Sistemas Operativos /2006. Trabalho Prático v1.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0"

Transcrição

1 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos /2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa uma maior familiarização com a programação de mecanismos de sincronização e comunicação entre processos no ambiente UNIX/Linux. Poderá ser realizado em grupo, constituído por um número máximo de 3 alunos. O trabalho está sujeito a apresentação e defesa, realizada individualmente por cada aluno. É, obviamente, interdita a cópia parcial ou integral de trabalhos e, a ser detectada, conduzirá à adequada penalização dos envolvidos. O trabalho deverá apresentar-se na forma de código fonte e de um relatório claro e conciso, que também será objecto de avaliação. Chama-se à atenção para o facto de este enunciado poder ainda sofrer pequenas alterações. Os alunos poderão aperceber-se de eventuais actualizações, vigiando a respectiva versão. Para os alunos mais desatentos, refira-se que a execução deste trabalho prático, para além de constituir elemento de avaliação, representa também uma forma efectiva de preparação para as provas de avaliação. Contextualização As especificações apresentadas neste enunciado não correspondem à solução mais simples ou eficiente, devendo ser encaradas como um pretexto para conjugar, num único trabalho prático, um conjunto alargado de mecanismos de comunicação estudados, nomeadamente, ficheiros, sinais, pipes unidireccionais standard, pipes nomeados (FIFO), filas de mensagens, memória partilhada e semáforos. De modo a simplificar a avaliação deste trabalho, as indicações devem ser integralmente respeitadas. É, contudo, admissível que sejam tomadas opções diferentes, desde que, claramente, não representem uma forma de contornar algum dos aspectos em estudo. Estas opções devem encontrar-se devidamente fundamentadas no respectivo relatório. As opções tomadas no sentido de resolver circunstâncias que aqui não sejam explicitadas deverão, também, ser devidamente documentadas. Descrição do problema O contexto de utilização desta aplicação poderia, por exemplo, corresponder a uma redacção de um jornal. Várias agências noticiosas enviam notícias à redacção. As agências noticiosas classificam previamente as notícias por tópicos, como, por exemplo, política, sociedade, desporto, educação, etc. Os jornalistas da redacção, especializados em determinados tópicos, devem ser notificados aquando da recepção de novas notícias nesse tópico. Esta aplicação é constituída por vários programas que interagem entre si, conforme esquematizado na Figura 1. Todos os processos são executados num mesmo equipamento Linux e utilizam os mecanismos IPC estudados nas aulas práticas da disciplina. O programa Servidor serve de plataforma de difusão das notícias no seio da redacção. Cada programa leitor de notícias (Leitor) subscreve um ou mais tópicos. Sempre que uma notícia é publicada num tópico, todos os subscritores recebem a correspondente notificação. Se o programa leitor pretender ter acesso ao conteúdo da notícia, este comunica directamente com o programa associado a uma agência noticiosa (Agência). O programa Monitor visualiza um conjunto de estatísticas e informações adicionais sobre a utilização desta aplicação. 1/5

2 Figura 1 Implementação Na interacção entre estes processos são definidos vários mecanismos de comunicação de acordo com a Figura 2. Figura 2 Programa Servidor Processo Pai: Na fase de inicialização, este processo deve preparar convenientemente a estrutura de dados e criar todos os recursos necessários à comunicação entre processos. A lista de tópicos a serem considerados deve constar num ficheiro de texto. Todos os dados de configuração da aplicação (chaves de recursos IPC, subdirectoria de FIFO, etc) devem ser armazenados num ficheiro de texto para que possa ser consultado pelos restantes programas. Em seguida, este processo entra em ciclo ficando bloqueado à espera de mensagens (P1, P2) na fila de mensagens 1. Após a recepção de uma mensagem, lança um processo filho que tratará de responder ao processo que efectuou o pedido. Ao receber o sinal SIGINT, deve terminar, libertando todos os recursos que tiverem sido alocados. Processo Filho: 2/5

