Guide Nacional e Internacional. CISV Brasil Coordenação Nacional de. Youth Meeting

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guide Nacional e Internacional. CISV Brasil Coordenação Nacional de. Youth Meeting"

Transcrição

1 Youth Meeting Guide Nacional e Internacional CISV Brasil Coordenação Nacional de Youth Meeting

2 Querido Comitê Youth Meeting É com grande alegria que apresentamos o novo GUIDE DE YOUTH MEETING. Ele é a consolidação do Guide Internacional (2008) e do Manual Nacional (2009) do programa. Acreditamos desta maneira racionalizar e facilitar o uso das informações contidas em ambos. Ao longo dos últimos anos cresceu a importância dos programas nacionais de Youth Meeting, que seguem as regras dos internacionais com algumas características próprias. Para facilitar a identificação das partes relativas aos programas nacionais, estas aparecem no Guide em azul e as seções são identificadas pela letra N. A leitura deste Guide é essencial para a compreensão do programa, preparação dos acampamentos, delegações, líderes e staff bem como do papel de todos que de alguma forma tem relação com o Youth Meeting, além de aspectos educacionais e operacionais do programa. Deve ser lido pelos membros do comitê, staff, líderes e famílias participantes, que podem receber uma cópia das partes que lhes dizem respeito -. para isso incluimos ao final do Guide uma sugestão de capítulos para cada um dos grupos envolvidos com o Youth Meeting. Para facilitar a consulta, seguimos a organização do Guide em inglês, disponível em acrescentando e adaptando, quando necessário, informações para os programas nacionais. Os termos tradicionalmente usados em inglês nas atividades e reuniões do CISV foram mantidos. Esperamos que gostem e usem, façam comentários e sugestões de melhoria. Um grande abraço, VITA ICHILEVICI Coordenadora COORDENAÇÃO NACIONAL DE YOUTH MEETING CISV BRASIL FERNANDA FERREIRA Co-coordenadora Outubro/2011 [2]

3 Y-0 Índice 3 Y-1 Sobre o Guide do CISV 6 Y-1.1 Verificando se seu Guide está atualizado 8 Y-1.2 Definições e Terminologia 8 9 Y-2 Introdução 9 Y-2.1 O que é Youth Meeting? 9 Y-2.2 Objetivos e Metas Educacionais 9 Y-2.3 Alguns fatos sobre o Youth Meeting 10 N-2.3 Estrutura do Youth Meeting Nacional 10 N Taxas do Youth Meeting Nacional 11 Y-3 Conteúdo do Programa 12 Y-3.1 Tema 12 Y anos 13 Y anos 14 Y e Y-3.2 Desenvolvimento do Tema 15 Y Antes do Youth Meeting 15 Y Durante o Youth Meeting 16 N Projeto no Youth Meeting Nacional 18 Y Após o Youth Meeting 19 Y-3.3 Planejamento das Atividades 19 Y Participação em delegação 19 Y Participação indivídual 20 Y-3.4 Estrutura das Atividades 20 Exemplo de horário de acampamento 21 Y-3.5 Eventos Especiais 22 Y Excursões 22 Y Open Day 22 Y Atividades Culturais 23 N Atividade Regional no Youth Meeting Nacional 23 Y Dias Festivos Outubro/2011 [3]

4 Y-4 Administração 24 Y-4.1 Papel do Comitê Youth Meeting Internacional 24 Y-4.2 Papel da NA / PA (National Association / Promotional Association) 24 Y-4.3 Papel do Coordenador Nacional / Comitê 25 Y-4.4 Papel dos Chapters Locais 25 N-4.1 Organização do Comitê Youth Meeting no CISV Brasil 25 N Coordenador e Co-Coordenador Nacional 25 N Coordenador Local 27 Y-4.5 Calendário Administrativo 28 N 4.5 Calendário de Youth Meeting Nacional 31 Y-5 Hospedando um Youth Meeting 32 Y 5.1 Seleção de staff 32 Y-5.2 Papel e Responsabilidades do Host Staff 33 Y Antes do Youth Meeting 34 Y Durante o Youth Meeting 34 Y Depois do Youth Meeting 35 "Memo para Staff de Youth Meeting - 37 Y-5.3 Pre-camp 38 N 5.3 Informações sobre seguro nos Pre-Camps nacionais 39 "Deadlines de envio dos pre-camps" 39 Y-6 Enviando participantes para um Youth Meeting- 39 Y-6.1 Características de Faixas Etárias 39 Y anos 40 Y anos 40 Y e Y-6.2 Seleção dos participantes 41 N-6.2 Seleção para programas nacionais 42 Y-6.3 Papel e Responsabilidades dos participantes 43 Y Participantes de e anos 43 Y Participantes de e anos 44 Y-6.4 Seleção do Líder 47 Y-6.5 Papel e Responsabilidades do Líder 48 Outubro/2011 [4]

5 Y Antes do Youth Meeting 49 Y Durante o Youth Meeting 51 Y Depois do Youth Meeting- 52 "Forms necessários para um Youth Meeting Nacional e Internacional" 53 Y-7 Treinamento 54 Y-7.1 Elementos Básicos de um Programa de Treinamento 54 Y-7.2 Quem deve treinar? 55 Y-7.3 Quem deve ser treinado? 56 Y Staff, Líderes, Participantes 56 Y Pais 56 Y Outras pessoas 56 Y-8 Gestão de Risco 56 Y-9 Avaliação 56 Y-9.1 Quem avalia? 57 Y-9.2 O que deve ser avaliado? 57 Y-9.3 Método 58 Y Quando avaliar 58 N-9 Avaliação de Programas Nacionais 59 Y-10 Anexos 1 - Relação de documentos para Youth Meeting Nacional (legais e do CISV) Relação de documentos para Youth Meeting Internacional (legais e do CISV) Modelo Visto Schengen Modelo Carta de Apresentação em Aeroportos Procedimento para acionar o Seguro Participantes Individuais R7 em português R7 e IRF - em inglês Modelos de avaliação de programas nacionais Extratos do Guide para líderes, staff, famílias Hino do CISV Como surgiu a ideia do CISV Proposta enviada por Doris Allen à Unesco 90 em 1947 Outubro/2011 [5]

6 Y-1 Sobre o Guide do CISV O Guide do CISV contém todas as informações necessárias para hospedar ou participar de um programa ou atividade do CISV. Ele consiste de oito partes : um "Guide Geral" e sete " Guides de Programas". O "Guide Geral" contém informações comuns a todos os programas do CISV enquanto os "Guides de Programa " contêm informações específicas de cada programa. Cada um dos oito Guides usa a mesma estrutura básica (abaixo), facilitando as consultas. Guide Geral: 1. Sobre o Guide do CISV 2. Introdução 3. Conteúdo do Programa 4. Administração 5. Hospedando um programa 6. Enviando participantes para um Programa 7. Treinamento 8. Gestão de Risco 9. Avaliação 10. Apêndices Guide de Programa: 1. Sobre o Guide do CISV 2. Introdução 3. Conteúdo do Programa 4. Administração 5. Hospedando um programa 6. Enviando participantes para um Programa 7. Treinamento 8. Gestão de Risco 9. Avaliação 10. Apêndices Outubro/2011 [6]

7 Qualquer pessoa envolvida com a hospedagem ou participação em um programa deve ler tanto o "Guide Geral" quanto o "Guide do Programa. É extremamente importante importante que você utilize os dois Guides pois ambos contêm informações importantes. É recomendável que cópias impressas do Guide sejam organizadas de forma que o Capitulo 1 do Guide Geral seja seguido pelo Capítulo 1 do Guide do Programa e assim por diante. Desta forma a combinação de ambos produz um grande Guide. Para facilitar este processo, algumas páginas do Guide foram deixadas em branco, permitindo a inserção dos capítulos. Independente de você estar hospedando ou enviando para um programa, é fundamental que leia todas as outras seções do Guide, já que alguns capítulos - especialmente Treinamento e Gerenciamento de Risco - são aplicáveis a vários aspectos da participação em programas. Para facilitar a identificação, em cada uma das oito partes utilizamos uma letra diferente antes do número do capítulo / seção. Abaixo estão as iniciais usadas e os capítulos a que se referem : G - Guide Geral IC - Guide de Interchange M - Guide de Mosaic IPP - Guide de IPP (International People s Project) S - Guide de Seminar C - Guide de Summer V - Guide de Village Y - Guide de Youth Meeting Outubro/2011 [7]

