FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA 5`S EM UMA MALHARIA DO INTERIOR DE SÃO PAULO ELIZABETH CRISTINA DE GODOY LAZARI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA 5`S EM UMA MALHARIA DO INTERIOR DE SÃO PAULO ELIZABETH CRISTINA DE GODOY LAZARI"

Transcrição

1 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA 5`S EM UMA MALHARIA DO INTERIOR DE SÃO PAULO ELIZABETH CRISTINA DE GODOY LAZARI SOCORRO 2012

2 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA 5`S EM UMA MALHARIA DO INTERIOR DE SÃO PAULO Aluno: Elizabeth Cristina de Godoy Lazari Orientadores: Profª. Ms. Claudia Cobêro Prof. Ms. Luiz Antônio Fernandes Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Faculdade XV de Agosto como um dos prérequisitos para a obtenção do grau de bacharel em Administração. SOCORRO 2012

3 Dedico esse trabalho aos meus pais, principais motivadores para a realização dessa faculdade. Sem eles jamais teria alcançado essa vitória.

4 AGRADECIMENTO Agradeço primeiramente a Deus, por me proporcionar saúde e perseverança para concluir a minha graduação. Especialmente a minha família e namorado que sem eles eu jamais teria alcançado esse resultado tão esperado. Meus pais Antonio Carlos Lazari e Rita Albertina de Godoy Lazari os meus irmãos Carlos Eduardo de Godoy Lazari e Luiz Carlos de Godoy Lazari e especialmente ao meu irmão do coração Jurandir Ribeiro Xavier que colaborou e me auxiliou na elaboração desse trabalho. Ao meu eterno namorado Luiz Roberto Ramalho Biscuola pela compreensão e pela dedicação total ao meu lado nesses 4 anos de faculdade. Aos meus grandes amigos e companheiros nesses 4 anos, Tielly Souza Pereira, Fernanda Ganzerla Faustino, Luátina M. Vieira, Evandro Binoti, Vitor Mantovani e Daniela Perciani e a todos os meus colegas de classe. A empresa analisada que abriu as portas para que fosse realizado esse trabalho, pela paciência e atenção de todos. A professora Claudia Côbero (orientadora), meu agradecimento por toda dedicação e paciência no auxílio do trabalho e pelos grandes conhecimentos adquiridos durante todos os anos da faculdade e pela elaboração deste trabalho. Agradeço também a todo corpo docente da instituição XV de Agosto (professores, a direção, secretaria e aos colaboradores), pelo apoio, atenção, carinho e dedicação durante esses 4 anos de convivência. Muito Obrigada a todos!

5 " A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche a peça termine sem aplausos". (Charles Chaplin)

6 RESUMO O presente trabalho trata-se da implantação da ferramenta 5S em uma Malharia do Interior de São Paulo. Teve por objetivo implantar a ferramenta 5S para a melhoria da organização, com benefícios como: queda do desperdício, organização das matérias-primas utilizadas, organização de ferramentas de trabalho, fazer com que todos dentro da organização se preocupem com o ambiente, tirar o desnecessário do local de trabalho e torná-lo útil, fazer com que todos previnam o aparecimento de coisas desnecessárias em cada setor e incentivar todos no dia a dia tornar o trabalho algo mais fácil, organizado e prazeroso. Foram feitas reuniões com todos os colaboradores da empresa e elencados todos os problemas encontrados dentro da empresa. Com essas reuniões foi decidido que a melhor ferramenta para a melhoria da organização seria o programa 5S. A ferramenta 5S deriva-se de cinco palavras em japonês seiri, seiton, seisou, seiketsu e shitsuke que significam senso de utilização, senso de ordenação, senso de limpeza, senso de padronização e senso da autodisciplina. A empresa optou por implantar a ferramenta em todos os setores dentro da organização, tecelagem, acabamento, costura e administração. A implantação ocorreu durante 2 meses, possibilitando ver quais ajustes eram necessários para a empresa. Com a implantação dessa ferramenta foi possível obter todos os resultados desejados, como a melhoria de tempo, a organização, a limpeza da empresa, a autodisciplina dos funcionários, a saúde física e mental, tornando a empresa um local agradável e melhor para se trabalhar.

7 LISTAS LISTA DE FIGURAS 1. Relatório de caixas Setor de tecelagem Panos para o pré-corte Máquinas de costura Blusas para o acabamento Peças dobradas. Destino loja ou estoque Peças estocadas Armazenamento das linhas para costura Antes e depois do escritório da empresa Armazenamento das contas pagas Listagem de pedidos antes e depois Venda antes e depois Armazenamento dos materiais para limpeza Desenho Mantenha Limpo Incentivo em manter o local limpo Padronização para dobrar as peças Placa motivacional para a autodisciplina Placa motivacional para a autodisciplina LISTA DE QUADROS 1. Significado do Senso de Utilização Significado do Senso de Ordenação Significado do Senso de Limpeza Significado do Senso de Padronização Significado do Senso de Autodisciplina Modificações com a implantação de cada senso Comparativo sistema antigo e o sistema atual

8 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO Empresa Analisada REFERENCIAL TEÓRICO Qualidade Total O programa 5S Senso de Utilização (SEIRI) Senso de Ordenação (SEITON) Senso de Limpeza (SEISO) Senso de Padronização (SEIKETSU) Senso de Autodisciplina (SHITZUKE) METODOLOGIA Procedimentos Metodológicos Senso de Utilização Senso de Ordenação Senso de Limpeza Senso de Padronização Senso de Autodisciplina RESULTADOS E ANÁLISE DOS RESULTADOS Quadro de Resultados dos 5 Sensos Análise Geral Quadro Comparativo CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

9 8 1 - INTRODUÇÃO No mercado atual as empresas visam melhorias para competir com demais concorrentes. As organizações devem estar atentas aos seus problemas e corrigi-los no cotidiano empresarial para refletir na qualidade de seus produtos e buscar a excelência dentro e fora da empresa. A atualização das organizações é um fator primordial para sua excelência, as empresas devem sempre estar atentas às melhorias que possam ser feitas no ambiente de trabalho. As melhorias e atualizações são fatores importantes para que a empresa obtenha sucesso no concorrido mercado globalizado. Esse fenômeno observado na atualidade que consiste na maior integração entre os mercados produtores e consumidores necessitam de mudanças gradativas. Investir na modernização de equipamentos, cursos de capacitação para os colaboradores e principalmente organização. A implantação da ferramenta 5`s é um modelo prático e eficaz para as empresas alcançarem a modernidade e competitividade. O mercado e os consumidores buscam por empresas que priorizam a qualidade e a organização, pois quando adquirem um novo produto e/ou serviço buscam encontrar pontos que tornem o produto necessário. Esse fator tornou-se obrigatoriamente importante para a melhoria e desempenho de todas as organizações. A implantação dessa ferramenta proporciona melhorias para a empresa que suprime o desnecessário para o cotidiano da organização. As empresas visam acompanhar as mudanças da economia mundial, e adaptar ao seu cotidiano, restituindo o aumento da produtividade e redução de custos. Através da implantação da ferramenta 5`s a organização tem como intuito fazer melhorias no ambiente de trabalho e em suas condições de saúde, higiene, minimizar perdas de material e tempo. Essas empresas buscam por esse processo, porque tornam o cotidiano empresarial mais acessível e instantâneo. Nas malharias esse processo torna-se importante, pois previne a desordem e condições inseguras de trabalho. Faz com que as pessoas se organizem, tornando o ambiente propício para a execução do trabalho, evitando acidentes e desperdícios. Por ser uma ferramenta de fácil aplicação ela pode ser aplicada desde a tecelagem até a gerência. A

10 9 atualização desse segmento é um fator habitual, onde são necessárias pesquisas de mercado e modernização, tornando a competitividade acirrada entre as empresas. Com esse objetivo a malharia tende a melhorar seu ambiente e seus produtos. Assim sendo, o presente trabalho analisou o seguinte problema de pesquisa: Quais as ações necessárias para se implantar a ferramenta 5`s na malharia analisada? E teve por objetivo implantar a ferramenta 5`s para a melhoria da organização, com benefícios como: queda do desperdício, organização das matérias-primas utilizadas, organização de ferramentas de trabalho, fazer com que todos dentro da organização se preocupem com o ambiente, tirar o desnecessário do local de trabalho e torná-lo útil, fazer com que todos previnam o aparecimento de coisas desnecessárias em cada setor e incentivar todos no dia a dia tornar o trabalho algo mais fácil, organizado e prazeroso. 1.1 Empresa Analisada A empresa analisada iniciou suas atividades em 2000, em uma área dentro da própria residência, localizando-se em uma edícula situada nos fundos da casa. Nesse período a empresa contava somente com os proprietários, produzindo roupas femininas, considerada pelo seguimento modinha em tricô, que são roupas que atingem a faixa etária entre15 a 50 anos. A empresa deu inicio a sua confecção com duas máquinas mais simples de tecer e com apenas 3 de costura. Com o crescimento em sua produção foi surgindo novas oportunidades de adquirir novos clientes e aprimorar cada vez mais seu produto, podendo oferecer sempre um produto de ótima qualidade aos seus clientes. A confecção manteve-se durante 10 anos no mesmo local, porém foram trocadas as máquinas simples por três máquinas automatizadas de tecer e 6 máquinas de costura. Com o aumento da produção e devido ao crescimento da empresa, houve a necessidade de mudar-se para uma área maior. Foi feito então a aquisição de um terreno para a construção da nova malharia em Em 2011 a empresa se mudou para o novo endereço onde o espaço foi suficiente para aumentar a produção e a contratação de mão-de-obra especializada.

11 10 Hoje a empresa conta com 5 sócios (pai, mãe e três filhos), com 4 funcionários capacitados e treinados para seus cargos, podendo atender com a melhor qualidade e respeito todos os clientes. O produto é fornecido para diversas regiões do país, os clientes que mais adquirem os produtos da malharia são das regiões sul, sudeste e centro-oeste.

12 11 2 REFERENCIAL TEÓRICO Nesse capítulo serão apresentados os principais conceitos e teorias que embasaram o desenvolvimento desse estudo Qualidade Total Conforme Silva (1994) alega que além da qualidade, o custo, o atendimento e a inovação são itens de grande importância para que a organização consiga se manter no mercado atual. Para Ishikawa (1993), a qualidade pode ser demonstrada como uma técnica de administração multidisciplinar que constitui por um conjunto de programas, ferramentas e métodos, empregado no controle do processo de produção das empresas, visando obter bens e serviços por custos baixos e com grande qualidade, objetivando deferir as exigências e superar as expectativas dos clientes. Segundo Cerqueira Neto (1993) a qualidade são métodos e técnicas utilizadas pelas empresas para que os produtos possam atender as exigências do consumidor. Para Paladini (1994, p 17) [...] a Qualidade Total está completamente direcionada para o consumidor; pela abrangência do conceito, envolve a todos na organização; [...] é uma das grandes metas da empresa, fixada em termos de políticas globais. Conforme relata Feigenbaum (1993) a qualidade total é uma estrutura operacional de trabalho desenvolvida em toda a organização, relatada em procedimentos técnicos e gerenciais, para orientar ações gerenciadas de pessoas e máquinas na empresa, com o intuito de afirmar a satisfação do consumidor quanto à qualidade e custo econômico da mesma. Segundo Paladini (2004) a qualidade do produto vem sofrendo evoluções a cada dia, pois antigamente as inspeções da qualidade de um produto era medida somente nos produtos finais. Atualmente a gestão da qualidade está empenhada desde o projeto do produto, suas fases de fabricação, tornando o processo de produção um fator fundamental para que exista o controle de qualidade, não se importando somente com o produto final. Para Martins e Laugeni (2005) a qualidade do produto é decidida pelo cliente, porém a qualidade possui diferentes objetivos, sendo uma qualidade do produto. A qualidade

13 12 de um produto deve existir características operacionais primárias, características operacionais adicionais, confiabilidade, conformidade, durabilidade, assistência técnica, estética e qualidade percebida. Segundo relata Araújo (1997) a qualidade é determinante em relação a competitividade. O conceito de qualidade de um produto não compreende o produto final em si, mais sim todo conjunto, que trata-se de produto, serviço e nível de satisfação do consumidor, esse conjunto mostra o quão bom será o desempenho da empresa no mercado O programa 5`s Segundo Reyes e Vicino (1997) o 5`s ou Housekeeping é considerado um conjunto de métodos desenvolvido e utilizado no Japão através de donas de casa, para envolver todos os membros da família na organização e administração do lar. Já para Laes e Haes (2006) o método 5`s originou-se no Japão a partir da década de 50, seu nome foi desenvolvido através de cinco (5) palavras em japonês que se iniciam com a letra S, que são: seiri, seiton, seisou, seiketsu e shitsuke. Esse programa teve inicio no fim da 2º guerra mundial, pela busca da reorganização no Japão. A inicialização desse método demonstrou eficácia, pois foi um dos fatores de maior responsabilidade para a recuperação das empresas japonesas. A ferramenta 5S é considerada até hoje como o principal instrumento da qualidade total nas empresas de seu país de origem. Para Ribeiro (1994) apesar de esse método ser reconhecido mundialmente como originário do Japão, a sua verdadeira essência e conceito está presente em qualquer população que buscam por bons hábitos, que zele pela higiene, segurança, bem-estar, sensatez e respeito ao próximo. Segundo Laes e Haes (2006) a implantação do programa 5S tem como objetivo eliminar desperdícios nos locais de trabalho. É um programa que possibilita a educação e mudança das pessoas dentro da empresa quanto aos seus hábitos de organização, tornando assim o ambiente de trabalho harmonioso. A implantação desse programa além de ser eficaz tem um custo baixo, pois necessita apenas da autodisciplina e organização dos colaboradores das empresas, Mas é

14 13 considerado um investimento com grandes modificações e benefícios tanto no meio empresarial como pessoal. Os cinco sensos possibilitam a melhoria do ambiente empresarial, mas também a melhoria o ambiente de trabalho e a vida de todos os envolvidos no processo. [...] o programa dos Cinco Sensos visa à melhoria da nossa qualidade de vida, através de prática de ações consideradas óbvias e que nos possibilitarão mudarmos para melhor a nossa vida em todos os ambientes que frequentamos. (OLIVEIRA, 1997, p.9) Silva (1994) relata que especialistas na área de programas de qualidade e produtividade iniciam suas técnicas fazendo uma limpeza geral na organização, tanto no mental como no físico. A implantação do programa japonês 5`s nas empresas mostra a grande melhoria na motivação dos colaboradores na qualidade do produto e na produtividade. Para Laes e Haes (2006) o 5s tem como finalidade ordenar e limpar o ambiente de trabalho, e também tratar e estimular a autodisciplina dos colaboradores a fim de tornar o ambiente de trabalho mais produtivo e agradável. Já Martins e Laugeni (2005, p.464) [...] o programa 5`s pode ser aplicado nos trabalhos de escritório, no chão de fábrica ou em qualquer outro setor da empresa, não importando o tamanho da empresa. Segundo Martins e Laugeni (2005) quando uma empresa é visitada, o aspecto que mais chama a atenção das pessoas é a organização e a limpeza do local. Esses itens tornam a empresa e o ambiente da mesma agradável, tanto para quem visita quanto para as pessoas que fazem parte da organização, pois, junto à falta dos mesmos, pode ocorrer a falta de produtividade e qualidade. Para Silva (1994) não podem ser priorizados e colocados apenas os aspectos de qualidade e produtividade aos colaboradores, o mesmo deve ocorrer com a organização da área de trabalhado, fazendo com quem os mesmo possam enxergar o que deve ser descartado, liberar espaço mal utilizado, obter um padrão de arrumação, manter o que foi arrumado, e a disciplina necessária para realização de um bom trabalho. Conforme Silva (1994) os cinco sensos que denominam os 5`s aplicados isoladamente, não possuem a mesma eficácia se aplicados juntos, pois a junção destes programas objetiva-se à solução de problemas organizacionais. Aplicando métodos de

