GARANTIR ÀS NOSSAS CRIANÇAS MARANHENSES O DIREITO DE APRENDER IMPLICA TRABALHAR PARA UMA POLITICA DE GESTAO EFICAZ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GARANTIR ÀS NOSSAS CRIANÇAS MARANHENSES O DIREITO DE APRENDER IMPLICA TRABALHAR PARA UMA POLITICA DE GESTAO EFICAZ"

Transcrição

1 Experiências de Gestão: Educação e Direitos Humanos GARANTIR ÀS NOSSAS CRIANÇAS MARANHENSES O DIREITO DE APRENDER IMPLICA TRABALHAR PARA UMA POLITICA DE GESTAO EFICAZ Ana Karolina Salomão Estado do Maranhão O Programa Gestão Nota 10 enquanto Política Pública no estado do Maranhão, é fruto da parceria do Instituto Ayrton Senna com a Secretaria de Educação do Estado, o programa é compreendido como ferramenta capaz de imprimir mudanças qualitativas na Política Educacional e dialoga também com as ações direcionadas pelo relatório sobre Desenvolvimento Mundial de 2007, quer sejam: ampliação das oportunidades; desenvolvimento de competências e o desenvolvimento de programas de segunda oportunidade. A idéia de implantar o Programa Gestão Nota 10, no estado do Maranhão, surgiu em 2008 e foi materializado em Em dezembro deste mesmo ano, realizou-se a primeira grande ação a formação de mais de 600 educadores: 10 membros da Equipe Central, 19 Gestores Regionais de Educação, 19 Coordenadores Regionais, 570 Gestores escolares com o objetivo de favorecer a todos, conhecimento inicial desta ferramenta de trabalho. Este fórum de debate em prol da melhoria da qualidade da educação maranhense de jovens e crianças, que mantem no conhecimento, a esperança e a possibilidade de garantia de cidadania. DESAFIOS O estado do maranhão vive grande adversidade. O ano de 2010, foi o primeiro ano de implementação do Programa, a princípio, por se tratar de um projeto piloto, resolveu-se atender somente 160 municípios dos 217 existentes no Estado, 599 escolas, alunos. Muitas foram as dificuldades enfrentadas, tanto de cunho financeiro, pessoal, estrutural e tantas outras. Os desafios que enfrentamos e enfrentaremos para implementação do programa, são dialéticos uma vez que a medida que superamos uns, nos deparamos com outros. A única certeza que temos, é que somos incansáveis na busca de suas superações, uma vez que o compromisso do estado deve ser pautado no bem estar da cidadã e do cidadão maranhense. As maiores dificuldades foram;

