C&T no Brasil: A universidade, a empresa e a pesquisa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C&T no Brasil: A universidade, a empresa e a pesquisa"

Transcrição

1 C&T no Brasil: A universidade, a empresa e a pesquisa Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 1

2 Conhecimento e Inovação mudaram o mundo Transistor Laboratórios Bell, 1948 Microcircuitos, computadores, Internet, Web ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 2

3 BW, 19 de Junho, ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 3

4 Ciência, Inovação e a Teoria do Desenvolvimento Econômico Adam Smith, Karl Marx, Josef Schumpeter R. Solow (MIT) Prêmio Nobel 1987 Determinantes do Crescimento Econômico Capital Trabalho Mais alguma coisa : o resíduo de Solow - Tecnologia P. Romer, Nova Teoria do Crescimento Conhecimento como fator explícito EUA, : 1/3 do crescimento de 1960 a 1990 atribuído a Inovações Tecnológicas ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 4

5 C&T no Brasil P&D na academia Artigos e formação P&D na empresa Produtos e patentes Distorção no Sistema Brasileiro de Inovação Pequeno número total e cientistas Pouca P&D na empresa Limites da interação universidade empresa Apoio do estado à P&D em empresas Papel da Universidade Múltiplos atores, múltiplos papéis ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 5

6 Scientific papers Percetage over world totall Brasil Pesquisa Acadêmica ,60% Artigos publicados Porcentagem do total mundial 1,20% ,80% ,40% ,00% 9000 Doctorates granted ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 6

7 Doutorados por ano Doutorados defendidos: Brasil, Coréia, India e China Brasil Coréia India China ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 7

8 Some of Brazil s Industrial R&D results Electronic elections 125 millions voters, results by 11:30 P.M., same day Drilling oil at 5,000 ft under the sea 100% of Brazilian consumption Best 50 seater jet Embraer ERJ 145 Starting 2006: seat jet ERJ 190 Most productive soybean in the world Largest and most efficient Ethanol producer in the world 35% of world Ethanol production > 1 milion flex-fuel vehicles, 90% of sales ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 8

9 Ethanol and Gasoline cost (in 2004 US$ per GJ) Articles published (ISI journals) Pesquisa sobre Cana de Açúcar e Etanol Sugarcane Research ( ) Ethanol price paid to producers (2004 US$/GJ ) 0 Brazil USA Australia India China (Source: Goldemberg, personal communication) ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 9

10 Patentes nos EUA Investim. P. empresas (US$ bilhões) Patentes nos EUA Investim. P. empresas (US$ bilhões) Patentes e Invest. Empresarial em P&D: Brasil e Coréia Brasil 10, Coréia 10, , , , , , , , , ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 10

11 Patentes Brasil e Coréia - USPTO USPTO Brasil Coréia Patentes em Patentes no USPTO de 1997 a 2001 First -Named Assignee Total PETROBRAS 55 CARRIER CORPORATION 29 EMBRACO 17 COMPANHIA VALE DO RIO DOCE 10 METAGAL IND. E COM. LTDA. 10 PRAXAIR TECHNOLOGY, INC. 8 SMAR RESEARCH CORPORATION 6 TELEBRAS 5 First -Named Assignee Total SAMSUNG ELECTRONICS CO HYUNDAI ELECTRONICS IND LG ELECTRONICS INC DAEWOO ELECTRONICS CO 980 LG SEMICON CO., LTD. 957 ELECTRON. AND TEL.. RES. INST. 504 HYUNDAI MOTOR CO., LTD. 416 SAMSUNG DISPLAY DEVI CES CO ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 11

12 Patente: Transistor, ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 12

13 Patent: Superior performance Yo-Yo ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 13

14 Patentes são produto típico de empresas Estados Unidos, 2003 Todas as patentes EUA % Patentes de universidades % Universidades com patentes 198 Patentes por universidade ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 14

15 Patentes de universidades EUA, 2000 Universidade Patentes em 2000 Univ. Of California 435 MIT 113 Stanford University 103 Univ. Of Texas 90 Iowa State University 72 Caltech 64 Univ. Of Wisconsin 49 Johns Hopkins University 46 Cornell University 34 Média de todas as univ. EUA ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 15

16 INPI - Brasil Principais patenteadores, Patentes de invenção e Modelos de Utilidade Unicamp Petrobrás Arno Multibras Semeato Vale Rio Doce FAPESP Embraco Dana UFMG Johnson&J Fonte: 16

17 Patentes registradas nos EUA Patentes e Investimento industrial em P&D y = 0,056.x 1,14 R 2 = 0,68 França Alemanha Japão EUA Austria Finlândia Dinamarca Noruega Irlanda Itália Taiw an HolandaSuíssa UK Brasil Suécia Bélgica Espanha Coréia China 10 Grécia Singapura Portugal India Investimento pela indústria (Milhões de dólares PPP de 1987) ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 17

18 Pesquisadores em empresas Patentes no USPTO Patentes e Pesquisadores na indústria - Espanha Pesquisadores em empresas Patentes USPTO ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 18

19 % dos Artigos ou Patentes Presença mundial em C&T Artigos e Patentes 8% 6% % dos artigos publicados % patentes reg. nos EUA 4% 2% 0% Brasil UK Alem. França Itália Israel Coréia ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 19

20 % dos Artigos ou Patentes nos EUA Presença mundial em C&T Artigos e Patentes 60% 40% % dos artigos publicados % patentes reg. nos EUA 20% 0% Brasil EUA UK Alem. França Itália Israel Coréia Japão ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 20

21 Cientistas e Engenheiros em P&D (rev. 2003) Brasil USA Docentes em univers % % Universidades Federais Universidades Estaduais Universidades Privadas Inst. de Pesquisa % % Empresas Privadas % % Total % % Fontes: Brasil: Sinopse do Ensino Superior 2001 e Indicadores MCT, 2000 EUA: R&D in Industry, ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 21

