A IMPLEMENTAÇÃO DE WEB SERVERS ROBUSTOS E ESCALÁVEIS USANDO O EDDIE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPLEMENTAÇÃO DE WEB SERVERS ROBUSTOS E ESCALÁVEIS USANDO O EDDIE"

Transcrição

1 Instituto Superior de Engenharia do Porto A IMPLEMENTAÇÃO DE WEB SERVERS ROBUSTOS E ESCALÁVEIS USANDO O EDDIE José Mendonça i Projecto orientado por: Engº Paulo Ferreira Setembro 2000

2 Índice Índice 1. Introdução Conceitos e Terminologia Aplicações distribuídas Clusters Erlang O que é o Eddie Componentes Características Balanceamento de carga Escalabilidade Optimização do desempenho Qualidade de serviço Fiabilidade Plataformas suportadas Instalação Pré-requisitos Criação do utilizador do Eddie Instalação da Package RPM Configuração Configuração do Eddie Enhanced DNS Configuração Geral do Eddie Configuração do HTTP Gateway e do Cluster: cenários de configuração Um Servidor DNS com balanceamento de carga Utilização simples de Front Ends e Back Ends Um gateway/apache cluster básico Sobreposição de Clusters Apache Clusters Gateway/Apache sobrepostos Inicialização e Controlo Comandos do Eddie O comando lbdns O comando eddie Preparação e Inicialização do Eddie Controlo do Eddie Alternativas ao Eddie Aplicações comerciais Aplicações não comerciais Conclusões Bibliografia

3 Introdução 1. Introdução A utilização da Internet está a aumentar a uma taxa enorme e a Web disponibiliza um número crescente de serviços comerciais. Estes serviços variam desde simples procura de informação até serviços de correio electrónico. No entanto, a fiabilidade dos serviços prestados actualmente é tipicamente menor do que o requerido por aplicações críticas. Neste momento é muito importante melhorar o desempenho da Web de forma a torná-la tão fiável como, por exemplo, os telefones, proporcionando um meio adequado aplicações críticas de grande volume. As redes de telecomunicações possuem um conjunto de objectivos bem definidos durante periodos de congestionamento e falha parcial do sistema: manutenção de uma boa performance, mesmo durante periodos de extremo congestiomento; assegurar ao utilizador atrasos toleráveis, não muito maiores que em condições normais; assegurar que não existirá nenhuma avaria durante o congestionamento; assegurar a integridade e a capacidade de resposta do sistema; providenciar uma degradação da qualidade do serviço se esta for inevitável; Infelizmente, a Web ainda não possui a maturidade suficiente que permita atingir estes objectivos. Na verdade, na Web e particularmente em servidores Web, não é muito clara a existência de objectivos que sejam aceites com clareza pela generalidade dos agentes. Enquanto a utilização de servidores Web cresce a uma taxa enorme, a sua fiabilidade não possui a mesma taxa de crescimento. Durante periodos de grande carga, os servidores Web tendem a aceitar pedidos de novos utilizadores, degradando a qualidade de serviço prestada aos utilizadores que já estavam no sistema. Existem vários exemplos de sobrecargas que resultaram em rupturas graves no serviços e perdas financeiras. Um grande número de empresas, como a Cisco, IBM e outras, estão a trabalhar no sentido de melhorar a capacidade dos servidores Web principalmente em ambientes distribuidos. As soluções propostas por estas empresas variam desde software até hardware. No entanto, estas soluções possuem várias deficiências: Incapacidade de ajustar no servidor a utilização de recursos, resultando ou na admissão de muitos utilizadores devido a uma configuração demasiado permissiva, ou então no controle exagerado da admissão limitando artificialmente a capacidade do servidor. Ignorar os utilizadores depois de estes terem ganho acesso ao serviço, podendo resultar, em periodos de maior carga, na perda da qualidade de serviço prestado a esses utilizadores em deterimento de utilizadores que tenham ganho acesso ao serviço mais recentemente. As soluções baseadas em hardware requerem equipamento especial, resultando em problemas de escalabilidade e limitam a sua capacidade para suportar servidores Web distribuidos geograficamente. Necessidade de utilização de sistemas operativos específicos, limitando a flexibilidade da solução relativamente ao número de aplicações que podem ser suportadas pelo sistema, obrigando o proprietário a seguir um caminho de desenvolvimento particular. Devido a estes factos, existe uma grande necessidade de desenvolver sistemas robustos e escaláveis que permitam colmatar as falhas dos sistemas actuais. 2