2 Falta de entendimento do Programa como Política educacional dentro da própria SEDUC. Esta dificuldade ainda permanece, porém com fortes sinalizações de superação considerando os passos qualitativos que já alcançamos nos três últimos anos; Articulação com todos os setores da secretaria. Conforme sinaliza Ivani Fazenda, a dificuldade do conhecimento de dialogar, não está nele em si, mas na dificuldade que tem as pessoas de se relacionar um com o outro. Para nós, este foi um dos grandes problemas que tivemos que superar, de fazer as pessoas perceberem a proposta de educação para o século XXI, consubstanciada na integração dos saberes, no desenvolvimento de trabalho em equipe; Mobilização para a formação e autoformação das equipes. Convencer as pessoas a saírem de suas zonas de conforto, perceber a velocidade da informação que se processa a cada segundo, acompanhar esse ritmo, lidar com a tecnologia como veiculo de informação, como utilizá-la como ferramenta capaz de contribuir com o acompanhamento e monitoramento de dados considerando a fragilidade de arquivo e mobilização dos dados que as secretarias e escolas precisam organizar para tomar decisões e inferir no contexto da escola; Sensibilizar os setores de que o funcionamento do programa é um meio para atingir o sucesso escolar do aluno e cada ação no interior de suas especificidades, são diretamente ou indiretamente responsáveis por isto; Convencer que o Gestão Nota 10 - conforme enfocou Viviane Senna em um encontro no Maranhão - é uma espécie de diagnóstico, que detecta os problemas e as dificuldades e daí partilhar e encaminhar com os setores medidas capazes de superá-las; Convencer as equipes de trabalho nas Unidades Regionais de Educação URE s e nas escolas, da importância de cumprirmos o tempo certo para realização e tomadas de decisões é condição para garantia da qualidade da aprendizagem dos alunos; Cumprimento dos dias letivos como condição legal para garantia do direito de aprender do aluno; Resolver o problema de contratação do corpo docente em tempo hábil para o início do ano letivo; Garantir a freqüência de alunos e professores nas aulas; cuidar para que o aluno cumpra o tempo idade série; Reduzir o número de alunos não alfabetizados nas séries iniciais foi e são dificuldades que temos enfrentado diariamente no estado, mas com fortes sinalizações de mudanças que passamos a apresentar no próximo item. AÇÕES INOVADORAS PARA FORTALECIMENTO DA EQUIPE GESTORA As formações continuadas, FOCO IAS, as formações em serviço, a formação SIASI, os diálogos constantes via redes sociais com o IAS, pelo telefone, as missões técnicas nas Unidades Regionais de Educação, são exemplos de ações que contribuíram e contribuem significativamente para a superação dos desafios supracitados. As formações iniciais para novos membros que vão sendo substituído nas equipes, a formação de veteranos para resignificar o programa, o acompanhamento in lócun das escolas pelo Supervisor de acompanhamento Técnico Gerencial, a Participação da Agente Técnica nos encontros de FOCO, as avaliações contínuas das ações, as produções de relatórios pelas equipes em âmbitos diferentes de atuação, a leitura, análise de dados e planejamento de intervenções, elaboração de informativos comunicando as ações realizada pelas equipes, intervenções mediante as dificuldades, implantação do Programa Correção de Fluxo, são exemplos concretos de ações

3 realizadas que contribuíram e estão contribuindo para a superação de tantos desafios vivenciados pela equipe do programa na SEDUC e nas escolas. 05(cinco) formações iniciais realizadas nos anos de 2009, 2010, 2011 e 2012 A formação Inicial possibilitou ao grupo de gestores acesso às informações básicas acerca da Política de Gestão e utilização desta ferramenta para desenvolvimento da gestão da Política Pública, da Rotina Escolar, do Ensino e da Aprendizagem no chão da escola. Durante o encontro, as discussões, as trocas de saberes e experiências, permitiu a cada participante, despir-se de seus medos e receios e falar de suas realidades educacionais no chão da escola bem como conhecer suas fragilidades, necessidade de formação e auto formação bem como o desenvolvimento de liderança como condição indispensável para condução do trabalho e de suas equipes. O encontro das múltiplas realidades favoreceu encontrar em seus pares, desafios comuns: a falta de sintonia de unidade nas suas ações, bem como a ausência de uma política de gestão que contribuísse efetivamente com a busca permanente pela qualidade e melhoria contínua da educação pela definição de padrões de desempenho e competências de diretores escolares, dentre outros, de modo a nortear e orientar o seu desenvolvimento. 03 (três) Capacitações SIASI para Coordenadores e Supervisores do GN10 e Coordenadores de Correção de Fluxo; As capacitações foram realizadas em três momentos distintos, em 2010, 2011 e 2012, contemplou 254 participantes. Foi perceptível a estranheza, a curiosidade e o encantamento de alguns participantes. A formação propiciou o acesso, leitura e compreensão da utilização dos dados do SIASI para gerenciamento e tomada de decisões; compreender que por trás dos dados existem vidas; reorientação, ressignificação do trabalho da equipe Estadual e Regional; amadurecimento da informação; orientações para gerenciar o fluxo da informação. Em 2011, tomamos algumas decisões estratégicas, como migrar a inserção de dados do digitador para o Supervisor de Acompanhamento Técnico (superintendente), esta prática surtiu ganhos significativos e rendeu bons resultados. Primeiro porque reduziu o excesso de inconsistência considerando o fato do Supervisor não agir mecanicamente, mas pela possibilidade de utilizar a ferramenta para análise imediata dos dados e tomadas de decisão em tempo real.

4 Após o diagnóstico obtido com o Gestão Nota 10 em 2011, o Governo adotou o Programa de Correção de Fluxo em 2012, tendo como base os resultados do SIASI que apontava 14,5 % de alunos com distorção idade série nos anos iniciais e 24,7% nos anos finais do Ensino Fundamental. Traduzidos em dados absolutos temos uma realidade de 5655 e respectivamente. A capacitação Inicial para os programa de Correção de Fluxo alcançou a qualificação de 19 coordenadores para gerenciamento, monitoramento, análise dos dados e tomadas de decisões nas 353 escolas, 553 turmas beneficiando 9857 alunos. FOCO IAS E O CRESCIMENTO DAS EQUIPES Realizamos 10 Focos com equipe de Coordenadores, 10 com Equipe de Supervisores de acompanhamento Técnico Gerencial e 10 com gestores escolares. A formação em serviço tem sido a oxigenação da equipe no âmbito da equipe central, equipe regional e equipe escolar. Os espaços onde tem formações,são verdadeiros fóruns de debates de partilha de dúvidas, experiências, e construção de saberes. È nas focos que descobrimos caminhos para superações de desafios. No ano de 2011, tivemos um aspecto inovador na realização das FOCOS, a equipe central, inquieta com a falta de entendimento do Programa por parte dos Gestores Regionais, resolveu romper fronteiras e ao invés das FOCOS terem como espaço sede de realização dos trabalhos, a capital, decidimos nos aproximarmos das Unidades Regionais para que desse modo pudéssemos estreitar as relações entre secretaria e URE. Realizamos, portanto, 3 formações que nomeamos de FOCO Itinerantes. Realizadas nos municípios de Presidente Dutra, Barreirinhas e Balsas, os encontros favoreceram a participação do Gestor Regional à FOCO; Visita a uma unidade escolar pelos participantes, conhecer um pouco da cultura do município, encontro de pessoas e fortalecimento da equipe. Além do aprofundamento da temática e análise dos dados das URES, estruturamos os encontros da seguinte forma: Em Presidente Dutra, as equipes Regionais apresentaram o diagnóstico de suas realidades e tornaram público suas fraquezas e ameaças. Com foco neste resultado; No encontro da Unidade Regional de Rosário, a equipe comunicou um projeto de intervenção. Em Balsas, a equipe trouxe para o fórum de debates, mostras dos resultados através de evidências, dados alcançados com a implementação dos projetos. RESULTADOS E PERSPECTIVA DO GESTÃO NOTA 10 Gestores escolares mais comprometidos com a Gestão da aprendizagem, Gestão do Ensino e da Rotina Escolar. Formação de equipes. O desenvolvimento das FOCOS contribui de maneira significativa para a formação, não apenas dos gestores, mas também para a formação dos próprios SATGs. Os conteúdos trabalhados, as estratégias utilizadas e todo o processo envolvido na realização das FOCOS nos enriquece cada vez mais.(teresinha J. P. Souza.SATG do GN10 URE PINHEIRO)

5 O GN10 tem possibilitado uma visão holística do resultado do ensino-aprendizagem através dos dados do SIASI, bem como orientado a trabalhar com metas e resultados; tem provocado inquietação no sentido de intervir diante dos índices de desempenho escolar. Os encontros de formação continuada tem contribuído grandemente para o crescimento e aprimoramento da prática gestora. ( Gestor escolar URE Presidente Dutra) A FOCO é um momento de parada e reflexão sobre a verdadeira função do gestor, principalmente em relação ao pedagógico, pois é lá que acontece todo o processo de ensino aprendizagem, atua também como um instrumento para fortalecer a minha prática, além de possibilitar a troca de experiências e a integração direta com as outras realidades educacionais da nossa URE. (Maria Benedita Pinheiro Barreto- Gestora da escola Odorico Mendes- Pinheiro) Gestora escolar da URE Bacabal. (...) A mudança e a transformação são visíveis, no CE Estado de Goiás. A parte física foi completamente reformada ou construída. A parte pedagógica é trabalhada sempre dentro da sistemática do PGN10; a indisciplina dos alunos e uso de drogas dentro das dependências da escola foi abolida (...) Em suma, foi um conjunto, a mudança de gestor com a aplicação das propostas do programa GN10, com vontade de trabalhar e muita responsabilidade por parte do gestor, que a escola melhorou em todos os seus aspectos acreditando que o sucesso do aluno acontece com toda a comunidade escolar envolvida no objetivo maior que é a aprendizagem do aluno. (Josélia Maria da Silva Mota- SATG Imperatriz).

6 Portanto, o GN10 só tem reforçado em cada um e cada uma de nós, a certeza de que os desafios são grandes, mas é possível mudar o panorama educacional em que ainda nos encontramos. E é com essa certeza e imbuídos de muita força de vontade, de fé e de coragem que trabalhamos com cada coordenador regional, supervisor de acompanhamento técnico e gestor escolar para que incorporem a cultura do sucesso em seus âmbitos de atuação, para alcançarmos o nosso maior sonho: ver todas as crianças maranhenses lendo e escrevendo na idade certa, garantindo assim o seu sucesso escolar e na vida.

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Política de Formação da SEDUC. A escola como lócus da formação

Política de Formação da SEDUC. A escola como lócus da formação Política de Formação da SEDUC A escola como lócus da formação A qualidade da aprendizagem como objetivo estratégico A qualidade de uma escola é o resultado da qualidade da relação de ensino e aprendizagem

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010.

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. Revoga a Resolução de nº 05, de 16 de junho de 2010, que define as atribuições do cargo de Pedagogo da rede municipal de ensino de Governador Valadares e as

Leia mais

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com. Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.br Clareza conceitual e eficiência da ação Compreender a essência do

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

O papel e a importância do Coordenador Pedagógico no espaço escolar

O papel e a importância do Coordenador Pedagógico no espaço escolar O papel e a importância do Coordenador Pedagógico no espaço escolar Na classe, o trabalho dos pequenos, Jean Geoffroy, 1881. Fonte: http://www.wikigallery.org/ Coordenador ontem Até 1961 não existe a figura

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Plano de Ação da Orientação Educacional. 01- Introdução

Plano de Ação da Orientação Educacional. 01- Introdução Plano de Ação da Orientação Educacional 01- Introdução O contexto desafiante da atual sociedade brasileira, demanda progressivamente uma educação de qualidade. Tarefa de tal magnitude, exige uma concentrada

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT Projeto Institucional - Faculdades Atibaia FAAT Parceria entre o Ensino Superior e a Escola Pública na formação inicial e continuada

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU ESCOLA ESTADUAL PROF. VALNIR CHAGAS APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU ESCOLA ESTADUAL PROF. VALNIR CHAGAS APRESENTAÇÃO DA ESCOLA GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU ESCOLA ESTADUAL PROF. VALNIR CHAGAS APRESENTAÇÃO DA ESCOLA A Escola Estadual Prof. Valnir Chagas, sediada à Rua Itabaiana

Leia mais

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DA POLÍTICA DE GRADUAÇÃO 1. Estímulo e apoio ao desenvolvimento dos projetos pedagógicos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9

Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9 Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9 Cipriano Carlos Luckesi, Doutor em Educação pela PUC de São Paulo, Professor do Programa

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07 BACABAL-MA 2012 PLANO DE APOIO PEDAGÓGICO AO DOCENTE APRESENTAÇÃO O estímulo à produção intelectual do corpo docente é uma ação constante da Faculdade de Educação de Bacabal e para tanto procura proporcionar

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Investimento a serviço da transformação social

Investimento a serviço da transformação social Investimento a serviço da transformação social Objetivo Central Formular, implantar e disseminar metodologias voltadas à melhoria de políticas públicas na área educacional e à avaliação de projetos sociais.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA GUAIBA 2015 APRESENTAÇÃO Lúcio Renato de Oliveira Licenciatura

Leia mais

Plataforma. Portal Educacional

Plataforma. Portal Educacional Plataforma Portal Educacional O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil Especializado em soluções que incorporam Tecnologia da Informação à Educação e à Modernização da Administração Pública, o Grupo Actcon

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Autor (1) Sergio Morais Cavalcante Filho Universidade Estadual da Paraíba (UEPB CCEA Patos) email: sergio.smcf@gmail.com RESUMO O presente artigo expõe uma experiência

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

O que é o Projeto TRILHAS?

O que é o Projeto TRILHAS? O que é o Projeto TRILHAS? É um conjunto de material elaborado para instrumentalizar e apoiar o trabalho docente no campo da leitura, escrita e oralidade, com o objetivo de inserir as crianças do 1 º ano

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional

ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional Programa Estadual Novas Oportunidades de Aprendizagem na Educação Básica- PENOA Florianópolis, 2016.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME)

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (NEA) SEMED TÉCNICAS RESPONSÁVEIS: REGINA FREIRE ARNALDO DO NASCIMENTO (GESTORA AMBIENTAL) E SOLANGE ALVES OLIVEIRA (BIÓLOGA) LEI N o 9.795,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1 AYRES, Sandra Regina Braz; MILANESI, Irton; MILHOMEM, André Luiz Borges. Formação Docente: Uma reflexão sobre o uso das TIC no desenvolvimento de projetos de aprendizagem. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Propostas Educação Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS Santos SP - Maio/ 2010 Marta Fernandes Garcia Secretaria de Educação Prefeitura

Leia mais

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 01097 ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Luiza Rodrigues Flores (UFRGS) Simone Albuquerque (UFRGS) O artigo apresenta alguns

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB EDITAL Nº 018/2010/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

Caro(a)s voluntário(a)s. é

Caro(a)s voluntário(a)s. é Os Caro(a)s voluntário(a)s. é com satisfação que apresentamos cinco na temática do empreendedorismo que vocês poderão implementar junto aos alunos das escolas parceiras: Introdução ao Mundo dos Negócios,

Leia mais

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência Projeto Grêmio em Forma relato de experiência Instituto Sou da Paz Organização fundada em 1999, a partir da campanha dos estudantes pelo desarmamento. Missão: Contribuir para a efetivação, no Brasil, de

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL EDITAL CONCURSO ESCOLA DE LEITORES PARATY - RJ 2009/2010 OBJETO: Seleção de projetos para o Concurso

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO E ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO VANESSA PINHEIRO profvanessapinheiro@gmail.com

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 1 ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO AUTORES Antônio Roberto Silva Santos arsilvasantos@gmail.com Elisângela Santana Nascimento esna_1@yahoo.com.br Fânia

Leia mais

Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA CATARINENSE

Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA CATARINENSE ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Superior - DIES Rua Antônio Luz, 111 Centro Fpolis/SC CEP 88010-410 Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Breves Incursões sobre a Ação do Programa Escola Campeã, na Educação Pública

Breves Incursões sobre a Ação do Programa Escola Campeã, na Educação Pública GESTÃO ESCOLAR: DILEMAS DAS FRONTEIRAS ENTRE O PÚBLICO E PRIVADO NO CONTEXTO DE REFORMA DO ESTADO Maria Vieira da Silva UFU Úrsula Adelaide de Lélis UFU O tempo presente coloca em pauta novos desafios

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL MARECHAL RONDON UTILIZAÇÃO PEDAGÓGICA DO TABLET E CELULAR

ESCOLA ESTADUAL MARECHAL RONDON UTILIZAÇÃO PEDAGÓGICA DO TABLET E CELULAR ESCOLA ESTADUAL MARECHAL RONDON UTILIZAÇÃO PEDAGÓGICA DO TABLET E CELULAR NOVA ANDRADINA MS Julho/2014 ESCOLA ESTADUAL MARECHAL RONDON UTILIZAÇÃO PEDAGÓGICA DO TABLET E CELULAR Projeto elaborado pela professora

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa RESUMO Jacyene Melo de Oliveira Araújo Profª Drª UFRN- CE-SEDIS Os Estágios

Leia mais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2013.2

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2013.2 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2013.2 ADMINISTRAÇÃO Formar administradores estrategistas, comprometidos com o desenvolvimento da sociedade. A UNIFEBE, através

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA Paloma Cristina Gadens de Almeida UNICENTRO, CAPES palomagadens@gmail.com

Leia mais

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014 sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (187) 31 32 São Paulo, 124 (187) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Resolução

Leia mais

Gestão escolar para resultados de aprendizagem: direitos, autonomia e equidade Ricardo Henriques

Gestão escolar para resultados de aprendizagem: direitos, autonomia e equidade Ricardo Henriques Gestão escolar para resultados de aprendizagem: direitos, autonomia e equidade Ricardo Henriques 02 de setembro de 2015 Direitos de aprendizagem garantidos? Porcentagem de jovens que aos 16 anos já completaram

Leia mais

Projeto Casa Aberta - ELETROSUL: 20 anos educando para a cidadania

Projeto Casa Aberta - ELETROSUL: 20 anos educando para a cidadania Projeto Casa Aberta - ELETROSUL: 20 anos educando para a cidadania 1. A EMPRESA A ELETROSUL Centrais Elétricas S.A. é uma empresa subsidiária de Centrais Elétricas do Brasil S.A. - ELETROBRAS, vinculada

Leia mais

O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO BARROS, Joselita Ferreira Batista 1 ; NEVES, Lisa Vany Figueiredo Ribeiro 2 1 Especialista em Geografia, Ensino e Meio Ambiente e em Educação

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE Raquel Silva Borges, Bolsista PET (Re) Conectando Saberes - UFU Ana Paula de Assis, Bolsista PIBID- Subprojeto

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul ANEXO III DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MAGISTÉRIO CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Coordenar as atividades específicas da área, participando do planejamento e

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

A experiência do Baú de leitura

A experiência do Baú de leitura A experiência do Baú de leitura Sueli Maria Gonçalves Hitti 1 Vera Maria Oliveira Carneiro 2 No Baú, qualquer baú, é onde guardamos lembranças, alegres e tristes, objetos preciosos, outros de valor afetivo,

Leia mais

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 ANEXO 1 Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 Docência em Educação Infantil A oferta de curso integra a política nacional de formação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Projeto de Educação Financeira de Adultos Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Relatório Parcial A AEF-Brasil é uma entidade da sociedade civil que promove e executa ações transversais

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Rafael da Silva da Cunha* - Autor rafael.dudu.r@gmail.com Mayane Ferreira de Farias*

Leia mais

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFANCIA E JUVENTUDE

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFANCIA E JUVENTUDE 1 1. TÍTULO: Programa de Estágio para Alunos do Ensino Médio nas Promotorias de Justiça do Ministério Público do Estado do Pará. 2. IDENTIFICAÇÃO Ministério Público do Estado do Pará, CNPJ 05054960/0001-58,

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO FACESA COMANDO DE SAÚDE NAS EMPRESAS

PROGRAMA DE EXTENSÃO FACESA COMANDO DE SAÚDE NAS EMPRESAS PROGRAMA DE EXTENSÃO FACESA COMANDO DE SAÚDE NAS EMPRESAS Cristilene Akiko Kimura Daniella Ribeiro Guimarães Mendes Valparaíso de Goiás GO 2007 SUMÁRIO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO:... 3 2 INTRODUÇÃO...

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Núcleos de Tecnologia Educacional NTE/NTM Caracterização e Critérios para Criação e Implantação

Núcleos de Tecnologia Educacional NTE/NTM Caracterização e Critérios para Criação e Implantação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância - SEED Diretoria de Infraestrutura em Tecnologia Educacional DITEC Esplanada dos Ministérios, Bloco L, 1º Andar, Sala 119 70047-900 Brasília/DF

Leia mais

O PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Desafios e Perspectivas

O PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Desafios e Perspectivas O PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Desafios e Perspectivas SILVA, Maria Quitéria Santos da 1 VILELA, Maria Cristiana da Silva 2 OLIVEIRA, Bráz da Silva 3 1 INTRODUÇÃO A qualidade do ensino que hoje é

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

PLANO DE TRABALHO SUPERVISÃO DE ENSINO SUGESTÃO DE ROTEIRO MENSAL DE ATIVIDADES - 2015

PLANO DE TRABALHO SUPERVISÃO DE ENSINO SUGESTÃO DE ROTEIRO MENSAL DE ATIVIDADES - 2015 PLANO DE TRABALHO SUPERVISÃO DE ENSINO SUGESTÃO DE ROTEIRO MENSAL DE ATIVIDADES - 2015 É a percepção da realidade que permite ao supervisor exercer uma função social e politicamente mais ampla, estimulando

Leia mais

PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2012.2

PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2012.2 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO (PSD-G) 2012.2 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional, que sejam capazes de transformar

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

PLANO DE AÇÃO SOE - 2014

PLANO DE AÇÃO SOE - 2014 Colégio Batista de Palmas PLANO DE AÇÃO SOE - 2014 PLANO DE AÇÃO Introdução Na instituição escolar, o orientador educacional é um dos profissionais da equipe de gestão. Ele trabalha diretamente com os

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

12. POLÍTICA DE EaD A Educação a Distância do IFPE EaD, ao longo dos anos, vem desenvolvendo ações que propiciam mediação didático-pedagógica nos

12. POLÍTICA DE EaD A Educação a Distância do IFPE EaD, ao longo dos anos, vem desenvolvendo ações que propiciam mediação didático-pedagógica nos 12. POLÍTICA DE EaD 12. POLÍTICA DE EaD A Educação a Distância do IFPE EaD, ao longo dos anos, vem desenvolvendo ações que propiciam mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem,

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR Girlene dos Santos Souza 1 ; Danielle Lima de Oliveira 1 ; Josilene Maria de Almeida 2 ; Ana Maria Pereira de Lima 3 ; Ângela Cristina

Leia mais

Anexos 2014 ao plano de Gestão Escolar do quadriênio 2011/2014

Anexos 2014 ao plano de Gestão Escolar do quadriênio 2011/2014 1 Aneos 2014 ao plano de Gestão Escolar do quadriênio 2011/2014 1) Documentos relativos à avaliação e desempenho escolar, quais sejam: 1.1) Boletins completos da série histórica no IDESP (cópias) e análise

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO DO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM A) JUSTIFICATIVA O estágio supervisionado do Curso Técnico em Enfermagem é elemento transformador do

Leia mais

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso Introdução * Sonia Pires Simoes O projeto pedagógico Institucional representa a linha pedagógica que a Instituição norteia para gerenciamento

Leia mais

2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES

2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, desenvolvimento da comunidade e formação de jovens fazem parte da história do Instituto.

Leia mais

CONSELHO ESCOLAR E A APRENDIZAGEM NA ESCOLA

CONSELHO ESCOLAR E A APRENDIZAGEM NA ESCOLA CONSELHO ESCOLAR E A APRENDIZAGEM NA ESCOLA CONSELHO ESCOLAR E A APRENDIZAGEM NA ESCOLA Escola espaço de democracia Gestão participativa Aluno cidadão CONSELHO ESCOLAR E A APRENDIZAGEM NA ESCOLA Escola

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Curso de Especialização em Docência para Educação Profissional. A EAD na Educação Profissional

Curso de Especialização em Docência para Educação Profissional. A EAD na Educação Profissional Curso de Especialização em Docência para Educação Profissional A EAD na Educação Profissional Globalização O Cenário Internacional Mudanças socioeconômicas: intensificação dos processos de integração e

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PESQUISA COMO ESTRATÉGIA DIDÁTICA Caroline Vieira De Souza Costa Eixo 2 - Projetos e práticas

Leia mais

Informações gerais Colégio Decisão

Informações gerais Colégio Decisão 1 Informações gerais Colégio Decisão 2 Carta da Diretora Colégio Decisão Venha, que estamos de portas abertas para você. Carta da Direção Prezados país e responsáveis, A Organização de uma escola pede

Leia mais

O jornal-laboratório como instrumento de desenvolvimento local: a experiência do jornal A Notícia

O jornal-laboratório como instrumento de desenvolvimento local: a experiência do jornal A Notícia FÓRUM NACIONAL DE PROFESSORES DE JORNALISMO (FNPJ) XIII ENCONTRO NACIONAL DE PROFESSORES DE JORNALISMO IX CICLO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE JORNALISMO MODALIDADE DO TRABALHO: Relato de Experiência

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais