PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)V

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)V"

Transcrição

1 ESCOLA E.B. 2,3/SEC. DR. HERNÂNI CIDADE DE REDONDO PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)V REDONDO 4 DE SETEMBRO DE 2009 Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 1

2 ÍNDICE PÁGS. INTRODUÇÃO OBJECTIVOS COORDENAÇÃO E EQUIPA OPERATIVA CADEIA DE COMANDO E CONTROLO ACTIVIDADES ESSENCIASIS E PRIORITÁRIAS MEDIDAS DO PLANO DE CONTINGÊNCIA PLANO DE COMUNICAÇÃO DIVULGAÇÃO DE PLANO DE CONTINGÊNCIA AVALIAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÊNCIA OPERACIONALIZAÇÃO DO PLANO ANEXOS Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 2

3 INTRODUÇÃO O presente Plano de Contingência foi elaborado de acordo com a necessidade de se preparar o Agrupamento de escolas de Redondo e todos os seus intervenientes de uma possível pandemia causada pelo vírus da Gripe H1N1. A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a boca e a árvore respiratória provocada por um novo vírus da Gripe (esta nova estirpe, contém genes das variantes humana, aviária e suína do vírus da Gripe, numa combinação genética nunca antes observada), Figura 1. Figura 1- Vírus A(H1N1)v. Não existe imunidade de grupo, motivo que favorece a transmissão da doença e possibilita a ocorrência de uma pandemia. Transmite-se directamente entre pessoas, através do contacto com indivíduos doentes desde os primeiros sintomas até cerca de sete dias após o seu início, pode ainda ser transmitida indirectamente através do contacto com superfícies contaminadas pelo vírus. O vírus encontra-se presente nas gotículas de saliva ou secreções nasais das pessoas doentes e transmite-se através do ar ou contacto das mãos com diferentes superfícies contaminadas (maçanetas de portas, teclados, livros e outros objectos) pelas mesmas gotículas da pessoa doente se à posteriori as mãos estiverem em contacto com a boca, nariz ou olhos. A transmissão não é efectuada através da água ou dos alimentos. O vírus mantém-se viável ou activo nas referidas superfícies durante duas a oito horas, depende da porosidade, temperatura e humidade da mesma superfície. Os sintomas da doença são: -Febre (igual ou superior a 38ºC); -Tosse; -Dores de garganta; -Dores musculares; -Dores de cabeça; -Arrepios de frio; -Cansaço; -Diarreia ou vómitos. Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 3

4 O vírus pode ser inactivado com qualquer produto comum de desinfecção doméstica (água e sabão, detergentes, lixívia, álcool). O vírus também pode ser destruído pela acção do calor com temperatura superior a 75ºC. Atendendo a todas as características da doença da Gripe A descritas é fundamental a elaboração deste Plano, a sua aplicação de acordo com a evolução da pandemia, a sua divulgação a toda a comunidade e posteriormente a sua avaliação. OBJECTIVOS O Plano de Contingência contempla os seguintes objectivos: - Manter as actividades escolares e enfrentar, de modo adequado, as possíveis consequências de uma pandemia da Gripe em articulação com as famílias, serviços de saúde e outras estruturas da comunidade educativa; - Elaborar um conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas em cada fase da evolução da pandemia da gripe; - Aplicar todas as medidas de prevenção e de controlo a fim de assegurar uma boa preparação para enfrentar a fase pandémica, diminuindo desta forma: o número de doentes ou de mortes, a sobrecarga nos serviços de saúde devido ao excesso de procura e sobrecarga no Agrupamento devido ao excesso de absentismo; - Assegurar que cada interveniente saiba o que fazer em situação de crise e o que esperar das acções desenvolvidas por si e pelos outros. Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 4

5 COORDENAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÈNCIA A Coordenação global do Plano é da responsabilidade da Directora do Agrupamento Vertical de Redondo EQUIPA OPERATIVA DO PLANO DE CONTINGÊNCIA A equipa que irá apoiar a Coordenação Global do Plano será nomeada pela Coordenadora do mesmo. CADEIA DE COMANDO E CONTROLO Na seguinte QUADRO I as diferentes actividades/funções do Plano, na página 11 encontram-se registados os diferentes responsáveis e os respectivos substitutos: ACTIVIDADE COORDENAÇÃO GLOBAL QUADRO I EQUIPA OPERATIVA 1 (Informação/comunicação) EQUIPA OPERATIVA 2 (Capacitação/formação) EQUIPA OPERATIVA 3 (Equipamento/Instalações/armazenamento) EQUIPA OPERATIVA 4 (Divulgação/avaliação) Funcionário na sala de isolamento. Funcionário responsável por todos os contactos previstos. Funcionário que gere armazém de produtos de limpeza e respectiva relação de necessidades para todas as escolas, incluindo luvas e máscaras. Funcionário que gere o armazém de alimentos para o bar da escola. Funcionário que assegura/gere a limpeza necessária das instalações das escolas. Funcionário que assegura/gere a segurança na escola. Funcionário que assegura/gere o funcionamento da secretaria Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 5

6 ACTIVIDADES ESSENCIAS E PRIORITÁRIAS Em situação de crise prevê-se que todos os intervenientes com cargos de gestão deverão ter um papel de importância essencial. O órgão de gestão coordenará na sua globalidade a situação, os directores de turma/titular de turma que directamente poderá formar os seus alunos nas suas aulas incluindo as aulas de Formação Cívica bem como articular directamente com os pais/encarregados de educação de acordo com a evolução pandémica. Deverá ser prevista a substituição de todos os intervenientes referidos. São consideradas essenciais as seguintes actividades e os respectivos fornecedores de bens ou serviços para a manutenção das mesmas, indicadas no QUADRO II: QUADRO II ACTIVIDADES ESSENCIAS FORNECEDORES FORNECEDORES ALTERNATIVOS Bar Anexo Anexo Papelaria Anexo Anexo Secretaria Anexo Anexo Todos os serviços acima mencionados deverão ser assegurados em situação de crise, os respectivos fornecedores deverão igualmente estar preparados para responder à mesma situação. Se alguns dos fornecedores atrás mencionados não garantir o serviço dever-se-á equacionar outras soluções alternativas de forma a garantirem as actividades essenciais, tal como recorrer a fornecedores alternativos junto da comunidade local, ver quadro anterior. Em caso de encerramento, tal medida só pode ser adoptada se determinada pelo Delegado de Saúde, após avaliação epidemiológica da situação. Nesta situação deverse-á manter as seguintes actividades: -Segurança/portaria; -Secretaria; -Recepção PBX; Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 6

7 MEDIDAS DO PLANO DE CONTINGÊNCIA A- Manutenção da actividade escolar em situação de crise 1- Todas as actividades escolares deverão ser mantida. Assim quer os professores quer os outros profissionais deverão ser substituídos (estando estas previstas e calendarizadas logo no início do ano) de modo a minimizar o impacte de um possível cenário de elevado absentismo dos mesmos. 2- Relativamente aos alunos/professores afectados pela doença poderão estes continuar as suas actividades escolares através do teletrabalho, através de e- mail reduzindo desta forma o impacte do absentismo ou eventual encerramento das escolas do Agrupamento. 3- No que diz respeito às actividades consideradas essenciais deverá haver reservas estratégicas para enfrentar a crise, como ilustra o QUADRO III seguinte: QUADRO III ACTIVIDADES RESERVAS ESTRATÉGICAS ESSENCIAIS Bar - Água engarrafada -Alimentos não parecíveis (leite, ) Refeitório -A cargo da empresa que explora o mesmo. Papelaria - Materiais escolares. Secretaria -Material de secretaria. Transporte escolar Manutenção de casas de banho - Produtos de higiene e limpeza, luvas cirúrgicas e máscaras. Recepção PBX - Ficheiro actualizado com os contactos dos pais e (Telefone) encarregados de educação de todos os alunos e serviços. Segurança/Portaria Devem ser igualmente asseguradas as refeições escolares dos alunos abrangidos pelo respectivo programa. 5- Os pais e encarregados de educação deverão ser informados de um eventual encerramento das escolas do Agrupamento, essa informação deverá ser escrita e deverá indicar o período de encerramento e as medidas de vigilância a adoptar. 6- Os pais e os encarregados de educação dos alunos poderão ser envolvidos apoiando os alunos na realização dos trabalhos escolares em casa em articulação com os professores, em caso de encerramento das escolas. Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 7

8 B- MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA GRIPE O Agrupamento adoptará as medidas adequadas de prevenção e contenção da doença, em articulação com os pais e encarregados de educação e Centro de Saúde. As medidas a destacar são: informação e capacitação, higiene do ambiente escolar e isolamento/distanciamento social. B.1.- Informação Toda a comunidade educativa deverá possuir informação sobre as medidas de prevenção de higiene pessoal e ambiente escolar. Haverá uma calendarização com reuniões para esclarecimento e formação de profissionais, de pais e encarregados de educação e de alunos, ver ANEXOS 1 e 2. Haverá divulgação escrita através de cartazes e folhetos elaborados na escola ou os disponibilizados pela DGS e serviços de saúde, sendo afixados em cada espaço (sala de aula, etc ), por forma a que a informação chegue a todos e na página Web do Agrupamento. B.2.-Capacitação Os profissionais terão a formação necessária relativamente à lavagem das mãos e às regras de etiqueta respiratória, ver ANEXO 1. Os mesmos devem ainda ser capazes resolver situações de alunos com febre ou outros sinais da gripe, articulando com a Unidade de Saúde Pública Local, ver ANEXO 2. Os alunos deverão adquirir bons hábitos de higiene, sendo realizados pequenos trabalhos relacionados com esta temática na sala de aula. Serão instituídas rotinas de lavagem de das mãos, de brinquedos que possam ser levados à boca, copos, talheres e pratos não deverão ser partilhados. B.3.-Higiene do ambiente escolar No início do ano, é feita uma avaliação do estado das instalações e equipamentos para lavagem das mãos e proceder a reparações de eventuais deficiências. Identifica-se o equipamento necessário a instalar, como os que se encontram no QUADRO IV: Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 8

9 QUADRO IV EQUIPAMENTO A INSTALAR/ADQUIRIR Dispositivo para fornecimento de toalhetes de papel (WC). Dispositivos de parede com soluções de limpeza das mãos à base de álcool nas salas sem lavatório. Caixotes do lixo. Sacos do lixo NÚMERO TOTAL Preenchido à posteriori Preenchido à posteriori Preenchido à posteriori Preenchido à posteriori Disponibilizam-se soluções de limpeza e dispositivos para secagem das mãos, de preferência toalhetes de papel absorvente. Não serão utilizadas toalhas de pano de uso co. As salas deverão ser limpas e arejadas várias vezes ao dia. Os espaços e superfícies de trabalho, maçanetas das portas devem ser lavados com frequência. Devem ser identificadas, criteriosamente, locais para colocação de dispositivos de solução anti-séptica de base alcoólica, ver ANEXO 1, página 21. Será definida uma sala para isolamento de alunos que apresentem febre e sinais de gripe. Será criada uma reserva estratégica de alguns produtos, se necessário - alimentos, produtos de limpeza, sabão líquido, toalhetes de papel, sacos de lixo, etc. B.3.-Isolamento e distanciamento social Não serão admitidas nas escolas do Agrupamento alunos com febre ou outros sinais de gripe de modo a evitar o contágio a outras pessoas. Em caso de dúvida contacta-se a Linha Saúde ou o Delegado de Saúde de Redondo. Existirá uma sala para o eventual isolamento de alunos evidenciem sinais de gripe enquanto estão na escola, até os pais serem contactados. A sala deverá ter uma janela para arejar, a porta deverá manter-se fechada, deverá existir dispositivo de solução anti-séptica de base alcoólica para desinfecção das mãos. Após utilização de alunos doentes deve ser limpa e arejada. PLANO DE COMUNICAÇÃO Será estabelecida uma rede de comunicação interna e externa com os diferentes parceiros: Centro de Saúde de Redondo, autarquia, fornecedores, empresa que assegura os transportes escolares, etc. Será mantido um ficheiro actualizado com os telefones dos pais e dos profissionais, bem como de outras entidades pertinentes. Devem ser equacionadas formas alternativas de comunicação com profissionais, alunos e pais (por exemplo, através da Internet, ou telemóvel) Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 9

10 DIVULGAÇÃO DO PLANO DE CONTIGÊNCIA O presente Plano deverá envolver toda a comunidade educativa e respectivos parceiros e deverá ser amplamente divulgado internamente e junto da restante comunidade educativa, incluindo a sua divulgação através da página Web do Agrupamento AVALIAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÊNCIA O Plano deverá ser reavaliado e actualizado sempre que houver necessidade. Deverá ser elaborado um relatório que evidencie todos os aspectos positivos/negativos relevantes para à posteriori serem reajustados. Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 10

11 OPERACIONALIZAÇÃO DO PLANO De acordo com o Plano de Contingência elaborado e aprovado é importante e necessário estabelecer uma distribuição de tarefas/actividades pelos intervenientes da comunidade educativa, bem como definir criteriosamente espaços/bens/equipamentos necessários à concretização do respectivo Plano. Assim, nos QUADROS I a V seguintes estão definidas as actividades/tarefas, os respectivos intervenientes e os seus eventuais substitutos. QUADRO I Coordenação e Equipa Operativa. Actividade/Tarefa Responsável Substituição Coordenação Global Prof. Anabela Silva Prof. Helena Gião Equipa Operativa 1 (Informação/Comunicação) Equipa Operativa 2 (Formação/Capacitação) Equipa Operativa 3 (Equipamento/Instalações/Armazenamento) Equipa Operativa 4 (Divulgação/Avaliação) Coordenadora de Estabelecimento /Chefe dos Serviços Administrativos Prof. Paula Ribeiro Chefe do pessoal auxiliar Responsável pela página Web Coordenadora de Estabelecimento /Chefe dos Serviços Administrativos Professora do 1ºCiclo/Pré-Escolar Responsável no 1ºCiclo de Redondo Responsável pela página Web QUADRO II Medidas Preventivas Informação/Formação/Capacitação. Intervenientes da Comunidade educativa Professores/Directores de Turma Funcionários da escola Pais e Encarregados de Educação Alunos Divulgação nas salas e na página Web Responsável Pela medida preventiva Formação a cargo do Centro de Saúde Formação a cargo do Centro de Saúde Directores de Turma e Centro de Saúde Directores de Turma e Centro de Saúde Equipa Operativa 2 e 4 Calendarização Início do ano Início do ano 1º Período 1ºPeríodo Início do ano Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 11

12 QUADRO III Actividades essenciais. Actividade Responsável pela actividade Substituição Calendarização Bar Funcionária do bar Funcionária Ao longo do ano Secretaria Funcionária da Secretaria Funcionária Ao longo do ano Papelaria Funcionária da papelaria Funcionária Ao longo do ano QUADRO IV Medidas Preventivas Higiene do ambiente escolar/isolamento e distanciamento social. Actividade/Tarefa Verificação do estado do equipamento das casas de banho Frequência/Gestão de limpeza das salas/arejamento Responsável Pela medida preventiva Chefe do Pessoal auxiliar Chefe do Pessoal auxiliar Substituição Funcionário que substitui a chefe do Pessoal auxiliar Funcionário que substitui a chefe do Pessoal auxiliar Calendarização Início do ano Início do ano Frequência/Gestão de limpeza dos espaços de trabalho (teclados, maçanetas das portas ). Reserva de produtos de limpeza Chefe do Pessoal auxiliar Chefe do Pessoal auxiliar Funcionário que substitui a chefe do Pessoal auxiliar Funcionário que substitui a chefe do Pessoal auxiliar Funcionário substituto Início do ano Início do ano Sala de isolamento/limpeza Funcionária do Bloco respectivo Início do ano Reserva de alimentos Funcionária do Bar Funcionário substituto Início do ano Nota: indicam-se os responsáveis pelo cargo que ocupam e em caso de falta o que o substitui. QUADRO V Plano de Comunicação. Contactos Responsável pela aquisição dos Substituição Calendarização contactos Pais/Encarregados de Educação Directores de turma/secretaria Secretários Início do ano Funcionários/ Professores Funcionária da Secretaria Funcionário substituto Início do ano Serviços Funcionária da Secretaria Funcionário substituto Início do ano Responsável pela lista integral/actualizada de Funcionária do PBX Funcionário substituto Ao longo do ano todos os contactos Nota: indicam-se os responsáveis pelo cargo que ocupam e em caso de falta o que o substitui Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 12

13 QUADRO VI Divulgação/Avaliação. Actividade Professor responsável pela actividade Substituição Calendarização Divulgação do Plano Equipa Operativa 4 Responsável substituto Início do ano Avaliação do Plano Equipa Operativa 4 Responsável substituto Final do ano Nota: indicam-se os responsáveis pelo cargo que ocupam e em caso de falta o que o substitui. Actividade 1 A operacionalização deste plano inicia-se com a actividade nº1, divulgação de medidas preventivas. Esta actividade consiste na elaboração e divulgação imediata de um folheto informativo da forma mais abrangente possível, ver na página seguinte. A mesma actividade terá lugar numa reunião em que participam os principais responsáveis do Agrupamento Vertical de Redondo, Centro de Saúde e Município de Redondo. Actividade 2 Melhoria da situação de partida referenciada no documento indicado na actividade nº1. Em particular ampliação dos pontos de lavagem/desinfecção de mãos, entrega de máscaras/luvas e lenços de papel. Actividade 3 Divulgação formal por parte do Director de turma/professor titular de turma da actividade nº1 trabalhando as medidas preventivas de execução mais acessível. Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 13

14 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direcção Regional de Educação do Alentejo Agrupamento Vertical de Redondo Escola Básica 2,3 com ensino secundário Dr. Hernâni Cidade PROCEDIMENTOS FACE A EVENTUAIS SITUAÇÕES DE GRIPE A Sintomas de Gripe Sou aluno e tenho: Sou professor/educador e detecto alunos/meninos com: Sou Funcionário e detecto alunos alunos/meninos com: Sou pai/ encarregado de educação e detecto no meu filho/educando - Febre - Tosse - Dores de Garganta - Dores Musculares - Dores de cabeça - Arrepios de frio - Devo informar os meus pais/encarregado de educação, professor ou funcionário - Devo informar o funcionário de serviço à sala/bloco e encaminhar o aluno para a sala de isolamento - Devo informar o órgão de gestão e encaminhar o aluno para a sala de isolamento Não devo enviar o meu filho/educando à escola sem esclarecer a situação ligando para a linha saúde 24 ( ) Em qualquer situação devo, mesmo sem sintomas: Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 14

15 ANEXOS Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 15

16 ANEXO 1 Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 16

17 PRINCIPAIS MEDIDAS DE PROTECÇÃO Lavar frequentemente as mãos com água e sabão. Usar lenço de papel para proteger a tosse ou os espirros, inutilizar o lenço e lavar as mãos em seguida. Se não tiver lenço, tossir para o antebraço, nunca para as mãos! Evitar tocar na boca, no nariz ou nos olhos, sem ter as mãos lavadas. Evitar a proximidade de pessoas com sinais de doença gripal ( manter uma distância superior a 1 metro). Evitar locais muito frequentados. Higienizar frequentemente as superfícies de trabalho, teclados, brinquedos, maçanetas de porta, etc. Arejar as salas e espaços interiores. Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 17

18 Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 18

19 MEDIDAS DE PREVENÇÃO Lavagem das Mãos na Escola. A lavagem frequente das mãos com água e sabão, de preferência líquido, é uma das principais. QUANDO É QUE SE DEVEM LAVAR AS MÃOS? À chegada à escola, vindos da rua. Após tossir, espirrar ou assoar o nariz. A seguir à utilização de brinquedos, teclados e ratos de computador ou outros materiais escolares de uso partilhado. Antes das refeições. Após a ida à casa de banho. Antes e após contacto directo com bebés e crianças pequenas. À chegada a casa, vindos da rua. Após contacto com uma pessoa doente com sintomas gripais, ou com roupas ou objectos manuseados pelo doente. Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 19

20 Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 20

21 QUANDO NÃO É POSSÍVEL LAVAR AS MÃOS? Sempre que não seja possível lavar as mãos, estas podem ser higienizadas por fricção com uma Solução Anti-séptica de Base Alcoólica. Existem várias formas de apresentação: Doses de bolso (100ml); Carteiras individuais de toalhetes de uso único; Embalagens (500ml), com suportes de mesa ou de parede.. Estas soluções não devem usar-se em bebés e crianças pequenas, pelo risco de ingestão do produto quando as mãos são levadas à boca ou aos olhos. Nas crianças mais velhas, a sua utilização deve ser sempre supervisionada por um adulto. HIGIÉNE DAS MÃOS COM SOLUÇÃO ANTI-SÉPTICA DE BASE ALCOÓLICA Os locais para colocação de dispositivos de Solução Anti-séptica de Base Alcoólica devem ser seleccionados de modo criterioso: Estes dispositivos, só devem ser colocados em locais onde seja necessário proceder à higiene das mãos, mas não haja recurso a água e sabão Devem ser armazenados e colocados fora do alcance de crianças, dado o risco de toxicidade do produto, em particular se for ingerido ou projectado para os olhos e seguidas as instruções de segurança do fabricante A sua eventual utilização por crianças mais velhas deve ser sempre supervisionada por um adulto LOCAIS PARA COLOCAÇÃO DE SOLUÇÃO ANTI-SÉPTICA DE BASE ALCOÓLICA Na sala destinada ao isolamento de crianças que apresentem sintomas de gripe Salas destinadas às crianças em infantários e jardins de infância, se estas salas não possuírem lavatório. À entrada de refeitórios, se estes não possuírem lavatório. Na secretaria da escola, para uso dos profissionais. Em caso de dúvida, a Escola deve contactar a Unidade de Saúde Pública do respectivo Agrupamento de Centros de Saúde Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 21

22 LIMPEZA DE SUPERFÍCIES Deve ser feita uma limpeza frequente de mesas de trabalho, maçanetas das portas corrimãos, brinquedos, ou objectos que se levem à boca Para esta limpeza, é suficiente a utilização de um produto comum de desinfecção doméstica. Objectos que possam ser levados à boca, depois de higienizados, devem ser passados por água limpa, a fim de evitar a ingestão do produto de limpeza. AREJAMENTO DOS ESPAÇOS Deve promover-se o arejamento das salas de aula ou de trabalho e espaços interiores da escola Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 22

23 ANEXO 2 ACTUAÇÃO PERANTE UM ALUNO QUE APRESENTE FEBRE E SINTOMAS GRIPAIS Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 23

24 Os alunos com Gripe não devem ir à escola, durante um período de 7 dias, ou até à alta clínica, se os sintomas persistirem por mais tempo. No caso de uma criança manifestar febre e outros sintomas gripais durante a permanência na escola, deve ser afastada das restantes crianças e mantida na sala de isolamento, acompanhada por um adulto, sempre que necessário, até à chegada dos pais. Deve ser contactada a Linha Saúde 24: e seguidas as orientações quanto às medidas a adoptar Os adultos que acompanhem a criança devem usar máscara de protecção e adoptar os devidos cuidados de higiene das mãos. Se possível, a criança deverá usar máscara de protecção, adaptada ao tamanho da face. ACTUAÇÃO PERANTE UM PROFISSIONAL QUE APRESENTE FEBRE E SINTOMAS GIPAIS Os Profissionais com Gripe não devem ir à escola, durante um período de 7 dias, ou até à alta clínica se os sintomas persistirem por mais tempo. CUIDADOS A TER COM O DOENTE EM CASA A pessoa doente deve ter um quarto e, idealmente, uma casa de banho só para si. Á excepção da pessoa que cuida do doente, deve impedir-se a entrada neste quarto de outros elementos da família ou de visitas. O quarto deve permanecer, sempre que possível, com a porta fechada. Deve ser promovido o arejamento deste quarto abrindo a janela, mantendo a porta fechad. Os objectos e roupas manuseados pelo doente não devem ser partilhados com outros elementos da família, antes de lavados ou higienizados. As zonas comuns da habitação devem manter-se Arejadas. QUEM PODE CUIDAR DO DOENTE Idealmente, a pessoa que cuida do doente deve ser sempre a mesma, para reduzir os riscos de transmissão na família. Mulheres grávidas ou pessoas com doenças crónicas graves devem evitar cuidar do doente. VIGILÂNCIA DA SITUAÇÃO CRÍTICA DA CRIANÇA DOENTE Medir a febre de manhã e à noite e registar as temperaturas numa folha de registo. Controlar a febre, se necessário. Oferecer líquidos, para manter a hidratação. Dificuldade respiratória, vómitos persistentes, prostração, pele arroxeada, irritabilidade, dores ou mal estar intenso, recusa alimentar, ou reaparecimento da febre, indicam um agravamento da doença: TELEFONAR para a linha Saúde 24 ( ) e seguir as orientações. AGRAVAMENTO DOS SINTOMAS Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 24

25 Reaparecimento, aumento da febre, ou persistência da febre durante mais de 4 dias. Dores de cabeça muito fortes ou alteração do estado de consciência (por exemplo: confusão, perda de consciência, desmaios) Dificuldade respiratória ou falta de ar. Dor no peito ou nas costas. Fadiga intensa e anormal. Expectoração com sangue TELEFONAR para a Linha Saúde 24 ( ) e seguir as orientações LAVAGEM DA LOUÇA DO DOENTE Não é necessário lavar à parte a louça da pessoa doente. A louça do doente pode ser lavada como habitualmente, à mão com detergente de louça, ou na máquina de lavar louça. TRATAMENTO DA ROUPA DO DOENTE As roupas do doente devem ser lavadas, de preferência, na máquina de lavar roupa e não devem ser partilhadas com outras pessoas antes de lavadas. É conveniente o uso de máscara de protecção, durante a colocação da roupa na máquina. Lavar as mãos, em seguida. USO DE MÁSCARAS DE PROTECÇÃO A protecção conferida pela máscara depende da sua correcta utilização. Se a máscara for mal colocada ou inadequadamente removida pode aumentar o risco de contágio, em vez de o diminuir. A máscara deve cobrir bem o nariz e a boca, devendo ficar bem ajustada à face, evitando folgas que permitam a passagem de ar não filtrado pela máscara. As máscaras devem possuir atilhos, ou elásticos, que prendam a máscara na face posterior da cabeça e do pescoço, dado que permitem o melhor ajustamento da máscara à face. São de evitar máscaras que fiquem largas ou que não possibilitem o seu ajustamento ao nariz e à face. Nas crianças, usar máscaras adaptadas ao seu tamanho. Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 25

26 O doente deve usar máscara, de tipo cirúrgico, sempre que saia do seu quarto, ou esteja na proximidade de outras pessoas. A pessoa que cuida do doente deve usar máscara, de tipo cirúrgico, sempre que permaneça no quarto do doente, sempre que esteja próximo deste, ou sempre que manuseie as suas roupas depois de usadas. Cada máscara deve ser usada uma única vez, devendo ser substituída sempre que se encontre húmida. Depois de colocada, não levar as mãos à máscara. Ao retirar a máscara, deve tocar-se apenas nos atilhos, desprendendo primeiro os atilhos inferiores e só depois os superiores, evitando tocar na restante superfície da máscara. Deitar a máscara usada no lixo, em saco bem fechado. Lavar as mãos em seguida. CUIDADOS A TER PELO DOENTE, A FIM DE EVITAR A TRANSMISSÃO DA GRIPE Limitar o contacto próximo com outras pessoas. Permanecer em casa durante 7 dias, ou até que os sintomas desapareçam, se estes persistirem. Cobrir a boca e o nariz quando espirrar ou tossir, usando um lenço de papel e a seguir lavar as mãos. Lavar frequentemente as mãos com água e sabão ou friccioná-las com uma solução de base alcoólica, no caso de não as poder lavar. Usar máscara cirúrgica, quando estiver na proximidade de outras pessoas. Plano de Contingência para a Gripe A - 4 de Setembro Página 26

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde Gripe

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Viseu INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU

Escola Superior de Tecnologia de Viseu INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU Escola Superior de Tecnologia de Viseu INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU informação Gripe A (H1N1)v Fonte http://www.dgs.pt/ 2009/09/07 Gripe A(H1N1)v O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta

Leia mais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para alunos e Pais O que éo vírus da Gripe A(H1N1)v? O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta os seres humanos. Esta nova estirpe,

Leia mais

GRIPE A(H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores e Pais

GRIPE A(H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores e Pais GRIPE A(H1N1)v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores e Pais Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde

Leia mais

Agir contra a Gripe A

Agir contra a Gripe A Agir contra a Gripe A O papel dos estabelecimentos de educação e ensino Maria Neto Responsável pela área funcional da Promoção e Protecção da Saúde Responsável pelo Programa Nacional de Saúde Escolar na

Leia mais

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 Informação e Recomendações para Escolas Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 O vírus da Gripe A(H1N1) é um novo subtipo de vírus que afecta os seres humanos. Este novo subtipo, contém

Leia mais

Plano de contingência da gripe A (H1N1)

Plano de contingência da gripe A (H1N1) 0. Informação introdutória A. O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta e todo o sistema respiratório, provocada por um novo vírus da Gripe: vírus

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1) v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração Este documento contém: Metodologia de elaboração

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA EB 2,3 DE ALBARRAQUE GRIPE A (H1N1) Elaborado pela Direcção do Agrupamento de Escolas Alfredo da Silva Tel: 219156510 Fax: 219156513 Mail: eb23alba.geral@mail.telepac.pt

Leia mais

Prevenção da Gripe A(H1N1)v

Prevenção da Gripe A(H1N1)v Prevenção da Gripe A(H1N1)v Recomendações DSD Departamento da Qualidade na Saúde Quais os Sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre de início súbito (superior a 38ºC) Tosse Dores

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES Setembro de 2009 ÍNDICE I - CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 II - PLANO DE CONTINGÊNCIA... 4 A. OBJECTIVOS... 4 B. IDENTIFICAÇÃO DA COORDENAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Plano de Contingência Gripe A (H1N1) SANTARÉM, JULHO, 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Gripe A (H1N1) Informações Gerais SANTARÉM, JULHO, 2009 Primeira pandemia

Leia mais

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 ESCOLA SECUNDÁRIA D. MARIA II PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DA GRIPE A Vírus (H1N1)v Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 Formas de Transmissão

Leia mais

Medidas gerais de higiene pessoal:

Medidas gerais de higiene pessoal: Plano de Contingência Gripe A O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto contagiosa que afecta o nariz, a garganta e a árvore respiratória, provocada por um novo vírus da Gripe, o designado

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) Ano Lectivo 2009/2010 PLANO DE CONTINGÊNCIA A principal finalidade do Nacional é a de minimizar o impacte de uma eventual pandemia em território nacional, sobretudo no que diz respeito à

Leia mais

Introdução. O objectivo desta apresentação:

Introdução. O objectivo desta apresentação: Prevenção da Gripe A Introdução O objectivo desta apresentação: Consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo, articulado, em cada fase da evolução da pandemia.

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

Plano de Contingência

Plano de Contingência Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Creche, Jardim-de-infância e ATL da ASSTAS Índice I INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVOS... 3 III PREVENÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE A GRIPE A... 4 A) Quais os sintomas?... 4 B)

Leia mais

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 2. INFORMAÇÕES A TRANSMITIR AOS FUNCIONÁRIOS... 2 2.1. QUAIS OS SINTOMAS DA GRIPE A?... 2 2.2. MODOS DE CONTÁGIO... 3 2.3. MEDIDAS DE PROTECÇÃO E PREVENÇÃO...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A Horta, 24 de Agosto de 2009 Índice 1. Introdução 3 2. Objectivo e âmbito de aplicação 4 3. Coordenador e equipa operativa 4 4. Cadeia de

Leia mais

Escola Secundária/3 Afonso Lopes Vieira

Escola Secundária/3 Afonso Lopes Vieira Escola Secundária/3 Afonso Lopes Vieira Leiria 1. Introdução As escolas assumem um papel muito importante na divulgação das medidas de prevenção de uma pandemia de gripe, pela grande possibilidade de contágio

Leia mais

Gripe A (H1N1)_PLANO DE CONTINGÊNCIA

Gripe A (H1N1)_PLANO DE CONTINGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL Largo Mártires da Pátria 9504 520 Ponta Delgada Tel.: 296 20 55 40 Fax: 296 20 55 44 www.esaq.pt Gripe A (H1N1)_PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe H1N1_PLANO DE CONTIGÊNCIA

Leia mais

PLANO DE CONTI T NG N ÊNC N I C A F AC A E C À EVOLUÇÃO PAN A DÉ D MI M CA D A A GRIPE A (VÍRUS H1N1)

PLANO DE CONTI T NG N ÊNC N I C A F AC A E C À EVOLUÇÃO PAN A DÉ D MI M CA D A A GRIPE A (VÍRUS H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA FACE À EVOLUÇÃO PANDÉMICA DA GRIPE A (VÍRUS H1N1) SETEMBRO DE 2009 ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO PLANO DE CONTINGÊNCIA FACE À EVOLUÇÃO PANDÉMICA DA GRIPE A (VÍRUS H1N1) Preâmbulo: O objectivo

Leia mais

Plano de Contingência para os Jardins-de-infância e Escolas

Plano de Contingência para os Jardins-de-infância e Escolas GRIPE A (H1N1)v Plano de Contingência para os Jardins-de-infância e Escolas 1. Objectivo O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade da instituição escolar Agrupamento de Escolas de Pico

Leia mais

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência CIRCULAR N/ REFª: 68/2009 DATA: 27/07/09 ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência Exmos. Senhores, Junto se remete documento sobre o assunto em epígrafe distribuído,

Leia mais

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS JUNTA REGIONAL DOS AÇORES GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA Plano de Contingência contra a Gripe A em acampamentos e actividades escutistas Exposição

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS ANO LECTIVO 2009/2010 Introdução O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos de uma pandemia

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE CHAVES. Plano de Contingência Gripe A(H1N1)v

ESCOLA PROFISSIONAL DE CHAVES. Plano de Contingência Gripe A(H1N1)v ESCOLA PROFISSIONAL DE CHAVES Plano de Contingência Gripe A(H1N1)v Setembro, 2009 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTIVOS DO PLANO... 4 3. GRUPO DE PREPARAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÊNCIA... 4 4. GRUPO COORDENADOR

Leia mais

2009-2010. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1)

2009-2010. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1) 2009-2010 Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1) 1. Introdução No sentido de colmatar a possibilidade de contágio e a rápida propagação da gripe A,

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL COMUNICADO OFICIAL N.: 193 DATA: 2009.11.20 PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, Sad s e demais

Leia mais

QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA. Plano de Contingência para a Pandemia da Gripe A

QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA. Plano de Contingência para a Pandemia da Gripe A QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA Plano de Contingência para a Pandemia da Ano Lectivo 2009/2010 1. Coordenação do plano: A coordenação global do plano é da responsabilidade da Direcção

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES. PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES. PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v INTRODUÇÃO No início de mais um ano lectivo, uma preocupação nova existe nas escolas: o vírus H1N1 que poderá marcar

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância 1. Enquadramento 1.1 Nota Introdutória Através da Organização Mundial de Saúde e das respectivas autoridades nacionais de Saúde, Ministério

Leia mais

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA Índice 1. Introdução 2. Objectivo 3. Âmbito de aplicação 4. Activação do plano 4.1. Cadeia de Gestão 4.2. Cadeia de Comando e Controlo 4.3. Actividades Essenciais

Leia mais

Externato Flor do Campo. Plano de Contingência GRIPE A (H1N1)

Externato Flor do Campo. Plano de Contingência GRIPE A (H1N1) Externato Flor do Campo Plano de Contingência GRIPE A (H1N1) Externato Flor do Campo Introdução: As escolas assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia de gripe, pela possibilidade de

Leia mais

Plano de Contingência

Plano de Contingência Agrupamento de Escolas Ruy Belo Rua D. Diniz, 2745-262 Queluz Telefones: Geral 214389640 Direcção: 214389644 Fax Direcção: 214389649 Email: eb23ruybelo1@mail.telepac.pt Plano de Contingência GRIPE A Introdução

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A (H1N1) (H1N1)

Plano de Contingência Gripe A (H1N1) (H1N1) Plano de Contingência Gripe A (H1N1) (H1N1) Índice I. Introdução... 2 II. Objectivos...... 2 III. A Gripe A (H1N1). 3 1. Definição e Prevalência. 3 2. Modos de Transmissão. 3 3. Sintomas.. 3 IV. Aplicação

Leia mais

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V Gripe A(H1N1)v Quais os sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: RECOMENDAÇÕES Qual o modo de contágio? Pessoa a pessoa através de gotículas quando tosse

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA 1. Introdução Verificada a incidência do vírus da Gripe A (H1N1), vários organismos nacionais e internacionais, nomeadamente a Organização Mundial de Saúde (OMS) e

Leia mais

COLÉGIO DE S.GONÇALO. PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1)

COLÉGIO DE S.GONÇALO. PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1) COLÉGIO DE S.GONÇALO PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1) Ano Lectivo 2009 / 2010 INDICE 1.Introdução 3 2. Coordenador e Equipa Operativa 4 3. Cadeia de Comando e Controlo 5 4. Actividades Essenciais e

Leia mais

Plano de Contingência Da Gripe A (H1N1) Do Jardim de Infância de Alcoitão

Plano de Contingência Da Gripe A (H1N1) Do Jardim de Infância de Alcoitão Plano de Contingência Da Gripe A (H1N1) Do Jardim de Infância de Alcoitão 1. Introdução O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos

Leia mais

GRIPE A (H1N1)v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1)v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1)v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade

Leia mais

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1)

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Evite o contacto próximo com pessoas com gripe! Procure não estar na presença de pessoas com gripe. Se ficar doente, mantenha-se afastado dos outros,

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A (H1N1)

Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Plano de Contingência Gripe A (H1N1) ESCOLA SECUNDÁRIA DE EÇA DE QUEIRÓS DA PÓVOA DE VARZIM ÍNDICE Introdução 3 A gripe como doença pandémica 4 O vírus da Gripe A (H1N1) Sintomas da doença pelo vírus da

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS PLANO PLANO DE CONTIGÊNCIA: GRIPE A Introdução O presente Plano de Contingência pretende manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos da pandemia,

Leia mais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Janeiro * 2014 Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, IP-RAM Gripe medidas de auto cuidado newsletter Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Ficha Técnica Newsletter - Janeiro de 2014

Leia mais

PLANO DE CONTIGÊNCIA

PLANO DE CONTIGÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO CENTRO DA ÁREA EDUCATIVA DO BAIXO ALENTEJO E ALENTEJO LITORAL ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I 7800-478 BEJA I PRÓLOGO PLANO DE

Leia mais

Plano de Contingência APPACDM de Elvas

Plano de Contingência APPACDM de Elvas Plano de Contingência APPACDM de, Setembro 2009 Índice: 1. Introdução 1 2. Objectivos e Âmbito de aplicação 2 3. Políticas e Princípios 3 4. Pressupostos 4 5. Activação do Plano 5 6. Plano de Contingência

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) ÍNDICE PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. DETERMINANTES DA GRIPE... 4 3. OBJECTIVOS ESPECIFICOS... 7 4. DEFINIÇÃO DA CADEIA DE COMANDO E CONTROLO...

Leia mais

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA 1. OBJECTIVOS DO PLANO Antecipar e gerir a resposta do ISA para minimizar as condições de propagação da Gripe A na comunidade

Leia mais

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 Informação e Recomendações para Escolas Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 O vírus da Gripe A(H1N1) é um novo subtipo de vírus que afecta os seres humanos. Este novo subtipo, contém

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE (H1N1 (v) ) DO A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E R I O T I N T O N º 2 VERSÃO 01 AGOSTO 2009

PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE (H1N1 (v) ) DO A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E R I O T I N T O N º 2 VERSÃO 01 AGOSTO 2009 PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE (H1N1 (v) ) DO A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E R I O T I N T O N º 2 VERSÃO 01 AGOSTO 2009 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. Coordenação e planeamento... 5 1.1. Identificação

Leia mais

Recomendações para instituições

Recomendações para instituições Recomendações para instituições Quando fazer a higiene das mãos A higiene das mãos deve ser feita com grande frequência em contexto de pandemia da gripe, com maior incidência nos seguintes casos: Após

Leia mais

Secretaria Regional da Saúde. Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s

Secretaria Regional da Saúde. Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s Secretaria Regional da Saúde Gripe A (H1N1) Informação para as Escolas, Colégios e ATL s Na sequência dos comunicados emitidos pela Direcção Regional da Saúde e atendendo à informação oficial disponível,

Leia mais

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires 403532. R. Vergílio Ferreira, Torres da Bela Vista 2660-350 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires 403532. R. Vergílio Ferreira, Torres da Bela Vista 2660-350 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS Gripe A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA 1. Introdução Os estabelecimentos de ensino assumem um papel importante na prevenção de uma pandemia de gripe, na medida em que são espaços de fácil contágio e rápida

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

(GRIPE A H1N1) 2009-2010

(GRIPE A H1N1) 2009-2010 (GRIPE A H1N1) 2009-2010 1 PLANO DE CONTINGÊNCIA Gripe A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Os organismos internacionais e as autoridades nacionais de saúde alertaram a sociedade, as escolas e as empresas para a ameaça

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1v)

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1v) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MATOSINHOS PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1v) Pré-Escolar, 1º, 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e Cursos de Educação Formação Escolas do Agrupamento: Escola sede E.B 2,3 de

Leia mais

OMSaúde ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376

OMSaúde ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376. IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376 ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376 OMSaúde ISOLAR 7 DIAS COM ASSISTÊNCIA MÉDICA IASAÚDE IP-RAM 291 212 313 ou 291 212 376 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 4 PERGUNTAS

Leia mais

(H1N1)v PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A. Plano de Contingência - Gripe A 1. Escola Secundária de Manuel da Fonseca

(H1N1)v PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A. Plano de Contingência - Gripe A 1. Escola Secundária de Manuel da Fonseca PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v Plano de Contingência - Gripe A 1 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Plano de Contingência da Escola.... 3 3. Equipa operativa e respectivas competências...

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SOURE

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SOURE PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SOURE Versão 1 - Setembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Objectivos do Plano 4 3. Coordenador e equipa operativa

Leia mais

A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta, e a

A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta, e a PROTOCOLO DE PREVENÇÃO E CONTENÇÃO DA GRIPE A (H1N1) I. CARACTERIZAÇÃO DA GRIPE A (H1N1) Definição A Gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta, e a árvore respiratória, provocada

Leia mais

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES Diversos Circular n.º 72/2009 15 de Julho de 2009 Assunto: Gripe A (H1N1) Algumas considerações importantes. Caro Associado: Considerando a nova estirpe de vírus da Gripe A (H1N1), e perante o seu risco

Leia mais

Colégio Luso-Suíço. Plano de Contingência da Gripe H1N1

Colégio Luso-Suíço. Plano de Contingência da Gripe H1N1 Colégio Luso-Suíço Plano de Contingência da Gripe H1N1 Introdução A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou em 25 de Abril 2009 que a epidemia de Gripe A é um caso de emergência na saúde pública internacional,

Leia mais

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças.

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Soninho Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Garanta que entre os colchonetes haja meio metro

Leia mais

Agrupamento n.º 3 de Beja

Agrupamento n.º 3 de Beja Agrupamento n.º 3 de Beja Setembro de 2009 Plano de Contingência Escolar para a Gripe A 2 Índice A Escola como zona de risco de contaminação... 4 Principais Sintomas da Gripe A... 4 Como se transmite?...

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

GRIPE sempre deve ser combatida

GRIPE sempre deve ser combatida GRIPE sempre deve ser combatida Aviária Estacional H1N1 SAZONAL suína GRIPE = INFLUENZA Que é a INFLUENZA SAZONAL? É uma doença própria do ser humano e se apresenta principalmente durante os meses de inverno

Leia mais

(GRIPE A) Agosto 2009

(GRIPE A) Agosto 2009 (GRIPE A) Agosto 2009 ÍNDICE 1. Finalidades e Objectivos 2. Coordenador e Equipa Operativa 2.1. Constituição 2.2. Competências 3. Actividades essenciais prioritárias 4. Medidas de manutenção da actividade

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A

Plano de Contingência Gripe A Versão 2 Aprovado na generalidade em 27 de Julho de 2009, por deliberação da Comissão Executiva da AIP CE. Actualizado em 17 de Setembro de 2009, por deliberação do Grupo de Acompanhamento da Gripe A da

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

PLANO DE CONTIGÊNCIA

PLANO DE CONTIGÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I 7800-478 BEJA I PRÓLOGO PLANO DE CONTIGÊNCIA 2009/2010 O novo vírus da Gripe A (H1N1)v, que apareceu

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por três vezes no século XX (1918-1919; 1957-1958; 1968-1969) a gripe manifestou-se como uma pandemia, quando um novo subtipo de vírus

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

MÓDULO VIII ACIDENTES COM PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

MÓDULO VIII ACIDENTES COM PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Acidentes com Programa de formação sobre a aplicação de MÓDULO VIII ACIDENTES COM PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Acidentes com Os são seguros se forem utilizados com cuidado, de acordo com todas as indicações

Leia mais

PLANO DE CONTIGÊNCIA GRIPE (H1N1)

PLANO DE CONTIGÊNCIA GRIPE (H1N1) PLANO DE CONTIGÊNCIA GRIPE (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por indicações da Direcção Geral de Saúde, que identificou este, como sendo o momento em que a necessidade de criação de Planos de Contingência para a pandemia

Leia mais

A informação que se segue pretende ajudar a sua família durante a pandemia de Gripe A (H1N1) v.

A informação que se segue pretende ajudar a sua família durante a pandemia de Gripe A (H1N1) v. A informação que se segue pretende ajudar a sua família durante a pandemia de Gripe A (H1N1) v. A observação das medidas de prevenção é responsabilidade de cada um de nós! Conheça a forma de contágio da

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A Setembro de 2009 2 PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A Índice 1. A PANDEMIA Pág. 3 2. ESTRUTURAS E ENTIDADES OFICIAIS ALIADAS Pág. 3 3. PRESSUPOSTO PARA A EXECUÇÃO DO PLANO Pag.

Leia mais

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau 1 Lembre-se de três coisas Não tocar Isole a pessoa doente Ligue para a linha de apoio 2 Se pensa que alguém

Leia mais

Plano de Contingência. para a Pandemia de Gripe A (H1N1)

Plano de Contingência. para a Pandemia de Gripe A (H1N1) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO 171300 Plano de Contingência para a Pandemia de Gripe A (H1N1) REDACÇÃO : Grupo de Trabalho para a Elaboração do Plano de Contingência Versão Inicial - Agosto/09

Leia mais

PANDEMIA (H1N1) 2009. PLANO DE CONTINGÊNCIA do Município de Paredes de Coura

PANDEMIA (H1N1) 2009. PLANO DE CONTINGÊNCIA do Município de Paredes de Coura PANDEMIA (H1N1) 2009 PLANO DE CONTINGÊNCIA do Município de Paredes de Coura Município de Paredes de Coura Aprovado por: Presidente da Câmara Municipal ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVO... 4 III ÂMBITO

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

Escola de Tecnologia e Gestão de Barcelos

Escola de Tecnologia e Gestão de Barcelos Escola de Tecnologia e Gestão de Barcelos PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) Índice NOTA INTRODUTÓRIA...3 1. IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR E DA EQUIPA OPERATIVA...4 2. DEFINIÇÃO DA CADEIA DE COMANDO E

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

GRIPE A Plano de Contingência

GRIPE A Plano de Contingência GRIPE A Plano de Contingência Direcção de Serviços de Planeamento e Controlo 03-09-2009 Mirandela 2009 ÍNDICE ÍNDICE... 2 I. Introdução... 3 II. Objectivos... 4 A. Objectivos estratégicos... 4 B. Objectivos

Leia mais

PlanodeContingênciaGripeA_Plano. decontingênciagripea_planodeco. ntingênciagripea_planodecontingê. nciagripea_planodecontingênciag

PlanodeContingênciaGripeA_Plano. decontingênciagripea_planodeco. ntingênciagripea_planodecontingê. nciagripea_planodecontingênciag PlanodeContingênciaGripeA_Plano decontingênciagripea_planodeco ntingênciagripea_planodecontingê nciagripea_planodecontingênciag ripea_planod ênciagripea _PlanodPlContingênciaGripeA_Plan de 2009-2009/2010

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

Aprovado pelo Conselho Directivo Data: 30 de Setembro de 2009

Aprovado pelo Conselho Directivo Data: 30 de Setembro de 2009 Aprovado pelo Conselho Directivo Data: 30 de Setembro de 2009 PLANO DE CONTINGÊNCIA DA ESEC - GRIPE A - (H1N1) O presente Plano foi apresentado por Ana Coelho (Vice-Presidente do CD) Data: 30/09/2009 Revisão:

Leia mais

Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados

Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados O que é a gripe A (H1N1) ou gripe suína? É uma doença infecto-contagiosa aguda, causada pelo vírus influenza A (H1N1), que afeta o sistema respiratório e causa diversos

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1 Doentes com Diabetes mellitus 1 Estas recomendações complementam outras orientações técnicas para protecção individual e controlo da infecção pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009. Destaques - Os procedimentos

Leia mais

INDICE. CAPITULO I Objectivos, Organização e Coordenação.

INDICE. CAPITULO I Objectivos, Organização e Coordenação. PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA PANDEMIA DE GRIPE A (H1 N1) Agosto/Setembro 2009 INDICE CAPITULO I Objectivos, Organização e Coordenação. CAPITULO II Plano de Comunicação. 1. Comunicação enquanto ameaça de

Leia mais

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas*

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 - OMS Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* A propósito da nova estirpe de vírus da gripe A(H1N1) recentemente

Leia mais

Comunicação Direcção Geral e Departamento RH

Comunicação Direcção Geral e Departamento RH Adecco Recursos Humanos Rua António Pedro N.º 111, 3.º Frente 1150 045 Lisboa T. 21 316 83 00 F. 21 316 83 51 Comunicação Direcção Geral e Departamento RH Para: Todos os colaboradores Adecco De: Direcção

Leia mais

Actualizado em 16-10-2009* Medidas de protecção individual em serviços de saúde

Actualizado em 16-10-2009* Medidas de protecção individual em serviços de saúde Medidas de protecção individual em serviços de saúde Estas medidas devem ser implementadas em todos os serviços de prestação de cuidados de saúde primários ou hospitalares, públicos ou privados, e durante

Leia mais