2T15 e 1S15. Release de Resultados. R$ 12,4 bi. R$ -90,2 mi. R$ 2,7 bi. R$ 10,9 bi. Destaques. Carteira de crédito expandida.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2T15 e 1S15. Release de Resultados. R$ 12,4 bi. R$ -90,2 mi. R$ 2,7 bi. R$ 10,9 bi. Destaques. Carteira de crédito expandida."

Transcrição

1 Release de Resultados 2T15 e 1S15 São Paulo, 14 de agosto de O Banco Industrial e Comercial S.A. (BICBANCO) (BM&FBOVESPA: BICB3 e BICB4) divulga seus resultados referentes ao segundo trimestre de 2015 (2T15) e primeiro semestre de 2015 (1S15). Todas as informações operacionais e financeiras contidas neste Relatório, exceto quando ressaltadas de forma diferente, são apresentadas em moeda nacional (Reais - R$), em base consolidada abrangendo suas empresas controladas, os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs). As demonstrações financeiras aqui retratadas estão em conformidade com as normas do Banco Central do Brasil (Bacen) e legislação societária brasileira, com pronunciamentos técnicos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e regulamentados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Destaques Carteira de crédito expandida R$ 10,9 bi Captação total R$ 12,4 bi As operações de crédito, acrescidas por avais e fianças, totalizaram R$ ,4 milhões, diminuição de 5,9% nos últimos três meses e de 16,3% em doze meses. Os avais e fianças alcançaram R$ 2.228,6 milhões no 2T15, recuo de 9,0% e 8,3% no trimestre e no ano, respectivamente. A participação de empresas do segmento large corporate representou 62,3%. As captações totalizaram R$ ,3 milhões no 2T15, aumento de 0,5% e 1,9% no trimestre e em doze meses, respectivamente. O funding doméstico alcançou R$ 7.051,2 milhões e o funding externo, que representa 43,0% das captações totais, atingiu R$ 5.317,1 milhões. Resultado líquido negativo R$ -90,2 mi No segundo trimestre de 2015, o resultado líquido negativo foi de R$ 90,2 milhões ante R$ 177,8 milhões apurado no trimestre precedente. No primeiro semestre de 2015, o resultado líquido negativo foi de R$ 268,0 milhões. Caixa livre R$ 2,7 bi Os ativos de alta liquidez somaram R$ 2.660,5 milhões, aumento de 22,5% e 17,2% ante o trimestre anterior e igual período de 2014, respectivamente. A Administração considera satisfatório um montante de caixa com base no fluxo de vencimentos das operações ativas e passivas. Aquisição do BICBANCO pelo China Construction Bank CCB Desde 29 de agosto de 2014, o Banco faz parte do Grupo China Construction Bank (CCB), que se posiciona como o segundo maior banco comercial na China, com 60 anos de histórico operacional. As ações do CCB são negociadas na Bolsa de Valores de Hong Kong e na Bolsa de Xangai. Encontra-se em análise na CVM o processo da Oferta Pública de Ações OPA unificada que pleiteia: (i) aquisição de até a totalidade das ações; (ii) cancelamento de registro de companhia aberta e (iii) descontinuidade do Nível 1 de Governança Corporativa da BM&FBOVESPA. Relações com Investidores Telefone [55 11] Milto Bardini Vice-Presidente Executivo de Operações e Diretor de RI Maria Ines Martins Ramos Superintendente de RI Claudine Nahas Analista de RI

2 Principais indicadores Balanço patrimonial (R$ milhões) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) Operações de crédito 8.630, ,0 (5,1) ,8 (18,1) Títulos e valores mobiliários e derivativos 4.786, ,4 (0,2) 1.855,1 n.a. Ativos totais , ,7 (2,7) ,5 1,9 Depósitos a prazo 5.134, ,6 (9,9) 6.823,0 (24,8) Depósitos totais 5.971, ,7 (8,4) 7.360,4 (18,9) Patrimônio líquido 944, ,4 (9,1) 1.815,3 (48,0) Operações de crédito / ativos totais 56,4% 57,7% -1,3 p.p. 70,1% -13,7 p.p. Resultado (R$ milhões) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) 1S15 1S14 1S/1S (%) Resultado da intermediação financeira 24,4 (194,9) n.a. (54,0) n.a. (170,6) 68,0 n.a. Receitas de prestação de serviços 19,3 20,9 (7,8) 23,0 (16,2) 40,2 49,8 (19,3) Despesas de pessoal (54,7) (52,9) 3,6 (56,1) (2,5) (107,6) (110,5) (2,6) Despesas administrativas (39,5) (42,2) (6,1) (46,3) (14,6) (81,7) (96,2) (15,0) Resultado líquido (90,2) (177,8) (49,3) (143,9) (37,3) (268,0) (143,4) 86,9 Indicadores (%) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) 1S15 1S14 1S/1S (%) Índice de Basileia 11,2% 11,6% -0,4 p.p. 16,7% -5,5 p.p. 11,2% 16,7% -5,5 p.p. Margem financeira 4,9% 4,0% 0,9 p.p. 5,7% -0,8 p.p. 4,4% 5,6% -1,2 p.p. Desempenho por ação 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) 1S15 1S14 1S/1S (%) Lucro por ação em circulação (R$) (0,3091) (0,7780) (60,3) (0,6118) (49,5) (1,0871) (0,5963) 82,3 Valor patrimonial por ação em circulação (R$) 3,8306 4,2124 (9,1) 7,3641 (48,0) 3,8306 7,3641 (48,0) Preço da ação - BICB4 (R$) (*) 7,75 7,35 5,4 7,55 2,6 7,75 7,55 2,7 Valor de mercado (R$ milhões) (*) 1.903, ,2 4, ,0 (1,2) 1.903, ,0 (1,2) (*) último dia útil dos respectivos períodos n.a.: não aplicável Ambiente econômico No período de doze meses encerrado em junho de 2015, a inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) alcançou 8,89%. A taxa básica de juros (Selic) encerrou o primeiro semestre de 2015 em 13,75%. Na reunião realizada em 29 de julho de 2015, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) elevou-a para 14,25%. Ao longo dos três primeiros meses de 2015 a taxa de câmbio apresentou forte volatilidade. No segundo trimestre o dólar apresentou um comportamento mais estável, encerrando o primeiro semestre de 2015 na cotação de R$ 3,10/US$, A depreciação do Real frente ao Dólar foi de 16,8% no ano de 2015 e de 40,9% no período de doze meses iniciado em julho de No primeiro semestre de 2015, ainda segundo dados oficiais, a balança comercial registrou superávit (vendas externas maiores que as importações) de US$ 2,22 bilhões. Na parcial de 2015, as exportações somaram US$ 94,32 bilhões enquanto que as importações somaram US$ 92,10 bilhões. O total de empréstimos no sistema financeiro alcançou R$ 3,1 trilhões em junho de 2015, o que representa crescimento de 9,8% em doze meses. O estoque de crédito como proporção do PIB atingiu 54,5%. Volume das operações de crédito do Sistema Financeiro (R$ bilhões) Mar/15 Abr/15 (*) Mai/15 (*) Jun/15 (*) Jun/Mar (%).Pessoa física 787,0 786,2 789,5 793,6 0,8%.Pessoa jurídica 792,0 789,4 794,5 804,5 1,6%.Recursos direcionados 1.481, , , ,2 1,5% Crédito total 3.060, , , ,3 1,4% Crédito total/pib 54,6% 54,3% 54,4% 54,5% (*) Dados preliminares Fonte: Bacen p. 2 14

3 Resultado da intermediação financeira No 2T15, as receitas da intermediação financeira alcançaram R$ 485,7 milhões, montante estável na comparação com o trimestre anterior e crescimento de 5,8% ante igual período de As despesas da intermediação financeira alcançaram R$ 315,6 milhões no 2T15, diminuição de 8,9% ante o 1T15. A evolução das despesas de intermediação, em menor proporção do que as receitas reflete as melhores oportunidades de funding que o Banco vem obtendo, especialmente daqueles oriundos de sua Matriz. Como consequência, o resultado da intermediação financeira antes da provisão para devedores duvidosos atingiu R$ 170,1 milhões no 2T15, expansão de 21,1% ante o trimestre precedente. As despesas de PDD situaram-se em R$ 145,7 milhões no 2T15, ante R$ 335,4 milhões no 1T15 e R$ 244,9 milhões no 2T14. Na comparação entre os semestres, as despesas de PDD totalizaram R$ 481,1 milhões no 1S15 e R$ 308,0 milhões no 1S14. As oscilações no saldo das despesas de PDD nos períodos reportados estão associadas a um conjunto de disposições adotadas pelo novo controlador a partir de setembro de A participação de empresas do segmento large corporate, alcançou 62,3% no 2T15, acima dos 58,1% observados no 1T15 e 45,1% no 2T14. Foram recuperados créditos baixados no montante de R$ 54,5 milhões no 2T15, R$ 4,7 milhões no 1T15 e R$ 4,3 milhões no 2T14. No acumulado dos seis primeiros meses a recuperação somou: R$ 59,2 milhões em 2015 e R$ 8,4 milhões em Resultado da intermediação financeira (Variação cambial*) (R$ milhões) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) 1S15 1S14 1S/1S (%) Receitas da intermediação financeira 485,7 486,9 (0,2) 459,3 5,8 972,5 906,3 7,3 Operações de crédito 335,8 303,7 10,5 385,5 (12,9) 639,5 755,9 (15,4) Operações de arrendamento mercantil 0,1 (2,0) n.a. 9,7 (99,3) (2,0) 21,3 n.a. Resultado de títulos e valores mobiliários 129,1 114,6 12,7 65,6 96,8 243,7 133,9 81,9 Resultado com instrumentos financeiros derivativos (3,2) 41,1 n.a. (23,5) (86,5) 38,0 (45,4) n.a. Resultado de câmbio 15,3 24,3 (36,4) 15,1 2,6 39,6 30,6 29,8 Variação cambial 8,5 5,1 64,5 6,3 33,9 13,6 8,8 54,0 Resultado de aplicações compulsórias 0,1 0,1 5,0 0,1 (3,1) 0,1 0,1 (4,7) Operações de venda ou de transferências de ativos financeiros - - n.a. 0,5 n.a. - 1,1 n.a. Despesas da intermediação financeira (315,6) (346,4) (8,9) (268,4) 17,6 (662,0) (530,3) 24,8 Captação no mercado (302,0) (330,2) (8,6) (255,6) 18,2 (632,1) (501,6) 26,0 Empréstimos, cessões e repasses (11,9) (16,2) (26,5) (12,8) (6,6) (28,2) (28,5) (1,3) Operações de venda ou de transferências de ativos financeiros (1,7) - n.a. - n.a. (1,7) (0,2) n.a. Resultado da intermediação financeira antes da PDD 170,1 140,5 21,1 190,9 (10,9) 310,5 376,0 (17,4) Provisão para perdas com créditos (145,7) (335,4) (56,6) (244,9) (40,5) (481,1) (308,0) 56,2 Resultado da intermediação financeira 24,4 (194,9) n.a. (54,0) n.a. (170,6) 68,0 n.a. n.a.: não aplicável * Para uma melhor análise, as variações cambiais dos ativos (operações de crédito, carteira de TVM e derivativos e carteira de câmbio) e passivos (captações externas e carteira de câmbio), foram aglutinadas numa única linha variação cambial. Nas Demonstrações Financeiras, os saldos das variações cambiais encontram-se contabilizados nas respectivas receitas e despesas, conforme demonstrado na Nota Explicativa nº29 (L). Margem financeira - NIM No 2T15, a margem financeira líquida (NIM) foi de 4,9%, expansão de 0,9 p.p. ante o trimestre precedente. Essa variação ocorreu principalmente devido ao volume de operações, mix de produtos e taxas praticadas. Na comparação semestral, a margem financeira foi impactada pela diminuição do resultado da intermediação financeira, mesmo sem considerar as despesas de provisões para perdas com crédito. Adicionalmente, na composição do mix dos ativos rentáveis, observa-se expansão de ativos de alta liquidez, que proporcionam menor remuneração, em detrimento de diminuição das operações de crédito. Margem financeira líquida (R$ milhões) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) 1S15 1S14 1S/1S (%) Resultado da intermediação financeira antes da PDD 170,1 140,5 21,1 190,9 (10,9) 310,5 376,0 (17,4) Ativos rentáveis médios (*) , ,6 (1,4) ,2 4, , ,8 5,6 - Operações de crédito 8.853, ,6 (5,7) ,1 (16,4) 9.125, ,7 (12,7) - TVM e derivativos 4.749, ,0 6, ,2 n.a , ,4 n.a. - Aplicações interfinanceiras 384,8 322,9 19,2 903,9 (57,4) 359,5 961,6 (62,6) Margem financeira líquida 4,9% 4,0% 0,9 p.p. 5,7% -0,8 p.p. 4,4% 5,6% -1,2 p.p. n.a.: não aplicável (*) Médias calculadas pelos saldos mensais dos períodos. p. 3 14

4 Ativos Em 30 de junho de 2015, os ativos totais do Banco somaram R$ ,9 milhões, recuo de 2,7% na comparação com o trimestre precedente e crescimento de 1,9% ante igual período de Evolução dos Ativos (R$ milhões) 1,9% R$ 15,3 bilhões de ativos. Destes, 56,4% correspondem às operações de crédito. -2,7% , , , , , , , , , , , , , , ,5 Operações de crédito A carteira de crédito expandida, que inclui as operações de crédito (definidas pela Resolução 2682/99) e os avais e fianças, situaram-se em R$ ,4 milhões, diminuição de 5,9% e 16,3% ante o trimestre anterior e 2T14 respectivamente. Carteira de crédito expandida (R$ milhões) -16,3% 2T , ,2 3T14 Outros ativos Caixa livre (ativos de alta liquidez) Operações de crédito liquidas da PDD 8.590, ,0 4T14 1T15 2T , , , , , , , ,3-5,9% 2.448, , ,6 Caixa livre Ao término do 2T15, os ativos de alta liquidez somaram R$ 2.660,5 milhões, expansão de 22,5%% e 17,2% na comparação com o trimestre e ano anterior, respectivamente. Caixa livre (R$ milhões) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) Disponibilidades 228,3 200,9 13,6 303,1 (24,7) Aplicações no mercado aberto (exceto FIDCs e operações compromissadas) Aplicações em depósitos interfinanceiros (exceto os depósitos para cobertura das operações de swap) Carteira própria - negociação (exceto FIDCs e títulos privados) 77,6 83,1 (6,6) 799,4 (90,3) 74,1 44,5 66,5 2,9 n.a , ,8 23, ,2 95,9 Total 2.660, ,3 22, ,6 17,2 n.a.: não aplicável 2T ,8 3T14 Avais e fianças 9.985,4 Operações de Crédito 9.774, , ,8 4T14 1T15 2T15 A dispersão dos créditos apresenta-se em todas as regiões geográficas, sem a ocorrência de concentração de setor, atividade econômica ou risco por cliente. Os indicadores de pulverização de risco, importante valor para a Instituição, apresentaram no 2T15 satisfatórios níveis de dispersão. No 2T15, o Banco não realizou venda ou cessão de crédito para outras instituições e tampouco descontinuou negócios ou produtos. O crédito corporativo foi equivalente a 86,6% do total das operações de crédito realizadas pelo Banco no período, enquanto o consignado representou 9,0% e o crédito a pessoas físicas 4,4%. As operações de varejo são substancialmente conduzidas pela subsidiária integral Sul Financeira. A distribuição dos créditos por segmento econômico esteve assim representada no trimestre: indústria 44,2%; serviços 21,1%; comércio 14,2%; pessoas físicas 13,9%; agricultura 4,4% setor público, 1,7%; e intermediários financeiros 0,5%. Em cada segmento econômico, a política de pulverização de riscos também está evidenciada com a distribuição dos créditos para clientes atuantes em diversas atividades, o que pode ser percebido na tabela a seguir. p. 4 14

5 Por segmento econômico Por tipo de atividade % Pessoas físicas - Pessoas físicas 13,9% Indústria - Construção civil empreiteiras 6,5% Indústria - Usina de açúcar e álcool 5,8% Indústria - Incorporadoras 5,2% Indústria - Extração vegetal e mineral 4,8% Agricultura - Agricultura 4,4% Comércio - Supermercados e atacadistas 3,9% Serviços - Transportes de passageiros e cargas 3,7% Serviços - Empresas Holdings em geral 3,1% Serviços - Serviços técnicos e profissionais 2,9% Indústria - Produção de papel e celulose 2,6% Serviços - Serviços de locação em geral 1,9% Indústria - Produção de farinha, massa, bolos e biscoitos 1,8% Indústria - Produção metalúrgica e mecânica 1,7% Indústria - Indústria química e petroquímica 1,7% Comércio - Concessionárias e comércio de veículos 1,6% Indústria - Indústria de bebidas em geral 1,6% Serviços - Serviços médicos e odontológicos 1,5% Indústria - Produção de adubos, fertilizantes e inseticidas 1,5% Comércio - Comércio de eletroeletrônicos 1,3% Indústria - Produção de canos e artefatos de ferro 1,3% Indústria - Produção de veículos, carrocerias e outros 1,3% Setor público - Federal 1,3% Indústria - Abate de animais e indústrias de carne 1,2% Comércio - Comércio de roupas e tecidos 1,2% Outros Segmentos Econômicos - Outros segmentos econômicos 22,3% TOTAL 100,0% Dispersão regional (%) A pulverização da carteira de crédito se traduz na manutenção dos principais riscos em patamares adequados, sejam individuais ou dos grupos de maiores tomadores. Ao término de junho de 2015, o maior devedor representava 2,6% das operações e o conjunto dos 100 maiores, 45,9%. Níveis de concentração de risco 2T15 1T15 2T14 Maior risco 2,61 2,57 1,86 10 maiores riscos 14,12 12,84 10,35 20 maiores riscos 20,45 18,33 15,23 50 maiores riscos 33,68 30,50 24, maiores riscos 45,93 42,19 35,83 64,5% dos créditos possuem vencimentos inferiores a 1 ano. O perfil da carteira do Banco é de curto prazo, sendo que 64,5% dos créditos vencem em até um ano. No 2T15, R$ 2.309,5 milhões das operações de crédito, ou 26,7% da carteira, venciam em até 90 dias. O duration da carteira de crédito foi de 406 dias (448 dias no 1T15). 1,8% 3,4% 27,7% 28,0% 37,3% 37,9% Distribuição por vencimento (%) 4,7% 6,1% 7,0% 28,1% 27,9% 28,5% 36,1% 38,2% 37,8% Cayman 9,3% 33,2% 30,7% 31,1% 27,8% 26,7% 2T14 3T14 4T14 1T15 2T15 0,4% 9,7% 16,6% 15,6% 48,5% Até 3 meses De 3 a 12 meses Acima de 1 ano Parcelas vencidas há mais de 14 dias Ao término do 2T15, as parcelas vencidas há mais de 14 dias somaram R$ 602,7 milhões, aumento de 8,5% em relação ao saldo de R$ 555,4 milhões registrado no 1T15, e aumento de 214,7% frente ao saldo de R$ 191,5 milhões apresentado no 2T14. A relação entre parcelas vencidas há mais de 14 dias sobre as operações de crédito era de 7,0% no 2T15 (6,1% no 1T15; e 1,8% no 2T14). O índice de cobertura das parcelas vencidas há mais de 14 dias era de 180,1% no 2T15 (210,1% no 1T15 e 321,1% no 2T14). p. 5 14

6 Carteira de crédito expandida (R$ milhões) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) Capital de giro 3.576, ,1 (14,6) 5.188,5 (31,1) Trade finance 2.672, ,9 10, ,6 23,2 Crédito consignado 783,2 787,3 (0,5) 800,5 (2,2) Crédito a pessoas físicas 376,7 378,5 (0,5) 341,2 10,4 Arrendamento mercantil 188,2 211,6 (11,1) 321,9 (41,5) Contas garantidas 108,1 204,2 (47,1) 758,9 (85,8) Financiamentos agrícolas 92,3 104,2 (11,4) 59,3 55,5 Financiamentos de máquinas e veículos pesados 54,1 66,3 (18,5) 106,8 (49,4) Outros créditos 779,5 736,9 5,8 790,1 (1,3) Total das operações de crédito 8.630, ,0 (5,1) ,8 (18,1) Avais e fianças 2.228, ,3 (9,0) 2.431,0 (8,3) Carteira de crédito expandida , ,3 (5,9) ,8 (16,3) Distribuição da carteira de crédito por modalidade operacional (%) 41,4% Capital de giro 31,0% Trade finance 13,4% Consignado / Crédito a pessoas físicas 2,2% Arrendamento mercantil 1,3% Contas garantidas 1,1% Financiamentos agrícolas 0,6% Financiamentos de máquinas e veículos pesados 9,0% Outros créditos Capital de giro É o principal produto do Banco. Visa atender as necessidades de caixa das empresas, com prazos geralmente inferiores a um ano. No 2T15, essa carteira alcançou saldo de R$ 3.576,1 milhões, o que representa 41,4% do total da carteira de crédito. O volume das operações recuou em 14,6% e 31,1% ante o trimestre e ano anterior, respectivamente. Trade finance (financiamentos à exportação e à importação) É composto por adiantamentos sobre contratos de câmbio ACC/ACE, financiamentos à importação e exportação e títulos a receber em moeda estrangeira. As operações de financiamento para o comércio exterior têm importância estratégica para o Banco, uma vez que ampliam a oferta de produtos, fidelizam clientes que operam com comércio exterior e pulverizam os riscos da carteira de crédito. No final do 2T15, as operações de trade finance totalizavam R$ 2.672,6 milhões, o que equivale a 31,0% do total da carteira de crédito. As operações de trade finance expandiram 10,7% no trimestre e 23,2% em relação ao 2T14. Varejo A Sul Financeira, subsidiária integral do BICBANCO, concentra as atividades de varejo. O segmento é representado, principalmente, pelas operações de crédito consignado, financiamento de veículos e cartão. No 2T15, o segmento correspondia a 13,4% do total da carteira de crédito e totalizou R$ 1.159,9 milhões. As operações dessa modalidade recuaram em 0,5% no trimestre e cresceram 2,1% em 12 meses. Arrendamento mercantil As operações de leasing, cuja carteira a valor presente atingiu R$ 188,2 milhões no 2T15, apresentaram diminuição de 11,1% ante o 1T15 e 41,5% na comparação com 2T14. A distribuição da carteira por tipo de bens assim se comportou: 41,9% de máquinas e equipamentos; 26,7% aeronaves; 16,0% veículos pesados; 15,1% imóveis; e 0,3% outros. Contas garantidas Consiste em créditos vinculados à conta bancária de pessoas jurídicas, de modo a atender suas necessidades de giro com a agilidade requerida. Ao final do 2T15, essa modalidade era equivalente a 1,3% do total da carteira de crédito e atingiu R$ 108,1 milhões, recuo de 47,1% e 85,8% no trimestre e em 12 meses respectivamente. p. 6 14

