APENSOS AO TERMO DE REFERÊNCIA (Anexo II)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APENSOS AO TERMO DE REFERÊNCIA (Anexo II)"

Transcrição

1 1 APENSOS AO TERMO DE REFERÊNCIA (Anexo II) Pregão Eletrônico RP nº 013/2007 Anexo Descrição Produtos Página Apenso I Fluxo dos Processos - Implementação / Manutenção referente aos subitens 1.1 a Apenso II Fluxo dos Processos Desenvolvimento referente aos subitens 1.4 e Apenso III Solicitação de Serviço P3 14 Apenso IV Planilha para Cálculo de Pontos de Função P4 16 Apenso V Modelo de Cronograma P5 22 Apenso VI Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P6 24 Apenso VII Ordem de Serviço P7 26 Apenso VIII Modelo de Análise e Desenho P8 (*) 28 Apenso IX Modelo de Definição de Requisitos de Software P9(*) 31 Apenso X Cadastro de Requisitos P10 34 Apenso XI Termo de Encerramento da Ordem de Serviço P11 37 Apenso XII Termo de Abertura de Projeto -TAP P12(*) 39 Apenso XIII Termo de Encerramento da Solicitação de Serviços P13 42 Apenso XIV Plano detestes de Casos de Uso P14 44 Apenso XV Desenho Arquitetônico P15(*) 49 Apenso XVI Relatório de Resultado de Testes de Casos de Uso P16 54 Apenso XVII Plano de Implantação P17 56 Apenso XVIII Critérios para Faturamento P18 58 Apenso XIX Modelo Físico do Sistema P19(*) 61 ***** Protótipo P21 ***** Diagrama / Arquivos Case P22 ***** Códigos de Casos de Uso / Classes P23 ***** Sistema em Produção P24 ***** Código Fonte Manutenção P25 ***** Modelo Lógico Relacional P26 ***** Scripts de Geração Física de BD P27 (*) Estes produtos encontram-se descritos no manual do MDS

2 2 APENSO I Fluxo dos Processos de Implementação / Manutenção referente aos subitens 1.1 a 1.3

3 3 Fluxo dos subitens 1.1 a Implementação / Manutenção Este documento apresenta o processo de implementação de sistemas, compreendendo a Análise da Solicitação, Especificação do Sistema, Construção e Implantação, relacionados a implementação e/ou manutenção, descrevendo suas etapas, responsabilidades e artefatos a serem gerados, que deverão ser obedecidos na execução dos serviços a serem contratados. Este processo foi baseado no Método de Desenvolvimento de Sistemas - MDS, de propriedade do PRODERJ.

4 4 - Processo de Implementação / Manutenção PRODERJ FORNECEDOR Inicio E1 - Solicitação de Serv iço P3 - Solicitação de Serv iço P8 - Modelo de Análise e Desenho P9 - Modelo de Def inição de Requisitos de Sof tware P10 - Cadastro de Requisitos P19 - Modelo Físico do Sistema P21 - Protótipo P25 - Código Fonte Manutenção E2 - Análise da Solicitação E3 - Rev isão / Homologação da Análise da Solicitação P3 - Solicitação de Serv iço P4 - Planilha para Cálculo de Pontos de Função P5 - Modelo de Cronograma Aceita? N S P6 - Relatório de Rev isão/homologação de Produtos P6 - Relatório de Rev isão/homologação de Produtos P7 - Ordem de Serv iço P14 - Plano de Testes de Casos de Uso P26 - Modelo Lógico Relacional P27 - Scripts de geração f ísica de BD E4 - Construção E5 - Rev isão / Homologação da Construção P15 - Desenho Arquitetônico P16 - Relatório de Resultado de Teste de Casos de Uso P23 - Códigos de Casos de Uso / Classes Aceita? N S P6 - Relatório de Rev isão/homologação de Produtos P6 - Relatório de Rev isão/homologação de Produtos P17 - Plano de Implantação E6 - Implantação E7 - Rev isão / Homologação da Implantação P4 - Planilha para Cálculo de Pontos de Função P10 - Cadastro de Requisitos P24 - Sistema em Produção Aceita? N S P6 - Relatório de Rev isão/homologação de Produtos P6 - Relatório de Rev isão/homologação de Produtos P11 - Termo de Encerramento de Ordem de Serv iço P13 - Termo de Encerramento de Solicitação de Serv iço Fim

5 5 Processo de Implementação / Manutenção Etapa Descrição Prazo Responsável Produtos Etapa E 1 Solicitação de Serviço ETAPA E 2 Análise da Solicitação ETAPA E 3 Revisão / Homologação da Análise da Solicitação ETAPA E 4 Construção Encaminhar a contratada a Solicitação de Serviço relacionando os serviços a serem executados, juntamente com os artefatos de projeto correspondentes ao projeto conceitual/lógico e artefatos do projeto físico. Quando se tratar de manutenção, serão entregues os arquivos contendo o código fonte a ser alterado. Estimar o esforço necessário para a realização dos serviços preenchendo a Planilha de Cálculo de Pontos de Função e o Cronograma. Informar na Solicitação de Serviço a quantidade de pontos de função de transação, considerando o rateio de pontos de função de dados. Revisar/homologar a estimativa de esforço (planilha de cálculo de PF) e o Cronograma. Após aprovação do documento de homologação da estimativa, deverá ser emitida Ordem de Serviço, autorizando a execução dos mesmos, modularizados ou não, a critério do PRODERJ. Gerar o Plano de Testes de Casos de Uso. Desenvolver a codificação dos casos de uso de acordo com a especificação definida e codificar as classes de testes unitários (testes dos métodos das classes). Os testes unitários deverão ser executados durante a codificação dos casos de uso. Realizar os testes de casos de uso correspondentes conforme especificado no Plano de Testes de caso de uso. Deverão ser realizados também os testes de classes. Em seguida, disponibilizar para o PRODERJ os arquivos correspondentes aos códigos gerados nesta etapa juntamente com os resultados dos testes de casos de uso realizados, bem como o Desenho Arquitetônico. Não se aplica A ser estipulado pelo PRODERJ em função da complexidade do projeto Imediatamente após aprovação do relatório de homologação Obedecer rigorosamente a data de entrega do serviço, indicada na OS PRODERJ CONTRATADA P3 Solicitação de Serviço Apenso III P8 Modelo de Análise e Desenho Apenso VIII P9 Modelo de Definição de Requisitos de Software Apenso IX P10 Cadastro de Requisitos Apenso X P19 Modelo Físico do Sistema Apenso XIX P21 Protótipo P25 - Código Fonte Manutenção P3 Solicitação de Serviço Apenso III P4 Planilha para Cálculo de Pontos de Função Apenso IV P5 Modelo de Cronograma Apenso V PRODERJ P6 Relatório de Revisão / Homologação de Produtos - Apenso VI CONTRATADA P7 - Ordem de serviço - Apenso VII P14 Plano de Testes de casos de uso Apenso XIV P 26 Modelo Lógico Relacional (opcional) P27 Scripts de Geração Física do BD (opcional) P15 Desenho Arquitetônico Apenso XV P16 Relatório do Resultado Testes de Casos de Uso - Apenso XVI P23 Códigos de Casos de Uso / Classes

6 6 Etapa Descrição Prazo Responsável Produtos ETAPA E 5 Revisão / Homologação da Construção Revisar / homologar os produtos gerados na etapa anterior. Havendo alguma incorreção ou inconsistência, os produtos incorretos ou inconsistentes, deverão ser devolvidos à Contratada para acerto, acompanhados do Relatório de Revisão / Homologação de Produtos. Quando ocorrer a aceitação de todos os produtos, será emitido o Relatório de Revisão/Homologação de Produtos, que autoriza o início da etapa seguinte. Nesta etapa o PRODERJ elaborará o Plano de Implantação do Sistema/Módulo que está sendo implementado. De acordo com a complexidade do sistema PRODERJ e/ou cliente P6 - Relatório de Revisão / Homologação de Produtos - Apenso VI P17 Plano de Implantação Apenso XVII ETAPA E 6 Implantação Implementar o Plano de Implantação. Recalcular o quantitativo de Pontos de Função. Conforme cronograma CONTRATADA P4 Planilha para Cálculo de Pontos de Função Apenso IV P10 Cadastro de Requisitos Apenso 10 P 24 - Sistema em produção ETAPA E 7 Revisão / Homologação da implantação Revisar / homologar os produtos gerados na etapa anterior. Havendo alguma incorreção ou inconsistência, os produtos incorretos ou inconsistentes, deverão ser devolvidos à Contratada para acerto, acompanhados do Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Implantação). Quando ocorrer a aceitação de todos os produtos relacionados na Ordem de Serviço, será emitido o Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Implantação), bem como o Termo de Encerramento da Ordem de Serviço, que autoriza a Contratada a emitir a fatura correspondente ao serviço prestado. Conforme complexidade do projeto PRODERJ e/ou cliente P6 - Relatório de Revisão / Homologação de Produtos Apenso VI P11 Termo de Encerramento da Ordem de Serviço Apenso XI P13 Termo de Encerramento da Solicitação de Serviços Apenso XIII Ao término da última Ordem de Serviço relativa a implantação, estando todas elas devidamente homologadas, o PRODERJ emitirá o Termo de Encerramento da Solicitação de Serviços, finalizando os serviços contratados para o projeto.

7 APENSO Il Fluxo do Processo de Desenvolvimento referente aos subitens 1.4 e 1.5 7

8 Fluxo dos subitens 1.4 e Desenvolvimento O processo de desenvolvimento compreende as fases de Definição de Requisitos, Ante Projeto, Especificação do Sistema, Construção e Implantação de sistemas como descrito a seguir, através da apresentação de suas etapas, responsabilidades e produtos a serem gerados, que deverão ser obedecidos na execução dos serviços a serem contratados. Este processo foi baseado no Método de Desenvolvimento de Sistemas - MDS, de propriedade do PRODERJ. 8

9 - Processo de Desenvolvimento PRODERJ FORNECEDOR Inicio E 1 - Solicitação de Serv iço P3 - Solicitação de Serviço P7 - Ordem de Serviço P12 - TAP E 2 - Def inição de Requisitos E 3 - Rev isão / Homologação da Def inição de Requisitos Aceita? N S P 3 - Solicitação de Serviço P4 - Planilha para Cálculo de Pontos de Função P7 - Ordem de Serviço P5 - Modelo de Cronograma P9 - Modelo de Definição de Requisitos de Software P10 - Cadastro de Requisitos P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P7 - Ordem de Serviço P11 - Termo de Encerramento de Ordem de Serviço E 4 - Ante Projeto E 5 - Rev isão / Homologação do Ante Projeto P4 - Planilha para Cálculo de Pontos de Função P5 - Modelo de Cronograma P7 - Ordem de Serviço P8 - Modelo de Análise e Desenho P10 - Cadastro de Requisitos P21 - Prototipo P22 - Diagrama / Arquivos Case Aceita? N S P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P27 - Scripts de Geração Física de BD E 6 - Especif icação do Sistema E 7 - Rev isão / Homologação da Especif icação do Sistema P14 - Plano de Testes de Casos de Uso P19 - Modelo Físico do Sistema Aceita? N S P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P7 - Ordem de Serviço P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P11 - Termo de Encerramento de Ordem de Serviço E 8 - Construção E 9 - Rev isão / Homologação da Construção P7 - Ordem de Serviço P15 - Desenho Arquitetônico P16 - Relatório de Resultado de Teste de Casos de Uso P17 - Plano de Implantação P23 - Códigos de Casos de Uso/Classes Aceita? N S P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos E 10 - Implantação E 11 - Rev isão / Homologação da Implantação P4 - Planilha para Cálculo de Pontos de Função P10 - Cadastro de Requisitos P24 - Sistema em Produção Aceita? N S P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos P11 - Termo de Encerramento de Ordem de Serviço P13 - Termo de Encerramento de Solicitação de Serviço Fim 9

10 PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO Etapa Descrição Prazo Responsável Produtos ETAPA E 1 Solicitação de Serviço Emitir a solicitação de serviço autorizando o início da elaboração da Definição de Requisitos do Sistema. Conforme indicado na solicitação de serviços emitida pelo PRODERJ PRODERJ / CLIENTE P3 -Solicitação de Serviço - Apenso III P7 Ordem de Serviço Apenso VII P12 Termo de Abertura de Projeto TAP - Apenso XII ETAPA E 2 Definição de Requisitos ETAPA E 3 Revisão / Homologação da Definição de Requisitos Definir os requisitos do sistema que correspondem ao modelo proposto. Informar na Solicitação de Serviço a quantidade de pontos de função de transação, considerando o rateio de pontos de função de dados. Devolver a Ordem deserviço. Revisar / homologar os produtos gerados na etapa anterior. Havendo alguma incorreção ou inconsistência, os produtos incorretos ou inconsistentes, deverão ser devolvidos à Contratada para acerto, acompanhados do Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Definição de Requisitos). Quando ocorrer a aceitação de todos os produtos relacionados na Ordem de Serviço, será emitido o Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Implantação), bem como o Termo de Encerramento da Ordem de Serviço, que autoriza a Contratada a emitir a fatura correspondente ao serviço prestado. Emitir tantas Ordens de Serviço quantas forem necessárias, para a execução das etapas seguintes, visando a implementação de cada módulo do Sistema. Conforme definido CONTRATADA na Solicitação de Serviço baseado no cronograma a ser aprovado Dependerá da complexidade do sistema. PRODERJ / CLIENTE P3 Solicitação de Serviço Apenso III P4 - Planilha para Cálculo de Pontos de Função - Apenso IV P5 Modelo de Cronograma Apenso V P7 Ordem de Serviço Apenso VII P9 - Modelo de Definição de Requisitos de Software - Apenso IX P10 Cadastro de Requisitos Apenso X P6 - Relatório de Revisão / Homologação de Produtos - Apenso VI P7 Ordem de Serviço Apenso VII P11 Termo de Encerramento de Ordem de Serviço Apenso XI 10

11 Etapa Descrição Prazo Responsável Produtos ETAPA E 4 Ante Projeto ETAPA E 5 Revisão / Homologação do Ante Projeto ETAPA E 6 Especificação do Sistema ETAPA E 7 Revião / Homologação da Especificação do Sistema Elaborar o Ante Projeto do Sistema, apresentando as características lógicas do sistema proposto. Refazer o Cálculo de Pontos de Função anteriormente efetuado e o preenchimento do Cadastro de Requisitos, à luz do novo cálculo. Devolver a Ordem de Serviço. Revisar / homologar os produtos gerados na etapa anterior. Havendo alguma incorreção ou inconsistência, os produtos incorretos ou inconsistentes, deverão ser devolvidos à Contratada para acerto, acompanhados do Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Ante- Projeto). Quando ocorrer a aceitação de todos os produtos, será emitido o Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Ante-Projeto), que autoriza o início da etapa seguinte. Elaborar a especificação do sistema apresentando suas características físicas. Revisar / homologar os produtos gerados na etapa anterior. Havendo alguma incorreção ou inconsistência, os produtos incorretos ou inconsistentes, deverão ser devolvidos à Contratada para acerto, acompanhados do Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Especificação do Sistema). Quando ocorrer a aceitação de todos os produtos relacionados na Ordem de Serviço, será emitido o Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Implantação), bem como o Termo de Encerramento da Ordem de Serviço, que autoriza a Contratada a emitir a fatura correspondente ao serviço prestado. Emitir tantas Ordens de Serviço quantas forem necessárias, para a execução das etapas seguintes, visando a implementação de cada módulo do Sistema. A ser estipulado pelo PRODERJ em função da complexidade do ante projeto Conforme complexidade do projeto Conforme cronograma Conforme complexidade do projeto CONTRATADA PRODERJ P4 - Planilha para Cálculo de Pontos de Função - Apenso IV P5 Modelo de Cronograma - Apenso V P7 Ordem de Serviço Apenso VII P8 Modelo de Análise e Desenho Apenso VIII P10 Cadastro de Requisitos Apenso X P21 Protótipo P22 Diagrama/Arquivos Case P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos Apenso VI P27 Scripts de Geração Física de BD CONTRATADA P14 Plano de Teste de Casos de Uso Apenso XIV PRODERJ e/ou cliente P19 Modelo Físico do Sistema Apenso XIX P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos - Apenso VI P7 Ordem de Serviço Apenso VII P11 Termo de Encerramento de Ordem de Serviço Apenso XI 11

12 Etapa Descrição Prazo Responsável Produtos ETAPA E 8 Construção ETAPA E 9 Revisão / Homologação da Construção ETAPA E 10 Implantação Elaborar a codificação e testes dos módulos definidos na etapa de Especificação do Sistema. Devolver a Ordem de Serviço. Revisar / homologar os produtos gerados na etapa anterior. Havendo alguma incorreção ou inconsistência, os produtos incorretos ou inconsistentes, deverão ser devolvidos à Contratada para acerto, acompanhados do Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Construção). Quando ocorrer a aceitação de todos os produtos, será emitido o Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Construção), que autoriza o início da Etapa seguinte. Implementar o Plano de Implantação Conforme cronograma CONTRATADA De acordo com a complexidade do sistema Conforme cronograma PRODERJ e/ou cliente CONTRATADA P7 Ordem de Serviço Apenso VII P15 Desenho Arquitetônico Apenso XV P16 - Relatório do Resultado de Testes de Casos de Uso - Apenso XVI. P17 Plano de Implantação Apenso XVII P23 Códigos de Casos de Uso / Classes P6 - Relatório de Revisão / Homologação de Produtos - Apenso VI P4 Planilha para Cálculo de Ponto de Função Apenso IV P10 Cadastro de Requisitos Apenso X P24 - Sistema em produção 12

13 ETAPA E 11 Revisão / Homologação da implantação Revisar / homologar os produtos gerados na etapa anterior. Havendo alguma incorreção ou inconsistência, os produtos incorretos ou inconsistentes, deverão ser devolvidos à Contratada para acerto, acompanhados do Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Implantação). Conforme complexidade do projeto PRODERJ e/ou cliente P6 - Relatório de Revisão/Homologação de Produtos Apenso VI P11 Termo de Encerramento da Ordem de Serviço Apenso XI P13 Termo de Encerramento da Solicitação de Serviços Apenso XIII Quando ocorrer a aceitação de todos os produtos relacionados na Ordem de Serviço, será emitido o Relatório de Revisão/Homologação de Produtos (Implantação), bem como o Termo de Encerramento da Ordem de Serviço, que autoriza a Contratada a emitir a fatura correspondente ao serviço prestado. Ao término da última Ordem de Serviço relativa a implantação, estando todas elas devidamente homologadas, o PRODERJ emitirá o Termo de Encerramento da Solicitação de Serviços, finalizando os serviços contratados para o projeto. 13

14 APENSO III Solicitação de Serviço 14

15 Solicitação de Serviço Apenso III Área Executora Nome do Projeto Cód. Projeto Número do Contrato Fornecedor Nº Solicitação de Serviço Data da Emissão / / Data Prevista Entrega / / Código do item Nome do Item Qde. P. Função Total de Pontos de Função Instruções Complementares: Posição Nome Assinatura Telefone Data Contato Líder Projeto / / Gerencia / / Diretoria / / Fornecedor / / 15

16 APENSO IV Planilha Para Cálculo de Pontos de Função 16

17 Apenso IV Identificação da Contagem de Pontos de Função Projeto: Número da Solicitação: Líder: Revisor: 17

18 Apenso IV Função Descrição 1 Função Tipo Transação ALR DER Complexidade PF 1 - Pontos de Função de Transação Função Descrição 2 Função Tipo Dado RLR DER Complexidade PF 2 - Pontos de Função de Dados Total de Pontos de Função ( ) 18

19 Apenso IV 3 - Características Gerais de Sistema 01 Comunicação de Dados 02 Processamento Distribuído 03 Performance 04 Configuração Altamente Utilizada 05 Volume de Transações 06 Entrada de Dados On-line 07 Eficiência do Usuário Final 08 Atualização On-Line 09 Processamento Complexo 10 Re-usabilidade 11 Facilidade de Instalação 12 Facilidade de Operação 13 Múltiplos Locais 14 Modificação Facilitada Total dos Níveis de Influência (TDI) Valor do Fator de Ajuste (VAF) DI 4 - Variáveis da Contagem Final [UFPB] PF não Ajustados [ADD] PF não Ajustados das novas funcionalidades [CHGA] PF não ajustados da func. alteradas - após [CHGB] PF não ajustados das func. alteradas - antes [DEL] PF não ajustados das funcionalidades excluídas [VAF] Valor do Fator de Ajuste [VAFA] Valor do Fator de Ajuste - Depois [VAFB] Valor do Fator de Ajuste - Antes Total de pontos de função ajustados: Total 19

20 GLOSSÁRIO PONTO DE FUNÇÃO Apenso IV Sigla ADD AIE ALI Significado Contagem não ajustada das funções acrescentadas à aplicação durante um projeto Arquivo de Interface Externa Grupamento lógico de dados ou informações de controle relacionados, referenciados pela aplicação, porém mantido dentro da fronteira de outra aplicação. A intenção principal de um AIE é armazenar dados referenciados por um ou mais processos elementares da aplicação sendo controlada. Um AIE de uma aplicação é obrigatória um ALI em outra aplicação Arquivo Lógico Interno Grupamento lógico de dados ou informações de controle relacionados, mantidos dentro da fronteira da aplicação. A intenção principal de ALI é armazenar dados mantidos por um ou mais processos elementares da aplicação sendo contada. ALR CE CFP Arquivo Lógico Referenciado Um ALI lido ou mantido por uma função transacional, ou um AIE lido por uma função transacional. Consulta Externa Processo elementar que envia dados ou informações de controle para fora da fronteira da aplicação. A intenção principal de CE é apresentar informações ao usuário através da recuperação de dados ou informações de controle. A lógica de processamento não contém cálculos ou fórmulas matemáticas e não cria dados derivados. Nenhum ALI é mantido durante o processamento, nem é alterado o comportamento do sistema. Contagem não ajustada das funções acrescentadas pelo processo de conversão CHGA Contagem não ajustada das funções modificadas, com base na complexidade funcional após o projeto CHGB Contagem original não ajustada das funções modificadas, com base na complexidade funcional antes do projeto DEL DER DET DI EE EI EIF EO EQ FFP FPA FTR Contagem não ajustada das funções excluídas pelo projeto Dado Elementar Referenciado Campo único, não repetido, reconhecido pelo usuário. Data Element Type Degree of Influence Entrada Externa Processo elementar que processa dados ou informações de controle provenientes de fora da fronteira da aplicação. A intenção primária de uma EE é manter um ou mais ALIs e/ou alterar o comportamento do sistema. External Input External Interface File External Output External Inquiry Full Function Point Function Point Analysis File Type Referenced 20

21 ILF PFA PFD PFM RET RLR SE TDI UFP Internal Logical File Quantidade de pontos de função ajustados da aplicação Quantidade de pontos de função de desenvolvimento Quantidade de pontos de função do projeto de Manutenção ou melhoria Record Element Type Registro Lógico Referenciado Subgrupo de itens de dado, reconhecido pelo usuário, em um ALI ou AIE. Saída Externa Processo elementar que gera dados ou informações de controle enviados para fora da fronteira da aplicação. A intenção principal de uma SE é apresentar informações a um usuário através de lógica de processamento que envolva outras ações além da simples recuperação de dados e informações de controle. A lógica de processamento deve conter pelo menos uma das seguintes características: executar fórmulas ou cálculos matemáticos; criar dados derivados; manter um ou mais ALIs; alterar o comportamento do sistema. Total Degree of Influence (Grau de Influência Total) Nível de Influência total, advindo da soma da pontuação individual de todas as 14 características gerais. Pontos de função não ajustados UFPB Pontos de função não ajustados, antes do projeto de melhoria VAF Fator de Ajuste Calculado segundo fórmula onde é considerado o nível de influência das 14 características gerais. VAFA Fator de Ajuste após o projeto de melhoria VAFB Fator de ajuste antes do projeto de melhoria 21

22 APENSO V Modelo de Cronograma 22

23 Modelo de Cronograma Apenso V Projeto Sistema Pontos de Função Número da Solicitação Data Autorização PRODERJ / / Preparado por: Aprovado Por: Telefone Contato Atividades do Cronograma: Item Descrição PF Data Total Entrega Duração (dias úteis) Instruções Complementares: 23