22 Distorção no Sistema Brasileiro de Poucos C&E nas empresas 23% dos cientistas brasileiros trabalham em empresas Brasil: < , < 23% do total no país C&T Coréia: , 54% do total no país EUA: , 80% do total no país Pequeno número total de cientistas Limitada conversão de conhecimento em desenvolvimento empresas é que geram riqueza o contribuinte não entende porque deve pagar por Ciência a Ciência avança mais, a Competitividade menos ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 22

23 Distribuição institucional da atividade de P&D Brasil Coréia Canadá Itália Inglaterra Univ. e outros Governo Indústria França Alemanha Japão EUA Cientistas (%) 23

24 Investimento Total em P&D, 2007* Japão Coréia do Sul EUA Alemanha França OECD Inglaterra Brasil Itália Espanha 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 Porcentagem do PIB em P&D * 2007 ou ano mais recente Fonte: OECD MSTI 2007 e Site MCT ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 24

25 Investimento em P&D, Governo, 2007* Japão Coréia do Sul EUA Alemanha França OECD Inglaterra Brasil Itália Espanha 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 Porcentagem do PIB em P&D * 2007 ou ano mais recente Fonte: OECD MSTI 2007 e Site MCT ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 25

26 Investimento em P&D, Indústria, 2007* Japão Coréia do Sul EUA Alemanha França OECD Inglaterra Brasil Itália Espanha 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 Porcentagem do PIB em P&D * 2007 ou ano mais recente Fonte: OECD MSTI 2007 e Site MCT ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 26

27 Mais P&D na empresa Aumentar o esforço de P&D empresarial no Brasil mais interação com a universidade há limites fortes universidade não pode substituir a empresa mais esforço próprio centros de P&D na indústria cientistas na empresa (indústria e serviços) ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 27

28 EUA: P&D na Universidade, 2000 Universidade 20% Total: US$ 27,49 bi Empresas 7% Governo Outros Universidade 7% Empresas Outros Governo 66% Fonte: Science and Engineering Indicators 2002,Appendix Table

29 O mito do investimento privado na universidade Total Gov Indus Instit Outro %Indus Total USA ,5% 1. Univ of Michigan ,7% 2. Univ of Washington ,6% 3. UC Los Angeles ,1% 4. Univ of Wisconsin ,0% 5. UC-San Diego ,7% 6. UC Berkeley ,9% 7. Johns Hopkins ,4% 8. J Hopkins App. P Lab ,0% 9. Stanford University ,5% 10. MIT ,9% 13. Cornell ,0% 19. Harvard University ,7% 20. Columbia University ,1% 42. CalTech ,8% 79. Univ of New Mexico ,6% (fonte:nsf/srs: Survey of Sci and Eng Expenditures at Universities, FY

30 Relações universidades - empresa ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 30

31 EUA: investimento empresarial em P&D, 2000 Total: US$ 181,04 bi Empresa 98,12% Universidade 1,28% Empresa Universidade Outros 0,60% Outros Fonte: Science and Engineering Indicators

32 UK: investimento empresarial em P&D, 1997 Total: 7,25 bi Empresa Universidade Outros Universidade 2,87% Empresa 93,81% Outros 3,33% Fonte: DTI, Science and Technology Statistics, 1999, Table

33 Universidade: o local do conhecimento Missões da universidade Transmissão do conhecimento Avanço do conhecimento Estoque de conhecimento Difusão do conhecimento Relevância social indiscutível e de longo prazo ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 33

34 Desafios para Universidades de Evitar o Utilitarismo curto-prazista De esquerda - Social De direita - Empresarial Fuga para a frente Compromisso com o conhecimento Compromisso com objetivos institucionais Requer Primazia de valores acadêmicos Pessoal bem qualificado Conexões com sociedade Pesquisa ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 34

35 Stanford, Silicon Valley, and the Students Robert Byer, Stanford University / California Council on Science and Technology Q - What is Stanford Role on the Silicon Valley boom? A - The myth is that Stanford s technology is what made Silicon Valley successful. However, a survey of 3000 small-company CEO s found only one in 20 companies used Stanford technology directly or indirectly in their start-up business. What Stanford contributed to Silicon Valley were educated, high talented students. It is in our interest as a private research university that the students educated at Stanford are successful in their chosen careers. (Photonics Spectra, p ,April 1999) ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 35

36 J.J. Carty, AT&T, 1916 (Primeiro Presidente dos Laboratórios Bell, AT&T) Dinheiro gasto em pesquisa industrial apropriadamente dirigida, realizada sob princípios científicos, certamente traz às empresas um retorno muito generoso. Disponível em Inovação Unicamp; ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 36

37 Apoio do governo à P&D industrial, OECD Alemanha Austrália Japão Inglaterra França EUA Canadá 0 0,2 0,4 0,6 0,8 Porcentagem do PIB industrial Incentivos Encomendas Tecnológicas Infraestrutura Média OCDE: Brasil 0,25 a 0,6% PIB industrial US$ 1 gov x US$ 9 empresa PIB Industrial: R$ 400 bi 0,25%: R$ 1,0 bi 0,6%: R$ 2,4 bi Invest Empresarial P&D: R$ bi/ano Fonte: S&T Industry Outlook, OECD

38 Apoio à P&D na empresa EUA, dispêndio nacional em P&D (2000) Governo Federal 69 bilhões Dos quais: Para Empresas 22 bilhões Para Universidades 23 bilhões Empresas 181 bilhões Dos quais: Para Empresas 178 bilhões Para Universidades 2 bilhões ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 38

39 Poder de compra: P&D - DoD e Nasa Dep. de Defesa, EUA Nasa, EUA 5% 24% 23% 27% 71% Intramuros Indústria Universidades 50% Intramuros Indústria Universidades ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 39

40 Poder de Compra: Circuitos Integrados, EUA Governm ent Purchases of Integrated Circuits, Year Total Integrated Circuit Shipments (millions of dollars) Shipments to Federal Government (millions of dollars) Government Share of Total Shipments (percent) b 4 b 100 b b 94 b b 85 b Source: Richard C. Levin, "The Semiconductor Industry," in Richard R. Nelson, ed., Government a and Includes Technical circuits Progress produced (New for Department York: Pergamon of Defense, Press, 1982), Atomic penergy Commision, Central Intelligence Agency, Federal Aviation Agency, and National Aeronautics and Space b Estimated by Tilton (1971) ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 40

41 Ambiente de Inovação Políticas continuadas Pesquisa industrial; na agenda (1999), Fundos Setoriais (2000), II Conferência Nacional C&T&I (2001), Lei de Inovação apresentada ao Congresso (2002) Lei da Inovação: Lei /2004 Pesquisa colaborativa entre Universidade e Empresa Propriedade Intelectual acadêmica Apoio à P&D industrial Incentivos fiscais, encomendas tecnológicas, subvenção Mais: Política Industrial e Tecnológica (PITCE) Setores focais e articulação Mais: iniciativas estaduais SP: parques tecnológicos, Fapesp, ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 41

42 Investimento Nacional em P&D (Governo + Empresas) ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 42

43 Dispêndio em P&D evolução recente ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 43

44 State of São Paulo, Brazil 35% of Brazil s GNP 38 million people 55% of Brazilian science 13% of State budget for Higher Education and R&D funding 3 State universities 19 Technology Schools 40% PhD formation in Brazil 19 Research institutes 1 Foundation 76% of research funding comes from state sources 44

45 O dispêndio em P&D em SP: 1,52% do PIB em Plano para C&t&I em São Paulo.pptx; CH Brito Cruz 45

46 SP, Dispêndio em P&D Comparação internacional Total Empresas Plano para C&t&I em São Paulo.pptx; CH Brito Cruz 46

47 Estado de São Paulo: professores, 130 mil estudantes São Paulo Brazil (minus São Paulo) México Argentina Chile Scientific publications Brasil EUA Doutorados USP Unicamp 873 U. CA, Berkeley 769 U. TX-Austin 702 U. CA, Los Angeles 664 U. MI 658 Nova Southeastern U. 645 U. WI-Madison 627 Stanford U. 591 PA State U., The 580 Harvard U. 579 U. IL-Urbana-Champaign 574 U. MN 565 OH State U., The 560 U. FL 522 Unesp 522 U. WA 506 Dados de 2004 do Survey of Earned Doctorates, 2004, Table 3. USP, Unesp: 2004 ou mais recente; Unicamp ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 47

48 3. Pesquisa Acadêmica Artigos Científicos Plano para C&t&I em São Paulo.pptx; CH Brito Cruz 48

49 27/1 fapesp09-en pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 49 49

50 JAMA, 11 de Abril de ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 50

51 Science, novembro ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 51

52 SP: 2ª maior produção científica na A.Latina Chile Irlanda Argentina México São Paulo Brasil Coréia Austrália Espanha Canadá Artigos no Science Citation Index ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 52

53 Artigos ISI por cientista, 2004 Brasil Argentina México Coréia Chile São Paulo Espanha Austrália Irlanda Canadá 0,00 0,05 0,10 0,15 0,20 0,25 Artigos ISI publicados por pesquisador, ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 53

54 Número de Cientistas por Habitantes México Brasil São Paulo Argentina Chile Espanha Irlanda Coréia do Sul Canadá Austrália 0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 3,50 4,00 4,50 Número de Cientistas por 1000 Habitantes, ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 54

55 Doutorados por ano Brasil: Arrefecimento na formação de Doutores % a.a. +4% a.a ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 55

56 Doutores formados em relação aos EUA 25% 20% DR formados BR/EUA 15% 10% 5% 0% ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 56

57 LN Concluintes Estaduais Paulistas LN[Numero de Concluintes Univ Federais] Concluintes Estaduais Paulistas e Federais no Brasil Estaduais paulistas Todas as Univ. federais 10 9,8 Concluintes Grad a 2000 y = 0,0629x - 116,56 R² = 0, ,40 11,30 y = 0,0033x + 4,6902 R² = 0,0448 9,6 Concluintes Grad ,20 11,10 9,4 11,00 9,2 9 8,8 8,6 y = 0,0324x - 55,626 R² = 0, ,90 10,80 10,70 10,60 10,50 y = 0,0572x - 103,48 R² = 0,9651 Concluintes a 2002 Concluintes a Plano para C&t&I em São Paulo.pptx; CH Brito Cruz 57

58 Numero de patentes USPTO concedidas anualmente Brasil: patentes no INPI ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 58

59 É difícil manter a taxa de crescimento: políticas públicas eficazes Valor absoluto Variação anual Artigos científicos % 7% Doutores titulados % 7% Patentes USPTO % 1% Concluintes IFES % 0% Concluintes Engenharia IFES % 5% Fontes: Artigos científicos: ISI, Science Citation Index em CD-ROM Doutores titulados: e CAPES (2009) Patentes USPTO: Concluintes IFES e Concluintes Engenharia IFES: Sinopses INEP (ultimo dado disponível para 2008 e não 2009) ;s&t&i_Brazil.pptx;CHBritoCruz 59

60 Pesquisa Básica ou Pesquisa Aplicada? Pesquisa Pura x Pesquisa Impura??!! Pesquisa Básica não pode ter Aplicação?? Pesquisa Aplicada não pode ser Básica?? Pesquisa Básica Pesquisa Aplicada 60

61 Relevância para o avanço do conhecimento O Quadrante de Pasteur (D. Stokes, 1997) Bohr (27%) Pasteur (50%) Edison (22%) Relevância para aplicações imediatas ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 61

62 ;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 62

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp C&T em São Paulo Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 27/09/07; sp-educacao-10092007.ppt; CH Brito Cruz e Fapesp 1 State of São Paulo, Brazil 33% of Brazil

Leia mais

Anotações sobre Formação de Recursos Humanos no Brasil

Anotações sobre Formação de Recursos Humanos no Brasil Anotações sobre Formação de Recursos Humanos no Brasil Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 15/03/10; formacao-rh-cinfra-senado-15032010.pptx 1 Sumário Necessidade

Leia mais

c:/brito/prp/flwpre/competc&t.ppt 29/6/2004

c:/brito/prp/flwpre/competc&t.ppt 29/6/2004 c:/brito/prp/flwpre/competc&t.ppt 29/6/2004 C&T no Brasil: A universidade, a empresa e a pesquisa Carlos H de Brito Cruz Reitor, Unicamp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 29/6/2004; c&t_br_short_042003.ppt;

Leia mais

O Desafio da Inovação

O Desafio da Inovação O Desafio da Inovação Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 9/11/2007; sp-educacao-10092007.ppt; CH Brito Cruz e Fapesp 1 State of São Paulo, Brazil 33% of

Leia mais

Políticas para Inovação Tecnológica: Brasil e Mundo

Políticas para Inovação Tecnológica: Brasil e Mundo Políticas para Inovação Tecnológica: Brasil e Mundo Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 14/9/2006; politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Lei nº 11.487/2007: Problema: produção científica crescente SEM reflexo no setor produtivo e industrial Produção Científica

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo No mundo da cultura o centro está em toda parte M. Reale, reitor da USP Excelência e Inclusão Social Formação de Recursos Humanos Qualificados 1.153 445 196 253 774 486 549 1.449

Leia mais

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Julho 2011

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Julho 2011 UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Julho 2011 O Papel Central do Conhecimento na Economia Global do Século XXI Ciência Tecnologia Riqueza O Brasil Exemplos

Leia mais

Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia. UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO

Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia. UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: desafios para o período 2011 a 2015

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: desafios para o período 2011 a 2015 1 Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: desafios para o período 2011 a 2015 Carlos Henrique de Brito Cruz Artigo publicado em Interesse Nacional, Junho 2010. Desde a criação do CNPq e da CAPES em 1951,

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

Desenvolvimento Tecnológico e Sensoriamento Remoto

Desenvolvimento Tecnológico e Sensoriamento Remoto Desenvolvimento Tecnológico e Sensoriamento Remoto A proteção da propriedade industrial como estímulo ao desenvolvimento tecnológico A experiência da Agência de Inovação da Unicamp Roberto A Lotufo, diretor

Leia mais

Desafios da Inovação no Brasil

Desafios da Inovação no Brasil Jornada pela Inovação Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia Senado Federal Desafios da Inovação no Brasil Glauco Arbix Finep Brasília, 25 de maio de 2011 FINEP Empresa pública federal, não

Leia mais

Estratégias para inovar. Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ

Estratégias para inovar. Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ Estratégias para inovar Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ I - Razões para inovar Brasil (Pintec 2001-2003) Empresas que inovam e diferenciam produtos: têm melhor produtividade; pagam

Leia mais

Educação e Desenvolvimento

Educação e Desenvolvimento Educação e Desenvolvimento Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico Fapesp 05/Jun/2006; educacao-desenvolvimento.ppt Ciência e Desenvolvimento 1947 "A ciência está destinada a desempenhar um papel

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

Marco Legal da Inovação. Igor Cortez - CNI

Marco Legal da Inovação. Igor Cortez - CNI Marco Legal da Inovação Igor Cortez - CNI Australia Austria Belgica Canada Dinamarca Finlândia França Alemanha Irlanda Itália Japão Coreia do Sul Holanda Nova Zelândia Espanha Suécia Suíca Reino Unido

Leia mais

A FAPEMIG E AS LEIS DE INOVAÇÃO : AÇÃO EFETIVA. Paulo Kleber Duarte Pereira Diretor da FAPEMIG

A FAPEMIG E AS LEIS DE INOVAÇÃO : AÇÃO EFETIVA. Paulo Kleber Duarte Pereira Diretor da FAPEMIG A FAPEMIG E AS LEIS DE INOVAÇÃO : AÇÃO EFETIVA Paulo Kleber Duarte Pereira Diretor da FAPEMIG À margem das dificuldades macro econômicas das últimas décadas, a Inovação Tecnológica no Brasil não se processou

Leia mais

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação em fármacos no Brasil Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação é consenso no Brasil Indústria farmacêutica brasileira investe de forma crescente

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO... desafios para C&T e inovação em São Paulo

INSTRUMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO... desafios para C&T e inovação em São Paulo INSTRUMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO... INSTRUMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO desafios para C&T e inovação em São Paulo CARLOS AMÉRICO PACHECO CARLOS HENRIQUE DE BRITO CRUZ Resumo: O artigo faz uma avaliação

Leia mais

XXVII Reunião Anual da FeSBE Raquel Coêlho Coordenação Geral do Programa de Pesquisa em Saúde

XXVII Reunião Anual da FeSBE Raquel Coêlho Coordenação Geral do Programa de Pesquisa em Saúde Fomento à ciência, tecnologia e inovação na saúde e ciências biomédicas. XXVII Reunião Anual da FeSBE Raquel Coêlho Coordenação Geral do Programa de Pesquisa em Saúde Visão de Futuro do CNPq Ser uma instituição

Leia mais

TransformandoPesquisaCientíficaem Produtose Serviços A experiência da Inova Unicamp

TransformandoPesquisaCientíficaem Produtose Serviços A experiência da Inova Unicamp TransformandoPesquisaCientíficaem Produtose Serviços A experiência da Inova Unicamp Roberto A Lotufo Inova Unicamp Congresso ASPI 2012 26 de março de 2012, São Paulo SP Resumo A palestraabordaráospassosnecessáriosparase

Leia mais

Plano para C&T&I em São Paulo. Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP

Plano para C&T&I em São Paulo. Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP Plano para C&T&I em São Paulo Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP Comitê Executivo I - o Diretor-Científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP; II - o

Leia mais

Pesquisa Básica, Recursos Humanos e Inovação Tecnológica

Pesquisa Básica, Recursos Humanos e Inovação Tecnológica Pesquisa Básica, Recursos Humanos e Inovação Tecnológica Ivan Moura Campos Coordenador - Comitê Gestor da Internet no Brasil CEO, Akwan Information Technologies ivanmc@akwan.com.br Rio de Janeiro, 4 de

Leia mais

Desafios para C&T&I no Brasil

Desafios para C&T&I no Brasil Desafios para C&T&I no Brasil Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP CONFAP 26 de Agosto de 2015 desafios-c+t-brasil-confap-20150825.pptx;chbritocruz 1 Desafios para a ciência e a tecnologia

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Anotações sobre Formação de Recursos Humanos no Brasil

Anotações sobre Formação de Recursos Humanos no Brasil Anotações sobre Formação de Recursos Humanos no Brasil Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 15/03/10; formacao-rh-cinfra-senado-15032010.pptx 1 Sumário Necessidade

Leia mais

Lei de Inovação: bases de uma política de inovação para a competitividade. Carlos Américo Pacheco INPE 1 de setembro de 2006

Lei de Inovação: bases de uma política de inovação para a competitividade. Carlos Américo Pacheco INPE 1 de setembro de 2006 Lei de Inovação: bases de uma política de inovação para a competitividade Carlos Américo Pacheco INPE 1 de setembro de 2006 TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS DAS POLÍTICAS DE C&T&I (I) Atenção a novas áreas do

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Estratégias de Inovação A Nova Estratégia Internacional do Brasil: Investimentos, Serviços e Inovação na Agenda Externa São Paulo,

Leia mais

Seminário ANDIFES. Financiamento da Universidade Federal. Manutenção, Expansão, Inclusão e Excelência: Perspectivas e Propostas de Financiamento.

Seminário ANDIFES. Financiamento da Universidade Federal. Manutenção, Expansão, Inclusão e Excelência: Perspectivas e Propostas de Financiamento. Seminário ANDIFES Financiamento da Universidade Federal Mesa Redonda: A universidade do futuro: Manutenção, Expansão, Inclusão e Excelência: Perspectivas e Propostas de Financiamento. Jorge A. Guimarães

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012 Financiamento para o desenvolvimento Novembro/2012 Agenda Contexto dos investimentos em infraestrutura no Brasil Desafios para a realização de investimentos em infraestrutura 1 Brasil Média Global Países

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 5

Tabelas anexas Capítulo 5 Tabelas anexas Capítulo 5 Tabela anexa 5.1 Patentes concedidas pelo USPTO para residentes nos Estados Unidos, segundo subdomínios tecnológicos do OST 1974-2006 (anos selecionados) 5-3 Tabela anexa 5.2

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Bastiaan Philip Reydon Inova Unicamp Seminário: Pesquisa e Inovação para melhores condições de trabalho e emprego 18 de Outubro de 2012, Brasilia

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

A Pesquisa e a Pós-graduação no Brasil: Cenários e Perspectivas 2011-2020

A Pesquisa e a Pós-graduação no Brasil: Cenários e Perspectivas 2011-2020 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA A Pesquisa e a Pós-graduação no Brasil: Cenários e Perspectivas 2011-2020 Prof. Hélio Leães

Leia mais

Desafios e Oportunidades para a Cooperação Científica Global

Desafios e Oportunidades para a Cooperação Científica Global Desafios e Oportunidades para a Cooperação Científica Global Dr. Glaucius Oliva Presidente CNPq 1 Grandes Avanços da Ciência no Brasil nas últimas décadas Crescimento e desconcentração da C&T no Brasil:

Leia mais

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP Perfil da Produção Científica Brasileira Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP FAPESP Junho 2011 Tendência Geral Crescimento Heterogêneo Valor Relativo (1996 = 1) Universidade de São Paulo 4 Crescimento

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO. Prof. Martius Vicente R. y Rodriguez, DSc.

GESTÃO DO CONHECIMENTO. Prof. Martius Vicente R. y Rodriguez, DSc. GESTÃO DO CONHECIMENTO Prof. Martius Vicente R. y Rodriguez, DSc. I - SOCIEDADE DO CONHECIMENTO II - MOTIVAÇÃO III - DIAGNÓSTICO EM GC IV - VALORAÇÃO DE INTANGÍVEIS V - IDENTIFICAÇÃO DE CONHECIMENTO CRÍTICO

Leia mais

ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP

ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP 1 ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP ANA PAULA SANTULO CUSTÓDIO DE MEDEIROS UNESP - Instituto de Biociências Av. 24-A, 1515 Bela Vista 13506-900 - Rio Claro SP / Brasil asantulo@rc.unesp.br

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 08 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital convida os pesquisadores a apresentarem projetos de pesquisa da área de saúde e em conformidade com os temas, no âmbito do Programa Pesquisa para

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DA QUÍMICA/FAPESP. A Química no Contexto da Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação. Ronaldo Mota

ANO INTERNACIONAL DA QUÍMICA/FAPESP. A Química no Contexto da Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação. Ronaldo Mota ANO INTERNACIONAL DA QUÍMICA/FAPESP A Química no Contexto da Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCTI) São Paulo, SP, 05 de outubro

Leia mais

http://www1.folha.uol.com.br/saber/886508-brasil-e-o-unico-entre-os-emergentes-semuniversidades-top.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/saber/886508-brasil-e-o-unico-entre-os-emergentes-semuniversidades-top.shtml FOLHA.COM http://www1.folha.uol.com.br/saber/886508-brasil-e-o-unico-entre-os-emergentes-semuniversidades-top.shtml 10/03/2011-03h00 Brasil é o único entre os emergentes sem universidades 'top' VAGUINALDO

Leia mais

A Agenda Empresarial da Inovação. Pedro Passos São Paulo - 4/2/2011

A Agenda Empresarial da Inovação. Pedro Passos São Paulo - 4/2/2011 A Agenda Empresarial da Inovação Pedro Passos São Paulo - 4/2/2011 A Agenda Empresarial da Inovação Temos uma oportunidade impar de moldar nosso futuro Ciclo de crescimento virtuoso, com melhoria do perfil

Leia mais

Andifes Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior. Reflexões sobre a Educação Brasileira.

Andifes Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior. Reflexões sobre a Educação Brasileira. Andifes Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior Reflexões sobre a Educação Brasileira Pós-Graduação Alvaro T. Prata Reitor Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Implementação de uma estratégia de inovação aberta nos centros de PD&I das multinacionais no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Implementação de uma estratégia de inovação aberta nos centros de PD&I das multinacionais no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Implementação de uma estratégia de inovação aberta nos centros de PD&I das multinacionais no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

FÓRUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

FÓRUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR FÓRUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RELATO DO TEMA 1: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO E FLEXIBILIZAÇÃO DE MODELOS DE FORMAÇÃO Dia 25 de maio de 2009 -

Leia mais

INDICADORES ASSOCIADOS À PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO: UMA COMPARAÇÃO DO BRASIL COM PAÍSES DA OCDE E DO BRICS

INDICADORES ASSOCIADOS À PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO: UMA COMPARAÇÃO DO BRASIL COM PAÍSES DA OCDE E DO BRICS INDICADORES ASSOCIADOS À PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO: UMA COMPARAÇÃO DO BRASIL COM PAÍSES DA OCDE E DO BRICS Nelson Cardoso Amaral 1 Prof. da Universidade Federal de Goiás (nelsoncardosoamaral@gmail.com)

Leia mais

Introdução a patentes

Introdução a patentes Introdução a patentes Leandro Innocentini Lopes de Faria Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais - NIT/Materiais Depto Eng Materiais - Universidade Federal de São Carlos Rodovia Washington Luís,

Leia mais

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica I Encontro Nacional de Física na Indústria 4 e 5 de abril de 2013 São Carlos/SP Sérgio Queiroz Professor Associado DPCT/IG/Unicamp Coordenador Adjunto

Leia mais

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros Fabiana Montanari Lapido Projeto SciELO FAPESP, CNPq, BIREME, FapUNIFESP Informação Conhecimento científico pesquisa científica

Leia mais

THE FUNDAMENTAL ROLE OF SCIENCE IN INNOVATION Brazilian Scenario

THE FUNDAMENTAL ROLE OF SCIENCE IN INNOVATION Brazilian Scenario THE FUNDAMENTAL ROLE OF SCIENCE IN INNOVATION Brazilian Scenario Alvaro T. Prata Secretary for Technology Development and Innovation MCTI Federal Government World Science Forum 2013 Rio de Janeiro, November

Leia mais

ufsm partnerships with the armed forces and the relation between the university and companies

ufsm partnerships with the armed forces and the relation between the university and companies ufsm partnerships with the armed forces and the relation between the university and companies prof. tiago bandeira marchesan the higher education in brazil a educação superior no brasil Percentual distribuition

Leia mais

A tabela com os Principais dados do Brasil no Education at a Glance 2015 apresenta um resumo dos dados para o Brasil e a média OCDE.

A tabela com os Principais dados do Brasil no Education at a Glance 2015 apresenta um resumo dos dados para o Brasil e a média OCDE. Education at a Glance: OECD Indicators é a principal fonte de informações relevantes e precisas sobre o estado da educação ao redor do mundo. Essa publicação oferece dados sobre a estrutura, o financiamento

Leia mais

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Fomento à Inovação no Brasil Desenvolvimento e Sustentabilidade ALIDE Fortaleza, maio 2010 FINEP Empresa pública federal, vinculada

Leia mais

Avaliação e Impactos da Ciência Brasileira

Avaliação e Impactos da Ciência Brasileira Avaliação e Impactos da Ciência Brasileira 05/09/2016 Hernan Chaimovich SINOPSIS Avaliação e Impactos Avaliações de conjuntura O cenário da pesquisa no Séc. XXI O Estado atual da Ciência Brasileira Um

Leia mais

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz. &RQIHUrQFLD1DFLRQDOGH&LrQFLD7HFQRORJLDH,QRYDomR 6LPSyVLR DGH6HWHPEURGH%UDVtOLD

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz. &RQIHUrQFLD1DFLRQDOGH&LrQFLD7HFQRORJLDH,QRYDomR 6LPSyVLR DGH6HWHPEURGH%UDVtOLD $,QG~VWULD4XtPLFDH)iUPDFRV &RQIHUrQFLD1DFLRQDOGH&LrQFLD7HFQRORJLDH,QRYDomR 6LPSyVLR DGH6HWHPEURGH%UDVtOLD 0HUFDGR)DUPDFrXWLFR0XQGLDO 26% 7% 40% 27% América Latina (US$ 22,4 bilhões) América do Norte (US$

Leia mais

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO Disciplina: D 2.2 Economia Internacional (16h) (Aula 2 - Crise internacional: medidas de políticas de países selecionados) Professora: Luciana Acioly da Silva 21 e 22

Leia mais

Chile um sócio a longo prazo. Pedro Asenjo Comitê de Investimentos Estrangeiros

Chile um sócio a longo prazo. Pedro Asenjo Comitê de Investimentos Estrangeiros Chile um sócio a longo prazo Pedro Asenjo Comitê de Investimentos Estrangeiros Um sócio a longo prazo Nova política de atração de IED Temas Um ambiente de negócios maduro País de oportunidades Investimento

Leia mais

III Assembléia Geral da IPAIT. As Tecnologias da Informação e Comunicação a serviço da inclusão social: o panorama brasileiro

III Assembléia Geral da IPAIT. As Tecnologias da Informação e Comunicação a serviço da inclusão social: o panorama brasileiro III Assembléia Geral da IPAIT As Tecnologias da Informação e Comunicação a serviço da inclusão social: o panorama brasileiro Dep. Luiz Piauhylino Câmara dos Deputados Brasil Panorama brasileiro das TI

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

Rankings Internacionais Universitários INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Gabinete de Estudos e Planeamento. João Patrício

Rankings Internacionais Universitários INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Gabinete de Estudos e Planeamento. João Patrício Rankings Internacionais Universitários INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Gabinete de Estudos e Planeamento João Patrício Maio, 2008 Índice Introdução 3 1. Academic Ranking of World Universities da Shanghai Jiao

Leia mais

IBM Research: Inovação feita no Brasil. Ricardo Pelegrini Gerente Geral de Serviços para IBM América Latina

IBM Research: Inovação feita no Brasil. Ricardo Pelegrini Gerente Geral de Serviços para IBM América Latina IBM Research: Inovação feita no Brasil Ricardo Pelegrini Gerente Geral de Serviços para IBM América Latina Expansão & Globalização da IBM Research Division: Cenário de Competição Decisões da IBM Research

Leia mais

Inovação Tecnológica na WEG

Inovação Tecnológica na WEG Seminário Inovação e Desenvolvimento Econômico Como superar a dependência tecnológica brasileira? Inovação Tecnológica na WEG Siegfried Kreutzfeld Diretor Superintendente WEG Equipamentos Elétricos S.A.

Leia mais

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Denise Gregory Diretora de Cooperação para o Desenvolvimento INPI Seminário ETT/PUC-RS: Um decênio da história na gestão de PI e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Concentração regional da C&T no Brasil perfil da liderança paulista no cenário nacional

Concentração regional da C&T no Brasil perfil da liderança paulista no cenário nacional Concentração regional da C&T no Brasil perfil da liderança paulista no cenário nacional Regina Gusmão Milena Y. Ramos Resumo: A partir de uma ampla gama de indicadores quantitativos, este artigo propõe

Leia mais

O MAPA DO APAGÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL

O MAPA DO APAGÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL O MAPA DO APAGÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL João Candido Fernandes jcandido@feb.unesp.br Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Engenharia de Bauru Av. Luiz Edmundo Coube, 14-01 CEP: 17033-360

Leia mais

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas Luciano Coutinho Rio de Janeiro, 14 de julho de 2009 Limitação da política monetária após crises financeiras Processos de desalavancagem

Leia mais

AMCHAM e a Internacionalização de empresas

AMCHAM e a Internacionalização de empresas Defensores da livre iniciativa Representatividade multisetorial e nacional Amplo e diferenciado conteúdo Estabelecer a competitividade de longo prazo Fortalecimento dos canais de influência AMCHAM e a

Leia mais

Tendências e Visões para a Saúde Suplementar. José Cechin. IESS Instituto de Estudos em Saúde Suplementar. Jose.cechin@fipecafi.br

Tendências e Visões para a Saúde Suplementar. José Cechin. IESS Instituto de Estudos em Saúde Suplementar. Jose.cechin@fipecafi.br Tendências e Visões para a Saúde Suplementar José Cechin Jose.cechin@fipecafi.br IESS Instituto de Estudos em Saúde Suplementar 1 Tendências e Visões para a Saúde Suplementar Agenda: Desenvolver cenários

Leia mais

Capacitação Técnica e Científica

Capacitação Técnica e Científica I SEMINÁRIO SOBRE O COMPLEXO INDUSTRIAL DE SAÚDE Capacitação Técnica e Científica Jailson Bittencourt de Andrade (UFBA) Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Rio de Janeiro, 05 a 07

Leia mais

Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores ANPROTEC

Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores ANPROTEC Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Atua no segmento do empreendedorismo inovador, por meio do apoio a entidades promotoras de inovação e pela capacitação de empreendedores

Leia mais

Treinar até 101.000 estudantes e pesquisadores brasileiros nas melhores universidades do mundo em áreas vinculadas à Tecnologia Ciência e Inovação.

Treinar até 101.000 estudantes e pesquisadores brasileiros nas melhores universidades do mundo em áreas vinculadas à Tecnologia Ciência e Inovação. UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Objetivos Treinar até 101.000 estudantes e pesquisadores brasileiros nas melhores universidades do mundo em áreas vinculadas

Leia mais

OECD SME and Entrepreneurship Outlook - 2005 Edition. Perspectivas da OCDE sobre as PME e as iniciativas empresariais Edição 2005

OECD SME and Entrepreneurship Outlook - 2005 Edition. Perspectivas da OCDE sobre as PME e as iniciativas empresariais Edição 2005 OECD SME and Entrepreneurship Outlook - 2005 Edition Summary in Portuguese Perspectivas da OCDE sobre as PME e as iniciativas empresariais Edição 2005 Sumário em Português Desde a última edição das Perspectivas

Leia mais

Pesquisa Desenvolvimento e Inovação nas Empresas

Pesquisa Desenvolvimento e Inovação nas Empresas Pesquisa Desenvolvimento e Inovação nas Empresas Estágio atual e principais desafios Ronald M. Dauscha ANPEI Ass. Nacional de P, D & E das Empresas Inovadoras 15 de Agosto de 2012 1 A Macroeconomia 2 Competitividade

Leia mais

José Alexandre Scheinkman

José Alexandre Scheinkman José Alexandre Scheinkman Edwin W. Rickert Professor of Economics Columbia University Brasil: O Desafio da Produtividade Brasil: Problemas O Brasil tem problemas econômicos prementes de curto prazo. Déficit

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PROF.DR. HERON CARLOS ESVAEL DO CARMO Dezembro de 2006 Rua Líbero Badaró, 425-14.º andar - Tel (11) 3291-8700 O controle do processo

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Leia mais

O HUWC e a pesquisa em saúde

O HUWC e a pesquisa em saúde UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Universitário Walter Cantídio O HUWC e a pesquisa em saúde Dr. Marcelo Alcantara Holanda Diretoria de Ensino e Pesquisa-HUWC Maio-2006 PESQUISA PRÁTICA VS. PESQUISA

Leia mais

O PAPEL DO EMPREENDEDORISMO INOVADOR

O PAPEL DO EMPREENDEDORISMO INOVADOR O PAPEL DO EMPREENDEDORISMO INOVADOR PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL GUILHERME ARY PLONSKI Sustentabilidade Econômica Cultural Ambiental Social 2 Também no Brasil a inovação pede passagem... ... e se

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

Nelson Cardoso Amaral 1

Nelson Cardoso Amaral 1 OS 10% DO PIB COMO PROMOTOR DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: uma análise considerando os resultados do PISA e os valores aplicados por estudante em diversos países Nelson Cardoso Amaral 1 Resumo O estudo apresenta

Leia mais

Macroeconomia. 8. Crescimento Económico e Tecnologia. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 8. Crescimento Económico e Tecnologia. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 8. Crescimento Económico e Tecnologia Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial O crescimento económico é determinante para os níveis de vida

Leia mais

FIRST: Promovendo ciências para os jovens brasileiros

FIRST: Promovendo ciências para os jovens brasileiros FIRST: Promovendo ciências para os jovens brasileiros Autora Danyela Moron, Master in Public Policy 2008 Policy Analysis Exercise John F. Kennedy School of Government Harvard University Preparado para

Leia mais

Alguns dados sobre C&T&I em São Paulo

Alguns dados sobre C&T&I em São Paulo Alguns dados sobre C&T&I em São Paulo Carlos Henrique de Brito Cruz Scientific Director FAPESP p&d-e-inovação-20140331.pptx;chbritocruz 1 São Paulo: R&D Expenditures, 2011, by source R&D expenditures total

Leia mais

Autores: PINHEIRO JUNIOR L. P.; ROSA, R. A.; KURIBARA F. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. PPGADM-UFPR - Mestrado em Administração Inovação e Tecnologia

Autores: PINHEIRO JUNIOR L. P.; ROSA, R. A.; KURIBARA F. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. PPGADM-UFPR - Mestrado em Administração Inovação e Tecnologia Autores: PINHEIRO JUNIOR L. P.; ROSA, R. A.; KURIBARA F. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. PPGADM-UFPR - Mestrado em Administração Inovação e Tecnologia Luiz Pereira Pinheiro Junior Mestrado em Administração Inovação

Leia mais

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 23/05/2013 desafio-impacto-confap-20130522.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Desafios para a

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL - UM COMPARATIVO ENTRE AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL - UM COMPARATIVO ENTRE AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL - UM COMPARATIVO ENTRE AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS Resumo HILU, Luciane PUCPR luciane.hilu@pucpr.br GISI, Maria Lourdes PUCPR maria.gisi@pucpr.br Eixo Temático: Políticas

Leia mais

PRINCIPAIS EIXOS DE ATUAÇÃO DA

PRINCIPAIS EIXOS DE ATUAÇÃO DA PRINCIPAIS EIXOS DE ATUAÇÃO DA UNIDADE 1. Desafios do SUS 2. Ciência e Tecnologia, Saúde e Sociedade 3. Saúde, Ambiente e Sustentabilidade 4. Complexo Produtivo e Inovação em Saúde 5. Inovação na Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA A LEGISLAÇÃO DE PATENTES E O FUTURO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL MARIA APARECIDA DE SOUZA CAMPINAS, 17 DE OUTUBRO DE 2011. Agência USP de Inovação

Leia mais

As patentes nas universidades: análise dos depósitos das universidades públicas paulistas

As patentes nas universidades: análise dos depósitos das universidades públicas paulistas ARTIGOS As patentes nas universidades: análise dos depósitos das universidades públicas paulistas José Roberto Plácido Amadei Mestre em engenharia de produção pela Universidade Federal de São Carlos, bibliotecárioda

Leia mais

EDUCAÇÃO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: Avanços e desafios

EDUCAÇÃO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: Avanços e desafios EDUCAÇÃO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: Avanços e desafios SECRETARIA DE ESTADO Manaus - DE Amazonas CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDUCAÇÃO NO SÉC. XXI Mudanças significativas no acesso e disponibilidade das

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Metodologia Científica e Tecnológica

Metodologia Científica e Tecnológica Metodologia Científica e Tecnológica Módulo 5 Tecnologia Prof. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com http://lattes.cnpq.br/9620345505433832 Edição 2009 Material para Fins Didáticos Distribuição

Leia mais

Seminário Internacional Portugal - Brasil

Seminário Internacional Portugal - Brasil UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Gustavo Santos ast.porto@itamaraty.gov.br Setor de Cooperação Científica Superior Consulado-Geral do Brasil no Porto Seminário

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais