DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável"

Transcrição

1 DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

2 O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos, densos, com diversidade de usos, serviços e espaços públicos seguros e ativos Soluções de mobilidade para o deslocamento de pessoas a pé ou bicicleta: local por transporte público: conexão com a cidade

3 Sete Elementos DOTS: 1. Transporte público de qualidade 2. Mobilidade não motorizada 3. Gestão do uso do automóvel 4. Uso misto e edifícios eficientes 5. Centros de bairros e plantas baixas ativas 6. Espaços públicos e recursos naturais 7. Participação e identidade comunitária

4 Estratégias de desenho urbano DOTS Estratégias de desenho urbano para cada elemento DOTS, conforme as escalas: urbana entre bairros bairro via

5 1. Transporte público de qualidade Incrementar o número de viagens mediante conexões adequadas e serviços cômodos, eficientes e acessíveis Proximidade com a mancha urbana ruas integradas à estrutura urbana existente

6 Complexo Paraisópolis (SP) - Integrante do PAC é uma referência em construção sustentável, tendo obtido o selo Casa Azul CAIXA nível ouro Exemplo de inserção adequada e densidade compatível ao porte do local e às construções do entorno, sem segmentação do espaço urbano.

7 Viabilidade do transporte público demanda mínima para garantir viabilidade e frequência Acesso ao transporte público distância máxima de 1.000m a pé (15 min) ou bicicleta (5 min)

8 Infraestrutura para o transporte público vias qualificadas, paradas, terminais, mobiliário, sinalização e sistema de informação ao usuário

9 Rio Grande (Foto: EMBARQ Brasil)

10 2. Mobilidade não motorizada Incrementar o número de viagens de pedestres e ciclistas de modo cômodo, seguro e atrativo Continuidade do traçado viário redes de ciclovias e de calçadas conectando com a cidade

11 Ciclovia em Sorocaba

12 Redes para pedestres e ciclistas rotas de passeios públicos e ciclovias entre bairros ligando a centros de interesses Conectividade interna traçado viário de alta conectividade, com quadras de no máximo 250m

13 Ciclovia em Bogotá (Foto: EMBARQ Brasil)

14 Ciclovias tráfego segregado no nível da via. Estacionamentos para bicicletas nos equipamentos urbanos e unidades habitacionais Calçadas garantir fluxo de pedestres pelo zoneamento do passeio

15 Ciclovia e calçada em Buenos Aires

16 3. Gestão e uso do automóvel Gerar ambientes seguros e agradáveis por meio da racionalização do uso do automóvel Otimização dos percursos diários menores distâncias pela descentralização e incremento de atividades nas comunidades

17 Rua compartilhada em Curitiba (Foto: EMBARQ Brasil)

18 Gestão de estacionamento diminuir a oferta gratuita de estacionamento para reduzir o uso do automóvel Vias seguras e ordenadas vias dispostas em rede para velocidades até 60 km/h, para distribuir o volume de tráfego de forma equilibrada

19 Gestão de estacionamento em Medellín (Colômbia) (Foto: Harvard GSD)

20 Vias seguras e ordenadas em Bogotá (Colômbia) (Foto: Enrique Peñalosa)

21 Segurança da via cruzamentos e interseções de vias sinalizados de maneira clara, amigável e orientada aos pedestres e outros usuários. Cruzamentos com distâncias menores e conversões minimizadas

22 Rua Julian Alvarez com Gascon - Buenos Aires (Foto: Prefeitura de Buenos Aires)

23 4. Uso misto e edifícios eficientes Potencializar as atividades econômicas e habitacionais para uso do solo denso e diversificado em ambientes com bom desenho urbano Equipamentos urbanos comunidades com ao menos escola, delegacia, supermercado, centro de saúde e espaço cultural. Considerar novas demandas.

24 Complexo São Carlos - Rio de Janeiro (Foto: EMBARQ Brasil)

25 Equipamentos de bairro e comércios proporcionar acessibilidade efetiva aos equipamentos e comércios básicos a partir das moradias Edifícios eficientes instalar tecnologias limpas e sistemas sustentáveis para a redução de custos

26 Maringá/PR Minha Casa, Minha Vida Rio de Janeiro (Foto: Caixa Econômica Federal)

27 Interação pedestre-rua fomentar a economia local e a variedade de atividades nas ruas, espaços públicos atrativos ao pedestre, sinalização adequada, mobiliário urbano útil e serviços públicos

28 Curitiba (Foto: EMBARQ Brasil)

29 Curitiba (Foto: EMBARQ Brasil)

30 5. Centros de bairros e plantas baixas ativas Promover a interação social através de usos que contribuem para a eficiência das relações entre o espaço público e o ambiente construído Economia local promover o desenvolvimento econômico da comunidade pela geração de emprego aos habitantes, e incentivo à dinâmica local

31 Feira de Artes Porto do Rio em Harmonia Rio de Janeiro (Foto: Divulgação Sebrae)

32 Centros de bairro ao menos um centro reconhecível por toda a comunidade urbana Planta baixas ativas uso do térreo dos edifícios integrado com a rua e os espaços públicos do entorno

33 Juiz de Fora (MG) (Foto: EMBARQ Brasil)

34 Transição público-privado considerar o contexto arquitetônico, a escala do pedestre e a segurança pública da comunidade nos espaços públicos e áreas privadas

35 Porto Alegre (RS) (Foto: Google StreetView)

36 6. Espaços públicos e recursos naturais Gerar espaços públicos seguros e ativos é fomentar a vida pública e a interação social Áreas verdes estratégicas relação adequada entre desenvolvimento urbano e meio ambiente através de áreas naturais em tamanho suficiente para serviços ambientais e espaços recreativos

37 São Paulo (Foto: EMBARQ Brasil)

38 Eficiência de energia, água e resíduos o uso eficiente dos recursos refletido no planejamento da comunidade urbana, desenho e operação do ambiente construído Redes de espaços públicos acesso a uma variedade de tipos e tamanhos de espaços abertos consolidados

39 Postes com captação de energia solar no Parque Barigui Curitiba (PR) (Foto:

40 Vida pública espaços públicos ocupados, com tipos diferentes de atividades, integrados, com iluminação adequada e mobiliários urbanos, protegidos de intempéries

41 Bogotá (Colômbia) (Foto: EMBARQ Brasil)

42 7. Participação e identidade comunitária Incentivar a participação comunitária na construção de tecido social com identidade e integração de bairro, que promova ambientes seguros e equitativos Vínculos urbanos criar vínculos entre os diferentes atores da comunidade através da informação e consulta dos cidadãos

43 Participação social (Foto: EMBARQ Brasil)

44 Identidade do lugar conservar elementos locais particulares à comunidade, conferindo identidade própria Administração comunitária manutenção contínua e sustentável da comunidade pela formação de uma organização de vizinhança

45 II Encontro Intercomunitário em Castanhal (Foto: Marcela Bentes)

46 Convivência nas ruas ruas como lugares ativos, com diferentes programas de convivência cidadã, transformadas em espaços públicos de participação, solidariedade, diversão, aprendizagem e não apenas circulação de automóveis

47 Atividade cultural na rua (Foto: Luís Kbral)

48 Referências de projetos habitacionais

49 Fonte: Whitaker, Produzir Casas ou Construir Cidades? Desafios para um novo Brasil urbano.

50 Fonte:

51 Fonte:

52 Fonte: Whitaker, Produzir Casas ou Construir Cidades? Desafios para um novo Brasil urbano.

53 Comuna Helder Câmara Fonte:

54 Nova chocolatão Porto Alegre

55

56 Fonte: Orange Arquitetura

57 Fonte: Orange Arquitetura

58 Obrigada! Nívea Oppermann Peixoto Coordenadora de Desenvolvimento Urbano da EMBARQ Brasil

DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Contexto das cidades Expansão urbana Modelo de ocupação territorial

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Mobilidade ativa A bicicleta nas cidades do século XXI. Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana Brasília, setembro de 2015

Mobilidade ativa A bicicleta nas cidades do século XXI. Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana Brasília, setembro de 2015 Mobilidade ativa A bicicleta nas cidades do século XXI Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana Brasília, setembro de 2015 Sobre o ITDP Organização social sem fins lucrativos Sede em Nova York, presente

Leia mais

Visão de futuro e cenários do desenvolvimento urbano com integração entre mobilidade e uso do solo

Visão de futuro e cenários do desenvolvimento urbano com integração entre mobilidade e uso do solo Visão de futuro e cenários do desenvolvimento urbano com integração entre mobilidade e uso do solo Parauapebas, 12 de novembro de 2014 Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade

Leia mais

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Ana Nassar, ITDP Brasil Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana SEMOB - GDF Brasília, 24 de setembro de 2015 Sobre o ITDP Organização social

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

Av. Eliseu de Almeida. Projeto de Restauração do Pavimento. Projeto de Ciclovia e sinalização horizontal de interferência urbana

Av. Eliseu de Almeida. Projeto de Restauração do Pavimento. Projeto de Ciclovia e sinalização horizontal de interferência urbana Av. Eliseu de Almeida Projeto de Restauração do Pavimento Projeto de Ciclovia e sinalização horizontal de interferência urbana Índice Introdução Objetivo Projeto de Restauração Projeto de Ciclovia Sinalização

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU Adriele Borges da Silva¹; Tatiana Romani Moura²; RESUMO: O presente trabalho tem por finalidade apresentar um estudo e

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE introdução Das temáticas de crise das grandes cidades nos dias de hoje, uma das questões mais contundentes é a mobilidade urbana. A cidade de São Paulo, metrópole que sofre

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Cristiane Biazzono Dutra¹ 1) Prefeitura do Município de Londrina; Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina

Leia mais

CIDADES MANUAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO ORIENTADO AO TRANSPORTE SUSTENTÁVEL

CIDADES MANUAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO ORIENTADO AO TRANSPORTE SUSTENTÁVEL CIDADES MANUAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO ORIENTADO AO TRANSPORTE SUSTENTÁVEL Planejamento Luis Antonio Lindau, Diretor-Presidente Daniela Facchini, Diretora de Projetos & Operações Rejane D. Fernandes,

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Audiências Públicas Investimento e Gestão: Desatando o Nó Logístico do Pais 2º Ciclo Financiamento e Gestão da Infraestrutura de Transportes no

Leia mais

Engenharia de Segurança Viária

Engenharia de Segurança Viária Engenharia de Segurança Viária Transporte sustentável salva vidas Através da promoção do transporte sustentável, a EMBARQ Brasil está trabalhando para reduzir a poluição, melhorar a saúde pública e criar

Leia mais

DEFESA DE DISSERTAÇÃO

DEFESA DE DISSERTAÇÃO Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Mestrado DEFESA DE DISSERTAÇÃO Jilmar Augustinho Tatto jilmar.tatto@uol.com.br COMISSÃO JULGADORA Professor Dr. Eduardo Mário Dias (Orientador) Professor

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Acessibilidade & Mobilidade Urbana Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre e suas interações com a Política de Mobilidade Urbana

Acessibilidade & Mobilidade Urbana Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre e suas interações com a Política de Mobilidade Urbana Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Acessibilidade & Mobilidade Urbana Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre e suas interações com a Política

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

CARATERÍSTICAS DE UM BAIRRO AMIGO DAS PESSOAS IDOSAS

CARATERÍSTICAS DE UM BAIRRO AMIGO DAS PESSOAS IDOSAS Sessões Técnicas do Departamento de Edifícios Lisboa LNEC 29 de Março de 2012 CARATERÍSTICAS DE UM BAIRRO AMIGO DAS PESSOAS IDOSAS João Branco Pedro jpedro@lnec.pt Investigador Auxiliar do LNEC Carla Cachadinha

Leia mais

A INSERÇÃO DA BICICLETA COMO MODO DE TRANSPORTE NAS CIDADES

A INSERÇÃO DA BICICLETA COMO MODO DE TRANSPORTE NAS CIDADES dossiê MOBILIDADE A INSERÇÃO DA BICICLETA COMO MODO DE TRANSPORTE NAS CIDADES 1 2 Introdução - 1 Curso de Arquitetura e Urbanismo; Universidade Estadual de Goiás (UEG). E-mail:

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

Segurança Viária em Corredores de Ônibus e BRT. Luis Antonio Lindau, PhD Presidente

Segurança Viária em Corredores de Ônibus e BRT. Luis Antonio Lindau, PhD Presidente Segurança Viária em Corredores de Ônibus e BRT Luis Antonio Lindau, PhD Presidente Afinal: queremos mover gente ou veículos? Então, por que construímos isso? Quem afetamos com as decisões? Automóveis Automóveis

Leia mais

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Mobilidade Urbana João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Aspectos conceituais Questões de mobilidade urbana Encaminhando soluções Aspectos conceituais Mobilidade urbana? É uma atividade

Leia mais

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO VOLUME IV - PROJETO DE ENGENHARIA E MATERIAL RODANTE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DEMAIS PROJETOS TÉCNICOS PREDIAIS PROJETO URBANÍSTICO 1 3.2.6.11. Projeto Urbanístico

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris.

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Thiago Máximo É preciso pensar a mobilidade urbana, como um sistema. Muitas vezes a questão da circulação nas grades cidades é pensada apenas para sanar problemas

Leia mais

Centro Vivo e com Mobilidade.

Centro Vivo e com Mobilidade. Centro Vivo e com Mobilidade. Débora Redondo 1 ; Bárbara de Azevedo Martins; Lívia Louzada de Toledo Pugliese 2. ¹Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Transportes Departamento de Serviços

Leia mais

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS MOBILIDADE URBANA Na região Metropolitana de Florianópolis e o PLAMUS Superintendência da Região Metropolitana da Grande Florianópolis CIDADE DO AUTOMÓVEL CIDADE PARA PESSOAS RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO Espaço

Leia mais

CICLOFAIXA BARÃO DE MESQUITA. Tijuca

CICLOFAIXA BARÃO DE MESQUITA. Tijuca CICLOFAIXA BARÃO DE MESQUITA Tijuca PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos Secretaria Municipal de Meio Ambiente Secretaria Municipal de Transportes Agosto

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos.

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos. Medidas Mitigatórias para Polos Geradores de Tráfego. Rovana Reale; Júlio Cezar Miranda; Isabel Cristina Guimarães Haifuch; Lúcia de Borba Maciel EPTC Empresa Pública de Transporte e Circulação (Porto

Leia mais

Paulo Sergio Custodio Outubro 2013

Paulo Sergio Custodio Outubro 2013 Paulo Sergio Custodio Outubro 2013 Mobilidade significa liberdade de participação do mercado, de ser consumidor em uma sociedade capitalista pura. A quantidade de viagens realizadas (consumidas) pelas

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos?

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? Mobilidade: projetar a cidade do futuro Sinaenco RS Hotel Deville, Porto Alegre 25 de setembro de 2013 Arq. Tiago Holzmann da Silva Presidente

Leia mais

Painel 4 - Mobilidade Urbana: Transporte e Soluções. Marcio Lacerda Prefeito de Belo Horizonte

Painel 4 - Mobilidade Urbana: Transporte e Soluções. Marcio Lacerda Prefeito de Belo Horizonte Painel 4 - Mobilidade Urbana: Transporte e Soluções Marcio Lacerda Prefeito de Belo Horizonte Sumário A. Desenvolvimento urbano e os desafios da mobilidade em BH B. Iniciativas da PBH em prol da mobilidade

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

Panorama do Plamus Julho de 2015

Panorama do Plamus Julho de 2015 Panorama do Plamus Julho de 2015 O PLAMUS foi elaborado por consórcio de três empresas LogitEngenharia, Strategy& e Machado Meyer Advogados, com cinco parceiros Consórcio Empresa brasileira, fundada há

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação)

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação) (orientações para a implementação) Escolas Programa de Regeneração Urbana da Cidade de Estarreja Fases do Fase 1. Diagnóstico Fase 2. Estratégia e Plano de Ação 2 Exercícios para preparação de diagnóstico

Leia mais

MOBILIDADE URBANA Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira

MOBILIDADE URBANA Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira Mobilidade Urbana Palestrantes: Marta Cruz Engenheira Civil Universidade Federal do Espírito Santo Gesiane Silveira Engenheira Civil Universidade

Leia mais

Parte I Conceitos gerais e legislação pertinente

Parte I Conceitos gerais e legislação pertinente Fundação João Pinheiro Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho Gerência de Capacitação de Treinamento Curso: Introdução à Elaboração de Projetos Projetos de Mobilidade Urbana Natalia Mol Conteúdo

Leia mais

PREPARAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA FORMA URBANA FORTALEZENSE

PREPARAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA FORMA URBANA FORTALEZENSE PREPARAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA FORMA URBANA FORTALEZENSE TODAS AS RELAÇÕES SOCIAIS, MESMO SENDO LIGADAS A CLASSE, FAMÍLIA, COMUNIDADE, MERCADO, ESTADO E PODER, MANTÊM-SE ABSTRATAS E SUBTERRÂNEAS ATÉ

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Apresentação Zonas 30 e Ruas Completas Rede Vida no Trânsito 11 de Março de 2015

Apresentação Zonas 30 e Ruas Completas Rede Vida no Trânsito 11 de Março de 2015 Apresentação Zonas 30 e Ruas Completas Rede Vida no Trânsito 11 de Março de 2015 O PLAMUS foi elaborado por consórcio de três empresas Logit Engenharia, Strategy& e Machado Meyer Advogados, com cinco parceiros

Leia mais

São Paulo 2022. Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas

São Paulo 2022. Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas São Paulo 2022 Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas Cidade Democrática, participativa e descentralizada Transformando São Paulo pela mudança

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 05

PROJETO DE LEI Nº / 05 PROJETO DE LEI Nº / 05 DISPÕE SOBRE O USO DA BICICLETA E O SISTEMA CICLOVIÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Uberlândia, APROVA: Art. 1º. Esta lei regula o uso da bicicleta e o sistema

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PORTÃO 25/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 25

Leia mais

LEIS DISTRITAIS SOBRE MOBILIDADE URBANA Legislação de incentivo ao transporte não motorizado

LEIS DISTRITAIS SOBRE MOBILIDADE URBANA Legislação de incentivo ao transporte não motorizado LEIS DISTRITAIS SOBRE MOBILIDADE URBANA Legislação de incentivo ao transporte não motorizado Lista de leis: - Lei Orgânica do Distrito Federal capítulo sobre transporte - Lei n 3.639/2005 - Lei n 3.721/2005

Leia mais

ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE UM COMPLEXO DE INTEGRAÇÃO MULTIMODAL JUNTO À FUTURA ESTAÇÃO NOVO HAMBURGO DA TRENSURB

ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE UM COMPLEXO DE INTEGRAÇÃO MULTIMODAL JUNTO À FUTURA ESTAÇÃO NOVO HAMBURGO DA TRENSURB ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE UM COMPLEXO DE INTEGRAÇÃO MULTIMODAL JUNTO À FUTURA ESTAÇÃO NOVO HAMBURGO DA TRENSURB Abrangência do Estudo O estudo se focou na possibilidade do aproveitamento Comercial da

Leia mais

P L A N M O B. Discutir a Mobilidade é uma forma de buscar alternativas para melhorar a qualidade de vida da. população

P L A N M O B. Discutir a Mobilidade é uma forma de buscar alternativas para melhorar a qualidade de vida da. população Discutir a obilidade é uma forma de buscar alternativas para melhorar a qualidade de vida da população que é, então, IIDDE? ser humano possui inúmeras necessidades, e para atendê-las precisa ter acesso

Leia mais

REUNIÃO MOVIMAN JULHO - 2006. Prof. Dr. Emilio Merino

REUNIÃO MOVIMAN JULHO - 2006. Prof. Dr. Emilio Merino REUNIÃO MOVIMAN JULHO - 2006 Prof. Dr. Emilio Merino Eng. MSc.. Daniela Facchini Índice 1. Atividades realizadas 2. Resultados obtidos 3. Dificuldades enfrentadas 4. Conclusões 1.1. Pesquisas junto aos

Leia mais

Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012

Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012 Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012 Rede Cicloviária Leblon: O Leblon, passa por uma fase de intensas mudanças, com as obras da linha 4 do Metrô o trânsito do bairro sofreu e sofrerá várias alterações

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

Estação: Calçada Tipo de Estação: 01 Município: Salvador Trecho: Salvador/Alagoinhas Área de influência: 1km

Estação: Calçada Tipo de Estação: 01 Município: Salvador Trecho: Salvador/Alagoinhas Área de influência: 1km .5. Intervenções físicas e aplicação dos instrumentos urbanísticos visando potencializar a inserção e a dinâmica urbana nas estações do projeto Trem Regional. APÊNDICE I .5. Intervenções físicas e aplicação

Leia mais

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013 Mobilidade Suave Humanização de Cidades outubro 2013 Estratégias Urbanas Planos de Revitalização Planos de Mobilidade Planos Cicloviários e Pedonais Espaços Públicos Projetos Viários e Cicloviários Parques

Leia mais

PROJETO CICLOROTA DO GRAJAÚ

PROJETO CICLOROTA DO GRAJAÚ O projeto de ciclorota do Grajaú integra escolas, áreas de lazer, pontos de ônibus e comércio e permeia bem o bairro. Possui soluções inovadoras para a cidade do Rio de Janeiro como as bicicletas pintadas

Leia mais

A universidade como bairro: uma nova versão do Campus UniRitter / Fapa baseada nos padrões de Christopher Alexander.

A universidade como bairro: uma nova versão do Campus UniRitter / Fapa baseada nos padrões de Christopher Alexander. - SEPesq A universidade como bairro: uma nova versão do Campus UniRitter / Fapa baseada nos padrões de Christopher Alexander. Vanessa Guerini Scopel Mestranda do Programa de Pós Graduação em Arquitetura

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL Marcia Fernanda Pappa 1, Daiane Maria de Genaro Chiroli 2 RESUMO: As cidades podem ser estudadas como meio de sobrevivência

Leia mais

Sustentabilidade na habitação de interesse social

Sustentabilidade na habitação de interesse social Sustentabilidade na habitação de interesse social Profa. Dra. Maria Augusta Justi Pisani Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade Presbiteriana Mackenzie FIMAI São Paulo, 2010 DÉFICIT HABITACIONAL

Leia mais

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Revisão de 2014 Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer As propostas contidas nesta cartilha foram resultados de intervenções urbanas e processos

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO NO BAIRRO DA TIJUCA RIO DE JANEIRO

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO NO BAIRRO DA TIJUCA RIO DE JANEIRO MOBILIDADE INICIATIVAS INSPIRADORAS PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO NO BAIRRO DA TIJUCA RIO DE JANEIRO ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 PERFIL DO BAIRRO 3 PRINCIPAIS ENVOLVIDOS NO PLANEJAMENTO DA REDE CICLOVIÁRIA DA TIJUCA

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE OS PASSOS PARA A REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA DA SAVASSI DIRETRIZES DO PROJETO

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL MATRIZ 19/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 19

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

Depto. Engenharia Industrial Estudo sobre a Mobilidade Sustentável Diretrizes para o Município do Dr. Madiagne Diallo, Prof. Coordenador do Laboratório de Apoio à Decisão Coordenador de Assessoria Técnica

Leia mais

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO Aline Amaral Silva; Amanda Barbosa Borges; Amir mahdi Araghi; Gabriel Carvalho; Surik Neytohn Duque Nicols Prof. Pastor W. G. Taco O estudo contemplou o

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

RELACIONANDO A OCUPAÇÃO URBANA COM O SISTEMA VIÁRIO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RELACIONANDO A OCUPAÇÃO URBANA COM O SISTEMA VIÁRIO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RELACIONANDO A OCUPAÇÃO URBANA COM O SISTEMA VIÁRIO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Vânia Barcellos Gouvêa Campos Bruna Pinheiro de Melo Instituto Militar de Engenharia Mestrado em Engenharia de Transportes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO AMBIENTE DO CICLISTA EM CIDADES BRASILEIRAS DE MÉDIO PORTE: ANÁLISE DE UM IMPORTANTE EIXO VIÁRIO NO MUNICÍPIO DE BAURU (SP)

AVALIAÇÃO DO AMBIENTE DO CICLISTA EM CIDADES BRASILEIRAS DE MÉDIO PORTE: ANÁLISE DE UM IMPORTANTE EIXO VIÁRIO NO MUNICÍPIO DE BAURU (SP) AVALIAÇÃO DO AMBIENTE DO CICLISTA EM CIDADES BRASILEIRAS DE MÉDIO PORTE: ANÁLISE DE UM IMPORTANTE EIXO VIÁRIO NO MUNICÍPIO DE BAURU (SP) M. C. G. De Paula, R. C. Magagnin RESUMO Esta pesquisa tem como

Leia mais

Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro

Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro Quinta feira, 2 de julho de 2009. Julho de 2009, Cruzamento das ruas Figueiredo de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta.

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta. Mobilidade cicloviária em Campus Universitário. Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 ; Suely da Penha Sanches 1 1: Universidade Federal de São Carlos, Rodovia Washington Luis, km 235 13565-905 São Carlos,

Leia mais

OLHO NO FUTURO PENSANDO EM 2038 SINAENCO 25 ANOS FLORIANÓPOLIS, 07/11/2013

OLHO NO FUTURO PENSANDO EM 2038 SINAENCO 25 ANOS FLORIANÓPOLIS, 07/11/2013 OLHO NO FUTURO PENSANDO EM 2038 SINAENCO 25 ANOS FLORIANÓPOLIS, 07/11/2013 De Olho no futuro mais 25 anos Problemas permanentes de qualquer cidade: combate a droga - segurança pública - saúde pública -

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

Divulgação da importância do transporte para o ensino fundamental

Divulgação da importância do transporte para o ensino fundamental Divulgação da importância do transporte para o ensino fundamental Daniel Rech (DEPROT/UFRGS) João Fortini Albano (DEPROT/UFRGS) Resumo O presente artigo deriva de um projeto direcionado a alunos do ensino

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

1. MOBILIDADE 1.1 INTRODUÇÃO

1. MOBILIDADE 1.1 INTRODUÇÃO 1. MOBILIDADE 1.1 INTRODUÇÃO O Estatuto da Cidade determina que todas as cidades brasileiras com mais de 500 mil habitantes elaborem um plano de transportes e trânsito, rebatizado pela SeMob (Secretaria

Leia mais

Mobilidade urbana: cenário, gestão e planejamento

Mobilidade urbana: cenário, gestão e planejamento Mario dos Santos Ferreira Arquiteto, Doutor em Engenharia e Docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da PUCRS Suzana Costa Barboza Arquiteta, Especialista em Engenharia e Docente da Faculdade de

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Sabe-se que, as mazelas vividas pela sociedade brasileira, têm suas raízes na forma que se deu

Leia mais

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO.

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. INTRODUÇÃO Criar um site sobre as ciclovias da cidade de Curitiba. A idéia surgiu no ano de 2010 a partir de uma conversa entre alguns colaboradores

Leia mais

I. O QUE ENTENDEMOS POR MELHOR MOBILIDADE, MENOS TRÁFEGO

I. O QUE ENTENDEMOS POR MELHOR MOBILIDADE, MENOS TRÁFEGO Melhor Mobilidade, Menos tráfego I. O QUE ENTENDEMOS POR MELHOR MOBILIDADE, MENOS TRÁFEGO O conceito de melhor mobilidade e menos No Brasil, o Plano Nacional de Mobilidade tráfego significa a busca de

Leia mais