O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas"

Transcrição

1 O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas Luciano Coutinho Rio de Janeiro, 14 de julho de 2009

2 Limitação da política monetária após crises financeiras Processos de desalavancagem das famílias, empresas e do próprio sistema bancário neutralizam o estímulo ao gasto usualmente associado à taxa de juros baixa e à liquidez abundante. A política fiscal é muito mais eficaz nesta circunstância Redução de impostos/devoluções, aumento da renda disponível; Aumento dos gastos correntes; Aumento do investimento público. Efeito direto sobre a demanda efetiva

3 O investimento público é a alternativa mais eficiente Especialmente se as escolhas priorizam projetos de alto benefício econômico-social (ponderado pelo custo); Geração de empregos/impactos multiplicadores sobre cadeias de fornecedores de bens e serviços; Déficits fiscais têm, em geral, caráter anticíclico; Mas a opção por mais investimentos requer financiamentos de longo prazo para a sustentação de planos plurianuais de investimento (papel dos Bancos Públicos). Caráter autônomo do investimento público

4 Desafios à implementação de investimentos eficientes Preparação prévia dos projetos (engenharia básica/executiva) e simultânea avaliação das taxas de retorno (econômico e social); Qualidade do sistema regulatório e dos incentivos econômicos; Avaliação e licenciamento ambiental; Financiamento aos projetos de grande porte. Importância do planejamento com visão de longo prazo

5 Riscos derivados do exercício prolongado das políticas fiscais Intenso e prolongado aumento do déficit público expande exageradamente a dívida pública; Mina a confiança na sustentabilidade das finanças públicas e onera as gerações futuras; Desata temores de descontrole da inflação no futuro. Resulta em taxas de juros de longo prazo mais altas, inibidoras da reativação do gasto privado.

6 Prevenção de desperdício/ineficiência requer regulação, transparência e concorrência Políticas Fiscais calcadas exclusivamente na administração direta e/ou em empresas públicas aumentam riscos de desvios, burocratização e ineficiência; A qualidade e isenção da regulação é chave para mobilizar o setor privado via concessões e PPPs, para a provisão eficiente de serviços públicos; A modicidade tarifária deve ser um critério guia para transmissão de externalidades ao sistema econômico/sociedade: requer processos transparentes e competitivos de fixação das tarifas/preços.

7 Medidas de política econômica dos países do G-20 mais Espanha e Holanda Estabilizar, aumentar ou expandir os seguros de Acomodação Medidas para aumento de Resolução depósito Garantias de empréstimos liquidez Planos de recapitalização África do Sul x Alemanha x x x x x Arábia Saudita x x x Argentina x Plano de compra de ativos Austrália x x x x Brasil x x Candá x x x China x Coréia do Sul x x x x Espanha x x x x Estados Unidos x x x x x França x x x Holanda x x x x Índia x x Indonésia x x Itália x x x Japã x x x México x x Reino Unido x x x x x Rússia x x x x x Turquia x Fonte: Reproduzido da publicação Global Economic Policies and Prospects do FMI. Março de 2009.

8 Políticas anticíclicas no mundo Composição dos pacotes fiscais - países selecionados da OCDE Total de 2008 a 2010 (% do PIB de 2008) Total Isenções tributárias Gastos EUA 5,6 3,2 2,4 Coréia 4,9 3,2 1,7 Austrália 4,6 1,3 3,3 Nova Zelândia 4,3 4,3 0,0 Canadá 4,1 2,4 1,7 Luxemburgo 3,6 1,7 1,9 Alemanha 3,0 1,6 1,4 Suécia 2,8 1,8 1,0 Dinamarca 2,5 0,7 1,8 Japão 2,0 0,5 1,5 Reino Unido 1,4 1,4 0,0 França 0,6 0,2 0,4 Suíça 0,5 0,2 0,3 Fonte: OECD Economic Outlook-Interim Report.

9 Políticas anticíclicas no mundo 120 Evolução da Dívida Líquida do Setor Público (% do PIB) 114,8 117, , , , ,4 68,0 66,9 70, ,9 54,1 60,6 45,5 57, ,1 36, EUA Zona do Euro 21,9 29,1 Canadá Alemanha Japão Reino Unido França Itália Brasil Nota: Para 2010: projeções. Fonte: FMI. No caso do Brasil, dados do Ministério da Fazenda.

10 Pacotes Fiscais das Economias Emergentes China: Plano de estímulo de 4 trilhões de yuan (US$ 587 bilhões), focados na infraestrutura rural, reconstrução pós-terremoto, habitação para baixa renda, saúde, educação e, principalmente, nos transportes. Política de desoneração tributária estimada em 120 bilhões de yuan (US$ 17,5 bilhões); Coréia do Sul: Plano de estímulo de KRW 33 trilhões (US$ 26 bilhões), sendo KRW 15,6 trilhões para investimentos públicos em infraestrutura e ampliação da rede de proteção social e KRW 17,7 trilhões para desonerações tributárias; Índia: Plano de estímulo de Rs trilhões (US$ 60 bilhões), incluindo investimentos no setor rural, projetos de infraestrutura, segurança alimentar, saúde e construção civil; Rússia: Plano de estímulo de Rb 2,9 trilhões (US$ 90 bilhões), com destaque para a elevada renúncia fiscal e para as medidas de transferência de renda e compensação dos efeitos perversos da crise aos mais afetados.

11 Aumento do déficit fiscal dos BRICs em 2009 O aumento esperado reflete o impacto das medidas anticíclicas adotadas Resultado fiscal em % do PIB Brasil Rússia Índia ' China Variação Fonte: MF (Brasil) e Economist Intelligence Unit

12 O crescimento da economia brasileira nos próximos anos A economia brasileira crescerá bem acima da média mundial; O mercado interno viabilizará a expansão da demanda/inversões: consumo básico das famílias, habitação e bens duráveis; O investimento será dinamizado por 5 grandes vetores: petróleo e gás, energia, logística, construção habitacional e agronegócios; É indispensável implementar novas estratégias intensivas em inovação e sustentabilidade sócioambiental.

13 Conclusões O uso da política fiscal deve ser eficiente (prioridade para investimentos de alto retorno econômico e social); E deve considerar os efeitos intertemporais sobre as expectativas e sobre a confiança dos investidores privados; A interação entre gasto direto e crédito de longo prazo deve ser otimizada; Incentivos à inovação deveriam merecer prioridade para aumentar o potencial de crescimento a longo prazo.

14

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO Disciplina: D 2.2 Economia Internacional (16h) (Aula 2 - Crise internacional: medidas de políticas de países selecionados) Professora: Luciana Acioly da Silva 21 e 22

Leia mais

O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil. Daniela Freddo

O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil. Daniela Freddo O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil Daniela Freddo 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento

A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento ESPM Novembro / 2013 José Ricardo Roriz Coelho Vice-presidente da FIESP e Diretor-titular do 1 1 Oportunidades 2 Desafios

Leia mais

Chile um sócio a longo prazo. Pedro Asenjo Comitê de Investimentos Estrangeiros

Chile um sócio a longo prazo. Pedro Asenjo Comitê de Investimentos Estrangeiros Chile um sócio a longo prazo Pedro Asenjo Comitê de Investimentos Estrangeiros Um sócio a longo prazo Nova política de atração de IED Temas Um ambiente de negócios maduro País de oportunidades Investimento

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN 1 A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN Cézar Manoel de Medeiros* O Novo Ciclo de desenvolvimento em curso no Brasil é

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Painel: A CADEIA PRODUTIVA - desenvolvimento da indústria do petróleo e gás no Brasil e o desenvolvimento da indústria de equipamentos e ferramentas

Leia mais

Indicadores de Desempenho Junho de 2014

Indicadores de Desempenho Junho de 2014 Junho de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Lenta recuperação da economia global Os dados do último relatório World Economic Outlook do FMI, como podem ser observado nos gráficos nº 1 e 2, deixam claro que

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012 Financiamento para o desenvolvimento Novembro/2012 Agenda Contexto dos investimentos em infraestrutura no Brasil Desafios para a realização de investimentos em infraestrutura 1 Brasil Média Global Países

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PROF.DR. HERON CARLOS ESVAEL DO CARMO Dezembro de 2006 Rua Líbero Badaró, 425-14.º andar - Tel (11) 3291-8700 O controle do processo

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações 1 Termo de Renúncia Algumas declarações constantes nesta apresentação são

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Henrique Meirelles 28 de agosto, 2015 AGENDA CURTO PRAZO (2015/2016): AJUSTES MACROECONÔMICOS PROJEÇÕES LONGO PRAZO: OBSTÁCULOS AO CRESCIMENTO PROPOSTAS DE POLÍTICA

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

Nossos serviços e práticas

Nossos serviços e práticas Ferramentas online para identificação de características da liderança Nossos serviços e práticas Nosso propósito Transformando estratégias em realidade Nossas práticas Construindo uma organização eficaz

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

Brasil avança em duas áreas da Matemática

Brasil avança em duas áreas da Matemática PISA 2003 - BRASIL O Brasil mostrou alguns avanços na segunda edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Foi o que mais cresceu em duas das áreas avaliadas da Matemática, melhorou

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Marco Legal da Inovação. Igor Cortez - CNI

Marco Legal da Inovação. Igor Cortez - CNI Marco Legal da Inovação Igor Cortez - CNI Australia Austria Belgica Canada Dinamarca Finlândia França Alemanha Irlanda Itália Japão Coreia do Sul Holanda Nova Zelândia Espanha Suécia Suíca Reino Unido

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL 25 de setembro de 2015

TÓPICO ESPECIAL 25 de setembro de 2015 Os desafios fiscais do Brasil Thiago Neves Pereira Fernando Honorato Barbosa Resgatar o equilíbrio das contas públicas será crucial para que o Brasil enfrente os desafios recentes que se colocam para a

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

GRÉCIA Comércio Exterior

GRÉCIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC GRÉCIA Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores Econômicos

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP ANEXO ESTATÍSTICO Produto Interno Bruto Tabela 1. Produto Interno Bruto Em R$ milhões Em U$ milhões 1 (último dado: 3º trimestre/) do índice de volume 2009 2010 (3ºtri) 2009 2010 (3ºtri) Trimestre com

Leia mais

Os resultados da política de conteúdo local nas atividades de exploração e produção de petróleo e de gás natural para a indústria

Os resultados da política de conteúdo local nas atividades de exploração e produção de petróleo e de gás natural para a indústria Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Seminário: CONTEÚDO LOCAL NO SETOR PETRÓLEO Painel: Os resultados da política de conteúdo local nas atividades de exploração e produção de petróleo

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

Orçamento Público, Investimento e Visão de Longo Prazo para a Economia Brasileira. Roberto Ellery Jr, ECO/UnB

Orçamento Público, Investimento e Visão de Longo Prazo para a Economia Brasileira. Roberto Ellery Jr, ECO/UnB Orçamento Público, Investimento e Visão de Longo Prazo para a Economia Brasileira Roberto Ellery Jr, ECO/UnB Investimento no Brasil Investimento no Brasil é Baixo: Dados do FMI mostram que em 2010 a taxa

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Desafios da Inovação no Brasil

Desafios da Inovação no Brasil Jornada pela Inovação Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia Senado Federal Desafios da Inovação no Brasil Glauco Arbix Finep Brasília, 25 de maio de 2011 FINEP Empresa pública federal, não

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO DO SETOR BIOMASSA SÓLIDA - MESA REDONDA - Joésio Siqueira joesio@stcp.com.br Florianópolis, SC 12 / Novembro / 2015 1 2 1 ÁREAS DE ATUAÇÃO

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

Carlos Pio. O Brasil está preparado para atender a um novo cenário de demanda?

Carlos Pio. O Brasil está preparado para atender a um novo cenário de demanda? As Novas Perspectivas do Mercado Internacional O Brasil está preparado para atender a um novo cenário de demanda? Carlos Pio Professor, UnB (Economia Política Int l) Sócio, Augurium (Risco Político) 1

Leia mais

Tendências e Visões para a Saúde Suplementar. José Cechin. IESS Instituto de Estudos em Saúde Suplementar. Jose.cechin@fipecafi.br

Tendências e Visões para a Saúde Suplementar. José Cechin. IESS Instituto de Estudos em Saúde Suplementar. Jose.cechin@fipecafi.br Tendências e Visões para a Saúde Suplementar José Cechin Jose.cechin@fipecafi.br IESS Instituto de Estudos em Saúde Suplementar 1 Tendências e Visões para a Saúde Suplementar Agenda: Desenvolver cenários

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

O Apoio do BNDES à Internacionalização das Empresas Brasileiras Seminário SOBEET

O Apoio do BNDES à Internacionalização das Empresas Brasileiras Seminário SOBEET O Apoio do BNDES à Internacionalização das Empresas Brasileiras Seminário SOBEET São Paulo, 03 de agosto de 2012 Apoio à internacionalização - Histórico Evolução do tema no BNDES refletiu o aumento do

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima Secretaria de Geologia, A e a Política Nacional de Mudança do Clima Departamento de Desenvolvimento Sustentável na Secretaria de Geologia, Ministério das Minas e Energia Secretaria de Geologia, SUMÁRIO

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Se tivermos em atenção os factos, comprovados pelos registos e estatísticas mais ou menos oficiais, de cariz económico,

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

2 PNE 2011-2020- Financiamento da educação Seminário estadual para debate. Porto Alegre: 27/06/2011.

2 PNE 2011-2020- Financiamento da educação Seminário estadual para debate. Porto Alegre: 27/06/2011. 2 PNE 2011-2020- Financiamento da educação Seminário estadual para debate. Porto Alegre: 27/06/2011. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Junho/2011 www.darcyfrancisco.com.br Aplicação

Leia mais

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS OBJETIVO: ILUSTRAR CONCEITOS TRABALHADOS EM MACROECONOMIA Patricia Bonini - patriciabonini@gmail.com Roteiro

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS ENESUL -2013 FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 Metodologia de Trabalho Identificação de Mercados Aptidão e Competitividade da Produção Competitividade

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Câmara dos Deputados Consultoria Legislativa Análise de Conjuntura Boletim periódico da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim

Leia mais

Desconstruindo o Big Mac. JOSÉ MARTINS

Desconstruindo o Big Mac. JOSÉ MARTINS Núcleo de Educação Popular 13 de Maio - São Paulo, SP. CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA EDIÇÃO Nº1268/1269 Ano 29; 3ª e 4ª Semanas Outubro 2015 Desconstruindo o Big Mac. JOSÉ MARTINS Quando a taxa de câmbio

Leia mais

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022 Carteira de projetos prioritários para 2014 Propostas a serem entregues aos presidenciáveis Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 OBS: AJUSTAR TAMANHO DA LOMBADA COM O CÁLCULO FINAL DO MIOLO. Mapa Estratégico

Leia mais

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a Objetivo Planejamento do CBN 2008 Propor a Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas Antecedentes Normas nacionais devem ser: necessárias e demandadas utilizadas acordadas o mais

Leia mais

Questões Específicas. Geografia Professor: Cláudio Hansen 03/12/2014. #VaiTerEspecífica

Questões Específicas. Geografia Professor: Cláudio Hansen 03/12/2014. #VaiTerEspecífica Questões Específicas 1. Considerando os Blocos Econômicos, a União Europeia (27 países em 2011) permanece como relevante importador de mercadorias brasileiras. Considerando os países individualmente, a

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Implementação de uma estratégia de inovação aberta nos centros de PD&I das multinacionais no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Implementação de uma estratégia de inovação aberta nos centros de PD&I das multinacionais no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Implementação de uma estratégia de inovação aberta nos centros de PD&I das multinacionais no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Perspectivas econômicas para 2014. mschneider@cgdsecurities.com.br

Perspectivas econômicas para 2014. mschneider@cgdsecurities.com.br Perspectivas econômicas para 2014 mschneider@cgdsecurities.com.br Agosto/2013 EUA: processo de normalização da economia avança e mostra consistência 1 EUA: normalização consistente da economia inclui recuperação

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO TRIBUTAÇÃO, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL NO CONTEXTO SOCIAL RAZÕES DA CARGA TRIBUTÁRIA. DESENVOLVIMENTO E CONTROLE SOCIAL DO GASTO PÚBLICO

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA - SEF DIRETORIA DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO DIOR NOTA EXPLICATIVA: A DIOR não é a fonte primária das informações disponibilizadas neste

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 Preliminares Paridade do Poder de Compra (PPC) Equilíbrio de longo prazo Bens comercializáveis (PPC) e não-comercializáveis Câmbio

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Dezembro, 2015 1 Roteiro sofre de diversos desequilíbrios e problemas de competitividade.

Leia mais

Pesquisa: Fatores de Atratividade de Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (2009-2011) Prof. Dr. José Roberto de Araujo Cunha Junior

Pesquisa: Fatores de Atratividade de Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (2009-2011) Prof. Dr. José Roberto de Araujo Cunha Junior Pesquisa: Fatores de Atratividade de Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (2009-2011) Prof. Dr. José Roberto de Araujo Cunha Junior São Paulo, 4 de agosto de 2012 1. Contextualização da Pesquisa

Leia mais

Jairo Martins da Silva

Jairo Martins da Silva Jairo Martins da Silva Tendências e desafios da gestão: a nova agenda dos governos e das organizações públicas e privadas Jairo Martins FNQ - Fundação Nacional da Qualidade Agenda Os conceitos Os cenários

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Energia em busca de alternativas renováveis 1

Energia em busca de alternativas renováveis 1 Energia em busca de alternativas renováveis 1 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Guilherme de A. Dantas Pergunta: É possível haver equilíbrio em um quadro de alta do petróleo, custos pouco atrativos

Leia mais

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008 SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável São Paulo, 04 de junho de 2008 SUSTENTABILIDADE X DEMANDAS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO 2 Matriz Energética

Leia mais

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial Inovação Chave de Competitividade Luís Ribeiro Rosa ES Research - Research Sectorial 22 de Novembro de 2009 Inovação - Uma chave de um novo contexto Especificidades da economia portuguesa Inovação - A

Leia mais

sustentável Crescimento

sustentável Crescimento sustentável Crescimento A população urbana aumenta de forma significativa, e gestores têm o desafio de buscar soluções criativas e inovadoras para financiar a infraestrutura necessária a esse contingente

Leia mais

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas.

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. 12ª Navalshore Maritech South America Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. Enseada Indústria Naval S.A. Humberto Rangel - Diretor de Relações Institucionais e de Sustentabilidade

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

Palavras de Saudação

Palavras de Saudação ESTUDOS E PESQUISAS Nº 327 Palavras de Saudação Luciano Coutinho* Fórum Especial 2009 - Na Crise Esperança e Oportunidade, Desenvolvimento como Sonho Brasileiro, Oportunidade para as Favelas 17 e 18 de

Leia mais

Overview. Safety on Roads. Síntese. Segurança nas Estradas

Overview. Safety on Roads. Síntese. Segurança nas Estradas Overview Safety on Roads WHAT S THE VISION? Síntese Segurança nas Estradas QUAL É A VISÃO? As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca Online

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO DO. Prof:krisnamurth

INDUSTRIALIZAÇÃO DO. Prof:krisnamurth INDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL Prof:krisnamurth / BRASIL, PAÍS EMERGENTE PAÍS INDUSTRIALIZADO, PAÍS DE INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA, PAÍS RICO, MAS DEPENDENTE, PAÍS DESIGUAL, PAÍS DE EXTREMOS NATURAIS E SOCIAIS...

Leia mais

Energia Eólica Setembro de 2015

Energia Eólica Setembro de 2015 Energia Eólica Setembro de 2015 Quem somos? Fundada em 2002, a ABEEólica é uma instituição sem fins lucrativos que congrega e representa o setor de energia eólica no País. A ABEEólica contribui, desde

Leia mais

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Carlos da Silva Costa Governador Forum para a Competitividade Hotel Tiara Park, Lisboa, 23 setembro 2014 Condicionantes de um crescimento

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

Transformando Crise em Oportunidade

Transformando Crise em Oportunidade ESTUDOS E PESQUISAS Nº 478 Transformando Crise em Oportunidade Otávio M. Azevedo * XXV Fórum Nacional (Jubileu de Prata 1988/2013) O Brasil de Amanhã. Transformar Crise em Oportunidade. Rio de Janeiro,

Leia mais

SCOR GLOBAL LIFE FENAPREVI II SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE MARKETING & VENDAS VIDA E PREVIDÊNCIA

SCOR GLOBAL LIFE FENAPREVI II SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE MARKETING & VENDAS VIDA E PREVIDÊNCIA SCOR GLOBAL LIFE FENAPREVI II SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE MARKETING & VENDAS VIDA E PREVIDÊNCIA Julho 2009 Impacto da Crise Mundial - Seguro de Vida Industria de Seguros de Vida não foi tão afetada quanto

Leia mais

Crédito Imobiliário. Propostas para torná-lo um efetivo instrumento promotor do desenvolvimento econômico e social do País. 09 de Novembro de 2007

Crédito Imobiliário. Propostas para torná-lo um efetivo instrumento promotor do desenvolvimento econômico e social do País. 09 de Novembro de 2007 Crédito Imobiliário Propostas para torná-lo um efetivo instrumento promotor do desenvolvimento econômico e social do País 09 de Novembro de 2007 3893 Países que apresentam uma elevada relação Crédito Privado

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL TEMAS EM DISCUSSÃO

EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL TEMAS EM DISCUSSÃO EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL TEMAS EM DISCUSSÃO José Francisco Soares Presidente do Inep Brasília-DF maio 2015 SUMÁRIO Fórum Educacional Mundial Direito à educação: PNE Aprendizado: Base Nacional Comum Financiamento

Leia mais

O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo

O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo XXI CONGRESSO FENABRAVE São Paulo, 25 de novembro de 2011 Luciano Coutinho Presidente Conjuntura econômica recente 2 Persiste a deterioração do

Leia mais