7 Financiamentos agrícolas Os financiamentos agrícolas atingiram R$ 92,3 milhões no 2T15 e foram equivalentes a 1,1% da carteira total do Banco no período. Essa modalidade apresentou diminuição de 11,4% na comparação com o trimestre anterior e expansão de 55,5% ante o 2T14. Parte substancial dessas linhas são créditos direcionados. Financiamento de máquinas e veículos pesados O produto representa mais uma alternativa de crédito para os clientes do Banco conduzirem seus projetos ao adquirirem bens duráveis que fomentam seus negócios. A carteira totalizou R$ 54,1 milhões, redução de 18,5% e 49,4% em relação ao 1T15 e 2T14, respectivamente. A distribuição da carteira por tipo de bens apresentou o seguinte comportamento: 54,8% máquinas e equipamentos; 39,1% veículos pesados; e 6,1% outros. No 2T15, o financiamento de máquinas e veículos pesados representou 0,6% da carteira total de créditos. Outros créditos Outros créditos compreendem, principalmente, as modalidades de Cheque empresarial, Resolução 2770, Compror e Vendor e devedores por compra de valores e bens, e outros. Tais créditos somaram R$ 779,5 milhões, expansão de 5,8% ante o trimestre e diminuição de 1,3% na comparação com igual período do ano anterior. Ao término do 2T15, o conjunto dos outros créditos era equivalente a 9,0% do total das operações de crédito. Avais e fianças De acordo com a Resolução 2682, os avais e fianças não estão contemplados nas operações de crédito, embora sejam computados no cálculo do índice de Basileia. Todavia, dada a expressividade dos produtos, o Banco passou a incluir em seus relatórios, informações sobre a carteira de crédito expandida, a qual inclui avais e fianças. No 2T15, as responsabilidades por avais e garantias concedidas totalizaram R$ 2.228,6 milhões, recuo de 9,0% e 8,3% ante o trimestre e o ano precedente, respectivamente. Inadimplência e provisão para perdas Os dados de junho confirmam a tendência de inflexão de diversos indicadores, mormente o de NPLs superiores a 90 dias. Observa-se, ainda assim, certa resiliência em outros indicadores, provocada, por um lado, pela redução constante da Carteira de Créditos e, por outro, pela metodologia estatística, que requer a manutenção no status de NPL, por seis meses complementares, daqueles créditos já integralmente provisionados. Em que pese o efeito cerceador de tais gravames, a Administração está confiante na constância da queda dos NPLs ao longo do 2S15. Paralelamente, merece destaque a significativa redução das despesas trimestrais de PDD: R$ 145 milhões no 2T15, comparadas a R$ 335 milhões no 1T15. Nesse particular, igualmente, a queda não é meramente acidental, mas reveste os contornos de tendência. Indicadores de qualidade de crédito (R$ milhões) 2T15 1T15 4T14 3T14 2T14 Carteira total 8.630, , , , ,8 PDD 1.085, , , ,2 614,9 Carteira D-H (2682) 2.046, , , , ,1 Carteira E-H (2682) 1.370, , , ,7 922,9 Contratos com parcelas vencidas acima de 60 dias 826,0 874,6 430,3 355,4 349,6 Contratos com parcelas vencidas acima de 90 dias 734,4 848,2 346,5 316,7 329,6 Parcelas Vencidas há mais de 14 dias 602,7 555,4 455,7 335,7 191,5 Índices sobre carteira total (%) PDD 12,6% 12,8% 12,1% 11,4% 5,8% Carteira D-H 23,7% 23,3% 22,8% 22,6% 12,2% Carteira E-H 15,9% 17,1% 17,2% 15,2% 8,8% Contratos com parcelas vencidas acima de 60 dias 9,6% 9,6% 4,4% 3,6% 3,3% Contratos com parcelas vencidas acima de 90 dias 8,5% 9,3% 3,5% 3,2% 3,1% Parcelas Vencidas há mais de 14 dias 7,0% 6,1% 4,7% 3,4% 1,8% Índices de provisionamento (%) Carteira D-H 53,0% 55,0% 53,1% 50,7% 47,8% Carteira E-H 79,2% 75,3% 70,3% 75,2% 66,6% Contratos com parcelas vencidas acima de 60 dias 131,4% 133,4% 275,4% 321,4% 175,9% Contratos com parcelas vencidas acima de 90 dias 147,8% 137,6% 342,0% 360,7% 186,5% Parcelas Vencidas há mais de 14 dias 180,1% 210,1% 260,0% 340,2% 321,1% p. 7 14

8 Captação O saldo dos recursos captados no 2T15 somou R$ ,3 milhões, crescimento de 0,5% e 1,9% em relação ao trimestre e ano anterior, respectivamente. O duration do total das captações no 2T15 foi de 594 dias, superior ao duration de 406 dias das operações de crédito. A estrutura favorável de vencimentos de ativos e passivos do BICBANCO propicia conforto e estabilidade à Instituição, sobretudo nos cenários de maior volatilidade. Os depósitos a prazo apresentaram o seguinte perfil de vencimento: 31,6% 47,8% 20,6% Depósitos a prazo por vencimento (%) Até 3 meses De 3 a 12 meses De 1 a 3 anos Origens da captação (R$ milhões) 1,9% 0,5% , , , , ,3 O Banco possui adequada pulverização de sua base de aplicadores, diluindo o risco. % dos depósitos a prazo 2T15 1T15 2T , , , , ,1 Maior depositante 4,1 5,3 6,7 10 maiores depositantes 17,8 19,9 18,0 20 maiores depositantes 25,4 27,0 24,2 50 maiores depositantes 37,6 38,1 33,7 100 maiores depositantes 53,8 52,8 45,9 2T ,6 3T , , , ,2 4T14 1T15 2T15 Do total dos depósitos a prazo com vencimento acima de um ano, o montante de R$ 474,7 milhões, apresentava alguma cláusula de liquidez, via de regra, nas datas de aniversário da aplicação. O compromisso celebrado entre o Banco e o cliente está registrado na Câmara de Custódia e Liquidação (CETIP). Captação em moeda estrangeira Captação em Reais Captação Doméstica Depósitos a prazo No 2T15, os depósitos a prazo somaram R$ 5.134,2 milhões, diminuição de 9,9% e 24,8% ante o trimestre anterior e ano precedente, respectivamente. No 2T15, o duration dos depósitos a prazo era de 419 dias (no 1T15: 438 dias). Do montante de R$ 5.134,2 milhões dos depósitos a prazo, R$ 2.473,6 milhões eram relativos aos depósitos com garantia especial do Fundo Garantidor de Crédito DPGE. 62,1% dos depósitos a prazo provêm da base de clientes corporativos e pessoas físicas do Banco. 58,3% 37,4% 3,8% 0,5% Depósitos a prazo por tipo de depositante (%) Pessoas jurídicas Investidores institucionais Pessoas físicas Instituições financeiras p. 8 14

9 Outros depósitos Depósitos à vista, de poupança e interfinanceiros totalizaram R$ 836,5 milhões, expansão de 2,3% e 55,6% em relação ao trimestre e ano anterior, respectivamente. LCAs, LCIs e LFs O Banco oferece aos seus clientes um mix de produtos financeiros por meio de recursos de letras emitidas como as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs), Letras Financeiras (LFs) e Letras de Crédito Imobiliário (LCIs). O conjunto desses recursos alcançou R$ 683,9 milhões em 30 de junho de 2015, recuo de 2,9% e 3,1% no trimestre e em doze meses, respectivamente. As letras emitidas correspondem a 5,5% do total das captações no trimestre. FIDCs A captação feita por intermédio da subscrição de cotas seniores dos FIDCs totalizou R$ 16,3 milhões, redução de 65,0% no trimestre e 86,7% no ano, como consequência da amortização das cotas dos fundos fechados e o fato de, no decorrer do trimestre, não terem sido realizados aportes relevantes. Dívida subordinada No 2T15, o montante das dívidas subordinadas emitidas pelo Banco por meio de captações externas e locais representavam 10,0% do total do funding e somavam R$ 1.236,6 milhões. No cálculo do Capital de Nível II, que compõe o índice de Basileia, essa modalidade de captação teve cerca de 70% de seu montante considerado, conforme legislação. São três as emissões com característica subordinada: (i) CDB subordinado de R$ 200 milhões, emitido em 2009 e com vencimento em 2019; (ii) Eurobonds subordinado de US$ 300 milhões, emitido em 2010 e com vencimento em 2020; e (iii) Loan subordinado de US$ 32 milhões, emitido em 2010 e com vencimento em Partes Relacionadas Matriz e Subsidiária Iniciado em abril de 2015 o fluxo de suporte de funding preferencial da Matriz para o BICBANCO, atingiu ao término do 1S15 o montante de US$ 500 milhões. Os fluxos financeiros provenientes da Matriz serão objeto de hedge, de forma a minimizar riscos de variação das moedas. Captação Externa No 2T15, o conjunto das captações externas representava 43,0% do total do funding do Banco e somavam R$ 5.317,1 milhões, expansão de 13,9% e 47,8% ante 1T15 e 2T14, respectivamente. O crescimento das captações externas no trimestre está associado aos ingressos de fluxo financeiros da Matriz. Na comparação de doze meses, adiciona-se aquele fator à desvalorização do Real em doze meses, que foi de 40,9% (2T15 = US$/R$ 3,1026; 1T15 = US$/R$ 3,2080; 2T14 = US$/R$ 2,2025). As captações externas contemplam: (i) o funding para trade finance, que provê recursos para operações ativas de comércio exterior, sendo captado com bancos internacionais e, recentemente pela Matriz; e (ii) recursos captados por meio de empréstimos sindicalizados a partir de órgãos multilaterais (BID, IFC, IIC, Proparco e DEG), emissões de títulos, repasses, e dívida subordinada, que provêm funding para operações de crédito com maior prazo de vencimento. As oscilações da moeda norte-americana não configuram riscos adicionais para a Instituição. As captações para as operações de trade finance possuem hedge natural com as operações ativas. Para o conjunto de captações elencado no item (ii), o Banco realiza operações de hedge de forma a mitigar o risco do descasamento de moedas. A tabela abaixo apresenta o cronograma de vencimento das emissões externas (item ii), as quais, em 30 de junho de 2015, totalizaram US$ 734,2 milhões. Vencimento Montante (US$ milhões) , , , , , , ,7 Total 734,2 p. 9 14

10 As tabelas a seguir demonstram o total da captação: por moedas e produtos por prazo e modalidades. Captação total por moedas e produtos (R$ milhões) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) Captações em Reais 7.051, ,1 (7,8) 8.537,6 (17,4) Depósitos 5.970, ,0 (8,4) 7.360,4 (18,9) - Depósitos a prazo 5.134, ,6 (9,9) 6.823,0 (24,8) - Outros depósitos em reais 836,5 817,4 2,3 537,4 55,6 Recursos de Letras Emitidas 683,9 704,3 (2,9) 705,8 (3,1) - Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) 282,2 286,6 (1,5) 346,7 (18,6) - Letras Financeiras (LF) 119,6 125,8 (4,9) 168,6 (29,1) - Letras de Crédito Imobiliário (LCI) 282,1 291,9 (3,4) 190,5 48,1 Dívida subordinada 342,6 332,6 3,0 306,3 11,9 Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDCs 16,3 46,4 (65,0) 121,9 (86,7) Obrigações por repasses do País 37,5 46,6 (19,6) 40,7 (7,7) Recursos de debêntures - - n.a. 2,3 n.a. Recursos de aceites cambiais 0,2 0,2 3,7 0,2 13,7 Captações em moeda estrangeira 5.317, ,6 13, ,4 47,8 Obrigações por empréstimos no exterior 3.000, ,5 38, ,3 91,3 Obrigações por TVM no exterior 1.165, ,4 (5,2) 886,2 31,5 Obrigações por repasses do exterior 256,3 311,4 (17,7) 530,9 (51,7) Dívida subordinada 894,0 949,6 (5,9) 612,0 46,1 Depósitos em moedas estrangeiras 1,1 3,7 (69,3) - n.a. Captação Total , ,7 0, ,0 1,9 Participação da captação externa no total das captações 43,0% 37,9% 5,1 p.p. 29,6% 13,4 p.p. n.a.: não aplicável Captação total por prazo e modalidade (R$ milhões) Depósitos Títulos emitidos no exterior Empréstimos e repasses no exterior Repasses no país - Instituições Oficiais Recursos de Letras Emitidas (LCA, LF, LCI e outros) FIDCs Dívida subordinada Total das captações Sem vencimento (*) 184,2 3,1% ,2 1,5% Até 3 meses 1.721,3 28,8% 11,1 0,9% 625,1 19,2% 13,2 35,2% 257,3 37,6% ,0 21,3% De 3 a 12 meses 2.584,0 43,3% 1.095,0 94,0% 2.488,3 76,4% 24,3 64,8% 274,7 40,2% 16,3 100,0% 14,4 1,2% 6.497,0 52,5% De 1 a 3 anos 1.098,0 18,4% 59,4 5,1% 81,1 2,5% ,1 22,2% ,6 11,2% De 3 a 5 anos 244,8 4,1% ,4 1,1% ,2 2,3% Acima de 5 anos 139,5 2,3% ,6 0,8% ,2 98,8% 1.388,3 11,2% Captação total 5.971,8 100,0% 1.165,5 100,0% 3.256,5 100,0% 37,5 100,0% 684,1 100,0% 16,3 100,0% 1.236,6 100,0% ,3 100,0% (*) Representados por depósitos à vista e de poupança. p

11 Índice de Basileia III O índice de Basileia do BICBANCO no 2T15 atingiu 11,23%, recuo de 0,36 p.p. em relação ao trimestre anterior e 5,49 p.p. ante o 2T14. O índice foi impactado pelo resultado negativo do Banco no período. Pontos de atendimento Com seus 37 pontos de atendimento, o Banco manteve sua presença e dispersão regional da franquia nas principais capitais e cidades do País no decorrer do 2T15. UF Cidade Ponto de atendimento AL Maceió Maceió BA Salvador Salvador CE Fortaleza Aldeota - Bezerra - Centro Juazeiro do Norte Juazeiro do Norte DF Brasília Brasília GO Goiânia Goiânia MA São Luis São Luis MG Belo Horizonte Belo Horizonte Uberlândia Uberlândia MT Cuiabá Cuiabá PA Belém Belém PB João Pessoa João Pessoa PE Recife Recife PI Teresina Teresina PR Curitiba Curitiba Londrina Londrina RJ Rio de Janeiro Rio de Janeiro RN Natal Natal RS Porto Alegre Porto Alegre Caxias do Sul Caxias do Sul SC Blumenau Blumenau Chapecó Chapecó Florianópolis Florianópolis SE Aracaju Aracaju SP Barueri Alphaville Bauru Bauru Campinas Campinas Guarulhos Guarulhos Santo André ABC Santos Santos São José do Rio Preto São José do Rio Preto São Paulo Berrini - Brasil - MASP Ribeirão Preto Ribeirão Preto 37 Pontos de atendimento Grand Cayman Recursos humanos Em 30 de junho de 2015, o quadro de funcionários era composto por 879 colaboradores, estável ante o trimestre anterior e diminuição de 3,0% em doze meses. Quadro de funcionários 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) Comercial ,5 222 (10,8) Administrativo ,2 566 (0,4) Total BICBANCO ,3 788 (3,3) Sul Financeira (0,8) 118 (0,8) Total Consolidado ,1 906 (3,0) Remuneração aos acionistas Não houve distribuição de proventos no primeiro semestre de p

12 Ratings Agências/ consultorias Moody s Standard & Poor s Fitch Ratings Rating Âmbito/classificação Data de publicação do Rating Escala global - Depósito em moeda estrangeira: Baa3. Longo prazo P-3. Curto prazo - Depósito em moeda local: Baa3. Longo prazo P-3. Curto prazo Aa1.br BR-1 D Baa3 Ba1 Estável Escala nacional - Depósitos:. Longo prazo. Curto prazo Força financeira Dívida em moeda estrangeira. Bonds. Dívida subordinada Perspectiva Escala Global - Rating de Contraparte Moeda Estrangeira BB. Longo Prazo B. Curto Prazo Moeda Local BB. Longo Prazo B. Curto Prazo Escala Nacional bra+. Longo Prazo CreditWatch Negativo Perspectiva Escala Nacional AAA (bra). Longo Prazo F1+ (bra). Curto Prazo Estável Perspectiva 12/06/ /07/ /06/2015 Escala Nacional Austin Rating braa. Escala Nacional de Longo Prazo 04/05/2015 Estável Perspectiva LF Rating Management & Excellence AA-. Moeda Nacional 19/12/2014 Neutra Perspectiva A. Sustentabilidade Julho/2015 p

13 BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO (R$ milhões) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) ATIVOS Disponibilidades 228,3 200,9 13,6 303,1 (24,7) Aplicações interfinanceiras de liquidez 349,3 314,5 11, ,1 (67,2) Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos 4.786, ,4 (0,2) 1.855,1 n.a. Relações interfinanceiras 70,1 66,6 5,3 125,0 (43,9) Operações de crédito, leasing, ACC e outros créditos 8.630, ,0 (5,1) ,8 (18,1) Provisão para perdas com créditos (1.085,3) (1.167,0) (7,0) (614,9) 76,5 Permanente 178,6 179,4 (0,4) 188,9 (5,4) Outros ativos 2.155, ,9 (4,8) 1.564,4 37,8 Total dos ativos , ,7 (2,7) ,5 1,9 PASSIVOS Depósitos totais 5.971, ,7 (8,4) 7.360,4 (18,9) Depósitos a prazo 5.134, ,6 (9,9) 6.823,0 (24,8) Outros depósitos 837,6 821,1 2,0 537,4 55,9 Captações no mercado aberto 998, ,0 (27,3) 91,0 n.a. Recursos de aceites e emissão de títulos 1.849, ,9 (4,4) 1.594,5 16,0 Obrigações por empréstimos no exterior 3.000, ,5 38, ,3 91,3 Obrigações por repasses 293,8 358,0 (17,9) 571,6 (48,6) Outras obrigações 1.003, ,6 (1,6) 980,2 2,4 FIDCs 16,3 46,4 (65,0) 121,9 (86,7) Dívida subordinada 1.236, ,2 (3,6) 918,3 34,7 Total dos passivos , ,3 (2,3) ,2 8,8 Patrimônio líquido 944, ,4 (9,1) 1.815,3 (48,0) Total dos passivos + patrimônio líquido , ,7 (2,7) ,5 1,9 n.a.: não aplicável p

14 Resultado Contábil DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO CONSOLIDADO (R$ milhões) 2T15 1T15 2T/1T (%) 2T14 2T/2T (%) 1S15 1S14 1S/1S (%) Receitas da intermediação financeira 399, ,2 (64,6) 376,6 6, ,7 722,3 111,4 Operações de crédito 326,8 339,0 (3,6) 380,1 (14,0) 665,8 743,6 (10,5) Operações de arrendamento mercantil 0,1 (2,0) n.a. 9,7 (99,3) (2,0) 21,3 n.a. Resultado de títulos e valores mobiliários 129,3 121,1 6,8 65,9 96,2 250,4 134,3 86,5 Resultado com instrumentos financeiros derivativos (35,3) 410,6 n.a. (68,7) (48,6) 375,4 (152,6) n.a. Resultado de câmbio (21,4) 258,4 n.a. (11,0) 95,1 237,0 (25,5) n.a. Resultado de aplicações compulsórias 0,1 0,1 5,0 0,1 (3,1) 0,1 0,1 (4,7) Operações de venda ou de transferências de ativos financeiros - - n.a. 0,5 n.a. - 1,1 n.a. Despesas da intermediação financeira (375,2) (1.322,1) (71,6) (430,6) (12,9) (1.697,3) (654,3) n.a. Captação no mercado (237,2) (668,9) (64,5) (218,4) 8,6 (906,1) (415,6) 118,0 Empréstimos, cessões e repasses 9,4 (317,8) n.a. 32,7 (71,2) (308,4) 69,5 n.a. Operações de venda ou de transferências de ativos financeiros (1,7) - n.a. - n.a. (1,7) (0,2) n.a. Provisão para perdas com créditos (145,7) (335,4) (56,6) (244,9) (40,5) (481,1) (308,0) 56,2 Resultado da intermediação financeira 24,4 (194,9) n.a. (54,0) n.a. (170,6) 68,0 n.a. Outras receitas (despesas) operacionais (175,3) (107,9) 62,5 (149,2) 17,4 (283,2) (272,2) 4,0 Receitas de prestação de serviços 19,3 20,9 (7,8) 23,0 (16,2) 40,2 49,8 (19,3) Despesas de pessoal (54,7) (52,9) 3,6 (56,1) (2,5) (107,6) (110,5) (2,6) Despesas tributárias (9,6) (8,4) 14,3 (14,3) (32,9) (18,0) (29,4) (38,9) Outras despesas administrativas (39,5) (42,2) (6,1) (46,3) (14,6) (81,7) (96,2) (15,0) Outras receitas operacionais 16,0 15,7 2,3 16,1 (0,4) 31,7 33,5 (5,2) Outras despesas operacionais (106,8) (41,0) n.a. (71,6) 49,0 (147,8) (119,4) 23,8 Resultado operacional (150,9) (302,8) (50,2) (203,2) (25,8) (453,8) (204,2) 122,1 Resultado não-operacional 3,5 (1,6) n.a. (20,7) n.a. 1,9 (20,1) n.a. Resultado antes da tributação sobre o lucro (147,4) (304,4) (51,6) (223,9) (34,2) (451,9) (224,3) 101,4 Imposto de renda (2,3) (5,0) (51,9) (4,6) (47,9) (7,3) (9,4) (21,7) Contribuição social (1,4) (3,3) (57,3) (3,3) (58,4) (4,6) (7,0) (33,7) Ativo fiscal diferido 60,9 134,9 (54,8) 95,8 (36,3) 195,8 105,2 86,1 Participações estatutárias no lucro - - n.a. (7,9) n.a. - (7,9) n.a. Resultado líquido contábil (90,2) (177,8) (49,3) (143,9) (37,3) (268,0) (143,4) 86,9 n.a.: não aplicável p

Teleconferência 2T14. 18 de agosto de 2014

Teleconferência 2T14. 18 de agosto de 2014 Teleconferência 18 de agosto de 2014 1T14 x Estabilidade da Carteira de Créditos, próxima a R$ 10,5 bilhões; Nível de liquidez imediata mantido dentro de parâmetros confortáveis; Redução dos NPLs, tanto

Leia mais

Teleconferência 3T13. 13 de novembro de 2013

Teleconferência 3T13. 13 de novembro de 2013 Teleconferência 13 de novembro de 2013 Fato Relevante* Em 31 de outubro de 2013 foi celebrado o contrato de compra e venda de 72,0% das ações do BICBANCO entre as partes: Vendedora - Grupo Bezerra de Menezes

Leia mais

Apresentação Institucional. Dezembro 2008

Apresentação Institucional. Dezembro 2008 Apresentação Institucional Dezembro 2008 Sumário Perfil 1 Informações Financeiras 7 Características Operacionais 15 Governança Corporativa 27 Contatos 31 Perfil Agência Blumenau-SC Perfil A especialidade

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 1 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA, reconhecido pela sua prestação de serviços de câmbio e de tesouraria, assim como pelo financiamento

Leia mais

Apresentação 1T14 APIMEC São Paulo. 13 de Maio de 2014

Apresentação 1T14 APIMEC São Paulo. 13 de Maio de 2014 Apresentação 1T14 APIMEC São Paulo 13 de Maio de 2014 1 Visão geral do mercado brasileiro de crédito Crédito Total / PIB e crescimento anual do crédito Crédito / PIB - por tipo de instituição financeira

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 4 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA e a SOCOPA - CORRETORA PAULISTA anunciam os resultados do quarto trimestre de 2011. O BANCO PAULISTA

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO FOCO NO CLIENTE. Sustentabilidade econômica e sócioambiental. Expansão da base geográfica RELACIONAMENTO

PERFIL CORPORATIVO FOCO NO CLIENTE. Sustentabilidade econômica e sócioambiental. Expansão da base geográfica RELACIONAMENTO PERFIL CORPORATIVO P Banco múltiplo privado com 20 anos de experiência no mercado financeiro P Sólida estrutura de capital e administração conservadora P Atuação em operações: Ativas Passivas Crédito Imobiliário

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO S E R V I Ç O S C R É D I T O. Crédito Imobiliário. Conta Corrente Digital Intermedium. Crédito Pessoal. Seguros.

PERFIL CORPORATIVO S E R V I Ç O S C R É D I T O. Crédito Imobiliário. Conta Corrente Digital Intermedium. Crédito Pessoal. Seguros. 3 trimestre de 2015 PERFIL CORPORATIVO Banco múltiplo privado com 21 anos de experiência no mercado financeiro. Sólida estrutura de capital e administração conservadora. Atuação em operações de: Core Business

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

QUALIDADE DOS ATIVOS 97,4% das operações de crédito cobertas por garantias Créditos de D a H : 1,9% da carteira Provisões totais: 1,8% da carteira

QUALIDADE DOS ATIVOS 97,4% das operações de crédito cobertas por garantias Créditos de D a H : 1,9% da carteira Provisões totais: 1,8% da carteira São Paulo, 30 de Outubro de 2008 O Banco Sofisa S.A. (Bovespa: SFSA4) anuncia hoje seu resultado do terceiro trimestre de 2008. Todas as informações operacionais e financeiras a seguir, exceto quando indicado

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Junho 2015 1 SUMÁRIO ANÁLISE DE DESEMPENHO... 4 SUMÁRIO EXECUTIVO 1S15... 6 MERCADO COMPETITIVO... 8 MARGEM ANALÍTICA... 9 Desempenho da Intermediação Financeira... 9 Variações

Leia mais

Teleconferência Resultados 1T10

Teleconferência Resultados 1T10 Teleconferência Resultados 1T10 18 de maio de 2010 Visão Geral da Administração Venda da estrutura de Varejo + Foco no segmento de crédito a Empresas Transferência das atividades de originação e crédito

Leia mais

Banco Panamericano S.A.

Banco Panamericano S.A. Banco Panamericano S.A. Release Relatório de de Resultados 1T13 1T15 06de 04 Maio de 2013 2015 Teleconferência - Português 05 de maio de 2015 10h30 (Brasília) / 09h30 (US-EST) Telefone de Conexão: +55

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013

RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013 RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013 1 RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO O BANCO PAULISTA anuncia seus resultados do 1S13. O BANCO PAULISTA é reconhecido pela sua prestação

Leia mais

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3 VISÃO GERAL - 2T5 Histórico 99 Início das operações como banco múltiplo 2002 Agência em Nassau 2005 Corretora em Nova York 2009 Início da parceria estratégica com o Banco do Brasil 205 BV Promotora (Consignado

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS. 3 Trimestre de 2012

RELEASE DE RESULTADOS. 3 Trimestre de 2012 RELEASE DE RESULTADOS 3 Trimestre de 2012 1 RELEASE DE RESULTADOS 3 Trimestre de 2012 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO O BANCO PAULISTA anuncia seus resultados do 3T12. O BANCO PAULISTA é reconhecido pela sua

Leia mais

Local Conference Call BICBANCO Resultados do Primeiro Trimestre de 2015 15 de Maio de 2015

Local Conference Call BICBANCO Resultados do Primeiro Trimestre de 2015 15 de Maio de 2015 Local Conference Call BICBANCO Resultados do Primeiro Trimestre de 2015 15 de Maio de 2015 OPERADORA: Bom dia. Sejam bem vindos à audioconferência do BICBANCO onde serão comentados os resultados do 1º

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Lucro Líquido Ajustado do BB atinge R$ 2,7 bilhões no 1T13

Lucro Líquido Ajustado do BB atinge R$ 2,7 bilhões no 1T13 Sumário do Resultado Resultado Lucro Líquido Ajustado do BB atinge R$ 2,7 bilhões no O Banco do Brasil apresentou lucro líquido ajustado, sem itens extraordinários, de R$ 2,7 bilhões no trimestre, desempenho

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS. 3T l 2015

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS. 3T l 2015 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 3T l 2015 Disclaimer Esta apresentação pode conter referências e declarações que representem expectativas de resultados, planos de crescimento e estratégias futuras do BI&P. Essas

Leia mais

Principais Destaques - 1T15

Principais Destaques - 1T15 Belo Horizonte, 28 de abril de 2015 O Banco INTERMEDIUM S.A., banco múltiplo, focado em Crédito Imobiliário e com atividades também nos segmentos de Consignado e Middle Market, divulga hoje seus resultados

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Banco Panamericano S.A.

Banco Panamericano S.A. Banco Panamericano S.A. Release Relatório de de Resultados 1T13 3T14 06de 03 Maio Novembro de 2013 de 2014 Teleconferência - Português 04 de novembro de 2014 10h00 (Brasília) / 07h00 (US-EST) Telefone

Leia mais

Sumário do Resultado 2T09

Sumário do Resultado 2T09 Sumário do Resultado 1 BB lucra R$ 4,0 bilhões no 1º semestre de 2009 O Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 4.014 milhões no 1S09, resultado que corresponde a retorno sobre Patrimônio Líquido

Leia mais

Principais Destaques - 2T15

Principais Destaques - 2T15 Belo Horizonte, 22 de julho de 2015 O Banco INTERMEDIUM S.A., banco múltiplo, focado em Crédito Imobiliário e com atividades também nos segmentos de Consignado e Middle Market, divulga hoje seus resultados

Leia mais

Relatório de revisão de Informações Intermediárias Trimestre findo em 30 de setembro de 2013

Relatório de revisão de Informações Intermediárias Trimestre findo em 30 de setembro de 2013 Relatório de revisão de Informações Intermediárias KPDS 73221 Conteúdo Relatório da administração 3 12 Balanços patrimoniais 14 Demonstrações de resultados 15 Demonstrações das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação de Resultados 4º Trimestre, Aviso Importante: esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42.

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42. Avenida Paulista, 2.100 - São Paulo - SP CNPJ 58.160.7890001-28 Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º TRIMESTRE DE 2015

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º TRIMESTRE DE 2015 Seguindo uma linha mais conservadora, a Carteira de Crédito Expandida somou R$3,9 bilhões, apresentando redução de 6,8% no trimestre e 1,9% em 12 meses Captação totalizou R$4,1 bilhões, redução de 7,2%

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009 1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados 14 de Maio de 2009 Aviso Legal Informações e Projeções Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco de Brasília S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 19 de Agosto de 2009, foi confirmada a nota atribuída

Leia mais

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08 1T11 Disclaimer Todas as informações financeiras aqui apresentadas são consolidadas, abrangendo as demonstrações financeiras do Banco, suas controladas, a JMalucelli Seguradora, a JMalucelli Seguradora

Leia mais

sumário executivo Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2013 Análise Gerencial da Operação

sumário executivo Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2013 Análise Gerencial da Operação sumário executivo 3º trimestre de 2013 (Esta página foi deixada em branco intencionalmente) 4 Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco). Destaques (exceto onde indicado)

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONGLOMERADO PRUDENCIAL. 31 de dezembro de 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONGLOMERADO PRUDENCIAL. 31 de dezembro de 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONGLOMERADO PRUDENCIAL 31 de dezembro de 2014 Sumário BALANÇO PATRIMONIAL... 4 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO... 8 FLUXO DE CAIXA... 9 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO...

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente BCO06116 São Paulo, 7 de maio de 2014. O Banco Votorantim S.A. ( Banco ) anuncia seus resultados do primeiro trimestre () do exercício de 2014. Todas as informações financeiras a seguir, exceto se indicado

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

Divulgação dos Resultados 1T15

Divulgação dos Resultados 1T15 Divulgação dos Resultados 1T15 Sumário Resultado Itens Patrimoniais Índices Financeiros e Estruturais Guidance 2 Resultado Margem Financeira (em e %) * 1T15 / 1T14 1T15 / 4T14 1T15 / 1T14 21,1% 5,4% 21,1%

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO A Administração do Banco Industrial do Brasil S.A. (Banco Industrial) submete a vossa apreciação as Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas relativas ao semestre

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Rio de Janeiro, 09 de Agosto 2011 1 Informação importante Esta apresentação foi preparada pelo Banco Santander (Brasil) S.A., eventuais declarações

Leia mais

3º trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A.

3º trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2011 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. Índice Análise Gerencial da Operação 1 Sumário Executivo 3 Análise do Resultado 11 Margem

Leia mais

Cartões. Empresas. do 2º trimestre de 2012. Crédito Imobiliário. Seguros. Integração da Rede de Distribuição. Captação de Recursos.

Cartões. Empresas. do 2º trimestre de 2012. Crédito Imobiliário. Seguros. Integração da Rede de Distribuição. Captação de Recursos. PanAmericano S.A. CNPJ/MF nº 59.285.411/0001-13 www.bancopan.com.br RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ACIONISTAS A Administração do Panamericano S.A. ( Pan, ou Companhia ) e suas subsidiárias submete

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro Press Release Destaques Operacionais O Banrisul apresentou, nos nove meses de 2011, trajetória ascendente de crescimento no crédito. Os indicadores de inadimplência e de qualidade da carteira mantiveram-se

Leia mais

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008 Resultados do 1T08 14 de maio de 2008 Destaques do Trimestre Desenvolvimento dos Negócios Início dos desembolsos das operações de FINAME e BNDES Automático Bim Promotora de Vendas fase piloto das operações

Leia mais

Release de Resultado 4T14

Release de Resultado 4T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 4T14 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2014

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2014 BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2014 0 CONTEÚDO Visão Geral Histórico Estrutura Societária Administração Ativos e Passivos Carteira de Crédito Carteira de Captação Vencimentos:

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. BI Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 6 de agosto de 2008, foi confirmada a nota A+ atribuída ao referido banco

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente BCO06116 São Paulo, 16 de fevereiro de 2012. O Banco Votorantim S.A. ( BV ) anuncia seus resultados do quarto trimestre e ano de 2011. Todas as informações financeiras a seguir, exceto se indicado de outra

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS. O Seu Banco Parceiro 2T13

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS. O Seu Banco Parceiro 2T13 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS O Seu Banco Parceiro 2T13 Disclaimer Esta apresentação pode conter referências e declarações que representem expectativas de resultados, planos de crescimento e estratégias futuras

Leia mais

Relatório Gerencial de Resultados 1T15

Relatório Gerencial de Resultados 1T15 Índice Mensagem do Presidente...3 Estratégia Corporativa...4 Principais Informações...5 Demonstração Gerencial do Resultado...6 Análise do Resultado Gerencial...8 Margem Financeira Bruta (MFB)... 8 Carteira

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

EARNINGS RELEASE 1T12

EARNINGS RELEASE 1T12 São Paulo, 16 de maio de 2012 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa de consolidação e gestão de marcas de lifestyle e moda premium do Brasil, anuncia hoje os resultados do 1º trimestre

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

3T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas

3T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas resultados 3T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Índice Análise Gerencial da Operação 3 Sumário Executivo 5 Análise do Resultado 15 Margem Financeira Gerencial 16 Receitas

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2013

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2013 BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2013 0 CONTEÚDO Visão Geral... 02 Histórico... Estrutura Societária... Administração... Ativos e Passivos... Carteira de Crédito... Carteira

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

CONGLOMERADO FINANCEIRO

CONGLOMERADO FINANCEIRO CONGLOMERADO FINANCEIRO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2006 E 2005 ÍNDICE Demonstrações Financeiras Combinadas do Conglomerado Financeiro Alfa PÁGINA - Relatório

Leia mais

Índice de Basileia... 17

Índice de Basileia... 17 Índice Mensagem do Presidente...3 Estratégia Corporativa...4 Principais Informações...5 Demonstração Gerencial do Resultado...6 Margem Financeira Bruta (MFB)... 8 Carteira de Crédito... 9 Originação de

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

Apresentação Institucional 2012 APIMEC-SP

Apresentação Institucional 2012 APIMEC-SP Apresentação Institucional 2012 APIMEC-SP Agenda Visão Geral do Mercado Brasileiro de Crédito Descrições e Mercado de Capitais Resultados 2012 Peers Página 3 Página 7 Página 10 Página 32 Anexo Página 37

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A. Informe de Resultados em IFRS - (Release) Terceiro Trimestre de 2010 28 de outubro de 2010 DESTAQUES DO PERÍODO

Banco Santander (Brasil) S.A. Informe de Resultados em IFRS - (Release) Terceiro Trimestre de 2010 28 de outubro de 2010 DESTAQUES DO PERÍODO DESTAQUES DO PERÍODO Banco Santander (Brasil) S.A. Informe de Resultados em IFRS - (Release) Terceiro Trimestre de 2010 28 de outubro de 2010 Disclaimer: eventuais declarações que possam estar escritas

Leia mais

Banco Commercial Investment Trust do Brasil S.A. CNPJ nº 43.818.780/0001-94

Banco Commercial Investment Trust do Brasil S.A. CNPJ nº 43.818.780/0001-94 Demonstrações Financeiras Publicadas no Diário Oficial do Estado de São Paulo e Jornal Diário de Notícias em 31 de Março de 2015 ÍNDICE Balanço Patrimonial Relatório da Administração... 4 Ativo e Passivo...

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 ÍNDICE GERAL Página Demonstrativos Contábeis 02 Notas Explicativas da Administração 09 Resumo do Relatório do Comitê de Auditoria 112 Relatório dos Auditores

Leia mais

CONGLOMERADO FINANCEIRO ALFA

CONGLOMERADO FINANCEIRO ALFA CONGLOMERADO FINANCEIRO ALFA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 30 DE JUNHO DE 2015 ÍNDICE Demonstrações Financeiras Combinadas do Conglomerado Financeiro Alfa - 30 de junho de 2015 e 2014 Conteúdo -

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 09 de Setembro de 2010, foi confirmada a nota atribuída ao referido banco no

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Política de. Gestão do Risco de Liquidez

Política de. Gestão do Risco de Liquidez Política de Gestão do Risco de Liquidez 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. PERFIL OPERACIONAL DO CONGLOMERADO CRUZEIRO DO SUL 3 3. DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DO RISCO DE LIQUIDEZ 4 3.1 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Demonstrações Financeiras. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes PARECER DOS Índice Relatório da Administração... 1 Relatório dos Auditores Independentes sobre Demonstrações

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12 São Paulo, 15 de agosto de 2012 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa de consolidação e gestão de marcas de lifestyle e moda premium do Brasil, anuncia hoje os resultados do segundo

Leia mais

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2010. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no mercado de

Leia mais

Gilberto Maktas Meiches Presidente do Conselho de Administração MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DESEMPENHO DO CRÉDITO NO BRASIL

Gilberto Maktas Meiches Presidente do Conselho de Administração MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DESEMPENHO DO CRÉDITO NO BRASIL Banco Sofisa S.A. Demonstrações Financeiras Anuais Completas 2014 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Os números de 2014 do Banco Sofisa mostram evolução positiva em diversos

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

DESEMPENHO DO BANCO CARGILL

DESEMPENHO DO BANCO CARGILL DESEMPENHO DO BANCO CARGILL LUCRO LÍQUIDO (PREJUÍZO) (R$ milhões) 19 +217% ATIVOS TOTAIS (R$ milhões) +29% 566 440 6 jun/09 jun/10 jun/09 jun/10 PATRIMÔNIO REFERÊNCIA (R$ milhões) 180 156 +15% CARTEIRA

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02068-0 BANCO SOFISA S.A. 60.889.128/0001-80 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02068-0 BANCO SOFISA S.A. 60.889.128/0001-80 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CVM - COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 30/06/2008 INSTITUIÇÃO FINANCEIRA Reapresentação Espontânea Divulgação Externa Legislação Societária

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais