TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS"

Transcrição

1 TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS Para o melhor entendimento técnico e tático das definições sobre os sistemas de jogo adotados no voleibol, é necessário, em primeiro lugar, ter sempre presente as posições que os atletas ocupam na quadra, de acordo com a definição da regra. POSIÇÕES: No momento em que a bola é golpeada pelo sacador, cada equipe deve estar posicionada dentro de sua própria quadra na ordem de rotação (exceto o sacador).

2 A posição dos jogadores é numerada como na figura abaixo: Posicionamento em quadra A posição nº 1 chama-se defesa direita, e é a posição do saque. A posição nº 2 chama-se saída de rede. A posição nº 3 chama-se meio de rede. A posição nº 4 chama-se entrada de rede. A posição nº 5 chama-se defesa esquerda. A posição nº 6 chama-se defesa central. As posições 4, 3 e 2 são de ataque, portanto, somente os jogadores que as ocupam podem atacar e bloquear dentro da zona de ataque. As posições 1, 6 e 5 são de defesa, os jogadores que as ocupam não podem bloquear, e só podem atacar se estiverem posicionados atrás da linha de ataque, na zona de defesa. Quando a equipe que não sacou vence o rali, ela realiza um rodízio no posicionamento de seus jogadores e terá o direito de sacar. O rodizio é realizado no sentido horário.

3 Sentido do rodízio Esse rodízio obrigatório faz que, no desenvolvimento da partida, cada jogador tenha que ocupar cada uma das seis posições da quadra, fato que implica, pelo menos em tese, que os jogadores dominem todos os fundamentos técnicos do jogo. O posicionamento inicial (PI) será anotado em uma súmula apropriada, para que se tenha controle dos rodízios e para que as equipes de arbitragem cumpram a regra do posicionamento. Ela determina que, até o instante da execução de cada saque, todos os jogadores das duas equipes respeitem seus posicionamentos de rodízio e estejam ocupando sempre as suas posições. Após o golpe dado pelo sacador, os jogadores poderão deixar os seus posicionamentos obrigatórios de rodízio. LINHAS DE CORRESPONDÊNCIA:

4 É uma linha imaginária, que orienta o posicionamento dos jogadores antes da bola ser golpeada pelo sacador. Esta linha deve seguir a orientação de ordem de posicionamento da seguinte forma: O jogador da posição 1 deverá estar atrás do jogador da posição 2 a direita do jogador da posição 6; O jogador da posição 3 deverá se posicionar entre os das posições 4 e 2 e à frente do jogador da posição 6; O jogador da posição 4 se posicionará a esquerda do jogador da posição 3 e à frente do jogador da posição 5; O jogador da posição 5 deverá estar atrás do jogador da posição 4 e à esquerda do jogador da posição 6; O jogador da posição 6 estará entre os das posições 5 e 1 e atrás do jogador da posição 3. Posicionamento dos jogadores no momento do saque Lembrem-se que somente os jogadores da linha de ataque (posições 2, 3 e 4) podem participar normalmente das jogadas de rede (ataque e bloqueio). O jogador de defesa (posições 5, 6 e 1), caso apoie os pés na zona de ataque, não poderá efetuar ataques com a bola estando a uma altura superior à borda da rede. Para tanto, ele deverá saltar de trás - antes da linha, ainda na zona de

5 defesa - da linha de ataque, sem pisar nesta. Ele também não poderá em qualquer circunstância realizar bloqueios. ZONA DE ATAQUE E DEFESA SISTEMAS OFENSIVO: Os sistemas de jogo utilizados nas táticas do voleibol, também são chamados de sistemas ofensivos, pois levam em consideração a forma com a qual distribuem-se e divide-se o número de atacantes e levantadores, entre os seis jogadores e quadra. No voleibol, de acordo com o estudo tático, os jogadores são divididos em cortadores ou atacantes e levantadores. Durante a partida, após a equipe se defender de um saque ou de uma ataque adversário, o segundo jogador a tocar na bola geralmente executará o toque de levantamento, que é uma preparação para o ataque. Os jogadores que, dentro de uma equipe, melhor executam o toque de levantamento são chamados de levantadores. Para essa função, é

6 necessário que o jogador tenha um bom toque de bola, seja calmo e tenha muita iniciativa. O jogador que tem a função de cortar e chamado de cortador ou atacante. Para essa função, é necessário que o jogador tenha boa impulsão, seja observador e saiba enviar a bola de maneira que o adversário não possa se defender. Os sistema táticos mais utilizados atualmente são o "6x6", o "3x3", o "4x2" simples, "4x2" com infiltração e o "5x1". O primeiro número indica o número de "cortadores" ou "atacantes" e o segundo número o do(s) levantador(es). Basicamente a escolha por um ou por outro sistema decorrerá do material humano à disposição do técnico. Cabe ressaltar que uma série de fatores e de pré-requisitos técnicos individuais dos atletas (fundamentos) e de aspectos táticos é que vai ser utilizado pelo técnico para a escolha do sistema para a equipe. Atualmente tem maior utilização nas equipes de alto nível o sistema "5x1", no qual há uma verdadeira "especialização" dos atletas, ainda mais com a introdução do jogador líbero, especializado em defesa, pois atua somente nas posições 5,6 e 1. A nível de seleções nacionais a esmagadora maioria utiliza este sistema, à exceção da seleção feminina de Cuba, que utiliza o sistema "4x2". Cabe ressaltar que a seleção Cubana é tri-campeã Olímpica, o que prova que o sistema de jogo não determina, exclusivamente, melhores ou piores resultados, mas sim a melhor combinação das qualidades individuais dos atletas e sistema de jogo para uma equipe. SISTEMA "6x6": No sistema de jogo 6x6, todos os jogadores ocupam a função de levantadores e atacantes, não havendo a especialização por funções e posições. A zona de levantamento é a posição 3, dessa forma, no rodízio de saque, quando um jogador estiver nesta posição, realizará a função de levantador, tendo nas outras posições da zona ofensiva a função de cortador. Este é o sistema mais utilizado pelos iniciantes, pela sua facilidade de compreensão e assimilação, pois não ocorrem as trocas de posições e infiltrações que fazem parte da especialização, podendo então, vivenciar todos os fundamentos de forma completa e em todas as posições das zonas ofensivas e defensivas.

7 Sistema 6x6 SISTEMA "3x3": Neste sistema são três cortadores e três levantadores. Na posição inicial deste sistema, a distribuição dos jogadores é realizada intercalando-se um levantador e um cortador. Na atualidade, esse sistema não é mais utilizado devido às dificuldades e deficiências na armação tática, principalmente no sistema ofensivo. Com o rodízio de jogo, irá coincidir a presença de dois levantadores e um cortador na rede, sendo esta a maior deficiência no sistema ofensivo, no qual, por meio de uma troca de posições, um deles poderá realizar a função de atacante. Serve para equipes com deficiência na habilidade dos atletas, ou para iniciantes, devido ä facilidade de implementação e desnecessidade de trocas e de infiltração.

8 Sistema 3x3 SISTEMA "4x2" simples: Neste sistema, o avanço da especialização das funções dos jogadores dentro da zona ofensiva e defensiva fica mais evidente e funcional. Os locais de atuação dos jogadores são qualificados como "zonas de responsabilidade predeterminadas", em que podemos verificar distintamente as funções de quatro atacantes e dois levantadores. As trocas realizadas visam uma melhor disposição, equilíbrio e fortalecimento dos sistemas, por meio das habilidades técnicas e características individuais dos jogadores. A zona de levantamento é na posição 2. Neste sistema, podemos distinguir dois posicionamentos táticos bem específicos. 1º Posicionamento: A Posição Inicial (PI) - relacionada ao posicionamento dos jogadores no rodízio de saque para a formação do Sistema de Recepção e de Ataque 2º Posicionamento: A Posição Final (PF) - relacionada com as trocas de posições, quando os jogadores deslocam-se para a sua Posição de Especialidade para comporem o Sistema Defensivo.

9 As funções de acordo com as Zonas de Responsabilidades Predeterminadas estão assim divididas: P = 2 atacantes de ponta - atuam nas posições 4 e 5; M = 2 atacantes de meio - atuam nas posições 3 e 6; L = 2 levantadores - atuam nas posições 1 e 2. A posição inicial dos jogadores deve ser oposta por funções, para que tenhamos sempre, em ambas as zonas, um levantador, um atacante de meio e um de ponta. Então teremos uma levantador na posição 2 e outro na posição 5, um atacante de meio na posição 3 e outro na posição 6 e um atacante de ponta na posição 4 e outro na posição 1.

10 Sistema 4x2 simples Posição Inicial com levantamento na posição 2 Para que cada jogador atue na sua área de especialidade será necessário o uso de trocas de posicionamento entre os jogadores logo após o saque adversário. Como a regra não permite a troca antecipada e não se deve prejudicar o sistema de recepção, apenas o levantador realiza a troca de posição, simultaneamente o golpe de saque, indo ocupar a Zona de levantamento, e os demais jogadores devem aguardar a efetivação do ataque para logo após realizarem as trocas de posições, dirigindo-se para a sua posição de especialização, construindo a Posição final dentro do rodízio. Os jogadores permanecem nesta posição durante o rally até a definição do ponto, voltando em seguida às suas posições de rodízio de saque.

11 4x2 simples - trocas de posicionamento

12 Sistema 4x2 simples Posição Final com levantamento na posição 2 Nas formações de rodízio com saque a favor as trocas são realizadas simultaneamente ao momento do saque, dirigindo-se então os jogadores para atuarem em suas posições de especialidade durante todo o rally, até a definição do ponto. SISTEMA "4x2" com infiltração: Comparando-o com o sistema 4x2 simples, temos duas mudanças básicas: 1º - A infiltração: A distribuição das bolas nos levantamentos está sob a responsabilidade do levantador, que ocupa a zona defensiva (posições 1, 6 e 5), e "infiltra" entre os atacantes para efetivar sua distribuição, seja na formação do Sistema de Recepção ou do Sistema Defensivo. 2º - A Zona de Levantamento: Em virtude de sempre haver três atacantes na Zona Ofensiva, a Zona de Levantamento é na posição 2 1/2, ou seja, entre os atacantes das posições 2 e 3. As funções, de acordo com as zonas de responsabilidade predeterminadas, em relação à especialidade, estão assim divididas: P = 2 atacantes de ponta - atuam nas posições 5 e 4; M = 2 atacantes de meio - atuam nas posições 3 e 6;

13 L/O = 2 levantadores / Opostos - atuam pela posição 2, como atacantes e pela posição 1 como levantadores. O levantador/atacante que está na Zona Ofensiva, ocupando-se da função de atacante, é chamado de Oposto ("O") ou Saída, sendo sua posição final a P2. Na posição inicial um levantador/oposto estará na zona defensiva na posição 1 e o outro na posição 4, os pontas nas posições 2 e 5 e os meios nas posições 3 e 6. 4x2 com infiltração - posição inicial

14 4x2 com infiltração - trocas de posicionamento. Na posição final, efetuada após o saque do adversário ou a favor, cada jogador ocupará a sua posição de especialidade, sendo, os pontas nas posições 4 e 5, os meios nas posições 3 e 6 e os levantadores/oposto como atacante na posição 2 e como levantador na posição.

15 4x2 com infiltração - posição final Na formação do Sistema de Recepção para o saque do adversário, como o levantador da Zona Defensiva não participa deste sistema, deverá realizar a infiltração, procurando "esconder-se" do saque adversário ocupando o espaço logo atrás do seu jogador correspondente, quer dizer, quando estiver na posição 1, estará logo atrás do jogador da posição 2; quando estiver na posição 6 estará logo atrás do jogador da posição 3; na posição 5, ocupará o espaço logo atrás do jogador 4.

