ANAIS INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE: UMA ABORDAGEM EMPÍRICA A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA DE ESPECIALISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE: UMA ABORDAGEM EMPÍRICA A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA DE ESPECIALISTAS"

Transcrição

1 INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE: UMA ABORDAGEM EMPÍRICA A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA DE ESPECIALISTAS ALDO LEONARDO CUNHA CALLADO ( ) DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE/CCSA/UFPB E PPG-AGRONEGÓCIOS/CEPAN/UFRGS JAIME EVALDO FENSTERSEIFER ( ) PPGA/UCS (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL) E CEPAN/UFRGS. Resumo O objetivo deste artigo consistiu em investigar a relevância de indicadores de sustentabilidade a partir de uma perspectiva de. Este trabalho possui natureza descritiva e exploratória. Foram considerados 435 indicadores de sustentabilidade, obtidos através de listas de indicadores a partir de revisão da literatura, distribuídos entre as dimensões ambiental, social e econômica. O questionário foi utilizado para realizar a consulta com 10. Dentre o conjunto de indicadores investigados, 15 foram apresentados sendo os mais relevantes. Não foi detectada discrepância na análise dos em relação aos indicadores de uma determinada dimensão em detrimento aos indicadores de outra dimensão. Palavras-chave: Indicadores de sustentabilidade. Pesquisa empírica. Dimensões de sustentabilidade. 1. Introdução Um dos principais resultados da Conferência Eco-92 realizada na cidade do Rio de Janeiro em 1992 foi a elaboração de um documento chamado Agenda 21. A Agenda 21 é um plano de ação que deve ser adotado global, nacional e localmente, por organizações do sistema das Nações Unidas, governos e pela sociedade civil em todas as áreas em que a ação humana impacta o meio ambiente. A Agenda 21 é considerada por muitos a mais abrangente tentativa já realizada para orientar a adoção de um novo padrão de desenvolvimento para o Século XXI, cujo alicerce é a sinergia entre aspectos ambientais, sociais e econômicos, ou seja, a sustentabilidade. Apesar de muitos trabalhos terem sido desenvolvidos antes da publicação da Agenda 21, tais como Claro e Claro (2004), Krajnc e Glavic (2005a), Labuschagne, Brent, Van Erck (2005), Dahl (2007), Singh et al. (2009), entre outros, esta agenda constitui um marco no desenvolvimento de pesquisas e trabalhos sobre indicadores de sustentabilidade. O termo sustentabilidade sempre foi visto como um obscuro conceito ecológico, e que atualmente vem sendo adotado por empresas que buscam atender aos princípios da responsabilidade social e da legislação ambiental (FIKSEL; LOW; THOMAS, 2004). De acordo com Székely e Knirsch (2005), a sustentabilidade está relacionada à construção de uma sociedade que apresente um bom equilíbrio entre os objetivos econômicos, sociais e ambientais. Esses autores afirmam que esse termo significa, para as empresas, sustentar e expandir o crescimento econômico, aumentar o valor dos acionistas, o prestígio, a reputação corporativa, o relacionamento com clientes e a qualidade de produtos e serviços. 1/16

2 De acordo com Epstein e Roy (2001) e Krajnc e Glavic (2005a), muitas empresas que até então apenas utilizavam indicadores financeiros para acompanhar os resultados de suas atividades operacionais, passaram a utilizar práticas sustentáveis devido às exigências de vários agentes, tais como, consumidores, fornecedores, empregados, agências reguladoras nacionais e internacionais, bancos, companhias de seguros, acionistas, associações comerciais e comunidade local. Esse novo posicionamento foi motivado principalmente pelo fato de que o reconhecimento, por parte das empresas, que a lucratividade por si só não mais garante a continuidade de suas atividades e que através da adoção de princípios e ações de sustentabilidade há uma possibilidade em estender suas atividades por um maior período e gerar um aumento no valor de mercado de suas ações. Através da criação e acompanhamento de resultados de indicadores de sustentabilidade, torna-se possível analisar e acompanhar as mudanças que ocorreram no processo produtivo e identificar até que ponto estas mudanças estão sendo eficazes no que diz respeito ao alcance da sustentabilidade social, econômica e ambiental. Os indicadores de sustentabilidade são utilizados como ferramentas simplificadas de análise, monitoramento e comunicação. A sua utilização tem por objetivo avaliar um determinado sistema dentro de uma realidade conceitual e, dessa forma, permitir a quantificação de fenômenos complexos (CLARO e CLARO, 2004). De acordo com Veleva e Ellenbecker (2000) e Potts (2006), o desenvolvimento de indicadores de sustentabilidade que possam ser aplicados em empresas vem ganhando continuadamente espaço, visto que diversas organizações, independente do setor de atividade, têm direcionado esforços em avaliar o desempenho social, econômico e ambiental. O procedimento utilizado para definir atributos, indicadores e pesos através de consultas a, além de oferecer a possibilidade em estabelecer um consenso por meio de assessoria técnica, traz para dentro do processo de elaboração de uma proposta, uma consideração explícita de prioridades relativas que podem ser alocadas em diferentes critérios de sustentabilidade (RIGBY et al., 2001). O objetivo deste artigo é investigar a relevância de indicadores de sustentabilidade a partir de uma perspectiva de. Além desta seção introdutória, o presente artigo possui mais quatro seções. Na seguinte, foram apresentados diversos e conceitos de indicadores de sustentabilidade no contexto empresarial. Na terceira são apresentadas diversas características de indicadores de sustentabilidade. Na quarta são discutidos os aspectos metodológicos desta pesquisa. A quinta seção apresenta os resultados encontrados nesta pesquisa. E, por fim, são apresentadas as conclusões da pesquisa. 2. Indicadores de Sustentabilidade Os indicadores são ferramentas centrais por permitirem um acompanhamento das principais variáveis de interesse da empresa e por possibilitar o planejamento de ações visando melhorias de desempenho. De acordo com Kardec, Flores e Seixas (2002), indicadores são guias que permitem medir não somente a eficácia das ações tomadas, mas também os vieses entre o programado e o realizado. Esses autores indicam que sem indicadores é praticamente impossível avaliar o desempenho de uma organização e identificar seus pontos fracos. Segundo Veleva e Ellenbecker (2000), o conceito por trás dos indicadores de sustentabilidade para uma empresa é simples. Esses indicadores tentam identificar objetivamente se uma empresa está se aproximando ou se afastando nas diversas dimensões (ambiental, social e econômica) da sustentabilidade. Os indicadores buscam comunicar o 2/16

3 progresso em direção a uma meta de forma simples e objetiva o suficiente para retratarem o mais próximo da realidade, mas dando ênfase aos fenômenos que tenham ligações entre a ação humana e suas conseqüências (VAN BELLEN, 2008). Toda iniciativa realizada em função da sustentabilidade deve ser associada a um indicador de desempenho específico. Assim como os gerentes implementam novos programas ou investem em novas tecnologias para aumentar seus resultados voltados à sustentabilidade, eles precisam definir claramente objetivos e metas e compará-los ao atual desempenho. Assumindo um sentido de comparação, Moura (2002) define indicador de sustentabilidade como sendo um conjunto de parâmetros que permite medir as modificações antrópicas em um determinado sistema e comunicar, de forma simplificada, o estado deste sistema em relação aos critérios e as metas estabelecidas para avaliar a sua sustentabilidade. Os indicadores podem conter um ou vários parâmetros que podem ser considerados isoladamente ou combinados entre si, mas o conjunto de indicadores deve expressar as interrelações entre eles que possam afetar a sustentabilidade do sistema. De acordo com a Global Reporting Initiative GRI (2006), indicadores de sustentabilidade apresentam o modo que a organização contribui ou pretende contribuir no futuro para a melhoria das condições econômicas, ambientais e sociais em nível local, regional ou global. A seleção de indicadores para o desenvolvimento sustentável é uma importante questão na orientação de atividades não apenas empresariais e industriais, bem como as ações humanas, principalmente do ponto de vista prático, pois se apresenta importante buscar atribuir medidas e métricas para aspectos que não possuem medidas de uso corrente. Partindo dessa perspectiva, Azapagic (2004) apresenta indicadores do desenvolvimento sustentável como tradutores de aspectos da sustentabilidade em (usualmente) medidas quantitativas de desempenhos econômicos, ambientais e sociais com o principal objetivo em ajudar a solucionar as principais preocupações. A identificação de aspectos relevantes, que captem características específicas de cada ação, é crucial para o desenvolvimento desses indicadores. 3. Características de Indicadores de Sustentabilidade Pode-se apontar uma série de características de um indicador (BERLINER; BRIMSON, 1988; TIRONI et al., 1992; NEELY et al., 1997), a saber: seletividade: os indicadores devem estar relacionados a fatores essenciais ou críticos do processo a ser avaliado. representatividade: o indicador deve ser escolhido ou formulado de forma que possa representar satisfatoriamente o processo ou produto a que se refere. simplicidade: devem ser de fácil compreensão e aplicação, principalmente para aquelas pessoas diretamente envolvidas com a coleta, processamento e avaliação dos dados, requerendo o mínimo de esforço adicional para sua implementação. baixo custo: devem ser gerados a custo baixo. O custo para coleta, processamento e avaliação não deve ser superior ao benefício trazido pela medida. estabilidade: devem ser coletados com base em procedimentos rotinizados incorporados às atividades da empresa e que permitam sua comparação ou a análise de tendências ao longo do tempo. comparação externa: alguns indicadores devem ser desenvolvidos para permitir a comparação do desempenho da empresa com outras empresas do setor ou empresas de outros setores. 3/16

4 melhoria contínua: os indicadores devem ser periodicamente avaliados e, quando necessário, devem ser modificados ou ajustados para atender às mudanças no ambiente organizacional e não perderem seu propósito e validade. De acordo com Moura (2002), as características desejáveis nos indicadores de sustentabilidade são: pressupostos: deve partir de uma clara definição de sustentabilidade, ter uma visão clara do objetivo, estar nitidamente relacionado aos princípios e às exigências da sustentabilidade e representar um equilíbrio entre os interesses ambientais, econômicos e sociais. metodologia: levar em conta os pressupostos do processo, apresentar um enfoque sistêmico, quantificar fenômenos complexos, contemplar as inter-relações entre os indicadores e contemplar os atores envolvidos na questão. validade: possibilitar a comparação entre si, com critérios legais ou outros padrões/metas existentes, ser relativamente certo e fácil de interpretar, ter limites óbvios que separe o sustentável do insustentável e ser objetivo e capaz de medir causas e mudanças nos sistemas. relevância: ser suficientemente sensitivo para o público local, ter relevância política, ser confiável analiticamente, atender aos objetivos do processo de monitoramento, abranger elementos essenciais em relação aos objetivos, ser fácil e simples de interpretar, capaz de mostrar tendências no longo prazo e ser replicável. viabilidade: haver facilidade da obtenção de dados, ser de fácil quantificação, existência de dados acessíveis com recursos locais, ser de rápida determinação e interpretação, ser estatisticamente mensurável e apresentar um custo de implementação viável. Comunicação da informação: simplificar informações para permitir a comunicação entre os diversos atores envolvidos no processo, ser de fácil compreensão para as pessoas comuns, ter valor de referência para comparação, ser apresentado de modo que usuários possam entender o significado dos valores associados a ele e ser atraente para a mídia local. O processo de seleção de indicadores de sustentabilidade, segundo o World Bank (1999), deve obedecer aos seguintes critérios: possuir relevância direta aos objetivos de um projeto; limite de número; clareza no delineamento; custos realistas no desenvolvimento; identificação clara das relações causais; alta qualidade e confiabilidade; escala temporal e espacial apropriada; e objetivos e fundamentos Ao se caracterizar a operacionalização desses indicadores, Azevedo (2002) considera importantes os seguintes aspectos: a sustentabilidade deve ser mensurada por um índice de fácil aplicação e interpretação; o índice de sustentabilidade deverá ser dinâmico, refletindo as mudanças estruturais e de conjuntura das unidades de produção; o índice de sustentabilidade deverá ser relativo e, portanto, objeto de comparação entre unidades produtivas ou da mesma unidade ao longo do tempo; o índice de sustentabilidade é um instrumento de avaliação do sistema de produção e na avaliação da própria sustentabilidade. Foi observado por Veleva e Ellenbecker (2000) que grande parte das presentes metodologias de análise utiliza apenas indicadores quantitativos para mensurar o desempenho da sustentabilidade. Entretanto, muitos desses indicadores tornaram-se apenas exercícios da contabilidade. É importante romper o paradigma corrente de análise e fazer um maior uso de indicadores qualitativos, mesmo que isso represente uma maior subjetividade no processo de análise. 4/16

5 4. Aspectos Metodológicos Essa seção apresenta os aspectos metodológicos que nortearam a realização desta pesquisa. Inicialmente são definidas a tipologia e variáveis investigadas na pesquisa. Em seguida são apresentados os procedimentos de coleta de dados. E por último é apresentado o método utilizado para analisar os dados coletados. 4.1 Tipologia da pesquisa Para a classificação da pesquisa, tomou-se como base a taxonomia desenvolvida por Vergara (2009), que a qualifica em relação a dois aspectos: quanto aos fins e aos meios. Quanto aos fins, esta pesquisa é exploratória e descritiva. Pesquisa exploratória, pois no Brasil ainda são exíguas as pesquisas empíricas associadas à seleção de indicadores de sustentabilidade a partir de consulta a. E descritiva, pois buscou-se descrever as características das avaliações realizadas pelos. Quanto aos meios, esta pesquisa é classificada como pesquisa de campo, visto que foi realizada entrevistas e aplicações de questionários para atingir o objetivo proposto. 4.2 Variáveis Diante do objetivo proposto para esta pesquisa, foram investigadas as dimensões de sustentabilidade com seus respectivos indicadores, a saber: Dimensão ambiental Esta dimensão se preocupa com os impactos causados por empresas em sistemas vivos e não-vivos, incluindo ecossistemas, terra, ar e água; Dimensão econômica Esta dimensão se preocupa com impactos causados por uma empresa no bem-estar econômico de seus stakeholders e no sistema econômico nos níveis local, nacional e global; Dimensão social Esta dimensão reflete as atitudes de uma empresa de tratamento dos próprios empregados, fornecedores, contratados e consumidores, além de impactos na sociedade de uma maneira geral. A seleção do grupo de indicadores participantes desta pesquisa foi realizada em duas fases: (I) levantamento de listas de indicadores de sustentabilidade referentes às dimensões ambiental, econômica e social a partir de revisão da literatura; (II) exclusão de indicadores de sustentabilidade pertencentes a mais de uma das listas. O Quadro 1 sumariza a revisão da literatura para o levantamento de indicadores de sustentabilidade no âmbito de empresas utilizados em trabalhos empíricos e teóricos. Autores Dimensões de sustentabilidade Quantidade de indicadores/dimensão Natureza do trabalho Spangenberg e Bonniot (1998) Azapagic e Pardan (2000) Oliveira (2002) Azapagic (2003) Cultural (04) (05) (05) (12) (05) (09) (10) (10) (10) Cultural (10) (11) (16) Teórico Teórico Empírico Empírico 5/16

6 Azapagic (2004) Claro e Claro (2004) Krajnc e Glavic (2005a) Krajnc e Glavic (2005b) Global Reporting Initiative (2006) Sydorovych e Wossink (2008) Searcy, McCartney, Karapetrovic (2005) (11) (41) (19) (23) (42) (24) (30) (07) (05) (04) (22) (10) (06) (30) (40) (09) (08) (11) (06) (04) (08) (06) Quadro 1 Indicadores de sustentabilidade no âmbito de empresas Fonte: elaborado pelos autores. Empírico Empírico Teórico Empírico Teórico Empírico Empírico É importante mencionar que apesar de determinado(s) indicador(es) não apresentarem uma ou mais dentre as características mencionadas, nem sua validade nem sua capacidade explicativa deve ser questionada, visto que a lista apresentada é apenas uma tentativa de se obter e trabalhar com indicadores ideais e perfeitos ; sabe-se, entretanto, que essas características são em muitos casos difíceis de serem observadas. O levantamento de indicadores de sustentabilidade identificou 463 indicadores. Esses indicadores encontram-se classificados da seguinte maneira: 191 indicadores da dimensão ambiental, 153 indicadores da dimensão social e 119 indicadores da dimensão econômica. A segunda fase de seleção de indicadores desta pesquisa consistiu em excluir os indicadores presentes em mais de uma lista. Após exclusão de indicadores repetidos, a lista final de indicadores foi composta por 435 indicadores de sustentabilidade (177 indicadores ambientais, 150 indicadores sociais e 108 indicadores econômicos). 4.3 Procedimentos de coleta de dados O instrumento utilizado para coletar os dados desta pesquisa foi um questionário, que consistiu de listas de indicadores das dimensões ambiental, social e econômica. Essas listas apresentavam os 435 indicadores de sustentabilidade selecionados. De acordo com Malhotra (2006), este instrumento deve transformar a informação desejada em um conjunto de perguntas específicas que os entrevistados tenham condições de responder. Nesta pesquisa foi utilizado o método de amostragem não probabilística intencional (ou por tipicidade). De acordo com Gil (1999), esse tipo de amostragem consiste em selecionar um subgrupo da população que, com base nas informações disponíveis, possa ser considerado representativo de toda a população. Para Richardson (1999), os elementos que formam uma amostra intencional relacionam-se com certas características estabelecidas pelo pesquisador. Vergara (2003) corrobora a natureza desta abordagem metodológica ao afirmar 6/16

7 que uma amostra por tipicidade é constituída pela seleção de elementos que o pesquisador considere representativos da população-alvo. As características relevantes atribuídas aos aptos a integrar a amostra foram as seguintes: possuir sólida formação e experiência profissional (acadêmica ou técnica) em aspectos associados à sustentabilidade. O questionário foi enviado a 10 (dez). Dentre eles, 8 (oito) possuem o título de Doutor, atuam em Programas de Pós-Graduação credenciados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e estão vinculados a Grupos de Pesquisa cadastrados na Plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em áreas e linhas de pesquisas associadas à sustentabilidade. Além disso, 7 (sete) destes possuem bolsas e projetos de pesquisas financiados por agências de fomento. Os outros 2 (dois) consultados possuem o título de Mestre, com vasta experiência de atuação profissional em treinamento, consultoria e auditoria de sistemas de gestão integrados, tendo integrado comissões responsáveis por diversos planejamentos estratégicos de diferentes indústrias. A consulta de foi realizada através de execução de três etapas, a saber: contato, entrevistas e recebimento de questionários. O contato inicial com os foi realizado através de correio eletrônico. A segunda etapa consistiu em realizar entrevistas com os com a finalidade de explicar a natureza e o objetivo da consulta, bem como para dirimir eventuais duvidas. Dada a distância geográfica de alguns, não foi possível realizar entrevistas com todos, mas foi providenciado o envio de questionários e instruções detalhadas por correio eletrônico e por correspondência por correios. Ao final deste processo, todos os 10 (dez) questionários enviados foram respondidos e recebidos. 4.4 Procedimentos de análise de dados Os dados coletados foram analisados a partir de três diferentes perspectivas, a saber: 1. Análise de prevalência de indicadores. Essa análise buscou a partir de resultados em cada dimensão de sustentabilidade investigada, identificar os indicadores que receberam o maior número de votos dos consultados; 2. Análise comparativa das avaliações de indicadores das três dimensões. Essa análise foi realizada através da utilização do teste estatístico de Kruskal-Wallis. Esse teste buscou identificar se houve diferenças significantes entre as medianas das freqüências de votos de indicadores das dimensões ambiental, social e econômica. Essa análise buscou identificar se houve discrepância na análise dos em relação aos indicadores de uma determinada dimensão de sustentabilidade em detrimento aos indicadores das demais dimensões; 3. Análise de ponderações de indicadores. Por fim foram analisados os pesos atribuídos pelos aos indicadores de sustentabilidade das dimensões investigadas que obtiveram a maior prevalência. Os pesos aos indicadores foram atribuídos a partir de Escala Likert (Muito importante peso 3; Importante peso 2; Relativamente importante peso 1). Essas análises foram realizadas através do auxílio do aplicativo estatístico SPSS versão 10.0 para Windows. 5. Apresentação e Análise de Resultados Essa seção apresenta a análise de resultados da pesquisa. Inicialmente são apresentados os resultados associados à avaliação dos sobre a relevância dos indicadores de sustentabilidade investigados. Em seguida é apresentada uma análise 7/16

8 comparativa das avaliações dos indicadores das dimensões investigadas. E por último é apresentado um ranking de ponderações atribuídas pelos aos indicadores mais votados. 5.1 Avaliação dos sobre a relevância dos indicadores de sustentabilidade Inicialmente é apresentado o resultado geral de avaliação de indicadores de sustentabilidade considerando o número de votos atribuídos a cada um deles por 10 (dez) consultados. Os resultados dessa análise estão apresentados na tabela 1. Tabela 1 Resultado geral da avaliação de indicadores de sustentabilidade Quantidade de indicadores acumulado 02 1,2, ,2 3, ,3 36, ,7 66, ,9 87, ,2 96, ,4 100,0 Total ,0 100,0 Foi observado que o indicador menos votado recebeu dois votos de. Os indicadores que receberam 4, 5 e 6 votos de, representam, respectivamente, 33,3%, 29,7% e 20,9% do universo de indicadores investigados. Houve, porém, um grupo de 15 indicadores que recebeu 8 entre 10 votos possíveis de, ou seja, esse grupo de indicadores possui um elevado grau de significância e importância atribuída pelos consultados. Em seguida são apresentados os resultados individuais de indicadores para cada dimensão de sustentabilidade investigada. Inicialmente são apresentados os resultados de indicadores da dimensão ambiental, conforme dados dispostos na Tabela 2. A análise desta dimensão se deu através de uma lista de 177 diferentes indicadores. Tabela 2 Resultado relativo aos indicadores da dimensão ambiental Quantidade de indicadores acumulado ,3 2, ,9 45, ,0 71, ,2 90, ,8 97, ,8 100,0 Total ,0 100,0 Foi observado que os indicadores que receberam o menor número de votos foram selecionados por apenas 3, representando 2,3% do total de indicadores analisados. Observou-se ainda que o conjunto de indicadores que receberam 4, 5 e 6 votos representa, respectivamente, 42,9%, 26,0% e 19,2% do universo de indicadores investigados. E por último tem-se o grupo de indicadores mais votados, que receberam 8 votos, representando 2,8% do universo de indicadores investigados desta dimensão. 8/16

9 Ainda sobre os indicadores de sustentabilidade vinculados à dimensão ambiental, buscou-se ainda identificar aqueles indicadores ambientais que receberam o maior número de votos. Os resultados obtidos sobre este aspecto estão apresentados na Tabela 3. Tabela 3 Indicadores ambientais mais votados Indicadores Sistemas de Gestão (SGA) Quantidade de água utilizada (m 3 /ano) Número total de processos instaurados por organizações ambientais por estar em não-conformidade de acordo com a legislação ambiental vigente (nº por ano) Treinamento e educação dos funcionários Quantidade de energia economizada devido a melhorias em conservação e eficiência Nota: O percentual é em relação aos 10. Os indicadores ambientais mais votados estão associados aos Sistemas de Gestão (SGA), à quantidade de água e energia utilizadas em seus processos, bem como ao número de processos instaurados por organizações ambientais por não estar de acordo com a legislação ambiental. Para ilustrar a perspectiva dos, buscou-se identificar que indicadores estavam inseridos no grupo de indicadores que receberam menos votos (três). Os resultados obtidos sobre este aspecto estão apresentados na tabela 4. Tabela 4 Indicadores ambientais menos votados Indicadores Ruído (decibéis ou nº de queixas/ano) Número de espécies na Lista Vermelha da IUCN e em listas nacionais de conservação com habitats em áreas afetadas por operações, discriminadas pelo nível de risco de extinção Total de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa, por peso Iniciativas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e as reduções obtidas Nota: O percentual é em relação aos 10. É importante mencionar que dentre os indicadores que receberam menos votos pelos consultados tem um que está associado às emissões e reduções de gases de efeito estufa, um associado ao número de espécies que estão sujeitas ao risco de extinção e um associado ao nível de ruído da empresa. Em seguida foram analisados os indicadores de sustentabilidade pertencentes à dimensão econômica. A análise desta dimensão se deu através de uma lista de 108 diferentes indicadores. O resultado da consulta de destes indicadores está apresentado na Tabela 5. 9/16

10 Tabela 5 Resultados relativos aos indicadores da dimensão econômica Quantidade de indicadores acumulado 03 1,9, ,6 30, ,5 62, ,4 82, ,9 96, ,7 100,0 Total ,0 100,0 Pode-se observar que houve um indicador que recebeu apenas três votos. O indicador econômico que recebeu o menor número de votos mensura o valor gasto com investimentos para a prevenção e controle de poluição. Os indicadores que receberam 4, 5 e 6 votos de, representam, respectivamente, 29,6%, 31,5% e 20,4% do universo de indicadores investigados. Os diversos indicadores pertencentes ao grupo dos mais votados por consultados receberam 8 votos, representando 3,7% dos indicadores investigados. De maneira semelhante à dimensão ambiental, buscou-se identificar o grupo de indicadores econômicos que receberam o maior número de votos pelos consultados. Os resultados obtidos sobre este aspecto estão apresentados na Tabela 6. Tabela 6 Indicadores econômicos mais votados Indicadores Investimentos éticos (R$) Gastos em saúde e segurança (R$) Volume de investimentos em capital humano (R$) Investimentos em tecnologias limpas Nota: O percentual é em relação aos 10. Ao se analisar o grupo de indicadores que receberam a maior quantidade de votos de consultados, aspectos associados a investimentos éticos, gastos com saúde e segurança, investimentos e em tecnologias limpas compõem seu escopo. Também foram identificados os indicadores econômicos que receberam a menor quantidade de votos (três e quatro). Os resultados obtidos sobre este aspecto estão apresentados na Tabela 7. Tabela 7 Indicadores econômicos menos votados Indicadores Quantidade de dinheiro pago a partidos políticos e instituições cuja função principal é financiar os partidos políticos ou de seus candidatos (R$/ano) Taxa de contribuição ao Produto Interno Bruto de custos totais com empregados em relação às vendas líquidas Total de produto exportado: quilo por ano Nota: O percentual é em relação aos /16

11 De acordo com os resultados apresentados, os indicadores econômicos que receberam menos votos pelos consultados estão associados ao montante de valor pago com finalidades de financiamento de partidos políticos ou candidatos, ao percentual que a empresa contribui na formação do Produto Interno Bruto, bem como indicadores que mensuram os custos associados aos funcionários em relação às vendas líquidas e indicadores que mensuram o volume total de produto exportado. E por último foram analisados os indicadores de sustentabilidade que compõem a dimensão social. Esta dimensão foi composta por 150 diferentes indicadores. O resultado da consulta de destes indicadores está apresentado na Tabela 8. Tabela 8 Resultados relativos aos indicadores da dimensão social Quantidade de indicadores acumulado 02 1,7, ,0 6, ,7 31, ,7 64, ,3 87, ,7 96, ,0 100,0 Total ,0 100,0 Foi observado que apenas um indicador (estética dos funcionários) recebeu apenas votos de 2 entre os 10 consultados, sendo este indicador o menos votado da lista total de indicadores investigados. Os indicadores que receberam 4, 5 e 6 votos de, representam, respectivamente, 24,7%, 32,7% e 23,3% do universo de indicadores investigado. Por último tem-se que o grupo de indicadores mais voltados por consultados receberam 8 votos representando 4% do número total de indicadores investigados. Finalmente, foi ainda identificado o grupo de indicadores sociais que receberam o maior número de votos de consultados. Os resultados desta análise estão apresentados na Tabela 9. Tabela 9 Indicadores sociais mais votados Indicadores Auxílio em educação e treinamento Padrões de segurança de trabalho Ética organizacional Interação com a sociedade Programas para gestão de competências e aprendizagem contínua que apóiam a continuidade da empregabilidade dos funcionários e para gerenciar o fim da carreira Impacto na economia local Ao se analisar o grupo de indicadores sociais que receberam a maior quantidade de votos de consultados foi constatado que aspectos conceituais e comportamentais estruturais associados aos ambientes interno e externo à organização foram valorizados. Este grupo de indicadores possui um espectro diversificado e amplo sobre a sustentabilidade. 11/16

12 Por fim, buscou-se identificar que indicadores sociais que receberam menos votos (dois e três). Os resultados obtidos sobre este aspecto estão apresentados na Tabela 10. Tabela 10 Indicadores sociais menos votados Indicadores Estética Ranking da organização como empregador em pesquisas internas de fornecedores locais em relação ao número total de fornecedores Proporção de investimentos na sociedade e na comunidade do lucro bruto Composição dos grupos responsáveis pela governança corporativa e discriminação órgãos de gestão e descriminação dos colaboradores por categoria, por gênero, faixa etária, minorias e outras Igualdade Nota: O percentual é em relação aos 10. Foi observado que o indicador que recebeu a menor quantidade de votos (dois) analisa os padrões estéticos dos funcionários. Ainda sobre os indicadores sociais menos votados, foi identificado um grupo de indicadores que receberam três votos. Dentro desse grupo, tem um indicador que apresenta um ranking de avaliação da organização através de pesquisas internas com os empregados, um que analisa a composição de localização dos diferentes fornecedores, e um que apresenta a composição de grupos responsáveis pela governança corporativa, discriminando colaboradores por diferentes estratificações. 5.2 Análise comparativa das avaliações dos indicadores das três dimensões Em seguida foi testada a significância estatística de diferenças entre as freqüências de votos de indicadores das dimensões ambiental, social e econômica. Os resultados dessa análise estão apresentados na Tabela 11. Tabela 11 Análise de significância de diferenças entre medianas Variável DIMENSÕES dependente TOTAL Mediana Observada Esperada 116,8 99,5 71,7 288 Obs-Esp 8,2-3,5-4,7 Mediana Observada Esperada 60,2 50,5 36,3 147 Obs-Esp - 8,2 3,5 4,7 Total observado p = 0,2240 De acordo com os resultados obtidos, pode ser observado que as diferenças entre as freqüências de medianas de freqüência de votos dos indicadores não foram estatisticamente 12/16

13 significativas (p=0,2240). Esse resultado indica que as avaliações efetuadas sobre a relevância (votos atribuídos) pelos, considerando as três dimensões de sustentabilidade, não podem ser considerados como discrepantes entre si. Deste modo, pode-se afirmar que as três dimensões da sustentabilidade investigadas possuem relevâncias equivalentes. 5.3 Ranking das ponderações dos indicadores mais votados O último conjunto de resultados propostos abrange os pesos atribuídos pelos aos indicadores que receberam o maior número de votos (8 votos). Os resultados dessa análise são apresentados na Tabela 12. Tabela 12 Média de pesos atribuídos aos indicadores de sustentabilidade mais votados Média de Dimensão Indicadores pesos Treinamento e educação dos funcionários em sistemas e práticas ambientais 2,750 Investimentos éticos (R$) 2,500 Quantidade de água utilizada (m 3 /ano) 2,375 Ética organizacional 2,375 Quantidade de energia economizada devido a melhorias em conservação e eficiência 2,250 Sistemas de Gestão (SGA) 2,250 Número total de processos instaurados por organizações ambientais por estar em não-conformidade de acordo com a legislação ambiental vigente (nº por ano) 2,250 Padrões de segurança de trabalho 2,250 Interação com a sociedade 2,250 Investimentos em tecnologias limpas 2,250 Impacto na economia local 2,125 Volume de investimentos em capital humano (R$) 2,125 Gastos em saúde e segurança (R$) 2,000 Auxílio em educação e treinamento 2,000 Programas para gestão de competências e aprendizagem contínua que apóiam a continuidade da empregabilidade dos funcionários e para gerenciar o fim da carreira 1,750 Fonte: Pesquisa de campo, Nota 1 : Os pesos aos indicadores foram atribuídos a partir de Escala Likert (Muito importante peso 3; Importante peso 2; Relativamente importante peso 1). Nota 2 : A média foi calculada em relação aos 8 que atribuíram pesos aos indicadores. Pode-se observar que o indicador que mensura nível de treinamento e educação de funcionários associados a aspectos ambientais, obteve a maior média de pesos atribuídos pelos consultados. Por outro lado, o indicador que apresentou a menor média de pesos atribuídos foi o que mensura programas de gestão de competências e aprendizagem que buscam dar continuidade da empregabilidade dos funcionários. Merece ainda ser destacado que os pesos atribuídos a estes indicadores não se mostraram dispersos entre si, o que sugere certo grau de homogeneidade atribuído a suas respectivas relevâncias percebidas pelos consultados. 6. Conclusões O objetivo desta pesquisa foi investigar a relevância de indicadores de sustentabilidade a partir de uma perspectiva de. Para atingir este objetivo, foram consultados 10 (dez) e analisados 435 indicadores de sustentabilidade, distribuídos entre as dimensões ambiental, social e econômica. 13/16

14 Ao analisar os resultados obtidos a partir de consultas de, foi observada a existência de um grupo de indicadores com elevado grau de significância, ou seja, apesar de terem sido identificados 435 diferentes indicadores, a sustentabilidade no contexto empresarial pode ser mensurada e analisada através de um grupo menor de indicadores, sem com isso, perder sua representatividade. A presente pesquisa identificou um grupo de 15 indicadores de sustentabilidade que foram votados por 8 (oito) dos dez (10). É importante destacar que esse grupo de indicadores mais votados estão distribuídos homogeneamente entre as três dimensões de sustentabilidade investigadas (5 - indicadores ambientais, 4 - indicadores econômicos e 6 indicadores sociais). A importância em analisar a sustentabilidade a partir de uma abordagem tridimensional, dá-se principalmente devido ao fato desta abordagem ter a capacidade em agregar a interface existente entre aspectos ambientais, sociais e econômicos, muitos dessas relações e interações existentes entre as diferentes dimensões de sustentabilidade que muitas vezes não conseguem serem captadas através de indicadores unidimensionais, sejam eles sociais, ambientais ou econômicos. Este trabalho buscou contribuir na área de pesquisa associada aos indicadores de sustentabilidade no contexto de empresas, a partir de uma proposta metodológica original de seleção de indicadores. Apesar de se perceber um avanço no número de pesquisas, os indicadores que mensuram a sustentabilidade no contexto de empresas ainda não estão consolidados cientificamente, pois diversas iniciativas de pesquisas associadas a este tema ainda se encontram em desenvolvimento. É importante que esforços em levantar, discutir e apontar aspectos ainda pouco explorados sejam realizados, para que se possa no futuro construir um conhecimento cientifico sólido acerca de uma área sempre tão cercada de posicionamentos subjetivos. Referências AZAPAGIC, A. Developing a framework for sustainable development indicators for the mining and minerals industry. Journal of Cleaner Production, v.12, n.6, p , AZAPAGIC, A. Systems approach to corporate sustainability: a general framework. Process Safety and Environmental Protection, v.81, n.5, p , AZAPAGIC, A.; PERDAN, S. Indicators of sustainable development for industry: a general framework. Process Safety and Environmental Protection, v.7, n.4, p , AZEVEDO, R. A. B. A sustentabilidade da agricultura e os conceitos de sustentabilidade estrutural e conjuntural, Revista Agricultura Tropical, v.6, n.1, p.9-42, BERLINER, C.; BRIMSON, J. A. Cost management for today's advanced manufacturing: the CAM-I conceptual design. Boston: Harvard Business School, BÖHRINGER, C.; JOCHEM, P. E. P. Measuring the immensurable: a survey of sustainability indices. Ecological Economics, n. 63, n.1, p.1-8, CLARO, P. B. O; CLARO, D. P. Desenvolvimento de indicadores para monitoramento da sustentabilidade: o caso do café orgânico. Revista de Administração, v.39, n.1, p.18-29, /16

15 DAHL, A. L. The big picture: comprehensive approaches. In: MOLDAN, B.; BILHARZ, S. (Organizadores). Sustainability indicators: report of the project on indicators of sustainable development. Chichester: John Willey and Sons, EPSTEIN, M. J.; ROY, M-J. Sustainability in Action: Identifying and Measuring the Key Performance Drivers. Long Range Plannig, v.34, n.5, p , FIKSEL, J.; LOW, J.; THOMAS, J. Linking sustainability to shareholder value, Environmental Managers Journal, p.19-25, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, GRI. Global Reporting Initiative. (2006). Diretrizes para relatório de sustentabilidade. Disponível em <http://www.globalreporting.org/nr/rdonlyres/4855c490-a e0b- 8C /2725/G3_POBR_RG_Final_with_cover.pdf>. Acesso em 14 mai HOPWOOD, B.; MELLOR, M.; O BRIEN, G. Sustainable development: mapping different approaches. Sustainable Development, San Francisco, v. 13, n. 1, p , KARDEC, A.; FLORES, J.; SEIXAS, E. Gestão Estratégica e Indicadores de Desempenho. Rio de Janeiro: Qualitymark: ABRAMAN, 2002 KEEBLE, J. J.; TOPIOL, S.; BERKELEY, S. Using indicators to measure sustainability performance at a corporate and project level. Journal of Business Ethics, v.44, n.2-3, p , KRAJNC, D.; GLAVIC, P. A model for integrated assessment of sustainable development. Resources, Conservation and Recycling, v.43, n.2, p , 2005(a). KRAJNC, D.; GLAVIC, P. How to compare companies on relevant dimensions of sustainability. Ecological Economics, v.55, n.4, p , 2005(b). LABUSCHAGNE, C.; BRENT, A. C.; VAN ERCK, R. P. G. Assessing the sustainability performances of industries. Journal of Cleaner Production, v.13, n.4, p , MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4.ed. Porto Alegre: Bookman, MOURA, L. G. V. Indicadores para a avaliação da sustentabilidade em sistemas de produção da agricultura familiar: o caso dos fumicultores de Agudo-RS. 2002, 249f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural). Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural-PGDR, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, NEELY, A.; RICHARDS, H.; MILLS, J.; PLATTS, K.; BOURNE, M. Design Performance Measure: a Structure Approach. International Journal of Operation and Production Management, v.17, n. 11, p , OLIVEIRA, J. H. R. M.A.I.S.: Método para avaliação de indicadores de sustentabilidade organizacional. 2002, 217f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Programa de 15/16

16 Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, POTTS, T. A framework for the analysis of sustainability indicator systems in fisheries. Ocean and Coastal Management, v.49, n.5-6, p , RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: 3.ed. São Paulo: Atlas, RIGBY, D.; WOODHOUSE, P.; YOUNG T.; BURTON M. Constructing a farm level indicator of sustainable agricultural practice. Ecological Economics, v.39, n.3, p , SEARCY, C.; KARAPETROVIC, S.; McCARTNEY, D. Identifying priorities for action in corporate sustainable development indicator programs. Business Strategy and the Environment, v.17, n.2, p , SINGH, R. K.; MURTY, H. R.; GUPTA, S. K.; DIKSHIT, A. K. An overview of sustainability assessment methodologies, Ecological Indicators, v.9, n.2, p , SPANGENBERG J. H. Environmental space and the prism of sustainability: frameworks for indicators measuring sustainable development. Ecological Indicators, v.2, n.3, p , SPANGENBERG, J. H.; BONNIOT O. Sustainability indicators: a compass on the road towards sustainability. Wuppertal Paper N. 81, SYDOROVYCH, O.; WOSSINK, A. The meaning of agricultural sustainability: evidence from a conjoint choice survey. Agricultural Systems, v.98, n.1, p.10-20, SZÉKELY, F.; KNIRSCH, M. Responsible leadership and corporate social responsibility: metrics for sustainable performance, European Management Journal, v.23, n.6, p , TAKASHINA, N. T.; FLORES, M. C. X. Indicadores da qualidade e do desempenho: como estabelecer metas e medir resultados. Rio de Janeiro: Qualitymark, TIRONI, L. F.; SILVA, L. C. E.; VIANA, S. M.; MEDICI, A. C Critérios para geração de indicadores de qualidade e produtividade no setor público. Brasília: IPEA/MEFP, TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução às ciências sociais. São Paulo: Atlas, VAN BELLEN, H. M. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, VELEVA, V.; ELLENBECKER, M. A proposal for measuring business sustainability, Greener Management International, n.31, p , VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 10. ed. São Paulo: Atlas, WORLD BANK. Environmental Performance Indicators. Washington: World Bank, /16

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO MARIA ROSANA DANTAS LOPES RESUMO Este trabalho teve como objetivo mostrar a importância da contabilidade como fonte de informação de uma empresa, e o seu

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Campo Grande, 25 a 28 de julho de 2010, Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural

1. INTRODUÇÃO. Campo Grande, 25 a 28 de julho de 2010, Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural MENSURAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DO GRID DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (GSE): UM ESTUDO NO SETOR VINÍCOLA aldocallado@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Agropecuária, Meio-Ambiente, e Desenvolvimento

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial 2 Contabilidade Empresarial Aderbal Nicolas Müller Antonio Gonçalves Oliveira Introdução Entre os agentes econômicos, ativos participantes da economia das nações, temos as organizações empresariais, que

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E SELEÇÃO DE INDICADORES. Centro de Tecnologia e Geociência (CTG) da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E SELEÇÃO DE INDICADORES. Centro de Tecnologia e Geociência (CTG) da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE GIA/003 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XI GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E SELEÇÃO DE INDICADORES Ricardo Cavalcanti Furtado 1,

Leia mais

www.gartcapote.com www.abpmp br.org Livros Guia para Formação de Analistas de Processos Contribuições Modelagem de Processos com BPMN

www.gartcapote.com www.abpmp br.org Livros Guia para Formação de Analistas de Processos Contribuições Modelagem de Processos com BPMN Gart Capote International Certified Business Process Professional (CBPP ) Presidente da ABPMP no Brasil - Association of Business Process Management Professionals (Chicago-EUA) Autor, Instrutor e Consultor

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NO ESTADO DE SÃO PAULO: POLÍTICAS, PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO MÓDULO 1 - POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO AMBIENTAL 23/02/2006

GESTÃO AMBIENTAL NO ESTADO DE SÃO PAULO: POLÍTICAS, PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO MÓDULO 1 - POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO AMBIENTAL 23/02/2006 GESTÃO AMBIENTAL NO ESTADO DE SÃO PAULO: POLÍTICAS, PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO MÓDULO 1 - POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO AMBIENTAL 23/02/2006 Desenvolvimento sustentável e indicadores de sustentabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 2.B.44 Acordo

Leia mais

MENSURANDO A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA INTEGRADORA: O GRID DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (GSE)

MENSURANDO A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA INTEGRADORA: O GRID DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (GSE) MENSURANDO A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA INTEGRADORA: O GRID DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (GSE) RESUMO Autoria: Aldo Leonardo Cunha Callado, Jaime Evaldo Fensterseifer À

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012 Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Nos últimos anos tem havido evolução dos conceitos econômicos, sociais e

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

Palavras-chave: Gestão ambiental Curtumes Fatores intervenientes PME s Desenvolvimento Sustentável.

Palavras-chave: Gestão ambiental Curtumes Fatores intervenientes PME s Desenvolvimento Sustentável. FATORES INTERVENIENTES NA GESTÃO AMBIENTAL DE PMEs QUE PROCESSAM COURO: UM ESTUDO SOBRE OS CURTUMES DE DORES DE CAMPOS MG Clodoaldo Fabrício José Lacerda Professor do IPTAN São João del-rei MG RESUMO A

Leia mais

CAPÍTULO II COMITÊS DA DIRETORIA A. COMITÊ CONSULTIVO PARA ANALISAR OS CANDIDATOS AO CARGO DE VICE-PRESIDENTE

CAPÍTULO II COMITÊS DA DIRETORIA A. COMITÊ CONSULTIVO PARA ANALISAR OS CANDIDATOS AO CARGO DE VICE-PRESIDENTE CAPÍTULO II COMITÊS DA DIRETORIA A. COMITÊ CONSULTIVO PARA ANALISAR OS CANDIDATOS AO CARGO DE VICE-PRESIDENTE 1. Objetivo - O objetivo do comitê é avaliar potenciais candidatos à vice-presidente internacional

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

O USO DE INDICADORES DE DESEMPENHO NO ÂMBITO DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL

O USO DE INDICADORES DE DESEMPENHO NO ÂMBITO DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL O USO DE INDICADORES DE DESEMPENHO NO ÂMBITO DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL Antônio André Cunha Callado UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Aldo Leonardo Cunha Callado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDO

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM FINANÇAS III.1 GESTÃO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS

MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM FINANÇAS III.1 GESTÃO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM FINANÇAS III.1 GESTÃO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS Função: Gestão de Atividades Financeiras 1. Analisar índices e projeções financeiras.

Leia mais

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE PROJETO PEDAGÓGICO I. PERFIL DO GRADUANDO O egresso do Bacharelado em Economia Empresarial e Controladoria deve ter sólida formação econômica e em controladoria, além do domínio do ferramental quantitativo

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

As principais novidades encontradas no PMBOK quarta edição

As principais novidades encontradas no PMBOK quarta edição Page 1 of 5 As principais novidades encontradas no PMBOK quarta edição Por Rossano Tavares ( rossano.tavares@dm2tavares.com.br) Novas edições ou versões de manuais, programas, sistemas operacionais, livros,

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Marcos de Almeida Leone Filho Unicamp - Universidade Estadual de Campinas marcosleonefilho@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PESQUISA EPIDEMIOLÓGICA. Arlene de Jesus Mendes Caldas ajmc@elo.com.br Universidade Federal do Maranhão

PLANEJAMENTO DA PESQUISA EPIDEMIOLÓGICA. Arlene de Jesus Mendes Caldas ajmc@elo.com.br Universidade Federal do Maranhão PLANEJAMENTO DA PESQUISA EPIDEMIOLÓGICA Arlene de Jesus Mendes Caldas ajmc@elo.com.br Universidade Federal do Maranhão ETAPAS DA PESQUISA 1. PLANEJAMENTO 2. EXECUÇÃO 3. DIVULGAÇÃO ESTRUTURA DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Pesquisa de Auditoria Interna

Pesquisa de Auditoria Interna Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 1 Pesquisa de Auditoria Interna IARCS kpmg.com/br 2 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS PREFÁCIO A Auditoria Interna tem sido considerada nas companhias como sua

Leia mais

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc Sustentabilidade em energia e o concreto Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL GRI IBASE Responsabilidade Social & Sustentabilidade Empresarial 1999 2001 a 2003 2006 AÇÃO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

6dicas para desenvolver

6dicas para desenvolver 6dicas para desenvolver estratégias da sua propriedade rural, elaborando Missão, Visão e Valores Implemente um planejamento e gestão realmente eficazes para nortear colaboradores e empreendimentos agro.

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações

MANUAL DO CANDIDATO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações MANUAL DO CANDIDATO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8200 (opção1) Segunda a sexta 9h às 21h Sábado 9h às 13h candidato@espm.br www.espm.br

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Desenvolvimento Institucional: A Importância dos INDICADORES DE GESTÃO

Desenvolvimento Institucional: A Importância dos INDICADORES DE GESTÃO Seminário Planejamento Estratégico do IFRJ: APL, Mercado de Trabalho e Indicadores de Gestão Desenvolvimento Institucional: A Importância dos INDICADORES DE GESTÃO SETEC/MEC Conceito de Indicadores, segundo

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. Do objeto 1.1. Contratação de 01 (uma) empresa especializada em avaliação econômica para realizar a avaliação econômica do valor da marca BRB. 2. Objetivo 2.1. A presente

Leia mais

Avaliação de Desempenho Empresarial

Avaliação de Desempenho Empresarial MBA EM CONTROLADORIA EMENTAS Noções gerais sobre Auditoria. Normas relativas à Pessoa do Auditor. Normas de Execução do Trabalho. Planejamento e Supervisão. Programas de Auditoria. Avaliação dos Controles

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

Ética e Direito empresarial

Ética e Direito empresarial MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS - EMENTAS A gestão empreendedora. Os fundamentos e as etapas do empreendedorismo. Características dos empreendedores. Empreendedorismo e Inovação, criatividade e empreendedorismo.

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Disciplina: Inovação e Competitividade Empresarial Sistemas de Medicação de Desempenho Fundamentos e Exemplificações

Leia mais

Impacto dos projetos de sustentabilidade

Impacto dos projetos de sustentabilidade Impacto dos projetos de sustentabilidade Angelica Blanco 24 de Maio, 2010 0 CONTEÚDO Parte 1: Sustentabilidade Direcionando investimentos Parte 2: Retornos em Sustentabilidade 1 QUEM SOMOS Estudos e rankings

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

O Instituto LIFE é responsável pelo

O Instituto LIFE é responsável pelo LIFE CertificaçãoLIFE Lasting Initiative For Earth O Instituto LIFE é responsável pelo desenvolvimento e gestão do sistema de Certificação LIFE. A Certificação LIFE reconhece organizações que desenvolvem

Leia mais

Estrutura e organização de projeto científico

Estrutura e organização de projeto científico O PROCESSO DE PESQUISA BÁSICA EM ADMINISTRAÇÃO Estrutura e organização de projeto científico PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Fase I: Formulação Desenvolver: -teoria; -Questões de pesquisa; -Hipóteses; -Plano

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Caracterizando a Utilização de Indicadores de Desempenho no Setor Hoteleiro

Caracterizando a Utilização de Indicadores de Desempenho no Setor Hoteleiro Caracterizando a Utilização de Indicadores de Desempenho no Setor Hoteleiro Aldo Leonardo Cunha Callado Antônio André Cunha Callado Fernanda Marques de Almeida Holanda Carla Renata Silva Leitão Resumo:

Leia mais

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA UNIVERSIDADE COOPERATIVA Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA Educação Empresarial - Treinamento

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA

A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA 1 A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA Maria José Lima da Silva 1 Os programas de pós-graduação desempenham importante papel na formação

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Renato Paraquett Fernandes Mestrando do Programa de Pós-Graduação e Engenharia Civil/Produção da Universidade

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012 Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil julho 2012 Metodologia e Perfil de Entrevistados Método Amostra por conveniência Questionário (quantitativo)

Leia mais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 287 Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais EVOLUÇÃO DOS PROJETOS BRASILEIROS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 2013 E 2014 Ana Cândida Ferreira Vieira

Leia mais

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade 1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade Curitiba 30 de outubro de 2012 Agenda Sustentabilidade: Várias Visões do Empresariado Desenvolvimento sustentável;

Leia mais

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL Definição de Risco Operacional Riscos Operacionais cobrem as instâncias onde a corretora pode sofrer perdas inerentes direta ou indiretamente a processos internos falhos ou

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE Ricardo Marquiore 1 Carolina Moreira Fernandes 2 RESUMO: A pesquisa

Leia mais

Solicitação para Chamada de Propostas

Solicitação para Chamada de Propostas Solicitação para Chamada de Propostas Melhores Capacidades e Avaliações dos Estoques de Carbono Segunda Parcela Histórico Dezembro 2014 O Fundo GCF: O Fundo dos Governadores para o Clima e Florestas (Fundo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. O que fazer para alcançar ar o Desenvolvimento Empresarial Sustentável?

PROPRIEDADE REGISTRADA. O que fazer para alcançar ar o Desenvolvimento Empresarial Sustentável? . O que fazer para alcançar ar o Desenvolvimento Empresarial Sustentável? . Conceitos: Responsabilidade Social Ecoeficiência Conceitos Responsabilidade Social - é a relação ética e transparente da organização

Leia mais

Overview. Safety on Roads. Síntese. Segurança nas Estradas

Overview. Safety on Roads. Síntese. Segurança nas Estradas Overview Safety on Roads WHAT S THE VISION? Síntese Segurança nas Estradas QUAL É A VISÃO? As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca Online

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR Joel Tauchen (1); Luciana Londero Brandli (2); Marcos Antonio Leite Frandoloso (3) Felipe de Brito Rodrigues (4)

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

A Inteligência Empresarial

A Inteligência Empresarial A Inteligência Empresarial A produtividade do Conhecimento deve ser, portanto, a preocupação central dos administradores do século XXI. Conhecimento, inovação e empreendedorismo formam, assim, um tripé

Leia mais

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA ADALBERTO JOSÉ CONTESSOTTO,ADILSON TREVISAN, FILIPE FRANCISCHINE, LUCIANO APARECIDO SOARES E MARCOS PAULO GONÇALVES, alunos do Curso de Administração

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Frederico Sauer, D.Sc. Auditor de Segurança da Informação fsauer@gmail.com 1/65 Objetivos Essenciais Conceito de Risco e suas componentes Mensurabilidade do Risco Gestão do Risco

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO (Currículo iniciado em 2015) ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 68 h/a 1425 A função Financeira nas empresas. Matemática Financeira valor do dinheiro

Leia mais

Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO

Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO I - APRESENTAÇÃO Estas instruções possuem como propósito: a) Estruturar processo de elaboração

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MBA em Gestão de Negócios de Varejo

MBA em Gestão de Negócios de Varejo MBA em Gestão de Negócios de Varejo Início em 28 de Abril de 2016 Aulas as terças e quintas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 23.760,00 À vista com desconto: R$ 21.859,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal PrimeGlobal PGBR Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos Somos uma empresa de auditoria, consultoria e impostos, criada á partir da junção de importantes empresas nacionais,

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Artigo: Lista de verificação dos documentos obrigatórios da ISO 22301

Artigo: Lista de verificação dos documentos obrigatórios da ISO 22301 Artigo: Lista de verificação dos documentos obrigatórios da ISO 22301 ARTIGO 6 de agosto de 2014 Copyright 2014 27001Academy. Todos direitos reservados. 1. SUMÁRIO EXECUTIVO A lista abaixo mostra o conjunto

Leia mais

PIM Planejamento e Inteligência de Marketing Uma Abordagem Gerencial. Omar Omar

PIM Planejamento e Inteligência de Marketing Uma Abordagem Gerencial. Omar Omar PIM Planejamento e Inteligência de Marketing Uma Abordagem Gerencial Omar Omar omar@inf.ufsc.br Resumo Este artigo aborda, sob um prisma gerencial, o desenvolvimento de uma solução tecnológica, composta

Leia mais

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO Valdir Furlan Junior 1 (valdirfurlanjr@gmail.com) Álvaro Azevedo Cardoso 1 (azevedo@unitau.br)

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

relatório de SUSTENTABILIDADE

relatório de SUSTENTABILIDADE relatório de SUSTENTABILIDADE 2015 2015 relatório de SUSTENTABILIDADE O Pacto Global é uma iniciativa desenvolvida pelo ex secretário-geral da ONU, Kofi Annan, com o objetivo de mobilizar a comunidade

Leia mais