8 Y-1.1 Verificando se seu Guide está atualizado Os programas do CISV e seus procedimentos estão sempre evoluindo e os Guides são atualizados para acompanhar estas mudanças. É importante confirmar se você está trabalhando com a versão mais atualizada. A última versão (em inglês) está disponível no site do CISV Internacional (www.cisv.org). Você também pode conferir quando cada capitulo foi atualizado consultando o índice. No rodapé de cada página também consta a data em que aquele capitulo foi atualizado. Assim, se quiser atualizar uma versão impressa, basta imprimir os capítulos que foram modificados. No caso da versão traduzida, consulte no rodapé a data da publicação. A Coordenação Nacional de Youth Meeting é a responsável por manter o Guide em português de acordo com a versão internacional e atualizar, sempre que necessário, os tópicos que dizem respeito aos programas nacionais. Y-1.2 Definições e Terminologia Um glossário de termos e abreviações usados no CISV está disponível no Anexo G (Info File C-20, CISV Slang Dictionary ). Neste Guide, as seguintes definições foram utilizadas : Programa qualquer programa ou atividade do CISV : Interchange, Mosaic, IPP, Seminar Camp, Summer Camp, Village e Youth Meeting. Programa Internacional : todos os acima com exceção do Mosaic, que recebe suporte e coordenação mas é essencialmente um programa local administrado pelas NAs. Programa Nacional segue as definições e formato do programa internacional mas é realizado no Brasil com a participação de todos os chapters brasileiros e tem o português como língua oficial. Outubro/2011 [8]

9 Y-2 Introdução Y-2.1 O que é Youth Meeting? Youth Meetings são acampamentos de curta duração, com temas específicos que possibilitem ao jovem explorar questões inter-culturais em um contexto nacional ou internacional. O programa reforça os valores fundamentais do CISV, desenvolve habilidades de líderança e organização e promove participação contínua no CISV. Duração : 8 ou 15 dias Período: qualquer época durante o ano, prereferencialmente nas férias escolares. Faixas etárias : 12-13, 14-15, e 19+ Os Youth Meeting nacionais são realizados em julho e janeiro e tem duração de 15 dias. Pelo fato das férias escolares em julho ocorrerem em períodos diferentes nas diversas regiões do Brasil é importante que o chapter hospedeiro programe o acampamento de forma a possibilitar a participação do maior número de chapters. O NYM19++ podem ter um menor número de dias e ser realizados em feriados. Y-2.2 Objetivos e Metas Educacionais Objetivos 1.Explorar temas educacionais do CISV em seu contexto regional. 2.Gerar conscientização sobre o tema e estimular pensamento crítico 3. Contribuir para participação e envolvimento pessoal em situações de grupo 4.Gerar interesse nos participantes pelo ambiente em que vive Indicadores a) O participante recebe treinamento para desenvolver o tema. b) O participante participa de todas as atividades relacionadas ao tema. c) O participante contribui com pelo menos uma atividade relacionando sua realidade ao tema. a) O participante expõe sua opinião sobre o tema. b) O participante contribui com as discussões e debates do grupo. c) O participante contribui com a discussão final após cada atividade a) O participante melhora suas habilidades de comunicação (detatendo, discutindo, fornecendo feedback, comunicação não-verbal, etc) b) O participante demonstra iniciativa (organiza um grupo, atua como facilitador em uma discussão ou atividade, resolve um conflito, etc). c) O participante contribui com o planejamento das atividades. a) O participante relaciona o tema à sua vida. b) O participante planeja como irá utilizar seus novos conhecimentos, habilidades e atitudes em seu cotidiano Outubro/2011 [9]

10 Y-2.3 Alguns fatos sobre o Youth Meeting Conteúdo Todos os Youth Meetings devem ter um tema ao qual a maioria das atividades deve estar relacionada. Os participantes são incentivados a planejar e conduzir as atividades de acordo com a faixa etária do programa (veja Y-3). Estrutura O staff de um Youth Meeting deve ser composto por 4-5 membros, com pelo menos um de 25 anos ou mais O Youth Meeting pode ter um Junior staff de no mínimo 19 anos (para as faixas etárias e 14-15) Cada delegação é composta por 6 jovens (preferencialmente 3 meninos e 3 meninas). Nos acampamentos de e anos, participam 5 delegações, num total de 35 pessoas mais staff. O número de participantes de um Youth Meetings e 19++ é de 25. Um delegando pode participar de vários Youth Meetings. Taxas Participantes e líderes devem pagar as taxas internacionais (para estrutura de taxas, veja C-10) N 2.3 Estrutura do YM Nacional Nos programas nacionais cada chapter participa com uma delegação de 4 jovens nos programas e e de 3 jovens no As delegações de um Youth Meeting Nacional não tem necessariamente o mesmo tamanho. O número máximo de participantes é de 44 nos programas e anos e 33 nos anos. Qualquer exceção deve ser autorizada pela Coordenação Nacional em comum acordo com o Comitê Youth Meeting do chapter hospedeiro. Outubro/2011 [10]

11 O número máximo em um Youth Meeting nacional é de 10 delegações e as vagas não utilizadas são redistribuídas pela Coordenação Nacional entre os chapters interessados garantindo a maior divesidade possível entre os participantes (veja no Calendário Nacional (pg. 9) informações sobre as datas do remanejamento). O número máximo de jovens que podem participar de uma delegação com um líder é de 8. Caso haja mais de 8 participantes de um mesmo chapter, a delegação deve ter 2 líderes ou serem formadas duas delegações. No entanto o ideal é que todos os chapters enviem delegações garantindo diversidade no acampamento e oportunidade de participação para o maior número de jovens. De acordo com a decisão do ENYM 2009, o chapter SAO participa dos programas nacionais com uma delegação de 8 jovens nos programas para e anos e de 6 jovens no de anos. O chapter SAO só recebe vagas adicionais caso nenhum outro chapter manifeste interesse. Para o Youth Meeting 19++, não há definição prévia de vagas por chapter. O número de inscritos deve ser informado à Coordenação Nacional que fará a distribuição de vagas garantindo a maior diversidade possível. A participação de um jovem por outro chapter, que não o seu, não é recomendável e deve ser discutida entre os chapters interessados e autorizada pela Coordenação Nacional. Não é permitido que um chapter convide ou aceite participantes de outro chapter sem a concordância do chapter de origem do jovem. N Taxas do YM Nacional Nos programas nacionais a taxa do programa é composta pelo valor do programa (informado pelo chapter hospedeiro) + taxa local + taxa do CISV Brasil. A taxa local permanece no chapter e o total correspondente (ao valor do programa + taxa do CISV Brasil) é enviado ao chapter hospedeiro que fará o repasse da taxa nacional para a Tesouraria do CISV Brasil. Outubro/2011 [11]

12 Importante: líderes não pagam taxa nos programas nacionais de acordo com moção aprovada no EN 2009, não há cobrança da taxa do CISV Brasil no Youth Meeting 19++ nacional a decisão sobre a taxa local é de cada chapter, porém recomendamos que não seja cobrada para incentivar participação dos líderes Aspectos Práticos O local onde será realizado o acampamento deve estar de acordo com as regras definidas no Guide do CISV sobre como hospedar uma atividade. As regras para uso do local são estabelecidas pelo staff. Y-3 Conteúdo do Programa Veja também a seção "Conteúdo do Programa " do Guide Geral (G-3) com informações comuns a todos os programas do CISV. Y-3.1 Tema O tema de um Youth Meeting deve ser cuidadosamente escolhido de acordo com a faixa etária e a duração do programa. Desde 2007 o Comitê Internacional de Youth Meeting define um tema anual para todos os programas de Youth Meeting realizados em julho e janeiro daquele ano. É importante que o Comitê Local passe ao staff e líderes todo o material desenvolvido no CISV sobre o tema para ajudá-los na preparação do acampamento e das delegações. Cabe ao staff de cada programa definir a melhor forma de trabalhar este tema geral com a faixa etária, podendo definir, ou não, um ou vários subtemas. O staff pode, se quiser, solicitar sugestões sobre a abordagem do tema aos líderes dos programas e anos e aos participantes dos e A comunicação do staff com os líderes (nos programas e 14-15) e participantes (16-18 e 19++) antes do inicio do programa é essencial para recolher Outubro/2011 [12]

