Políticas para Inovação Tecnológica: Brasil e Mundo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Políticas para Inovação Tecnológica: Brasil e Mundo"

Transcrição

1 Políticas para Inovação Tecnológica: Brasil e Mundo Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp 14/9/2006; politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 1

2 O lugar da inovação é a empresa Inovação não é invenção Inovação é a introdução, no mercado, com êxito, de produtos, serviços, processos, métodos e sistemas que não existiam anteriormente, ou contendo alguma característica nova e diferente do padrão em vigor. Inovação Tecnológica é a inovação que se baseia em conhecimento científico e/ou tecnológico para sua realização. C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 2

3 P&D e Inovação Áustria, por setor C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 3

4 J.J. Carty, AT&T, 1916 (Primeiro Presidente dos Laboratórios Bell, AT&T) Dinheiro gasto em pesquisa industrial apropriadamente dirigida, realizada sob princípios científicos, certamente traz às empresas um retorno muito generoso. Disponível em Inovação Unicamp; C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 4

5 C.E.K. Mees, Kodak, 1920 É quase impossível encontrar algum tipo de trabalho científico em física ou química da física do átomo à química orgânica estrutural que mais cedo ou mais tarde não vá ter aplicação e importância direta para as indústrias. Disponível em Inovação Unicamp: C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 5

6 Políticas para C&T&I Políticas Política Científica Política Tecnológica Política de Inovação Características Educação para a ciência Pesquisa em universidades e laboratórios governamentais Pesquisa Básica Apoio para criação de tecnologias estratégicas ou genéricas (TI, Biotech, Nano) Infraestrutura de Tecnologia Foco empresarial na construção de aptidões tecnológicas Subsídios à P&D Tendências Mais universidades Desregulamentação Políticas direcionadas: semico., aerospacial,.. Diversidade tecnológica Propr. Intelectual Foco na criação e na difusão Fonte: Dodgson, M. in Kim & Nelson, Tecnologia, Aprendizado e Inovação, p. 317 (Ed. Unicamp, 2005) C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 6

7 I. Sobre a experiência internacional 14/9/2006; politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 7

8 EUA: fontes e usos dos recursos para P&D EUA: fontes dos recursos para P&D em empresas, 2000 EUA: Valor executado em P&D, 2000 Empresas Universidades Governo Empresas Valores (US$ milhões) Governo Valor (US$ milhões) Em % PIB: Gov 0,7% - Empr 1,8% EUA: destino dos recursos do governo federal para P&D, 2000 Universidades; Empresas; Governo; C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 8 Valores (US$ milhões) Governo

9 EUA: investimento empresarial em P&D, 2000 Total: US$ 181,04 bi Empresa 98,12% Universidade 1,28% Empresa Universidade Outros 0,60% Outros Fonte: Science and Engineering Indicators 2002 C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 9

10 Poder de compra: P&D - DoD e Nasa Dep. de Defesa, EUA 5% (a) Nasa, EUA (b) 24% 23% 27% Intramuros Intramuros 71% Indústria Universidades 50% Indústria Universidades C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 10

11 Poder de Compra: Circuitos Integrados, EUA Government Purchases of Integrated Circuits, Year Total Integrated Circuit Shipments (millions of dollars) Shipments to Federal Government (millions of dollars) Government Share of Total Shipments (percent) b 4 b 100 b b 94 b b 85 b Source: Richard C. Levin, "The Semiconductor Industry," in Richard R. Nelson, ed., Government a Includes circuits produced for Department of Defense, Atomic Energy Commision, Central Intelligence Agency, Federal Aviation Agency, and National Aeronautics and Space b Estimated by Tilton (1971). C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 11

12 Coréia: investimento e pessoal em P&D 3,0% 2,5% Empresas Governo Empresas Universidades 2,0% ,5% ,0% ,5% ,0% Fonte: Lee, W in Kim & Nelson, Tecnologia, Aprendizado e Inovação, p. 369 (Ed. Unicamp, 2005) C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 12

13 Patentes e Pesquisadores na indústria - Espanha Pesquisadores em empresas Pesquisadores em empresas Patentes USPTO Patentes no USPTO C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 13

14 Patente: Transistor, 1951 C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 14

15 Patent: Superior performance Yo-Yo C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 15

16 II. Instrumentos para estímulo à Inovação Tecnológica 14/9/2006; politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 16

17 Distorção no Sistema Brasileiro de C&T Poucos C&E nas empresas 23% dos cientistas brasileiros trabalham em empresas Brasil: < , < 23% do total no país Coréia: , 54% do total no país EUA: , 80% do total no país Limitada conversão de conhecimento em desenvolvimento empresas é que geram riqueza o contribuinte não entende porque deve pagar por Ciência a Ciência avança mais, a Competitividade menos C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 17

18 Políticas para apoio à inovação Foco na empresa Ambiente pró-inovação Competição, internacionalização Estabilidade de normas Infraestrutura Propriedade intelectual Educação: do fundamental ao superior Incentivos fiscais Encomendas tecnológicas e Subvenção C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 18

19 Apoio do governo à P&D industrial, OECD Alemanha Austrália Japão Inglaterra França EUA Canadá Incentivos Encomendas Tecnológicas Infraestrutura 0 0,2 0,4 0,6 0,8 Porcentagem do PIB industrial Média OCDE: 0,25 a 0,6% PIB industrial US$ 1 gov x US$ 9 empresa Brasil PIB Industrial: R$ 400 bi 0,25%: R$ 1,0 bi 0,6%: R$ 2,4 bi Invest Empresarial P&D: R$ bi/ano Fonte: S&T Industry Outlook, OECD 2000 C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 19

20 Incentivos Fiscais para P&D na empresa Japan Mexico Ireland United States Korea France Netherlands Australia Austria Portugal Canada Spain 0 0,05 0,1 0,15 0,2 0,25 0,3 0,35 Isenção Fiscal por Dólar investido em P&D (US$) Fonte: S&T Industry Outlook, OECD 2000 C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 20

21 Relações universidades - empresa C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 21

22 EUA: P&D na Universidade, 2000 Total: US$ 27,49 bi Universidad e 20% Empresas 7% Governo Outros Universidade 7% Empresas Outros Governo 66% Fonte: Science and Engineering Indicators 2002,Appendix Table 5-4 C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 22

23 UK: P&D na Universidade, 1997 Governo 65% Universidade 4% Empresas 7% Total: 2,90 bi Governo Universidade Empresas Outros Outros 24% Fonte: DTI, Science and Technology Statistics, 1999, Table 6.1 C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 23

24 Limites do investimento privado em pesquisa acadêmica Japan France Sweden Finland Italy Netherlands Australia Total OECD United States European Union United Kingdom Spain Canada Germany Korea 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 % pesquisa financiada por empresas (2001) A pesquisa que a empresa precisa ela mesmo faz Empresa usa Pq Acadêmica para ter contacto com a fronteira Contratos de Pq Acadêmica OECD 6,2% EU 6,8% EUA 7,0% C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 24

25 III. Recursos disponíveis: causa e conseqüência 14/9/2006; politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 25

26 Investimento nacional em P&D Investimento em P&D (% PIB) 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0% União Européia Coréia Brasil União Européia 1,9% -> 3% Coréia 3% -> 4% Brasil 1% ->?? C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 26

27 Dispêndio em P&D: Espanha, Brasil e China 1,40% 1,20% Espanha Brasil China 1,00% 0,80% 0,60% C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 27

28 Investimento Total em P&D, 2001 Japão 0,60% 2,20% Coréia do Sul 0,60% 1,90% EUA 0,70% 1,80% Alemanha 0,80% 1,70% França 0,80% 1,20% OECD Inglaterra 0,60% 0,50% 0,90% 1,40% 160 patentes USPTO Brasil Espanha 0,63% 0,40% 0,50% 0,42% 320 patentes USPTO 0,00% 0,50% 1,00% 1,50% 2,00% 2,50% 3,00% Porcentagem do PIB em P&D Fonte: OECD Science, Technology and Industry Scoreboard 2002 e Site MCT C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 28

29 C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 29

30 Annual budget Fapesp State Foundation for 1% of all state taxes US$ 300 M Academic R&D Fellowships Industry R&D Small bussiness R&D supporting R&D in São Paulo >500 SBE s SBIR like. Cooperative R&D Embraer, Petrobras, VW, Rhone Poulenc... April 24, 2001 Model for Research Rises in a Third World City, By LARRY ROHTER Increasingly, Fapesp's accomplishments are also making it the standard for scientific research in the third world. In an editorial last year, the magazine Nature called the genome work here "a political as well as a scientific achievement" that refutes the "common misconception that only advanced industrialized nations have the wherewithal and skilled human resources needed to achieve cutting edge science." C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 30

31 Fapesp: Small Bussiness Innovative Research (PIPE) SBIR Innovative content Commercial potential of associated R&D Increase company competitiveness Foster an innovation culture in small businesses in the state of São Paulo Conditions Non refundable Up to US$ per project Principal Investigator must be an employee of SB C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 31

32 PIPE: 531 contracts awarded since 1998 Township Quantity São Paulo 135 Campinas 93 São Carlos 71 S. J. dos Campos 38 R. Preto 13 Other 180 Total 531 More than one award per week since 1998 C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 32

33 State support carries scientific production: São Paulo, % 50% 40% 30% 20% % artigos 10% % Doutores %Bolsas CNPq Pais 0% C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 33

34 Estratégias em SP Formação de pessoal 3 universidades de pesquisa Sistema Fatec s Apoio à Pesquisa Fapesp Sistema Paulista de Parques Tecnológicos S. José dos Campos, Campinas, S. Carlos, S. Paulo e R. Preto Lei Paulista da Inovação C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 34

35 Ciência, Tecnologia e PIB Francis Bacon (séc. XVII) ciência tecnologia nova riqueza Adam Smith (séc. XVIII) ciência tecnologia nova riqueza tecnologia velha E. Mansfield, 1995 NSF, 1996 C.H. Brito Cruz, 14/9/2006, politicas-inovacao-exp-internacional.ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 35

C&T no Brasil: A universidade, a empresa e a pesquisa

C&T no Brasil: A universidade, a empresa e a pesquisa C&T no Brasil: A universidade, a empresa e a pesquisa Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 21052010;c&t-brasil.pptx;chbritocruz 1 Conhecimento e Inovação mudaram

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

c:/brito/prp/flwpre/competc&t.ppt 29/6/2004

c:/brito/prp/flwpre/competc&t.ppt 29/6/2004 c:/brito/prp/flwpre/competc&t.ppt 29/6/2004 C&T no Brasil: A universidade, a empresa e a pesquisa Carlos H de Brito Cruz Reitor, Unicamp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 29/6/2004; c&t_br_short_042003.ppt;

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp C&T em São Paulo Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 27/09/07; sp-educacao-10092007.ppt; CH Brito Cruz e Fapesp 1 State of São Paulo, Brazil 33% of Brazil

Leia mais

Alguns dados sobre C&T&I em São Paulo

Alguns dados sobre C&T&I em São Paulo Alguns dados sobre C&T&I em São Paulo Carlos Henrique de Brito Cruz Scientific Director FAPESP p&d-e-inovação-20140331.pptx;chbritocruz 1 São Paulo: R&D Expenditures, 2011, by source R&D expenditures total

Leia mais

Desafios para C&T&I no Brasil

Desafios para C&T&I no Brasil Desafios para C&T&I no Brasil Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP CONFAP 26 de Agosto de 2015 desafios-c+t-brasil-confap-20150825.pptx;chbritocruz 1 Desafios para a ciência e a tecnologia

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação em fármacos no Brasil Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação é consenso no Brasil Indústria farmacêutica brasileira investe de forma crescente

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O que você sabe sobre a Suíça? Roger Federer Chocolates Relógios de luxo 2 O que você também deve saber Hotspot para Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Economia Social Pós Parte III: Mercado de Trabalho Ênfase na parte de políticas Profa. Danielle Carusi Prof. Fábio Waltenberg Aula 5 (parte III) setembro de 2010 Economia UFF 1. Políticas macroeconômicas,

Leia mais

Educação e Desenvolvimento

Educação e Desenvolvimento Educação e Desenvolvimento Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico Fapesp 05/Jun/2006; educacao-desenvolvimento.ppt Ciência e Desenvolvimento 1947 "A ciência está destinada a desempenhar um papel

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos. Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos. Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco AGENDA 1. Visão Macro do Cenário P&D Nacional 2. A formula da Inovação 3. Desafios

Leia mais

PIPE FAPESP: Pesquisa para Inovação em São Paulo

PIPE FAPESP: Pesquisa para Inovação em São Paulo PIPE FAPESP: Pesquisa para Inovação em São Paulo Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 08/10/15 pesq-para-inovacao-sp-020150818.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Pesquisa Inovativa na

Leia mais

Desafio estrutural para P&D no Brasil: pesquisa na empresa. Ambiente de Inovação Políticas continuadas. Coordenação entre atores

Desafio estrutural para P&D no Brasil: pesquisa na empresa. Ambiente de Inovação Políticas continuadas. Coordenação entre atores Desafio estrutural para P&D no Brasil: pesquisa na empresa Apoio estatal para P&D em empresas Carlos H. de Brito Cruz Diretor Científico Fapesp Poucos cientistas nas empresas 23% dos cientistas no Brasil

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Satoshi Yokota I Seminário Internacional Livro Branco de Defesa Nacional Transformação da Defesa

Leia mais

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica I Encontro Nacional de Física na Indústria 4 e 5 de abril de 2013 São Carlos/SP Sérgio Queiroz Professor Associado DPCT/IG/Unicamp Coordenador Adjunto

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL INDÚSTRIA DIVERSIFICADA... outros; 18,8% Alimentos

Leia mais

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP Perfil da Produção Científica Brasileira Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP FAPESP Junho 2011 Tendência Geral Crescimento Heterogêneo Valor Relativo (1996 = 1) Universidade de São Paulo 4 Crescimento

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

La Relación entre Investigación y Posgrado

La Relación entre Investigación y Posgrado La Relación entre Investigación y Posgrado Maria de Fátima Sonati Profesora Titular y Asesora de la Vice- Rectoría de Posgrado (periodo 06/2009-04/2013) Universidade Estatal de Campinas-UNICAMP - Brasil

Leia mais

Panorama dos gastos com cuidados em saúde

Panorama dos gastos com cuidados em saúde Panorama dos gastos com cuidados em saúde 08 de abril de 2008 João Sanches Diretor de Relações Institucionais Cadeia de Valor - Inovação em Saúde Transparência Proteção à propriedade intelectual Mercados

Leia mais

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 23/05/2013 desafio-impacto-confap-20130522.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Desafios para a

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Bastiaan Philip Reydon Inova Unicamp Seminário: Pesquisa e Inovação para melhores condições de trabalho e emprego 18 de Outubro de 2012, Brasilia

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Seminário O Público e o Privado na Saúde Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Tema: O Mais Saúde (PAC Saúde) e as Políticas Sistêmicas de Investimentos Setoriais Pedro Ribeiro Barbosa

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

Pesquisa e inovação em pequenas empresas

Pesquisa e inovação em pequenas empresas Pesquisa e inovação em pequenas empresas Carlos H Brito Cruz FAPESP 28/08/2015 fapesp12-20131115.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Unicamp: 254 start-ups, >16.000 empregos, fatur. anual R$ 2 bilhões 28/08/2015

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2004. Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Edição 2004. Summary in Portuguese. Sumário em Português

OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2004. Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Edição 2004. Summary in Portuguese. Sumário em Português OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2004 Summary in Portuguese Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Edição 2004 Sumário em Português DESTAQUE Ganhando terreno em ciência, tecnologia e inovação

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM Balança comercial de produtos químicos 1991 a 2011* US$ bilhões Déficit cresceu de forma explosiva:

Leia mais

DECOMTEC. DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC. DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho Novembro de 2012 1 Sumário 1. Quais são os fatores que influenciam o potencial de inovação

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

Uma Nova Agenda Econômica e Social para a América Latina

Uma Nova Agenda Econômica e Social para a América Latina Uma Nova Agenda Econômica e Social para a América Latina Assimetrias dos Sistemas de Inovação Latinoamericanos: os papéis da Universidade e da Empresa Carlos Henrique de Brito Cruz 2008 Este trabalho foi

Leia mais

Anotações sobre Formação de Recursos Humanos no Brasil

Anotações sobre Formação de Recursos Humanos no Brasil Anotações sobre Formação de Recursos Humanos no Brasil Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 15/03/10; formacao-rh-cinfra-senado-15032010.pptx 1 Sumário Necessidade

Leia mais

Maximizando os Incentivos à Inovação

Maximizando os Incentivos à Inovação TAX CIESP Maximizando os Incentivos à Inovação R&D Tax Incentives Proposta para prestação de serviços profissionais Agosto de 2014 Agenda Ambiente de Inovação e Incentivos Incentivos Fiscais à Inovação

Leia mais

Foro Internacional sobre Modelos de Gestión de Investigación Científica para la Educación Superior

Foro Internacional sobre Modelos de Gestión de Investigación Científica para la Educación Superior Foro Internacional sobre Modelos de Gestión de Investigación Científica para la Educación Superior Primer Encuentro Internacional em América Latina de Las Redes AUIP, RECLA Y RUEPEP Manta, Ecuador, 24

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

BRICNNOVATION: Inovação em Mercados Emergentes

BRICNNOVATION: Inovação em Mercados Emergentes BRICNNOVATION: Inovação em Mercados Emergentes Maximiliano Selistre Carlomagno Sócio-fundador Hipótese A Os países emergentes estão ampliando sua representatividade no cenário global de inovação? Hipótese

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Lei nº 11.487/2007: Problema: produção científica crescente SEM reflexo no setor produtivo e industrial Produção Científica

Leia mais

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica.

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica. dossiers Economic Outlook Conjuntura International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros Last Update Última Actualização 15-07-2015 Prepared by PE

Leia mais

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL A INOVAÇÃO EM PORTUGAL Luís Portela BIAL 2 VIVEMOS NUM QUADRO DE PRONUNCIADO DUALISMO evolução notável na produção de conhecimento científico. acentuado desfasamento em comparação com as economias que

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Valorização Económica do Conhecimento Científico ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ESTÍMULO AO INVESTIMENTO PRIVADO EM I&D. Luís Portela

Valorização Económica do Conhecimento Científico ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ESTÍMULO AO INVESTIMENTO PRIVADO EM I&D. Luís Portela ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ESTÍMULO AO INVESTIMENTO PRIVADO EM I&D Luís Portela Porto Evolução da despesa em I&D das Empresas portuguesas, entre 1990 e 2003 (preços correntes) Milhões de Euros 1.000 750

Leia mais

Maria da Graça Derengowski Fonseca (IE-UFRJ) Bioeconomia. Apresentação

Maria da Graça Derengowski Fonseca (IE-UFRJ) Bioeconomia. Apresentação Maria da Graça Derengowski Fonseca (IE-UFRJ) Bioeconomia Apresentação A bioeconomia é uma nova área de conhecimento que investiga o impacto que a difusão dos conhecimentos proporcionados pela biologia

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

A Fapesp e a Pesquisa em São Paulo

A Fapesp e a Pesquisa em São Paulo A Fapesp e a Pesquisa em São Paulo Carlos H. de Brito Cruz Diretor Científico Fapesp fapesp12-20130812-fmusp.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Sumário FAPESP A FMUSP na FAPESP Pesquisa em SP fapesp12-20130812-fmusp.pptx;

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Desafios da Inovação no Brasil

Desafios da Inovação no Brasil Jornada pela Inovação Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia Senado Federal Desafios da Inovação no Brasil Glauco Arbix Finep Brasília, 25 de maio de 2011 FINEP Empresa pública federal, não

Leia mais

José Alexandre Scheinkman

José Alexandre Scheinkman José Alexandre Scheinkman Edwin W. Rickert Professor of Economics Columbia University Brasil: O Desafio da Produtividade Brasil: Problemas O Brasil tem problemas econômicos prementes de curto prazo. Déficit

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS 4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS Reinaldo Guimarães Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Brasília,

Leia mais

Foad Shaikhzadeh Presidente Furukawa Industrial SA

Foad Shaikhzadeh Presidente Furukawa Industrial SA Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Marcos Cintra Subsecretário de Ciência e Tecnologia Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Outubro/2013 Brasil 7ª

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável Ministro Marco Antonio Raupp Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI) Aprovada pelo CCT em 15 de dezembro de 2011 Elaborada com

Leia mais

P e d r o W o n g t s c h o w s k i G r u p o U l t r a

P e d r o W o n g t s c h o w s k i G r u p o U l t r a 5º Diálogos da MEI Aprimoramento do Marco Legal de Inovação P e d r o W o n g t s c h o w s k i G r u p o U l t r a 1 110 105 100 95 90 85 Fonte: IBGE jan/13 fev/13 mar/13 Cenário Econômico abr/13 mai/13

Leia mais

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web ALGUNS EVENTOS E DADOS IMPORTANTES DA INTERNET NO BRASIL E NO MUNDO NO BRASIL Primeira conexão à redes (Bitnet) => Outubro 88 Domínio.br foi registrado

Leia mais

Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas

Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas Milca Severino Pereira Pró-Reitora de Pós Graduação e Pesquisa PUC Goiás Isac Almeida de Medeiros Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade Federal

Leia mais

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas 29 abril 2014 Fundamentação Lei da Inovação Nº 10.973, 02 Dez 2004 Regulamentada pelo Decreto Nº 5.563, 11 Out 2005 Artigo 20, do Decreto Nº

Leia mais

Lei de Inovação: bases de uma política de inovação para a competitividade. Carlos Américo Pacheco INPE 1 de setembro de 2006

Lei de Inovação: bases de uma política de inovação para a competitividade. Carlos Américo Pacheco INPE 1 de setembro de 2006 Lei de Inovação: bases de uma política de inovação para a competitividade Carlos Américo Pacheco INPE 1 de setembro de 2006 TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS DAS POLÍTICAS DE C&T&I (I) Atenção a novas áreas do

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios

Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios MODELO DE ATUAÇÃO Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios Conceitos É a implementação (do que?) de um produto (bem ou serviço) novo ou significamente melhorado, ou processo,

Leia mais

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

O Desafio da Inovação

O Desafio da Inovação O Desafio da Inovação Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 9/11/2007; sp-educacao-10092007.ppt; CH Brito Cruz e Fapesp 1 State of São Paulo, Brazil 33% of

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Glaucius Oliva Presidente CNPq Jorge Almeida Guimãrães Presidente da CAPES Brasil em 1950 Pouquíssimos cientistas e pesquisadores Falta de ambiente de pesquisa

Leia mais

Engenharia como vetor para inovação e competitividade

Engenharia como vetor para inovação e competitividade Engenharia como vetor para inovação e competitividade Evando Mirra de Paula e Silva Professor Emérito da Escola de Engenharia da UFMG Diretor da Academia Brasileira de Ciências Slide 1 Novo Inovação Introdução

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Reunião Regional do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCEE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ciência, Tecnologia e Inovação Ciência (Conhecer) Tecnologia

Leia mais

A Open Innovation e o Projecto Open PT Estruturando a investigação positiva

A Open Innovation e o Projecto Open PT Estruturando a investigação positiva A Open Innovation e o Projecto Open PT Estruturando a investigação positiva Sessão de Continuidade - 17 de Janeiro de 2013 José Ramalho Fontes (rfontes@aese.pt) 1. As raízes da investigação positiva (positive

Leia mais

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros Fabiana Montanari Lapido Projeto SciELO FAPESP, CNPq, BIREME, FapUNIFESP Informação Conhecimento científico pesquisa científica

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

As diretrizes de consumo no Brasil

As diretrizes de consumo no Brasil As diretrizes de consumo no Brasil A visão do consumidor Luiz Goes A GS&MD Gouvêa de Souza Consultoria Empresarial Canais de distribuição / Centrais e redes de negócios/ Controladoria e finanças / Crédito

Leia mais

Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: o Resultado da Cooperação nas Empresas Privadas e Estatais a partir de 2000

Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: o Resultado da Cooperação nas Empresas Privadas e Estatais a partir de 2000 Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: o Resultado da Cooperação nas Empresas Privadas e Estatais a partir de 2000 National System of Science, Technology and Innovation in Brasil:

Leia mais

O Brasil e Reino Unido: Interações em Ciência e Inovação. Apresentação no Going Global 29 de Abril 2013

O Brasil e Reino Unido: Interações em Ciência e Inovação. Apresentação no Going Global 29 de Abril 2013 O Brasil e Reino Unido: Interações em Ciência e Inovação Apresentação no Going Global 29 de Abril 2013 Rede Britânica de Ciência e Inovação - SIN Quem somos: I. Uma rede de Britânicos e funcionários locais

Leia mais

Localização Empresarial na Áustria Excelência em Inovação e P&D

Localização Empresarial na Áustria Excelência em Inovação e P&D Localização Empresarial na Áustria Excelência em Inovação e P&D Wilfried Gunka Brasil ABA-Invest in Austria Outubro 2015 Folie 1 Já conhecem a Áustria assim Folie 2 Economia forte, no coração da Europa

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Busca pela excelência em universidades no Brasil

Busca pela excelência em universidades no Brasil Busca pela excelência em universidades no Brasil Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 20130723 excellence-in-higher-ed-chbc20140122pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Determinants of Excellence

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Maurício Fernandes Pereira PRESIDENTE DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA PRESIDENTE DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE

Leia mais

Educação para o Desenvolvimento

Educação para o Desenvolvimento Educação para o Desenvolvimento FIESC Jornada pela Inovação e Competitividade Florianópolis, 19 de julho de 2012 gustavo.ioschpe@g7investimentos.com.br gioschpe A Educação no Brasil 74% da população brasileira

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais