COLÉGIO OFÉLIA FONSECA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLÉGIO OFÉLIA FONSECA"

Transcrição

1 COLÉGIO OFÉLIA FONSECA A MOBILIDADE POR BICICLETA NA CIDADE DE SÃO PAULO Gabriel Gorski Junqueira Paiva SÃO PAULO 2012

2 Gabriel Gorski Junqueira Paiva A MOBILIDADE POR BICICLETA NA CIDADE DE SÃO PAULO Trabalho realizado e apresentado sob a orientação do Professor Carlos Henrique, da disciplina de Matemática. 2

3 DEDICATÓRIA Aos meus pais, Sandra e Lamartine, pela educação e apoio. Aos meus amigos e familiares, que estiveram presentes no decorrer da produção deste trabalho. 3

4 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais que me ajudaram com a difícil tarefa de realizar este trabalho com um prazo tão limitado de tempo e ao meu orientador, professor Carlos Henrique. 4

5 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO O USO DA BICICLETA NAS CIDADES ALGUNS EXEMPLOS DE SEU USO DESENVOLVIMENTO COMO INTRODUZIR A BICICLETA AS VANTAGENS PARA A CIDADE AS VERDADES SOBRE A INCORPORAÇÃO DA BICICLETA O PLANO DIRETOR CICLOVIÁRIO A BICICLETA NA CIDADE DE SÃO PAULO CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA

6 1. INTRODUÇÃO 1.1 O USO DA BICICLETA NAS CIDADES Mesmo que os motivos que nos levem à incorporação de um plano cicloviário sejam diversos, o resultado positivo é o mesmo, como a redução da poluição, que também leva à melhoria da saúde da população, melhora a locomoção nas cidades, diminuindo o custo e o tempo dos deslocamentos urbanos. Dependendo do meio de transporte utilizado, o espaço ocupado pelo ser humano varia, sendo o pedestre o que menos ocupa espaço, seguido por metrô e trem, pela bicicleta, o ônibus e por ultimo os automóveis que chegam a ocupar em média com 1,2 ocupantes a bordo dez vezes mais espaço urbano do que a bicicleta. É importante lembrar ainda que a área de abrangência das bicicletas é quinze vezes mais extensa do que a de um pedestre. A bicicleta consegue ser ainda mais eficiente quando integrada aos diferentes sistemas de transporte público urbano de massa, possibilitando maior agilidade no deslocamento em distâncias curtas. Uma opção para que esse tipo de integração possa acontecer são os bicicletários, com ênfase para aqueles onde é oferecido o aluguel de bicicletas via cartão de crédito. Onde se pode alugar uma bicicleta devolvê-la, e chegando a uma outra estação alugar uma bicicleta novamente, tendo assim mais portabilidade. Como acontece em Paris com o Velib, sistema que possui a cada 350 metros um posto de atendimento com em média 10 bicicletas disponíveis para a locação, modelo que é seguido em diversas outras cidades europeias, norte americanas e australianas. Modelo de bicicletário parisiense do sistema Velib. Imagem 1 6

7 1.2 ALGUNS EXEMPLOS DE SEU USO Hoje em dia a capital colombiana, Bogotá, depois de passar por uma total reestruturação na malha de transporte urbano, implantando um grande sistema de corredores de ônibus semelhante ao BRT de Curitiba, PR e uma ampla rede de ciclovias integradas aos sistemas de transporte, totalizando, até o ano de 2010, 500 quilômetros de ciclovias. Cidades com população entre 100 e 250 mil habitante, são as que possuem maior estrutura para as bicicletas, fator que nos mostra o potencial das bicicletas nas cidades brasileiras independentemente do porte das cidades. Como nos demonstra a tabela abaixo. O sistema cicloviário brasileiro tem passado por significativos avanços, lembrando que antes a bicicleta era tratada quase somente como um intruso, e os investimentos ligados a esse meio de transporte eram quase risórios. Tivemos um aumento de 250 para cerca de quilômetros de ciclovias de 2001 a E se em 2001 eram apenas 60, o número de cidades que possuem algum tipo de estrutura para bicicletas passou a ser 279 em Já existem sistemas semelhantes ao Velib, de Paris, funcionando no Rio de Janeiro e em São Paulo, por exemplo. No Rio o SAMBA, projeto criado pela prefeitura em parceria com o Banco Itaú, conta com 60 estações e 600 bicicletas, e tem como principal objetivo funcionar como uma espécie de ponte entre os sistemas de transporte coletivo. Em Sorocaba, no interior do estado de São Paulo, com população de aproximadamente 575 mil habitantes, existem atualmente cerca de 100 quilômetros de ciclovias que integram a cidade de forma praticamente integral. Na cidade portuária de Santos, SP, existem quase 20 quilômetros de ciclovias, enquanto na cidade vizinha do Guarujá, são 30 quilômetros. A cidade insular com cerca de 250 mil habitantes, tem uma frota de 70 mil automóveis e uma frota de 90 mil bicicletas 12. Em Ubatuba, litoral norte paulista são mais de 40 quilômetros de ciclovias, bem sinalizados e orientados, bicicletários espelhados por diversos pontos da malha cicloviária e um total de 70 mil bicicletas para uma população de 80 mil habitantes. A capital acriana de Rio Branco, na região norte de país, com uma população de 300 mil habitantes, conta com 60 quilômetros de ciclovias, com mais 100 km projetados, com integração ao sistema de ônibus. 7

8 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 COMO INTRODUZIR A BICICLETA Os planos cicloviários devem estar presentes nos planos diretores e de transportes das grandes cidades, pois promovem melhorias ao meio ambiente e a inclusão e integração social. Um plano cicloviário completo integra todos os sistemas de transporte, enfatizando os sistemas de transporte coletivo, servindo como forma de deslocamento intermediário principalmente para distâncias curtas. É de indiscutível importância e necessidade, a garantia da segurança dos ciclistas e a aplicação e possíveis aperfeiçoamentos da legislação existente. O estimulo ao uso da bicicleta é fundamental, assim como sem o planejamento necessário, que deve visar a maior integração possível com tudo o que já existe na malha viária de uma cidade buscando as soluções mais viáveis quando se diz respeito a não gerar prejuízos aos outros meios de transporte e buscar os melhores caminhos para o traçado das ciclovias. 2.2 GANHOS PARA A CIDADE As vantagens da implantação das bicicletas e de um plano cicloviário, para uma cidade, são muitas. Que vão desde ganhos sociais, ambientais e com relação à saúde e à segurança da população, até vantagens financeiras. A implantação de um plano cicloviário no dia-a-dia de uma cidade melhora a qualidade de vida da sua população de forma geral. Os congestionamentos diminuem significativamente. E com o uso em massa das bicicletas, gasta-se menos com combustível e polui-se menos, gastando-se menos com a saúde pública. Além disso por incluir-se um tipo de atividade física, na rotina dos habitantes, pode-se obter uma melhora na saúde da população em geral, e consequentemente o índice de obesidade e problemas cardiorrespiratórios, entre outras doenças, cai. Os ganhos em relação ao meio ambiente, são quase incalculáveis, pois as vantagens são tão significativas e tão maiores em relação ao carro, que levam à bicicleta ao primeiro lugar na lista de meios de transportes amigos do meio ambiente. 2.3 AS VERDADES SOBRE A INCORPORAÇÃO DA BICICLETA NAS CIDADES A topografia e o clima, não podem ser usados como desculpas para a não implantação dos planos cicloviários. Desde que todos os pontos sejam bem analisados e levados em consideração na execução do plano. Ele tem que atender à cidade em sua totalidade, a fim de que possa realizar o trajeto de maneira mais rápida possível e que haja a total integração ao transporte público coletivo. A chuva, causadora de grandes congestionamentos, principalmente na cidade de São Paulo, e da diminuição da velocidade dos sistemas de transporte coletivo, afeta em menor proporção ao ciclista, que quando bem preparado, pode esperar o término de uma chuva rápida e 8

9 seguir sua viagem com normalidade. O plano cicloviário deve prever a implantação de radares e lombadas eletrônicas, moderadores de velocidade, uma sinalização profundamente estudada e que passe por manutenção contínua, além da educação e conscientização dos ciclistas e do restante da população, sejam motoristas, transeuntes etc. Os espaços urbanos devem estar bem delimitados e sinalizados, aumentando-se assim a segurança de todos. O mais indicado é que a bicicleta seja posicionada ao lado dos pedestres, pois serviria como escudo no caso de uma possível colisão com um veículo automotor, depois das bicicletas estariam os carros, os caminhões e os ônibus, tornando assim possível a convivência entre os meios de transporte e sem deixar de considerar-se a massa e velocidade de cada um deles. 2.4 O PLANO DIRETOR CICLOVIÁRIO O plano diretor cicloviário, é um plano estabelecido como base para qualquer projeto que se relacione com a mobilidade por bicicleta na cidade. A partir da criação desse plano todos os projetos que surjam devem leva-lo em consideração. Por isso é tão grande a sua importância. Os principais objetivos desse plano são, conseguir integrar a bicicleta aos outros meios de transporte, atingir um modelo urbano que agilize e barateie o deslocamento por bicicleta e que inclua toda a reestruturação necessária para que a bicicleta possa ser incluída na vida da cidade. Existem dois tipos de vias destinadas única e exclusivamente às bicicletas: As ciclovias: Totalmente separadas do tráfego de veículos motorizados, podendo ser construídas tanto na própria via, junto aos veículos motorizados, como em canteiros centrais de avenidas, ou em praças ou parques. Modelo de ciclofaixa holandesa, em Amsterdam. Imagem 2 9

10 E as ciclofaixas: As ciclofaixas são construídas somente junto às outras vias, sendo menos isoladas do que as ciclovias e usualmente possuem um único sentido. Que preferencialmente, devem ter destaque, usando pavimentos com combinações de cores e materiais diferentes dos destinados aos automóveis motores. Cruzamentos: Sempre quando um ou mais, diferentes meios de transporte se cruzar com uma ciclovia ou ciclofaixa, a continuidade do percurso deve ser muito bem sinalizada e priorizada, preferencialmente usando cores e materiais diferentes no pavimento, assim como ocorre com as faixas de pedestre. Os semáforos muitas vezes são necessários em cruzamentos mais movimentados, mas em caso de sua ausência, as bicicletas devem ter a preferência assim como ocorre com os pedestres nas faixas de segurança. A preferência no trânsito deve ser do pedestre em relação às bicicletas e do ciclista em relação aos automóveis. Os paraciclos ou como são mais conhecidos, os bicicletários, são utilizados para o estacionamento das bicicletas. Neles são deixadas bicicletas em locais de grande fluxo de pessoas, como estações de metrô e trem, paradas de ônibus, praças, parques, universidades, Shopping Centers, Colégios e entre outros. Exemplos de deiferenciação da sinalização dos pavimentos. Em cruzamentos na cidade de São Paulo do lado esquerdo Imagem 3 e Curitiba do lado direito. Imagem 4 10

11 2.5 A BICICLETA NA CIDADE DE SÃO PAULO Passaram-se muitos anos e até hoje os problemas urbanos de São Paulo ainda não foram resolvidos, e a realidade é ainda mais desanimadora quando o assunto pautado são as bicicletas. Os investimentos realizados em geral priorizam o automóvel, e os investimentos com transporte de massa, pedestre e bicicleta, que visam o bem-estar geral da população, só começaram a surgir para valer há poucos anos atrás. Resumindo, pouco trabalho foi feito até hoje, e quanto mais se demorarem em fazê-lo, mais caótica estará a cidade e mais difícil será realizá-lo. Temos em funcionamento em nossa cidade as poucas ciclovias, que normalmente não cumprem o papel de interligação entre os outros meios de transporte; e as ciclofaixas de lazer que funcionam aos fins de semana interligando alguns parques por algumas avenidas da megalópole. Porém os dois projetos mais promissores e que realmente parecem visar à bicicleta como meio de locomoção ágil e barato, e que possa interligar aos outros módulos de transporte (coletivo), são os projetos, Bike Sampa, do banco Itaú e o projeto da seguradora Porto Seguro. Exemplo de estação de aluguel de biciclta do sistema Bike Sampa. Imagem 5 O Bike Sampa, inspirado no irmão carioca, Bike Rio, se trata de um sistema de aluguel de bicicletas em bicicletários espalhados por alguns pontos da cidade. O projeto funciona de modo que ao retirar à bicicleta em uma das estações, o usuário pode devolvê-la em qualquer outra. Os primeiros trinta minutos são gratuitos, e após esse período, são cobrados cinco reais a cada meia hora. As bicicletas ficam à disposição dos usuários todos os dias da semana, das seis às 22 horas. O Bike Sampa é uma iniciativa do banco Itaú em parceria com a Prefeitura de São Paulo e a Serttel/Samba, empresa que também é parceira do Bike Rio. O acordo prevê até o final deste 11

12 ano, mil bicicletas divididas em 100 estações, cada uma com cerca de dez bicicletas. A expansão do projeto começará pela região do Parque do Ibirapuera e da Avenida Paulista, considerados ícones paulistanos. A etapa seguinte será na região da Zona Leste que já está sendo mapeada, a promessa é que em três anos, contaremos com 300 estações e três mil bicicletas à disposição em diferentes pontos da cidade. A proposta é conectar as modalidades de transporte público na cidade ao uso das bicicletas, facilitando o acesso a elas por meio de um sistema de uso compartilhado em paradas que deverão ficar a um máximo de um quilômetro de distância uma da outra e estarão próximas às estações de metrô. As bicicletas estarão integradas entre as estações, o que vai trazer um ganho na qualidade de vida, na mobilidade e nas políticas públicas de sustentabilidade na cidade de São Paulo, afirmou o prefeito de São Paulo Gilberto Kassab. Até o fim deste ano, está prevista a implantação de 100 estações na cidade, cada uma com cerca de dez bicicletas. De acordo com Branco, a expansão do projeto começará pela região do Parque do Ibirapuera. O primeiro núcleo será ampliado para o Parque Ibirapuera e para a Avenida Paulista, ícones da cidade. A etapa seguinte será na região da Zona Leste que já está sendo mapeada, explicou. Os ciclistas contam em São Paulo com 182,7 quilômetros de vias específicas para o uso das bicicletas. São 54,4 km de ciclovias e 67 km de ciclofaixas operacionais de lazer. A Ciclofaixa de Lazer da Zona Sul liga os parques das Bicicletas, do Ibirapuera, do Povo, Villa-Lobos, Avenida Chedid Jafet, Rua Funchal, Avenida Eng. Luís Carlos Berrini e Avenida Jornalista Roberto Marinho. A Ciclofaixa de Lazer da Zona Norte possui 8 km de extensão (4 km em cada sentido). Ela liga a Praça Heróis da F.E.B. a Estação Parada Inglesa do Metrô. Já a Ciclofaixa de Lazer da Zona Leste, com 14 km de extensão, foi implantada na avenida Governador Carvalho Pinto onde está situado o Parque Linear Engº Werner Zuluaf - Tiquatira, passando também pelas Avenidas Dom Hélder Câmara e Calim Eid. São Paulo também possui 3,3 km da ciclofaixa Definitiva de Moema em operação 24 horas por dia e todos os dias da semana. O trecho compreende as avenidas Rouxinol e Aratãs entre a Rua Araguari e Al. Anapurus, as avenidas Pavão e Irai entre Rua Araguari e Al. Anapurus, e a rua Araguari entre Av. Pavão e Rua Rouxinol. A cidade ainda possui 58 km de rotas de Bicicleta, que consistem nas ruas já utilizadas por ciclistas que circulam nas bordas da via junto com o tráfego geral e que recebem sinalização vertical e horizontal (placas e pintura de pictogramas no solo), alertando os motoristas sobre a presença e a prioridade a ser dada ao tráfego ciclístico, além da adoção de velocidade veicular em 30 Km/h. 12

13 A Prefeitura se prepara para a implantação de mais 55 quilômetros de ciclovias, ciclofaixas, calçadas compartilhadas entre pedestres e ciclistas e rotas de bicicletas. Os locais escolhidos foram apontados pela Pesquisa Origem e Destino realizada pelo Metrô em 2007 como os que mais registram viagens de bicicletas feitas por motivo de trabalho. Fazem parte dos projetos em andamento os 26 km de vias específicas no Jardim Helena, na Zona Leste, que irão ligar a estação de trem São Miguel Paulista (CPTM), Jardim Helena, Itaim Paulista, Guaianases e a Estação Itaquera do Metrô; 17 km que irão do Jardim Brasil, Zona Norte, no limite de São Paulo (próximo à Rodovia Fernão Dias) até a Estação Tucuruvi do Metrô, passando pelas avenidas Edu Chaves, Mendes da Rocha, Luís Stamatis, entre outras; e 12 Km no Grajaú/Cocaia, na Zona Sul, incluindo a Av. Dona Belmira Marin, Senador Teotônio Vilela, R. Oscar Andrade Melo até atingir a Av. Robert Kennedy. 1 A empresa Porto Seguro, juntamente com a Estapar empresa de estacionamentos criou um projeto onde seus assegurados podem pegar bicicletas emprestadas em alguns dos estacionamentos Estapar. O empréstimo é feito de forma gratuita, com devoluções até às 20 horas, e o estacionamento de bicicletas, é gratuito para assegurados e custa dois reais para não assegurados, por um período de até 12 horas. Além dos empréstimos a Porto Seguro, realiza a venda de bicicletas e ainda oferece seguro para as magrelas, na aquisição do seguro-auto. Os modelos vendidos pela seguradora são, a bicicleta Felisa, com motor elétrico movido por uma bateria de lítio, e que pode ser recarregada na tomada, vendida por reais, e com alguns descontos para assegurados; e a bicicleta dobrável que sai por reais também com descontos para assegurados. 1 Dados retirados de: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/portal/a_cidade/noticias/index.php?p=49726> Acesso em: 30 out

