INDICE. CAPITULO I Objectivos, Organização e Coordenação.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICE. CAPITULO I Objectivos, Organização e Coordenação."

Transcrição

1 PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA PANDEMIA DE GRIPE A (H1 N1) Agosto/Setembro 2009

2 INDICE CAPITULO I Objectivos, Organização e Coordenação. CAPITULO II Plano de Comunicação. 1. Comunicação enquanto ameaça de Pandemia ou durante a Pandemia, mas sem registos de gripe na ESJAL. 2. Comunicação durante o estado de Pandemia ou em tempo de crise (com registos de Gripe A (H1N1) na ESJAL. CAPITULO III Plano de continuidade da actividade. 1. Plano de actividades a desenvolver a curto e médio prazo. 2. Organizar recursos em situação crítica 2.1. Recursos humanos 2.2. Recursos materiais 3. Entidades Externas - Gestão de acesso às instalações da ESCOLA CAPITULO IV Medidas e procedimentos a adoptar dentro da escola. 1. Medidas e procedimentos a adoptar pelos professores. 2. Medidas e procedimentos mais específicos do Director de Turma. 3. Procedimentos a adoptar pelos alunos. 4. Aptidão médica dos trabalhadores Professores e Funcionários. 5. Medidas e procedimentos a adoptar quando há sinalização de alunos, casos de Gripe A (H1N1) CAPITULO V Avaliação. CAPITULO VI ANEXOS ANEXO 1. Informações gerais sobre a Gripe e o vírus H1N1 ANEXO 2. Recomendações da DGS ANEXO 3. Medidas gerais de Higiene nos Estabelecimentos Escolares. ANEXO 4. Medidas e Materiais de Protecção Individual e Medicamentos. ANEXO 5. Medidas de Protecção Individual recomendadas pela DGS. 2 P ágina

3 CAPITULO I OBJECTIVOS, ORGANIZAÇÃO E COORDENAÇÃO Este Plano constitui um referencial de procedimentos a desenvolver na Escola, com o objectivo de conter a gripe e simultaneamente dar continuidade às actividades escolares. Este plano resulta da articulação de procedimentos referenciados pelos diversos elementos representativos da comunidade escolar, seguindo as orientações das Autoridades de Saúde Nacionais e Internacionais, perante a perspectiva de ocorrência de uma Pandemia. As acções que, eventualmente, se definam como necessárias quer no campo da prevenção quer na reacção a qualquer cenário mais grave, devem ser coordenadas com abordagens assumidas pela Direcção da Escola e cumulativamente com as orientações Tutelares. Os procedimentos no âmbito deste Plano que venham a ser implementados na ESJAL, têm a finalidade de uniformizar os critérios de actuação, de manter informada a comunidade escolar sobre a evolução do surto gripal (H1N1), limitar a propagação, minimizando os impactes que essa evolução poderá vir a ter na actividade que desenvolvemos. Neste sentido, foi designado pela directora da Escola (de acordo com as orientações da DREL), a constituição de uma estrutura interna designada por Equipa Operativa do Plano de Contingência da Gripe (EOPCG), destinada a planear, promover, acompanhar e assegurar todos os procedimentos em cada fase do Plano de Contingência, bem como divulgar a informação que vier a ser preconizada como relevante, atenta e eficaz na evolução daquele surto gripal. 3 P ágina

4 A Equipa Operativa do Plano de Contingência da Gripe é composta pelos seguintes elementos: Directora da Escola Lourdes Dias Coordenadora de Educação para a Saúde Gabriela Viveiros Alves Representantes do Gabinete de Saúde Sandra Nascimento/Teresa Rodrigues Coordenadora/Representante dos Directores de Turma Helena Silva/Luísa Coutinho Representante do Ensino Nocturno Patrocínio Esteves Representante dos Serviços Administrativos Fernanda Fonseca Representante dos Funcionários Auxiliares da Acção Educativa Catarina de Oliveira Representante dos Pais/Encarregados de Educação a eleger na reunião de pais/ee Esta equipa tem como função: (a) Definir este plano de contingência; (b) Coordenar as actividades definidas no plano de contingência; (c) Avaliar a evolução da situação; (e) Promover ajustamentos ao plano, adequando às nossas instalações e à nossa comunidade; (f) Obter e difundir informação actualizada, através da interligação entre Escola, DREL e DGS. O Gabinete de Saúde no âmbito das suas funções de Educação para a Saúde, deverá assegurar divulgação das informações a toda comunidade escolar, assim como zelar pela implementação das medidas que venham a ser preconizadas superiormente, ou as que entretanto venham a surgir como necessárias para minimizar a propagação do surto gripal (H1N1) no seio da escola, para defesa das condições de saúde dos próprios elementos da comunidade escolar e das suas famílias. 4 P ágina

5 Independentemente da informação que a escola divulgar (pela EOPCG) aos professores, funcionários e alunos, sobre as medidas de prevenção e sobre a evolução do surto gripal (H1N1), através dos canais de divulgação interna, deverão os elementos da comunidade escolar estar atentos às orientações da Direcção Geral de Saúde Na eventualidade da ocorrência de sintomas sugestivos de gripe, deverá contactar em primeiro lugar a linha telefónica disponível para o efeito , conforme tem sido divulgado internamente (em vitrina de educação para a saúde e placards), pela Direcção Geral de Saúde. CAPITULO II PLANO DE COMUNICAÇÃO O Plano de Comunicação a implementar na ESJAL terá em conta todas as orientações emanadas da DGS e DREL. Em qualquer das abordagens, o principio chave deste Plano é que a Comunicação seja veiculada à EOPCG, que a divulgará tanto quanto possível de forma célere e organizada. Os canais usuais de comunicação, estabelecidos dentro e fora da comunidade escolar (entre Professores, Alunos, Pais, Encarregados de Educação, Famílias, Auxiliares Educativos, Parceiros Educativos), devem ser mantidos em articulação com as equipas que eventualmente venham a ser criadas para colaborar nesta questão. Estes devem emanar e promover a difusão interna e externa das orientações que as Entidades de Saúde Nacionais e Internacionais indiquem, sempre que a evolução do surto gripal o justifique. Cumprindo sempre que possíveis os procedimentos habituais de comunicação na comunidade escolar, todos os professores devem promover a divulgação de informação actualizada, junto dos seus alunos e através destes, transmitir informação aos pais e Encarregados de Educação. 5 P ágina

6 É de reforçar a ideia que os Professores, Funcionários Administrativos e Auxiliares de Acção Educativa são responsáveis pela sua actualização permanente, durante o período de pandemia, pelo que devem consultar frequentemente os sites internet da DREL e DGS. 1. Comunicação enquanto ameaça de Pandemia ou durante a Pandemia, mas sem registos de gripe na ESJAL. A ESJAL mantém-se em permanente contacto com os prestadores de serviços de saúde do Conselho de Loures e está atenta às orientações da Direcção Geral de Saúde. Após o surgimento a nível nacional dos primeiros casos de gripe A, a ESJAL deve tomar as seguintes medidas internas: Difundir informação geral a todos os alunos, e funcionários. Afixar em todos os locais de trabalho, cartazes alusivos aos aspectos de higiene e comportamentais, evitando a propagação dos sintomas de gripe a outros elementos da comunidade escolar. Divulgar, também via internet Site da ESJAL (www.esjaloures.org) folhetos informativos relacionados com comportamentos e higiene e aspectos relevantes sobre aspectos relevantes deste surto de gripe. Actualizar as informações sobre a evolução do surto gripal sempre que as condições o justifiquem. 2. Comunicação durante o estado de Pandemia ou em tempo de crise (com registos de Gripe A (H1N1) na ESJAL. Na fase actual, de propagação da gripe A, isto é, em Pandemia, as informações serão dadas através da EOPCG, Internet Site da ESJAL, DREL e DGS. A escola disponibilizará a partir do dia 14 de Setembro uma linha telefónica exclusiva para contactos familiares em casos sinalizados e Entidades de Saúde. 6 P ágina

7 CAPITULO III PLANO DE CONTINUIDADE DA ACTIVIDADE ESCOLAR A infecção provocada pelo vírus da gripe A (N1H1), atinge todos os grupos etários de forma indiscriminada, podendo implicar alterações no desenvolvimento da actividade das Instituições, obviamente pelos danos causados aos seus elementos (alunos, docentes e trabalhadores em geral). É no sentido da prevenção da propagação deste surto gripal, que a ESJAL deve manter diálogo com as Autoridades de Saúde competentes e com as partes interessadas, para acompanhar a evolução do impacto da gripe A (N1H1) na actividade escolar. Todos os esforços desenvolvidos vão no sentido de manutenção das actividades escolares e sempre que possível será feita a reorganização de tarefas prioritárias, sem prejuízo das aulas em disciplinas sujeitas a exame Nacional. 7 P ágina

8 1. Plano de Actividades a desenvolver a curto e médio prazo MEDIDAS OU PROCEDIMENTOS CALENDARIZAÇÃO Elaboração de Plano de Contingência para Pandemia de Gripe A - H1 N1 (PCPG) Documento inicial do Julho e Agosto de 09 Gabinete de Educação para a Saúde da ESJAL. Implementação de medidas de higienização nas instalações escolares, com vista à redução da A partir de Julho de 09 propagação da Gripe A - H1N1 segundo as orientações referidas nos anexos 2 e 3. Formação de Equipa Operativa do Plano de Setembro de 09 Contingência da Gripe A H1N1 (OPCG). Reunião entre as escolas do Concelho de Loures com a DREL e a Entidade de Saúde Pública. 2 de Setembro de 09 Reuniões de coordenação de actividades da Equipa Operativa do plano de contingência da gripe A - H1N1, 2, 3, 7 e 8 de Setembro de 09 com actualizações do PCPG. Reformulação do Plano de Contingência pela EOPCG. Setembro de 09 RGP 9 Setembro de 09 Reunião de Directores de Turma 10 de Setembro de 09 Comunidade escolar em geral a Divulgação e implementação do plano de Contingência partir de 14 de Setembro de 09. para Pandemia de Gripe A - H1 N1. Reunião de EOPCG com os Auxiliares de Acção Educação 14 de Setembro de 09. Reunião de Pais e Encarregados de Educação para a eleição de Representante para a EOPCG Setembro de 09. Aumento do número de colaboradores no Gabinete de Educação para a Saúde devido ao reforço de actividades A partir de Setembro de 09 desenvolvidas. Definição dos procedimentos de acompanhamento dos casos sinalizados à sala de isolamento. Setembro de 09 Implementação de sala de isolamento. Setembro de 09 Reorganização de tarefas escolares, em condições de redução de pessoal por baixa médica. Sempre que se verifique uma redução significativa, no número de alunos, professores ou auxiliares de acção educativa Sempre que se justifique Actualização do PCGH1N1 Avaliação do plano de contingência Novembro - Dezembro de 09 8 P ágina

9 2. Organizar recursos em situação crítica 2.1. Recursos humanos Num cenário de agravamento acentuado do surto gripal, a ESJAL organiza-se de forma a desenvolver a sua actividade em níveis de intervenção. Com o evoluir do surto gripal para aspectos críticos consideráveis ao nível Nacional (20 a 30% de baixas médicas), a ESJAL, ajustará os recursos humanos e materiais indispensáveis à prossecução da actividade escolar, elaborando a metodologia e critérios, ajustando os horários, os efectivos necessários à manutenção dos padrões de segurança e reorganizando os postos de trabalho em todas as áreas quer seja de docência ou administrativa. Em caso de doença os elementos de cada uma das estruturas organizativas da escola, substituem-se uns aos outros de acordo com as prioridades estabelecidas em cada grupo. Actividades e serviços prioritários e seu funcionamento em caso de incapacitação significativa e simultânea dos seus responsáveis Aulas Na ausência do Professor seguir-se-ão os trâmites normalmente utilizados dando preferência a permutas de aulas ou à execução de aulas de substituição, até que se afigure viável. Caso se esgotem os recursos humanos disponíveis os alunos serão aconselhados a utilizar os espaços educativos de que a Escola dispõe, aguardando a aula seguinte. Vigilância e manutenção geral dos edifícios Cada piso só funcionará com, pelo menos, um funcionário. Caso não se verifique, esta condição proceder-se-á ao encerramento das salas deste piso. Bufete Respeitar-se-á o procedimento de substituição definido. O encerramento do Bufete por falta do funcionário compromete o funcionamento da escola. Serviços Administrativos Mínimos 9 P ágina

10 Funciona com pelo menos 2 funcionários que assegurarão os serviços mínimos. Fechará se tal não se manifestar possível. Portaria O funcionamento deste serviço tem que estar sempre assegurado por um Funcionário. Biblioteca O funcionamento deste serviço tem que estar sempre assegurado por um Funcionário, caso contrário fecha. Papelaria O funcionamento deste serviço tem que estar sempre assegurado por um Funcionário, caso contrário fecha. Reprografia O funcionamento deste serviço tem que estar sempre assegurado por um Funcionário, caso contrário fecha Recursos materiais A ESJAL deve estabelecer com os diversos fornecedores os recursos mínimos, indispensáveis para manutenção da actividade em condições de higiene e prevenção adequadas e constituir stocks de materiais para um período de 30 dias de modo a garantir o funcionamento de: Aulas Segurança Limpeza Bufete Etc. 10 P ágina

11 A ESJAL deve promover a instalação, manutenção e reposição dos materiais necessários à higienização da escola. Gestão e Manutenção de recursos materiais para higienização do ambiente escolar Medidas Instalação de doseadores de parede com sabão líquido, junto dos pontos de água (wc, bufete, etc.). Responsáveis / Assistentes Operacionais Empresa fornecedora. Instalação de doseadores de parede com base de gel alcoólica SABA (em todos os corredores e Empresa fornecedora. zonas de maior circulação sem pontos de água) Colocação de rolos de papel em todas as casas de Auxiliar de Acção Educativa de banho, também para a secagem de mãos. serviço no piso onde estão integradas as casas de banho. Colocação de um Kit de higienização em cada sala Auxiliar de Acção Educativa. de aula. Manutenção/Reposição de materiais de higienização (Sabão líquido, Sabão Branco e Azul, Auxiliar de Acção Educativa de SABA, papel higiénico). serviço (um em cada Piso). Arejamento das salas nos intervalos. Professores / Funcionários / Outros Afixação de folhetos em todas as salas com regras de higiene e prevenção. EOPCG Aumento de frequência e Limpeza de salas e sanitários qualidade de limpeza (salas e casas de banho) feita pela empresa adjudicada. Durante o período de aulas, o 11 P ágina

12 Limpeza e higienização de superfícies (mesas, corrimãos, puxadores, etc.) funcionário de serviço em cada piso, será responsável pela limpeza de superfícies das salas que se encontrem disponíveis por ausência da turma ou do professor e pela limpeza de puxadores e corrimãos nos corredores. Cada professor com os seus alunos estabelecerá um esquema de manutenção e de desinfecção das superfícies em cada aula. Sala de isolamento (localização ainda a definir pelos órgãos competentes) deve ter: casa de banho contígua, sofá/maca de superfícies laváveis, materiais facilmente laváveis, termómetro, balde do lixo com pedal, Kit de higienização, máscaras, luvas, rolo de papel, linha telefónica, etc. Um funcionário. 3. Entidades Externas - Gestão de acesso às instalações da ESCOLA e recurso a instalações exteriores para a prática de Educação Física e outras. A hipótese de contágio do vírus da gripe A, através de trabalhadores infectados que pertençam a Entidades Externas (fornecedores ou outras), deverá ser encarada de forma muito objectiva, diferente daquela que é aplicada aos trabalhadores da escola, pelo facto de não haver qualquer controlo interno sobre o estado de saúde dessas pessoas. 12 P ágina

13 No que concerne a outros recursos e equipamentos utilizados pela ESJAL - pavilhões para a prática de Educação Física, transportes, instalações utilizadas em visitas de estudo, deverão as mesmas apresentar o seu Plano de Contingência, para que possa ser assegurada a respectiva prestação de serviço contratado, sem qualquer constrangimento de contágio interno do vírus da gripe A (H1N1), que possa afectar os nossos alunos e funcionários e consequentemente a nossa actividade. CAPITULO IV MEDIDAS E PROCEDIMENTOS A ADOPTAR 1 Medidas e procedimentos a adoptar pelos Professores - Informar-se diariamente através dos canais de comunicação referenciados no plano de contingência (www.dgs.pt ). - Cumprir todas as medidas gerais de higiene pessoal definidas pela DGS. - Veicular esta informação de forma clara e objectiva aos alunos, contribuindo para a minimização dos riscos de propagação (de acordo com o anexos 1 e 2). - Cumprir e divulgar o plano de contingência aos alunos. - Permanecer em casa e não frequentar a escola, justificando as faltas de acordo com o que for estabelecido pelas entidades competentes. - Providenciar a permuta de aula ou disponibilizar atempadamente os planos de aulas em caso de doença e substituição de aula. - Contribuir com sugestões de melhoria e actualização do plano de contingência da Gripe A, sempre que considerarem relevante ou facilitador dos procedimentos anteriores referidos no plano. - Transmitir informação actualizada à EOPCG. - Estabelecer sempre que possível um esquema de limpeza e higienização das superfícies, com os seus alunos em todas as disciplinas e especialmente nas que utilizam materiais manipuláveis. 13 P ágina

14 - Providenciar o arejamento da sala de aula. - Providenciar a sinalização dos casos de gripe A (H1N1) à EOPCG (alunos com febre ou outros sintomas referenciados como suspeita de gripe ou comportamentos desajustados, que ponham em maior risco de contaminação os restantes elementos da comunidade educativa) e cumprir os procedimentos referenciados. 2 - Medidas e Procedimentos mais específicos do Director de Turma O Director de Turma deverá dedicar um espaço da primeira aula com a direcção de turma ao assunto Gripe A, devendo abordar os seguintes assuntos:. O que é a Pandemia da Gripe A H1N1;. Explorar as medidas de prevenção e contenção desta Pandemia;. Apresentar o Plano de Contingência aos alunos;. Motivar os alunos para a importância do cumprimento do Plano de Contingência, frisando o facto de eles pertencerem a um grupo de risco;. Preencher a lista com os contactos dos Encarregados de Educação (o maior número de contactos possível);. Sensibilizar os Pais e E.E. para a importância da sua colaboração no Plano de Contingência. 3 - Medidas e procedimentos a adoptar pelos alunos - Informar-se diariamente através dos canais de comunicação referenciados no plano de contingência (www.dgs.pt ). - Cumprir todas as medidas gerais de higiene pessoal definidas pela DGS de modo a evitar a propagação da doença pelo vírus H1N1 (de acordo com o anexos 1 e 2). - Cumprir os procedimentos definidos no plano de contingência e pelos órgãos de gestão da escola, de forma responsável, respeitando todos os recursos materiais e humanos envolvidos. - Esclarecer dúvidas junto dos Professores e contribuir com sugestões de optimização do 14 P ágina

15 Plano. - Providenciar a sinalização de casos de gripe A (própria ou dos colegas) ao Professor ou Funcionário (alunos com febre ou outros sintomas referenciados como suspeita de gripe ou comportamentos desajustados, que ponham em maior risco de contaminação os restantes elementos da comunidade educativa) e cumprir os procedimentos referenciados. - Os alunos com febre ou sintomas gripais permanecem em casa e não frequentam a escola, justificando as faltas de acordo com o que for estabelecido pelas entidades competentes. - Difundir, de forma responsável, à comunidade (família, amigos, ) as informações dos procedimentos gerais relativos à Pandemia. 4 - APTIDÃO MÉDICA dos trabalhadores Professores e Funcionários As medidas a adoptar na escola visam dificultar o contágio deste surto gripal (H1N1) nos demais trabalhadores e alunos. O professor ou o funcionário com sintomas de Gripe A deve permanecer em casa e contactar telefonicamente a escola, manifestando o motivo da sua ausência. Quando há suspeita de infecção por gripe A (H1N1) o aluno, professor ou funcionário estão impedidos de entrar nas instalações da escola por um período que se prevê de 7 dias, após o aparecimento dos primeiros sintomas (caso permaneçam alguns sintomas este período é prolongado, de acordo com as indicações médicas). Sempre que um trabalhador pretenda regressar ao trabalho após ausência motivada pela infecção da gripe A (H1N1), deverá telefonar para os serviços de Saúde antes de se apresentar ao serviço, para que lhe sejam dadas todas as informações de como proceder. É aos serviços de Saúde que compete atestar a aptidão do trabalhador e prevenir de que o regresso ao trabalho não deverá proporcionar qualquer risco de contágio aos restantes 15 P ágina

16 elementos da comunidade escolar. 5 - Medidas e procedimentos a adoptar quando há sinalização de alunos, casos de Gripe A (H1N1). Sinalizado o aluno, o Professor chama o Funcionário do piso com um Kit de Higienização e Prevenção. O Funcionário coloca a sua máscara e luvas, entrega uma máscara ao aluno e avalia-lhe a temperatura, já fora da sala de aula: - Em caso de temperatura dentro de parâmetros normais, o aluno volta à sala de aula. - Em caso de temperatura superior a 38ºC, o aluno acompanha o Funcionário à Sala de Isolamento, onde permanecerá. O Funcionário comunica a situação ao Funcionário do PBX, onde se encontra o dossier de contactos. O Funcionário do PBX comunica a um dos contactos disponíveis e à Linha de Saúde 24 a situação do aluno em causa. O aluno permanece na sala de isolamento até à resolução da sua situação. O Funcionário deverá seguir as instruções da linha de Saúde 24. Em caso de chegada à escola do E. E. (ou da pessoa contactada), este deverá seguir as indicações da Linha de Saúde 24, ou, na falta destas e munido de uma máscara será encaminhado até junto do aluno. Em qualquer ocorrência não prevista neste Plano, o Funcionário deverá esclarecerse com o Órgão de Gestão Escolar. 16 P ágina

17 CAPITULO V AVALIAÇÃO O plano será reavaliado e actualizado frequentemente, em articulação com os parceiros adequados. Terminada a fase Pandémica, a equipa Operativa procederá à elaboração de um relatório que evidencie os aspectos positivos e negativos, referindo os que merecem ajustamento. Esta análise permitirá melhorar o plano de contingência e a capacidade de resposta a situações de crise que possam vir a ocorrer no futuro. 17 P ágina

18 CAPITULO VI (ANEXOS) ANEXO 1 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1) O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta e a árvore respiratória, provocada por um novo vírus da Gripe, o designado vírus da gripe A(H1N1). Os primeiros casos confirmados desta doença surgiram, inicialmente, em Abril de 2009, primeiramente no México, surgindo depois casos nos Estados Unidos da América e noutros países, em vários continentes. O que é o vírus da Gripe A (H1N1)? O vírus da Gripe A(H1N1) é um novo subtipo de vírus que afecta os seres humanos. Este novo subtipo, contém genes das variantes humana, aviária e suína do vírus da Gripe, numa combinação genética nunca antes observada em todo o Mundo. Há evidência de que este novo subtipo é transmissível entre os seres humanos. Como se transmite? A Gripe A transmite-se de pessoa a pessoa, através do contacto com indivíduos doentes, desde os primeiros sintomas até cerca de 7 dias após o seu início, ou do contacto com objectos ou superfícies contaminados pelo vírus. O vírus encontra-se presente nas gotículas de saliva ou secreções nasais das pessoas doentes, podendo ser transmitido através do ar, em particular em espaços fechados e pouco ventilados, quando as pessoas doentes tossem ou espirram no interior desses espaços. O vírus pode, também, ser transmitido através do contacto das mãos com superfícies, 18 P ágina

19 roupas ou objectos contaminados por gotículas de saliva ou secreções nasais de uma pessoa doente, se posteriormente as mãos contaminadas entrarem em contacto com a boca, o nariz ou os olhos. O vírus pode permanecer activo em superfícies ou objectos contaminado entre 2 a 8 horas. A lavagem frequente das mãos com água e sabão ou com soluções de base alcoólica e a limpeza de superfícies e objectos com líquidos de limpeza doméstica, permitem a destruição do vírus. Quais os principais sintomas da Gripe A? A Gripe A apresenta, na maioria dos casos, uma evolução de baixa gravidade. No entanto, têm sido registadas algumas situações de maior gravidade que conduziram à morte. Na gripe sazonal, regra geral, as crianças, as mulheres grávidas, os doentes crónicos e debilitados e as pessoas idosas apresentam uma maior vulnerabilidade à doença. Contudo, a Gripe A, na Europa, tem atingido predominantemente os adultos jovens, de ambos os sexos. Os principais sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre Tosse Dores de garganta Dores musculares Dores de cabeça Arrepios de frio Cansaço Diarreia ou vómitos; embora não sendo típicos da Gripe sazonal, têm sido verificados em alguns dos casos recentes de infecção pelo novo vírus da Gripe A(H1N1). Quais os grupos de riscos? Os grupos de risco são as grávidas, crianças com menos de um ano de idade, pessoas 19 P ágina

20 com asma, obesos e pessoas com o sistema imunitário diminuído devem merecer uma atenção redobrada, em aconselhamento, vigilância e diagnóstico precoce, por parte dos serviços de saúde. A Organização Mundial de Saúde decretou, a 11 de Junho, a passagem à fase 6 do alerta de pandemia em todo o mundo devido à facilidade e velocidade de propagação do vírus a nível mundial, e não à sua gravidade clínica. Comparação entre a gripe comum e a gripe A Sintomas Gripe comum Gripe A Febre <38º Início súbito a 38º Dor de cabeça De menor intensidade Intensa Calafrios Esporádicos Frequentes Cansaço Moderado Extremo Dor de garganta Fortes Leve Tosse De menor intensidade Seca e contínua Muco Congestionamento nasal Pouco comum Dores musculares Moderadas Intensas Ardor nos olhos leve Intenso ANEXO 2 - MEDIDAS GERAIS DE HIGIENE PESSOAL 1 Cobrir a boca e o nariz quando se tosse ou espirra Cobrir a boca e o nariz com lenço de papel, nunca com a mão. Colocar o lenço de papel no caixote do lixo. No caso de não se poder usar lenço de papel, tapar a boca com o antebraço. A seguir, lavar as mãos. A escola deve facilitar o acesso a lenços de papel. 20 P ágina

21 2 - Lavar frequentemente as mãos Lavar frequentemente as mãos, com água e sabão, ou com uma solução de base alcoólica, em especial, após ter tossido, espirrado ou assoado o nariz, ou após se terem utilizado transportes públicos ou frequentado locais com grande afluência de público. Como regra geral de higiene, devem lavar-se as mãos, igualmente, antes de comer, antes e depois de preparar refeições, sempre que se utilize a casa de banho, mexa em lixo, terra, detritos ou dejectos de animais. Sempre que se tenha de servir comida, mudar fraldas ou mexer em brinquedos de utilização partilhada. Fazer o mesmo, sempre que se cuide de pessoas doentes. As crianças devem ser ensinadas a lavar as mãos, usando, de preferência sabonete líquido, durante pelo menos 20 segundos. Na escola devem ser usadas toalhas de papel ou secadores de ar quente para secar as mãos. As crianças devem, também, ser ensinadas a não tocar com as mãos sujas na boca, olhos ou nariz. 3 Evitar o contacto com outras pessoas quando se têm sintomas de Gripe Sempre que profissionais ou alunos apresentem febre e sintomas de Gripe, não devem frequentar a escola, até a situação ser esclarecida por um profissional de saúde, através da Linha Saúde Quando se têm sintomas de Gripe, deve guardar-se uma distância mínima de 1 metro, quando se fala com outras pessoas. O cumprimento com beijos ou abraços deve ser evitado. Para obter informação sobre as medidas a adoptar, aconselha-se o contacto com a Linha Saúde ou a consulta do microsite da Gripe em 4 Evitar o contacto com pessoas que apresentem sintomas de Gripe Deve evitar-se, sempre que possível, o contacto próximo com pessoas que apresentem sintomas de Gripe. 21 P ágina

22 ANEXO 3 MEDIDAS GERAIS DE HIGIENE NOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES 1 Manter as superfícies, os objectos de trabalho e os utensílios limpos Limpar frequentemente as superfícies das mesas de trabalho, utensílios e outros objectos com um desinfectante ou detergente doméstico comum, passando a seguir por água limpa todos os objectos (teclados, material de laboratório e de educação física que possam estar em contacto com as mãos e posteriormente levados à boca, para evitar a ingestão do produto de limpeza). Proceder da mesma forma para as superfícies e objectos que entrem em contacto com as mãos (ex: puxadores das portas). 2 - Promover o arejamento dos espaços Deve promover-se o arejamento dos espaços fechados da escola salas de aula, gabinetes e casas de banho, mantendo as janelas abertas, sempre que seja possível. ANEXOS 4 - MEDIDAS E MATERIAIS DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL E MEDICAMENTOS As medidas de protecção individual, a toma de medicação e a utilização de EPI S (equipamentos de protecção individual), constituem a melhor forma de prevenção para evitar a transmissão individual do vírus da gripe, mas também evitam a sua propagação aos familiares, aos colegas de trabalho, ou a todas as pessoas que estejam próximas. Nas situações em que o trabalhador tenha sintomas de gripe, idênticos aos sintomas de gripe A(H1N1), deve permanecer tanto quanto possível no seu domicílio, com internamento em serviço de saúde quando o quadro clínico o exija. 22 P ágina

23 Com a finalidade de limitar a propagação do surto da gripe (H1N1), poderão promover-se medidas excepcionais em articulação com as determinações das Autoridades de Saúde. Materiais de Protecção Individual / Higienização A ESJAL, acompanha as orientações da DGS, a qual recomenda a utilização de equipamentos de protecção individual apenas em grupos específicos, como medida de prevenção da transmissão individual do vírus da gripe. A DGS não aconselha a utilização dos EPI S pela população em geral. As empresas de limpeza contratadas, deverão redobrar a vigilância na prestação do serviço, nomeadamente na higienização de manípulos de portas, ou instalações utilizadas frequentemente por grupos de trabalhadores, reduzindo assim o risco de infecção. ANEXO 5 - MEDIDAS DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL RECOMENDADAS PELA DGS Evite o contacto próximo com pessoas com gripe! Procure não estar na presença de pessoas com gripe. Se ficar doente, mantenha-se afastado dos outros, pelo menos a um metro de distância, para protegê-los de adoecer também. Se ficar doente, permaneça em casa! Se estiver com sintomas de gripe, fique em casa e contacte a Linha Saúde 24, pelo número , de forma a proteger-se e evitar o contágio a outras pessoas. Se tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz com um lenço de papel! Para impedir que outras pessoas venham a adoecer, é muito importante, quando tossir ou espirrar, que cubra a boca e o nariz com um lenço de papel ou com o antebraço, mas nunca com a mão! De imediato, deposite no lixo o lenço utilizado. Lave as mãos frequentemente com água e sabão! É fundamental lavar as mãos com frequência, com água e sabão em abundância, durante 20 segundos, pelo menos, em 23 P ágina

24 particular depois de tossir ou espirrar. Em alternativa, pode usar toalhetes à base de álcool. Evite o contacto das mãos com os olhos, nariz e boca! Procure não tocar nos olhos, nariz e boca sem ter lavado as mãos, porque o contacto destas com superfícies ou objectos contaminados é uma forma frequente de transmissão da doença. Limpe frequentemente as superfícies ou objectos mais sujeitos a contacto com as mãos! É necessário manter limpas, com produto de limpeza comum, as superfícies sujeitas a contacto manual muito frequente, tais como mesas de trabalho e maçanetas das portas. Estas medidas são também muito importantes nas crianças! Na prevenção do contágio nas crianças, é muito importante assegurarmo-nos de que estas medidas também são respeitadas por elas. Se adoecer, assegure-se de que terá o apoio de outras pessoas! É importante saber a quem poderá pedir ajuda, em caso de necessidade. Utilização de máscaras de protecção! Não está provado que o uso de máscaras, por exemplo, de máscaras cirúrgicas, ofereça uma protecção eficaz ou reduza o contágio de gripe, no caso de uma pandemia ou durante a época de gripe. Por isso, o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) não recomenda o seu uso. Apenas aconselha o seu uso no contexto da prestação de cuidados de saúde. O uso da máscara por alguém que está bem de saúde destina-se a evitar o contacto inadvertido da boca e do nariz dessa pessoa com partículas infecciosas presentes nas suas mãos ou expelidos através da tosse e dos espirros das outras pessoas. NOTA: O período de CONTÁGIO começa 1 dia antes de iniciar os sintomas até 7 dias depois de iniciar os sintomas. 24 P ágina

25 25 P ágina

26 26 P ágina

27 27 P ágina

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A Horta, 24 de Agosto de 2009 Índice 1. Introdução 3 2. Objectivo e âmbito de aplicação 4 3. Coordenador e equipa operativa 4 4. Cadeia de

Leia mais

Plano de contingência da gripe A (H1N1)

Plano de contingência da gripe A (H1N1) 0. Informação introdutória A. O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta e todo o sistema respiratório, provocada por um novo vírus da Gripe: vírus

Leia mais

PLANO DE CONTIGÊNCIA

PLANO DE CONTIGÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO CENTRO DA ÁREA EDUCATIVA DO BAIXO ALENTEJO E ALENTEJO LITORAL ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I 7800-478 BEJA I PRÓLOGO PLANO DE

Leia mais

QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA. Plano de Contingência para a Pandemia da Gripe A

QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA. Plano de Contingência para a Pandemia da Gripe A QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA Plano de Contingência para a Pandemia da Ano Lectivo 2009/2010 1. Coordenação do plano: A coordenação global do plano é da responsabilidade da Direcção

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) Ano Lectivo 2009/2010 PLANO DE CONTINGÊNCIA A principal finalidade do Nacional é a de minimizar o impacte de uma eventual pandemia em território nacional, sobretudo no que diz respeito à

Leia mais

COLÉGIO DE S.GONÇALO. PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1)

COLÉGIO DE S.GONÇALO. PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1) COLÉGIO DE S.GONÇALO PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1) Ano Lectivo 2009 / 2010 INDICE 1.Introdução 3 2. Coordenador e Equipa Operativa 4 3. Cadeia de Comando e Controlo 5 4. Actividades Essenciais e

Leia mais

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 Informação e Recomendações para Escolas Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 O vírus da Gripe A(H1N1) é um novo subtipo de vírus que afecta os seres humanos. Este novo subtipo, contém

Leia mais

Plano de Contingência

Plano de Contingência Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Creche, Jardim-de-infância e ATL da ASSTAS Índice I INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVOS... 3 III PREVENÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE A GRIPE A... 4 A) Quais os sintomas?... 4 B)

Leia mais

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 ESCOLA SECUNDÁRIA D. MARIA II PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DA GRIPE A Vírus (H1N1)v Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 Formas de Transmissão

Leia mais

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 Informação e Recomendações para Escolas Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 O vírus da Gripe A(H1N1) é um novo subtipo de vírus que afecta os seres humanos. Este novo subtipo, contém

Leia mais

PANDEMIA (H1N1) 2009. PLANO DE CONTINGÊNCIA do Município de Paredes de Coura

PANDEMIA (H1N1) 2009. PLANO DE CONTINGÊNCIA do Município de Paredes de Coura PANDEMIA (H1N1) 2009 PLANO DE CONTINGÊNCIA do Município de Paredes de Coura Município de Paredes de Coura Aprovado por: Presidente da Câmara Municipal ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVO... 4 III ÂMBITO

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância 1. Enquadramento 1.1 Nota Introdutória Através da Organização Mundial de Saúde e das respectivas autoridades nacionais de Saúde, Ministério

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1) v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração Este documento contém: Metodologia de elaboração

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A (H1N1) (H1N1)

Plano de Contingência Gripe A (H1N1) (H1N1) Plano de Contingência Gripe A (H1N1) (H1N1) Índice I. Introdução... 2 II. Objectivos...... 2 III. A Gripe A (H1N1). 3 1. Definição e Prevalência. 3 2. Modos de Transmissão. 3 3. Sintomas.. 3 IV. Aplicação

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A (H1N1)

Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Plano de Contingência Gripe A (H1N1) ESCOLA SECUNDÁRIA DE EÇA DE QUEIRÓS DA PÓVOA DE VARZIM ÍNDICE Introdução 3 A gripe como doença pandémica 4 O vírus da Gripe A (H1N1) Sintomas da doença pelo vírus da

Leia mais

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA Índice 1. Introdução 2. Objectivo 3. Âmbito de aplicação 4. Activação do plano 4.1. Cadeia de Gestão 4.2. Cadeia de Comando e Controlo 4.3. Actividades Essenciais

Leia mais

2009-2010. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1)

2009-2010. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1) 2009-2010 Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1) 1. Introdução No sentido de colmatar a possibilidade de contágio e a rápida propagação da gripe A,

Leia mais

Plano de Contingência APPACDM de Elvas

Plano de Contingência APPACDM de Elvas Plano de Contingência APPACDM de, Setembro 2009 Índice: 1. Introdução 1 2. Objectivos e Âmbito de aplicação 2 3. Políticas e Princípios 3 4. Pressupostos 4 5. Activação do Plano 5 6. Plano de Contingência

Leia mais

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V Gripe A(H1N1)v Quais os sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: RECOMENDAÇÕES Qual o modo de contágio? Pessoa a pessoa através de gotículas quando tosse

Leia mais

Gripe A (H1N1)_PLANO DE CONTINGÊNCIA

Gripe A (H1N1)_PLANO DE CONTINGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL Largo Mártires da Pátria 9504 520 Ponta Delgada Tel.: 296 20 55 40 Fax: 296 20 55 44 www.esaq.pt Gripe A (H1N1)_PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe H1N1_PLANO DE CONTIGÊNCIA

Leia mais

(H1N1)v PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A. Plano de Contingência - Gripe A 1. Escola Secundária de Manuel da Fonseca

(H1N1)v PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A. Plano de Contingência - Gripe A 1. Escola Secundária de Manuel da Fonseca PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v Plano de Contingência - Gripe A 1 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Plano de Contingência da Escola.... 3 3. Equipa operativa e respectivas competências...

Leia mais

Medidas gerais de higiene pessoal:

Medidas gerais de higiene pessoal: Plano de Contingência Gripe A O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto contagiosa que afecta o nariz, a garganta e a árvore respiratória, provocada por um novo vírus da Gripe, o designado

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA EB 2,3 DE ALBARRAQUE GRIPE A (H1N1) Elaborado pela Direcção do Agrupamento de Escolas Alfredo da Silva Tel: 219156510 Fax: 219156513 Mail: eb23alba.geral@mail.telepac.pt

Leia mais

Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados

Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados O que é a gripe A (H1N1) ou gripe suína? É uma doença infecto-contagiosa aguda, causada pelo vírus influenza A (H1N1), que afeta o sistema respiratório e causa diversos

Leia mais

Plano de Contingência Da Gripe A (H1N1) Do Jardim de Infância de Alcoitão

Plano de Contingência Da Gripe A (H1N1) Do Jardim de Infância de Alcoitão Plano de Contingência Da Gripe A (H1N1) Do Jardim de Infância de Alcoitão 1. Introdução O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS ANO LECTIVO 2009/2010 Introdução O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos de uma pandemia

Leia mais

PLANO DE CONTIGÊNCIA GRIPE (H1N1)

PLANO DE CONTIGÊNCIA GRIPE (H1N1) PLANO DE CONTIGÊNCIA GRIPE (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por indicações da Direcção Geral de Saúde, que identificou este, como sendo o momento em que a necessidade de criação de Planos de Contingência para a pandemia

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) ÍNDICE PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. DETERMINANTES DA GRIPE... 4 3. OBJECTIVOS ESPECIFICOS... 7 4. DEFINIÇÃO DA CADEIA DE COMANDO E CONTROLO...

Leia mais

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS JUNTA REGIONAL DOS AÇORES GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA Plano de Contingência contra a Gripe A em acampamentos e actividades escutistas Exposição

Leia mais

Actualização ao plano de contingência

Actualização ao plano de contingência Actualização ao plano de contingência ALTERNATIVA ÀS REUNIÕES NO AUDITÓRIO DO IPB, DESTINADAS AOS ALUNOS, PREVISTAS NO PONTO 3.5.1. DO PLANO DE CONTINGÊNCIA Atendendo às recomendações da Direcção Geral

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Plano de Contingência Gripe A (H1N1) SANTARÉM, JULHO, 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Gripe A (H1N1) Informações Gerais SANTARÉM, JULHO, 2009 Primeira pandemia

Leia mais

Gripe A Plano de contingência

Gripe A Plano de contingência Escola Secundária de Camões Praça José Fontana 1050 129 Lisboa Gripe A Plano de contingência O presente pretende identificar as medidas a concretizar pela escola de modo a minorar as consequências da pandemia

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

PlanodeContingênciaGripeA_Plano. decontingênciagripea_planodeco. ntingênciagripea_planodecontingê. nciagripea_planodecontingênciag

PlanodeContingênciaGripeA_Plano. decontingênciagripea_planodeco. ntingênciagripea_planodecontingê. nciagripea_planodecontingênciag PlanodeContingênciaGripeA_Plano decontingênciagripea_planodeco ntingênciagripea_planodecontingê nciagripea_planodecontingênciag ripea_planod ênciagripea _PlanodPlContingênciaGripeA_Plan de 2009-2009/2010

Leia mais

GRIPE A (H1N1)v PLANO DE PREVENÇÃO E CONTINGÊNCIA

GRIPE A (H1N1)v PLANO DE PREVENÇÃO E CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v PLANO DE PREVENÇÃO E CONTINGÊNCIA ÍNDICE 1. Introdução Pág. 3 2. Prevenção Pág. 4 3. Contingência Pág. 5 3.1 Equipas de Comando Pág. 5 3.2 Manutenção das Actividades Escolares Pág. 6 3.2.1

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1v)

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1v) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MATOSINHOS PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1v) Pré-Escolar, 1º, 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e Cursos de Educação Formação Escolas do Agrupamento: Escola sede E.B 2,3 de

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL COMUNICADO OFICIAL N.: 193 DATA: 2009.11.20 PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, Sad s e demais

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES Setembro de 2009 ÍNDICE I - CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 II - PLANO DE CONTINGÊNCIA... 4 A. OBJECTIVOS... 4 B. IDENTIFICAÇÃO DA COORDENAÇÃO

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

Prevenção da Gripe A(H1N1)v

Prevenção da Gripe A(H1N1)v Prevenção da Gripe A(H1N1)v Recomendações DSD Departamento da Qualidade na Saúde Quais os Sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre de início súbito (superior a 38ºC) Tosse Dores

Leia mais

MUITO URGENTE 非 常 緊 急

MUITO URGENTE 非 常 緊 急 SAFP00481165 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 行 政 暨 公 職 局 Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública MUITO URGENTE 非 常 緊 急 致 : 各 公 共 部 門 / 機 構 Para: Os

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO (ISET) PANDEMIA H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO (ISET) PANDEMIA H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO (ISET) PANDEMIA H1N1 No seguimento das recomendações efectuadas pelas autoridades de saúde nacionais, entendeu o Instituto Superior de

Leia mais

Normas conjuntas da Comissão de Controlo da Infecção e do Serviço de Saúde Ocupacional

Normas conjuntas da Comissão de Controlo da Infecção e do Serviço de Saúde Ocupacional NORMA DE PROCEDIMENTO Nº3 COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO E SERVIÇO DE SAÚDE OCUPACIONAL Elaborado em Agosto de 2009 Revisão nº Próxima revisão Assunto: RECOMENDAÇÕES PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA Agrupamento de Escolas de Abrigada PLANO DE CONTINGÊNCIA - GRIPE A JULHO DE 2009 Plano de Contingência para a Gripe A Agrupamento de Escolas de Abrigada 1 ÍNDICE ÍNDICE... 2 NOTA INTRODUTÓRIA... 3 FINALIDADE...

Leia mais

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica Gripe pandémica Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica De que trata esta brochura? Esta brochura apresenta informações acerca da gripe pandémica. Dá resposta a 10 perguntas importantes acerca

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL PANDEMIA H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL PANDEMIA H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL PANDEMIA H1N1 Agostode2009 ÍNDICE 1 OPlanodeContingência,suanaturezaeenquadramento...3 2 Anaturezadaameaça...3 3 ObjectivosdoPlanodeContingênciadaESHTE...5

Leia mais

Imagem microscópica do vírus H1N1, responsável pela gripe A PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)

Imagem microscópica do vírus H1N1, responsável pela gripe A PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) Imagem microscópica do vírus H1N1, responsável pela gripe A PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CASTELO DA MAIA 2009/2010 Índice Introdução... 3 Objectivos do Plano de Contingência...

Leia mais

Agir contra a Gripe A

Agir contra a Gripe A Agir contra a Gripe A O papel dos estabelecimentos de educação e ensino Maria Neto Responsável pela área funcional da Promoção e Protecção da Saúde Responsável pelo Programa Nacional de Saúde Escolar na

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA Este folheto contém informação importante para o ajudar a si e à sua família Guarde-o Bem Contactos Úteis Para se manter informado acerca da gripe suína telefone

Leia mais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para alunos e Pais O que éo vírus da Gripe A(H1N1)v? O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta os seres humanos. Esta nova estirpe,

Leia mais

Plano de Contingência UCP

Plano de Contingência UCP Universidade Católica Portuguesa Plano de Contingência UCP Lisboa Sede Campus de Sintra Residência Universitária Feminina Pandemia de Gripe A (H1N1) Lisboa-Versão02-28 Setembro 09 Índice 1. LISTA DE SIGLAS

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doença pelo novo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 Mulheres grávidas ou a amamentar

Actualizado em 21-09-2009* Doença pelo novo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 Mulheres grávidas ou a amamentar Doença pelo novo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 Mulheres grávidas ou a amamentar Destaques A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de risco, pelo

Leia mais

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE PANDÉMICA (GRIPE A / H1N1) 1/15 Índice 1. Introdução 2. Objectivos 3. Âmbito de aplicação 4. Planeamento e coordenação 5. Fases da gripe pandémica 6. Saúde e medidas de controlo

Leia mais

Introdução. O objectivo desta apresentação:

Introdução. O objectivo desta apresentação: Prevenção da Gripe A Introdução O objectivo desta apresentação: Consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo, articulado, em cada fase da evolução da pandemia.

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA 1. Introdução Verificada a incidência do vírus da Gripe A (H1N1), vários organismos nacionais e internacionais, nomeadamente a Organização Mundial de Saúde (OMS) e

Leia mais

Aprovado pelo Conselho Directivo Data: 30 de Setembro de 2009

Aprovado pelo Conselho Directivo Data: 30 de Setembro de 2009 Aprovado pelo Conselho Directivo Data: 30 de Setembro de 2009 PLANO DE CONTINGÊNCIA DA ESEC - GRIPE A - (H1N1) O presente Plano foi apresentado por Ana Coelho (Vice-Presidente do CD) Data: 30/09/2009 Revisão:

Leia mais

OMSaúde ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376

OMSaúde ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376 ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376 OMSaúde ISOLAR 7 DIAS COM ASSISTÊNCIA MÉDICA IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 4 PERGUNTAS

Leia mais

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência CIRCULAR N/ REFª: 68/2009 DATA: 27/07/09 ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência Exmos. Senhores, Junto se remete documento sobre o assunto em epígrafe distribuído,

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA 2009-2010. Gripe A (H1N1)v

PLANO DE CONTINGÊNCIA 2009-2010. Gripe A (H1N1)v PLANO DE CONTINGÊNCIA 2009-2010 Gripe A (H1N1)v Barroselas, 2009 INTRODUÇÃO As escolas assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia de gripe, pela possibilidade de contágio e rápida propagação

Leia mais

Secretaria Regional da Saúde. Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s

Secretaria Regional da Saúde. Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s Secretaria Regional da Saúde Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s Na sequência dos comunicados emitidos pela Direcção Regional da Saúde e atendendo à informação oficial disponível,

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A Setembro de 2009 2 PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A Índice 1. A PANDEMIA Pág. 3 2. ESTRUTURAS E ENTIDADES OFICIAIS ALIADAS Pág. 3 3. PRESSUPOSTO PARA A EXECUÇÃO DO PLANO Pag.

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS PLANO PLANO DE CONTIGÊNCIA: GRIPE A Introdução O presente Plano de Contingência pretende manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos da pandemia,

Leia mais

PLANO DE CONTIGÊNCIA

PLANO DE CONTIGÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I 7800-478 BEJA I PRÓLOGO PLANO DE CONTIGÊNCIA 2009/2010 O novo vírus da Gripe A (H1N1)v, que apareceu

Leia mais

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1)

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Evite o contacto próximo com pessoas com gripe! Procure não estar na presença de pessoas com gripe. Se ficar doente, mantenha-se afastado dos outros,

Leia mais

dos alunos, trabalhadores e demais população utilizadora dos vossos serviços.

dos alunos, trabalhadores e demais população utilizadora dos vossos serviços. PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE A (H1N1) A Direcção do Externato Frei Luís Sousa recebeu solicitação, do Centro Saú Almada/Autorida Saú, do envio confirmação da existência um Plano Contingência da Gripe

Leia mais

PLANO DE CONTI T NG N ÊNC N I C A F AC A E C À EVOLUÇÃO PAN A DÉ D MI M CA D A A GRIPE A (VÍRUS H1N1)

PLANO DE CONTI T NG N ÊNC N I C A F AC A E C À EVOLUÇÃO PAN A DÉ D MI M CA D A A GRIPE A (VÍRUS H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA FACE À EVOLUÇÃO PANDÉMICA DA GRIPE A (VÍRUS H1N1) SETEMBRO DE 2009 ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO PLANO DE CONTINGÊNCIA FACE À EVOLUÇÃO PANDÉMICA DA GRIPE A (VÍRUS H1N1) Preâmbulo: O objectivo

Leia mais

Entenda como o vírus é transmitido, os sintomas e como se proteger.

Entenda como o vírus é transmitido, os sintomas e como se proteger. O Influenza A (H1N1) voltou a atacar este ano - e mais cedo do que o esperado, causando 75% dos casos de doenças respiratórias registrados no país, no momento. Entenda como o vírus é transmitido, os sintomas

Leia mais

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA 1. OBJECTIVOS DO PLANO Antecipar e gerir a resposta do ISA para minimizar as condições de propagação da Gripe A na comunidade

Leia mais

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES Diversos Circular n.º 72/2009 15 de Julho de 2009 Assunto: Gripe A (H1N1) Algumas considerações importantes. Caro Associado: Considerando a nova estirpe de vírus da Gripe A (H1N1), e perante o seu risco

Leia mais

Externato Flor do Campo. Plano de Contingência GRIPE A (H1N1)

Externato Flor do Campo. Plano de Contingência GRIPE A (H1N1) Externato Flor do Campo Plano de Contingência GRIPE A (H1N1) Externato Flor do Campo Introdução: As escolas assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia de gripe, pela possibilidade de

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde Gripe

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências de casos humanos na América do Norte

Leia mais

A E A B I B L I O T E C A GRIPE A

A E A B I B L I O T E C A GRIPE A A E A B I B L I O T E C A GRIPE A É fundamental que o Plano de Contingência da escola/agrupamento defina claramente o papel da biblioteca e as acções a realizar, quer em termos de informação e prevenção,

Leia mais

Agrupamento n.º 3 de Beja

Agrupamento n.º 3 de Beja Agrupamento n.º 3 de Beja Setembro de 2009 Plano de Contingência Escolar para a Gripe A 2 Índice A Escola como zona de risco de contaminação... 4 Principais Sintomas da Gripe A... 4 Como se transmite?...

Leia mais

Imagem de microscópio electrónico do vírus da gripe A(H1N1)

Imagem de microscópio electrónico do vírus da gripe A(H1N1) GRIPE H1N1 A gripe suína é endémica em porcos Imagem de microscópio electrónico do vírus da gripe A(H1N1) Dos três tipos de vírus influenza conhecidos (A, B e C) o tipo A é o mais prevalente e está associado

Leia mais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Janeiro * 2014 Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, IP-RAM Gripe medidas de auto cuidado newsletter Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Ficha Técnica Newsletter - Janeiro de 2014

Leia mais

Escola Secundária/3 Afonso Lopes Vieira

Escola Secundária/3 Afonso Lopes Vieira Escola Secundária/3 Afonso Lopes Vieira Leiria 1. Introdução As escolas assumem um papel muito importante na divulgação das medidas de prevenção de uma pandemia de gripe, pela grande possibilidade de contágio

Leia mais

GRIPE PREPARE-SE E PREVINA-SE NÃO ESQUECER!

GRIPE PREPARE-SE E PREVINA-SE NÃO ESQUECER! NÃO ESQUECER! Ter sempre uma lista actualizada dos contactos médicos (emergência, médico de família e linha de saúde da Direcção- -Geral de Saúde). Explicar às crianças que devem ligar para o número de

Leia mais

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA COMUNIDADE MÉDICA Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio

Leia mais

Anexo 3 - Lista de fornecedores de bens e prestadores de serviços. Inquérito a enviar aos fornecedores de bens e prestadores de serviços.

Anexo 3 - Lista de fornecedores de bens e prestadores de serviços. Inquérito a enviar aos fornecedores de bens e prestadores de serviços. Plano de Contingência para a Gripe A Outubro 2009 Índice 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 4 3. Comissão de elaboração do plano de contingência para a gripe A (H1N1)... 4 4. Equipas de intervenção constituídas

Leia mais

Comunicação Direcção Geral e Departamento RH

Comunicação Direcção Geral e Departamento RH Adecco Recursos Humanos Rua António Pedro N.º 111, 3.º Frente 1150 045 Lisboa T. 21 316 83 00 F. 21 316 83 51 Comunicação Direcção Geral e Departamento RH Para: Todos os colaboradores Adecco De: Direcção

Leia mais

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber!

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! 1 Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! O que é a gripe H1N1? A gripe H1N1, também conhecida como gripe A, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito,

Leia mais

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 2. INFORMAÇÕES A TRANSMITIR AOS FUNCIONÁRIOS... 2 2.1. QUAIS OS SINTOMAS DA GRIPE A?... 2 2.2. MODOS DE CONTÁGIO... 3 2.3. MEDIDAS DE PROTECÇÃO E PREVENÇÃO...

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por três vezes no século XX (1918-1919; 1957-1958; 1968-1969) a gripe manifestou-se como uma pandemia, quando um novo subtipo de vírus

Leia mais

GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas.

GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas. GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas. Federação da Indústria do Estado do Rio de Janeiro Serviço Social da Indústria - SESI Diretoria de Saúde

Leia mais

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza 1 O que é o Novo Tipo de Influenza É o nome dado à doença causada pela presença do vírus da influenza A/H1N1, de origem suína, no corpo humano. Diz-se

Leia mais

GRIPE DAS AVES. Informação e Recomendações. Elaborado por: Castro Correia Director Clínico. 14 de Setembro de 2005

GRIPE DAS AVES. Informação e Recomendações. Elaborado por: Castro Correia Director Clínico. 14 de Setembro de 2005 GRIPE DAS AVES Informação e Recomendações Elaborado por: Castro Correia Director Clínico 14 de Setembro de 2005 Escritórios: Rua da Garagem, 1, 4º Piso / 2790-078 CARNAXIDE Sede Social: Avenida do Forte,

Leia mais

A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta, e a

A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta, e a PROTOCOLO DE PREVENÇÃO E CONTENÇÃO DA GRIPE A (H1N1) I. CARACTERIZAÇÃO DA GRIPE A (H1N1) Definição A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta, e a árvore respiratória, provocada

Leia mais

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação 1) Qual a diferença entre o nível 5 e o nível 6? O que difere os níveis de alerta 5 e 6 é o aumento

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE (H1N1 (v) ) DO A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E R I O T I N T O N º 2 VERSÃO 01 AGOSTO 2009

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE (H1N1 (v) ) DO A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E R I O T I N T O N º 2 VERSÃO 01 AGOSTO 2009 PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE (H1N1 (v) ) DO A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E R I O T I N T O N º 2 VERSÃO 01 AGOSTO 2009 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. Coordenação e planeamento... 5 1.1. Identificação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória)

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória) Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado (Tradução Provisória) Introdução: O outono é a estação do ano mais propícia para

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 28.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 28.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Recomendações para controlo da infecção pela nova estirpe de vírus da gripe A(H1N1)v na população de doentes Insuficientes Renais Crónicos (IRC) Profissionais de Saúde das Unidades de Diálise

Leia mais

PANDEMIA DE GRIPE. Informação importante para si e para a sua família

PANDEMIA DE GRIPE. Informação importante para si e para a sua família PANDEMIA DE GRIPE Informação importante para si e para a sua família Os peritos da Organização Mundial de Saúde estão actualmente a prever uma pandemia de gripe. O presente folheto descreve uma pandemia

Leia mais