15 14 trabalho em equipe. Todos em conjunto para a obtenção do mesmo objetivo, e colaborando para o bom desenvolvimento e desempenho da empresa. Segundo Laes e Haes (2006) o programa 5`s é um instrumento que não garante a qualidade à empresa. É uma ferramenta de qualidade que auxilia a desenvolver métodos de implantação de novos projetos de melhoria na empresa, visando à organização do ambiente e dos envolvidos no processo. Conforme Costa e Rosa (2002) os 5 sensos tiveram uma adequação para a língua portuguesa com as seguintes denominações: senso de utilização (seleção, descarte, arrumação); senso de ordenação (organização), senso de limpeza (asseio, saúde e higiene), senso de padronização (sistematização) e senso de autodisciplina (educação, manutenção da ordem, comprometimento). Para Silva (1994) quando os colaboradores se sentirem orgulhosos por terem construído um local de trabalho digno e se dispuserem a melhorá-lo continuamente, os mesmo irão compreender o verdadeiro sentido do 5`s. Segundo Laes e Haes (2006) o objetivo principal do 5`s é melhorar a qualidade de vida das pessoas, construindo um ambiente saudável e acolhedor para todos. Este objetivo será alcançado quando todos dentro da organização enxergarem valores como respeito a cada pessoa, trabalho em equipe, qualidade e excelência no trabalho, responsabilidade, organização e emprenho, defesa da vida, satisfação e alegria de todos Senso de Utilização (SEIRI) Conforme relatam Martins e Laugeni (2005), o senso da utilização é o primeiro passo no programa 5`s. Sieri significa separar o necessário do desnecessário, não somente na nossa vida pessoal mas também nas organizações. Esse senso acaba se tronando o mais difícil, pois é difícil distinguir o necessário do desnecessário, mais é de extrema importância separar os itens sem utilidade, e se não for mais útil descartá-los, pois o mesmo ocupa espaço desnecessário, que por consequência atrapalham a rotina da empresa.

16 15 Para Costa e Rosa (2002) o senso de utilização é separar os itens, máquinas ou tarefas necessárias das desnecessárias (efetuando o descarte das mesmas se desnecessário), corrigindo também a utilização das ferramentas necessárias. Segundo Silva (1994) esse senso tem como finalidade não somente a eliminação de itens e tarefas desnecessários, mas também a identificação, qualificação e reaproveitamento de recursos que não eram utilizados, aplicando a todos da empresa métodos de correção da utilização dos equipamentos, aumentar a vida útil de cada ferramenta e manter no local de trabalho somente o necessário, criando assim um espaço maior de trabalho. Para Laes e Haes (2006) os procedimentos necessários para o senso da utilização são: analisar tudo o que está no local de trabalho; separar o necessário do que é desnecessário; verificar utilidade de cada item; e manter na área de trabalho estritamente apenas o necessário. Segundo Osada (1992) é distinguir o necessário do desnecessário, tomar as decisões difíceis e programar o gerenciamento pela estratificação, para livrar o desnecessário. Liberar áreas, retirar os itens desnecessários e jogá-los fora. Conforme Silva (1996) o senso de utilização tem como base utilizar os recursos disponíveis, com bom senso e equilíbrio, evitando ociosidades e carências. Já Ribeiro (1994) diz que organizar é separar as coisas necessárias das que são desnecessárias, dando um destino para aquelas que deixaram de ser úteis para aquele local e empresa. Para Reyes e Vicino (1997) o conceito chave do senso de utilização é a utilidade das coisas, porém, devemos tomar cuidado com o que vai ser descartado para que não ocorra a perda de informações e/ou documentos importantes. O quadro a seguir de Ribeiro (2006), é demonstrado e apresentado conceitos, atitudes, e valores resgatados com a utilização do SEIRI.

17 16 Quadro 1: Significado do Senso de Utilização Fonte: Adaptado de Ribeiro (2006, p.219) Para Reyes e Vicino (1997) as principais vantagens deste senso são: a liberação de espaço; eliminar ferramentas, armários, prateleiras e matérias em excesso; eliminar dados de controle ultrapassados; eliminar itens fora de uso e sucata; diminuir risco de acidentes. Segundo Bitencourt (2010) as características apresentadas pelo senso de utilização são: o ganho de espaço; facilidade de limpeza e manutenção; melhor controle dos estoques; redução de custo; preparação do ambiente para aplicação dos demais conceitos de 5S. Já Lima, Silva e Mattos (2005) são de responsabilidade de todos da equipe diferenciar o útil do inútil, o que é realmente necessário e o que não é. Na terminologia da Qualidade, denomina-se bloqueio de causas ou ação preventiva Senso de Ordenação (SEITON) Segundo Silva (1994) o senso de ordenação é a definição dos locais para estocagem, esse senso significa cada objeto em seu devido lugar pronto para ser utilizado. É o método que separa e disponibiliza de forma correta os materiais e ferramentas a serem utilizados, disponibilizando os mesmo em lugares de fácil acesso.

18 17 Para Laes e Haes (2006) esse senso é baseado na organização dos objetos, tornando a armazenagem deles sempre em um local especifico, agrupando de forma que facilite a visibilidade para quando necessário Conforme Costa e Rosa (2002) o senso de ordenação é responsável pela organização dos itens e objetos dentro de uma empresa, disponibilizando os mesmo em locais de fácil acesso, para que o serviço seja rápido e acessível quando for necessário sua utilização e o reabastecimento de materiais. Já Colenghi (2007) analisa esse senso como uma fase para organizar a disposição dos materiais necessários com o intuito de facilitar o trabalho. Para Ribeiro (1994) é o agrupamento de objetos que são realmente necessários, com sua facilidade de acesso, levando em consideração a frequência que cada objeto é utilizado no ambiente de trabalho, tornando o manuseio e a procura mais ágil. Segundo Reyes e Vicino (1997) seu conceito chave é a simplificação. Os matérias e objetos devem ser disponibilizados e organizados em local de fácil acesso, de maneira que possibilite verificar quando estão fora do lugar. Conforme Araújo e Redi (1997) o senso de ordenação (organização) é uma importante ferramenta para a qualidade e a produtividade da empresa. Sua organização prioriza arrumar os matérias e objetos conforme seu nível de uso, deixando os mais utilizados em fácil acesso. Esse senso se resume em deixar os matérias e objetos em um local que todos possam encontrar com muita facilidade. Segundo Bitencourt (2010) esse senso é a visibilidade e a importância de todos os objetos disponíveis de maneira que possam ser acessados e utilizados imediatamente. Para que esse senso funcione de forme coerente, é necessária a fixação de um padrão e utilização de algumas ferramentas e também matérias mais simples como painéis, etiquetas, estantes etc. Tudo deve ficar próximo ao local que será utilizado e cada objeto deve ser colocado em um local especifico. O quadro a seguir de Ribeiro (2006) é demonstrado e apresentado valores, conceito, atitudes resgatadas do senso de ordenação:

19 18 Quadro 2: Significado do Senso de Ordenação Fonte: Adaptado de Ribeiro (2006, p.226) Para Laes e Haes (2006) acredita que os procedimentos necessários para a implantação desse senso são: definir arranjo físico da área de trabalho; padronizar nomes; guardar objetos semelhantes no mesmo local; usar rótulos e cores vivas para identificação; buscar comprometimento de todos na ordem do local. Segundo Reyes e Vicino (1997) as vantagens encontradas no senso de ordenação são: rapidez e facilidade para encontrar documentos, materiais, ferramentas e outros objetos; economia de tempo; e diminuição de acidentes. Segundo Bitencourt (2010) as características apresentadas pelo senso de utilização para conseguir grandes resultados são: economia de tempo; facilidade na localização das ferramentas; e redução de pontos inseguros. Para a Demc (UFMG,2012) quando esse senso tiver sendo executado é de extrema importância considerar a opinião de todos que estão envolvidos no ambiente. As pessoas que estão envolvidas nesse ambiente e na rotina de trabalho devem ser escutadas e levar em conta suas opiniões. Não podemos esquecer nem descartar que existem pessoas dentro da organização que são desorganizadas e que deve ter um auxilio durante a mudança, sem passar por cima de seus princípios,valores e conhecimentos práticos.

20 Senso de Limpeza (SEISO) Segundo Silva (1996) o senso de limpeza é o mesmo que praticar a limpeza de maneira habitual pelos empregados, e prevenir que o local volte a ficar sujo novamente. Ampliando a maneira de ver e definir esse senso pode-se realizar uma inspeção e limpeza dos equipamentos e maquinas, onde podem ser encontrados problemas, como também realizar a manutenção do equipamento da empresa, o que previne acidentes e promove o bem-estar entre os funcionários e clientes. Conforme Bitencourt (2010) este senso define a importância de eliminar a sujeira, resíduos ou mesmo objetos estranhos ou desnecessários ao ambiente. É a manutenção do aceio do piso, armários, gavetas, estantes etc. Esse senso vai além do aspecto físico, ele torna o relacionamento dentro da empresa transparente, com honestidade, franqueza e respeito entre todos. Para Colenghi (2003) esse senso é a manutenção do ambiente limpo, para que a empresa passe uma imagem positiva tanto para seus colaboradores quanto para seus clientes, pois é de extrema importância um ambiente limpo e de boa aparência para todos. Segundo Laes e Haes (2006) é a eliminação do que causa sujeita no ambiente de trabalho, proporcionando um local agradável assegurando a saúde e a qualidade de vida dos colaboradores da empresa. Cada pessoa deve ficar responsável pela limpeza do local e deve ter consciência de que deve cuidar de seu setor de trabalho. Este senso não é somente a limpeza do ambiente mais a sua manutenção para que não aja sujeira. Para Ribeiro (1994) esse senso visa descobrir e corrigir os motivos de existir sujeira no local e fazer a eliminação. É fundamental que cada pessoa seja responsável pelo seu ambiente de trabalho, o que torna uma dificuldade para este senso e a forma como os supervisores pensam, pois acreditam que seja perda de tempo e diminuição da produtividade da equipe envolver os colaboradores na limpeza da empresa. Segundo Silva (1994) a verdadeira importância desse senso é eliminar tudo o que for sujeita, limpar os equipamentos ou objetos para que aja sua conservação e saúde do ambiente e do operador. Esse senso trás benefícios para empresa, pois causa uma boa impressão aos fornecedores e clientes, além de dar maior vida útil para os equipamentos, e

21 20 melhorar a convivência e trás benefícios aos colaboradores, pois previne acidentes e torna o ambiente confortável a todos. Conforme relatam Reyes e Vicino (1997) nessa etapa deve ser feito a limpeza da área de trabalho e também identificar as rotinas que geram sujeira, modificando-as. Todos os agentes que agridem o meio-ambiente podem ser englobados como sujeira, iluminação deficiente, mau cheiro, ruídos, pouca ventilação, poeira etc. Nesse senso cada usuário fica responsável pelo ambiente e pelos maquinários utilizados e sua manutenção de limpeza. Segundo Costa e Rosa (2002) o mais importante que limpar é não sujar o ambiente, é saber identificar a causa da sujeira, e trabalhar na educação dos colaboradores para que se tenha um ambiente sempre limpo, sem muito esforço. Segundo Oliveira (1997) deve ser feito rigorosas inspeções e limpeza dos locais, objetos, equipamentos e ferramentas, de forma que possamos antecipar futuros problemas que podem ser resolvidos antes de causar transtornos e até acidentes envolvendo pessoas. O quadro a seguir de Ribeiro (2006), é demonstrado e apresentado conceito, atitudes e valores resgatados com a utilização do SEISO. Quadro 3: Significado do Senso de Limpeza Fonte: Adaptado de Ribeiro (2006, p.232) Para Reyes e Vicino (1997) as vantagens encontradas na implantação desse senso são: melhoria do local de trabalho; satisfação dos empregados por trabalharem em ambiente

22 21 limpo; maior segurança e controle sobre equipamentos, máquinas e ferramentas, eliminação de desperdício. Já para Laes e Raes (2006) as vantagens são: a educação dos colaboradores em relação a limpeza, a manutenção de instrumentos de trabalho após a utilização, conservação de mesas, gavetas, armários, equipamentos limpos, melhoria do local de trabalho, bom desempenho dos colaboradores. Conforme Bitencourt (2010) as vantagens encontradas na implantação desse senso são: tornar o ambiente saudável e agradável, redução da possibilidade de acidentes, melhor conservação de ferramentas e equipamentos, melhoria no relacionamento interpessoal. Para o Demc (UFMG,2012) esse senso é fundamental e nos mostra um lado muito importante que é bom analisarmos e seguirmos, o mais importante não é o ato de limpar e sim de não sujar Senso de Padronização (SEIKETSU) Segundo Silva (1996) e Ribeiro (1994) o senso de saúde é a prática dos 3 sensos anteriores, acrescentando uma ação no cotidiano que se torne rotina habituais na higiene, segurança no trabalho e saúde pessoal, para que os sensos já implantados não percam a eficácia. Implantar o seiketsu (senso de padronização) na empresa significa criar condições favoráveis ã saúde física e mental, tornar e garantir o bem estar no ambiente evitando um ambiente agressivo e livre de agentes poluentes, manter boas condições sanitárias nas áreas comuns, zelar pela higiene pessoal e cuidar para que as informações e comunicados sejam claros, de fácil leitura e compreensão. Para Costa e Rosa (2002) esse senso só tem validade quando os três primeiros sensos estão sendo desenvolvidos e/ou executados pelos colaboradores corretamente. Isso significa cuidar e zelar para que o ambiente de trabalho esteja sempre limpo, sem poluição, organizado, sem sujeira etc; é que pode se afirmar que o senso de padronização pode ser implantado.

23 22 Conforme relata Silva (1994) o principal objetivo do senso da padronização é manter o ambiente e suas condições de trabalho favoráveis a saúde mental e física dos colaboradores. É de extrema importância que aja a verificação e a educação de todos os funcionários para que a seja feito os procedimentos necessários a sua segurança e a segurança de todos. O grande objetivo da implantação desse senso é fazer com que os funcionários cumpram todas as tarefas exigidas no cotidiano, para que exista um bom resultado na higiene e limpeza, a fim de melhorar o ambiente organizacional. Segundo Silva (1996) os benefícios encontrados com a pratica do senso de padronização são inúmeros, como a segurança para todos envolvidos no processo, melhora no convívio entre funcionários, melhora na vida empresarial, combate ao stress que é um dos grandes vilões dos colaboradores das empresas. Para Bitencourt (2010) esse senso é a tradução da fixação de padrões de cores, formas, iluminação, localização, placas etc. Dentro desse senso também são de extrema importância o conceito de saúde, que é necessário que exista verificações do estado dos banheiros, refeitórios, salas de trabalho, a fim de detectar problemas que possam afetar a saúde dos colaboradores como os problemas ergonômicos, de iluminação, ventilação etc. O senso de padronização visa como principal fundamento manter o que foi feito nos 3 (três) primeiros S (seleção, ordenação e limpeza) de forma que eles não se percam. Segundo Laes e Haes (2006) é necessário que aja educação entre todos envolvidos para que existam mudanças no cotidiano e nos hábitos, cada um comprometendo-se para que as condições sejam sempre favoráveis a saúde da equipe e da empresa. Assim será possível obter e alcançar benefícios na melhoria da empresa e na qualidade de vida dos funcionários. Conforme Reyes e Vicino (1997) antes da implantação desse senso é importante que todos dentro da organização sejam perseverantes, pois se não houver mudanças no comportamento dos colaboradores e na rotina que gerem sujeira e desorganização, de nada adiantou a implantação do 5`s, fazendo com que a situação inicial surja novamente. Além da busca pelo bem estar do ambiente de trabalho é necessário que aja asseio pessoal, pois se existir uma mudança nesse fator, os funcionários vão desejar que o ambiente

24 23 sempre esteja limpo e agradável, acabando por incorporar hábitos mais sadios quanto a aparência e higiene pessoal. Segundo Osada (1992) o senso de padronização é manter a utilização, a organização e a limpeza contínua e constante. A limpeza se refere tanto para a limpeza do ambiente quanto a pessoal. Manter sempre um alto padrão de organização e arrumação do local de trabalho de cada setor. O que fica necessário e de extrema importância é manter os locais como ficaram após a implantação das três primeiras etapas. Evitando que voltem a existir sujeira e desorganização na empresa. O quadro a seguir de Ribeiro (2006), é demonstrado e apresentado conceito, atitudes e valores resgatados com a utilização do SEIKETSU. Quadro 4: Significado do Senso de Padronização Fonte: Adaptado de Ribeiro (2006, p.239) Segundo Bitencourt (2010) as vantagens encontradas na implantação desse senso são: facilidade de localização e identificação dos objetos e ferramentas; equilíbrio físico e mental; melhoria de áreas comuns (banheiros, refeitórios etc); melhoria nas condições de segurança. Para Lima, Silva e Mattos (2005) as vantagens encontradas na implantação desse senso são: melhor segurança e desempenho do pessoal; prevenção de danos à saúde dos que convivem no ambiente; melhor imagem da empresa internamente e externamente; elevação do nível de satisfação e motivação do pessoal para com o trabalho.

25 24 Podem-se utilizar avisos ou instruções para evitar erros nas operações de trabalho, bem como designações, avisos e identificação dos equipamentos (recursos visuais). É importante que nesse senso seja conferido se todos os anteriores foram implantados, verificando cada etapa, se os colaboradores estão preparados e motivados a cumprir o programa Senso de Autodisciplina (SHITZUKE) Segundo Martins e Laugeni (2006) o senso de autodisciplina é a consolidação da boa implantação dos quatro sensos anteriores, tornando cada fator de extrema importância como os equipamentos de segurança, uniformes utilizados corretamente, o local de trabalho esteja organizado e higienizado, visando melhorias no ambiente e nas condições de trabalho dos colaboradores, deixando os gerentes e supervisores responsáveis pelas ações e comportamento destes. Para Laes e Haes (2006) esse senso é responsável pela manutenção e a ordem da empresa, realizando o necessário ao cumprimento de todos os deveres, tarefas e normas estabelecidas pela organização, buscando a qualidade total do trabalho e vida de cada colaborador. Melhorando assim as relações humanas, e favorecendo o trabalho em equipe. Conforme Reyes e Vicino (1997) esse senso é o compromisso de cada colaborador da empresa no cumprimento dos padrões éticos, morais e técnicos, definidos pelo programa 5S, que é a ultima etapa desse processo. Para que o shitsuke (autodisciplina) seja implantado todas as etapas do 5S devem estar sendo executadas e consolidadas. Quando as pessoas colocam em pratica e realizam o seu trabalho da maneira como deve ser executado, mesmo que não aja a inspeção de ninguém, significa que existe disciplina. Para que essa etapa seja atingida com sucesso, todos envolvidos devem argumentar e participar da elaboração de normas e procedimentos que forem adotados no programa 5S. Segunda Costa e Rosa (2002) esse senso é fazer com que os colaboradores executem suas tarefas como um hábito diário. Esse senso faz com que os mesmo busquem se aperfeiçoar, pois tudo pode ser melhorado. É a busca pelo respeito com os colegas de trabalho, visando a melhoria das relações entre os funcionários e um ambiente saudável, para que se consiga a melhoria continua e eficácia das atividade realizadas.

26 25 Já Bitencourt (2010) defende o senso de disciplina como o cumprimento e comprometimento de todas as pessoas para com os sensos anteriores. Esse padrão é composto pela ética e moral de cada indivíduo dentro da organização. Conforme Silva (1994) o senso de disciplina é a arte de fazer as coisas certas naturalmente. O comprometimento com as normas e padrões éticos, morais e técnicos da empresa e com a melhoria continua ao nível pessoal e organizacional. Para Silva (1996) e Colenghi (2003) esse senso é analisado do mesmo ponto de vista, eles analisam esse senso como a colaboração e comprometimento de todos envolvidos com os objetivos da empresa e com os clientes. Esse senso também traz benefícios para a manutenção e melhoria da prática dos sensos anteriores, a iniciativa para os empregados identificarem problemas e sugerir soluções, envolvimento da equipe etc. O quadro a seguir de Ribeiro (2006), é demonstrado e apresentado conceito, atitudes e valores resgatados com a utilização do SHITSUKE. Quadro 5: Significado do Senso de Autodisciplina Fonte: Adaptado de Ribeiro (2006, p.245) Segundo Bitencourt (2010) e Reyes e Vicino (1997) as vantagens encontradas nesse senso são: melhor qualidade, produtividade e segurança no trabalho; trabalho diário agradável; melhoria nas relações humanas; valorização do ser humano; cumprimento dos procedimentos operacionais e administrativos.

27 26 3 METODOLOGIA Para o desenvolvimento do presente estudo, utilizou da Pesquisa-ação, que de acordo com Thiollent (1986, p.15) é uma pesquisa diferenciada, pois além da participação do pesquisador é realizada uma ação que é planejada e desenvolvida ao decorrer da sua realização. Essa pesquisa é considerada pesquisa-ação, pois envolve uma ação por parte de um grupo focando em um problema sob observação. Também é necessário que a ação seja não trivial, que denominasse problemática, merecendo investigação para ser elaborada e conduzida. 3.1 Procedimentos Metodológicos O presente trabalho foi iniciado com uma reunião envolvendo todas as partes da empresa, desde o setor de tecelagem, confecção, acabamento e a parte administrativa. A pauta veio com a melhoria de todos os setores da empresa. Na reunião foram elencados por cada funcionário e anotados possíveis defeitos e erros cometidos dentro da empresa (brainstorming). Cada colaborador anotou os pontos de deficiência em seu setor como padronização, limpeza, ordenação, utilização, e as ações que são de extrema importância. Com esses fatores demonstrados, a ferramenta 5`S foi a ação mais plausível para começar com as alterações no ambiente de trabalho. As anotações dos setores foram classificadas conforme especificado em cada senso, começando pelo 1º senso de utilização: seleção, descarte, arrumação; 2º sendo de ordenação: organização; 3º senso de limpeza: asseio, saúde, higiene, 4º senso de padronização: sistematização; 5º senso de autodisciplina: educação, comprometimento, manutenção da ordem. O desenvolvimento de cada senso foi fundamental para a realização desse trabalho. A implantação ocorreu durante 2 meses, possibilitando ver quais ajustes eram necessários para a empresa Senso de Utilização No setor de tecelagem foi feito uma análise pelo operador das máquinas e seu auxiliar e anotado o que era necessário e o que só ocupava espaço. Com a anotação foi

28 27 possível enxergar que era necessário o descarte de moldes que não eram mais úteis, a separação dos fios que eram mais utilizados dos que não estavam sendo, armazenando-os em caixas especificas e organizando no estoque e os programas que não eram mais utilizados foram descartados. Em cada molde ficou especificado o que era confeccionado no inverno e no verão, com isso foi possível organizar os moldes em caixas, especificando a estação e facilitando achar os moldes que estão em produção. O espaço onde ficava o fio que não era utilizado, foi substituído por fios que eram mais usados. Os programas foram separados por máquinas deixando cada programa em seu lugar devido, tornando a alteração de um para outro mais ágil. No setor de confecção foram feitas mudanças nas posições das máquinas, proporcionando a agilidade de um processo para o outro. Também foram disponibilizadas tesouras para cada máquina, evitando a perca de tempo na procura do material. O setor de acabamento foi colocado perto da costura, com um espaço amplo onde possibilitasse o maior número de armazenamento de blusas prontas. Os funcionários responsáveis por esse setor selecionaram o que era desnecessário ficar no local e organizou o setor em quatro (4) pontos: blusas para dobrar, blusas com defeito, blusas a serem lavadas, blusas para descarte. A administração ficou responsável por selecionar e organizar os documentos que não eram mais utilizados e os que eram necessários ser armazenados por mais algum tempo. As ferramentas necessárias de um escritório (lápis, caneta, grampeador, durex, clips, canetões, calculadora) foram colocadas em cima da mesa do escritório onde possibilitasse o fácil acesso ao operador, tornando o trabalho mais ágil. As contas a receber e a pagar foram separadas e organizadas em pastas Senso de ordenação No setor de tecelagem foram elencados todos os fatores, dando ênfase nos de mais importância. Os fios utilizados com maior frequência foram separados por cor e lote, pois a organização nesse setor é o ponto máximo de importância dentro da empresa, caso haja a troca de um desses fatores, principalmente do lote, a blusa pode ficar com tons diferenciados, tornando uma peça de descarte. A separação de lotes já tecidos deve ser enumerada, possibilitando a facilidade e agilidade na hora da confecção.

29 28 No setor de confecção as máquinas foram colocadas de forma que um processo ajudasse no outro, agilizando a linha de produção. A Máquina responsável pela montagem da blusa (overloque) ficou ao lado da maquina de remate (reta), seguido da passadeira, voltando para ser fechada (overloque), por fim dando o acabamento final (travet). Nesse setor é de extrema importância a atenção e organização, o lote que começa a ser confeccionado deve ser finalizado, para o inicio de outro. O setor de acabamento é responsável pela revisão e a dobramento das peças, sendo de extrema importância à organização de cada lote. O pedido fica separado por cliente, e as peças que são para estocagem ficam armazenadas em caixas especificando cores e modelos, para que haja a facilidade na hora de encontrar e embalar as peças, tornando o procedimento eficaz. É de responsabilidade desse setor passar a gerencia a quantidade de peças dobradas, para serem lançadas no estoque. Na administração foram separados os papéis referentes a pedidos e organizados em uma planilha, com data do pedido, nome do cliente, data de entrega, quantidade de mercadoria, descrição, preço unitário e preço total. As contas foram separadas como contas a pagar e contas a receber. As contas referentes a gastos com escritório foram armazenados em uma pasta, os gastos com fio, aviamentos, passadeira e aplicações, foram armazenados em compartimentos separados e com discrição de onde estava cada conta e as contas a receber foram organizadas em uma planilha onde são colocadas data de venda e data de receber Senso de Limpeza Na reunião cada funcionário ficou responsável pela limpeza e organização de seu setor diariamente, antes do final do expediente. Uma vez por semana os trabalhos foram encerrados com duas horas de antecedência, para que os funcionários pudessem realizar a faxina geral, desde a tecelagem, confecção, acabamento, administração, loja, cozinha e banheiros utilizados por clientes e funcionários Senso de Padronização Na reunião ficou claro para todas as partes envolvidas que seria necessário que as mudanças fossem mantidas. Em cada setor as pessoas ficaram encarregadas de sempre

30 29 deixar tudo organizado e limpo, tornando esses fatores fundamentais para que haja uma rotina saudável dentro da empresa. O setor de tecelagem ficou encarregado de manter os fios organizados, cada cor e partida em seu devido local, com uma anotação em uma planilha do número da caixa onde cada cor estava. Na tecelagem foi mantido o padrão do tamanho da blusa a ser confeccionada, que varia de M a G. Com a padronização é inviável a alteração da programação (fazer tamanho P ou GG) para atender apenas um cliente, portanto a empresa optou pelo seguimento de apenas dois tamanhos. No setor de confecção as mudanças efetuadas foram de extrema importância para a padronização. Manter essas alterações proporcionou maior agilidade no processo de confecção. No setor de acabamento foi padronizado o tamanho que a peça seria dobrada, facilitando assim a colocação da mesma nas prateleiras da loja, em sacos plásticos ou em sacolas para o envio, evitando que as peças fossem amassadas. A administração ficou responsável em manter sempre a ordem no escritório e na loja (ambos ficam no mesmo ambiente), tornando o atendimento aos clientes mais eficaz. Também foi padronizada a forma de pagamento e recebimento de contas. As contas a serem pagas foram separadas e os pagamentos foram feitos toda segunda-feira de cada semana. As contas a receber foram estabelecidas um prazo fixo para todos os clientes de 60 dias, e as contas à vista um prazo de 10 dias a serem pagas, facilitando o controle da entrada de capital. A padronização em cada setor foi essencial para que existisse harmonia dentro da empresa e fizesse com que os elementos elencados nos três primeiros sensos fossem mantidos, sempre criando maneiras para aperfeiçoar esse processo Senso de autodisciplina Todos os setores dentro da empresa ficaram responsáveis por cumprir todas as regras que foram estabelecidas, tornando os 5`s um hábito. A única maneira encontrada para que isso acontecesse foi a discussão das normas e procedimentos nas reuniões realizadas com a participação de todos e a total compreensão das vantagens da implantação.

31 30 Para que cada setor desenvolvesse esse senso foi necessário o cumprimento dos procedimentos operacionais, busca de aperfeiçoamento de todos envolvidos, concretização da gestão participativa, melhor entrosamento entre empregados e empregados/empregadores, confirmação dos valores estabelecidos pela empresa, incentivo a capacidade de cada funcionário, educação e respeito com todos dentro da empresa.

32 RESULTADOS E ANÁLISES Após a implantação da ferramenta 5S dentro da empresa, foram feitas analises de como era o antes e o depois de sua implantação. Serão apresentados todos os resultados, obtidos em forma de imagens e as análises sobre cada item Quadro de Resultados dos 5 Sensos Nesta capitulo serão demonstrados os resultados alcançados, os que são visuais, serão demonstrados através de fotos relatando o ambiente da empresa antes e depois da implantação do programa 5S. Os resultados que não forem possíveis ser feita a captação de imagem, será explicado e demonstrado através do quadro de comparação do antes e depois. O quadro a segui relata como foram feitas as modificações na empresa, seguindo o modelo do 5S: SENSO Senso de Utilização Senso de Ordenação Senso de Limpeza MODIFICAÇÕES Esse senso proporcionou a liberação de espaço que antes era utilizado indevidamente para armazenar itens que já não eram mais utilizados e ocupavam espaços que hoje é utilizado para a estocagem e para vários setores. Esse processo resultou na remoção de materiais e moldes que eram desnecessários e fez a seleção dos materiais que são importantes, armazenando-os em caixas especificas. Esse senso foi o de maior importância dentro da empresa, pois era notável que a desorganização do espaço e materiais tornava o trabalho mais difícil e demorado. Todos os setores hoje são organizados, com os materiais em seu devido lugar para que não exista a perca de tempo com a procura do mesmo. A limpeza já era um habito dentro da organização, foi possível afirmar sua importância a todos colaboradores. A limpeza do ambiente que antes era feita somente uma vez na semana, hoje é feita todos os dias, cada pessoa ficou encarregada com a limpeza do seu setor,

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL Programa 5S Base da implantação da qualidade total nas organizações. Introdução: É possível eliminar o desperdício (tudo que gera custo extra), em cinco fases, com base no programa 5S, surgido no Japão

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Processos da Qualidade (JURAN) Planejamento Execução Monitoramento e Controle Planejar a qualidade Realizar a garantia da qualidade Realizar o controle da qualidade Inclui os

Leia mais

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa DIA DA BERMUDA - 2011 Arrumando a nossa casa 2 Entenda o que são os 5S Para praticar o Dia da Bermuda, primeiro você precisa entender o que são os 5S... Princípios dos 5S 3 O conceito de 5S tem como base

Leia mais

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos.

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. O QUE É O 5S? Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. TAMBÉM É CONHECIDO COMO HOUSE KEEPING 2 QUAIS SÃO OS SIGNIFICADOS

Leia mais

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade Desenvolvido no Japão, pós Segunda Guerra Mundial, o Programa 5S (conhecido também como Housekeeping) era um método utilizado pelos pais para ensinar a seus filhos os

Leia mais

5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt

5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt 5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt Usado para solucionar os problemas comportamentais nas empresas, principalmente para formar uma cultura de combate ao desperdício, à desordem,

Leia mais

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA 5S ADRIANA VIEIRA ARCANJO ANDRADE GIOVANE DA SILVA GUILHERME CHAVES KENYA OLIVEIRA WEVERTON DE OLIVEIRA Professor: Elielson

Leia mais

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60 O Programa 5S ESCOLA POLITÉCNICA André Gilmar Hélio Surgiu no Japão no fim dos anos 60 Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país ORIGEM 5S para lembrar as 5 palavras

Leia mais

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão;

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão; Sistema 5 S's Conceito: O Método "5S" foi a base da implantação do Sistema de Qualidade Total nas empresas. Surgiu no Japão, nas décadas de 50 e 60, após a Segunda Guerra Mundial, quando o país vivia a

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN APRESENTAÇÃO O Programa 8 S, Mudança e Qualidade de Vida, está sendo implantado na Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí, pela UNAFIN (Unidade Administrativa Financeira) para aumentar a qualidade e

Leia mais

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA ARENA, Karina de Oliveira 1 ; BUGLIA, Patrícia Rodrigues 1 ; PEREIRA, Mariane Francine Pereira 1 ; TAMAE, Rodrigo Yoshio 2 1-Acadêmicos do curso de Administração de

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO PROGRAMA 5S

GUIA PRÁTICO DO PROGRAMA 5S Avalie o Nível da Gestão 5S em sua Área de Trabalho Itens Avaliados 01. Existem objetos e recursos sem serventia na sua área de trabalho? 02. Existe desperdício observável, de qualquer espécie, em sua

Leia mais

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 1 CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! _Seiri _Seiton _Seiso _Seiketsu _Shitsuke _Shido _Sitsuyaki

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria São Paulo Assunto Assunto Página Página Introdução Introdução...... 01 01 Os Os Cinco Cinco s s...... 02 02 Seiri Seiri Utilização Utilização......

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho.

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Programa 5 S A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Com este programa, a qualidade e a segurança será colocada em prática e seu ambiente vai ficar mais alegre

Leia mais

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS RESUMO Williana de Souza Costa 1 Bruno de Araújo Santos 2 Carlos Alberto dos Santos Júnior 3 Jean Karlos Gouveia Januário 4 Natália dos Santos Pessoa 5 Osmar

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S Gestão da Qualidade Os 5 S Histórico dos 5S A gestão da Qualidade é primordial para o estabelecimento e sobrevivência de uma instituição e para viabilizar o controle de atividades,informações e documentos.

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

A Base para a Qualidade Total

A Base para a Qualidade Total A Base para a Qualidade Total 1 HISTÓRIA Foi concebido por Kaoru Ishikawa em 1950, no Japão pós-guerra; Surgiu com a necessidade de por ordem na grande confusão a que ficou reduzido o país após a derrota

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS MANUAL 5 SENSOS Ref.: MSGQ-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 09 1. INTRODUÇÃO O programa 5S tem como principais objetivos mudar comportamentos,

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com Programa 8S Promovendo a Qualidade de Vida O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S melhorar a qualidade de vida dos funcionários, transformando o ambiente da empresa,

Leia mais

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS - CCSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira São Luis 2013 GESTÃO DA QUALIDADE: Plano

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Projeto ANTT Sustentável

Projeto ANTT Sustentável PROGRAMA DE MELHORIA DE GESTÃO DA ANTT - PROMEG/ANTT Projeto ANTT Sustentável SENSIBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE & DESENVOLVIMENTO DOS 5 S Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca

Leia mais

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Gestão Aplicada I Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE QUALIDADE COMEÇA COM 5S 5S = Filosofia de mudança comportamental baseada em cinco princípios básicos, cujas palavras sinônimas (em Japonês) se pronunciam com o som de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II MARCIA TATHIANE DA SILVA RIBEIRO MANTOVANI

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II MARCIA TATHIANE DA SILVA RIBEIRO MANTOVANI CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II MARCIA TATHIANE DA SILVA RIBEIRO MANTOVANI PROGRAMA 5 S MARINGÁ 2011 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ MARCIA

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade.

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade. GESTÃO DA QUALIDADE Luiz Antonio Bertoli de Oliveira Prof. Pablo Rodrigo Bes Oliveira Centro Universitário Leonardo Da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Administração (ADG 0257)- Módulo I 08/11/2012 RESUMO

Leia mais

Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos

Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos O Sistema Municipal de Bibliotecas de Guarulhos possui 11 bibliotecas, sendo 11 da Secretaria de Cultura e 1 espaço troca livros. Atendemos

Leia mais

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Francislaine Pereira de Souza, Unisalesiano de Lins, e-mail: francislaine_ps@hotmail.com Janaina Fanali Daniel, Unisalesiano de Lins,

Leia mais

SISTEMA 5S PRATICANDO OS 5S NO SEU LOCAL DE TRABALHO

SISTEMA 5S PRATICANDO OS 5S NO SEU LOCAL DE TRABALHO PRATICANDO OS 5S NO SEU LOCAL DE TRABALHO APRESENTANDO OS 5S s VOCÊ ESTÁ ENTRANDO EM CONTATO COM UM SISTEMA DE EDUCAÇÃO E TREINAMENTO, CRIADO NO JAPÃO POR TAKASHI OSDA, QUE BUSCA A QUALIDADE TOTAL DE UMA

Leia mais

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo Aliny MALAGUTI¹ - RGM 070591 Carolina Stoze NARDY¹ - RGM 070498 Lidiane Aparecida Dias COSTA¹ - RGM 067031 Renato Francisco Saldanha SILVA² Elcio Aloísio

Leia mais

Controle da Qualidade do Almoxarifado 1/15

Controle da Qualidade do Almoxarifado 1/15 Controle da Qualidade do Almoxarifado 1/15 Indicadores de desempenho na Gestão de Materiais Estabelecimento de padrões: Para avaliar indicadores, é necessário ter padrões. Na fase de implantação pode haver

Leia mais

INOVAR e AGIR. O 5s na Seção de Comunicações

INOVAR e AGIR. O 5s na Seção de Comunicações INOVAR e AGIR O 5s na Seção de Comunicações Karina Ferreira Rocha Castilho maio /2010 De tudo, ficaram três coisas: A certeza de que estamos sempre começando... A certeza de que precisamos continuar...

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Pode-se criar um ambiente de qualidade em torno de si, usando as mãos para agir,

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

ETRO ento S2i LABM PROGRAMA 5S a de Treinam Program

ETRO ento S2i LABM PROGRAMA 5S a de Treinam Program PROGRAMA 5S Agenda Objetivos do Programa 5S Origem do 5S Senso de Descarte Senso de Ordenação Senso de Limpeza Senso de Saúde Senso de Disciplina 2 Agenda Objetivos do Programa 5S Origem do 5S Senso de

Leia mais

Apresentação do programa 5S

Apresentação do programa 5S Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID 2011 Ciências da Natureza Apresentação do programa 5S Dia 04 de janeiro de 2012 Local: Escola Elisa Ferrari Valls Horário: 09h O "Programa

Leia mais

5S - 5 sensos da qualidade

5S - 5 sensos da qualidade 5S - 5 sensos da qualidade É um processo com cinco grandes passos que ajudam a organizar melhor trabalho. É um programa que busca tornar o dia a dia na empresa mais tranqüilo, através de : cuidados com

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo

Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo Resumo: O Programa 5S se baseia em cinco sensos com a finalidade de garantir

Leia mais

Trabalho aplicado ao 5S

Trabalho aplicado ao 5S Trabalho aplicado ao S Equipe: Cristiano Fábio Paulino Se você continuar a fazer sempre o que fez, continuará obtendo sempre o que obteve. Para conseguir um resultado diferente você terá de fazer algo

Leia mais

Projeto interdisciplinar para a eficiência - 5S APAE. Programa de Qualidade Total. "O 5S é uma atividade para ser praticada eternamente por todos"

Projeto interdisciplinar para a eficiência - 5S APAE. Programa de Qualidade Total. O 5S é uma atividade para ser praticada eternamente por todos Projeto interdisciplinar para a eficiência - 5S 5 S APAE Programa de Qualidade Total "O 5S é uma atividade para ser praticada eternamente por todos" APRESENTAÇÃO O mundo do trabalho se apresenta cada vez

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

CAMINHADA PARA A EXCELÊNCIA

CAMINHADA PARA A EXCELÊNCIA CAMINHADA PARA A EXCELÊNCIA 1ª FASE ENTENDENDO O SEU TRABALHO 2ª FASE ARRUMANDO A CASA 3ª FASE AJUSTANDO A MÁQUINA 4ª FASE CAMINHANDO PARA O FUTURO ENTENDA O SEU TRABALHO ARRUME A CASA PADRONIZE ELIMINE

Leia mais

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Fonte: Maximiano Autores Principais Idéias e Contribuições Shewhart, Dodge e Romig Cartas de Controle. Controle estatístico da qualidade e controle estatístico

Leia mais

Pontuação 0 5 10 15-03 ou mais itens no local de trabalho sem providências de descarte. - 02 itens no local de trabalho sem providências de descarte.

Pontuação 0 5 10 15-03 ou mais itens no local de trabalho sem providências de descarte. - 02 itens no local de trabalho sem providências de descarte. Ficha Auditoria do Programa 5S SENSO DE UTILIZAÇÃO/DESCARTE SEIRI - Separar o útil do inútil, eliminando o snecessário. Consiste em ixar no ambiente trabalho apenas o material útil, scartando ou stinando

Leia mais

Um modelo de implantação do Programa 5S e sua aplicação no ambiente de trabalho de um grupo universitário

Um modelo de implantação do Programa 5S e sua aplicação no ambiente de trabalho de um grupo universitário Um modelo de implantação do Programa 5S e sua aplicação no ambiente de trabalho de um grupo universitário Christina Perpétuo Magalhães (UFV) christina.magalhaes@ufv.br Raphaela Real Isaac Piuzana (UFV)

Leia mais

5S EM ESCRITÓRIOS E NA VIDA PESSOAL

5S EM ESCRITÓRIOS E NA VIDA PESSOAL Cópia não controlada 5S EM ESCRITÓRIOS E NA VIDA PESSOAL Nos ambientes administrativos, como escritórios, ainda há uma resistência das pessoas em praticar o 5S por desconhecimento da metodologia e dos

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE EM INSTALAÇÕES

Leia mais

5Ss: Uma Proposição de Implantação para uma Indústria de Erva-Mate

5Ss: Uma Proposição de Implantação para uma Indústria de Erva-Mate 5Ss: Uma Proposição de Implantação para uma Indústria de Erva-Mate Raquel Sassaro Veiga (FAHOR) rv000312@fahor.com.br Edio Polacinski (FAHOR) polacinskiedio@fahor.com.br Vilmar Bueno da Silva (FAHOR) silvavilmarb@fahor.com.br

Leia mais

FACULDADE DE TÉCNOLOGIA SENAC CHAPECÓ-SC MÉTODOS E FERRAMENTAS DA QUALIDADE: IMPLANTAÇÃO PRÁTICA EM UMA EMPRESA DE CHAPECÓ-SC

FACULDADE DE TÉCNOLOGIA SENAC CHAPECÓ-SC MÉTODOS E FERRAMENTAS DA QUALIDADE: IMPLANTAÇÃO PRÁTICA EM UMA EMPRESA DE CHAPECÓ-SC FACULDADE DE TÉCNOLOGIA SENAC CHAPECÓ-SC MÉTODOS E FERRAMENTAS DA QUALIDADE: IMPLANTAÇÃO PRÁTICA EM UMA EMPRESA DE CHAPECÓ-SC Acadêmicas 083.332.599-01 052.762.169-24 Gean Paulo Pacheco de Oliveira 893.054.429-00

Leia mais

5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) RESUMO

5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) RESUMO 5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) (1) Universidade Federal de Santa Catarina - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Prof. Alan Schmitt 1 Estágios de LIMPEZA Limpeza pode ser entendida como inspeção, para encontrar e eliminar problemas que possam se apresentar Limpeza Geral Limpar tudo Varrer

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Suelem Correia Garcia 1, Lohanne Oliveira Rodrigues 1, Rutiele Tamara Januário Rodrigues 1, Camilla

Leia mais

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade Edição 01/08 MÓDULO 5S`s Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade 1 Conteúdo Programático do Módulo 5S Conteúdo Origem do 5S Objetivos do 5S

Leia mais

5S: METODOLOGIA E IMPLANTAÇÃO. 5S: Methodology and Implantation

5S: METODOLOGIA E IMPLANTAÇÃO. 5S: Methodology and Implantation 5S: METODOLOGIA E IMPLANTAÇÃO 5S: Methodology and Implantation Adriano da Silva CATUNDA Faculdade Politécnica de Campinas Júlio MARIANO Faculdade Politécnica de Campinas Pamela Regina Barbosa da SILVA

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

MÓDULO 2 Operacionalização

MÓDULO 2 Operacionalização MÓDULO 2 Operacionalização OBJETIVO GERAL: Demonstrar a operacionalização dos 5S s. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: 1. Os cinco sensos 2. Operacionalização dos 5S s 3. Benefícios dos 5S s Desafio 1 RESULTADO TAREFA

Leia mais

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Camila Cristina Prati Passarini (Unioeste) camila10prati@hotmail.com Rayssa Proença Loiola (Unioeste) rayssaproenca@gmail.com Riquianderson

Leia mais

CARTILHA 5 S DELFIN IMAGEM

CARTILHA 5 S DELFIN IMAGEM CARTILHA 5 S DELFIN IMAGEM Realização: NGQ - Núcleo de Gestão da Qualidade dezembro 2014 SUMÁRIO Sumário Apresentação 1 Objetivos 1 O programa 5S 2 Os 5 sensos 2 Conclusões 8 Anotações 9 Anexo 10 Apresentaça

Leia mais

EM PONTOS: vale a pena planejar

EM PONTOS: vale a pena planejar NO NEGÓCIO TEXTO DE MARCELO CASAGRANDE 5 EM PONTOS: vale a pena planejar A Gestão&Negócios reuniu cinco importantes motivos pelos quais o planejamento financeiro é fundamental para uma empresa. Saber o

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA FACULDADE DE JAGUARIÚNA Campus I: (19) 3837-8800 Rua Amazonas, 504 Jardim Dom Bosco Campus II: (19) 3837-8500 Rod. Adhemar de Barros Km 127 Pista Sul Jaguariúna SP 13.820-000 http://www.faj.br e-mail:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE RESUMO Bruna Cássia Mendes de AZEVEDO¹ Kelly Ariane Dutra do PRADO¹ Osmar de Campos FONSECA¹ Patrícia dos Santos ALVES¹ Renato F. Saldanha

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S Preparar uma empresa, ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente. OBJETIVOS ESPECÍFICOS ü Melhorar

Leia mais

Gestão visual e Manutenção

Gestão visual e Manutenção 10º Congresso da Manutenção Associação Portuguesa de Manutenção Industrial Figueira da Foz, 19 e 20 de Novembro de 2009 Gestão visual e Manutenção Não é fácil gerir tanta informação 2 Tem a certeza? Os

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009 O que é o Programa 5Ss? O Programa 5Ss é uma filosofia de trabalho que busca promover a disciplina na empresa através de consciência e responsabilidade de todos, de forma a tornar o ambiente de trabalho

Leia mais

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho S1 Seiri Separar o desnecessário Remover objectos não essenciais do local de trabalho 1. Tirar fotografias à área onde se inicia o projecto 5S; 2. Rever os critérios para separar os objectos desnecessários;

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA 5S NO SETOR DE VENDAS DE UMA CONCESSIONARIA NO INTERIOR DE SÃO PAULO

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA 5S NO SETOR DE VENDAS DE UMA CONCESSIONARIA NO INTERIOR DE SÃO PAULO IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA 5S NO SETOR DE VENDAS DE UMA CONCESSIONARIA NO INTERIOR DE SÃO PAULO Ana Caroline Zanelato Camila Garcia Coelho Fabiane Macedo Rabecini Fernanda de Souza Lima Francesli Silotto

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

IMPLANTAÇÃO TEÓRICA DO PROGRAMA 5S NO CENTRO DE TRANSFORMAÇÃO DE MATERIAIS DA UTFPR - CÂMPUS PONTA GROSSA

IMPLANTAÇÃO TEÓRICA DO PROGRAMA 5S NO CENTRO DE TRANSFORMAÇÃO DE MATERIAIS DA UTFPR - CÂMPUS PONTA GROSSA IMPLANTAÇÃO TEÓRICA DO PROGRAMA 5S NO CENTRO DE TRANSFORMAÇÃO DE MATERIAIS DA UTFPR - CÂMPUS PONTA GROSSA Fernanda Brekailo (UTFPR ) nandabrekailo@hotmail.com Michele Mugnaine (UTFPR ) michelemug@hotmail.com

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Qualidade em Indústria de Biotecnologia

Qualidade em Indústria de Biotecnologia Qualidade em Indústria de Biotecnologia Aula 1 Prof a. Dr a Ilana L. B. C. Camargo Curso: Ciências Físicas e Biomoleculares Disciplina: Microbiologia e Biotecnologia Industrial IFSC - USP Automação no

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE O PROGRAMA 5S NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Por Christiane Bastos Barboza Orientador Prof. Ana Paula Ribeiro Rio de Janeiro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA Adriana de Fatima Meira Vital (UFCG) vital.adriana@hotmail.com Gislaine Handrinelly de Azevedo (UFCG)

Leia mais

GESTÃO CIDADÃO CONSCIENTE

GESTÃO CIDADÃO CONSCIENTE GESTÃO CIDADÃO CONSCIENTE Missão Valores Visão Trata-se da área de significado, dando sentido a tudo o que é feito, respondendo à pergunta: por que é feito isso? 6 C AS FERRAMENTAS PARA GESTÃO CIDADÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5 Recomendar procedimentos de segurança na rotina diária das instituições de educação infantil - públicas e privadas.. A Secretária Municipal da Educação do Município de Curitiba,

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL- Nº. 002/2013- Versão 02 Unidade Responsável: Secretaria Legislativa de Administração Unidade Executora: Setor de Material e Patrimônio Aprovação em: 24/01/13 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: QUALIDADE DE SOFTWARE Aula N : 03 Tema:

Leia mais

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso)

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Edimar Alves Barbosa (UFCG) eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo

Leia mais