24 APENSO VI Relatório de Revisão / Homologação de Produtos 24

25 Relatório de Revisão / Homologação de Produtos Projeto: Nº da Solicitação de Serviços: Sistema: Código Relatório: (número seqüencial por sistema) Data: xx/xx/xxxx Apenso VI 1. Identificação dos Produtos Avaliados Cód. Descrição 2. Participantes: Participantes Área Assinatura 3. Sumário dos resultados xxxxxxxxxxxx 4. Conclusão (Deverá constar um relato descritivo para cada produto avaliado, com as seguintes opções de avaliação: Aceito, aceito com ressalvas, devolvido para ajustes. Quando for o caso de Homologação do Ante Projeto, informar a quantidade de Pontos de Função passível de faturamento). (Assinatura do responsável PRODERJ) Responsável PRODERJ 25

26 APENSO VII Ordem de Serviço 26

27 Apenso VII Ordem de Serviço Área Executora Nome do Projeto Cód. Projeto Nº Solicitação de Serviço Número do Contrato Fornecedor Número da OS Data de Emissão / / Data Prevista Entrega / / Código do Item Nome do Item Qde. P. Função Instruções Complementares: Posição Nome Assinatura Telefone Contato Líder Projeto / / Gerencia / / Diretoria / / Fornecedor / / Data 27

28 APENSO VIII Modelo de Análise e Desenho 28

29 < nome da organização fornecedora > Modelo de Análise e Desenho < nome do sistema > Apenso VIII { Versão revisada < n > } Autores: < nomes dos autores > < local > Aprovação < data > Aprovamos o documento de Descrição do Desenho { Versão revisada < n > } do projeto < nome do projeto >. <Nome> <Data> <Nome> <Data> <Nome> <Data> Versões revisadas anteriores Revisão Comentário Data 29

30 Modelo de Análise e Desenho Apenso VIII 1 Introdução 2 Escopo do Relatório 2.1 Definição do Escopo do Sistema 2.2 Detalhamento da Arquitetura da Solução 2.3 Análise dos Dados 2.4 Definição da Estratégia de Integração com Sistemas Legados 2.5 Atualização das Estimativas de Projeto 30

31 APENSO IX Modelo de Definição de Requisitos de Software Apenso IX 31

32 { Versão revisada < n > } < nome da organização fornecedora > Definição de Requisitos de Software < nome do sistema > Autores: < nomes dos autores > < local > Aprovação < data > Aprovamos a Especificação dos Requisitos { Versão revisada < n > } do projeto < nome do projeto >. <Nome> <Data> <Nome> <Data> <Nome> <Data> Versões revisadas anteriores Versão revisada Comentário Data 32

33 Apenso IX Definição de Requisitos de Software 1 Introdução 2 Escopo do Relatório 2.1 Entendimento do Modelo do Negócio 2.2 Levantamento da Situação Atual 2.3 Definição do Sistema Proposto 2.4 Análise de Viabilidade do Sistema Proposto 2.5 Elaboração das Estimativas de Projeto 33

34 APENSO X Cadastro de Requisitos 34

35 Cadastro de Requisitos Apenso X Para documentar os elementos utilizados na contagem de pontos de função será utilizado o documento Cadastro de Requisitos de Software (CRSw) composto de 2 formulários conforme modelos abaixo: 1 Contagem de Funções de Transação: Este formulário permite registrar os elementos das funções de transação (EE, SE, CE) a partir dos Casos de Uso. Exemplo: 1 Contagem de Funções de Transação No. ID Caso de uso Tipo Função ALR DER 1 CDUA1 Gestão de Usuários Fluxo princ. 2 CDUA1.1 Pesquisa de Usuário Subfluxo EE CDUA1.2 Inclusão de Novo Úsuário Fluxo Alt. EE CDUA1.3 Alteração de Dados Fluxo Alt. EE CDUA1.4 Exclusão de Usuário Fluxo Alt. EE CDUA2 Gestão de Estoque Fluxo princ. EE ALR Qde. de Arquivos Lógicos Referenciados DER Qde. de Dados Elementares Referenciados Função Tipos de Função de Transação (CE, EE, SE) 35

36 Apenso X 2 Contagem de Funções de Dados Este formulário registra os elementos para cálculo das funções de dados (ALI-Arquivos Lógicos Internos e os AIE-Arquivos de Interface Externos). No. Função de Dado Classe ALR RLR DER 2 Fornecedor Fornecedor ALI Mercadoria Mercadoria ALI 2 6 Item de Mercadoria 5 Usuário Usuário ALI Pedido de Compra Pedido de Compra ALI Item de Compra 8 Caixa Caixa AIE ALR = Qde. de Arquivos Lógicos Referenciados RLR = Qde. de Registros Lógicos Referenciados DER = Qde. de Dados Elementares Referenciados 36

37 APENSO XI Termo de Encerramento da Ordem de Serviço 37

38 Termo de Encerramento da Ordem de Serviço Apenso XI Número da OS Data da Emissão / / Número da Solicitação Serviço Serviços: Código Caso de Uso Descrição do Caso de Uso N º Relatório Homologação Qtd. Pontos de Função Total de Pontos de Função Termo de Encerramento Declaro que os serviços constantes da Ordem de Serviço foram integralmente realizados e aceitos pelo PRODERJ conforme atestam os Relatórios de Revisão/Homologação de Produtos citados acima. Aprovado por: / / Nome Assinatura Data 38

39 APENSO XII Termo de Abertura de Projeto - TAP 39

40 < nome da organização fornecedora > Termo de Abertura de Projeto - TAP Apenso XII < nome do sistema > { Versão revisada < n > } Autores: < nomes dos autores > local > < data > Aprovação Aprovamos o Termo de Abertura do Projeto { Versão revisada < n > } < nome do projeto >. <Nome> <Data> <Nome> <Data> <Nome> <Data> Versões revisadas anteriores Versão revisada Comentário Data 40

41 Termo de Abertura de Projeto Apenso XII 1.Identificação dos Produtos Avaliados 25 Apenso XIV 45 Plano de Testes de Casos de Uso 45 Nº da Ordem de Serviço : 45 ESPECIFICAÇÕES DE TESTES 46 Especificação do teste do Caso de uso Login 46 APENSO XV Introdução Objetivos deste documento Visão geral deste documento PLATAFORMA 52 {COLOCAR A DESCRIÇÃO SOBRE A TECNOLOGIA EMPREGADA NA INFRA-ESTRUTURA DO PROJETO} FORNECEDORES / IMPLEMENTAÇÕES 52 {COLOCAR INFORMAÇÕES SOBRE OS FORNECEDORES E IMPLEMENTAÇÕES DE SOFTWARE E HARDWARE QUE FORAM UTILIZADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA E QUE DEVAM SER ADQUIRIDOS PELA CONTRATANTE.} AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO DESENHO INTERNO Visão lógica Visão física 53 Apenso XVIII 59 Critérios para Faturamento pela CONTRATADA 59 41

42 APENSO XIII Termo de Encerramento da Solicitação de Serviço 42

43 Apenso XIII Termo de Encerramento da Solicitação de Serviço Área Executora Nome do Projeto Cód. Projeto Número do Contrato Fornecedor Número da Solicitação Código Relatório de Homologação Número da OS Código Relatório de Homologação Termo de Encerramento Declaro que os serviços acima citados foram integralmente realizados e aceitos pelo PRODERJ conforme atestam os Relatórios de Revisão/Homologação de Produtos acima referenciados. Aprovado por: / / Nome Assinatura Data 43

44 APENSO XIV Plano de Testes de Casos de Uso 44

45 Plano de Testes de Casos de Uso Apenso XIV Nº da Ordem de Serviço : Nome do Sistema: Identificador do plano de testes xxxxx-01 (onde xxxxxx - código do Caso de uso) Introdução Objetivos dos testes Testar a funcionalidade, completeza e correção da implementação do Caso de uso xxxxx do sistema vvvvvvv, comparando-o com a respectiva especificação. Verificar a compatibilidade do código com o ambiente operacional da PRODERJ. Escopo dos testes Todas a funcionalidade especificadas nos documentos de definição de funcionalidades serão testadas. Itens a testar Número de Item ordem 1 Testar todas as funcionalidades especificadas para o Caso de Uso xxxxxxx Comentários As funções de manutenção do banco de dados (inclusão/alteração) serão confirmadas Funções a testar Apenso XIV Número de ordem Item Referência às Especificações de Testes Funcionais 1 Login xxxxxxx-etf-lo 2 Inclusão xxxxxx-etf-gu 3 Alteração xxxxxx-etf-gf 4 Exclusão xxxxxx-etf-gm 5 Emissão de Relatórios xxxxxx-etf-er

46 11 12 Ambiente Hardware. Software. Ferramentas de testes. Especificações de testes Especificação do teste do Caso de uso Login Identificador da especificação de teste XXXXXXX-ETF-LO 46

47 Aspectos a serem testados Apenso XIV Número Requisito Comentários 1 Caso de uso Login Serão testados o login e a alteração de senha. Identificação dos testes Procedimentos de teste Número Procedimento de teste Identificação do procedimento de teste 1 Login xxxxxxx-etf-lo- 2 Logoff xxxxxxx-etf-lof- 3 Alteração de senha xxxxxxx-etf-lo Casos de teste Identificação CT Entradas Campo Valor Saídas esperadas Campo Valor Procedimento de teste/ Fluxo do caso de uso Critérios de Aceitação Pré-requisitos (Citar o número do procedimento ou o fluxo do Caso de uso) Ex: xxxxxx-etf-lo Ex: Os logins com identificador inválido são rejeitados com mensagem apropriada. Procedimentos de teste Procedimento de teste Login Identificação xxxxxx-etf-lo-pt-lo Objetivo Verificar se o login de um usuário é feito corretamente. Requisitos A Tela Principal deve estar no estado SEM USUÁRIO. especiais Fluxo 1. Preencher Login e Senha. 2. Acionar Login. Procedimento de teste Logoff Identificação xxxxxxxx-etf-lo-pt-lf Objetivo Verificar se o logoff de um usuário é feito corretamente. Requisitos A Tela Principal deve estar no estado COM USUÁRIO. especiais Fluxo 1. Acionar Logoff. Apenso XIV Procedimento de teste Alteração de senha Identificação xxxxxxx-etf-lo-pt-as 47

48 Objetivo Requisitos especiais Fluxo Verificar se a alteração de senha de um usuário é feita corretamente. A Tela Principal deve estar no estado COM USUÁRIO. 2. Acionar Alterar Senha. 3. Editar Senha 4. Preencher Confirma Senha. 5. Acionar Confirmar Senha. Obs: Os conteúdos apresentados referem-se a exemplos no sentido de facilitar o entendimento. 48

49 APENSO XV Desenho Arquitetônico 49

50 Apenso XV < nome da organização fornecedora > Desenho Arquitetônico < nome do sistema > { Versão revisada < n > } Autores: < nomes dos autores > < local > Aprovação < data > Aprovamos o documento de Descrição do Desenho { Versão revisada < n > } do projeto < nome do projeto >. <Nome> <Data> <Nome> <Data> <Nome> <Data> Versões revisadas anteriores Revisão Comentário Data 50

51 Apenso XV DESENHO ARQUITETÔNICO 1.Identificação dos Produtos Avaliados 25 Apenso XIV 45 Plano de Testes de Casos de Uso 45 Nº da Ordem de Serviço : 45 Identificador do plano de testes 45 Introdução 45 Itens a testar 45 Apenso XIV 45 Funções a testar 45 Ambiente 46 ESPECIFICAÇÕES DE TESTES 46 Especificação do teste do Caso de uso Login 46 Identificador da especificação de teste 46 Apenso XIV 47 Aspectos a serem testados 47 Identificação dos testes 47 Procedimentos de teste 47 APENSO XV Introdução Objetivos deste documento Visão geral deste documento PLATAFORMA 52 {COLOCAR A DESCRIÇÃO SOBRE A TECNOLOGIA EMPREGADA NA INFRA-ESTRUTURA DO PROJETO} FORNECEDORES / IMPLEMENTAÇÕES 52 {COLOCAR INFORMAÇÕES SOBRE OS FORNECEDORES E IMPLEMENTAÇÕES DE SOFTWARE E HARDWARE QUE FORAM UTILIZADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA E QUE DEVAM SER ADQUIRIDOS PELA CONTRATANTE.} AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO DESENHO INTERNO Visão lógica Visão física 53 Apenso XVIII 59 Critérios para Faturamento pela CONTRATADA 59 51

52 Desenho Arquitetônico Apenso XV 1 - Introdução Objetivos deste documento {Colocar a descrição global da aplicação a ser desenvolvida} Visão geral deste documento {Colocar a visão geral sobre a parte física da aplicação} 2 - Plataforma {Colocar a descrição sobre a tecnologia empregada na infra-estrutura do projeto} 3 - Fornecedores / Implementações {Colocar informações sobre os fornecedores e implementações de software e hardware que foram utilizados para o desenvolvimento do sistema e que devam ser adquiridos pela contratante.} 4 - Ambiente de desenvolvimento {Colocar o diagrama de implantação e as descrições textuais. Este item deve ser elaborado através de um diagrama de implantação exibindo o ambiente de desenvolvimento.} Desenho interno 5.1 Visão lógica Diagrama de Camadas Lógicas {Colocar o diagrama de camadas lógicas e as descrições textuais. Neste diagrama devem ser contempladas as camadas existentes na aplicação, por exemplo: apresentação, negócio e de dados} Diagrama de Pacotes lógicos { Colocar o diagrama de pacotes lógicos e as descrições textuais. Este diagrama tem por objetivo representar os subsistemas ou sub-módulos englobados por um sistema de forma a determinar as partes que o compõem.} 52

53 5.2 - Visão física Apenso XV {Apresentação dos diagramas de componentes e de implantação para permitir a especificação da implementação de um sistema e a sua distribuição sobre várias máquinas. Estes diagramas são usados para ter uma visão completa de um sistema, não somente da parte de software como também da parte de hardware.} Diagrama de Componentes {Colocar o diagrama de componentes e as descrições textuais. Este diagrama mostra a organização entre arquivos executáveis, bibliotecas, tabelas de banco de dados, documento e arquivos da aplicação} Diagrama de Implantação {Colocar o diagrama de implantação e as descrições textuais. Este diagrama enfoca a questão da organização da arquitetura física sobre a qual o software irá ser implantado e executado em termos de hardware, ou seja, as máquinas(computadores pessoais, servidores entre outros) que suportarão o sistema. Além de definir como estas máquinas estarão conectadas e através de quais protocolos se comunicarão e transmitirão informações. Ele mostra a estrutura de nós nos quais os componentes e artefatos são implantados.} 6 - Definição de Integração entre Aplicações Interface de software {Colocar o diagrama de implantação e as descrições textuais. Este item deve ser elaborado através de um diagrama de implantação exibindo a integração entre aplicações.} 7 - Anexos 7.1 Manual do Usuário 7.2 Manual de Produção 53

54 APENSO XVI Relatório de Resultados de Testes de Casos de Uso 54

55 Apenso XVI Nome do Sistema: Nº da Ordem de Serviço: Código do Caso de Uso: Classe(s) utilizadas: Plano de Testes: Data: xx/xx/xxxx Participantes: Sumário dos resultados xxxxxxxxxxxx Avaliação xxxxxxxxxxxx Conclusão Responsável: (Assinatura do responsável pela execução do teste) Relatório de Resultados de Testes de Casos de Uso Anexos: Impressão das telas, relatórios e arquivos que comprovem a realização dos testes 55

56 APENSO XVII Plano de Implantação 56

57 Apenso XVII Plano de Implantação Identificação do projeto : Data: Para a geração do Plano de Implantação considerar os itens abaixo: 1. Infra-estrutura 1.1. Hardware 1.2. Software 1.3. Arquitetura/Ambiente 1.4. Capacitação de usuários/produção/suporte e apoio 1.5. Recursos Humanos 1.6. Monitoramento 2. Definição dos procedimentos de carga das bases de dados Definir a forma de alimentação das bases de dados do sistema, ou seja: conversão, digitação etc.. 3. Definição do Plano de Convivência com o sistema atual Definir a filosofia de convivência do novo sistema com o sistema atualmente existente, caso isso venha a ocorrer. Essa filosofia deverá considerar aspectos de compartilhamento das mesmas bases de dados, processamentos em paralelo, etc. 4. Elaboração do cronograma de Implantação de forma detalhada 57

58 APENSO XVIII Critérios para Faturamento 58

59 Apenso XVIII Critérios para Faturamento pela CONTRATADA Faturamento de Serviços Medidos em Pontos de Função 1 Processo de Implementação / Manutenção O documento que servirá de base para o faturamento de pontos de função será o Termo de Encerramento de Ordem de Serviço. Neste documento estão citados os valores relativos aos pontos de função correspondentes aos serviços homologados pelo PRODERJ, observado o critério abaixo: VALOR FATURADO = VALOR PF CONTRATADO * QTD. TOTAL PF DO TEOS (Apenso XI) 2 Processo de Desenvolvimento Cada projeto é coberto globalmente por uma Solicitação de Serviços e concluído por um Termo de Encerramento da Solicitação de Serviços. As fases de cada projeto são cobertas por Ordens de Serviço e concluídas por Termos de Encerramento das Ordens de Serviço. Os marcos de faturamento de serviços medidos em pontos de função ( PF ) ocorrem nos seguintes pontos: ao término da fase de Definição de Requisitos ( item 2.1 ) ao término da fase de Especificação de cada Módulo ( item 2.2 ) ao término da fase de Implantação de cada Módulo ( item 2.3 ) O Termo de Encerramento da Ordem de Serviço correspondente à etapa ( E3 ) de revisão e homologação da Definição de Requisitos autoriza o faturamento pela Contratada dos serviços aprovados pelo PRODERJ, observado o critério abaixo: Valor Faturado = Valor PF contratado * Quantidade PF aprovada para o total do Projeto * 0,10 A quantidade de pontos de função aprovada na etapa E3 está registrada no Termo de Encerramento da Ordem de Serviço referente à Definição de Requisitos, fase cujo escopo é a íntegra do projeto O Termo de Encerramento da Ordem de Serviço correspondente à etapa ( E7 ) de revisão e homologação do conjunto Anteprojeto e Especificação de cada Módulo autoriza o faturamento pela Contratada dos serviços aprovados pelo PRODERJ, observado o critério abaixo: Valor Faturado = Valor PF contratado * Quantidade PF aprovada para o total do Módulo * 0,30 A quantidade de pontos de função aprovada na etapa E5 para cada Módulo está registrada no Termo de Encerramento da Ordem de Serviço referente ao Anteprojeto e Especificação, fases cujo escopo é o Módulo e não a íntegra do projeto. 59

60 2.3 - O Termo de Encerramento da Ordem de Serviço correspondente à etapa ( E11 ) de revisão e homologação do conjunto Construção e Implantação de cada Módulo autoriza o faturamento pela Contratada dos serviços aprovados pelo PRODERJ, observado o critério abaixo: Se não for o último módulo do projeto, Valor Faturado = Valor PF contratado * Quantidade PF aprovada para o total do Módulo * 0,60. Se for o último módulo do projeto, Valor Faturado = Valor PF contratado * Somatório das quantidades PF aprovadas para todos os Módulos - Somatório dos valores já faturados nas Ordens de Serviço anteriores. A quantidade de pontos de função aprovada para cada Módulo está registrada no Termo de Encerramento da Ordem de Serviço referente à Construção e Implantação, fases cujo escopo é o Módulo e não a íntegra do projeto. 60

61 APENSO XIX Modelo Físico do Sistema 61

62 Apenso XIX < nome da organização fornecedora > Modelo Físico do Sistema < nome do sistema > { Versão revisada < n > } Autores: < nomes dos autores > < local > Aprovação < data > Aprovamos o documento de Descrição do Desenho { Versão revisada < n > } do projeto < nome do projeto >. <Nome> <Data> <Nome> <Data> <Nome> <Data> Versões revisadas anteriores Revisão Comentário Data 62

63 Apenso XIX Modelo Físico do Sistema 1 Introdução 2 Escopo do Relatório 2.1 Definição das Entradas, Saídas e Relatórios 2.2 Especificação de Características Funcionais 2.3 Modelo de Dados / Funções 2.4 Elaboração de Especificação Técnica 2.5 Atualização das Estimativas do Projeto 63

Análise de Pontos de Função. Por Denize Terra Pimenta dpimenta_aula@yahoo.com.br

Análise de Pontos de Função. Por Denize Terra Pimenta dpimenta_aula@yahoo.com.br Análise de Pontos de Função Por Denize Terra Pimenta dpimenta_aula@yahoo.com.br 1 Não se consegue controlar o que não se consegue medir. 2 Bibliografia "Function Point Analysis: Measurement Practices for

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2.1 - ANÁLISE DE PONTO POR FUNÇÃO - APF 1. INTRODUÇÃO Criada em 1979 por Allan J. Albrecht (IBM), a APF - ANÁLISE DE PONTOS POR FUNÇÃO é uma técnica para medição de projetos cujo objeto seja o

Leia mais

Análise de Pontos por Função - O Processo de contagem

Análise de Pontos por Função - O Processo de contagem Análise de Pontos por Função - O Processo de contagem A seguir apresento uma versão do capítulo sobre o processo de contagem da APF que faz parte de minha monografia para conclusão do curso de especialização

Leia mais

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Pontos de Função André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Roteiro Introdução Métricas de Projeto Análise de Pontos de Função

Leia mais

Pontos de Função na Engenharia de Software

Pontos de Função na Engenharia de Software Pontos de Função na Engenharia de Software Diana Baklizky, CFPS Este documento contém informações extraídas do Manual de Práticas de Contagem do IFPUG. Essas informações são reproduzidas com a permissão

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO N 44.771 DE 05 DE MAIO DE 2014

PODER EXECUTIVO DECRETO N 44.771 DE 05 DE MAIO DE 2014 1 PODER EXECUTIVO DECRETO N 44.771 DE 05 DE MAIO DE 2014 APROVA A METODOLOGIA DE INFORMATIZAÇÃO DE PROCESSO ADMINISTRATIVO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO ESTADUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO

Leia mais

ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO. Análise de Pontos de Função (APF) Análise de Pontos de Função (APF) @ribeirord @RIBEIRORD

ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO. Análise de Pontos de Função (APF) Análise de Pontos de Função (APF) @ribeirord @RIBEIRORD ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO @RIBEIRORD Análise de Pontos de Função (APF) É uma técnica de medição das funcionalidades fornecidas por um software do ponto de vista de seus usuários. Ponto de função (PF)

Leia mais

Análise de Ponto de Função

Análise de Ponto de Função Complemento para o Curso Análise de Ponto de Função FUNÇÕES DO TIPO DADO O termo Arquivo não significa um arquivo do sistema operacional, como é comum na área de processamento de dados. Se refere a um

Leia mais

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015 Monitor de Comercialização Ofertante MT 43-1-00015-0 Última Atualização 12/11/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Como inserir subitens V Emissão de Relatórios VI

Leia mais

Diretrizes de Qualidade de Projetos

Diretrizes de Qualidade de Projetos Diretrizes de Qualidade de Projetos Versão 1.5 MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 15/01/2012 1.0 Criação do Artefato Pérsio Mairon 10/03/2012 1.1 Inclusão

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela de Souza Leal 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

CLÍNICA TECNOLÓGICA CASOS DE TESTE. Palestrante: Marcia Silva MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR www.emersonrios.eti.br

CLÍNICA TECNOLÓGICA CASOS DE TESTE. Palestrante: Marcia Silva MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR www.emersonrios.eti.br CLÍNICA TECNOLÓGICA CASOS DE TESTE Palestrante: Marcia Silva MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR www.emersonrios.eti.br 1 REQUISITOS DE NEGÓCIO ESPECIFICAÇÃO FUNCIONAL Protótipo Planejamento dos testes Design

Leia mais

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS 1624/2014 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região 2 A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o que consta no PA nº 0008096-80.2014.5.04.0000,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-503-R01 GESTÃO DE DEMANDAS DE TI DA SGP

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-503-R01 GESTÃO DE DEMANDAS DE TI DA SGP MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-503-R01 GESTÃO DE DEMANDAS DE TI DA SGP 06/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 17 de junho de 2016. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

Atendimento de Demandas CTIC

Atendimento de Demandas CTIC Fluxo de Atendimento de Demandas - CTIC Atendimento de Demandas CTIC Coordenação de Sistemas Fluxo de Atendimento de Demandas - CTIC Público Alvo: Áreas Usuárias dos Sistemas da UFOPA e Equipe de Coordenação

Leia mais

Estimativa de Tamanho de Software Utilizando APF e a Abordagem NESMA

Estimativa de Tamanho de Software Utilizando APF e a Abordagem NESMA Estimativa de Tamanho de Software Utilizando APF e a Abordagem NESMA Werley Teixeira Reinaldo, Cristina D Ornellas Filipakis Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 13B DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar, discutir o conceito de métricas de software orientadas a função. DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas EDITAL N O 12, DE 23 DE ABRIL DE 2015 O Diretor Geral do Campus Campinas

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer Resumo Este artigo descreve os conceitos gerais relacionados a técnica de Análise

Leia mais

MPR MPR/SIA-805-R03 APROVAÇÃO DO PROGRAMA DE SEGURANÇA DE OPERADOR AÉREO

MPR MPR/SIA-805-R03 APROVAÇÃO DO PROGRAMA DE SEGURANÇA DE OPERADOR AÉREO MPR MPR/SIA-805-R03 APROVAÇÃO DO PROGRAMA DE SEGURANÇA DE OPERADOR AÉREO 07/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 06 de julho de 2015. Aprovado, Leonardo Boszczowski Fabio Faizi Rahnemay Rabbani 3 PÁGINA

Leia mais

Coleta de Tempo de Serviço. A coleta deve ser efetuada com períodos que não constam do PAEF e anteriores ao ano de 1991.

Coleta de Tempo de Serviço. A coleta deve ser efetuada com períodos que não constam do PAEF e anteriores ao ano de 1991. Coleta de Tempo de Serviço A coleta deve ser efetuada com períodos que não constam do PAEF e anteriores ao ano de 1991. Período posterior ao ano de 1991, que não consta do PAEF, deve ser inserido no PAEF,

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Agenda: Carlos Simões cs@synapsisbrasil.com.br carlossimoes@cos.ufrj.br

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço. Passo a Passo Gestor de Compras

SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço. Passo a Passo Gestor de Compras SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço Passo a Passo Gestor de Compras Como acessar Como Acessar O acesso ao Sistema se faz através da página da SEPLAG Clicando no Link destacado Como Acessar

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

INICIAÇÃO DO PROJETO PLANEJAMENTO PRELIMINAR. Engenharia de Software INE 5622. Planejamento de projetos de SW. O Planejamento de projetos de SW

INICIAÇÃO DO PROJETO PLANEJAMENTO PRELIMINAR. Engenharia de Software INE 5622. Planejamento de projetos de SW. O Planejamento de projetos de SW Engenharia de Software INE 5622 O Planejamento de projetos de SW Walter de Abreu Cybis Outubro, 2006 Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

SISTEMA CADASTRO INTEGRADO MANUAL DO USUÁRIO DAS ENTIDADES ESTADUAIS E MUNICIPAIS, PREFEITURA E CORPO DE BOMBEIROS

SISTEMA CADASTRO INTEGRADO MANUAL DO USUÁRIO DAS ENTIDADES ESTADUAIS E MUNICIPAIS, PREFEITURA E CORPO DE BOMBEIROS SISTEMA CADASTRO INTEGRADO MANUAL DO USUÁRIO DAS ENTIDADES ESTADUAIS E MUNICIPAIS, PREFEITURA E CORPO DE BOMBEIROS Abril / 2008 1 INDICE Objetivo do Sistema de Registro de Contribuinte na Junta Comercial...3

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE DHL IMPORT EXPRESS ONLINE GuIa DE usuário RaPIDaMENTE VOCÊ PODE PREPaR E CONTROLaR SuaS REMESSaS COM TODOS OS DETaLHES E VISIBILIDaDE DO ENVIO COM a FERRaMENTa DHL IMPORT EXPRESS. DHL IMPORT EXPRESS é

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA 2015.1 / e-labora (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA)

ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA 2015.1 / e-labora (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA) ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA) 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Escola de Engenharias e Ciências Exatas, torna público o presente Edital, pelo

Leia mais

Medição de Pontos por Função a Partir da Especificação de Requisitos

Medição de Pontos por Função a Partir da Especificação de Requisitos Medição de Pontos por Função a Partir da Especificação de Requisitos Helena Cristina A. B. Tavares, Ana Elizabete S. Carvalho, Jaelson F. B. Castro Serpro Empresa do Ministério da Fazenda, Universidade

Leia mais

Exercícios Diagrama de Casos de Uso. Disciplina: Engenharia de Requisitos

Exercícios Diagrama de Casos de Uso. Disciplina: Engenharia de Requisitos Exercícios Diagrama de Casos de Uso Disciplina: Engenharia de Requisitos Gilmar Luiz de Borba 2010-1 Página: 1 1. CASO DE USO CONTROLE DE PROVAS OBJETIVO: Construir um diagrama de caso de uso simples.

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS- Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da Histórico de Alterações Versão

Leia mais

GERENCIAR GARANTIA E FISCALIZAR MOVIMENTAÇÃO DE BENS DE TI 1 OBJETIVO

GERENCIAR GARANTIA E FISCALIZAR MOVIMENTAÇÃO DE BENS DE TI 1 OBJETIVO GERENCIAR GARANTIA E FISCALIZAR MOVIMENTAÇÃO DE BENS DE TI Proposto por: Equipe da Divisão de Equipamentos de TI (DIETI) Analisado por: Departamento de Suporte e Atendimento (DEATE) Aprovado por: Diretoria

Leia mais

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Última Atualização: 08/01/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances VI Prorrogação

Leia mais

Manual de solicitação para envio de equipamento em garantia. Bosch Sistemas de Segurança

Manual de solicitação para envio de equipamento em garantia. Bosch Sistemas de Segurança Manual de solicitação para envio de equipamento em garantia Bosch Sistemas de Segurança 2 Manual Sistema de Garantia Bosch Sistemas de Segurança Acesso ao Sistema Para acessar o sistema, entre no site

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 024, DE 8 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA Versão.0 Sistema de Controle de Concessão de Adiantamentos Sumário O Sistema CCA ----------------------------------------------------- 3 Iniciando a operacionalização do

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

Informativo de Versão 18.12

Informativo de Versão 18.12 Informativo de Versão 18.12 Índice ERP Posto... 2 Cadastro Contrato de Abastecimento (Chamado 21982)... 2 Resulth Business... 3 Entrada de Produtos (Chamado 24400)... 3 ERP Faturamento... 4 Consulta Preço

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DO ARQUIVO DE DIFERENÇA MENSAL DE RECEITA DMR ANUAL

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DO ARQUIVO DE DIFERENÇA MENSAL DE RECEITA DMR ANUAL Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Gestão Técnica da Informação SGI Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais SRC MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DO

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL 04/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 13 de abril de 2016. Aprovado, Tiago

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Engenharia de Automação Industrial

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Engenharia de Automação Industrial CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG UNIDADE ARAXÁ COORDENAÇÃO DE PROGRAMA DE ESTÁGIO - 3ºGRAU ESTÁGIO SUPERVISIONADO Engenharia de Automação Industrial GUIA DO ESTAGIÁRIO CEFET-MG

Leia mais

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009 Versão: 2 Pg: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Ivo Gerente da Fernandes Qualidade 01/10/2009 Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Versão 1 MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 1 Presidente INCRA Rolf Hackbart Diretor de Gestão Estratégica DE - INCRA Roberto Kiel Coordenador Geral

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2012

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2012 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2012 Nessa síntese foram abordados, em 57 mensagens, os seguintes assuntos: Contagem de Tipos de Dados de uma CE Contagem de PF de Componentes Contagem

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.01 Maio 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO GERAL... 3 MODELO OPERACIONAL... 4 REGISTRO DE SAÍDA - SITUAÇÃO NORMAL...

Leia mais

CEP CENTRO EXCURSIONISTA PETROPOLITANO ASSOCIAÇÃO E HELP

CEP CENTRO EXCURSIONISTA PETROPOLITANO ASSOCIAÇÃO E HELP CEP CENTRO EXCURSIONISTA PETROPOLITANO ASSOCIAÇÃO E HELP Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor Revisor 31/03/2014 1.0 Criação Hildefonso Carreiro Julian Kronemberg 08/04/2014 1.1 Revisão Hildefonso

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL EDITAL DO TESTE PÚBLICO DE SEGURANÇA

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL EDITAL DO TESTE PÚBLICO DE SEGURANÇA TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL EDITAL DO TESTE PÚBLICO DE SEGURANÇA A Comissão Reguladora comunica aos interessados que, conforme estabelecido na Resolução TSE nº 23.444, de 30 de abril de 2015, será realizado

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS Anexo I Modelo para inscrição e apresentação dos projetos EDITAL DE CONVOCAÇÃO PÚBLICA nº 01/2016 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Nome ou Razão Social 1.2 Ramo de atividade (se empresa) 1.3 Endereço completo 1.4

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Contabilidade e Finanças DCF/PROPLAN

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Contabilidade e Finanças DCF/PROPLAN GUILHERME MARTINS SANTANA Endereço Eletrônico: g.santana@ufsc.br Documentos Obrigatórios Os documentos obrigatórios que devem acompanhar qualquer solicitação de pagamento de uma compra são: Documento fiscal

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS DIVULGAÇÃO DE COMPRAS DISPENSA / INEXIGIBILIDADE MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI

CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO SICOCC Grupo: Flávio T. M. de Toledo Márcio P. Quagliato Mateus P. Quagliato RA: 2003D025 RA: 2003D021 RA: 2003D022 Profº: Vitor Brandi

Leia mais

ESCLARECIMENTO V PREGÃO 31/2015

ESCLARECIMENTO V PREGÃO 31/2015 MEC Ministério da Educação Uasg 150002 ESCLARECIMENTO V PREGÃO 31/2015 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 31/2015 Processo nº 23000.010097/2015-59 PERGUNTA 1: Conforme o item 2 do edital o mesmo cita que o Ministério

Leia mais

VÄâux atätä. Figura 1 Menu principal do SVE

VÄâux atätä. Figura 1 Menu principal do SVE Instrução para utilização do Sistema de Votação Eletrônica I. Introdução O Sistema de Votação Eletrônica (SVE) do Clube Naval (CN) destina se a apoiar a eleição dos membros da Diretoria, Conselho Diretor

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA GERENCIA EXECUTIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 RELAÇÃO DE ITENS ASSUNTOS 1. OBJETIVO... 1 2. DO OBJETO... 2 3. DA JUSTIFICATIVA DO OBJETO... 2 4. DAS ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS... 2 5. DA PRESTAÇÃO

Leia mais

PLANO DO PROJETO

<NOME DO PROJETO> PLANO DO PROJETO PLANO DO PROJETO Goiânia 2013 Sumário 1. RESUMO EXECUTIVO DO PROJETO...3 1.1. JUSTIFICATIVA DO PROJETO...3 1.2. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO DO PROJETO...3 1.3. ESTRUTURA DE GESTÃO DO PROJETO...4

Leia mais

2. Principais documentos relativos ao levantamento de dados do sistema

2. Principais documentos relativos ao levantamento de dados do sistema 1. Prefácio O sistema informatizado Folha de Pagamento Doméstica (GFD), vem sendo desenvolvido visando atender inicialmente a Organização Contábil Santa Rita Ltda., mas posteriormente, poderá favorecer

Leia mais

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO OUROCARD EMPRESA (PRÉ-PAGO) CORRENTISTAS E NÃO CORRENTISTAS DO BANCO DO BRASIL S.A.

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO OUROCARD EMPRESA (PRÉ-PAGO) CORRENTISTAS E NÃO CORRENTISTAS DO BANCO DO BRASIL S.A. CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO OUROCARD EMPRESA (PRÉ-PAGO) CORRENTISTAS E NÃO CORRENTISTAS DO BANCO DO BRASIL S.A. Pelo presente contrato, o BANCO DO BRASIL S.A., com sede em Brasília (DF),

Leia mais

SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS

SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS 25.01.2010 ÍNDICE 1. Notificação de Início do Acompanhamento... 3 2. Software para Elaboração de Projetos Agropecuários... 5 2.1. Ícones... 6 3. Cadastro do

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1 RESOLUÇÃO NORMATI VA N.º 0 0 6 / 2 0 0 1 O Tribunal de Contas do Estado de Goiás, considerando as atribuições estabelecidas pela Constituição Estadual em seu artigo 26, o disposto no inciso XII do art.

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV

Portal dos Convênios SICONV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Execução Processo de Compra, Contrato,

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE PRODUTOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO

REGISTRO ELETRÔNICO DE PRODUTOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS REGISTRO ELETRÔNICO DE PRODUTOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO Versão 01/08/2016 Coordenação Geral de Produtos CGPRO/DIRAT SUMÁRIO COORDENAÇÃO GERAL DE

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Cast Informática S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: obter contribuições para a especificação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PERÍCIAS MÉDICAS DO ESTADO

DEPARTAMENTO DE PERÍCIAS MÉDICAS DO ESTADO DOE 21/03/2015 UNIDADE CENTRAL DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE PERÍCIAS MÉDICAS DO ESTADO Comunicado Conjunto CGRH-SE/DPME-SPG-001 A Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos - CGRH, da Secretaria

Leia mais

ANEXO I DA DECISÃO PL- 1752/2014

ANEXO I DA DECISÃO PL- 1752/2014 C ANEXO I DA DECISÃO PL- 1752/2014 ROTEIRO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE PARCERIA QUE ENVOLVA REPASSES DE RECURSOS FINANCEIROS DO CONFEA PARA EVENTOS 1. REQUISITOS 1.1. As propostas de parceria deverão

Leia mais

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL.

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Período 2015/2016 O Diretor da Santa Casa de Misericórdia de Sobral,

Leia mais

PORTARIA TC Nº 382, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. CAPÍTULO I

PORTARIA TC Nº 382, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. CAPÍTULO I PORTARIA TC Nº 382, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Disciplina a utilização dos certificados digitais no âmbito interno, pelos funcionários do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco TCE-PE e demais usuários

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Veja como protegemos suas informações. 1. DA ABRANGÊNCIA DESTA POLÍTICA DE PRIVACIDADE a. Como a Advisenet usa informações pessoais? Este documento explicita a forma pela qual a

Leia mais

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE?

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? O que é a Nota Fiscal Eletrônica? Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) tem como intuito emitir e armazenar eletronicamente, para fins fiscais,

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

S I N A V I S A SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA

S I N A V I S A SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA 6 VIGILÂNCIA SANITÁRIA M a n u a l S I N A V I S A SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA 7 Governo de Goiás Alcides Rodrigues Secretaria de Estado da Saúde Dr. Hélio de Sousa Superintendência

Leia mais

COMUNICADO IMPORTANTE

COMUNICADO IMPORTANTE COMUNICADO IMPORTANTE ATUALIZAÇÃO DO BANCO DE DADOS DE PROPRIETÁRIOS DAS USINAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Brasília, 17 de setembro de 2009 A ANEEL está atualizando as informações referentes ao grupo

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana EDITAL PROEX 10/2014, de 05 de agosto de 2014 PROFIEX 2014 A Comissão Superior de Extensão e a Pró-Reitora de Extensão da Universidade

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado Educação Profissional Cursos Técnicos Regulamento de Estágio Supervisionado CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento de Estágio Supervisionado refere-se à formação do aluno

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

Para cadastrar seu Projeto de Pesquisa no site da Plataforma Brasil, você deve:

Para cadastrar seu Projeto de Pesquisa no site da Plataforma Brasil, você deve: ORIENTAÇÕES PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETOS DE PESQUISA VIA PLATAFORMA BRASIL Prezado (a) Pesquisador (a), com o intuito de auxiliá-lo na submissão dos projetos de pesquisa que serão avaliados por nosso

Leia mais

Encaminhamos a resposta da área técnica referente ao seu pedido de esclarecimento.

Encaminhamos a resposta da área técnica referente ao seu pedido de esclarecimento. - CGRL/LICITACAO De: - CGRL/LICITACAO Enviado em: segunda-feira, 7 de maio de 2012 15:34 Para: 'patricia.lao@cpmbraxis.com' Assunto: ENC: EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 16/2012 Prioridade: Alta Prezada

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS

CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS Em reposta a Consulta Pública abaixo indicada, prestamos os seguintes esclarecimentos às contribuições apresentadas:

Leia mais