Julho 2008 PR Setembro 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Julho 2008 PR-00233 Setembro 2008"

Transcrição

1 Julho 2008 PR Setembro 2008

2 SUMÁRIO EXECUTIVO O sector dos moldes, que tem já uma existência de mais de 50 anos em Portugal, é de extrema importância para a economia nacional, assumindo um peso particularmente relevante nas regiões do Centro e do Norte do País. De acordo com os Quadros do Pessoal do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, em 2005, existiam 536 empresas no sector dos moldes empregando um total de 8369 trabalhadores. De acordo com a CEFAMOL 1, a produção total do sector em 2006 totalizou 373 milhões de Euros, dos quais 90% corresponderam à exportação. Este peso das exportações em torno dos 90% tem vindo a apresentar-se como uma característica marcante do sector desde meados dos anos 90. O sector dos moldes apresenta-se, assim, como um importante motor das exportações portuguesas de base tecnológica. Dentro dos mercados alvo para a exportação, destaca-se a União Europeia, em termos globais, seguida dos EUA e Canadá, embora a uma grande distância e com um peso decrescente nos últimos anos, em resultado da deslocalização de indústrias destes países para outros com custos mais baixos e da desvalorização do dólar. Analisando, em particular, os principais países alvo do sector dos moldes em Portugal, destacam-se a França, Alemanha, Espanha, EUA e Reino Unido que, em conjunto, representam 64% do total das exportações do sector. No que diz respeito às indústrias alvo das exportações, tendo em conta valores de 2006 levantados num questionário realizado no âmbito deste Plano Estratégico, destaca-se o sector automóvel, com 72% do total, seguido pelos outros sectores de actividade com percentagens sempre abaixo dos 8%. Os moldes são ferramentas complexas que estão na base de produtos e componentes em diversos materiais como o plástico, os compósitos ou o vidro. O impacto do sector fazse sentir a diversos níveis, servindo de elemento de suporte a indústrias estratégicas em Portugal como a do automóvel, a da embalagem ou a dos materiais eléctricos. A evolução histórica do sector dos moldes e ferramentas especiais desde os anos 50 demonstra a capacidade das empresas captarem novos mercados, se modernizarem e integrarem novas tecnologias e conhecimento. Em termos de domínio tecnológico, são várias as áreas em que as empresas do sector se destacam, permitindo-lhes actuar em diversas 1 Fonte: Situação actual da indústria portuguesa de moldes, CEFAMOL, ii

3 áreas para além da concepção, produção e comercialização de moldes, como por exemplo nos componentes plásticos, nas máquinas de moldagem ou nas peças maquinadas de alta precisão. Com efeito, muitas empresas têm vindo a integrar diferentes elementos da cadeia de valor de produção de produtos e componentes, com enfoque nos plásticos. No entanto, apesar da sua evidente importância estratégica e reconhecida adaptabilidade a novos desafios, o sector apresenta alguns sinais de estagnação decorrentes, por um lado, da crescente pressão dos clientes (geralmente grandes grupos económicos), que determinam os preços e condições de fornecimento de forma concertada e, por outro, da deslocalização de diversas indústrias para outras regiões do globo (e.g. para a Ásia), que colocam ameaças crescentes ao sector em Portugal. De facto, estes sinais de estagnação têm vindo a evidenciar-se em Portugal uma vez que após o crescimento acentuado verificado para o sector, na década de 90, se assiste a uma tendência para a estabilização desde Por forma a alterar este panorama e colocar o sector dos moldes em Portugal numa nova senda de crescimento com vista a torná-lo num líder mundial, tornou-se urgente desenvolver um projecto estruturante a médio e longo prazo, envolvendo todas as partes interessadas (empresas, associações, centros tecnológicos, universidades e decisores políticos). Este projecto abrangente, assente na mobilização das empresas para a mudança, é composto por um conjunto alargado de actividades em torno de diferentes áreas como o planeamento estratégico, a imagem e branding do sector, a promoção do sector a nível nacional e internacional, a formação e qualificação de recursos humanos, a optimização de processos, o empreendedorismo, a investigação e desenvolvimento, a cooperação e o desenvolvimento sustentável. A concretização deste projecto estruturante começou pelo planeamento estratégico do qual resultou este documento. O Plano Estratégico define as linhas de actuação que permitem reforçar a posição do sector nos mercados actuais e captar mercados emergentes de elevado crescimento, com base em produtos e serviços de alto valor acrescentado. Este Plano serve ainda de guia condutor para o restante conjunto de actividades do projecto estruturante do sector dos moldes em Portugal, definindo e organizando as acções associadas. A preparação do Plano Estratégico, com um horizonte temporal de médio prazo (10 iii

4 anos), foi assim desenvolvido de forma a: Tornar Portugal o país de referência a nível mundial no sector dos moldes; Reforçar a competitividade das empresas Portuguesas do sector no contexto global; Reforçar a proposta de valor dos produtos e serviços das empresas Portuguesas do sector; Dotar o sector dos moldes de uma identificação e um posicionamento de mercado claros. Os objectivos específicos a atingir com o desenvolvimento do Plano Estratégico foram os seguintes: (i) Realizar um diagnóstico detalhado do sector dos moldes em Portugal; (ii) Realizar uma análise comparativa com outras regiões do mundo e outros sectores; (iii) Estabelecer cenários possíveis para a evolução do sector; (iv) Definir linhas de orientação estratégica para o sector; (v) Definir de forma detalhada um plano de acções a 5 anos para as restantes actividades do projecto estruturante para o sector dos moldes, nas áreas de: Imagem e branding do sector dos moldes; Promoção do sector dos moldes a nível nacional e internacional; Formação e qualificação de recursos humanos; Optimização de processos; Empreendedorismo; Investigação e Desenvolvimento; Cooperação, redes e parcerias; Desenvolvimento sustentável. (vi) Definir um plano de financiamento para as actividades do projecto. Tendo em linha de conta os objectivos definidos, a preparação do Plano Estratégico foi realizada em 7 fases distintas que decorreram entre Julho de 2007 e Fevereiro de 2008, nomeadamente: Fase 1: Diagnóstico de Situação; iv

5 Fase 2: Análise comparativa internacional; Fase 3: Cenários de evolução; Fase 4: Linhas de orientação estratégica; Fase 5: Plano de implementação da estratégia; Fase 6: Elaboração de um plano de financiamento; Fase 7: Produção do Relatório de apresentação do Plano Estratégico para o sector dos moldes em Portugal. A preparação do Plano Estratégico envolveu um trabalho alargado de recolha de informação, incluindo também a realização de um conjunto de sessões de trabalho e a participação em diversos eventos, destacando-se: Levantamento de informação e dados estatísticos em diversos estudos e artigos; Realização de um conjunto alargado de entrevistas, para o diagnóstico de situação, onde participaram 20 empresas de moldes, 6 entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SCTN), 7 entidades públicas, 3 fornecedores, 3 clientes e 3 associações empresariais; Envio de questionário às empresas de moldes, tendo sido obtidas 31 respostas que representam 66 empresas e 78 % da produção total de 2006; Participação no European Tooling Fórum, iniciativa organizada pela International Special Tooling and Machining Association (ISTMA) Europe; 5 sessões de trabalho com a participação activa de empresários do sector, da CEFAMOL e do CENTIMFE nas seguintes datas: 24/7/2007 = Apresentação inicial do projecto e do trabalho de planeamento estratégico; 6/9/2007 = Apresentação e discussão dos resultados de recolha de informação junto dos empresários; 9/11/2007 = Apresentação dos resultados do questionário realizado às empresas do sector; 14/12/2007 = Primeira apresentação e discussão das linhas de orientação estratégica para o sector; 15/2/2008 = Segunda apresentação e discussão das linhas de orientação v

6 estratégica para o sector. Realização de entrevistas adicionais para a análise comparativa internacional a 8 empresas de moldes, 1 empresa financeira e 7 especialistas internacionais dos seguintes países: Austrália, Canadá, Espanha, EUA, Reino Unido e Suécia; Participação na feira EuroMold em Frankfurt em Outubro de A definição de sector dos moldes usada na preparação deste Plano Estratégico assumiu desde o início uma perspectiva alargada e abrangente, incluindo também as ferramentas especiais, as peças maquinadas e todo o conjunto de actividades associadas à engenharia de produto. Nesse sentido, os temos sector dos moldes, sector dos moldes e ferramentas especiais e sector Engineering & Tooling, usados neste documento, devem ser entendidos como sinónimos. O Plano Estratégico para o sector dos moldes está estruturado em seis capítulos. Seguidamente apresenta-se um breve resumo do conteúdo de cada um desses capítulos e dos anexos de suporte ao documento: Capítulo 1 - Diagnóstico do Sector: Este capítulo apresenta o diagnóstico de situação realizado, fornecendo a necessária contextualização da situação do sector e dos seus principais desafios, por forma a enquadrar devidamente as recomendações estratégicas apresentadas no documento. Desde já se pode concluir que, apesar do panorama competitivo global extremamente agressivo, o sector se encontra dotado de um conjunto de valências, competências e conhecimento que permite afirmar que as empresas do sector em Portugal estão numa posição privilegiada para reformularem e/ou reforçarem o seu posicionamento no sentido de poderem captar novas oportunidades de negócio em diversos sectores e mercados; Capítulo 2 - Análise comparativa internacional: Neste capítulo é apresentada a análise comparativa internacional realizada. Desta análise foi possível concluir que é possível desenvolver estratégias empresariais de sucesso no sector dos moldes, mesmo em países com estruturas de custo elevado, num contexto de grande competição a nível global. Estas estratégias são diversas, passando pela especialização ou pela capacidade de integração de diferentes partes da cadeia de valor. Por outro lado, os fenómenos de globalização, apesar de criarem um vi

7 conjunto de ameaças e induzirem uma maior competitividade, oferecem também um conjunto de oportunidades às empresas, que podem assim desenvolver estratégias globais, tanto ao nível da capacidade de detectar novas oportunidades de mercado como da capacidade de oferecer soluções totais através da gestão integrada da cadeia de valor. Neste âmbito, importa ainda destacar que existem casos de sucesso de viragem e reposicionamento estratégico de todo um sector nacional de moldes, tendo por base as vastas competências em engenharia e maquinação das suas empresas. Capítulo 3 - Um cenário consolidado de evolução do sector: Neste capítulo é apresentado um cenário consolidado de evolução futura do sector dos moldes tendo em conta três cenários hipotéticos que permitiram desenvolver uma síntese de possíveis caminhos a seguir pelas empresas de moldes num contexto global. Os cenários desenvolvidos foram propositadamente distintos por forma a abranger um leque alargado de opções estratégicas, que estimulasse a discussão e a geração de uma visão comum para o sector. A reflexão realizada permitiu desenvolver um cenário de evolução consolidado em torno de três áreas: (i) moldes de elevada complexidade para plásticos e materiais compósitos, (ii) ferramentas especiais e peças maquinadas de alta precisão e (iii) integração, por parte de algumas empresas de maior dimensão, de actividades de fabricação de produtos e componente plásticos e com base em materiais compósitos. Esta última área, mais complementar, reforçará o posicionamento do sector a nível global, permitindo a incorporação de valor através das competências na engenharia de produto e na concepção e desenvolvimento de moldes, ferramentas especiais e peças maquinadas de alta precisão. O cenário desenvolvido ajusta-se à nomenclatura e imagem já definidas pela CEFAMOL e pelo CENTIMFE em torno do Engineering & Tooling, pelo que se recomenda a sua continuação e reforço enquanto termo definidor do sector. Capítulo 4 - Linhas de orientação estratégica: Neste capítulo são apresentadas as principais linhas de orientação estratégica para o sector nos próximos 10 anos em torno do seguinte conjunto de elementos: (i) visão, missão e objectivos genéricos, (ii) posicionamento estratégico genérico, (iii) mercados alvo de actuação e (iv) linhas de orientação estratégica nas principais áreas de intervenção. Ainda no domínio dos elementos constituintes da definição estratégica para o sector, vii

8 definiram-se os elementos organizacionais e as estruturas de gestão a criar para sustentar a implementação da estratégia, assim como o conjunto de indicadores necessários ao seu controlo. Capítulo 5 - Plano de implementação da estratégia: Este capítulo apresenta o plano de implementação da estratégia em torno dos objectivos específicos e metas a atingir, bem como da tipologia de parcerias a estabelecer e da organização do projecto estruturante a 5 anos para o sector, em torno de 7 sub-projectos associados às diferentes áreas de actuação. A execução do projecto ficará ao encargo de quatro agentes fundamentais do sector, nomeadamente da CEFAMOL, CENTIMFE, OPEN e de um conjunto representativo de empresas, organizando-se de acordo com 3 fases distintas: arranque (com uma duração prevista de 1 ano), desenvolvimento e sustentação (ambas com uma duração estimada de 2 anos). Capítulo 6 - Plano de financiamento da estratégia: Neste capítulo é apresentado o plano de financiamento para a execução do projecto, tendo sido identificadas diversas fontes de financiamento nacionais e europeias, assim como uma metodologia para a captação de financiamento através dessas mesmas fontes. Capítulo 7 Recomendações: Neste capítulo é apresentado um conjunto de recomendações às empresas, ao CENTIMFE, à CEFAMOL, à OPEN e a instituições públicas. Estas recomendações surgem no seguimento das linhas de orientação estratégica definidas no capítulo 4, e pretendem estruturar de forma mais evidente o papel que cada stakeholder do sector deverá ter na execução da estratégia. Anexos: Na última parte do documento é apresentado um conjunto de dados de suporte ao Plano Estratégico, incluindo a lista de entrevistas realizadas, a análise de segmentação do mercado, o resumo dos indicadores de desempenho e a respectiva metodologia de recolha de informação, o método de construção do índex de competitividade do sector proposto e, finalmente, alguns detalhes dos programas de financiamento identificados. O sector Engineering & Tooling português tem condições únicas para se afirmar como um viii

9 exemplo de reposicionamento estratégico em face dos novos paradigmas de competição global. O Plano Estratégico constitui assim um importante elemento aglutinador de vontades, que deverá servir de guia condutor para a reformulação estratégica das empresas, para o reforço da participação de todos os stakeholders e para a concretização do projecto estruturante do sector, de modo a criar um novo ciclo de crescimento e a colocar o sector como um líder mundial num prazo de 10 anos. Porto, Julho de 2008 A, S.A. AGRADECIMENTOS Gostaríamos de agradecer a todas pessoas e entidades, que generosamente se disponibilizaram para a discussão de temas relevantes para a Preparação de um Plano Estratégico para o sector dos moldes em Portugal, contribuindo com a sua visão para uma análise multifacetada da realidade e facilitando significativamente a reflexão apresentada no presente documento. A, S.A ix

10 ÍNDICE 1. DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO Evolução histórica do sector dos moldes em Portugal Trajectória tecnológica e de projecto Identificação de oportunidades de mercado Importância dos recursos humanos e gestão do conhecimento Diversificação dos sectores: a dimensão vertical do Engineering & Tooling A cadeia de valor e as áreas de competência do sector dos moldes Caracterização do sector tendo por base as entrevistas realizadas Posicionamento do sector no panorama internacional, as suas vantagens comparativas, dificuldades e restrições Segmentação e caracterização genérica das empresas a actuar no sector dos moldes em Portugal Caracterização do sector tendo por base os resultados do questionário Análise da envolvente política, económica, social e tecnológica ANÁLISE COMPARATIVA INTERNACIONAL Breve descrição da procura e produção de moldes a nível mundial Estudos de caso Novos modelos de negócio relevantes para o sector dos moldes em Portugal UM CENÁRIO CONSOLIDADO DE EVOLUÇÃO DO SECTOR Descrição do Cenário 1 Especialização em moldes de elevada complexidade para plásticos e materiais compósitos Descrição do Cenário 2 - Especialização em ferramentas especiais e peças maquinadas de alta precisão Descrição do cenário 3 Especialização em produtos e componentes plásticos e com base em materiais compósitos Consolidação de cenários x

11 4. LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA Visão Missão Objectivos genéricos Posicionamento estratégico genérico para as empresas do sector Mercados alvo de actuação Linhas de orientação estratégica nas principais áreas de intervenção Instrumentos de gestão e controlo da estratégia PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução ao projecto estruturante para o sector Contributo da sessão de trabalho de apresentação da estratégia aos empresários Objectivos específicos e metas a atingir Parcerias PLANO DE FINANCIAMENTO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA Identificação e mapeamento das fontes de financiamento Plano de acção para a obtenção de fundos Descrição das fontes de financiamento RECOMENDAÇÕES Recomendações às empresas Recomendações ao CENTIMFE Recomendações à CEFAMOL Recomendações à OPEN Recomendações a entidades públicas REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Anexo A. Lista de entrevistas realizadas no âmbito do diagnóstico de situação xi

12 (Capítulo 1) Anexo B. Lista de entrevistas realizadas no âmbito da análise comparativa internacional (Capítulo 2) Anexo C. Análise de segmentação do mercado realizada no âmbito das linhas de orientação estratégica (Capítulo 4) Anexo D. Resumo dos indicadores de desempenho e metodologia de recolha de informação Anexo E. Construção do índex de competitividade do sector Anexo F. Eixos e Tipologias de Projectos do QREN Anexo G. Eixos do Programa FINICIA xii

13 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1-1: Áreas fundamentais de evolução tecnológica do sector dos moldes e ferramentas especiais Figura 1-2: Tecnologias que foram incorporadas no sector dos moldes e ferramentas especiais Figura 1-3: Destino das exportações do sector Figura 1-4: Evolução nos materiais e produtos produzidos Figura 1-5: Empresas criadas nos anos 60 e Figura 1-6: Sectores de efeito directo e indirecto e serviços associados ao sector dos moldes e ferramentas especiais Figura 1-7: Cadeia de valor do sector dos moldes Figura 1-8: Áreas de competência do sector dos moldes em Portugal Figura 1-9: O modelo de análise sectorial usado no Plano Estratégico para o sector dos moldes Figura 1-10: Ranking dos maiores exportadores do sector na UE Figura 1-11: Panorama mundial da evolução da produção e transacções comerciais de moldes Figura 1-12: Fluxos das transacções comerciais a escala mundial Figura 1-13: Evolução do VAB/hora nos EUA nas últimas décadas Figura 1-14: Dimensão das empresas portuguesas de moldes, de acordo com o número de trabalhadores. 32 Figura 1-15: Distribuição do número de empresas de moldes por concelho, em Figura 1-16: Distribuição dos trabalhadores das empresas de moldes por concelhos, em Figura 1-17: Posicionamento típico da pequena empresa de moldes em Portugal Figura 1-18: Posicionamento típico das grandes empresas de moldes em Portugal Figura 1-19: Evolução do mercado de exportação em Portugal Figura 1-20: Destino das exportações de moldes portuguesas, em Figura Evolução do volume de negócios entre 2004 e Figura Evolução dos resultados líquidos entre 2004 e Figura Evolução do volume de exportações directas entre 2004 e Figura Evolução do montante dos investimentos entre 2004 e Figura Dispersão de empresas por número de colaboradores entre 2004 e Figura Evolução do salário médio entre 2004 e Figura Nível de qualificações dos quadros das empresas, Figura Percentagem de colaboradores por função em Figura Evolução da percentagem do volume de negócios dispendida em actividades de inovação e I&D entre 2004 e Figura Empresas que colaboram com entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional Figura Empresas que beneficiaram de Programas de apoio à Inovação, Figura Média do número de colaboradores afectos a actividades de Inovação entre 2004 e xiii