4 Conceitos e Terminologia 2. Conceitos e Terminologia 2.1 Aplicações distribuídas As aplicações distribuídas, baseiam-se em processos e comunicação entre processos. Estes podem correr numa mesma máquina (host) ou em máquinas diferentes. Cada processo pode ter funcionalidades espeçíficas que poderão ser utilizadas por um outro processo para efectuar um determinado processamento. Através da comunicação entre processos, é possível criar uma comunidade informática virtual, em que os participantes cooperam entre si para atingir um determinado resultado. A utilização de aplicações distribuídas tem grandes vantagens ao nível da tolerância a falhas, uma vez que podem existir processos que supervisionam outros processos, verificando se existe alguma falha. Se, eventualmente, um processo morrer, o processo supervisor detecta o evento e lança automáticamente um novo processo na mesma máquina ou, se necessário, numa máquina diferente. 2.2 Clusters Basicamente, um cluster pode ser entendido por um conjunto de máquinas servidoras que disponibilizam os mesmos serviços, estando este conjunto aliado a uma máquina (ou mais) que efectua o escalonamento dos pedidos dos clientes pelas máquinas servidores disponíveis. Ao servidor encarregue do escalonamento dos pedidos dos clientes dá-se o nome de Front End Server. Áos servidores que disponibilizam os serviços, encarregues de responder aos pedidos dos clientes, dá-se o nome de Back End Servers. As expressões Front End Server e Back End Server serão utilizadas frequentemente ao longo deste documento, pelo que serão abreviadas para, respectivamente, FES e BES. A utilização de clusters permite que, quando uma determinada máquina do cluster avaria, os pedidos dos clientes deixem de ser redireccionados para essa máquina, mantendo-se o servidor virtual a funcionar desde que, teoricamente, exista pelo menos um Front End Server e um Back End Server operacional. Quando a máquina avariada volta a funcionar, esse acontecimento é detectado pelo(s) Front End Server(s) e os pedidos voltam a ser direccionados também para aquela máquina. Os clusters permitem uma grande tolerância a falhas através desta utilização de réplicas de serviços e informação. Os clusters são normalmente completados com procedimentos de balanceamento de carga entre os Back End Servers e/ou outros procedimentos de optimização. 2.3 Erlang O Erlang é uma linguagem de programação desenvolvida pela Ericsson. Um dos pontos fortes do Erlang é a facilidade de desenvolvimento e implementação de aplicações distribuídas. A filosofia adoptada pelo Erlang permite rapidamente a um programador, aprender e desenvolver aplicações baseadas em processos distribuídos, que comunicam entre si através de mensagens. Existem vários sistemas desenvolvidos em Erlang, principalmente sistemas de telecomunicações. O Erlang é uma linguagem OpenSource, regida pela MPL, o equivalente Sueco da GPL. Para mais informações visitar (fundamental para qualquer programador). 3

5 O que é o Eddie 3. O que é o Eddie O Eddie é uma solução 100% software, Open Source, que foi escrito quase na sua totalidade na linguagem de programação Erlang. O projecto Eddie pretende dar uma resposta ás dificuldades sentidas pelos fornecedores de serviços na Internet, no que respeita a disponibilidade, escalabilidade e qualidade do serviço. Para tal, o Eddie possui um conjunto de componentes que, quando combinados possibilitam a construção de Web Sites extremamente robustos e fácilmente escaláveis. Cada componente pode ser utilizado separadamente, mas a cooperação entre componentes, possibilita implementar uma série de características que serão descritas ao longo deste documento. 3.1 Componentes O Eddie é constituido basicamente por 2 componentes: Um servidor DNS com balanceamento de carga; Um gateway HTTP com migração de endereços IP; A tabela seguinte resume as características principais de cada um dos componentes do Eddie. Componente Enhanced DNS Server Características principais - Balanceamento de carga numa WAN; - Retorna, a partir da informação sobre a carga dos servidores, o servidor Web com menor carga; - Implementa um servidor DNS compatível com BIND4. Intelligent HTTP Gateway - Balanceamento de carga numa LAN; - Recebe pedidos, descodifica-os e separa as diferentes partes do pedido; - Suporta uma sobreposição de grupos de servidores dedicados a tarefas diferentes; - Comunica com os servidores Web (Apache, Netscape e Microsoft, etc.) utilizando o protocolo HTTP; - Efectua controlo de admissão com o intuíto de garantir aos utilizadores qualidade de serviço. - Muda o endereço IP de um host avariado para um outro host disponível em uma LAN; - Quando um host reaparece após uma avaria, recebe automaticamente de volta o seu endereço IP e reinicia a sua actividade. 4

6 O que é o Eddie A figura seguinte exemplifica a utilização de servidores Enhanced DNS e Intelligent HTTP Gateway em dois sites distintos. Internet Site 1 Intelligent HTTP Gateway Front End Servers Back End Servers Back End Servers Eddie Enhanced DNS Site 2 Intelligent HTTP Gateway Front End Servers Back End Servers Back End Servers Figura 1: Servidor Web distribuído através da utilização de Enhanced DNS e Intelligent HTTP Gateway Eddie Enhanced DNS Todos os componentes do Eddie foram desenvolvidos na linguagem de programação Erlang/OTP, aproveitando as facilidades disponibilizadas por este suporte de desenvolvimento relativamente ao desenvolvimento e implementação de aplicações/processos distribuídos. Uma aplicação distribuída e cooperativa que corre num determinado servidor, é monitorizada por um supervisor local que coopera com supervisores existentes em outros hosts. Se o host que corre a aplicação avaria, os outros supervisores detectam esse acontecimento e decidem entre eles qual é o host mais apropriado para correr a aplicação que deixou de estar disponível. Como de seguida veremos, todo este processo é inteiramente configurável. O conceito de aplicação distribuida, possibilita a uma aplicação sobreviver enquanto pelo menos um host esteja a funcionar normalmente. Mesmo se o último host disponível avariar, a aplicação pode reaparecer quando o primeiro host voltar a estar operacional. Esta recuperação rápida é possível através da utilização de uma base de dados de tempo real, distribuida e replicada. 5

7 O que é o Eddie 3.2 Características Balanceamento de carga Através do balanceamento de carga num determinado site, o Eddie permite maximizar a sua performance. Esta funcionalidade é possível através dos Front End Servers que procedem á recolha e tratamento de informação detalhada enviada por todos os Back End Servers. Esta informação permitirá aos Front End Servers distribuir os pedidos por todos os Back End Servers. A informação é recolhida e analisada periodicamente, permitindo implementar um balanceamento dinâmico. Este balanceamento de carga é efectuado de forma a manter cada um dos BES a funcionar a uma fracção (pré-definida) da sua capacidade total. Não recorrendo a um balanceamento estático, como o Round Robin, é possível maximizar os recursos de todos os BES, assegurando que em periodos grande carga não existirão servidores subutilizados. Informação sobre a carga dos Backends Internet Front End Servers Back End Servers Eddie Enhanced DNS Front End Servers Back End Servers Eddie Enhanced DNS Informação sobre a carga dos Backends Figura 2: Em cada site, os Front End Servers utilizam a informação sobre a carga para balancear o tráfego que entra através de cada um dos Back End Servers 6

8 O que é o Eddie Escalabilidade Quando existe a necessidade de aumentar a capacidade de um site poderão ser adicionados novos FES e/ou novos BES. Depois de efectuada a reconfiguração do Eddie, a capacidade do novo servidor fica imediatamente disponível. Esta capacidade ficará disponível não só para esse site mas sim para todo o servidor distribuído através da utilização do Enhanced DNS Server. Internet Front End Servers Back End Server adicional Back End Servers previamente existentes Eddie Enhanced DNS Front End Servers Back End Servers adicionais Back End Servers previamente existentes Eddie Enhanced DNS Figura 3: Escalabilidade através da adição de novos computadores ao cluster Optimização do desempenho É muito frequente a utilização de servidores Web específicos para determinadas funções. Essas funções dos servidores Web incluem: Repositório de imagens; Aplicações de bases de dados; Máquinas CGI. O Eddie permite especificar as funções que cada um dos servidores Web desempenha. Através da descodificação e análise dos pedidos HTTP, é possível escalonar os pedidos para os servidores Web apropriados. O ajustamento do desempenho de servidores específicos para efectuar essas funções pode ajudar a maximizar a capacidade total de um servidor web distribuído. 7

9 O que é o Eddie A alocação das diferentes funcionalidades de cada um dos Back End Servers é especificada nos ficheiros de configuração do Eddie. Internet Pedidos de sessões HTTP Download de imagens Transacções CGI Front End Servers Back End Server: repositório de imagens Back End Servers: Máquinas CGI Eddie Enhanced DNS Figura 4: Os Front End Servers segmentam os pedidos e procedem ao seu redireccionamento para os Back End Servers optimizados Qualidade de serviço A qualidade de serviço é proporcionada pelo Eddie através de uma função de controle de admissão. A filosofia adoptada é a seguinte: Se um utilizador recebe a primeira página requisitada, deverá então receber cada página que requisitarem com rapidez, até ter terminado. Se o servidor não conseguir garantir um tempo rápido de resposta, o utilizador deverá ser ou colocado numa fila de espera até que estejam disponíveis recursos suficientes, sendo avisado que será admitido o mais rápidamente possível, ou rejeitado e avisado para voltar mais tarde. As rotinas de monitorização da utilização de cada Front End Server e Back End Server utilizam vários tipos de informação incluindo a informação sobre a carga do CPU, utilização da memória, atrasos no acesso ao disco e filas de espera. O administrador do servidor web efectua a configuração dos limites da utilização de recursos críticos, que serão usados pela função de controle de admissão de forma a decidir se um determinado servidor está ou não sobrecarregado. A informação sobre a carga dos Back End Servers é utilizada pelos Front Ends para estimar a taxa a que novos utilizadores poderão ser enviados para os Back Ends e receberem uma resposta rápida. Quando um Front End recebe um pedido de um utilizador, verifica se foi dada uma autorização recente para o acesso ao site. Se for esse o caso, então o pedido é enviado directamente ao Back End Server que prestou o serviço anterior a este utilizador. Desta forma, qualquer informação de estado sobre o utilizador poderá ser mantida com fiabilidade. Se o utilizador não tiver acedido ao site recentemente, o Front End Server decide se existem recursos suficientes nos Back Ends para autorizar, ou não, o acesso do utilizador. 8

