A Formação do Sujeito Inovador Apoiada no Uso de Projetos de Aprendizagem, Metodologias Ágeis e Ferramentas Colaborativas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Formação do Sujeito Inovador Apoiada no Uso de Projetos de Aprendizagem, Metodologias Ágeis e Ferramentas Colaborativas."

Transcrição

1 A Formação do Sujeito Inovador Apoiada no Uso de Projetos de Aprendizagem, Metodologias Ágeis e Ferramentas Colaborativas. Karen Selbach Borges, Márcia Amaral Corrêa de Moraes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) Câmpus Porto Alegre Resumo: É clara a importância da formação de profissionais com potencial para a inovação. Estes serão os responsáveis pela criação de produtos, processos ou novos modelos de negócios, capazes de alavancar a economia do país. Entretanto, questiona-se o que está sendo feito, através dos cursos de preparação para o mundo do trabalho, para formar sujeitos inovadores. Este trabalho, desenvolvido no contexto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, câmpus Porto Alegre, apresenta uma experiência de desenvolvimento de comportamentos necessários aos sujeitos inovadores, tais como a capacidade de resolução de problemas com criatividade, a capacidade de trabalhar de forma colaborativa, o compromisso e a responsabilidade individual, o compartilhamento de conhecimentos, a autonomia e a autorregulação. Estes puderam ser exercitados através do desenvolvimento de um projeto de aprendizagem apoiado no uso da metodologia ágil Scrum e fundamentado no processo de auto-regulação da aprendizagem, proposto por B.J.Zimmerman. Como resultado, pode-se observar, através do depoimento dos alunos participantes, a conscientização e a consequente mudança de atitude em relação ao seu processo de aprendizado. Palavras-chave: inovação, autorregulação da aprendizagem, Scrum. 1. Introdução O potencial de inovação de um país tem se mostrado como fator determinante para o crescimento da economia e, consequentemente, melhoria das condições de vida da população. Entretanto, a inovação depende muito mais de pessoas do que de recursos tecnológicos. Steve Jobs corrobora a importância do recurso humano na área de inovação ao afirmar A inovação não tem nada a ver com a quantidade de dólares que você tem para pesquisa e desenvolvimento... Não se trata de dinheiro. Trata-se das pessoas que você tem, como você é dirigido e o quanto você compreende (Gallo, 2010).

2 A pesar do Brasil, nos últimos anos, ter aumentado seus investimentos na formação de mão de obra qualificada, os avanços na geração de novos produtos ou processos são poucos quando comparados a outros países em desenvolvimento. Assim, questiona-se como estas pessoas estão sendo preparadas para serem profissionais inovadores? Muito se fala em inovação na sala de aula, mas o que se tem feito em relação à formação do sujeito inovador? Estudos mostram que o sujeito inovador possui desenvolvida uma série de habilidades e competências que compreende desde aspectos cognitivos até questões comportamentais. Assim, a formação desejada vai além da simples aquisição de conhecimentos técnicos. É necessário que o profissional além de saber fazer, saiba também ser e agir. Segundo Manfredi (1999), o "saber fazer", recobre dimensões práticas, técnicas e científicas, adquirido formalmente (cursos/treinamentos) e/ou por meio da experiência profissional; o "saber ser", inclui traços de personalidade e caráter, que ditam os comportamentos nas relações sociais de trabalho, como capacidade de iniciativa, comunicação, disponibilidade para a inovação e mudança, assimilação de novos valores de qualidade, produtividade e competitividade; o "saber agir", subjacente à exigência de intervenção ou decisão diante de eventos - exemplos: saber trabalhar em equipe, ser capaz de resolver problemas e realizar trabalhos novos, diversificados. Com foco nas dimensões do saber ser e do saber agir, o trabalho que será apresentado através deste artigo teve como objetivo estimular nos alunos o desenvolvimento ou aprimoramento de algumas das características inerentes ao profissional inovador, entre elas a capacidade de resolução de problemas com criatividade, a capacidade de trabalhar de forma colaborativa, o compromisso, a responsabilidade individual, a socialização de experiências, o compartilhamento de conhecimentos, a autonomia e a autorregulação. Essa última compreendida em um sentido mais amplo, envolvendo não apenas os processos de aprendizagem, mas também o gerenciamento do tempo, a priorização de tarefas e a mudança de atitudes. Este experimento foi realizado na turma de terceiro semestre do curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, campus Porto Alegre. A

3 metodologia utilizada será apresentada na seção 4. Na seção 2 será abordada a questão da formação do sujeito inovador. Um breve esclarecimento sobre a metodologia Ágil Scrum será apresentado na seção 3. Ao final, apresentaremos os resultados obtidos e as considerações finais. 2. A Formação do Sujeito Inovador O sujeito inovador é capaz de gerar e aplicar conhecimento, inteligência, técnicas e ideias na criação de novos produtos e no desenvolvimento de novos processos. Dessa forma contribuem de maneira crucial para a melhoria da eficiência e para avanço competitivo das organizações, setores e regiões onde trabalham (Green, 2013). É importante distinguir inovação de invenção. Enquanto a invenção referese a criação de algo novo, original, que pode, ou não, ser produzido comercialmente, a inovação está associada a ideia de mudança de comportamento. Inovação não é necessariamente sinônimo de novidade ou tecnologia... Quando um produto ou serviço é inovador ele causa impacto na vida das pessoas e transforma para sempre a forma de essas pessoas viverem e trabalharem Brown (2010). Em geral, os projetos inovadores são desenvolvidos em ambientes interdisciplinares que contam com a presença de profissionais em forma de T (McKinsey, apud Brown, 2010). Ou seja, no eixo vertical essas pessoas possuem conhecimento em profundidade de determinada área para fazer contribuições significativas para o resultado. Já no eixo horizontal, as pessoas possuem a capacidade e disposição para colaborar entre diferentes disciplinas. A atuação do profissional em áreas distintas exigirá dele a capacidade de buscar por conta própria o conhecimento necessário, de autorregular o seu processo de aprendizagem e de trabalhar de forma colaborativa. A partir dos trabalhos de Patterson, Kerrin e Gatto-Roissard (2013), Christo (2011) e Wagner (2012) é possível relacionar outras características que determinam o perfil do sujeito inovador: Criatividade: está relacionada com o uso e aplicação do processo de geração de idéias, associado com a sofisticação do uso da memória e conhecimento aprofundado do domínio;

4 Abertura à experiência: interesse por novas idéias, novas formas estéticas e possibilidade de uso das novas tecnologias; Socialização: os inovadores são socialmente independentes, podendo apresentar características tais como franqueza e desinibição. Podem se apresentar como pessoas difíceis de lidar. Consciência: do seu nível de competência, conhecimento técnico, criatividades, limitações e potencial. Capacidade de se colocar no lugar do outro; Extroversão: é dependente de contexto. A introversão parece estar associada aos processos internos de criação/artísticos, enquanto a extroversão é benéfica em atividades que exigem relacionamento interpessoal (vendas, gerência, etc) Motivação: pode ser de ordem interna ou externa. As motivações internas estão associadas à execução de uma tarefa, enquanto as motivações externas podem afetar a escolha de tarefas, campo ou estratégia de atuação. As motivações internas estão associadas ao desafio intelectual, curiosidade, possibilidade de auto-expressão, entre outros. As motivações externas podem ser aumento de salário, promoção de nível no plano de carreira, etc. Conhecimento: a imersão em um determinado domínio é essencial para a inovação. Entretanto, excesso de expertise em uma determinada área pode causar bloqueios indesejáveis; Comportamento: está relacionado com iniciativa, pró-atividade e persistência; Capacidade de gerenciamento: do tempo, dos erros, das críticas e das relações inter-pessoais. A esta relação acrescentamos ainda: Problematização: capacidade de observação, de realização de perguntas interessantes e originais, de questionamento àquilo que está posto e dado como certo; Resolução de problemas: capacidade de pesquisa e localização de informações que permitam estabelecer relações pertinentes e propor várias alternativas e hipóteses ante os problemas a resolver;

5 Autonomia: para regular os processo de aprendizagem, para realizar experimentos, para criar, rejeitar e compartilhar. Algumas destas características são natas, tal como a extroversão. Entretanto, a maioria delas pode ser desenvolvida ou aprimorada a partir dos contextos educacionais nos quais o sujeito se insere. Wagner (2012) questiona o que os pais, professores e escolas estão fazendo para desenvolver estas qualidades nos jovens. Uma das ações possíveis é o trabalho interdisciplinar e colaborativo em projetos de interesse dos alunos, utilizando as novas tecnologias. No que tange ao ensino superior de formação tecnológica, o desenvolvimento de projetos que se aproximam dos desafios apresentados pelo mundo do trabalho mostra-se como uma oportunidade para os alunos desenvolverem as características pertinentes a um profissional inovador. Além disso os professores podem experimentar ferramentas, métodos e processos inovadores de ensino-aprendizagem. 3. O Scrum Sabe-se que o uso de metodologias ágeis no desenvolvimento de projetos de Sistemas de Informação é prática cada vez mais comum nas empresas da área de TI. Dentre as várias metodologias existentes para gerenciamento de projetos ágeis, destaca-se o Scrum. Este baseia-se em uma série de princípios, derivados do Manifesto Ágil, das quais detacamos: prioridade na satisfação dos clientes através de entregas rápidas e frequentes de produtos que agregam valor; simplicidade no processo, na comunicação e na documentação; aceitação das incertezas e capacidade de se adaptar às mudanças; formação de times com capacidade de auto-gerenciamento; melhoria contínua, seja no desenvolvimento do produto, na capacidade técnica da equipe ou no próprio processo. Conforme Ken Schwaber (Kniberg, 2007), Scrum não é uma metodologia, é um framework. Ou seja, o Scrum é um conjunto de práticas que podem ser combinadas de modo a atender as necessidades da equipe do projeto. As principais práticas são: Sprint Planning: consiste na planejamento das atividades a serem

6 desenvolvidas durante o período de 2 a 4 semanas, denominado Sprint; Sprint Review: foco no produto. Apresentação do que foi feito durante o Sprint, discussão sobre acertos, erros e melhorias que podem ser feitas; Retrospective: foco no processo. Iidentificação de ações de melhoria a serem implementadas próximo Sprint; Daily Scrum: consiste m reuniões diárias, de no máximo 15 minutos, onde cada membro responde três questões: o que eu fiz ontem; o que vou fazer até amanhã; existem impedimentos? O acompanhamento da realização das tarefas é feito com o auxílio do Kanban, que é um quadro de atividades em formato físico ou virtual, como o da figura 2, apresentado adiante. Além da equipe de desenvolvimento (o Time), o Scrum possue outros dois atores: (i) o Product Owner, que é a pessoa que tem contato com o cliente e sabe exatamente o que precisa ser feito; (ii) o Scrum Master, que é o responsável por ajudar o Product Owner, garantir os princípios do Scrum, manter o time focado e remover impedimentos. 4. Relato da Experiência A disciplina de Programação para Web I foi escolhida para a realização deste experimento por apresentar características propícias para o desenvolvimento de um trabalho colaborativo e interdisciplinar: Carga horária: 90 horas, distribuídas em 5 períodos semanais e consecutivos, o que permitiu um tempo maior para o desenvolvimento dos projetos em sala de aula. Conteúdo: programação Java para Web, considerado um conteúdo de alto nível motivacional, pois permite aos alunos o desenvolvimento de aplicações Web com maior nível de complexidade. Possibilidade de realização de um trabalho interdisciplinar: o levantamento de requisitos, a definição dos casos de uso e a modelagem do sistema foram desenvolvidos na disciplina de Engenharia de Software II, a implementação do sistema foi realizada na disciplina de Programação para Web I e o banco de dados foi implementado e programado na disciplina de Banco de Dados II.