3 Este processo analisa a mensagem e responde de acordo com os seguintes tipos de mensagens: Lista tópicos: Este pedido tem origem em processos Agência (P1) ou Leitor (P2). O processo envia uma resposta (R1 ou R2) com a lista de tópicos definidos no Servidor. Subscreve tópico: Este pedido tem origem em processos Leitor (P2) que desejam subscrever um tópico. Não é necessário uma resposta de confirmação da subscrição. Cancela tópico: Este pedido tem origem em processos Leitor (P2) que desejam cancelar a subscrição de um tópico. Não é necessário uma resposta de confirmação do cancelamento da subscrição. Lista subscrições activas: Este pedido tem origem em processos Leitor (P2) com a indicação do PID do processo filho que recebe as notificações de novas mensagens. É enviada uma resposta (R2) com a lista de tópicos subscritos. Lista de notícias por tópico: Este pedido tem origem em processos Leitor (P2) com indicação do tópico pretendido. É enviada uma resposta (R2) com a lista de notícias desse tópico. A lista inclui o número da notícia e o respectivo título. Processo servidor de notícia: Este pedido tem origem em processos Leitor (P2) com indicação do número da notícia pretendida. É enviada uma resposta (R2) com o PID do processo filho Agência que serve o pedido de conteúdo da notícia. Publica: Pedido de publicação de uma notícia num determinado tópico com origem em processos Agência (P1). A mensagem correspondente a este pedido deve incluir o tópico, o título da notícia e o PID do processo que responderá a uma solicitação do conteúdo da notícia (PID do processo filho Agência). O processo envia uma resposta (R1) com a indicação do número da notícia (único no sistema). Envia, em seguida, para todos os processos Leitor que tenham subscrito o tópico, uma mensagem (N1) com informação do número da notícia e do respectivo título (difusão). Programa Agência Este programa permitirá às agências noticiosas, por um lado, solicitar a publicação de uma notícia num determinado tópico e, por outro, servir os vários processos Leitor que pretendam aceder ao conteúdo de uma notícia. As notícias estão previamente armazenadas em ficheiros de texto. Quando lançada a execução deste programa, deve, através da função fork(), lançar um processo filho. O processo pai será responsável pela interacção com o utilizador. O processo filho será responsável pela disponibilização do conteúdo de uma notícia solicitado por um processo Leitor. Processo pai: O processo pai disponibiliza uma linha de comandos (prompt) que permitirá ao utilizador introduzir os seguintes comandos: lt: Pedido ao Servidor da lista de tópicos. pb <topico> <ficheiro>: O pedido de publicação de uma notícia, num determinado tópico, é enviado ao Servidor (P1), obtendo deste um número de notícia que é único no sistema. A informação a enviar ao Servidor inclui o tópico, o título da notícia (1ª linha do ficheiro de texto) e o PID do processo filho que disponibiliza o conteúdo da notícia. Tal pedido é solicitado ao servidor através da fila de mensagens 1. O servidor responde (R1) com um número da notícia e fará a difusão da mesma pelos processos Leitor subscritores (N1). Recebida a resposta do servidor, o processo pai, através de um pipe unidireccional, envia ao filho a informação sobre o nome do ficheiro e o respectivo número da notícia e sinaliza tal facto com o envio de um sinal. O processo filho manterá esta informação numa tabela, permitindo-lhe responder a solicitações de conteúdos de notícias. s: Este comando termina o processo, devendo enviar um sinal ao processo filho para que termine a sua execução. Processo filho: Atende a pedidos (F1) de conteúdo de notícias colocadas na fila de mensagens 2. Quando recebe uma mensagem, esta contém o número da notícia e o remetente (PID do processo Leitor). Depois de identificado o ficheiro de texto com o conteúdo da notícia, cria um pipe nomeado (FIFO) para a transferência do conteúdo. Envia uma mensagem de resposta (F2) para o processo Leitor a confirmar a disponibilidade da notícia. Coloca no FIFO, o conteúdo do ficheiro de texto correspondente à notícia. A identificação do pipe nomeado coincide com 3/5

4 o PID do processo Leitor e é criado numa subdirectoria definida pelo programa Servidor (do conhecimento de ambos os processos comunicantes por consulta do ficheiro de configuração). Deve ser considerado um número máximo, configurado pelo servidor, de pipes nomeados em utilização simultânea. O controlo deste número máximo deve ser assegurado por semáforos. Programa Leitor Este programa permitirá aos jornalistas, por um lado, utilizar os serviços da aplicação (listar, subscrever e cancelar tópicos) e, por outro, solicitar à agência noticiosa o conteúdo de uma determinada notícia. Processo pai: O processo pai disponibiliza uma linha de comandos (prompt) que permitirá ao utilizador introduzir os seguintes comandos: lt: Pedido ao Servidor da lista de tópicos. nt <tópico>: Pedido ao Servidor da lista de notícias publicadas neste tópico. sb <tópico>: Pedido ao Servidor da subscrição de um tópico. Para além do tópico, a mensagem enviada deve incluir o PID do processo filho que irá receber as notificações de novas notícias (subscrição). Não é necessário uma resposta de confirmação da subscrição. csb <tópico>: Pedido ao Servidor do cancelamento da subscrição de um tópico. Não é necessário uma resposta de confirmação do cancelamento da subscrição. lts: Pedido ao Servidor da lista de tópicos subscritos. Para além do tópico, a mensagem enviada deve incluir o PID do processo filho que irá permitir ao Servidor identificar quais os tópicos que foram subscritos. vnt <número notícia>: Pedido do conteúdo de uma notícia. Em primeiro lugar, é solicitado ao Servidor o PID do processo filho Agência que serve o pedido de conteúdo da notícia. Recorrendo a este PID, envia uma mensagem, através da fila de mensagens 2. Recebida a confirmação da disponibilidade da notícia, abre o pipe nomeado criado numa subdirectoria definida pelo programa Servidor (ambas do conhecimento dos processos comunicantes). O nome do FIFO coincide com o PID deste processo. O conteúdo da notícia é lido do FIFO e visualizado no monitor. Terminado o processo de transferência, o FIFO é eliminado. s: Este comando termina o programa, devendo enviar um sinal ao processo filho para que termine a sua execução. Processo filho: O processo filho aguarda por mensagens colocadas na fila 2 que dizem respeito a notificações fornecidas pelo Servidor quando uma nova notícia é publicada num tópico que tenha sido subscrito por este programa. A notificação de uma notícia é visualizada no monitor (tópico, número e título). Programa Monitor: Para que o processo Servidor possa responder às solicitações, uma estrutura de dados deverá ser mantida em memória. Esta memória deve ser partilhada, permitindo ao programa monitor exibir, periodicamente (de 3 em 3 segundos), um conjunto de dados estatísticos sobre a utilização da aplicação. Devem constar, de entre outras informações que se julguem por convenientes, o número de notícias por tópico e o número de subscritores por tópico. Especificações Adicionais Em condições normais de execução, o programa Servidor deve ser colocado em execução antes do lançamento dos programas Agência, Leitor e Monitor. Uma das suas tarefas consiste na criação e inicialização dos mecanismos de comunicação, nomeadamente: memória partilhada: com o tamanho necessário para a manutenção da estrutura de dados necessária para a aplicação; filas de mensagens; semáforos: para controlo de diversos aspectos, dos quais se destacam: a exclusão mútua no acesso à memória partilhada; a garantia de que nunca existirão mais do que k pipes nomeados (FIFO) em simultâneo, sendo k um valor configurável à partida. 4/5

5 Uma vez criados estes recursos, as respectivas identificações devem ficar disponíveis num ficheiro de configuração (ficheiro de texto) acessível aos restantes programas que constituem esta aplicação. A estrutura de dados deve atender aos seguintes limites: Número máximo de tópicos: 10. Número máximo de caracteres para um tópico: 20. Número máximo de caracteres para um título: 50. Número máximo de notícias por tópico: 10. Número máximo de subscritores por tópico: 10. Número máximo de notícias que são mantidas no processo filho Agência:10. Dada a existência destes limites, sugere-se que sejam sempre guardados os dados mais recentes. Assim, quando, por exemplo, o número de subscritores por tópico ultrapassa o valor limite (10), é eliminada a subscrição mais antiga. Se, por exemplo, o número de notícias por tópico for ultrapassado, é eliminada a notícia mais antiga. Estas eliminações não devem ser comunicadas aos restantes programas. É assumida a possibilidade de ocorrerem algumas inconsistências. Por exemplo, o conteúdo de uma notícia já não pode ser obtido, embora permaneça na estrutura de dados da aplicação. Tratamento de erros Em acréscimo ao normal controlo de erros nas aplicações, a implementação deste trabalho deverá também contemplar o tratamento de determinadas situações de anomalia. A título indicativo, apresentam-se alguns exemplos: execução dos programas Agência, Leitor e Monitor, antes de lançar o programa Servidor; tentativa de utilizar um recurso de IPC entretanto removido; permanência de chaves de IPC resultantes de execuções passadas mal sucedidas; erros nos pedidos feitos ao servidor (listar notícias de um tópico que não existe, subscrever um tópico que não existe, etc); erros nos pedidos de conteúdos de notícias que já não podem ser servidas. Terminação dos processos e libertação de recursos Dada a importância associada à remoção dos recursos de comunicação, que por algum motivo permaneçam indevidamente alocados, aconselha-se a criação de um pequeno programa auxiliar que, quando invocado, desempenhe essa função. Durante a fase de desenvolvimento do trabalho e tendo em atenção as considerações feitas nas aulas relativamente a este assunto, os alunos devem vigiar sistematicamente a eliminação das chaves desnecessárias. Qualidade do código O código deve ser construído de forma a tornar simples não só o seu desenvolvimento como a própria leitura/avaliação. Devem ser usados comentários (de forma coerente e consistente) de modo a que, por um lado, se torne fácil a interpretação de passagens mais complexas e que, por outro, se demonstre que quem escreveu as respectivas instruções está consciente da sua semântica e implicações. Este aspecto será relevante na avaliação do trabalho. Relatório O relatório, que se pretende breve, deverá justificar as opções tomadas, bem como eventuais desvios relativamente às especificações constantes deste enunciado. Devem ser identificadas as principais dificuldades encontradas e respectivas soluções (quando não mencionadas neste enunciado). No caso do trabalho entregue não implementar todos as especificações referidas, as respectivas lacunas deverão necessariamente fazer parte desse relatório. Bom trabalho!! 5/5

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Um sistema SMS 1 simplificado

Um sistema SMS 1 simplificado 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

Sistemas Operativos 2005/2006. Arquitectura Cliente-Servidor Aplicada A Uma Biblioteca. Paulo Alexandre Fonseca Ferreira Pedro Daniel da Cunha Mendes

Sistemas Operativos 2005/2006. Arquitectura Cliente-Servidor Aplicada A Uma Biblioteca. Paulo Alexandre Fonseca Ferreira Pedro Daniel da Cunha Mendes Sistemas Operativos 2005/2006 Arquitectura Cliente-Servidor Aplicada A Uma Biblioteca Turma 3EIC3 Grupo 5 Paulo Alexandre Fonseca Ferreira Pedro Daniel da Cunha Mendes O trabalho efectuado, consiste numa

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Consistência Eventual Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Marco Bernardo Departamento de Informática Universidade da Beira Interior 25 de Maio de 2009 Descrição Geral 1 Introdução O Problema Definições

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Comunicação entre Processos Canal de comunicação Arquitetura da comunicação Modelos de comunicação

Comunicação entre Processos Canal de comunicação Arquitetura da comunicação Modelos de comunicação Comunicação entre Processos Canal de comunicação Arquitetura da comunicação Modelos de comunicação Sistemas Operativos 2015-2016 O que construímos até agora... A abstração de processo 2 A possibilidade

Leia mais

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Integração Empresarial Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Luís Costa - 8050120 Abril, 2012 1. Introdução Este documento apresenta detalhadamente o processo de negócio de uma

Leia mais

Manual do utilizador das funções avançadas do sistema de correio de voz Cisco Unity Express 7.0.2

Manual do utilizador das funções avançadas do sistema de correio de voz Cisco Unity Express 7.0.2 Manual do utilizador das funções avançadas do sistema de correio de voz Cisco Unity Express 7.0.2 Última actualização: 12 March 2009 Este manual fornece informações sobre a utilização das funções de correio

Leia mais

Grupo 34. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharias Licenciatura em Engenharia de Sistemas de Software

Grupo 34. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharias Licenciatura em Engenharia de Sistemas de Software Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharias Licenciatura em Engenharia de Sistemas de Software Desenvolvimento de Sistemas de Software DSS - 2009/2010 Grupo 34 Guilherme Silva 47048 Rui Meira

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

EasyNews, um projecto!

EasyNews, um projecto! EasyNews, um projecto! >Francisco Vitor Gomes Salvador Capitão Art Introdução O presente artigo foi elaborado com o intuito de dar a conhecer o trabalho desenvolvido no âmbito da Unidade Curricular de

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência entre processos (i.e., a execução de um processo

Leia mais

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BPstat manual do utilizador Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística

Leia mais

Sincronização. Cooperação entre Processos

Sincronização. Cooperação entre Processos Sincronização Parte II Programação Concorrente Cooperação entre Processos Vários processos executam em conjunto uma ou mais tarefas, nas quais Competem por recursos Indicam uns aos outros a: Ausência/existência

Leia mais

.Net Remoting Pizzaria

.Net Remoting Pizzaria .Net Remoting Pizzaria 1º Trabalho Prático Tecnologias de Distribuição e Integração 4º Ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação João Carlos Figueiredo Rodrigues Prudêncio ei07111@fe.up.pt

Leia mais

Condições do Serviço VRC Plataforma Oficinal 2020

Condições do Serviço VRC Plataforma Oficinal 2020 Condições do Serviço VRC Plataforma Oficinal 2020 1. DESCRIÇÂO DAS PARTES ENVOLVIDAS Fornecedor, aquele que fornece o Serviço, para os efeitos deste documento a TIPS 4Y - Sistemas de Informação, Lda. Subscritor,

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3.1. DESCRIÇÃO DA FERRAMENTA E SUAS APLICAÇÕES Dyn3W é um fórum desenvolvido especialmente para ser utilizado na educação. O seu desenvolvimento iniciou-se em meados

Leia mais

Todos os arquivos.c e.h criados (exigido código muito bem documentado!). O makefile.

Todos os arquivos.c e.h criados (exigido código muito bem documentado!). O makefile. Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Estruturas de Dados I (INF09292) 1o Trabalho Prático Período: 2014/2 Profa Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br Data de

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Gestor de Listas de Distribuição de Emails versão: 0.9.1 Nelson Rodrigues DSI 20-07-2010 ÍNDICE: Introdução... 3 Definição de Mailing List... 3 Grupos de endereços

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Os emitentes de valores mobiliários admitidos à negociação em bolsa estão sujeitos ao cumprimento de um conjunto de deveres de informação

Leia mais

Índice. Índice de figuras

Índice. Índice de figuras PASSO-A-PASSO Índice 1 Entrar no Portal das Escolas 3 2 Registo 3 2.1 Preencher o registo 3 2.2 Campos de registo a preencher 4 2.3 Autorização para tratamento de dados do Portal das Escolas 6 2.4 Mensagem

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Processamento de Linguagens EI (2 o ano)

Processamento de Linguagens EI (2 o ano) Processamento de Linguagens EI (2 o ano) Trabalho Prático Ano Lectivo de 04/05 1 Objectivos e Organização Este trabalho prático tem como principais objectivos: aumentar a experiência de uso do ambiente

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES CONTA INDIVIDUAL DE SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS Versão de 17/01/2012

CONDIÇÕES PARTICULARES CONTA INDIVIDUAL DE SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS Versão de 17/01/2012 CONDIÇÕES PARTICULARES CONTA INDIVIDUAL DE SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS Versão de 17/01/2012 Definições : Activação do Serviço: A activação do Serviço inicia-se a partir da validação do pagamento do

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. CONTROLOS GERAIS DO WINDOWS 4 3.1 ESTRUTURA HIERÁRQUICA 4 3.2 CONTROLO DE DATA 5 4. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 8 5. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Manual do Utilizador do Norton 360

Manual do Utilizador do Norton 360 Manual do Utilizador Preocupa-se com o nosso Ambiente, É o que está certo fazer. A Symantec removeu a capa deste manual para reduzir as Pegadas Ambientais dos nossos produtos. Este manual é produzido com

Leia mais

Instruções de acesso à Base Hermes

Instruções de acesso à Base Hermes Instruções de acesso à Base Hermes Inscreva nas caixinhas respectivas as credenciais de acesso à Base Hermes que lhe foram enviadas por email aquando da activação da sua subscrição e clique em Entrar.

Leia mais

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto Sincronização e Comunicação entre Processos Adão de Melo Neto 1 INTRODUÇÃO Em um sistema multitarefa os processos alternam sua execução segundo critérios de escalonamento estabelecidos pelo sistema operacional.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Extracção de Anúncios e Notificação de Utilizadores do Site do Emprego Científico da Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Extracção de Anúncios e Notificação de Utilizadores do Site do Emprego Científico da Fundação para a Ciência e a Tecnologia Extracção de Conhecimento da Internet Mestrado em Inteligência Artificial e Computação Extracção de Anúncios e Notificação de Utilizadores do Site do Emprego Científico da Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Leia mais

Instruções de acesso à Base Atneia

Instruções de acesso à Base Atneia Instruções de acesso à Base Atneia Inscreva nas caixinhas respectivas as credenciais de acesso à Base Atneia que lhe foram enviadas por email aquando da activação da sua subscrição e clique em Entrar.

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito Mais informação Acesso ao Sistema de Transferência Electrónica de dados de Inquéritos (STEDI). Onde se acede ao sistema de entrega de Inquéritos? Deverá aceder ao sistema através do site do GEP www.gep.mtss.gov.pt

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Configuração do Ambiente de Trabalho

Configuração do Ambiente de Trabalho pag. 1 Configuração do Ambiente de Trabalho 1. Utilização da Área de Trabalho Criação de Atalhos: O Windows NT apresenta um Ambiente de Trabalho flexível, adaptável às necessidades e preferências do utilizador.

Leia mais

LEIC/LERC 2012/13 2º Teste de Sistemas Operativos 15/Janeiro/2013

LEIC/LERC 2012/13 2º Teste de Sistemas Operativos 15/Janeiro/2013 Número: Nome: LEIC/LERC 2012/13 2º Teste de Sistemas Operativos 15/Janeiro/2013 Identifique todas as folhas. Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Justifique todas as respostas. Duração: 1h30m

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Edição 1 Agosto 2011 Elaborado por: GSI Revisto e Aprovado por: COM/ MKT Este manual é propriedade exclusiva da empresa pelo que é proibida a sua

Leia mais

CETE CENTRO DE ESTUDOS DE ECONOMIA INDUSTRIAL, DO TRABALHO E DA EMPRESA GUIA DO UTILIZADOR ACESSO À BASE DE DADOS QUADROS DE PESSOAL

CETE CENTRO DE ESTUDOS DE ECONOMIA INDUSTRIAL, DO TRABALHO E DA EMPRESA GUIA DO UTILIZADOR ACESSO À BASE DE DADOS QUADROS DE PESSOAL CETE CENTRO DE ESTUDOS DE ECONOMIA INDUSTRIAL, DO TRABALHO E DA EMPRESA GUIA DO UTILIZADOR ACESSO À BASE DE DADOS QUADROS DE PESSOAL (DADOS DE 1985 A 2005) INFORMAÇÃO DISPONIBILIZADA EM PARCERIA COM O

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

SEGURANÇA EM SISTEMAS INFORMÁTICOS

SEGURANÇA EM SISTEMAS INFORMÁTICOS SEGURANÇA EM SISTEMAS INFORMÁTICOS SENHAS DE UTILIZAÇÃO ÚNICA GRUPO 12 DAVID RIBEIRO FÁBIO NEVES EI06053@FE.UP.PT EI06102@FE.UP.PT Porto, 7 de Dezembro de 2010 Índice Resumo O presente relatório tem como

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023 DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 David Barbosa 47076 Ricardo Boas 47023 Rui Fonseca 47081 Vítor Martins 47121 GRUPO 10 2009/2010 1 Índice 1. Introdução... 2 1.1 Visão Geral do Problema... 2

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projetos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projetos em que estão envolvidos, interagindo na otimização dos

Leia mais

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores.

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Descritivo completo dintranet 3 A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Benefícios Aumento da produtividade dos colaboradores da empresa;

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

Tire ainda mais partido das aplicações PHC CS. Obtenha acesso privilegiado a atualizações de software, formação online e conteúdos exclusivos.

Tire ainda mais partido das aplicações PHC CS. Obtenha acesso privilegiado a atualizações de software, formação online e conteúdos exclusivos. PHC On Tire ainda mais partido das aplicações PHC CS Obtenha acesso privilegiado a atualizações de software, formação online e conteúdos exclusivos. BUSINESS AT SPEED Visite www.phcsoftware.net/phcon Destinatários

Leia mais

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Índice Introdução... 2 A solução... 2 Plataforma Integrada (principais características)... 4 Eliminar limitações à execução de testes

Leia mais

Cada cliente, necessariamente, sempre deve estar conectado a um Broker, e somente um;

Cada cliente, necessariamente, sempre deve estar conectado a um Broker, e somente um; Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Estruturas de Dados I (INF09292) 1o Trabalho Prático Período: 2015/2 Profa Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br Data de

Leia mais

Transição de POC para SNC

Transição de POC para SNC Transição de POC para SNC A Grelha de Transição surge no âmbito da entrada em vigor, no ano de 2010, do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). O SNC vem promover a melhoria na contabilidade nacional,

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos PHC dsuporte Externo DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Externo permite prestar assistência técnica pós-venda, aumentar de forma significativa a eficiência e a qualidade do serviço, o que resulta na maior

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº8

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº8 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº8 Configuração e utilização do FTP 2004/2005 1 Objectivo Configuração de um servidor

Leia mais

Um cliente de cada vez:

Um cliente de cada vez: Um cliente de cada vez: envia-recebe resposta pedido recebe trata envia o cliente bloqueia-se até que: o servidor receba a mensagem, a trate e lhe responda outros clientes aguardam pela vez Clientes: enviam

Leia mais

Relatório SHST - 2003

Relatório SHST - 2003 Relatório da Actividade dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Relatório SHST - 2003 Programa de Validação e Encriptação Manual de Operação Versão 1.1 DEEP Departamento de Estudos, Estatística

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007 Manual do Utilizador SAFT para siscom Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01 Data criação: 21.12.2007 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220 FARO Telf. +351 289 899 620 Fax. +351 289 899 629

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

[Documentação da Plataforma MY.IPLEIRIA.PT dos Estudantes do IPLeiria]

[Documentação da Plataforma MY.IPLEIRIA.PT dos Estudantes do IPLeiria] [Documentação da Plataforma MY.IPLEIRIA.PT dos Estudantes do IPLeiria] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 19-10-2010 Controlo do Documento Autor

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

MICROSOFT POWERPOINT

MICROSOFT POWERPOINT MICROSOFT POWERPOINT CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES. O QUE É O POWERPOINT? O Microsoft PowerPoint é uma aplicação que permite a criação de slides de ecrã, com cores, imagens, e objectos de outras aplicações,

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

NOVO Panda Antivirus 2007 Manual resumido sobre a instalação, registo e serviços Importante! Leia a secção de registo on-line deste manual atentamente. As informações contidas nesta secção são essenciais

Leia mais

Google Apps para o Office 365 para empresas

Google Apps para o Office 365 para empresas Google Apps para o Office 365 para empresas Mude O Office 365 para empresas tem um aspeto diferente do Google Apps, por isso, ao iniciar sessão, obterá esta vista para começar. Após as primeiras semanas,

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Ciclo de Vida de um Processo

Ciclo de Vida de um Processo Nas aulas anteriores Ciclo de Vida de um Processo Marcelo Johann Conceito de Processo Mecanismo de Programação em C/UNIX Continuando Interrupções TRAP Chaveamento de Contexto Chamadas de Sistema INF01142

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor Guião de utilização da plataforma moodle para Professor http://elearning.up.ac.mz http://www.ceadup.edu.mz E-mail: up.cead@gmail.com info@ceadup.edu.mz Maputo, 2013 Introdução Há alguns anos atrás, para

Leia mais

Apresentar Propostas vortalgov

Apresentar Propostas vortalgov Guia de utilização Apresentar Propostas Janeiro 2008 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 3 Área de Trabalho... 4 PPA / C. Públicos... 4 Funcionalidades da pasta PPA / C. Públicos - Activos...

Leia mais

Sistemas Operativos: Introdução. February 22, 2011

Sistemas Operativos: Introdução. February 22, 2011 Sistemas Operativos: Introdução February 22, 2011 Sumário Introdução aos Sistemas Operativos Organização de Computadores Sistema Operativo Abstracções Oferecidas por um SO Serviços dum SO Interfaces dum

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Ano de Referência 2010 RELATÓRIO ÚNICO E ANEXOS. Perguntas Frequentes Relatório Único e Anexos Versão 1.0 1

Ano de Referência 2010 RELATÓRIO ÚNICO E ANEXOS. Perguntas Frequentes Relatório Único e Anexos Versão 1.0 1 RELATÓRIO ÚNICO E ANEXOS Versão 1.0 1 PERGUNTAS FREQUENTES Relatório Único ENTREGA - QUESTÕES LEGAIS (15 ) Qual é o conteúdo do Relatório Único? O Relatório Único é constituído pelo relatório propriamente

Leia mais

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud Connections

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud

Leia mais

1ª Edição Outubro de 2007

1ª Edição Outubro de 2007 1 Ficha Técnica Título: Manual de utilização da ELGG - Aluno Autoria: Célia Tavares Direcção Pedagógica e Técnica: Paula Peres Copyright: Projecto de Apoio On-line 1ª Edição Outubro de 2007 O Manual de

Leia mais

Portal Web de Apoio às Filiadas

Portal Web de Apoio às Filiadas Portal Web de Apoio às Filiadas Manual de Utilizador Externo Titularidade: FCMP Data: 2014-02-03 Versão: 1 1 1. Introdução 3 2. Descrição das Funcionalidades 4 2.1. Entrada no sistema e credenciação de

Leia mais

PHC Imóveis CS. A gestão das atividades da mediadora imobiliária

PHC Imóveis CS. A gestão das atividades da mediadora imobiliária Descritivo PHC Imóveis CS PHC PHC Imóveis CS A gestão das atividades da mediadora imobiliária A solução para o aumento da produtividade de todas as atividades da mediadora imobiliária, desde a carteira

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES - SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS OFERTA CORPORATE Versão de 17/01/2012

CONDIÇÕES PARTICULARES - SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS OFERTA CORPORATE Versão de 17/01/2012 CONDIÇÕES PARTICULARES - SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS OFERTA CORPORATE Versão de 17/01/2012 Definições : Activação do Serviço: A activação do Serviço inicia-se a partir da validação do pagamento do

Leia mais

Manual de Utilizador MDDE Plug-in (Windows) 1 of 22

Manual de Utilizador MDDE Plug-in (Windows) 1 of 22 Manual de Utilizador MDDE Plug-in (Windows) 1 of 22 Marca do Dia Eletrónica (MDDE) A Marca De Dia Eletrónica (MDDE) é um serviço, concebido por CTT e MULTICERT, que coloca uma "estampilha eletrónica" num

Leia mais