10 O que é o Eddie Se existirem recursos suficientes, o pedido é reencaminhado para um Back End Server e o Front End Server cria um registo na tabela com a hora do pedido do utilizador. Todos os dados entre o utilizador e o Back End Server passam pelo Front End Server que actualiza informação sobre o utilizador. Este procedimento é usado para criar uma sessão para o utilizador. Se o utilizador termina a interacção com o servidor durante um periodo configurável de tempo, 10 minutos por exemplo, a sessão é terminada e os eventuais pedidos subsequentes por parte do utilizador estarão sujeitos ao controle de admissão. Se os recursos forem insuficientes para servir de imediato o cliente, o pedido é colocado em fila de espera e uma página web é enviada informando que o utilizador será admitido brevemente. Esta página é actualizada automaticamente, informando o cliente do estado do seu pedido. Como benefício, desencoraja os utilizadores de clicarem continuamente no mesmo URL, desperdiçando os recursos do servidor. Internet Pedidos de sessões HTTP Pedidos de Sessões HTTP Rejeitados Pedidos de Sessões HTTP Servidos Pedidos de Sessões HTTP Aceites Front End Servers Back End Servers Eddie Enhanced DNS Figura 5: O controle de admissão do Eddie assegura os tempos de resposta em periodos de sobrecarga do servidor É ainda possível discriminar os utilizadores, através da sua classificação em grupos e indicando prioridade de acesso de cada grupo. Esta característica permite a uma empresa, por exemplo, dar prioridade de acesso aos seus clientes Fiabilidade A fiabilidade do sistema é assegurada pela detecção automática de falhas no servidor e uma combinação de roteamento do tráfego e migração de endereços IP. A monitorização efectuada pelos Front End Servers aos Back End Servers permite a detecção de falhas nestes. Se um Back End falha, esta é detectada e os Front End Serves redireccionam imediatamente os pedidos do utilizador para outros Back End Servers que corram a mesma aplicação. 9

11 O que é o Eddie Uma falha num Front End Server é também detectada automáticamente. A capacidade dos Front End Servers de migração de endereços IP assegura que um Front End Server existente no site assuma o endereço IP da unidade avariada. Quando esta é recolocada em funcionamento, o seu endereço IP original é automaticamente migrado. Uma falha na ligação do site á Internet é detectada por cada Enhanced DNS Server que procedem á eliminação dos Front Ends do site afectado da lista de servidores disponíveis. Internet Front End Servers Back End Servers Eddie Enhanced DNS Front End Servers Back End Servers Eddie Enhanced DNS Figura 6: Resposta do Eddie a vários tipos de falhas 3.3 Plataformas Suportadas O Eddie está disponível para as seguintes plataformas: Red Hat Linux 5.2 ou superior; FreeBSD ou superior; Solaris ou superior. É possível compilar o Eddie para correr no Windows NT. No entanto, existe pouca informação sobre os procedimentos de compilação e apenas é recomendada a utilização do Eddie no Windows NT como um nó Backend. 10

12 Instalação 4. Instalação Todos os procedimentos de instalação e configuração apresentados neste documento foram testados no sistema Red Hat Linux 6.1, não se garantindo que os procedimentos, ficheiros e directórios de instalação sejam iguais em outras plataformas que o Eddie suporta. Foi utilizada uma versão do Eddie 1.4.1, compilada e distribuída num ficheiro do tipo RPM, que pode ser obtido Existe, no entanto, a possibilidade de efectuar o download de uma versão não compilada do Eddie. Neste documento não serão dadas explicações sobre a instalação do Eddie a partir de uma versão não compilada. Para mais informações consultar 4.1 Pré-Requisitos Para instalar o Eddie é necessário que estejam previamente instaladas as seguintes aplicações em cada um dos computadores que irá correr o Eddie: Erlang/OTP Esta aplicação pode ser obtido em Secure Shell (SSH1), convenientemente configurado de forma a permitir o acesso remoto do utilizador que irá correr o Eddie a todos os computadores que participam no cluster. Esta aplicação pode ser obtida em A instalação do Secure Shell (ssh) é opcional, uma vez que o Eddie pode utilizar o Remote Shell (rsh) para aceder a computadores remotos. Neste caso, a inexistência do ssh implica a utilização do rsh. No entanto, uma vez que o Secure Shell permite comunicações seguras,através de encriptação de dados, é recomendada a sua utilização para um maior nível de segurança. 4.2 Criação do utilizador do Eddie Para correr o Eddie é necessária a existência de um utilizador que possua os privilégios necessários para correr o Eddie. Por defeito este utilizador tem o username eddie, mas pode ser alterado para outro qualquer nos ficheiros de configuração (como adiante se verá). Assim, se o username do utilizador for eddie, teremos de criar no sistema um utilizador com o username eddie que pertença ao grupo daemon. Este grupo tem os privilégios suficientes para correr o Eddie. 4.3 Instalação da Package RPM Após ter sido obtido o ficheiro de instalação do Eddie (eddie i686.rpm ) e efectuados os procedimentos descritos anteriormente, podemos instalar o Eddie com o comando seguinte: rpm i eddie i686.rpm Este comando instala os ficheiros nos directórios seguintes: /etc/eddie ficheiros de configuração do Eddie; /usr/local/sbin - comandos do Eddie; /usr/local/lib/eddie livrarias e módulos de callback do Eddie 11

13 Configuração: 5. Configuração: Exemplos Após a instalação, os ficheiros de configuração do Eddie estão em /etc/eddie/. O Enhanced DNS Server é compatível com o named-4.x.y (BIND). Neste documento pressupõe-se algum conhecimento sobre a configuração e utilização do named, uma vez que no próximo capítulo apenas estará disponivel a listagem do ficheiro necessário á configuração do balanceamento de carga para os exemplos que serão apresentados. Para informações sobre configuração e utilização do BIND4 consultar A tabela seguinte resume os ficheiros de configuração do utilizados pelo Enhanced DNS Server (com excepção dos ficheiros do BIND). Ficheiro /etc/eddie/lb_dns.boot Descrição Ficheiro que pode ser utilizado opcionalmente pelo DNS para configurar o balanceamento da carga em um ou mais sites. Para a configuração do Intelligent HTTP Gateway existem 3 ficheiros que configuram diferentes funcionalidades do Eddie. A tabela seguinte resume os ficheiros utilizados. Ficheiro /etc/eddie/eddie.conf /etc/eddie/eddie.gate Descrição Ficheiro de configuração geral, utilizado para controlar um determinado número de parâmetros do Eddie, nomeadamente: Cookie que será utilizado para a comunicação entre processos; Localização da base de dados distribuida que contém a informação de estado do site; Directório dos módulos de callback; Localização dos ficheiros de configuração do cluster (.gate e.mig); Utilizado para configurar o Intelligent HTTP Gateway no que concerne a: Portas para comunicação com os BES; Definição das funções que cada BES suporta; Controle de admissão. /etc/eddie/eddie.mig Utilizado para configurar o Intelligent HTTP Gateway no que concerne a: Quais os servidores Enhanced DNS existentes; Qual a configuração do cluster, incluindo a referência a todos nós (FES e BES) existentes no sistema e a sua organização. 12

14 Neste capítulo serão apresentados vários cenários que irão demonstrar algumas configurações possíveis do Eddie. Para tal iremos considerar uma rede local com 6 hosts: saturno ( ) plutao ( ) marte ( ) jupiter ( ) mercurio ( ) venus ( ) O servidor Enhanced DNS corre no host plutao com o seguinte mapeamento dos domínios: ( {1-6}) www-100.orbita.pt ( { }) www-200.orbita.pt ( { }) O esquema seguinte representa a configuração da LAN. saturno marte jupiter mercurio venus plutao router Figura 7: Exemplo de uma Rede local com 6 hosts 5.1 Configuração do Eddie Enhanced DNS A configuração que será utilizada pelo Enhanced DNS server é realizada através dos seguintes ficheiros: lb_dns.boot named.boot orbita.pt in-addr.arpa in-addr.arpa cache O primeiro ficheiro, lb_dns.boot, configura o balanceamento de carga para ser efectuado pelo servidor DNS. Os restantes são ficheiros BIND4 standart. Uma vez que a configuração de um servidor DNS é algo complexa e foge ao objectivo deste documento não serão apresentados os conteúdos dos ficheiros BIND4, recomendando-se a leitura do documento HOWTO respectivo. Seguidamente descreve-se o conteúdo do ficheiro lb_dns.boot, sabendo que o nosso servidor DNS ficará colocado no computador plutao e será responsável pela resolução de nomes do domínio e www-*.orbita.pt. 13

15 /etc/lb_dns.boot: 1: Port : Esta directiva especifica a porta UDP que o servidor DNS utiliza para escutar os relatórios enviados periodicamente pelos FES sobre a sua carga (por defeito é 4567). 3: TTL 122 4: A directiva TTL especifica um time-to-live para os dominíos com balanceamento da carga. Por defeito o valor é de 120 segundos. Se este valor for demasiado alto, o balanceamento da carga não irá reflectir, num curto prazo de tempo, as mudanças que poderão ocorrer no sistema, tornando pouco eficiente o balanceamento da carga. 5: Netmask /24 6: A directiva Netmask é utilizada para restringir os endereços IP autorizados a enviar informação sobre a sua carga para o servidor. No caso contrário, qualquer servidor poderia enviar informação sobre a sua carga, tendo como efeito potencial a sobrecarga do sistema. Para especificar vários endereços IP autorizados, podem ser dadas várias directivas Netmask ou então várias netmasks por directiva. Se não for dada nenhuma directiva Netmask, não existirão endereços IP autorizados a enviar informação. 7: Domain 8: Domain www-*.orbita.pt # Fim do ficheiro Esta directiva especifica o(s) dominio(s) para efectuar o balanceamento de carga. Para especificar vários dominios, utilizar várias directivas e/ou especificar vários dominios através do wildcard *. Se não forem especificados dominios, então nenhum será balanceado. A configuração do DNS está feita e o servidor pode ser utilizado através do comando lbdns: $ lbdns -b /etc/named/named.boot -l /etc/eddie/lb_dns.boot Se os FES estiverem configurados para utilizar o balanceamento de carga providenciado pelo servidor DNS, os pedidos serão balanceados segundo a informação sobre a carga dos FES. No caso contrário será utilizada o round-robin. 5.2 Configuração Geral do Eddie O ficheiro eddie.conf permite configurar vários parâmetros gerais que serão utilizados pelo Eddie. De seguida descreve-se o conteúdo do ficheiro eddie.conf. /etc/eddie.conf: 1: Cookie=myCookie 2: 14

16 A directiva Cookie, especifica o cookie que será utilizado para a comunicação entre os processos do cluster. Para cada cluster que corra na(s) mesma(s) máquina(s), o valor do cookie deverá ser único. 3: MnesiaDirectory=/var/tmp 4: A directiva MnesiaDirectory especifica a localização da base de dados do Eddie. Mnesia é um sistema de bases de dados distribuídas do Erlang. 5: RuntimeUser=eddie 6: Aqui especificamos o utilizador que irá correr o Eddie. Conforme foi referido no capítulo anterior, este utilizador deverá ser criado no sistema, e deverá pertencer ao grupo daemon. 7: DNSonly=false 8: DNSonly especifica se o Eddie deverá correr apenas no modo DNS, ou seja, se apenas enviará a informação sobre a carga do sistema para o(s) servidor(es) DNS (false) ou se terá também funções de admissão, balanceamento entre BES e/ou HTTP gateway (true). 9: ClusterConfig=/etc/eddie/eddie.mig 10: 11: GatewayConfig=/etc/eddie/eddie.gate # Fim do ficheiro ClusterConfig e GatewayConfig indicam, respectivamente, a localização dos ficheiros de configuração do cluster e do HTTP Gateway. O conteúdo destes ficheiros será descrito no próximo tópico deste documento. 5.3 Configuração do HTTP Gateway e do Cluster: cenários de configuração Para melhor explicar todas as funcionalidades do Eddie, será apresentados 5 cenários de configuração diferentes, que pressupõem que o servidor DNS esteja configurado da forma apresentada em 5.2, e o ficheiro de configuração geral da forma apresentada em 5.2. O ficheiro de configuração com a extensão.mig serve para a definição, localização e organização dos nós do cluster, assim como para a definição de migração de endereços IP. O ficheiro de configuração com a extensão.gate configura os parâmetros de controlo de admissão e do HTTP Gateway. 15

17 5.3.1 Um servidor DNS com balanceamento de carga Neste cenário iremos utilizar um servidor DNS dedicado ao balanceamento de carga entre 3 servidores web a correr o Apache: saturno, marte e jupiter. saturno marte jupiter mercurio venus plutao Front End Server (Apache) Enhanced DNS Server router Figura 8: Um servidor DNS com balanceamento de carga Em cada host que será objecto do balanceamento de carga, deverá estar a correr um nó do Eddie. Estes nós estarão encarregados de recolher a informação do estado do servidor onde correm e enviar essa essa informação para o servidor DNS. Neste caso não iremos utilizar as funcionalidades de migração de endereços IP nem do direccionamento de pedidos para servidores que disponibilizem serviços específicos. O ficheiro responsável pela migração de endereços IP (.mig) apenas especificará os nós que deverão recolher a informação do estado do servidor e quais os valores limites para esses valores. etc/eddie/dns_only.conf: 1: DNSServer plutao.orbita.pt : A directiva DNSServer especifica os servidores DNS aos quais os nós deverão enviar a informação de estado do servidor. Neste caso o servidor é o plutao.orbita.pt e a porta é a Esta porta tem de ser a mesma que foi especificada na configuração do servidor DNS (defeito é 4567). Através de várias directivas DNSServer, poderão ser especificados vários servidores DNS que deverão receber a informação dos nós. 3: <Node 4: LoadThreshold : </Node> 6: 7: <Node 8: LoadThreshold : </Node> 10: 11: <Node 12: LoadThreshold : </Node> 14: 16

Programação para Internet I. 2. O protocolo HTTP. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet I. 2. O protocolo HTTP. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet I 2. O protocolo HTTP Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Protocolos Conjunto de regras que define o modo como aplicações informáticas comunicam entre si. Permite

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL OUTLINE DHCP PROTOCOLO RELAY AGENT EXEMPLO LINUX EXEMPLO IOS DHCP Dynamic Host Configuration Protocol, ou DHCP, é um dos protocolos de suporte

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10 Treinamentos pfsense Página 1 de 10 Definições, Acrônimos e Abreviações Abreviação / Sigla WAN LAN UTM pfsense BGP Descrição Wide Area Network - Rede de longa distância (interface de rede para links de

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux Update 5 Guia da Instalação Índice 1 Antes da instalação...3 1.1 Componentes do Acronis Backup & Recovery 10... 3 1.1.1 Agente para Linux... 3 1.1.2 Consola

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1

02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 Taxinomia? Taxinomia = classificação científica; nomenclatura das classificações; O que é necessário para a criação de uma CDN? Como fazer a distribuição e

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VIII Serviços de Redes Duração: 20 tempos Conteúdos (1) 2 Caraterizar, instalar

Leia mais

4 Serviços de Aplicação

4 Serviços de Aplicação 4 Serviços de Aplicação A existência de um suporte de comunicação permite a interligação de diversos dispositivos e também a disponibilização de diversas aplicações que adicionam funcionalidades ao sistema.

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos 1. Introdução O objectivo deste documento é a criação de um memorando que sirva de apoio à instalação e manutenção do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006 Eng.ª Informática Redes de Computadores 4 de Julho de 2006 Leia atentamente as perguntas seguintes e responda de forma breve e precisa. Pode acompanhar a suas respostas com figuras de forma a torná-las

Leia mais

Servidor DHCP. Instalação e Configuração Servidores de Rede. Cet Redes, Projecto e Instalação de Redes Locais de Computadores. Docente: André Martins

Servidor DHCP. Instalação e Configuração Servidores de Rede. Cet Redes, Projecto e Instalação de Redes Locais de Computadores. Docente: André Martins Cet Redes, Projecto e Instalação de Redes Locais de Computadores Instalação e Configuração Servidores de Rede Docente: André Martins Servidor DHCP Elaborado por : João Caixinha Nº5946 Pedro Jorge Nº5979

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL Sistemas Distribuídos na Web Pedro Ferreira DI - FCUL Arquitetura da Web Criada por Tim Berners-Lee no CERN de Geneva Propósito: partilha de documentos Desde 1994 mantida pelo World Wide Web Consortium

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition

Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition Manual de introdução rápido Este documento descreve a forma de instalar e começar a utilizar o Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

Administração de Redes 2014/15. Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP)

Administração de Redes 2014/15. Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) Administração de Redes 2014/15 Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) 1 Configuração de parâmetros de rede Para poder funcionar em rede e ligar-se à Internet, uma máquina precisa de ter um conjunto

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

Service Appliance IVETIME. Disponibilidade de serviço instantânea! Plug and Play. Segurança. Tolerância a falhas. Manutenção zero. Elevada Performance

Service Appliance IVETIME. Disponibilidade de serviço instantânea! Plug and Play. Segurança. Tolerância a falhas. Manutenção zero. Elevada Performance IVETIME Service Appliance Disponibilidade de serviço instantânea! Aumentar a produtividade Transformar o serviço a Clientes Proteger o capital intelectual Plug and Play Segurança Tolerância a falhas Manutenção

Leia mais

Hypertext Transport Protocol (HTTP)

Hypertext Transport Protocol (HTTP) Hypertext Transport Protocol () Programação na Internet Secção de Sistemas e Tecnologias de Informação ISEL-DEETC-LEIC Luis Falcão - lfalcao@cc.isel.ipl.pt Carlos Guedes cguedes@cc.isel.ipl.pt Nuno Datia

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Clusters de alta disponibilidade uma abordagem Open Source

Clusters de alta disponibilidade uma abordagem Open Source Clusters de alta disponibilidade uma abordagem Open Source Filipa Ferreira, Nélia Santos, Mário Antunes Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria Instituto Politécnico de Leiria Morro do Lena -

Leia mais

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.05 Data: 2010-12-15 Appliance CAMES.GT 1 ÍNDICE A Apresentação da Appliance CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server B Características

Leia mais

Java Enterprise Edition. by Antonio Rodrigues Carvalho Neto

Java Enterprise Edition. by Antonio Rodrigues Carvalho Neto Java Enterprise Edition by Antonio Rodrigues Carvalho Neto Enterprise Edition Architecture O que é Java Enterprise Edition? Java EE é uma plataforma que reune diversas especificações relacionadas a computação

Leia mais

Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A. ComServer ComServer Linux A Restauração do Séc. XXI Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A. 1. WinREST ComServer...5 1.1. Licença...5 1.2. Instalação e upgrade...6 1.3. Licenciamento...7 1.4. Interface...8

Leia mais

Programas Livres para a Alta Disponibilidade em Servidores

Programas Livres para a Alta Disponibilidade em Servidores Programas Livres para a Alta Disponibilidade em Servidores Hugo Roger Cleber Clauzio Serviços em Redes de Computadores Profº João Eriberto Mota Filho Agenda Alta disponibilidade conceito calculo/medida

Leia mais

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.06 Data: 2010-11-15 SO CAMES 1 ÍNDICE A Apresentação do CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server - Sistema Operativo de

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

1 Introdução. O sistema permite:

1 Introdução. O sistema permite: A intenção deste documento é demonstrar as possibilidades de aplicação da solução INCA Insite Controle de Acesso - para controle de conexões dia-up ou banda larga à Internet e redes corporativas de forma

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

edu com org pt ibm sapo cs iscap

edu com org pt ibm sapo cs iscap TEMA Serviços de nomes no Linux TEÓRICA-PRÁTICA 1. Introdução Necessidade de utilizar nomes em vez de endereços IP: Endereços IP são óptimos para os computadores No entanto, para humanos, são difíceis

Leia mais

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual Definindo DHCP: DHCP O DHCP é a abreviatura de Dynamic Host Configuration Protocol é um serviço utilizado para automatizar as configurações do protocolo TCP/IP nos dispositivos de rede (computadores, impressoras,

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE Guardar o registo de impressão na rede Versão 0 POR Definições de notas Ao longo do Manual do utilizador, é utilizado o seguinte ícone: Notas sobre como enfrentar situações

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Microsoft Windows Server 2003

Microsoft Windows Server 2003 Microsoft Windows Server 2003 Breve Manual Introdução/Instalação Brevíssima história dos sistemas operativos da Microsoft No início dos computadores pessoais, um punhado de recém licenciados criou um sistema

Leia mais

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DNS É o serviço responsável por: Traduzir nomes em endereços IP (e vice-versa), de um determinado

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Manual de utilização do STA

Manual de utilização do STA Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Versão 1.0.2 Sumário 1 Introdução... 4 2 Disponibilidade... 4 3 Funcionalidades... 4 4 Segurança... 5 4.1 Autorização de uso... 5 4.2 Acesso

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos - 2005/2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Programação para Internet Flávio de Oliveira Silva, M.Sc.

Programação para Internet Flávio de Oliveira Silva, M.Sc. INTERNET Grande conjunto de redes de computadores interligadas pelo mundo. Começou como uma rede interligando Universidades no E.U.A A partir de 1993 a Internet começou a ser explorada comercialmente.

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Escrito por Daniel Donda Ter, 17 de Fevereiro de 2009 18:32 - Última atualização Sáb, 03 de Julho de 2010 23:34

Escrito por Daniel Donda Ter, 17 de Fevereiro de 2009 18:32 - Última atualização Sáb, 03 de Julho de 2010 23:34 Conteúdo Introdução Configurando o Windows Server 2008 Server Core Instalando o Remote Server Administration Tools (RSAT) Configurando o Network Load Balancing (NLB) Adicionando Servidores ao Cluster Gerenciando

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Data última actualização: 20-06-2014. Instalação E-Portals

Data última actualização: 20-06-2014. Instalação E-Portals Data última actualização: 20-06-2014 Instalação E-Portals 1. Conteúdo 1. Conteúdo... 2 2. Instalação e Manutenção do EPT... 3 3. Configuração de perfis de sincronização... 6 3.1 Módulos Oficinas, GCE e

Leia mais

ZyXEL ZyWALL 5/35/70 e PRT662HW: VPN IPSec IPs públicos dinâmicos

ZyXEL ZyWALL 5/35/70 e PRT662HW: VPN IPSec IPs públicos dinâmicos ZyXEL ZyWALL 5/35/70 e PRT662HW: VPN IPSec IPs públicos dinâmicos Sumário Como estabelecer uma ligação segura entre duas redes locais através da Internet usando ZyXEL ZyWALL e PRT662HW com IPs públicos

Leia mais

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows XP

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows XP TeamWork Manual do Utilizador Para Windows XP V3.2_XP Fevereiro 2008 ÍNDICE TeamWork Para que serve... 3 TeamWork Como instalar e configurar... 4 TeamWork Como utilizar... 4 Apoio para instalação e configuração.

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação 43 O Modelo OSI Para que sistemas diferentes possam comunicar em rede, é necessário garantir que todos eles respeitem as mesmas regras. Para isso,

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores HTTP HyperText Transport Protocol Introdução ao protocolo HTTP Origem Definido na iniciativa da WWW HTML e HTTP Modelo cliente servidor Protocolo sem

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador 1 Índice 1. Sobre o Guia... 3 1.1 Objectivo... 3 1.2 Conceitos e Termos... 3 1.2 Utilização do Guia... 3 2. Ferramentas de Administração... 4 2.1

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão AS ou SA; IGP e EGP; Vetor de Distância,

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR LINUX

ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR LINUX Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR LINUX. Você vai encontrar as respostas a todas suas

Leia mais

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Guia de Rede 1 2 3 4 Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Leia este manual cuidadosamente antes de utilizar o equipamento e mantenha-o

Leia mais

Firewall e Proxy. Relatório do Trabalho Prático nº 2. Segurança em Sistemas de Comunicação

Firewall e Proxy. Relatório do Trabalho Prático nº 2. Segurança em Sistemas de Comunicação Segurança em Sistemas de Comunicação Relatório do Trabalho Prático nº 2 Firewall e Proxy Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 07.11.2006

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Unidade 1: Sistema Operativo Linux

Unidade 1: Sistema Operativo Linux Unidade 1: Sistema Operativo Linux 1 2 Sistema Operativo Linux Objectivos desta unidade Caracterizar o sistema operativo Linux Saber como obter documentação e apoio sobre a instalação e utilização do Linux

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Acesso a Informação Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 6 - Sumário ü Introdução ü World

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Sistemas Informáticos

Sistemas Informáticos Sistemas Informáticos Sistemas Distribuídos Eng.ª Sistemas de Informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão - IPVC Ano Lectivo 2005-2006 1.º Semestre Gestão de Nomes 1 - Objectivos - Os nomes são fundamentais

Leia mais

Comunicação entre computadores o Modelo OSI

Comunicação entre computadores o Modelo OSI Comunicação entre computadores o Modelo OSI Antes de avançar, vamos ver o significado de alguns conceitos. A nível das tecnologias de informação, há um conjunto de normas, padrões e protocolos que são

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL url_response série 4.1 Avisos legais Copyright 2013, CA. Todos os direitos reservados. Garantia

Leia mais

Guia de consulta rápida DVR HD

Guia de consulta rápida DVR HD Guia de consulta rápida DVR HD Primeira parte: Operações Básicas... 2 1. Instalação básica... 2 2. Arranque... 2 3. Desligar... 2 4. Iniciar sessão... 2 5. Pré- visualização... 3 6. Configuração da gravação...

Leia mais

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web 1.264 Lição 11 Fundamentos da Web Navegadores e servidores da Web A Internet é apenas um conjunto de redes interconectadas livremente. Um conjunto de redes de área local conectado via redes de área ampla

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows Vista

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows Vista TeamWork Manual do Utilizador Para Windows Vista V3.2_Vista Fevereiro 2008 ÍNDICE TeamWork Para que serve... 3 TeamWork Como instalar e configurar... 4 TeamWork Como utilizar... 4 Apoio para instalação

Leia mais