13 sugestões sobre o tema, acompanhar a preparação e criar um canal de comunicação que vai ajudar o programa a ir de encontro a seus objetivos a partir dos primeiros dias. O tema deve ser decidido com antecedência e comunicado / explicado às delegações e/ou participantes nos pre-camps. Assim eles podem se preparar para o programa levantando informações sobre o tema, preparando a atividade cultural, etc...) É importante que o staff incentive os participantes a fazer a preparação antes do programa, dando-lhes tarefas relacionadas ao tema ou solicitando material de pesquisa que será usado durante o programa. No desenvolvimento do tema, aspectos locais da vida dos participantes podem ser usados para preparar uma apresentação. Não esqueça de levar em conta a faixa etária do Youth Meeting. As apresentações poderão ser em forma de palestras, audiovisuais (slides, filmes, etc) ou atividades. Alguns aspectos que podem ser usados para este desenvolvimento são : PrincÍpios e objetivos do CISV Questões mundiais e regionais Questões sociais Arte, música, comunicação Áreas educacionais do CISV Podem, ainda, ser usados temas relacionados a um projeto local de Mosaic ou a um do Junior Branch. O tema escolhido deve permitir discussão e desenvolvimento pelos participantes e líderes (dependendo da faixa etária) do Youth Meeting. Y anos O tema de um acampamento para anos deve ser simples e abrangente. Deve ser de fácil abordagem e os participantes devem ser ajudados nos planning groups Outubro/2011 [13]

14 pelos líderes ou staff. É normal que no início as atividades planejadas sejam just for fun e running, mas os líderes e staff podem sugerir atividades mais sérias levando em consideração o nível do grupo. Discussões e temas abstratos devem ser evitados. Se os participantes não planejarem atividades com maior conteúdo educacional, líderes e staff devem fazê-lo, sempre considerando as características e faixa etária do grupo. Y anos Nesta faixa etária, os participantes já estão mais maduros e devem assumir maior responsabilidade no planning, isso significa que eles devem ser envolvidos tanto no planejamento quanto na condução das atividades. A sugestão é que o tema para a faixa etária seja mais sério e seja algo que tenha relação com a vida dos participantes. Procure evitar muitas atividades just for fun e running e encorajar os participantes a planejar atividades a partir do tema do programa que sejam importantes em seu dia-a- dia. O tema para esta faixa etária deve ser mais concreto do que abstrato. É importante enfatizar que é possível planejar atividades divertidas (como running games ) que tenham um conteúdo sério. Para realizá-las é importante ter planejada uma boa discussão - líderes e staff devem estar conscientes de sua responsabilidade para alcançar este objetivo. Y e O tema para as faixas etárias e deve ser desafiador e relacionado a questões globais e culturais. O staff deve definir o tema (ou sub-tema) e apresentálo aos participantes antes do acampamento, para que eles possam se preparar. Os participantes devem decidir como o tema será desenvolvido. Outubro/2011 [14]

15 O staff deve planejar as atividades iniciais relacionadas ao tema para que os participantes possam usá-las como exemplo. Isso não significa que todas as atividades devem seguir o modelo do staff, mas elas vão orientar os participantes em seus plannings. O papel do staff é extremamente importante como facilitador no acampamento e no desenvolvimento do tema. Y-3.2 Desenvolvimento do Tema Y Antes do Youth Meeting O tema é uma das peças fundamentais no processo educativo do Youth Meeting. Ter um tema bem definido antes do acampamento é um dos elementos chave, já que ele é a espinha dorsal do programa e ponto de partida para o desenvolvimento das atividades. Por isso o staff deve definir o tema / sub-tema com antecedência e comunicá-lo antes do acampamento às delegações / participantes para que eles tenham tempo de se preparar. O ideal é que o tema específico seja definido no primeiro Pre-Camp. A forma como o staff apresenta o tema no Pre-Camp é muito importante. Ela deve ser criativa para motivar as delegações / participantes a realizar algumas pesquisas e preparar-se com antecedência para que o acampamento tenha um bom desenvolvimento. Ao apresentar o tema é importante reservar algumas surpresas para o início do programa, estimulando a imaginação dos participantes. Há muitas maneiras diferentes de apresentar o tema, estas são apenas algumas sugestões: Escrever algumas perguntas e propôr uma reflexão sobre o tema Desenhar um mapa mental (unindo o sério e o divertido) Sugerir alguns filmes que tenham relação com o tema para serem assistidos antes do acampamento. Esta pode ser uma boa maneira de apresentar o tema para os participantes mais jovens. É também uma boa forma das delegações se conhecerem e começarem a trabalhar juntos Outubro/2011 [15]

16 Para os participantes mais jovens (mas para os outros também!), podem ser sugeridos desenhos animados, que introduzem o tema de forma mais leve Tenha sempre em mente a faixa etária do programa ao escolher as atividades sugeridas. Peça aos participantes e delegações prepararem uma apresentação ou um pequeno filme incluindo algo relacionado ao tema e à realidade de seu país (ou chapter). Peça para cada país (ou chapter) prepararem uma atividade que relacione o tema com sua realidade local. Esta é uma boa forma de incluir a questão cultural no desenvolvimento do tema. Y Durante o Youth Meeting Para o sucesso do acampamento, o tema deve ter um desenvolvimento bem definido. Pelo fato do Youth Meeting ser um programa curto, de uma ou duas semanas, o staff deve planejar com antecedência como irá desenvolver o tema. Delegações / participantes vão fazer parte deste desenvolvimento depois do início do programa. A forma como o tema será desenvolvido é muito importante já que ajuda o acampamento a ter um ponto de partida e um objetivo, além de definir a estrutura geral e uma direção clara para o programa. A seguir, algumas sugestões para começar a desenvolver o tema no acampamento Fazer um mapa mental do tema com os líderes / participantes e só em seguida, definir juntos a direção a seguir. Quando líderes e participantes se apropriam do tema, tem muito mais disposição para segui-lo. Ter uma lista de perguntas ou tópicos sobre o tema para gerar uma discussão. Colocar os participantes em dois círculos concêntricos, um de frente para o outro de forma que cada participante esteja de frente para outro e tenha um tempo para discutir cada Outubro/2011 [16]

17 pergunta. Após este tempo, um dos círculos se move para o lado, e assim todos tem um novo interlocutor para a próxima pergunta. Nos acampamentos e anos, o staff pode fazer uma apresentação ou atividade, e em seguida cada delegação terá um tempo para responder com uma apresentação de sua realidade local. Não existe apenas uma maneira de se desenvolver o tema - depende do tema em si e da direção que o grupo deseja seguir. O principal objetivo é apenas ter o tema em mente e elaborá-lo. Isso não significa que todas as atividades devem estar ligadas ao tema, e sim que este deve ser o foco considerando que o desenvolvimento do tema é o principal objetivo de um Youth Meeting. O que levar para casa O desenvolvimento do tema é a diferença entre um Youth Meeting e os outros programas do CISV. Por isso sugerimos planejar e criar um "O que levar para casa" como resultado concreto do trabalho dos participantes. É importante esclarecer que não é necessário que seja um projeto, pode ser uma atividade significativa que ajude os participantes a perceber o que produziram durante o acampamento e, principalmente, o que aprenderam. Veja algumas sugestões a seguir: Fazer uma atividade durante a qual os participantes interagem uns com os outros utilizando todos os elementos que aprenderam sobre o tema durante o programa. Os participantes escrevem, desenham ou fazem uma apresentação sobre o que o tema significou para eles, e como o desenvolvimento deste tema contribuiu para seu crescimento pessoal. Isto pode ser feito individualmente e, depois, apresentado para o grupo, ou em pequenos grupos. Outubro/2011 [17]

18 Fazer uma avaliação onde todos contam o que aprenderam sobre o tema, e depois produzir um texto a partir das idéias apresentadas. Cada participante escreve uma carta sobre o que o tema significou para ele e como pretende usar esse "novo conhecimento" em sua vida. O staff recolhe todas as cartas e envia-as aos participantes depois de alguns meses. Tenha em mente que o principal objetivo é fazer com que os participantes (incluindo líderes e staff) tenham oportunidade de refletir sobre o tema e o impacto dele em suas vidas, sobre o que estão levando para casa no final do programa. Não esqueça de levar em conta a faixa etária do Youth Meeting ao planejar esta atividade. N Projeto do NYM Nos programas nacionais, um dos grandes diferenciais do Youth Meeting é o projeto desenvolvido durante o acampamento. Este projeto deve estar relacionado ao tema e representar o que de mais relevante foi discutido e produzido pelos participantes. Não é muito diferente do descrito nos programas internacionais mas é mais palpável, algo que pode ser compartilhado e apresentado para outras pessoas dentro e fora do CISV - após o final do programa. O Comitê Youth Meeting (Nacional e Local) é responsável pela divulgação de todos os projetos na comunidade CISViana. O projeto deve ser decidido pelos participantes com a ajuda dos líderes e staff, especialmente nas faixas etárias mais novas. É importante que o staff não traga uma idéia de projeto pronta para o acampamento. É bom ter em mente que a decisão, que deve ser coletiva, e execução do projeto não devem ser deixadas para os últimos dias do programa para não sobrecarregar a agenda. Especialmente para a faixa etária anos não é importante que o projeto tenha uma execução muito elaborada, mas apenas ser uma produção final conjunta dos participantes. Outubro/2011 [18]

19 Y Depois do Youth Meeting O staff deve definir o tema de forma ampla, de forma que seja possível dar continuidade ao mesmo após o programa. Isso pode ser feito de várias maneiras, como por exemplo concluir uma atividade iniciada no acampamento em seu chapter ou adaptar uma atividade do acampamento à sua realidade local. Se o tema do Youth Meeting está relacionado a um projeto de Mosaic ou a Atividades do JB, o chapter pode continuar a trabalhar com o tema utilizando o material do Youth Meeting. Se durante o programa o staff teve contato com outras organizações que trabalham com o mesmo tema, poderá ser desenvolvido um trabalho conjunto com elas após o programa, por exemplo projetos de IPP ou Mosaic. Y-3.3 Planejamento das Atividades O staff é responsável pela estratégia educacional do Youth Meeting, ou seja, deve decidir o tema e planejar as atividades para os primeiros dias. Quanto mais jovens os participantes, maior número de atividades deve ser planejado com antecedência. Y Participação em delegação (12-13 e 14-15) O staff deve incentivar os líderes a agirem como facilitadores, tendo sempre em mente a faixa etária e as características particulares de cada grupo. Os jovens de anos gostam de participar do planejamento das atividades mas ainda não tem habilidades para fazê-lo sozinhos. Eles podem trabalhar em grupo com a supervisão de um adulto, mas os adultos aplicam a maior parte das atividades. (ver Y ) Já os jovens de anos tem mais autonomia para planejar as atividades, especialmente aqueles que já participaram de um programa do CISV. Líderes e staff participam dos planning groups orientando quando necessário. (ver Y-3.1.2) Outubro/2011 [19]

20 O staff deve realizar reuniões freqüentes com os líderes para avaliar o andamento do acampamento e motivar e ajudar os líderes (especialmente os novos) quando necessário. (Ver seção Y-6) Y Participação individual (16-18 e 19 ++) O staff deve fazer o planejamento apenas para os primeiros um ou dois dias de programa. As atividades podem ser relacionadas ao tema para que os participantes usem-as como modelo. São os participantes que fazem o programa, de acordo com o tema e práticas do CISV. Ao assumir esta responsabilidade, os participantes são desafiados a testar suas habilidades de organização e líderança, por isso todos devem ser incentivados a participar do planning. Considerando a duração do Youth Meeting, o staff deve ter um papel ativo no programa. Ainda que deixe o grupo programar tanto a rotina do acampamento quanto as atividades, o staff deve acompanhar a execução das atividades e o desenvolvimento do tema, assegurando que o conteúdo educacional seja cumprido. Veja seção Y-6 Y-3.4 Estrutura das Atividades O cronograma de um Youth Meeting deve proporcionar equilíbrio entre: Atividades baseadas ou não no tema Teoria e prática Com muita atividade física e tranqüilas Individuais e em grupo Ao ar livre e em local coberto Educacionais e divertidas Apresentar oportunidades de intercâmbio cultural Ser coerentes com os objetivos CISV Considerar a saúde e a segurança dos participantes Outubro/2011 [20]

21 Lembre-se : Seja flexível! Mesmo que o staff tenha planejado os horários, os participantes de e 19++ devem ter a oportunidade de fazer sugestões e mudanças. EXEMPLO DE HORÁRIO DE ACAMPAMENTO e e Hora de acordar 8.00 Hora de acordar 8.20 Flag Time 8.20 Flag Time 8.30 Café da manhã e arrumação 8.30 Café da manhã e arrumação Atividade Atividade Atividade Atividade Almoço e arrumação Almoço e arrumação Descanso Descanso Atividade Atividade Lanche Lanche Planning groups Atividade Free time / reunião de líderes Planning groups Free time Delegation time Reunião do staff Jantar e arrumação Jantar e arrumação Atividade noturna Lullaby / Flag time Atividade noturna Hora de dormir / Lights out Flag time Hora de dormir / Lights out Outubro/2011 [21]

22 Y 3.5 Eventos Especiais Y Excursões Para que o Youth Meeting tenha uma programação equilibrada sugerese fazer apenas um passeio, que deve ser planejado com antecedencia. Sua duração e organização é de responsabilidade do staff. Um passeio bem sucedido, poderá incluir atividades relacionadas ao tema do do Youth Meeting, tais como: Visitar lugares relacionados ao tema, Ter contato com organizações parceiras que trabalham com o tema, Participar de uma conferência ou palestra Y Open day O Open Day é um momento durante o programa, quando pessoas de fora tem a oportunidade de conhecer o Youth Meeting. É também uma oportunidade de agradecer o apoio da comunidade local. É bom para relações públicas e para tornar o CISV mais conhecido Quando o tema está relacionado com o Mosaic e / ou com o JB, o staff com a ajuda do coordenador de Mosaic e / ou JB pode organizar uma atividade conjunta para o chapter, contribuindo para a troca de idéias e reflexão sobre o tema. Quando o acampamento é de oito dias, é melhor usar o tempo disponivel para o o próprio programa, assim o Open Day pode não ser realizado ou ser só uma manhã ou tarde. Nos Youth Meetings nacionais não se costuma realizar o Open Day. Este pode fazer parte da programação se o staff julgar que trará benefícios para o programa. É importante avaliar bem se o esforço e o tempo despendidos com esta atividade não poderiam ser melhor aproveitados, por exemplo, para o desenvolvimento do projeto. Outubro/2011 [22]