7 A metodologia Scrum foi apresentada aos alunos, que concordaram em adotar algumas práticas com vistas a obter melhor organização na divisão de tarefas e melhor acompanhamento na evolução do desenvolvimento do projeto. Assim, a turma foi divida em grupos de 4 alunos. Cada grupo definiu o projeto a ser desenvolvido conforme seus interesses pessoais e os alunos se revesaram no papel de team lider a cada 4 semanas, período compreendido pelo Sprint. As aulas foram divididas em períodos de teoria e momentos de prática aplicada. os encontros semanais de 5 períodos consecutivos foram organizados de modo a propiciar momentos para o desenvolvimento do conteúdo e tempo para os grupos discutirem o andamento do trabalhos, distribuírem tarefas, trocarem idéias e esclarecerem dúvidas com a professora. Destaca-se a realização de reuniões rápidas no início da aula, onde cada membro do grupo deveria responder as seguintes perguntas: o que eu fiz desde o último encontro; o que vou fazer até o próximo; existem impedimentos? Considerando as práticas do Scrum, o professor assumiu o papel de Scrum Master. Coube a ele, então, conduzir as reuniões de final de sprint, ajudar o grupo a avaliar o andamento dos projetos, reorganizar tarefas e tentar resolver conflitos e impedimentos do grupo. Foi desenvolvido, junto com os alunos, um instrumento de acompanhamento, conforme figura 1. Figura 1 ficha de acompanhamento da evolução dos projetos

8 As marcações em vermelho indicavam as pendências, as amarelas o que precisava ser melhorado e as verdes o que estava pronto e corretamente feito. A cada Sprint a tabela era retomada e o grupo auto-avaliava o andamento do projeto. Esse instrumento propiciou a realização de uma avaliação formativa, pois os problemas no processo de aprendizagem eram identificados a cada 4 semanas e resolvidos até o final do Sprint seguinte. Foi possível acompanhar a participação e o nível de envolvimento de cada membro do grupo, graças ao uso da ferramenta Scrumme. Através dela, cada grupo listou as tarefas necessárias para a realização do projeto e as distribuiu em Sprints. Cada membro do grupo escolhia, de forma autônoma, a(s) tarefa(s) na(s) qual(is) desejava trabalhar durante o Sprint. A figura 2 mostra a lista de tarefas de um dos Sprints do grupo denominado Webcar. Figura 2 histórias e tarefas do Sprint 4 do grupo Webcar A ferramenta possibilitou também o acompanhamento do andamento do projeto através de gráficos, conforme o exemplo da figura 3.

9 Figura 3 gráficos de andamento do sprint e de distribuição de atividades Cabe destacar que a ferramenta é gratuita, disponível via Web e pode ser utilizada de forma colaborativa pelos membros cadastrados no projeto. 5. Resultados Observados A fim de promover uma reflexão sobre o comportamento de cada aluno em relação ao desenvolvimento do projeto, foi realizada uma auto-avaliação no segundo e no último sprint. Para tanto, foi desenvolvido um instrumento, adaptado a partir das rubricas propostas por Franker (2007). O quadro 1 apresenta uma amostra do instrumento. Quadro 1 Rubricas para auto-avaliação de alunos em trabalhos colaborativos Categoria Excelente Muito Bom Bom Insatisfatório 3 pontos 2 pontos 1 ponto 0 pontos Foco na tarefa e participação Pesquisa e compartilhame nto de informações Permanece focado na tarefa e no que precisa ser feito. Pró-ativo. Frequentemente traz resultados de pesquisa e ideias úteis para as discussões do grupo. Defende/repens Concentra-se na tarefa e no que precisa ser feito a maior parte do tempo. Outros membros do grupo podem contar com esta pessoa Geralmente apresenta resultados de pesquisa e ideias úteis para as discussões do grupo. Concentra-se na tarefa e no que precisa ser feito algum tempo. Outros membros do grupo devem, por vezes, lembrar essa pessoa de continuar a tarefa. Às vezes apresenta resultados de pesquisa e ideias úteis para as discussões do grupo. Raramente se concentra na tarefa e no que precisa ser feito. Permite que outros façam o trabalho. Raramente contribui com resultados de pesquisa e ideias úteis para as discussões do

10 Resolução de problemas a ideias relacionadas com os objetivos do grupo. Sabe exatamente quais as ferramentas ou recursos necessários para a realização do projeto e como utilizá-los Sabe quais os recursos que serão necessários para a realização do projeto e tem conhecimento básico sobre a utilização das ferramentas necessárias. Tem alguma dificuldade em identificar quais os recursos que serão necessários para a realização do projeto e tem conhecimento básico sobre a utilização das ferramentas necessárias. grupo. Desconhece as ferramentas ou recursos necessários para a realização do projeto Ao final do semestre os alunos foram convidados a redigir depoimentos sobre o trabalho realizado. Alguns destes depoimentos ajudaram a corroborar a idéia de que é importante trabalhar não apenas competências técnicas, mas também as competências atitudinais necessárias ao saber fazer, saber agir e saber ser que Manfredi (1999) defende como sendo o perfil ideal de profissional para empresas inovadoras: é possível concluir que a utilização de projetos colaborativos como ferramenta didática é algo a ser levado adiante, pois permite aos participantes o desenvolvimento de seu senso crítico bem como o aprimoramento de uma série de qualidades que dificilmente seriam alteradas de outra forma. Este aluno evoluiu nos quesitos foco nas tarefas, divisão de responsabilidades e pesquisa de informações. Ao final da cadeira percebi a mudança na minha postura com relação ao projeto, procurei me policiar e focar no projeto. Esta aluna mostrou um nível de comprometimento com o trabalho nunca antes observado. Durante o desenvolvimento do projeto houve grande oportunidade de crescimento de aprendizagem através de situações adversas e dificuldades encontradas. Este aluno pesquisou e aplicou soluções utilizando conhecimentos que não faziam parte da ementa da disciplina. De modo geral minha auto avaliação diminuiu, pois percebi que fiz somente o que era necessário para que o software funcionasse. Essa aluna, transferida de outra instituição de ensino, inicialmente apresentou dificuldade para

11 iniciar o trabalho, mas seu comportamento de liderança foi decisivo para a conclusão do projeto. Antes me dei nota 3 no item foco na tarefa e participação. Agora mudei para 2 porque reconsiderei que ainda posso melhorar para me tornar um valoroso membro da equipe que "incentiva e apóia os outros no grupo". Esse aluno, apesar do excelente desempenho técnico, percebeu que precisava melhorar aspectos de comportamento e atitude. 6. Considerações Finais Neste experimento foi possível observar que, para a implementação de uma metodologia de ensino voltada a formação de sujeitos inovadores, há a necessidade de mudanças de postura tanto de alunos quanto de professores. Os alunos devem se tornar protagonistas do seu aprendizado. Para isso é preciso direcionar as práticas pedagógicas para um processo de autoregulação a aprendizagem, onde os sujeitos estabelecem os objetivos que norteiam a sua aprendizagem tentando monitorizar, regular e controlar as suas cognições, motivação e comportamentos com o intuito de os alcançar (Rosário, 2005). Autorregular-se significa viver processos de aprendizagem regulados pelo próprio aprendente. Tal regulação é em grande parte resultante da interação de conhecimentos, competências e motivações que são necessários ao planejamento, à organização, ao controle e à avaliação dos processos adotados e dos resultados atingidos numa determinada situação de ensino sistemático. Nesse sentido, a base do processo de autorregulação está na constituição de uma aprendizagem mais autônoma e pró-ativa, na qual o aprendente mobiliza as suas características pessoais e desenvolve estratégias assertivas para maximizar a sua aprendizagem nas mais diversas áreas da sua vida (Zimmerman, 1998). As tomadas de consciência resultantes desse processo conduzem a um maior envolvimento motivacional e à aplicação de estratégias metacognitivas (Zimmerman, 2008) em âmbitos diversos e mais amplos (da sala de aula para o mundo do trabalho, por exemplo). A metodoloogia SCRUM aqui proposta teve como objetivo, levar os estudantes a regularem suas aprendizagens. Conforme Montalvo e Torres (2004),

12 os sujeitos que autorregulam suas aprendizagens comportam-se da seguinte forma: Conhecem e sabem aplicar uma série de estratégias cognitivas (de repetição, elaboração e organização) que os ajudam a entender, transformar, organizar, elaborar e recuperar a informação; Sabem como planejar, controlar e dirigir os seus processos mentais, articulando-os às suas metas pessoais (metacognição); Apresentam um conjunto de crenças motivacionais e emocionais adaptativas, tais como o sentido de auto-eficácia acadêmica, a adoção de metas de aprendizagem, o desenvolvimento de emoções positivas face às tarefas (por exemplo: satisfação e entusiasmo), assim como têm capacidade para controlá-las e modificá-las, ajustando-as às exigências da tarefa e da situação de aprendizagem concreta; Planejam e controlam o tempo e o esforço que necessitam imprimir às tarefas e sabem criar e estruturar ambientes favoráveis de aprendizagem, como por exemplo, encontrar um lugar adequado para estudar e procurar ajuda dos professores e colegas quando têm dificuldades; Na medida em que o contexto permite, mostram uma intenção mais forte em participar do controle e da regulação de tarefas acadêmicas, do clima e da estrutura da sala de aula (por exemplo: conhecimento dos critérios de avaliação, exigências da tarefa, planejamento dos trabalhos em sala de aula e organização de grupos de trabalho); São capazes de fazer uso de uma série de estratégias volitivas orientadas para evitar distrações externas e internas, para manter a concentração, o esforço e a motivação durante a realização das tarefas acadêmicas. A autonomia do aprendente manifesta ao longo do ciclo de autorregulação e descrita nesse trabalho envolve o uso de estratégias metacognitivas, quais sejam as estratégias superiores de planejamento e decisão das componentes cognitivas de resolução de problemas. Para tanto, o indivíduo recorre a uma espécie de monitorização do seu próprio pensamento (pensar sobre o pensar). A metodologia SCRUM foi utilizada no sentido de promover esse tipo de processo aos acadêmicos.

13 Através desta experiência foi possível também comprovar a tese de que o professor precisa ultrapassar a função de transmissor do conhecimento para atuar principalmente como facilitador, orientador e conselheiro. Essa mudança de perfil é defendida por Perrenoud (2007), que sugere que o professor do século XXI deva ser (i) organizador de uma pedagogia construtivista; (ii) garantia do sentido dos saberes; (iii) criador de situações de aprendizagem; (iv) administrador da heterogeneidade; (v) regulador dos processos e percursos de formação. O autor acrescenta ainda a necessidade de uma postura reflexiva e crítica. A reflexão e a crítica foram os elementos que alavancaram a realização desta experiência. Ao trabalhar em uma instituição que tem um modelo visceralmente ligado às questões da inovação e transferência tecnológica (Silva, 2009), nos questionamos sobre como os processos pedagógicos estavam contribuindo para a implantação deste modelo. A partir daí temos desenvolvido um trabalho no sentido de buscar respostas para as seguintes perguntas: como formar profissionais aptos a trabalhar em contextos de inovação, sem inovar nas práticas pedagógicas? como avaliar se as práticas pedagógicas utilizadas estão de fato contribuindo para o desenvolvimento do potencial de inovação dos alunos? como priorizar a formação do ser humano, na sua integralidade, de modo que, ao estar na condição de egresso da instituição formadora, possa continuar aprendendo, ou seja, construindo alternativas inovadoras para a resolução dos problemas e desafios que o mundo do trabalho irá lhe oferecer? como implementar uma política pedagógica de formação que viabilize a autorregulação da aprendizagem como eixo transversal dos projetos pedagógicos de curso? Algumas destas questões já vem sendo trabalhadas através de projetos de pesquisa e grupos de trabalho da instituição. Outras permanecem em aberto e nos motivam a dar continuidade a este trabalho, na certeza de que muitas outras surgirão.

14 Referências Agile Manifesto, Acesso em junho de Brown, Tim (2010). Design Thinking: uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Rio de Janeiro: Elsevier Christo, Rodrigo de Siqueira Campos (2011). Comportamento inovador: fatores geradores antecedentes e consequentes. Dissertação de mestrado. Disponível em es/2011/dissertacao-rodrigo-siqueira.pdf. Acesso em março de Franker, Karen. (2007). Collaboration Rubric. Disponível em Acesso em outubro de Gallo, Carmine (2010). A Arte de Steve Jobs: princípios revolucionários sobre inovação para o sucesso em qualquer atividade. São Paulo: Lua de Papel Green Lawrence; Jones, Barbara; Miles, Ian (2013). Innovation policy challenges for the 21st century. Cox, Deborah; Rigby, John (org.). New York: Routledge Kniberg, Henrik (2007). Scrum e XP direto das trincheiras. C4Media Inc. Disponível em the-trenches. Acesso em junho de Manfredi, Silvia M (1999). Trabalho, qualificação e competência profissional - das dimensões conceituais e políticas. Educação e Sociedade [online]. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s &script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em setembro de Montalvo, F.; Torres, M. (2004) El aprendizaje autorregulado: presente y futuro de la investigación. Revista Electrónica de Investigación Psicoeducativa, Disponível em Acesso em abril de Patterson, Fiona; Kerrin, Máire; Gatto-Roissard, Geraldine. Characteristics & behaviours of Innovative People in Organisations. City University. London.

15 Disponível em Acesso em março de Perrenoud, Philippe. (2007). As competências para ensinar no século XXI: a formação de professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed. Rosário, P.; Almeida, L. (2005). Leituras construtivistas da aprendizagem. Em: G. Miranda; S. Bahia (Eds.). Psicologia da educação: temas de desenvolvimento, aprendizagem e ensino. Lisboa: Relógio D'água Editores. Silva, Caetana J. R. (2009) Lei Institutos Federais lei , de 29/11/2008: comentários e reflexões. Natal : IFRN. Zimmerman, B. J. (1998) Academic Studying and Development of Personal Skill: a Self-Regulatory Perspective. Em Educational Psychologist, 33, Disponível em %20studying %20a%20self%20regulatory%20perspective%20full%20article.pdf. Acesso em abril de Zimmerman, B. J. (2008) Investigating self-regulation and motivation: historical background, methodological developments, and future prospects. Em American Educational Research Journal, 45, no. 1. Wagner, Tony (2012). Creating Inovators. Scribner, NY.

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias Agenda Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias 1 Questão Central Como formar trabalhadores para o Século 21? 2 Visão Desafios do Cenário Atual

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM Peterson Vieira Salme 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil petersonsalme@gmail.com, claudete@unipar.br

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Ricardo Carvalho de Figueiredo Universidade Federal de Minas Gerais Professor Assistente Doutorando em Artes EBA/UFMG

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

O Ensino de Estrategias de Aprendizagem no Contexto Escolar. Psicologia da Educação Professora Geyza D Avila

O Ensino de Estrategias de Aprendizagem no Contexto Escolar. Psicologia da Educação Professora Geyza D Avila O Ensino de Estrategias de Aprendizagem no Contexto Escolar Psicologia da Educação Professora Geyza D Avila Objetivos Entender os Métodos para o Ensino de Estratégias de Aprendizagem Diferenciar Estratégias

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

JOGO DIDÁTICO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA TABELA PERIÓDICA

JOGO DIDÁTICO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA TABELA PERIÓDICA JOGO DIDÁTICO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA TABELA PERIÓDICA Vera Lucia Rocha da Silva (Universidade Federal do Piauí - UFPI/ CMRV) Email: veraelimaocommel@hotmail.com

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Entrevista com Heloísa Lück

Entrevista com Heloísa Lück Entrevista com Heloísa Lück Heloísa Lück é doutora em Educação pela Columbia University em Nova York e tem pós-doutorado em Pesquisa e Ensino Superior pela George Washington D.C. É diretora educacional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

Palavras-chave: aulas coletivas; motivação; execução musical; flauta transversal; prática interpretativa.

Palavras-chave: aulas coletivas; motivação; execução musical; flauta transversal; prática interpretativa. 794 AULAS COLETIVAS DE INSTRUMENTO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EXECUÇÃO MUSICAL DE FLAUTISTAS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO. José Benedito Viana Gomes Universidade Federal do Estado do Rio

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Eduardo Rocha Diretor da DSG Consultoria Capacitar seus colaboradores, do gerente aos coordenadores é o melhor caminho para melhorar a eficácia

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais