Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº /2006

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006"

Transcrição

1 Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº /2006 Serviços de Consultoria Pessoa Jurídica para a elaboração de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes de ações de Eficiência Energética dos Programas de Eficiência Energética PEE das concessionárias distribuidoras de eletricidade Relatório Produto 1 Junho de 2009

2 ÍNDICE 1. Introdução Atividades a serem desenvolvidas Descrição das atividades Cronograma financeiro Observações finais

3 1. Introdução Este primeiro relatório apresenta o produto 1 do Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº /2006, objeto de aprovação, pelo CAP, na Reunião nº 42/2008, de 01 de outubro de Caso 02, cujo objeto é a Contratação de Serviços de consultoria para elaboração de metodologia que permite mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes de ações de Eficiência Energética das concessionárias distribuidoras de eletricidade. Este serviço de consultoria teve o seu início em 25 de maio de 2009 e está sendo realizado pelo consórcio formado pela Fundação de Pesquisa e Assessoramento à Indústria Fupai e a Efficientia S. A, com previsão de término em 24 de setembro de O serviço de consultoria visa desenvolver um estudo para ajudar na definição de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes de ações de Eficiência Energética dos Programas de Eficiência Energética PEE das concessionárias distribuidoras de eletricidade. Esse trabalho também propõe identificar os critérios técnicos que possam servir para o julgamento das propostas de projetos de eficiência energética, quando da sua proposição e desenvolvimento pelas concessionárias distribuidoras de eletricidade, procurando sempre que possível tratar individualmente cada tipologia de projeto, na medida em que se trata de formas diferenciadas de se promover a eficiência energética. Esse estudo busca também apresentar sugestões para possíveis alterações e/ou adequações dos dispositivos legais e regulatórios, com vistas ao aprimoramento da interação entre os agentes relacionados com a temática de eficiência energética (Ministério de Minas e Energia - MME, Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, Ministério de Ciência e Tecnologia - MCT, Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica/Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - PROCEL/Eletrobrás, Empresa de Pesquisa Energética - EPE, concessionárias distribuidoras de energia elétrica etc.), no que se refere à quantificação, avaliação e publicidade dos resultados projetados e efetivamente obtidos nos PEE das concessionárias distribuidoras de energia elétrica. 2

4 2. Atividades a serem desenvolvidas Para o desenvolvimento desse trabalho, estão previstas as seguintes atividades: 1. Elaboração de planejamento sistemático dos trabalhos a serem realizados, com descrição e detalhamento das ações, bem como os respectivos cronogramas de execução físico-financeira. 2. Levantamento do estado da arte das ações, trabalhos publicados e relatórios disponibilizados, relacionados à avaliação de impactos e resultados de programas e projetos de eficiência energética. 3. Realização de entrevistas e reuniões com os técnicos dos agentes e instituições envolvidas com os PEE, principalmente com a ANEEL, o PROCEL/Eletrobrás, o MME e as empresas distribuidoras de energia elétrica. 4. Análise das metodologias existentes, caracterizadas nas etapas anteriores, identificando as eventuais deficiências e proposição de critérios de consistência para a avaliação dos resultados e dos dados dos Programas de Eficiência Energética PEE. 5. Elaboração de modelos conceituais e estabelecimento de indicadores para a avaliação de resultados dos Programas de Eficiência Energética PEE das empresas distribuidoras de energia elétrica, objetivando apurar a redução de consumo e de demanda de energia. 6. Estruturação e implantação de uma base de dados para armazenamento e gerenciamento de informações (considerando principalmente os dados dos PEE relativos aos ciclos 2003/2004, 2004/2005 e 2005/2006), e apuração dos indicadores relativos às metodologias e modelos propostos. 7. Desenvolvimento de metodologia para estimar os custos de execução das avaliações e fiscalizações de campo, utilizando o modelo proposto, em diferentes níveis de detalhamento, visando a definir-se, na medida do possível, a melhor relação custo/benefício desta atividade. 3

5 8. Identificação de oportunidades e prioridades para possíveis ações visando a atingir-se o objetivo desse estudo, com proposições para o aperfeiçoamento do marco legal ou a implementação de regulamentações específicas. 9. Realização de uma Consulta Pública via Internet, pelo período de 30 dias, para o recebimento de comentários. A mesma será realizada através do site do MME e da ANEEL. 10. Realização de Workshop para apresentação e discussão dos resultados do estudo realizado. O mesmo ocorrerá no auditório do MME ou da ANEEL. A figura a seguir apresenta o cronograma físico obtido com o software Gantt de gerenciamento de projetos, com início das atividades na semana 22 do ano de 2009 e término na semana 38 do ano de O item a seguir apresenta o detalhamento das atividades previstas. 4

6 Figura 1 Gráfico de Gantt dos produtos a serem desenvolvidos 5

7 3. Descrição das Atividades Este projeto está previsto para ser desenvolvido em 16 meses com a realização de 10 atividades descritas a seguir: Atividade 1: Elaboração de planejamento sistemático dos trabalhos a serem realizados, com descrição e detalhamento das ações, bem como os respectivos cronogramas de execução físicofinanceira. Para apresentação dos cronogramas serão utilizados os modelos Pert-CPM e Gantt. Durante a elaboração dessa atividade, solicitam-se as instituições contratantes envolvidas e interessadas no projeto e seus resultados, a elaboração de correspondência que será encaminhada às empresas distribuidoras e outras visando à divulgação do mesmo e colaboração no envio de dados e informações aos consultores, bem como, quando couber, o agendamento de entrevistas e reuniões técnicas. O consórcio se coloca a disposição para colaborar na elaboração dessa correspondência, em parceria com o MME e ANEEL, bem como na escolha dos seus destinatários, ao mesmo tempo em que sugere que a mesma seja encaminhada pela ANEEL, visando dar maior legitimidade ao trabalho. Esta atividade teve seu início no dia 25 de maio de 2009 (semana 22) e tem previsão de encerramento no dia 24 de junho de 2009 (semana 26), tendo como resultado o produto 1 contendo o relatório de planejamento do estudo com o detalhamento e a descrição das atividades a serem realizadas em cada etapa, bem como os respectivos cronogramas de execução físicofinanceiro. A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 1. O cronograma financeiro desta atividade será de 10% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 1. Figura 2 Gráfico de Gantt da atividade 1 6

8 Atividade 2: Levantamento do estado da arte das ações, trabalhos publicados e relatórios disponibilizados, relacionados à avaliação de impactos e resultados de programas e projetos de eficiência energética. Também serão levantadas as metodologias específicas ou a base conceitual das mesmas para a avaliação de economia de energia e de redução da demanda de ponta sob as óticas do consumidor, da empresa distribuidora, do sistema elétrico interligado e da sociedade em geral. Assim, uma dada ação de eficiência energética associada a uma tipologia de projeto do PEE, na medida do possível e quando couber, resultará em uma análise explicitando os benefícios para a empresa distribuidora, do sistema elétrico interligado e da sociedade em geral Serão consideradas as experiências de âmbito nacional e internacional. Esta atividade teve seu início no dia 25 de maio de 2009 (semana 22) e tem previsão de encerramento no dia 24 de agosto de 2009 (semana 34), tendo como resultado o produto 2 contendo o relatório com as informações sobre ações, metodologias e relatórios disponibilizados relacionados à avaliação de impactos e resultados de programas e projetos de eficiência energética em nível nacional e internacional. A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 2. O cronograma financeiro desta atividade será de 10% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 2. Figura 3 Gráfico de Gantt da atividade 2 Atividade 3: Realização de entrevistas e reuniões com os técnicos dos agentes e instituições envolvidas com os PEE, principalmente com a ANEEL, o PROCEL/Eletrobrás, o MME e as empresas distribuidoras de energia elétrica. Pretende-se contatar todas as empresas distribuidoras de energia elétrica através de e/ou Skype, procurando obter dados e informações relacionadas à estrutura interna das mesmas na gestão do PEE, suas dificuldades, sugestões e considerações técnicas a respeito dos critérios empregados pela ANEEL na análise dos projetos do PEE assim como de Medição e Verificação - M&V. 7

9 Serão também selecionadas 06 (seis) empresas distribuidoras, de comum acordo com a contratante para a realização de entrevistas. Sugere-se que entre tais empresas estejam aquelas que perfazem uma parcela significativa dos recursos movimentados pelo PEE, como por exemplo, a Eletropaulo, Bandeirante, Elektro, Cemig, Light e CPFL. Também na escolha das empresas visitadas será também considerado a realidade das mesmas e os projetos que foram implementados pelas mesmas nos vários ciclos do PEE. A dificuldade na obtenção das informações e/ou a relevância de maiores esclarecimentos junto às distribuidoras também poderá ser um fator a ser considerado para a realização das entrevistas. Naturalmente que reuniões/entrevistas complementares com a ANEEL, PROCEL, MME e algumas ESCO s também serão realizadas. Esta atividade terá seu início no dia 25 de julho de 2009 (semana 31) e tem previsão de encerramento no dia 25 de setembro de 2009 (semana 39), tendo como resultado o produto 3 contendo o relatório com a análise das entrevistas realizadas com agentes e instituições envolvidas em Programas de Eficiência Energética - PEE, com técnicos da ANEEL, do PROCEL/Eletrobrás, do MME e das empresas concessionárias distribuidoras de energia elétrica. A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 3. O cronograma financeiro desta atividade será de 10% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 3. Figura 4 Gráfico de Gantt da atividade 3 Atividade 4: Análise das metodologias existentes, caracterizadas nas etapas anteriores, identificando as eventuais deficiências e proposição de critérios de consistência para a avaliação dos resultados e dos dados dos Programas de Eficiência Energética PEE. Será considerada a atual estrutura ou tipologia (item 2 do Manual) de projetos existente no PEE, aprovado pela Resolução normativa 300 da ANEEL, de 12 de fevereiro de 2008 e uma análise crítica será 8

10 desenvolvida. Assim, por exemplo, para a categoria de projetos industrial tem-se no respectivo Manual (página 18) a seguinte descrição: Projetos realizados em instalações industriais, com ações de combate ao desperdício de energia e melhoria da eficiência energética de equipamento. Em seguida na página 32 do mesmo Manual tem-se no item referente ao Roteiro Básico para Elaboração de Projetos Demais Projetos especificamente na parte referente à Avaliação (página 33 do Manual) : Apresentar proposta para a avaliação dos resultados do projeto em termos de economia de energia e redução da demanda na ponta, a qual deve contemplar a comparação dos valores estimados com os resultados efetivamente obtidos. Detalhar a metodologia que será utilizada para a avaliação do projeto conforme descrição do item Critérios para Medição e Verificação de Resultados. A critério da empresa, a metodologia de medição e verificação de resultados poderá ser realizada por terceiros. Os custos dessa etapa do projeto devem ser explicitados no respectivo orçamento. Em relação às Metas e Benefícios do Projeto, na página 34 do Manual tem-se: Informar as metas de Economia de Energia e de Redução de Demanda na Ponta, expressas em MWh/ano e kw, respectivamente, com base nos valores verificados no diagnóstico ou prédiagnóstico realizado. O cálculo das metas deve ser devidamente detalhado e apresentado no item Metodologia de Cálculo das Metas. Destacar outros benefícios do projeto, que não a economia de energia/redução de demanda na ponta, para empresa, consumidor(es) e Sistema Elétrico. A definição das metas de Energia Economizada [MWh/ano] e de Redução de Demanda na Ponta [kw] deve ser feita com base na metodologia de cálculo proposto para cada uso final, conforme tabelas abaixo: Tais tabelas se referem aos seguintes usos finais: Iluminação Sistema de Ar-Condicionado Motores 9

11 Sistema de Refrigeração Aquecimento Solar para Substituição de Chuveiro Elétrico Considerando as orientações e roteiros estabelecidos no Manual, para essa atividade 4 do projeto será feito uma análise de uma amostra dos projetos das distribuidoras fornecidos pela ANEEL. Serão observados os critérios e procedimentos adotados pelas mesmas (quando existir), seja na construção/elaboração dos projetos bem como as metodologias de M&V propostas e/ou utilizadas. Nas entrevistas e/ou pesquisas (etapa 3 das atividades previstas) serão aprofundadas algumas questões pertinentes ao entendimento desses elementos de análise. Espera-se obter, ao final dessa atividade 4 do projeto, um retrato das metodologias empregadas e uma análise crítica das mesmas, destacando os pontos positivos e negativos e indicações de critérios que podem ser aprimorados e passíveis, se for o caso, de um estudo mais aprofundado. Dessa forma é importante destacar que ao se notar, pelas análises dos projetos das distribuidoras, procedimentos ou métodos de M&V diferenciados para uma mesma tipologia, os mesmos serão explicitados e uma comparação ou destaque das diferenças serão ressaltadas. Não é objetivo desse projeto aprofundar as análises técnicas dessas diferenças ao ponto de se definir qual é a melhor ou o que deve ser alterado nas mesmas. Esse tipo de análise, para cada tipologia e para cada uso final, demandaria um tempo maior e somente seria possível de ser mensurado após o levantamento da dimensão e multiplicidade de modelos/critérios empregados pelas distribuidoras. Também se espera obter ao final dessa atividade uma proposição de critérios de consistência para a avaliação dos resultados e dos dados dos PEE. Esta atividade terá seu início no dia 25 de agosto de 2009 (semana 35) e tem previsão de encerramento no dia 24 de outubro de 2009 (semana 43), tendo como resultado o produto 4 contendo o relatório com a identificação de eventuais deficiências nas metodologias hoje empregadas para a avaliação dos Programas de Eficiência Energética das concessionárias distribuidoras de eletricidade, propondo, inclusive, critérios de consistência para a avaliação dos resultados dos programas. As tipologias a serem analisadas neste projeto são: projetos educacionais, gestão energética, comércio e serviços, industrial, atendimento a comunidades de baixo poder aquisitivo, poder público, residencial, rural, serviço público, projetos pelo lado da oferta, projeto piloto, projeto 10

12 prioritário, projeto cooperativo, projetos de cogeração, aquecimento solar para substituição de chuveiro elétrico. O cronograma físico para cada tipologia será realizado da seguinte forma: Projetos educacionais: início em 25 de agosto de 2009 e término em 12 de setembro de 2009; Gestão energética: início em 25 de agosto de 2009 e término em 12 de setembro de 2009; Comércio e serviços: início em 25 de agosto de 2009 e término em 12 de setembro de 2009; Industrial: início em 2 de setembro de 2009 e término em 23 de setembro de 2009; Atendimento a comunidades de baixo poder aquisitivo: início em 31 de agosto de 2009 e término em 16 de setembro de 2009; Poder público: início em 31 de agosto de 2009 e término em 16 de setembro de 2009; Residencial: início em 8 de setembro de 2009 e término em 25 de setembro de 2009; Rural: início em 14 de setembro de 2009 e término em 29 de setembro de 2009; Serviço público: início em 14 de setembro de 2009 e término em 2 de outubro de 2009; Projetos pelo lado da oferta: início em 22 de setembro de 2009 e término em 8 de outubro de 2009; Projeto piloto: início em 28 de setembro de 2009 e término em 10 de outubro de 2009; Projeto prioritário: início em 2 de outubro de 2009 e término em 16 de outubro de 2009; Projeto cooperativo: início em 6 de outubro de 2009 e término em 20 de outubro de 2009; Projetos de cogeração: início em 14 de setembro de 2009 e término em 7 de outubro de 2009; Aquecimento solar para substituição de chuveiro elétrico: início em 28 de setembro de 2009 e término em 21 de outubro de 2009; Conclusão do produto 4 com a elaboração de relatório contendo todas tipologias: início em 16 de outubro de 2009 e término em 24 de outubro de A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 4. O cronograma financeiro desta atividade será de 10% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 4. 11

13 Figura 5 Gráfico de Gantt da atividade 4 12

14 Atividade 5: Elaboração de modelos conceituais e estabelecimento de indicadores para a avaliação de resultados dos Programas de Eficiência Energética PEE das empresas distribuidoras de energia elétrica, objetivando apurar a redução de consumo e de demanda de energia. Nesse particular os indicadores usuais utilizados são a Economia de Energia em MWh/ano e de Redução de Demanda na Ponta, expressa em kw. Uma análise críticas desses indicadores usuais será desenvolvida ao mesmo tempo em que se pretende, caso seja possível e viável, a proposição de outros. A partir da amostra de projetos fornecidos pela ANEEL será realizada uma análise para verificar a possibilidade do estabelecimento parâmetros de comparação (ou indicadores) por tipo de projeto, região geográfica onde o mesmo se desenvolveu, abrangência, dimensão de custos envolvidos, etc. Talvez, com base nesses vários parâmetros, seja possível, a elaboração de uma Matriz de Comparações envolvendo as várias tipologias de projetos do PEE. Esta atividade terá seu início no dia 25 de setembro de 2009 (semana 39) e tem previsão de encerramento no dia 24 de dezembro de 2009 (semana 52), tendo como resultado o produto 5 contendo o relatório com a descrição de modelos conceituais elaborados para a avaliação de resultados dos Programas de Eficiência Energética das concessionárias distribuidoras, acompanhados de indicadores pertinentes. A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 5. O cronograma financeiro desta atividade será de 10% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 5. Figura 6 Gráfico de Gantt da atividade 5 13

15 Atividade 6: Estruturação e implantação de uma base de dados para armazenamento e gerenciamento de informações (considerando principalmente os dados dos PEE relativos aos ciclos 2003/2004, 2004/2005 e 2005/2006), e apuração dos indicadores relativos às metodologias e modelos propostos. Para esse Banco de Dados será empregado o SQL Server A formatação e estruturação do mesmo somente serão possíveis de se definir durante o desenvolvimento dos trabalhos. Naturalmente que a mesma deverá ser a mais amigável e flexível possível, possibilitando à implementação de novos indicadores e/ou a retirada de outros. Espera-se que os indicadores e/ou resultados da utilização desse Banco de Dados seja útil tanto para a ANEEL como para o MME, no estabelecimento de regulamentações que visem aprimorar o PEE como também subsidiar o estabelecimento de ações e programas de suporte a uma Política Nacional de Eficiência Energética, respectivamente. Esta atividade terá seu início no dia 25 de novembro de 2009 (semana 48) e tem previsão de encerramento no dia 24 de fevereiro de 2010 (semana 6), tendo como resultado o produto 6 contendo o relatório com descrição e especificação da base de dados estruturada de acordo com a atividade 6, instruindo a forma de organização das informações nela contidas e a forma de empregá-las para projeções futuras. A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 6. O cronograma financeiro desta atividade será de 10% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 6. Figura 7 Gráfico de Gantt da atividade 6 14

16 Atividade 7: Desenvolvimento de metodologia para estimar os custos de execução das avaliações e fiscalizações de campo, utilizando o modelo proposto, em diferentes níveis de detalhamento, visando a definir-se, na medida do possível, a melhor relação custo/benefício desta atividade. Inicialmente, com a amostra de projetos de PEE fornecidos pela ANEEL será realizada uma análise para verificar os custos de M&V adotados pelas distribuidoras considerando cada tipologia de projeto. Na falta (e complemento) dessas informações serão utilizados os custos praticados pelo mercado de engenharia (empresas consultoras e prestadoras de serviço) além das ESCO s. A metodologia deverá considerar as diferentes realidades das regiões brasileiras e dimensão/escala dos projetos, seja nos aspectos econômicos e também número de beneficiários/clientes. Esta atividade terá seu início no dia 25 de janeiro de 2010 (semana 4) e tem previsão de encerramento no dia 24 de abril de 2010 (semana 17), tendo como resultado o produto 7 contendo o relatório com a metodologia de estimativa de custos de M&V e fiscalização da ANEEL desenvolvida para cada tipologia de projeto, bem como as instruções para emprego do sistema informatizado desenvolvido. A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 7. O cronograma financeiro desta atividade será de 10% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 7. Figura 8 Gráfico de Gantt da atividade 7 15

17 Atividade 8: Identificação de oportunidades e prioridades para possíveis ações visando a atingirse o objetivo desse estudo, com proposições para o aperfeiçoamento do marco legal ou a implementação de regulamentações específicas. Esta atividade terá seu início no dia 25 de março de 2010 (semana 12) e tem previsão de encerramento no dia 24 de maio de 2010 (semana 20), tendo como resultado o produto 8 contendo o relatório com a identificação de oportunidades e prioridades para possíveis ações visando a atingir-se o objetivo geral deste serviço de consultoria, e, inclusive, com proposições para o aperfeiçoamento do marco legal ou a implementação de regulamentações específicas. A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 8. O cronograma financeiro desta atividade será de 10% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 8. Figura 9 Gráfico de Gantt da atividade 8 Atividade 9: Realização de uma Consulta Pública via Internet, pelo período de 30 dias, para o recebimento de comentários. A mesma será realizada através do site do MME e da ANEEL. Realização de Workshop para apresentação e discussão dos resultados do estudo realizado. O mesmo ocorrerá no auditório do MME ou da ANEEL. Os custos do consórcio serão somente com a reprodução do material a ser disponibilizado aos participantes. A divulgação (ou convite 16

18 direcionado) e a inscrição dos participantes também poderão ser realizadas pela FUPAI, caso o MME e a ANEEL assim desejarem. Esta atividade terá seu início no dia 25 de maio de 2010 (semana 21) e tem previsão de encerramento no dia 23 de julho de 2010 (semana 29), tendo como resultado o produto 9 contendo o relatório com os comentários tabulados e analisados que forem obtidos durante a realização de Consulta Pública via Internet e Workshop para apresentação dos resultados das atividades do contrato. O evento deverá ser realizado em Brasília, com público aproximado de 80 pessoas. A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 9. O cronograma financeiro desta atividade será de 12% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 9. Figura 10 Gráfico de Gantt da atividade 9 Atividade 10: Realização de relatório final. Esta atividade terá seu início no dia 26 de julho de 2010 (semana 30) e tem previsão de encerramento no dia 24 de setembro de 2010 (semana 38), tendo como resultado o produto 10 contendo o relatório final contendo todas as atividades realizadas e análise dos resultados obtidos. A figura a seguir apresenta o gráfico de Gantt da atividade 10. O cronograma financeiro desta atividade será de 8% do total após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto

19 Figura 11 Gráfico de Gantt da atividade 10 As figuras a seguir apresentam o gráfico Pert-CPM das atividades previstas neste trabalho com a indicação de datas de início e fim de cada atividades, bem como a quantidade de dias disponibilizadas para cada etapa. Figura 12 Gráfico Pert-CPM dos produtos 1 a 3 18

20 Figura 13 Gráfico Pert-CPM do produto 4 19

21 Figura 14 Gráfico Pert-CPM dos produtos 5 a 10 20

22 4. Cronograma financeiro Os pagamentos ocorrerão de acordo com o seguinte cronograma: 1ª Parcela (10% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 1; 2ª Parcela (10% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 2; 3ª Parcela (10% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 3; 4ª Parcela (10% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 4; 5ª Parcela (10% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 5; 6ª Parcela (10% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 6; 7ª Parcela (10% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 7; 8ª Parcela (10% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 8; 9ª Parcela (12% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 9 (consulta pública e workshop); 10ª Parcela (8% do total): após a apresentação, análise e aprovação do relatório relativo ao Produto 10 (relatório final). Tabela 1 Cronograma de desembolso financeiro (valores percentuais do total) Meses do ano (início em junho de 2009 e término em setembro de 2010) Produto % 02 10% 03 10% 04 10% 05 10% 06 10% 07 10% 08 10% 09 12% 10 8% 21

23 5. Observações Finais Observação 01: Conforme consta no Edital, deverão ser realizadas reuniões na sede do MME, em Brasília-DF, de acordo com a seguinte programação: A) Reunião inicial: em até 03 (três dias) úteis após a assinatura do contrato, com vistas à apresentação formal da proposta por parte da contratada, do(s) responsável(eis) por parte da fiscalização do MME e discussão dos aspectos gerais e de planejamento dos trabalhos; B) Reuniões intermediárias: ocorrerão após a entrega de cada produto após a análise do MME, visando proceder aos ajustes necessários à preparação das atividades subseqüentes; C) Reunião final: ocorrerá após entrega e análise do Relatório Final, com vistas à formalização de exigências finais para adequação/revisão ou mesmo aprovação dos trabalhos apresentados. Observação 02: Solicita-se ao MME que na medida do possível substitua reuniões extraordinárias presenciais por reuniões via Skype (ou sistema equivalente) ao longo da execução do serviço. Observação 03: Pelo escopo do edital entende-se que além de outras instituições governamentais como, por exemplo, o MME, a ANEEL poderá utilizar os produtos desse projeto. Também a ANEEL possui a maior parte do material a ser utilizado no desenvolvimento dos trabalhos, como os relatórios dos PEE, sejam na versão impressa e/ou arquivos eletrônicos, além de alguns estudos e avaliações dos resultados desenvolvidos ou patrocinados pela agência reguladora. Solicita-se que as propostas de projeto e os relatórios parciais e finais, além dos estudos já realizados que tiveram como foco o PEE sejam disponibilizados integralmente para o desenvolvimento das análises dos consultores. Solicita-se também que sejam disponibilizadas cópias em meio eletrônico dos dados referentes aos projetos (Propostas de Projetos e Relatórios) para que o trabalho dos consultores possa ser desenvolvido fora da ANEEL. Observação 04: Essa proposta considera que não será feito o resgate da integralidade dos dados referentes aos ciclos do PEE de 1998 a Esse resgate deverá ser, no mínimo, dos dados dos três últimos 22

24 ciclos ( , , ). Também será utilizado um critério de amostragem, acordado com a contratante, para a análise dos projetos constantes nesses 03 últimos ciclos. O mesmo critério também será empregado quando da confecção do relatório final, ou seja, quando da análise dos ciclos referida no produto

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de 1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de projetos de eficiência energética 2 Motivações Os contratos

Leia mais

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Carlos Eduardo Firmeza Especialista em Regulação Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia

Leia mais

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...)

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...) Celg Distribuição S/A. Diretoria Comercial Superintendência de Comercialização Departamento de Medição e Utilização de Energia Setor de Utilização de Energia Programa de Eficiência Energética Audiência

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL

Leia mais

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto.

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto. FAQ CHAMADA PÚBLICA 1. Conforme o item 8.1.6 do edital da Chamada Pública REE 002/2015 para as propostas de projetos que contemplarem a inclusão de geração de energia elétrica a partir de Fonte Incentivada

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 04/2009 ANEXO I - ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 DETALHAMENTO DOS SERVIÇOS...3

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP

AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014 Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP 1. OBJETIVO Este documento apresenta as contribuições das distribuidoras EDP Bandeirante e EDP Escelsa, do Grupo EDP, à Audiência

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO 1. PROJETO SELECIONA PROFISSIONAIS PARA DIVERSOS PERFIS

Leia mais

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO Ministério da Educação - MEC Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES TÍTULO DO PROJETO: Aperfeiçoamento institucional com vistas à melhoria dos programas, processos, projetos

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 45 DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011 ESTABELECE O MANUAL OPERATIVO DE PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MELHORIAS NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E REFRIGERAÇÃO

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MELHORIAS NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E REFRIGERAÇÃO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MELHORIAS NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E REFRIGERAÇÃO LOCAL: UNIDADES UNINORTE MANAUS/AM 2013 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Os programas de Eficiência Energética PEE apoiados

Leia mais

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Gestão de Projetos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Sumário GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 Elementos

Leia mais

XX Ciência Viva. Tema: Luz, ciência e vida. 12 e 13 de Novembro de 2015

XX Ciência Viva. Tema: Luz, ciência e vida. 12 e 13 de Novembro de 2015 XX Ciência Viva Tema: Luz, ciência e vida 12 e 13 de Novembro de 2015 A CIÊNCIA VIVA A Ciência Viva é uma exposição anual aberta ao público, em que estudantes da educação básica das instituições de ensino

Leia mais

Aspectos econômicos em eficiência energética: Auditoria Energética. Prof. Sérgio Vidal Garcia Oliveira svgo_udesc@svgo.net

Aspectos econômicos em eficiência energética: Auditoria Energética. Prof. Sérgio Vidal Garcia Oliveira svgo_udesc@svgo.net Aspectos econômicos em eficiência energética: Auditoria Energética Prof. Sérgio Vidal Garcia Oliveira svgo_udesc@svgo.net Motivações No presente cenário da oferta de energia, seja no Brasil ou nos demais

Leia mais

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA O estudo a ser entregue deverá avaliar a viabilidade do projeto de PPP proposto segundo a ótica de todos os fornecedores de capital

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO Salvador Maio 2016 Sumário 1. OBJETO... 4 2. OBJETIVO... 4 3. CONTEXTUALIZAÇÃO...

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A EDP Bandeirante, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 202/98 - ANEEL, com a Resolução Normativa n 300, de 12 de fevereiro

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTRATAÇÃO DE AUDITORIA TÉCNICA CONTÁBIL DE PEE & P&D (PROJETOS ANTIGOS) TIPO TÉCNICA E PREÇO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTRATAÇÃO DE AUDITORIA TÉCNICA CONTÁBIL DE PEE & P&D (PROJETOS ANTIGOS) TIPO TÉCNICA E PREÇO ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTRATAÇÃO DE AUDITORIA TÉCNICA CONTÁBIL DE PEE & P&D (PROJETOS ANTIGOS) 1 OBJETO: TIPO TÉCNICA E PREÇO Prestação de serviços regulares e especiais de auditoria independente,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015

CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015 CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015 RESULTADO - CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015 31 DE AGOSTO DE 2015 O grupo CPFL ENERGIA, comunica que na CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015, após análise da Comissão Julgadora

Leia mais

Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público

Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público 1. SOBRE O STARTUPGOV: O StartupGov: O Desafio do Serviço Público é um espaço para debate com o objetivo de aproximar o governo de especialistas

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PEE CELG D nº 001/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS

CHAMADA PÚBLICA PEE CELG D nº 001/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS Diretoria Comercial Superintendência de Comercialização Departamento de Medição e Utilização de Energia Setor de Utilização de Energia CHAMADA PÚBLICA PEE CELG D nº 001/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS CELG

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA. PNG/PNGT/fbs

CHAMADA PÚBLICA. PNG/PNGT/fbs PROCEDIMENTOS PARA SELEÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS NA CONSTITUIÇÃO DE PARCERIAS COM A ELETRONORTE EM EMPREENDIMENTOS DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Sumário 1. OBJETO... 3 2. CADASTRAMENTO...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 016/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ALTO IMPACTO O Projeto BRA/06/032 comunica que

Leia mais

Projeto: Qualificação e Integração de Fornecedores da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás no âmbito do MERCOSUL PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Projeto: Qualificação e Integração de Fornecedores da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás no âmbito do MERCOSUL PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS Projeto: Qualificação e Integração de Fornecedores da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás no âmbito do MERCOSUL PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS 1. PANORAMA DO PROJETO O Projeto Qualificação e Integração

Leia mais

Compras por Meios Eletrônicos

Compras por Meios Eletrônicos Compras por Meios Eletrônicos rio de COMPRAS POR MEIOS ELETRÔNICOS O Banco Interamericano de Desenvolvimento, em conjunto com o Banco Mundial, analisou o Sistema de Pregão Eletrônico do COMPRASNET do Governo

Leia mais

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Unidade de Projetos de Termo de Referência para elaboração e desenvolvimento de Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Agosto de 2009 Elaborado em: 4/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

Projetos Eficiência Energética 2014

Projetos Eficiência Energética 2014 Projetos Eficiência Energética 2014 1 LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES DE BAIXA RENDA - 2008 Objetivo: Promover ações de regularização de ligações clandestinas, recuperação de consumidores cortados e auto-religados

Leia mais

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras CP 013/14 Sistemas Subterrâneos Questões para as distribuidoras 1) Observa-se a necessidade de planejamento/operacionalização de atividades entre diversos agentes (distribuidoras, concessionárias de outros

Leia mais

Resumo Gestão de Pessoas por Competências

Resumo Gestão de Pessoas por Competências Resumo Gestão de Pessoas por Competências A coordenação técnica e acompanhamento especializado para a realização do projeto são realizados pela consultora e professora Sonia Goulart, da SG Educação Empresarial.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional 1. Antecedentes e Justificativa O Projeto de Assistência à Implementação do Programa de Apoio à Agenda de Crescimento Econômico Equitativo e Sustentável

Leia mais

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS)

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) PRIMEIRA CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS PARA O A Light publicou no dia 31/07/2014 seu Edital para a 1ª Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética que promove o uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de um consultor especializado no desenvolvimento de programas voltados à promoção da saúde e da qualidade de vida

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios RESOLUÇÃO N.º 004/2010 Dispõe sobre a produção de normas e procedimentos para realização de auditorias internas e inspeções na Associação Matogrossense dos Municípios - AMM. A Presidência da Associação

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. ACADÊMICO 2014

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. ACADÊMICO 2014 PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. ACADÊMICO 2014 Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Sheyla Maria das Neves Damasceno Coordenadora do Programa de Eficiência Energia Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia EDITAL 01/2016 O Reitor da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, no uso de suas atribuições, torna pública

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA I - APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio supervisionado. Procuramos ser objetivos e práticos

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS INSTITUTO LOJAS RENNER E ONU MULHERES - 2016

EDITAL DE PROJETOS INSTITUTO LOJAS RENNER E ONU MULHERES - 2016 EDITAL DE PROJETOS INSTITUTO LOJAS RENNER E ONU MULHERES - 2016 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para a seleção de projetos que contribuam para o

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Introdução Independentemente do nível de experiência da proponente na elaboração de projetos, o Instituto Cooperforte empresta apoio, orientação e subsídios às Instituições

Leia mais

EDITAL 2016 PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 26/10/2015 ENCERRAMENTO: 11/09/2016

EDITAL 2016 PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 26/10/2015 ENCERRAMENTO: 11/09/2016 EDITAL 2016 PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 26/10/2015 ENCERRAMENTO: 11/09/2016 SELEÇÃO DE NOVOS PROJETOS / EMPRESAS, PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS E PROJETOS DO INATEL INSTITUTO NACIONAL DE

Leia mais

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS DIMENSÃO DO PROJETO BÁSICO NA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS PRECEDIDOS DA EXECUÇÃO DE OBRA PÚBLICA Cezar Augusto Pinto Motta TCE-RS / Ibraop Pedro

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EXTERNO DE PROFESSORES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS - UNIFEMM

PROCESSO SELETIVO EXTERNO DE PROFESSORES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS - UNIFEMM EDITAL Nº 004/2015 PROCESSO SELETIVO EXTERNO DE PROFESSORES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS - UNIFEMM Artigo 1º - O Centro Universitário de Sete Lagoas - UNIFEMM, mantido pela Fundação Educacional

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 2º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 2º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 2º SEMESTRE/2009 I INTRODUÇÃO A POUPEX vem intensificando os procedimentos necessários para a plena implementação de uma cultura de controles internos, principalmente no

Leia mais

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com RESUMO Em razão da abertura de

Leia mais

REGULAMENTO CATEGORIA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

REGULAMENTO CATEGORIA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS REGULAMENTO CATEGORIA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS apoio: organização: CATEGORIA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PRÊMIO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO E USO RACIONAL DE ENERGIA EDIÇÃO 2009 1 O PRÊMIO Instituído

Leia mais

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Ralf Majevski Santos 1 Flávio Tongo da Silva 2 ( 1 Ralf_majevski@yahoo.com.br, 2 ftongo@bitavel.com) Fundamentos em Energia Professor Wanderley

Leia mais

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL DIPRE Diretoria de Prospecção e Formatação de Novos Empreendimentos GEPRE Gerência de Prospecção de Novos Empreendimentos

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGINF Nº 41/2012 1.

Leia mais

Projeto de estudo de Desenvolvimento dos negócios no Exterior. Heisei 26 (2014) Relatório de investigação (Resumo)

Projeto de estudo de Desenvolvimento dos negócios no Exterior. Heisei 26 (2014) Relatório de investigação (Resumo) Projeto de estudo de Desenvolvimento dos negócios no Exterior Heisei 26 (2014) (Preparação de estabelecimento de negócio internacional e entrada de mercado infraestrutura (estudo sobre desenvolvimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Projeto de Cooperação Técnica PCT BRA/IICA/05/004 PAN Desertificação

Leia mais

Site www.pirenopolis.go.gov.br ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DA PORTARIA STN N 828, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

Site www.pirenopolis.go.gov.br ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DA PORTARIA STN N 828, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. Site www.pirenopolis.go.gov.br Endereço: http://www.pirenopolis.go.gov.br/relatorio-de-gestao-financeira/ ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DA PORTARIA STN N 828, DE 14

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUDITORIA

RELATÓRIO FINAL DE AUDITORIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO AUDITORIA INTERNA Rua do Rouxinol,115 - Bairro do Imbuí - CEP: 41720052

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL UFOPA - IEG EDITAL Nº 0001/2014

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL UFOPA - IEG EDITAL Nº 0001/2014 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL UFOPA - IEG EDITAL Nº 0001/2014 A Coordenação do Programa de Educação Tutorial do Instituto de Engenharia e Geociências - PET - IEG, no uso de suas atribuições, torna pública

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

11º Mostra de Ações Socioambientais 2015 REGULAMENTO

11º Mostra de Ações Socioambientais 2015 REGULAMENTO Centro das Indústrias do Estado de São Paulo Grupo de Trabalho de Meio Ambiente - GTMA Grupo de Trabalho em Responsabilidade Social GTRS Diretoria Regional em Jacareí 11º Mostra de Ações Socioambientais

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAREM DO PROJETO ESTRATÉGIAS DE ENSINO DE INGLÊS PARA CANDIDATOS AO PROGRAMA CIÊNCIA

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 10 Controle e Fiscalização Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão Julho de 2015 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (Política e procedimentos relacionados à responsabilidade socioambiental da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 4.327, de 25 de abril

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Implementação de Sistemas de Aquecimento Solar nos Chuveiros e Piscina da AACD Centro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT

EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT EDITAL PROPeq/UFMT DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES - Maio de 2015 I) OBJETIVOS: O Edital de Apoio à participação de pesquisadores

Leia mais

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Serviços de Consultoria Pessoa Jurídica para a elaboração de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 1 ÍNDICE CRONOGRAMA ------------------------------------------------------------------------------- 3 CATEGORIAS -------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ALINE DÉBORA DA SILVA ROSILENE MARIA DIAS MACHADO TICIANA COSTA PROJETO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, estabelece seu Regulamento e dá outras providências. A CORTE SUPERIOR

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

Regulamento de Compras :

Regulamento de Compras : Regulamento de Compras : Capítulo I: das Disposições Gerais Artigo 1º. O presente Regulamento estabelece normas para a contratação de obras e serviços e compras, no âmbito da Associação Fundo de Incentivo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/0 Acordo de Empréstimo LN 753 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA OBJETIVO: Prestação de Serviços Técnicos especializados de Consultoria para Assessoria Jurídica de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14a/2010

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14a/2010 CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14a/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE BANCO DE DADOS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 ELABORADO DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2014

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2014 I INTRODUÇÃO: PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2014 O presente PAAI Plano de Auditoria Interna para o exercício de 2014 da SGCI Secretaria Geral de Controle Interno da Câmara Municipal de Domingos

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ I. Informações gerais sobre a reserva particular do Patrimônio Natural (RPPN) URU Em 2003, a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO

CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO Contratação de Empresas de Consultoria para Prestação de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL Nº 030 /2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA O Projeto

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 8700.00063/201-1 Assunto: Restrição de acesso: Providências adicionais Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recurso contra

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

1 Projeto de Gestão de Arquivos através da Prestadora de Serviços 1.1 CONSARQ Conservação de Arquivos LTDA

1 Projeto de Gestão de Arquivos através da Prestadora de Serviços 1.1 CONSARQ Conservação de Arquivos LTDA 1 Projeto de Gestão de Arquivos através da Prestadora de Serviços 1.1 CONSARQ Conservação de Arquivos LTDA 1.2 Prestação de serviços na área de Gestão Documental: administração, guarda, restauração, organização,

Leia mais