14 Figura Média do número de projectos de inovação realizados nos últimos 3 anos e em curso Figura Grau de importância do desenvolvimento de actividades de Inovação e I&D Figura Áreas de actuação das empresas de moldes Figura Principais mercados geográficos por volume de negócios em Figura Principais sectores por volume de negócios em Figura Nível de competitividade das empresas Figura Áreas de actuação nos próximos 3 anos Figura 1-40: Evolução da cotação da bobina de aço laminada a quente no mercado internacional Figura 1-41: Evolução do Euro face ao Dólar Americano Figura 1-42: Evolução do Euro face à Libra Esterlina Figura 2-1: Distribuição da procura de moldes mundial Figura 2-2: A evolução do sector dos moldes e de manufactura nos EUA Figura 2-3: Evolução da produção, importação e exportação de moldes na China Figura 2-4: Evolução da produção de moldes na UE Figura 2-5: Estimativas da Visteon para a distribuição geográfica dos fornecedores de moldes a longo prazo Figura 2-6: Análise comparativa da estrutura de custos da concepção e produção de moldes (Alemanha vs China) Figura 2-7: Aspectos que os clientes de moldes valorizam para além do preço Figura 2-8: Percepção do rácio preço/valor pelos utilizadores de moldes chineses Figura 2-9: Apostas estratégicas para as empresas de moldes Figura 2-10: Evolução do volume de negócios do Tekniker Figura 2-11: Segmentação de receitas do Tekniker para o ano Figura 2-12: Membros da IK4 e áreas de especialização Figura 2-13: Breve descrição do CICMicroGUNE Figura 2-14: Breve descrição do CICNanoGUNE Figura 2-15: Sociedades de Garantia Mútua em Portugal e áreas de actuação Figura 2-16: Evolução do número de garantias prestadas pelas SGM, entre 2003 e Figura 2-17: Percentagem de empresas que tem recorrido a financiamento e percentagem de empresas que considera que esse financiamento tem limitado a sua capacidade de investimento e crescimento Figura 2-18: Esquema de funcionamento do factoring Figura 2-19: Grau de pressão ao nível dos clientes e dos fornecedores (1 Baixo; 4 Elevado) Figura 2-20: Investimentos e custos marginais de processos de produção de componentes de plástico Figura 2-21: Volume e complexidade para processos de produção de componentes plásticos Figura 2-22: Tempos dos processos de produção de componentes plásticos Figura 2-23: Localização das unidades da Rosti e respectivas competências Figura 2-24: Comparação dos sectores de moldes alemão e português xiv

15 Figura 3-1: A cadeia de valor no cenário Figura 3-2: Cadeia de valor no cenário Figura 3-3: Cadeia de valor no cenário Figura 3-4: Cenário consolidado para o sector Figura 3-5: Logótipo do sector Engineering & Tooling Figura 3-6: Evolução hipotética da produção do sector Engineering & Tooling Figura 4-1: Mapa estratégico para as empresas do sector Figura 5-1: Ecossistema do sector Engineering & Tooling Figura 5-2. Número de votos de cada uma das actividades Figura 5-3. Entidades relevantes para o desenvolvimento de parcerias estratégicas Figura 6-1. Tipos de intervenção possíveis dentro do Programa FINCRESCE Figura 6-2. Distribuição orçamental do Programa Cooperação Figura A-1: Metodologia de recolha de informação para os indicadores Figura A-2: Exemplo de indicação gráfica para a monitorização da implementação da estratégia do sector xv

16 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1-1: Peso no orçamento anual das actividades de marketing e desenvolvimento de novos produtos e processos Tabela 1-2: Evolução da distribuição do número de empresas de moldes por concelho entre 2000 e Tabela 1-3: Evolução da distribuição do número de trabalhadores de moldes por concelho entre 2000 e Tabela 1-4: Especialização por família de moldes em % da quantidade média nacional produzida para exportação, em 2000 e Tabela 1-5: Evolução dos principais mercados alvo entre 2000 e Tabela 1-6: Evolução das principais indústrias cliente entre 1984 e Tabela 2-1: Estudo comparativo da estrutura de custo de moldes, software e serviços (EUA vs China) Tabela 2-2: Garantias concedidas pelas SGM e suas principais características Tabela 2-3: Distribuição do nº e valor das garantias prestadas, e do financiamento associado pelas SGM, entre 2003 e Tabela 2-4: Salários brutos por hora em Tabela 2-5: Principais dados económicos do sector Advanced Manufacturing em Tabela 3-1: Especialização produtiva do sector Tabela 5-1. Calendarização dos sub-projectos de acordo as fases de arranque, desenvolvimento e sustentação Tabela 5-2. Modo de apresentação do orçamento dos sub-projectos Tabela 5-3. Hierarquização das actividades Tabela 5-4. Sugestões de actividades efectuadas pelos empresários Tabela 6-1: Matriz de fontes de financiamento e áreas de desenvolvimento estratégico Tabela 6-2: Concelhos cobertos por Fundos locais FINICIA xvi

17 1. DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO A criação de uma estratégia adequada e com real aplicabilidade implica um conhecimento profundo do sector dos moldes. Assim, importa começar por caracterizar o sector, de forma a compreender de que modo evoluiu até à situação actual e que caminhos futuros se lhe prevêem Evolução histórica do sector dos moldes em Portugal A evolução do sector dos moldes e ferramentas especiais revela o caso exemplar de uma indústria que soube, em momentos cruciais, antecipar as oportunidades de mercado e, sobretudo, potenciar o conhecimento acumulado, traduzindo-o em verdadeiro valor acrescentado e vantagem competitiva para a afirmação da liderança de Portugal no panorama internacional. Num momento em que se colocam novos desafios decorrentes do processo de globalização e exposição do sector a uma forte concorrência internacional, interessa reflectir sobre o trajecto realizado pela indústria e, essencialmente, os marcos fundamentais que ditaram a sua evolução. Esta reflexão permitirá, por um lado, perceber a capacidade de adaptação do sector à sua envolvente e, por outro lado, sendo talvez ainda mais relevante, perceber como o caminho percorrido até aos dias de hoje pode condicionar a evolução futura do sector. Este conceito de path dependency, como é frequentemente referido, é fundamental para o desenvolvimento estratégico. Assim, reconhece-se que as empresas devem tentar reposicionar-se por forma a encontrar novos mercados e fontes de vantagem competitiva sem, contudo, ignorarem as suas competências, conhecimento e recursos, fruto da sua longa existência e experiência no mercado. O percurso de sucesso do sector dos moldes tem sido caracterizado por um profundo dinamismo e por transições de grande importância em diversas vertentes, desde a trajectória tecnológica, à evolução nas oportunidades de mercado e consequente diversificação de sectores (progredindo na cadeia de valor), alicerçadas na grande importância conferida aos recursos humanos e numa capacidade empreendedora responsável pela proliferação horizontal das empresas. 1

18 1.2. Trajectória tecnológica e de projecto Do ponto de vista tecnológico, assistiu-se nas últimas duas décadas a um forte desenvolvimento das tecnologias tradicionais e ao aparecimento de novas tecnologias para o processamento dos diferentes materiais metálicos. Paralelamente, assistiu-se ainda à introdução de novos materiais que, com maior eficiência térmica e melhores características mecânicas, são mais aptos à obtenção de determinados atributos exigíveis às partes activas dos moldes. Ao mesmo tempo, tem-se constatado também um grande desenvolvimento nas tecnologias que manipulam as superfícies, nomeadamente, os tratamentos térmicos e termo-químicos de superfície (por exemplo, a indução laser) e os revestimentos nano-estruturados (vulgo PVD). Como resultado, melhoraram a resistência ao desgaste, a estabilidade química e as propriedades tribológicas das superfícies (expressas em menores coeficientes de atrito). Por outro lado, ao nível dos materiais poliméricos, registou-se a introdução de novos polímeros de engenharia para aplicações específicas, com impactos determinantes no valor da oferta do sector. Nas últimas décadas verificou-se ainda uma crescente afirmação do sector nas áreas da concepção, desenvolvimento e engenharia de produto, bem como na oferta de novos serviços, que ampliaram a sua cadeia de valor. Assistiu-se, assim, a uma evolução que ditou a transição de uma indústria que, tendo a sua génese na produção de moldes para vidro (desenvolvida por artesãos), incorporou progressivamente métodos e conceitos de Engenharia, assumindo actualmente um papel de destaque a nível internacional pela especialização em moldes de alta precisão e complexidade. Concepção e Projecto de Moldes Fabrico de Moldes Injecção de peças e componentes Produto Concepção, Desenvolvimento e Engenharia do Produto / Design Serviços no Produto Montagem Produção de Préséries Figura 1-1: Áreas fundamentais de evolução tecnológica do sector dos moldes e ferramentas especiais. Fonte: elaboração própria a partir de informação recolhida em: Beira, E., Menezes, J., Confrontação e Acção. Nova Agenda para a Indústria Portuguesa de Moldes, Working papers Mercados e Negócios TSI, Escola de Engenharia da Universidade do Minho (Julho 2005) 2

19 Os avanços tecnológicos ocorridos são hoje um factor de inquestionável valorização do sector, podendo ser enumeradas as várias tecnologias que actualmente são dominadas pela indústria, das quais se destacam: Tecnologias Tratamentos térmico Tratamentos de superfície TIC s Robótica Injecção de plásticos Injecção de ligas metálicas Materiais Laser Polimento Corte por Arranque de Apara Rectificação Electroerosão CNC Controlo numérico computorizado Computação gráfica (CAD / CAM / CAE) Engenharia de Produto Rapid prototyping (LOM, SLA, SLSp, SLSm) Maquinação alta velocidade Figura 1-2: Tecnologias que foram incorporadas no sector dos moldes e ferramentas especiais. Fonte: Elaboração própria a partir de informação cedida por Henrique Neto, Do ponto de vista do projecto, houve igualmente uma evolução profunda. Nos seus tempos primordiais, o sector era muito centrado no trabalho de bancada, apesar da utilização de tornos, limadores e engenhos de furar. No final dos anos 50, com o aparecimento do desenho e da possibilidade de o copiar em processo heliográfico, foram dados os primeiros passos para a assunção da importância das tarefas de projecto e planificação de trabalho. A partir dos anos 60 e sobretudo nos anos 70, o desenho de Engenharia tornou-se não só um instrumento de organização de trabalho, mas uma forma de comunicação com o cliente e de garantia de cumprimento de especificações técnicas. Com o advento da era informática, a modelação digital começou a tomar forma sendo, já nos anos 90, plenamente assimilado o recurso à internet, como forma de partilha de informação com o cliente em fase de projecto, bem como a utilização de CAD/CAM. Com uma estratégia pioneira e integradora das melhores e mais recentes tecnologias, nos anos 90 há uma aproximação clara ao desenvolvimento de produto com o cliente, sendo a prototipagem rápida uma das principais tecnologias assimiladas. A incursão por este desenvolvimento partilhado do produto veio reforçar o poder competitivo do sector, abrindo portas para 3

20 uma nova era de diversificação de serviços Identificação de oportunidades de mercado O evento impulsionador que ditou a génese do sector, terá ocorrido, nos anos 40, quando a maior empresa produtora de moldes para vidro (Aires Roque & Irmão) identificou a oportunidade de produzir moldes para plásticos, dando início a um processo que teria enormes repercussões nas décadas subsequentes até aos dias de hoje. Um dos seus sócios Aníbal Henriques Abrantes, apostou claramente nesta nova actividade, começando por trazer para Portugal as novidades do estrangeiro, disponibilizando depois o conjunto produto mais molde ao mercado nacional. A partir do momento em que se abriram as portas do mercado internacional (nesta altura com particular enfoque nos EUA), fruto de uma parceria entre Aníbal Henriques Abrantes e Tony Jongenelen, assistiu-se a uma evolução sem retorno, que conduziu a que as exportações atingissem 90% da produção nos dias de hoje. O destino destas exportações começou por ser os EUA, que actualmente ocupam menos de 10% das exportações devido a uma clara subida da influência do mercado europeu (ver Figura 1-3). Destino das Exportações França Espanha Alemanha Reino Unido EUA México Polónia Suécia Roménia Argentina Outros 22,93% 13,58% 15,88% 5,58% 6,75% 2,68% 2,26% 3,89% 0,31% 1,18% 24,95% 18,88% 14,83% 14,41% 8,35% 8,14% 2,79% 2,56% 2,55% 2,49% 2,47% 22,51% Fonte: ICEP, 2007 Figura 1-3: Destino das exportações do sector. Fonte: ICEP,

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

INDÚSTRIA ENERGIA & AMBIENTE ESTUDO DE TECNOLOGIAS NUCLEARES DO SECTOR DE ENGINEERING AND TOOLING. Projecto: DiMarkets (SIAC)

INDÚSTRIA ENERGIA & AMBIENTE ESTUDO DE TECNOLOGIAS NUCLEARES DO SECTOR DE ENGINEERING AND TOOLING. Projecto: DiMarkets (SIAC) ESTUDO DE TECNOLOGIAS 2010 NUCLEARES DO SECTOR DE ENGINEERING AND TOOLING INDÚSTRIA ENERGIA & AMBIENTE Projecto: DiMarkets (SIAC) Promotor: Cefamol Autor: Centimfe Nuno Fidelis ÍNDICE 1. O projecto DiMarkets

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS AUDITORIAS TECNOLÓGICAS ÀS EMPRESAS ETF PROCESSO MUITO DISCUTIDO E MUITO ALTERADO EPERIÊNCIAS DE REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS TECNOLÓGICAS NO PASSADO SOB O TEMA DA TECNOLOGIA ERA SOLICITADA E TRATADA MUITA

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL

ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL Paulo Faustino, PhD Arons de Carvalho, PhD Estratégia Metodológica Global Forças políticas,

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Sistema de Gestão IDI

Sistema de Gestão IDI Sistema de Gestão IDI Baptista Pires Daniel Figueiredo Workshop de Sensibilização para a Certificação IDI IDI & DNP 4-11-2014 Apresentação da Empresa Palbit SA Fundada em 1916, na actividade de exploração

Leia mais

////////////// CLUSTER DA MOBILIDADE OBJECTIVOS EIXOS PROJECTOS PARCEIROS CLUSTER DA MOBILIDADE

////////////// CLUSTER DA MOBILIDADE OBJECTIVOS EIXOS PROJECTOS PARCEIROS CLUSTER DA MOBILIDADE Plano de Acção ////////////// O FUTURO DA. UM FUTURO SUSTENTÁVEL A mobilidade sustentável é um dos principais desafios da Europa. Empresas construtoras de meios de transporte, fornecedores e vários outros

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Com o propósito de ajudar no preenchimento do formulário de candidatura online, em letra Arial, tamanho 11, a informação necessária está resumida

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal I - PLANO ESTRATÉGICO (CORPORATE BUSINESS PLAN) Desenvolver e executar estratégias

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Victor Francisco Responsável Unidade Gestão e Promoção da Inovação [victor.francisco@ctcv.pt] Seminário Gestão da Inovação - ACIB 25 de Março 2010 1 Sumário

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

20 Junho 2008. 13.Outubro.2008

20 Junho 2008. 13.Outubro.2008 20 Junho 2008 13.Outubro.2008 A Pool-net tem como objecto principal a Gestão e Coordenação do Pólo de Competitividade Engineering & Tooling, enquanto instrumento de operacionalização do Plano Estratégico

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação 1 PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação Excelência na execução como alavanca de crescimento no mercado Alemão Apresentação das primeiras conclusões do estudo Maio, 2013 FÓRUM PARA A COMPETITIVIDADE

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Licenciatura em Engenharia Informática Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Portugal Golfe e a Internet Alunos Número André

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 1 QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

PRODUTECH 2.0 PRODUTECH 2.0 PROGRAMA DE ACÇÃO. PRODUTECH Página 1

PRODUTECH 2.0 PRODUTECH 2.0 PROGRAMA DE ACÇÃO. PRODUTECH Página 1 PRODUTECH 2.0 PROGRAMA DE ACÇÃO PRODUTECH Página 1 ÍNDICE 1 Introdução... 3 2 Enquadramento... 3 3 Estratégia... 4 3.1 O contexto da indústria transformadora na Europa em Portugal... 4 3.2 As tecnologias

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 1 QREN Inovação Inovação Produtiva Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos

Leia mais

CONFERÊNCIA ENGENHARIA MECÂNICA QUE FUTURO?

CONFERÊNCIA ENGENHARIA MECÂNICA QUE FUTURO? José Manuel Fernandes 03 Maio 2012 FREZITE Ordem dos Engenheiros Engenharia Mecânica Que Futuro? 1 Contexto 1- CONTEXTO No universo da economia do conhecimento que as sociedades estão a viver, existem

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal Nuno Gomes Cefamol Associação Nacional da Indústria de Moldes MEMMOLDE NORTE As rápidas

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

Soluções com valor estratégico

Soluções com valor estratégico Soluções com valor estratégico Contexto O ambiente económico e empresarial transformou-se profundamente nas últimas décadas. A adesão de Portugal à U.E., a adopção do euro e o mais recente alargamento

Leia mais

novo portal de turismo Instituto de Turismo de Portugal

novo portal de turismo Instituto de Turismo de Portugal o portal de turismo à conquista de mais e melhores turistas novo portal de turismo ú novo portal de turismo ú o projecto enquadramento www.portugalinsite.pt envelhecimento natural, 7 anos depois do seu

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INDÚSTRIA DE EGINEERING & TOOLING COM POTENCIAL DE APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA DA SAÚDE

TECNOLOGIAS DA INDÚSTRIA DE EGINEERING & TOOLING COM POTENCIAL DE APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA DA SAÚDE DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM NOVOS MERCADOS INDUSTRIAIS Indústria da Saúde ( Projecto DiMARKETS ) TECNOLOGIAS DA INDÚSTRIA DE EGINEERING & TOOLING COM POTENCIAL DE APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA DA SAÚDE OPEN -

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Barómetro Travelstore American Express 2011 Sergio Almeida

Barómetro Travelstore American Express 2011 Sergio Almeida Barómetro Travelstore American Express 2011 Sergio Almeida Director de Negócio Travelstore American Express Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à 1. Amostra 2. Caracterização

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

PORTUGAL. INDÚSTRIA AUTOMÓVEL DIAGNÓSTICO Hotel Boavista, 17 de Dezembro de 2009. Ciclo de Workshops INOVAR PARA COMPETIR

PORTUGAL. INDÚSTRIA AUTOMÓVEL DIAGNÓSTICO Hotel Boavista, 17 de Dezembro de 2009. Ciclo de Workshops INOVAR PARA COMPETIR PORTUGAL INDÚSTRIA AUTOMÓVEL DIAGNÓSTICO Hotel Boavista, 17 de Dezembro de 2009 1. Portugal: indústria automóvel Diagnóstico 2. Portugal: mudança de paradigma - Indústria conversão para VE s 3. Portugal:

Leia mais

Palbit investe no Microsoft Dynamics CRM para suportar crescimento do negócio

Palbit investe no Microsoft Dynamics CRM para suportar crescimento do negócio Microsoft Dynamics CRM Cliente Referência: PALBIT Palbit Palbit investe no Microsoft Dynamics CRM para suportar crescimento do negócio Sumário País Portugal Sector Produção Industrial Perfil do Cliente

Leia mais

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas Sistemas de incentivos às empresas ACIBTM/In.Cubo 6 de julho 2015 P. O. financiadores Domínio Competitividade e OBJETIVO: Criação de riqueza e de emprego através da melhoria da competitividade das empresas

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais