c:/brito/prp/flwpre/competc&t.ppt 29/6/2004

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "c:/brito/prp/flwpre/competc&t.ppt 29/6/2004"

Transcrição

1 c:/brito/prp/flwpre/competc&t.ppt 29/6/2004 C&T no Brasil: A universidade, a empresa e a pesquisa Carlos H de Brito Cruz Reitor, Unicamp 29/6/2004; c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 1 Ciência mudou o mundo Energia nuclear Transistor DNA política, medicina, agricultura microcircuitos, computadores, Internet, Web medicina, biotecnologia C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 2 1

2 C&T no Brasil P&D na academia Artigos e formação P&D na empresa Produtos e patentes Distorção no Sistema Brasileiro de Inovação Pouca P&D na empresa Limites da interação universidade empresa Mais P&D na empresa Papel da Universidade Múltiplos atores, múltiplos papéis C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 3 Roteiro Geração de conhecimento Capacidade acadêmica competitiva Capacidade empresarial limitada Lugar da Inovação tecnológica é a empresa Cientistas na empresa Expectativa mitológica sobre Inovação na Universidade Misões institucionais Universidade : lugar da educação Empresa: lugar da inovação C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 4 2

3 Brasil Pesquisa Acadêmica Artigos científicos Artigos publicados Porcentagem do total mundial 1,60% 1,20% 0,80% 0,40% 0 0,00% Porcentagem do total mundial 7500 Doutores formados C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 5 Doutorados em SP, 2003 Brasil EUA Doutorados USP U. CA Berkeley 799 Unicamp 743 U. WI-Madison 649 U. CA Los Angeles 642 U. TX at Austin, The 637 OH State U.-Main Campus, The 616 U. MI-Ann Arbor 607 U. IL at Urbana-Champaign 603 U. MN-Twin Cities 565 Harvard U. 552 Unesp 540 PA State U.-Main Campus 539 Stanford U. 526 MA Institute of Technology 501 C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 6 3

4 Brasil P&D na Empresa Economia que já se beneficia do conhecimento Capacidade manufatureira Capacidade Inovativa Salto já em curso Pauta de exportações Aviões: US$ 3 bi Soja (e deriv.): US$ 6 bi Jato ERJ 145: Embraer Embrapa Petrobrás Trópico Promon-CPqD Fibras Ópticas Itautec, Gradiente Siemens, Villares, Mectron, AsGa, Opto, SMAR, Alellyx,... C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 7 Patentes e Invest. Empresarial em P&D: Brasil e Coréia Patentes nos EUA Brasil ,0 7,5 5,0 2,5 0,0 Investim. P. empresas (US$ bilhões) Patentes nos EUA C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp Coréia ,0 7,5 5,0 2,5 0,0 Investim. P. empresas (US$ bilhões) 4

5 Principais patenteadores, Brasil e Coréia - USPTO First-Named Assignee Total PETROBRAS 55 CARRIER CORPORATION 29 EMBRACO 17 COMPANHIA VALE DO RIO DOCE 10 METAGAL IND. E COM. LTDA. 10 PRAXAIR TECHNOLOGY, INC. 8 SMAR RESEARCH CORPORATION 6 TELEBRAS 5 First-Named Assignee Total SAMSUNG ELECTRONICS CO HYUNDAI ELECTRONICS IND LG ELECTRONICS INC DAEWOO ELECTRONICS CO 980 LG SEMICON CO., LTD. 957 ELECTRON. AND TEL.. RES. INST. 504 HYUNDAI MOTOR CO., LTD. 416 SAMSUNG DISPLAY DEVICES CO 330 C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 9 Patentes são produto típico da empresa ,% 90,% 25 Frequency 80,% Número de Universidades Cumulative % US Patents in 1994: From universities: (3%) 70,% 60,% 50,% 40,% 30,% 5 20,% 10,% More Núm ero de Patentes,% C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 10 5

6 Patentes e Investimento industrial em P&D Patentes registradas nos EUA y = 0,056.x 1,14 R 2 = 0,68 Grécia Austria Finlândia Dinamarca Noruega Portugal Irlanda Singapura Taiw an HolandaSuíssa UK Itália Brasil Suécia Bélgica Coréia Espanha India França Alemanha China Japão EUA Investimento pela indústria (Milhões de dólares PPP de 1987) C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 11 Patent: Transistor C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 12 6

7 Patent: Superior performance Yo-Yo C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 13 Patentes de invenção INPI, 1997 a 2000 Patentes de Invenção, UNICAMP (SP) EMBRAPA UFMG USP (SP) FIOCRUZ CPqD UFRS C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 14 7

8 INPI - Brasil Principais patenteadores, Patentes de invenção e Modelos de Utilidade Petrobras CSN Arno Unicamp CVRD Embrapa Usiminas Multibras Corona Fonte: Eduardo M e Albuquerque Patentes e Atividades Inovativas: uma avaliação do caso brasileiro, 2003 (no prelo) C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 15 Presença mundial em C&T Artigos e Patentes % dos Artigos ou Patentes 8% 6% 4% 2% 0% % dos artigos publicados % patentes reg. nos EUA Brasil UK Alem. França Itália Israel Coréia C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 16 8

9 Presença mundial em C&T Artigos e Patentes % dos Artigos ou Patentes nos EUA 60% 40% 20% 0% % dos artigos publicados % patentes reg. nos EUA Brasil EUA UK Alem. França Itália Israel Coréia Japão C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 17 Distorção no Sistema Brasileiro de C&T Poucos C&E nas empresas 23% dos cientistas brasileiros trabalham em empresas Brasil: < , < 23% do total no país Coréia: , 54% do total no país EUA: , 80% do total no país Limitada conversão de conhecimento em desenvolvimento empresas é que geram riqueza o contribuinte não entende porque deve pagar por Ciência a Ciência avança mais, a Competitividade menos C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 18 9

10 Distribuição institucional da atividade de P&D Brasil Coréia Canadá Itália Inglaterra Univ. e outros Governo Indústria França Alemanha Japão EUA Cientistas (%) C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 19 Número de Centros de Pesquisa Onde trabalham tantos C&E Coreanos? Total de C. De Pesquisa Centros de Pq em Pequenas e Médias Empresas Centros de Pq em Grandes Empresas Fonte: Korean Industrial Technology Association (KITA), via Celso Barbosa, ANPEI C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 20 10

11 Investimento Total em P&D, 2001 Japão Coréia do Sul EUA Alemanha França OECD Inglaterra Brasil Itália Espanha 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 Porcentagem do PIB em P&D Fonte: OECD Science, Technology and Industry Scoreboard 2002 e Site MCT C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 21 Alemanha França EUA Brasil Japão Coréia do Sul OECD Inglaterra Itália Espanha Investimento em P&D pelo governo, ,5 1 1,5 2 2,5 3 Porcentagem do PIB em P&D Fonte: OECD Science, Technology and Industry Scoreboard 2002 e Site MCT C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 22 11

12 Japão Coréia do Sul EUA Alemanha OECD França Inglaterra Espanha Brasil Itália Investimento em P&D pela indústria, ,5 1 1,5 2 2,5 3 Porcentagem do PIB em P&D Fonte: OECD Science, Technology and Industry Scoreboard 2002 e Site MCT C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 23 Mais P&D na empresa Aumentar o esforço de P&D empresarial no Brasil mais interação com a universidade há limites fortes universidade não pode substituir a empresa mais esforço próprio centros de P&D na indústria cientistas na empresa (indústria e serviços) C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 24 12

13 EUA: P&D na Universidade, 2000 Universidade 20% Total: US$ 27,49 bi Empresas 7% Governo Outros Universidade 7% Empresas Outros Governo 66% Fonte: Science and Engineering Indicators 2002,Appendix Table 5-4 C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 25 O mito do investimento privado na universidade Total Gov Indus Instit Outro %Indus Total USA ,5% 1. Univ of Michigan ,7% 2. Univ of Washington ,6% 3. UC Los Angeles ,1% 4. Univ of Wisconsin ,0% 5. UC-San Diego ,7% 6. UC Berkeley ,9% 7. Johns Hopkins ,4% 8. J Hopkins App. P Lab ,0% 9. Stanford University ,5% 10. MIT ,9% 13. Cornell ,0% 19. Harvard University ,7% 20. Columbia University ,1% 42. CalTech ,8% 79. Univ of New Mexico ,6% (fonte:nsf/srs: Survey of Sci and Eng Expenditures at Universities, FY 1999 C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 26 13

14 EUA: investimento empresarial em P&D, 2000 Total: US$ 181,04 bi Empresa 98,12% Universidade 1,28% Empresa Universidade Outros 0,60% Outros Fonte: Science and Engineering Indicators 2002 C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 27 Limites da interação universidade-indústria Nos EUA: indústria financia menos de 8% da pesquisa na universidade Diferentes culturas e missões sigilo tempo disponível pesquisar ensinando x pesquisar rápido natureza da pesquisa desenvolvimento, pq. aplicada e pq básica C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 28 14

15 C&T no Brasil: Fortalecer P&D na empresa Aumentar o esforço de P&D empresarial no Brasil Empresa é o lugar da inovação Mais esforço próprio centros de P&D na indústria cientistas na empresa (indústria e serviços) Apoio do Estado à P&D empresarial Reduzir risco intrínseco e extrínseco C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 29 Apoio do governo à P&D industrial, OECD Alemanha Austrália Incentivos Japão Encomendas Tecnológicas Infraestrutura Inglaterra França EUA Canadá 0 0,2 0,4 0,6 0,8 Porcentagem do PIB industrial Fonte: S&T Industry Outlook, OECD 2000 Média OCDE: 0,25 a 0,6% PIB industrial US$ 1 gov x US$ 9 empresa Brasil PIB Industrial: R$ 400 bi 0,25%: R$ 1,0 bi 0,6%: R$ 2,4 bi Invest Empresarial P&D: R$ bi/ano C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 30 15

16 Poder de compra: P&D - DoD e Nasa Dep. de Defesa, EUA Nasa, EUA 5% (a) (b) 24% 23% 27% Intramuros Indústria Universidades Intramuros Indústria Universidades 71% 50% C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 31 Poder de Compra: Circuitos Integrados, EUA Government Purchases of Integrated Circuits, Year Total Integrated Circuit Shipments (millions of dollars) Shipments to Federal Government (millions of dollars) Government Share of Total Shipments (percent) b 4 b 100 b b 94 b b 85 b Source: Richard C. Levin, "The Semiconductor Industry," in Richard R. Nelson, ed., Government a Includes circuits produced for Department of Defense, Atomic Energy Commision, Central Intelligence Agency, Federal Aviation Agency, and National Aeronautics and Space b Estimated by Tilton (1971). C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 32 16

17 Universidade e a Inovação Formação de pessoal capaz de criar conhecimento na empresa e na academia Pesquisa cooperativa com empresas Melhor educação na universidade Apoio à P&D na empresa Berço de empresas TI, Engenharias, Biologia, Física, Proposição e debate de políticas públicas C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 33 Unicamp e Empresas Comunicações ópticas no Brasil 1971: pesquisa em Comunicações Ópticas começa na Unicamp: prof. J.E. Ripper 1973: contrato Unicamp-Telebrás: Estudo de Sistemas de Comunicações Ópticas 1976: Centro de P&D Telebrás 1982: ABC Xtal (agora XTal FCore) 1986: AsGa Microeletrônica 2000: Centro de Pq em Óptica e Fotônica; + 14 empresas Today: the spin-off companies born from the Physics Institute at Unicamp have revenues in excess to US$ PPP 300 million C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 34 17

18 Unicamp Spin-offs e associados > 90 empresas IT: 40 Biotech: 10 Lasers & optics: 13 Eng, Food, Cons.: 27 fibras ópticas C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 35 Allelyx e Scylla Empresas em genômica C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 36 18

19 Ciência, Tecnologia e PIB Francis Bacon (séc. XVII) ciência tecnologia nova riqueza Adam Smith (séc. XVIII) ciência tecnologia nova riqueza tecnologia velha E. Mansfield, 1995 NSF, 1996 C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 37 Aliança do Conhecimento Papel das instituições Academia Educação Fronteiras do conhecimento Empresa Conhecimento associado ao mercado Geração de riqueza Estado Mobilizar Viabilizar Social C.H. Brito Cruz, 29/6/2004, c&t_br_short_ ppt; CH Brito Cruz e Unicamp 38 19

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp C&T em São Paulo Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 27/09/07; sp-educacao-10092007.ppt; CH Brito Cruz e Fapesp 1 State of São Paulo, Brazil 33% of Brazil

Leia mais

O Desafio da Inovação

O Desafio da Inovação O Desafio da Inovação Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 9/11/2007; sp-educacao-10092007.ppt; CH Brito Cruz e Fapesp 1 State of São Paulo, Brazil 33% of

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA INOVAÇÃO NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA INOVAÇÃO NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro T. Prata Universidade Federal de Santa Catarina CONFERÊNCIA DE ABERTURA Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação para Agricultura: Academia e Indústria Florianópolis,

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE INOVAR NO BRASIL

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE INOVAR NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE INOVAR NO BRASIL Alvaro T. Prata Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTI Governo Federal I Fórum Latino-Americano de Engenharia Perspectivas para

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Internacionalização da P&D farmacêutica: oportunidades para o Brasil?

Internacionalização da P&D farmacêutica: oportunidades para o Brasil? Internacionalização da P&D farmacêutica: oportunidades para o Brasil? I Ciclo de Conferências do Instituto Virtual de Fármacos do Rio de Janeiro 18 de abril de 2006 Sérgio Queiroz DPCT-IG-Unicamp Roteiro

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

As agências de inovação inglesas e suas estratégias de entrada no Brasil

As agências de inovação inglesas e suas estratégias de entrada no Brasil As agências de inovação inglesas e suas estratégias de entrada no Brasil Carolina Costa Mestranda em Engenharia de Produção pela POLI USP Gerente Comercial para Ciências da Vida do Consulado-Geral Britânico

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Panorama e Oportunidades da Indústria de Defesa no Brasil Seminário: As oportunidades da indústria de defesa e a segurança para o Brasil e a região do ABC São Bernardo do Campo, 20 de outubro de 2011 Luciano

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Coréia do Sul: trajetória ria de desenvolvimento e novos desafios

Coréia do Sul: trajetória ria de desenvolvimento e novos desafios Observatório rio da Inovação e da competitividade USP Coréia do Sul: trajetória ria de desenvolvimento e novos desafios Mariano Laplane Adriana Nunes Ferreira Instituto de Economia - UNICAMP São Paulo

Leia mais

OECD Science, Technology and Industry: Scoreboard Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Quadro Sumário Executivo

OECD Science, Technology and Industry: Scoreboard Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Quadro Sumário Executivo OECD Science, Technology and Industry: Scoreboard 2005 Summary in Portuguese Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Quadro 2005 Sumário em Português Sumário Executivo Continua havendo uma tendência a

Leia mais

para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi

para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi O avanço da gestão da energia e as oportunidades para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi Agenda O ICA/Procobre Gestão de Energia e a ISO 50001 O setor industrial brasileiro Conclusões O avanço

Leia mais

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA 31 de outubro de 2016 INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA Paulo Mól Superintendente do IEL A economia brasileira está perdendo competitividade ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2016/17

Leia mais

o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA INTRODUÇÃ

o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA INTRODUÇÃ - o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA Oscar Tupy1 INTRODUÇÃ O Este trabalho tem por objetivo mostrar de forma compacta as tendências mundiais de consumo, produção e comércio de carne bovina.

Leia mais

COMPRAS GOVERNAMENTAIS: ANÁLISE DE ASPECTOS DA DEMANDA PÚBLICA POR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES

COMPRAS GOVERNAMENTAIS: ANÁLISE DE ASPECTOS DA DEMANDA PÚBLICA POR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES COMPRAS GOVERNAMENTAIS: ANÁLISE DE ASPECTOS DA DEMANDA PÚBLICA POR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES Rodrigo Abdalla Filgueiras de Sousa João Maria de Oliveira Brasília, 28 de outubro de 2010. Objetivos,

Leia mais

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA.

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA. Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará (CRC-CE) SUMÁRIO Introdução Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@gmail.com STN: princípios

Leia mais

A Civilização Tecnológica

A Civilização Tecnológica A Civilização Tecnológica Nas últimas décadas, o saber se tornou a principal força produtiva. Como insumo indispensável ao poderio produtivo, o conhecimento já é e será o principal fator competitivo entre

Leia mais

No futuro - Turíngia. Rio de Janeiro, São Paulo, maio 2012

No futuro - Turíngia. Rio de Janeiro, São Paulo, maio 2012 No futuro - Turíngia Rio de Janeiro, São Paulo, maio 2012 O Turíngia... é Weimar, Erfurt, Jena são empresas bem sucedidas... é qualidade de vida. Luther Bach Goethe Schiller MDC Power Zeiss Schott page

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

Evolução da indústria farmacêutica brasileira

Evolução da indústria farmacêutica brasileira 7 o Encontro de Pesquisa Clínica do CEPIC Apoio à inovação no Brasil: a participação do BNDES 08/06/2013 Agenda Evolução da indústria farmacêutica brasileira Oportunidade em biotecnologia Cenário de pesquisa

Leia mais

IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA. CHARLES WILLIAM McNAUGHTON

IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA. CHARLES WILLIAM McNAUGHTON IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA CHARLES WILLIAM McNAUGHTON IGF E PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA X PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA IGUALDADE Justiça Social Art. 3º Constituem objetivos fundamentais

Leia mais

Índice: Gráfico 1 Gráficos 2 e 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráficos 6 e 7 Gráficos 8 e 9 Gráficos 10 e 11 Metodologia

Índice: Gráfico 1 Gráficos 2 e 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráficos 6 e 7 Gráficos 8 e 9 Gráficos 10 e 11 Metodologia Índice: Gráfico 1 - Despesa em I&D em percentagem do PIB - total nacional (todos os setores de execução)... 1 Gráficos 2 e 3 - Despesa em I&D em percentagem do PIB, por setores de execução... 2 Gráfico

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente (REMA) Engenharia Ambiental 1º semestre/2017

Recursos Energéticos e Meio Ambiente (REMA) Engenharia Ambiental 1º semestre/2017 Recursos Energéticos e Meio Ambiente (REMA) Engenharia Ambiental 1º semestre/2017 ENERGIA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Capítulo 6 HINRICHS, R.A. e KLEINBACH, M. Energia e Meio Ambiente. 4ª. Ed. São Paulo:

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Sabesp NEIT (IE/UNICAMP) SABESP, São Paulo, 15 de Fevereiro de 2008 Estrutura da Pesquisa

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro

Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro Universidade de Aveiro BTL 2014 Lisboa, 13.03.2014 01. Enquadramento da atividade Evolução da Oferta Instalada Enquadramento da atividade Evolução

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Mineração e sua Importância na Economia Brasileira

Mineração e sua Importância na Economia Brasileira Mineração e sua Importância na Economia Brasileira 25 de novembro de 2010 2º CONGRESSO DE MINERAÇÃO DA AMAZÔNIA ANTONIO LANNES Área > 3 milhões Km² Brasil no Mundo Bangladesh Pop > 140 milhões Nigéria

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae SEBRAE 2022 Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006-2013. Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 03/04/14

Leia mais

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS - Atuação segundo orientações estratégicas - Adotar normas comuns de comportamento político, social, etc. Planejar e concretizar

Leia mais

Pesquisa Inovadora em Pequenas Empresas

Pesquisa Inovadora em Pequenas Empresas Pesquisa Inovadora em Pequenas Empresas Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 1 Sistema paulista de C&T 29/06/2017 pipe-20-anos-20170629.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 2 Pesquisa Inovativa

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS 21/02/14 14/03/14 04/04/14 25/04/14 16/05/14 06/06/14 27/06/14 18/07/14 08/08/14 29/08/14 19/09/14 10/10/14 31/10/14 21/11/14 12/12/14 02/01/15

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

12 de Agosto de 2014 (Terça-Feira) - TARDE. 13 de Agosto de 2014 (Quarta-Feira) - MANHÃ

12 de Agosto de 2014 (Terça-Feira) - TARDE. 13 de Agosto de 2014 (Quarta-Feira) - MANHÃ Página 1 de 5 12 de Agosto de 2014 (Terça-Feira) - TARDE 14:00-18:00hrs: Inscrição e entrega de material 19:00hrs - 20:00hrs: Abertura oficial do CONTECC-2014 Presidente CONFEA - Coordenador da SOEA Coordenador

Leia mais

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3.

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

Geopolítica do Desenvolvimento e. suas Transformações

Geopolítica do Desenvolvimento e. suas Transformações Tecnologias da Informação e Comunicação e Acção Política Geopolítica do Desenvolvimento e suas Transformações É imperativo, antes de mais, explicar no que consiste a geopolítica enquanto disciplina. A

Leia mais

Variedades de Capitalismo. Aula 7 Itália. Prof.: Rodrigo Cantu

Variedades de Capitalismo. Aula 7 Itália. Prof.: Rodrigo Cantu Variedades de Capitalismo Aula 7 Itália Prof.: Rodrigo Cantu Características principais Economia de mercado mediterrânea (EMM) Relações conflituosas - fragmentação Coordenação estatal Política social limitada

Leia mais

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Eduardo Viola Professor Titular Instituto de Relações Internacionais Universidade de Brasília

Leia mais

Políticas de Ciência, Tecnologia e de Inovação para o Setor de RFID no Brasil

Políticas de Ciência, Tecnologia e de Inovação para o Setor de RFID no Brasil 1 Políticas de Ciência, Tecnologia e de Inovação para o Setor de RFID no Brasil Henrique de Oliveira Miguel MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Política de Informática 2 Mercado

Leia mais

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado Painel: Logística e Competitividade Mineração e Agronegócio: Superando Obstáculos para o Escoamento da Produção (São Paulo-SP,

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTRUTURAS EM AÇO

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTRUTURAS EM AÇO SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTRUTURAS EM AÇO Ensino e Pesquisa Científica e Tecnológica Angela Uller, CRIAR/UFRJ CAPES Brasília, 5 de outubro de 2012 Quantos empregos a sua pesquisa gerou? Quantas tecnologias

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Junho/2012 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Jun/12 = R$ 7.158 milhões -0,5% sobre Mai/12 3,8%

Leia mais

A Fapesp e a Pesquisa em São Paulo

A Fapesp e a Pesquisa em São Paulo A Fapesp e a Pesquisa em São Paulo Carlos H. de Brito Cruz Diretor Científico Fapesp fapesp12-20130812-fmusp.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Sumário FAPESP A FMUSP na FAPESP Pesquisa em SP fapesp12-20130812-fmusp.pptx;

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-9 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 7 TELECOMUNICAÇÕES 8 SERVIÇOS,

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved.

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO McGraw-Hill/Irwin Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. O QUE É A MACROECONOMIA? Macroeconomia é o estudo do comportamento da economia como um todo

Leia mais

O Sistema Tecnológico da PETROBRAS

O Sistema Tecnológico da PETROBRAS O Sistema Tecnológico da PETROBRAS José Roberto Fagundes Netto Gerente Geral de P&D em Geoengenharia e Engenharia de Poço do CENPES Rio de Janeiro, 29 de maio de 2014 Aviso As apresentações podem conter

Leia mais

Empresa Brasileira 95 anos de história

Empresa Brasileira 95 anos de história Estratégia de Inovação para Tempos Incertos Grupo Votorantim Empresa Brasileira 95 anos de história Nossas operações industriais concentram-se nos setores de base da economia, que demandam capital intensivo,

Leia mais

Como montar o quebra-cabeça?

Como montar o quebra-cabeça? Seminário sobre Formação de RH para CT&I: A Formação em Farmácia - Perspectivas e necessidades na área de Medicamentos Pesquisa e Produção Como montar o quebra-cabeça? Giles Alexander Rae (UFSC) CGEE 2003

Leia mais

Reformas nos Regimes de Previdência de Servidores Públicos Civis na OCDE e PEC 287 no Brasil

Reformas nos Regimes de Previdência de Servidores Públicos Civis na OCDE e PEC 287 no Brasil 21 Reformas nos Regimes de Previdência de Servidores Públicos Civis na OCDE e PEC 287 no Brasil Rogério Nagamine Costanzi (*) Há vários países onde existem regimes de previdência específicos para servidores

Leia mais

CONQUISTAS E DESAFIOS DO INPI NA CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO EM PI

CONQUISTAS E DESAFIOS DO INPI NA CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO EM PI CONQUISTAS E DESAFIOS DO INPI NA CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO EM PI Lucia Fernandes ACADEMIA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL MISSÃO Formação e capacitação em PI; Desenvolvimento de P&D em PI; Disseminação do uso

Leia mais

Propriedade Indústrial e Indústria Farmacêutica

Propriedade Indústrial e Indústria Farmacêutica I N PI Propriedade Indústrial e Indústria Farmacêutica Alexandre Louren Alexandre Lourenço Examinador de Patentes Divisão de Química II - DIRPA Curso Intermediário rio de Capacitação para Gestores de Propriedade

Leia mais

O que Fazer na Internet

O que Fazer na Internet Internet Histórico O que é a Internet O que é a Internet A Internet é uma rede de computadores à escala mundial, destinada à troca de informações. Os computadores são interligados através de linhas comuns

Leia mais

14º Encontro de Energia - FIESP

14º Encontro de Energia - FIESP 14º Encontro de Energia - FIESP Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética A contribuição da norma ISO 50001 para a Eficiência Energética São Paulo, 06 de agosto de 2013 Objetivo Promover a

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Foi fundada e esse ano completou 83 anos de existência Laboratórios farmacêuticos nacionais e internacionais Das empresas filiadas são responsáveis pelas vendas do mercado no

Leia mais

Anuário Estatístico do Turismo de Bonito

Anuário Estatístico do Turismo de Bonito Anuário Estatístico do Turismo de Bonito Ano Base - 2016 Realização: Apoio: ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO TURISMO DE BONITO ANO BASE 2016 O Anuário Estatístico do Turismo é a compilação dos dados coletados pelo

Leia mais

Previdência Social no Brasil. Fundação Getulio Vargas

Previdência Social no Brasil. Fundação Getulio Vargas Previdência Social no Brasil Fundação Getulio Vargas Novembro 2013 1 1. Fatos estilizados 2. Um breve histórico 3. As recentes reformas da Previdência Social 4. Comparações Internacionais 5. Por que a

Leia mais

GEOGRAFIA GERAL PROFESSOR JHONNY

GEOGRAFIA GERAL PROFESSOR JHONNY GEOGRAFIA GERAL PROFESSOR JHONNY AULA 6: EUA DADOS Área: 9.372.614 km² Capital: Washington D.C População: 320 milhões (2016) Moeda: dólar norte-americano ( USD ) Divisão Administrativa: 50 estados MAPA

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

Informativo Diplomas Estrangeiros Registrados 2016/1

Informativo Diplomas Estrangeiros Registrados 2016/1 Universidade de Brasília Secretaria de Administração Acadêmica SAA Revalidação e Reconhecimento de Diploma Estrangeiro RRDE Campus Universitário Darcy Ribeiro Prédio da Reitoria, subsolo 70910-900 Brasília/DF

Leia mais

MÉXICO. Comércio Exterior

MÉXICO. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC MÉXICO Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

PRODUTIVIDADE E GESTÃO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA

PRODUTIVIDADE E GESTÃO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA PRODUTIVIDADE E GESTÃO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA SEMINÁRIO PRODUTIVIDADE BRASIL OBSERVATÓRIO DA INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE/USP Renato da Fonseca Gerente Executivo de Pesquisa e Competitividade São Paulo,

Leia mais

2.1 Descrição. Objetivos:

2.1 Descrição. Objetivos: Item a) Relações com a Europa. Comércio e investimentos. Extensão máxima. Quatro laudas. Introdução: A liderança econômica global da Europa é notável: são europeias cinco das 10 maiores economias do mundo;

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Fevereiro/2013 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Média Jan-Fev 2008 6.188 2009 4.446 2010 5.178

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini

Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini Produtos Exportados por Santa Catarina: 2002 e 2009 e Análise de Mercados

Leia mais

O Imposto de Renda das Pessoas Físicas

O Imposto de Renda das Pessoas Físicas 2º Seminário de Política Tributária O Imposto de Renda das Pessoas Físicas Palestrante Jefferson José Rodrigues Secretaria da Brasília Junho 2005 Quem paga? Como paga? Progressividade Número de faixas

Leia mais

Inovação e Produtividade

Inovação e Produtividade Aula 11 Inovação e Produtividade Glauco Arbix Depto de Sociologia USP Curso de Pós 2º sem. 2016 Manufatura nos anos 90 Manufatura: cerca de 30% do PIB (para países OCDE) Taxas de produtividade 2 vezes

Leia mais

Administração de Serviços. Prof. Marcos Cesar

Administração de Serviços. Prof. Marcos Cesar Administração de Serviços Prof. Marcos Cesar A importância dos Serviços na Economia: Grécia Clássica - Importância a educação dos jovens. Serviços deixado de lado, sociedade agrícola e escravocrata. Idade

Leia mais

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS NO SETOR PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 02 de abril de 2013

Leia mais

O MUNDO APÓS A GUERRA FRIA O FIM DA BIPOLARIDADE

O MUNDO APÓS A GUERRA FRIA O FIM DA BIPOLARIDADE O MUNDO APÓS A GUERRA FRIA O FIM DA BIPOLARIDADE Em 11 de março de 1985, assume o governo soviético MIKHAIL GORBACHEV; Anuncia então os projetos da GLASNOST (liberdade de expressão) e da PERESTROIKA (reforma

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Países Selecionados Novos Planos ou Planos Revistos para C, T&I em Economias da OCDE e em Países Não-Membros, 2010

Países Selecionados Novos Planos ou Planos Revistos para C, T&I em Economias da OCDE e em Países Não-Membros, 2010 Países Selecionados Novos Planos ou Planos Revistos para C, T&I em Economias da OCDE e em Países Não-Membros, 2010 Países da OCDE Alemanha Estratégia de Alta Tecnologia 2020 Austrália Áustria Bélgica Fortalecendo

Leia mais

Embraer entrega 106 jatos comerciais e 99 executivos em 2012

Embraer entrega 106 jatos comerciais e 99 executivos em 2012 Embraer entrega 106 jatos comerciais e 99 executivos em 2012 São José dos Campos, 14 de janeiro de 2013 A Embraer S.A. (NYSE: ERJ; BM&FBOVESPA: EMBR3) entregou 23 jatos comerciais e 53 executivos durante

Leia mais

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR 2/48 A ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil de 2007: A Importância das Engenharias para o Desenvolvimento Jorge A. Guimarães/João F. G. Oliveira

Leia mais

Indústria Farmacêutica no Brasil

Indústria Farmacêutica no Brasil Indústria Farmacêutica no Brasil 21.06.2016 Um pouco da nossa história Foi fundada e esse ano completou 83 anos de existência Laboratórios farmacêuticos nacionais e internacionais e colaboradores Das empresas

Leia mais

Apresentação Institucional Incluindo resultados de 2015 JBS S.A. UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS

Apresentação Institucional Incluindo resultados de 2015 JBS S.A. UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS Apresentação Institucional Incluindo resultados de 2015 JBS S.A. UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS A JBS AT A GLANCE Receita Líquida de R$163 bilhões em 2015 Segunda maior empresa global de alimentos¹

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2012 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Dez/12 = R$ 6.895 milhões 7,9% sobre Nov/12-5,3%

Leia mais

EVENTO DE LANÇAMENTO RANKING DE COMPETITIVIDADE DOS ESTADOS 2016

EVENTO DE LANÇAMENTO RANKING DE COMPETITIVIDADE DOS ESTADOS 2016 EVENTO DE LANÇAMENTO RANKING DE COMPETITIVIDADE DOS ESTADOS 2016 WELCOME RENATA JÁBALI ABERTURA Luiz Felipe d Avila Diretor Presidente CLP 1º PAINEL "Quais desafios de competitividade o Brasil deve enfrentar

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

INDICADORES DE I&D - COMPARAÇÕES INTERNA CIONAIS OCT Observatório das Ciências e das Tecnologias

INDICADORES DE I&D - COMPARAÇÕES INTERNA CIONAIS OCT Observatório das Ciências e das Tecnologias INDICADORES DE I&D - COMPARAÇÕES INTERNA CIONAIS 1999 OCT Observatório das Ciências e das Tecnologias 2001 Índice Comparações Internacionais Despesa total em I&D em percentagem do PIB (1982-1999) (Gráfico)

Leia mais

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin.

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin. GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD Professor Rodolfo Visentin. QUE É GEOGRAFIA AGRÁRIA A estrutura agrária reúne as condições sociais e fundiárias de um espaço, envolvendo aspectos referentes á legalidade das terras,

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA INOVAÇÃO NO BRASIL. Alvaro T. Prata. Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTIC Governo Federal

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA INOVAÇÃO NO BRASIL. Alvaro T. Prata. Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTIC Governo Federal DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro T. Prata Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTIC Governo Federal III Encontro Nacional de PPG s em Engenharia de Produção

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Gestão de Patrimónios Janeiro 2016 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt RELATÓRIO

Leia mais

Inovação como Motor. Parceria (cooperação) Público Privada:

Inovação como Motor. Parceria (cooperação) Público Privada: Inovação como Motor Crescimento puxado pela Inovação: O crescimentoconduzidopela inovação requer investimentos em insumos estratégicos para a inovação, como Pesquisae Desenvolvimento(P&D), e a construçãode

Leia mais

ESTUDO SOBRE CARGA TRIBUTÁRIA/PIB X IDH CÁLCULO DO IRBES (ÍNDICE DE RETORNO DE BEM ESTAR À SOCIEDADE)

ESTUDO SOBRE CARGA TRIBUTÁRIA/PIB X IDH CÁLCULO DO IRBES (ÍNDICE DE RETORNO DE BEM ESTAR À SOCIEDADE) ESTUDO SOBRE CARGA TRIBUTÁRIA/PIB X IDH CÁLCULO DO IRBES (ÍNDICE DE RETORNO DE BEM ESTAR À SOCIEDADE) EDIÇÃO 2012 COM A UTILIZAÇÃO DE ÍNDICES RECENTES JOÃO ELOI OLENIKE GILBERTO LUIZ DO AMARAL LETÍCIA

Leia mais