16 4x2 com infiltração - infiltração na recepção do saque adversário Na função de levantador, depois de infiltrar, realizar o levantamento e aguardar a efetivação do ataque, deverá ir para a sua posição final, a posição 1, infiltrando por esta posição para efetuar os levantamentos, até o término do rally. Na situação do saque a favor para compor o sistema defensivo, o levantador deverá primeiramente realizar a troca de posição para a posição 1 e somente "infiltrará" depois da 1ª ação defensiva da sua equipe, e se for ele que realizará a 1ª ação defensiva, o levantador que atua como atacante na zona ofensiva ou o atacante de meio serão os responsáveis pelo levantamento. A fim de não comprometer o sistema de recepção, no momento do saque adversário, enquanto o levantador realiza a infiltração, os demais jogadores permanecem em suas posições para definirem seus ataques nos locais preestabelecidos no sistema de ataque, para depois realizarem as trocas de posições, dirigindo-se as posições de especialização, a posição final, permanecendo nesta posição até o final do rally. Na formação do sistema defensivo, com saque a favor, todos os jogadores realizam simultaneamente as trocas de posições no momento do saque, dentro das suas respectivas zonas, dirigindo-se então para a sua posição final. SISTEMA "5x1":

17 Cinco atacantes e um levantador. Sistema atualmente utilizado pela esmagadora maioria das equipes de alto nível, sejam seleções nacionais ou clubes. A adoção deste sistema necessita das infiltrações, especialização dos jogadores e conseqüente maior habilidade individual para o sistema ser bem utilizado, pois é o mais difícil. Didaticamente, podemos dizer que o sistema 5x1 é a junção do sistema 4x2 simples com o sistema 4x2 com infiltração. Com o levantador estando na zona ofensiva, atuará como no sistema 4x2 simples, realizando as trocas de posições e indo ocupar a zona de levantamento na posição 2, porém, quando nas posições da zona defensiva, procederá como no 4x2 com infiltração, realizando a infiltração e indo ocupar a zona de levantamento na posição 2 1/2. A atuação de somente um levantador é o que mais caracteriza o sistema 5x1. O oposto recebe a função de ser mais um atacante. Quando o levantador esta na zona ofensiva, ficando então com dois atacantes na rede, a utilização do ataque atrás da linha de 3 metros (ataque de fundo), principalmente na posição 1, é o desafogo do levantador. As funções, de acordo com as zonas de responsabilidade predeterminadas, em relação à especialidade, estão assim divididas: P = 2 atacantes de ponta - atuam nas posições 4 e 5; M = 2 atacantes de meio - atuam nas posições 3 e 6; O = 1 atacante de saída ou oposto - atua nas posições 1 e 2; L = 1 levantador - atua pelas posições 1 e 2.

18 5x1 posição inicial Na recepção do saque adversário, como a troca de posições antecipada infringiria a regra e comprometeria o sistema de recepção, somente o levantador realiza a troca, quando posicionado na zona ofensiva, e a infiltração, quando posicionado na zona defensiva, simultaneamente ao golpe do saque, enquanto os demais jogadores aguardam a efetivação do ataque nas posições em que se encontram, para depois realizarem as trocas para a sua posição de especialização, que será a sua posição final.

19 5x1 posição final O levantador, depois de infiltrar, realizar o levantamento e aguardar a efetivação do ataque, deverá ir para a sua posição final, a posição 1, infiltrando por esta posição para efetuar os levantamentos, até o término do rally. Quando na zona defensiva na posição 5 ou 6, realizará a troca para a posição 1, sistema defensivo, infiltrando depois da 1ª ação defensiva da sua equipe, e caso seja ele que realize a 1ª ação defensiva, o jogador de meio, será o mais indicado para realizar o levantamento aos demais atacantes.

20 SISTEMAS DE RECEPÇÃO DE SAQUE: A recepção do saque é o primeiro elemento de jogo que se realiza dentro da sequência "recepção - levantamento - finalização". Isso significa que é, portanto, o primeiro contato que uma equipe tem para construir o seu ataque e recuperar o saque. A importância de uma boa recepção de saque, encontra-se na construção de um ataque bem-sucedido, uma vez que se a recepção for mal feita, a bola não vai chegar ao levantador nas condições certas para organizar um ataque efetivo. O gesto técnico mais utilizado na recepção é a manchete. Sistemas de recepção são estruturas ou sistemas que são utilizados para neutralizar o saque do adversário enviando a bola para o levantador nas melhores condições possíveis para a execução do levantamento, possibilitando a realização de uma finalização mais precisa e eficiente. Sistema de recepção em "W":

21 O sistema de recepção utilizado por equipes iniciantes é o sistema de 5 jogadores em "W", porque é a maneira mais fácil de proteger os espaços de quadra das ações de saque do adversário. Neste sistema cada jogador (posições #1, #2, #4, #5 e #6) é responsável pela recepção da bola numa área correspondente a um circulo com o raio de 2 metros à sua volta. Neste sistema o jogador da posição 3 não deverá participar nas tarefas de recepção, ficando desta forma disponível para a realização do passe.

22 Dependendo do tipo de saque do adversário, flutuante ou com efeito, a posição dos jogadores deverá ser recuada (para recepção de um saque mais potente) ou mais avançada (para recepção de um saque flutuante). É o principal sistema utilizado em equipes iniciantes pela facilidade de ensino, e o grau de participação de todos os jogadores. A evolução dos sistemas de recepção tem o intuito de diminuir o número de receptores, devido os seguintes motivos: A) Remoção de um receptor fraco; B) Proteção de um atacante da ação de saque do adversário; C) Sobrecarregar uma determinada área da quadra com vários finalizadores; D) Facilitar a penetração, aproximando o levantador da rede, facilitando a sua passagem para a zona de levantamento; E) Mais liberdade para realizar a recepção; F) Executar ataques mais rápidos e reduzir as zonas de interferência. Sistemas de recepção em semicírculo:

23 Neste sistema cada jogador (posições #1, #2, #4, #5 e #6 ou 1, #2, #4 e #5) é responsável pela recepção da bola numa área correspondente a uma fatia de terrena que vai desde a linha central até à linha de fundo. Sistemas com 4 receptores: Este tipo de recepção é geralmente organizado para liberar tanto o levantador quanto um atacante. Existem duas variantes:

24 1) Estrutura em semicírculo: 2 + 2, onde 2 receptores são os principais e 2 receptores são assistentes. 2) Estrutura do diamante: Sistemas com 3 receptores: O levantador, o atacante de meio e o atacante oposto são liberados, portanto, as ações de recepção do saque adversário ficam sempre sob a responsabilidade dos dois receptores principais mais o defensor central. A estrutura geralmente tem a forma de "V" ou "V" invertido.

25 Sistema 2 receptores: Este é o mais utilizado por equipes masculinas nacionais ou internacionais com saque flutuante do adversário. Nele as recepções devem ser muito precisas. Os pontas são os responsáveis pela recepção, e os atacantes de meio e o oposto são protegidos, para que se preocupem somente com seus ataques. Com o advento da função de líbero houve um fortalecimento maior neste posicionamento devido à especialidade deste jogador, que participa com os pontas neste rodízio. SISTEMA DEFENSIVO

26 Sistemas de Defesa ou Sistemas Defensivos podem ser entendidos como a forma como uma equipe se organiza para neutralizar um ataque adversário e na medida do possível, preparar seu próprio contra ataque. Normalmente são ações conjugadas de bloqueio e defesa de campo, que exigem alto grau de sincronismo entre estas ações de jogo. Como dispomos de apenas 6 jogadores em quadra, temos que ter claro que nenhuma formação defensiva ocupará todas as áreas da quadra. É uma ação de tática coletiva que depende da tática individual, da capacidade de leitura de jogo, pois trabalha com áreas de responsabilidade específicas e se possível com a análise da incidência do ataque adversário. O segredo é partir de uma posição que coloque os jogadores nas regiões onde há maior probabilidade de ataques fortes (bloqueio e linhas de ataque) e ainda favoreçam a pronta ação para outros tipos de ataque, como largadas, exploradas, ataques de meia força, etc. A primeira decisão a ser tomada é o posicionamento dos jogadores da defesa de campo (P1, P6 e P5) antes da ação do levantador adversário, que na verdade é quando se define de onde virá este ataque. Temos então o que podemos chamar de POSIÇÃO PREPARATÓRIA, POSIÇÃO BÁSICA, POSIÇÃO DE ESPERA ou POSIÇÃO DE PARTIDA para a defesa. Existem basicamente duas situações definidas bem claramente, e uma terceira que é intermediária entre as duas: com Centro Avançado com Centro Recuado com Centro em Linha Basicamente após as trocas de posição por especialização, se toma uma das Posições Preparatórias para Defesa, ou Posições Básicas para Defesa ou Posições de Espera para Defesa. Definido o levantamento do adversário, teremos que adotar uma posição tática coletiva que corresponde ao Sistema Defensivo propriamente dito. Estes Sistemas Defensivos variam em função da Posição Inicial e do Número de Bloqueadores. Podemos ter: A partir do Centro Avançado: Bloqueio Simples; Bloqueio Duplo ou Quadrado Clássico. A Partir do Centro Recuado: Semi Círculo com Bloqueio Simples; Semi Círculo com Bloqueio Duplo; Quadrado com Bloqueio Duplo Triplo;

27

28

29

30

31 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BAIANO, A. Voleibol: sistemas táticos. 2ª edição. São Paulo: Sprint, BOJIKIAN, J.C.M. BOJIKIAN, L.P. Ensinado voleibol. 4ª edição. São Paulo: Editora Phorte, 2008 TEIXEIRA, H.V. Educação física e desportos. Editora Saraiva. São Paulo, CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL - FEDERAÇÃO PAULISTA DE VOLEIBOL

32

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio DISCIPLINA: Educação Física CARGA HORÁRIA: 40hs PROFESSOR(A):

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

Curso Técnico em Agropecuária integrado ao Ensino Médio

Curso Técnico em Agropecuária integrado ao Ensino Médio 1 Curso Técnico em Agropecuária integrado ao Ensino Médio DISCIPLINA: Educação Física PROFESSOR(A): Paulo Fernando Mesquita Junior paulo.junior@ifc-sombrio.edu.br Os sistemas (Parte 2) Sistema 5 X 1 A

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013 REGULAMENTO PARA O VOLEIBOL EQUIPES Uma equipe é formada por 10 jogadores. E somente 6 jogadores podem participar do jogo tendo como obrigatoriedade 3 homens e 3 mulheres em quadra para condições de jogo.

Leia mais

HISTÓRIA DO VOLEIBOL

HISTÓRIA DO VOLEIBOL VOLEIBOL HISTÓRIA DO VOLEIBOL O voleibol foi criado em 9 de Fevereiro de 1895 pelo americano William George Morgan, diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM), na cidade de Holyoke,

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco VOLEIBOL 7ºano. HISTÓRICO E REGRAS Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

Regras básicas e fudamentos do volei

Regras básicas e fudamentos do volei Regras básicas e fudamentos do volei História do volei O criador do voleibol foi o americano William George Morgan. Isto ocorreu em 9 de fevereiro de 1895. O volei foi criado com o intuito de ser um esporte

Leia mais

UNIVERSO - Disciplina: Futebol e Futsal Prof. Sandro de Souza

UNIVERSO - Disciplina: Futebol e Futsal Prof. Sandro de Souza SISTEMAS OFENSIVOS E DEFENSIVOS DO FUTSAL Sistema é o posicionamento organizado dos jogadores de uma equipe na quadra. Para que o professor posicione a equipe na quadra de forma organizada, inteligente,

Leia mais

Torneio 4x4 misto de Vôlei de Praia

Torneio 4x4 misto de Vôlei de Praia Torneio 4x4 misto de Vôlei de Praia REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO 1.1 O torneio de vôlei de areia na AABB é um evento que busca incentivar a prática esportiva e promover a qualidade de vida entre os associados

Leia mais

VOLEIBOL E SEUS PRINCIPAIS FUNDAMENTOS TÉCNICOS

VOLEIBOL E SEUS PRINCIPAIS FUNDAMENTOS TÉCNICOS Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio DISCIPLINA: Educação Física CARGA HORÁRIA: 40hs PROFESSOR(A): Paulo Fernando Mesquita Junior paulo.junior@ifc-sombrio.edu.br blogs.ifc-sombrio.edu.br/junior

Leia mais

IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO ESPECÍFICO. Módulo Competitivo

IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO ESPECÍFICO. Módulo Competitivo PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTES, RECREAÇÃO E LAZER IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012.

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. DO INFANTIL ENSINO AO COMPLETO VESTIBULAR MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. 1. O sorteio do jogo - O sorteio é efetuado na presença dos dois capitães de

Leia mais

Site: http://geocities.yahoo.com.br/gagaufera2003/

Site: http://geocities.yahoo.com.br/gagaufera2003/ Direitos exclusivos para a língua portuguesa Copyright 2004 by EDITORA SPRINT LTDA. Rua Guapjara, 28 - Tijuca CEP: 20521-180 - Rio de Janeiro - RJ Telefax.: OXX-21-2264-8080 / OXX-21-2567-0295 / OXX-21-2284-9340

Leia mais

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014 O futebol é um jogo de oposição entre os jogadores de duas equipas e, simultaneamente, um jogo de cooperação entre os elementos da mesma equipa que procuram, a todo o momento, a adopção de comportamentos

Leia mais

AS REGRAS DO BASQUETEBOL

AS REGRAS DO BASQUETEBOL AS REGRAS DO BASQUETEBOL A BOLA A bola é esférica, de cabedal, borracha ou material sintéctico. O peso situa-se entre 600 g e 650g e a circunferência deve estar compreendida entre 75 cm e 78 cm. CESTOS

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

AS REGRAS DO VOLEIBOL

AS REGRAS DO VOLEIBOL AS REGRAS DO VOLEIBOL NÚMERO DE JOGADORES Cada equipa é composta, no máximo, por 12 jogadores inscritos no boletim de jogo. Apenas 6 jogadores ocupam o terreno de jogo ( 6 efectivos e 6 suplentes ). O

Leia mais

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol Secundário Andebol Conhecer o objectivo e campo do jogo; Conhecer as seguintes regras do jogo: duração do jogo, constituição das equipas, golo, lançamento de saída, guarda-redes, área de baliza, violação

Leia mais

Possui características específicas, onde podemos citar, entre outras:

Possui características específicas, onde podemos citar, entre outras: 8 Ano Ensino Fundamental Voleibol Unidade: 01 Prof.º Leonardo Delgado ASPECTOS HISTÓRICOS DO VOLEIBOL O vôlei foi criado em 9 de fevereiro de 1895 por William George Morgan nos Estados Unidos da América.

Leia mais

METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL

METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL 2012 Todo material didático-pedagógico contido neste documento é fruto da experiência de diversos profissionais, principalmente professores de educação

Leia mais

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto Voleibol Professor:Pedro Engler Neto Histórico O voleibol foi criado por William G. Morgam em 09 de fevereiro de 1895. Na Associação Cristã de Moços,HoYolke Massachussets, Eua. E a intenção de Morgan era

Leia mais

DA FINALIDADE: Homens só poderão substituir homens e mulheres só poderão substituir mulheres.

DA FINALIDADE: Homens só poderão substituir homens e mulheres só poderão substituir mulheres. DA FINALIDADE: Art. 1º - Os JOGOS DE VERÃO ARCO SPM 2013 MODALIDADE VOLEIBOL 4X4, tem como finalidade principal, promover o congraçamento das equipes e o aumento da adesão à prática de exercícios físicos

Leia mais

Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 de largura. 13 m. Deve ser distanciado de qualquer obstáculo, se possível, pelo menos 1 (um)

Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 de largura. 13 m. Deve ser distanciado de qualquer obstáculo, se possível, pelo menos 1 (um) MINI-VOLEIBOL 2014/15 TORNEIO 4X4 Regulamento da Prova CAPÍTULO I INSTALAÇÕES E MATERIAL O Terreno de Jogo Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 de largura 13 m 6,5 m metro. Deve ser distanciado

Leia mais

O ALCANCE DE ATAQUE E BLOQUEIO E A PERFORMANCE DE ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 2006

O ALCANCE DE ATAQUE E BLOQUEIO E A PERFORMANCE DE ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 2006 O ALCANCE DE ATAQUE E BLOQUEIO E A PERFORMANCE DE ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 2006 Natalia Kopp 1 ; Fábio Heitor Alves Okazaki 2 ; Victor Hugo Alves Okazaki 3 ; Birgit Keller

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR

VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR 1. História do Voleibol 1.1. A Origem do Voleibol: a centenas de anos jogos similares jáj eram praticados no mundo todo. Willian Morgan da Y.M.C.A. cria em

Leia mais

REGULAMENTO DE VOLEIBOL

REGULAMENTO DE VOLEIBOL REGULAMENTO DE VOLEIBOL - ÍNDICE Características do Jogo Capítulo 1 INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS 1. ÁREA DE JOGO 1.1. - Dimensões 1.2. Superfície da área de jogo 1.3. - Linhas da quadra de jogo 1.4. - Zonas

Leia mais

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana Histórico do Voleibol Prof. Maick da Silveira Viana Quando começou? Conta a história que o voleibol foi criado na Associação Cristã de Moços (ACM) de Massachusetts pelo professor William Morgan em 1895.

Leia mais

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO XV JOGOS ARI DE SÁ Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO ABERTURA 1. DIA: 26/09/2015 ( Sábado ) 9h 2. LOCAL: Manhã Ginásio 2.1 - Concentração Manhã: galeria do Ensino Fundamental I 2.2 - Desfile de abertura

Leia mais

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano Sempre que me encontro em Reguengos não perco a oportunidade de observar atentamente os jogos do meu Clube. Tenho visto, nomeadamente, no escalão de Sub 14 masculino

Leia mais

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho Profª. Esp. Maria Helena Carvalho HISTÓRIA DO VOLEIBOL Criação nos EUA; Dia 09 de fevereiro de 1895; Pelo diretor de Educação Física da ACM William George Morgan; Era conhecido como mintonette. Obs.: Nessa

Leia mais

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9)

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) Introdução 1. Elementos intervenientes 1. 1. Um delegado 1. 2. Um árbitro 1. 3. Dois Jogadores (Conforme a competição), equipados de acordo com o estipulado pelo Bilhar Clube

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms. Daniel Querido danielquerido@gmail.com Ocupam lugar importante na cultura esportiva contemporânea Riqueza de situações: - constituem um meio formativo; - prática orientada

Leia mais

3x3 Regras do Jogo. quadra se alguma for utilizada podem ser adaptadas ao espaço disponível

3x3 Regras do Jogo. quadra se alguma for utilizada podem ser adaptadas ao espaço disponível 3x3 Regras do Jogo As Regras do Jogo de Basquete Oficiais da FIBA são válidas para todas as situações de jogo não especificamente mencionadas nestas Regras do Jogo 3x3. Art. 1 Quadra e Bola O jogo será

Leia mais

Educação Física - Colégio Adventista Professora Shimeni Guimarães Alves

Educação Física - Colégio Adventista Professora Shimeni Guimarães Alves História do Vôlei O voleibol foi criado no ano de 1895 pelo americano William C.Morgan, diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM), na cidade de Holyoke, em Massachusets, nos Estados

Leia mais

Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental

Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental Jogos Populares Os jogos populares buscam resgatar jogos culturais e tradicionais de várias regiões do mundo. Vários costumes e acontecimentos na antiguidade

Leia mais

APOSTILA 2015 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR: BRUNO. EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO MÉDIO 2º ANO - 2015 Página 1

APOSTILA 2015 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR: BRUNO. EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO MÉDIO 2º ANO - 2015 Página 1 APOSTILA 2015 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR: BRUNO EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO MÉDIO 2º ANO - 2015 Página 1 Sumário TEORIA E PRÁTICA DO VOLEIBOL...6 HISTÓRIA DO VOLEI...6 CARACTERÍSTICAS DO JOGO:...6 ÁREA DE JOGO...7

Leia mais

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias 1 Posição Básica Ofensiva; Passe (Peito e Picado) /recepção; Drible de Avaliar a prestação motora

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 311 2015 Prova Escrita e Prática Curso científico humanístico Ensino Secundário /12º Ano Decreto Lei n.º 139/2012 de 5 de julho O presente

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO RESUMO MEIRA, A. N. BATISTA, G. R. OLIVEIRA, L. S. CAPPELLAZZO, E. S. Esse estudo teve como objetivo analisar a qualidade técnica do

Leia mais

Educação Física: Futsal

Educação Física: Futsal FUTSAL Apresentação do Plano de Trabalho História e evolução do futebol de salão Regras Oficiais Métodos de Ensino Progressivo Repetitivo/Parcial Situacional/Global Fundamentos Técnicos Controle Proteção

Leia mais

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo.

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo. INTRODUÇÃO As Regras de Jogo regulamentam as funções dos juízes de linha, a sua localização (27.1) e as suas responsabilidades (27.2). Além disso, a Regra 28.2 indica os gestos oficiais com as bandeirolas

Leia mais

ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DO JOGO PARTE 1: FILOSOFIA DAS REGRAS E DA ARBITRAGEM PARTE 2 SEÇÃO 1: O JOGO CAPÍTULO 1: ESTRUTURA E EQUIPAMENTOS

ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DO JOGO PARTE 1: FILOSOFIA DAS REGRAS E DA ARBITRAGEM PARTE 2 SEÇÃO 1: O JOGO CAPÍTULO 1: ESTRUTURA E EQUIPAMENTOS REGRAS OFICIAIS DO VOLEIBOL 2013-2016 Aprovadas pelo 33º Congresso da FIVB de 2012 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DO JOGO 9 PARTE 1: FILOSOFIA DAS REGRAS E DA ARBITRAGEM 10 PARTE 2 SEÇÃO 1: O JOGO 13 CAPÍTULO

Leia mais

GUIA DE ARBITRAGEM PARA APLICAÇÃO DAS REGRAS DE VOLEIBOL DE PRAIA

GUIA DE ARBITRAGEM PARA APLICAÇÃO DAS REGRAS DE VOLEIBOL DE PRAIA COMISSÃO BRASILEIRA DE ARBITRAGEM DE VOLEIBOL COBRAV GUIA DE ARBITRAGEM PARA APLICAÇÃO DAS REGRAS DE VOLEIBOL DE PRAIA ÍNDICE Introdução... 3 Área de Jogo... 4 Rede e Postes... 4 Bola... 5 Equipes... 5

Leia mais

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Introdução A Federação Portuguesa de Rugby (FPR) acordou com o Gabinete do Desporto Escolar o lançamento do Projecto Nestum, Rugby nas Escolas. A NESTUM apoia este

Leia mais

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%)

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%) Teste Escrito 1 Educação Física 3º CEB 1.º Período 2011/2012 Nome: Turma : N.º O Professor Encarregado de Educação Avaliação Lê atentamente as afirmações e as opções de resposta. De seguida, assinala na

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 9º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 1º PERÍODO 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO Corridas Especialidades Velocidade Meio-Fundo Fundo Barreiras Estafetas Provas 60m, 100m, 200m, 400m 800m, 1500m,

Leia mais

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05.

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05. Índice: A Proposta da IAAF 03 Campeonato para 3-5 anos de idade 03 Formato da Competição 04 Organização da Competição 05 Resultados 06 Arbitragem necessária para o Evento 07 Preparação do Equipamento Necessário

Leia mais

REGRAS VOLEIBOL BOLETIM INFORMATIVO PROJETO SUPERAÇÃO SETEMBRO / 2011. (Versão1.0)

REGRAS VOLEIBOL BOLETIM INFORMATIVO PROJETO SUPERAÇÃO SETEMBRO / 2011. (Versão1.0) REGRAS VOLEIBOL (Versão1.0) BOLETIM INFORMATIVO PROJETO SUPERAÇÃO SETEMBRO / 2011 1 Belo Horizonte, 30 de abril de 2011 Regras do Voleibol O texto a seguir é uma tradução da versão autêntica em inglês

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

REGULAMENTO II Maratona Voleibol do Nordeste (4x4)

REGULAMENTO II Maratona Voleibol do Nordeste (4x4) REGULAMENTO II Maratona Voleibol do Nordeste (4x4) CAPÍTULO I Instalações e Materiais Terreno de Jogo - Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 metros de largura. 1) Linhas de marcação - O campo

Leia mais

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal O essencial sobre Autor: Francisco Cubal 1 Qual a história do Voleibol? Em 1895 o professor de Educação Física G. Morgan, nos Estados Unidos, criou uma modalidade desportiva que, devido ao seu toque no

Leia mais

História e Evolução do Voleibol

História e Evolução do Voleibol História e Evolução do Voleibol Os jogos com bola já remontam há longos anos. Na velha Gália, jogava-se ao Follis. Os indivíduos que jogavam estes jogos estavam dispostos em círculo e tinham por objectivo

Leia mais

CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 CIDADE DE CABO FRIO - RJ Dias 04, 05, 06 e 07 de Junho de 2015 DE VOLEIBOL DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESPORTES DE

CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 CIDADE DE CABO FRIO - RJ Dias 04, 05, 06 e 07 de Junho de 2015 DE VOLEIBOL DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESPORTES DE REALIZAÇÃO : APOIO: ASSOCIAÇÃO MASTER DE DE VOLEIBOL DO RIO DE JANEIRO AMAVOLEI PREFEITURA MUNICIPAL CABO FRIO SECRETARIA DE ESPORTES DE CABO FRIO CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 VOLEIBOL DE PRAIA O CABO FRIO

Leia mais

Ano Lectivo 2009 / 2010. Projecto Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Rugby XV e aos Seven s

Ano Lectivo 2009 / 2010. Projecto Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Rugby XV e aos Seven s Ano Lectivo 2009 / 2010 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Rugby XV e aos História do Rugby no Mundo De acordo com a lenda da criação do rugby, a modalidade teve início por William Webb Ellis,

Leia mais

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970)

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970) SISTEMA 4-3-3 HISTÓRICO/EVOLUÇÃO O sistema 4-3-3 tem sua origem no 4-2-4. O Brasil tinha como base o sistema 4-2-4 na Copa do Mundo de 1962. Zagallo era o ponta esquerda, com o seu recuo para auxiliar

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º CICLO EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO Documento(s) Orientador(es): Programas nacionais de Educação Física; legislação em vigor

Leia mais

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 Apresentação Produtividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia do Esporte - GEPE Variáveis físicas, psicológicas

Leia mais

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol 102 Recursos do Professor Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo do Futebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 2.1 A MESA 2.1.1 A parte superior da mesa, chamada superfície de jogo, deve ser retangular, com 2,74 m de comprimento por 1,525 m de largura, e situar-se em um plano

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 Organização, compromisso e qualidade em prol do esporte universitário paulista www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 REGULAMENTO

Leia mais

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 I - DOS JOGOS Art.1 - A Olimpíada Especial UBM/PMBM tem por finalidade desenvolver o intercâmbio desportivo e social entre os atletas, professores

Leia mais

III TORNEIO DE BASQUETE 3 x 3 MASCULINO E FEMININO CEFER - USP RIBEIRÃO PRETO - 2015

III TORNEIO DE BASQUETE 3 x 3 MASCULINO E FEMININO CEFER - USP RIBEIRÃO PRETO - 2015 III TORNEIO DE BASQUETE 3 x 3 MASCULINO E FEMININO CEFER - USP RIBEIRÃO PRETO - 2015 I - OBJETIVOS: Incentivar a integração de todos como também valorizar e estimular a prática esportiva, como fator de

Leia mais

CONTEÚDOS CONTEÚDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2015-2016

CONTEÚDOS CONTEÚDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2015-2016 PROGRAMÁTICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Capacidades Condicionais e Coordenativas Gerais Resistência Geral; Força Resistente; Força Rápida; Força Rápida; Velocidade de Reação Simples e Complexa; Velocidade de

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 13) Acerca do conceito de corporeidade descrito na Proposta Curricular de Santa Catarina, assinale a alternativa correta. A Corporeidade é presença no esporte, via corpo, que age e que, ao expressar-se,

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

2.3 Tacada legal 2. 3. 1. Manutenção da mão; 2. 3. 2. Não anúncio de bola e bolsa; 2.4 Bolas embolsadas 2.5 Bolas fora da mesa 2. 5. 1.

2.3 Tacada legal 2. 3. 1. Manutenção da mão; 2. 3. 2. Não anúncio de bola e bolsa; 2.4 Bolas embolsadas 2.5 Bolas fora da mesa 2. 5. 1. Índice 1.1 Mesas Bolas Equipamento 1.2 Saída Posicionamento das bolas 1.3 Tacada 1.4 Bola não embolsada Turno 1.5 Ordem de saída 1.6 Abertura Saída 1.7 Jogo Começo 1.8 Abertura Desvio da bola branca 1.9

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: PROFESSOR NÍVEL III EDUCAÇÃO FÍSICA CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: PROFESSOR NÍVEL III EDUCAÇÃO FÍSICA CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVA CAMPEONATO NACIONAL DAS ASSOCIAÇOES MATRAQUILHOS E FUTEBOL DE MESA FEDERAÇÃO PORTUGUESA

REGULAMENTO DE PROVA CAMPEONATO NACIONAL DAS ASSOCIAÇOES MATRAQUILHOS E FUTEBOL DE MESA FEDERAÇÃO PORTUGUESA FEDERAÇÃO PORTUGUESA MATRAQUILHOS E FUTEBOL DE MESA FUNDADA EM 0 DE FEVEREIRO DE 200 FILIADA NA ITSF - INTERNATIONAL TABLE SOCCER FEDERATION SEDE OFICIAL AV. ENG.º ARMANDO MAGALHAES, 31 4440-505 VALONGO

Leia mais

REGULAMENTO DOS JOGOS CARIACIQUENSES DOS IDOSOS 2014

REGULAMENTO DOS JOGOS CARIACIQUENSES DOS IDOSOS 2014 Fase Municipal Cariacica ES 2014 REGULAMENTO DOS JOGOS CARIACIQUENSES DOS IDOSOS 2014 CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º - Os Jogos Municipais dos Idosos tem por finalidade motivar a participação dos nossos

Leia mais

AS REGRAS DO TAMBORÉU

AS REGRAS DO TAMBORÉU AS REGRAS DO TAMBORÉU TÍTULO I - O JOGO DE TAMBORÉU art. 1º - O tamboréu é esporte jogado por atletas colocados em posições opostas em cada metade da quadra, que é dividida por uma rede. O objetivo de

Leia mais

Regras Oficiais de Voleibol 2001-2004 APROVADAS PELA FIVB EDIÇÃO - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL

Regras Oficiais de Voleibol 2001-2004 APROVADAS PELA FIVB EDIÇÃO - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL REGRAS OFICIAIS DE VOLEIBOL 2001-2004 APROVADAS PELA FIVB EDIÇÃO - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL ÍNDICE Características do jogo SECÇÃO I O JOGO CAPÍTULO I INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTO REGRA 1. ÁREA DE

Leia mais

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010.

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010. COPA SENAI 2010 REGULAMENTO GERAL SESI SENAI - SP 2010 REGULAMENTO GERAL FASE INTERCLASSES I DOS OBJETIVOS Art. 01 A COPA SENAI 2010, tem por finalidade o bem estar e a integração do aluno perante a sociedade

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

Leia mais

1. ÁREA DE JOGO 1. ÁREA DE JOGO 1.1 DIMENSÕES 1.1 DIMENSÕES

1. ÁREA DE JOGO 1. ÁREA DE JOGO 1.1 DIMENSÕES 1.1 DIMENSÕES Com a nova diretriz da FIVB de unificar a redação e alguns aspectos da regra das duas modalidades, ficou mais fácil identificar os pontos idênticos e as diferenças, inclusive pela renumeração e reorganização

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL Basquetebol 8º ano Basquetebol Origem e Evolução: Estados Unidos - 1891 Prof. James Naismith Universidade Springfield - USA Ginástica - inverno

Leia mais

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR INTRODUÇÃO O Atleta na Escola tem como premissas a democratização do acesso ao esporte e o incentivo da prática esportiva na escola. Neste ano, o Programa de Formação

Leia mais

Princípios da defesa 5x3

Princípios da defesa 5x3 Princípios da defesa 5x3 Não importa qual defesa praticamos, mas, o como a tornamos eficaz No 5x5, são até três atacantes realmente envolvidos em uma jogada, portanto, se todos estiverem sempre comprometidos

Leia mais

Regras de Futebol de Campo

Regras de Futebol de Campo Curso de Educação Física Futebol - Fundamentos Regras de Futebol de Campo Leandro Tibiriçá Burgos Regra 1: Campo de jogo Partidas Nacionais Comprimento: de 90m a 120 metros; Largura: de 45m a 90 metros.

Leia mais

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro.

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro. : Ensino Fundamental Componente Curricular: Educação Física Modalidade: Handebol Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro. O QUE O ALUNO

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 2ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

Movimentação de Campo

Movimentação de Campo Movimentação de Campo Introdução Este tema tem relevante importância para a evolução dos nossos atletas, pois se estes não automatizarem os seus deslocamentos dentro do campo dificilmente atingiram elevadas

Leia mais

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Prof. Mst. Sandro de Souza Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Desenhe um campo de Futebol com as suas dimensões e marcações. Qual o número mínimo de jogadores, em um time, para iniciar

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Leiria, 20 de Janeiro de 2007 ÉPOCA 2006/2007 TESTE ESCRITO

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Ano de escolaridade: 6º ano (Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de julho e Despacho Normativo

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL O Andebol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas (cada equipa tem: 7 jogadores em campo e 5 suplentes), cujo objectivo é introduzir a bola na baliza da equipa

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL 1 BASQUETEBOL As Regras Oficiais da Special Olympics devem governar todas as competições de Basquete da Special Olympics. Como um programa de esportes internacional, a Special Olympics criou estas regras

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 1 Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses

Leia mais