Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?"

Transcrição

1 Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Página 1

2 Conceitos Risco É um evento incerto cuja ocorrência tem um efeito negativo. Esse evento pode ser totalmente incerto, como a queda de um raio, ou certo, mas acontecendo em data incerta, como a morte. O impacto financeiro de um evento de risco em saúde pode atingir milhares de reais e levar um indivíduo que não se precaveu à falência, ou o a perder parte substancial de um patrimônio que lhe exigiu anos para acumular. São nesses casos que o Gerenciamento do Risco se torna importante. Página 2

3 Conceitos Gerenciamento do Risco Evitar o risco Reduzir o Risco Correr o risco Página 3

4 Conceitos Gerenciamento do Risco Evitar o risco É o caso do indivíduo que, planejando viajar de carro, ao observar os pneus gastos do seu automóvel, desiste de viajar. Reduzir o Risco No caso anterior, o indivíduo viaja, mas a uma velocidade baixa de modo a evitar ter de frear bruscamente e arriscar uma derrapagem perigosa. Página 4

5 Conceitos Gerenciamento do Risco Correr o risco O indivíduo que decide correr o risco tem três possibilidades de gerenciá-lo: Autosseguro Seguro Mutualismo Página 5

6 Conceitos Gerenciamento do Risco Autosseguro É o método pelo qual o indivíduo acumula reservas financeiras para compensar determinada perda potencial que pode sofrer no futuro. Seguro É a opção que envolve a transferência do risco de perda de uma entidade (empresa ou indivíduo) para outra entidade (seguradora) em troca do pagamento de um prêmio. O conjunto dos prêmios de vários riscos, muitos sem sinistro, permite às seguradoras formar reservas para pagar os sinistros. Página 6

7 Conceitos Gerenciamento do Risco Mutualismo É o método que preconiza a divisão de perdas entre um grupo de indivíduos interessados. Historicamente, esse foi o começo do seguro, quando navegadores se reuniam e estimavam suas perdas com embarcações e cargas, e então, repartiam essas perdas estimadas entre eles, seguindo algum critério. Em tese, o principio do mutualismo é o utilizado pelas Operadoras de Planos de Saúde no Brasil. Página 7

8 Conceitos Regimes Financeiros Capitalização Repartição Simples Capital de cobertura Página 8

9 Conceitos Regimes Financeiros O Regime de Capitalização é o método que consiste em determinar a contribuição necessária para atender determinado fluxo de pagamento de benefícios, estabelecendo que o valor da série de contribuições efetuadas ao longo do tempo seja equivalente ao valor da série de pagamentos de benefícios que se fará no futuro. Esse modelo de financiamento constitui reservas tanto para os participantes ativos (fase de capitalização) como para os assistidos (fase de benefício) e obviamente pressupõe a aplicação das contribuições nos mercados financeiros, de capitais e imobiliários, a fim de adicionar valor à reserva que se está constituindo. Página 9

10 Conceitos Regimes Financeiros No Regime de Repartição Simples, os prêmios pagos em determinado período formam um fundo que se destina aos gastos com todos os sinistros ocorridos no próprio período. O valor do prêmio é calculado atuarialmente de forma que, ocorrido o sinistro, o segurado recebe uma indenização pré-estabelecida independentemente do valor que pagou. No mercado de seguros, para garantia da solvência das empresas, a legislação impõe a formação de diversas provisões técnicas. Destaca-se no Brasil, a impossibilidade de se limitar os gastos com sinistros nos casos de Seguro Saúde. Página 10

11 No Regime de Repartição Simples, um grande desafio é definir o preço dos planos de saúde, que ao mesmo tempo seja: Baixo para garantir a manutenção e captação de novos beneficiários; Adequado para suportar as atuais necessidades de gastos com sinistros incorridos; Suficiente para formar reservas de gastos futuros relativos aos sinistros a incorrer. Página 11

12 Preço dos Planos de Saúde AJUSTES CARREGAMENTOS MARGEM DE SEGURANÇA ESTATÍSTICA PRÊMIO COMERCIAL PRÊMIO PURO CUSTO ESPERADO Página 12

13 Preço dos Planos de Saúde Causas de Insolvência das Seguradoras Norte Americanas 3,42% 4,27% 2,56% 8,55% Inadequada precificação e reservas levando a prejuízos operacionais Crescimento rápido sem uma base de capital adequada Problemas com investimentos em afiliadas/outros negócios 7,69% 7,69% 41,03% Mudança significativa no negócio (ex.: rápida expansão para novas linhas de produtos e mercados) Ativos superestimados Fraude 24,79% Falhas no processo de resseguro Causas indeterminadas FONTE: 1) Apresentação da ANS Desafios da Precificação de Riscos em Saúde, ) Transactions of SOA, Vol. 47, Analysis of Health Carrier Insolvencies Página 13

14 Operadoras de Pequeno Porte Eventos de grande risco Dependência Intergeracional Competitividade em preços Fórmula de Custeio Socialização salarial Página 14

15 Operadoras de Pequeno Porte Lei dos Grandes Números: Dada uma amostra de observações independentes e identicamente distribuídas de uma variável aleatória, a média da amostra tende a se igualar à média da população, na medida em que o número de observações aumenta. Quanto maior o número de beneficiários, maior a estabilidade dos valor do sinistros esperados e menor o valor da componente de risco na formação do preço. Página 15

16 Operadoras de Pequeno Porte Página 16

17 Operadoras de Pequeno Porte Faixa Etária Perfil 200 mil 5 mil ,02% R$ 125,98 R$ 187, ,84% R$ 165,88 R$ 264, ,87% R$ 219,25 R$ 330, ,31% R$ 248,77 R$ 347, ,52% R$ 270,23 R$ 394, ,47% R$ 280,86 R$ 422, ,73% R$ 320,29 R$ 470, ,07% R$ 399,40 R$ 583, ,78% R$ 479,10 R$ 676,41 59 ou mais 17,40% R$ 1.041,79 R$ 1.294,66 Geral - R$380,56 R$435,57 Nota: valores por faixa etária antes dos ajustes legais Custo Risco Margem R$ 60,89 R$ 60,89 R$ 45,67 R$ 100,68 R$ 274,00 R$ 274, mil 5 mil Página 17

18 Operadoras de Pequeno Porte Solução: Introdução de um mecanismo de resseguro Custo Risco Resseguro Margem R$ 60,89 R$ 60,89 R$ 45,67 R$ 100,68 R$ 60,89 R$ 40,27 R$ 15,10 R$ 274,00 R$ 274,00 R$ 274,00 R$ 380,56 R$ 435,57 R$ 390, mil vidas 5 mil vidas 5 mil vidas com resseguro Página 18

19 Dependência Intergeracional Atualmente, para um mesmo plano de saúde, o uso de faixas etárias é o único critério possível para de agrupamento de riscos. Caso os preços fossem definidos idade a idade, certamente os mais jovens teriam preços muito diferentes em relação aos idosos devido ao seu perfil de utilização. Em contrapartida, se o preço fosse único para todas as idades, a inexistência de compulsoriedade quanto ao ingresso dos beneficiários poderia tornar a carteira insolvente caso houvesse predominância de idosos em relação aos mais jovens. Página 19

20 Dependência Intergeracional Página 20

21 Dependência Intergeracional 12 Prêmios Calculados x Custos 12 Prêmios Ajustados x Custos Página 21

22 Dependência Intergeracional Faixa Etária Carteira A Perfil Etário Preço Calculado Preço Ajustado ,02% R$ 125,98 R$ 148, ,84% R$ 165,88 R$ 171, ,87% R$ 219,25 R$ 199, ,31% R$ 248,77 R$ 231, ,52% R$ 270,23 R$ 269, ,47% R$ 280,86 R$ 312, ,73% R$ 320,29 R$ 362, ,07% R$ 399,40 R$ 489, ,78% R$ 479,10 R$ 659,34 59 ou mais 17,40% R$ 1.041,79 R$ 888,79 Geral - R$390,12 R$390,12 Carteira B Perfil Etário Preço Calculado Preço Ajustado 30,02% R$ 125,98 R$ 139,92 7,84% R$ 165,88 R$ 162,46 8,87% R$ 219,25 R$ 188,62 10,31% R$ 248,77 R$ 218,99 7,52% R$ 270,23 R$ 254,26 6,47% R$ 280,86 R$ 295,20 6,73% R$ 320,29 R$ 342,74 7,07% R$ 399,40 R$ 462,01 7,78% R$ 479,10 R$ 622,80 7,40% R$ 1.041,79 R$ 839,53 - R$298,54 R$298,54 Página 22

23 Dependência Intergeracional Solução: Devido a inexistência de compulsoriedade na adesão aos planos de saúde, são grandes os riscos se seleção adversa quanto ao perfil etário na composição da carteira, o que pode por inviabilizar o chamado pacto intergeracional. Rediscutir as atuais regras de variação de preço por faixa etária poderia viabilizar o uso de regimes financeiros mistos (repartição simples e capitalização) reduzindo assim a dependência intergeracional. O projeto de lei número 7.052, de 2014, ainda na Câmara dos Deputados, trata sobre o VGBL Saúde, cuja proposta é a formação de uma poupança exclusiva para gastos com planos de saúde na aposentadoria. Página 23

24 Fórmula de Custeio Embora o mercado de saúde suplementar adote de forma massificada o uso de tabelas de preços por faixas etárias como fórmula para custear suas operações, no segmento de Autogestões, dada suas peculiaridades, encontram-se muitos casos onde outros princípios de socialização dos custos são considerados. Além de critérios de subsídios cruzados entre as gerações de beneficiários do plano, outros ligados ao tamanho do grupo familiar (famílias menores que subsidiam as mensalidades de famílias maiores) e ao nível salarial de seus participantes (quem pode mais paga mais), mesmo definidos a décadas, ainda são facilmente encontrados hoje em dia. Página 24

25 Fórmula de Custeio Dentre os exemplos citados, a socialização em relação ao salário desponta como uma das mais preocupantes do ponto de vista atuarial, haja vista que, em geral, o crescimento do salário do participante não acompanha o crescimento dos seus gastos com a saúde, quer seja por seu natural envelhecimento, quer seja 2004 pela 2005 chamada inflação 2008 saúde, 2009 especialmente quando de sua aposentadoria. 250% 200% % 250% 118,95% 147,24% 100% 200% 50% 150% 71,08% 118,95% 147,24% 0% 100% 50% Página 25 71,08% IPCA Reajuste ANS Custo ANS

26 Fórmula de Custeio Solução: Novamente, devido a inexistência de compulsoriedade na adesão aos planos de saúde, são grandes os riscos de seleção adversa que podem inviabilizar esse modelos de socialização. A exemplo dos fundos de pensão que sofreram profundas transformações em suas propostas de planos de benefícios, as formulas de custeio das Autogestões que se baseiam em salários precisam ser revistas em relação a realidade atual e futura de seus custos assistenciais, bem como a percepção de seus atuais associados sobre os princípios de equidade historicamente adotados. Página 26

27 Fórmula de Custeio Solução: Embora a ideia de planos semifundados (a exemplo do VGBL Saúde) seja tentadora devido as condições de grupos fechados nas Autogestões, é inconteste o fato de atualmente inexistirem reservas financeiras constituídas para esta finalidade, restando assim como solução válida apenas para as gerações mais novas. Não se vislumbra solução genérica sobre este assunto. Apenas a execução de estudos atuariais específicos, caso a caso, poderão explicitar todos os impactos financeiros e sociais em um processo de mudança de formula de custeio. Página 27

28 Obrigado! Página 28

Regulação de Preços de Planos de Saúde * #

Regulação de Preços de Planos de Saúde * # Regulação de Preços de Planos de Saúde * # Rodrigo Mendes Leal 1 e João Boaventura Branco de Matos 2 1. Economista do BNDES, Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental pela ENAP/MP e mestre

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA A ASSEMBLEIA DE 18/06/2015

CONSIDERAÇÕES PARA A ASSEMBLEIA DE 18/06/2015 CONSIDERAÇÕES PARA A ASSEMBLEIA DE 18/06/2015 1 INFORMES 1.1- Demonstrações contábeis 2014: Na reunião do Conselho Curador, ocorrida em Brasília/DF no período de 27 e 28 de abril de 2015, os Conselheiros

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA Visão geral de previdência Agenda 4Conceitos assistência, previdência, seguro 4Regimes e grandes números 4Sustentabilidade 4Previdência privada 4Saúde-Previdência 2 CONCEITOS

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado FEAAC Curso de Ciências Atuariais PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD de encerramento do exercício

Leia mais

Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar

Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar 50 Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar SANDRO LEAL ALVES 1 1 Este artigo reflete a opinião do autor e foi produzido a partir de apresentação realizada pelo mesmo por ocasião da 4ª Conferência

Leia mais

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Francine Leite Apresentação Este trabalho introduz o tema Envelhecimento

Leia mais

Sustentabilidade do Setor de Saúde Suplementar. Leandro Fonseca Diretor Adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras - DIOPE

Sustentabilidade do Setor de Saúde Suplementar. Leandro Fonseca Diretor Adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras - DIOPE Seminário Anual de Saúde 2013 Sustentabilidade dos programas de saúde: desafios e oportunidades Leandro Fonseca ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar 16 de maio de 2013 2013 Towers Watson. Todos os

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS Atualmente, no Brasil, aproximadamente 3000 municípios possuem Regimes Próprios de Previdência. Ao final do ano

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

Envelhecimento e Reajuste por Faixa Etária: Impacto da Lei 9.656 e do Estatuto do Idoso

Envelhecimento e Reajuste por Faixa Etária: Impacto da Lei 9.656 e do Estatuto do Idoso 140 Envelhecimento e Reajuste por Faixa Etária: Impacto da Lei 9.656 e do Estatuto do Idoso Eunice Bitencourt Haddad 1 O aumento do número de idosos, que se revela em verdadeiro bônus demográfico, acarreta,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 1 CONTEXTO CUSTOS DA SAÚDE COLOCAM OPERADORAS EM RISCO FINANCEIRO O SETOR DE SAÚDE ESTÁ EM ALERTA O aumento dos custos com procedimentos médicos e hospitalares tem superado

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM 1.00.00.00-3 CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.02.00.00-2 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM AUTOR: GABRIEL LOPES DOS SANTOS FILIAÇÃO: CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 215 Estatísticas do Mercado Segurador Mercado Segurador - Visão Geral Arrecadação por segmento - histórico anual 3 Arrecadação por segmento do ano atual

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE PLANOS. Oclair Custódio dos Santos

PRECIFICAÇÃO DE PLANOS. Oclair Custódio dos Santos PRECIFICAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE Oclair Custódio dos Santos 2 Programação - Precificação FDPR OBJETIVOS ASPECTOS CONCEITUAIS APLICADOS AO CÁLCULO ATUARIAL ASPECTOS DA GESTÃO DE RISCO NOS PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 29ª Edição Agosto de 214 SUMÁRIO EXECUTIVO Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (Mar/14): 5.722.522; Taxa

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

Formação de preços e aumentos por mudança de faixa etária

Formação de preços e aumentos por mudança de faixa etária 1 Formação de preços e aumentos por mudança de faixa etária A presente nota tem o objetivo de esclarecer as regras gerais da atual regulamentação para a formação dos preços e dos aumentos por mudança de

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia

Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia 1 Glossário de siglas: Susep: Superintendência de Seguros Privados, órgão regulador do mercado de seguros

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

AS PRINCIPAIS ATIVIDADES DO ATUÁRIO NAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE - OPS

AS PRINCIPAIS ATIVIDADES DO ATUÁRIO NAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE - OPS João Pessoa - PB 5 de abril de 2013 AS PRINCIPAIS ATIVIDADES DO ATUÁRIO NAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE - OPS Atenção Médico-Hospitalar (MH) José Nazareno Maciel Júnior Atuário MIBA 1.286 Coordenador

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

Pensando Previdência

Pensando Previdência 1 Pensando Previdência EVENTO Numero de Beneficio POPULAÇÃO URBANA Valor Totais 19.521.000 17.317 (Bi) Aposentadoria por Tempo de contribuição Aposentadoria por Velhice Aposentadoria Por Invalidez Pensão

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Origem - BD Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários do

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 215 Estatísticas do Mercado Segurador Mercado Segurador - Visão Geral Arrecadação por segmento - histórico anual 3 Arrecadação por segmento do ano atual

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

RH 2020: Valor e Inovação. Rediscutindo os modelos financeiros existentes. René Ballo. 7 de maio de 2015, São Paulo

RH 2020: Valor e Inovação. Rediscutindo os modelos financeiros existentes. René Ballo. 7 de maio de 2015, São Paulo RH 2020: Valor e Inovação Rediscutindo os modelos financeiros existentes René Ballo 7 de maio de 2015, São Paulo Avanços da medicina e de medicamentos Ampliação do rol de procedimentos Envelhecimento da

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

José Cechin Allianz 15 out 2009

José Cechin Allianz 15 out 2009 PLANOS E SEGUROS DE SAÚDE PARA DESLIGADOS José Cechin Allianz 15 out 2009 Agenda 1. Demografia 2. Perfil dos gastos por faixa etária 3. Cobertura para desligados demitidos e aposentados 2 1. DEMOGRAFIA

Leia mais

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário Confederação Confederação Confederação Confederação Confederação da Agricultura e Nacional do Nacional da Nacional das Nacional do Pecuária do Brasil Comércio Indústria Instituições Transporte Financeiras

Leia mais

PARECER TÉCNICO. Diferenciação de Risco e Mensalidade ou Prêmio entre Faixas Etárias em Planos e Seguros de Saúde

PARECER TÉCNICO. Diferenciação de Risco e Mensalidade ou Prêmio entre Faixas Etárias em Planos e Seguros de Saúde PARECER TÉCNICO Diferenciação de Risco e Mensalidade ou Prêmio entre Faixas Etárias em Planos e Seguros de Saúde Apresentação Este trabalho apresenta fundamentos da teoria dos seguros e, especificamente,

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Sistema de Saúde Suplementar

Sistema de Saúde Suplementar 300 Sistema de Saúde Suplementar Marcia Cunha S. A. de Carvalho 1 INTRODUÇÃO Desde as últimas décadas do século XX, assistimos à demissão do Estado de seu dever de prestar assistência à saúde da população,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

Release de Resultado Janeiro/08

Release de Resultado Janeiro/08 PORTO SEGURO anuncia lucro líquido de R$10,0 milhões ou R$0,13 por ação em janeiro de 2008 São Paulo, 17 de Março de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados de janeiro de 2008. As

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 10, DE 2015

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 10, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº 10, DE 2015 Altera o art. 2º do Decreto-Lei nº 2.296, de 21 de novembro de 1986, a alínea p do 9º do art. 28 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 e o art. 63 da Medida Provisória nº

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Curso: Ciências Atuariais. Minicurso: Noções do Mercado de Saúde

SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Curso: Ciências Atuariais. Minicurso: Noções do Mercado de Saúde SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL Universidade Federal do Rio Grande do Norte Curso: Ciências Atuariais Minicurso: Noções do Mercado de Saúde Suplementar Beatriz Resende Rios da Mata Atuária MIBA 1474 Outubro/2011

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 2012 Towers Watson. Todos os direitos reservados. 29ª Pesquisa de Benefícios Towers Watson

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar

Considerações sobre Saúde Suplementar 118 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I Considerações sobre Saúde Suplementar Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 A Escola da Magistratura do Estado do Rio de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 3.498, DE 2008

PROJETO DE LEI Nº 3.498, DE 2008 COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI Nº 3.498, DE 2008 Dispõe sobre medidas de fortalecimento do Sistema Nacional de Seguros Privados, Previdência Complementar Aberta e Capitalização, e dá outras

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

Desafios da Precificação de Riscos em Saúde

Desafios da Precificação de Riscos em Saúde Desafios da Precificação de Riscos em Saúde Painel de Precificação Planos de Saúde 2012 Preço médio sem outliers da faixa etária 44 aos 48 anos dos planos com internação de contratação individual ou familiar

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

Regras de Tributação das Entidades Fechadas de Previdência Complementar

Regras de Tributação das Entidades Fechadas de Previdência Complementar Regras de Tributação das Entidades Fechadas de Previdência Complementar Aspectos operacionais Acumulação em planos de natureza atuarial e não atuarial Aperfeiçoamento das normas legais Comparativo das

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Ensino a distância ÍNDICE I) O QUE É PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? II) SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR III) MARCOS REGULATÓRIOS IV) PLANOS DE BENEFÍCIOS V) ENTIDADES

Leia mais

SOLUÇÕES NA MEDIDA CERTA PARA VOCÊ

SOLUÇÕES NA MEDIDA CERTA PARA VOCÊ SOLUÇÕES NA MEDIDA CERTA PARA VOCÊ PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ATUARIAIS EM PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA E FECHADA REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA PLANOS DE SAÚDE E SERVIÇOS ASSISTENCIAIS SEGUROS DE VIDA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 001 - Princípios Atuariais.

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 001 - Princípios Atuariais. Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 001 - Princípios Atuariais. O INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA - IBA, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

demonstração da Mutação do ativo Líquido

demonstração da Mutação do ativo Líquido Período: dezembro de 2010 R$ mil demonstração da Mutação do ativo Líquido Visão ATelecom Descrição 2010 A) Ativo Líquido - Início do Exercício 2.207 1. Adições 4.979 (+) Contribuições 4.727 (+) Resultado

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [18.465.825/0001-47] FUNDACAO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PUBLICO DO PODER JUDICIARIO - FUNPRESP-JUD PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2013.0017-38] JUSMP-PREV ENCERRAMENTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

Caixa de Assistência Oswaldo Cruz

Caixa de Assistência Oswaldo Cruz Caixa de Assistência Oswaldo Cruz Propostas para nova tabela FioSaúde 2014 Data: 30.10.13 1 AGENDA 1. Objetivo da Assembleia 2. O contexto do mercado 3. A FioSaúde 4. O orçamento até setembro 5. O estudo

Leia mais

Reajuste por faixa etária, uma abordagem financeira

Reajuste por faixa etária, uma abordagem financeira por faixa etária, uma abordagem financeira Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo É muito comum vermos consumidores reclamando que ao completarem sessenta anos de idade têm suas mensalidades

Leia mais

Avaliação Atuarial de Banco de Dados

Avaliação Atuarial de Banco de Dados Avaliação Atuarial de Banco de Dados ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA - SP São José dos Pinhais, 12 de Junho de 2007. Índice 1. Introdução---------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante FenacorPrev Índice Introdução... 3 O Programa de Previdência FenacorPrev... 3 Contribuições... 4 Investimentos... 5 Benefício Fiscal... 6 Benefícios

Leia mais

Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007

Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007 Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007 1) Tendência e Participação O ramo de seguro de transportes é um dos mais tradicionais no mercado brasileiro.

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA - PERGUNTAS E RESPOSTAS

SUPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA - PERGUNTAS E RESPOSTAS SUPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA - PERGUNTAS E RESPOSTAS Dando sequência ao processo de esclarecimentos sobre a Suplementação de Aposentadoria, foi inserido novo conteúdo no site da Fundação, contendo respostas

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 1- SIGLA: OABPREV 2- CÓDIGO: 04501 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.070.021-83 - PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO - PREV DADOS

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

Modelo de Financiamento do Acesso Privado aos Serviços de Assistência à Saúde. José Cechin

Modelo de Financiamento do Acesso Privado aos Serviços de Assistência à Saúde. José Cechin Modelo de Financiamento do Acesso Privado aos Serviços de Assistência à Saúde José Cechin Agenda 1. Saúde: público e privado crise de meios 2. Conceitos: mercado privado e regulação 3. Riscos e precificação

Leia mais

Passivo Atuarial de Planos /Seguros Saúde na Carteira de Plano Individual/Familiar. Andréa Cardoso andrea.cardoso@milliman.com

Passivo Atuarial de Planos /Seguros Saúde na Carteira de Plano Individual/Familiar. Andréa Cardoso andrea.cardoso@milliman.com Passivo Atuarial de Planos /Seguros Saúde na Carteira de Plano Individual/Familiar Andréa Cardoso andrea.cardoso@milliman.com O QUE É PASSIVO ATUARIAL? Valor presente do fluxo das despesas e receitas,

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais