Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos."

Transcrição

1 egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes autárquicos. Além de um bom conhecimento e informação neste âmbito, importa criar uma cultura de segurança, nomeadamente interiorizando procedimentos e comportamentos e adoptando as necessárias medidas de prevenção. É recomendável que a temática da segurança esteja integrada no Projecto Educativo da escola, tendo em vista uma melhor sensibilização de todos e contribuir para desenvolver um comportamento colectivo de segurança. É objectivo do Manual de Utilização, Manutenção e Segurança das ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos de educação e de ensino a encontrar, em cada escola, soluções apropriadas à resolução dos problemas que se colocam em termos da segurança de pessoas e bens.

2 O que é e quem deve elaborar o Plano de Prevenção? O Plano de Prevenção é elaborado, obrigatoriamente, por todos os estabelecimentos de educação e de ensino. Visa identificar, prevenir e reduzir os riscos de ocorrência e desenvolvimento de incêndios e garantir a permanente operacionalidade dos meios, dispositivos e equipamentos ligados à segurança contra incêndio. Visa definir as regras de segurança, de exploração e de comportamento a adoptar. É elaborado e constituído nos termos do art. o 16. o das normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares anexas à Portaria n. o 1444/2002, de 7 de Novembro, incluindo: informações relativas ao estabelecimento e às pessoas que compõem a estrutura interna de segurança plantas de segurança (à escala 1/100) programas de conservação e manutenção caderno de registo da segurança. Os Planos de Segurança só devem ser considerados válidos depois Conhecer e manter as condições Os Edifícios Escolares Manter e preservar a operacionalidade dos edifícios escolares é garantir A salvaguarda da saúde, o bem-estar e a segurança dos seus ocupantes O eficaz funcionamento do sistema educativo. O que fazer para isso? As vias de acesso e circulação imediações e no interior do recinto escolar devem manter-se desimpedidas, para permitir, sempre que necessário, o acesso de ambulâncias e das viaturas dos bombeiros a todos os pontos dos edifícios. Não permitir a circulação e o estacionamento de veículos no recinto escolar, com excepção das viaturas de pessoas com mobilidade condicionada, de fornecedores e, obviamente, de socorro. Assegurar a limpeza, manutenção, salubridade e segurança de todos os espaços interiores e exteriores dos edifícios escolares. Assegurar que os edifícios estejam obrigatoriamente dotados de meios próprios de primeira intervenção que permitam a extinção imediata de focos de incêndio pelos seus ocupantes e de meios que facilitem, de maneira rápida e eficaz, as operações de combate a incêndio pelos bombeiros. Extintores em número e de tipo adequados. Redes de incêndio armadas, dotadas de bocas de incêndio. Assegurar que os caminhos de evacuação (corredores, portas e escadas) permitam a saída rápida e segura dos ocupantes, através de percursos claramente definidos e sinalizados, tão curtos quanto possível e desimpedidos de obstáculos. As portas dispostas ao longo dos caminhos de evacuação devem estar desimpedidas e permitir a sua fácil e rápida abertura pelo lado interior. Em caso de incêndio ou de sismo não utilizar os ascensores. Assegurar que a utilização dos diferentes espaços dos edifícios seja compatível com as finalidades para que foram concebidos, construídos e equipados. Qualquer alteração dessas condições de utilização carece de parecer prévio da respectiva Direcção Regional de Educação. Caso estas alterações ou a realização de trabalhos de manutenção ou alteração impliquem um agravamento dos riscos de incêndio ou possam prejudicar a evacuação dos ocupantes deverá também ser obtida a concordância prévia do Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil (SNBPC). Limitar as causas de um incêndio e minimizar as condições de alimentação e propagação do fogo, reduzindo a carga combustível das instalações. Não utilizar os sótãos e as caves para o armazenamento de materiais combustíveis e líquidos inflamáveis e proceder a operações periódicas de limpeza geral destes espaços. Ao fim de cada dia de trabalho, antes do encerramento da Escola, proceder a uma vistoria cuidadosa de todas as instalações, tendo em vista verificar se foram cumpridas as medidas cautelares mínimas de segurança, nomeadamente o fecho das torneiras de corte geral das instalações de gás.

3 Para que serve o Plano de Emergência? O Plano de Emergência tem por objectivo a preparação e a organização dos meios próprios do estabelecimento de educação e de ensino. Visa circunscrever os sinistros e limitar os seus danos, sistematizar a evacuação enquadrada dos ocupantes e facilitar a intervenção dos bombeiros. É elaborado nos termos das normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares anexas à Portaria n. o 1444/2002, de 7 de Novembro, incluindo: informações relativas à organização da segurança o plano de actuação o plano de evacuação. O Plano de Actuação deve contemplar, com base no conhecimento prévio dos riscos existentes em cada estabelecimento, a organização e a pormenorização das acções e dos procedimentos a adoptar numa situação de emergência. O Plano de Evacuação deve estabelecer os procedimentos a observar por todo o pessoal do estabelecimento, docente e não docente, relativos à articulação das operações destinadas a garantir a evacuação ordenada, total ou parcial, rápida e segura dos ocupantes para o exterior no caso de ocorrência de situações consideradas perigosas. de aprovados pelo Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil de segurança da escola Limitar o risco Os Equipamentos e as Instalações Técnicas Para a operacionalidade dos edifícios escolares, assegurar que: Os Equipamentos Desportivos Assegurar que: As instalações eléctricas, de gás e de ascensores sejam verificadas e mantidas, de forma a evitar acidentes pessoais decorrentes do uso normal. A manobra dos respectivos equipamentos deve fazer-se sem perigo ou risco de lesões para os utentes. Não utilizar aparelhos de aquecimento do ar ambiente a gás. Os programas de conservação e manutenção corrente incluam a verificação dos dispositivos, equipamentos e instalações de segurança contra incêndio, tais como: Nos ginásios, pavilhões, salas de ginástica e campos polidesportivos exteriores, ape sejam utilizados equipamentos desportivos adequados às actividades de educação física e desporto escolar, devidamente montados e regulados e em boas condições de conservação e limpeza. As fixações e os sistemas de segurança dos equipamentos desportivos (mangas, sistemas de suspensão e travão, protecções acolchoadas, parafusos, articulações, cabos, etc.) sejam verificados periodicamente. dispositivos de fecho e retenção de portas sistemas de detecção e alarme de incêndio instalações de iluminação de emergência sinalização de segurança extintores bocas de incêndio. As instalações de gás e de ascensores e os respectivos equipamentos sejam vistoriados e inspeccionados de dois em dois anos por entidade devidamente credenciada pela Direcção-Geral de Energia.

4 Simbologia (a aplicar plantas de segurança) Sinalética (para afixação nos edifícios) Você está aqui Caminho de Evacuação Extintor de Incêndio Extintor Corte de Electricidade Quadro Eléctrico Boca de Incêndio Corte de Gás Boca de Incêndio Armada Saída de Emergência Botão de Alarme Local de Risco Saída de Emergência à direita Telefone de Emergência Ponto de Encontro Escadas de Emergência à esquerda Responsabilização pela Segurança O responsável pela segurança de cada estabelecimento de educação ou de ensino é o seu órgão de gestão, que poderá delegar num Professor Delegado para a Segurança. O responsável pela segurança deve promover e coordenar a elaboração dos planos de prevenção e de emergência, envolvendo a comunidade educativa no sentido de uma maior abrangência e co-responsabilização. Nos termos da Portaria n. o 1444/2002, de 7 de Novembro, os planos de segurança têm que ser submetidos à aprovação do Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil (SNBPC) Estrutura Interna de Segurança Responsável pela segurança Coordenador de piso/bloco Alarme Alerta 1. a Intervenção Corte de energia e gás Evacuação Concentração e controlo Outras funções Informação e vigilância Após uma emergência ou a realização de exercício de evacuação, a estrutura interna de segurança deve fazer a sua avaliação, para corrigir todas as situações anómalas detectadas.

5 Nos edifícios devem existir: Meios de alarme aviso de evacuação para os seus ocupantes O sinal de alarme geral deve ser não deve ser audível em todos os espaços da escola perfeitamente identificável pelos ocupantes estridente para não provocar situações de pânico usado para qualquer outra finalidade a não ser a de dar o alarme em situações de emergência que imponham a evacuação dos edifícios e a chamada de socorros Meios de alerta alertar os Bombeiros da área ou o 112 (Número Nacional de Socorro) A transmissão do alerta deve ser assegurada por posto telefónico Instrução, Formação e Exercícios de Segurança Atinge-se esse objectivo: A melhor forma de reagir perante uma situação de emergência e evitar o pânico é conhecer os procedimentos e as medidas a adoptar em cada caso. promovendo programas de informação e sensibilização de todos sobre a conduta e as regras de segurança a ter realizando acções de formação e treino para os elementos da estrutura interna de segurança da escola organizando periodicamente exercícios de evacuação para treino de todos os ocupantes (pelo menos, duas vezes por ano nos 1. o e 2. o períodos lectivos). No início de cada ano lectivo devem ser realizadas sessões informativas do pessoal docente e não docente, com vista: à sua familiarização com o estabelecimento ao esclarecimento das regras de exploração e de comportamento previstas no plano de prevenção à instrução das técnicas básicas de manipulação dos meios de primeira intervenção, nomeadamente extintores portáteis e carretéis. Os exercícios de evacuação são obrigatórios e visam criar roti de comportamento e de actuação testar a eficácia dos meios disponíveis e dos planos de segurança. Todo o pessoal da escola, docente e não docente, deve estar em condições de utilizar correctamente os meios de primeira intervenção e os seus sistemas de alarme e de alerta, devendo para o efeito receber instrução e treino.

6 Segurança Segurança Segurança Para saber mais Direcção Regional de Educação do Norte Rua António Carneiro, PORTO tel.: Direcção Regional de Educação do Centro Direcção Regional de Educação do Algarve EN125, Sítio das Figuras FARO tel.: /85 Secretaria-Geral do Ministério da Educação S Rua General Humberto Delgado, COIMBRA tel.: Avenida 5 de Outubro, LISBOA tel.: Direcção Regional de Educação de Lisboa Gabinete de Segurança Praça de Alvalade, 11 a LISBOA tel.: Avenida 5 de Outubro, o andar LISBOA tel.: Direcção Regional de Educação do Alentejo Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil Rua Alcárcova de Baixo, ÉVORA tel.: Sede: Avenida do Forte em Carnaxide CARNAXIDE tel.: Caderno de Registo da Segurança O caderno de registo da segurança constitui o dossier onde todos os elementos ou ocorrências, directa ou indirectamente relacionados com a segurança da escola, devem ser incluídos. O órgão de gestão da escola deve manter o caderno de registo da segurança em lugar seguro, sempre actualizado e acessível. O seu conteúdo dá indicações importantes sobre a segurança na escola O caderno de registo da segurança deve incluir: a identificação das pessoas com missões específicas em caso de incêndio as datas dos exercícios de evacuação realizados e os respectivos relatórios a data e a hora de eventuais falsos alarmes as datas de início e conclusão de obras de alteração ou modificação e outros trabalhos efectuados no estabelecimento, sua descrição sumária, identificação do empreiteiro e do técnico responsável, anexando os vistos e as autorizações exigidas, se for caso disso a data da ocorrência de anomalias ou incidentes relacionados com a segurança contra incêndio, tais como fugas de gás, avarias em instalações eléctricas e de aquecimento, indicando as soluções adoptadas para os resolver os relatórios sucintos das acções de instrução e de formação, com menção dos aspectos mais relevantes os relatórios das vistorias e inspecções realizadas.

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17 DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 207 17. DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17.1 INTRODUÇÃO Para que os investidores, operadores e ocupantes possam usufruir dos edifícios

Leia mais

Mapa de pessoal CTFP tp determinado Artigo 5º LVCR Área de formação académica e/ou profissional

Mapa de pessoal CTFP tp determinado Artigo 5º LVCR Área de formação académica e/ou profissional Funções consultivas, de estudo, planeamento, programação, avaliação e aplicação de métodos e processos de natureza técnica e ou científica, que fundamentam e preparam a decisão. Elaboração, autonomamente

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte:

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 1063/97, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1063/97 de 21 de Outubro

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 11 Guia para a Elaboração de Planos Prévios de Intervenção Conceito e Organização

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 11 Guia para a Elaboração de Planos Prévios de Intervenção Conceito e Organização CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 11 Guia para a Elaboração de Planos Prévios de Intervenção Conceito e Organização EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2009 02 Cadernos Técnicos PROCIV #11

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO DE SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ACESSO PÚBLICO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO DE SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ACESSO PÚBLICO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO DE SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ACESSO PÚBLICO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento aprova normas e medidas

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1) v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração Este documento contém: Metodologia de elaboração

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA. N. o 244 21-10-1997 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B

MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA. N. o 244 21-10-1997 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 244 21-10-1997 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 5689 8 No desempenho das suas funções, o chefe de projecto é equiparado para todos os efeitos legais a director-geral e os chefes de projecto-adjuntos

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA Regulamento Contra a Violência, Racismo, Xenofobia e Intolerância (*) Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento visa o combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nas

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)

NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL) NORMAS ESPECÍFICAS ÍNDICE NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)... 2 NE 02: ACESSO DE VEÍCULOS AO MERCADO (ART.11º DO REGULAMENTO GERAL)... 3 NE 03: CIRCULAÇÃO INTERNA (ART.12º DO REGULAMENTO

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS 17 de Fevereiro de 2010 Página 1 de 8 Capítulo I PARTE GERAL Art.1º Objecto O presente regulamento estabelece medidas preventivas e punitivas

Leia mais

Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º)

Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º) Emergência Acontecimento não planeado que pode causar mortes e danos significativos em Colaboradores, Clientes, Público e Infraestruturas da empresa. Poderá afectar temporariamente determinadas áreas da

Leia mais

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro)

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro) OBJETIVO Especificar as características e os requisitos para a elaboração de considerando estes como a associação dos Registos de Segurança, do Plano de Prevenção (ou Procedimentos de Prevenção) e do Plano

Leia mais

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade A norma NP EN ISO 9001:2008 O que é a norma? É um conjunto de requisitos que uma organização tem de respeitar para implementar e manter eficazmente um Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

NORMAS DA PISCINA INTERIOR Ano Lectivo 2014/2015

NORMAS DA PISCINA INTERIOR Ano Lectivo 2014/2015 NORMAS DA PISCINA INTERIOR Ano Lectivo 2014/2015 NORMAS DA PISCINA INTERIOR DO COMPLEXO DESPORTIVO PAULO PINTO Nota Justificativa: A diversificação e aumento dos modos e níveis da prática do desporto são

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE ANO I Nº 1 Junho 2011 2011MARCO 2010 INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE (Plano em Desenvolvimento) Página 1 de 8 Apresentação Instrução elaborada para o Condomínio do edifício

Leia mais

SEGURANÇA EM ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS Lei nº 39/2009 de 30 de Julho

SEGURANÇA EM ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS Lei nº 39/2009 de 30 de Julho Objecto (Artigo 1º) A presente lei estabelece o regime jurídico do combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos espectáculos desportivos, de forma a possibilitar a realização dos mesmos

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Presidência da República Secretaria -Geral

Presidência da República Secretaria -Geral PLANO DE SEGURANÇA (versão simplificada para utilizadores) 1 1. Introdução Um Plano de Segurança é definido como um conjunto de medidas de autoprotecção (organização e procedimentos) tendentes a evitar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS PREÂMBULO O Projeto Pedagógico da União de Freguesias de Sacavém e Prior Velho foi elaborado ao abrigo da Legislação em vigor (Decreto-Lei 32/2011, de 07 de Março),

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto Sumário: Aprova o regime de concepção, instalação e exploração dos sistemas públicos e prediais de distribuição de água e drenagem de águas residuais. Texto: Os problemas

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 1444/2002, de 7 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro

Leia mais

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos C ONTROLO DO D OCUMENTO Ref.ª: REG-6/2010 Versão: V2 Data: 24/10/2011 Aprovado por: João Roquette Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos Capítulo I Disposições Gerais Artº 1º Objecto O presente

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos Plano de Prevenção e Emergência Jardim de Infância Unidinhos Jorge Carvalho 6/2/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 OBJECTIVOS... 4 Razões:... 4 Objectivos Gerais:... 4 Objectivos Específicos:... 5 PLANO DE PREVENÇÃO...

Leia mais

2 Organização da resposta

2 Organização da resposta 2 Organização da resposta 2.1 Conceito de actuação No exercício de funções de responsável municipal da política de protecção civil, o Presidente da Câmara Municipal, para cumprimento da sua missão, deverá

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) ÍNDICE PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. DETERMINANTES DA GRIPE... 4 3. OBJECTIVOS ESPECIFICOS... 7 4. DEFINIÇÃO DA CADEIA DE COMANDO E CONTROLO...

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

REGIMENTO CARTÕES MAGNÉTICOS

REGIMENTO CARTÕES MAGNÉTICOS REGIMENTO CARTÕES MAGNÉTICOS 2012 - CAPÍTULO I INTRODUÇÃO As novas tecnologias representam no quotidiano da comunidade educativa uma importância significativa. A adoção do cartão magnético proporciona

Leia mais

Regulamento dos Campos de Férias

Regulamento dos Campos de Férias Regulamento dos Campos de Férias Arraiolos, 2007 O presente regulamento dos campos de férias do Monte ACE, pretende definir os direitos, deveres e regras a observar por todas as pessoas que envolvem as

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Indice 1. Enquadramento... 3 2. Objectivos... 4 3. Âmbito do Plano... 4 4. Missão da Entidade... 4 5. Áreas avaliadas, Principais Riscos e

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 9º Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 1. O Grupo Salvador Caetano 2. A Responsabilidade Social e a SHST 3. Política de SHST 4. Estrutura de SHST 5. Responsabilidades e Responsáveis

Leia mais

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA Índice 1. Introdução 2. Objectivo 3. Âmbito de aplicação 4. Activação do plano 4.1. Cadeia de Gestão 4.2. Cadeia de Comando e Controlo 4.3. Actividades Essenciais

Leia mais

União Desportiva Oliveirense

União Desportiva Oliveirense REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO DR. SALVADOR MACHADO O Regulamento do Pavilhão Dr. Salvador Machado contempla as regras básicas a observar pelos Utentes (Associados, restantes Espectadores, Vendedores

Leia mais

Emergência de Incêndios na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Emergência de Incêndios na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto I ABA Emergência de Incêndios na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Plano de emergência para evacuação Projecto FEUP ELE301 12-10-2009 90503197 Ana Rita Amaral Mendes 90503159 Diogo Machado

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares PREÂMBULO Considerando que, A descentralização de competências da Administração Central do Estado, através da atribuição de mais competências às autarquias locais,

Leia mais

Escola Secundária D. Duarte

Escola Secundária D. Duarte 1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 1.1 Localização geográfica A Escola Secundária D. Duarte fica situada na Rua António Augusto Gonçalves em Santa Clara Coimbra. Vias de acesso para socorros exteriores: Protecção

Leia mais

Edição A. Código de Conduta

Edição A. Código de Conduta Edição A Código de Conduta -- A 2011.09.26 1 de 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 PRINCÍPIOS E NORMAS GERAIS... 2 a) Trabalho Infantil... 2 b) Trabalho forçado... 2 c) Segurança e bem-estar no local de trabalho...

Leia mais

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2009/2010 Índice ÍNDICE... 1 1. IDENTIFICAÇÃO... 2 2. FUNDAMENTAÇÃO... 2 3. FINALIDADES/OBJECTIVOS... 3 4. ESTRATÉGIA OPERATIVA/METODOLOGIA... 3 4.1. PÚBLICO-ALVO... 3 4.2.

Leia mais

CONTEÚDOS MODELO DAS AUDITORIAS ENERGÉTICAS

CONTEÚDOS MODELO DAS AUDITORIAS ENERGÉTICAS CONTEÚDOS MODELO DAS AUDITORIAS ENERGÉTICAS Conteúdos Modelo das Auditorias Energéticas Pacote de trabalho n : 4 Produto nº: 13 Parceiro que coordena este produto: A.L.E.S.A. Srl Os únicos responsáveis

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DE CELORICO DA BEIRA

REGULAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DE CELORICO DA BEIRA REGULAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DE CELORICO DA BEIRA Artigo 1º Âmbito de aplicações gerais O Espaço Internet de Celorico da Beira, adiante designado por EI, constitui um espaço público de acesso gratuito

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA A SEGURANÇA COMEÇA EM CADA UM DE NÓS E É DA RESPONSABILIDADE DE TODOS! CONSTITUIÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

Laboratórios das escolas portuguesas longe de respeitarem todas as regras de segurança. Equipamento e materiais aquém das necessidades.

Laboratórios das escolas portuguesas longe de respeitarem todas as regras de segurança. Equipamento e materiais aquém das necessidades. Sindicato dos Professores da Região Centro wwwsprcpt CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO E QUALIDADE DO INVESTIMENTO DO GOVERNO EM LABORATÓRIOS ESCOLARES Laboratórios das escolas portuguesas longe de respeitarem

Leia mais

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO...

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO... ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 3. DISPOSIÇÕES LEGAIS APLICÁVEIS...3 3.1. Inspecções de Instalações Eléctricas...3 3.2. Verificação dos eléctrodos de terra...3 3.3. Limpeza, conservação e reparação

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 100/2003 de 23 de Maio (Publicado no DR, I-A, n.º 119, de 23.05.2003, Págs. 3215 a 3218)

Decreto-Lei n.º 100/2003 de 23 de Maio (Publicado no DR, I-A, n.º 119, de 23.05.2003, Págs. 3215 a 3218) REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES TÉCNICAS E DE SEGURANÇA A OBSERVAR NA CONCEPÇÃO, INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS BALIZAS DE FUTEBOL, DE ANDEBOL, DE HÓQUEI E DE PÓLO AQUÁTICO E DOS EQUIPAMENTOS DE BASQUETEBOL EXISTENTES

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Plano de contingência da gripe A (H1N1)

Plano de contingência da gripe A (H1N1) 0. Informação introdutória A. O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta e todo o sistema respiratório, provocada por um novo vírus da Gripe: vírus

Leia mais

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van 1 o Objecto 1 O acesso, a permanência e a utilização das instalações do Centro Náutico de Cheoc-Van, adiante designado por Centro, afecto ao Instituto

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Escola Básica e Secundária Gama Barros. Regimento do grupo disciplinar de Educação Física

Escola Básica e Secundária Gama Barros. Regimento do grupo disciplinar de Educação Física 1 Escola Básica e Secundária Gama Barros Regimento do grupo disciplinar de Educação Física 1 2 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Grupo de Educação Física 1. O grupo é constituído por todos os professores

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde (doravante ERS) conferidas pelo artigo 3.º do Decreto-Lei n.º

Leia mais

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito e aplicação Para efeitos de uso do solo e de licenciamento de quaisquer obras de

Leia mais

2009-2010. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1)

2009-2010. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1) 2009-2010 Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira do Alentejo PLANO DE CONTINGÊNGIA GRIPE A (H1N1) 1. Introdução No sentido de colmatar a possibilidade de contágio e a rápida propagação da gripe A,

Leia mais

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho.

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho. REGULAMENTO O Prémio Manuel Lopes foi instituído 1 pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade no sentido de homenagear Manuel Lopes considerando a sua dedicação à implementação da contratação colectiva

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 PLANO DE EMERGÊNCIA S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 ÍNDICE Introdução 1 Contactos em caso de emergência.2 Ficha de caracterização da Escola Identificação do estabelecimento de ensino.3 Caracterização

Leia mais

REGULAMENTO CONTRA A VIOLÊNCIA ASSOCIADA AO DESPORTO

REGULAMENTO CONTRA A VIOLÊNCIA ASSOCIADA AO DESPORTO REGULAMENTO CONTRA A VIOLÊNCIA ASSOCIADA AO DESPORTO Aprovado em Reunião de Direcção de 4 de Fevereiro de 2010 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece medidas

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97. EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97. EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97 EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território DATA : Segunda-feira, 31 de Março de 1997 NÚMERO : 75/97 SÉRIE I-A PÁGINAS DO DR

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância 1. Enquadramento 1.1 Nota Introdutória Através da Organização Mundial de Saúde e das respectivas autoridades nacionais de Saúde, Ministério

Leia mais

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010 Plano de Evacuação Geral Abril/2010 A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais e encarregados de educação.

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c).

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). INTRODUÇÃO Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). 1 Escola E. B. 2,3 Cardoso Lopes Morada: Prolongamento da Av.

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS Nº2 DE ELVAS ANO LECTIVO 2009/2010 Introdução O objectivo do Plano de Contingência é manter a actividade da instituição escolar, em face dos possíveis efeitos de uma pandemia

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE RESUMO Definir o tempo de resposta exigido ao socorro e os meios humanos e materiais adequados ao combate a incêndios (grau de prontidão), para

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO (ISET) PANDEMIA H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO (ISET) PANDEMIA H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO (ISET) PANDEMIA H1N1 No seguimento das recomendações efectuadas pelas autoridades de saúde nacionais, entendeu o Instituto Superior de

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto)

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto) DATA : Segunda-feira, 16 de Julho de 1990 NÚMERO : 162/90 SÉRIE I EMISSOR : Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 232/90 SUMÁRIO: Estabelece os princípios a que deve obedecer

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 02ET.11.--.--.

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 02ET.11.--.--. 02ET.11.-- TÍTULO02ET ESTALEIRO CAPÍTULO.1-. VEDAÇÕES E DISPOSITIVOS DE ACESSO SUB.CAPº.11. VEDAÇÕES - MUROS /REDES /TAPUMES I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Atender-se-á ao desenvolvimento linear de vedação,

Leia mais