23 Y Atividades culturais Cada delegação ou participantes de um mesmo país (ou chapter) pode organizar uma atividade cultural durante o acampamento. A atividade cultural deve estar relacionada ao tema e à cultura de seu país. Ela permite que cada delegação possa compartilhar sua cultura com todos os participantes de várias maneiras. Estas podem incluir: debates, jogos, artesanato, comidas, danças, performances ou qualquer outra. É importante não esquecer de pedir ao staff com antecedência qualquer material ou recurso que seja necessário. É importante que todos sejam incentivados a organizar uma atividade para o grupo e o schedule deve prever todas as atividades culturais. N Atividade regional no NYM Nos programas nacionais é importante que o staff incentive os participantes e líderes a trazer para o acampamento aspectos particulares e curiosos de sua região. Apesar de todos serem do mesmo país, o Brasil oferece uma enorme diversidade cultural que não deve ser esquecida. Y Dias Festivos Tradicionalmente, alguns Youth Meetings são organizados em feriados ou períodos festivos. Nesses casos pode-se organizar uma atividade especial para essa data. Assim, os participantes tem a oportunidade de vivenciar a forma como o país hospedeiro comemora essa ocasião. O evento deve ser realizado de acordo com as regras de segurança e respeitando as orientações do CISV sobre "Comportamento e Sensibilidade Cultural (File Info R- 7, G-Guide Geral apêndice ). Outubro/2011 [23]

24 Y-4 Administração Veja também o capítulo "Administração" do Guide Geral (G-4) com informações comuns a todos os programas do CISV. Y-4.1 Papel do Comitê Youth Meeting (internacional) Monitorar os acampamentos, garantindo seu conteúdo educacional Garantir que a filosofia do CISV e os objetivos do Youth Meeting sejam seguidos Ler e analisar relatórios e avaliações dos programas Promover Youth Meetings em todas as regiões Apoiar as NA / PA para a realização dos programas Cooperar com os demais comitês de programa, tais como Mosaic, Junior Branch, IPP e outros comitês internacionais. Cooperar com comitês operacionais, tais como Líderança, Educacional e Pesquisa. Cooperar com IO (International Office) nas questões administrativas Manter uma comunicação contínua com o Comitê Executivo Internacional. Manter e atualizar regularmente as ferramentas online e revisar o Guide Y-4.2 Papel da NA /PA Candidatar-se a hospedar um Youth Meeting, enviando o formulário para IO até 1 de Junho. PAs devem solicitar autorização para hospedar e enviar participantes para o Comitê de Desenvolvimento Organizacional. Enviar ao IO o aceite ou recusa dos convites recebidos nos prazos definidos. Fornecer aos coordenadores nacionais informações relevantes, incluindo documentos oficiais recebidos do IO e Comitê Internacional. Manter comunicação com IO e Comitê Youth Meeting, conforme necessário. Outubro/2011 [24]

25 Y-4.3 Papel do Coordenador / Comitê Nacional Fornecer informações aos chapters Coordenar a realização de todos os acampamentos de Youth Meeting no país de acordo com as regras internacionais do CISV Ser responsável pela divulgação, seleção, orientação e treinamento das delegações / participantes / líderes / staff de Youth Meeting Apoiar o chapter para a organização do Youth Meeting Garantir que o staff envie formulários e avaliações para a IO no tempo correto Y-4.4 Papel dos Chapters Locais Manter comunicação com o Coordenador Nacional Planejar o programa e achar líderes e participantes Selecionar líderes e participantes Fornecer orientação para os líderes, famílias, jovens sobre: História, Metas e Filosofia da CISV, Objetivo dos programas e atividades do CISV, Descrição e objetivos do Youth Meeting Garantir treinamento para os líderes. Proporcionar assistência para todos os arranjos de viagem. Dar suporte ao staff antes / durante / após o Youth Meeting N 4.1 Organização do Comitê Youth Meeting no CISV Brasil N Coordenador E Co-Coordenador Nacional O Coordenador Nacional faz parte da Diretoria Expandida do CISV Brasil e deve definir os critérios oficiais, filtrar e repassar as informações úteis, esclarecer eventuais dúvidas e trabalhar para harmonizar os procedimentos e condutas dos Coordenadores locais. O Co-Coordenador trabalha junto com o Coordenador Nacional e também faz parte da Diretoria Expandida do CISV Brasil. Na ausência do Coordenador Nacional, o Outubro/2011 [25]

26 Co-Coordenador é o responsável por qualquer decisão relativa ao Comitê Youth Meeting. Tem como responsabilidades : Supervisionar todas as questões relativas a programas nacionais e internacionais de Youth Meeting; Atuar como representante e defender os interesses do programa junto à Diretoria Executiva do CISV Brasil e ao Comitê Internacional de Youth Meeting Organizar anualmente o Encontro Nacional de Youth Meeting (ENYM) do qual participam os coordenadores locais, onde são decididos assuntos relacionados ao programa, servindo também como oportunidade de treinamento e troca de experiências Elaborar o Plano de Ação e orçamento do Comitê Youth Meeting, apresentá-lo no Encontro Nacional (EN) e assegurar que seja concretizado; Participar do EN e das reuniões de Diretoria Expandida do CISV Brasil representando os interesses e necessidades do programa Assegurar que os padrões, orientações e regras adotados pelo CISV sejam seguidos pelos Chapters; Promover troca de experiências entre os Chapters; Cuidar do cumprimento de deadlines; Garantir que os Coordenadores Locais tenham conhecimento dos assuntos relacionados ao programa e recebam os documentos necessários, inclusive Guide e moções aprovadas no EN Auxiliar os Coordenadores Locais no desenvolvimento do Youth Meeting com qualidade em seus Chapters, dando o suporte para a sua realização. Garantir que os programas sejam realizados, interagindo, quando necessário com os Presidentes dos chapters e com a Diretoria Executiva do CISV Brasil; Distribuir, no Encontro Nacional, os convites internacionais de Youth Meeting recebidos; Informar aos Coordenadores Locais a hospedagem de programas nacionais definida no ENPT; Obter dos Coordenadores Locais as avaliações de todos os programas nacionais e internacionais, garantindo que suas conclusões sejam utilizadas na melhoria dos acampamentos; Outubro/2011 [26]

27 Garantir oportunidade de participação de todos os Chapters nos programas nacionais e a participação de, pelo menos, um participante por Chapter nos programas internacionais; Incentivar a utilização de critérios oficiais para a seleção de participantes; Estimular a comunicação, utilizando o oficial; Incentivar a diminuição de custos dos acampamentos; Providenciar dois relatórios anuais, um após o Encontro Nacional e outro após o Encontro Nacional de Coordenadores de Youth Meeting ENYM- contendo os assuntos abordados e as decisões tomadas; Apresentar moções na Assembléia Geral Ordinária ou Extraordinária quando necessário. Incentivar a participação de todos os líderes e staffs de Youth Meeting no Treinamento Nacional e nos treinamentos de cada chapter. N Coordenador Local O Coordenador Local de Youth Meeting é membro da Diretoria Expandida do Chapter. O Comitê deve contar, na medida do possível, com a participação de no mínimo, um membro sênior e um júnior. Tem as seguintes atribuições: É o representante oficial do Comitê perante o seu Chapter e representante oficial do Chapter perante a Coordenação Nacional. Responsável pela realização de programas em seu Chapter e pela formação de delegações que participarão dos programas nacionais e internacionais de Youth Meeting Comunicar-se regularmente com o Coordenador Nacional; Comparecer ao ENYM e, se possível, ao EN Garantir a realização dos programas nacionais e internacionais programados pelo seu chapter, incentivando a hospedagem junto à diretoria do chapter Garantir qualidade em todos os acampamentos, preparando ou acompanhando a preparação de Staff, Líderes, delegações e famílias; Cumprir os prazos definidos no calendário nacional e internacional de Youth Meeting; Preencher e enviar o Pre Camp 1 nos prazos definidos; Divulgar os programas nacionais e internacionais de Youth Meeting em seu Chapter; Outubro/2011 [27]

28 Supervisionar todas as questões relativas ao programa, para que seus objetivos sejam atingidos e regras, padrões, recomendações e deadlines sejam obedecidos; Assegurar o conteúdo educacional e a qualidade dos programas de Youth Meeting; Definir critérios e organizar a seleção dos participantes dos programa, procurando enviar delegações para todas programas de todas as faixas etárias. Responsável pelo preenchimento e envio dos formulários pertinentes aos programas; Conduzir as avaliações após o programa, garantindo que as suas conclusões sejam utilizadas na melhoria de outros programas e enviá-las a Coordenação Nacional nos prazos definidos; Acompanhar a participação dos jovens e famílias desde a seleção até a avaliação final; Encorajar os jovens na continuidade na participação de outras atividades do CISV. Contar sempre com a colaboração do Comitê local de Mosaic e o Junior Branch; Reportar à Diretoria do seu Chapter, os compromissos assumidos com a Coordenação Nacional. Reportar à Coordenação Nacional e ao Comitê RM de seu chapter eventuais problemas ocorridos nos programas hospedados ou com as delegações enviadas, através do preenchimento de IRF (Incident Report Form) Y-4.5 Calendário Administrativo O Coordenador Nacional informará aos Coordenadores Locais as datas para devolução dos convites internacionais, levando em conta que são necessários ao menos 2 dias para que esta informação seja recebida pela Coordenação Nacional e enviada ao IO. Assim que o chapter confirme que não terá participantes para programas internacionais, deve informar ao Coordenador Nacional o mais rápido possível para que este convite seja oferecido aos demais chapters. No entanto, é imprortante que os chapters tentem preencher todos os convites recebidos. O envio das informações de viagem e outras ao país hospedeiro no prazo é de responsabilidade do Coordenador Local. Os Pre-Camps internacionais são recebidos pela Secretaria do CISV Brasil e enviados aos coordenadores locais pela Coordenação Nacional. Caso algum Pre-Camp não chegue no prazo, o chapter deve entrar em contato com a Coordenação Nacional. Outubro/2011 [28]

29 Ano 1 (ano anterior ao programa) Envio de NRF (National Report Form) e solicitação de hospedagem pelo 1 Abril IO aos paises Data final para retorno ao IO dos NRF e solicitação de hospedagem pelas 1 Junho NAs 2 Junho Data final para cancelamento sem multa de programa no ano seguinte Envio de informações preliminares ao Coordenador Internacional pelo 15 Junho país que vai hospedar Youth Meeting Host info no ano seguinte Envio da primeira versão da distribuição de convites para comentários 15 Julho do Coordenador Internacional ( draft football pool ) Coordenador Internacional retorna draft football pool e comentários 20 Julho para AIM 1 Setembro Round 1 de convites de programas enviado pelo IO Data final para alteração, sem multa, de datas de programas a serem 16 Setembro realizados em Mar/Abr do ano seguinte Lista final de participantes para todos os países que irão hospedar 15 Outubro programas para projeção de taxas a receber Data final para alteração, sem multa, de datas de programas a serem 16 Nov realzados no ano seguinte, exceto Youth Meeting de Mar/Abr Data final para envio do Pre-Camp 1 de todos os programas de Mar/Abr 1 Dezembro para IO e países participantes Data final para cancelamento sem multa de delegações participantes em 15 Dezembro todos os programas de Mar/Abr Round 2 de convites enviado pelo IO para Youth Meeting de Mar/Abr Ano 2 (ano do programa) Data final para enviar ao IO aceite ou recusa do Round 1 de convites 15 Janeiro Data final para aceite ou recusa do Round 2 de Youth Meeting de Mar/Abr 23 Janeiro Round 3 de convites enviado pelo IO para Youth Meeting de Mar/Abr Confirmação dos aceites do Round 3 enviado pelo IO 31 Janeiro Data final para aceite do Round 3 de Youth Meeting de Mar/Abr 1 Fevereiro Pre-Camp 2 dos Youth Meeting de Mar/Abr 15 Fevereiro Data Final para envio das informações de viagem de todos os programas Outubro/2011 [29]

30 de Mar/Abr aos paises hospedeiros 20 Fevereiro Round 2 de convites enviado pelo IO post MWM 28 / 29 Data final para cancelamento sem multa de delegações participantes em Fevereiro todos os programas de Jun/Ago Data final para envio do Pre-Camp 1 de todos os programas de Jun/Ago 1 Março para IO e países participantes 15 Março Confirmação dos aceites do Round 2 pelos países 23 Março Round 4 de convites enviado pelo IO Data final para envio ao IO dos aceite dos convites do Round 4 30 Abril Data final para IO receber relatórios dos programas de Mar/Abr Data Final para envio das informações de viagem de todos os programas 1 Maio de Jun/Ago aos paises hospedeiros Data final para cancelamento sem multa de delegações participantes em 31 Julho todos os programas de Dez/Jan Data final para envio do Pre-Camp 1 de todos os programas de Dez/Jan 1 Setembro para IO e países participantes 30 Confirmação de participantes dos programas de Dez/Jan enviado pelo IO Setembro Data final para envio do Pre-Camp 2 de todos os programas de Dez/Jan 1 Outubro para IO e países participantes Data Final para envio das informações de viagem de todos os programas 1 Novembro de Dez/Jan aos paises hospedeiros Ano 3 (ano após programa) Data Final para envio ao IO pelas NAs de relatórios,avaliações e listas de 31 Janeiro endereços dos programas de Dez/Jan Outubro/2011 [30]

31 N 4.5 Calendário de NYM O calendário dos Youth Meeting nacionais, conforme abaixo, foi implementado no ENYM É fundamental que os prazos sejam cumpridos para não prejudicar a realização dos programas. Os chapters hospedeiros são incentivados a antecipar ao máximo o PC1 para facilitar a realização dos convites pelos demais chapters. Lembramos, ainda, que a hospedagem de programas nacionais e internacionais é decidida anualmente no ENPT, em maio onde é feito o planejamento para os próximos 5 anos. O coordenador local deve informar-se com o Presidente de seu chapter sobre quando este irá hospedar um Youth Meeting e de que faixa etária para preparar-se com a maior antecedência possível. Outubro/2011 [31]

VILLAGE NACIONAL 1. SEDIANDO O PROGRAMA: É recomendado iniciar na segunda quinzena dos meses de Janeiro e Julho.

VILLAGE NACIONAL 1. SEDIANDO O PROGRAMA: É recomendado iniciar na segunda quinzena dos meses de Janeiro e Julho. VILLAGE NACIONAL É um acampamento nacional, com estrutura similar a um Village Internacional com duração de 15 dias, que poderá ocorrer anualmente, nos meses de Janeiro e Julho. Objetivos Dar oportunidade

Leia mais

Artigo 3º Princípio educacional do CISV

Artigo 3º Princípio educacional do CISV Regulamento interno para os Campos internacionais do CISV Portugal Preâmbulo As Aldeias Internacionais de Crianças em Portugal, adiante designada por CISV Portugal regese pelos estatutos e por um regulamento

Leia mais

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação CURRÍCULO DO PROGRAMA SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação Para muita gente, os sonhos são apenas sonhos. Não levam necessariamente a ações diretas para transformar tais sonhos em realidade. Esta

Leia mais

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 9001, a norma líder mundial em qualidade internacional, ajudou milhões de organizações a melhorar sua qualidade

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional

Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional Chairperson João Sousa Rego Date NOVEMBRO 2008 Membros da Comissão Membros Data de entrada na Comissão Telemóvel E-mail Data de Nascimento João Sousa Rego

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5a edição

Novidades do Guia PMBOK 5a edição Novidades do Guia PMBOK 5a edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, vai ser lançado oficialmente pelo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. Regulamenta o Programa de Concessão de Bolsas para a Participação dos Estudantes do Câmpus Restinga em Atividades Curriculares Externas. O Diretor Geral

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Inspirados pelo Autismo

Inspirados pelo Autismo INSPIRADOS PELO AUTISMO Inspirados pelo Autismo Folheto Informativo Recrutando Voluntários no Programa Son-Rise As seguintes informações foram retiradas de um resumo do manual do Start-Up, o curso de introdução

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar Regulamento do Ramo Pioneiro no Rio Grande do Sul TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Processo de seleção e preparação dos representantes brasileiros para a Interamerican Leadership Training.

Processo de seleção e preparação dos representantes brasileiros para a Interamerican Leadership Training. Processo de seleção e preparação dos representantes brasileiros para a Interamerican Leadership Training. Introdução Durante a XXV Conferência Interamericana Escoteira, realizada entre os dias 19 e 21

Leia mais

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VI Seminário,

Leia mais

Processo de seleção do representante brasileiro para o 6º Internacional Scout Gathering

Processo de seleção do representante brasileiro para o 6º Internacional Scout Gathering Processo de seleção do representante brasileiro para o 6º Internacional Scout Gathering Introdução Por ocasião da escolha dos Emirados de Sharjah como capital da cultura islâmica em 2014, e patrocínio

Leia mais

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte M A Museu Universitário de Arte Projeto Exposições 2010 Termos para inscrições de artistas, curadores e demais interessados em participar do calendário de exposições do ano de 2010/2011 do Museu Universitário

Leia mais

EDITAL. Processo seletivo para o Intercâmbio Internacional da Rede Sagrado colégios Sagrado Coração de Maria 2014 / 2015

EDITAL. Processo seletivo para o Intercâmbio Internacional da Rede Sagrado colégios Sagrado Coração de Maria 2014 / 2015 EDITAL Processo seletivo para o Intercâmbio Internacional da Rede Sagrado colégios Sagrado Coração de Maria 2014 / 2015 O Centro Administrativo e Educacional da Província (CAEP), órgão da Rede Sagrado

Leia mais

Versão preliminar Revisão da implementação do programa

Versão preliminar Revisão da implementação do programa Versão preliminar Revisão da implementação do programa 16 de setembro de 2015 Este relatório, apresentado na forma preliminar para comentário público, tem como objetivo fornecer uma visão geral de alto

Leia mais

EDITAL. Processo seletivo para o Intercâmbio Internacional da Rede Sagrado colégios Sagrado Coração de Maria 2015 / 2016

EDITAL. Processo seletivo para o Intercâmbio Internacional da Rede Sagrado colégios Sagrado Coração de Maria 2015 / 2016 EDITAL Processo seletivo para o Intercâmbio Internacional da Rede Sagrado colégios Sagrado Coração de Maria 2015 / 2016 O Centro Administrativo e Educacional da Província (CAEP), órgão da Rede Sagrado

Leia mais

Programa de Apoio a Projetos de Cooperação Internacional da UFMG Propostas de Consolidação e de Contrapartida Fundo para Internacionalização da UFMG

Programa de Apoio a Projetos de Cooperação Internacional da UFMG Propostas de Consolidação e de Contrapartida Fundo para Internacionalização da UFMG Programa de Apoio a Projetos de Cooperação Internacional da UFMG Propostas de Consolidação e de Contrapartida Fundo para Internacionalização da UFMG Edital de Seleção 006-2013 O Diretor de Relações Internacionais

Leia mais

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes ICC 110-13 Rev. 1 23 março 2015 Original: inglês P Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos Antecedentes O presente documento contém os termos de referência atualizados para os seguintes

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

EDITAL. Processo seletivo para o Intercâmbio Internacional da Rede Sagrado colégios Sagrado Coração de Maria 2014/2015

EDITAL. Processo seletivo para o Intercâmbio Internacional da Rede Sagrado colégios Sagrado Coração de Maria 2014/2015 EDITAL Processo seletivo para o Intercâmbio Internacional da Rede Sagrado colégios Sagrado Coração de Maria 2014/2015 O Centro Administrativo e Educacional da Província (CAEP), órgão da Rede Sagrado colégios

Leia mais

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Educação Especial Informe de Assistência Técnica SPED 2009-2: Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Para: Superintendentes, diretores,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS SNPTEE Documento Permanente SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E Abril de 2010 TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS 1.0 INTRODUÇÃO Este Manual de Operação das Sessões Técnicas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de

Leia mais

Formulário de Inscrição Ajuda de Custo de Viagem e/ou Estada. 1o Encontro Nacional de Intercambistas dos Programas do Governo dos Estados Unidos

Formulário de Inscrição Ajuda de Custo de Viagem e/ou Estada. 1o Encontro Nacional de Intercambistas dos Programas do Governo dos Estados Unidos Formulário de Inscrição Ajuda de Custo de Viagem e/ou Estada 1o Encontro Nacional de Intercambistas dos Programas do Governo dos Estados Unidos Liderança para o Desenvolvimento da Responsabilidade Social

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Edital N 10/2014 DRI/UFF

Edital N 10/2014 DRI/UFF Edital N 10/2014 DRI/UFF Dispõe sobre o programa de Mobilidade Internacional de alunos de graduação da Universidade Federal Fluminense para o segundo semestre de 2015 e primeiro de 2016. A Diretoria de

Leia mais

Coordena as reuniões da Assembléia Geral (Comissão e todos os formandos da turma); Coordena e supervisiona as atividades da Comissão de Formatura.

Coordena as reuniões da Assembléia Geral (Comissão e todos os formandos da turma); Coordena e supervisiona as atividades da Comissão de Formatura. A comissão O primeiro passo é formar uma Comissão, escolhida pela(s) turma(s). Essa Comissão deve ser composta por pessoas disponíveis, responsáveis e interessadas em acompanhar todas as etapas do processo.

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015 PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015 O programa Talentos da Educação é uma iniciativa da Fundação Lemann para apoiar pessoas talentosas e comprometidas com a melhoria da educação no Brasil. A proposta é

Leia mais

PRÊMIO TALENTO EM SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO 2015

PRÊMIO TALENTO EM SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO 2015 PRÊMIO TALENTO EM SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO 2015 1. O PRÊMIO O Prêmio Talento em Sustentabilidade foi criado para reconhecer o trabalho de empregados, estagiários e terceiros do Grupo Votorantim que

Leia mais

DIRETOR DE ASSOCIADOS DE CLUBES DISTRITO LC-8 SÃO PAULO - BRASIL

DIRETOR DE ASSOCIADOS DE CLUBES DISTRITO LC-8 SÃO PAULO - BRASIL DIRETOR DE ASSOCIADOS DE CLUBES DISTRITO LC-8 SÃO PAULO - BRASIL CONCEITOS IMPORTANTES (I) Elegibilidade à Afiliação Manual da Diretoria Internacional - obrigações dos clubes constituídos 1. Investigar

Leia mais

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM 4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM REGULAMENTO 1. Tipos de projetos beneficiados 2. Leis de incentivo à cultura 3. Categoria especial Acessibilidade 4. Cronograma do Edital 5. Valores de investimento 6. Inscrição

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

Contratação De Consultor Técnico - Elaboração de Subsídios para o Treinamento de Jovens para Participação em Espaços da ONU.

Contratação De Consultor Técnico - Elaboração de Subsídios para o Treinamento de Jovens para Participação em Espaços da ONU. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação De Consultor Técnico - Elaboração de Subsídios para o Treinamento de Jovens para Participação em Espaços da ONU. Data limite para o envio das candidaturas: 11 de Outubro

Leia mais

Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a)

Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a) Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a) Emitido pelo Comitê de Nomeação de Moderador(a) Março de 2014 Aprovado pela

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Diretrizes para a Implementação de Cooperação Follow-up (F/U)

Diretrizes para a Implementação de Cooperação Follow-up (F/U) Diretrizes para a Implementação de Cooperação Follow-up (F/U) Março de 2003 AGÊNCIA DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO JAPÃO (JICA) Sumário 1. Quais são os Objetivos da Cooperação Follow-up?... 3 2. Quais

Leia mais

Mapeando uma Estratégia de Advocacia

Mapeando uma Estratégia de Advocacia Mapeando uma Estratégia de Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

CAPÍTULO II COMITÊS DA DIRETORIA A. COMITÊ CONSULTIVO PARA ANALISAR OS CANDIDATOS AO CARGO DE VICE-PRESIDENTE

CAPÍTULO II COMITÊS DA DIRETORIA A. COMITÊ CONSULTIVO PARA ANALISAR OS CANDIDATOS AO CARGO DE VICE-PRESIDENTE CAPÍTULO II COMITÊS DA DIRETORIA A. COMITÊ CONSULTIVO PARA ANALISAR OS CANDIDATOS AO CARGO DE VICE-PRESIDENTE 1. Objetivo - O objetivo do comitê é avaliar potenciais candidatos à vice-presidente internacional

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

ISO 9001:2015 Avaliações de Transição Manual do Cliente

ISO 9001:2015 Avaliações de Transição Manual do Cliente ISO Revisio ISO Revisions Latest update New ISO 9001:2015 Avaliações de Transição Manual do Cliente ISO 9001:2015 - Transition Assessments ISO Revisions Introdução Como um cliente certificado do BSI, você

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

Aula Nº 13 Fechamento do projeto

Aula Nº 13 Fechamento do projeto Aula Nº 13 Fechamento do projeto Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam apresentar como se encerra o ciclo de vida de um projeto. Para tal, pretende-se verificar as derradeiras providências que

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

VISÃO 2020 Webinário para atualização e contribuição das partes interessadas 11 de maio de 2015 Vision 2020 Webinar for stakeholder update and input

VISÃO 2020 Webinário para atualização e contribuição das partes interessadas 11 de maio de 2015 Vision 2020 Webinar for stakeholder update and input VISÃO 2020 Webinário para atualização e contribuição das partes interessadas 11 de maio de 2015 Webinário da Visão 2020 de atualização e contribuição das partes interessadas Propósito deste webinário 1.

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Página 1 de 5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 4 REGISTROS E ANEXOS HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS ELABORAÇÃO APROVAÇÃO 24/06/2011 10/12/2011 Emissão

Leia mais

KELLY CHRISTINA DE CASTRO MACEDO AV.CAIO DE BRITO 204,APTO 202. TRÊS PONTAS MG - 37190-000

KELLY CHRISTINA DE CASTRO MACEDO AV.CAIO DE BRITO 204,APTO 202. TRÊS PONTAS MG - 37190-000 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE JOVENS- PIIJ D.4560 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DO PIIJ DE 21 DE NOVEMBRO DE 2015 GUIA DE ORIENTAÇÃO AOS CLUBES E CANDIDATOS CLASSIFICADOS 1 Data: 21 de novembro de 2015 2 Local:

Leia mais

Treinamento Online para o Segundo Vice-Governador de Distrito

Treinamento Online para o Segundo Vice-Governador de Distrito Treinamento Online para o Segundo Vice-Governador de Distrito Apostila Bem-Vindo ao Treinamento Online para o Segundo Vice-Governador de Distrito! Parabéns pela sua eleição ao cargo de segundo vice-governador

Leia mais

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS Descubra a importância da reputação online do seu hotel na rentabilidade. Perceba qual a melhor maneira de tirar partido das ferramentas digitais. O PORQUÊ DE LER ESTE EBOOK!

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

JB BRASIL 04: ENCONTROS DO JB BRASIL E PROCEDIMENTOS DE HOSPEDAGEM. - Proporcionar um espaço para troca de experiências entre os JBs

JB BRASIL 04: ENCONTROS DO JB BRASIL E PROCEDIMENTOS DE HOSPEDAGEM. - Proporcionar um espaço para troca de experiências entre os JBs JB Brasil 04 v. 2014.1 Encontros do JB Brasil e Procedimentos de Hospedagem JB BRASIL 04: ENCONTROS DO JB BRASIL E PROCEDIMENTOS DE HOSPEDAGEM SEÇÃO 1: ENCONTROS DO JB BRASIL O JB Brasil reúne-se anualmente

Leia mais

Dispõe sobre a autorização de atletas para participar de atividades no exterior

Dispõe sobre a autorização de atletas para participar de atividades no exterior Dispõe sobre a autorização de atletas para participar de atividades no exterior Os atletas interessados em participar de qualquer atividade no exterior, relacionada ao Tênis de Mesa, deverão: Inscrições

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

Atividade. O que é Pesquisa sobre Saúde? Pesquisa é um método de adquirir novos conhecimentos

Atividade. O que é Pesquisa sobre Saúde? Pesquisa é um método de adquirir novos conhecimentos Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários 1 Atividade Introdução A população deve estar agradecida pela pesquisa chegar nas suas comunidades. Você: Concorda totalmente

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

Contratação De Consultor Técnico - Elaboração de Subsídios para Participação de Jovens no 9º Fórum de Juventude da UNESCO.

Contratação De Consultor Técnico - Elaboração de Subsídios para Participação de Jovens no 9º Fórum de Juventude da UNESCO. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação De Consultor Técnico - Elaboração de Subsídios para Participação de Jovens no 9º Fórum de Juventude da UNESCO. Data limite para o envio das candidaturas: 11 de Outubro de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Guia do Al-Anon C-12 PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Este Guia define as funções e responsabilidades da Junta de Curadores dos Grupos Familiares Al-Anon do Brasil, bem

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM LÍNGUA INGLESA NOS EUA EM FEVEREIRO DE 2015

CHAMADA PÚBLICA PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM LÍNGUA INGLESA NOS EUA EM FEVEREIRO DE 2015 CHAMADA PÚBLICA PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM LÍNGUA INGLESA NOS EUA EM FEVEREIRO DE 2015 A Reitora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE JOVENS DISTRITO 4600

ASSOCIAÇÃO DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE JOVENS DISTRITO 4600 ASSOCIAÇÃO DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE JOVENS DISTRITO 4600 ROTARY INTERNATIONAL MANUAL PARA AS FAMÍLIAS ANFITRIÃS MANUAL PARA AS FAMÍLIAS ANFITRIÃS Servir de anfitrião a um participante do Intercâmbio

Leia mais

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VII Seminário, que acontecerá nos

Leia mais

Agenda. Introdução. Escala de Likert. Pesquisa de clima. Monitoramento do clima

Agenda. Introdução. Escala de Likert. Pesquisa de clima. Monitoramento do clima Pesquisa de Clima Agenda Introdução Escala de Likert Pesquisa de clima Monitoramento do clima Introdução Cultura organizacional: Toda organização tem sua cultura, que é formada pelos seus valores, costumes

Leia mais

Intercâmbio Internacional de Equipe de Serviço 2016

Intercâmbio Internacional de Equipe de Serviço 2016 Intercâmbio Internacional de Equipe de Serviço 2016 Informações gerais e regras para participação 1. Objetivos da atividade O programa de Intercâmbio Internacional para Equipe de Serviço dos Campos Escoteiros

Leia mais

TRANSFORMANDO EM REALIDADE Guia para o Desenvolvimento de Projetos de Lions Clube

TRANSFORMANDO EM REALIDADE Guia para o Desenvolvimento de Projetos de Lions Clube TRANSFORMANDO EM REALIDADE Guia para o Desenvolvimento de Projetos de Lions Clube TRANSFORMANDO EM REALIDADE! Os Lions clubes que organizam projetos de serviços comunitários significativos causam um impacto

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line Sistema on-line O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de

Leia mais

Edital N 12/2015 SRI/UFF

Edital N 12/2015 SRI/UFF Edital N 12/2015 SRI/UFF Dispõe sobre o programa de Mobilidade Internacional de alunos de graduação da Universidade Federal Fluminense para o segundo semestre de 2016 e primeiro de 2017. A Superintendência

Leia mais

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006.

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006. PC 37/06 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 5 junho 2006 Original: inglês P Decisões e Resoluções

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Contratação De Consultor/a Técnico/a - Elaboração de Subsídios para Participação de Jovens nas Conferências das Nações Unidas sobre as Mulheres.

Contratação De Consultor/a Técnico/a - Elaboração de Subsídios para Participação de Jovens nas Conferências das Nações Unidas sobre as Mulheres. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação De Consultor/a Técnico/a - Elaboração de Subsídios para Participação de Jovens nas Conferências das Nações Unidas sobre as Mulheres. Data limite para o envio das candidaturas:

Leia mais

Convocatória para programa de residências 2015 DISPOSITIVO MÓVEL PARA AÇÕES COMPARTILHADAS

Convocatória para programa de residências 2015 DISPOSITIVO MÓVEL PARA AÇÕES COMPARTILHADAS DISPOSITIVO MÓVEL PARA AÇÕES COMPARTILHADAS Convocatória para programa de residências 2015 Inscrições online em www.jaca.center até às 23:00* do dia 30 de janeiro de 2015 *Horário de Brasília (-2 GMT devido

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais