PLANO DE CONTI T NG N ÊNC N I C A F AC A E C À EVOLUÇÃO PAN A DÉ D MI M CA D A A GRIPE A (VÍRUS H1N1)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CONTI T NG N ÊNC N I C A F AC A E C À EVOLUÇÃO PAN A DÉ D MI M CA D A A GRIPE A (VÍRUS H1N1)"

Transcrição

1 PLANO DE CONTINGÊNCIA FACE À EVOLUÇÃO PANDÉMICA DA GRIPE A (VÍRUS H1N1) SETEMBRO DE 2009

2 ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO PLANO DE CONTINGÊNCIA FACE À EVOLUÇÃO PANDÉMICA DA GRIPE A (VÍRUS H1N1) Preâmbulo: O objectivo deste Plano de Contingência é preparar a Escola Superior de Gestão e outros Serviços (serviços académicos e serviços de acção social) para os efeitos da pandemia da Gripe A (H1N1), assim como determinar as medidas necessárias para manter a actividade da instituição, em face dos possíveis efeitos da pandemia, nomeadamente o absentismo dos docentes, dos estudantes e dos trabalhadores. Este Plano consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, e de modo articulado, em cada fase da evolução da pandemia da gripe. As medidas necessárias, a sua calendarização, bem como as responsabilidades de cada pessoa dentro da instituição, devem ser ajustadas aos diferentes cenários de evolução da pandemia, para assegurar que cada um saiba o que fazer em situação de crise e o que esperar das acções desenvolvidas por si e pelos outros. Elaborar um Plano de Contingência permite que a ESG se prepare para enfrentar, de modo adequado, as possíveis consequências de uma pandemia de Gripe, em estreita articulação com os docentes e os estudantes, as famílias, os serviços de saúde e outras estruturas da comunidade académica. As medidas gerais de higiene, pessoais e do ambiente de trabalho, constituem as medidas mais importantes para evitar a propagação da doença. 1) Identificação de Coordenador e da Equipa Operativa O Coordenador do Plano de Contingência na Escola Superior de Gestão é o seu Director: Agostinho Silva A Equipa Operativa que implementará este Plano, sob orientação do coordenador é composta pelos seguintes elementos: Corina Almeida - Comunicação e articulação com os serviços e com a empresa de limpeza); Susana Freitas interface com os estudantes e com a Associação dos Estudantes; Carla Ramos interface com os docentes

3 Serviços Académicos: Isabel Xavier Serviços de Acção Social: Tatiana Ribeiro Nota: Sempre que necessário, esta equipa recorrerá ao auxílio de pessoal médico especializado, seja ele interno ou externo, conforme tido por mais conveniente. 2) Definição da Cadeia de Comando e Controlo: No caso da evolução pandémica atingir, através de infecção, um ou mais dos membros da Equipa Operativa, o Coordenador da mesma deverá adoptar a modalidade de trabalho domiciliário e de teletrabalho, de forma a preservar intacto o comando da equipa. O membro infectado indicará o seu substituto e que desempenhará as mesmas funções. 3) Identificação das Actividades Essenciais e Prioritárias: Sendo a ESG uma Instituição Pública de Ensino Superior, as suas actividades essenciais são todas as que concorrem para um regular funcionamento do ano lectivo, designadamente o funcionamento das actividades lectivas (aulas e avaliações), bem como os serviços de limpeza e o funcionamento do serviço de refeições (bar e cantina). Assim definem-se como essenciais os elementos a seguir identificados: a) Docentes; b) Estudantes; c) Direcção d) Serviços de Apoio; Serviços Administrativos; Recepção; e) Serviços Académicos; f) Serviços de Acção Social; g) Serviços de limpeza; h) Serviços de bar e da cantina; O Director, em caso de infecção, passa a exercer as suas funções na modalidade de trabalho domiciliário. Os Serviços de Apoio identificados deverão ter sempre algum elemento que assegure as suas actividades definidas como essenciais pelo que, quando tal não for possível, proceder-se-á à