14 3. CONCLUSÃO São Paulo, como qualquer outra cidade de proporções gigantescas, tem um enorme potencial de implantar as bicicletas ao seu dia-a-dia. E para termos a malha cicloviária que necessitamos, temos uma coisa que podemos tomar como certa, precisamos começar. O mais interessante e o que mais pode trazer resultados, a curto prazo, são as ciclovias ou ciclofaixas voltadas ao lazer. Pois é a partir do lazer que poderemos recrutar novos ciclistas. As ciclofaixas mais atraentes são aquelas que integram diferentes parques da cidade, pois interligando-os, geram uma nova alternativa de lazer. Obras de adequação da ciclovia da Avenida Sumaré em São Paulo. Imagem 6 A médio e longo prazo, as mais atraentes opções são pelos sistemas de empréstimos de bicicleta que se complementam através das estações do Bike Sampa, mas para que o sistema possa ser mais proveitoso, a interligação da cidade por caminhos exclusivamente ciclísticos é necessária. Devemos ter novas estações de aluguel e ao mesmo tempo que ciclofaixas e ciclovias as complementariam. O objetivo principal da bicicleta é servir como módulo de locomoção para distâncias curtas, interligando estações do sistema de transporte público às outras áreas da cidade. Toda a cidade deve receber aos caminhos para bicicleta e de alguma forma a partir de qualquer ponto da mesma, o sistema de transporte público deve poder ser acessado. Para que isso seja possível não são somente ciclovias ou ciclofaixas que devem ser construídos, mas também a rede de Metrô e de trens da CPTM deve ser ampliada. Só assim a demanda será atendida satisfatoriamente, um módulo acaba por complementar ao outro e unidos 14

15 possibilitam à integração total da cidade por meios que diferem ao automóvel, e de forma mais sustentável. Na cidade de São Paulo, para que o transporte cicloviário seja aceito e bem aproveitado pela população, devem ser feitas campanhas para o uso das bicicletas, educando o povo quanto à forma de usá-las e comportar-se diante delas, e dando ênfase, principalmente no começo da implantação das ciclovias, aos domingueiros das bicicletas. Aqueles que a usam como opção de lazer, principalmente nos finais de semana. Nesse caso ocorre algo semelhante ao que acontece com os novos motoristas nas grandes cidades, que para adaptarem-se, aos poucos, procuram sair somente nos fins de semana em vias menos movimentadas, pois assim sentem-se mais seguros. Na Europa existem multas pesadas relativas a infrações no trânsito para todos os envolvidos, gerando um respeito maior em relação a lei, consequentemente trazendo melhor convivência entre todos. Aqui em São Paulo, ou em outras cidades brasileiras, o cinto de segurança, por exemplo, só passou a ser usado, em massa, pela população depois de muita fiscalização e penalização através de multas. Seguindo esses modelos, para que pudéssemos ter uma convivência harmônica, a fiscalização teria que ser pesada e as multas cobradas, serviriam também como uma forma de educar à população em geral. Campanhas de educação no trânsito devem ser implantadas para que todos possam desfrutar da bicicleta, acidentes possam ser evitados e para que ninguém saia prejudicado. Além de poderem disponibilizar folhetos, instalar faixas e placas de sinalização, os órgãos responsáveis poderiam enviar orientadores às ruas, para que principalmente nos primeiros meses de adaptação, tivéssemos a maior orientação possível. Tudo o que já foi feito é válido e benéfico, mas não chega nem aos pés do objetivo final, temos ainda muito, mas muito trabalho pela frente, mas se a iniciativa pública podendo inclusive beneficiar-se de parcerias público-privadas fizer a sua parte, algum dia poderemos usufruir de uma cidade muito mais inteligente e eficaz tratando-se da mobilidade do cidadão. A gama de benefícios é muito extensa, e como já mencionado atravessa assuntos, desde relacionados ao meio ambiente e saúde, até relacionados à economia e qualidade de vida da população. E se pudéssemos aproveitá-la resolveríamos inclusive alguns problemas sociais com os que sofremos. A bicicleta já pode ser considerada uma realidade em algumas cidades do mundo, que já usufruem de suas qualidades. Considerada sinônimo de qualidade de vida, poderia transformar à realidade paulistana e de qualquer outra cidade. E você já parou para pensar o quanto utiliza à bicicleta em seu dia-a-dia? Normalmente as respostas não são muito animadoras, mas o principal responsável para que isso ocorra, é a falta de infraestrutura. Se tivéssemos uma rede cicloviária, mínima que fosse, poderíamos aproveitá-la. A saída é recorrer aos nossos representantes, os políticos, e cobrar-lhes a mudança 15

16 4. BIBLIOGRAFIA Imagens: Imagem 1 <http://hipparis.com/wp-content/uploads/2009/08/img_ jpg> Imagem 2 <http://lesoliveira.net/02mp/wp-content/uploads/2011/01/dsc00331.jpg> Imagem 3 <http://www.gazetadopovo.com.br/blog/irevirdebike/?id= &tit=neste-domingotem-o-2-circuito-ciclofaixa-de-lazer> Imagem 4 <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/64699-ciclorrota-turistica-ja-tem-espacodisputado-por-pedestres-e-ciclistas.shtml> Imagem 5 <http://www.prefeitura.sp.gov.br/portal/a_cidade/noticias/index.php?p=49726> Imagem 6< 16

17 INSTITUTO DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE. In: a bicicleta e as cidades: Como inserir a bicicleta na política de mobilidade urbana Caps. 4 e 5. Endereços consultados: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/portal/a_cidade/noticias/index.php?p=49726> Acesso em: 30 out <http://www.mobilicidade.com.br/bikerio.asp> Acesso em: 30 out <http://www.urbes.com.br/transito-ciclovias> Acesso em: 30 out <http://www.redebrasilatual.com.br/revistas/71/cidades/view> Acesso em: 30 out <http://g1.globo.com/brasil/noticia/2011/01/litoral-de-sao-paulo-tem-266-km-de-ciclovias.html> Acesso em: 31 out <http://colunas.cbn.globoradio.globo.com/platb/miltonjung/2009/03/14/parques-serao-unidospor-ciclovias-em-sao-paulo/> Acesso em: 01 nov <http://g1.globo.com/globo-news/saude/videos/t/todos-os-videos/v/dado-villa-lobos-usa-abicicleta-para-controlar-o-diabetes/ /> Acesso em: 01 nov <http://www.mobilicidade.com.br/bikesampa.asp> Acesso em: 01 nov <http://ww2.itau.com.br/sustentabilidade/_/no-seu-dia-a-dia/bibliotecavirtual/materias.aspx?pagina=mat-bike-sampa> Acesso em: 02 nov <http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/noticias/2012/05/25/itau-patrocinaprojeto-bike-sampa.html> Acesso em: 02 nov <http://www.estapar.com.br/noticias.asp?codigo=145> Acesso em: 04 nov <http://www.portoseguro.com.br//portal/site/institucional/menuitem.98f91bb406fb363ada7bbc81 dc8141a0/?vgnextoid=061b910da51f4310vgnvcm100000cd18140arcrd&vgnextchannel=6ef 31a8c VgnVCM100000cd18140aRCRD> Acesso em: 04 nov

Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012

Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012 Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012 Rede Cicloviária Leblon: O Leblon, passa por uma fase de intensas mudanças, com as obras da linha 4 do Metrô o trânsito do bairro sofreu e sofrerá várias alterações

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

Yes, Zaqueu Proença. Sonho de

Yes, Zaqueu Proença. Sonho de Yes, Zaqueu Proença Sonho de consumo 92 nós temos ciclovias nelson toledo Aos poucos, as bikes começam a ganhar um espaço nas políticas de trânsito de diversas cidades brasileiras. Saiba onde você pode

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA: RELEVÂNCIA DAS AÇÕES EM FAVOR DA BICICLETA São Paulo, 18 de junho de 2012

RELATÓRIO DA PESQUISA: RELEVÂNCIA DAS AÇÕES EM FAVOR DA BICICLETA São Paulo, 18 de junho de 2012 RELATÓRIO DA PESQUISA: RELEVÂNCIA DAS AÇÕES EM FAVOR DA BICICLETA São Paulo, 18 de junho de 2012 ÍNDICE: I. APRESENTAÇÃO E OBJETIVOS DO PROJETO II. METODOLOGIA DAS RESPOSTAS III. UNIVERSO DA PESQUISA IV.

Leia mais

Plano Cicloviário do Município de São Paulo. Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego

Plano Cicloviário do Município de São Paulo. Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego Plano Cicloviário do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego Plano Cicloviário do Município de São Paulo Dados existentes Dados da Pesquisa Origem

Leia mais

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

Job 150904 Setembro / 2015

Job 150904 Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

Desenho de secções de infra-estrutura cicloviária

Desenho de secções de infra-estrutura cicloviária Desenho de secções de infra-estrutura cicloviária Eng. Jeroen Buis I-ce, Interface for Cycling Expertise (www.cycling.nl) buis_j@yahoo.com Curso Planejamento Cicloviário Dia 1 Rio de Janeiro, 26 de Novembro

Leia mais

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!!

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Prefira o transporte público. Além de ser menos poluente, você evitará parte do estresse do dia-a-dia; Use bicicleta ou caminhe sempre que possível.

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO Projeção de crescimento populacional Demanda de energia mundial Impacto ao meio ambiente projeções indicam que os empregos vão CONTINUAR no centro EMPREGOS concentrados no CENTRO

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 44/4 Setembro/04 Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

PROJETO CICLOROTA DO GRAJAÚ

PROJETO CICLOROTA DO GRAJAÚ O projeto de ciclorota do Grajaú integra escolas, áreas de lazer, pontos de ônibus e comércio e permeia bem o bairro. Possui soluções inovadoras para a cidade do Rio de Janeiro como as bicicletas pintadas

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU Adriele Borges da Silva¹; Tatiana Romani Moura²; RESUMO: O presente trabalho tem por finalidade apresentar um estudo e

Leia mais

Av. Eliseu de Almeida. Projeto de Restauração do Pavimento. Projeto de Ciclovia e sinalização horizontal de interferência urbana

Av. Eliseu de Almeida. Projeto de Restauração do Pavimento. Projeto de Ciclovia e sinalização horizontal de interferência urbana Av. Eliseu de Almeida Projeto de Restauração do Pavimento Projeto de Ciclovia e sinalização horizontal de interferência urbana Índice Introdução Objetivo Projeto de Restauração Projeto de Ciclovia Sinalização

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) Institui o Programa Bicicleta Brasil, para incentivar o uso da bicicleta visando a melhoria das condições de mobilidade urbana. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

11 ideias para ciclovias mais seguras

11 ideias para ciclovias mais seguras 11 ideias para ciclovias mais seguras Legislação Política Nacional de Mobilidade Urbana A Política Nacional de Mobilidade Urbana é orientada pelas seguintes diretrizes: II prioridade dos modos de transportes

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio:

para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio: BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta BH tem espaço para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio: Índice Quando você estiver pedalando. 04 Quando você estiver dirigindo. 10 Algumas

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO NO BAIRRO DA TIJUCA RIO DE JANEIRO

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO NO BAIRRO DA TIJUCA RIO DE JANEIRO MOBILIDADE INICIATIVAS INSPIRADORAS PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO NO BAIRRO DA TIJUCA RIO DE JANEIRO ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 PERFIL DO BAIRRO 3 PRINCIPAIS ENVOLVIDOS NO PLANEJAMENTO DA REDE CICLOVIÁRIA DA TIJUCA

Leia mais

EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO PLANOS DE MOBILIDADE EM PORTO ALEGRE/RS SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIDADE E MOBILIDADE

EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO PLANOS DE MOBILIDADE EM PORTO ALEGRE/RS SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIDADE E MOBILIDADE EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO PLANOS DE MOBILIDADE EM PORTO ALEGRE/RS SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIDADE E MOBILIDADE PORTO ALEGRE, NOVEMBRO DE 2012 EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

Mobilidade ativa A bicicleta nas cidades do século XXI. Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana Brasília, setembro de 2015

Mobilidade ativa A bicicleta nas cidades do século XXI. Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana Brasília, setembro de 2015 Mobilidade ativa A bicicleta nas cidades do século XXI Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana Brasília, setembro de 2015 Sobre o ITDP Organização social sem fins lucrativos Sede em Nova York, presente

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 1566/10 Setembro/ Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 16 anos ou mais

Leia mais

Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável.

Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável. Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável. Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro

Leia mais

Título: Faixas exclusivas à direita e ciclovias: São Paulo, por uma mobilidade sustentável.

Título: Faixas exclusivas à direita e ciclovias: São Paulo, por uma mobilidade sustentável. Título: Faixas exclusivas à direita e ciclovias: São Paulo, por uma mobilidade sustentável. Autor: Tadeu Leite Duarte Arquiteto e Urbanista, Licenciado em Matemática pela Universidade Guarulhos, Diretor

Leia mais

TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA

TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA Porto Alegre Junho/2012 1 TESTE DE PONTOS CRÍTICOS PARA IMPLANTAÇÃO DA FUTURA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA, EM PORTO ALEGRE O Laboratório de Políticas Públicas e Sociais (Lappus),

Leia mais

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Cristiane Biazzono Dutra¹ 1) Prefeitura do Município de Londrina; Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina

Leia mais

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013 Mobilidade Suave Humanização de Cidades outubro 2013 Estratégias Urbanas Planos de Revitalização Planos de Mobilidade Planos Cicloviários e Pedonais Espaços Públicos Projetos Viários e Cicloviários Parques

Leia mais

Segurança Viária em Corredores de Ônibus e BRT. Luis Antonio Lindau, PhD Presidente

Segurança Viária em Corredores de Ônibus e BRT. Luis Antonio Lindau, PhD Presidente Segurança Viária em Corredores de Ônibus e BRT Luis Antonio Lindau, PhD Presidente Afinal: queremos mover gente ou veículos? Então, por que construímos isso? Quem afetamos com as decisões? Automóveis Automóveis

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP JUNHO 2013 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 10,1 milhões viagens 56% Individual 7,9 milhões viagens 44% DIMENSÃO DO DESAFIO EM

Leia mais

DEFESA DE DISSERTAÇÃO

DEFESA DE DISSERTAÇÃO Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Mestrado DEFESA DE DISSERTAÇÃO Jilmar Augustinho Tatto jilmar.tatto@uol.com.br COMISSÃO JULGADORA Professor Dr. Eduardo Mário Dias (Orientador) Professor

Leia mais

PROGRAMA DE MOBILIDADE NÃO MOTORIZADA PARA O ESTADO DA BAHIA

PROGRAMA DE MOBILIDADE NÃO MOTORIZADA PARA O ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MOBILIDADE NÃO MOTORIZADA PARA O ESTADO DA BAHIA DIURB - Diretoria de Equipamentos e Qualificação Urbanística SUDEN - Superintendência de Desenvolvimento Urbanístico COISP - Coordenação de

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 2º BIMESTRE / 2015

ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 2º BIMESTRE / 2015 Disciplina OFICINA DE LEITURA E ESCRITA Curso ENSINO FUNDAMENTAL II Professor CARLOS CONTE Série 8º ANO ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 2º BIMESTRE / 2015 Aluno (a): Número: 1 - Conteúdo: gênero

Leia mais

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE introdução Das temáticas de crise das grandes cidades nos dias de hoje, uma das questões mais contundentes é a mobilidade urbana. A cidade de São Paulo, metrópole que sofre

Leia mais

considerações ciclocidade: 400 km de ciclovias, projeto piloto e eliseu de almeida jun/2014

considerações ciclocidade: 400 km de ciclovias, projeto piloto e eliseu de almeida jun/2014 1 CONSIDERAÇÕES DA CICLOCIDADE A RESPEITO DO PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DE 400 KM DE CICLOVIAS, O PROJETO PILOTO NO CENTRO DE SÃO PAULO E A CICLOVIA DA ELISEU DE ALMEIDA No dia 04 de Junho de 2014 a Prefeitura

Leia mais

Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas?

Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas? Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas? Uma contribuição - INCT Observatório das Metrópoles - Projeto: Metropolização e Mega-eventos: os impactos da Copa do Mundo/2014

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta.

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta. Mobilidade cicloviária em Campus Universitário. Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 ; Suely da Penha Sanches 1 1: Universidade Federal de São Carlos, Rodovia Washington Luis, km 235 13565-905 São Carlos,

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

CICLOFAIXA BARÃO DE MESQUITA. Tijuca

CICLOFAIXA BARÃO DE MESQUITA. Tijuca CICLOFAIXA BARÃO DE MESQUITA Tijuca PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos Secretaria Municipal de Meio Ambiente Secretaria Municipal de Transportes Agosto

Leia mais

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS MOBILIDADE URBANA Na região Metropolitana de Florianópolis e o PLAMUS Superintendência da Região Metropolitana da Grande Florianópolis CIDADE DO AUTOMÓVEL CIDADE PARA PESSOAS RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO Espaço

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE BICICLETAS COM O SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO NO RIO DE JANEIRO

INTEGRAÇÃO DE BICICLETAS COM O SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO NO RIO DE JANEIRO 18ª REUNIÃO DOS COMITÊS TÉCNICOS DA ALAMYS INTEGRAÇÃO DE BICICLETAS COM O SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO NO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro, 20/05/2013 Mauro Tavares M. Sc. Eng. de Transportes SETRANS Mobilidade

Leia mais

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris.

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Thiago Máximo É preciso pensar a mobilidade urbana, como um sistema. Muitas vezes a questão da circulação nas grades cidades é pensada apenas para sanar problemas

Leia mais

CICLOVIAS EM SP INTEGRANDO E FAZENDO O BEM PARA A CIDADE

CICLOVIAS EM SP INTEGRANDO E FAZENDO O BEM PARA A CIDADE CICLOVIAS EM SP INTEGRANDO E FAZENDO O BEM PARA A CIDADE AGOSTO 2014 PROGRAMA DE METAS IMPLANTAR UMA REDE DE 400KM DE VIAS CICLÁVEIS. PROPICIA MAIOR EQUIDADE NO USO DA VIA PÚBLICA GANHOS SOCIO-AMBIENTAIS

Leia mais

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro Paulo S.

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

1ª OFICINA CO-LABORATIVA DO SISTEMA CICLOVIÁRIO

1ª OFICINA CO-LABORATIVA DO SISTEMA CICLOVIÁRIO de Mobilidade 1ª OFICINA CO-LABORATIVA DO SISTEMA CICLOVIÁRIO MAPEAMENTO DAS CICLOVIAS EXISTENTES MAIO. 2015 OBJETIVOS OBJETIVO PRINCIPAL CRIAÇÃO DE UM MAPA CICLOVIÁRIO UNIFICADO DO DISTRITO FEDERAL OBJETIVOS

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO Aline Amaral Silva; Amanda Barbosa Borges; Amir mahdi Araghi; Gabriel Carvalho; Surik Neytohn Duque Nicols Prof. Pastor W. G. Taco O estudo contemplou o

Leia mais

PLANO CICLOVIÁRIO PARA A BARRA DA TIJUCA Integração Com os transportes Coletivos. Parte 02 ISABELA SARAMAGO DE ARAUJO

PLANO CICLOVIÁRIO PARA A BARRA DA TIJUCA Integração Com os transportes Coletivos. Parte 02 ISABELA SARAMAGO DE ARAUJO PLANO CICLOVIÁRIO PARA A BARRA DA TIJUCA Integração Com os transportes Coletivos Parte 02 ISABELA SARAMAGO DE ARAUJO RIO DE JANEIRO 10/08/2014 DIAGNÓSTICO DAS CICLOVIAS EXISTENTES NA BARRA DA TIJUCA E

Leia mais

ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO

ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano do Recife (SEMOC) Implantação 11 de dezembro,

Leia mais

Belo Horizonte: em direção à

Belo Horizonte: em direção à Belo Horizonte: em direção à mobilidade d sustentável tá INDICADORES DA MOBILIDADE URBANA EM BELO HORIZONTE 3,8 milhões de viagens/dia, 44% pelo transporte coletivo 6,3 milhões viagens/dia na RMBH 1,6

Leia mais

Parte I Conceitos gerais e legislação pertinente

Parte I Conceitos gerais e legislação pertinente Fundação João Pinheiro Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho Gerência de Capacitação de Treinamento Curso: Introdução à Elaboração de Projetos Projetos de Mobilidade Urbana Natalia Mol Conteúdo

Leia mais

Critérios de análise e medidas visando a integração de sistemas de transporte público coletivo e bicicletas

Critérios de análise e medidas visando a integração de sistemas de transporte público coletivo e bicicletas INTEGRAÇÃO DE TRANSPORTE AN P Critérios de análise e medidas visando a integração de sistemas de transporte público coletivo e bicicletas Mariana de Paiva Engenheira civil formada pela UFMG, mestre em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 05

PROJETO DE LEI Nº / 05 PROJETO DE LEI Nº / 05 DISPÕE SOBRE O USO DA BICICLETA E O SISTEMA CICLOVIÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Uberlândia, APROVA: Art. 1º. Esta lei regula o uso da bicicleta e o sistema

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

Diretrizes para a construção de ciclovias. Arq. Cristiane Bastos

Diretrizes para a construção de ciclovias. Arq. Cristiane Bastos Diretrizes para a construção de ciclovias Arq. Cristiane Bastos Contextualização Planejamento da rede Projeto básico Projeto executivo Execução CONTEXTUALIZAÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO POLÍTICA NAC.DE MOBILIDADE

Leia mais

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 5ª Reunião, ocorrida em 31/ 08/ 2010

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 5ª Reunião, ocorrida em 31/ 08/ 2010 Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 5ª Reunião, ocorrida em 31/ 08/ 2010 Presentes: Lisandro Frigerio SMDU Daphne Savoy SMT Adriana

Leia mais

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS Em 2010, a cidade de São Paulo registrou 7.007 atropelamentos resultando na morte de 630 pedestres. Apesar de representar uma

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis CONTEXTO No Mundo Atualmente: mais da metade da humanidade já vive em cidades 2030: 60% e 2050: 70% (ONU) Emissões de gases de efeito

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

PROPOSTAS MOBILIDADE PROPOSTAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO

PROPOSTAS MOBILIDADE PROPOSTAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO PROPOSTAS MOBILIDADE PROPOSTAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO AGENDA DO DEBATE: Pedestres Bicicleta Transporte público: ônibus e trilhos Circulação viária carros, motos e caminhões Acessibilidade Educação e trânsito

Leia mais

PROJETO TÉCNICO: CICLOVIAS

PROJETO TÉCNICO: CICLOVIAS PROJETO TÉCNICO: CICLOVIAS FICHA TÉCNICA DE SISTEMATIZAÇÃO DO PROJETO REALIZAÇÃO: ABCP Associação Brasileira de Cimento Portland Programa Soluções para Cidades COORDENAÇÃO GERAL: Érika Mota EQUIPE: Fernando

Leia mais

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Audiências Públicas Investimento e Gestão: Desatando o Nó Logístico do Pais 2º Ciclo Financiamento e Gestão da Infraestrutura de Transportes no

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

Evolução do congestionamento

Evolução do congestionamento Evolução do congestionamento Crescimento populacional estável Taxa de motorização crescente 2025 2005 Surgimento de novos pólos de atração de viagens Deslocamentos na cidade Rede de transporte para 2016

Leia mais

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO Uma responsabilidade de todos QUEM SOMOS A FUNDACIÓN MAPFRE, instituição criada em 1975 pela MAPFRE, desenvolve atividades de interesse geral na Espanha e em outros países

Leia mais

SEXO Sexo 1.masculino 2.feminino Caracterização Sócio-Econômica ESCO Nivel de escolaridade 1. Analfabeto até 4ª série do 1º grau (primário)

SEXO Sexo 1.masculino 2.feminino Caracterização Sócio-Econômica ESCO Nivel de escolaridade 1. Analfabeto até 4ª série do 1º grau (primário) SIPS- BASE SOBRE MOBILIDADE URBANA Nome Campo Descrição Valores atribuídos Local de Moradia REGI Região 1.Região Sul 2.Região Sudeste 3.Região Centro-Oeste 4.Região Nordeste 5.Região Norte ESTA Estado

Leia mais

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL GERÊNCIA DE OPERAÇÕES VIÁRIAS TRANSERP Planejamento Viário SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL Eng. José Antônio S. Gonçalves 2006 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Cidade de RIBEIRÃO PRETO SP. PLANEJAMENTO

Leia mais

Proposta de Projeto Cicloviário para Montes Claros

Proposta de Projeto Cicloviário para Montes Claros Proposta de Projeto Cicloviário para Montes Claros Denir MM Melhorias e incentivo ao uso da bicicleta como meio de transporte Igualdade e inclusão social economia meio ambiente e qualidade de vida Denir

Leia mais

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver?

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? Eliezé Bulhões de Carvalho 1, 2 Michelle Andrade 1 1 - Programa de Pós Graduação em Transportes UnB 2 - GPIT Grupo

Leia mais

LEIS DISTRITAIS SOBRE MOBILIDADE URBANA Legislação de incentivo ao transporte não motorizado

LEIS DISTRITAIS SOBRE MOBILIDADE URBANA Legislação de incentivo ao transporte não motorizado LEIS DISTRITAIS SOBRE MOBILIDADE URBANA Legislação de incentivo ao transporte não motorizado Lista de leis: - Lei Orgânica do Distrito Federal capítulo sobre transporte - Lei n 3.639/2005 - Lei n 3.721/2005

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

Só há real leitura de tempo e espaço para quem vai a pé ou no máximo de bicicleta. O resto é pressa (FALZONI,apud OLINTO, 1994).

Só há real leitura de tempo e espaço para quem vai a pé ou no máximo de bicicleta. O resto é pressa (FALZONI,apud OLINTO, 1994). 6 1. APRESENTAÇÃO Só há real leitura de tempo e espaço para quem vai a pé ou no máximo de bicicleta. O resto é pressa (FALZONI,apud OLINTO, 1994). 1.1 Tema Cada região do planeta tem suas peculiaridades,

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 64/ Setembro/ Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de São

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 15 Inversão de prioridades bicicleta, gestores e a sociedade

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 15 Inversão de prioridades bicicleta, gestores e a sociedade Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 15 Inversão de prioridades bicicleta, gestores e a sociedade Ana Paula Beszczynski (*) Resumo O presente trabalho mostra que precisamos mudar

Leia mais

As soluções para salvar o planeta já existem faz tempo. É só começar a usá-las.

As soluções para salvar o planeta já existem faz tempo. É só começar a usá-las. As soluções para salvar o planeta já existem faz tempo. É só começar a usá-las. Bicicleta 1818 cartilha com os novos procedimentos de acesso ao estacionamento. INTRODUÇÃO Pensar na qualidade de vida de

Leia mais

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Bicicletas e ciclovias João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs O veículo Um prisma com: Largura: 1,0m Comprimento: 1,75m Altura: 2,25m Vantagens para saúde Ciclismo é um dos esportes aeróbicos

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

MOBILIDADE X ACESSIBILIDADE CARRO X ÔNIBUS FLEXIBILIDADE E CAPACIDADE. A mecânica funcional" da problemática ambiental urbana

MOBILIDADE X ACESSIBILIDADE CARRO X ÔNIBUS FLEXIBILIDADE E CAPACIDADE. A mecânica funcional da problemática ambiental urbana MOBILIDADE X ACESSIBILIDADE A Mobilidade Urbana como fator de qualidade de vida nas cidades Arq. Simone Costa I-ce, Interface for Cycling Expertise (www.cycling.nl) Mini-curso IFF, Outubro 2009 Lentino,

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização 8. A sinalização Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN Através da sinalização, os responsáveis pelo trânsito transmitem

Leia mais

O PERFIL DE CICLISTAS EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO BRASILEIRA

O PERFIL DE CICLISTAS EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO BRASILEIRA O PERFIL DE CICLISTAS EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO BRASILEIRA Tamara Mendes de Camargo ( Mestranda da UFSCar) tamara_mendesc@hotmail.com RESUMO A prioridade dada ao uso do automóvel nas cidades tem gerado,

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Mobilidade Urbana. Boletim Nº SETEMBRO 2015 NESSE BOLETIM VOCÊ ENCONTRA INDICADORES, INFORMAÇÕES E ANÁLISES SOBRE A MOBILIDADE URBANA EM PIRACICABA

Mobilidade Urbana. Boletim Nº SETEMBRO 2015 NESSE BOLETIM VOCÊ ENCONTRA INDICADORES, INFORMAÇÕES E ANÁLISES SOBRE A MOBILIDADE URBANA EM PIRACICABA Boletim Nº SETEMBRO 2015 Mobilidade Urbana NESSE BOLETIM VOCÊ ENCONTRA INDICADORES, INFORMAÇÕES E ANÁLISES SOBRE A MOBILIDADE URBANA EM PIRACICABA www.observatoriopiracicaba.org.br Mobilidade Urbana e

Leia mais

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Mobilidade Urbana João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Aspectos conceituais Questões de mobilidade urbana Encaminhando soluções Aspectos conceituais Mobilidade urbana? É uma atividade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

CONSIDERAÇÕES E PROPOSTAS PARA A SINALIZAÇÃO DE CICLORROTAS. Janeiro de 2014

CONSIDERAÇÕES E PROPOSTAS PARA A SINALIZAÇÃO DE CICLORROTAS. Janeiro de 2014 CONSIDERAÇÕES E PROPOSTAS PARA A SINALIZAÇÃO DE CICLORROTAS Janeiro de 2014 Apresentação São Paulo possui cerca de 17.000 km de vias que, segundo o Código de Trânsito Brasileiro, são consideradas cicláveis

Leia mais

Centro Vivo e com Mobilidade.

Centro Vivo e com Mobilidade. Centro Vivo e com Mobilidade. Débora Redondo 1 ; Bárbara de Azevedo Martins; Lívia Louzada de Toledo Pugliese 2. ¹Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Transportes Departamento de Serviços

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 TM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Constituição do COMITÊ PAULISTA (Grupo Executivo

Leia mais