútuos devido a transferências de riscos na economia. 31 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros O problema de seleção adversa no mercado de seguros é causado pela inabilidade das seguradoras em avaliar acuradamente o risco de perda devido ao uso do seguro. O problema de seleção adversa no mercado de seguros [automóveis, saúde,etc] tende a reduzir o consumo de seguros pelos indivíduos de baixo risco e resulta numa transferência de renda dos indivíduos de baixo risco para os indivíduos de alto risco. 32 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros O problema de seleção adversa no mercado de seguro saúde é um problema de assimetria de informação na qual os indivíduos conhecem mais sobre seu estado de saúde do que as seguradoras, ou quando as seguradoras não é permitido utilizar aquela informação para distinguir os tipo de indivíduos e o seu risco em contrair uma determinada doença. 33 [UFRGS] 11

12 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Seleção Adversa [market for lemons]: Pessoas que compram seguro não são uma amostra aleatória da população, mas sim uma amostra que tende a ter um forte viés para com o grupo de pessoas que possui maior probabilidade de utilizar os serviços de saúde. 34 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Os modelos teóricos Akerlof (1970) o mercado de limões e o colapso do mercado. Rothschild & Stiglitz (1976) contratos e a obtenção de um equilíbrio separador no mercado de seguros screening [filtragem]. 35 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Os modelos teóricos Miyazaki (1977) - estende o modelo de R&S (1976) permitindo a existência de subsídios cruzados, o que resulta numa transferência de renda dos indivíduos de baixo risco para os de alto risco. Wilson (1977) descreve um equilíbrio agregador onde os indivíduos de alto e baixo risco compram o mesmo seguro, de modo que os indivíduos de baixo risco subsidiam a compra de seguro dos indivíduos de alto risco. 36 [UFRGS] 12

13 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Akerlof (1970) demonstrou que o problema que surge no mercado de seguro saúde quando os candidatos ao seguro tem plena informação sobre sua saúde enquanto que as seguradoras não têm esta informação. Ele usa um exemplo de uma seguradora que é incapaz de distinguir entre os candidatos e assim estabelece um prêmio médio de seguro para todos os candidatos. Neste caso, somente aqueles indivíduos cujos os riscos estão acima da média provavelmente irão comprar o seguro. 37 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Isto irá resultar em perdas para a seguradora e, então, os prêmios de seguro teriam que subir ainda mais para a seguradora fazer face a esta nova contingência. Contudo, como o problema persiste, os prêmios iriam subir novamente e no limite se tornariam extremamente caros e todo o mercado iria colapsar, isto é, o mercado de seguro deixaria de existir, pois as firmas não iriam mais ofertar seguros, visto que não haveria mais consumidores dispostos a pagar um prêmio tão elevado. 38 A aplicação do princípio dos limões ao seguro saúde [Folland, Goodman & Stano (2004, p )] - Aqui assumimos que o eixo das abscissas [x] mede os níveis de gastos esperados de uma população de n pessoas potencialmente securitizáveis; - Assumimos aqui, também que elas têm as mesmas características demográficas e que seus níveis de gastos esperados para o período segurado situam-se entre [$0; $ M]; 39 [UFRGS] 13

14 A aplicação do princípio dos limões ao seguro saúde [Folland, Goodman & Stano (2004, p )] O eixo das ordenadas [y] representa a probabilidade com um distribuição uniforme de modo que a probabilidade de qualquer nível de gastos é (1/n). Para que a seguradora seja economicamente viável temos que o prêmio recebido de cada segurado deve cobrir os gastos médios da população segurada. 40 A aplicação do princípio dos limões ao seguro saúde [Folland, Goodman & Stano (2004, p )] probabilidade 0 (1/4)M (1/2)M (3/4)M M Gastos com saúde 41 A aplicação do princípio dos limões ao seguro saúde [Folland, Goodman & Stano (2004, p )] O problema de assimetria de informação seleção adversa irá ocorrer porque os segurados potenciais conhecem muito mais sobre seus gastos esperados com saúde no próximo período do que a seguradora. Como a seguradora espera ter um gasto de [$(1/2) M], ela irá requerer um prêmio de no mínimo [$(1/2) M] a fim de que seja minimamente viável. 42 [UFRGS] 14

15 A aplicação do princípio dos limões ao seguro saúde [Folland, Goodman & Stano (2004, p )] Seguindo a análise original de Akerlof (1970), quando a seguradora estabelece o prêmio de [$(1/2)M] esperando equilibrar o mercado, temos que todos os potenciais beneficiários que esperam ter um gasto menor do que [$(1/2)M] irão escolher se auto-segurar isto é, eles deixarão o mercado de seguros porque o prêmio é maior do que seus nível conhecido e privado de gastos com saúde. 43 A aplicação do princípio dos limões ao seguro saúde [Folland, Goodman & Stano (2004, p )] Quando as pessoas saudáveis deixam o mercado,os gastos esperados médios daquelas que permanecem seguradas, aquelas com gastos esperados entre [$(1/2)M] e [$M], sobe para [$(3/4)M]. Portanto, os indivíduos de alto risco tendem a expulsar os indivíduos de baixo risco e o mercado pode entrar em colapso se não forem encontradas maneiras de lidar com este problema. 44 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Médicos Quanto maiores forem as diferenças nos custos esperados de uma doença e maior for a informação oculta (hidden information) que as pessoas tiverem sobre sua própria saúde, maior será o potencial para a existência de seleção adversa neste mercado (o mercado de segurosaúde). 45 [UFRGS] 15

16 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Médicos O caso dos idosos é particularmente problemático porque muito dos seus cuidados e gastos médicos são para doenças crônicas e que são bem conhecidas dele e não são aleatórias. 46 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Médicos O principal método das seguradoras para lidar com este problema (seleção adversa), insistindo que todos os empregados façam um plano de saúde de grupo ou empresarial, não está muitas vezes disponível para as pessoas idosas, pois a maioria delas está aposentada. Assim, a solução última para este problema seria a inclusão de todos no seguro social, similar ao que é feito nos EUA para os idosos pela criação do Medicare. 47 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Médicos O caso do HIV/AIDS [Getzen (2004, p )] Segundo Getzen (2004) doenças como a AIDs provocaram um aumento na falha de mercado devido ao agravamento do problema de seleção adversa no mercado de seguro saúde. A associação entre a freqüência, tipo e número de parceiros sexuais e HIV/AIDs significa que o indivíduo pode possuir informação privada sobre os seus riscos que não estão disponíveis a firma seguradora. 48 [UFRGS] 16

17 O Problema de Seleção Adversa no Mercado de Seguros Médicos O caso do HIV/AIDS [Getzen (2004, p )] Os indivíduos que são portadoras do HIVpositivo sabem que elas terão uma considerável necessidade de cuidados médicos num futuro próximo; portanto, a seguradoras que ofereçam políticas individuais para cobrir HIV/AIDs irão ser invadidas por 100% do grupo de risco. 49 Os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros Tanto os problemas de seleção adversa como de risco moral podem resultar em grandes perdas para as companhias seguradoras porque levam a altos pagamentos de indenizações de seguro. Assim, a redução da seleção adversa e risco moral é um dos principais objetivos das companhias seguradoras. 50 Mecanismos Utilizados para Minimizar os Efeitos da Seleção Adversa nos Seguros Médicos Criar incentivos para que o segurado revele suas características; Exclusão de doenças pré-existentes; Exclusão de doenças de alto custo, tais como câncer e AIDS; Formação do preço a partir do experience rating; Plano coletivo empresarial. 51 [UFRGS] 17

18 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 1- Análise e filtragem de informações Para reduzir os riscos referentes a seleção adversa as companhias seguradoras buscam discernir os riscos de seguros bons dos ruins. Assim, a coleta de informações na administração de seguros é de fundamental importância 52 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros O objetivo análise das informações é colocar o indivíduo numa classe de risco isto é uma estimativa estatística da probabilidade de que o individuo venha a utilizar o seguro contratado. Com base nas informações coletadas e analisadas a companhia seguradora poderá decidir se aceita segura-lo ou não. O objetivo da análise das informações é reduzir o problema da seleção adversa. 53 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 2 - Prêmios com base no risco A cobrança de prêmio com base no grau de risco que o seguro oferece para a firma é um principio de administração consagrado no tempo e busca evitar o problema da seleção adversa. [cf. R&S (1976)] 54 [UFRGS] 18

19 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 3 - uso de cláusulas restritivas As cláusulas restritivas buscam desestimular os segurados a se envolverem em atividades arriscadas que iriam aumentar a probabilidade de um pedido de indenização. Isto impede que o segurado se beneficie de um comportamento [hidden action] que aumente a probabilidade do pedido de indenização. As cláusulas restritivas buscam reduzir o problema de moral hazard. 55 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 4 - prevenção de fraudes Para evitar as fraudes [que se constituem num problema de moral hazard (hidden action)] as seguradoras devem investigar os fatos antes de pagar o prêmio de modo a pagar somente os seguros com pedidos válidos. Os segurados podem entrar com um pedido de indenização mesmo que este não seja válido ou nem mesmo tenha ocorrido. 56 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 5 - Cancelamento do seguro A companhia de seguros pode cancelar o pagamento do seguro se o segurado se envolver em atividades que aumentem a probabilidade de pedido de indenização. 57 [UFRGS] 19

20 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 6 - Franquias A franquia é uma quantia fixa paga pelo segurado a qual é deduzida do prejuízo do segurado quando a indenização é paga. As franquias são uma estratégia de administração de seguros que visam reduzir o problema do risco moral. 58 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros Com as franquias temos que o segurado também perde com o acidente e assim, ele teria um maior incentivo a dirigir com mais cuidado e a não se envolver em acidentes. A franquia faz com que o segurado aja mais de acordo com o que é lucrativo para a companhia seguradora, reduzindo assim o problema de risco moral. 59 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros Se o risco moral for realmente reduzido, a seguradora poderá reduzir o prêmio mais do que o suficiente para compensar o segurado pela existência da franquia. 60 [UFRGS] 20

21 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 7 - Co-seguro O co-seguro busca reduzir o problema do risco moral (hidden action) Exemplo: pagamento de parte das consultas médicas a fim de desestimular a ida desnecessárias aos médicos. 61 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros Custos do paciente Pagamento total Pagamento pela seguradora Pagamento individual 0 deduções Gastos médicos em u.m 62 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 8 - Limites da importância segurada Quanto maior for a cobertura proporcionada pelo seguro, mais o segurado pode ganhar com atividade arriscadas que aumentem a probabilidade de indenização e, portanto, maior o risco moral. As seguradoras devem se certificar de que sua cobertura não seja tão alta a ponto de fazer com que o risco moral leve a grande prejuízos. O limite da importância segurada busca lidar com o problema do risco moral. 63 [UFRGS] 21

22 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 9 - Seguro compulsório ou obrigatório A exigência da compra de um seguro compulsório que reflita o risco médio da população, temos que é possível que todos melhorem de situação. As pessoas de alto risco estarão em melhor situação porque poderão comprar seguros a taxas menores do que o risco real com que se defrontam e as pessoas de baixo risco poderão comprar um seguro mais favorável do que o seguro oferecido, como se as apenas as pessoas de alto risco comprassem. [cf. Varian (2000,p )] 64 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros O seguro compulsório, que é uma solução dominante quando comparada a uma solução de mercado é surpreendente para a maioria dos economistas, pois parece muito estranho que quando a escolha é restringida leve a uma melhoria de Pareto. Contudo, isto é resultado de uma externalidade informacional [hidden information] [cf. Varian, 2000,p.699] Exemplo: - pagamento do seguro compulsório de automóveis no Brasil; 65 - cobertura universal do atendimento a saúde. As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros O seguro de responsabilidade civil dos proprietários de veículos automotores de via terrestre (DPVAT), instituído pela Lei 6.194/74, por ela se rege, com as alterações da Lei 8.441/ [UFRGS] 22

23 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros O que é DPVAT? É o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT), criado pela Lei n 6.194/74 com a finalidade de amparar as vítimas de acidentes de trânsito em todo o território nacional, não importando de quem seja a culpa dos acidentes. 67 As estratégias para lidar com os problemas de assimetria de informação no mercado de seguros 10 - Seguro para grupos (empresas) Quando os empregadores oferecem planos de saúde para seus empregados como parte do pacote de benefícios, temos que a firma de seguros pode basear suas taxas médias do conjunto de empregados e é assegurado que todos os empregados tem de participar do programa isto elimina o problema de seleção adversa no mercado de seguros de saúde. 68 Soluções para o mercado de seguros quando há assimetria de informação Seleção adversa: maiores riscos efetivos maiores prêmios. amplitude de contratos buscando o equilibrio separador cream-skimming prêmios mais elevados para riscos mais elevados. Solução: esquemas de seguro compulsório (governamental) ou de grupo (empresas) Moral Hazard: incentivos para reduzir os riscos e custos Solução: co-seguro, deduções e uso de franquias. 69 [UFRGS] 23

24 Evidências Empíricas: Seleção Adversa Brasil (1998) Tabela 3: Parcela da População com Plano de Saúde por Região Norte Nordeste Sudeste Sul C. Oeste 1 Plano 17,51 14,37 29,53 25,41 21,73 Mais de 1 Plano 1,41 1,68 2,03 2,67 1,97 Total 18,92 16,05 31,56 28,08 23,70 Fonte: Suplemento de Saúde da PNAD/98 - IBGE 70 Evidências Empíricas: Seleção Adversa no Mercado de Seguro Saúde Evidências Empíricas: Seleção Adversa Charles Phelps (1976) - não encontrou uma relação sistemática entre doenças previsíveis de indivíduos e a escolhe de seguro saúde. 72 [UFRGS] 24

25 Evidências Empíricas: Seleção Adversa Marquis & Phelps (1987) - encontraram a existência de seleção adversa usando dados referentes a um questionário referente a uma hipotética compra de seguro suplementar. 73 Evidências Empíricas: Seleção Adversa Cameron er al. (1988) - encontrou evidências de seleção adversa para dados da Austrália. Down et al. (1991), empregando uma abordagem similar a utilizada por Cameron et al (1988) por sua vez não encontrou evidências de seleção adversa para uma amostra referente ao Estado de Minnesota (EUA). 74 Evidências Empíricas: Seleção Adversa Wolfe & Goddeneris (1991) estimou uma equação de utilização dos seguros médicos utilizando uma amostra longitudinal de indivíduos com mais de 65 anos que adquiriram um seguro suplementar no mercado de seguro privado americano[medigap]. Eles encontraram evidências de existência de seleção adversa no mercado se seguro privado [Medigap], contudo ele julgou que tais efeitos não eram significativos do ponto de vista econômico. 75 [UFRGS] 25

26 Evidências Empíricas: Seleção Adversa Barbara Beliveau (1981) testou a teoria de seleção adversa no mercado de seguro de vida e encontrou que a seleção adversa levou a uma redução no consumo de seguro pelos indivíduos de baixo risco. Conrad, Grembowski e Milgrom (1985) - encontraram evidências de que a seleção adversa ocorre em mercados para seguro dentário. 76 Evidências Empíricas: Seleção Adversa Mark J. Browne (1989) encontrou que a seleção adversa estaria presente no mercado de seguro saúde para indivíduos. O problema de seleção adversa levaria a uma redução no consumo de seguro saúde pelos indivíduos de baixo risco e a uma transferência de riqueza dos indivíduos de baixo risco para os de alto risco. 77 Evidências Empíricas: Seleção Adversa Mark J. Browne (1989, p. 32) encontrou ainda que os indivíduos segurados com baixo risco compram mais seguros em mercados de grupo do que em mercados de seguro individual. O baixo consumo pelos indivíduos de risco reduzido nos mercados de seguro individual é consistente com a teoria da seleção adversa. 78 [UFRGS] 26

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

SELEÇÃO ADVERSA & SEGUROS: O MODELO DE ROTHSCHILD & STIGLITZ (1976) Giácomo Balbinotto Neto UFRGS

SELEÇÃO ADVERSA & SEGUROS: O MODELO DE ROTHSCHILD & STIGLITZ (1976) Giácomo Balbinotto Neto UFRGS SELEÇÃO ADVERSA & SEGUROS: O MODELO DE ROTHSCHILD & STIGLITZ (1976) Giácomo Balbinotto Neto UFRGS Rothschild & Stiglitz (1976) & 2 A Importância do Artigo de R&S (1976) The classic article on adverse selection

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa Isabel Mendes 2007-2008 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 O que até agora

Leia mais

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria 16 Seguro e doença preexistente Lauro Vieira de Faria Um dos temas mais polêmicos no mercado de seguros são as limitações e até recusas de cobertura decorrentes das chamadas doenças preexistentes. Em diversos

Leia mais

Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos

Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos Empresas Sem Fins Lucrativos Prof. Giácomo Balbinotto Neto Notas de Aula Curso de Especialização em Direito e Economia Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos A característica que define uma empresa

Leia mais

Como funciona o seguro

Como funciona o seguro Como funciona o seguro Sobre a Insurance Europe A Insurance Europe é a federação de seguradoras e resseguradoras da Europa. Por meio dos seus 34 órgãos membros as associações nacionais de seguradoras a

Leia mais

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008 Introdução à Economia da Saúde Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude Abril/2008 Tópicos Introdução à Economia da Saúde : Definição de Economia da Saúde; Gasto em Saúde;

Leia mais

12 dicas para baixar o preço do seguro do carro

12 dicas para baixar o preço do seguro do carro 12 dicas para baixar o preço do seguro do carro Especialistas ensinam a pagar mais barato sem assumir riscos demais cortando coberturas necessárias Carros antigos: seguros mais caros devido aos custos

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO ECONOMIA DA INFORMAÇÃO PPGE/UFRGS SELEÇÃO ADVERSA E O COLAPSO DO MERCADO DE CRÉDITO O MODELO DE MANKIW (1986) O MODELO DE MANKIW (1986) Bibliografia: MANKIW, N.G. (1986). The Allocation of Credit and Financial

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12 2 SIGA SEGURO MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. O SIGA SEGURO é um seguro de acidente pessoal coletivo por prazo certo, garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A. Prevenir é sempre

Leia mais

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Página 1 Conceitos Risco É um evento incerto cuja ocorrência tem um efeito negativo. Esse evento pode

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica 2.4 Contratos e custos de transacção 2.4.1 Os custos de transacção (económicos e políticos) 2.4.2 O Teorema de Coase 2.5 Agência e problemas

Leia mais

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde.

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde. Seguros para a Cobertura de Medicamentos Principais Desafios e Experiências 1. Contexto 2 No Brasil: 38,8 milhões de brasileiros (20% da população) utilizam medicamentos contínuos; desses, 12,4 milhões

Leia mais

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN.

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN. CARTILHA DPVAT - Apresentação Esta cartilha nasceu da constatação dos Promotores de Justiça, que atuam nas Varas de Delitos de Trânsito e nos Juizados Especiais Criminais, de que grande parte das vítimas

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

2. Teoria da informação e seleção adversa

2. Teoria da informação e seleção adversa 19 2. Teoria da informação e seleção adversa Os problemas relacionados às informações sobre as transações realizadas entre os agentes têm, cada vez mais, sido levado em conta nas análises econômicas e

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [V. 2005] 1

PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [V. 2005] 1 ASSIMETRIA DE INFORMAÇÕES NO MERCADO DE SEGUROS [SEGURO-SAÚDE & AUTOMÓVEIS] GIÁCOMO BALBINOTTO NETO TEORIA MICROECONÔMICA III I/2005 O que é um seguro? [cf. Arrow (1971, cap.5)] O seguro não é um bem material,

Leia mais

Audiência Pública Projeto de Lei da Câmara n o 39, de 2007

Audiência Pública Projeto de Lei da Câmara n o 39, de 2007 Audiência Pública Projeto de Lei da Câmara n o 39, de 2007 Aspectos econômicos da negociação coletiva de médicos na Saúde Suplementar 1 Coordenação-Geral de Economia da Saúde (COGSA) Ministério da Fazenda

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO Estipulante: BANCO TRIÂNGULO S. A. Seguradora: PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Número processo SUSEP: 15414.000223/2007-67

Leia mais

Finanças Públicas. Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ

Finanças Públicas. Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ Finanças Públicas Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ 1. INTRODUÇÃO Seguro Social X Programas de Bem estar Principais tipos de Seguro Social: Seguridade Social (aposentadoria) Seguro Saúde

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 2012 Towers Watson. Todos os direitos reservados. 29ª Pesquisa de Benefícios Towers Watson

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos

Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos A premissa básica em investimentos afirma que não há retorno sem risco. A busca por um ganho em rentabilidade é sempre acompanhada por uma

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS N. 2 (SELEÇÃO ADVERSA)

LISTA DE EXERCÍCIOS N. 2 (SELEÇÃO ADVERSA) 1 UFRGS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA (PPGE/UFRGS) DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO LISTA DE EXERCÍCIOS N. 2 (SELEÇÃO ADVERSA)

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO 2006 N.º Despacho PROJETO DE LEI N.º 942/2006 TORNA OBRIGATÓRIA A AFIXAÇÃO DE CARTAZ INFORMATIVO SOBRE O SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES DE VIA TERRESTRE (DPVAT),

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR Seja bem-vindo à Blue Service Assistance, a opção mais vantajosa em assistência e clube de vantagens. É uma enorme satisfação ter você como nosso associado. A Blue Service Assistance está cada vez mais

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro 1. Referência legal do assunto Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro SEGURO O seguro é uma operação pela qual, mediante o pagamento de uma pequena remuneração, uma pessoa, o segurado, se faz

Leia mais

1. Introdução. Capitalização FENASEG no ano de 2005. 2 Tábuas de mortalidade construídas com base na população norte americana.

1. Introdução. Capitalização FENASEG no ano de 2005. 2 Tábuas de mortalidade construídas com base na população norte americana. 1. Introdução O mercado segurador vem ganhando importância no cenário econômico brasileiro, representando hoje, aproximadamente 3,5% do PIB 1, sendo que 1,6% refere-se ao segmento de pessoas, ou seja,

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

Cativas de aluguel. Uma visão geral dos recursos do Grupo ACE

Cativas de aluguel. Uma visão geral dos recursos do Grupo ACE Cativas de aluguel Uma visão geral dos recursos do Grupo ACE Simplicidade na complexidade Recursos da ACE com relação a cativas de aluguel Gerenciar seus próprios riscos agora ficou mais fácil. Nos últimos

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados Cartilha de Extensão de Benefício do Seguro-saúde Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou Aposentados Dezembro / 2013 Índice Introdução... 02 1. Definições...

Leia mais

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL Luciano Rodrigues Lara* Resumo No Brasil, a partir da implantação do Plano Real, houve uma acentuada queda no spread bancário,

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 30 Seleção Adversa Seleção adversa: se

Leia mais

Sumário. Parte I. Parte II 3 FERRAMENTAS DE ANÁLISE NORMATIVA 34 1 INTRODUÇÃO 2 2 FERRAMENTAS DE ANÁLISE POSITIVA 18 4 BENS PÚBLICOS 54

Sumário. Parte I. Parte II 3 FERRAMENTAS DE ANÁLISE NORMATIVA 34 1 INTRODUÇÃO 2 2 FERRAMENTAS DE ANÁLISE POSITIVA 18 4 BENS PÚBLICOS 54 Parte I PRIMEIROS PASSOS 1 1 INTRODUÇÃO 2 FINANÇAS PÚBLICAS E IDEOLOGIA 3 Visão orgânica do governo 3 Visão mecanicista do governo 4 Ponto de vista deste livro 5 O GOVERNO RESUMIDO 5 O marco legal 5 O

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO 2 Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo por Prazo Certo MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO DPVAT O QUE É DPVAT? Toda a facilidade para vítimas, beneficiários, corretores de seguro e hospitais no atendimento aos processos de indenização do Seguro Obrigatório. O Seguro DPVAT foi criado com o objetivo

Leia mais

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento 13 1 Introdução Esta dissertação é o estudo de um problema estatístico de classificação que diz respeito à precificação de seguros de automóveis. Devido às particularidades deste ramo, a formação dos contratos,

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Insegurança nas atividades cotidianas SEGURO Necessidade de controlar o RISCO! Conhecimentos Bancários Item 2.3.3-

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Quem deve pagar a conta dos subsídios nos serviços de utilidade pública?

Quem deve pagar a conta dos subsídios nos serviços de utilidade pública? Quem deve pagar a conta dos subsídios nos serviços de utilidade pública? Paulo Springer de Freitas 1 (07/02/2012) Muito mais corriqueiramente do que se imagina, alguns consumidores ajudam a pagar a conta

Leia mais

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537.

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537. Assist24h_AutoPasseio_jul 6/13/07 4:32 PM Page 1 CARO SEGURADO Para você que adquiriu o Real Automóvel e contratou os serviços de Assistência 24 horas, este é o seu guia de serviços da Real Assistência.

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS MINUTA DE RESOLUÇÃO QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: RESOLUÇÃO PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior REGULAMENTO DE ACÚMULO DE PONTOS NO PROGRAMA BRADESCO COM TRANSFERÊNCIA PARA O PROGRAMA FIDELIDADE

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

Unimed Responsabilidade Civil Profissional para Instituições de Saúde

Unimed Responsabilidade Civil Profissional para Instituições de Saúde Matriz: Alameda Ministro Rocha Azevedo, 346 01410-901 - São Paulo - SP Atendimento Nacional: 0800 016 6633 Atendimento ao Deficiente Auditivo: 0800 770 3611 Unimed Responsabilidade Civil Profissional para

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO:

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: 1.1 A destinação deste plano de benefício é disponibilizar, ora contratado, diárias de veículo econômico com ar para as pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Condições Particulares Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 0 ÍNDICES CONDIÇÕES PARTICULARES 1. OBJETO DO SEGURO 2 2. ESTIPULANTE 2 3. GRUPO SEGURÁVEL 2 4. GRUPO SEGURADO

Leia mais

Em meu entendimento, ela foi abaixo das expectativas. Prova fácil, cobrando conceitos básicos de Microeconomia, sem muita sofisticação.

Em meu entendimento, ela foi abaixo das expectativas. Prova fácil, cobrando conceitos básicos de Microeconomia, sem muita sofisticação. Comentários Microeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam das questões de micro (área 3)? Em meu entendimento, ela foi abaixo das expectativas. Prova fácil, cobrando conceitos básicos de Microeconomia,

Leia mais

Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia

Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia 1 Glossário de siglas: Susep: Superintendência de Seguros Privados, órgão regulador do mercado de seguros

Leia mais

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior REGULAMENTO DE ACÚMULO DE PONTOS NO PROGRAMA BRADESCO COM TRANSFERÊNCIA PARA O PROGRAMA FIDELIDADE

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA

COMUNICADO À IMPRENSA 27 NOVEMBRO 2012 PODE A ECONOMIA MUNDIAL SUPORTAR UM OUTRO 2011? Novo relatório global destaca os riscos de um déficit de $168 bilhões anualizado em seguros afetando as economias de alto crescimento Uma

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

1 Introdução. futuras, que são as relevantes para descontar os fluxos de caixa.

1 Introdução. futuras, que são as relevantes para descontar os fluxos de caixa. 1 Introdução A grande maioria dos bancos centrais tem como principal ferramenta de política monetária a determinação da taxa básica de juros. Essa taxa serve como balizamento para o custo de financiamento

Leia mais

LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL: INCENTIVANDO A INFORMALIDADE*

LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL: INCENTIVANDO A INFORMALIDADE* CAPÍTULO 7 LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL: INCENTIVANDO A INFORMALIDADE* José Márcio Camargo** Maurício Cortez Reis*** 1 INTRODUÇÃO Em dezembro de 1993 foi aprovada a Lei Orgânica da Assistência Social

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber.

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber. compensações por terceiros, e qualquer compra ou construção subsequente de ativos de substituição, constituem acontecimentos económicos separados e devem ser contabilizados da seguinte forma: (a) A imparidade

Leia mais

A Teoria Econômica da Prática Médica

A Teoria Econômica da Prática Médica A Teoria Econômica da Prática Médica Prof. Giácomo Balbinotto Neto Economia da Saúde UFRGS Bibliografia Recomendada Cap. 15 Cap. 9 & 10 Cap. 3 (p.75-92) e Cap. 5 2 Introdução Nesta aula focamos o médico

Leia mais

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS PARA 2015 Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final de 2014. Não deixe de estar por dentro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

RH 2020: Valor e Inovação. Benefício Saúde: Reforma do Sistema de Saúde Americano

RH 2020: Valor e Inovação. Benefício Saúde: Reforma do Sistema de Saúde Americano RH 2020: Valor e Inovação Benefício Saúde: Reforma do Sistema de Saúde Americano Transformações recentes no mercado Americano podem ser replicadas no Brasil? Cesar Lopes 7 de maio de 2015, São Paulo Visão

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2010 (do Sr. Raimundo Gomes de Matos)

PROJETO DE LEI Nº DE 2010 (do Sr. Raimundo Gomes de Matos) PROJETO DE LEI Nº DE 2010 (do Sr. Raimundo Gomes de Matos) O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 6.194, de 19 de dezembro de 1974, para permitir o parcelamento do pagamento e a redução gradativa

Leia mais

SOBRE A MUNDIAL VISÃO

SOBRE A MUNDIAL VISÃO CARRO RESERVA SOBRE A MUNDIAL A Mundial inovou o mercado de proteção veicular, oferecendo uma grande diversidade de bene cios para você e sua empresa. Hoje, contamos com profissionais altamente qualificados,

Leia mais

Salvaguardando imprevistos coloquem em causa o. O PH Protecção Hipotecária é um seguro de vida. individual de protecção de crédito associado a um

Salvaguardando imprevistos coloquem em causa o. O PH Protecção Hipotecária é um seguro de vida. individual de protecção de crédito associado a um O PH Protecção Hipotecária é um seguro de vida Salvaguardando imprevistos coloquem em causa o individual de protecção de crédito associado a um equilíbrio orçamental do agregado familiar, contrato de financiamento

Leia mais

Berkeley Program in Law and Economics UC Berkeley

Berkeley Program in Law and Economics UC Berkeley Berkeley Program in Law and Economics UC Berkeley Peer Reviewed Title: A Regulamentação do Setor de Saúde Suplementar no Brasil e Risco Moral: Uma Aplicação da Regressão Quantílica Para Dados de Contagem

Leia mais

COMO AS TRADINGS E AGROINDUSTRIAS PROTEGEM VARIAÇÕES DE PREÇOS COM CUSTOS DE APENAS 01 2005/06). 2% A 3% DO VALOR PROTEGIDO?

COMO AS TRADINGS E AGROINDUSTRIAS PROTEGEM VARIAÇÕES DE PREÇOS COM CUSTOS DE APENAS 01 2005/06). 2% A 3% DO VALOR PROTEGIDO? AGROVISION Brasília Prof. Clímaco Cezar (climaco23@gmail.com) PROGRAMAS: AGRORENDA E PESAGRO AGRORENDA: O SEGURO DE RENDA MUITO BARATO PARA PROTEGER OS INTERESSES DOS AGRICULTORES E DESENVOLVER O AGRONEGÓCIO

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Guia Rápido de Viagem

Guia Rápido de Viagem Guia Rápido de Viagem Habilitação para uso no exterior Para aumentar sua segurança, seu cartão tem um bloqueio para uso no exterior. Antes de iniciar sua viagem para destinos internacionais, habilite-o

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

1.PLANO AUTO STANDARD

1.PLANO AUTO STANDARD 1.PLANO AUTO STANDARD 1.1.Definições ACIDENTE/SINISTRO Colisão, abalroamento ou capotagem envolvendo direta ou indiretamente o veículo e que impeça o mesmo de se locomover por seus próprios meios. COBERTURA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE ALTA TAXAS CADA

Leia mais

Qual é o risco real do Private Equity?

Qual é o risco real do Private Equity? Opinião Qual é o risco real do Private Equity? POR IVAN HERGER, PH.D.* O debate nos mercados financeiros vem sendo dominado pela crise de crédito e alta volatilidade nos mercados acionários. Embora as

Leia mais

Resumo do Protocolo Partner

Resumo do Protocolo Partner Resumo do Protocolo Partner Estudo em casais serodiscordantes em relação ao VIH para estimativa da taxa de transmissão de VIH e investigação de factores associados à utilização de preservativo. Partners

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

Técnicas de financiamento de sistemas de segurança social

Técnicas de financiamento de sistemas de segurança social Técnicas de financiamento de sistemas de segurança social Maria Teresa Medeiros Garcia IDEFF, 26 de Maio de 2015 Referência: Cichon, M.; Scholz, W.; van de Meerendonk, A.; Hagemejer, K.; Bertranou, F.;

Leia mais

Economia aplicada à saúde suplementar: pequenas ideias para um setor melhor. Juan Pérez Ferres. Salus Inteligência e Ferrés Consultoria

Economia aplicada à saúde suplementar: pequenas ideias para um setor melhor. Juan Pérez Ferres. Salus Inteligência e Ferrés Consultoria Economia aplicada à saúde suplementar: pequenas ideias para um setor melhor Juan Pérez Ferres Salus Inteligência e Ferrés Consultoria Todos sabemos os problemas do setor Mas pouca gente sabe o tamanho

Leia mais

5 Viés de Sobrevivência (Survival Bias)

5 Viés de Sobrevivência (Survival Bias) 5 Viés de Sobrevivência (Survival Bias) A análise até agora tem se baseado na hipótese aparentemente inócua de que é apropriado utilizar dados históricos dos Estados Unidos para se estimar o equity risk

Leia mais

Risco nas Aplicações Financeiras e os Fundos de Investimento

Risco nas Aplicações Financeiras e os Fundos de Investimento Risco nas Aplicações Financeiras e os Fundos de Investimento Risco nas Aplicações Financeiras e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

Manual do Cliente. Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Jul./14

Manual do Cliente. Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Jul./14 Manual do Cliente Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Jul./14 2 FAMILIA NALIN MULHER MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS

A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS Ney Roberto Ottoni de Brito Ph.D., Stanford University Sócio-Diretor, Ney O. Brito e Associados Foi Professor Titular da UFRJ e Associado

Leia mais

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL SEGURO DE CRÉDITO Proteção para as vendas a prazo de produtos ou Prestação de serviços entre empresas Proteção para o Ativo

Leia mais

Regulação em saúde: análise de conceitos fundamentais

Regulação em saúde: análise de conceitos fundamentais 122 SOCIOLOGIAS DOSSIÊ Regulação em saúde: análise de conceitos fundamentais JANICE DORNELLES DE CASTRO* propósito deste artigo é discutir se as leis da oferta e demanda se aplicam ao mercado da saúde,

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais