MÉTODO DE ANÁLISE E CORREÇÃO DOS MOVIMENTOS NO SAQUE TIPO TÊNIS DO VOLEIBOL: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÉTODO DE ANÁLISE E CORREÇÃO DOS MOVIMENTOS NO SAQUE TIPO TÊNIS DO VOLEIBOL: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), MÉTODO DE ANÁLISE E CORREÇÃO DOS MOVIMENTOS NO SAQUE TIPO TÊNIS DO VOLEIBOL: UM ESTUDO DE CASO Candida Luiza Tonizza de Carvalho 1, Andréia Rocha da Silva 2 Resumo Um dos grandes desafios dos profissionais da área desportiva é observar o desempenho do atleta e decidir onde a técnica precisa de correção. As pesquisas em biomecânica ainda são carentes de padronização metodológica, bem como são incompletos os modelos e protocolos de avaliação do movimento. Os profissionais têm utilizado atualmente como metodologia para analisar a mecânica do movimento humano, o processo de observação visual ou sistemas que se baseiam no processamento da imagem digital, através de softwares específicos, muito dos quais com alto custo. O objetivo deste trabalho foi sugerir nova possibilidade de análise das fases do movimento, para tal realizamos a identificação e correção dos erros na habilidade do Saque Tipo Tênis da modalidade esportiva Voleibol, e selecionamos os métodos de treinamento apropriados para corrigir os erros indicados. A amostra foi composta por duas jogadoras. Os dados foram coletados através de filmagem no plano sagital e analisados com auxílio do Windows Movie Maker e photoshop 7.0. Os erros ocorreram nos movimentos de elevação, produtores de força e recuperação. Concluímos que o uso desta tecnologia proporcionou a análise detalhada dos movimentos, facilitando a correção. Palavras-chave: Análise e correção dos movimentos; Voleibol; Saque tipo tênis. Abstract A major challenge for professionals in the sports area is to observe the athlete's performance and decide where the technique needs correction. Researches in biomechanics are still in need of methodological standardization and the available models and protocols are incomplete for assessment of movement. The professionals have been using as a methodology to analyze the mechanics of human movement, the process of visual observation or systems that are based on digital image processing, through specific software, many of which involve high costs. The objective was to suggest new possibilities for analysis of stages of the movement, identifying and correcting errors in the ability of the tennis type drawing in volleyball sport, and selected the proper training methods to correct the errors indicated. The sample was composed of two players. Data were collected by shooting in the sagittal plane and analyzed with the help of Windows Movie Maker and photoshop 7.0. The errors occurred in the movements of elevation, power producers and recovery. We conclude that the use of this technology provided a detailed analysis of the movements, making it easy to fix. Keywords: Analysis and correction of movements; Volleyball; Tennis type drawing. (1) Professora da Faculdade de Fisioterapia e Educação Física (PUC- Campinas), Mestre em Anatomia Humana (UNICAMP-SP), Doutora em Anatomia Humana (UNICAMP-SP). Trabalho realizado: PUC-Campinas. Endereço eletrônico: (2) Graduanda da Faculdade de Educação Física (PUC- Campinas).

2 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), INTRODUÇÃO As pesquisas em biomecânica ainda são carentes de padronização metodológica, bem como são incompletos os modelos e protocolos de avaliação do movimento (AMADIO et al., 2002). Os profissionais têm utilizado atualmente como metodologia para analisar a mecânica do movimento humano, o processo de observação visual (PAULA, 2002) ou sistemas que se baseiam no processamento da imagem digital, através de softwares específicos, muito dos quais apresentam grande complexidade, fazendo de sua pesquisa uma desafiadora tarefa sob o ponto de vista acadêmico. Na intenção de colaborar metodologicamente na análise e correção da técnica de movimentos dos fundamentos de determinados esportes, analisamos o saque do voleibol, por ser uma tarefa motora bastante adequada para estudar variáveis relacionadas ao desempenho motor, haja vista a grande quantidade de trabalhos que a utilizam como tarefa experimental (BORTOLI et al., 1992; DAVIDS et al., 1999; DAVIDS et al., 2001; GALDINO, 2000; MEIRA JUNIOR, 1999; TEMPRADO et al., 1996; UGRINOWITSCH e MANOEL, 1999). A facilidade de uso do saque decorre dos seguintes itens: a) a execução de tal habilidade motora não sofre influências determinantes do ambiente (é uma habilidade motora predominantemente fechada); b) o momento de início do movimento é decidido pelo próprio executante; c) permite várias formas de manipulação (MEIRA JUNIOR, 2003). Logo, o saque do voleibol é apropriado do ponto de vista metodológico, uma vez que pode ser facilmente manipulado e controlado, bem como permite a inferência de modificações em sua forma de execução ou desempenho. O saque que primordialmente exercia a função de colocar a bola em jogo vem sendo utilizado como principio de ataque devido às mudanças nas regras do voleibol (fim da vantagem) o que torna este fundamento cada vez mais ofensivo e estratégico com o objetivo de dificultar o ataque da equipe receptora e/ou até mesmo no intuito de marcar aces (pontos de saque direto), assim, sua execução de forma precisa e com uma boa técnica é algo muito exigido pelos técnicos (SHONDELL e REYNAUD, 2005). Devido à importância deste fundamento em uma partida de voleibol, e no intuito de melhorar e corrigir a técnica de execução, realizamos uma análise do movimento do saque tipo tênis, por ser o mais utilizado no voleibol, pelas variações que oferece em relação a trajetória da bola, local onde se queira sacar e distância que se queira atingir.

3 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), OBJETIVO O objetivo deste estudo é sugerir nova possibilidade de análise das fases do movimento através do estudo da execução correta e incorreta do Saque Tipo Tênis no voleibol, para auxiliar na correção e aperfeiçoamento do desempenho do atleta. METODOLOGIA Amostra A amostra foi composta por 2 atletas de voleibol do sexo feminino pertencentes ao time da Faculdade de Educação Física da PUC-Campinas e participantes dos eventos "Caloríadas" e "Puccíada, realizados na Instituição. As atletas possuem idade de 20 anos. No período que essa pesquisa foi realizada, as atletas se encontravam em fase de preparação física básica, ou seja, na fase inicial do treinamento. Material Foram utilizados nessa pesquisa: Quadra de voleibol coberta com as marcações oficiais, rede de voleibol oficial fixada com cabos de aço nos postes, bola de vôlei Penalty Oficial PRO 6.0, pesando 260g a 280g e filmadora digital (Sony modelo DCR-HC28 de 60 Hz). A coleta de dados foi realizada através da filmagem em plano sagital. A filmadora foi posicionada do lado direito das atletas, a uma distância de 6 metros do plano de movimento e a uma altura de 1,50 metros do solo. A escolha do lado direito se deve ao fato das atletas serem destras. Posteriormente as imagens em filme foram transformadas em fotos utilizando o software Windows Movie Maker versão , aplicativo do Windows criado pela Microsoft Corporation, que permite sequência de fotos sem perder partes do movimento, deixando a análise mais completa, e finalmente para transformá-las em fotos sequenciais, com mesmo tamanho e qualidade, utilizamos o software Adobe Photoshop, criado pela empresa Adobe Systems Incorporated em idioma Portugues, versão 7.0. Procedimentos para a Coleta de Dados A coleta de dados procedeu-se iniciando pela convocação de um estudante de Educação Física, para o treinamento do manuseio do equipamento no que se refere ao funcionamento do instrumento para a aplicação, bem como para o entendimento dos movimentos específicos analisados. Assim, foram determinados dois avaliadores: o pesquisador e o estudante. Após essa fase, realizou-se contato com as jogadoras para que os

4 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), objetivos da pesquisa e a necessidade da participação das mesmas fossem apresentados e, paralelamente, entregou-se o termo de consentimento livre e esclarecido. Logo após os consentimentos deu-se início ao procedimento de coleta, conforme o agendamento com as atletas. Os testes foram realizados no mês de maio de 2009 na faculdade de Educação Física da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Procedimentos Experimentais O movimento do saque tipo Tênis no voleibol foi dividido em 4 fases (movimentos preparatórios e concentração, elevação ou balanceio para trás, movimentos produtores de força, continuidade ou recuperação), e a cada uma dessas atribuída seus elementos chave (CARR, 1998). Movimentos preparatórios e concentração. Elementos chave: segurar a bola à frente do corpo com a mão contrária que vai sacar; membros inferiores em afastamento ânteroposterior, perna contrária ao braço de ataque posicionada à frente, braço de ataque flexionando na altura do ombro, leve flexão do cotovelo e palma da mão voltada para frente. Elevação (ou balanceio para trás). Elementos chave: deslocamento do braço de ataque para trás; lançamento da bola para cima e a frente do corpo; deslocamento do centro de gravidade para a perna de apoio que está atrás, flexão dos joelhos. Movimentos produtores de força. Elementos chave: deslocamento do peso do corpo para perna da frente, extensão do braço em velocidade para golpear a bola, extensão dos joelhos utilizando o impulso para alongar o tronco e alcançar a bola em um ponto mais alto, deslocar o braço de lançamento em direção ao peito, para equilíbrio do corpo. Continuidade (ou recuperação). Elementos chave: lançamento do braço de ataque em direção à rede, deslocamento do atleta para dentro da quadra devido à transferência brusca do peso do corpo para perna da frente. Dividir a habilidade em fases é importante para que se identifique o erro no desempenho do atleta, impedindo que o técnico fique confuso ao observar muitos movimentos da habilidade ao mesmo tempo. Assim, podemos dizer que uma fase é um grupo conectado de movimentos que parecem independentes e que o atleta une na execução da habilidade completa. Dentro dessas fases da habilidade existem elementos chave que se unem para compor uma fase, caracterizados por movimentos distintos e essenciais para o sucesso de cada fase na habilidade (CARR, 1998).

5 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), RESULTADOS E DISCUSSÃO 1. MOVIMENTO CORRETO DO SAQUE TIPO TÊNIS Observação do Movimento Completo (Fig. 1): Figura 1: Movimento completo correto 1.1. Fase de Movimentos Preparatórios/Concentração e Seus Elementos Chave: O atleta prepara-se para servir decidindo mentalmente para onde dirigir o serviço, a área de saque, levando em consideração a armação da equipe adversária (Fig. 2). Quanto ao movimento preparatório desta fase ele fica em pé, atrás da linha de fundo, de frente para a região da quadra adversária, segurando a bola à frente do corpo com a mão contrária àquela que vai sacar. As pernas estarão em afastamento antero-posterior, com a perna contraria ao lado do braço de ataque posicionada a frente. Há um afastamento lateral num distanciamento semelhante à largura dos ombros. O membro superior que vai lançar a bola deve estar estendido à frente do corpo, voltado para frente. O braço de ataque deve estar preparando-se para o ataque. Figura 2: Correta Fase de Movimentos Preparatórios Elementos Chave: Segurar a bola à frente do corpo com a mão contrária que vai sacar; Pernas em afastamento antero-posterior; Perna contraria ao braço de ataque posicionada à frente; Braço de ataque flexionado na altura do ombro e flexão do cotovelo Fase de Elevação (ou Balanceio para Trás) e Seus Elementos Chave: Com os movimentos de elevação ou balanceio para trás os músculos do atleta são alongados e desta forma estabelecem uma posição na qual ele é capaz de aplicar a força por uma longa distância (Fig. 3 e 4).

6 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), No saque tipo tênis o deslocamento do braço de ataque para trás na altura da cabeça e a preparação para o lançamento da bola alonga os músculos do tronco (lado de lançamento da bola) e do braço de ataque, para que estes apliquem a força na fase seguinte (Fig. 4). Este movimento determina a formação da alavanca de 3º classe, que vai garantir a função de velocidade e amplitude de movimento na próxima fase. Também ocorre nesta fase o deslocamento do centro de gravidade para o membro inferior que está atrás, contribuindo para o deslocamento da força para frente, na hora do saque, e assim proporcionando maior força de potência ao sacar (Fig. 5). Figura 3: Correta Fase de Elevação 1 Figura 4: Correta Fase de Elevação 2 Figura 5: Correta Fase de Elevação 3 Elementos Chave: Deslocamento do braço de ataque para trás; Lançamento da bola para cima e a frente do corpo; Deslocamento do centro de gravidade para a perna de apoio que está atrás; Flexão dos joelhos Fase de Movimentos Produtores de Força e Seus Elementos Chave: Os movimentos produtores de força são movimentos específicos que o atleta faz para gerar força e geralmente envolve todo o seu corpo. Esta fase no saque tem início quando a bola atinge o ponto máximo de lançamento (está parada), devendo ser golpeada pelo braço de ataque, cuja mão estará firme e com hiperextensão do punho (Fig. 6 e 7). O braço que lançou a bola e que dá equilíbrio ao movimento desloca-se em direção ao tórax, e o centro de gravidade para frente do corpo. Há também extensão dos joelhos, que permite a impulsão do corpo para cima, provocando o alongamento do tronco e facilitando o golpe na bola em sua altura ótima, além da distribuição

7 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), da força que está sendo deslocada para frente, juntamente com o centro de gravidade, contribuindo para a finalização do movimento correto (Fig. 8). Figura 6: Correta Fase Produtora de Força 1 Figura 7: Correta Fase Produtora de Força 2 Figura 8: Correta Fase Produtora de Força 3 Elementos Chave: Deslocamento do peso do corpo para perna da frente; Extensão do braço em velocidade para golpear a bola; Extensão dos joelhos utilizando o impulso para alongar o tronco e alcançar a bola em um ponto mais alto. Deslocar o braço de lançamento em direção ao tórax, para equilíbrio do corpo Fase da Continuidade (ou Recuperação) e Seus Elementos Chave: Os movimentos de continuidade ou recuperação são movimentos que ocorrem imediatamente após o término dos movimentos produtores de força. Sendo impossível, e mesmo perigoso para o atleta parar por completo, logo depois que os movimentos produtores de força tenham sido executados. A continuidade age para dissipar, com segurança, a força desses movimentos. No saque tipo tênis a continuidade da força gerada na fase anterior faz com que o peso do corpo seja transferido para perna da frente levando-o para dentro da quadra. Assim ao término do movimento temos o braço de ataque lançado em direção à rede, em extensão máxima, terminando seu movimento quase paralelo ao Figura 9: Correta Fase de Continuidade 1 Figura 10: Correta Fase de Continuidade 2

8 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), solo e o peso do corpo transferido para a perna da frente (Fig. 9 e 10). Elementos-chave: Lançamento do braço de ataque em direção à rede; Deslocamento do atleta para dentro da quadra devido à transferência brusca do peso do corpo para perna da frente. 2. MOVIMENTO INCORRETO DO SAQUE TIPO TÊNIS: IDENTIFICAÇÃO DE ERROS E SUA ORDEM DE CORREÇÃO Para identificar um erro na execução da habilidade é necessário: observar a habilidade completa, analisar cada fase e seus elementos chave, utilizar o conhecimento de mecânica esportiva para correção, selecionar os erros a serem corrigidos e por fim determinar os métodos de treinamento apropriados para corrigir os erros identificados (CARR, 1998). 1º- Observação da habilidade por completo com erros (Fig. 11): Figura 11: Movimento completo com erros 2º Analisar cada fase e seus elementos chave: Fase de movimentos preparatórios e de concentração. Figura 12: Fase de Movimentos Preparatórios com Erros Erro: braço de ataque não está flexionado na altura do ombro com flexão do cotovelo. Os demais movimentos chave desta fase estão corretos (segurar a bola à frente do corpo com a mão contrária que vai sacar; pernas em afastamento ântero-posterior; perna contraria ao braço de ataque posicionada à frente (Fig. 12).

9 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), Fase de elevação ou balanceio para trás: Figura 13: Fase de Elevação com Erros 1 Figura 14: Fase de Elevação com Erros 2 Figura 15: Fase de Elevação com Erros 3 Erros: a bola foi lançada de forma imprecisa (muito alta e com trajetória posterior ao corpo 1 ), ocasionando hiperextensão do tronco e desequilíbrio do corpo na próxima fase (Fig. 13 e 14). Com a imprecisão do lançamento ocorrerá um atraso nos movimentos fazendo com que a jogadora mantenha por maior tempo a contração dos músculos, sustentando a posição desta fase, acarretando menor força muscular para fase produtora de força. Não há flexão correta dos joelhos, consequentemente não haverá força de impulso na próxima fase e a jogadora não alongara seu tronco para atingir a bola no seu ponto ótimo (Fig. 15). Não ocorreram os movimentos chave desta fase (deslocamento do braço de ataque para trás; lançamento da bola para cima e a frente do corpo; deslocamento do centro de gravidade para a perna de apoio que está atrás e flexão dos joelhos). Fase de movimentos produtores de força: Figura 16: Fase Produtora de Força com Erros 1 Figura 17: Fase Produtora de Força com Erros 2 Figura 18: Fase Produtora de Força com Erros 3 Figura 19: fase Produtora de Força com Erros 4 1 O vídeo demonstrou que devido à imprecisão do lançamento a bola seguiu uma trajetória muito atrás da linha do lançamento â frente e também muito ao lado esquerdo, o que é visto nos erros de execução da fase dos movimentos produtores de força.

10 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), Erros: o braço de lançamento que dá equilíbrio ao movimento não foi lançado simultaneamente ao ataque da bola na direção do tórax, o que provocou o deslocamento do centro de gravidade para o lado esquerdo da jogadora ocasionando o desequilíbrio e movimento impreciso (Fig. 16 e 17). Também não aconteceu uma transferência correta do peso da perna de trás para a da frente devido à perda do equilíbrio (Fig. 18 e 19). Os joelhos não flexionados na fase anterior impediu que nesta fase a jogadora impulsionasse seu corpo para cima para atingir a bola em sua altura ótima (Fig. 17). Desta forma, não ocorreram nenhum dos movimentos chave desta fase (deslocamento do peso do corpo para perna da frente; extensão do braço em velocidade para golpear a bola; extensão dos joelhos utilizando o impulso para alongar o tronco e alcançar a bola em um ponto mais alto e deslocar o braço de lançamento em direção ao tórax, para equilíbrio do corpo). Fase de continuidade (ou recuperação). Devido a todos os erros das fases anteriores a fase de continuidade desta habilidade não ocorreu, o braço de ataque não é lançado em direção à rede, mas sim ao lado esquerdo devido à perda do equilíbrio, também não ocorre o deslocamento do peso da perna de trás para a perna da frente impedindo o retorno da jogadora para dentro da quadra, impedindo que ela realize movimentos de defesa rápidos devido à perda da força de continuidade na fase anterior (fig. 20). Figura 20: Fase de Continuidade com Erros Desta forma, não ocorreram os movimentos chave desta fase (lançamento do braço de ataque em direção à rede e deslocamento do atleta para dentro da quadra devido à transferência brusca do peso do corpo para perna da frente). Considerações Finais Verificamos que as imagens se apresentaram com reprodutibilidade favoráveis ao estudo, contribuindo para novas possibilidades e opções de procedimentos na elaboração e operação de dados, colaborando na busca da padronização de procedimentos para a análise do movimento esportivo. Concluiu-se que o saque tipo tênis do voleibol, sendo um esporte de velocidade e de coordenação, requer movimentos corretos e precisos, tendo muito a lucrar com a análise e descrição dos movimentos, podendo esta servir de base para correções de atletas com nível de competição assim como servir de padrão para treinamento de futuros atletas.

11 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), REFERÊNCIAS AMADIO, A C., ÁVILA, A. O V., GUIMARÃES, A C.S, DAVI, A C., MOTA, C.B., BORGES, D.M.; GUIMARAES, F.; MENZEL, H. J.; CARMO, J.; LOSS, J.; SERRÃO, J. C.; SÁ, M. R.; BARROS, R. M. L. Métodos de medição em biomecânica do esporte: descrição de protocolos para aplicação nos centros de excelência esportiva (Rede CENESP-MET) Rev. bras. biomec, v.;3(4): p.57-67, BAUMANN, W.: Perspectives im methodology in Biomechanics of Sport. )Pp ), (in) Rodano, R., Ferrigno, G., Santambrogio, G.: Proceedings of the Symposium of the International Society of Biomechanics in Sports, Edi-Ermes, Milano, BORTOLI, L.; ROBAZZA, C.; DURIGON, V.; CARRA, C. Effects of contextual interference on learning technical sport skills. Perceptual and Motor Skills, Missoula, v.75, p , CARR, G. Biomecânica dos esportes. São Paulo: Manole, DAVIDS, K.; BENNETT, S.; HANDFORD, C.; JONES, B. Acquiring coordination in selfpaced, extrinsic timing tasks: a constraints-led perspective. International Journal of Sport Psychology, Roma, v.30, p , DAVIDS, K.; KINGSBURY, D.; BENNETT, S.; HANDFORD, C. Information-movement coupling: implications for the organisation of research and practice during acquisition of selfpaced extrinsic timing skills. Journal of Sports Sciences, Oxon, v.19, p , GALDINO, M. L. Diferenças perceptivo-motoras entre novatos e habilidosos na execução do saque no voleibol. Dissertação (Mestrado) Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, MEIRA JUNIOR., C. M. O efeito da interferência contextual na aquisição da habilidade motora saque do voleibol em crianças: temporário, duradouro ou inexistente? Dissertação (Mestrado)-Escola de Educação Física e Esporte, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

12 Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), MEIRA JUNIOR., C. M. Validação de uma lista de checagem para análise qualitativa do saque do voleibol. Motriz, Rio Claro, v.9, n.3, p , PAULA, A.H. Teoria da análise biomecânica, através da observação visual. Digital- Bueno Aires- Ano8, n.51, TEMPRADO, J. J.; DELLA-GRASTA, M.; FARREL, M.; LAURENT, M. An emergent approach to the development of expertise in the coordination of the volleyball serve. Corpus, Psyche et Societas, Dragvoll, n.3, p.75-91, UGRINOWITSCH, H.; MANOEL, E. J. Interferência contextual: variação de programa e parâmetro na aquisição da habilidade motora saque do voleibol. Revista Paulista de Educação Física, v.13, São Paulo, p , 1999.

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE OURINHOS FAESO DIRETORA GERAL. Glaucia Librelato Gonçalves COORDENADORA ACADÊMICA. Profa. Dra. Sueli Carrijo Rodrigues

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE OURINHOS FAESO DIRETORA GERAL. Glaucia Librelato Gonçalves COORDENADORA ACADÊMICA. Profa. Dra. Sueli Carrijo Rodrigues FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE OURINHOS FAESO DIRETORA GERAL Glaucia Librelato Gonçalves COORDENADORA ACADÊMICA Profa. Dra. Sueli Carrijo Rodrigues Revista Hórus Revista de Humanidades, Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

HISTÓRIA DO VOLEIBOL

HISTÓRIA DO VOLEIBOL VOLEIBOL HISTÓRIA DO VOLEIBOL O voleibol foi criado em 9 de Fevereiro de 1895 pelo americano William George Morgan, diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM), na cidade de Holyoke,

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR

VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR 1. História do Voleibol 1.1. A Origem do Voleibol: a centenas de anos jogos similares jáj eram praticados no mundo todo. Willian Morgan da Y.M.C.A. cria em

Leia mais

Regras básicas e fudamentos do volei

Regras básicas e fudamentos do volei Regras básicas e fudamentos do volei História do volei O criador do voleibol foi o americano William George Morgan. Isto ocorreu em 9 de fevereiro de 1895. O volei foi criado com o intuito de ser um esporte

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO RESUMO MEIRA, A. N. BATISTA, G. R. OLIVEIRA, L. S. CAPPELLAZZO, E. S. Esse estudo teve como objetivo analisar a qualidade técnica do

Leia mais

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS Márcia Francine Bento 1, Marcelo Sato Yamauchi 1, Paulo Carrara 1,3, Cindy Santiago Tupiniquim 1 e

Leia mais

VOLEIBOL E SEUS PRINCIPAIS FUNDAMENTOS TÉCNICOS

VOLEIBOL E SEUS PRINCIPAIS FUNDAMENTOS TÉCNICOS Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio DISCIPLINA: Educação Física CARGA HORÁRIA: 40hs PROFESSOR(A): Paulo Fernando Mesquita Junior paulo.junior@ifc-sombrio.edu.br blogs.ifc-sombrio.edu.br/junior

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento 1 Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento Joyce Ribeiro Caetano 1 Orientador: Ademir Schmidt ** Resumo Trata-se de uma revisåo de literatura feita por um grupo de

Leia mais

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol Bateria de Medidas e Testes Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol 2004 Nota Introdutória A bateria de medidas e testes a ser aplicada nos centros de formação resulta de um conjunto

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA 19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA Autor(es) GABRIELA MARGATO Orientador(es) GUANIS DE BARROS VILELA JÚNIOR Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP

Leia mais

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Exame de Equivalência à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 311 2015 Prova Escrita e Prática Curso científico humanístico Ensino Secundário /12º Ano Decreto Lei n.º 139/2012 de 5 de julho O presente

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

Movimentação de Campo

Movimentação de Campo Movimentação de Campo Introdução Este tema tem relevante importância para a evolução dos nossos atletas, pois se estes não automatizarem os seus deslocamentos dentro do campo dificilmente atingiram elevadas

Leia mais

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias 1 Posição Básica Ofensiva; Passe (Peito e Picado) /recepção; Drible de Avaliar a prestação motora

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

Cartões de recurso pedagógico

Cartões de recurso pedagógico Cartões de recurso pedagógico Movimentações e habilidades 1. Movimentação - Sem bola 2. Adaptação à bola - Manipulação da bola 3. Movimentação - Com bola 4. Habilidades de lançamento - Rolamento 5. Habilidades

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%)

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%) Teste Escrito 1 Educação Física 3º CEB 1.º Período 2011/2012 Nome: Turma : N.º O Professor Encarregado de Educação Avaliação Lê atentamente as afirmações e as opções de resposta. De seguida, assinala na

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE APRENDIZAGEM II. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

TRANSFERÊNCIA DE APRENDIZAGEM II. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior TRANSFERÊNCIA DE APRENDIZAGEM II Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é transferência de aprendizagem? Ganho ou perda de proficiência de uma pessoa em uma tarefa como o resultado da prática anterior

Leia mais

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL Fábio H. A. Okazaki; Priscila M. Caçola; Victor H. A.Okazaki; Ricardo W. Coelho UFPR / PR CECOM

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

Foto do criado r do voleibol : William G. Morgan.

Foto do criado r do voleibol : William G. Morgan. VOLEIBOL O vôlei foi criado em 1895, pelo americano William G. Morgan, então diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM) na cidade de Holyoke, em Massachusetts, nos Estados Unidos. O

Leia mais

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA Míriam Stock Palma Nádia Valentini Ricardo Petersen Herbert Ugrinowitsch PST e aquisição de habilidades motoras; Aprendizagem significativa;

Leia mais

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD VOLLEYBALL Voleibol Escola Dr. Costa Matos 2013/14 Ana Fernandes 8ºD REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem Criado por William Morgan (Professor EF do Springfield College of the YMCA

Leia mais

Ensinando Habilidades Esportivas. Voleibol da Special Olympics

Ensinando Habilidades Esportivas. Voleibol da Special Olympics Ensinando Habilidades Esportivas da Special Olympics Tabela de Conteúdos Aquecimento... 3 Exercícios de Aquecimento... 5 Exercícios Para Todas as Habilidades (Construa Todas as Habilidades de maneira Eficiente)...

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3 DEI - CSMFD - CENTRO DE SAÚDE MENTAL, FÍSICA E DESPORTOS - CEL PM OEZER DE CARVALHO - DIRETRIZ DE CONDICIONAMENTO FÍSICO DA POLÍ- CIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ( D-5 ) PUBLICAÇÃO Artigo 3º -

Leia mais

Avaliação biomecânica de atletas paraolímpicos brasileiros

Avaliação biomecânica de atletas paraolímpicos brasileiros ARTIGO ORIGINAL Avaliação biomecânica de atletas paraolímpicos brasileiros Sílvio Soares dos Santos 1 e Fernando José de Sá Pereira Guimarães 2 RESUMO A biomecânica do esporte é uma disciplina científica

Leia mais

BIKE FIT. Ajuste preciso garante aumento de até 20% na performance do ciclista Texto: Marcos Adami

BIKE FIT. Ajuste preciso garante aumento de até 20% na performance do ciclista Texto: Marcos Adami BIKE FIT Ajuste preciso garante aumento de até 20% na performance do ciclista Texto: Marcos Adami Para tirar o máximo proveito da bicicleta o ciclista tem que estar corretamente posicionado sobre a bike.

Leia mais

Validação de lista para análise qualitativa da recepção no voleibol

Validação de lista para análise qualitativa da recepção no voleibol Motriz, Rio Claro, v.16 n.3 p.571-579, jul./set. 2010 doi: http://dx.doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n3p571 Artigo Original Validação de lista para análise qualitativa da recepção no voleibol Luiz Antonio

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Unidade didática de Ginástica

Unidade didática de Ginástica Livro do Professor 5 Unidade didática de Ginástica Objetivos gerais da Ginástica Compor e realizar as destrezas elementares de solo, aparelhos e minitrampolim, em esquemas individuais e/ou de grupo, aplicando

Leia mais

Gestos Técnicos e Exercícios. de Mini-Volei

Gestos Técnicos e Exercícios. de Mini-Volei Gestos Técnicos e Exercícios de Mini-Volei Extraído de: La grammatica del gioco della pallavolo M. Gori S.S.S. & Il manuale della pallavolo G. Volpicella Idea Libri (Tradução: Miguel Margalho) Exercícios

Leia mais

fitness 94 SPORT LIFE

fitness 94 SPORT LIFE 94 SPORTLIFE o torracalorias O kettlebell, que chegou ao país no ano passado, queima, em 10 minutos, tanto quanto correr na esteira por 45 minutos Texto Lygia Haydée Fotos Bruno Guerreiro Uma bola de ferro

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO *

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * Heahter Sumulong. Você está procurando alcançar uma margem competitiva sobre seus oponentes? O desenvolvimento de uma musculatura central forte junto com um treinamento

Leia mais

Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano)

Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano) 1 Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano) PLIÉS DEMI PLIÉ: Demi Plié Grand Plié É um exercício de fundamental importância, pois é usado na preparação e amortecimento de muitos passos de ballet, como os

Leia mais

A BIOMECÂNICA DO SOCO DIRETO DO KARATE

A BIOMECÂNICA DO SOCO DIRETO DO KARATE III Congresso de Iniciação Científica do CEFET-RN Natal - RN - 2005. A BIOMECÂNICA DO SOCO DIRETO DO KARATE S.M.N.T. Melo 1, A.M.A.Pessoa 2, J.H. Souza 3 1- Gerência de Formação CEFET-RN Ensino Médio E-mail:

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística Local: Yashi Academia de Ginástica Olímpica Data: 1º de maio de 2009 Coordenação: Yumi Yamamoto Sawasato Professora: Valeria Lakerbai

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1-HISTÓRIA DA GINÁSTICA... 3 2- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE...

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA 1. Participarão desta etapa os candidatos aprovados/classificados

Leia mais

Seqüência de Desenvolvimento

Seqüência de Desenvolvimento Seqüência de Desenvolvimento Motor, Padrões Fundamentais de Movimento e TGMD-2 2Test Seqüência de Desenvolvimento Motor q (GALLAHUE & OZMUN, 1998) Seqüência de Desenvolvimento Motor (TANI, MANOEL, KOKUBUM

Leia mais

Í N DI CE. 1. Quadro Organizativo pág. 03. 2. Programa Técnico pág. 03. 3. Sistema de Pontuação pág. 03. 4. Constituição do Júri pág.

Í N DI CE. 1. Quadro Organizativo pág. 03. 2. Programa Técnico pág. 03. 3. Sistema de Pontuação pág. 03. 4. Constituição do Júri pág. Í N DI CE 1. Quadro Organizativo pág. 03 2. Programa Técnico pág. 03 3. Sistema de Pontuação pág. 03 4. Constituição do Júri pág. 04 5. Critérios de Pontuação pág. 11 6. Equipamento de Prova pág. 13 7.

Leia mais

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO LANÇAMENTO DO PESO REGRAS DO LANÇAMENTO DO PESO Local da Competição A prova do lançamento do peso disputa-se num local específico da pista de atletismo, que deverá ter um círculo de lançamentos com 2,135

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI 1 DOS TESTES 1.1 Os Testes de Aptidão Física, de caráter eliminatório, serão aplicados no dia e horários indicados no telegrama de convocação, individualmente

Leia mais

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012.

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. DO INFANTIL ENSINO AO COMPLETO VESTIBULAR MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. 1. O sorteio do jogo - O sorteio é efetuado na presença dos dois capitães de

Leia mais

EFEITOS DO FEEDBACK EXTRÍNSECO NA APRENDIZAGEM DE UMA HABILIDADE MOTORA NOVA NO FUTEBOL

EFEITOS DO FEEDBACK EXTRÍNSECO NA APRENDIZAGEM DE UMA HABILIDADE MOTORA NOVA NO FUTEBOL EFEITOS DO FEEDBACK EXTRÍNSECO NA APRENDIZAGEM DE UMA HABILIDADE MOTORA NOVA NO FUTEBOL AUDRIO ENRI MAGALHÃES ORIENTADOR: PROF. ANTÔNIO COPPI NAVARRO UNIVERSIDADE GAMA FILHO Av. Olavo Bilac, 745 KM 18

Leia mais

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA.

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA. ANEXO II TESTE DE APTIDÃO FÍSICA O Teste de Aptidão Física tem o objetivo de selecionar os candidatos cuja aptidão física seja compatível com o exercício da atividade de Bombeiro Militar e será realizado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DA TECNOLOGIA DE USINAGEM

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DA TECNOLOGIA DE USINAGEM VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

AS CORRIDAS DE REVEZAMENTO

AS CORRIDAS DE REVEZAMENTO AS CORRIDAS DE REVEZAMENTO Segundo J. Kenneth Dohert, em seu livro Tratado Moderno de Pieta e Campo, as corridas de revezamento foram idealizadas pelos norte-americanos, em decorrência de outras atividades

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PARANAGUÁ 2011 TESTE DE APTIDÃO FÍSICA PARA SELEÇÃO DE GARI O candidato do sexo masculino que não alcançar a pontuação mínima de 50

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 5.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL ANEXO III DO EDITAL N o 075/2011 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 - Os testes de aptidão física, de caráter

Leia mais

Educação Física - Colégio Adventista Professora Shimeni Guimarães Alves

Educação Física - Colégio Adventista Professora Shimeni Guimarães Alves História do Vôlei O voleibol foi criado no ano de 1895 pelo americano William C.Morgan, diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM), na cidade de Holyoke, em Massachusets, nos Estados

Leia mais

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal O essencial sobre Autor: Francisco Cubal 1 Qual a história do Voleibol? Em 1895 o professor de Educação Física G. Morgan, nos Estados Unidos, criou uma modalidade desportiva que, devido ao seu toque no

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO Aline Aparecida

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

EXERCÍCIOS COM CADEIRA

EXERCÍCIOS COM CADEIRA EXERCÍCIOS COM CADEIRA PROGRAMADOMICILIARDEEXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co - Development

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Pedro Felner 2012 Aspectos Decisivos para o Desenvolvimento de uma Técnica Eficiente FLUIDEZ NO MOVIMENTO Aproveitamento do Peso da Raquete:

Leia mais

EXERCÍCIOS COM CADEIRA

EXERCÍCIOS COM CADEIRA EXERCÍCIOS COM CADEIRA PROGRAMADOMICILIARDEEXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co - Development

Leia mais

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto Voleibol Professor:Pedro Engler Neto Histórico O voleibol foi criado por William G. Morgam em 09 de fevereiro de 1895. Na Associação Cristã de Moços,HoYolke Massachussets, Eua. E a intenção de Morgan era

Leia mais

Atletismo O ARREMESSO DO PESO

Atletismo O ARREMESSO DO PESO Atletismo O ARREMESSO DO PESO A maior característica do lançamento do peso, é a de ser reservada para pessoas fortes, em todas as épocas. Tanto isto é verdade, que os povos antigos praticavam o arremesso

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida no parágrafo anterior e do programa de disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida no parágrafo anterior e do programa de disciplina. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 1ª e 2ª Fase Prova 26 2015 9ºAno/3.º Ciclo do Ensino Básico Prova Escrita/Prática 1. Introdução O presente documento visa

Leia mais

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

O que é o Bitoque-rugby

O que é o Bitoque-rugby O que é o Bitoque-rugby O rugby é uma modalidade desportiva que envolve contacto físico entre os seus praticantes, sendo assim é de primordial importância que os praticantes joguem de acordo com as regras

Leia mais