4 requisição temporária, com carácter de urgência, de um dos funcionários de outros serviços do Instituto que disponha das competências necessárias. Não sendo possível esta solução, deverá recorrer-se ao trabalho domiciliário e ao teletrabalho. Os trabalhadores deverão ter um conhecimento global das actividades adstritas ao serviço ou gabinete em que estão integrados, bem como da modalidade de trabalho domiciliário e/ou teletrabalho, que será adoptada em caso de necessidade, e ainda de qual a sequência de substituição do responsável de serviço ou gabinete caso o responsável seja infectado. Todos os serviços ou gabinetes essenciais deverão ter, consequentemente, definidos procedimentos de contingência que identifiquem os seguintes elementos: Hierarquização prioritária das actividades em curso, pendentes e Expectáveis num horizonte temporal de 15 dias úteis, em plano a ser revisto quinzenalmente. Inventariação de quais as formas de trabalho-domiciliário ou teletrabalho possíveis bem como dos meios (telefones móveis, internet banda larga móvel, serviço de estafeta, etc.) que já estão disponíveis e quais deverão ser solicitados à Equipa Operativa; Definição de uma sequência de substituição do responsável do serviço ou gabinete, caso aquele seja infectado; Definição de fornecedores alternativos (bolsa de mercado) para substituição temporária de funções específicas que só esse serviço seja capaz de garantir (Ex. serviço limpeza; serviço de bar). 4) Medidas de Prevenção e Controlo da Pandemia A Responsável dos Serviços Administrativos (Corina Almeida) deverá providenciar os procedimentos necessários para, de acordo com a recomendação da Direcção Geral de Saúde, maximizar todas as condições físicas e higiénicas indicadas para a prevenção da evolução pandémica, nomeadamente e sem exclusão de outras: Assegurar uma escrupulosa limpeza geral do edifício da ESG, incluindo as suas áreas comuns e os seus gabinetes; Providenciar para que a empresa de limpeza mantenha uma equipa de limpeza em que cada trabalhador limpe sempre a mesma área para que, em caso de infecção do mesmo, se possam identificar e corrigir mais rapidamente factores de transmissão da infecção;

5 Inventariar todas as portas que, durante o horário normal de expediente, podem ficar abertas e mantê-las assim, para evitar uso partilhado de maçanetas; Sempre que possível, garantir a definição de um funcionário que, usando luvas, abra, de manhã, as portas identificadas como podendo estar abertas e as feche à noite; Dotação das casas de banho de abundante fornecimento de toalhas de papel e de líquido de lavagem para as mãos, assim como a afixação das instruções de lavagem; Desinfectante alcoólico em máquinas automáticas para as mãos nas áreas comuns (bar, recepção; entradas dos corredores dos blocos de aula; biblioteca) e afixação das instruções de utilização; Aprovisionamento de um número de máscaras em armazém em número que cumpra a proporção de 10% do total do total de utilizadores (200); Colocação de toalhitas em papel para abertura de todas as portas de sala de aula; Limpeza horária com álcool de todos os corrimões nos períodos de maior afluência de estudantes Abertura de todas as portas dos corredores dos docentes ao inicio da manhã; Abertura de portas do corredor para circulação de ar; Arejamento das salas de aula através da abertura das portas laterais; Arejamento dos corredores das salas de aula através da abertura das portas laterais; 5) Plano de Comunicação O Plano de Comunicação com o objectivo de prevenção e contenção da doença da ESG consiste em: Divulgação da informação mais relevante disponibilizada pela Direcção Geral da Saúde no site Afixação das instruções de higiene fundamentais tais como lavagem e desinfecção das mãos elaboradas pela Direcção Geral da Saúde (Anexos 1 e 2); Afixação dos cartazes Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) elaborados pela Direcção Geral da Saúde (Anexo 3); Distribuição de panfletos com conselhos úteis; Afixação de cartazes com indicações da abertura e fecho das salas de aula; Afixação de cartazes em todos os WC

6 Comunicação aos estudantes de cada turma sempre que seja identificado um estudante que tenha estado em contacto com os restantes colegas (sem identificação do estudante): esta comunicação é efectuada através do da turma. Disponibilização do plano de contingência no sítio: Num cenário de evolução pandémica desfavorável a comunicação entre os colaboradores será assegurada preferencialmente via e, nos casos em que for mais aconselhável, por telefone. A plataforma de transmissão das informações relevantes sobre a evolução pandémica na região, sobre a evolução pandémica na ESG, sob responsabilidade do Director da ESG, por ordem decrescente de prioridade: o site do IPCA ( e o site da ESG ( o mail dinâmico o mail da Comunidade académica o telefone e, por último, a via presencial. Caso algum colaborador ou utilizador dos Serviços da ESG apresente sinais de possível infecção deverá ligar de imediato para a Linha Saúde 24 [ ]. Se tal não lhe for possível, deverá solicitar o uso do telefone instalado para esse efeito no exterior do local de trabalho. A Equipa Operativa manter-se-á em contacto com qualquer colaborador ou estudante infectado, bem como com as autoridades sanitárias e tentar-lhe-á prestar todo o apoio institucionalmente adequado e possível. Este Plano será objecto de divulgação pelos meios electrónicos enunciados no plano de comunicação deste plano de contingência. 6) Fases de Implementação deste Plano de Contingência Este plano encontra-se em implementação desde a sua entrada em vigor, obedecendo os procedimentos nele previstos às seguintes fases de evolução pandémica: Fase 1 De 1 a 10% dos Colaboradores e estudantes da ESG infectados pela Gripe A (H1N1): Acção Activar medidas de prevenção para limitar a expansão da gripe:

7 Isolamento do funcionário na sala de apoio situada atrás da recepção da ESG; Contacto para a linha saúde 24; Activar o substituto previsto para as tarefas desempenhadas pelo funcionário; Desinfectar o local de trabalho do funcionário e comunicar aos restantes colegas de trabalho. Fase 2 De 10 a 50% dos Colaboradores e estudantes da ESG infectados pela Gripe A (H1N1) Acção Reforçar as medidas de higiene e activar as equipas de substituição: Reforçar a limpeza e desinfecção das salas; Activar os substitutos previstos no plano; Execução dos métodos de trabalho/ estudo alternativos necessários para a continuação das actividades, nomeadamente através do teletrabalho e da disponibilização da plataforma WOC de todo o material pedagógico e utilização do e- mail para comunicação com os estudantes; Substituição dos docentes e das unidades curriculares e alterações dos horários Fase 3 Mais de 50% dos Colaboradores e estudantes da ESG infectados pela Gripe A (H1N1) ou Encerramento das instalações por decisão da Autoridade de Saúde. Nesta fase as actividades prioritárias dos Serviços deverão ser asseguradas, através de teletrabalho, sendo que a cadeia de comando e as comunicações serão asseguradas através de e haverá alteração dos horários e calendários escolares. 7) CONSIDERAÇÕES FINAIS Este plano deverá ser actualizado em função do desenvolvimento da pandemia da Gripe A(H1N1) e do número de funcionários e estudantes infectados. Os funcionários designados são os que dominam as áreas consideradas prioritárias para o funcionamento do Instituto, mas em caso de emergência e depois de devidamente treinados, outros poderão desempenhar as mesmas tarefas. Este Plano deve ser adaptado aos restantes serviços em funcionamento no edifício da ESG, designadamente aos serviços académicos e aos serviços de acção social, bem como aos trabalhadores da empresa de limpeza e da empresa concessionária do bar. Escola Superior de Gestão, 1 de Setembro de 2009

8 Anexos Anexo 1: Lavagem de Mãos Anexo 2: Fricção Anti-Séptica Anexo 3: Protecção

9 Medidas de protecção individual contra a Gripe A (H1N1) (informação disponibilizada pela Direcção-Geral de Saúde e pelo centro Europeu para o Controlo de Doenças). Evite o contacto próximo com pessoas com gripe! Procure não estar na presença de pessoas com gripe. Se ficar doente, mantenha-se afastado dos outros, pelo menos a 1 metro de distância, para protegê-los de adoecer também. Se ficar doente, permaneça em casa! Se estiver com sintomas de gripe, fique em casa e contacte a Linha Saúde 24, pelo número , de forma a proteger-se e evitar o contágio a outras pessoas. Se tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz com um lenço de papel! Para impedir que outras pessoas venham a adoecer, é muito importante, quando tossir ou espirrar, que cubra a boca e o nariz com um lenço de papel ou com o antebraço, mas nunca com a mão! De imediato, deposite no lixo o lenço utilizado. Lave as mãos frequentemente com água e sabão! É fundamental lavar as mãos com frequência, com água e sabão em abundância, durante 20 segundos, pelo menos, em particular depois de tossir ou espirrar. Em alternativa, pode usar toalhetes à base de álcool. Evite o contacto das mãos com os olhos, nariz e boca! Procure não tocar nos olhos, nariz e boca sem ter lavado as mãos, porque o contacto destas com superfícies ou objectos contaminados é uma forma frequente de transmissão da doença. Limpe frequentemente as superfícies ou objectos mais sujeitos a contacto com as mãos! É necessário manter limpas, com um produto de limpeza comum, as superfícies sujeitas a contacto manual muito frequente, tais como mesas de trabalho e maçanetas das portas. Estas medidas são também muito importantes nas crianças! Na prevenção do contágio nas crianças, é muito importante assegurarmo-nos de que estas medidas também são respeitadas por elas. Se adoecer, assegure-se de que terá o apoio de outras pessoas! É importante saber a quem poderá pedir ajuda, em caso de necessidade. Fonte: ECDC, Estocolmo, Maio 2009

Prevenção da Gripe A(H1N1)v

Prevenção da Gripe A(H1N1)v Prevenção da Gripe A(H1N1)v Recomendações DSD Departamento da Qualidade na Saúde Quais os Sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre de início súbito (superior a 38ºC) Tosse Dores

Leia mais

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 Informação e Recomendações para Escolas Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 O vírus da Gripe A(H1N1) é um novo subtipo de vírus que afecta os seres humanos. Este novo subtipo, contém

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Plano de Contingência Gripe A (H1N1) SANTARÉM, JULHO, 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Gripe A (H1N1) Informações Gerais SANTARÉM, JULHO, 2009 Primeira pandemia

Leia mais

Introdução. O objectivo desta apresentação:

Introdução. O objectivo desta apresentação: Prevenção da Gripe A Introdução O objectivo desta apresentação: Consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo, articulado, em cada fase da evolução da pandemia.

Leia mais

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 2. INFORMAÇÕES A TRANSMITIR AOS FUNCIONÁRIOS... 2 2.1. QUAIS OS SINTOMAS DA GRIPE A?... 2 2.2. MODOS DE CONTÁGIO... 3 2.3. MEDIDAS DE PROTECÇÃO E PREVENÇÃO...

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) Ano Lectivo 2009/2010 PLANO DE CONTINGÊNCIA A principal finalidade do Nacional é a de minimizar o impacte de uma eventual pandemia em território nacional, sobretudo no que diz respeito à

Leia mais

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência CIRCULAR N/ REFª: 68/2009 DATA: 27/07/09 ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência Exmos. Senhores, Junto se remete documento sobre o assunto em epígrafe distribuído,

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1) v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração Este documento contém: Metodologia de elaboração

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES. PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES. PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v INTRODUÇÃO No início de mais um ano lectivo, uma preocupação nova existe nas escolas: o vírus H1N1 que poderá marcar

Leia mais

Plano de contingência da gripe A (H1N1)

Plano de contingência da gripe A (H1N1) 0. Informação introdutória A. O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta e todo o sistema respiratório, provocada por um novo vírus da Gripe: vírus

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES Setembro de 2009 ÍNDICE I - CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 II - PLANO DE CONTINGÊNCIA... 4 A. OBJECTIVOS... 4 B. IDENTIFICAÇÃO DA COORDENAÇÃO

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

Plano de Contingência

Plano de Contingência Agrupamento de Escolas Ruy Belo Rua D. Diniz, 2745-262 Queluz Telefones: Geral 214389640 Direcção: 214389644 Fax Direcção: 214389649 Email: eb23ruybelo1@mail.telepac.pt Plano de Contingência GRIPE A Introdução

Leia mais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para alunos e Pais O que éo vírus da Gripe A(H1N1)v? O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta os seres humanos. Esta nova estirpe,

Leia mais

Medidas gerais de higiene pessoal:

Medidas gerais de higiene pessoal: Plano de Contingência Gripe A O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto contagiosa que afecta o nariz, a garganta e a árvore respiratória, provocada por um novo vírus da Gripe, o designado

Leia mais

2009-2010. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1)

2009-2010. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1) 2009-2010 Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1) 1. Introdução No sentido de colmatar a possibilidade de contágio e a rápida propagação da gripe A,

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA EB 2,3 DE ALBARRAQUE GRIPE A (H1N1) Elaborado pela Direcção do Agrupamento de Escolas Alfredo da Silva Tel: 219156510 Fax: 219156513 Mail: eb23alba.geral@mail.telepac.pt

Leia mais

Agir contra a Gripe A

Agir contra a Gripe A Agir contra a Gripe A O papel dos estabelecimentos de educação e ensino Maria Neto Responsável pela área funcional da Promoção e Protecção da Saúde Responsável pelo Programa Nacional de Saúde Escolar na

Leia mais

Externato Flor do Campo. Plano de Contingência GRIPE A (H1N1)

Externato Flor do Campo. Plano de Contingência GRIPE A (H1N1) Externato Flor do Campo Plano de Contingência GRIPE A (H1N1) Externato Flor do Campo Introdução: As escolas assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia de gripe, pela possibilidade de

Leia mais

Escola Secundária/3 Afonso Lopes Vieira

Escola Secundária/3 Afonso Lopes Vieira Escola Secundária/3 Afonso Lopes Vieira Leiria 1. Introdução As escolas assumem um papel muito importante na divulgação das medidas de prevenção de uma pandemia de gripe, pela grande possibilidade de contágio

Leia mais

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA Índice 1. Introdução 2. Objectivo 3. Âmbito de aplicação 4. Activação do plano 4.1. Cadeia de Gestão 4.2. Cadeia de Comando e Controlo 4.3. Actividades Essenciais

Leia mais

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS JUNTA REGIONAL DOS AÇORES GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA Plano de Contingência contra a Gripe A em acampamentos e actividades escutistas Exposição

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

Secretaria Regional da Saúde. Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s

Secretaria Regional da Saúde. Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s Secretaria Regional da Saúde Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s Na sequência dos comunicados emitidos pela Direcção Regional da Saúde e atendendo à informação oficial disponível,

Leia mais

Plano de Contingência

Plano de Contingência Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Creche, Jardim-de-infância e ATL da ASSTAS Índice I INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVOS... 3 III PREVENÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE A GRIPE A... 4 A) Quais os sintomas?... 4 B)

Leia mais

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Gripe A (H1N1)_PLANO DE CONTINGÊNCIA

Gripe A (H1N1)_PLANO DE CONTINGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL Largo Mártires da Pátria 9504 520 Ponta Delgada Tel.: 296 20 55 40 Fax: 296 20 55 44 www.esaq.pt Gripe A (H1N1)_PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe H1N1_PLANO DE CONTIGÊNCIA

Leia mais

Plano de Contingência para os Jardins-de-infância e Escolas

Plano de Contingência para os Jardins-de-infância e Escolas GRIPE A (H1N1)v Plano de Contingência para os Jardins-de-infância e Escolas 1. Objectivo O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade da instituição escolar Agrupamento de Escolas de Pico

Leia mais

Plano de Contingência UCP

Plano de Contingência UCP Universidade Católica Portuguesa Plano de Contingência UCP Lisboa Sede Campus de Sintra Residência Universitária Feminina Pandemia de Gripe A (H1N1) Lisboa-Versão02-28 Setembro 09 Índice 1. LISTA DE SIGLAS

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL COMUNICADO OFICIAL N.: 193 DATA: 2009.11.20 PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, Sad s e demais

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA 1. Introdução Verificada a incidência do vírus da Gripe A (H1N1), vários organismos nacionais e internacionais, nomeadamente a Organização Mundial de Saúde (OMS) e

Leia mais

Plano de Contingência Da Gripe A (H1N1) Do Jardim de Infância de Alcoitão

Plano de Contingência Da Gripe A (H1N1) Do Jardim de Infância de Alcoitão Plano de Contingência Da Gripe A (H1N1) Do Jardim de Infância de Alcoitão 1. Introdução O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde Gripe

Leia mais

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1)

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Evite o contacto próximo com pessoas com gripe! Procure não estar na presença de pessoas com gripe. Se ficar doente, mantenha-se afastado dos outros,

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância 1. Enquadramento 1.1 Nota Introdutória Através da Organização Mundial de Saúde e das respectivas autoridades nacionais de Saúde, Ministério

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS PLANO PLANO DE CONTIGÊNCIA: GRIPE A Introdução O presente Plano de Contingência pretende manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos da pandemia,

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO (ISET) PANDEMIA H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO (ISET) PANDEMIA H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO (ISET) PANDEMIA H1N1 No seguimento das recomendações efectuadas pelas autoridades de saúde nacionais, entendeu o Instituto Superior de

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Viseu INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU

Escola Superior de Tecnologia de Viseu INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU Escola Superior de Tecnologia de Viseu INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU informação Gripe A (H1N1)v Fonte http://www.dgs.pt/ 2009/09/07 Gripe A(H1N1)v O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por três vezes no século XX (1918-1919; 1957-1958; 1968-1969) a gripe manifestou-se como uma pandemia, quando um novo subtipo de vírus

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE CHAVES. Plano de Contingência Gripe A(H1N1)v

ESCOLA PROFISSIONAL DE CHAVES. Plano de Contingência Gripe A(H1N1)v ESCOLA PROFISSIONAL DE CHAVES Plano de Contingência Gripe A(H1N1)v Setembro, 2009 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTIVOS DO PLANO... 4 3. GRUPO DE PREPARAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÊNCIA... 4 4. GRUPO COORDENADOR

Leia mais

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 ESCOLA SECUNDÁRIA D. MARIA II PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DA GRIPE A Vírus (H1N1)v Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 Formas de Transmissão

Leia mais

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES Diversos Circular n.º 72/2009 15 de Julho de 2009 Assunto: Gripe A (H1N1) Algumas considerações importantes. Caro Associado: Considerando a nova estirpe de vírus da Gripe A (H1N1), e perante o seu risco

Leia mais

Gripe A. Plano de Contingência da ThyssenKrupp Elevadores. ThyssenKrupp Elevadores. GRIPE A Plano de Contingência

Gripe A. Plano de Contingência da ThyssenKrupp Elevadores. ThyssenKrupp Elevadores. GRIPE A Plano de Contingência GRIPE A - 1 Gripe A Plano de Contingência da Adaptado de: Pandemic contingency planning at ThyssenKrupp Elevator Dr. Jörg Arnold, Saúde & Segurança Dortmund, 30 de Junho de 2009 GRIPE A - 2 Contextualização

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A

Plano de Contingência Gripe A Versão 2 Aprovado na generalidade em 27 de Julho de 2009, por deliberação da Comissão Executiva da AIP CE. Actualizado em 17 de Setembro de 2009, por deliberação do Grupo de Acompanhamento da Gripe A da

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Índice Introdução 1 Recursos Humanos afectos ao PSE... 3 1.1 Caracterização...

Leia mais

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA 1. OBJECTIVOS DO PLANO Antecipar e gerir a resposta do ISA para minimizar as condições de propagação da Gripe A na comunidade

Leia mais

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires 403532. R. Vergílio Ferreira, Torres da Bela Vista 2660-350 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires 403532. R. Vergílio Ferreira, Torres da Bela Vista 2660-350 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS Gripe A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA 1. Introdução Os estabelecimentos de ensino assumem um papel importante na prevenção de uma pandemia de gripe, na medida em que são espaços de fácil contágio e rápida

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A Horta, 24 de Agosto de 2009 Índice 1. Introdução 3 2. Objectivo e âmbito de aplicação 4 3. Coordenador e equipa operativa 4 4. Cadeia de

Leia mais

Infecção Por Enterovirus

Infecção Por Enterovirus Infecção Por Enterovirus 2012.05.22 O enterovirus constitui um grupo de vírus que inclui Coxsackievírus, Echovírus e Enterovirus 71 (EV71), entre outros, infectando principalmente crianças com idade inferior

Leia mais

QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA. Plano de Contingência para a Pandemia da Gripe A

QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA. Plano de Contingência para a Pandemia da Gripe A QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA Plano de Contingência para a Pandemia da Ano Lectivo 2009/2010 1. Coordenação do plano: A coordenação global do plano é da responsabilidade da Direcção

Leia mais

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V Gripe A(H1N1)v Quais os sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: RECOMENDAÇÕES Qual o modo de contágio? Pessoa a pessoa através de gotículas quando tosse

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS ANO LECTIVO 2009/2010 Introdução O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos de uma pandemia

Leia mais

GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas.

GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas. GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas. Federação da Indústria do Estado do Rio de Janeiro Serviço Social da Indústria - SESI Diretoria de Saúde

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A (H1N1)

Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Plano de Contingência Gripe A (H1N1) ESCOLA SECUNDÁRIA DE EÇA DE QUEIRÓS DA PÓVOA DE VARZIM ÍNDICE Introdução 3 A gripe como doença pandémica 4 O vírus da Gripe A (H1N1) Sintomas da doença pelo vírus da

Leia mais

Plano de Contingência APPACDM de Elvas

Plano de Contingência APPACDM de Elvas Plano de Contingência APPACDM de, Setembro 2009 Índice: 1. Introdução 1 2. Objectivos e Âmbito de aplicação 2 3. Políticas e Princípios 3 4. Pressupostos 4 5. Activação do Plano 5 6. Plano de Contingência

Leia mais

Recomendações para instituições

Recomendações para instituições Recomendações para instituições Quando fazer a higiene das mãos A higiene das mãos deve ser feita com grande frequência em contexto de pandemia da gripe, com maior incidência nos seguintes casos: Após

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

GRIPE A Plano de Contingência

GRIPE A Plano de Contingência GRIPE A Plano de Contingência Direcção de Serviços de Planeamento e Controlo 03-09-2009 Mirandela 2009 ÍNDICE ÍNDICE... 2 I. Introdução... 3 II. Objectivos... 4 A. Objectivos estratégicos... 4 B. Objectivos

Leia mais

COLÉGIO DE S.GONÇALO. PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1)

COLÉGIO DE S.GONÇALO. PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1) COLÉGIO DE S.GONÇALO PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1) Ano Lectivo 2009 / 2010 INDICE 1.Introdução 3 2. Coordenador e Equipa Operativa 4 3. Cadeia de Comando e Controlo 5 4. Actividades Essenciais e

Leia mais

Escola de Tecnologia e Gestão de Barcelos

Escola de Tecnologia e Gestão de Barcelos Escola de Tecnologia e Gestão de Barcelos PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) Índice NOTA INTRODUTÓRIA...3 1. IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR E DA EQUIPA OPERATIVA...4 2. DEFINIÇÃO DA CADEIA DE COMANDO E

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE (H1N1 (v) ) DO A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E R I O T I N T O N º 2 VERSÃO 01 AGOSTO 2009

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE (H1N1 (v) ) DO A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E R I O T I N T O N º 2 VERSÃO 01 AGOSTO 2009 PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE (H1N1 (v) ) DO A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E R I O T I N T O N º 2 VERSÃO 01 AGOSTO 2009 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. Coordenação e planeamento... 5 1.1. Identificação

Leia mais

(GRIPE A H1N1) 2009-2010

(GRIPE A H1N1) 2009-2010 (GRIPE A H1N1) 2009-2010 1 PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Os organismos internacionais e as autoridades nacionais de saúde alertaram a sociedade, as escolas e as empresas para a ameaça

Leia mais

INDICE. CAPITULO I Objectivos, Organização e Coordenação.

INDICE. CAPITULO I Objectivos, Organização e Coordenação. PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA PANDEMIA DE GRIPE A (H1 N1) Agosto/Setembro 2009 INDICE CAPITULO I Objectivos, Organização e Coordenação. CAPITULO II Plano de Comunicação. 1. Comunicação enquanto ameaça de

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)V

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)V ESCOLA E.B. 2,3/SEC. DR. HERNÂNI CIDADE DE REDONDO PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)V REDONDO 4 DE SETEMBRO DE 2009 Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro -2009 Página 1 ÍNDICE PÁGS. INTRODUÇÃO-------------------------------------------------------------------3

Leia mais

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas*

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 - OMS Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* A propósito da nova estirpe de vírus da gripe A(H1N1) recentemente

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

GRIPE A (H1N1)v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1)v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1)v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade

Leia mais

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE GÁS NATURAL FEVEREIRO 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21

Leia mais

GRIPE A(H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores e Pais

GRIPE A(H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores e Pais GRIPE A(H1N1)v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores e Pais Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) ÍNDICE PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. DETERMINANTES DA GRIPE... 4 3. OBJECTIVOS ESPECIFICOS... 7 4. DEFINIÇÃO DA CADEIA DE COMANDO E CONTROLO...

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

Agrupamento n.º 3 de Beja

Agrupamento n.º 3 de Beja Agrupamento n.º 3 de Beja Setembro de 2009 Plano de Contingência Escolar para a Gripe A 2 Índice A Escola como zona de risco de contaminação... 4 Principais Sintomas da Gripe A... 4 Como se transmite?...

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SOURE

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SOURE PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SOURE Versão 1 - Setembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Objectivos do Plano 4 3. Coordenador e equipa operativa

Leia mais

dos alunos, trabalhadores e demais população utilizadora dos vossos serviços.

dos alunos, trabalhadores e demais população utilizadora dos vossos serviços. PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE A (H1N1) A Direcção do Externato Frei Luís Sousa recebeu solicitação, do Centro Saú Almada/Autorida Saú, do envio confirmação da existência um Plano Contingência da Gripe

Leia mais

PANDEMIA (H1N1) 2009. PLANO DE CONTINGÊNCIA do Município de Paredes de Coura

PANDEMIA (H1N1) 2009. PLANO DE CONTINGÊNCIA do Município de Paredes de Coura PANDEMIA (H1N1) 2009 PLANO DE CONTINGÊNCIA do Município de Paredes de Coura Município de Paredes de Coura Aprovado por: Presidente da Câmara Municipal ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVO... 4 III ÂMBITO

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE A(H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE A(H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE A(H1N1) DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA BEJA AGOSTO/ Aprovado pelo Conselho de Gestão em reunião de 03-09- 1. PREÂMBULO INTRODUTÓRIO A elaboração de um Plano de Contingência

Leia mais

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 Informação e Recomendações para Escolas Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 O vírus da Gripe A(H1N1) é um novo subtipo de vírus que afecta os seres humanos. Este novo subtipo, contém

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

A E A B I B L I O T E C A GRIPE A

A E A B I B L I O T E C A GRIPE A A E A B I B L I O T E C A GRIPE A É fundamental que o Plano de Contingência da escola/agrupamento defina claramente o papel da biblioteca e as acções a realizar, quer em termos de informação e prevenção,

Leia mais

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças.

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Soninho Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Garanta que entre os colchonetes haja meio metro

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1v)

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1v) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MATOSINHOS PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1v) Pré-Escolar, 1º, 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e Cursos de Educação Formação Escolas do Agrupamento: Escola sede E.B 2,3 de

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

(H1N1)v PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A. Plano de Contingência - Gripe A 1. Escola Secundária de Manuel da Fonseca

(H1N1)v PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A. Plano de Contingência - Gripe A 1. Escola Secundária de Manuel da Fonseca PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v Plano de Contingência - Gripe A 1 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Plano de Contingência da Escola.... 3 3. Equipa operativa e respectivas competências...

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Os emitentes de valores mobiliários admitidos à negociação em bolsa estão sujeitos ao cumprimento de um conjunto de deveres de informação

Leia mais

Actualização ao plano de contingência

Actualização ao plano de contingência Actualização ao plano de contingência ALTERNATIVA ÀS REUNIÕES NO AUDITÓRIO DO IPB, DESTINADAS AOS ALUNOS, PREVISTAS NO PONTO 3.5.1. DO PLANO DE CONTINGÊNCIA Atendendo às recomendações da Direcção Geral

Leia mais

Serviços de Apoio Domiciliário

Serviços de Apoio Domiciliário Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Catarina de Jesus Bonfim Sofia Mercês Veiga Serviços de Apoio Domiciliário (Condições de implantação, localização, instalação

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS APROVADO 14 de Dezembro de 2010 O Presidente ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS Artigo 1.º Missão e objecto 1) Os laboratórios da Escola Superior de Enfermagem

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

Comunicação Direcção Geral e Departamento RH

Comunicação Direcção Geral e Departamento RH Adecco Recursos Humanos Rua António Pedro N.º 111, 3.º Frente 1150 045 Lisboa T. 21 316 83 00 F. 21 316 83 51 Comunicação Direcção Geral e Departamento RH Para: Todos os colaboradores Adecco De: Direcção

Leia mais

A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta, e a

A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta, e a PROTOCOLO DE PREVENÇÃO E CONTENÇÃO DA GRIPE A (H1N1) I. CARACTERIZAÇÃO DA GRIPE A (H1N1) Definição A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta, e a árvore respiratória, provocada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO Outubro de 2004 Caro utente: A Escola Superior de Tecnologia do Barreiro funciona actualmente em instalações provisórias que, embora de boa qualidade, apresentam

Leia mais

OMSaúde ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376

OMSaúde ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376 ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376 OMSaúde ISOLAR 7 DIAS COM ASSISTÊNCIA MÉDICA IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 4 PERGUNTAS

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais